Você está na página 1de 44

Unidade II

Unidade II Unidade II 5 O EXERCÍCIO FÍSICO NAS SOCIEDADES MODERNAS 5.1 As escolas ginásticas: educação,

Unidade II

5 O EXERCÍCIO FÍSICO NAS SOCIEDADES MODERNAS

5.1 As escolas ginásticas: educação, saúde e nacionalismo

A Educação Física moderna sofreu influências dos pensadores iluministas do século XVII e XVIII. Dentre eles se destacou Jean Jacques Rousseau (1712-1778), cuja obra colaborou com a criação de um novo método educacional e uma nova visão de homem. Rousseau afirmava que a criança deveria ser educada livre das influências negativas dos pais e das instituições da sociedade, sobretudo da Igreja, grande condutora ideológica da época. Para Rousseau, a educação deveria estar na autonomia da vontade e na razão. Rousseau valorizava, em seus preceitos educativos, a formação moral e física do jovem. Essa condição abriu espaço para o desenvolvimento da Educação Física e influenciou um grande número de estudiosos e pedagogos em diversos países da Europa, culminando com o surgimento das Escolas Ginásticas (MARINHO, 1980).

As Escolas Ginásticas surgiram na Europa no início do século XIX e tiveram desenvolvimento simultâneo em diversos países, o que favoreceu o intercâmbio de informações e tendências. Os objetivos gerais do movimento ginástico europeu estavam voltados ao desenvolvimento pedagógico, higiênico e militar do homem, buscando preparar os jovens para a vida e para a prestação de serviços à sociedade (GRIFI, 1989).

Na Dinamarca, o pedagogo Franz Nachtegall (1777-1847) é considerado o idealizador de uma doutrina ginástica altamente pedagógica, sendo o precursor de diversas escolas e institutos voltados à prática. Introduziu a ginástica obrigatória em seu país, desenvolveu o gosto pela ginástica na população. Fundou um instituto particular de ginástica em Copenhague, o primeiro da Europa. Publicou um Tratado de Ginástica, que foi distribuído e aplicado em todas as escolas do país. Em 1804, fundou um instituto militar de ginástica. Nachtegall foi precursor de Ling e Jahn e grande incentivador da ginástica patriótica e militar.

Johann Basedow (1723-1790) era um professor alemão que desenvolveu seu próprio sistema de ensino baseado nas ideias de Rousseau. A educação deveria ser livre de influência religiosa e as crianças deveriam ser tratadas como crianças em vez de adultos pequenos. A carga excessiva de atividades físicas era parte do sistema. Ele incluiu um dia de 10 horas, com cinco horas de aulas, três horas de esgrima, equitação, dança e música e depois duas horas de trabalho manual ligada a um ofício. A escola empregava Basedow na década de 1770 como seu primeiro professor em Educação Física, e ele pode, assim, ser considerado como o primeiro professor moderno ginástica.

64
64

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Figura 20 5.1.1 O movimento ginástico sueco A ginástica
FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Figura 20 5.1.1 O movimento ginástico sueco A ginástica

Figura 20

5.1.1 O movimento ginástico sueco

A ginástica sueca foi implantada por Per Henrik Ling (1776-1839) e teve influência dinamarquesa. Ling desenvolveu uma ginástica essencialmente educativa e social, exaltando os benefícios à saúde e a serviço à pátria via ginástica de preparação militar. Ling procurou estabelecer rumos científicos para a prática dos exercícios físicos, a fim de regenerar o povo sueco (RAMOS, 1982; MARINHO, 1980).

fim de regenerar o povo sueco (RAMOS, 1982; MARINHO, 1980). Figura 21 Ling criou um sistema

Figura 21

Ling criou um sistema de ginástica constituído por quatro divisões principais: pedagógica, médica, militar e estética. O autor destacou em sua obra as duas primeiras divisões. A ginástica pedagógica era destinada a pessoas saudáveis e tinha como objetivos o domínio pleno do corpo e o desenvolvimento da saúde. A ginástica médica objetivava o tratamento de certas enfermidades, mal funcionamento de órgão e problemas posturais.

65
65

Unidade II

Unidade II A ginástica de Ling destaca-se pela sistematização precisa dos exercícios e pela organização de

A ginástica de Ling destaca-se pela sistematização precisa dos exercícios e pela organização de princípios (RAMOS, 1982):

• Os movimentos ginásticos devem se basear nas necessidades e leis do organismo humano, respeitando exigências estéticas.

• A ginástica deve desenvolver o corpo de forma harmoniosa, atuando em todas as suas partes de acordo com a capacidade de cada pessoa.

• Todo movimento precisa de uma forma determinada, deve ter posição inicial, desenvolvimento e posição final.

• Os exercícios da ginástica pedagógica devem ser selecionados de forma que estimulem a atitude do atleta, devendo ser simples e atraentes.

• A ginástica deve desenvolver gradualmente o corpo por meio de exercícios de intensidade e dificuldade crescentes, de acordo com a capacidade de cada praticante.

• A ginástica visa tanto ao corpo como ao espírito, de modo que sua prática deve ser sempre prazerosa.

• A ginástica deve sempre observar a teoria e a prática.

• A saúde é necessária a ambos os sexos e possivelmente mais à mulher, que deve se preparar para gerar outra vida.

Após o estabelecimento dos princípios, Ling criou os diferentes exercícios do sistema, obedecendo-se ações articulares anatômicas e princípios fisiológicos. O programa incluía em sua base movimentos envolvendo apenas o corpo, depois iam-se incluindo implementos, tais como saltos sobre o cavalo, rolamentos, paradas de mãos, caminhada sobre a parada de mãos, subidas em cordas, escadas, esgrima e natação (RAMOS, 1982).

de mãos, caminhada sobre a parada de mãos, subidas em cordas, escadas, esgrima e natação (RAMOS,
66
66

Figura 22

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Em 1813, Ling fundou o Instituto de Estocolmo, o

Em 1813, Ling fundou o Instituto de Estocolmo, o Real Instituto Central de Ginástica, hoje Escola Superior de Ginástica e Desportos, órgão que formou e ainda hoje forma milhares de jovens professores, instrutores e continuadores de sua obra.

Ling ainda desenvolveu um elaborado método de ginástica escolar, dividido em faixas etárias e guiado de acordo com os seguintes objetivos:

• Assegurar a saúde de forma agradável e estimulante.

• Dar ao praticante a capacidade de obedecer rapidamente às ordens dadas e de ter consideração pelos companheiros e para com os menos hábeis.

• Compensar desvantagens da vida sedentária na escola.

• Melhorar a aptidão física e a composição corporal de alunos com tendências sedentárias.

• Conscientizar a prática esportiva e estimular a continuidade da vida ativa após a idade escolar.

• Criar uma multiplicidade de exercícios e movimentos que possibilitem a adaptação às capacidades individuais.

Para a criança de 7 a 9 anos (fase escolar elementar), a ginástica pedagógica de Ling prescreve exercícios fáceis e motivantes. Os jogos são destaque nessa fase, movimentos analíticos e funcionais são desenvolvidos na forma de brincadeiras. Nessa fase é contraindicada a sobrecarga excessivamente intensa, é usada a “sessão estoriada”, na qual, através de elementos simbólicos, desenvolve-se um “conto do movimento”.

As crianças de 10 a 12 anos (fase intermediária) recebem um trabalho mais ativo e exigente, porém

sem mudanças bruscas de exercícios e níveis de exigência. Os exercícios são mais intensos, porém de curta duração.

Dos 13 aos 15 anos (fase superior), a intensidade dos exercícios aumenta bastante, as adaptações devem ser adequadas a cada aluno.

Dos 16 aos 18 anos os níveis de destreza, a intensidade e a complexidade dos movimentos aumenta bastante e o trabalho se iguala ao treino do ginasta adulto (RAMOS, 1982).

A Lingiada, possivelmente um dos primeiros festivais ginásticos relatados na literatura, foi

realizada na cidade de Estocolmo (Suécia) em homenagem ao criador da Educação Física Sueca, Per

Henrik Ling (1776-1839), também fundador da Ginástica Ling ou, mais comumente denominada, ginástica sueca.

O festival aconteceu em 1939, com 7.399 participantes vindos de 20 países e, além do festival,

aconteceu um congresso mundial sobre atividade física, que teve participação de 1.500 instrutores. A

67
67

Unidade II

Unidade II segunda Lingiada foi realizada em 1949, com a participação de 14.000 ginastas, dobrando o

segunda Lingiada foi realizada em 1949, com a participação de 14.000 ginastas, dobrando o número de participantes em relação à primeira (PATRÍCIO; BORTOLETO, 2015).

Durante a assembleia geral da Federação Internacional de Ginástica (FIG), que aconteceuparalelamente

à segunda Lingiada, o holandês Johannes Heinrich François Sommer fez uma proposta para a realização

de um festival mundial sob a responsabilidade da FIG. Já na Assembleia de 1951 o festival foi inserido no

programa oficial de eventos, com o nome de “Gymnaestrada” (PATRÍCIO; BORTOLETO, 2015).

A primeira Gymnaestrada foi realizada em 1953, em Roterdã (Holanda), inspirada nas Lingiadas

comentadas anteriormente. Essa primeira edição do evento contou com a participação de quase 5.000 ginastas de 14 países. A Gymnaestrada, atualmente denominada World Gymnaestrada (Ginastrada Mundial), é o mais importante evento internacional de Ginástica Para Todos (GPT), amplamente denominada Ginástica Geral (GG), organizado pela FIG, com uma participação de 55 países, somando um número de participantes duas vezes maior do que os Jogos Olímpicos, com cerca de 19.000 ginastas. É realizada de quatro em quatro anos e teve sua XV edição em 2015, em Helsinque, na Finlândia (PATRÍCIO; BORTOLETO, 2015).

Os festivais representam um espaço livre para apresentações de ginástica. É um lugar de intercâmbio de experiências, ideias e conhecimentos técnicos, estéticos e organizativos. Os festivais em análise não possuem um caráter competitivo, os participantes sentem-se à vontade para explorar e apresentar algumas inovações, recriando-as conforme a particularidade do seu grupo, contribuindo para a criação de um acervo de ideias coletivo. Ao contrário dos eventos competitivos, vê-se uma maior liberdade de trabalho, maior inclusão e interação entre os ginastas (PATRÍCIO; BORTOLETO, 2015).

5.1.2 O movimento ginástico francês

Na França, a ginástica foi introduzida primeiro pelo general espanhol Francisco Amoros (1769-1848), que lutou nas tropas de Napoleão e depois se naturalizou francês. Amoros reconheceu

a existência de quatro tipos de ginástica na França, cada qual com a sua função: a ginástica civil ou

industrial, que tinha por objetivo fortalecer os cidadãos para o cumprimento de suas tarefas e trabalhos;

a ginástica militar, utilizada na preparação dos contingentes do Exército; a ginástica médica de cunho higienista, atendendo às necessidades da saúde da população; e a ginástica funambulesca, praticada por malabares em apresentações cênicas e circenses, sendo esta condenada pelo autor por considerá-la desnecessária (GRIFI, 1989; MARINHO, 1980).

A ginástica amorosiana é considerada o ponto de partida da sistematização da Educação Física na

França. Tinha por objetivo formar homens completos, não apenas fortes e endurecidos, mas corajosos, com capacidade de juízo do bem, do dever e do devotamento. Amoros buscava o desenvolvimento das qualidades físicas, o aumento da energia e a exaltação de sentimentos elevados.

O autor utilizava uma gama enorme de exercícios: marchar, trepar em cordas, escada e trapézios,

equilibrar, saltar, levantar, transportar, correr, lançar, nadar, mergulhar, escorregar, patinar, esgrimir, dançar, tiro, cavalo, jogo com bola, boxe. Amoroso elaborou sucessões e alternância de exercícios; a

elaboração das sessões de treinamento se assemelham ao circuit training.

68
68

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Outro importante autor da ginástica francesa foi Geórges

Outro importante autor da ginástica francesa foi Geórges Démeny (1850-1917). Pedagogo e cientista, estudou profundamente a cinesiologia dos movimentos humanos, dirigiu o laboratório de pesquisas da Escola de Joinville e auxiliou a elaboração do Regulamento dos Exercícios Físicos do Exército.

Foi autor de diversas obras, entre elas Bases Científicas da Educação Física, Mecanismo e Educação dos Movimentos, Danças Ginásticas e Educação e Esforço. Suas obras acentuaram sua característica

extremamente militar. Seu método previa a execução de exercícios ginásticos completos, contínuos e cíclicos. Tinha profundo embasamento mecânico e fisiológico, foi grande defensor da prática da ginástica pelas mulheres combinada com a dança.

da ginástica pelas mulheres combinada com a dança. Figura 23 Georges Hébert (1875-1957) foi oficial da

Figura 23

Georges Hébert (1875-1957) foi oficial da Marinha francesa e criador do Método Natural de Ginástica. Iniciou seus estudos na Escola de Fuzileiros Navais de Lorient (1906), dirigiu o colégio de Atletas de Reims (1913), fundou um centro de Educação Física feminina, estimulou a prática de exercícios por crianças e jovens e foi autor de várias obras, entre elas: Treinamento Completo pelo Método Natural;

A Lição Padrão de Treinamento Completo Utilitário; Guia Prático de Educação Física; O Código de Força; A Educação Física Feminina e a Educação Física Viril; e Moral pelo Método Natural (RAMOS, 1982).

Na Marinha, Hébert viajou pela Oceania e observou muitos povos nativos bastante robustos que viviam em grande contato com a natureza, usando a plenitude de seus esforços físicos para interagir e sobreviver ao meio ambiente hostil.

Hébert criou então um método baseado em suas observações e objetivos na busca pelo retorno ao contato com a natureza. Seu método, extremamente utilitário, dividia os exercícios naturais em dez famílias: marchar, correr, saltar, quadrupedar, trepar, equilibrar, levantar, lançar, defender-se e nadar. Foi contrário ao esporte, à ginástica sueca e aos aparelhos artificiais. Seu método tinha por lema: “Ser forte para ser útil” (RAMOS, 1982).

O método natural grupa os exercícios naturais em uma lição em que as sequências são repetidas no decorrer de um percurso preparado ou natural. Os esforços são progressivos, conjugados e nunca se

69
69

Unidade II

Unidade II realizam movimentos isolados. O método natural busca formar o atleta completo, com o desenvolvimento

realizam movimentos isolados. O método natural busca formar o atleta completo, com o desenvolvimento pleno da força, potência, agilidade, resistência e velocidade.

O método natural de Hébert foi base para a criação de uma manifestação contemporânea de

movimento bastante original, que possui milhares de praticantes no mundo todo, o Parkour.

5.1.3 A história do Parkour

O Parkour é uma modalidade de prática de ginástica livre que tem por objetivo cumprir percursos

urbanos com obstáculos da forma mais eficiente possível. Para isso são utilizadas técnicas de corrida, saltos, escaladas, aterrissagem e rolamentos. O Parkour foi criado na França, na década de 1990, por David Belle, que aperfeiçoou os movimentos praticados por seu pai, Raymond Belle, que foi da brigada de bombeiros de Paris. Raymond Belle nasceu em 1939, na Indochina. Era um de uma família de nove irmãos, com um pai francês e mãe vietnamita. Aos 7 anos foi enviado para viver em uma escola militar francesa, em Dalat, sendo treinado e educado como um garoto soldado. David relembra de seu pai lhe contando os tipos diferentes de treino que fazia sozinho à noite, em adição aos exercícios obrigatórios. Eram várias rotas ou “percursos”, alguns focados em resistência, agilidade, elasticidade e silêncio ou furtividade, buscando o fortalecimento físico e mental.

