Você está na página 1de 246

Guia de Estudos

Eletroeletrônica Veicular
Federação das Indústrias do Estado do Paraná - FIEP

Rodrigo Costa da Rocha Loures


Presidente

Ovaldir Nardin
Superintendente Corporativo do Sistema FIEP

Henrique Ricardo dos Santos


Superintendente dos Serviços SESI/SENAI/IEL

SENAI - Departamento Regional do Paraná

João Barreto Lopes


Diretor Regional
realização:

CENTRE D’ÉLABORATION
DES MOYENS D’ENSEIGNEMENT
DU QUEBEC

SENAI/DR - Departamento Regional do Paraná

apoio:

SENAI/DN - Departamento Nacional

Eletroeletrônica Veicular

Adaptação técnica:
Joacir Gomes
© 2006. SENAI - DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARANÁ

Os direitos de reprodução, de adaptação ou de tradução deste guia são reservados ao SENAI -Departamento
Regional do Paraná, inclusive a reprodução por procedimento mecânico ou eletrônico.

SENAI/DR
CAEPE - Coordenadoria de Alianças Estratégicas e Projetos Especiais

Material elaborado por meio da parceria com a empresa CEMEQ com a finalidade de ensino a distância.

CEMEQ
Centre d’Élaboration des Moyens d’Enseignement du Québec

Elaborado por Vera Schiewaldt da Costa

Centre d´Élaboration dês Moyens d´Enseignement du Québec


Eletroeletrônica veicular : guia de estudo / Centre d´Élaboration dês Moyens
d´Enseignement du Québec ; Joacir Gomes (adap.). – Curitiba : SENAI.
Departamento Regional do Paraná, 2006.
246 p. : il. ; 30 cm. - (Eletrônica embarcada).

1. Eletrônica embarcada. 2. Gerenciamento eletrônico do motor.

I. Centre d´Élaboration dês Moyens d´Enseignement du Québec. II. Gomes,


Joacir (adap.).

CDU 629.064

Este material foi elaborado por uma equipe, cujos nomes encontam-se relacionados na
folha de créditos.

Direitos reservados:

CEMEQ - Centre d’Élaboration des Moyens SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
d’Enseignement du Québec Departamento Regional do Paraná
2955, boulevard de l’Université, 7e étage Avenida Cândido de Abreu, 200 - Centro Cívico
Sherbrooke (Québec) J1K2Y3 CEP 80530-902 - Curitiba/PR
Tél.: (819) 822-6886 Telefone: (41) 350-7000
Téléc.: (819) 822-6892 Telefax: (41) 350-7101
E-mail: cemeq@cemeq.qc.ca E-mail: senaidr@pr.senai.br
Apresentação

O mundo do automóvel explora a eletricidade de diversas formas, tanto para garantir o funcionamento
do motor quanto para o conforto dos ocupantes. Diferentes aparelhos e máquinas transformam a
eletricidade em energia mecânica (motor dos limpadores de pára-brisa), luminosa (faróis), calorífica
(desembaçador do pára-brisa traseiro) e eletromagnética (motor de arranque, bobina da ignição).

A eletricidade pertence a um mundo abstrato, porém muito cativante. O domínio dos circuitos elétricos e ele-
trônicos é um pré-requisito essencial para vários outros módulos que você deverá estudar durante sua formação
técnica. Neste módulo você irá adquirir conhecimentos de base, sendo capaz de reparar circuitos elétricos.

Este módulo consiste em nove aulas subdivididas em vinte e seis lições. Cada lição corresponde ao estudo de
um dia, conforme sugestão de estudo no Guia do Aluno. Nas duas primeiras aulas você aprenderá noções
relativas à natureza e às propriedades da eletricidade. Enfim, aprenderá a distinguir as unidades de medida
específicas da eletricidade.

Da terceira à quarta aula você aprenderá o funcionamento e o modo de utilização de aparelhos de me-
dição analógicos e digitais. Na quinta aula você começará a elaborar e a interpretar esquemas elétricos.
Em seguida, conectará vários tipos de circuitos elétricos, diagnosticando os seus estados. E nas aulas seis
e sete serão apresentados vários elementos elétricos e eletrônicos presentes na maioria dos circuitos.

Os automóveis modernos normalmente possuem sistemas de iluminação mais eficazes e mais sofisticados
do que os automóveis de décadas anteriores; essa diferença ocorre devido à substituição de componentes
tradicionais por outros mais complexos. Esses novos elementos exigem uma atualização constante. Em
alguns casos, os circuitos incorporam módulos elétricos encarregados de assumir automaticamente novas
funções. As constantes inovações no setor não permitem usar o antigo critério de que todos os circuitos são
parecidos e basta conhecê-los para reparar facilmente todos os outros.


A reparação dos circuitos de iluminação modernos exige conhecimentos teóricos do funcionamento dos
elementos básicos assim como a capacidade de acompanhar, no manual de reparação, os procedimentos
específicos publicados pelos fabricantes.

Assim sendo, a última aula desse guia apresenta os principais elementos que constituem os circuitos de iluminação.
Você aprenderá a conhecer a classificação e o funcionamento das lâmpadas. Sem esses conhecimentos, é difícil
compreender algumas recomendações dadas pelos fabricantes.

Vamos lá! Teremos muito a aprender.


Orientações para o estudo

Este Guia de Estudos será seu condutor no decorrer do curso. Todo o conteúdo teórico de
Eletroeletrônica veicular encontra-se neste material, que está dividido em nove aulas e subdivido
em vinte e seis lições. Aqui você encontrará ícones, textos, indicações de animações e sugestões
de estudo, todos esses elementos têm o objetivo de ajudá-lo no seu estudo a distância.

Lembre-se: nos períodos à distância você precisa se organizar nos estudos. Não deixe para
amanhã o que pode estudar hoje, é importante disciplinar seu tempo para concluir cada etapa
e ter um melhor aproveitamento no aprendizado.

No decorrer do seu estudo por esse Guia você encontrará dois ícones. São eles:

Esse ícone apresenta uma sugestão de estudo e orientações para as próximas etapas do seu
estudo à distância;

Esse ícone indica que no CD-ROM há uma animação para ser consultada, e poderá ser

encontrada pela denominação ao lado do ícone.

Neste Guia de Estudos você encontrará palavras que estarão em itálico e sublinhadas, por exemplo
átomo. Estas palavras possuem uma definição no glossário que se encontra ao final deste guia.

Sugerimos que você tenha um tempo de estudo diário de duas horas, esse tempo pode ser em
pequenos intervalos de meia-hora, uma hora ou, se preferir, contínuo. A administração fica a
critério do aluno. O estudo de duas horas corresponde à leitura de uma lição do material im-
presso, consulta das animações e realização dos exercícios de fixação do CD-ROM.

Em cada aula prática você entregará um questionário preenchido, que corresponde ao conteúdo visto
no período à distância, esses exercícios encontram-se em folhas destacáveis depois das páginas 126, 190 
e 234. Para cada lição foram selecionadas em torno de cinco questões. Esse questionário fará parte da
sua avaliação. Não deixe para fazê-lo no último dia, organize-se e faça um pouco por dia.

Para facilitar seu estudo e verificação das atividades que irá desenvolver disponibilizamos um check-list
a seguir para verificar cada atividade concluída.

Bom Estudo!!!
CHECK-LIST DAS ATIVIDADES
Aulas Dia
Leituras
das lições  Animações
 Exercícios
de fixação 
1º Lição 1 Animação 1 Lição 1
1 2º Lição 2 Animação 2 Lição 2
3º Lição 3 Animação 3 Lição 3
Animação 4
4º Lição 4 Lição 4
Animação 5
2 Animação 6
5º Lição 5 Lição 5
Animação 7
6º Lição 6 Animação 8 Lição 6
Animação 9
3 7º Lição 7
Animação 10
Lição 7

8º Lição 8 Lição 8
9º Lição 9 Animação 11 Lição 9
4 10º Lição 10 Animação 12 Lição 10
11º Lição 11 Animação 13 Lição 11
12º Lição 12 Lição 12
5 13º Lição 13
Animação 14
Lição 13
Animação 15
Questionário de entrega

PRIMEIRA AULA PRÁTICA


14º Lição 14 Animação 16 Lição 14

6 15º Lição 15 Animação 17 Lição 15


16º Lição 16 Animação 18 Lição 16
17º Lição 17 Lição 17
Animação 19
18º Lição 18 Lição 18
7 Animação 20
19º Lição 19 Animação 21 Lição 19
20º Lição 20 Lição 20
21º Lição 21 Animação 22 Lição 21
8 22º Lição 22 Animação 23 Lição 22
Questionário de entrega

SEGUNDA AULA PRÁTICA


23º Lição 23 Lição 23
24º Lição 24 Animação 24 Lição 24
9 25º Lição 25 Lição 25
26º Lição 26 Lição 26
Questionário de entrega

TERCEIRA AULA PRÁTICA


sumário

aula 01 Natureza e Propriedade da Eletricidade..............................................17

Lição 01..............................................................................................18
Definição de eletricidade ..................................................................18
Estrutura atômica da matéria................................................................18
Condutores e isolantes...........................................................................21

Lição 02..............................................................................................23
Deslocamento dos elétrons em um condutor..............................23
Sentido de circulação da eletricidade....................................................25

Lição 03..............................................................................................28
Modos de produção de eletricidade...............................................28
Fricção (eletricidade estática).................................................................28
Pressão (piezo eletricidade)...................................................................29
Calor (termoeletricidade).......................................................................30
Luz (foto eletricidade)............................................................................30
Magnetismo..............................................................................................31
Reação química........................................................................................32
Tipos de corrente (nível eletrônico)...............................................33
Corrente de elétrons contínua (c.C.)....................................................33
Corrente de elétrons alternada (c.A.)...................................................33

aula 02 Lei de Ohm..............................................................................................37

Lição 04..............................................................................................38
Circuito elétrico simples....................................................................38
Intensidade . ............................................................................................39
Amperímetro ..........................................................................................39
Tensão.......................................................................................................41
Voltímetro................................................................................................42

Lição 05..............................................................................................44
Resistência . .............................................................................................44
Ohmímetro..............................................................................................45
Lei de Ohm..............................................................................................46
Potência....................................................................................................49
Watts e HP...............................................................................................50

Aula 03 Aparelhos de medição e parâmetros elétricos....................................51

Lição 06..............................................................................................52
Princípio de funcionamento dos aparelhos analógicos . ..................52
Precisão dos aparelhos de medição analógicos...................................55

Lição 07..............................................................................................57
Amperímetro analógico......................................................................57
Construção...............................................................................................57
Ligação do amperímetro........................................................................59
Voltímetro analógico..............................................................................60
Construção...............................................................................................60
Ligação de um voltímetro......................................................................61
Ohmímetro analógico.........................................................................62
Construção...............................................................................................63
Funcionamento.......................................................................................63
Ligação do ohmímetro...........................................................................65
Amperímetro de indução...................................................................65
Multímetro analógico..........................................................................67
Modo de utilização dos multímetros....................................................68
Obter medições elétricas........................................................................69

Lição 08..............................................................................................71
Aparelhos de medidas digitais.........................................................71
Multímetro digital................................................................................72
Conversor analógico-digital..............................................................74
Funcionamento.......................................................................................74
Seleção das funções e das escalas.........................................................75
Impedâncias dos aparelhos digitais......................................................77

Aula 04 Tipos de circuitos elétricos . .................................................................79

Lição 09..............................................................................................80
Circuito em série..................................................................................80
Resistência................................................................................................80
Intensidade...............................................................................................81
Tensão.......................................................................................................82
Polaridade das quedas de tensão...........................................................84
Potência....................................................................................................84

Lição 10..............................................................................................87
Circuito em paralelo............................................................................87
Tensão.......................................................................................................87
Intensidade...............................................................................................88
Resistência................................................................................................89
Polaridade das quedas de tensão em um circuito paralelo................93
Potência....................................................................................................94
Consequência de uma ruptura em um circuito em paralelo.............95

Lição 11..............................................................................................97
Circuito misto........................................................................................97
Circuitos com resistências em série ligadas em paralelo...................99

Aula 05 Elaboração dos circuitos elétricos..................................................... 101

Lição 12........................................................................................... 102


Elaboração e interpretação de projetos elétricos..................... 102
Método de elaboração (desenho)....................................................... 102
Desenho e disposição dos condutores............................................. 103
Representação simbólica dos elementos.......................................... 105
Condutor............................................................................................... 105
Bateria de acumuladores..................................................................... 109
Ligação à massa.................................................................................... 110

Lição 13 ..........................................................................................112
Elaboração e interpretação de projetos elétricos (continuação)....112
Dispositivos de proteção . .............................................................. 112
Fusíveis.................................................................................................. 112
Fio fusível.............................................................................................. 113
Disjuntores............................................................................................ 114
Dispositivos de comando................................................................ 117
Interruptores......................................................................................... 117
Outros símbolos................................................................................... 120

Aula 06 Elementos elétricos e eletrônicos...................................................... 127

Lição 14........................................................................................... 128


Capacitores.......................................................................................... 128
Função................................................................................................... 128
Construção . ......................................................................................... 128
Funcionamento.................................................................................... 130
Unidade de medida da capacitância................................................... 131

Lição 15........................................................................................... 133


Resistores............................................................................................. 133
Resistores fixos..................................................................................... 133
Função................................................................................................... 133
Tipos...................................................................................................... 133
Resistores variáveis............................................................................... 137
Reostato................................................................................................. 137
Potenciômetro...................................................................................... 138
Termostato............................................................................................ 140
Célula fotocondutora........................................................................... 140

Lição 16........................................................................................... 144


Relés...................................................................................................... 144
Funcionamento.................................................................................... 145

Aula 07 Diodos................................................................................................... 151

Lição 17........................................................................................... 152


Semicondutores................................................................................. 152
Condução em um semicondutor do tipo n...................................... 154
Condução em um semicondutor do tipo p...................................... 154

Lição 18........................................................................................... 157


Diodos.................................................................................................. 157
Definição............................................................................................... 157
Fabricação............................................................................................. 157
Polarização direta................................................................................. 157
Polarização inversa............................................................................... 158
Ruptura do diodo................................................................................. 159
Símbolo.................................................................................................. 159
Espécies de diodos........................................................................... 160
Diodos tubulares.................................................................................. 160
Diodos de cristal e de caixa metálica................................................. 161
Verificação de diodos....................................................................... 161

Lição 19........................................................................................... 163


Utilização dos diodos nos circuitos de veículos...................... 163
Retificação............................................................................................. 163
Amortecimento da alta tensão........................................................... 164
Isolamento ........................................................................................... 165
Diodos zener....................................................................................... 166
Funcionamento.................................................................................... 166
Fabricação ............................................................................................ 166
Símbolo.................................................................................................. 167

Lição 20........................................................................................... 168


Diodos eletroluminescentes........................................................... 168
Funcionamento.................................................................................... 168
Fabricação............................................................................................. 168
Símbolo.................................................................................................. 169
Mostradores de sete segmentos com led.......................................... 170
Fotodiodos ......................................................................................... 170
Fabricação............................................................................................. 170
Funcionamento.................................................................................... 171
Símbolo.................................................................................................. 172

Aula 08 Lição 21........................................................................................... 176


Transistores bipolares...................................................................... 176
Fabricação............................................................................................. 176
Funcionamento.................................................................................... 177
Saturação............................................................................................... 179
Símbolo.................................................................................................. 180
Ligação................................................................................................... 181
Verificação . .......................................................................................... 181
Transistor utilizado como amplificador............................................ 182
Função do interruptor......................................................................... 183

Lição 22........................................................................................... 184


Transistores unipolares................................................................... 184
Transistores com efeito de campo na junção (jfet)............ 184
Transistores com efeito de campo na camada isolante
(MOSFET).......................................................................................... 186
Tiristores.............................................................................................. 187
Definição............................................................................................... 187
Fabricação............................................................................................. 187
Categoria................................................................................................ 188
SRC......................................................................................................... 188
Triac........................................................................................................ 188

Aula 09 Lâmpadas e Faróis............................................................................... 191

Lição 23........................................................................................... 191


Lâmpadas incandescentes.............................................................. 191
Construção e funcionamento............................................................. 191
Tubo néon........................................................................................... 195
Diodo emissor de luz ou eletroluminescente (led)..................... 197
Fibra ótica.............................................................................................. 197
Lâmpada halógenas.............................................................................. 197
Lâmpada com descarga de gás xênon............................................... 200

Lição 24........................................................................................... 202


Faróis..................................................................................................... 202
Faróis selados (sealed beam).............................................................. 202
Refletores............................................................................................... 203
Lente...................................................................................................... 204
Blocos óticos......................................................................................... 204

Lição 25........................................................................................... 207


Circuito dos faróis e da meia luz (luz de presença)................ 207
Componentes e funcionamento do circuito.................................... 208
O interruptor de iluminação.............................................................. 209
Comutador de luz baixa...................................................................... 212
Conexão dos faróis.............................................................................. 212
Luz de presença.................................................................................... 212
Luz de ré................................................................................................ 215
Iluminação interna........................................................................... 217
Iluminação do habitáculo.................................................................... 217
Iluminação dos indicadores do painel de instrumentos................. 218
Circuito de iluminação controlado pelo negativo........................... 219
Acendimento dos faróis...................................................................... 219
Comutação dos faróis.......................................................................... 221
Lampejador de luz alta ....................................................................... 221

Lição 26........................................................................................... 222


Circuitos de sinalização................................................................... 222
Pisca-pisca e pisca-alerta..................................................................... 222
Relé de pisca (centrais de pisca)......................................................... 222
Centrais de pisca com carga específica............................................. 223
Centrais de pisca com carga variável................................................. 223
Interruptor dos pisca-piscas e do pisca-alerta................................. 223
Funcionamento e esquemas dos pisca-piscas.................................. 224
Sinal de aviso de uma curva a esquerda............................................ 226
Curva a direita....................................................................................... 228
Luz de freio........................................................................................... 228
Luzes de freio independentes dos pisca-piscas............................... 231
Funcionamento do pisca-alerta.......................................................... 231
Faróis de curva (veículos importados).............................................. 232

Glossário....................................................................................... 235
Créditos........................................................................................... 245
NATUREZA E PROPRIEDADES DA ELETRICIDADE

Essa aula apresenta a teoria da eletricidade. Ela contém conhecimentos essenciais tanto para a com-
preensão do fenômeno que é a eletricidade quanto para as suas numerosas aplicações. A eletricidade
possui um destaque cada vez maior nos automóveis modernos, tornando-se quase tão importante
quanto o combustível. Se pudermos utilizar diversos carburantes para alimentar o motor, a eletricidade
continua a ser a única fonte de energia capaz de acender os faróis ou acionar o motor de arranque.
Sem eletricidade o automóvel torna-se uma massa metálica servindo apenas para descer ladeiras.

Hoje em dia, atuar em mecânica automotiva sem competência em eletricidade tornou-se praticamente impos-
sível. Nessa aula você estudará três lições que compreendem a natureza e as propriedades da eletricidade, a
reação química na base do funcionamento da bateria de acumuladores e as unidades de medida utilizadas.

Bons estudos!

AULA 01

17
lição 01

O motor de arranque transforma a eletricidade em energia mecânica, o sistema de iluminação em energia


luminosa, a bobina de ignição em alta tensão, contudo, as propriedades da eletricidade continuam idênticas.

Para compreender o fenômeno que é a eletricidade, é necessário retornar à base, ou seja, na estrutura
da matéria propriamente dita. Nessa primeira lição será apresentada a estrutura atômica dos elementos
e a sua importância tanto para a condutibilidade, quanto para a natureza da eletricidade.

DEFINIÇÃO DE ELETRICIDADE

Habitualmente definimos a eletricidade como uma transferência de elétrons de um átomo para outro no interior de
um condutor. A eletricidade não é, portanto, uma “coisa” nova a ser criada, ela existe em toda parte em seu estado
latente. Para compreendermos bem essa definição, precisamos primeiro conhecer o significado das palavras “elé-
tron”, “átomo” e “condutor”. A descrição da estrutura atômica dos elementos nos dá essas explicações.

ESTRUTURA ATÔMICA DA MATÉRIA

Toda matéria presente na natureza se compõem de moléculas, essas são constituídas de átomos. O áto-
mo, (figura 01) é a menor partícula de um elemento conservando todas as suas propriedades. O átomo
se compõe essencialmente de nêutrons, de prótons e de elétrons. Em eletricidade, duas dessas partículas
elementares possuem uma destacada importância: os prótons e os elétrons.

elétrons elétrons de valência

núcleo: prótons e
Eletrônica Embarcada

camada de neutrôns
valência

Figura 01 Principais componentes de um átomo de sódio (Ford)

18
No centro do átomo encontramos o núcleo, composto de certo número de partículas: os prótons e os
nêutrons. Os prótons possuem carga elétrica positiva (+), eles formam, portanto, com os nêutrons, o nú-
cleo do átomo. Os nêutrons, situados entre os prótons, são eletricamente neutros, eles garantem a coesão
do núcleo. Os elétrons gravitam em diferentes órbitas elípticas dispostas em torno do núcleo. Os elétrons
possuem carga elétrica negativa (-). O termo “polaridade” serve também para identificar as cargas.

Os elétrons que gravitam em órbitas interiores são chamados elétrons ligados. O termo “ligado” significa
neste caso que o núcleo exerce uma forte atração sobre esses elétrons. Os elétrons que gravitam na
órbita exterior, conhecida como camada de valência, são chamados de elétrons de valência. A expressão
“elétrons livres” serve também para identificar esses elétrons, pois eles podem facilmente deixar sua
órbita e passar de um átomo para outro. Os elétrons da órbita de valência são os únicos envolvidos
nas reações químicas e nas correntes elétricas.

