Você está na página 1de 21

CRITÉRIOS GERAIS

DE AVALIAÇÃO DE
ESCOLA
2016-2017

Escola Secundária Dr. Augusto


César da Silva Ferreira
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA


Ano Letivo 2016/17

A – PRINCÍPIOS GERAIS
1 – A avaliação deve ser rigorosa, clara e objetiva.
2 – A avaliação deve contemplar os seguintes domínios:
• o domínio das atitudes/valores;
• o domínio das aptidões/capacidades;
• o domínio dos conhecimentos;
• o domínio das competências.
3 – A avaliação deve incidir sobre:
• a aquisição/desenvolvimento das aptidões/capacidades;
• a aquisição/desenvolvimento das atitudes/valores;
• a aquisição/desenvolvimento dos conhecimentos;
• a aquisição de competências por disciplina / áreas curriculares não
disciplinares no final de cada ano de escolaridade e no final de ciclo.

B – CRITÉRIOS
1 – OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS
• Objetivos do currículo (Lei de Bases do Sistema Educativo).
• Objetivos do Ensino Secundário (Programa).
• Para avaliação do domínio dos conhecimentos tem que haver uma
hierarquização de objetivos. No Ensino Secundário, o aluno é avaliado
sobre a forma como aplicou os conceitos operatórios e metodológicos,
devendo para tal saber selecionar, organizar e utilizar a informação em
contextos adequados.
• A certificação das competências para o novo Ensino Secundário.
2 – MEIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO
• fichas diagnósticas
• testes
• oralidade
• formas de participação nos trabalhos:
- oral/escrito;
- individual/grupo;
- trabalho de pesquisa/investigação;
- comentário de textos;
- fichas de leitura;
- fichas bibliográficas;
- relatórios;
- entrevistas;
- inquéritos;
- dramatização
• participação nos trabalhos de casa:
- individual/grupo
• atitudes e comportamentos.
3 – CLASSIFICAÇÃO
No Ensino Básico a classificação é atribuída por níveis: de 1 a 5.
No Ensino Secundário a classificação é atribuída na escala de 0 a 20 valores.

1/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

4 – NOMENCLATURA PARA CLASSIFICAR OS TRABALHOS E A


PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS
• Ensino Básico
Percentagem (%) Nomenclatura Nível
0 - 19 Fraco 1
20 - 49 Não Satisfaz 2
50 - 69 Satisfaz 3
70 - 89 Satisfaz Bastante 4
90 - 100 Excelente 5
- Nos enunciados dos Testes de Avaliação deve constar a cotação das questões, em
percentagem.
- A avaliação dos testes é quantitativa e a dos trabalhos qualitativa.
• Ensino Secundário
- Testes: classificação quantitativa (a)
Os enunciados dos testes deverão incluir a cotação de cada questão.
- Trabalhos:
de casa ---» assinalado com anotação/apreciação/avaliação qualitativa (a)
outros trabalhos (escritos ou práticos) ---» classificação quantitativa (a) /
classificação qualitativa (b)
trabalho projeto ---» classificação quantitativa/qualitativa e (b)
Obs:
(a) Quantitativa: em valores, de 0 a 20.
(b) Qualitativa: 0 a 9 – Insuficiente; 10 a 13 – Suficiente; 14 a 17 – Bom; 18 a 20 –
Muito Bom.

5 – ATITUDES E COMPORTAMENTOS A AVALIAR


Assiduidade
Pontualidade
Sentido de Responsabilidade (comportamento / disciplina;
cumprimento de tarefas / empenho / hábitos de trabalho; apresentação
do material e equipamento necessário)
Desenvolvimento da Autonomia (capacidade de Iniciativa; criatividade;
assertividade)
Sociabilidade (participação / cooperação nas atividades de grupo;
capacidade relacional e de interação; tolerância e solidariedade)
Obs: A nomenclatura a utilizar em todos os documentos é: Mau, Não Satisfatório,
Satisfatório, Bom e Muito Bom.

