Você está na página 1de 5

ESPECÍFICA DE PORTUGUÊS Profº Victor Linard

HÍFEN

PALAVRAS
1º - Preposição;
2º - Lugar, Origem Animal, Planta;
3º - ACAMAPAO
4º - Apóstrofo
5º - Bem – Mal
6º - Sempre Juntas

PREFIXOS
1º - H;
2º - Diferentes se juntam, Iguais se Separam;
3º - R-S;
4º - SUB + R/H
5º - CIRCUM/ PAN + M,N, VOGAL
6º - CO, RE, PRE
7º - AVESARA PPP
A - Com palavras:

1º Ligados por preposição NÃO SE USA: Cão de Guarda, Cor de vinho, Dia a dia, Fim de semana, pé de moleque, pão de ló.

2º Se for nome de lugar, origem ou animal/planta USA SEMPRE:


2.1 - Lugar/Origem: Grã-Bretanha; Grã-Pará; Baía de Todos-os-Santos, greco-romano, greco-latino, afro-brasileiro,
(afrodescendente – NÃO É ORIGEM), afro-cubano, ibero-americano, israelo-americano,
2.2 – Animal/Planta: joão-de-barro, onça-pintada, arara-azul, gato-do-mato, bem-te-vi; mico-leão-dourado, sabiá-do-cariri,
castanha-do-pará, chá-da-índia, Erva-doce, couve-flor, pimenta-do-reino

3º ACAMAPAO (SÃO 7 EXCEÇÕES SEM EXPLICAÇÃO)


Água-decolônia, cor-de-rosa, arco-da-velha, mais-que-perfeito, à queima-roupa, pé-de-meia, ao deus-dará.

4º Apóstrofo (SEMPRE COM HÍFEN)


gota-d'água, pé-d'água, mãe-d’água, espelho’dágua

5º “BEM" OU "MAL":
BEM:
Se o segundo elemento começar por F ou Q: JUNTO!
benfeito, benquerer, benfazejo, benfeitor, benquerença,
benquerente, benquisto.

SEM O “F”- “Q” SÃO SEPARADOS:


bem-aventurado, bem-criado, bem-humorado, bem-educado,
bem-nascido, bem-sucedido, bem-vindo, bem-visto, bem-
aventurado, bem-criado, bem-humorado, bem-educado, bem-
nascido, bem-sucedido, bem-vindo, bem-visto.

Antes, vamos treinar o MAL (TROCAR POR BEM) –MAU (TROCAR POR BOM)
“A seleção jogou________” “Ele é um ________profissional” “Ela estava _____-humorada” “Ela estava com _____ humor” “Houve
um grande _______-estar” “Era o lobo ______” “A palavra foi _____usada” “Analisamos o _____ uso das palavras”

MAL:
Separa se o segundo elemento iniciar por L, H, VOGAL:
ESPECÍFICA DE PORTUGUÊS Profº Victor Linard
mal-afortunado, mal-educado, mal-estar, mal-humorado, mal-
limpo, mal-amado, mal-intencionado

Se não iniciar por L, H, VOGAL:, fica junto


malcolocado, malcriado, malgrado, malnascido, malpago,
malpesado, malsoante, malvisto, malsinalizado, maldito,
maltratar

6º - Palavras que SÃO SEMPRE JUNTAS: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, planalto.

B - Com os prefixos:

aero, agro, além, ante, anti, aquém, arqui, auto, circum, co, contra, eletro, entre, ex, extra, geo, hidro, hiper, infra, inter, intra,
macro, micro, mini, multi, neo, pan, pluri, proto, pós, pré, pró, pseudo, retro, semi, sobre, sub, super, supra, tele, ultra, vice etc.

1º - Sempre se usa o hífen diante de h: anti-higiênico, super-homem, co-herdeiro, macro-história, mini-hotel

2º Diferentes SE JUNTAM, iguais SE SEPARAM: autoescola, antiaéreo, contra-ataque, micro-ondas, anteprojeto, semicírculo, inter-
regional, sub-bibliotecário, intermunicipal, supersônico, interestadual, superinteressante.