Raymond, reconhecido por sua condição física, tornou-se oficial junto aos bombeiros de Paris, aprendendo a tarefa de salvar e sendo reconhecido em sua profissão. Em razão de sua aptidão física, destacou-se entre os demais, agregando a equipe de bombeiros de elite, que era solicitada para as missões mais difíceis e perigosas de salvamento. Integrado ao regime parisiense de bombeiros militares, Raymond foi treinado no Methode Naturalle, de Georges Hébert. O treinamento de Raymond se estendeu aos treinamentos militares de salvamento, conhecidos como parcours du combattant, ou percurso militar de obstáculos (STRAMANDINOLI; REMONTE; MARCHETTI, 2012).

David Belle nasceu em 29 de abril de 1973, filho de Raymond e Monique Belle, cercado por uma família que se destacava nos esportes. Por essa influência, David Belle desenvolveu o gosto pelas práticas como atletismo, ginástica olímpica, escalada e artes marciais, e sua dedicação foi intensificada aos 15 anos. Para ele, o esporte deveria ser útil, acima de tudo. Portanto, o desenvolvimento da resistência e da agilidade por meio da prática deveria ser utilizado na vida. David Belle mudou-se para Lisses, uma área suburbana de Paris, e foi nessa época que conheceu outros jovens, que, futuramente (em 1997), seriam chamados de Yamakasi (STRAMANDINOLI; REMONTE; MARCHETTI, 2012).

O Parkour surgiu não apenas por influência do pai, Raymond, mas também pelas experiências

esportivas que o jovem David Belle vivenciou. Ele continuou o legado de seu pai, passando a dedicar-se à

progressão por meio do movimento, sendo o conceito mais importante sua ideia de que todo treinamento deveria ser aplicável à vida real e ajudar a resolver problemas ou situações extremas. Seu treino era uma simulação do que poderia acontecer a qualquer momento, criando situações de salvamento e treinando-as de forma específica. Eficiência, velocidade, eficácia, longevidade e controle se tornaram focos do seu treino e, eventualmente, mais situações se tornaram fáceis de resolver (STRAMANDINOLI; REMONTE; MARCHETTI, 2012).

70
70

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA David Belle decidiu desenvolver a arte que praticava formando,

David Belle decidiu desenvolver a arte que praticava formando, em 31 de maio de 1997, a primeira associação Yamakasi (termo de origem africana, significando corpo forte, espírito forte), composta por David Belle, Sébastien Foucan, Yann Hnautra, Frederic Hnautra, Charles Perrière, Malik Diouf, Guylain N’Guba-Boyeke, Châu Belle-Dinh e Williams Belle, tendo como objetivo disseminar a arte e atribuir nomes aos principais movimentos que hoje constituem a base do Parkour. Procurou dar um nome e rumo à prática que vinha a realizar, já há alguns anos, juntamente com colegas de infância.

Dentre todos, o consenso foi que chamariam “Parkour” aos percursos que faziam na procura do caminho mais útil entre dois pontos (STRAMANDINOLI; REMONTE; MARCHETTI, 2012).

O Parkour se desenvolveu de forma extraordinária através da divulgação dos vídeos de seus praticantes na internet, também passaram a produzir filmes e documentários para canais de TV. Os praticantes

passaram a participar de filmes cinematográficos, sendo que o próprio David Belle se dedicou a alguns filmes. Esses filmes ajudaram a arregimentar uma legião de praticantes em todo o mundo. No entanto,

o Parkour possui uma condição tradicional de prática livre e se nega a ser transformado em mercadoria

ou a se transformar apenas em modalidade de exibição. É, antes de mais nada, uma filosofia de vida em busca do movimento eficiente e do contato com o meio (MARQUES, 2010).

Durante a grande expansão do Parkour no início dos anos 2000, David Belle e Sébastien Foucan tomaram rumos diferentes. Belle permaneceu mais fiel ao utilitarismo do Parkour, a filosofia de movimento eficiente para vencer percursos. Já Foucan passou a desenvolver uma prática mais artística, envolvendo elementos acrobáticos como saltos mortais durante a transposição dos obstáculos. Para Belle, esses movimentos são inúteis e desnecessários, mas reconhece que, sendo uma arte livre, o desenvolvimento do freestyle é uma consequência natural dos jovens, assim como ocorreu com o skate

e patins (MARQUES, 2010).

assim como ocorreu com o skate e patins (MARQUES, 2010). Observação No início de sua prática,

Observação

No início de sua prática, o Parkour era visto como uma atividade de marginais e desocupados. Muitos acreditavam que as habilidades dos tracers eram desenvolvidas para facilitar roubos e fugas.

5.1.4 O movimento ginástico alemão

Nascido na Alemanha, Johann Christoph Friedrich Guths Muths (1759-1839), pedagogo, é considerado o pai da ginástica pedagógica moderna. Podem ser destacados, na sua obra, os seguintes

livros: A Ginástica para a Juventude, de 1793, e Livro de Ginástica para os Filhos da Pátria, de 1817 – o

último, destacando o nacionalismo e a nobreza do povo alemão. Seu método distinguia os exercícios propriamente ginásticos, como o salto, a corrida, o arremesso, a equitação, o balanceio, o trepar e a natação, os trabalhos manuais e os jogos para a juventude. Escreveu um Manual Técnico-Prático de Ginástica para a Juventude, primeiro livro especializado da era moderna. As ideias de Guths Muths influenciaram toda uma geração de pedagogos.

71
71

Unidade II

Unidade II Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852) desenvolveu profundamente a ginástica militar prussiana de cunho

Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852) desenvolveu profundamente a ginástica militar prussiana de cunho nacionalista e político, incitando a juventude patriótica a se preparar para as guerras de unificação da Alemanha. Jahn foi combatente das tropas prussianas durantes as invasões napoleônicas e detinha com ele um forte sentimento de revolta e sede por justiça. Via a necessidade de organização, fortalecimento e união do povo alemão contra os inimigos externos (MARINHO, 1980; RAMOS, 1982; GRIFI, 1989).

inimigos externos (MARINHO, 1980; RAMOS, 1982; GRIFI, 1989). Figura 24 Chamado de Turnvater , pai da

Figura 24

Chamado de Turnvater, pai da ginástica, é a figura mais representativa da escola alemã. Foi um homem bastante vigoroso, praticava diversas modalidades, tais como esgrima, luta e ginástica. Esta última era sua atividade predileta, com destaque para a barra fixa. Jahn era um homem forte, justo e correto. Esteve sempre preocupado em promover uma vida limpa e pura para o povo alemão. Seu discurso pregava resistência à invasão estrangeira, ainda ressentido pelas invasões napoleônicas (RAMOS, 1982).

O sistema ginástico de Jahn era cheio de exercícios que exigiam muita aplicação de força e dispêndio de energia. Criou um instituto de ginástica na cidade de Haseiheide, próximo a Berlim. Em outras cidades do país foram erguidas escolas similares com o intuito de estimular o sentimento patriótico nos jovens. A ginástica vigorosa de Jahn preparava os jovens para os esforços necessários na guerra. Esse método, que misturava uma vigorosa ginástica e um doutrinamento nacionalista, foi chamado por Jahn de Turnkunst.

Jahn publicou sua obra prima, A Arte da Ginástica Alemã, em que descreveu toda a estrutura de seu método dividido em cinco capítulos: Exercícios gímnicos; Jogos gímnicos; Construção e instalação de um campo de ginástica; Modo de praticar os exercícios; e Bibliografia da arte ginástica. Os exercícios ginásticos foram ordenados em 17 famílias: marchar, correr, saltar, tomar impulso no cavalo, equilibrar, exercícios de barra, exercícios de paralela, trepar, arremessar, puxar, empurrar, levantar, transportar, esticar, lutar, saltar arco e pular corda (RAMOS, 1982).

72
72

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA O autor teve uma vida conturbada. Devido à atitude

O autor teve uma vida conturbada. Devido à atitude revolucionária dos praticantes do Turnkunst,

foi tido como perigoso, foi preso e depois absolvido. Mais tarde foi reconhecido e condecorado. Sua ginástica evoluiu com movimentos mais elaborados e foi responsável pela gênese da ginástica artística moderna.

Apesar dos grandes avanços pedagógicos, científicos e higienistas provocados pela evolução das escolas ginásticas europeias, foi sensível a importância dada ao uso dos exercícios com objetivos militares. As instituições educacionais e militares passaram a utilizar métodos ginásticos na preparação de Exércitos e na propagação ideológica e nacionalista. Essas prerrogativas políticas e militares das escolas ginásticas permaneceram no século XX, acompanhando o desenvolvimento da Educação Física pelo mundo.

o desenvolvimento da Educação Física pelo mundo. Lembrete Por se tratar de uma ginástica bastante vigorosa

Lembrete

Por se tratar de uma ginástica bastante vigorosa e composta por diversos aparelhos, a ginástica alemã de Jahn é considerada a precursora da Ginástica Artística.

5.2 A gênese do esporte moderno e o processo civilizatório britânico

O esporte moderno foi regulamentado na Inglaterra no início do século XIX e teve sua origem

em jogos populares e em atividades recreativas praticadas pela nobreza britânica. Naquele período,

a Inglaterra passou por uma fase de grande organização social e evolução econômica em função das transformações geradas pela Revolução Industrial, que teve início por volta de 1770.

A Revolução Industrial aconteceu na Inglaterra na segunda metade do século XVIII e encerrou

a transição entre o feudalismo e o capitalismo, a fase de acumulação primitiva de capitais e de

preponderância do capital mercantil sobre a produção. Foi caracterizada pelo processo de substituição das ferramentas pelas máquinas, da energia humana pela energia motriz, teve um enorme impacto

sobre a estrutura da sociedade, num processo de transformação acompanhado por notável evolução tecnológica (ARRUDA; PILETTI, 1995).

Nas primeiras décadas do século XIX, a Inglaterra consolidou-se como principal potência imperial colonizadora em todo o planeta, situação que permaneceu até meados do século XX. A rainha Vitória ocupou o trono inglês durante o século XIX (1837-1901). Adotou uma política predominantemente burguesa, impulsionando o liberalismo. Essa fase ficou conhecida como Era Vitoriana (VICENTINO; DORIGO, 2013).

O rápido crescimento industrial, a poderosa Marinha mercante e o Estado solidamente estruturado

garantiam o poderio britânico, que desde a derrota de Napoleão Bonaparte, em 1815, não encontrava nenhum rival suficientemente forte para ameaçar de forma decisiva sua estabilidade, liderança e hegemonia internacional. Foi a era da libra esterlina como moeda do comércio internacional. O período vitoriano foi também uma época de grandes conquistas trabalhistas. Organizações de trabalhadores,

73
73

Unidade II

Unidade II como as trade unions, venceram a resistência do empresariado e obtiveram sucessivas melhorias nas

como as trade unions, venceram a resistência do empresariado e obtiveram sucessivas melhorias nas condições de trabalho (legislação trabalhista, redução da jornada de trabalho, melhores salários), bem como maior espaço na vida política inglesa (VICENTINO; DORIGO, 2013).

Segundo Pilatti (1999), a revolução industrial alterou a forma de entender o tempo, dando mais urgência e exatidão às ações. O ritmo de vida passou a seguir o compasso da produção fabril, foi instalado o estado de busca permanente pelo acúmulo de capital com objetivo de vida, o que posteriormente resultou na ideia de como usufruir desse capital, aproveitar algum momento de não trabalho, que foi chamado de tempo livre.

Os jogos populares ingleses eram amplamente praticados nessa época, configurando uma atividade cultural que destoava do processo civilizatório que ocorria na sociedade. Eram atividades extremamente violentas, sem regras, sem número definido de participantes, sem tempo ou campo de jogo bem definidos. Praticamente tudo era permitido para se alcançar a meta adversária. Com isso, os jogos causavam sérias lesões, tumultos, brigas, depredações e atos de vandalismo, sendo tachados como imorais, por fomentar o vício e a bebida, e como improdutivos, pois incitavam o ócio, provocando faltas no trabalho (GONZÁLEZ, 1993).

Nas escolas aristocráticas, public schools, os jogos eram praticados nos períodos de tempo livre dos estudantes, criando um grande problema, pois sua violência e vulgaridade comprometiam a imagem do tradicional sistema de ensino britânico. Os jovens praticantes machucavam-se seriamente, geravam tumultos, brigas e invasões de propriedades privadas, os garotos mais jovens sofriam abusos dos alunos veteranos (GONZÁLEZ, 1993).

de propriedades privadas, os garotos mais jovens sofriam abusos dos alunos veteranos (GONZÁLEZ, 1993). 74 Figura
74
74

Figura 25

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA A direção das tradicionais escolas britânicas, entre elas

A direção das tradicionais escolas britânicas, entre elas Eton, Harrow, Rugby, Westminster, Shrewsbury, Charterhouse, St. Paul e Merchant Taylor, iniciaram movimentos de reforma nas atividades praticadas no tempo ocioso dos alunos, mantendo-os dentro dos pátios e campos de propriedade da escola e não mais em bares, propriedades privadas e locais públicos, onde geravam tumulto.

Os alunos tinham garantido, tradicionalmente, o direito de desfrutar de seu tempo livre como desejassem, pois se acreditava que esta liberdade era muito importante para a formação dos futuros líderes sociais. Entretanto, em função dos constantes incidentes envolvendo os alunos e a prática de jogos populares, as escolas tentaram impor regras para a utilização do tempo livre, aumentando a

vigilância sobre as atividades. Como resposta à imposição das regras e à proibição dos jogos, os alunos realizaram inúmeras rebeliões em várias escolas britânicas. Em alguns casos, essas rebeliões chegaram

a ser repreendidas pelo Exército.

A regulamentação das atividades do tempo livre e dos jogos praticados pelos alunos das public

schools só ocorreu efetivamente após a realização de assembleias, encontros e cursos envolvendo diretores, professores e alunos. Nessas assembleias foram definidas as técnicas corporais e esportivas que deveriam ser permitidas ou proibidas. O pedagogo Thomas Arnold, que assumiu a direção do Colégio de Rugby, em 1828, é considerado um grande colaborador no processo de regulamentação e pedagogização das práticas esportivas (GONZÁLEZ, 1993).

Foi no ambiente das escolas inglesas que foram determinadas as regras e as características básicas de diversas modalidades esportivas, entre elas o futebol, o rúgbi e o críquete. O esporte regulamentado nas escolas não se limitou apenas a uma prática regrada nos períodos de tempo livre dos alunos, foi investido como valor educativo e se transformou em parte central do currículo escolar. Os campos de jogo se converteram em verdadeiros meios educativos, onde se exaltava a virilidade, adquiria-se honradez e coragem e se fomentava o espírito de equipe e de liderança (GONZÁLEZ, 1993).

