Você está na página 1de 47

FACULDADE MATO GROSSO DO SUL

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL


DISCIPLINA: PONTES E GRANDES ESTRUTURAS

INTRODUÇÃO
E CONCEITOS
GERAIS
Objetivos

• Apresentação do curso e da bibliografia;


• Conceitos Gerais:
- Características particulares;
- Definições;
- Evolução histórica das pontes;
- Elementos constituintes das pontes;
- Nomenclaturas;
- Classificações das pontes

2
Ementa

Conhecimento dos tipos de pontes e viadutos. Trem-


tipo e Veículo-tipo. Normas técnicas de projeto de
pontes. Pontes em arco, estaiadas, suspensas e
treliçadas. Cálculo estrutural da infraestrutura,
megaestrutura e superestrutura das pontes.
Aparelhos de apoio. Manutenção das pontes.
Conteúdo
Parte 1: Conceitos Básicos
1. Definições e Evolução histórica das pontes; Elementos de
projeto; 2. Sistemas estruturais (Parte 1); 3. Sistemas
estruturais (Parte 2); 4. Cargas de pontes; 5. Trens-tipos; 6.
Linhas de influência

Parte 2: PROJETO – Ponte de Concreto


7. Cálculo dos esforços em vigas principais: Carga permanente;
8. Carga móvel; 9. Estados limites; 10. Dimensionamento de
vigas principais; 11. Inspeção e detalhes de execução; 12.
Esforços e dimensionamento de lajes; 13. Aparelhos de apoio;
14. Cargas em pilares; 15. Esforços e dimensionamento de
pilares e fundações
Bibliografia Básica

MARCHETTI, Osvaldemar. Pontes de concreto Armado. São


Paulo: Edgard Blücher, 2008. viii, 237 p. ISBN
9788521204404

FREITAS, Moacyr de,. Infraestrutura de pontes de vigas:


Distribuição de ações horizontais: método geral de cálculo.
São Paulo: Edgard Blücher, 2001. 93 p. ISBN
97885212002905

LEONHARDT, Vol. 6. Princípios Básicos da Construção de


Pontes de Concreto, Editora Interciência, Rio de Janeiro,
2013.

Critérios de projeto civil de usinas hidrelétricas. Centrais


Elétricas Brasileiras S.A. – ELETROBRÁS, 2003
Conceitos Gerais

PONTES

Refs.: 1. Pontes de Concreto Armado,Vol. 1, autor: Walter Pfeil


2. Pontes, autor: Glauco Bernardo
3. Pontes em Concreto Armado e Protendido, autor: Jayme Mason
4. Pontes Metálicas e Mistas em Viga Reta - Projeto e Cálculo,
autor: Jayme Mason
5. Pontes – Superestruturas, Vols. 1 e 2, autor: Colin O'Connor
Características particulares
 O QUE DIFERE AS PONTES DAS OUTRAS ESTRUTURAS
NO CAMPO DA ENGENHARIA ESTRUTURAL?

1. CARREGAMENTO

Edifícios Residenciais: cargas permanentes (80 %)


cargas acidentais (20 %)
Pontes: cargas permanentes  cargas acidentais

2. GRAU DE HIPERESTATICIDADE
Edifícios Residenciais: grande hiperestaticidade

Pontes: pequena hiperestaticidade


Definições

 Pontes: obra destinada a transposição de obstáculos à continuidade


de uma via. Os obstáculos usualmente encontrados são rios,
braços de mar, vales profundos, outras vias etc

 Viadutos: o obstáculo transposto não é constituído em sua maior


extensão por massa de água

Obs. Obras de engenharia que poderiam ser substituídas por


uma ponte ou viaduto: aterro do vale, muros de arrimo e
cortes
PONTES E
VIADUTOS:
Definições

VIADUTO DE MEIA ENCOSTA: empregado em encostas com o objetivo de minimizar


movimentação de solo em encostas íngremes, ou como alternativa ao emprego de

muro de arrimo ou similar.


Definições

Cruzamento em desnível

Viaduto de acesso
Evolução Histórica das Pontes

Origem da Construção de Pontes

Antigas Civilizações
 Árvore tombada nas margens de um riacho
Exemplos  As erosões eólicas mostraram aos primitivos o arco como forma adequada para
da Natureza vencer depressões
 Os cipós que se entrelaçam de uma árvore a outra (intuição das estruturas pênseis)

 ROMANOS
 Primeiros construtores
 Necessidade: expandir o império
e ligar o mesmo à capital
 Técnica: abóbadas de alvenaria
de pedra
Evolução Histórica das Pontes
 SÉCULO XX
 Pontes de concreto armado
 Mecânica dos solos: fundações
 Técnicas de obtenção de materiais de qualidade
 Concreto Protendido
Evolução Histórica das Pontes
Evolução Histórica das Pontes