3º Diante de R e S, se juntam e dobram-se essas letras: antirracismo, antissocial, ultrassom, minissaia, antirrábica.

4º SUB + R SEPARA SEMPRE: sub-região, sub-raça, sub-reitor, sub-religioso.


SUB + H, tira-se o H e junta tudo: subumano, subumanidade, subortaliça.

5º CIRCUM e PAN + M, N e VOGAL, separa sempre: circum-navegação, pan-americano, circunferência, circunspeção, circunvizinho,
circunstância, panificadora, panorâmica, panfleto.

6. “CO, RE, PRE” SEMPRE JUNTO: coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante, reeditar, preexistir,
preestabelecer, reedição, reelaborar.

7. AVESARA PPP (AB, VICE, EX, SEM, ALÉM, RECÉM, AQUÉM, PÓS, PRÉ, PRÓ) usa-se sempre o hífen: ab-rogar, vice-rei, vice-
almirante, ex-aluno, sem-terra, além-mar, aquém-mar, recém-casado, pós-graduação, pré-vestibular, pró-europeu.
Facebook; vendo fotos no Instagram (imagens, afinal, são
SIMULADO uma espécie de ―leitura‖), matérias em revistas, jornais e
Como o Facebook nos transformou em leitores desatentos sites; acessando blogs; assistindo a séries no Netflix.
Sinto que venho me tornando um leitor menos atento. Meus Corremos os olhos do computador para o notebook, para o
olhos passam pelas palavras como se fossem ondas que se Kindle, para o smartphone, para o tablet, para um livro
quebram e somem. Para ganhar concentração, muitas vezes impresso… Para a próxima invenção que colar, seja um
tenho de me isolar, abrir um livro físico (com o digital fica relógio com mais informações vindas de seu pulso, seja um
mais difícil ter foco), respirar fundo e, então, curtir a história. par de óculos mostrando tudo bem à frente. Não somos
Situação preocupante, principalmente para um leitor voraz mais mergulhadores. Viramos surfistas – e tenha isso como
como eu. Só que se torna ainda mais alarmante quando noto elogio e crítica ao mesmo tempo.
que amigos, colegas de escrita, repetem essa reclamação em Sim, há vantagens: agora também somos ligeiros. Viramos
tom uniforme. O que ocorre? Será que há algum mal craques em consumir informações com rapidez. Sabemos o
universal que nos faz ler cada vez pior? que a vovó está postando no Facebook, ao mesmo tempo
Não chamaria de ―mal‖, mas de ―cenário‖. Trata-se do em que assistimos a Breaking Bad no computador e
mundo das redes sociais. Se antes nos acostumamos a livros conferimos mensagens no WhatsApp. Nossas mentes estão
e revistas, a mergulhar em cada informação (e era tão ágeis.
pouca!) que surgia à nossa frente, agora surfamos pelos Pelo bem, pelo mal, há uma mutação em curso. Somos
dados (e são tantos!), preocupando-nos mais com a próxima leitores diferentes. Algo tem ocorrido em nosso cérebro que
onda do que com a que passou. Vamos de um lado para mudou nossos processos cognitivos. Enquanto os mais
outro, freneticamente, lendo status no Twitter, no velhos podem até ter dificuldades para lidar com o universo
ESPECÍFICA DE PORTUGUÊS Profº Victor Linard
do touch, da comunicação instantânea, uma criança de
poucos anos sabe navegar com talento pelo iPad. Porém, na
hora de se concentrar em uma só história, em analisar um só