Desde sua origem, o esporte foi direcionado à função educativa. Isso ocorreu porque o esporte concentra, em sua essência, características da sociedade em que está inserido, reproduzindo-as em suas dinâmicas. Assim, pode ser utilizado como instrumento educativo, transmitindo valores importantes à formação do cidadão apto ao convívio em sociedade (BRACHT, 1997).

A regulamentação e os valores pedagógicos do esporte moderno também foram transmitidos para

a sociedade inglesa no século XIX. Os ex-alunos das public schools levaram o modelo esportivo para

clubes, associações, empresas e igrejas.

As atividades populares vulgares foram amplamente combatidas, chegando à proibição e à repreensão com multas e até com prisão. A repressão teve o apoio dos protestantes puritanos e dos industriais burgueses, pois os jogos eram considerados práticas vulgares, que afastavam os fiéis de seus compromissos religiosos e também geravam ociosidade, tumultos e faltas constantes ao trabalho, afetando a produção industrial burguesa.

O esporte moderno foi introduzido em toda a sociedade britânica, disciplinando os trabalhadores

e moralizando os fiéis. Muitas fábricas criaram suas próprias equipes esportivas, nas quais os operários

75
75

Unidade II

Unidade II podiam se entreter de forma controlada e civilizada. Da mesma forma, as igrejas construíram

podiam se entreter de forma controlada e civilizada. Da mesma forma, as igrejas construíram campos e incentivaram a prática esportiva regulamentada como forma de aproximar os homens de Deus.

A partir da década de 1870, os ex-alunos do sistema educacional das public schools começaram

a colocar em prática aquilo que haviam aprendido. Reuniram-se e discutiram formas distintas de

jogo, criaram clubes, associações, federações, comitês, órgãos do governo e uma ampla normatização

legal autônoma, desenvolveram um conjunto de redes de instituições e hierarquias esportivas, que organizaram competições locais, regionais, nacionais e internacionais.

Esse grande movimento de institucionalização do esporte fez com que o fenômeno ganhasse força e autonomia, solidificando-se na sociedade britânica do século XIX e expandindo-se para todo o mundo.

O modelo esportivo do associacionismo estendeu-se a outros países, acompanhando as poderosas

influências econômicas, culturais e sociais da Inglaterra (CAGIGAL, 1996). Junto a indústria têxtil, ferrovias

e companhias de energia, a Inglaterra exportou para o mundo o modelo esportivo, sua organização e regras (RUBIO, 2001).

A regulamentação das atividades esportivas, assim como sua organização institucional, ocorreu em

paralelo ao processo civilizatório da sociedade inglesa, controlando os níveis de violência através das regras e adaptando as características do esporte às características da sociedade capitalista industrializada

(ELIAS; DUNNING, 1992).

Os elementos característicos da sociedade moderna capitalista e industrial que foram incorporados pelo esporte são: a orientação ao rendimento e à competição, a cientifização do treinamento, a organização burocrática, a especialização dos papéis e a pedagogização dos processos (BRACHT, 1997).

Assim, nota-se a força do movimento esportivo ao transformar não apenas o ambiente escolar aristocrático, como também toda a sociedade inglesa no século XIX e depois se expandindo para todo

o mundo no decorrer do século XX. O esporte moderno, nascido como componente curricular da

escola aristocrática britânica, irradiou-se para todas as partes do globo, ganhando diversas aplicações,

significações e características, porém sempre é citado em todas as sociedades em que se desenvolve

como um elemento fundamental no processo educativo de crianças e jovens, auxiliando na socialização

e na transmissão de valores importantes ao convívio social.

No último quarto do século XIX, com o desenvolvimento das atividades esportivas e o surgimento de ligas e campeonatos, nasceu a figura do espectador esportivo. Foram construídos estádios que abrigavam grande número de torcedores. O crescimento do número de espectadores fez com que o esporte fosse utilizado como forma de alienação dos trabalhadores que, aos sábados, após o expediente, dirigiam-se em massa aos estádios para assistir aos jogos das equipes formadas em suas respectivas fábricas. As fábricas fundaram diversas equipes compostas por seus operários. A disputa esportiva entre as empresas gerou a ideia de fidelidade entre o trabalhador e a fábrica através dos laços de afetividade proporcionados pela tensão emocional provocada nos embates esportivos. A discussão esportiva desviava a mente dos trabalhadores de problemas empregatícios e de organizações sindicais. Os operários que se destacavam nas equipes esportivas recebiam benefícios, horários para treinar, dias de folga e bonificações (BRACHT, 1997; GONZÁLEZ, 1993).

76
76

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Em fins do século XIX, o esporte arrastava multidões

Em fins do século XIX, o esporte arrastava multidões aos estádios. Surgiu então o interesse jornalístico sobre os jogos e competições esportivas. A princípio, os jornais se limitaram a noticiar os resultados, mas, com o aumento do interesse dos leitores pelas seções esportivas, foram criados novos espaços, crônicas, colunas e entrevistas que formataram uma nova linguagem jornalística, dando espaço para

o crescimento da discussão popular do esporte no cotidiano. Os órgãos governamentais perceberam o

poder de abrangência do esporte e passaram a fazer uso de suas estruturas. Ocorreu a estatização de entidades esportivas, o que trouxe ao esporte o sentimento de patriotismo e representação nacional, sobretudo com a convocação de seleções para a disputa de campeonatos internacionais. O Estado usurpou do esporte valores como prestígio político e econômico internacional (GONZÁLEZ, 1993).

A Inglaterra se firmou no século XIX como a grande potência imperial do mundo. Amparada por um imenso poder econômico proveniente da grande produção industrial e também pela soberania militar de sua Marinha, a Inglaterra expandiu seu domínio por todas as partes do globo. Essa posição possibilitou

a exportação de tecnologia e empresas para suas áreas coloniais, sobretudo nas áreas têxteis, de energia

elétrica e ferroviária. Junto a essas empresas foi exportado para o mundo todo o modelo esportivo inglês. Esse fato favoreceu a difusão cultural junto aos países dependentes da Inglaterra (RUBIO, 2001).

Saiba mais Indicamos que você assista ao filme: SNATCH: porcos e diamantes. Dir. Guy Ritchie.

Saiba mais

Indicamos que você assista ao filme:

SNATCH: porcos e diamantes. Dir. Guy Ritchie. Inglaterra/EUA: Columbia Pictures, 2001. 103 minutos.

O longa metragem ilustra a cultura do submundo inglês, apostas, golpes e jogos clandestinos.

5.2.1 O esporte moderno e o contexto social

Para Brohm (1982), o esporte moderno, institucionalizado na Inglaterra em meados do século XIX, caracteriza-se como uma instituição de dimensões mundiais que acompanha o contexto social capitalista, industrial e burguês que aflorou naquela época. Para o autor, o esporte moderno nasce junto com a sociedade industrial e é indissociável de suas estruturas produtivas e formas de funcionamento. Assim, o esporte evolui se organizando de acordo com a evolução do capitalismo, e sua forma e conteúdo refletem a maneira de pensar, agir e consumir de uma classe social essencialmente moderna, que é a burguesia.

O esporte moderno surge em associações que passaram a organizar competições com regulamentação precisa, com fundamentação hierárquica institucional (clubes e federações) e, sobretudo, com a ideia de quantificação dos resultados, mensuração dos recordes, cronometragem exata e produção de conhecimento (ciência) para o aperfeiçoamento do desempenho. Esses elementos estavam todos sendo desenvolvidos da mesma forma nas indústrias, visando ao aumento da produtividade e do lucro (BROHM, 1982).

77
77

Unidade II

Unidade II O primeiro feito esportivo em busca da quantificação do desempenho foi a criação do

O primeiro feito esportivo em busca da quantificação do desempenho foi a criação do Jockey

Club, em 1750, onde a aposta era o fator motivacional para a superação das marcas nas corridas de cavalos. De forma gradativa, essas características foram sendo inseridas nas competições esportivas com a fundação das federações e associações e diante da disputa dos campeonatos: futebol (Football Association, 1863), atletismo (Amateur Athletic Club, 1866), natação (Amateur Metropolitan of Swimming Association, 1869), ciclismo (Bicyclist’s Union, 1878), remo (Metropolitan Rowing Association, 1879), boxe (Amateur Boxing Association, 1884), hóquei (Hockey Association, 1886), tênis de campo (Lawn Tennis Association, 1895) e esgrima (Amateur Fencing Association, 1898). Esse sistema de associações e federações foi rapidamente difundido para todo o planeta, seja nos países que rapidamente sofreram o processo de industrialização na Europa e América do Norte ou nos países que eram colônias ou dependentes da Inglaterra imperial, como os da América do Sul, Oceania, África do Sul, Índia, entre outros (PRONI, 2002).

Brohm (1982) destaca quatro fatores responsáveis pelo desenvolvimento do esporte moderno:

• O aumento do tempo livre e o surgimento do uso voluntário do ócio e do lazer.

• O desenvolvimento em nível mundial dos intercâmbios culturais, econômicos e políticos em função da evolução dos meios de transporte, dos meios de comunicação de massa (jornal, rádio e, mais tarde, a televisão), o que transformou o esporte em uma “mercadoria cultural”.

• A revolução técnico-científica, que permitiu o surgimento de novos equipamentos, materiais e até de novas modalidades. Essa evolução é evidente até os dias atuais no desenvolvimento de trajes, sensores e equipamentos cada vez mais leves e resistentes.

• O crescimento e o domínio da classe burguesa industrial, detentora de novas ideias de crescimento, evolução, prosperidade e democracia.

Dentro de um esforço para uma definição sociológica para o fenômeno do esporte moderno, Brohm (1982) afirma que o esporte deve ser entendido como um “fato social” e que suas relações sociais englobam quatro dimensões:

• Sistema institucionalizado (clubes e federações) comregras, códigos e delimitações regulamentados formalmente, cujo objetivo é determinar o melhor desempenho ou o melhor concorrente.

• Sistema de competições baseadas no esforço físico humano aberta democraticamente a todos em direitos e condições iguais de disputa, visando comparar o melhor rendimento.

• Sistema cultural, cujo objetivo é registrar a evolução dos resultados das realizações corporais humanas, buscando contínua superação.

• Espaço para relações humanas sociais, buscando a colaboração e o esforço para a melhoria do rendimento e para a busca da vitória.

78
78

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

Essaclassificaçãodoesportemodernosegue,implicitamente,princípiosdentrodeumanovaconcepção

ética: o princípio do rendimento; o sistema de hierarquia institucional; o princípio de organização legal

e burocrática; e o princípio da publicidade, transparência e igualdade. Tais características são típicas da sociedade industrial (BROHM, 1982).

5.2.2 Violência, esporte e civilização

As modalidades esportivas, praticadas, atualmente, de forma parecida no mundo todo, foram originadas na Inglaterra e se expandiram para outros países a partir da segunda metade do século XIX. O futebol é a modalidade de origem inglesa que mais se desenvolveu no mundo todo. No entanto, diversas outras modalidades tiveram origem na Inglaterra. Entre elas, destacam-se as corridas de cavalo, a luta livre, o boxe, o tênis, a caça à raposa, o remo, o críquete e o atletismo (GONZÁLEZ, 1993).

A palavra esporte é originária de “desport”, que vem do francês antigo e significava prazer, diversão. Na Inglaterra, a palavra passou a ser associada às atividades lúdicas praticadas no tempo ocioso da nobreza e das classes aristocráticas. Por volta de 1830, essas atividades da nobreza e também alguns jogos populares tidos como vulgares e violentos foram regulamentados nas escolas aristocráticas inglesas e, por volta de 1860, passaram a constituir um sistema institucionalizado de práticas esportivas desenvolvidas em clubes e associações (GONZÁLEZ, 1993).

Registros apontam para a realização de jogos e competições desde 800 a.C. na Grécia, também realizadas no período de expansão romana e durante a Idade Média. Essas atividades foram relatadas como violentas e brutais, se comparadas ao esporte que é praticado atualmente. A questão do uso da violência pode ser associada ao nível de desenvolvimento civilizatório de

cada sociedade onde a prática competitiva esteve inserida. A violência exercida nas atividades

e disputas era proporcional ao grau de tolerância do uso da violência das sociedades (ELIAS; DUNNING, 1992).

A ética dos jogadores, as normas, as regras da competição e a realização propriamente dita dos

jogos antigos diferiam em muitos aspectos das características do esporte moderno. Atualmente, as regras das competições esportivas, das lutas e dos jogos são amplamente codificadas, racionalizadas e oficializadas. O processo de regulamentação esportiva acompanhou as características da organização formal da sociedade (ELIAS; DUNNING, 1992).

O mundo contemporâneo está organizado em Estados nacionais, regulamentados por leis e

normas de convívio social, e o uso da violência passa a ser monopólio desse Estado. Para que as leis

sejam cumpridas e a vida na sociedade seja harmoniosa, o Estado cria os órgãos policiais, que são os únicos que podem fazer uso da violência para manter a ordem internamente no país. Os Estados também fazem uso da força através dos exércitos para defender a soberania, os territórios e os interesses do Estado externamente. Nas sociedades antigas, a organização dos reinos não seguia uma ordem estatal regulamentada, assim, todo cidadão fazia uso da violência para defender sua segurança. O resultado era uma sociedade extremamente armada e muito mais violenta (ELIAS; DUNNING, 1992).

79
79

Unidade II

Unidade II O uso da violência no esporte segue esta lógica. No período em que as

O uso da violência no esporte segue esta lógica. No período em que as atividades competitivas não eram muito regulamentadas, o uso da violência era mais permitido. Havia, na Grécia Antiga, uma luta chamada pancrácio, que fazia parte dos Jogos Olímpicos Antigos. Nessa luta, a única regra existente não permitia que se matasse o seu oponente, o perdedor era aquele que desistia ou não apresentava mais condições físicas para lutar. O pancrácio ocasionava, com frequência, fraturas, lesões e até a morte dos competidores. A punição para o atleta que matasse seu adversário era apenas a desclassificação da competição (ELIAS; DUNNING, 1992).

Nesta modalidade os combatentes usavam todo o corpo; eles podiam arrancar os olhos uns dos outros, podiam puxar pelos pés, pelas orelhas, pelo nariz, podia-se quebrar os dedos e ossos do braço, estrangular. Era permitido sentar-se sobre o adversário e golpear seu rosto, pisotear o adversário. Os ferimentos eram tão severos que não era raro que acontecesse alguma morte.

tão severos que não era raro que acontecesse alguma morte. Figura 26 Em função da diferença

Figura 26

Em função da diferença de tolerância à violência entre a sociedade antiga e a sociedade contemporânea,

costuma-se julgar os povos antigos como bárbaros, brutos, cruéis e selvagens. Esse tipo de julgamento apresenta características etnocêntricas, ou seja, rotula a sociedade antiga tendo como referência as regras, leis e costumes de nossa sociedade, como se apenas esses parâmetros fossem os corretos. Ao olhar para

a sociedade antiga de acordo com as normas vigentes naquele contexto civilizatório, nota-se que muitas

atitudes tidas como violentas eram permitidas e aceitas pelos padrões da época (ELIAS; DUNNING,1992).