Todos os elementos conhecidos que compõem o universo são classificados segundo o número
de prótons e elétrons que os constituem. Esses elementos são agrupados e classificados em
uma tabela chamada tabela periódica dos elementos, utilizada principalmente em física e química. A
figura 02 apresenta a tabela periódica dos elementos. Os elementos estão ordenados segundo
seu número atômico, que corresponde ao número de elétrons e prótons.

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade

Figura 02 Tabela periódica dos elementos

19
Para a familiarização com a tabela periódica dos elementos, identifique o cobre, cujo símbolo
é Cu. O número 29, inscrito à esquerda do símbolo indica que um átomo de cobre possui 29
elétrons. Um átomo neutro, ou seja, sem adição nem retirada de elétrons dispõe sempre de um
número igual de elétrons e prótons. Podemos então concluir que o átomo do cobre possui 29
prótons. A transferência de elétrons, seja a adição ou retirada de elétrons de valência de um
átomo para outro é o próprio fundamento da eletricidade.

A desestabilização de um átomo devido à adição de um elétron na órbita exterior força esse áto-
mo a expulsar um elétron (figura 03). A título de exemplo, a adição de um elétron em um átomo
de cobre aumenta o número de elétrons de 29 para 30. Como o número de prótons continua
estável em 29, esse átomo fica desequilibrado, visto que ele possui uma carga negativa causada
pelo excesso de elétrons (-) em relação aos prótons (+). Esse átomo carregado negativamente
designa-se pela expressão íon negativo. Se tirarmos um elétron (-) de um átomo neutro esse
átomo passa a ser um íon positivo, uma vez que ele possui mais prótons (+) que elétrons (-).

expulsa um outro elétron


de sua órbita
o elétron entra na órbita
por aqui

condutor
de cobre

os elétrons livres se deslocam de um


átomo a outro

Figura 03 Transferência de elétrons de um átomo a outro (Ford)

Assim, todas as transferências de elétrons, e consequentemente a produção e a circulação de ele-


tricidade acontecem na órbita de valência. Portanto, é nesse plano que se efetua a distinção entre
um condutor de eletricidade e um isolante.
Eletrônica Embarcada

20
CONDUTORES E ISOLANTES

A condutibilidade elétrica de uma matéria, ou seja, seu poder de transportar eletricidade varia
em função de sua natureza. Sabe-se que a distinção entre um elemento condutor e um isolante
provém essencialmente de sua aptidão em liberar seus elétrons de valência. Habitualmente é
o número de elétrons de valência que determina a capacidade de um átomo de liberar fácil ou
dificilmente seus elétrons (figura 04) Quanto menos elétrons a órbita de valência possui, menor
é a energia necessária para arrancá-los da órbita. Por exemplo, o cobre que possui apenas um
elétron em sua órbita de valência, é melhor condutor que o carbono que possui quatro.

condutor semi-condutor isolante

Figura 04 Exemplo da estrutura atômica de um condutor, de um semicondutor e de um isolante


(General Motors)

Ou seja, o nível de energia necessário para arrancar um elétron de valência de um átomo de cobre é
inferior ao necessário para arrancar um elétron de um átomo de carbono. É, portanto, possível afirmar
que um condutor possui um número reduzido de elétrons de valência e o isolante possui um número
elevado. Habitualmente a distinção entre um condutor e um isolante se estabelece como segue:

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade


um condutor possui menos de quatro elétrons de valência;
um semicondutor possui quatro elétrons de valência;
um isolante possui seis ou mais elétrons de valência.

Os elementos mais utilizados como condutores nos automóveis são o cobre (Cu) na maioria dos fios
elétricos, o ferro (Fe) no chassi e na carroceria, o alumínio (Al) em alguns fios e peças do motor. O
ouro é um excelente condutor, mas seu custo elevado limita sua utilização a circuitos particularmente
sensíveis. Os contatos dos circuitos de comando de air-bag são habitualmente revestidos de ouro.

21
A utilização de elementos semicondutores nos automóveis aumenta rapidamente. Eles entram em boa parte
na fabricação de componentes para computadores e módulos eletrônicos. Cristais puros, como o silício,
germânio ou selênio, recebem tratamento químico para desenvolver as propriedades dos semicondutores.

Os isolantes são elementos cujo núcleo do átomo exerce uma atração tão forte nos elétrons que é teoricamente
impossível arrancá-lo. Sem circulação de elétrons não há eletricidade. Os isolantes confinam a eletricidade em
espaços determinados. Por exemplo, a capa que reveste todos os condutores de um automóvel é fabricada de
material isolante. Os isolantes mais utilizados em tecnologia de veículos são os plásticos (tampa do distribuidor), a
borracha, (revestimentos de cabos de velas) e a porcelana (isolante das velas de ignição ou de pré-aquecimento).

Condutores e isolantes

pontos-chave

A eletricidade é conhecida há muito tempo;


A eletricidade é um deslocamento de elétrons em um condutor;
A compreensão da eletricidade exige conhecimentos sobre a estrutura da matéria;
A combinação de diversos elementos forma um módulo;
O átomo é a menor parte que se pode obter de um elemento sem mudar as suas características;
Um átomo é composto de um núcleo formado de nêutrons e de um ou vários prótons;
Os prótons possuem carga positiva (+) e garantem a coesão do núcleo;
Os elétrons gravitam em torno do núcleo e são de carga negativa (-).

Chegamos ao final do estudo da nossa primeira lição, se desejar, consulte o seu CD-ROM para
assistir a animação: Condutores e isolantes. No seu CD você também encontrará exercícios
de fixação dessa primeira lição, faça-os e confira o resultado no final. A realização desses
exercícios o ajudará a compreender essa primeira lição. Qualquer dúvida que surgir entre em
Eletrônica Embarcada

contato com a monitoria, estaremos a sua disposição. Vamos lá!

22
lição 02

DESLOCAMENTO DOS ELÉTRONS EM UM CONDUTOR

Agora que você conhece bem a estrutura dos elementos e a maneira de transportar a eletricidade, resta
descobrir o método para forçar um elétron de valência a mudar de átomo. Sabe-se que os elétrons possuem
carga negativa (-); portanto, o esforço deve ser feito nesse nível atômico. Em eletricidade constatou-se que
cargas opostas se atraem e cargas idênticas se repelem. Portanto, há atração quando cargas contrárias são
colocadas em presença uma da outra e, repulsão quando elas são idênticas. A atração e a repulsão
das cargas (figura 05) são noções essenciais para a compreensão do fenômeno que é a eletricidade.

Figura 05 Atração e repulsão de cargas iguais e contrarias (MEQ)

O deslocamento dos elétrons de valência não se dá em uma única direção. Na verdade eles se deslocam ao acaso
de um átomo a outro, produzindo um movimento geral da extremidade negativa para a extremidade positiva
do condutor (figura 06). A expressão “corrente elétrica” também designa o deslocamento de elétrons em um
condutor, seguidamente ela é utilizada como sinônimo de “eletricidade”. Também se emprega a designação
“transportador de corrente” para identificar um elétron que passa de um átomo a outro.

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade

elétrons ligados

elétrons livres

Figura 06 Deslocamento dos elétrons no interior de um condutor (Ford)

23
O deslocamento dos elétrons continua sem interrupção enquanto a carga, positiva e negativa, estão presentes
nas extremidades do fio. O número reduzido de elétrons em uma extremidade cria uma atração, pois os átomos
transformados em íons + estão tentando encontrar os elétrons livres. O excesso de elétrons na outra extremi-
dade produz uma força de repulsão, pois esses átomos – agora íons – tentam expulsar os elétrons excedentes.
A figura 07 mostra que o elétron expulso é instantaneamente substituído pela introdução de um novo, vindo
da carga negativa. É graças a esse fenômeno que os fios elétricos não se desgastam jamais.

fio de cobre

carga carga
positiva movimentos dos elétrons negativa

Figura 07 Reação em cadeia no interior de um condutor (Delco-Remy)

O elétron de valência introduzido no condutor não atinge diretamente a outra extremidade. Considere que a sua
velocidade corresponde aproximadamente a de uma pessoa andando normalmente. Em contrapartida, a reação
é instantânea. Isso se explica pelo fato do deslocamento dos elétrons no interior de um condutor produzir uma
reação em cadeia, ou seja, logo que um elétron se introduz em uma extremidade de um condutor, um outro é
expulso na outra extremidade, simultaneamente. A figura 08 facilita a compreensão desse fenômeno. No bilhar,
quando se bate na primeira de uma série de bolas alinhadas a última reage quase que instantaneamente.

Figura 08 Reação em cadeia (Ford)

Em eletricidade a reação se dá a velocidade da luz, ou seja, 300.000 km/s. Por isso não surpreende que alguns
Eletrônica Embarcada

componentes eletrônicos funcionem realizando mais de dezenas de milhares de operações por segundo. Por
exemplo, um motor de oito cilindros girando a 2.000 rpm exige a produção de 132 faíscas por segundo para
funcionar normalmente.

24
O tempo para produzir cada uma dessas faíscas é de apenas 7 ms. Consequentemente, mesmo se o
elétron levar certo tempo para percorrer um circuito, o efeito da eletricidade é praticamente instantâneo,
pouco importando o comprimento do fio.

SENTIDO DE CIRCULAÇÃO DA ELETRICIDADE

Já se sabe que os elétrons (-) são repelidos por uma carga negativa (-) e atraídos por uma carga positiva (+).
Portanto, eles se afastam da carga negativa para se aproximarem da positiva. Essa direção de deslocamento
dos elétrons, do pólo negativo para o positivo se chama sentido real, também chamado sentido eletrônico. En-
tretanto, no setor automotivo todos os fabricantes utilizam o sentido chamado “convencional”. Esse sentido,
estabelecido a partir de antigas pesquisas, convenciona o deslocamento da eletricidade do pólo positivo para o
negativo. Ao longo desse guia, salvo em caso de indicação contrária, utilizaremos o sentido convencional.

Natureza da eletricidade

A experiência seguinte está entre aquelas que levaram os cientistas da época a deduzir que a eletricidade
circulava do borne positivo para o borne negativo. O material necessário para a experiência se resume
aos seguintes elementos: uma bateria de acumuladores, duas chapas de cobre (Cu) e um recipiente de
vidro cheio de uma solução de água e de sal de cozinha (NaCl). As duas placas são imersas na solução,
uma delas ligada ao borne negativo da bateria e a outra ao positivo.

A figura 09 mostra a formação de depósitos sobre a placa de cobre ligada ao borne negativo e uma
degradação da placa positiva. Os pesquisadores da época concluíram que a corrente circulava do borne
positivo para o negativo.

fonte elétrica

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade


placa de cobre placa de cobre

solução salina

sentido
convecional

Figura 09 Sentido convencional da corrente


25
Todavia, pesquisas mais aprofundadas constataram que ao perder um elétron os átomos de cobre (Cu)
se transformam em íons de cobre positivos (Cu+). A condutibilidade em um eletrólito líquido difere
daquela dos elétrons em um condutor. A circulação de partículas carregadas, chamada condução
iônica, acontece até que todos os íons – tenham dado o seu elétron sobrando aos íons +, que estão
em déficit de um elétron para atingir sua estabilidade. Durante essa transformação o íon + (Cu) se
desgruda da placa carregada positivamente para ir buscar um elétron da placa carregada negativa-
mente. Quando os íons = (Cu+) atingem a placa formada de átomos de carga negativa o equilíbrio
se restabelece e os dois átomos se tornam neutros novamente. Logo, os elétrons no circuito externo
viajam do pólo negativo para o pólo positivo, representando o sentido real ou eletrônico.

É importante mencionar que uma reação química desequilibra eletricamente uma bateria de acu-
muladores completamente carregada. Consequentemente o borne positivo apresenta um acumulo
de íons + (mais prótons que elétrons), e o borne negativo um acumulo de íons negativos. Faltando,
portanto, apenas uma ponte, formada pela solução de água e sal, para iniciar a circulação das partículas
carregadas. Portanto, uma bateria descarregada é estável ou equilibrada.

A figura 10 mostra que os átomos de cobre que compõem a placa da esquerda devem ceder um
elétron para se transformar em íons +. O elétron livre se dirige para o borne positivo, que é
repelido pelo borne negativo e atraído pelo positivo da bateria.

fio da esquerda fio da direita

átomo
tornando-se
íon neutro

sentido eletronico real


Figura 10 Sentido real ou eletrônico da corrente (condução iônica)
Eletrônica Embarcada

Simultaneamente, ao ceder um elétron, o átomo passa a ser um íon + de cobre (Cu+), deixa a
placa da esquerda ligada ao borne positivo para ir buscar um elétron na placa da direita ligada

26
ao borne negativo da bateria. Ao tocar a placa da direita o íon + de cobre (Cu+) apanha um
elétron do borne negativo da bateria e volta a ser um átomo neutro de cobre.

Os elétrons movimentam-se do borne negativo para o borne positivo da bateria. Esses elétrons saem da bateria,
pois são atraídos pelos íons + da placa de cobre onde falta um elétron. Os íons + vindos da placa da esquerda
tiveram de ceder um de seus elétrons que foi atraído pela carga positiva do borne positivo da bateria.

pontos-chave

A expressão “Órbita de valência” designa a órbita exterior do átomo;
Os elementos que possuem menos de quatro elétrons de valência são condutores. Elemen tos
que possuem quatro elétrons de valência são semicondutores; os elementos que possuem seis
ou mais elétrons de valência são isolantes;
O átomo é eletricamente neutro (ele possui o mesmo número de prótons e de elé-
trons);
A adição ou retirada de um elétron da órbita de valência desequilibra as cargas de um
átomo;
Os elétrons de certos elementos se desligam facilmente de seu átomo;
A condução iônica é a circulação de partículas carregadas (íons).

Nessa lição aprendemos o método para forçar um elétron de valência a mudar de átomo
em um condutor, também conhecemos o sentido da circulação da eletricidade. Agora
veja no CD-ROM a animação Natureza da eletricidade. Aproveite para testar seus co-
nhecimentos realizando os exercícios de fixação, confira os resultados no final.

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

27
lição 03

MODOS DE PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE

Nas duas primeiras lições você aprendeu que a eletricidade existe em forma latente no interior de todos os
elementos e que basta encontrar uma maneira de deslocar os elétrons para torná-la dinâmica. Conhecemos
diversas maneiras de produzir eletricidade; algumas são mais utilizadas que outras e os fabricantes as adaptam
de acordo com as necessidades específicas. Os principais modos de produção de eletricidade são:

a fricção (tribo-eletricidade, conhecida como “eletricidade estática”);


a pressão (piezo eletricidade);
o calor (termoeletricidade);
a luz (foto eletricidade);
o magnetismo;
a reação química.

Fricção (eletricidade estática)

A eletricidade produzida por fricção é habitualmente designada pela expressão “eletricidade estática”. O atrito
arranca os elétrons de um corpo para transferi-los para outro, o que causa um desequilíbrio. A figura 11 mostra
que os elétrons arrancados do tapete são absorvidos pelo sapato, criando um desequilíbrio negativo. A eletricidade
permanece estática até o momento do reequilíbrio, que acontece quando a pessoa toca um objeto metálico.

os elétrons livres são


absorvidos pelos
sapatos
Eletrônica Embarcada

Figura 11 Eletricidade estática produzida por atrito (Ford)

28
A eletricidade estática não tem nenhuma aplicação útil no setor dos veículos, ela se revela como mais
um inconveniente a eliminar. Os fabricantes tentam eliminá-la para evitar que ela entrave o funciona-
mento de diversos elementos elétricos ou eletrônicos, ou mesmo os destrua. Em certas condições, a
tensão produzida pela eletricidade estática pode atingir 30.000 V. A título de exemplo, escorregar em um
banco coberto de tecido em um ambiente seco produz uma tensão dessa ordem. Essa razão justifica
a prevenção contra a eletricidade estática (figura 12). Devemos eliminar a eletricidade estática antes de
manipular os elementos eletrônicos de um veículo. Os fabricantes recomendam a utilização de brace-
letes antiestáticos durante a manipulação de elementos eletrônicos sensíveis.

Figura 12 Pictograma de advertência contra a eletricidade estática (General Motors)

Pressão (piezo eletricidade)

A piezo eletricidade é um fenômeno elétrico produzido por certos cristais. Esses cristais, como o quartzo, a
turmalina ou o sal de Rochelle, possuem a propriedade de liberar elétrons quando submetidos a uma pressão.

A quantidade de eletricidade produzida, ou seja, de elétrons deslocados, é proporcional a pressão aplicada


sobre os cristais. Quanto mais se pressiona mais se produz eletricidade. O funcionamento da maior parte dos
sensores de “detonação” (acelerômetro) dos modernos motores a gasolina usa esse princípio. O fenômeno
inverso também existe: quando um cristal é submetido a uma tensão elétrica ele vibra em uma freqüência
fixa. Os relógios de quartzo exploram essa propriedade. Os irmãos Pierre e Jean-Jacques Curie descobriram,
em 1881, o princípio do piezo eletricidade. Figura 13.

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade

cristal

Figura 13 Piezo eletricidade (Ford)

29
Calor (termoeletricidade)

A termoeletricidade é a energia elétrica produzida pela conversão direta de energia térmica (calor).
Um condutor elétrico emite elétrons quando levado a temperatura elevada. O nome “Termiônico”
identifica especificamente esse fenômeno. O termopar também produz pequenas quantidades
de eletricidade. Um termopar (figura 14) é constituído de dois fios de metais diferentes, cujas
extremidades são fortemente enroladas. A ação do calor na junção, cria um deslocamento de
elétrons. Conectando os dois fios a um galvanômetro (amperímetro muito preciso), é possível
observar a presença da eletricidade. Foi um sábio alemão, Thomas Seebeck que descobriu o
efeito termoelétrico em 1821.

galvanômetro

Figura 14 Termoeletricidade (Ford)

Luz (foto eletricidade)

A foto eletricidade resulta da transformação da energia luminosa em energia elétrica. Na figura


15 da página 29 mostra que, algumas substâncias, como o selênio, possuem a capacidade de
liberar elétrons quando a luz bate em sua superfície.
Eletrônica Embarcada

30
A montagem formada por duas placas de material translúcido leva habitualmente o nome de célula
fotoelétrica. Foi o físico alemão, Heinrich Hertz, que descobriu o fenômeno fotoelétrico em 1887.

mistura de selênio
ferro
material galvanômetro
translúcido

Figura 15 Foto eletricidade (Ford)

Magnetismo

A indução eletromagnética é o meio mais usual de produzir eletricidade. Ela permite a transmissão, sem con-
tato, de energia elétrica ou magnética, por meio de um condutor sob tensão ou de um imã. Os alternadores de
todos os veículos produzem eletricidade segundo esse princípio. Como mostra a figura 16 os elétrons circulam
no interior de um condutor, quando esse se desloca em um campo magnético. A direção do deslocamento do
condutor influi diretamente no movimento dos elétrons. A direção dos elétrons se inverte quando a ação do
condutor no campo magnético passa de um lado para outro cortando o campo. Um galvanômetro conectado
nas extremidades do condutor indicaria a presença de energia elétrica. A produção de eletricidade por magne-
tismo exige uma fonte de energia mecânica. A energia mecânica é utilizada para deslocar um campo magnético
em torno de um condutor fixo, ou o inverso, um condutor em um campo magnético fixo.

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade


condutor
(induzido)

campo
magnético

circuito
fechado

Figura 16 Produção de eletricidade por magnetismo – condutor móvel em um campo magnético fixo (Ford)

31
Inversamente a situação anterior, a circulação de corrente elétrica em um condutor cria um campo
magnético em volta dele. Para amplificar a intensidade do magnetismo é necessário enrola o condutor
em espirais. O campo magnético de cada espiral se soma ao dos outros. Consequentemente, o aumento
da intensidade da corrente no interior do condutor amplia o campo magnético em torno do condutor,
e em toda a bobina. Como o magnetismo de um imã natural, o eletromagnetismo tem a propriedade
de atrair os metais ferrosos. Esse fenômeno é à base do funcionamento de uma grande gama de aces-
sórios elétricos, principalmente de aparelhos analógicos de medição e de relés.

Em 1820, um sábio dinamarquês, Christian Oersted descobriu o efeito do magnetismo. Na mesma


época, um jovem físico inglês, Michel Faraday continuou as pesquisas e inventou o dínamo.

Reação química

Uma bateria de acumuladores ou uma pilha seca não armazenam eletricidade. Produzem eletricidade
sob demanda através de reação química (figura 17). O que a bateria acumula é a energia potencial das
placas, constituídas de materiais diferentes e de um eletrólito.

As baterias de acumuladores utilizadas nos automóveis são compostas de um certo número de placas
positivas e negativas imersas em uma solução de água e de acido sulfúrico (eletrólito). Mais adiante
veremos qual reação química que acontece no interior de uma bateria de acumuladores.

Foi um italiano, Alessandro Volta, que desenvolveu a chamada pilha de Volta, em torno de 1800. Sua
descoberta, o efeito voltaico, é a conseqüência da transformação de energia química em eletricidade.

borne borne

placa negativa

placa positiva
Eletrônica Embarcada

Figura 17 Fonte de energia química (Ford)

32
TIPOS DE CORRENTE (NÍVEL ELETRÔNICO)

Todos os modos de produção de eletricidade descritos anteriormente deslocam elétrons e, consequen-


temente, produzem corrente. Todavia, a corrente gerada se apresenta de diversas formas. Distinguimos
duas espécies de corrente de acordo com o movimento dado aos elétrons: a corrente continua (c.c.) e a corrente
alternada (c.a.). Em algumas literaturas podemos encontrar o termo “corrente elétrica” como intensidade
elétrica, tema este que veremos mais adiante.