C – CRITÉRIOS GERAIS
Os pesos a atribuir são:

Nível de Ensino Básico *** Secundário ***


Testes de avaliação 60% 70%
Trabalho na aula 15% b) 15% b)
Trabalho extra-aula 10% a) 5% b)
Atitudes e comportamentos 15% 10%
Notas: *** - as percentagens indicadas aplicam-se sempre que não existir especificação por disciplina
a) Em caso de não existirem trabalhos extra-aula esta percentagem será transferida, de forma
equilibrada, para os parâmetros ‘Trabalho na aula’ e ‘Atitudes e comportamentos’.
b) Poderá haver uma transferência da %, de acordo com a complexidade do trabalho e critérios do
grupo, não podendo sofrer uma oscilação superior a 5%.

2/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Excetuam-se dos limites das percentagens gerais apresentadas, dada a sua natureza específica,
as disciplinas que se seguem:

D – CRITÉRIOS ESPECÍFICOS

Pesos percentuais a atribuir disciplina a disciplina


Ensino básico

Português Ensino Básico

60% Teste de avaliação


Momentos formais de avaliação 70%
10% Exposição oral
Trabalho na aula 10%
Trabalho extra-aula 10% a)
Atitudes e comportamentos 10%
a) Em caso de não existirem trabalhos extra-aula esta percentagem poderá ser transferida para os
parâmetros ‘Trabalho na aula’ e ‘Atitudes e comportamentos

Matemática Ensino Básico


Testes de avaliação 70%
Trabalho na aula 10%
Trabalho extra aula 10%
Atitudes e comportamento 10%

História Ensino Básico


Testes de avaliação 70 %
Trabalho na aula 10 %
Trabalho extra-aula 10 % a)
Atitudes e comportamentos 10 %
a) Em caso de não existirem trabalhos extra-aula esta percentagem poderá ser transferida para
os parâmetros ‘Trabalho na aula’ e ‘Atitudes e comportamentos’

Educação Visual Ensino Básico


Trabalhos efetuados na aula ou testes de avaliação 70%
Trabalhos extra-aula 10% a)
Atitudes e comportamentos 20%

a) No caso de não existirem trabalhos extra-aula, ou de estes serem considerados pouco


significantes no contexto geral da avaliação, esta percentagem transita para ‘os trabalhos
efetuados na aula’.

Tecnologias de Informação e Comunicação – 7º ano Ensino Básico


Projetos 50%
- Trabalho na aula 35%
Trabalho extra-aula 5% a)
Atitudes e comportamentos 10%

a) Em caso de não existirem trabalhos extra-aula esta percentagem poderá ser transferida para os
parâmetros ‘Trabalho na aula’ e ‘Atitudes e comportamentos’

3/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Geografia Ensino Básico


Testes de avaliação 65 %
Trabalho na aula 15 %
Trabalho extra-aula 10 % a)
Atitudes e comportamentos 10 %
a) Em
caso de não existirem trabalhos extra-aula esta percentagem será transferida, de forma
equilibrada, para os parâmetros ‘Trabalho na aula’ e ‘Atitudes e comportamentos’

Educação Moral e Religiosa Católica

Instrumentos de
Básico
Critérios de Avaliação Avaliação
Ponderações
Básico
Comportamentos e atitudes: Observação direta
Relação interpessoal. em sala de aula –
Saber ser e saber estar. 45%
Participação positiva. Trabalhos de grupo - 50%
Assiduidade. 30 %
Pontualidade. Trabalhos
Interesse. individuais e/ou
facultativos – 25%
Domínio Cristão de
conhecimentos
Capacidade expressão.
Aplicação de conhecimentos.
Capacidade de relacionamento dos 50%
conteúdos.
Reconhecimento de princípios
canónicos.
Espírito crítico.

4/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Oferta Complementar – Ensino Básico


- Desenvolvimento pessoal e social
- Educação para a saúde
- Educação financeira

A avaliação será traduzida quantitativamente, de acordo com os critérios de avaliação, tendo em


conta o trabalho desenvolvido pelos alunos (Competências).
A organização dos conteúdos permite ao professor várias abordagens para diferentes situações.
As abordagens são centradas em dinâmicas que encorajam os alunos a refletir e partilhar as suas
experiências, de modo a promover o desenvolvimento de competências úteis para lidar com uma
grande variedade de situações, em casa, no local de estudo, de trabalho e na sociedade. Tendo
como base a perspetiva de que o cidadão do futuro se constrói no presente.