A ética do povo grego era pautada no enfrentamento agonista. Nele, não eram moralmente aceitas

a fuga, a defesa e a esquiva. A educação do jovem era voltada tanto para a guerra quanto para a

competição, e tão honroso quanto vencer um adversário era ser derrotado por um oponente valoroso

em uma luta franca (ELIAS; DUNNING, 1992).

80
80

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA A ética inglesa do jogo limpo ( fair play

A ética inglesa do jogo limpo (fair play) não tem origem militar, sendo oriunda do comportamento límpido e honesto dos cavalheiros britânicos (gentleman = sportsman). A tensão emocional, que na idade antiga ocorria em função da violência e da brutalidade da disputa competitiva, na Inglaterra foi substituída pela expectativa gerada pelas apostas feitas sobre o combate, que agora havia se tornado menos violento em função das regras institucionalizadas (ELIAS; DUNNING, 1992).

Assim, no mundo contemporâneo, nota-se a violência no esporte como um reflexo da violência contida na sociedade, desde as brigas de torcidas e as agressões em campo até as atitudes violentas das crianças durante jogos e aulas de Educação Física. Todas essas situações refletem uma sociedade em que a educação não atinge a todos e, assim, não há a compreensão das regras de convívio na sociedade. O quadro de desigualdade social agrava as injustiças e as condições mínimas de manutenção da dignidade, muitas vezes não são atendidas, e esse fator também agrava a questão da violência tanto no cotidiano quanto no esporte (ELIAS; DUNNING, 1992).

tanto no cotidiano quanto no esporte (ELIAS; DUNNING, 1992). Lembrete Uma sociedade com regras institucionalizadas,

Lembrete

Uma sociedade com regras institucionalizadas, consolidadas e praticadas pela população apresenta um nível civilizatório mais avançado e menores índices de violência.

5.3 O Olimpismo moderno

Assim como o modelo esportivo britânico desenvolvido nas escolas aristocráticas, o desenvolvimento da filosofia educacional chamada Olimpismo é uma evidência histórica da função formativa do esporte. Sua discussão se justifica para que se possa compreender que, desde os seus primórdios, o esporte teve objetivos voltados para a educação de crianças e jovens e ainda hoje merece esse crédito.

No final do século XIX, o pedagogo humanista Pierre de Coubertin foi incumbido de buscar novos modelos para a educação na França. Após uma série de viagens pela Europa e pelos Estados Unidos, Coubertin retornou a seu país determinado a implantar uma teoria pedagógica inspirada principalmente pelo sistema educacional inglês e também sob forte influência da obra do arqueólogo alemão Ernest Curtius, que havia encontrado ruínas da Grécia clássica em escavações realizadas em 1952 (CARDOSO, 2000).

Os valores educativos do esporte foram amplamente divulgados por um movimento pedagógico humanista que se desenvolveu no final do século XIX. O Olimpismo ou Ideário Olímpico foi o conjunto de ideias desenvolvidas pelo pedagogo francês Pierre de Coubertin. O movimento teve por objetivos promover uma reforma educacional com base na prática do esporte e também restaurar os Jogos Olímpicos como um elemento de promoção da paz entre os povos do mundo.

81
81

Unidade II

Unidade II Figura 27 Coubertin inspirou-se em estudos, viagens e visitas a escolas de diversos países
Unidade II Figura 27 Coubertin inspirou-se em estudos, viagens e visitas a escolas de diversos países

Figura 27

Coubertin inspirou-se em estudos, viagens e visitas a escolas de diversos países para desenvolver suas ideias de educação humanista via prática esportiva. Sobretudo, baseou-se no modelo educacional britânico após uma minuciosa visita à escola de rúgbi. O estudioso francês também ficou bastante impressionado com a prática esportiva desenvolvida junto às universidades norte-americanas, em viagem realizada em 1890 (HENRY, 1955).

Do modelo educacional inglês, Coubertin absorveu os valores pedagógicos do esporte para a formação de cidadãos honrados e líderes enérgicos. O esporte tinha por preceitos a competição, a regulamentação das atividades e o jogo limpo (fair play) (HENRY, 1955). As escavações na Grécia revelaram a educação helenística denominada Paideia. Essa educação visava, sobretudo em Atenas, à formação global do homem, aliando conhecimentos de filosofia, de gramática e musicais à prática de exercícios ginásticos

e atividades atléticas (SOUZA, 1975).

A ideia de instauração dos Jogos Olímpicos modernos surgiu após o conhecimento e o estudo detalhado das descobertas arqueológicas da cidade de Olímpia, na Grécia, revelando toda a

história dos mais importantes jogos da antiguidade clássica, seus valores culturais, religiosos e

a sublime capacidade de promover a paz entre os povos gregos durante o período em que era realizado (HENRY, 1955).

Coubertin reteve da obra de Ernest Curtius os princípios que levaram os antigos gregos a realizarem os Jogos Olímpicos: a celebração da paz e o ideal puro da luta pela vitória em busca de ser o melhor e aproximar-se dos deuses. Coubertin incluiu o esporte nas escolas francesas através de um amplo projeto pedagógico, que contemplou a restauração dos Jogos Olímpicos (GODOY, 1996).

O educador francês de origem nobre Barão Freddy Pierre de Coubertin não mediu esforços para colocar suas ideias em prática e organizou, em 1894, um grande congresso em Paris, na universidade de Sorbonne. No congresso foram discutidos temas envolvendo o amadorismo esportivo, a educação via prática esportiva, foi fundado o Comitê Olímpico Internacional (COI) e planejado para dali a dois

82
82

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA anos a restauração dos Jogos Olímpicos, que seriam realizados

anos a restauração dos Jogos Olímpicos, que seriam realizados em Atenas, na Grécia, berço dos jogos da antiguidade (HENRY, 1955).

A retomada dos Jogos Olímpicos já havia sido discutida anteriormente e alguns eventos chegaram a

ser promovidos sem sucesso após as descobertas arqueológicas alemãs por volta de 1850. No entanto,

a revitalização dos jogos somente ocorreu após os esforços de Coubertin. Para ele, os Jogos Olímpicos, realizados a cada quatro anos, seriam apenas mais um elemento educativo, que geraria a compreensão

e a paz entre os jovens de todo o mundo. O Barão estava mais interessado no poder educacional

do esporte, conforme havia estudado no modelo inglês. No entanto, os Jogos Olímpicos ganharam reconhecimento internacional como um grande encontro onde os atletas de todo o mundo podiam confrontar suas performances máximas, assim, os outros intentos educacionais do Olimpismo ficaram em segundo plano (BINDER, 2001).

Coubertin acreditava que a educação liberal pautada em um currículo contendo um programa esportivo havia sido a causa da prosperidade inglesa no século XIX. Pretendia realizar uma reforma na educação francesa, a qual julgava conservadora, atrasada e pouco efetiva na preparação dos jovens para

a vida em sociedade – ao contrário da educação inglesa, que, segundo o pedagogo francês, convertia

a vida escolar em um primeiro capítulo da existência social, pois o jovem alcançava, através dela, a

independência e a virilidade, observando leis que mantinham sua responsabilidade individual à altura

de sua própria consciência, em consonância com a sociedade em que vivia (HENRY, 1955).

Segundo Coubertin, o pedagogo inglês Thomas Arnold, diretor do Colégio de Rugby na década de 1830, havia colocado as coisas de tal forma que o jovem inglês, ao penetrar à vida adulta, encontrava-se em um mundo que lhe havia sido familiar na escola e assim não era empurrado para a complexa vida moderna a partir de um mundo escolar irreal, associado com sombrias figuras da história, conforme ocorria com a maioria dos garotos franceses (HENRY, 1955).

Em função dessas crenças e desses estudos, Coubertin iniciou a formatação de um movimento filosófico que ficou conhecido como Olimpismo.

5.3.1 O ideário olímpico

Em 1894 ocorreu, na Universidade de Sorbonne, um grande congresso esportivo reunindo dois mil delegados de 12 países. Sob a organização do Barão de Coubertin, o congresso abordou diversos temas do esporte, dos quais tiveram destaque o anúncio oficial da restauração dos Jogos Olímpicos, a discussão sobre amadorismo e profissionalismo e a nomeação de um Comitê Internacional encarregado da restauração dos Jogos (Comitê Olímpico Internacional). Por ocasião do congresso, foi definido, para 1896, em Atenas, a realização da primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna (COUBERTIN, 1965).

De acordo com a definição contida na Carta Olímpica, o Olimpismo é a filosofia de vida que exalta e combina, de forma balanceada, as qualidades do corpo, da mente e da alma. A carta ainda declara que, ao misturar esporte, cultura e educação, o Olimpismo visa criar uma forma de viver baseada no prazer encontrado no esforço, no valor educacional do bom exemplo e no respeito pelos princípios éticos fundamentais (OSWALD, 1999).

83
83

Unidade II

Unidade II O ideário olímpico lançou, em 1896, a Carta Olímpica, que tinha por principais objetivos

O ideário olímpico lançou, em 1896, a Carta Olímpica, que tinha por principais objetivos (BINDER, 2001):

• Promover o desenvolvimento das qualidades físicas e morais, que são a base do esporte.

• Educar a juventude através do espírito esportivo para um melhor entendimento e amizade entre os povos, ajudando a construir um mundo melhor e mais pacífico.

• Espalhar os princípios olímpicos pelo mundo, criando a amizade internacional.

• Unir os atletas do mundo a cada quatro anos em um grande festival esportivo, os Jogos Olímpicos.

Em 23 de junho de 1894, o Comitê Olímpico Internacional (COI) foi criado no congresso realizado por Coubertin, em Paris. O COI teve como uma de suas metas, desde a sua fundação, promover o Olimpismo. A Carta Olímpica, divulgada no mesmo congresso, afirma que o objetivo do Olimpismo é engajar todos os esportes a serviço de um desenvolvimento harmonioso do homem, com a missão de estabelecer uma sociedade pacífica, concebida com a preservação da dignidade humana. A meta do movimento olímpico seria contribuir para a construção de um mundo melhor e mais pacífico, através da educação dos jovens pela prática do esporte, sem qualquer tipo de discriminação com um espírito olímpico, o que subentende a compreensão mútua entre os povos, o espírito de amizade, a solidariedade e o fair play, jogo limpo (OSWALD, 1999).

Nota-se que, em sua gênese, o movimento olímpico tinha uma grande preocupação educativa e de transmissão de valores benéficos à construção de uma vida harmoniosa. As questões filosóficas eram supervalorizadas e a realização da competição olímpica era apenas um detalhe do amplo contexto pedagógico do Olimpismo.

e a realização da competição olímpica era apenas um detalhe do amplo contexto pedagógico do Olimpismo.
84
84

Figura 28

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Nem todos os estudiosos do Olimpismo dão a Pierre

Nem todos os estudiosos do Olimpismo dão a Pierre de Coubertin os créditos exclusivos pelo renascimento dos Jogos Olímpicos, pois outros esforços já haviam sido realizados nesse sentido e outros idealistas também defendiam a causa dos jogos. Coubertin provavelmente emprestou a ideia de outras iniciativas. Entretanto, a maioria dos estudiosos afirma que foi Coubertin quem articulou a combinação de ideias conhecida como Olimpismo (BINDER, 2001).

A discussão sobre a necessidade de uma revolução pedagógica teve muito pouco interesse na época e pouco representou aos dirigentes esportivos. Com isso, Coubertin buscou temas afins para organizar um grande Congresso no qual as questões educativas do esporte pudessem ser discutidas, mesmo que entre outros assuntos. A importância de fazer um acordo sobre a definição do amadorismo, para que os atletas de todas as nações pudessem competir sobre as mesmas regras e condições, chamou a atenção dos técnicos esportivos, permitindo a Coubertin convocar um grande encontro para discutir o assunto.

Porém, Coubertin precisava de algo mais para cativar a imaginação das pessoas com cultura suficiente para entender suas ideias e dinheiro bastante para assegurar o êxito inicial. Assim, pautado na história dos jogos antigos da Grécia Clássica, Coubertin fundiu os ideais educativos reformistas à ideia de realização de um grande festival esportivo quadrienal, que teria por finalidade reunir todos os povos do mundo em uma festa harmônica embebida de valores construtivos, tais como a promoção da paz. Dessa forma, para dar força aos seus ideais educacionais, Coubertin restabelece os Jogos Olímpicos como propaganda para o Olimpismo (HENRY, 1955).

O projeto de Coubertin buscou instituir um conjunto de ideias nobres, denominado ideário olímpico, ou Olimpismo, ao qual estariam sujeitos os participantes dos Jogos Olímpicos. O preceito básico do Olimpismo era o amadorismo, que pregava uma prática desinteressada das atividades esportivas, não sendo permitida a remuneração dos participantes em função de sua atuação esportiva (CARDOSO, 2000).

No Congresso de Sorbonne, em 1894, a constituição do Comitê Olímpico Internacional elegeu o empresário grego Dimitrios Bikelas como presidente, deixando a cadeira de Secretário Geral para Coubertin. Os membros do recém-criado COI aceleraram a data de reinauguração dos Jogos Olímpicos para o ano de 1896. Coubertin preferia a data de 1900, na virada do século, para pegar carona na Feira Mundial, que ocorreria em Paris. No entanto, os membros do COI indicaram a realização para o ano de 1896 em Atenas, na Grécia como forma de homenagear a pátria onde os Jogos aconteciam na antiguidade clássica (CARDOSO, 2000).

Após o estabelecimento da data, ficou claro que o COI teria um grande desafio: levantar recursos para a realização da competição e para a construção da infraestrutura necessária. A tarefa foi vencida com o estabelecimento de alianças. A nomeação do príncipe herdeiro da Grécia Constatino como presidente do comitê foi providencial e a doação de 920 mil dracmas, feita pelo milionário grego radicado no Egito Jorge Averoff, possibilitou a construção do suntuoso estádio Panatenaico (CARDOSO, 2000).

85
85

Unidade II

Unidade II 5.3.2 A força dos Jogos Olímpicos Para Pierre de Coubertin, os Jogos Olímpicos deveriam

5.3.2 A força dos Jogos Olímpicos

Para Pierre de Coubertin, os Jogos Olímpicos deveriam servir para (COI, 1963):

• Atrair a atenção do mundo para o fato de que um programa nacional de treinamento físico e esportivo não serviria apenas para fazer crescerem jovens mais robustos e saudáveis, mas, com maior importância, serviria para fazer dos jovens melhores cidadãos pela formação do caráter, que é a consequência da participação esportiva amadora bem conduzida.

• Demonstrar que os princípios do jogo limpo (fair play) e do espírito esportivo podem ser adotados em outras esferas da vida em sociedade.

• Estimular o interesse pelas artes através de demonstrações, contribuindo para ampliar e completar o conceito da vida.

• Ensinar que o esporte deve ser praticado pela satisfação que proporciona e não para ganhar dinheiro. Com devoção para a tarefa que se desempenha, a recompensa virá por si só.