PONTE RIO-NITERÓI
Requisitos Fundamentais

 FUNCIONALIDADE: satisfazer o fim para o qual foi destinada, permitindo o tráfego


atual e futuro; permitir que o escoamento das águas sob a ponte se processe
com o mínimo de perturbações. Portanto, a ponte deve apresentar determinadas
larguras e comprimentos

 SEGURANÇA: para segurança da ponte deve-se considerar: AS TENSÕES E


AS DEFORMAÇÕES. 1. As tensões não devem ultrapassar a tensão admissível
do material que as constitui; 2. As deformações devem ser limitadas (flambagem)

 ESTÉTICA: a ponte deve atender ao aspecto de boa aparência e deve satisfazer


Arquitetonicamente, sem criar grandes contrastes com o ambiente em que ela é
implantada

 ECONOMIA: requisito de maior importância. Atendendo aos requisitos anteriores, deve o


engenheiro encontrar a solução mais vantajosa do ponto de vista da realização do
projeto
Conhecimentos Afins

RESISTÊNCIA DOS
MATERIAIS

TEORIA DAS
ESTRUTURAS

MECÂNICA DOS SOLOS

HIDRÁULICA (estudo dos efeitos que a obra pode introduzir


no regime líquido)
MATERIAIS DE
CONSTRUÇÃO

AERODINÂMICA (estudo adequado do efeito do vento sobre a obra)

ARQUITETURA
Elementos constituintes das
Pontes
❶1. INFRAESTRUTURA
❶2. MESOESTRUTURA
❶3. SUPERESTRUTURA
Elementos constituintes das
Pontes
INFRAESTRUTURA

É a parte da ponte por meio da qual são transmitidos


ao terreno de implantação da obra (rocha ou solo)
os esforços recebidos da mesoestrutura

Elementos da
INFRAESTRUTURA:
 Blocos
 Sapatas
 Estacas
 Tubulões
Elementos constituintes das
Pontes
MESOESTRUTURA
É a parte da ponte que recebe os esforços da superestrutura
e os transmite à infraestrutura, em conjunto com os esforços
recebidos diretamente de outras forças solicitantes da ponte,
tais como pressões do vento e da água em movimento

Elementos da MESOESTRUTURA:
 Pilares
 Encontros
 Pilares-encontros
 Muros de acompanhamento
Elementos constituintes das
Pontes
1. PILARES: suportes intermediários que apenas
recebem os esforços da superestrutura

2. ENCONTROS: suportes de extremidades que ficam em


contato com os aterros, sendo sua função resistir
além dos esforços da superestrutura também aqueles
provenientes dos empuxos e subpressões
3. PILARES-ENCONTROS: suportes reforçados que devem
garantir a estrutura ou resistir a empuxos de arcos ou
abóbadas adjacentes

4. MUROS DE ACOMPANHAMENTO: são complementos


dos encontros e destinam-se a conter os taludes dos
aterros nas entradas das pontes (MUROS DE ALA;
MUROS DE RETORNO)
Elementos constituintes das
Pontes
4. MUROS DE ACOMPANHAMENTO

Muros de ala

Muros de retorno
Elementos constituintes das
Pontes
OBSERVAÇÕES:

 Os pilares são chamados de CAVALETES quando são


constituídos por treliça metálica ou de madeira
Elementos constituintes das
Pontes
 Em Pontes Pênseis, para colocação dos cabos, é preciso suportes
de altura maior: são as “TORRES” ou “PILONES”

 Pilares colocados dentro da corrente líquida: TALHANTES

“Torres” ou “Pilones”

Talhantes
Elementos constituintes das
Pontes
SUPERESTRUTURA
É a parte da ponte composta geralmente de lajes e vigas principais e
secundárias;
é o elemento de suporte imediato do estrado, sob o ponto de vista da
sua finalidade.

Elementos da SUPERESTRUTURA:
 Tabuleiro
 Tímpano
 Pendurais
 Estrutura principal
 Apoios
 Enrijamento
Elementos constituintes das
Pontes
1. TABULEIRO: conjunto dos elementos que vão receber
diretamente as cargas móveis
ESTRADO: contém a superfície de rolamento, o leito da estrada e o
suporte da estrada
• VIGAMENTO SECUNDÁRIO: constituído por longarinas e transversinas

Tipos de tabuleiros
Elementos constituintes das
Pontes
2. TÍMPANO: elemento de ligação entre o arco inferior e o tabuleiro;
tem a finalidade de transmitir ao arco todas as cargas
aplicadas na ponte
Elementos constituintes das
Pontes
3. PENDURAIS: elementos que aparecem nas pontes em arco
quando o tabuleiro é inferior ou intermediário; é através
deles que os arcos recebem as cargas aplicadas no tabuleiro
Elementos constituintes das
Pontes
4. ESTRUTURA PRINCIPAL: é a parte destinada a vencer
a distância entre dois suportes sucessivos
Obs. O tipo e o material da estrutura principal geralmente
definem uma ponte

