Você está na página 1de 24

FUNDAÇÃO COMUNITÁRIA DE ENSINO SUPERIOR DE ITBIRA

FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA-


FACCI

Beatriz Rodrigues Gonçalves Campos


Lucimar Silva
Natália Lúcia Andrade
Patricia Rosa Teodoro
Yanna de Fátima Oliveira Vieira

PROJETO INTERDISCIPLINAR
Tipos de padrão de ocupação urbana em Itabira-MG

Itabira
2017
Beatriz Rodrigues Gonçalves Campos
Lucimar Silva
Natalia Lúcia Andrade
Patricia Rosa Teodoro
Yanna de Fátima Oliveira Vieira

PROJETO INTERDISCIPLINAR
Tipos de padrão de ocupação urbana em Itabira-MG

Trabalho interdisciplinar entregue à


Faculdade e Ciências Administrativas e
Contábeis de Itabira envolvendo as
disciplinas e Geomática e Materiais de
Construção II.

Orientador (a): Camila Silva Brey Gil


Juni Silveira Cordeiro

Itabira
2017
SUMÁRIO
Resumo e Palavras-chave

O trabalho interdisciplinar foi desenvolvido na forma de uma pesquisa acadêmica


possibilitando o inter-relacionamento das disciplinas Geomática e Materiais de Construção II,
do 4° nível, do curso de Engenharia Civil da Fundação Comunitária de Ensino Superior de
Itabira (FUNCESI). Teve como objetivo aprimorar através de métodos empíricos os
conhecimentos das duas disciplinas envolvidas no semestre. Para o alcance deste objetivo
houve a necessidade de buscar fundamentação teórica relacionada aos seguintes aspectos:
analisou-se as alterações no uso e ocupação através de mapas e imagens de satélites
georreferenciadas. Realizou-se uma pesquisa de campo no bairro Amazonas na cidade de
Itabira/MG, identificando os materiais utilizados nas construções, sendo feito um histórico do
bairro pesquisado em relação a suas características de pavimentação e materiais presentes nas
construções, relacionando com o perfil socioeconômico do bairro. Conclui-se que o bairro
Amazonas possui um padrão de ocupação urbana nível médio e de acordo com a análise do
georreferenciamento dos anos de 2005 à 2016 não ouve muitas mudanças.

Palavras-chaves: ocupação, mapas, georreferenciamento, bairro, materiais de construção.


Abstract

The multi subject project was elaborated as an academic research. Allowing the relationship of
Geomathics and Construction Materials II, both subjects of the 4th grade of the Civil engineering
course of FUNCESI. It's objective was to aprimorate the knowledge of the students on both
subjects through empirichal methods. To Reach this objective there was a necessity to search for
theoric fundamentation related to the following aspects: analysing the changes in the use and the
occupation through maps and geroreferenced satelite images. We did a ground research at
Amazonas, a neighborhood located in the city of Itabira in the state of Minas Gerais. We identified
the materials used at the construction sites and we made a historic list of the researched
neighborhood in co-relation with it's pavementation caracteristics and present materials at the
construction sites, we related it to the social and economic profiles of the neighborhood. And
concluded that the Amazonas neighborhood has a medium level pattern of urban occupation.
According with the analisis of the georeferencing process from the year of 2005 to 2016 there were
not many changes at the neighborhood.

Keywords: Occupation, maps, georeferencement, neighborhood, construction materials.


Introdução

O Projeto Interdisciplinar, do Curso de Engenharia Civil, da Fundação Comunitária de Ensino


Superior de Itabira – Funcesi, consiste no desenvolvimento acadêmico teórico e prático das
disciplinas Geomática e Materiais de Construção II do 4º período, bem como, aprimorar, com
métodos empíricos, os conhecimentos das disciplinas envolvidas no semestre. Consiste na
integração das disciplinas de Geomática e Materiais de Construção II, trabalhando o
desenvolvimento do raciocínio lógico.