Fator de Instrumentos
Domínios O aluno deverá ser capaz de …
ponderação de avaliação

Conhecimentos Aplicação de conhecimentos; 50% Grelhas de


(Saber) Relacionamento de conteúdos; observação e
Leitura e interpretação de documentos. registo

Questionários
formativos
Atitudes Pontualidade e assíduidade;
(Saber estar) Participação nas tarefas/atividades; Portfolio /
Empenhamento; dossier de
Responsabilidade; trabalho
Sentido crítico;
Tolerância, respeito pelos outros e sentido de Trabalho
justiça; individual e em
Cooperação e solidariedade; 50% grupo
Consciência democrática;
Capacidade de diálogo. Desempenho na
aula

Fichas de auto-
avaliação

5/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Oferta de Escola – Ensino Básico


- Expressões
Fator de Instrumentos
Domínios O aluno deverá ser capaz de …
ponderação de avaliação

Evidenciar aptidões intelectuais e cognitivas - Grelhas de


Conhecer elementos da linguagem tecnológica e observação e
artísticas registo
Conhecimentos Saber ler e interpretar documentos tecnológicos
(Saber) simples 30%
Conhecer diferentes formas de representação -
gráfica Questionários
Conhecer meios de comunicação e materiais formativos
adequados
Fundamentar ideias e opções
Interiorizar conceitos tecnológicos e artísticos

Aplicar conhecimentos anteriormente adquiridos - Testes


Ser rigoroso na execução das tarefas escritos
Capacidades Manusear corretamente ferramentas e materiais sumativos
(Saber fazer) Utilizar adequadamente instrumentos de medida
Aplicar as técnicas selecionadas 50% - Trabalho
Comunicar as soluções através de gráficos e individual e
esquemas em grupo
Aplicar os elementos da linguagem tecnológica e
artísticas - Relatórios
Registar graficamente as ideias de forma
organizada
Aplicar conceitos na resolução de novos
problemas

Ser pontual e assíduo


Manifestar interesse pelas atividades
Mostrar curiosidade e gosto pelo estudo - Desempenho
Ser oportuno nas intervenções na aula
Respeitar a opinião dos colegas
Atitudes (Saber Ser cooperante 20%
estar) Assumir postura adequada ao ambiente da sala de - Fichas de
aula autoavaliação
Revelar espírito criativo
Ser responsável no trabalho
Evidenciar facilidade na tomada de decisões

6/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Educação Física
Áreas de Avaliação

Atividades Físicas:
- Domínio Psicomotor: Tem como objetivo avaliar o desempenho motor do aluno ao
nível das competências nas diferentes matérias,
- Domínio Socio-afetivo: Tem como objetivo avaliar o desempenho sócio-afectivo do
aluno (empenho, disciplina, pontualidade, assiduidade e a relação com os
outros/cooperação).
Aptidão Física: tem como objetivo avaliar as capacidades motoras condicionais e
coordenativas.
Conhecimentos: Tem como objetivo avaliar os conhecimentos teóricos inerentes à
disciplina de Educação Física.
Ensino básico e secundário
ÁREAS DE AVALIAÇÃO %
ATIVIDADES FÍSICAS 70%

- Domínio Psicomotor 50%


- Domínio Socio-afetivo
20%
APTIDÃO FÍSICA 20%
CONHECIMENTOS 10%
- Testes e/ou
- Trabalhos de grupo e/ou
- Fichas e relatórios de aula e/ou
- Questionamento na aula

A avaliação dos alunos com atestado médico será efectuada em função da tabela abaixo
apresentada
ÁREAS DE AVALIAÇÃO %
CONHECIMENTOS : 70%

- Testes e/ou
- Trabalhos de grupo e/ou
- Fichas e relatórios de aula e/ou
- Questionamento na aula

DOMÍNIO SOCIO-AFETIVO 30%

- Assiduidade/Pontualidade
- Disciplina/Comportamento
- Cooperação/Empenho

7/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Português Ensino Secundário


Testes de avaliação 75% a)
Trabalho na aula 15%
Trabalho extra-aula 5%
Atitudes e comportamentos 5%
a) 25 % será contemplado na oralidade

Literatura Portuguesa Ensino Secundário


Testes de avaliação 50%
Trabalho na aula 25%
Trabalho extra-aula 15%
Atitudes e comportamentos 10%
A avaliação desta disciplina contempla o Projeto Individual de Leitura, que apresenta duas
fases: a primeira corresponde ao trabalho realizado em contexto de aula equivale a 1/3 (um terço)
do total de aulas em cada período; a segunda corresponde elaboração de um portefólio, objeto de
avaliação, concretizado pelo aluno em contexto de aula.