caso, podem prevalecer a falta de atenção, as falhas de
memorização, a atitude de surfar sem mergulhar em águas
profundas.
Uma série de trabalhos científicos tem sido publicada sobre
essa transformação do hábito de ler. Um dos estudiosos do
tema é o escritor americano Nicholas Carr. Em um agora já
clássico artigo para a revista The Atlantic, ele diz: ―Nos
últimos anos, tenho a sensação desconfortável de que
alguém ou algo tem pregado peças com meu cérebro (…).
Sinto isso ainda mais forte quando leio. Imergir em um livro
ou em um longo artigo era fácil (…). Agora, minha
concentração se perde frequentemente depois de duas ou
três páginas (…). Acho que sei o que está ocorrendo. Por
mais de uma década, tenho gastado tempo demais on-line.‖
Trata-se de uma preocupação que tem se espalhado. A
neurocientista Maryanne Wolf, do Centro de Pesquisas de
Leitura e Linguagem da Universidade Tufts, de Boston, vai
ainda mais fundo na análise. Para ela, a era da internet tem
moldado o cérebro, capaz de se adaptar, de repaginar a rede
de sinapses dos neurônios, de acordo com o tipo de leitura
que faz. Em um de seus livros, avisa: ―Livros sempre foram
uma forma de se aventurar, trabalhar a imaginação e crescer
intelectualmente. Porém, na era da internet, passou-se a ler
rapidamente, sem análise nem crítica.‖ Segundo a autora,
isso faz com que os jovens de hoje desenvolvam menos
conexões neurais. Ou seja, tenham cérebros menos eficazes.
Não faltam estudos sobre o tema, na maioria muito ácidos e
críticos, como os realizados por Maryanne Wolf. Mas vale
uma pausa. Grande parte dos cientistas ainda acha cedo
para chegar a conclusões irrefutáveis. Estou com essa turma.
Há milênios, ocorreu a mesma reação a uma inovação tão
disruptora quanto é a internet para esta época: a escrita.
Sócrates, nos idos da Grécia Antiga, irritou-se com a chegada
de tal tecnologia. Para ele, a leitura faria da mente, que não
mais precisaria memorizar tudo, um ente preguiçoso.
Reações contrárias, por vezes contendo premonições
apocalípticas, surgem sempre junto à chegada de novidades
tecnológicas — em relação à escrita, à prensa de Gutenberg,
à física de partículas, à internet ou aos aplicativos de tablets
e smartphones. Mas o que nossa história, a da humanidade,
tem provado é que os avanços têm vindo para o bem. Sim,
muda o quê e quem somos. Há, porém, um balanço,
usualmente positivo. No caso da leitura na era digital,
aposto todas as minhas fichas no equilíbrio. Eventualmente,
aprenderemos a lidar com essa nova forma de consumir
informações. Talvez saibamos juntar com proficiência o
mergulho e o surfe. Neste momento, contudo, não
vislumbramos a chegada de tal equilíbrio. Por isso, estamos
confusos como um animal em adaptação a um novo habitat.
A garantia de sobrevivência: leia, sempre, o que for, o que
lhe der prazer. E não deixe seu cérebro estacionar.
ESPECÍFICA DE PORTUGUÊS Profº Victor Linard
Filipe Vilicic. Disponível em: http://www.intrinseca.com.br/blog/2015/08/como-o-facebook-nos-transformou-em-leitores-desatentos. Acesso em:
03/06/2017. Adaptado.