O presente trabalho tem como objetivo identificar em Itabira/MG os tipos de padrão de


ocupação urbana do bairro Amazonas, o qual foi escolhido pelos integrantes do grupo.
Na disciplina Geomática temos como objetivo específico mapear as áreas residenciais,
comerciais, industriais e de lazer presentes no bairro. Analisar as categorias socioeconômicas
e apresentar mapas e imagens de satélite através do Google Earth dos anos de 2005 a 2016,
finalizando com as alterações ocorridas no uso e ocupação do solo durante esses anos.
Em Materiais de Construção II o objetivo é analisar as construções existentes no bairro
através de pesquisa de campo, descrever os tipos de materiais utilizados nestas construções e
através dessas informações indicar o perfil socioeconômico do bairro e as possíveis mudanças
que ocorreram neste período.
Metodologia

 Pesquisa Bibliográfica
O ano de 1720 se tornou o marco histórico de Itabira, com a chegada dos irmãos Farias de
Albernaz. Os dois avistaram um pico ao longe, e seguindo sua direção chegaram à serra a que
chamaram de Cauê. A indústria do ouro foi escasseando, mas o povoado continuou, e os
moradores passaram a dedicar-se à fundição de ferro, metal mais abundante que o ouro.
A partir de então surgiu a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) em 1° de junho de 1942.
Atualmente, conhecida como VALE e é uma das principais mineradoras do mundo. Somente
no final do século XVIII o ouro agregado ao ferro vieram a ser explorados por pequenas
companhias de mineradores utilizando-se da mão de obra escrava. Em 1908 foi divulgado o
potencial ferrífero que atraiu muitos investidores estrangeiros.
A partir de então surgiu a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) em 1° de junho de 1942.
Atualmente, conhecida como VALE e é uma das principais mineradoras do mundo.
Atualmente Itabira localiza-se no Quadrilátero Ferrífero, a leste da capital do estado. A área
do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de
1 253,704 km², sendo que 12,4377 km² constituem a zona urbana e os 1 240,96 km² restantes
constituem a zona rural.
O crescimento urbano apresenta grandes desafios, considerando a demanda por moradia e
espaço urbano. Houve um processo de verticalização (prédios), principalmente nos centros
urbanos, levando a população mais carente a se deslocar paras periferias urbanas destes
centros. Segundo Souza (1996, p. 13):
No que diz respeito ao papel das cidades e da urbanização, os economistas e geógrafos
ligados à “Ciência Regional” recuperaram e reelaboraram uma convicção já presente nas
teorias da modernização: a de que o meio urbano é potencialmente um suporte para a
introdução e propagação de valores “modernos”, assim como a crescente urbanização é um
indicador de desenvolvimento.
A urbanização, não se refere somente ao processo de desenvolvimento, mas também afeta a
sociedade em muitas situações. Para Souza, reforça a desigualdade e a violação do direito à
moradia digna para as minorias, uma vez que o acesso e a participação da cidade tornam-se
um privilégio para poucos.
A ocupação desordenada é resultante de vários fatores como, a falta de fiscalização por parte
das autoridades públicas, que por negligência agem somente após a ocorrência de acidentes
com perdas de vidas humanas. E de uma séria política de planejamento urbano, que não
visasse, apenas e tão-somente, fins eleitoreiros. (SOUZA, 1996).
A partir da década de 1970 em que se deu o “boom” da mineração na cidade, com a
mecanização e intensificação do processo produtivo, ocorreu forte tendência à substituição de
mão-de-obra por bens de capital, à qualificação da mão-de-obra já empregada e à
incorporação de tecnologias mais modernas. Houve, também, necessidade de contratação de
um maior número de técnicos industriais, além de outros operários pouco qualificados que
trabalhavam nas atividades menos técnicas. A estratégia da Vale para atrair a mão de obra
técnica para a cidade, foi construir bairros funcionais destinados aos empregados de categoria
funcional média e superior, localizados longe das instalações industriais, garantindo-lhes
sossego e melhores condições de vida. Piquet (1998, p. 23)
Implantados sobre uma área com declividade reduzida, se comparada ao restante da cidade.
Nestes loteamentos foram construídas avenidas estruturantes, que ligam um bairro ao outro e
ao centro comercial da cidade. O bairro Amazonas se localiza na porção sul da cidade, em
relação à área central e foi construído nos anos 70. As principais vias de conexão destes
bairros com a área central sé a Avenida Brasil, a Avenida Ipiranga.
Este bairro é predominantemente residencial e possui a infraestrutura urbana implantada, boa
qualidade urbanística em termos de planejamento e ocupação – vias mais largas e planas,
edificações com melhor padrão construtivo e de ocupação, também construídas pela
mineradora (plano Diretor, 2016).