Novamente, percebe-se uma grande preocupação com a disseminação de valores através da prática esportiva, ressaltando o ideal amador para o esporte. Apesar de todos os preceitos filosóficos e de todas as aspirações educacionais de Coubertin, a característica do esporte que mais se destacou nos Jogos Olímpicos foi a evolução constante da técnica, da busca incessante pelo aperfeiçoamento físico, pela conquista de novas marcas e recordes. Com isso, os Jogos Olímpicos tiveram um grande desenvolvimento no início do século XX, aumentando consideravelmente o número de atletas e países participantes, melhorando cada vez mais a organização das competições e a evolução dos resultados esportivos. No entanto, os objetivos educacionais de Coubertin se viram sufocados pela força crescente dos Jogos Olímpicos.

Desde o primeiro congresso, em 1894, quando o COI foi formado, até sua saída em 1925, Coubertin não mediu esforços para convencer o COI a regulamentar seriamente a favor da Educação Física e esportiva. Nos congressos realizados pelo pedagogo antes de 1926, ele sempre abordou temas relacionados à promoção de seus objetivos educacionais esportivos. Porém, Coubertin, próximo de sua saída do COI, começou a relatar que a instituição nunca seria capaz de desenvolver suas ideias. O pedagogo francês comentou, em um de seus discursos, que o COI estava preocupado com seu constante crescimento técnico e era incapaz de continuar a tarefa educacional derivada do período de sua fundação. Em 1925, Coubertin deixou o COI e participou da organização de outras instituições para promover a Educação Física e o esporte como forma de educação (BINDER, 2001).

Atualmente, diversas instituições se preocupam em elaborar programas e currículos educacionais envolvendo o esporte e os ideais olímpicos. A Academia Olímpica Internacional (IOA) realiza reuniões periódicas abordando o assunto. Em 1997 foi criada a Fundação para a Educação Olímpica e Esportiva (FOSE), que, desde então, vem organizando um grande programa educacional junto à campanha do Comitê Olímpico Grego, que organizou os jogos Olímpicos de Atenas em 2004 (BINDER, 2001).

86
86

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA A discussão dos valores educativos do esporte mostra-se atual

A discussão dos valores educativos do esporte mostra-se atual em função dos recentes esforços

para a realização de programas que retomam os ideais olímpicos de Coubertin desenvolvidos no final do século XIX. Essas ações demonstram que o intento do pedagogo humanista francês ainda pode ser utilizado nas escolas do mundo contemporâneo para educar crianças e jovens, visando prepará-los para uma melhor adaptação à vida cotidiana em sociedade.

6 O ESPORTE CONTEMPORÂNEO, ASPECTOS POLÍTICOS E MERCANTILISTAS

6.1 A história do uso político do esporte

No mundo contemporâneo, o esporte foi inserido nas estruturas neoliberais da economia de mercado, transformando-se em uma grande instituição financeira que representa os interesses das corporações transnacionais, as quais ditam as regras no mercado mundial (BRACHT, 1997).

Bracht (1997) afirma que o Estado utiliza o esporte porque este é facilmente instrumentalizado politicamente pelo poder institucionalizado. O esporte reúne as seguintes características que o tornam suscetível à utilização política:

• É uma atividade com regras de fácil compreensão, sendo utilizado como elemento de comunicação de massa portador de uma linguagem simples. O Estado, por meio dessa linguagem, utiliza o elemento de tensão emocional do esporte para veicular os seus objetivos e ideologias.

• Oferece à população a possibilidade de identificação com o coletivo e com as aspirações patrióticas, dando sentido de união nacional.

• É um elemento alienador que permite ao expectador a compensação para as tensões e aflições da vida cotidiana.

• A apropriação do atleta como representante do sistema faz com que os sucessos esportivos forneçam prestígio político.

• O esporte é reflexo da concepção de valores resistentes na sociedade em que está inserido. Isso lhe confere uma neutralidade interna, permitindo que o direcionamento político seja determinado de fora do seu contexto.

Por representar interesses de diferentes grupos sociais, o esporte foi submetido a uma organização central dentro dos países. A configuração da instituição esportiva ocorreu paralela a um grande movimento mundial de estatização (GONZÁLEZ, 1993). As organizações esportivas foram coordenadas geralmente pelo Estado através de estruturas de controle centralizador (estruturas corporativas) ou em parceria com as sociedades civis privadas (estruturas neocorporativas) (BRACHT, 1997).

Dentro desse contexto, o esporte evoluiu durante a primeira metade do século XX como instrumento político dos governantes, atuando como ferramenta de propaganda do prestígio internacional das nações, da superioridade de sistemas políticos e do orgulho nacional (GONZÁLEZ, 1993).

87
87

Unidade II

Unidade II Brohm (1982) afirma que o esporte é um novo tipo de aparato ideológico do

Brohm (1982) afirma que o esporte é um novo tipo de aparato ideológico do Estado, uma ferramenta para a manutenção da estrutura social estabelecida. Passa a ser utilizado pelas forçais hegemônicas do Estado civil, que não deve ser entendido apenas como as forças governamentais, mas também representa os grupos privados dominantes, tais como a Igreja, os sindicatos, os partidos, as escolas e os grupos financeiros. A instituição esportiva é uma personificação ideológica que participa na manutenção da ordem burguesa, destilando massivamente a ideologia dominante.

Assim, o estudo do uso político e ideológico do esporte ganha importância, pois não se trata apenas de entender como o Estado se apropria desse fenômeno, mas de verificar como toda a sociedade se favorece das qualidades do esporte em benefício de seus próprios interesses.

6.1.1 O Olimpismo: um nobre ideal corrompido

O Barão Pierre de Coubertin afirmava que o movimento olímpico e o Comitê Olímpico Internacional eram instituições apolíticas e independentes que visavam promover o esporte pelo mundo. No entanto,

a restauração dos Jogos Olímpicos criou a ideia de representação esportiva nacional e, com o passar

das edições, essa condição gerou um sentimento patriótico nos atletas e na população dos países participantes. A mídia daquela época, representada maciçamente pelos jornais, passou a noticiar cada

vez mais os feitos esportivos, aumentando consideravelmente o alcance dos acontecimentos esportivos.

O esporte exaltou elementos simbólicos da pátria, tais como bandeiras e hinos, que foram exibidos

ostensivamente em cerimônias de abertura e de premiação nos jogos. Percebendo o grande poder convocatório e nacionalista do Esporte, os governos passaram a investir na preparação das seleções nacionais em busca do prestígio obtido com as vitórias esportivas (GONZÁLEZ, 1993).

Os países participantes interpretaram os jogos como uma oportunidade para expressar os sentimentos nacionalistas e o sentido de identificação nacional. Assim, os Jogos Olímpicos, além de promoverem

o jogo limpo, a paz e a compreensão entre os povos, foram usados para manifestar o orgulho e os interesses nacionais (GONZÁLEZ, 1993).

Contudo, as nobres ideias de Coubertin foram utilizadas para objetivos outros àqueles previstos pela Carta Olímpica. Os Estados passaram a usufruir os valores do Esporte em benefício próprio na disputa de prestígio internacional para seus respectivos regimes políticos. Desde então, os Jogos Olímpicos não representam apenas a confraternização entre os povos ou a busca de um melhor desenvolvimento humano, mas também a disputa de interesses políticos e econômicos de Estados e corporações.

O Olimpismo ainda apresentou em seus primórdios uma questão ideológica bastante contundente.

A questão do amadorismo esportivo tinha como justificativa a ideia de se evitar a mercantilização dos

atletas, que, ao se profissionalizarem, passariam a buscar a vitória a todo custo, incentivando as trapaças,

as deslealdades e a violência. No entanto, o amadorismo também foi uma estratégia excludente e segregacional bastante eficiente, na qual os trabalhadores e pessoas menos favorecidas do ponto de vista socioeconômico tinham menos tempo para se dedicar de forma abnegada ao esporte, tendo que dividir a jornada de trabalho com os treinos. Em seus primórdios, o COI tentou fazer dos Jogos Olímpicos uma festa com os ideais burgueses elitistas de seus fundadores: nobres, empresários, milionários, entre outros (RUBIO, 2001).

88
88

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA No amadorismo imposto pelo COI, o atleta amador não

No amadorismo imposto pelo COI, o atleta amador não poderia receber nenhum benefício capital, recompensa ou remuneração devido a suas práticas esportivas ou em função de seu desempenho. Na história olímpica brasileira, o bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva, depois de conquistar a medalha de ouro no salto triplo em Helsinque, recusou a oferta de doação de uma casa feita por um jornal de São Paulo como prêmio por seus feitos, porque ainda pretendia competir e temia que aquele gesto pudesse ser interpretado como atividade remunerada, pondo em risco sua condição de amador (RUBIO, 2001). O amadorismo olímpico teve sua queda registrada de forma icônica nos Jogos Olímpicos de Barcelona (1992), quando, por ocasião do relaxamento dessa regra, a competição contou com a participação dos atletas da Liga Profissional de Basquetebol Norte-Americana (NBA), que, na ocasião, contava com um verdadeiro “time dos sonhos” (dream team), como passou a ser chamada e relembrada aquela seleção invencível que, além de conquistar a medalha de ouro, apresentou um verdadeiro espetáculo. Eram membros dessa equipe lendas do esporte, como Magic Johnson, Michael Jordan, Karl Malone, Larry Bird, Charles Barkley, Scottie Pippen, John Stockton e Patrick Ewing (CARDOSO, 2000).

A partir de então, a demagogia envolvendo o ideal amador do esporte olímpico perdeu força. As únicas modalidades que permanecem com restrições são o boxe olímpico, onde apenas atletas amadores podem participar, e o futebol, onde não existe limite quanto ao profissionalismo, mas sim quanto à idade dos jogadores, sendo que apenas três atletas por equipe podem ter mais que 23 anos de idade. Essa limitação foi imposta pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) para que o torneio olímpico não ofuscasse a Copa do Mundo de Futebol (CARDOSO, 2000).

A realização dos Jogos Olímpicos foi, por muitas vezes, marcada por manifestações políticas, boicotes, atentados e até demonstrações de revanchismo belicoso ou, em outros extremos, a cordialidade em países inimigos. Essas ocorrências aconteceram apesar de o COI explicitar em seu regulamento que a participação nos Jogos Olímpicos é supranacional, ou seja, não deve ser representativa de uma nação, a participação é individual e não são permitidas manifestações políticas, de gênero, religiosas ou partidárias. A classificação do quadro de medalhas é um artifício criado pela mídia para medir o desempenho dos países, algo que não é apoiado pelo COI (CARDOSO, 2000).

Apesar dessas limitações, outras ritualísticas olímpicas dão espaço para manifestações nacionais, tais como o desfile de delegações, a execução do hino nacional e o hasteamento das bandeiras pátrias dos vencedores de cada prova. Esses pontos parecem paradoxais com as limitações contra as manifestações políticas, mas, de acordo com o COI, são momentos de expressão do multiculturalismo e do exercício da convivência, da amizade e da tolerância entre nações (BINDER, 2001).

6.1.2 Jogos Olímpicos de Berlim (1936) e a propaganda nazista

Um momento histórico bastante característico no que diz respeito ao uso político do esporte foram os Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936. Naquele período a Alemanha era governada pelo nazismo, tendo como líder supremo e totalitário Adolf Hitler.

89
89

Unidade II

Unidade II Figura 29 As origens do nazismo remontam aos movimentos nacionalistas de extrema direita que
Unidade II Figura 29 As origens do nazismo remontam aos movimentos nacionalistas de extrema direita que

Figura 29

As origens do nazismo remontam aos movimentos nacionalistas de extrema direita que surgiram após a Primeira Guerra Mundial como resposta à ascensão socialista provocada pelos ideais da Revolução Bolchevique na Rússia em 1917. Os movimentos extremistas de ultradireita eram intensamente nacionalistas e xenófobos, incitavam a violência militar e policial e eram antiliberais, antidemocráticos, antiproletários e antissocialistas. As condições para o triunfo da ultradireita eram: uma Europa abalada pela guerra, uma massa de cidadãos desencantados e desorientados, fortes movimentos socialistas avançando na sociedade e um forte ressentimento nacionalista contra os tratados de paz do pós-guerra (HOBSBAWM, 1995).

A ascensão do nazismo na Alemanha foi favorecida pelas humilhações sofridas pelo povo em função das imposições do Tratado de Versalhes após a Primeira Guerra Mundial, que responsabilizou a Alemanha pelo conflito, obrigando-a a pagar pesadas reparações. Essas penalidades e sanções geraram uma grave crise econômica em 1923. Outro fator que colaborou com o nazismo foi o temor de que a revolução comunista ocorrida na Rússia contaminasse a Alemanha. Por fim, Hitler se aproveitou da grande depressão econômica mundial de 1929 para acionar os projetos políticos que estabeleceram o nazismo na Alemanha em 1933, criando um quadro de supressão dos direitos civis e de autonomia do Estado totalitário governado pelo partido único nazista.

Uma vez no poder, Hitler iniciou uma campanha de perseguição aos opositores do governo, comunistas e judeus. Combateu o desemprego com frentes especiais de trabalho e incentivos à indústria, em busca

90
90

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA de autonomia econômica, o que sustentou os ideais de

de autonomia econômica, o que sustentou os ideais de expansão do III Reich, culminando na eclosão da Segunda Guerra Mundial quando Hitler invadiu a Polônia em 1939 (JAGUARIBE, 2001).

Em 25 de abril de 1931, o Dr. Theodor Lewald, secretário geral do Comitê Olímpico Alemão, apresentou as intenções da Alemanha em sediar os jogos de 1936 na cidade de Berlim. Como argumento, Dr. Lewald apresentou os projetos em andamento para a construção de estádios e instalações esportivas, e também lembrou que a Alemanha havia sido escolhida para sediar os jogos de 1916, que acabaram não se realizando em função da Primeira Guerra Mundial. Assim, Berlim foi eleita (HOLMES, 1974).

Em 1931 a Alemanha era governada pela República de Weimar. A realização dos Jogos Olímpicos seria utilizada para exaltar a honra do povo alemão, abalada pelas imposições humilhantes do Tratado de Versalhes. No entanto, em 1936, os jogos acabaram representando os interesses de propaganda do governo totalitário nazista e se tornaram um marco de referência da utilização do esporte para fins políticos.

Hitler assumiu o cargo de chanceler alemão em 30 de janeiro de 1933 e convocou novas eleições para março, no intuito de obter maioria do partido nazista no parlamento (Reichtag). No dia 27 de fevereiro, um lunático comunista patrocinado pela polícia nazista S.S. incendiou o parlamento. Hitler usou o pretexto para dissolver o partido comunista e prender parlamentares do Partido Social Democrata. Com isso, o Partido Nazista conseguiu maioria nas eleições de março e aprovou o “voto de confiança” a Hitler, concedendo ao chanceler poderes ditatoriais. Com a morte do presidente Hindenburg, em agosto de 1933, Hitler assumiu também o cargo de presidente. Investido de plenos poderes, Hitler dissolveu os outros partidos e impôs uma caçada aos opositores do governo e aos não arianos judeus (JAGUARIBE, 2001).