Corrente de elétrons contínua (c.c.)

A corrente contínua resulta de um deslocamento de elétrons que se efetua sempre na mesma direção
e com a mesma tensão no interior do condutor. A bateria de acumuladores de um veículo, uma pilha
e uma célula fotoelétrica produzem corrente contínua (figura 18).

corrente contínua

Figura 18 Gráfico representando a corrente contínua produzida por uma bateria de acumuladores (Ford)

Corrente de elétrons alternada (c.a.)

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade


Como seu nome indica, a corrente alternada provém de um deslocamento de elétrons que se
efetua sucessivamente em uma direção, e depois em outra. Ou seja, os elétrons avançam, param
e retornam ao ponto de partida. A figura 19 da página 34 mostra a representação gráfica de um
ciclo, que corresponde ao intervalo de tempo entre dois pontos sucessivos de mesmo valor e
no mesmo sentido. O número de ciclos por segundo é chamado de freqüência e sua unidade de
medida é o hertz (hz).

33
A eletricidade gerada por alternadores pertence a essa categoria de corrente. Os elétrons do condutor são
submetidos alternadamente ao campo magnético de uma polaridade e depois ao campo magnético de pola-
ridade contrária. As residências da América do Norte, por exemplo, são alimentadas por corrente alternada
de uma freqüência de 60 ciclos/segundo (60 Hz).

1 ciclo

Figura 19 Gráfico representando um ciclo de corrente alternada (General Motors)

Corrente alternada

Pontos-chave

A fricção, a pressão, o calor, a luz, a ação química ou o magnetismo podem arrancar elétrons
dos átomos;
Cargas da mesma natureza se repelem enquanto cargas de naturezas diferentes se atraem;
Os elementos condutores mais empregados são: o cobre, o ferro e o alumínio;
A presença de carga positiva em uma extremidade de um condutor, e a presença de carga
negativa na outra extremidade provocam o deslocamento de elétrons ao longo de todo o fio.
Eletrônica Embarcada

34
Com essa terceira lição concluímos o estudo da nossa primeira aula de Eletroeletrônica
Veicular, veja no seu CD-ROM a animação sobre Corrente alternada e faça os exercícios
de aprendizagem sobre essa lição.

Se você ainda não viu o seu CD-ROM, aproveite agora para olhar as animações dessa
primeira aula (Condutores e Isolantes, Natureza da eletricidade e Corrente alternada)
e, se desejar, faça os exercícios, eles o ajudarão na aprendizagem e serão o seu auxílio
para preencher o questionário que deverá ser entregue na primeira aula prática.

Lembre-se: Qualquer dúvida entre em contato com a monitoria.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Aula 01- Natureza e Propriedade da Eletrecidade


______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________ AULA 02
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

35
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
Eletrônica Embarcada

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

36
LEI DE OHM

Como para todas as outras formas de energia, a utilização prática exige a existência de unidade de
medida. Sem unidades de medida é impossível saber se um aparelho é concebido para funcionar na
tensão da fonte ou se o seu consumo corresponde às especificações. A título de exemplo, é impen-
sável a compra de pilhas para um CD PLAYER portátil sem conhecer a sua tensão.

A compreensão dessas noções se da mais facilmente se pudermos constatar suas interações concretamente.
A interação somente é possível se a eletricidade puder circular em um circuito simples. Nessa aula estuda-
remos em duas lições as unidades de medida, começando pela apresentação de um circuito simples.

AULA 02

37
lição 04

CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES

A circulação da eletricidade somente se produz em um percurso formado pela reunião dos seguintes
elementos: uma fonte de eletricidade, um dispositivo de proteção, um interruptor, uma resistência e um
condutor. Na figura 20 podemos ver que um dos circuitos não possui condutor aparente para completar
o percurso. Na automotiva, os componentes metálicos do chassi ou da carroceria são seguidamente
utilizados como condutores. Essa prática simplifica os circuitos.

Como mostra a figura 20 a polaridade é diferente em cada extremidade dos componentes do circuito. A extremidade
do componente mais próxima do borne positivo (+) da fonte é positiva, e a mais próxima do borne negativo (-)
da fonte é negativa. Todos os elementos do circuito serão apresentados detalhadamente na aula cinco.

A eletricidade é apenas um deslocamento de certo número de elétrons, devido a uma diferença entre as
cargas nas extremidades de um fio. Para facilitar a compreensão do fenômeno da eletricidade, podemos
estabelecer uma analogia com um sistema hidráulico. Em um circuito hidráulico falamos de vazão em
l\min, de pressão em kPa, e de resistência ao escoamento do fluido. Esses três parâmetros existem também
em eletricidade. Evidentemente eles se reportam ao movimento de elétrons e não ao de gotas de fluido. A
palavra “intensidade” corresponde à vazão e não se mede em litros/minuto e sim em elétrons/segundo.

proteção interruptor proteção interruptor


condutor
condutor

fonte resistência fonte resistência

massa

Figura 20 Esquema de um circuito simples


Eletrônica Embarcada

38
INTENSIDADE

A quantidade de elétrons em movimento reflete diretamente a intensidade da corrente circulando


no condutor. Consequentemente, a intensidade se mede contando o número total de elétrons des-
locados. A unidade de medida de base é o Coulomb (C) que corresponde ao deslocamento de 6,28
bilhões de bilhões de elétrons (6,28 x 1018). Portanto, cada vez que essa quantidade de elétrons
passa por um ponto do circuito, a intensidade da corrente nesse ponto é igual a um Coulomb. A
utilidade dessa unidade de medida é limitada, pois ela não leva em consideração o tempo. Para
torná-la mais prática utilizamos o ampère (A), igual a um Coulomb/segundo (1 C/s) figura 21.

fio de cobre

6,28 bilhões de elétrons por


segundo

1 ampère

Figura 21 Representação visual de um ampère (Delco-Remy)

A intensidade será sempre expressa em ampères ao longo desse guia. Embora não seja acon-
selhado, o termo “amperagem” também serve para designar a intensidade da corrente em um
circuito. A letra I é o símbolo utilizado para representar a intensidade expressa em ampères.
Um físico e matemático francês chamado André-Marie Ampère, que viveu de 1775 a 1838, deu
seu nome a essa unidade de medida.

Amperímetro

A intensidade da corrente em um condutor se mede com a ajuda de um aparelho chamado amperímetro. Por
analogia a um sistema hidráulico, podemos comparar o papel de um amperímetro ao de um hidrômetro. Aula 02- Lei de Ohm

39
A figura 22 mostra que um hidrômetro se monta de maneira a permitir que a totalidade do fluido
passe pelo instrumento. A ligação de um hidrômetro exige, portanto, uma ruptura preliminar no
circuito para a inserção do aparelho.

a totalidade do fluído passa pelo


hidrômero

hidrômero

Figura 22 Posição do hidrômetro em um circuito hidráulico

Considerando que a intensidade corresponde à totalidade dos elétrons circulando em um condutor, o am-
perímetro se monta obrigatoriamente de maneira a forçar todos os elétrons a passar por ele. (figura 23). No
vocabulário da eletricidade esse tipo de ligação é chamada ligação em série. A lógica mostra que, montado
dessa maneira, o amperímetro deve oferecer, em principio, uma resistência nula a passagem da corrente. De
outra maneira, o aumento da resistência prejudicaria os resultados ao reduzir o fluxo de elétrons.

proteção interruptor

fonte
resistência

condutor

Figura 23 Posição de um amperímetro em um circuito simples elétrico


Eletrônica Embarcada

Intensidade elétrica

40
Tensão

Sabemos que os elétrons estão presentes em todas as matérias e que basta dispor de um meio de deslocá-los
para produzir eletricidade. Esse meio é a criação de uma diferença entre as cargas aplicadas às extremidades
de um circuito. A diferença entre as cargas, também chamadas: tensão, força eletromotriz ou diferença de
potencial, se exprime sempre em volts (V). O termo “voltagem”, se bem que desaconselhado, serve também
para designar a tensão elétrica. A tensão corresponde à energia potencial, ou seja, a capacidade de fornecer um
trabalho. A título de exemplo: a água acumulada nos reservatórios representados na figura 24 possui o potencial
para movimentar uma turbina, mesmo os registros encontrando-se fechados.

a energia potencial do tanque na


parte superior é maior que na parte
inferior, porque a diferença dos
níveis é importante

turbina

Figura 24 Diferença de energia potencial entre dois reservatórios (Renault)

Uma bateria de acumuladores pode ter um potencial de 12 V entre seus dois bornes, sem que nenhum apare-
lho esteja conectado. Como a água acumulada no reservatório possui o potencial para movimentar a turbina
mesmo se o registro estiver fechado. A bateria possui o potencial para acionar o motor de arranque quando
houver fechamento do contato. Portanto, é possível haver uma tensão sem intensidade enquanto o inverso é
impossível. Consequentemente existe uma tensão elétrica entre dois pontos, cada vez que uma carga positiva se
aplica em um desses pontos, uma carga negativa é aplicada ao outro. Quanto maior for o número de elétrons
no pólo negativo e menor no pólo positivo, maior é a tensão.

A unidade de medida usada para expressar o valor da força eletromotriz (V) é o volt, cujo símbolo é V.

A palavra volt vem do sobrenome de um eminente físico italiano, Alessandro Volta (de quem já falamos
Aula 02- Lei de Ohm

anteriormente). Ele viveu de 1745 a 1827 e foi um dos pioneiros da pesquisa em eletricidade.

41
Voltímetro

O aparelho concebido para medir a tensão é o voltímetro. O resultado mostrado por um voltímetro corresponde
sempre a uma diferença de potencial. Ou seja, se ele indicar 12 V, significa que uma agulha percebe uma tensão de
12 V e a outra uma tensão de 0 V, ou qualquer outra diferença de 12 V, como uma tensão de 24 V em uma agulha
e 12 V na outra. A figura 25 representa a diferença de potencial entre dois pontos de um circuito hidráulico.

a avaliação da energia potencial é realizada comparando as leituras


dos manometros conectados antes e após as torneiras

turbina

Figura 25 Diferença de potencial entre dois pontos de um circuito hidráulico (Renault)

Como em um circuito hidráulico, a medida de diferença de potencial não exige a contagem de todos os
elétrons. É suficiente que as pontas de prova do voltímetro meçam a tensão em dois pontos do circuito
para que o aparelho mostre a diferença. No vocabulário da eletricidade esse tipo de ligação é chamado
de: em paralelo (figura 26). Contrariamente ao amperímetro, a resistência interna do voltímetro deve ser
bastante elevada para evitar desvios de corrente pelo aparelho, o que prejudicaria o valor da leitura.

proteção interruptor

fonte

condutor
Eletrônica Embarcada

Figura 26 Ligação de um voltímetro em um circuito simples

Tensão elétrica

42
Pontos-chave

A presença de uma carga positiva em uma extremidade de um condutor e de uma carga


negativa na outra extremidade provoca o deslocamento ao longo de todo o fio;
O nome “corrente” designa o deslocamento de elétrons em um condutor e sua inten-
sidade se mede em ampères (A);
A diferença de carga entre as extremidades de um condutor é chamada tensão, dife-
rença de potencial ou força eletromotriz (f.e.m.). A unidade de medida da tensão, da
diferença de potencial ou da força eletromotriz é o volt (V).

Como sugestão de estudo veja as animações no CD-ROM referente a lição 04: Inten-
sidade elétrica e Tensão Elétrica e aproveite para realizar os exercícios de fixação.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 02- Lei de Ohm

________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

43
lição 05

RESISTÊNCIA

Até agora o valor da oposição ao deslocamento dos elétrons em um condutor era avaliado em termos de baixa
resistência ou elevada resistência, sem estabelecer com precisão o valor dessa resistência. A resistência se defi-
ne como a propriedade da matéria de se opor ao deslocamento dos elétrons. Novamente a analogia com um
circuito hidráulico facilita a compreensão da resistência elétrica. Imagine, por exemplo, a resistência oferecida
pelo rotor da turbina representada na figura 27. A oposição oferecida pelas pás da turbina à passagem da água
se transforma em trabalho útil. Essa resistência útil se compara àquela oferecida pelo motor do ventilador de
um aquecedor. A resistência contribui diretamente para dosar o volume de água que atravessa a turbina e a
intensidade da corrente no motor elétrico. O volume de água será reduzido proporcionalmente à resistência
oferecida à rotação da turbina. Como em eletricidade, o escoamento da água sem resistência não resulta em
nenhum trabalho útil.

depósito
resistência útil resistência parasita

Figura 27 Efeitos de uma resistência útil e de uma resistência indesejada (Renault)

Além da resistência útil existe a resistência indesejada, também chamada resistência parasita. Como seu nome indica,
essa resistência é um inconveniente a ser eliminado para garantir o bom funcionamento do circuito. Ela se compara
aos depósitos que se acumulam em um ponto do tubo de alimentação da turbina mostrada na figura 27, devido
à corrosão. O volume de água que chega a turbina seria insuficiente para que ela pudesse atingir o rendimento
Eletrônica Embarcada

máximo esperado. Em um circuito elétrico, as conexões ocasionam seguidamente uma resistência indesejada.

A unidade de medida da resistência é o Ohm, e seu símbolo é a letra grega Omega (Ω). Definimos o Ohm como
sendo a resistência que permite a passagem de uma corrente de um ampère sob uma tensão de um volt.

44
George Ohm, um físico alemão que viveu no fim do século XVIII ao começo do século XIX (1787-1854) deu
seu nome à unidade de medida da resistência (ohm).

No ramo da eletricidade a palavra “resistência” toma um significado diferente dependendo do


artigo “a” ou “uma” associado. A resistência corresponde a um valor, por exemplo, 10 Ω. Uma
resistência designa um aparelho ou um elemento que oferece oposição à passagem da eletrici-
dade. Entretanto, é utilizado o termo resistor para designar o elemento resistivo.

A resistência elétrica à matéria depende de três fatores principais:

a natureza da matéria. Por exemplo, o cobre (Cu) é melhor condutor que o silício (Si);
a quantidade de matéria. Quanto mais grosso é o fio mais ele pode liberar elétrons;
a temperatura da matéria. Quanto mais calor liberar a matéria menos ela é condutora. Por exemplo, o
filamento de um farol deixa passar mais corrente no acendimento que no funcionamento continuo.

Ohmímetro

O aparelho utilizado para medir a resistência é o ohmímetro. Contrariamente aos dois aparelhos precedentes,
o ohmímetro somente se liga a um circuito não alimentado. Seu princípio de funcionamento é simples. O
aparelho possui sua própria fonte de eletricidade e força, a sua circulação é realizada entre dois pontos ligados
às pontas de prova. A intensidade medida é convertida em um valor expresso em ohms. Evidentemente a
precisão dos resultados depende da estabilidade da fonte de corrente. Por essa razão alguns ohmímetros pos-
suem um botão de regulagem a zero, permitindo compensar as variações de tensão da fonte. O ohmímetro
se conecta nas extremidades do condutor do qual se deseja conhecer a resistência interna (figura 28)

proteção

interruptor aberto

fonte

condutor
Aula 02- Lei de Ohm

Figura 28 Verificação da resistência

Resistência elétrica

45
LEI DE OHM

Após a apresentação distinta das unidades de medida que são o ampère, o volt e o ohm, você notará
sem dúvida que existe uma relação estreita entre cada um dos parâmetros que elas representam. Assim
que uma corrente elétrica circula em um circuito, a mudança de um parâmetro influencia diretamente no
valor dos outros dois; os três parâmetros são, portanto, interdependentes. Foi o físico alemão, Georges
Ohm que descobriu essa relação em 1828 (figura 29), ele a exprimiu da seguinte maneira:

resistência (R)
intensidade (I)

tensão (V)

tensão (V)
intensidade (I)

resistência (R)

Figura 29 Relação entre a tensão, à intensidade e a resistência

A intensidade da corrente elétrica (I) em um circuito é diretamente proporcional à


tensão (V) e inversamente proporcional à resistência (R).

Essa afirmação se traduz pela fórmula:

I = V
R

A partir dessa fórmula é sempre possível calcular um fator quando se conhece os outros dois. Basta
Eletrônica Embarcada

transformar a fórmula para isolar o fator desconhecido. A transformação da os seguintes resultados:

V
V=IxReR=
I

46
A figura 30 mostra um método mnemotécnico para determinar o valor de um dos parâmetros quando co-
nhecemos os outros dois. Para descobrir a fórmula do elemento que falta da lei de Ohm, basta colocar
o indicador sobre a unidade desejada.

V = Volts (V)
I = Ampères (A)
R = Ohms

R= V V=IxR I= V
I R
Figura 30 Representação mnemotécnica da lei de ohm (Ford)

A lei de Ohm constitui o fundamento da eletricidade. A elaboração de um diagnóstico correto no momento


de reparos de circuitos elétricos se baseia em grande parte na compreensão dessa lei. Assim, é importante
saber que, quando a tensão é elevada a corrente permanece fraca enquanto a resistência do circuito for
elevada. A titulo de exemplo, os circuitos de ignição modernos produzem tensões superiores a 40.000 V.
Em contrapartida, a resistência muito elevada limita a intensidade da corrente a miliampères.

O inverso também é verdade: em uma baixa tensão pode ter correntes elevadas quando a resistência
do circuito é baixa. O motor de arranque de um veículo é um exemplo dessa situação. Em certas
situações ele exige uma corrente superior a 400 A para uma tensão de 12 V. Sua resistência, portanto
é R = V/I, seja 12 V/400 A = 0.032 Ω.

Seguindo esse raciocínio é fácil deduzir que uma resistência infinitamente baixa, logo muito próxima
de 0 Ω, provocará a circulação de uma corrente elétrica infinitamente grande. Imagine uma resistência
de 0,001 Ω submetida a uma tensão de 12 V. A corrente nessa resistência será de: I = V/R, seja, 12
V/0,001 Ω = 12.000 A. Porém, essa progressão tem limites. Por essa razão se fala de curto-circuito
quando a resistência é muito baixa (tornando-se insignificante) e a corrente fora de controle.

Os exemplos precedentes demonstram bem a importância de conhecer a lei de Ohm. Sem esses
conhecimentos, os resultados dados pelos diversos instrumentos não têm nenhuma utilidade.
Aula 02- Lei de Ohm

Eis um problema concreto. A luminosidade de um farol é insuficiente e o voltímetro indica os


seguintes resultados: tensão normal na fonte e tensão muito baixa na entrada do farol.

47
Reportando-se à lei de Ohm podemos determinar que o problema venha de uma resistência muito
elevada devido à presença de uma resistência parasita alojada entre a fonte e o farol (figura 31).

proteção

interruptor
fechado
fonte
farol

condutor

Figura 31 Queda anormal de tensão entre a fonte e o farol

Mesmo a lei de Ohm sendo simples, seu conhecimento é um pré-requisito essencial para a com-
preensão dos circuitos eletrônicos, do mais elementar ao mais complexo. Ela permite a previsão
das reações de um dos parâmetros quando os outros dois variam (figura 32) e a elaboração de
diagnósticos corretos.

Tensão (T) Resistência (R) Intensidade (I)


Aumenta Diminui Aumenta
Aumenta Constante Aumenta
Aumenta Aumenta Constante
Constante Diminui Aumenta
Constante Constante Constante
Constante Aumenta Diminui
Diminui Aumenta Diminui
Diminui Constante Diminui
Diminui Diminui Constante

Figura 32 Relação entre os diversos parâmetros da lei de Ohm


Eletrônica Embarcada

48
POTÊNCIA

Em todos os setores se define a potência como sendo a capacidade de produzir um trabalho em um


tempo dado. A título de exemplo, o trabalho produzido por um motor que desloca um veículo de
1500 kg em uma distância de 0,5 km em 10 s é igual ao de outro motor que desloca o mesmo veículo
em uma distância idêntica em 20 s. Em contrapartida a potência desenvolvida pelo primeiro motor é
duas vezes superior àquela desenvolvida pelo segundo. Em eletricidade é a mesma coisa: a potência
corresponde ao trabalho efetuado em relação ao tempo. A unidade de medida da potência elétrica é o
watt (W) e ele corresponde ao trabalho efetuado por uma diferença de potencial de um V que desloca
uma carga de um Coulomb em um segundo. Sendo que um ampère corresponde a um Coulomb por
segundo, a fórmula da potência da eletricidade se escreve como segue:
Potência (P) em W = tensão (V) em volts X intensidade (I) em ampères, ou seja,

P=VxI

O nome “watt” vem do físico inglês James Watt (1736 - 1819). Um kilowatt (kW) corresponde a 1000
watts, ou seja, um 1 kW. O kilowatt serve principalmente de unidade de medida da potência desenvol-
vida por um motor de consumo moderado.

A figura 33 mostra um meio mnemotécnico para encontrar um fator desconhecido quando se


conhece os dois outros.

Aula 02- Lei de Ohm

Figura 33 Representação mnemotécnica da fórmula de cálculo da potência (Intenational)

49
Watts e HP

No Sistema Internacional de unidades (SI), se exprime a potência dos motores a combustão em watts
(W). Alguns fabricantes de veículos americanos utilizam ainda o horse-power (HP) como unidade de me-
dida de potência de seus motores. As especificações de um motor mencionam, por exemplo, que sua
potência é de 100 HP. A conversão de uma unidade à outra se efetua facilmente, pois um horse-power
(HP) corresponde a 746 watts.

1HP = 746 W
1 kW (1000 W) = 1.34 HP

Lei de ohm

Pontos-chave

Todo condutor opõe certa resistência à passagem da corrente;


A unidade de medida da resistência é o ohm e seu símbolo é a letra grega Omega (Ω).