 Pesquisa de Campo

Foi realizada uma pesquisa de campo percorrendo pelo bairro Amazonas. Coletou-se
informações das Ruas Mato Grosso, Av. Ipiranga, Rua Amapá e Av. Brasil. Observou as
construções e anotaram-se os tipos de materiais utilizados como: telhados, revestimento
externo das paredes e muros, o tipo do piso nos passeios, as janelas e portas.
Através desta visita, os tipos de ocupação encontradas em questão de espaços de lazer e
entretenimento são: praça, clube, lanchonetes e bares. Pontos comerciais como padarias, loja
para noivas, salão de beleza, distribuidora de gás, supermercado, academia, loja de bicicleta.
Revestimento são procedimentos utilizados na aplicação de materiais de proteção e de
acabamento em alvenarias e estruturas. Portanto as residências atendem um padrão quando as
mesmas fazem o uso de variados tipos revestimentos visando não só na aparência visual, mas,
essencialmente na proteção contra os causadores dos diversos tipos de agentes corrosivos.

Desenvolvimento
A análise de imagens de satélite do bairro Amazonas por meio de técnicas de
geoprocessamento teve intuito de identificar e analisar as mudanças ocorridas ao longo do
tempo. O período analisado foi entre os anos de 2005 e 2016.
Observou-se que desde 2005 as ruas eram asfaltadas. A Praça do Rotary, já existia com
poucos arbustos num espaço ainda em construção. Neste mesmo ano haviam poucas
construções prediais, pois, o local é predominantemente residencial. Com efeito, as alterações
relativamente apresentadas foram em decorrência dessas construções que por sua vez
provocaram mudança na cobertura do solo, ou seja, houve perda de conservação da
vegetação.
Em 2008, observou-se no mapa (TÍTULO DA IMAGEM) que no bairro mantém a Avenida
Brasil ao longo do seu percurso, um canteiro com variados tipos de árvores, isso representa
ponto positivo na qualidade do bairro. Outro fator importante é que as ruas são todas
pavimentadas permitindo melhor acesso dos veículos, ainda mais pelo fato da circulação dos
moradores em busca de comércios, escolas e locais de lazer, etc.
Durante este período analisado, observou-se através do mapa (TÍTULO DA IMAGEM) que a
maior concentração de comércios do bairro está na região centro-oeste, as residências se
encontram por todas as regiões. Há presença de vegetação na área sul e oeste do bairro onde
são formados os canteiros pelas avenidas principais do local, a leste uma área que compõe do
Clube ATIVA até a Escola de Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) que
hoje está no local que antes funcionava a Escola de Serviço Social do Comércio (SESC)
preserva a vegetação mais abundante, bem como na área que engloba o quarteirão formado
pelas ruas Mato Grosso, Paraná, Professora Maria Antonieta Bentônico e a rua que faz divisa
com o bairro Novo Amazonas, onde estão localizados SOS - Serviços de Obras Sociais, Posto
da Policia Militar e DER/MG.
Percebeu-se que as mudanças entre os anos de 2005 a 2016 foram respectivamente poucas,
isso demonstra que o bairro Amazonas mantém um crescimento estável conforme aparece nos
mapas (TÍTULO DA IMAGEM) os pontos de referência tais como: a Associação dos
Técnicos Industrias da Vale (ATIVA), Praça do Rotary e SENAI que permanecem no mesmo
local, levam a conclusão de que o bairro não expandiu sua área.