Os judeus foram expulsos dos clubes esportivos e das equipes olímpicas alemãs. O COI repreendeu o Comitê Alemão, que aparentemente voltou atrás da decisão, repatriando alguns atletas judeus exilados. A ascensão de Hitler ao poder colaborou diretamente com o comitê de organização dos Jogos Olímpicos, que foi amplamente amparado financeiramente pelo Estado. A Olimpíada de Berlim representou, para Hitler, uma grande oportunidade de divulgar internacionalmente a imagem poderosa da Alemanha Nazista. O ministério de propaganda nazista, chefiado por Goebbels, foi acionado para veicular a publicidade dos jogos nazistas. Hitler convocou o Exército Alemão para auxiliar nas obras dos conjuntos esportivos e da vila olímpica. Também promoveu frentes de trabalho, utilizando o grande contingente de desempregados da Alemanha daquela época (HOLMES, 1974).

A intensa participação do Estado Nazista e do Exército Alemão na organização dos jogos fez surgir, na França, na Inglaterra, nos Estados Unidos e em outros países europeus, suspeitas quanto à intenção de utilização política dos jogos por parte dos nazistas. Foram iniciadas diversas campanhas contra a participação nas Olimpíadas de Berlim. Essas campanhas eram lideradas pelos grandes jornais, associações judaicas e universidades e tiveram representação nos governos desses países. Os comitês olímpicos dos EUA, da França e da Inglaterra chegaram a proibir a participação de suas delegações, alegando não estarem dispostos a colaborar com a política nazista. Outro receio era a perseguição racial sofrida pelos judeus na Alemanha. Alguns países não se sentiam seguros em levar seus atletas de origem judaica e negra para os Jogos de Berlim. O boicote só foi revertido após uma série de medidas

91
91

Unidade II

Unidade II e compromissos firmados pelo governo alemão junto ao COI. Tais medidas camuflaram a perseguição

e compromissos firmados pelo governo alemão junto ao COI. Tais medidas camuflaram a perseguição aos judeus. No entanto, muitos países só confirmaram presença em Berlim após a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno, realizados em Garmisch-Partenkirchen, na Alemanha, onde não foram presenciadas manifestações antissemitas de qualquer espécie, prevalecendo uma calorosa receptividade forjada por determinação do Estado (HOLMES, 1974).

forjada por determinação do Estado (HOLMES, 1974). Observação Em 1939, apena três anos após a realização

Observação

Em 1939, apena três anos após a realização dos Jogos Olímpicos de Berlim, a Alemanha invade a Polônia e inicia uma política antissemita. Esse episódio deflagrou a Segunda Guerra Mundial.

Esse episódio deflagrou a Segunda Guerra Mundial. Figura 30 A máquina do Estado Nazista organizou a

Figura 30

A máquina do Estado Nazista organizou a melhor edição dos Jogos Olímpicos até então. A população foi orientada a receber bem os participantes. Os hotéis e restaurantes receberam a determinação de atender bem a todos, relevando os preceitos racistas. Os jornais e boletins oficiais de perseguição aos judeus foram recolhidos. Os cartazes antissemitas foram retirados dos locais públicos. O Exército e a polícia nazista S.S. ocuparam Berlim durante os jogos. A cidade foi decorada com bandeiras e pinturas ostentando os aros olímpicos e a suástica nazista. Hinos nazistas e olímpicos eram entoados a todo tempo nos alto-falantes instalados pela cidade. Imagens dos jogos foram reproduzidas em telões espalhados pelas praças de Berlim. Durante os jogos, todas as ações exaltavam a ordem e a glória do governo nazista do III Reich. As cerimônias, desfiles e uniformes deixavam a impressão militar e belicosa aparentes (HOLMES, 1974).

92
92

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Hitler também tinha a intenção de comprovar a supremacia

Hitler também tinha a intenção de comprovar a supremacia da raça ariana nas provas atléticas

dos jogos. No entanto, a hegemonia alemã foi ameaçada pela equipe de atletismo dos Estados Unidos, composta, entre outros, por dez atletas negros que conquistaram oito medalhas olímpicas de ouro, com destaque para o atleta negro Jesse Owens, ganhador de quatro dessas medalhas de ouro, nos 100 e 200 metros rasos, no revezamento 4x100 e no salto em distância, prova em que derrotou o campeão europeu

e alemão Luz Long. Após a vitória de Owens, Hitler deixou o estádio irritado, sem cumprimentá-lo, como

havia feito até então, com os demais campeões. Hitler conseguiu mostrar ao mundo o poder totalitário do nazismo alemão e impressionou a todos com a organização social promovida por ele, mas não teve sucesso em demonstrar a suposta supremacia racial dos alemães arianos, que foram derrotados por atletas negros, asiáticos e judeus. No entanto, a anfitriã, com a maior delegação dos jogos, conquistou o maior número de medalhas olímpicas, 90, contra 56 dos Estados Unidos (CARDOSO, 2000).

6.1.3 O esporte: arma ideológica na Guerra Fria

O conflito entre as duas potências mundiais, denominado Guerra Fria, teve início após o término da Segunda Guerra Mundial. Esse embate se estendeu pela segunda metade do século XX e foi protagonizado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em uma grande disputa ideológica e armamentista. Após a Segunda Guerra Mundial, uma série de acordos e conferências entre Roosevelt, Churchill e Stalin dividiram o mundo em dois polos de influência, que definiram o equilíbrio do poder sobre uma estrutura bipolar. De um lado, os países socialistas alinhados à URSS; de outro, os países capitalistas liderados pelos EUA. A Guerra Fria foi caracterizada por uma grande corrida armamentista, em que os dois blocos mediam o poderio de destruição nuclear. O equilíbrio nuclear não representava a real intenção em usar esse tipo de armamento, o que asseguraria a destruição mútua. Por isso a Guerra Fria foi um combate de tensões e ameaças apocalípticas que deixaram o mundo à sombra da guerra até o final da década de 1980 com a queda do muro de Berlim e o declínio e esfacelamento da União Soviética (HOBSBAWM, 1995).

O conflito soviético/americano confrontou duas potências imperiais. De um lado, o império de Moscou, territorialmente contíguo, com força militar terrestre e estratégia política de expansão das áreas subjugadas. Do outro lado, colocou-se o império norte-americano, constituído de áreas de influência espalhadas por todo o globo, interligadas por uma força militar predominantemente marítima. O objetivo estratégico dos EUA era cercar o império soviético em uma política de contenção do avanço territorial socialista. O expansionismo soviético e o contencionismo americano ocorreram na disputa pela Eurásia, o grande continente basilar formado pela Europa

e pela Ásia, que contém a maior parte dos recursos naturais e riquezas do planeta e a maioria da população mundial (BRZEZINSKI, 1989).

Nesse contexto, o esporte foi usado como instrumento ideológico e de propaganda por ocasião de competições internacionais e Jogos Olímpicos. Foi uma arma simbólica dos blocos opostos, transformando piscinas, ginásios e estádios em campos de batalha. As vitórias esportivas foram usadas para reafirmar o prestígio político e a soberania de cada regime. As pressões resultantes da Guerra Fria foram sentidas nas disputas esportivas, causando grande rivalidade entre os atletas. A mídia difundiu esse confronto, inflamando os sentimentos nacionalistas das populações (RIORDAN, 1977; LANCELOTTI, 1996).

93
93

Unidade II

Unidade II Saiba mais Veja o filme indicado a seguir: ROCKY IV. Dir. Sylvester Stallone. EUA:
Saiba mais Veja o filme indicado a seguir: ROCKY IV. Dir. Sylvester Stallone. EUA: United

Saiba mais

Veja o filme indicado a seguir:

ROCKY IV. Dir. Sylvester Stallone. EUA: United Artists, 1985. 91 minutos.

O longa-metragem mostra a rivalidade esportiva suplantada para o meio político e social, é uma caricatura das tensões da Guerra fria.

Também durante a Guerra Fria, o esporte foi utilizado como uma ferramenta diplomática. Em determinados momentos, foi uma válvula de escape das tensões políticas da época. Representou a colaboração conjugada entre o imperialismo americano e a burocracia dos países socialistas durante os esforços de coexistência pacífica. Esse fato pode ser exemplificado com a visita do presidente Richard Nixon à China durante a Guerra Fria. A viagem foi precedida por competições amistosas entre equipes esportivas dos dois países. Esse episódio ficou conhecido como “Política do Ping-Pong”, em referência à modalidade tênis de mesa, muito desenvolvida no pais asiático. O slogan dessa política era: “A amizade primeiro, a competição depois” (BROHM, 1982).

O esporte se converteu na imagem da cooperação internacional, assim como em um desafio para

a confrontação pacífica entre os Estados com regimes sociais diferentes. Por outro lado, o esporte também representou o embate entre as potências mundiais na busca de prestígio. Os atletas foram transformados em “soldados do esporte” em defesa das cores de sua nação, em uma ampla demonstração de chauvinismo (BROHM, 1982).

A União Soviética iniciou sua participação nos Jogos Olímpicos em Helsinque, em 1952, disposta a

mostrar ao mundo as excelências do comunismo. Na edição anterior dos jogos, em Londres (1948), a nova potência mundial preferiu não comparecer e medir forças com a hegemonia esportiva dos EUA. Ao invés de participar, enviou técnicos e pesquisadores para analisar os atletas e os métodos de treinamento do mundo capitalista. Nos quatro anos seguintes, o governo soviético destinou grandes recursos a projetos esportivos, visando formar atletas de alto nível que representassem a ideologia comunista nos jogos. Em Helsinque teve início uma disputa paralela aos jogos, o confronto ideológico entre os dois blocos antagonistas dentro dos recintos esportivos. Essa disputa ideológico-esportiva se estendeu pelas outras edições dos jogos, culminando com os boicotes dos Jogos de Moscou, em 1980, e Los Angeles, em 1984 (CARDOSO, 2000).

Em dezembro de 1979, a União Soviética impôs uma intervenção militar ao Afeganistão após uma sequência de golpes de Estado e conflitos civis. O interesse soviético no Afeganistão vinha de seu posicionamento geográfico, que dava acesso ao oceano Índico. O governo dos EUA, presidido por Jimmy Carter, exigiu a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, ameaçando comandar um boicote internacional aos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980. A exigência não foi atendida e a ação política dos Estados Unidos promoveu um boicote envolvendo 61 países, prejudicando sensivelmente essa edição dos jogos. Em retaliação ao boicote americano, a União Soviética se negou a participar

94
94

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA das Olimpíadas de Los Angeles, em 1984. O boicote

das Olimpíadas de Los Angeles, em 1984. O boicote soviético teve menor abrangência devido a uma grande campanha do COI, que conseguiu convencer muitos países a participarem dos jogos (CARDOSO, 2000; LANCELOTTI, 1996).

a participarem dos jogos (CARDOSO, 2000; LANCELOTTI, 1996). Lembrete A Guerra Fria foi um período de

Lembrete

A Guerra Fria foi um período de ameaças entre países dos blocos socialista e capitalista. A corrida armamentista nuclear provocada por esta disputa colocou em risco a segurança mundial.

por esta disputa colocou em risco a segurança mundial. Figura 31 6.1.4 O esporte e o

Figura 31

6.1.4 O esporte e o mundo contemporâneo

O uso político do esporte esteve submetido às relações interestatais do sistema internacional. As ações visavam manter o equilíbrio de poder, evitando a possibilidade constante de guerra. O esporte foi usado em ações estratégicas e em propagandas políticas dos países e seus regimes de governo. Na década de 1980 o esporte foi inserido, definitivamente, no sistema econômico mundial e passou a ser um mecanismo financeiro sob influência das corporações transnacionais (ARON, 1987).

A década de 1970 serviu como laboratório para a inclusão do esporte no mercado mundial. Naquela época, as grandes confederações esportivas internacionais, tais como a Federação Internacional de Futebol (Fifa) e o Comitê Olímpico Internacional (COI), perceberam o crescente valor do esporte para a mídia e passaram a negociar cifras cada vez maiores sobre os direitos de transmissão televisiva dos campeonatos internacionais e dos Jogos Olímpicos (SIMSON; JENNINGS,1992).

Os Jogos Olímpicos de Los Angeles marcaram a entrada do esporte na economia mundial. O COI vendeu, pela primeira vez, o evento à iniciativa privada através de contratos de patrocínio. No entanto, o

95
95

Unidade II

Unidade II grande fluxo de capital recebido pelo esporte só foi possível graças à crescente valorização

grande fluxo de capital recebido pelo esporte só foi possível graças à crescente valorização esportiva na mídia. Devido ao grande poder de audiência do esporte, os patrocinadores surgiram em grande número,

e a mercantilização do Esporte gerou um lucro inédito aos organizadores dos Jogos Olímpicos. Desde

então os eventos esportivos passaram a ter a parceria de grandes empresas. Essa relação com o mercado mundial evoluiu para as instituições esportivas, e as confederações, as federações, as ligas e os clubes passaram a negociar o esporte como um produto de consumo.

Esse alinhamento do esporte aos entraves econômicos seguiu a ótica das políticas neoliberais consolidadas na década de 1980. Os Estados nacionais passaram a ter menos influência política e as corporações transnacionais, mais influência econômica. A desestatização do esporte e sua inclusão no mercado mundial caracterizaram as mudanças impostas pela globalização (MOTA; BRAICK, 1997; LANCELOTTI, 1996; BRACHT, 1997; CAGIGAL, 1996).

O processo de mercantilização do esporte transformou as federações internacionais e o COI em

grandes corporações financeiras transnacionais, que teceram uma rede de filiais por todo o mundo através dos Comitês Olímpicos nacionais e das confederações nacionais. Essas corporações esportivas mantêm relacionamentos comerciais com grandes empresas patrocinadoras, tais como Coca-Cola, Nike

e Adidas (SIMSON; JENNINGS, 1992).

As grandes Confederações Mundiais esportivas, tais como o COI, a Fifa, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF), a Federação Internacional de Natação Amadora (Fina), a Federação Internacional de Automobilismo (FIA), entre outras, tornaram-se grandes empresas monopolizadoras do esporte mundial. A eleição dos países-sede para os Jogos Olímpicos (COI) e para as Copas do Mundo de Futebol (Fifa), ambas feitas por votações das confederações-membros, tornaram-se um enorme jogo de favorecimentos e lobbies, envolvendo suborno, propinas e vantagens para seus líderes. Recentemente, inúmeros dirigentes dessas instituições foram afastados, e até presos, por envolvimento em esquema de corrupção no processo de escolhas das cidades ou países-sede desses eventos, que mobilizam bilhões em investimentos (SIMSON; JENNINGS, 1992).

O volume de capital envolvido nas transações de patrocínio de eventos, de equipes e de venda de direitos de transmissão gera interesses que ultrapassam as necessidades da prática esportiva. São interesses voltados ao mercado-alvo, horários de transmissão, locais-sede dos eventos, oportunidades comerciais. Esses interesses econômicos provenientes das relações entre as instituições esportivas, empresas patrocinadoras e corporações de mídia acabam por influenciar diretamente a realização esportiva, proporcionando mudanças nas regras dos jogos, horários de partidas desfavoráveis à prática esportiva, mas ideais para a audiência televisiva, valorização excessiva do espetáculo e do show em prejuízo das características da modalidade esportiva (SIMSON; JENNINGS, 1992).