Línguas Estrangeiras (Grupos de recrutamento 320, 330, 340 e 350)

Ensino Secundário
Testes de avaliação 80% a)
Trabalho na aula 10% b)
Trabalho extra-aula 5%
Atitudes e comportamentos 5%
a) Os momentos de avaliação aqui consagrados serão divididos em:
Momentos de avaliação formal (testes escritos) - 50%
Momentos de avaliação formal (testes orais) - 30%
b) Participação oral -5%

Biologia e Geologia (10º e 11º Ano) Ensino Secundário


Tipologia de avaliação Instrumentos de avaliação Valoração
- Testes de avaliação 70%
Domínio Teórico
- Documentos de avaliação práticos e /
20%
ou experimentais
- Trabalhos de investigação e/ou de
Domínio Prático 5% 30%
pesquisa
- Empenho em tarefas de aula /
5%
Comportamento

8/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Biologia (12ºAno) Ensino Secundário


Tipologia de avaliação Instrumentos de avaliação Valoração
Domínio Teórico - Testes de avaliação. 70%
- Documentos de avaliação práticos 15%
e/ou experimentais.
Domínio Prático - Trabalhos de investigação e/ou de 10% 30%
pesquisa.
- Empenho em tarefas de aula / 5%
Comportamento.

Física e Química A. Física e Química Ensino Secundário


Testes de avaliação 70%
Execução da atividade/ Relatório na aula/
Atividade Documento de avaliação da atividade 20%
Experimental experimental 30%
(a) Preparação da atividade experimental 5%
Atitudes e comportamentos 5%

(a) Quando não há atividade experimental:


Trabalho na aula 20%
Trabalho extra-aula 5%
Atitudes e comportamentos 5%

Matemática A e MACS Ensino Secundário


Testes de avaliação 80%
Trabalho na aula 10%
Trabalho extra-aula 5%
Atitudes e comportamentos 5%

Ensino
História A / História B
Secundário
Testes de avaliação 80 %
Trabalho Individual 15 %
Atitudes e comportamentos 5%

Geografia A / Geografia C/ Psicologia B Ensino


Economia A/ Economia C/ Direito Secundário
Testes de avaliação 75 %
Trabalho na aula 15 % a)
Trabalho extra-aula 5 % a)
Atitudes e comportamentos 5%
a) Podendo haver transferência entre estes parâmetros.

Filosofia Ensino Secundário


Testes de Avaliação/Trabalhos de Pesquisa 80%
Trabalhos na Aula 10% a)
Trabalhos Extra-Aula 5% a)
Atitudes e Comportamentos 5%

a) Poderá haver uma transferência da %, de acordo com a complexidade do trabalho e critérios do grupo,
não podendo sofrer uma oscilação superior a 5%.

9/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Aplicações Informáticas B Ensino Secundário


Testes de avaliação 50%
Trabalho na aula 35%
Trabalho extra-aula 5%
Atitudes e comportamentos 10%

Educação Moral e Religiosa Católica


Instrumentos de
Secundário
Critérios de Avaliação Avaliação
Ponderações
Secundário
Comportamentos e atitudes: Observação direta em
Relação interpessoal. sala de aula – 45%
Saber ser e saber estar. Trabalhos de grupo -30
Participação positiva. % 40%
Assiduidade. Trabalhos individuais
Pontualidade. e/ou facultativos – 25%
Interesse.

Domínio Cristão de conhecimentos


Capacidade expressão.
Aplicação de conhecimentos.
Capacidade de relacionamento dos 60%
conteúdos.
Reconhecimento de princípios canónicos.
Espírito crítico.

10/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Cursos Profissionais e Cursos Vocacionais (de Nível Secundário)

Cursos Profissionais

Avaliação das Componentes de formação Sociocultural, Científica e Técnica

Formação Sociocultural
Componentes de Formação Formação Técnica e
Exceto TIC e Educação
Formação Científica TIC
Física
Testes e/ou Trabalhos
50% 60% 50%
/ portefólios
Trabalhos na aula 30% 20% 35%
Trabalho laboratorial - b) -
Trabalhos extra-aula 10% a) 10% a) 5% a)
Atitudes e
10% 10% 10%
Comportamentos

a) Poderá haver uma transferência da % para Trabalhos na aula


b) Nas disciplinas de Física e Física e Química quando, num módulo, exista trabalho laboratorial, este
terá uma percentagem de 20% passando os Testes e/ou Trabalhos/Portefólios a ter uma ponderação de
40%.