1. O tema de um texto pode ser indicado pelo seu título. Das d) No trecho: “Neste momento, contudo, não vislumbramos a
alternativas abaixo, qual delas melhor substitui o título? chegada de tal equilíbrio.” (linhas 87-88), o termo destacado foi
a) O livro digital nos faz leitores piores? empregado com a função de indicar consequência.
b) As redes sociais não produzem leitores críticos
c) As consequências do excesso de tempo on-line 4. (2017 - PUC-PR - TJ-MS - Analista Judiciário - Área Fim) Sobre
d) Leitura na era digital: tempo de mudança e adaptação a transitividade do verbo “aspirar”, usado em “A política parece
aspirar a certos horizontes coletivos que a música popular não é
2. Sobre os trechos selecionados do texto, o interlocutor deve mais capaz de alcançar.”, é CORRETO afirmar que
compreender que: a) está incorreta, já que se trata de um verbo de ligação que
I. Em: “Meus olhos passam pelas palavras como se fossem deve ser usado sem preposição.
ondas que se quebram e somem. (linhas 1-3), o autor pretendeu b) está correta, embora a transitividade direta seja fortemente
transmitir como percebe a superficialidade da sua atividade de preferida pela norma-padrão.
leitura. c) está incorreta, já que, com o sentido que expressa, deveria
II. ao afirmar: “Não somos mais mergulhadores. Viramos ser transitivo direto.
surfistas” (linhas 25-26), o autor corrobora sua opinião de que, d) está incorreta, já que esse verbo é transitivo direto em
atualmente, as pessoas têm lido apressadamente, com pouca qualquer acepção.
ou nenhuma reflexão sobre os sentidos veiculados nos textos. e) está correta, já que a transitividade indicada para o sentido
III. o autor se identifica e concorda com a crítica feita por de “almejar” é a indireta.
Maryanne Wolf, posição que está claramente expressa no
trecho: “Grande parte dos cientistas ainda acha cedo para 5. (2017 - PUC-PR - TJ-MS - Analista Judiciário - Área Meio) A
chegar a conclusões irrefutáveis. Estou com essa turma.”(linhas palavra “despossuídos” recebe acento gráfico pelo mesmo
69-70). motivo que
IV. no trecho: “No caso da leitura na era digital, aposto todas as a) aí. b) décadas. c) fúteis. d) literária.
minhas fichas no equilíbrio. Eventualmente, aprenderemos a
lidar com essa nova forma de consumir informações.” (linhas 6. (2016 - Jota Consultoria - Câmara de Mesópolis – SP -
83-86), o autor faz projeções otimistas para o que acredita ser o Assessor Jurídico) Deve haver hífen em:
futuro da leitura. a) Eletroótica. b) Antissemita. c) Coadministrar.
d) Neorrealismo. e) Desumano.
Estão CORRETAS:
a) I, II e III, apenas. b) I, II e IV, apenas. 7. (2016 - Jota Consultoria - Câmara de Mesópolis – SP -
c) I, III e IV, apenas. d) II, III e IV, apenas. Assistente Legislativo) Não deve haver hífen em:
a) anti-aéreo, sócio-gerente.
3. O autor do Texto utiliza diversos conectivos e expressões b) auto-observação, ultra-aquecido.
adverbiais para expressar seu ponto de vista. Acerca desses c) hiper-hidrose, neo-ortodoxia.
elementos, assinale a alternativa CORRETA. d) sobre-humano, pré-escolar.
a) No trecho: “Só que se torna ainda mais alarmante quando e) mini-hospital, inter-racial.
noto que amigos, colegas de escrita, repetem essa reclamação
em tom uniforme.” (linhas 7-9), a expressão destacada exprime 8. (2011 - TJ-SC - Analista Administrativo) Assinale a alternativa
ideia de modo ao substantivo “reclamação”. que contém erro de grafia (falta de hífen) em uma das palavras
b) No trecho: “Se antes nos acostumamos a livros e revistas, a grifadas:
mergulhar em cada informação (e era tão pouca!) que surgia à a) A empresa começou a vender seus produtos em lojas
nossa frente, agora surfamos pelos dados (e são tantos!)”(linhas multimarcas.
12-14), os termos destacados expressam ideia de tempo. b) O advogado da parte apresentou suas contrarrazões.