Objetivos específicos
3 e 5) O bairro Amazonas possui pontos de comércio principalmente voltados para o ramo
alimentício. Há também outros tipos como, por exemplo, loja de materiais de construção, loja
de vestuários, distribuidora de gás, dentre outros. Apesar do comércio ser pouco diversificado,
ele atende as necessidades básicas dos moradores local. Classificam as moradias como padrão
médio a partir da análise dos tipos de materiais de acabamento utilizados nessas construções e
também pelos tipos de moradores que residem no bairro.
No contexto histórico, segundo entrevista realizada com um morador, o bairro foi
inicialmente projetado para os trabalhadores da empresa Vale que ocupavam os cargos nível
técnico, observando-se o design das casas conclui-se que os moradores mantêm essa
classificação para o bairro. De acordo com a Diretoria de Cadastro e Tributação/ Secretaria
Municipal da Fazenda, o valor arrecadado de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de
Itabira no ano de 2016 foi de R$ 122.149,16. Segue o gráfico apresentando a arrecadação do
bairro Amazonas no ano de 2016, conforme analisado nos relatórios recebidos pelo setor de
Tributação da Prefeitura de Itabira/MG. O gráfico contém as receitas que o bairro gerou de
acordo com os tipos de contribuintes os quais são residenciais, comerciais e prestação de
serviço. Incluir gráfico
É possível perceber que arrecadação do bairro em sua maioria é residencial, representando
80,28% do total de contribuintes. Observa-se que o bairro arrecada colocar a quantidade X%
em relação ao montante arrecadado pelo município. Em www.itabira.mg.gov.br, segundo o
Secretário Municipal da Fazenda, Paulo Henrique Gomes de Figueiredo, “os valores
arrecadados pelo IPTU são aplicados em benfeitorias e qualidade de vida para população. O
recurso é investido em obras, saúde, educação e segurança”.
4) No Bairro Amazonas toda pavimentação é asfáltica. De acordo com Bauer, os pavimentos
asfálticos apresentam muitas vantagens como, por exemplo, serem mais econômicos que os
concretos, melhores que os de terra e fáceis de executar e reparar.
Para Silva e Zaidar, a paisagem tem um papel importante no planejamento urbano, rural e
regional. É preciso ter uma gestão sustentável do ambiente a fim de compreender fatos e
mecanismos que apontam as alterações antrópicas de paisagem. Portanto, a variabilidade da
vegetação encontrada no Bairro Amazonas é mediana, possuindo árvores diversas, gramíneas
e plantas floríferas. Observa-se um canteiro central arborizado ao longo das Avenidas Brasil e
Ipiranga, as principais do bairro.
Segundo Bauer, os produtos cerâmicos têm várias finalidades conforme a origem, matéria-
prima e também o processo de fabricação; tudo isso implica na utilização do mesmo conforme
a necessidade determinada à sua aplicação, como no caso do produto básico de cerâmica para
revestimento de parede interna e externa. Na cerâmica, o interesse situa-se na resistência
mecânica, ao desgaste, absorção de água e sua duração.
Para Bertolini, o reboco tem função de revestir e proteger, realizando um acabamento regular
e garante funções estéticas e higiênicas. Sendo assim, os diferentes tipos de cobertura de
edificações, são feitos em sua maioria com revestimentos em reboco e pintura. Uma vez que
apresenta custo baixo na aplicação e sua manutenção é mais fácil de realizar. Em uma
quantidade menor, utiliza-se o revestimento cerâmico e metálico.

6) MAPAS GEORREFERENCIADOS
7) e 8) Analisar as construções presentes no bairro fazendo um levantamento dos tipos
de materiais utilizados nessas construções;
Foram levantados dados relacionados aos materiais utilizados nas edificações presentes na
Rua Amazonas. Levando em consideração que esses dados foram colhidos através de
inspeção visual e tendo em vista a observação dessas edificações ao nível da rua. Sendo
assim, informações de tipo de material utilizado nos telhados, revestimento externo, piso do
passeio, portas e janelas (externas), portão e muros das residências foram analisados e
discutidos em conjunto.
Revestimento é basicamente todos os métodos de aplicação de materiais utilizados para
proteger e dar acabamento sobre as superfícies de uma edificação, podendo esse superfície
estar na horizontal ou na vertical, de acordo com a tabela e o gráfico a seguir, os revestimento
que foram usados nas edificações foram, azulejos, chapisco, grês, pastilha, pintura,
reboco(com pintura) e tijolo, sendo que o reboco(com pintura) e a pintura esteve mais
presente representando a maioria desses acabamentos utilizados.
O termo telhado é denominado a coberturas de edificações num modo geral, e tem a função de
proteger o interior das edificações contra chuvas, raios solares dentre outros. De acordo com
o levantamento os usados nas edificações da rua em questão foram amianto, brasilit, colonial,
laje, metalon, telha paulista, plan, romana, e em alguns casos não havia presença de telhado,
pois a edificações estava em construção, sendo assim os mais predominantes foram o colonial,
plan e amianto.
Os materiais utilizados nas portas foram basicamente alumínio, madeira e vidro, e de acordo
com as tabelas a seguir, houve um uso maior nas janelas de vidro e nas portas de vidro e
madeira.
No caso dos portões em sua maioria foram usados portões de aço (peça inteira e em grade),
metalon, alumínio, no qual se destacou o uso do aço.
Nas calçadas da rua foram usados como materiais ardósia, cerâmico, grês, grosso, e mármore
sendo o mais usual o grosso.
Nos muros foram utilizados chapisco (com pintura), grade, grês, pintura, reboco (com e sem
pintura), no qual o mais presente foi o reboco e a pintura.