Muito bem, concluímos o estudo da nossa segunda aula e fechamos a nossa primeira semana de
estudo. Seria interessante você assistir no seu CD-ROM as animações da lição 05: Resistência
Elétrica e Lei de Ohm e já aproveite para realizar os exercícios.Nessa aula tivemos quatro
animações que são: Intensidade Elétrica, Tensão Elétrica, Resistência Elétrica e Lei de Ohm.

Caso você não tenha visto nenhuma animação reserve um tempo agora para você vê-las.
Qualquer dúvida entre em contato com a monitoria.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletrônica Embarcada

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

50
APARELHOS DE MEDIÇÃO E PARÂMETROS ELÉTRICOS

Na aula anterior, você adquiriu conhecimentos gerais sobre eletricidade e unidades de medida utiliza-
das. Aprendeu também a função de cada aparelho de medição e descobriu os motivos que justificam
suas formas de ligações. Essa aula está dividida em três lições e compreende um aprofundamento nas
noções de medição estudando o funcionamento e a manipulação dos aparelhos analógicos e digitais de
medição. O estudo de utilização desses instrumentos se efetuará nos circuitos funcionais.

Nessa aula, você aprenderá o funcionamento e a ligação dos aparelhos de medição analógicos
e conseguirá realizar a interpretação dos resultados.

AULA 03

51
lição 06

Exteriormente, a diferença entre um aparelho analógico e um aparelho digital é observado, sobretudo


no modo de como são mostrados os resultados (figura 34). O aparelho analógico explora a posição de
uma agulha no visor graduado. Se o valor é forte, a posição da agulha no visor é alta, se o valor é fraco, a
agulha indica para baixo. A posição da agulha é, então, similar, ou análoga ao valor medido. Os aparelhos
com visor digital comunicam diretamente, por um número, o valor justo do parâmetro medido.

analógico
digital

Figura 34 Aparelhos analógicos e digitais de medição (General Motors)

Ainda que em desuso, a utilização dos aparelhos analógicos de medição vem a ser a base de
aprendizado da eletricidade. As medidas obtidas, assim como as técnicas de ligação são idênti-
cas à quelas dos aparelhos digitais. Além disso, o funcionamento interno desses instrumentos
facilita a compreensão dos motivos que justificam as diferentes ligações.

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DOS APARELHOS ANALÓGICOS

O funcionamento de todos os aparelhos de medição analógicos com corrente contínua diz respeito sobre
a reação entre campos magnéticos. Como você já sabe, a figura 35 da página 53 mostra que pólos iguais
Eletrônica Embarcada

se repelem e pólos contrários se atraem.

52
O movimento controlado da agulha resulta essencialmente da reação entre um campo magnético constante
e imóvel como também um outro, móvel e variável.

ímã permanente campo magnético mola


variável e móvel

ímã permanente
ímã e eixo permanente campo magnético
contante e permanente

Figura 35 Movimentos causados pela reação entre campos magnéticos (General Motors)

Na realidade, no interior dos aparelhos, há um imã em forma de ferradura que cria o campo magnético
constante e imóvel (figura 36). O campo magnético variável e móvel vem da circulação da corrente no
interior de uma bobina. A bobina móvel, chamada quadro, é constituída de várias voltas de um fio muito
fino ao redor de um tambor. Fios flexíveis ligam a bobina móvel ao circuito interno dos aparelhos. A
importância da corrente na bobina se dá pelo fato de que ela determina diretamente a intensidade do
campo magnético e, por conseqüência, a posição da agulha no mostrador graduado. A título de exem-
plo, se o campo magnético produzido por uma corrente de 0,001A faz a agulha deslocar até o máximo
da escala, teoricamente, uma corrente de 0,0005A colocará a agulha no centro da escala. Na prática, a
corrente necessária para o deslocamento da bobina é habitualmente inferior a 50μA (1 microampère
(μA) que é igual a 1 ampère (A)/ 1000000).

escala graduada

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos

imã em forma bobina


de ferradura móvel

Figura 36 Elementos essenciais de um aparelho analógico (General Motors)

A intensidade de corrente requerida para fazer a agulha deslocar até o limite superior da escala é um critério
importante de avaliação dos instrumentos analógicos. Essa informação encontra-se na ficha descritiva

53
dos aparelhos. Ela é apresentada, por exemplo, na seguinte forma: 18 μA agulha no limite da escala. Um
outro elemento que caracteriza os aparelhos analógicos é a impedância. Expressa em Ohm por Volts (Ω/
V), a impedância dos aparelhos analógicos corresponde ao valor da corrente desviada pelo aparelho para
assegurar seu próprio funcionamento. Exemplificando: um instrumento de uma impedância de 50000
Ω/V (I = V/R → 1/50000 = 0,000 02 A) consome menos corrente que um instrumento de 25000 Ω/V
(I = V/R → 1/25000 = 0,000 04 A). Um instrumento com baixa impedância necessita, então, de uma
corrente relativamente elevada do circuito testado para deslocar sua agulha, comparativamente com um
instrumento com forte impedância.

O conjunto composto de um imã permanente de um quadro móvel e de uma mola em espiral possui o
nome de movimento de Arsonval (figura 37). A posição da agulha e a precisão dos resultados dependem
inteiramente da reação entre os campos magnéticos e a oposição oferecida pela mola. Aparelhos de
qualidade possuem massas de equilíbrio e o quadro gira sobre bases antifricção, quase sempre chamadas
“pedras rubis” idêntico ao movimento dos relógios.

escala graduada

agulha
impulso esquerdo impulso direito da
da agulha agulha
imã permanente
parafuso de regulagem
do ponto zero da gulha
mola
bobina móvel de
núcleo equilíbrio
massos

Figura 37 Componentes de um movimento de Arsonval (General Motors)

Além de se opor ao campo magnético, à mola traz a agulha contra seu batente quando desconectada das
Eletrônica Embarcada

pontas de prova de teste. Com o uso, a tensão da mola pode mudar, os aparelhos possuem normalmente um
parafuso de regulagem no zero da agulha. Como mostra a figura 37, o parafuso de regulagem age diretamente
em uma extremidade da mola, sua rotação permite situar a agulha no zero quando o aparelho está inativo.

54
A direção da corrente na bobina deve respeitar a polaridade prevista, pois a inversão do campo
magnético muda a direção do quadro. A agulha se apóia com força contra seu batente, o que pode
enganar o aparelho. A fim de evitar tais erros, os fabricantes identificam as pontas de prova de teste
com cores convencionais: preto para a ponta de prova negativa, branco ou vermelho para a ponta
de prova positiva. Esse tipo de aparelho é feito somente para medir correntes contínuas (c.c.). Uma
corrente alternada faz desviar a agulha para o alto da escala durante um semiciclo, e para baixo da
escala durante o semiciclo seguinte, a agulha vibra sem indicar valores significativos.

Precisão dos aparelhos de medição analógicos.

Além dos erros de interpretação, outros fatores devidos tanto à qualidade como a manipulação, influenciam
em vários graus a precisão dos resultados. A variação da resistência da bobina do movimento é um exemplo
de fator que aumenta a imprecisão das indicações dos aparelhos. Indicamos normalmente a precisão de
um aparelho em porcentagem do valor máximo da leitura. Um aparelho de qualidade, habitualmente tem
uma taxa de erro na ordem de 2 a 3% para uma medida obtida no terço da escala, essa taxa passa de 5 a
10% em um aparelho de qualidade inferior. Em certos casos, tal margem de erro é intolerável.

Como exemplo, eis os resultados obtidos de um aparelho 0-10 A possuindo uma precisão de 3 % no
deslocamento máximo da agulha, também chamado de plena escala de 10 A ± 0,3 A, sendo 9,7 A
ou 10,3 A. Quando o resultado for 1 A, o valor exato pode ser de 1,3 A ou 0,7 A, o que representa
um erro de 30%, pois a precisão das leituras efetuadas na zona inferior da escala é baixa.

Outros fatores influenciam na precisão dos aparelhos. Eles são normalizados e seu tamanho permite
julgar a qualidade dos mesmos. Esses fatores são os seguintes:

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


a reprodutibilidade, a qual indica a constância da agulha em posicionar-se no mesmo lugar depois de
repetidas medidas de um mesmo valor. Ela varia em função da robustez do movimento e do atrito
entre o pivô, o quadro e as “pedras rubi”;

o coeficiente de temperatura inscrito nos aparelhos, informa a influência da temperatura sobre a


resistência da bobina. Dependendo da escala escolhida, as variações podem ser relevantes;

a posição do aparelho durante sua manipulação, apresenta o risco de influenciar a deflexão (desvio)
da agulha. Para atender as especificações, certos aparelhos devem ser posicionados verticalmente, e
outros horizontalmente.

55
O estudo do principio de funcionamento dos aparelhos analógicos de medição demonstrou que a agulha
reage com a mudança de intensidade da corrente. Todavia, após modificações simples no circuito interno do
aparelho, o movimento de Arsonval serve para medir a intensidade (corrente) em ampères, tensão em volts ou
a resistência em Ohms.

Princípios de funcionamento dos aparelhos analógicos

PONTOS-CHAVE

O funcionamento dos aparelhos de medição analógicos é causado pela a reação entre


campos magnéticos;
O movimento da agulha nos aparelhos analógicos resulta da reação entre um campo mag-
nético constante e imóvel e um campo magnético móvel e variável;
A corrente na bobina do aparelho determina a posição da agulha no visor graduado. A
intensidade da corrente necessária para desviar a agulha até o limite superior do visor é
um critério importante de avaliação dos instrumentos analógicos de medição;
A impedância de um aparelho analógico corresponde a corrente desviada pelo aparelho
para assegurar seu próprio funcionamento;
Os instrumentos analógicos de medições possuem um elemento em comum, o movimento
de Arsonval;
Uma mola espiral traz a agulha contra seu batente quando desconectamos as pontas de
prova de teste;
A direção da corrente na bobina deve respeitar a polaridade prevista, pois a inversão do
campo magnético muda a direção do quadro.

Hoje, na lição 06, estudamos o funcionamento elementar dos aparelhos de medição analógicos.
Para ajudar no seu aprendizado consulte no seu CD-ROM a animação Princípio de funcionamento
dos aparelhos analógicos de medição e faça os exercícios relacionados a essa lição.
Eletrônica Embarcada

Amanhã estudaremos especificamente os aparelhos de medição analógicos. Vamos lá.

56
lição 07

AMPERÍMETRO ANALÓGICO

O amperímetro serve para medir a intensidade total da corrente do circuito ao qual ele está ligado.
A unidade de medida de base é o Ampère. Para facilitar a leitura de valores altos ou baixos, certos
aparelhos possuem escalas graduadas em múltiplos e em submúltiplos desta unidade (figura 38).

Unidade A Ampère
x 1000 kA Kiloampère
÷ 1000 mA Miliampère
÷ 1000 000 μA Microampère

Figura 38 Múltiplos e submúltiplos do ampère

Construção

O principal elemento de um amperímetro analógico é o movimento de Arsonval (conjunto composto de um imã


permanente, de um quadro móvel e de uma mola espiral). Você sabe que a elevada resistência da bobina limita
a corrente com valores inferiores a um miliampère (1 mA). Portanto, é impossível imaginar que a totalidade da
corrente a ser medida passe pela bobina antes de completar o percurso do circuito. A solução passa pela ligação
da bobina às extremidades de um resistor de derivação, também chamado shunt. Um shunt de amperímetro é
um resistor muito preciso ligada em derivação, portanto em paralelo com o quadro. O valor de sua resistência
é fixado de maneira a desviar para o movimento, uma fração determinada da corrente do circuito. As pontas

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


de prova de teste do instrumento estão, então, conectadas às extremidades do shunt. A figura 39 mostra os
essenciais elementos e a ligação interna de um amperímetro simplificado.

shunt
fio conectado a uma fio conectado a uma
ponta de verificação ponta de verificação

Figura 39 Ligação interna de um amperímetro (General Motors)


57
Para ser funcional e oferecer mais precisão, um amperímetro possui várias escalas de leitura. A
título de exemplo, um mesmo amperímetro pode medir sucessivamente uma corrente de 80A,
fornecida por um alternador, em seguida uma corrente de 3,4A, requerida para seu circuito de
excitação. Tal amperímetro permite a leitura em uma escala de 0 a 100A com uma precisão de
±2A, seguido de uma leitura em uma escala de 0 a 10 A com uma precisão de ± 0,1A.

Um amperímetro de qualidade com várias escalas pode medir até miliampères (mA). A figura 2.9
mostra o esquema de ligação interna de um amperímetro com seis escalas. Você pode ver que
um seletor de escala permite dirigir a corrente em direção a um shunt cujo valor é determinado
em função da escala de leitura escolhida. Quanto maior a escala do amperímetro, mais fraca será
a resistência do shunt. Lembre-se que a corrente na bobina do quadro deve continuar a mesma,
independente da escala. A figura 40 mostra que para valores inferiores a 1mA, a totalidade da
corrente passa pela bobina móvel, pois ela suporta essa intensidade.

ponta de
prova (+)

seletor de escala

resistências de
derivação shunts

ponta de
prova (-)

Figura 40 Esquema interno de um amperímetro com seis escalas de leitura


Eletrônica Embarcada

58
Ligação do amperímetro

Como a totalidade da corrente do circuito deve passar pelo aparelho, o amperímetro se conecta
sempre em série. A conexão do amperímetro em série implica no desligamento de no mínimo
um fio do circuito. A ruptura produzida pelo desligamento cria dois pontos nos quais se ligam
as pontas de prova de teste. Um amperímetro ligado em paralelo seria instantaneamente des-
truído, além de provavelmente queimar uma parte do circuito. A figura 41 mostra a maneira de
ligar um amperímetro no circuito a ser analisado.

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


Figura 41 Etapas da ligação em série do amperímetro

Lembre-se que um amperímetro possui uma resistência interna muito fraca e que
em hipótese alguma devemos ligá-lo ao pólo positivo de um lado e a massa de outro,
pois isso equivale a um CURTO CIRCUITO.

59
VOLTÍMETRO ANALÓGICO

O voltímetro serve para medir a diferença de potencial, ou diferença de tensão, entre dois pontos
de um circuito. O valor indicado pela agulha não é uma quantidade, mas sim a diferença entre dois
potenciais. Como mostra a figura 42, com objetivo de facilitar a leitura de tensões baixas ou altas, certos
voltímetros possuem escalas graduadas em submúltiplos e múltiplos de unidade.

Unidade V Volt
x 1000 kV Kilovolt
x 1000 000 MV Megavolt
÷ 1000 mV Millivolt
÷ 1000 000 μV Microvolt

Figura 42 Múltiplos e submúltiplos de unidade de medida de tensão

Construção

O elemento básico do voltímetro é o movimento de Arsonval, que é idêntico àquele do amperímetro e


seu funcionamento é o mesmo. A diferença entre os dois instrumentos vem da substituição do shunt por
um resistor de valor muito elevado. Como mostra à figura 43, o resistor está ligado em série com a bobina,
significando que a corrente que passar pela bobina passa na totalidade pelo resistor.

seletor de
escala

ponta de prova (+) ponta de prova (-)


Eletrônica Embarcada

Figura 43 Esquema do princípio de um voltímetro (General Motors)

60
Como no amperímetro, quando a corrente na bobina atinge valores específicos, próprios de cada apare-
lho, a agulha apóia-se contra o batente superior. Ora, a interpretação precisa de um aparelho analógico
exige que os valores medidos correspondam aos valores deslocados perceptíveis da agulha. Para eliminar
a necessidade de recorrer a três voltímetros (0-5V, 0-10V, 0-15V) e medir com precisão tensões entre 0-
15V, esses aparelhos possuem várias escalas.

Pela lei de Ohm, a intensidade aumenta proporcionalmente à tensão. Conseqüentemente, se o valor máximo
da escala for de 5V e que a tensão passa com 10V, a agulha apoiará contra seu batente. Devemos então achar
um jeito de reduzir esta corrente para medir tensões em uma escala estendida com um nível de precisão
válido. Como mostra à figura 45 da página 62, a solução consiste em inserir resistências cujo valor limite a
intensidade a uma amplitude controlada da agulha. O seletor de escalas direciona a corrente para um resistor
que permita uma deflexão suficiente da agulha para facilitar a interpretação do resultado.

volts volts volts

seletor na posição seletor na posição seletor na posição


0-5V 0-10V 0-15V

Figura 44 Efeitos da mudança de valor da resistência interna (General Motors)

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


Como o amperímetro, para ser prático, o voltímetro deve possuir várias escalas de leitura. Um mesmo
voltímetro poderia então, dependendo da necessidade, medir sucessivamente tensões de 5V, 10V ou
15V. A título de exemplo, em uma medição da tensão entre os terminais de uma bateria, devemos prever
uma leitura superior a 13V, enquanto que a queda de tensão medida entre o terminal + da bateria e o
terminal + de um motor de arranque deveria ser inferior a 0,3V.

Ligação de um Voltímetro

O voltímetro liga-se diretamente ao circuito, sem precisar desligar um condutor. No ramo de eletricidade,
esse tipo de ligação é chamado de ligação em paralelo. O voltímetro sempre indica a diferença de potencial

61
entre sua ponta de prova positiva (+) e sua ponta de prova negativa (-). A figura 46 mostra que a medida
de 12 V mostrada pelo voltímetro nº.1 corresponde à diferença entre a tensão da fonte, 12 V, e a tensão
da massa, 0 V. O voltímetro nº.2 indica 6V, pois a tensão no terminal de entrada da primeira lâmpada é
de 12 V, enquanto que a tensão no terminal de saída é de 6 V, então 12 V – 6 V = 6 V.

O voltímetro mede o que é perdido, portanto medimos a queda de tensão em um circuito. Lembre-se que os
elétrons não desaparecem do condutor, apenas a força que os desloca se esgota ou diminui. A tensão é, então, a
única coisa que se perde em um circuito. Fazendo analogia com a hidráulica, após o preenchimento de uma cal-
deira de água, a pressão que empurrou o líquido do reservatório para a caldeira é perdida, mas não o líquido.

voltímetro nº2

6V

voltímetro nº1

12V

Figura 45 Ligação do voltímetro

OHMÍMETRO ANALÓGICO

O Ohmímetro serve para medir com precisão a resistência de um elemento qualquer. Como
mostra a figura 46, com objetivo de facilitar a leitura de valores importantes, certos aparelhos
possuem escalas graduadas em múltiplos da unidade.

Unidade Ω Ohm
x 1000 kΩ Kilohm
Eletrônica Embarcada

x 1000 000 MΩ Megaohm


Figura 46 Múltiplos da unidade de medida da resistência

62
Construção

Com exceção de poucos detalhes, a construção de ohmímetro é idêntica a do voltímetro e do


amperímetro, sendo que o ohmímetro é um voltímetro graduado em ohms. A principal diferença
provém da presença de uma fonte de eletricidade, constituída de uma ou de várias pilhas secas
no interior do ohmímetro (figura 47).

ohms ohms

resistência
interruptor de a variável interruptor de a
zero fechado zero aberto

corrente da pilha cricular pilha corrente da pilha cricular


na bobina na bobina

Figura 47 Circuito interno de um ohmímetro alimentado e de um não alimentado (General Motors)

Funcionamento

Para compreender o funcionamento de um ohmímetro, devemos nos lembrar das noções de

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


corrente necessária para deslocar a agulha em um movimento de Arsonval até seu limite superior.
Em um ohmímetro, a pilha fornece essa corrente. Se nenhuma resistência obstrui a circulação
da eletricidade no circuito do aparelho quando as pontas de prova de verificação são unidas, a
agulha marca o zero. Na realidade, como mostra a figura 47 da página 64, quando o ohmímetro
indica 0 , a posição da agulha corresponde à tensão da pilha. É a razão pela qual o zero se situa
na posição onde normalmente encontra-se o máximo da escala. A inserção de uma resistência
entre as pontas de prova de teste reduz a intensidade da corrente na bobina. A agulha do aparelho
toma então uma posição no visor que corresponde ao valor da resistência. Quando as pontas
de prova de teste estão separadas, a resistência é máxima, infinitamente grande. A primeira letra
do alfabeto hebreu, Aleph (∞), simboliza este valor, ou seja, infinito.

63
A resistência dos componentes elétricos e eletrônicos varia de uma fração de ohm a vários
milhões de ohms (megaohm). Com objetivo de obter medições precisas, a maioria dos ohmímetros
modernos possuem várias escalas de verificação, dos valores mais elevados até os mais baixos. A mudança
efetua-se por um seletor de escalas. Como mostra a figura 48, cada uma das posições do seletor conecta,
em paralelo , uma resistência de valor diferente daquela a ser medida. Quando o valor da resistência a ser
medida é elevado, o da resistência interna é baixo. Desta maneira, a intensidade da corrente na bobina do
movimento permanece entre os limites previstos para esta medição.

setor de escala
ponta de prova positiva
(branca ou vermelha)

resistência a medir

ponta de prova negativa


(preta)
resistência regulável

Figura 48 Circuito interno de um ohmímetro

O resultado depende diretamente da posição do seletor de escala. O valor da resistência corres-


ponde a um múltiplo do número marcado pela agulha (figura 49). A título de exemplo, quando o
seletor estiver na posição x 1000, e se a agulha indicar o 8, o valor da resistência entre as pontas
de prova de teste vai ser 8000Ω (8 x 1000).

pontas de prova
Eletrônica Embarcada

(regulado a zero)

fio de vela

Figura 49 Ohmímetro típico

64
Ligação do Ohmímetro

Ao contrário do voltímetro e do amperímetro, o ohmímetro não se liga na verdade nem em


série e nem em paralelo aos circuitos. Pelo motivo que ele possui sua própria fonte de tensão,
devemos conectá-lo somente a um elemento não alimentado, para não danificá-lo.