5. APOIOS: permitem a localização das reações; podem ser fixos ou móveis


FIXOS: permitem apenas rotação da estrutura
MÓVEIS: permitem rotação e translação da estrutura

6. ENRIJAMENTOS: são os elementos que fornecem rigidez à ponte


CONTRAVENTAMENTO: resistem aos esforços oriundos de ação
perpendicular ao eixo longitudinal (vento)
TRAVEJAMENTO: resistem aos esforços oriundos de ação
que atua longitudinalmente (frenação ou aceleração)
Nomenclaturas

TRAMO: ALTURA DE CONSTRUÇÃO E VÃOS

 TRAMO:
Parte da superestrutura situada entre dois suportes sucessivos.
Elementos característicos: ALTURA DE CONSTRUÇÃO e VÃO
Nomenclaturas

 ALTURA DE CONSTRUÇÃO:
Para uma determinada seção é a distância vertical entre o ponto
mais baixo da estrutura e o topo da superfície de rolamento
Nomenclaturas

 VÃO:
Distância medida horizontalmente entre os centros de
duas seções da estrutura
1. VÃO TEÓRICO: distância entre os centros de apoios sucessivos.
2. VÃO LIVRE: distância medida horizontalmente entre as faces de dois apoios sucessivos.

Vão
teórico
Nomenclaturas

 VÃO:
Distância medida horizontalmente entre os centros de
duas seções da estrutura
1. VÃO TEÓRICO: distância entre os centros de apoios sucessivos.
2. VÃO LIVRE: distância medida horizontalmente entre as faces de dois apoios sucessivos.

Vão Livre
Classificação das pontes

a. TAMANHO DO VÃO
 Bueiros
 Pontilhões
 Pontes ou Viadutos

PONTILHÃO E BUEIRO:
DNIT (010-PRO):
Pontilhão: Ponte, inclusive apoios, com vão livre igual ou inferior a seis metros;
Bueiro: Estrutura de drenagem, construída sob a rodovia, atravessando todo o corpo estradal.
DNER (GTTR):
Pontilhão: 1) Pequena ponte com comprimento inferior a uma dezena de metros.
Bueiro: OAC destinada a conduzir as águas de um talvegue ou grota, em função da
declividade.
Classificação das pontes

b. DURAÇÃO
 Provisórias Pontes provisórias de uso militar:
 Definitivas
 Desmontáveis De rápida implantação em lugar de outra ponte destruída
ou em um lugar onde não há ponte.
Classificação das pontes

c. NATUREZA DO TRÁFEGO
 Ferroviárias
 Rodoviárias
 Pedestres
 Aqueduto
 Ponte Canal
 Pontes Mistas
Classificação das pontes
d. ANDAMENTO PLANIMÉTRICO
 Pontes retas
 Pontes reta esconsa
 Pontes em curva
Classificação das pontes

e. ANDAMENTO ALTIMÉTRICO
- Pontes retas:
 Pontes horizontais
 Pontes em rampa

- Pontes curvas:
 Tabuleiro convexo
 Tabuleiro côncavo
Classificação das pontes

f. SISTEMA ESTRUTURAL
 Pontes em viga
 Pontes em pórtico
 Pontes em arco
 Pontes pênseis
 Pontes estaiadas
Classificação: sistema estrutural da superestrutura

PONTE EM VIGA

PONTE EM PÓRTICO
Classificação: sistema estrutural da superestrutura

PONTE EM ARCO

PONTE PÊNSIL
Classificação: sistema estrutural da superestrutura

PONTE ESTAIADA
Classificação das pontes
g. MATERIAL DA SUPERESTRUTURA
 Pontes de madeira
 Pontes de alvenaria
 Pontes metálicas
 Pontes de concreto

h. POSIÇÃO DO TABULEIRO
 Tabuleiro superior
 Tabuleiro intermediário
 Tabuleiro inferior

i. MOBILIDADE DOS TRAMOS


 Pontes fixas
 Pontes móveis
 giratórias
 corrediças
 levadiças
 basculantes
 oscilantes
 flutuantes
Classificação das pontes
Pontes Giratórias

Pontes Corrediças
Classificação das pontes
Pontes Levadiças

Pontes Basculantes
Classificação das pontes

Pontes Oscilantes
FACULDADE MATO GROSSO DO SUL
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
DISCIPLINA: PONTES E GRANDES ESTRUTURAS

INTRODUÇÃO
E CONCEITOS
GERAIS