9) O levantamento foi feito na Rua Mato Grosso, no bairro em questão foram observados os
tipos de acabamentos utilizados nas edificações.
Durante o levantamento foi analisado certa predominância de alguns tipos de materiais como:
maior parte dos telhados era de telha colonial; os revestimentos externos variavam entre
reboco, grés, e azulejo; os pisos dos passeios variavam entre piso grosso, cerâmico, e
mármore, predominando o mármore; as janelas eram de madeira, ou de vidro em sua maioria,
em algumas havia o emprego de metalon; já nas portas predominou a madeira, e em alguns
casos o vidro e o metalon; no caso dos portões, houve maior predominância do aço; e por fim,
o acabamento dos muros era em sua maioria de reboco com pintura, em alguns casos a
aplicação de grés e em algumas exceções foi deixada somente o chapisco e aplicada à pintura.
Foi observado que não há um padrão nas edificações da rua analisada, mas, as fachadas são
semelhantes em questão dos materiais aplicados para o acabamento e na predominância de
muros, implicando na estética da mesma.
A casa escolhida para análise mecânica é dividida em dois pavimentos. Ela contém área total
de 293,11 m², sendo que o primeiro pavimento é dividido em quatro cômodos, sendo eles:
sala de televisão, escritório, banheiro e área.
No escritório e na sala de televisão, a água da chuva provocava umidade nas paredes com
isso, as paredes foram revestidas com cerâmica a fim de impermeabilizar e evitar as
infiltrações. Esse método foi utilizado devido às paredes sofrerem compressão e seu estado
frágil pela corrosão poderá torná-la inadequada caso houver aparecimento de fissuras com o
tempo.
A parede da escada encontra-se com trincas bem visíveis, sendo que uma inicia do centro da
parede até o detalhe em blocos de vidro. A outra trinca, inicia-se próximo à porta seguindo até
a janela onde ela finaliza por não ter mais espaço para seguir. Próximo ao piso da porta no
segundo pavimento há trinca que segue de uma quina à outra da parede, bem no ponto de
divisão dos andares. Essas fissuras conforme mostram na foto (Título da Imagem)
possivelmente foram provocadas por altas vibrações decorrentes diariamente no solo e que
são transmitidas até as estruturas da residência. Elas ocorrem devido a esforços de tração, que
não resistem e aparecem visivelmente nas paredes.
Essas trincas são provadas devido à frequência de energia que é dissipada e ou distribuída ao
longo do percurso chegando até as residências, podendo ser quando veículos movimentam
continuamente pelas ruas, explosões nas áreas da mineradora fazendo com que a estrutura seja
afetada.
As vigas de concreto que sustentam a laje da construção sofrem ação de tração causada pela
flexão e pelo peso que necessita sustentar. Elas devem estar bem rígidas para melhor atender
os esforços solicitados e não se romper. As paredes de alvenaria que compõem o primeiro
pavimento são compostas por pilares de concreto que contribuem para o fortalecimento das
mesmas. Elas podem se deformar de acordo com os fatores físicos, a variação de temperatura
é um deles. Podem ocasionar choques térmicos e levar ao surgimento de microfissuras na
massa do concreto que por sua vez possibilitam que agentes agressivos penetrem por toda
estrutura.
No segundo pavimento ou segundo andar, é dividido em quatorze cômodos sendo três
quartos, dois banheiros, uma sala, uma copa, uma copinha, uma cozinha, uma lavanderia, uma
área externa, uma varanda e duas garagens.
Na copinha há uma parede com infiltração, isso foi provocado devido à umidade que foi
gerada pelas águas da chuva que escorrem do telhado. Para correção foi necessário fazer uma
textura no revestimento. Assim como o ocorrido no escritório, as paredes foram
impermeabilizadas, logo, fortalecidas a fim de suportar a força de compressão para prevenir
de futuras trincas com passar do tempo.
A área exposta tem uma parede que faz divisão com a casa vizinha, ela também apresenta
infiltrações, pois está exposta, não há cobertura total da área, apresentando pequenas trincas
causadas por diferentes esforços solicitados e intempéries, pois com o efeito diário de
dilatação e contração ela suporta até o seu limite.
No caso da varanda, as pilastras resistem aos esforços de compressão e as vigas de madeira
que sustentam o telhado, resiste à flexão devido o peso decorrente das telhas. O piso em geral,
sofre atrito das vibrações contínuas do meio em que se encontra, mas resiste a compressão. Os
locais de maior circulação, as solicitações mecânicas são bem visíveis como, por exemplo, o
piso da copa sofreu um atrito forte ao ponto de fazer a cerâmica se trincar.