AMPERÍMETRO DE INDUÇÃO

O funcionamento desse tipo de amperímetro (figura 50) se dá pela indução magnética. Você sabe que
o deslocamento de um condutor em um campo magnético gera uma corrente nesse condutor. O fe-
nômeno inverso também existe, a circulação de corrente em um condutor cria um campo magnético
ao redor do mesmo. O tamanho do campo magnético é diretamente ligado à intensidade da corrente
no condutor. Os amperímetros de indução possuem uma pinça amperimétrica, também chamada de
pinça de indução, que envolve o fio do circuito a ser controlado. O sinal obtido pela pinça é tratado
pelo circuito interno do aparelho e transmitido por um visor analógico (figura 51 da página 66). Se a
pinça é submetida a choques, o elemento sensível, ou seja, o circuito eletrônico miniaturizado, corre
grande risco de se deteriorar. Essa pinça possui normalmente uma referência que serve para orientar
segundo o sentido convencional da corrente. Para maior precisão, devemos nos assegurar que a pinça
envolva somente o fio do qual desejamos conhecer a intensidade.

pinça amperimétrica
(pinça de indução)

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos

cabos de alimentação

Figura 50 Amperímetro a indução (Ford)

Além da pinça amperimétrica, esses amperímetros possuem dois fios encarregados de alimentar o circuito do
aparelho. Esses aparelhos normalmente possuem um botão de regulagem a zero, que serve para posicionar
corretamente a agulha considerando o afastamento entre as fontes de alimentação. A regulagem deve ser feita
65
toda vez que o cabo de alimentação for desconectado. Como mostra a figura 51, as graduações do visor são
feitas nas duas direções. Essa disposição oferece, principalmente, a vantagem de mostrar suces-

pinça negativa (-)

pinça positiva (+)

pinça amperimétrica

Figura 51 Conexão de um amperímetro a indução (Chrysler)

sivamente à corrente consumida pelo motor de arranque e a produzida pelo alternador.


Os amperímetros de indução, próprios para o setor automotivo, são fabricados para medir correntes de alta
intensidade, sua precisão é altamente comprometida quando a intensidade é inferior a 10A. Eles têm a
vantagem de eliminar a necessidade de abrir o circuito e de recorrer a fios grossos, quando medições
de correntes elevadas forem efetuadas.

A figura 52 mostra um amperímetro de indução simplificado, basta posicionar sua barra de apoio em um
fio que possua corrente para que ele indique a intensidade. O campo magnético ao redor do condutor
age diretamente na agulha. Este se desloca nos dois sentidos, o que simplifica a utilização do aparelho
eliminando a necessidade de prever a polaridade.

barra de apoio
Eletrônica Embarcada

Figura 52 Amperímetro de indução (Marquette Esquipement Canadá)

66
Mesmo que a precisão deste aparelho seja limitada, ele continua sendo muito útil para diagnosticar
rapidamente problemas nos sistemas de partida ou de bateria. A precisão é bastante reduzida se
ele estiver próximo de um conjunto que gere magnetismo, como um alternador.

Funcionamento do amperímetro por indução

MULTÍMETRO ANALÓGICO

Em vários casos, a inspeção de um circuito elétrico exige a medição da tensão, da intensidade


e da resistência. A necessidade de recorrer a três aparelhos prolonga inutilmente a duração do
trabalho e complica a tarefa. Você já aprendeu que um movimento de Arsonval associado a um
shunt, a uma resistência elevada ou a uma alimentação por uma pilha, criava um amperímetro,
um voltímetro ou um ohmímetro. Esses três aparelhos possuem elementos em comum e outros
que basta selecionar quando necessário para ter um aparelho multifunção chamado multímetro
(figura 53). A sigla VOM (Voltímetro-ohmímetro-milliamperímetro) serve quase sempre para
designar o multímetro analógico.

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos

Figura 53 Multímetro analógico típico (Simpson)

O multímetro é, então, um instrumento com funções múltiplas que serve para medir tensões,
intensidades e resistências. Um único movimento mostra o valor dos três parâmetros através
da mudança de escala (figura 54 da página 68). As resistências em série para medir as tensões,
os shunts para a medição de intensidade e a pilha para medição da resistência, são colocados em

67
funcionamento por um seletor de funcionamento rotativo ou terminais de encaixe situados na
face do instrumento.

escala em ohms

escala em corrente contínua

escala em 2,5V - corrente

escala em ohms

ponto zero do ohmímetro

comutador de bornes seletor de


correntes função

Figura 54 Multímetro analógico típico (Simpson)

A grande possibilidade de escolha da escala oferecida por um multímetro permite situar a agulha
indicadora na parte superior do visor, obtendo uma maior precisão. A título de exemplo, a tensão
de uma bateria de veículo de 12V pode ser lida em qualquer escala entre 15 e 150V. A escala a ser
utilizada neste caso é a de 25V, pois ela fornecerá um resultado a meia escala aproximadamente.
Do mesmo modo que para medir uma tensão de 120V, escolheremos a escala de 150V.

Certos multímetros inferiores não possuem o seletor de escalas. A seleção da escala efetua-se
pela escolha de bornes de encaixe (tipo tomada) correspondente aos valores a serem medidos.
Normalmente, um borne comum (COM) serve para conexão da ponta de provas negativa (-), os
outros são identificados pelas funções e pelas escalas correspondentes. Essa particularidade não
muda em nada o funcionamento e a manipulação do multímetro.

Modo de utilização dos Multímetros

A manipulação dos multímetros exige uma grande atenção. A escolha da função errada (amperímetro
– voltímetro – ohmímetro) ou de uma escala errada pode alterar os resultados, e até mesmo danificar
Eletrônica Embarcada

o aparelho. O sinal de entrada negativo (ponta de prova preta) é normalmente ligado a uma tomada de
encaixe comum (COM). O sinal de entrada positivo provém de uma tomada com as abreviações V-Ω-mA
ou o sinal +. O fio ligado à ponta de prova positiva (+) é normalmente de cor vermelha ou branca.

68
Em vários casos, a medição de intensidades ou tensões elevadas efetua-se entre o borne comum (COM)
e os encaixes reservados especificamente para esses fins. Esses encaixes são necessários, pois o seletor
de escalas não tem a capacidade para suportar correntes dessa ordem. A escolha da escala efetua-se
começando pela mais elevada, uma vez o valor mostrado, devemos selecionar a escala inferior até que
a agulha se movimente para a parte superior da escala, sem exceder o seu final de curso.

Antes de utilizar um novo multímetro, devemos examiná-lo cuidadosamente, a fim de se familiarizar


com os botões e encaixes e, ler com atenção o manual de utilização. Cada utilização de um multímetro
impõe um controle da regulagem do zero da agulha. Se a agulha não indicar o zero, devemos regular
o aparelho segundo as recomendações do fabricante.

Obter medições elétricas

Aplicado aos sistemas elétricos, o verbo “diagnosticar” designa um método sistemático de localização
das prováveis causas. A identificação da origem de um problema elétrico exige a inspeção de tensões,
de intensidades e de resistências. Dependendo dos resultados obtidos, normalmente é possível deduzir
que, logicamente, o problema situa-se em tal lugar e que é devido a uma ou tal causa.

Funcionamento dos aparelhos analógicos

Pontos-Chave

O amperímetro possui uma resistência de derivação, também chamada shunt;


Um shunt de um amperímetro é uma resistência muito precisa ligada em paralelo com o

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


quadro;
O amperímetro é ligado em serie no circuito. Esta conexão exige uma ruptura no lugar onde
vai ser inserido o instrumento;
O funcionamento do amperímetro de indução depende da presença de um campo magnético
ao redor de um condutor;
O Voltímetro mede a diferença de potencial ou de tensões entre dois pontos de um circuito;
Ligamos o voltímetro em paralelo com o elemento do qual desejamos conhecer a tensão;
O Ohmímetro serve para medir a resistência de um elemento qualquer;
A regulagem do zero em um ohmímetro compensa a variação de tensão da pilha;
Ligamos o ohmímetro em cada extremidade do elemento do qual desejamos medir a resistência.

69
Nessa lição vimos uma apresentação geral dos aparelhos de medição analógico, no CD-ROM têm
duas animações referentes à lição 07: Funcionamento do amperímetro por indução e Funcionamentos
dos aparelhos analógicos, elas irão ajudá-lo a entender as particularidades de cada aparelho. E
aproveite para testar seus conhecimentos fazendo os exercícios propostos para essa lição.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
Eletrônica Embarcada

_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

70
lição 08

APARELHOS DE MEDIDAS DIGITAIS

Os aparelhos de medidas digitais substituíram rapidamente os aparelhos analógicos como ferramentas de


diagnósticos. Essa tendência se concretizou tão rapidamente que atualmente é muito difícil adquirir um
aparelho analógico. A manipulação dos aparelhos digitais de medição se parece muito com a dos aparelhos
analógicos. A diferença vem essencialmente da substituição do movimento de Arsonval por um conversor
analógico-digital, e da agulha por um visor digital, conhecido como display.

Como os aparelhos analógicos, os aparelhos digitais medem tensões, intensidades, e resistências. Nesta lição,
você conhecerá e aprenderá a manipular os aparelhos digitais.

O voltímetro foi o primeiro aparelho de medida com indicação digital lançado no mercado. Seu funciona-
mento se baseia em circuitos eletrônicos, o que na verdade é uma invenção relativamente recente.

O principio básico do voltímetro digital consiste na comparação entre a tensão medida e a tensão de referência
própria do instrumento. O resultado é tratado pelo circuito interno do aparelho e indicado por um mostrador
digital. A utilização dos circuitos eletrônicos, necessários nesse processo, permite conceber aparelhos em
que a precisão corresponde a 99,5% do valor indicado. O aumento do número de mostradores, e também
a complexidade interna dos instrumentos, permitem obter uma precisão e uma definição mais elevada.

Os fabricantes não recorrem todos a mesma técnica, porém a mais utilizada é a do conversor analógico-digital
com uma ou duas rampas. Veremos mais adiante a contribuição do conversor com mostradores digitais. A
figura 55 mostra o esquema do princípio de um voltímetro digital típico com tensão contínua. É o modelo

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


mais sensível de todos os aparelhos digitais. O conversor analógico-digital e o mostrador substituem a bobina
móvel e a agulha dos aparelhos analógicos.

seletor de
escala

conversor analógico-
numérico
amplificador

Figura 55 Esquema de princípio de um voltímetro digital

71
MULTÍMETRO DIGITAL

Obtenha um multímetro digital antes de começar a leitura das páginas a seguir. Você poderá seguir
mais facilmente a descrição e identificar diretamente os elementos mencionados no texto.

Apesar de um grande número de fabricantes possuírem uma grande gama de aparelhos, os multímetros
digitais possuem muitos elementos em comum. Os principais são os mostradores, o conversor analó-
gico-digital e o circuito interno. A sigla DVOM (digital voltmeter-ohmmeter-milliammeter) ou DMM
(digital multimeter) serve várias vezes para designar o multímetro digital.

O mostrador serve primeiramente para comunicar os resultados, e conforme o grau de precisão do


aparelho, transmitir diversas informações tais como o estado da pilha ou o símbolo da unidade de me-
dida. Existem vários mostradores que indicam o resultado digital e simulam graficamente (bar graph)
uma indicação analógica (figura 56).

2V contínuos, escala de 4V 2V contínuos, escala de 40V

fixação gráfica

Figura 56 Mostrador digital e gráfico (Fluke)

Existem vários tipos de mostradores. Os mais normais são com diodos eletroluminescentes (LED) e
com cristais líquidos (LCD). Existe também um sistema de mostrador florescente a vácuo. Cada sistema
de mostrador oferece vantagens e desvantagens. A título de exemplo, os cristais líquidos consomem
pouca energia, mas a leitura é difícil de ser feita quando a intensidade luminosa é reduzida.

Para um mostrador, a quantidade de números, normalmente entre 3 ½ e 5 ½, é uma caracterís-


tica importante, ela determina a resolução do aparelho. Os mais comuns são com 3 ½ dígitos
Eletrônica Embarcada

(1999) e com 4 ½ dígitos (19 999).

72
Um mostrador 3 ½ possui três dígitos podendo obter todos os valores de 0 a 9, o “meio” tem somente dois
estados, 1 ou invisível. O limite de um mostrador 3 ½ é de 1999, enquanto que um mostrador 4 ½ é de 19
999 (figura 57). Como conseqüência, quanto mais dígitos tiver um mostrador, maior será sua resolução.

Figura 57 Diferença entre mostradores 3 ½ e 4 ½ (Fluke)

A resolução de um aparelho designa o menor valor que o aparelho pode indicar, e por conse-
qüência, medir. O limite de um mostrador 3 ½ é de 0, 001, enquanto que o de um mostrador 4
½ é de 0,0001. O conhecimento da resolução permite, então, determinar se o mostrador pode,
por exemplo, marcar uma medida tão baixa quanto 1 μV. A título de exemplo, uma régua gra-

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


duada em milímetros oferece uma precisão dez vezes mais elevada que uma outra graduada em
centímetros.

A altura dos números é um outro critério de diferenciação. Ela é de 2,5mm em aparelhos com-
pactos e pode atingir até 25mm em certos modelos.

73
CONVERSOR ANALÓGICO-DIGITAL

Funcionamento

O multímetro digital é essencialmente um voltímetro com mostrador digital dotado de um seletor rota-
tivo de escala e de função. O seletor dirige os dados provenientes das pontas de prova de teste para os
elementos a seguir: resistências para as tensões, shunts para as intensidades e, um circuito para medição
da resistência. O sinal na saída de cada um desses circuitos chega ao amplificador (figura 58).

seletor de escala e de função

atenuador do voltímetro retificador


c.a-c.c
amplificador

atenuador do amperímetro
c.a-c.c

circuito ohmímetro

conversor analógico-digital

Figura 58 Esquema de princípio de um multímetro digital

O amplificador eleva o sinal obtido pelas pontas de prova de teste antes de enviá-lo para o conversor
analógico-digital. A amplificação é necessária, pois a resistência de entrada dos aparelhos digitais é
muito elevada, normalmente superior a 10MΩ.

O sinal amplificado atinge o conversor. Esse transforma os sinais alternativos em sinais contínuos. Sua
presença é necessária, pois vários dispositivos de circuitos nos automóveis geram corrente alternada
cujo valor é impossível de indicar. O conversor constitui normalmente o ponto fraco dos aparelhos
digitais, sua margem de erro pode exceder 0,5%.
Eletrônica Embarcada

O sinal tratado, amplificado e convertido é encaminhado pelo circuito interno do aparelho para o con-
versor analógico-digital. Esse é formado de um comparador e circuitos de contagem; ele transforma
os sinais dos circuitos de entrada em sinais compatíveis com o display digital.

74
Existem dois tipos de conversores analógico-digitais: com uma ou duas rampas. O conversor com uma rampa,
mais inferior, é menos estável do que o com duas rampas. A maioria dos aparelhos digitais possui um conversor
com duas rampas.

O principio de funcionamento de um conversor analógico-digital é relativamente simples. O circuito


eletrônico do conversor carrega um capacitor com uma corrente de valor contínuo e constante. O
capacitor é um elemento eletrônico capaz de acumular uma quantia dada de eletricidade. A corrente
de carga do capacitor é diretamente proporcional à tensão a ser medida. O circuito do conversor
utiliza um temporizador digital para medir com precisão o tempo requerido para carregar o ca-
pacitor. A duração da recarga, proporcional ao valor da corrente, é convertida por uma unidade
de contagem e então exibida por um display digital. Esse circuito transforma, então, um valor do
tempo em corrente, uma mudança de corrente modifica a duração de recarga do capacitor.

SELEÇÃO DAS FUNÇÕES E DAS ESCALAS

Todos os multímetros possuem um seletor de função manual que permite escolher a medição de
uma tensão, intensidade ou resistência. Normalmente, para facilitar a distinção entre as funções,
cada uma delas é representada por uma cor própria. A título de exemplo, as graduações das
escalas de tensão podem ser de cor branca, e as da resistência azul. Além disso, com objetivo
de evitar erros de conexão, o mesmo código de cor aplica-se aos bornes de conexão dos fios
das pontas de teste. Fora as três funções básicas, a maioria dos multímetros digitais possuem
funções como: a verificação de diodos, verificação de transistores, medição da freqüência, da
capacidade dos capacitores, inspeção do nível lógico (TTL) ou da continuidade de um circuito.
Certos multímetros digitais são fabricados mais especificamente para o setor de reparação de
automóveis. Eles possuem funções como a inspeção do regime do motor ou a indicação do

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


coeficiente de utilização (duty cycle).

Se a escolha das funções efetua-se manualmente para todos os multímetros digitais, a seleção de escala
pode ser manual ou automática. Você sabe que a palavra “escala” designa a extensão entre o valor
mais baixo e o valor mais elevado que pode ser indicado por uma posição do seletor. Somente o limite
superior da escala figura nas graduações dos seletores dos multímetros digitais.

A seleção automática tem a vantagem de sempre explorar a escala oferecendo uma grande pre-
cisão. Como mostra a figura 59 da página 72, a mudança de escala automática também reduz o
número de posições do seletor. Esse modo de seleção exige uma atenção particular no momento

75
da interpretação de resultados. A posição do ponto e o máximo da escala, mostrada em pequenos
caracteres, se tornam seguidamente às únicas referências que permitem interpretar o valor obtido.

Figura 59 Multímetro digital com mudança de escala manual e automático (OTC e Fluke)

Certos multímetros com mudança de escala automática emitem um bip no momento da troca de escala.
Também existem multímetros que oferecem a possibilidade de anular a troca automática de escala. Essa
característica é útil quando importantes variações causam continuas mudanças de escalas.

Quanto ao seletor manual, ele possui uma posição para cada escala de cada uma das funções. Por isso,
a função voltímetro pode sozinha possuir, por exemplo, cinco posições: 200mV, 2, 20, 200, 1000V.

Os multímetros digitais possuem normalmente um aviso de mudança de escala ou overload. Depen-


dendo do aparelho, o aviso da mudança é feito pela aparição de um código (figura 60), um número ou
o mostrador ascende de forma intermitente ou ás vezes um sinal sonoro.

Figura 60 Sinal da mudança de escala típico (Fluke)

As escolhas da função e da escala sempre vão juntas na hora da conexão dos fios das pontas de teste
aos bornes adequados. Os multímetros digitais normalmente possuem três ou quatro bornes. O bor-
ne identificado pela abreviação COM (comum) sempre recebe o fio da ponta de teste negativa (-). A
Eletrônica Embarcada

medição de uma elevada intensidade, às vezes até 20A, possui uma ligação especifica. Utilizamos um
pino distinto a fim de evitar a passagem de uma grande corrente pelo seletor, que deveria, nesse caso,
ser mais robusto. Os outros dois bornes servem para medir a tensão, a intensidade em miliamperes e a
resistência, ou a tensão e a resistência. Normalmente, os bornes que servem para medir a intensidade
(mA e A) são protegidos contra superaquecimento por fusíveis no interior do aparelho.
76
A ligação das pontas de teste efetua-se respeitando a polaridade; a seleção da polaridade das correntes
contínuas deve ser feita manualmente nos aparelhos mais inferiores. Os multímetros de médios e altos
preços possuem um dispositivo automático que indica a polaridade do sinal medido. Certos multímetros
indicam os sinais + e -, outros indicam somente os valores negativos.

A maioria dos multímetros digitais oferece a função “continuidade”. Quando essa função é escolhida, o aparelho
emite um sinal sonoro, quando a resistência do circuito verificado é inferior a um certo valor, normalmente
entre 30 e 40Ω. O sinal sonoro permite efetuar verificações sem ter que ficar olhando o display.

A figura 61 mostra um multímetro com mudança automática de escala, assim como os símbolos
adotados pela maioria dos fabricantes, identificando as diversas funções. Essa figura também mostra
as inúmeras outras possibilidades oferecidas por esse multímetro digital, essas serão apresentadas e
exploradas gradualmente ao decorrer deste guia.

seletor de função

borne A (intensidade) visualizador numérico


borne volts/ohms diodos (tensão,
resistência e verificação de diodos)
borne mA, uA
(intensidade) borne COM (comum)

Aula 03 - Aparelho de Medição e Parâmetros Elétricos


Figura 61 Multímetro digital com mudança automática de escala (Fluke)

Impedância dos aparelhos digitais

A impedância de entrada (imput impedance) de um aparelho digital difere totalmente daquela de um


aparelho analógico; ela corresponde diretamente à resistência medida entre as duas agulhas de teste.
Pela lei de Ohm, quanto mais elevado for este valor, menos importante será à influência do aparelho
no circuito verificado.

77
Pontos-Chave

Os aparelhos de medidas digitais substituíram rapidamente os aparelhos analógicos como


ferramentas de diagnósticos;
O principio básico do voltímetro digital consiste na comparação entre a tensão medida e a
tensão de referência própria do instrumento;
A resolução de um aparelho designa o menor valor que o aparelho pode indicar, e
por conseqüência, medir;
O multímetro digital é essencialmente um voltímetro com mostrador digital dotado de
um seletor rotativo de escala e de função;
Todos os multímetros possuem um seletor de função manual que permite escolher
a medição de uma tensão, intensidade ou resistência;
A ligação das pontas de teste efetua-se respeitando a polaridade; a seleção da polaridade
das correntes contínuas deve ser feita manualmente nos aparelhos mais inferiores.

Finalizamos o estudo da aula 03. Para melhor aproveitamento do seu aprendizado faça os exercícios
no CD-ROM. Se você não viu as animações dessa aula e não fez os exercícios sugeridos, dedique
um tempo para fazê-lo, pois será importante para a construção do seu conhecimento.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletrônica Embarcada

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

78
Tipos de circuitos elétricos

Os conhecimentos obtidos nas aulas anteriores facilitarão a compreensão dos circuitos em série, em
paralelo e misto. Aprendemos a ligar circuitos simples, formados de uma única resistência. Para serem
funcionais, os circuitos elétricos dispõem seguidamente de duas resistências ou mais, ligadas de diversas
maneiras.