Cursos Vocacionais de Nível Secundário

Avaliação das Componentes de formação geral, Complementar e Vocacional

Componentes de Formação Geral Formação Formação


Formação (exceto Educação Física) Complementar Vocacional
Testes e/ou Trabalhos 50% 50% 50%
/ portefólios
Trabalhos na aula 30% 30% 35%

Trabalhos extra-aula 10% a) 10% a) 5% a)

Atitudes e 10% 10% 10%


Comportamentos

a) Poderá haver uma transferência da % para atitudes e comportamentos.

Nota 1- A avaliação da formação vocacional, no ensino básico, integra ainda a avaliação da prática
simulada, respeitando o seguinte: a classificação final da componente vocacional = 70% para as
disciplinas da formação vocacional + 30% para prática simulada

11/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Educação Física

ÁREAS DE EXTENSÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA/ MÓDULOS %


A - Jogos Desportivos Coletivos (módulos 1,6,11); Ginástica/Atletismo (módulos
2,7,12); Raquetas/Patinagem (módulos 3, 8); Dança/Natação (módulos 4, 9 ,14); 100%
Atividades de Exploração da Natureza ( módulo 13)
ATIVIDADES FÍSICAS: 90%
- Domínio psicomotor, 60%
- Domínio socioafetivo 30%
- CONHECIMENTOS 10%
B - APTIDÃO FÍSICA (módulo 16) 100%

- Prestação nos testes de condição física 80%


- Atitudes 20%

C - ATIVIDADES FÍSICAS/CONTEXTOS E SAÚDE (módulos 5, 10, 15) 100%

- Testes e/ou trabalhos/fichas e relatórios de aula 80%


- Atitudes 20%

A avaliação dos alunos com atestado médico será efectuada em função da tabela abaixo apresentada
ÁREAS DE AVALIÇÃO %
CONHECIMENTOS (Cognitivo/Saber processual): 70%

- Testes e/ou
- Trabalhos de grupo e/ou
- Fichas e relatórios de aula e/ou
- Questionamento na aula
ATITUDE/ EMPENHO (Socioafetivo / Saber relacional): 30%

- Assiduidade/Pontualidade
- Disciplina/Comportamento
- Cooperação/Empenho

12/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Avaliação da Formação em Contexto de Trabalho (FCT) dos Cursos


Profissionais / Estágio Formativo do Curso Vocacional de Nível Secundário

A avaliação expressa-se numa escala de 0 a 20 valores. A avaliação desta componente de formação resulta
da média aritmética das classificações obtidas nos seguintes parâmetros:
Parâmetros de avaliação da Entidade de Estágio Parâmetros de avaliação do Professor
Acompanhante de Estágio
Integração na entidade de estágio Motivação e interesse demonstrado.
Apreensão dos conhecimentos
Apreciação crítica de problemas e situações
Aprendizagem de novos conhecimentos
relacionadas com o desenvolvimento, em contexto
Interesse pelo trabalho que realiza
real de trabalho, da prática profissional.
Rapidez na execução do trabalho
Qualidade do trabalho realizado Respeito pela regulamentação do Estágio, da Escola
Sentido de responsabilidade e da Entidade de estágio.
Autonomia no exercício das suas funções
Facilidade de adaptação a novas tarefas
Relacionamento com a chefia
Elaboração do relatório de estágio com a descrição
Relacionamento com os colegas
das atividades desenvolvidas no período de estágio e
Relacionamento com os clientes
a sua avaliação face ao definido no Plano de Estágio.
Assiduidade e pontualidade
Capacidade de iniciativa
Organização do trabalho
Aplicação de normas de segurança e Higiene no
trabalho

Nota 1 - A avaliação do Estágio Formativo integra ainda a avaliação da Prova Final, respeitando
o seguinte: 60% para Estágio Formativo + 40% para a Prova Final.