10) Fazer uma discussão relacionando o perfil socioeconômico do bairro com as


construções, pavimentação e materiais utilizados nas mesmas.
O nível socioeconômico aparece em inúmeros estudos como variável explicativa ou de
controle para a análise de diversos fenômenos sociais. É levantado através dos indicadores
escolhidos pelo pesquisador.
Segundo Jannuzzi (2004, p. 15), o indicador social é definido como: “uma medida em geral
quantitativa dotada de significado social substantivo, usado para substituir, quantificar ou
operacionalizar um conceito social abstrato, de interesse teórico [...] ou programático [...]”. É
portanto um recurso metodológico, empiricamente referido, que informa algo sobre um
aspecto da realidade social ou sobre mudanças que estão se processando na mesma.
O bairro foi planejado pela Vale para atender seus funcionários de nível técnico, as vias são
largas para facilitar o escoamento do trânsito e pavimentadas (cobertura asfáltica). Portanto,
os moradores mais antigos já possuíam em relação a outros bairros da cidade, nível de
escolaridade elevado.
O tipo de residência/construção e o local de moradia revelam a condição social e status de
seus moradores. Tendo-se como base de análise para esse indicador o padrão das residências:
construções em alvenaria, horizontais de boa aparência, uso de vários tipos de acabamento,
apresentam projetos arquitetônicos modernos.
Percebe-se que se instalaram aí, desde o inicio do bairro, pessoas de classe média, que
possuem acesso a bens e serviços. Esse padrão se mantém, atualmente, porem houve elevação
no nível de escolaridade: vários moradores têm nível superior.
Conclusão do trabalho e limitação da pesquisa
A análise dos tipos de padrão de ocupação urbana no bairro Amazonas de Itabira/MG,
apresentam construções horizontais de boa aparência. O perfil dos moradores transmite uma
visão de que todos têm acesso à educação, saúde, saneamento básico, etc. Não existem
históricos de enchentes, desmoronamento ou outros tipos de desastres ecológicos, porque foi
um bairro planejado, sem invasões ou ocupações.
As construções que foram identificadas no local utilizam uma variabilidade em materiais de
acabamento e todas as casas têm revestimento. Apresentam um design com planejamento de
qualidade. Os modelos de residências são modernos e demonstram sofisticação, influenciando
na valorização do bairro e imóveis.
Há uma preocupação em manter a vegetação no bairro, visto que, pelas ruas depara-se com
árvores diversas, gramíneas e plantas floríferas. O bairro Amazonas possui várias vias de
acesso e o volume do trânsito não é intenso. Possui qualidade na iluminação das ruas e
pavimentação asfáltica em bom estado, abastecimento de água e apresenta boa infraestrutura.
O bairro não tem muitas opções de lazer, mas com facilidade de acesso aos bairros vizinhos
para quem busca mais opções de distração. Portanto, o bairro Amazonas possui o padrão
médio predominantemente residencial.
O estudo realizado apresentou limitações quanto ao levantamento de informações sobre o
bairro, no que se refere à história. Não há dados sobre isso na Prefeitura e a busca por
informações com os moradores não teve muito êxito, pois os mais antigos já faleceram. O
acesso de dados públicos, também, se constituiu uma limitação, devido ao prazo solicitado
pelos agentes públicos em levantá-los e a falta de mapas prontos do bairro. Não há estudo de
ocupação realizado pela Prefeitura da cidade de modo geral.
Referências Bibliográficas
BERTOLINI, L. Materiais de construção: patologia, reabilitação, prevenção. São
Paulo, 2010.
KÖCHE, J.C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à
pesquisa. Petrópolis/RJ, 2003.
Prefeitura Municipal de Itabira/MG – Setor de Tributos e Setor de Geoprocessamento.
Arquivo enviado por Isabela Vaz – Corrosão em estruturas de concreto armado e
possíveis correções
Arquivo enviado por Sven – Normas Técnicas da ABNT

http://www.itabira.cam.mg.gov.br/detalhe-da-materia/info/historico-de-itabira/5865
acesso em 11/11/2017

http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/news/Paginas/72-anos-itabira-minas-
gerais-nascia-vale.aspx acesso em 11/11/2017

