Você está na página 1de 24

Projeto Integrador-

Temas Transversais
1° Semestre 2018
Ementa da Disciplina

Atuação do profissional em tecnologia de gestão como


profissional responsável, atuante e comprometido com as
temáticas sociais, tais como inclusão social, relações
étnico-raciais, diversidade cultural: cultura afro-brasileira
e indígena, diversidade sexual e religiosa; direitos
humanos; responsabilidade social corporativa (social,
econômico e ambiental). Introdução à metodologia
científica.
Professor: Wallace Roberto M. Nogueira
Mestre em Eng.ª Elétrica (Processos Industriais) – Universidade Federal do Pará
Administrador de Empresas – Universidade Federal do Amazonas
35 anos de experiência profissional (Philips; Visteon; Sharp)
em Gerenciamento da Produção, Qualidade, Processos,
Produtos, Projetos e Logística.
10 anos no Ensino Superior (Fucapi; Universidade Nilton Lins)
Contato: wallace.r.nogueira@Hotmail.com
Fone: 98400-2075
TEMA TRANSVERSAL 1: ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Conceitos de Ética

As palavras ética e moral têm a mesma base etimológica:


A palavra “ética” é proveniente do grego “ethos”, que
significa, literalmente, “morada”, “habitat”, “refúgio”, ou seja,
o lugar onde as pessoas habitam.

No entanto, para os filósofos, este termo se refere a “modo


de ser”, “caráter”, “índole”, “natureza”.
A palavra “moral” é originária do termo latino “morales”,
que significa “relativo aos costumes”, isto é, aquilo que se
consolidou como sendo verdadeiro do ponto de vista da
ação.
A moral pode ser definida como o conjunto de regras
aplicados no cotidiano e que são utilizadas constantemente
por cada cidadão. Tais regras orientam cada indivíduo que
vive na sociedade, norteando os seus julgamentos sobre o
que é certo ou errado, moral ou imoral, e as suas ações.

Desta maneira, pode-se afirmar que a ética é a parte da


filosofia que estuda a moral, pois reflete e questiona sobre
as regras morais.
OBJETO E OBJETIVO DA ETICA
A Ética, enquanto ramo do conhecimento, tem por objeto o
comportamento humano do interior de cada sociedade.
O estudo desse comportamento, com o fim de estabelecer
os níveis aceitáveis que garantam a convivência pacífica
dentro das sociedades e entre elas, constitui o objetivo da
Ética.
FUNÇÃO DA ÉTICA

Em qualquer sociedade que se observe, será sempre notada


a existência de dilemas morais em seu interior.

Os dilemas morais são um reflexo das ações das pessoas, e


surgem a partir do momento em que, diante de uma
situação qualquer, a ação de um indivíduo ou de um grupo
de indivíduos, contraria aquilo que genericamente a
sociedade estabeleceu como padrão de comportamento
para aquela situação.
O comportamento das pessoas, enquanto fruto dos valores
nos quais cada um acredita, sofre alterações ao longo da
história. Tal fato significa que aquilo que sempre foi
considerado como um comportamento amoral pode, a partir
de determinado momento, passar a ser visto como um
comportamento adequado à luz da moral

Quando, por exemplo, um país se envolve em uma guerra, os


habitantes desse país (ou pelo menos grande parte deles)
estão assumindo um comportamento que normalmente
condenam em tempo de paz, qual seja, matar seus
semelhantes.
Os problemas relacionados com o comportamento do ser
humano encontram-se inseridos no campo de preocupações
da Ética.

Ainda que não torne os indivíduos “moralmente perfeitos”, a


Ética tem por função investigar e explicar o comportamento
das pessoas ao longo das várias fases da história.

Essa função apresenta-se como de grande relevância, tanto


no sentido de se entender o passado, quanto de servir como
parâmetro para fixação de comportamentos “padrões”,
aceitos pela maioria, visando a diminuir o nível de conflitos

Slides baseados no texto : Legislação e Ética Profissional da Professora – Adriana Farias


Disponível emwww.crc-ce.org.br/crcnovo/download/apost_eticacrc.pdf
A ética consiste em algo que muda conforme a sociedade, a
época, os conceitos e até conforme o grupo em que os
indivíduos participam.

O conceito “ética” tem origem grega, da palavra ethos, que


significa modo de ser e representa as características de um
grupo, portanto representa a forma de agir de um coletivo,
em relação à sua cultura e ao seu comportamento nessa
sociedade.

O conceito de ética, porém, evoluiu na história, podendo ser


considerado caráter ou conjunto de princípios e valores
morais que norteiam a conduta humana na sociedade
A ética possibilita uma melhor vida em grupo, a melhoria da
sociedade e respeito dos indivíduos no contexto social.

A ética é reflexo da época, da sociedade, do avanço


tecnológico, das relações e ações individuais, enfim, do
desenvolvimento de toda a sociedade.

Embora deva ter forte influência na construção das normas e


leis, a ética não deve ser confundida com elas, pois,
também, são reflexo da sociedade em que estão inseridas e
servem para melhorar o ambiente, inclusive em relação aos
aspectos éticos.
A ética empresarial
No caso da ética corporativa, certamente, ela varia conforme
a empresa ou o ambiente em que uma empresa está
inserida, pois é reflexo da sociedade, dos produtos que
comercializa, da cultura interna e de outros fatores que
compõem este ambiente.
Necessidade de desenvolver políticas corporativas éticas,
sustentáveis e multiculturais

A globalização mundial e as diferenças individuais são


aspectos que se desenvolvem de maneira combinada e
paralela, de forma que as pessoas, as empresas e o estado
devem se unir com o objetivo de construir uma sociedade
mais justa, solidária, ética, sustentável e com
responsabilidade social.

