Você está na página 1de 4

Universidade Federal de Goiás

INF - Instituto de Informática

Disciplina: Lógica Matemática Professor: Daniel Ventura


Curso: Ciência da Computação Data: 27/10/2011

Lista de exercı́cios: Lógica de Predicados

1. Sejam p(x) = x ≤ 30 ∧ x é par e q(x) = x + 10 < 30 sentenças abertas em N.


Determine o conjunto verdade de h(x) = p(x) ↔ q(x).

2. Dados os conjuntos A = {−2, 0, 2}, B = {−1, 0, 3} e C = {−2, 0, 1}, determinar o


conjunto-verdade da sentença aberta “x + y − z < 1” em A × B × C.

3. Explique em que casos podemos usar um exemplo para a determinação do valor


lógico de uma sentença quantificada.

4. Defina para o operador de existência e unicidade (∃!) uma sentença equivalente e a


sua respectiva negação.

5. Seja h = (∀x, (∃y, f (x, y) → g(x, y, z))) ∨ ∃x, f (x, y):

(a) Determine todas as ocorrências de variáveis livres e ligadas em h.


(b) Caso exista alguma variável livre, explique como estas variáveis podem ser
substituiı́das, explicando quais seriam as restrições e porquê.
(c) Os quantificadores ∀ e ∃ podem ser comutados em h? Justifique.

6. Formule a negação de cada uma das sentenças abaixo:

(a) Algum polı́tico é honesto e trabalhador.


(b) Todos alunos vão passar em Cálculo.
(c) Nenhum mamı́fero é invertebrado.
(d) Todos os paulistas são corintianos ou palmeirenses.
(e) Nem todo brasileiro é fanático por futebol.
(f) Todo mamı́fero é terrestre.
(g) Existe pelo menos uma bicicleta de três rodas.
(h) Gatos são mamı́feros.
(i) Somente os brasileiros são cariocas.

7. Calcule a negação, utilizando todas as leis de De Morgan, das seguintes sentenças:

(a) ∀x, p(x) → (q(x) ∧ r(x))


(b) ∀x∃y, p(x, y) ↔ q(y)
(c) ∃x, (g(x) ∨ h(x, a))∧ ∼ f (x)

1
8. Formalize as seguintes sentenças usando a interpretação indicada:
Nomes Predicados unários Predicados binários
a: Aristóteles f(x): x é feminista r(x,y): x ridicularizou y
n: Nietzsche g(x): x é grego e(x,y): x é mais esperto que y
p: Platão p(x): x é filósofo w(x,y): x escreveu y

(a) Aristóteles é grego.


(b) Platão é um grego feminista.
(c) Se Platão é um feminista, então alguém é um grego feminista.
(d) Nenhum grego é feminista.
(e) Todos os feministas são filósofos.
(f) Todos os gregos feministas são filósofos.
(g) Aristóteles escreveu algo.
(h) Aristóteles escreveu nada.
(i) Aristóteles escreveu tudo.
(j) Nietzsche ridicularizou todos que são feministas.
(k) Nietzsche ridicularizou todos que eram mais espertos que ele.
(l) Alguns filósofos ridicularizam a si mesmos.
(m) Alguns filósofos ridicularizam tudo.

9. Sejam c(x) :x é um vendedor de carros usados e h(x): x é honesto. Traduza para a


linguagem natural as seguintes sentenças:

(a) ∃x, c(x).


(b) ∃x, h(x).
(c) ∀x, c(x) →∼ h(x).
(d) ∃x, c(x) ∧ h(x).
(e) ∃x, h(x) → c(x).

10. Seja D = {a, b}. Determine o valor lógico das sentenças abaixo para a seguinte
interpretação:
p(a, a) p(a, b) p(b, a) p(b, b)
V F F V

(a) ∀x∃y, p(x, y).


(b) ∀x∀y, p(x, y).
(c) ∃x∀y, p(x, y).
(d) ∃y, ∼ p(a, y).
(e) ∀x∀y, p(x, y) → p(y, x).

2
(f) ∀x, p(x, x).

11. Verifique quais argumentos abaixo são válidos e quais são inválidos, apresentando
um contra-exemplo no caso dos inválidos.

(a) Todo A é B. Todo A é C. Logo, todo B é C.


(b) Algum A é B. Logo, algum B é A.
(c) Todo B é C. Todo A é B. Logo, todo A é C.
(d) Nenhum A é B. Logo, nenhum B é A.
(e) Todo A é B. Todo C é não B. Logo, todo C é não A.
(f) Algum A é não B. Logo, algum A é B.
(g) Todo A é não B. Todo B é não C. Logo, algum A é C.
(h) Nenhum A é não B. Todo B é C. Logo, todo A é C.

12. Para o argumento em linguagem natural abaixo:


“Qualquer ação praticada a um ser humano implica em um ato de bondade se, e
somente se, não for em hipótese alguma egoı́sta ou prejudicial. Existem ações pra-
ticadas a um ser humano e elas constituem um ato de bondade. Assim concluı́mos
que nem toda ação praticada a um ser humano é prejudicial”
Denote em linguagem simbólica P1 , . . . , Pn ` Q considerando A o conjunto de ações
como o domı́nio e faça:

(a) Identifique cada proposição (p, q, r, . . . ).


(b) Identifique cada premissa e a conclusão.
(c) Demonstre formalmente o argumento, utilizando as regras de dedução para
lógica de predicados.

13. Para os argumentos a seguir:

(a) “ Todo atleta é forte. Todo aquele que for inteligente e forte terá sucesso em
sua carreira. Peter é um atleta. Peter é inteligente.” Mostre que Peter terá
sucesso na carreira.
(b) “Se um curso é fácil, alguns estudantes no curso são felies. Se um curso tem
exame, nenhum estudante no curso é feliz” . Mostre que, se um curso tem
exame, o curso não é fácil.

14. Demonstre o seguinte argumento usando a Regra da Premissa Temporária:

∀x, p(x) →∼ q(x); ∀x, f (x) → q(x); ∀x, r(x) → p(x) ` ∀x, p(x) →∼ f (x)

15. Demonstre através do método dedutivo os seguintes argumentos:

(a) ∀x, p(x) → q(x); ∀x, r(x) → p(x) ` ∀x, r(x) → q(x)

3
(b) ∀x, p(x) ` ∀x, p(x) ∨ q(x)
(c) (∃x, f (x)) → ∀y, g(y) → h(y); (∃x, j(x)) → ∃x, g(x) ` (∃x, f (x) ∧ j(x)) → ∃z, h(z)
(d) ∃x∀y, p(x, y) ` ∀y∃x, p(x, y)
(e) ∃x, f (x)∧ ∼ g(x) ` ∀x, f (x) → g(x)
(f) ∀x, p(x) → q(x); ∃x, p(x) ∧ r(x) ` ∃x, q(x) ∧ r(x)
(g) (∃x, f (x)) ∨ (∃x, g(x)) ` ∃x, f (x) ∨ g(x)
(h) ∀x, q(x) → r(x); ∃x, p(x) ∧ q(x) ` ∃x, p(x) ∧ r(x)
(i) ∀x, f (x) → (g(x) ∨ h(x)); ∀x, ∼ g(x) ` (∀x, f (x)) → ∀x, h(x)
(j) ∼ ∃x, p(x) ∧ q(x); ∃x, p(x) ∧ r(x) ` ∃x, r(x)∧ ∼ q(x)