Nessa aula, divida em três lições, vamos analisar a reação da eletricidade em diversos tipos de ligações.
Aprendendo também a calcular e a medir os diversos parâmetros de circuitos ligados em série (lição 09),
em paralelo (lição 10) e misto (lição 11).

AULA 04

79
lição 09

CIRCUITO EM SÉRIE

Como seu nome indica os elementos de um circuito em série são montados uns após os outros, estando
à extremidade de um ligado à extremidade do seguinte. Consequentemente, esse tipo de circuito oferece
apenas uma passagem para a eletricidade.

O modo de ligação influência nos valores da resistência, da intensidade, da tensão e da potência. Veja
como se comportam esses parâmetros em um circuito em série.

Resistência

A resistência total, (Rt) de um circuito em série é sempre igual à soma de todas as resistências e se
exprime pela seguinte fórmula:

Rt = R1 + R2 + R3... + Rn

A aplicação dessa fórmula no circuito em série da figura 62 da o seguinte resultado:

Rt = 2 Ω + 3 Ω + 5 Ω = 10 Ω

proteção interruptor R1= 2 Ω

fonte
R2= 3 Ω
Eletroeletrônica Veicular

condutor
R3= 5 Ω

Figura 62 Exemplo de um circuito formado por três resistências ligadas em série

80
Esse resultado é facilmente previsível, pois consideramos a resistência do condutor como sendo nula.
O circuito toma a forma do circuito da figura 63. O resultado é o mesmo como se as três resistências
estivessem com suas extremidades soldadas, umas às outras.

proteção interruptor R1= 2 Ω R2= 3 Ω R3= 5 Ω

fonte

condutor

Figura 63 Resistência total de um circuito em série

Intensidade

A leitura do diagrama de um circuito em série mostra que ele só tem uma passagem para a circulação
da corrente, os elétrons devem obrigatoriamente atravessar todos os elementos do circuito para voltar
à fonte. Sabendo que a quantidade de elétrons deslocados corresponde a intensidade, podemos deduzir
que a intensidade total (It) de um circuito em série é idêntica aquela de cada um de seus elementos e
se exprime pela seguinte fórmula:

It = I1 = I2 =I3 …= In

A aplicação da lei de Ohm no circuito da figura 64, página 80, da o seguinte resultado:

Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos


Vt 10 V
= =1A
Rt 10 Ω

81
A intensidade da corrente de cada uma das resistências também é, portanto, 1 A. Consequentemente
o cálculo da intensidade de um dos elementos do circuito exige o conhecimento da resistência total.

A ordem de ligação das resistências não tem nenhuma influência na intensidade. Por exemplo, a inten-
sidade no circuito da figura 64 continua sendo 1 A, mesmo se R1 = 5Ω e R3 = 2 Ω.

proteção interruptor R1= 2 Ω

I1= 1 A
R2= 3 Ω
10 V
I2= 1 A

R3= 5 Ω
condutor
It = Vt/Rt I3= 1 A
It = 10 V/10 Ω = 1 A
It = I1 = I2 = I3
I1 = 1 A
I2 = 1 A
I3 = 1 A

Figura 64 Valor da intensidade em um circuito em série

Tensão

A lei de Ohm dita que a circulação da corrente em uma resistência ocasiona uma queda de tensão (V)
igual a I x R. A tensão nos bornes de cada um dos elementos do circuito em série, ou seja, a queda
de tensão em cada um desses elementos é diretamente proporcional ao valor da resistência (R) pois a
intensidade (I) é sempre a mesma (figura 65 da página 83). A tensão (V) em cada um dos elementos
de um circuito em série se exprime assim:

V1 = R1 x I1, V2 = R2 x I2, V3 = R3 x I3... Vn = Rn x In


Eletroeletrônica Veicular

82
A soma das quedas de tensão em cada um dos elementos é igual à tensão da fonte:

Vt = Rt x I t

Em função dessa afirmativa, é possível concluir que:

Vt = V1 + V2 + V3... + Vn

proteção interruptor R1= 2 Ω

I1= 1 A
V1 = 2 V R2= 3 Ω
I2= 1 A
V2 = 3 V
R3= 5 Ω

I3= 1 A
Vt = It x Rt V3 = 5 V
Vt = 1 A x 10 Ω = 10 V
V1 = I1 x R1 → 1 A x 2 Ω = 2 V
V2 = I2 x R2 → 1 A x 3 Ω = 3 V
V3 = I3 x R3 → 1 A x 5 Ω = 5 V

Figura 65 Valor da tensão em um circuito em série

Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

83
Polaridade das quedas de tensão

Sabemos que a circulação de corrente somente acontece em função de diferença de potencial entre
as extremidades de um elemento. Em um circuito em série isso implica em polaridade inversa entre
a entrada e a saída dos elementos. Ou seja, a extremidade mais próxima do borne positivo da fonte é
positiva e a mais próxima da negativa é negativa. Essa noção de polaridade é particularmente importante
no momento da ligação de um voltímetro ou de um amperímetro em um circuito em série. A figura 66
mostra que a polaridade do amperímetro corresponde àquela de uma resistência no circuito.

proteção interruptor R1= 2 Ω

I1= 1 A
V1 = 2 V R2= 3 Ω
10 V I2= 1 A
V2 = 3 V
R3= 5 Ω
condutor

I3= 1 A
V3 = 5 V

Figura 66 Polaridade das quedas de tensão em um circuito em série

Potência

A fórmula utilizada para determinar a potência (P = V x I) se aplica integralmente ao circuito e a cada


um dos elementos do circuito ligado em série (figura 67 da página 85). A potência (P) expressa em
watts, dissipada em cada um dos elementos do circuito em série se exprime assim:

P1 = V1 x I1, P2 = V2 x I2, P3 = V3 x I3...


Eletroeletrônica Veicular

Pn = Vn x In

84
A soma das potências dissipadas em cada um dos elementos é igual à potência total do circuito:

Pt = P1 + P2 + P3... + Pn

proteção interruptor R1= 2 Ω

I1= 1 A
V1 = 2 V R2= 3 Ω
10 V P1 = 2 W
I2= 1 A
V2 = 3 V
R3= 5 Ω
condutor P2 = 3W
I3= 1 A
V3 = 5 V
P3 = 5 W

Figura 67 Valor da potência em um circuito em série

Conseqüência de uma ruptura em um circuito em série

Como a corrente circula sucessivamente em cada um dos elementos do circuito, a ruptura de qualquer elemento
interrompe toda a circulação de eletricidade (figura 68). A título de exemplo: quando uma lâmpada de jogo de luzes
de árvore de natal ligada em série queima, todas as outras se apagam, mesmo estando em perfeito estado.

proteção interruptor R1= 2 Ω

Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos


10 V R2= 3 Ω

R3= 5 Ω
condutor
ruptura de circuito

Figura 68 Conseqüência da ruptura de um dos elementos de um circuito em série

Lei de ohm nos circuitos em série

85
Pontos-chave

A resistência total (Rt) de circuito em série é igual à soma de todas as resistências;


A resistência total (Rt) de um circuito em série se exprime pela seguinte fórmula:
Rt = R1 + R2 + R3... Rn;

A intensidade total (It) de um circuito em série se exprime pela seguinte fórmula:


It = I1 = I2 = I3... In;

A tensão (V) em cada um dos elementos de um circuito em série se exprime:


V1 = R1 x I1, V2 = R2 x I2, V3 = R3 x I3,... Vn = Rn x In;

A potencia (P) se exprime em watts, dissipada em cada um dos elementos de um


circuito em série se exprime:
P1 = V1 x I1, P2 = V2 x I2, P3 = V3 x I3,... Pn = Vn x In ;

A ruptura de qualquer elemento de um circuito ligado em série interrompe toda cir-


culação de eletricidade.

Nessa lição aprendemos sobre o circuito em série, veja no CD-ROM a animação Lei de
Ohm no circuito em série, e na sequência realize os exercícios dessa aula.







Eletroeletrônica Veicular

86
lição 10

CIRCUITO EM PARALELO

Os elementos de um circuito em paralelo são montados uns independentes dos outros. Uma extremi-
dade do elemento é ligada ao borne positivo (+) do circuito, e outra ao negativo (-) (figura 69). Cada
elemento do circuito constitui um ramal autônomo, totalmente independente dos outros.

O tipo de ligação influencia os valores da tensão, da intensidade, da resistência e da potência. Eis como
se comportam esses parâmetros em um circuito paralelo:

proteção interruptor

fonte
R1 R2 R3
condutor

R1

R2

R3
fonte
condutor

Figura 69 Circuitos formados de três resistências ligadas em paralelo

Tensão Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

A tensão aplicada a cada um dos ramais do circuito em paralelo é idêntica à da fonte (Vt), não impor-
tando o número e o valor das resistências. A tensão em cada um dos ramais de um circuito em paralelo
se exprime, portanto, pela seguinte fórmula:

Vt = V1 = V2 = V3... = Vn

87
A figura 70 mostra uma maneira diferente de ligar três resistências em paralelo. Essa disposição cria
três circuitos independentes. A substituição do condutor único do circuito anterior por três condutores
não modifica em nada o valor da tensão e da intensidade em cada um dos ramais.

proteção interruptor

fonte R1 R2 R3

Figura 70 Circuitos independentes

Intensidade

Como o circuito em paralelo oferece uma passagem independente para a corrente de cada um dos
ramais, a corrente que circula por eles depende diretamente do valor da resistência. Cada ramal do cir-
cuito se comporta como se fosse um circuito simples. A intensidade em cada um dos ramais se calcula,
portanto, pela lei de Ohm (I = V/R), sendo:

V1 V2 I3 V3
I1
= = I2
= = = ... = Vn
R1 R2 R3 Rn

Se a intensidade da cada um dos ramais é independente à dos outros, a intensidade total é igual à soma das inten-
sidades de todos os ramais. A intensidade total de um circuito em paralelo se exprime pela seguinte fórmula:

It = I1 + I2 + I 3... + I n
Eletroeletrônica Veicular

88
A lei de Ohm diz que I = V/R, consequentemente a intensidade total do circuito que aparece na figura 71,
é igual a 12V/2Ω + 12V/4Ω + 12V/6Ω = 11A.

Portanto, a intensidade do segmento do circuito situada entre a extremidade positiva da fonte e o en-
troncamento R1 é de 11A; A intensidade total do circuito circula nessa porção. 6A passam por R1, o
que deixa 5A circulando no segmento situado entre R1 e R2. Desses 5A três passam por R2, o condutor
entre R2 e R3 transporta, portanto, 2A. O reagrupamento se efetua na saída das resistências e a quan-
tidade de elétrons correspondente a 11A e retorna à fonte. É importante ter sempre em mente que os
elétrons não se perdem, em um circuito elétrico somente a tensão se dissipa.

proteção interruptor

5A 2A
It = 11 A
R1 = 2 Ω R2 = 4 Ω R3 = 6 Ω
V1 = 12 A
I1 = 6 A I2 = 3 A I3 = 2 A
It = 11 A condutor 5A 2A

Figura 71 Valor da intensidade em um circuito paralelo

Resistência

A resistência total de um circuito paralelo é sempre inferior a mais baixa de todas as resistências desse
circuito. Mesmo que essa afirmativa possa parecer estranha, numa primeira abordagem, ela é verdadeira.
Novamente a analogia com a hidráulica facilita a compreensão. Antes de começar a explicar é bom
lembrar que a resistência se opõe a circulação, quanto maior ela for menor será a circulação.

Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

89
A figura 72 representa essa situação. Se fizermos três furos de diâmetros diferentes no fundo de um
balde cheio de água, é lógico pensar que os quatro furos juntos deixam passar mais água que o maior
dos furos sozinho. Da mesma maneira é lógico dizer que circularão mais elétrons através do conjunto
de resistências que pela resistência mais fraca e sozinha.

quanto mais largo o buraco,


mais a água escapa do balde.

Figura 72 Efeitos do número de orifícios na resistência ao escoamento

Continuando o raciocínio, a resistência total ao escoamento é sempre menor que a resistência oferecida
pelo maior dos orifícios. Ou seja, quanto menor o orifício, mais difícil o escoamento. Logo, a resistência
ao escoamento aumenta com a diminuição do diâmetro do orifício.

O apelo à noção de condutância é, provavelmente, o meio mais simples para explicar o cálculo da
resistência total de um circuito em paralelo com mais de duas resistências. A condutância é o inverso
da resistência e se exprime em ohms, ou seja, o inverso de “ohms”. Você sabe que a resistência é a
oposição à circulação de elétrons, a condutância é o inverso, ou seja, equivale a 1 sobre a resistência.
Consequentemente uma resistência de 4 Ω corresponde a uma condutância de ¼ ohm,. A fórmula
para o cálculo da resistência interna se enuncia como segue:
Eletroeletrônica Veicular

Rt 1
=
1 1 1 ... 1
+ + +
R1 R2 R3 Rn

90
A título de exemplo, eis o cálculo da resistência total do circuito paralelo da figura 73 formado pelas
seguintes resistências:

R1 = 2 Ω, R2 = 4 Ω e R3 = 6 Ω

R 1 = 1
1 1 1
+ +
2 4 6

R1 = 1 1 12
= = = 1,0909 Ω
6+3+2 11 11
12 12

proteção interruptor

5A 2A
I1= 11 A
R1= 2 Ω R2= 4 Ω R3= 6 Ω
V1= 12 A
I1= 6 A I2= 3 A I3= 2 A

I1= 11 A condutor 5A 2A

Rt = Vt 12 V =1,0909 Ω
=
It 11 A

Figura 73 Resistência total em um circuito paralelo

Lembrem que a resistência total em um circuito em paralelo é sempre inferior à mais fraca das resistên-
Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos
cias do circuito.

A utilização de frações decimais facilita os cálculos efetuados com calculadora.

91
Para o cálculo da resistência da figura 73 é desnecessário o uso de calculadora quando conhecemos
Vt e It, bastando aplicar a lei de Ohm: Rt = Vt / It. Em alguns outros casos também é possível simpli-
ficar o cálculo adotando fórmulas simples. É o caso dos circuitos paralelos formados de apenas duas
resistências ou de resistências de mesmo valor (figura 74).

a) Circuito com duas resistências

Vt= 12 A R1= 4 Ω R2= 6 Ω

R1 x R2
Rt= R + R
1 2
(4 x 6) Ω 24 Ω
Rt = = = 2,4 Ω
4 Ω + 6 Ω 10 Ω
b) Circuitos com resistências idênticas

Vt= 12 A R1= 6 Ω R2= 6 Ω R3= 6 Ω

valor de um resistências
Rt =
número de resistências
6Ω
Rt = =2 Ω
3

Figura 74 Resistência total nos circuitos de duas resistências e de resistências idênticas

A primeira fórmula serve também se o circuito possui mais de duas resistências, basta tratar as resistên-
cias de duas em duas. A título de exemplo: a aplicação dessa fórmula no circuito da figura 73 da página
91, em primeira instância, um valor de 1,33 como resistência equivalente para R1 e R2.
Eletroeletrônica Veicular

(2 x 4) Ω
Req (1-2) = = 1,33 Ω
2Ω+4Ω

92
A combinação dessa resistência equivalente Req(1-2) com R3 dá como resistência total do circuito:

(1,33 x 6) / (1,33 + 6) = 1,0909 Ω

O conhecimento dessas duas fórmulas não desobriga do uso da fórmula geral. Fora a duração dos
cálculos, os resultados são os mesmos.

Polaridade das quedas de tensão em um circuito paralelo

Em um circuito paralelo, a polaridade de entrada e de saída é a mesma em cada um dos ramais. A


extremidade do ramal mais próxima do borne positivo da fonte é positiva e a mais próxima do borne
negativo é negativa. Essa noção de polaridade é particularmente importante quando da ligação de um
voltímetro ou de um amperímetro em um circuito em paralelo. A figura 76 mostra que a polaridade do
amperímetro corresponde àquela de uma resistência no circuito.

Vt= 12 V R1= 6 Ω R2= 6 Ω R3= 6 Ω

Figura 75 Polaridade das quedas de tensão em um circuito em paralelo Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

93
Potência

A fórmula utilizada para determinar a potência (P = V x I) se aplica integralmente ao circuito ligado


em paralelo e a cada um de seus ramais. A potência (P), medida em watts, dissipada em cada um dos
ramais do circuito em paralelo se exprime, portanto, assim:

P1 = V1 x I1, P2 = V2 x I2, P3 = V3 x I3... Pn = Vn x In

A soma das potências dissipada em cada um dos ramais é igual à potência total do circuito (figura 76):

Pt = Vt x It

proteção interruptor

5A 2A
It = 11 A
R1 = 2 Ω R2 = 4 Ω R3 = 6 Ω
V1 = 12 A
I1 = 6 A I2 = 3 A I3 = 2 A
It = 11 A
condutor 5A 2A

Pt = Vt x It
Pt = 12 V x 11 A = 132 W
P1 = V1 x I1 → 12 V x 6 A = 72 W
P2 = V2 x I2 → 12 V x 3 A = 36 W
P3 = V3 x I3 → 12 V x 2 A = 24 W

Figura 76 Valor da potência em um circuito paralelo


Eletroeletrônica Veicular

94
Conseqüência de uma ruptura em um circuito em paralelo

Como a corrente circula independentemente em cada um dos ramais do circuito, a ruptura de um


elemento qualquer interrompe a circulação apenas nesse ramal (figura 77). A título de exemplo, a
queima de uma lâmpada de um jogo de luzes de natal ligadas em paralelo atinge somente essa lâm-
pada, todas as outras permanecem acesas.

proteção interruptor

It= 8 A
R1= 2 Ω R2= R3= 6
Vt= 12 V
I1= 6 A I2= 0 A T3= 2 A

I1= 8 A condutor

Figura 77 Conseqüência da ruptura de um elemento em um circuito em paralelo

Circuito em paralelo

Pontos-chave

Num circuito em paralelo a resistência total é inferior a menor resistência do circuito;


A tensão de cada um dos ramais de um circuito em paralelo é a mesma que a da fonte;
A intensidade de cada uma das resistências de um circuito em paralelo corresponde a V/R;
A intensidade total de um circuito em paralelo é igual à soma das intensidades de cada
um dos ramais: It= I1 + I2 + I3... In; Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

A soma das potências dissipadas em cada um dos ramais de um circuito em paralelo


é igual a potência total do circuito: Pt = Vt x It.

95
Você acabou de estudar os circuitos em paralelo. C omo sugestão de estudo acompanhe
no seu CD-ROM a animação Circuito em paralelo e já aproveite para fazer os exercícios
da lição 10. Vamos lá !



























Eletroeletrônica Veicular

96
lição 11

CIRCUITO MISTO

O circuito misto é composto de uma combinação de ligações em série e em paralelo no interior do


mesmo circuito. A expressão “série-paralelo” também é utilizada para designar esses circuitos. Essa
disposição permite, por exemplo, fazer uma corrente de mesma intensidade circular em elementos
ligados em série e submeter os elementos ligados em paralelo a uma tensão idêntica.

R1 = 4 Ω
I1 ?
I2 ?
I3 ?
R2 =3 Ω R3 = 6 Ω
V1 ?
V2 ?
V3 ?

Figura 78 Circuito misto formado de três resistências

As reações da corrente elétrica através de cada tipo de ligação permanecem idênticas às descritas
anteriormente. O que muda é o método para encontrar os parâmetros desconhecidos. As fórmulas
utilizadas também são as mesmas. O segredo do sucesso para a resolução desse tipo de problema reside
no respeito de um procedimento preciso.

A observação da figura 78 demonstra a impossibilidade de conhecer diretamente as intensidades e as


tensões do circuito. O cálculo dos parâmetros dos circuitos mistos passa pelas seguintes etapas:
Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

substituição das resistências em paralelo por resistência equivalente;


desenho de resistência equivalente;
soma de todas as resistências;
cálculo das quedas de tensão na ou nas resistências equivalentes e as outras resistências do circuito;
cálculo da intensidade nas resistências iniciais.

97
Para facilitar a compreensão desse método de cálculo, aplicamos essas etapas no circuito da figura 78
da página 97. A primeira etapa consiste em encontrar a resistência equivalente de R2 e R3. Para evitar
confusão, essa resistência será identificada por Réq(2-3).

A aplicação da fórmula dá o seguinte resultado:

R 2 x R 3 (3 x 6) Ω
= = 2Ω
R2+R3 3Ω+6Ω

A segunda etapa consiste em traçar o circuito temporário que aparece na figura 79. Quando o circuito
misto dispõe de mais de um grupo de resistências em paralelo, basta substituir cada um desses grupos
por suas resistências equivalentes. O procedimento não é mais complicado, apenas mais longo.

R1 = 4 Ω
I1 ?
I2 ?
I3 ?
12 V R2 =3 Ω Réq(2-3)
R3 = 6 Ω V1 ?
=2Ω
V2 ?
V3 ?