13/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Avaliação da Prova de Aptidão Profissional (PAP) dos Cursos Profissionais /


da Prova Final dos Cursos Vocacionais de Nível Secundário

O trabalho resultou duma cópia grosseira, pouco cuidada e vaga;


Contem erros técnicos diretos da análise ou do estudo;
0–9 Está desleixado na escrita ou é muito grande e pouco objetivo;
Insuficiente
Possui ambiguidades ou falta de rigor, com incorreções no uso de terminologia, conceitos
ou noções fundamentais.
O trabalho sintetiza o essencial pondo em evidência os pontos relevantes sobre o tema
estudado;
Apresenta as ideias centrais da bibliografia estudada com ligeiras incorreções;
10–13
Suficiente Utiliza noções, conceitos, siglas, critérios comparativos que não foram previamente
clarificados e introduzidos do ponto de vista do sentido do seu uso;
Revela cuidado na escrita mas pouco objetivo.
Um trabalho que é, no essencial, o resumo da bibliografia estudada, sem erros técnicos;
Identifica muito bem o problema e as soluções apresentadas. Pode considerar-se
globalmente correto, mas não apresenta valor acrescentado em relação ao tema estudado;
14–17 É objetivo, bem estruturado, claro nos conceitos e noções que transmite e está bem escrito
Bom
quanto à forma e quanto ao conteúdo;
Inclui trabalho de pesquisa suplementar, ou verificações/clarificações das ideias expostas
através de critérios experimentais.

Um trabalho que para além dos aspetos anteriores inclui valor acrescentado do ponto de
vista analítico;
18–20 O trabalho envolve estudo complementar para além do proposto e uma análise crítica
Muito Bom
profunda com critérios de valor acrescentado ao nível de um estudo analítico e
comparativo.

A apresentação do Produto e Relatório funciona como um fator de classificação relativa que


Defesa de pode discriminar positiva ou negativamente o trabalho, nomeadamente na clarificação/defesa
prova
dos trabalhos considerados fracos ou trabalhos acima de Bom.

14/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Ensino Secundário Recorrente (ESRUC)

Disciplinas: Português, Línguas Estrangeiras, Filosofia, História A, Geografia A e MACS

Elementos de Avaliação Peso


Testes e/ou Trabalhos / portefólios 70 %
Trabalhos na aula 20%
Atitudes e comportamentos 10%

15/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Critérios de avaliação – Cursos EFA e FMC


Critérios de avaliação das Unidades de Formação de Curda Duração (UFCD):

• Participação e iniciativa;

• Empenho e responsabilidade;

• Autonomia;

• Criatividade e originalidade;

• Aquisição e aplicação de conhecimentos;

• Mobilização de competências em novos contextos;

• Relações interpessoais;

• Trabalho em equipa;

• Adaptação a uma nova tarefa;

• Pontualidade e assiduidade.

EFA Nível Básico

A certificação da formação de base está dependente da validação de todos os resultados


de aprendizagem nas UFCD’s que constituem cada área de competências-chave (CE,
TIC, LC, LC-LE e MV).

A conclusão do Curso EFA B3, está dependente de:

• Validação total das unidades constantes do percurso formativo do formando;

• Frequência com aproveitamento de Aprender com Autonomia.

EFA Nível Secundário

A certificação da formação de base está dependente da validação de pelo menos dois


resultados de aprendizagem em cada unidade das áreas de competências-chave (CP,
CLC e STC).

A validação de cada UFCD também está dependente de:

• Entrega de todos os trabalhos solicitados pelos formadores relativos à UFCD.

• Defesa oral do trabalho se:

realizado em grupo;

realizado parcial ou totalmente fora da sala de aula.

A conclusão do Curso EFA NS está dependente de:

16/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

• Validação total das UFCD constantes do percurso formativo do formando;

• Apresentação do PRA.

- Segundo a legislação em vigor e as orientações do processo técnico-pedagógico,


os formandos consideram-se excluídos, caso ultrapassem 10% do número de horas
relativamente à carga horária das ações.

Português para Falantes de outras Línguas (PFOL)


Meios
Domínios Conhecimentos e proficiências a desenvolver /Instrumentos Pesos
de Avaliação
Compreensão do Oral / Produção Oral /
teste
Interação diagnóstico,
• compreensão de discursos orais informais / intermédio e
final
formais;
exercícios de
compreensão
• produção de discursos orais adequados às
oral
diferentes situações de comunicação; exposições
orais
• fluência
atividades de
interação
• pronúncia

• interação verbal de forma apropriada.