As diferenças individuais citadas existem devido às


desigualdades sociais, econômicas, culturais, religiosas,
raciais e até comportamentais ou históricas.
.
Não é possível continuar o desenvolvimentismo e a
construção da sociedade sendo indiferente a essas questões,
portanto é necessária a criação de políticas públicas e
institucionais que contemplem o terceiro setor, as entidades
governamentais, as empresas, as pessoas físicas, enfim, toda
a sociedade.

O grande desafio das instituições públicas ou privadas,


nacionais ou internacionais é atualizar as suas políticas e
práticas de forma tão rápida que consigam atender à
sociedade atual, que está sofrendo profundas e rápidas
transformações. Essas mudanças impactam diariamente em
questões éticas e, consequentemente, nas legislações,
normas, ações e demandas.
Essa preocupação reflete nas empresas, que devem rever
diversos aspectos, como:
• Políticas internas.
• Códigos de Conduta Empresarial.
• Processos produtivos, certificações e formas de preservar
o meio ambiente.
• Formas de avaliações dos profissionais.
• Estratégias de marketing e a forma de se relacionar com a
sociedade, inclusive interna.
• Meios de comunicação.
• Relatórios e demonstrativos para divulgação das práticas
éticas.
• Ações sociais
O desenvolvimento e a revisão destes aspectos não podem
ser algo apenas formal, mas devem representar mudanças e
desenvolvimento efetivos, para tal; é fundamental ter claro
três fatores:
Fator 1
“Com o desenvolvimento social e a evolução da
comunicação, nos deparamos em muitas situações novas,
sendo que as leis e a sociedade nem sempre estão
preparadas para elas, pois, muitas vezes nem consideram a
hipótese de que pode ocorrer o evento.” (SANTOS, 2009, p.
484).
Como exemplo, a empresa precisa ter políticas para:

Utilização de computadores da empresa para atividades


pessoais. Deve ser aceita? Quais os limites? Como
regular?

Utilização de computadores da empresa para olhar figuras


ou ter relações consideradas imorais. Como a empresa
deve agir? Qual a política interna que a empresa deve
desenvolver? O que é considerado imoral?

Fraudes pela Internet. Qual o amparo legal? Qual o


comprometimento da empresa? Como é caracterizado
esse comprometimento?
Plágio na Internet. Como caracterizá-lo? Em qual situação
a empresa pode ser responsabilizada?
Participações em redes sociais. A empresa deve proibir,
deve regular ou deve se omitir? Como proibir ou regular?
Espionagem industrial ou competição desleal de
concorrentes. Como prevenirou proibir? Quais as ações
que devem ser tomadas para prevenção?
O descarte de produtos eletrônicos e outros que agridem
a natureza. Como agir? Qual a política para regulamentar?
Assédio moral, assédio sexual, discriminação racial ou
social. Como regular internamente de forma preventiva?
O que fazer após a ocorrência?
Plágio na Internet. Como caracterizá-lo? Em qual situação
a empresa pode ser responsabilizada?
Participações em redes sociais. A empresa deve proibir,
deve regular ou deve se omitir? Como proibir ou regular?
Espionagem industrial ou competição desleal de
concorrentes. Como prevenirou proibir? Quais as ações
que devem ser tomadas para prevenção?
O descarte de produtos eletrônicos e outros que agridem
a natureza. Como agir? Qual a política para regulamentar?
Assédio moral, assédio sexual, discriminação racial ou
social. Como regular internamente de forma preventiva?
O que fazer após a ocorrência?
Fator 2
“A ética e a responsabilidade social devem ser práticas
cotidianas” (SANTOS, 2009, p. 485).

As empresas, por meio de suas políticas, devem ter ações


cotidianas. Não adianta a empresa possuir um rígido código
de ética, se não é aplicado ou se na prática não reflete a sua
realidade
Fator 3
“Há a necessidade não apenas de tolerância, mas de aceitar,
respeitar, conviver e saber que há muito para aprender com
a multicultura (SANTOS, 2009, p. 485).

O convívio entre pessoas é algo às vezes difícil de gerenciar e


as práticas e políticas éticas podem contribuir muito para o
relacionamento harmônico e respeitável. As pessoas são
diferentes por motivos culturais, raciais, sociais e até pelas
suas próprias experiências internas e externas à empresa.

As instituições devem promover que todos aceitem,


convivam, respeitem e, sempre que possível, aprendam com
o próximo.
Fator 3
“Há a necessidade não apenas de tolerância, mas de aceitar,
respeitar, conviver e saber que há muito para aprender com
a multicultura (SANTOS, 2009, p. 485).

O convívio entre pessoas é algo às vezes difícil de gerenciar e


as práticas e políticas éticas podem contribuir muito para o
relacionamento harmônico e respeitável. As pessoas são
diferentes por motivos culturais, raciais, sociais e até pelas
suas próprias experiências internas e externas à empresa.

As instituições devem promover que todos aceitem,


convivam, respeitem e, sempre que possível, aprendam com
o próximo.