Exemplo de aplicação

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA com as exigências de contrato. Reflita a respeito de

com as exigências de contrato. Reflita a respeito de campeonatos, provas de corrida ou finais de campeonatos nacionais de voleibol que são agendados em horários pouco usuais somente para não interferir na grade da rede de TV que o transmite.

Pense como o esporte hoje é refém do capital.

6.2 A organização esportiva versus a lógica capitalista

O esporte moderno, nascido de acordo com princípios e fundamentos da sociedade capitalista

industrial, desenvolve-se de acordo com as características desse modelo social, realçando algum aspecto social (econômico, político-ideológico, pedagógico-cultural), de acordo com o nível de desenvolvimento. Pode-se afirmar que o esporte profissional de alto rendimento se alinha às características econômicas da sociedade capitalista, enquanto o esporte escolar deveria priorizar uma aproximação pedagógica. Percebe-se que o desenvolvimento do esporte olímpico reforça aspectos políticos e ideológicos do Estado (BROHM, 1982).

De acordo com Brohm (1982), o sistema esportivo constitui-se em uma totalidade articulada de instâncias dominantes, organizadas em esquema piramidal de poder, determinada em uma escala de valores.

O esporte de rendimento possui características correspondentes à organização econômica capitalista (BROHM, 1982):

• A especialização esportiva é resultado da divisão social do trabalho e da cientifização dos processos em busca do maior rendimento, assim, o esporte produz corredores velocistas que se especializam e se capacitam para correrem cada vez mais rápido, distâncias curtas, enquanto são criados corredores de longas distâncias cada vez mais resistentes, que mantêm níveis vigorosos de esforço por tempos prolongados. Os processos de treinamento para a obtenção desses desempenhos são, atualmente, altamente sofisticados e estudados de forma científica.

• O esporte busca o máximo rendimento, a delimitação e expansão de novas marcas de desempenho (recordes) em similaridade à capacidade produtiva almejada na sociedade capitalista industrial. De acordo com Brohm (1982), o recorde é uma obsessão do esporte.

• Assim como no mercado liberal capitalista, a concorrência deve ser livre e as condições devem ser equivalentes. Dessa forma, são mais valorizados os atletas que conseguem melhor rendimento/produtividade em condições iguais de competição; neste ponto, as semelhanças entre o esporte e o sistema capitalista são percebidas de forma negativa, pois em sociedades que apresentam grandes desigualdades sociais, os indivíduos com menor poder aquisitivo possuem condições desiguais de produção, da mesma forma, no esporte, os menos favorecidos são muitas vezes excluídos ou não possuem condições iguais, tais como alimentação, materiais, tempo de treinamento, local apropriado. Nesses casos, a superação socioeconômica deve somar-se à superação do desempenho físico.

97
97

Unidade II

Unidade II O esporte educacional, desenvolvido nas escolas e em projetos sociais, deve reforçar aspectos pedagógicos

O esporte educacional, desenvolvido nas escolas e em projetos sociais, deve reforçar aspectos pedagógicos da sociedade capitalista, tais como:

• A valorização do esforço, onde a vitória ou recompensa são méritos dos indivíduos que se esforçam e participam do processo produtivo. O esforço natural de cada indivíduo para melhorar sua própria condição, quando se permite que ele atue com liberdade e segurança, constitui um princípio tão poderoso que, por si só, e sem qualquer outra ajuda, não somente é capaz de levar a sociedade à riqueza e à prosperidade (SMITH, 1996). Existe uma ideia equivocada que reforça o fato de que quanto maior o volume de treinamento, preparação ou esforço, melhores serão os resultados ou desempenho. Esse ponto de vista tem levado muitos atletas ao excesso de treinamento, à ocorrência de lesões e à perda de produtividade. Atualmente, a ciência do treinamento esportivo tem indicado que a qualidade e intensidade de treinamento são mais eficientes do que o grande volume. Dentro da lógica administrativa capitalista, isso se aplica ao princípio da eficiência e economia de energia.

Trabalho em equipe, o esporte ensina que o esforço conjunto e organizado em equipes é mais eficiente devido à especialização dos papéis e à divisão das responsabilidades. Esse princípio está alinhado à ideia do fordismo, princípios da organização da produtividade, amplamente desenvolvido na Segunda Revolução Industrial. No início do século XX, com o objetivo de obter maiores lucros, levou-se ao extremo a especialização do trabalho, a produção foi ampliada, passando-se a fabricar artigos em série, o que barateava o custo por unidade. Surgiram as linhas de montagem, esteiras rolantes pelas quais circulavam as partes do produto a ser montado, de forma a agilizar a produção e aumentar sua eficiência. Implantadas primeiro na indústria automobilística Ford, nos Estados Unidos, as esteiras conduziam o chassi do carro por toda a fábrica. Os operários distribuíam-se ao longo da linha de produção e montavam o carro com peças que chegavam a suas mãos em outras esteiras rolantes. Esse método de racionalização da produção em massa, que foi chamado de fordismo, estava ligado ao princípio de que a empresa deveria dedicar-se a apenas um produto e dominar as fontes de matéria-prima. O fordismo, desse modo, integrou-se às teorias do engenheiro norte-americano Frederick Winslow Taylor, conhecidas como taylorismo, que propunham o aumento da produtividade por meio do fracionamento das etapas do trabalho, controlando os movimentos das máquinas e dos homens no processo de produção (VICENTINO; DORIGO, 2013).

controlando os movimentos das máquinas e dos homens no processo de produção (VICENTINO; DORIGO, 2013). 98
98
98

Figura 32

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA 6.2.1 O esporte-espetáculo e os meios de comunicação de

6.2.1 O esporte-espetáculo e os meios de comunicação de massa

O esporte na sociedade contemporânea possui um nível de manifestação que fica no topo da cadeia

de produção capitalista: é o esporte-espetáculo, ou esporte midiático. O esporte-espetáculo não é apenas uma disputa em busca do máximo desempenho humano, é um show de proporções imensas, onde os atletas, técnicos e árbitros, não apenas os esportistas, são atores, astros de um espetáculo de proporções grandiosas, que atinge milhões de pessoas e mobiliza uma quantia enorme de capital

relacionado ao marketing (CAGIGAL, 1996).

No final da década de 1960, com a popularização da televisão nos lares, o esporte expande seu potencial de marketing. A primeira modalidade de merchandising no esporte foram os anúncios de publicidade estática vendidos nos estádios e os anúncios de patrocinadores dos programas esportivos de rádio. Com o crescimento do acesso à TV na década de 1960, o surgimento da TV a cores na década de 1970 e a popularização das transmissões ao vivo via satélite, os anúncios de propaganda cresceram em número e os contratos foram negociados por valores cada vez mais altos, de forma proporcional ao alcance do número de espectadores (CAGIGAL, 1996).

A partir de então, o esporte se torna um produto de mídia, sobretudo as modalidades de massa,

como o futebol, o futebol americano (liga profissional americana NFL), o basquete (liga profissional americana NBA), o baseball (Major League Baseball – MBL), o boxe e outras modalidades de alcance global. O esporte de altíssimo rendimento, ou esporte espetáculo, passou a gerar muitas outras fontes de lucros e movimenta uma indústria mundial do entretenimento com números bilionários – são direitos de transmissão, direitos de imagem dos atletas, patrocínio de equipes e atletas, patrocínio de uniformes, venda de produtos licenciados, venda de ingressos, negociação de atletas (CAGIGAL, 1996).

O esporte-espetáculo acentua a hipercompetitividade, a ênfase no resultado e desempenho esportivo

máximo e a criação de heróis, mitos, atletas semideuses, que fazem a diferença no desempenho das equipes e nos valores das negociações. Os ídolos esportivos são modelos de excelência na produtividade do desempenho humano, pessoas capazes de feitos espetaculares e com grande apelo de mídia, são ícones dentro e fora das arenas esportivas, são referências para praticantes e consumidores do esporte (BROHM, 1982).

Os campeões são valiosas mercadorias que garantem a promoção do espetáculo esportivo, assegurando o valor social dos eventos, são veículos de integração nacional. O ídolo esportivo é porta-voz do país com prestígio internacional, é modelo de superação, pois consegue de forma legítima ascender socialmente, suas proezas são autênticas e geram identidade social (BROHM, 1982).

As características do esporte de alto rendimento não devem ser reproduzidas em outros níveis de participação esportiva. O esporte educacional deve introduzir a criança e o jovem à prática esportiva, deve preconizar a socialização, o respeito às regras e à hierarquia, bem como o desenvolvimento do hábito esportivo saudável. Nesse nível de prática, todos devem ter acesso à prática em condições iguais de aprendizado, independentemente do nível de desempenho esportivo. O esporte educacional deve educar através da prática e não apenas focar o desenvolvimento atlético.

99
99

Unidade II

Unidade II Outro nível de prática esportiva é o esporte de participação, desenvolvido pela população de

Outro nível de prática esportiva é o esporte de participação, desenvolvido pela população de forma geral como forma de lazer voluntário e ativo. Deve ser uma opção ocupacional que gere satisfação e bons hábitos. Pode ser uma prática despretensiosa ou pode haver algum envolvimento competitivo. No entanto, a ênfase não é o resultado, mas sim a experiência esportiva, a vivência das emoções da disputa. Enquadram-se nessa categoria os torneios de trabalhadores, as disputas em clubes recreativos, os corredores amadores, os atletas de categorias máster (veteranos), entre outros.

A prática do esporte educacional ou de participação de acordo com a concepção do esporte de

rendimento pode gerar deturpações, tais como a hipercompetitividade, a exclusão dos menos habilidosos,

a violência, a deslealdade, entre outros.

6.3 As perspectivas do esporte educacional

6.3.1 A crítica ao esporte no processo educacional

O esporte contemporâneo goza de enorme prestígio para a formação de crianças e jovens. O discurso oficioso diz que o esporte é um elemento fundamental para o processo de educação, atribuindo às práticas esportivas papéis admiráveis, tais como o afastamento de pessoas do consumo de drogas e da criminalidade. Essas afirmações a respeito do valor educativo do esporte parecem ser unânimes entre pais e educadores, porém diversos estudiosos declaram-se bem mais cautelosos em seus ensaios (BASSANI; TORRI; VAZ, 2003).

Leonard II (1998) afirma que as características formativas do esporte nem sempre são coerentes com

o discurso de educadores, ex-atletas e dirigentes. Para o autor, a ideia de formação do caráter via prática esportiva é produzida, sustentada e reforçada pela fala de indivíduos com destaque na sociedade. São atletas amadores que tiveram sucesso fora do âmbito esportivo e atribuem suas conquistas às influências das suas experiências esportivas. Os líderes nacionais, geralmente utilizam metáforas envolvendo os valores esportivos como exemplos em seus discursos, da mesma forma o fazem os grandes consultores da área de administração de empresas, que trabalham com analogias esportivas para motivar ações gerenciais do mundo dos negócios. Esses casos de defesa do esporte como valor esportivo incondicional estariam baseados em informações extraídas de casos isolados e não possuem representatividade científica para serem afirmadas com veemência.

Kunz (1994) faz algumas críticas ao sistema esportivo de rendimento e de espetáculo. Primeiro, que o esporte-espetáculo, de rendimento, não apresenta elementos de formação geral para constituir uma realidade educacional. Em segundo, o esporte ensinado nas escolas é uma cópia do esporte de rendimento e apenas oferece vivências de sucesso para uma minoria e fracasso para a grande maioria. Em terceiro, a vivência do insucesso para crianças e jovens no contexto escolar seria uma irresponsabilidade pedagógica. E, por último, o esporte de rendimento não deve ser utilizado como modelo nas escolas, pois segue princípios de comparações objetivas e absolutas, que valorizam mais o resultado que a própria participação. Contribui para a perda de liberdade e da criatividade do ser humano em função do racionalismo técnico instrumental das sociedades modernas.

100
100

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Bracht (1997) afirma que o esporte enquanto elemento de

Bracht (1997) afirma que o esporte enquanto elemento de educação e de participação reproduz características do esporte de rendimento espetacularizado, muito divulgado pelos meios de comunicação de massa. Esse esporte-espetáculo estaria disseminando valores junto à população, produzindo consumidores de um modelo hegemônico de atividade física similar ao esporte de rendimento. Esses consumidores estariam sendo aliciados à aquisição do esporte como uma mercadoria, e a prática, que deveria ser um direito cultural de todos, passa a ser comprada em escolas e centros particulares.

Para De Rose Jr. (2002), a crítica que se faz à competição esportiva infanto-juvenil se deve ao fato de muitas dessas competições se adaptarem a modelos e normas específicas da competição adulta, não levando em consideração o estágio de desenvolvimento e o nível de habilidade dos praticantes. O autor afirma que a prática esportiva competitiva mal orientada pode gerar condições excessivas de estresse nas crianças e jovens, principalmente quando as exigências impostas superam as demandas de capacidade de performance, de prontidão emocional e cognitiva, gerando um ambiente muito desafiador. Nesse caso, as situações ficariam excessivamente complexas, indo além da capacidade de superação da criança, podendo ocasionar frustração e abandono.

Kunz (1994), Bracht (1997) e De Rose Jr. (2002) reforçam a influência negativa do modelo esportivo de rendimento no processo educacional, pois os objetivos de transferência de valores via prática ficariam marginalizados em função da importância dada ao resultado esportivo.

Em um estudo realizado junto a uma grande escola da rede pública de ensino da cidade de Florianópolis, Bassani, Torri e Vaz (2003) revelam que o esporte praticado na escola apresenta uma situação de conflito entre o rendimento esportivo esperado dos atletas e o aprendizado de “bons valores” por meio da prática esportiva. Essa divergência procura ser conciliada pelo técnico com discursos moralizantes e edificantes, mas a dinâmica do esporte, treinos e jogos acaba fazendo com que prevaleça a valorização da vitória.

Os valores sobre ganhar e perder podem criar a ideia de que somente a vitória é válida no esporte e tudo o que for feito para alcançá-la é aceitável. Partindo desse ponto de vista, os valores educativos do esporte podem ser seriamente prejudicados. Essa forma de pensar pode, em crianças e jovens cujo caráter ainda não está consolidado, gerar atos desleais e violentos (SAGE, 1998).

Para Coakley (2001), as estruturas rígidas de regras e competições organizadas no modelo adulto não permitem ao aluno questionamentos e a exploração de sua criatividade. Para o aluno, trata-se apenas de cumprir o seu papel e responder às expectativas estipuladas pelas autoridades competentes, pais, professores e técnicos.

Leonard II (1998) alerta para o fato de o processo de disciplinação excessiva, característica do modelo esportivo de rendimento, aplicado nas escolas, gerar uma socialização opressiva, representada pela autoridade e pela obediência aos técnicos e professores.

Bracht (1997) afirma que o esporte possui uma neutralidade interna que faz com que se adapte às características das sociedades em que está inserido. Assim, o esporte contemporâneo, de rendimento, de participação e educacional está em conformidade com as características da sociedade capitalista neoliberal, que é dominante na atualidade.

101
101

Unidade II

Unidade II Fica a dúvida se a dinâmica esportiva que valoriza as características neoliberais deve ser

Fica a dúvida se a dinâmica esportiva que valoriza as características neoliberais deve ser adotada nos processos educacionais, apoiando a hipercompetitividade, a seletividade, a orientação ao resultado, assim como ocorre na vida cotidiana. A adoção dessa conduta seria uma forma de preparar os jovens para uma melhor adaptação ao convívio social? Ou seria uma maneira de aceitar um modelo socioeconômico que gera injustiças sociais?