Saber/
Saber • adequação gramatical 85%
Fazer
• adequação lexical

• coerência

Leitura / Produção Escrita


teste
• adequação gramatical diagnóstico,

• adequação lexical fichas de


avaliação
• compreensão de textos informais / formais fichas de
trabalho
com o fim de desenvolver, de modo
autónomo, a capacidade de seleção da oficinas de
escrita
informação e a construção do

17/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

conhecimento;

• produção de textos através das técnicas


essenciais da escrita multifuncional, sua
correção, coerência e interação com as
produções linguísticas dos falantes
portugueses.

Atitudes e Comportamentos
• assiduidade* e pontualidade;

• sentido de responsabilidade;

• cooperação com os colegas e professor(a);


Saber
ser/ • respeito pelas regras de conduta. Observação
15%
Saber direta
estar Participação e Empenho
• organização e apresentação de materiais;

• cumprimento das tarefas e dos prazos;

• autonomia e capacidade de iniciativa

* Os formandos consideram-se excluídos se ultrapassarem 10% do número de horas


relativamente à carga horária das Ações.

E – DISPOSIÇÕES FINAIS

1. Os casos omissos serão objeto de resolução por parte do Diretor, ouvido, sempre
que possível, o Conselho Pedagógico.
2. Os presentes Critérios Gerais de Avaliação serão cumpridos por todos os
Departamentos Curriculares e, depois de aprovados, entrarão em vigor no ano letivo
de 2013/14 podendo ser revistos anualmente.
3. Os Critérios Gerais de Avaliação estarão disponíveis na página oficial da Escola.

18/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

F – ANEXOS

ANEXO I

CRITÉRIOS RELATIVOS À PROGRESSÃO / RETENÇÃO DOS ALUNOS EM


ANOS INTERMÉDIOS DE CICLO - 7º / 8º ANOS1

Constituem referência para a escola, nos termos do ponto 2, alínea b) do art.º 12º do
Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro.
A competência da progressão/retenção de cada aluno é do Conselho de Turma, no
âmbito das metas e contextos definidos no Projeto Curricular de Turma/Plano de Trabalho da
Turma, sob proposta dos professores de cada disciplina.
A decisão de retenção pode ser tomada quando o aluno:
• Revelar falta de assiduidade que se vai refletir, de forma significativa, no
aproveitamento, não cumprir as medidas de recuperação ou não obtiver os resultados
esperados nas mesmas;
• Não atingir os objetivos propostos no Programa Educativo Individual -PEI-, ou no
Plano de Acompanhamento Pedagógico;
• Revelar um atraso muito significativo, não tendo adquirido os conhecimentos
predefinidos para um ano não terminal de ciclo que, fundamentadamente,
comprometam a aquisição dos conhecimentos e o desenvolvimento das capacidades
definidas para um ano de escolaridade;
• Tenha obtido nível inferior a 3 (três) a mais de duas disciplinas.
Contudo, a decisão de progressão ou retenção do aluno é uma decisão pedagógica e deverá
ser tomada sempre que o Conselho de Turma considere que o aluno demonstra ter ou não ter
adquirido os conhecimentos e desenvolvido às capacidades essenciais para transitar para o ano
de escolaridade seguinte.
Sempre que o Conselho de Turma delibere a progressão de um aluno com 3 (três) ou mais
níveis inferiores a três deve fundamentar a sua decisão e esta deverá ficar explicitada na ata do
Conselho de Turma.
Verificando-se retenção, compete ao conselho de turma identificar os conhecimentos não
adquiridos e as capacidades não desenvolvidas pelo aluno, as quais devem ser tomadas em
consideração na elaboração do plano da turma em que o referido aluno venha a ser integrado no
ano escolar subsequente, com o apoio do serviço de orientação escolar, de acordo com o ponto 8
do artigo do Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, e o artigo 24º do Despacho Normativo n.º
24-A/2012, de 6 de dezembro.

1
9º ANO

- Aos alunos do 9º ano de escolaridade aplicam-se os critérios definidos no número 2 do art.º 13º do
Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro.

19/16
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Critérios Gerais de Avaliação de Escola

Critérios de avaliação aprovados em Conselho Pedagógico para o ano letivo 2016-2017

20/16

Você também pode gostar