Figura 79 Circuito temporario

A terceira etapa tem por objetivo identificar a tensão aplicada nos bornes da resistência equivalente. Você sabe
que em um circuito em série, It = I1 = I2. No circuito em estudo, It = Vt /Rt → 12 V/(4 Ω + 2 Ω) = 2 A. Con-
hecendo a intensidade, agora é possível encontrar a queda de tensão em cada uma das resistências:
Eletroeletrônica Veicular

V1 = I1 x R1 → 2 A x 4 Ω = 8 V

V(2-3) = I1 x Réq (2-3) → 2 A x 2 Ω = 4 V

98
De posse dessas informações, basta replicá-las no circuito inicial para encontrar os dados que faltam (figura 80).

R1 = 4 Ω
I1 = 2A
I2 = 4V/3 Ω = 1,33 A
R2 =3 Ω R3 = 6 Ω I3 = 4V/6 Ω = 0,66A
12V 4V 4V
V1 = 8V
V2 = 4V
V3 = 4V

Figura 80 Cálculo dos parâmetros em um circuito misto

A tensão nos bornes da resistência equivalente Réq(2-3), 4 V, se aplica igualmente a R2 e R3, pois a
tensão é uniforme em um circuito paralelo. Conhecendo a tensão e a resistência, é possível encontrar a
intensidade em R2 e R3. I2 = V2/R2 → 4 V/3 Ω = 1,33 A. O mesmo procedimento se aplica à R3. Esse
procedimento geral serve para calcular os parâmetros dos circuitos mistos simples ao mais complexo.
O sucesso consiste na ordem e no respeito das etapas.

Circuitos com resistências em série ligadas em paralelo

Vemos freqüentemente circuitos formados de resistências em série ligadas em paralelo. Num primeiro
olhar é fácil confundir esse tipo de ligação com um circuito misto e começar inutilmente um compli-
cado procedimento de resolução. A primeira etapa a realizar, de longe a mais importante, consiste em
estabelecer claramente o tipo de circuito. O circuito mostrado na figura 81, parecido com um circuito
misto, é na realidade dois circuitos independentes: um circuito em série formado de duas resistências
e um circuito simples. A resolução se efetua como se fosse dois circuitos independentes.

Aula 04 - Tipos de Circuitos Elétricos

12V R1 = 4 Ω R3 = 6 Ω

R2 =3 Ω

Figura 81 Circuito com resistências em série ligadas em paralelo

Circuito misto 99
Pontos-chave

A resolução de todos os circuitos mistos passa pelas seguintes etapas:


substituição das resistências em paralelo por uma resistência equivalente;

desenho de um circuito temporário;

soma das resistências;

calculo das tensões aplicadas à ou às resistências equivalentes e às outras


resistências do circuito;

cálculo da intensidade nas resistências iniciais.

Nós terminamos de estudar a nossa quarta aula; veja no CD-ROM a animação Circuitos
Mistos e aproveite para realizar os exercícios de fixação.

Depois do estudo da próxima aula estaremos realizando a primeira aula prática. Como
está o preenchimento do questionário para ser entregue na aula prática? que tal revisar o
conteúdo estudado até o momento, completando o questionário que se encontra no final
da aula 05? Qualquer dúvida entre em contato com a monitoria.








Eletroeletrônica Veicular

100
Elaboração dos circuitos elétricos

Nas aulas anteriores você adquiriu noções de eletricidade, do funcionamento e manipulação de


aparelhos de medição (multímetro). Nessa aula aprenderemos a desenhar circuitos funcionais
respeitando as convenções estabelecidas. Iniciaremos na lição 12 reconhecendo os elementos
mais freqüentemente encontrados nos diagramas.

Na área de reparação de veículos, o primeiro objetivo dos diagramas elétricos é facilitar a elaboração de
diagnósticos corretos. Assim sendo, estudaremos sumariamente a função dos elementos desenhados.
As explicações específicas dessa aula serão completadas no curso de Gerenciamento Eletrônico do
Motor. Essa aula está dividida em duas lições.

AULA 05

101
lição 12

ELABORACÃO E INTERPRETACÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

Método de elaboração (desenho)

O esquema elétrico é a representação detalhada de um diagrama de circuito. Através da represen-


tação clara dos percursos individuais da corrente, ele explica a operação de um circuito elétrico
(BOSCH, 2005).

Sabe-se que um circuito elétrico habitualmente se compõe de elementos essenciais e acessórios:


fonte, condutores, dispositivo de proteção, interruptor e um ou dois aparelhos de medição de
consumo. Isso significa que cada um desses elementos deve figurar simbolicamente no projeto
elétrico (diagrama elétrico). Lembre-se que um projeto somente é legível e claro quando é tra-
çado em um espaço suficiente e a disposição dos elementos respeita as convenções que regem
os projetos elétricos. Habitualmente os projetos a serem elaborados na oficina são simples,
raramente contém instruções ou explicações de símbolos.

O desenho de um projeto elétrico (diagrama elétrico) não é uma tarefa cotidiana. Apelamos a
eles na hora de instalar aparelhos opcionais ou no momento de traçar isoladamente o circuito
de um elemento, a partir do projeto geral. No entanto, a elaboração de projetos constitui um
meio eficaz de aprender a interpretar diagramas, sendo a interpretação de diagramas uma tarefa
cotidiana.
Eletroeletrônica Veicular

102
Um projeto elétrico (diagrama elétrico) claro e facilmente legível, não somente pela pessoa que
o elaborou, mas também pelos outros, deve respeitar as normas ditadas pela indústria automo-
tiva. Essas normas dizem respeito ao desenho, a disposição dos condutores e a representação
simbólica dos elementos.

fusível

fusível interruptor relé

bateria

lâmpada
malha
malha
lâmpada
malha

Figura 82 Exemplo de um diagrama elétrico simplificado

Desenho e disposição dos condutores

Diferentes associações recomendam que deva se posicionar a alimentação de um circuito no


alto da página. Os condutores se posicionam para baixo até os interruptores, continuam até
os aparelhos de consumo e se ligam à massa do veículo, identificadas por um dos símbolos de
massa representados na figura 84.

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos

Figura 83 Símbolos da massa em projetos elétricos

103
Os traços, sempre retilíneos, representam os condutores elétricos e se posicionam horizontal ou ver-
ticalmente. No entanto, como mostra a figura 84, a utilização de traçados angulados é autorizada nas
junções. Traçados curvos devem ser banidos, salvo no caso de símbolos específicos.
Eletroeletrônica Veicular

Figura 84 Projeto de circuito elétrico dos faróis de ré (Ford)

104
Representação simbólica dos elementos

Condutor

Sabe-se que os condutores transportam corrente elétrica da fonte até o acessório e que o retorno
se efetua habitualmente pela massa. A maior parte dos condutores elétricos dos automóveis é
constituída de um grande número de pequenos fios de cobre enrolados conjuntamente. Esse tipo
de condutor, chamado condutor torcido, tem a vantagem de ser muito flexível. A flexibilidade
dos condutores evita rupturas oriundas das vibrações.

Um revestimento isolante, geralmente em plástico (polivinil, neoprene, etc.) resistente à abrasão,


aos agentes químicos e a temperaturas elevadas protege os contatos entre os fios com a massa.
O isolante também deve ser impermeável para impedir a entrada de umidade ou de ar, que aceleram
a corrosão e a oxidação dos condutores. Com a finalidade de facilitar a identificação, os isolantes
lisos são de diversas cores, às vezes possuem ranhuras, pontos, ou listras de diversas cores.

63
isolante de cor unica
R

981
isolante com listras
R/W

42
isolante com pontos
R/W D

383

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


isolante com traços
R/W H

Figura 85 Identificação de isolante dos condutores (Ford)

105
Em um projeto cada circuito é identificado por um número e cada condutor por uma cor. A título de
exemplo, o primeiro fio da figura 86 pertence ao circuito 63 e sua cor é vermelha (R = red). O número
precede ou sucede o código de cor, de acordo com o fabricante. Diferentemente dos fios listras ou
pontilhados, nenhuma designação especial é dada aos fios ranhurados. Quando duas abreviações seguem,
a primeira designa à cor de base do isolante e a segunda, a cor das listras (R/W: isolante vermelho [red]
e listras brancas [white]). Listras ou pontos (R/W D: isolante vermelho [red] e pontos [dots] brancos
[white]. As abreviações dos códigos das cores e os números dos circuitos são dados em todos os bons
diagramas elétricos.
Eletroeletrônica Veicular

Figura 86 Tabela de abreviações da cor dos cabos

106
Os condutores devem possuir um calibre ou uma secção correspondente à intensidade da corrente que
eles transportam. As secções dos condutores são regulamentadas por duas normas: American Wire
Gage (AWG) e métrica. No caso da norma AWG (figura 87), em automóvel, as secções são do calibre
0 ao calibre 20. Quanto menor o número do calibre, mais grossa é a secção do fio.

DIÂMETRO DOS FIOS


12 VOLTS
fio grosso fio pequeno

calibre calibre calibre calibre calibre


4 6 8 16 20
6 VOLTS
fio grosso fio pequeno

calibre 0 calibre 1 calibre 2 calibre 4

Figura 87 Exemplo de classificação AWG (Ford)

Quanto à classificação métrica, o número se reporta diretamente à secção nominal do condutor expressa
em milímetros quadrados (mm2) (figura 88).

Secção Calibre
nominale mm2 AWG
0,22 24

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


0,35 22
0,5 20
0,8 18
1,0 16
2,0 14
3,0 12
5,0 10
8,0 8
13,0 6
19,0 4
32,0 2

Figura 88 Correspondência entre as classificações métricas e AWG (Ford) 107


Na hora da escolha dos condutores, os fabricantes devem também considerar o comprimento total
do circuito. Mesmo que pouco, a resistência interna do fio aumenta com o comprimento. A figura 89
mostra a relação entre o comprimento, o calibre e a intensidade que circula em um condutor. Além
de provocar um aquecimento excessivo, causado pela colisão entre os elétrons e átomos, um condu-
tor inferior às exigências do circuito cria uma excessiva queda de tensão. Essa queda de tensão cria
resistências parasitas e prejudica o bom funcionamento do aparelho. Os calibres dados na figura 89
são estabelecidos em função do condutor positivo. A queda de tensão devida ao retorno pela massa
não é considerada. Para os condutores de massa isolados, é necessário levar em conta as linhas de ida
e volta na hora de determinar o comprimento do condutor.

Figura 89 Relação entre corrente (intensidade), comprimento e calibre de um condutor


Eletroeletrônica Veicular

108
Bateria de acumuladores

Um dos elementos mais importantes do circuito elétrico de um veículo é, sem dúvida, a bateria de
acumuladores. Nós a encontramos em todos os veículos e, conseqüentemente em vários projetos elé-
tricos. Sem ela não há reserva de energia elétrica. A figura 90 mostra as representações esquemática e
real da bateria.

bateria de 12 V

ligação borne (pólo)

elementos( com placas


positivas e negativas
alternadas)

conectores das
placas com os
bornes
separadores

Figura 90 Representação esquemática e real da bateria (Ford)

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos












109
Ligação à massa

Um circuito elétrico termina sempre por um retorno à fonte. Os fabricantes utilizam seguidamente o
chassi ou a carroceria como condutor de retorno (figura 91). Esses elementos metálicos, portanto con-
dutores de eletricidade são habitualmente chamados massa. Essa técnica simplifica os chicotes e economiza fios.

bateria

motor
massa

Figura 91 Representação real e esquemática de ligação à massa (Ford)

Pontos-chave
Os Diagramas de circuitos elétricos são concebidos para facilitar a elaboração de
diagnósticos;

Os diagramas contêm símbolos que facilitam a sua compreensão;


Quando se traça um diagrama elétrico:
a alimentação do circuito se encontra no alto da página;
os condutores são traçados para baixo até os diversos componentes;
os traços retilíneos que representam os condutores são traçados horizontal
ou verticalmente.
Eletroeletrônica Veicular

110
Nessa primeira lição da aula 05 estudamos os símbolos e disposições básicas de um dia-
grama elétrico, para ajudar a compreensão do seu aprendizado resolva os exercícios de
fixação no CD-ROM da lição 12.

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos











111
lição 13

elaboração e interpretação de projetos elétricos


(continuação)

Dispositivos de proteção

Os circuitos elétricos sempre possuem ao menos um dispositivo encarregado de protegê-lo contra as sobre-
cargas. Os principais dispositivos de proteção são os fusíveis, os fios fusíveis e os disjuntores.

Fusíveis

Os fusíveis se apresentam normalmente em três formas: tubular, pino, ou cartucho. Nos três casos o el-
emento fusível é constituído por uma lâmina de liga de chumbo que tem a propriedade de fundir-se em
uma temperatura relativamente baixa. A inserção da lâmina em um tubo de vidro ou de caixa plástica
elimina qualquer risco de incêndio na eventualidade de uma sobrecarga provocar a fusão da lâmina. Os
fabricantes empregam três formatos de fusível do tipo pino hoje em dia: mini, normal e maxi. Os fusíveis
são concebidos para resistir a diferentes intensidades, um código de cor normalizado facilita a rápida
identificação. A figura 92 mostra os principais modelos de fusíveis empregados nos automóveis.

tubular Esses fusíveis são


oferecidos em três AG = vidro do
comprimentos diferentes automóvel
cartucho Corrente nominal Cor
(grillage lent)
vista de
cima 30 rosa
40 verde
50 vermelho
60 amarelo
vista
lateral
maxi Fusível
20 amarelo
30 verde
40 ambar
50 vermelho
60 azul
70 marrom
80 incolor

fusível 35 violeta
7,5 tanino
Eletroeletrônica Veicular

10 marrom
15 vermelho
azul
20 amarelo
25 incolor
30 verde
3 tanino
mini fusível 5 marrom
10 vermelho
15 azul
20 amarelo
25 incolor
30 verde

Figura 92 Fusíveis utilizados em automóveis


112
Antigamente os fusíveis eram agrupados em um porta-fusível sob o painel, denominado por alguns
fabricantes de centrais elétricas. O aumento da utilização de acessórios elétricos e a multiplicação de
circuitos eletrônicos forçaram os fabricantes atuais a aumentar o número de dispositivos de proteção.
Os automóveis modernos possuem pelo menos duas caixas de porta-fusíveis. Um situado na cabine e
outro sob o capô. O segundo é denominado de caixa de distribuição de potência (power distribution).
Além dos fusíveis, existem também os disjuntores e os relés. Daí a necessidade de compreender bem
os diagramas elétricos para identificar rapidamente os fusíveis. Como mostra a figura 93, a represen-
tação simbólica de um fusível, independentemente do tipo contém sempre a capacidade em ampères
e, quase sempre, o número na caixa porta-fusíveis. Alguns fabricantes utilizam um símbolo que difere
ligeiramente daquele do fusível clássico na representação simbólica dos fusíveis maxi ou cartuchos.

elementos
do fusível

Figura 93 Fusível e símbolo (Ford)

Fio fusível

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


Os fios fusíveis são outro tipo de dispositivo de proteção contra as sobrecargas. Sempre posicionados no
começo do circuito, são constituídos de um fio de calibre inferior em quatro unidades AWG (American
Wire Gage) ao fio do condutor que eles protegem. Por exemplo: um circuito constituído de fio calibre
AWG 12 é protegido por um fio fusível de calibre AWG 16.

Para resistir a temperaturas extremas sem se inflamar, o isolante dos fios fusíveis possui características
especificas. Os materiais utilizados são normalmente o hypalon ou o silicone. A distinção entre esses
dois materiais se efetua observando o isolante. O isolante de hypalon é de cor única ou sólida. O iso-
lante de silicone é normalmente branco e envolto por cobertura de cor diferente. Um fio isolado com
silicone pode substituir um de hypalon, o contrário é impossível. Para garantir a proteção esperada, o
comprimento de um fio fusível nunca excede 228 mm (9 po).

113
De acordo com o fabricante, a junção do fio fusível ao fio que ele protege se faz de maneira permanente
por meio de uma conexão. A figura 94 mostra dois meios empregados pelos fabricantes para identificar
o calibre dos fios fusíveis. No primeiro, o número é inscrito em um bloco moldado, solidário ao fio,
no segundo é utilizado um código de cores. A representação gráfica do fio fusível é, habitualmente, a
mesma de um fio convencional, salvo que a menção “fio fusível” (fuse-link) acompanha o traçado.

fio fusível 517

Figura 94 Fios fusíveis e símbolos (Ford e General Motors)

A resistência à combustão do isolante do fio fusível dificulta a detecção visual de sua queima. Essa
detecção se faz exercendo-se uma tração no fio que se torna elástico após a queima.

Disjuntores

Os disjuntores são utilizados para proteger circuitos expostos a sobrecargas momentâneas. Tem a capa-
cidade de recolocar o circuito em tensão sem substituir nenhuma peça, após um desligamento, o que
distingue os disjuntores dos outros tipos de dispositivos de proteção. O rearmamento do circuito se
efetua manual ou automaticamente, de acordo com o disjuntor.
Eletroeletrônica Veicular

114
Disjuntor térmico

O elemento sensível do disjuntor térmico é uma lâmina constituída pela superposição de dois metais
de coeficiente de dilatação diferentes (estrutura bimetálica) (figura 95). A elevação da temperatura, em
função da corrente excessiva, provoca um alongamento mais intenso no metal de maior dilatação. A ação
entre os dois metais deforma a lâmina e ocasiona a abertura dos contatos. A circulação de eletricidade
para, a lâmina resfria os contatos, fecha novamente e o ciclo recomeça até nova sobrecarga de corrente.

metal de fraca metal de grande


dilatação dilatação

contatos
abertos
limites
direção da corrente
desarma automáticamente

Figura 95 Elementos internos de um disjuntor térmico (Ford)

A título de exemplo, imagine um disjuntor calibrado em função dos faróis originais. A substituição desses
faróis por outros mais potentes demanda uma intensidade superior, o que sobrecarrega o disjuntor. A
sobrecarga aquece o disjuntor, abrindo o circuito após certo tempo. Após um período de resfriamento
o disjuntor restabelece o contato e os faróis se acendem novamente. Os disjuntores de rearmamento
automático protegem, sobretudo, os circuitos que necessitam um rápido restabelecimento de corrente,
como os circuitos dos faróis e dos limpadores de pára-brisa. Os disjuntores de rearmamento manual
servem para proteger os aparelhos submetidos a intensas flutuações de corrente. A figura 96 mostra o

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


aspecto real e a representação simbólica de diversos disjuntores.

sobre porta fu- sobre porta fu- em série rearme


síveis de rearme síveis de rearme automático
automático manual
disjuntor

Figura 96 Disjuntor e símbolos (Ford)

115
Há alguns anos os fabricantes recorrem a disjuntores de coeficiente de temperatura positivo (PTC)
(figura 97). Esse tipo de disjuntor possui a propriedade de aumentar rapidamente sua resistência interna
quando uma corrente excessiva o atravessa. A resistência elevada limita a corrente e protege o circuito.
Disjuntores desse tipo protegem, principalmente, os motores de limpadores elétricos de pára-brisa.

Figura 97 Disjuntor com coeficiente de temperatura positivo (General Motors)

Funcionamento dos dispositivos de proteção










Eletroeletrônica Veicular

116
Dispositivos de comando

Existem diferentes tipos de interruptores para comandar o funcionamento de acessórios.

Interruptores

Todos os circuitos elétricos são comandados por meio de interruptores. A diversidade de circuitos exige a
existência de diferentes interruptores, que se distinguem, sobretudo, por sua capacidade, seu número de pólos
e seu número de direções. O interruptor simples, unipolar e unidirecional serve somente para fechar e abrir um
circuito. Quando o interruptor está fechado a corrente elétrica passa. Ele oferece, portanto, apenas duas posições:
ligado ou desligado. Esse tipo de interruptor não responde às exigências de circuitos mais complexos.

UPUD UPBD
(SPST) (SPDT)
saída
chegada saída chegada
saída

Interruptor Interruptor
unipolar unipolar duas
uma direção direções (bidire-
cional)

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


BPUD BPBD
(DPST) (DPDT)
chegada saída saída
chegada
saída
chegada saída saída
chegada
Interruptor saída
bipolar Interruptor bipolar
uma direção duas direções

Figura 98 Representação simbólica de interruptores simples e de duas posições

Os projetistas utilizam, então, os demais interruptores representados na figura 98. O traço pontilhado unindo
os dois contatos móveis indica a presença de uma ligação mecânica, o deslocamento de um é obrigatoriamente
acompanhado pelo movimento do outro.
117
Interruptores momentâneos

Os interruptores momentâneos agem somente enquanto uma pressão contínua se exerce sobre seus botões
de comando. Esses interruptores (figura 99) se dividem em duas categorias: normalmente abertos (N.O.)
e normalmente fechados (N.C.). Os da primeira categoria só conduzem a corrente quando uma pressão
é exercida sobre o botão. O interruptor de esguicho elétrico do pára-brisa pertence a essa categoria. Os
da segunda categoria funcionam de maneira inversa. Os diagramas em inglês utilizam as abreviações N.O.
para normally open (normalmente aberto) e N.C. para normally closed (normalmente fechado).

interruptor momentâ-
neo normalmente interruptor momentâ-
aberto neo normalmente
fechado

chegada saída chegada saída

interruptor normal- interruptor normal-


mente aberto mente fechado

Figura 99 Representação simbólica dos interruptores N.A. e N.F.