Gariglio (1995) acredita que, apesar de a escola cumprir uma função de reprodução dos contextos de nossa sociedade capitalista, existem movimentos antagônicos e de resistência em seu interior. A possibilidade de vivência lúdica seria um desses movimentos, ao passo que o lúdico na escola pode tornar real a construção de um projeto revolucionário. As atividades esportivas lúdicas dariam aos praticantes a oportunidade de reapropriação de suas vidas, de sua história e de

sua cultura, possibilitando a crítica e a recriação da lógica capitalista neoliberal imposta à escola

e à sociedade como um todo.

Taffarel (2000) defende um esporte educativo, que fuja da ditadura dos gestos, modelos e regras, que teria suas normas questionadas e adaptadas à realidade social e cultural dos alunos. O esporte educacional deve ser desmistificado, conhecido e praticado de forma prazerosa, com vivências de sucesso para todos. O esporte deve ser adquirido como um bem cultural, sua prática deve ser compreendida como um direito.

Nesse sentido, Korsakas (2002) defende uma prática esportiva educativa em que a criança não

seja apenas um objeto dos interesses de seus pais e técnicos. Esses interesses voltados ao resultado,

à performance, muitas vezes expõem a criança a uma homogeneização da prática, apoiando-a exclusivamente no treinamento de equipes esportivas. Esse tipo de prática acaba por exigir a perfeição do gesto técnico e o rigor tático, reprimindo a capacidade criativa da criança e ignorando suas potencialidades e limitações individuais. A autora sugere um modelo esportivo educativo no qual a criança participe do processo de construção do conhecimento através da resolução de problemas sugeridos, cabendo ao adulto a função de facilitador do processo educacional. Essa proposta estimularia uma prática esportiva emancipatória, participativa, cooperativa, que estimula a criatividade e o desenvolvimento cognitivo, afetivo, físico e motor das crianças, em uma educação pensada de forma integral.

As propostas sugeridas anteriormente valorizam o esporte como prática educativa que, ao

invés de reproduzir as características da sociedade em que está incluído, as questione por acreditar serem responsáveis pela disseminação de injustiças. Esses modelos educacionais propõem a implantação de um esporte reflexivo, que se adapte às necessidades dos praticantes, possibilite

o acesso a todos, indo contra as características da sociedade capitalista neoliberal, geradora de desigualdades sociais e exclusão. Dessa forma, o esporte educacional não seria uma ferramenta para moldar os praticantes de acordo com as solicitações injustas da sociedade atual e sim um instrumento criativo de exercício da cidadania e da democracia, permitindo o planejamento de uma mudança social.

102
102

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA 6.3.2 A defesa do esporte competitivo como instrumento de

6.3.2 A defesa do esporte competitivo como instrumento de educação

Apesar das críticas discutidas anteriormente, alguns autores propõem condições para que o esporte possa trabalhar a favor da educação, excluindo as influências negativas do modelo esportivo de alto nível, que valoriza prioritariamente o resultado.

De acordo com Bracht (2000), o esporte de rendimento traz na sua estrutura interna os mesmos elementos das relações sociais da sociedade contemporânea: forte orientação ao rendimento e à competição, seletividade via concorrência, igualdade formal perante leis e regras. Em função dessas características, a prática esportiva deve ser adaptada ao ser incluída em um processo educacional. A implantação de uma prática que segue o modelo adulto de rendimento pode disseminar valores pouco construtivos à educação, além da exclusão dos menos habilidosos e de frustrações causadas por comparações objetivas sobre o rendimento de atletas, que podem estar em diferentes fases de formação e de prontidão maturacional. Para ser incluído em um ambiente educacional, o esporte deve ser tratado pedagogicamente. Para o autor, a competição não deve ser negada, pois está implícita à prática do esporte, mesmo no contexto educacional. O que se deve evitar em um ambiente escolar e pedagógico é um enfoque competitivo exclusivamente preocupado com o resultado. A dinâmica da competição é um fator motivacional muito importante para a adesão à prática. A exaltação gerada pela participação, pela interação e pela possibilidade de a criança demonstrar suas competências deve suplantar o valor dado à vitória.

Para De Rose Jr. (2002), a discussão sobre competição na infância e na adolescência sempre abrange o questionamento sobre a adequação e os benefícios do esporte competitivo para essas faixas etárias. Para muitos autores, o termo “competição”, por si só, levaria a uma situação prejudicial, destacando os privilégios, enfatizando a inferioridade técnica, física, psicológica e social da grande maioria de perdedores. Segundo o autor, a competição não deve ser encarada de forma tão radical, pois ela é natural da prática esportiva e deve ser entendida como um meio para o processo de desenvolvimento do ser humano e não como finalidade exclusiva da prática. A competição influenciaria comportamentos que estão na base dos estatutos individuais e sociais, ou seja, colabora com processos de evolução pessoal e socialização de crianças e jovens.

Marques (2004) defende a competição como elemento fundamental para o processo de formação da criança e do jovem, desde que sofra uma intervenção pedagógica nas escolas, passando a atender às necessidades, aos interesses e aos estágios de prontidão dos praticantes. A competição seria uma excelente oportunidade de construção da imagem social do indivíduo, através da interação promovida pela dinâmica esportiva, onde a criança pode mostrar suas capacidades e sentir-se aceita pelo grupo social. Para o autor, o esporte e a competição são apenas instrumentos. São os princípios e valores associados à competição e às experiências vividas durante a atividade que conferem às práticas esportivas o seu valor educativo.

Gaya (2000) questiona a teoria crítica sobre o esporte educacional, a qual maximiza os excessos e deixa de reconhecer aspectos positivos que a prática esportiva competitiva pode oferecer à educação. De acordo com o autor, o esporte de rendimento seria uma escola de vida, uma maneira de aprender a conviver com a vitória e com a derrota.

103
103

Unidade II

Unidade II Os estudiosos orientados pela sociologia crítica entendem que não se deve favorecer um modelo

Os estudiosos orientados pela sociologia crítica entendem que não se deve favorecer um modelo de prática esportiva educacional que reproduz a estrutura social capitalista neoliberal, geradora de uma competição desleal e de um grave quadro de exclusão e desigualdade social.

Porém, Gaya (2000) afirma que os críticos do esporte imputaram, erroneamente, sobre a prática esportiva, em todos os níveis, os valores referentes às ideologias dominantes. O autor admite que a grande preocupação referente ao esporte na escola é a exclusão da maioria em prol dos mais talentosos e a utilização da Educação Física e do esporte como disciplina do currículo complementar, exclusivamente, para o treinamento das equipes esportivas da escola. Também não nega que isso ainda ocorra com certa frequência e afirma que o esporte na escola tem objetivos distintos do esporte de rendimento. Na escola, o esporte deveria ser orientado pelo princípio do autorrendimento, no qual todos tivessem oportunidade para aprendê-lo e atingir os melhores níveis possíveis, se assim desejassem.

Para Marques (2004), o modelo esportivo educacional deve dar ênfase ao divertimento, à participação e ao desenvolvimento da autoestima da criança. Deve ser estimulado o espírito de equipe e a avaliação deve ser centrada na aquisição e no desenvolvimento técnico e não apenas no resultado.

O esporte escolar é uma disciplina do currículo complementar e não deve ser confundido com a

formação de equipes escolares. Deve ter como objetivo multiplicar a aprendizagem das modalidades esportivas, não possuindo qualquer caráter de exclusão por critério de performance, possibilitando o

acesso de todas as crianças às práticas esportivas formais (GAYA, 2000).

De Rose Jr. (2002) afirma que o esporte bem orientado pode tornar-se um fator importante no processo de educação e socialização de crianças e jovens, uma vez que formaria um esportista e um competidor ciente de suas capacidades e um cidadão apto a competir em todas as nuanças de sua vida futura. Para tanto, o autor sugere os seguintes objetivos, apontados como facilitadores do processo competitivo infanto-juvenil:

• Sensibilizar os adultos sobre o processo competitivo e a participação da criança e do jovem nesse processo, suas necessidades, capacidades e expectativas.

• Entender que a criança não é um adulto em miniatura. Portanto, a competição deve ser organizada para ela e não para agradar aos adultos.

• Proporcionar aos jovens experiências positivas de competição.

• Encorajá-los a desenvolver autoconfiança, valores e conceitos positivos de si mesmos.

• Ajudá-los a desenvolver habilidades interpessoais.

• Competir por diversão e apreciar a competição.

• Proporcionar um ambiente agradável, que permita à criança obter senso de competência.

104
104

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Dessa forma, preconiza-se uma atividade esportiva educacional que

Dessa forma, preconiza-se uma atividade esportiva educacional que não perca sua identidade quanto à competição, ao rendimento e à técnica, mas que permita o acesso indistinto à prática, independentemente do grau de performance do atleta, garantindo assim que todos se beneficiem dos valores educacionais do esporte, sem desfigurá-lo, sem arrancar sua essência, aquilo que o faz esporte.

Exemplo de aplicação

Reflita a respeito das seguintes considerações:

O esporte exclui, é violento, desleal, reforça desigualdades de rendimento e oportunidades?

O esporte educa, tira crianças e jovens das drogas, forma o caráter, melhora as notas na escola, ensina a ter respeito pelos mais velhos?

O esporte deve ser visto como um fenômeno de muitas faces e aplicações, ele está fundamentado

na competição, na disputa envolvendo o esforço físico humano e na aplicação de regras universais institucionalizadas. No entanto, os níveis de participação e os propósitos devem ser claramente diversos.

Pode o esporte ser responsável por feitos tão distintos e importantes? Ou são eles frutos do descaso ou do trabalho atento de um professor?

frutos do descaso ou do trabalho atento de um professor? Resumo Diante da perspectiva de formação

Resumo

Diante da perspectiva de formação dos Estados nacionais, a partir de meados do século XVIII, os filósofos inflamados pelas ideias do iluminismo passaram a pensar a construção de uma nova educação formadora de um novo homem comprometido com a nação, seja de forma produtiva ou na ação militar.

Os pedagogos desse período constituíram uma educação integral do homem pautada nos ideais gregos clássicos da Paideia, em que a formação do intelecto é tão importante quanto a formação do corpo e a formação moral.

A ideia era construir métodos de exercícios que tornassem as pessoas fortes, saudáveis e comprometidas com a pátria, criar uma nova geração de homens e mulheres com mais vigor, com uma nova perspectiva educacional.

Os países pioneiros no desenvolvimento do chamado Movimento Ginástico Europeu foram a Dinamarca, a Suécia, a França e a Alemanha. Dessas nações, surgiram dezenas de pedagogos e obras que nortearam métodos de ginástica.

105
105

Unidade II

Unidade II A ginástica surgiu naquele momento com as seguintes finalidades de aplicação: ginástica educacional

A ginástica surgiu naquele momento com as seguintes finalidades de aplicação: ginástica educacional aplicada nas escolas; ginástica militar desenvolvida nos contingentes militares; ginástica médica, indicada em ações higiênicas para a saúde da população; e ginástica civil, desenvolvida nas fábricas para o desenvolvimento do vigor dos trabalhadores.

Na Inglaterra, a sistematização dos exercícios físicos se estruturou de forma diferente. Os jogos populares violentos e vulgares, disputados clandestinamente, geravam apostas, alcoolismo, lesões e desordem pública. Entre eles, podemos citar o mass football, o boxe, as rinhas de galos e cães, a caça à raposa. Essas atividades foram regulamentadas ou substituídas por modalidades esportivas com regras, delimitações de espaço e número de participantes, visando coibir a violência e deixar o jogo mais produtivo.

A regulamentação do esporte na Inglaterra seguiu os moldes da sociedade capitalista burguesa e industrial e incorporou seus valores, tais como a regulamentação, a especialização dos papéis, a cientifização dos processos, os registros das marcas de desempenho, entre outros.

Dessa forma, o esporte se espalhou para o mundo através de clubes e associações das colônias inglesas.

No final do século XIX, mais precisamente na década de 1890, o pedagogo francês Barão Pierre de Coubertin foi incumbido de gerar propostas para reformular a educação na França. Coubertin iniciou uma série de estudos

e viagens ao redor do mundo para conhecer os principais modelos de educação. Foi influenciado sobretudo pelos achados arqueológicos do alemão Ernest Curtius, que revelou a história dos Jogos Olímpicos antigos

e também ficou bastante empolgado com o modelo de educação esportiva

das public schools na Inglaterra e das competições esportivas universitárias nos Estados Unidos.

Em 1894, organizou um grande congresso na Universidade de

Sorbonne, onde foram estabelecidas as bases do Olimpismo e foi decidida

a restauração dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, com a primeira edição

marcada para 1896, em Atenas, na Grécia. O ideário olímpico de Coubertin tratava-se de filosofia educacional embasada no bom entendimento entre os povos de diferentes culturas, da educação através dos valores do esporte, da promoção de festivais quadrienais para reunir a juventude do mundo em um grandioso evento esportivo de confraternização.

106
106

Na virada do século XX, os eventos esportivos em nível mundial começaram a ser alavancados pela iniciativa dos Jogos Olímpicos. Os países

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

FILOSOFIA E DIMENSÕES HISTÓRICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA perceberam o potencial convocatório do esporte e passaram a

perceberam o potencial convocatório do esporte e passaram a financiá-lo e manipulá-lo, visando obter prestígio e benefícios políticos.

Os Jogos Olímpicos de Berlim foram a primeira grande amostra do potencial político do esporte. Hitler investiu pesadamente na promoção dos jogos, visando mostrar a força e organização do Estado alemão, que fora subjugado e humilhado após a Primeira Guerra Mundial. O chanceler pretendia, também, confirmar a supremacia da raça ariana nas provas, fato que não se consumou devido às muitas vitórias da equipe norte-americana, formada em sua maioria por atletas negros.

Outro episódio em que a política e o esporte se aproximaram foi o período de tensões e ameaças entre o bloco soviético e o bloco capitalista conhecido como Guerra Fria. Nesse período, os países alinhados aos Estados Unidos e os países parceiros da União Soviética se enfrentaram em quadras, piscinas e ginásios em uma batalha simbólica, em que os resultados esportivos representavam prestígio para os países e para o regime vitorioso.

Após a década de 1970, as estruturas da mídia intensificam suas relações de marketing com o esporte, transformando-o em um negócio de cifras bilionárias. A partir do surgimento do patrocínio e do merchandising associados aos eventos esportivos na mídia, o esporte moderno inaugura uma nova categoria, o esporte de altíssimo rendimento, ou esporte midiático, mais um show de mídia do que uma disputa convencional esportiva.

Nesse contexto, tornou-se importante distinguir os níveis de envolvimento esportivo em esporte educacional, esporte de participação e esporte de rendimento. O esporte educacional passa a sofrer críticas de acentuar a exclusão, a seletividade e a hipercompetitividade. Os valores educativos, formação do caráter, socialização e desenvolvimento de valores passaram a ser percebidos de acordo com a intervenção pedagógica do professor de Educação Física.