SOUZA, M.J.L. Urbanização e desenvolvimento no Brasil atual. São Paulo – SP:


Ática S.A, 1996.
COSTA, M.A.F; COSTA, M.F.B. Metodologia da pesquisa: Conceitos e técnicas –
2° ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2009.
http://www.achetudoeregiao.com.br/mg/itabira/historia.htm acesso em 11/11/2017

https://pt.wikipedia.org/wiki/Itabira acesso em 08/11/2017

http://www.itabira.mg.gov.br/portal/?s=iptu acesso em 11/11/2017

JANNUZZI, P. M. Indicadores sociais no Brasil. 3. ed. Campinas: Alínea, 2004.

Plano Diretor Participativo do Município de Itabira 2016, disponível em:


http://www.itabira.mg.gov.br/portal/wp-content/uploads/2014/10/PDM_ITA_leitura-
tecnica_R00.compressed.pdf, acesso em 10/11/2017.
Apêndices
Anexos

QUESTIONÁRIO DE PESQUISA DE CAMPO

DATA: ___/___/____ SEXO: Masc. ( ) Fem. ( ) IDADE : _______


ESTADO CIVIL: Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) PROFISSÃO: _______________________

1) Qual o tipo de telhado que tem na sua casa?


( ) Colonial
( ) Plan
( ) Romana
( ) Amianto
( ) Francesa
( ) Outros ____________________

2) Qual o tipo de revestimento externo que tem na sua casa?


( ) Refratário (Tijolinho)
( ) Cerâmica
( ) Porcelanato
( ) Grês cerâmico
( ) Textura
( ) Pastilha
( ) Pintura
( ) Chapisco
( ) Outros ____________________

3) Que tipo de material é a porta da sua casa?


( ) Vidro
( ) Madeira
( ) Metal
( ) Outros ____________________

4) Que tipo de material é a janela da sua casa?


( ) Vidro
( ) Madeira
( ) Metal
( ) Outros ____________________

5) Qual é o tipo de passeio da sua casa?


( ) Piso grosso
( ) Cerâmica
( ) Ardósia
( ) Grês cerâmico
( ) Outros ____________________

6) Qual o tipo de revestimento do muro da sua casa?


( ) Refratário (Tijolinho)
( ) Cerâmica
( ) Porcelanato
( ) Grês cerâmico
( ) Textura
( ) Pastilha
( ) Pintura
( ) Chapisco
( ) Outros ____________________
ENTREVISTA

DATA: ___/___/____ SEXO: Masc. ( ) Fem. ( ) IDADE : _______


ESTADO CIVIL: Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) PROFISSÃO: _______________________

1) Quanto tempo você mora no bairro Amazonas?

Resposta: 16 anos

2) Qual o fator você considera predominante para a existência do bairro?

Resposta: Interesse de uma empresa em fornecer habitação para seus funcionários.

3) Para você, qual a categoria socioeconômica do bairro? Por quê?

Resposta: Os moradores são de classe média, podendo ser observado nos tipos de construções,
carros, em outros bens adquiridos e na escolaridade.

4) Você acha importante o pagamento do IPTU?

Resposta: Sim.

5) Quais investimentos você observou ao longo dos anos em seu bairro com a arrecadação do IPTU?

Resposta: Finalização e pavimentação das ruas, iluminação, coleta de lixo, transporte coletivo e
arborização.

6) Conte-nos um pouco sobre a criação do seu bairro.

Resposta: O bairro Amazonas foi criado pela CVRD, atualmente Vale, como forma de atrair mão de
obra nível técnico e superior para a empresa, visando principalmente em atender algumas pessoas de
outro município. A mineradora Vale além de pensar na infraestrutura necessária para os primeiros
moradores do bairro, construiu também algumas das às moradias.

Você também pode gostar