Você está na página 1de 18

POLÍTICA CAMBIAL

9º Período _ Engenharia Civil

COMO FUNCIONAM OS REGIMES CAMBIAIS

15/03/2018
CÂMBIO
 O que é o câmbio?
É preço de uma moeda expresso em outra – ou seja, é a quantidade
de reais necessária para se comprar US$ 1, por exemplo. É o preço
que se paga para vender uma moeda e comprar outra.

 O que é regime cambial?


É a maneira pela qual a taxa de câmbio é formada. O regime
cambial pode ser fixo, ou seja, com um valor estipulado pelo
Banco Central, ou flutuante, com o valor da moeda subindo ou
caindo de acordo com as condições de mercado. Dentro desses
dois regimes, existem ainda tipos específicos.
 Como era o câmbio fixo no Brasil em 1994?
O Plano Real foi adotado em meio a um cenário de
descontrole da inflação, e o câmbio foi utilizado pelo
governo como uma ferramenta para tentar controlar a
alta desorganizada de preços. Quando o Plano Real foi
criado, em 1º de julho de 1994, R$ 1 valia exatamente
US$ 1.
 Mas para manter o dólar no valor estipulado pelo
governo, não é suficiente uma decisão: o Banco Central
tinha que atuar no mercado utilizando as reservas
internacionais em dólar do país.

 Na prática, significava que o BC era obrigado a vender e


comprar dólares pelo valor em reais que ele estipulou,
em qualquer quantidade e a qualquer momento.
 Quais são as vantagens e as desvantagens do câmbio
fixo?
Especialistas apontam que a vantagem desse tipo de
regime é a previsibilidade do câmbio e dos contratos de
negócios.

 No entanto, pode haver prejuízo para as empresas


exportadoras se a moeda nacional estiver muito
valorizada e o país, em meio a uma inflação crescente.

 Isso porque, com o dólar baixo, os produtos importados


ficam mais atrativos para os consumidores, e o produtor
nacional pode não sobreviver à concorrência.
 Como era o câmbio fixo com “banda cambial” entre
1995 e 1999?
Também chamado de “câmbio fixo deslizante” ou
“crawling peg”, esse regime funcionava da seguinte
maneira: o BC estabelecia um limite de alta e a queda do
câmbio.

 Se o valor do dólar estivesse muito alto, além do


patamar estabelecido como limite, o BC injetava dólares
na economia, fazendo o seu preço baixar. Para isso,
eram utilizadas as reservas internacionais em dólar do
país.
 Quais são as vantagens e desvantagens do câmbio
fixo com “banda cambial”?
Esse regime é apontado como uma forma de controlar
a inflação. Valorizando a moeda nacional, o governo
pode induzir os produtores internos a baixar seus
preços para enfrentar a concorrência de produtos
importados, que ficam mais atraentes para os
consumidores.

 Assim, acontece uma baixa forçada da inflação. Isso no


entanto pode representar perdas para as empresas que
exportam seus produtos, pois ele também é obrigado a
reduzir seus preços para fazer frente aos preços
internacionais.
 Como o câmbio passou a funcionar a partir de 1999,
quando passou a ser flutuante?
Em meio a uma crise cambial e com as reservas em
dólares do Brasil esvaziadas, em janeiro de 1999 o BC
emitiu um comunicado: “a partir de hoje, o Banco
Central deixará que o mercado interbancário defina a
taxa de câmbio”.

 Na prática, isso era uma permissão para que os bancos


comprem e vendam dólares entre si, sem o intermédio
ou intervenção do BC. O valor do dólar em relação ao
real deixou de ser a principal forma de controle
inflacionário e seu valor passou a oscilar de acordo com
a oferta e a demanda do mercado.
 O BC então parou definitivamente de interferir no
câmbio a partir de 1999?
Não. Ao comunicar o mercado que o câmbio passaria a
ser flutuante, o BC também informou o seguinte: “o
Banco Central poderá intervir nos mercados,
ocasionalmente e de forma limitada, com o objetivo de
conter movimentos desordenados das taxas de câmbio”.

 O que isso significa na prática é que o BC, mesmo com


câmbio flutuante, pode intervir no mercado caso do valor
do dólar em relação ao real chegue a um patamar que,
por algum motivo, seja considerado muito alto ou muito
baixo.

 É por isso que esse regime cambial é chamado de


“flutuante sujo”, ao contrário do “flutuante puro”, em que
não há nenhum tipo de interferência.
 Em 1999, BC
comunicou ao
mercado que
passaria a deixar o
câmbio flutuar (Foto:
Reprodução / Banco
Central)
 Quais são as vantagens e desvantagens do câmbio
flutuante?
Alguns especialistas citam entre as vantagens do câmbio
flutuante a flexibilidade e adaptação dos preços da
economia às condições de mercado, considerando os
cenários externo e interno, funcionando como o
amortecedor de um carro.

 Outro aspecto é a menor fragilidade das reservas


internacionais em dólar do país. No entanto, entre os
pontos negativos está uma imprevisibilidade maior, com
contratos de negócios sujeitos às oscilações da moeda.
 Como o BC interfere no mercado nesse regime de
câmbio flutuante “sujo”?
A partir de 1999, o Banco Central passou a controlar
esporadicamente o valor da moeda pela compra e
venda de dólares, para dar previsibilidade ao mercado.

 Existem diferentes formas de intervenção do BC no


câmbio. Entre as principais estão: swaps cambiais,
venda direta e leilões de linha.
CRONOLOGIA DOS REGIMES CAMBIAIS DO BRASIL A PARTIR
DO PLANO REAL - ENTENDA COMO FUNCIONA CADA UM
DELES.

 Para elaborar as explicações, o G1 ouviu:


 Carlos Eduardo de Carvalho, Professor da
Fundação Instituto de pesquisas Econômicas
(Fipe),

 Miguel Daoud, economista e sócio-diretor da


Global Financial Advisor, e

 Lia Valls Pereira, Pesquisadora da Fundação


Getúlio Vargas e Instituto Brasileiro de Economia
(FGV/IBRE).
 Vantagens do sistema de taxas de câmbio flutuante (TROSTER, p.299)

 Teoricamente, esse sistema corrigirá automaticamente a tendência de se


gerar déficit ou superávit no balanço de pagamentos.

 1- incialmente, o BP da economia brasileira está em equilíbrio;

 2-Suponha que acontece aumento das importações e o BP fica em déficit;

 3-aumeto das importações implica em aumento na demanda por dólares


no mercado de câmbio;

 4-O real ficará depreciado em relação ao dólar, o que fará com que as
importações fiquem mais caras e as exportações mais baratas para os
estrangeiros;

 5-Aumentará o volume das exportações e reduzirá o volume das


importações, fazendo com que o BP volte ao equilíbrio.
CONCLUSÃO
 As transações entre os diferentes países não se limitam ao
intercâmbio de mercadorias;

 Os serviços e o capital são objeto de comércio entre países.

 Os governos buscam o equilíbrio do balanço de pagamentos;

 O saldo do balanço de pagamentos interfere no saldo de reservas


internacionais;

 O alto nível das reservas internacionais ajuda o país a se sair


relativamente bem durante uma crise financeira mundial.
REFERÊNCIAS
 http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/201
6/06/como-funciona-o-cambio-no-brasil.html

 https://economia.uol.com.br/cotacoes/noticias/reda
cao/2018/03/07/dolar-fechamento.htm

 https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2018/
03/07/saida-entrada-dolares-fluxo-cambial.htm

 http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/09/enten
da-o-que-e-swap-cambial-leilao-de-linha-e-venda-
direta-de-dolares.html