Você está na página 1de 4

Capela de São João Baptista

Sousela – Nossa Senhora da Expectação


Joaquim Hernâni Dias

“Assiste-se nos séc. XVII e XVIII à proliferação de pequenas capelas cuja construção se ficou a
dever ao investimento individual ou familiar. (…) A própria normativa das Constituições
Sinodais (…) incentiva essa prática […porque com isso se incutiva & afervora a devoção dos
fieis…]
(…)
Quem financiava as obras e o que pretendiam – atitude mecenática ou devocionismo
reformista?
(…)
A maior concentração de pedidos para fundação de capelas particulares situa-se na primeira
metade do séc. XVIII, coincidindo, grosso modo, com o reinado joanino.
(…)
No séc. XVIII e XIX assistiu-se a uma maior concentração de Quintas e casa com capela
particular…”1

Trata-se da Capela de uma casa do séc. XVIII – Casa da Quintã


ou “Quintám” - com alguns elementos do estilo barroco e
neoclássico, toda de bom granito, situada na Rua da Quintã –
outrora, também, Lugar dos Secos, em Moreira.

Neste “monumento” 2, o visitante pode, ainda, in loco observar na sua fachada dois relógios de sol nos
cantos superiores esquerdo e direito (este, inacabado)

Tem uma Capela que foi construída em 1767, com a invocação de São João Baptista, cujo licenciamento
foi pedido em 1764, e ocorreu em Junho de 17663 “…na sua quinta junto às suas casas com a invocasam
de Sam João Baptista e o mesmo Serenísimo Senhor foi servido cometerme de difirir lhe avista do que
informacaõ do Reverendo Parrocho da mesma freguesia de Sousela…”

Para que a porta estivesse virada ao


público, parte do terreno na frente
da capela foi adquirido à “Casa do
Pomar” que lhe está contígua.

1
Manuel Joaquim Moreira da Rocha, Separata da Revista Poligrafia nº 5 – 1996 – C.E.D.D. Brandão
2
Jacques Le Goff, Memória e História
3
Arquivo Distrital de Braga – Universidade do Minho- Arquivo Geral

1
Capela de São João Baptista
Sousela – Nossa Senhora da Expectação
Joaquim Hernâni Dias

A técnica de construção da capela é em silharia de fiadas irregulares. Fora da esma capela estão
presentes partes do antigo altar que estava lá dentro e os degraus do mesmo que foram reaproveitados
para o átrio. Na fachada, em cada lado da entrada principal estão duas pequenas janelas emolduradas
de granito. O frontão é composto por um pequeno friso e duas meias volutas, e tem por cima uma
pequena janela. Tem duas colunas adossadas à parede da casa em silharia típicas do estilo do séc. XVIII.
Tem por cima da cornija 4 pináculos, em cada canto, em formato piramidal arredondado na ponta e
sobrepujado ao frontão da retaguarda tem uma cruz trifólia. O telhado é em duas águas e coberto de
telha.4

No seu interior ainda podemos ver um altar e duas pias de água benta. Com as obras levadas a cabo há
alguns anos, por ignorantia destrui-se o coro [cuja construção fora autorizada a favor do Padre Joaquim
da Silva, filho de Luís da Silva e de Catarina Neta, em Março de 1790], no topo do lado direito da capela
[onde os proprietários ou os coristas entravam diretamente, vindos da sala nobre da casa], mais tarde o
soalho de castanho, o teto com as suas pinturas religiosas, as lápides e algumas epígrafes – entre outros
testemunhos da arte e da fé que foram emprestados a esta capela quando da sua construção, e,
posteriormente, durante mais de 150 anos.

Foi benzida em Fevereiro de 1768 pelo pároco da abadia de Santa Maria de Sousela:5 “Demos lisensa ao
R(everen)do Parrocho da mesma f(re)g(uesi)a para que na forma do Ritual Romano possa benzer a dita
Capella Santos e ornamentos della e depois de Benta nella se possa dizer missa e celebrar os mais
officios Divinos”6

Aqui se celebrava regularmente a liturgia, por iniciativa e forte devoção religiosa dos proprietários da
casa, Luís da Silva e Catarina Neta, ambos dotados de uma fé inquebrantável, mas também porque “… e
ficam todos [os vizinhos] em distancia grande para ouvir missa, tanto pelo longe, como pela dificuldade
do caminho [para a Igreja matriz] por ser muito alto no mesmo lugar e haver muita inundise, de forma
que havendo como ham no lugar muitos velhos e alguns doentes regularmente façam sem satesfaser o
preceito da Igreja …”

Luís da Silva faleceu aos 29-3-1768 e foi sepultado no adro da Igreja, sepultura nº 2. É provável que este
Luís Silva, sendo possuidor do prazo de Soutelo, tendo como senhorio deste, o donatário dos reguengos
de Figueiró, tivesse construído algum outro monumento naquela aldeia, hipótese que se irá investigar

4
DPPL-Sousela, da Junta de Freguesia de Sousela - 2013/14
5
Arquivo Distrital de Braga – Universidade do Minho – Arquivo Geral
6
Ibidem Arquivo Distrital do Minho

2
Capela de São João Baptista
Sousela – Nossa Senhora da Expectação
Joaquim Hernâni Dias

mais a fundo, atenta a sua religiosidade tão característica dos homens ricos do século XVIII. A Casa da
Quintã era um prazo pertencente ao morgado de Atães, que vivia no Porto.

Este casal tinha mais família nas proximidades, nomeadamente em Soutelo, e na Quinta das Eiras, onde
sobressaiu o trabalho do Padre António Neto, enquanto Pároco da Paróquia de Sousela.

De resto este Luís da Silva e Catarina Neta tinham outros terrenos: em Bertelo ou Bretelo, nas margens
do Rio Mezio em S. Cristóvão, no monte de Santa Águeda, na Rua do Carvalho, na Agra de Moreira, em
Soutelo, e noutros locais da freguesia.

Em Abril de 1768 Catarina Neta, então já viúva de Luís da Silva, obteve licença do Arcebispado de Braga
para ali poder colocar um confessionário: “…há por bem fazer (…) de lhe dar lisensa para colocar hum
comfesiunario na sua Capella de São João Baptista na forma supra” (“…de madeira com seu assento que
sera situado no meio e raros em os lados que sera situado em lugar publico da mesma Capella e nelle se
poderão comfesar quaisquer pessoas quando sua devoção o pedir excepto pelo preceito da quaresma
que emtão o farão com o próprio Parrocho”).

A população da freguesia por estas alturas (em 1758) era assim constituída: 116 vizinhos, 440 pessoas
de todas as idades.7; em 1706, tinha 126 vizinhos; em 1777, a população seria de 584 pessoas. Entre
1758 e 1777: nascimentos – 272; óbitos – 128; casamentos: 8. 8

Em 1764, Moreira tinha cerca de 80 (oitenta) vizinhos “seu lugar he composto de muitos vizinhos que
todos hão de fazer número de 80 moradores entre lavradores e cazeiros de casa arrendadas…”9
Extrapolando para o número de vizinhos da freguesia de Sousela – Nossa Senhora da Expectação [assim
era denominada já na Memória Paroquial de 1758], 116 vizinhos, estamos perante um dado relevante,
Moreira tinha cerca de 69% dos vizinhos [80*100/116), 303 pessoas de todas as idades (80*440/116)?

Em 1868: 308 homens, 400 mulheres, total de 708 pessoas.

Entre 1758 e 1777, o crescimento vegetativo da população foi de 0,5%.10

Em 1769, Catarina Neta obtém ainda licença para se sepultar na Capela de São João Baptista, bem assim
como seus filhos. O seu falecimento viria a acontecer a 28 de Julho de 1781, e foi sepultada na sua
Capela de São João Baptista, do Lugar da Quintã, em Moreira, Freguesia de Santa Maria de Sousela

7
Memória Paroquial de 1758
8
Arquivo Distrital do Porto – Registos Paroquiais: nascimentos, óbitos e casamentos – 1759-1777
9
Ibidem Arquivo Distrital de Braga – Universidade do Minho
10
I.N.E. – Censos Freguesia de Sousela ano 1868; [Pn=P0(1+r)n]

3
Capela de São João Baptista
Sousela – Nossa Senhora da Expectação
Joaquim Hernâni Dias

Em Janeiro de 1770 faleceu um dos quatro filhos do casal, João da Silva, solteiro, estudante –
ordenação, padre -, (os outros eram: Manoel, António e Joaquim). Este João foi sepultado na Igreja de
Santa Maria de Sousela, sepultura nº 2 do adro. O seu corpo foi envolto em hábito de São Francisco e
teve o acompanhamento de trinta e dois padres.

Pela documentação consultada, o Joaquim terá sido ordenado padre de Sousela em Setembro de 1778.
Em 1794 ainda estava vivo e era Pároco em Sousela.

Além da Catarina Neta (em1781), foi sepultado nesta Capela o Padre Joaquim Silva – que não é o filho
de Luis da Silva - (em 1783). Não sabemos por ora se alguns dos filhos do Luís da Silva ali foram
sepultados..

No testamento de Luís Silva foi reservada uma verba para missas (1.500) por sua alma, nesta Capela,
pagas cada uma à média de 100 reais (ao valor atual seria um valor aproximado de 0,55 euro/missa)11

Em finais do séc. XIX ainda era uso e costume sepultar os familiares dos proprietários falecidos na
Capela de São João Baptista. João Baptista da Silva Freire, Bacharel em Direito pela Universidade de
Coimbra, a 25 de Fevereiro de 1883, foi o último a ser sepultado nesta capela.

Na atualidade, a Capela de São João Baptista da casa da Quintã, em Moreira, freguesia de Sousela,
concelho de Lousada, está desativada do culto religioso.

Em frente à casa, podemos observar ainda um nicho escondido por obra da C.M de Lousada.

Por trás deste fontanário moderno,


inoperacional, está um nicho
particular da Casa da Quintã, obra do
Luís da Silva e da Catarina Neta.

11
I.N.E e Autoridade Tributária