Você está na página 1de 2

Universidade Federal do ABC

Nome: Davi Kumruian RA: 11201721695


Disciplina: CTS Turma: A-Diurno
Professor (a): Luciana Pereira Data: 06/03/2018

Resumo 1 - Ciência, Tecnologia & Sociedade do Consumo

Mike Featherstone é professor na Universidade de Nottingham Trent (Inglaterra) e editor do jornal


Teoria, Cultura e Sociedade. É autor de vários livros e dentre os mais famosos encontra-se o inti-
tulado “Cultura de consumo e pós-modernismo”. Este livro é organizado em nove capítulos, estes:
1. Moderno e pós-moderno: definições e interpretações
2. Teorias da cultura de consumo
3. Por uma sociologia pós-moderna
4. Mudança cultural e prática social
5. Estetização da vida cotidiana
6. Estilos de vida e cultura de consumo
7. Cultura de cidades e estilos de vida pós-moderno
8. Cultura de consumo e desordem global
9. Cultura comum ou culturas comuns?
Este texto irá resumir o capítulo 2 (Teorias da cultura de consumo), onde pôde-se perceber claramente
que Mike Featherstone busca trazer uma reflexão acerca das razões que levaram as ciências humanas
a se interessarem pelo famoso pós-modernismo e como este termo tem estado intrinsecamente ligado
a teorias de consumo. Na leitura, compreendemos como o pós-modernismo se originou e como se
transformou em uma imagem cultural tão significante e poderosa.
Englobando os dois primeiros capítulos (Moderno e pós-moderno: definições e interpretações;
Teorias da cultura de consumo), Featherstone busca compreender as definições, interpretações e
associações feitas entre cultura de consumo e pós-modernismo.
Diferentemente dos demais capítulos que abordam uma visão que ressalta mais as transformações na
sociedade, esse capítulo enfatiza o a cultura de consumo em geral. Suas conjeturas a respeito da
indústria cultural dão atenção especial ao consumo e os processos de massificação cultural e não
apenas aos modos de produção. Os escritos da teoria crítica focalizavam o papel da mídia e da
publicidade e os efeitos destas na formação de identidades e nas práticas do cotidiano.
Com a leitura do excerto, podemos compreender as relações negativas e positivas a respeito da cultura
popular, de massa e de consumo e a relação desses posicionamentos e como o pós-modernismo
implica, antes de mais nada, em estar ciente do que vem acontecendo com a cultura geral. O termo
moderno e suas derivações são definidos e interpretados em diversos campos de diferentes maneiras,
que acabam se cruzando em algum momento.
A modernidade, segundo o autor, é um termo comumente usado para indicar um conjunto especifico
de características, refere-se a uma contraposição a ordem tradicional que segundo alguns autores da
sociologia resultam em racionalização e diferenciação do mundo social. Enquanto que pós-
modernidade é usada para indicar a transição de uma época para outra, interrupção da modernidade
ou simplesmente uma mudança. O modernismo, usado para abarcar as diferentes formas de cultura
associadas ao processo de modernização, possui um sentido mais restrito, ligado em geral a estilos
artísticos advindos da virada do século XIX. Tem como características básicas a reflexividade,
autonomia, ênfase no sujeito desestruturado e desumanizado.
Logo após a exposição destes diferentes posicionamentos e interpretações, Mike conclui que não
existe um consenso a respeito do uso que se faz do termo pós-moderno e seus derivados. O que é
certo é que seus significados que se misturam de maneira confusa, mas nos leva a pensar a respeito
das mudanças ocorridas na cultura contemporânea com reflexo nos campos artístico, intelectual e
acadêmico. Os debates atuais põem a cultura e as práticas cotidianas no centro das discussões e os
pós-modernos são os que se interessam especialmente por essa discussão.
Featherstone enfatiza que o consumo não é apenas um derivado da produção e que por tal motivo, a
sociologia deveria analisá-lo além da proposta herdada pela teoria da cultura de massas, que o coloca
como algo negativo.
A teoria da cultura de consumo, segundo o autor, consiste, portanto, numa escola de pensamento
interessada em estudar o consumo a partir de um ponto de vista social e cultural, ao invés das
abordagens econômicas ou psicológicas tradicionalmente utilizadas para estudar o consumo.
Featherstone aponta, com o olhar voltado para a sociedade pós-moderna, que as teorias da cultura de
consumo entende os significados culturais como sendo numerosos e fragmentados, portanto, pode-se
concluir com a leitura que a cultura de consumo é vista pelo autor como um arranjo social em que as
relações entre a cultura, recursos sociais, modos de vida e os recursos materiais e simbólicos de uma
sociedade são mediados pelos mercados e os consumidores são parte de um sistema que interliga
produtos e imagens, dos quais eles usam para construir identidades e orientar suas relações com os
outros.

[FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. Studio Nobel,


1995. Cap 2 Teorias da Cultura de Consumo p.31-47]