c) No trecho: “Enquanto os mais velhos podem até ter c) O seu estilo hiperrealista agradou a poucos.
dificuldades para lidar com o universo do touch, da d) O superaquecimento do planeta foi a matéria principal da
comunicação instantânea, uma criança de poucos anos sabe revista.
navegar com talento pelo iPad.” (linhas 36-39), o termo e) A companhia aérea ainda não respondeu se aceita a
destacado liga ideias opostas. contraproposta.
ESPECÍFICA DE PORTUGUÊS Profº Victor Linard
9. (2016 - MPE-SC - MPE-SC - Promotor de Justiça – Vespertina) a) O sul do Estado tem estações hidro-termais e cânions ricos
Palavras como autoobservação e autohomenagem devem ser em biodiversidade.
grafadas sem hífen, como autoestima. b) Participou do megaevento a afro-americana Shirley Franklin,
A) CERTO ex-prefeita de Atlanta.
B) ERRADO c) Os pretores não podiam ab-rogar uma regra de direito.
d) Seria importante avaliar a qualidade de super-resistência
mencionada no folheto.
10. (2010 – ACEP - BNB - Analista Bancário) O vocábulo e) O estudo considerou o desenvolvimento sócio-histórico e
“malcriado” (l 1), formado de mal + criado, é escrito sem hífen, cultural do país.
do mesmo modo que:
a) malhumorado. b) malvisto. c) malestar. 16. (2015 – COSEAC – CLIN - Gari e Operador de Roçadeira) Para
d) malafortunado e) malamado. o preenchimento CORRETO das lacunas na frase “A menina não
tinha o ________ costume de duvidar da avó, _________,
11. (2015 - Prefeitura do Rio de Janeiro – RJ - Prefeitura de Rio naquele assunto,________ havia terminado a conversa, ela foi
de Janeiro – RJ - Assistente Social) O hífen é necessário em má- perguntar à natureza.”, empregam-se, respectivamente, as
formação – 2º parágrafo e em bem-sucedidas – 12º parágrafo. formas:
Assim como nessas palavras, o uso do hífen está correto em: a) mau, mais, mal. b) mau, mas, mal.
a) extra-uterino c) mal, mas, mau. d) mal, mais, mal.
b) mini-saia
c) recém-nascido 17. (2017 - NC-UFP - ITAIPU BINACIONAL - Profissional Nível
d) contra-indicação Suporte I - Atividade Administrativa)
Com o plano de reestruturação ______________ pela diretoria,
12. (2016 - Prefeitura de Rio de Janeiro – RJ - Professor de as empresas do grupo vão poder dispor de recursos tanto para
Ensino Fundamental - Anos Iniciais) Segundo o Novo Acordo aquisição de ______________ quanto para contratação de
Ortográfico, emprega-se o hífen em “bem-humorado”. O hífen ______________ especializada.
também está corretamente empregado em:
a) auto-estima Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas
b) infra-estrutura acima.
c) extra-sensorial
d) anti-inflacionário a) recém aprovado – matéria prima – mão de obra.
b) recém-aprovado – matéria-prima – mão-de-obra.
13. (2017 – IESES – GasBrasiliano - Economista Júnior) No texto, c) recém-aprovado – matéria prima – mão de obra.
a palavra “pré-instalado” aparece separada corretamente por d) recém-aprovado – matéria-prima – mão de obra.
hífen, pois sempre se emprega o hífen em palavras compostas e) recém aprovado – matéria prima – mão-de-obra.
com o prefixo “pré”. Assinale a alternativa INCORRETA de
acordo com as regras vigentes sobre a aplicação ou não do
hífen:
a) Sabiá-da-serra, dia a dia, mão de obra.
b) Pan-americano, recém-chegado, ex-presidente.
c) Portacopos,superresistente, subraça.
d) Infravermelho, sub-base, antissemita.

14. (2016 – MÁXIMA - Prefeitura de Fronteira – MG - Agente de


Combate a Endemias) A letra h permanece nos vocábulos
compostos unidos por meio de hífen. Já em vocábulos
compostos sem hífen, essa letra é eliminada como em:
a) Desonesto e reaver;
b) Inutilizar e desinformado;
c) Coercivo e inabalável;
d) Reeducar e desentupir.

15. (2011 - TJ-SC - TJ-SC - Analista Jurídico) Indique a alternativa


em que o uso do hífen está errado: