Você está na página 1de 2

A conversão ao judaísmo na lei judaica: Ensaios e Responsa

Rabino Walter Jacob, Rabino Moshe Zemer

Um Banimento Eterno na Conversão

A abordagem radicalmente negativa a prosélitos encontrou a sua expressão em uma proibição rabínica
contra a conversão promulgada quase sete décadas atrás, na Argentina. Esta takanah, promulgada em
1927 pelo rabino Shaul Davi Setton (1851-1930), o líder espiritual da Comunidade Judaica Síria de
Buenos Aires, proibiu até mesmo conversões halakicas sob os auspícios ortodoxos. A proibição
abrange toda a Argentina "até o fim no tempo" (col Yemei Olan) e é, em certa medida, ainda em vigor
hoje.

As razões apresentadas para proibir conversões é "porque a vida nesta cidade (Buenos Aires) é
extremamente arbitrária, e todo mundo faz quando lhe agrada, não há rabino servindo a comunidade
judaica, cuja autoridade é respeitada pelo governo ou qualquer outra parte".

Um dos co-patrocinadores do decreto foi o rabino Aharon Halevi Goldman (1854-1932), que
providenciou a sua fundação ideológia e Halakica. Goldman, um excelente estudioso do Talmude,
nascido na Rússia, em 1889, tornou-se o fundador e líder espiritual da colônia judaica, Moisesville
(Kiryat Moshe), localizada a 600 quilômetros ao norte de Buenos Aires, na província de Santa Fe.

Goldman afirma claramente sua visão da razão pela qual os homens judeus desejam ter suas esposas
gentis convertidas em Argentina:

"Comecei a ouvir e ficar alarmado ao ver" (Isaías 21: 3) a notícia do estado de coisas na terra, que há
homens que jogaram fora o julgo dos Céus. Eles têm esposas gentis e geram crianças com elas. Eles
encobrem sua libertinagem, eles desejam ter suas esposas estrangeiras e crianças estrangeiras aceitas
como conversas e incluídas na Congregação de Israel ... Quem seria tão tolo assim a ser levado por
suas declarações, que eles sinceramente desejam converter suas esposas alienígenas e crianças
estrangeiras, uma vez que toda sua malandragem um engano são nada, mas uma tentativa de encobrir
sua irresponsabilidade, a fim de obter a sanção religiosa”.

Setton que promulgou e executado a proibição do banimento "eterno" nem sempre foi contra a
conversão em sua comunidade. Em 1915, cerca de 12 anos antes da proclamação da proibição, Setton
perguntou Goldman em nome de uma bet din em Buenos Aires que pedem sua ajuda para a conversão
de um Sírio árabe vivendo na Dommunit deles.

Setton calorosamente recomendado este convertido em potencial cuja motivação é para o bem de
refúgio. "Nossas esperanças são façanha que você vai imediatamente fazer tudo e ainda mais,,, pois é
sabido quão grande é a mistvah (de conversão) e sua recompensa.

Goldman em sua Responsum declara que é impossível aceitar prosélitos neste país, porque, de acordo
com fontes rabínicas, deve-se informar o convertido em potencial com antecedência de alguns
aspectos da punição para a violação dos mandamentos como a profanação do sábado e comer
alimentos proibidos.

“Para minha consternação, e que cada pessoa justa, o flagelo tem esparramado aqui, pois muito de
nossos irmãos tem abandonado a Torah, assim que mitzvot rigorosas como a profanação do Shabat se
tornaram a mais alta das luzes. Estes violadores assim excedem em números à nós, que se alguém
encontrar um judeu mantendo o Shabat e tal, ele seria considerado em nível com um tzadik. Existem
tão poucos que uma criança poderia fazer uma lista.
Agora imagine, se nós advertimos o convertido referente a todas acima (mitzvot) e depois quando ele
vê com seus próprios olhos quanto de nossos irmãos ultrapassam tudo com desprezo, então ele
certamente dir-nos-á, está não é a Casa de Israel assim como de todos os gentis? Nós não somos então
responsáveis quando, Deus proíbe, ele denigra todas as nossas disciplinas do judaísmo... portanto eu
não tenho nada com este caso”.

Goldman mantém uma visão absolutista. Um não judeu poderia não esperar por uma conversão
válida, até mesmo se ele/ela estiverem a cumprir todos os requerimentos dos códigos rabínicos. O
rabino de Moisesville insistiu que conversos seriam aceitos somente se eles vivessem em uma
comunidade com observância universal das mitzvot. Naturalmente, um ambiente deste tipo era
insistente nas cidades da Argentina naquele tempo.

Um absolutista é freqüentemente conhecido por procurar o cumprimento das condições e pré-


requisitos que não podem se razoavelmente apresentados. Até mesmo o mais fino candidato possível
não teria sido convertido porque existia nenhuma comunidade judaica observante completamente
como a Meah Shearim ou Williamsburg quando ele pudesse viver na Argentina. Conversão é
realmente permitida no Talmud, e a literatura rabínica, Goldman poderia não revogá-la por decreto.
Porém, pelo aumento da dificuldade dos obstáculos halakicos, ele efetivamente eliminou a
possibilidade da conversão para aqueles que aceitaram sua autoridade. Esta visão extremamente
rigorosa de conversão leva ao decreto radical contra conversões em toda a Argentina para sempre.
Este banimento não só permanece na América do Sul, mas foi exportado para os Estados Unidos. O
banimento foi adotado pela Comunidade Judaica Síria do Brooklin, Nova Iorque, em 1935, com a
emenda que “nenhuma futura Corte Rabínica terá o direito ou autoridade para converter não-judeus
que procuram casar-se em nossa comunidade”. O banimento de Buenos Aires para todas as
conversões para todos judeus em toda parte na Argentina foi transformado em uma proibição na
conversão para o casamento na vila da Comunidade Judaica Síria de Nova Iorque. Este banimento foi
reconfirmado e assinado por todos os rabinos e líderes leigos das Comunidades Judaicas Sefarádicas e
Sírias com especiais avisos e proclamações em 1946, 1972, e 1984.

https://books.google.com.br/books?id=QKxvMujgKfQC&pg=PA91&lpg=PA91&dq=responsa+argen
tina+prohibition&source=bl&ots=iWsdbFBfgR&sig=zl3mVekmvmwH5_6ttUscphzr2Mc&hl=pt-
BR&sa=X&ei=a2y0VOGcEMWvogSItoCwBg&ved=0CCYQ6AEwAQ#v=onepage&q=responsa%2
0argentina%20prohibition&f=false