Eletroeletrônica Veicular

118
Interruptores multipolares de posições múltiplas

Às vezes os interruptores são integrados em um conjunto formando interruptores multipolares de


posições múltiplas. A figura 100 mostra um interruptor de iluminação formado pela agregação de
vários elementos diferentes, três interruptores, dois disjuntores e um reostato. O termo “comutador”
serve também para designar um interruptor multifuncional, que pode comandar diversas funções, por
exemplo, a chave de ignição e partida.

tensão da bateria por intermédio para iluminação


do porta-fusíveis (F-10) de acolhimento

tensão da bat- para o comutador de para as


eria por inter- ignição lâmpadas
médio do limite de aflição
sob tensão da (pisca)
retransmissão
do acionador de 1. luz de freio
partida 2. luz Baixa
3. farol
4. disjuntor
5. resistência variável
6. interruptor da lâmpada

para os para iluminação do


farois(comutador de painel de bordo
farol)
para luz baixa para plataforma
(lãmpadas de posição
lateral)

Figura 100 Interruptor de iluminação (multipolar de múltiplas posições)

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


Funcionamento de um interruptor múltiplo

119
Outros símbolos

Além dos elementos essenciais apresentados até agora, os diagramas elétricos contém vários outros
componentes representados por símbolos, (figura 101). O conhecimento desses símbolos facilita o
desenho e a consulta de projetos elétricos.
Eletroeletrônica Veicular

Figura 101 Símbolos mais comuns dos diagramas elétricos

120
Figura 102 Símbolos mais comuns (continuação)

Os manuais de reparos editados pelos fabricantes contêm conselhos e explicações que permitem ex-
plorar ao máximo as informações contidas nos projetos. Ao consultar esses manuais você notará que
essas convenções nem sempre são aplicadas integralmente. Alguns símbolos não são normalizados.
Cada um dos fabricantes pode utilizar uma representação própria.

Lembre-se que a maior parte dos manuais de reparos normalmente traz informações necessárias a in-
terpretação dos projetos no início da seção que trata da eletricidade (eletrical). Além disso, os diagramas
de cada um dos circuitos são acompanhados de texto explicativo sobre seu funcionamento, de uma
tabela de localização e de uma ilustração de cada um dos elementos.

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


A título de exemplo, a tabela da figura 103, da página 122, indica que o conector (connector)
C200 mostrado na figura 104, da página 122, contém quinze cavidades e se situa sob o painel,
do lado esquerdo do veículo.

121
A coluna da direita da figura 103 dá o número da página (201) e a posição da ilustração (5-C) na página.
A consulta à essa ilustração permite a rápida localização do conector C200 no automóvel. Os conectores
e as emendas são elementos importantes no momento da procura da causa de uma pane de um circuito.

Figura 103 Lista parcial da localização dos componentes (component location) (General Motors)

C304
te C400 C401
freon
d rro
ca

S212 C200
S301

G300
Eletroeletrônica Veicular

freo o
d arr
nte

RH REAR
c

LH REAR
SPEAKER SPEAKER
S309

figure C - LH Front Floorpan figure E - Front of Trunk

Figura 104 Localização dos elementos de um projeto elétrico (diagrama elétrico) (General Motors)

122
A figura 105 mostra alguns exemplos de informações dadas no inicio da seção “eletricidade” de um
manual da Ford. As informações incluem principalmente as abreviações das cores que identificam os
condutores de um circuito e as advertências de praxe.

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


mento, posição tipicas da explicação T/O (remover)
chicote de fios na parte traseira do painel de instru-

remover
T/O
remover
T/O

Figura 105 Exemplo de informação contida no início da secção “eletrecidade” de um manual de oficina
Ford Canadá (Ford)

123
Eletroeletrônica Veicular

Figura 106 Exemplo de informação contida no início da secção “eletrecidade” de um manual de oficina
Ford Canadá (Ford) - sequência

124
Pontos-chave

O símbolo de um fusível indica sua capacidade em ampères e às vezes o seu número


no porta-fusíveis;

O símbolo de um fio fusível é o mesmo que o de um fio ordinário, salvo pela menção
“fio fusível” (fuse-link) sobre o traço;

É a capacidade de recolocar um circuito em tensão após um desarmamento que dis-


tingue os disjuntores de outros tipos de dispositivos de proteção;

Todos os circuitos elétricos são comandados por interruptores;


Os interruptores se distinguem pela sua capacidade, seu número de pólos e de direções;
O interruptor simples é unipolar e unidirecional;
A secção que trata da eletricidade em um manual de reparos, habitualmente contém
as informações necessárias para a interpretação dos projetos;

Os diagramas de cada um dos circuitos é acompanhado de texto explicativo sobre seu


funcionamento;

A tabela de localização indica a posição de cada um dos elementos elétricos de um veículo.

Veja as animações Funcionamento dos dispositivos de proteção e Funcionamento de


um interruptor múltiplo, e em seguida resolva os exercícios propostos da lição 13.

Aula 05 - Elaboração dos Circuitos Elétricos


Parabéns! Você finalizou a sua quinta aula de Eletroeletrônica Veicular. A sua próxima aula
será a prática, lembre-se de preencher o seu questionário, que se encontra em seguida e
destacá-lo entregando para o seu instrutor na aula prática.

125































Eletroeletrônica Veicular

126
Elementos elétricos e eletrônicos

Durante os anos 30 e 40 as expressões “circuitos ou aparelhos eletrônicos” designavam imensas caixas


cheias de lâmpadas produzindo grande quantidade de calor. Era a época das válvulas (tubos eletrônicos
ou a vácuo). Em 1948, John Bardeen e Walter H. Brattain, dois pesquisadores que trabalhavam para a
Bell Telephone Laboratories, registraram uma patente de um dispositivo destinado a substituir a válvula.
Identificaram esse dispositivo pelo nome de “transistor”, criado a partir da abreviação da expressão
“transfer varistor”. O nome “varistor” designava, na época, o diodo de germanium. A invenção do
transistor iria revolucionar a eletrônica.

Essa aula está dividida em três lições, que permitirão a aquisição de conhecimentos úteis tanto na
compreensão de diagramas elétricos quanto na verificação do funcionamento geral dos componentes
eletrônicos. Os componentes eletrônicos frequentemente utilizados nos veículos são os capacitores, as
resistências variáveis e fixas, os relés e os semicondutores. Os semicondutores mais freqüentes são os
diodos, o diodo eletroluminescente (em inglês LED), o diodo Zener, o transistor e o tiristor.

AULA 06

127
lição 14

Os capacitores também conhecidos como condensadores, as resistências e o relé estão presentes na maior
parte dos circuitos elétricos e eletrônicos. Esses componentes eram essenciais e fáceis de identificar nos
antigos circuitos de ignição a contato (platinado). Hoje em dia sua presença nos circuitos eletrônicos é
mais discreta, mas não menos indispensável. Nessa aula você aprenderá o funcionamento e a verificação
dos capacitores, das resistências e dos relés.

CAPACITORES

Função

O capacitor (condensador) armazena elétrons e, consequentemente, tensão elétrica ou energia eletro-


motriz. Contrariamente a uma pilha, o capacitor não produz eletricidade. Por esse motivo não se esgota,
uma vez que apenas armazena energia produzida por outra fonte.

Construção

O capacitor sempre é constituído de duas placas condutoras de eletricidade, também chamadas eletro-
dos, separadas por um material isolante chamado dielétrico. A natureza do dielétrico é particularmente
importante, pois ela influencia diretamente na quantidade de energia que um capacitor pode estocar,
além de servir para a identificação. Por isso encontramos capacitores de papel, de mica, de ar, de plástico,
de filme de óxido, etc.

As placas do capacitor de papel (figura 107) são constituídas de folhas de metal flexível, normalmente
estanho, e de um papel dielétrico inserido entre as placas. Esses três elementos são enrolados e lacrados
em um envelope protetor para oferecer uma grande capacidade com um pequeno volume.
Eletroeletrônica Veicular

128
Os fios ligados nas placas permitem a conexão do capacitor em um circuito elétrico. Sendo o valor
dielétrico do papel relativamente baixo, esse é seguidamente substituído por uma película plástica.

condensador borne condensador


do papel positivo camada de eletrolítico
folhas Aluminio eletrodo
de estranho conectores positivo
filme de
oxido
eletrodo
gaze saturada negativo
de eletrolito

papel
dielétrico

Figura 107 Construção de um capacitor de papel e de um capacitor eletrolítico (General Motors)

Os capacitores eletrolíticos oferecem uma grande capacidade de estocagem em uma caixa relativamente
pequena. Esses capacitores são polarizados e devem ser ligados corretamente para dar os resultados
esperados; essa característica proíbe seu uso em circuitos de corrente alternada. A ligação desse tipo
de capacitor em polaridade invertida provoca uma forte elevação da temperatura, o que pode fazê-lo
explodir. Os tipos de capacitores eletrolíticos mais utilizados são feitos à base de alumínio e de tântalo.
Os de núcleo úmido de tântalo são mais caros, mas oferecem uma capacidade de estocagem superior
e maior resistência às correntes de fuga.

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos

129
A matéria básica dos capacitores cerâmicos é uma massa cozida em alta temperatura, habitualmente
bióxido de titânio ou diferentes tipos de silicatos. As duas placas são obtidas através do depósito de
uma fina camada de prata sobre as duas faces do disco de cerâmica (figura 108). Esses elementos pos-
suem grande resistência elétrica.

a extremidade positiva
deve estar ligada a
eletrolítico parte positiva do
cerâmico circuito

não polarizado polarizado variável


(eletrolitico)

Figura 108 Diferentes capacitadores e símbolos (General Motors)

Funcionamento

Os capacitores oferecem uma grande superfície sobre a qual os elétrons podem se acumular. Ligado
em um circuito de corrente contínua o capacitor se carrega; a circulação para logo que a tensão interna
iguala-se a da fonte. O capacitor se comporta como um circuito aberto. Quando um capacitor carregado
é ligado em uma resistência o deslocamento dos elétrons da placa negativa para a positiva produz uma
circulação de corrente. A tensão nos bornes do capacitor cai gradualmente à medida que o equilíbrio
entre os elétrons das placas se restabelece. A velocidade de descarga do capacitor depende do valor da
resistência que estará proporcionando uma carga sobre o circuito.

Ligado em um circuito de corrente alternada o capacitor se carrega quando a tensão é de ciclo positiva,
e descarrega quando está em ciclo negativa. O ciclo de carga e descarga se repete enquanto a tensão
Eletroeletrônica Veicular

alternar. O capacitor estabiliza a tensão pois, ao se carregar, ele absorve os picos de tensão e ao descar-
regar ele completa as quedas de tensão. Seu papel se compara ao de uma mola que absorve energia na
compressão e relaxa na expansão. Na ignição convencional o capacitor armazena o excesso de corrente
na abertura dos contatos do interruptor. Desta forma, a corrente se acumula no capacitor ao invés de
fazer um arco elétrico entre os contatos da ignição.

130
Unidade de medida da capacitância

A capacitância de um capacitor, ou seja, sua capacidade de armazenar eletricidade se exprime em farads,


alusão ao nome do cientista inglês (Michael Faraday) que participou ativamente nas pesquisas sobre a
eletricidade no século XIX. O farad corresponde a um coulomb (figura 109). Como se trata de uni-
dade muito grande para os circuitos dos veículos automóveis, a unidade empregada nessa indústria é
o microfarad, que equivale ao milionésimo do farad. Sua abreviação é µF. Alguns multímetros digitais
possuem a função de verificação da capacidade dos capacitores.

1 FARAD =

6 280 000 000 000 000 000


eletrons (1 coulomb)

0 eletron

1 microfarad = 0.000 001 farad

Figura 109 Representação visual de um farad (General Motors)

A tensão nominal dos capacitores, normalmente indicada na cápsula que o envolve, indica a diferença de
tensão máxima suportada pelas placas sem que um arco elétrico se produza entre elas e fure o dielétrico.

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos


Essa perfuração provocaria curto-circuito no capacitor, tornando-o inutilizável. A tensão nominal não
deve ser excedida nunca, mesmo por tempo muito curto. A quebra ou corte de uma das placas também
criaria problema, pois o capacitor ficaria em circuito aberto, tornando-se igualmente inutilizável.

Funcionamento de um condensador

131
Pontos-chave

O capacitor armazena elétrons;


O capacitor é constituído por duas placas condutoras de eletricidade, separadas por
um dielétrico;

Os capacitores eletrolíticos são polarizados;


O capacitor oferece uma grande superfície sobre a qual os elétrons se acumulam;
Um capacitor carregado se comporta como um circuito aberto quando ligado em cor-
rente contínua;

A unidade de medida da capacidade de um capacitor é o farad. O farad é uma unidade


muito grande para as aplicações no setor automotivo, é empregado o microfarad, que
equivale a um milionésimo do farad.

Para fixar esses conhecimentos sobre capacitor (condensador) veja no seu CD-ROM a
animação correspondente à lição 14: Funcionamento de um condensador e aproveite
para fazer seus exercícios de fixação.







Eletroeletrônica Veicular

132
lição 15

RESISTORES

O nome “resistência” na área de eletrônica designa, de fato, uma família de resistores. Os principais são:

os resistores fixos;
os resistores variáveis.

Resistores fixos

Função

Os resistores fixos servem para provocar queda de tensão ou reduzir a corrente a um valor determinado.

Tipos

Os dois tipos de resistores fixos mais utilizados são os resistores de carbono e os resistores bobinados.

Construção e valor dos resistores de carbono.

Os resistores de carbono são constituídos de carbono finamente pulverizado ou de mistura de grafite e


de um material isolante. A proporção dos elementos é determinada em função do valor da resistência
desejada. Os materiais resistentes são fechados em uma caixa cilíndrica de plástico. As conexões axiais
se situam em cada uma das extremidades. Habitualmente os fabricantes oferecem resistores de carbono

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos


cujo valor de resistência varia entre 1Ω e 20MΩ para potências nominais inferiores a 2W.

133
A potência dissipada por um resistor de carbono constitui um dado importante. Um resistor de potência
muito pequena não suportará o calor gerado pela corrente no circuito, o que provocará sua queima. Um
resistor bem dimensionado dissipa o calor sem sofrer modificações que alterem suas características. Como
mostra a figura 110 as dimensões dos resistores de carbono refletem diretamente sua potência.

Figura 110 Dimensões reais de resistores de carbono de acordo com a potência (General Motors)

Codificação dos resistores de carbono

Alguns tipos de resistores, como os de alta potência, têm as especificações do valor da resistência e precisão
escritas diretamente em seus encapsulamentos. No entanto, é mais comum encontrar estas especificações
em forma de códigos de cores (figura 111). Este código aparece impresso em forma de anéis que envolvem
os encapsulamentos cilíndricos dos resistores de carbono. A cor e a posição de cada um dos anéis são a
chave do sistema de codificação.

1º algarismo significativo
2º algarismo significativo
múltiplo
tolerância
Eletroeletrônica Veicular

Figura 111 Exemplo de codificação

134
A tabela da figura 112 indica o significado de cada um dos anéis.

Cor 1º algarismo 2º algarismo Números de Tolerância


significativo significativo zeros
preta * 0 0 *
marrom 1 1 1 1%
vermelha 2 2 2 2%
laranja 3 3 3 *
amarela 4 4 4 *
verde 5 5 5 0,5%
azul 6 6 6 0,25%
violeta 7 7 * 0,10%
cinza 8 8 * *
branca 9 9 * *
ouro * * dividir p/ 10 5%
prata * * dividir p/ 10 10%
* Cores que comumente não são encontradas em determinadas faixas.
** Na caso de ausência da quarta faixa a tolerância é de 20%.

Figura 112 Significado dos anéis de acordo com a posição e a cor

Observando a figura 113 você notará que a maneira de determinar a posição do primeiro anel do sistema de
codificação é a seguinte: o primeiro anel é sempre aquele situado mais perto da extremidade da resistência. A cor
do primeiro anel indica o primeiro número do valor da resistência; por exemplo, um anel vermelho vale 2.

mais proximo
da extremidade

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos


Figura 113 Posição dos anéis em uma resistência codificada

A cor do segundo dá o número do valor da resistência, por exemplo, um anel amarelo vale 4.

O papel do terceiro anel é diferente. Seu valor indica o número de zeros a adicionar nos dois números
precedentes. Também é importante notar que se a cor do terceiro anel é ouro ou prata nas resistências
inferiores a 10 Ω. A cor ouro significa que o número formado pelos dois primeiros anéis deve ser
dividido por dez; esse número deve ser dividido por cem se o anel for prateado.

O quarto anel indica diretamente o grau de precisão do valor da resistência.

135
Para facilitar a compreensão desse sistema, estabeleçamos o valor da resistência que aparece na figura 113
com a ajuda da tabela da figura 112.

O primeiro anel é vermelho, o que equivale a 2;


O segundo é amarelo, o que equivale a 4;
O terceiro é laranja, o que equivale a 3;
O quarto é prata, o que equivale a ± 10%.

Consequentemente:

o primeiro algarismo é um 2;
o segundo algarismo é um 4;
adicionamos três zeros.

O valor da resistência é, portanto, de 24 000 Ω ou de 24 kΩ.

O quarto anel indica uma tolerância de precisão de ± 10%. Se inspecionássemos essa resistência, a leitura
deveria, portanto, se situar entre 21 600Ω e 26 400Ω, ou seja, 24 000Ω ±10%. Esse dado permite saber
quanto o valor real da resistência pode se afastar do valor nominal indicado pelos anéis. Um resistor é
inutilizável quando excede os valores especificados.

Resistores bobinados

Os resistores bobinados são constituídos de certo número de espirais de fio de uma liga que ofereça
uma resistência estável, enrolados sobre um material isolante. A porcelana é o isolante mais utilizado
no setor dos veículos. Encontramos também resistores bobinados de fio nu (figura 114); é o caso,
principalmente, dos resistores que comandam a rotação do motor do ventilador interno de alguns
veículos. Esse tipo de resistor é utilizado para potências que possam atingir várias centenas de watts.
Como as dimensões desses resistores são maiores que os de carbono, o valor ôhmico e a tolerância
habitualmente são impressos diretamente na parte externa do componente.
Eletroeletrônica Veicular

Figura 114 Exemplo de resistor bobinado com fio nu (Ford)

136
Resistores variáveis

Os resistores variáveis possuem a particularidade de mudar de valor de acordo com a necessidade ou


as condições do meio ambiente. Os principais resistores variáveis são:

o reostato;
o potenciômetro;
a termistor;
célula foto resistiva.

Reostato

Papel e funcionamento

O reostato é um dispositivo onde dois bornes são ligados em série com o elemento que ele comanda.
Formado por um resistor de carbono ou bobinado e um cursor móvel, o reostato permite regular a
intensidade da corrente no circuito. Um dos bornes é ligado ao cursor e o outro na extremidade da
bobina. O deslocamento do cursor sobre o comprimento total da bobina modifica o valor da resistência
entre os dois bornes. Um reostato jamais se liga sozinho, pois sua resistência interna é nula quando
o cursor se encontra em uma das extremidades, o que corresponde a um curto-circuito. A figura 115
mostra um reostato e seu símbolo.

reostato
símbolo

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos

Figura 115 Reostato de um circuito de iluminação de painel (Ford)

137
De acordo com a necessidade, um reostato pode ser circular ou retilíneo, e pode ser comandado por
um botão ou puxador.

Existem no mercado reostatos cujas variações de resistência são lineares e não lineares. A variação é
chamada linear quando a resistência aumenta em função do deslocamento do cursor móvel.

A aplicação mais freqüente do reostato é, sem dúvida, a regulagem da intensidade da iluminação do


painel. Figura 116 mostra o circuito de um painel contendo um reostato.

fusível

reostato

grupo de lâmpadas

computador
de
iluminação
circuito impresso
bateria fio de massa
do grupo de
parte do circuito lâmpadas
impresso do grupo
de lâmpadas

Figura 116 Iluminação de um painel comandado por um reostato (Ford)

Um problema freqüente ligado à utilização dos reostatos é a deterioração de uma secção da resistência.
Isso traz como efeito o corte momentâneo da corrente quando o cursor passa por essa zona. Essa de-
gradação acontece principalmente quando o reostato permanece muito tempo imóvel na mesma posição.

Potenciômetro

Visualmente, a presença de um terceiro borne no potenciômetro é a única diferença entre ele e um


Eletroeletrônica Veicular

reostato. Como mostra a figura 117, a tensão da fonte se aplica nas extremidades da resistência. O cursor
serve de borne de saída e a tensão pode variar daquela da fonte à zero. A fonte jamais é curto-circuitada,
independente da posição do cursor, pois a resistência máxima sempre está nas extremidades.

138
As especificações importantes de um potenciômetro são: o valor da resistência em ohms e a potência
em watts que ele pode dissipar.

potenciômetro vista traseira


bobina

cursor

ligação

Figura 117 Potenciômetro e exemplo de ligação (Ford)

O potenciômetro serve principalmente para fornecer sinais às centrais eletrônicas que comandam a
injeção eletrônica. É o dispositivo ideal para indicar a posição de um órgão em movimento rotativo
ou retilíneo. Encontramos frequentemente como sensor de posição da borboleta do acelerador dos
motores a gasolina, e do pedal de aceleração, inclusive nos motores a diesel.

Funcionamento de um reostato e de um potenciômetro

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos

139
Termostato (termistência)

O termostato é um resistor especializado cujo valor da resistência varia em função de sua temperatura.
O termostato é um semicondutor fabricado pela prensagem e aglomeração de diversos materiais como
o carbono, o níquel oxidado, o cobalto e o manganês. Os termostatos se dividem em duas categorias:
de coeficiente de temperatura negativo (NTC) e de coeficiente de temperatura positivo (PTC). No setor
automobilístico o mais empregado é o termostato de coeficiente negativo (NTC), ele conduz melhor
em temperaturas elevadas que em baixas temperaturas. Um termostato NTC serve principalmente
como sensor de temperatura do liquido de arrefecimento ou do ar. A título de exemplo, quando a
temperatura de um termostato de coeficiente negativo é de – 40º C, seu valor de resistência é de
200 000 Ω; mas, se sua temperatura aumenta a 100º C, seu valor de resistência será de 160 Ω.
A figura 118 mostra o símbolo de um termostato.

Figura 118 Símbolo de termostato

A mudança de valor de um termostato não é linear. Isso significa que uma mudança de temperatura
de 1 grau não provoca necessariamente modificação constante do valor ôhmico de acordo com a faixa
de temperatura em que ele estiver atuando.

Como foi mencionado no capítulo anterior, um termostato de coeficiente de temperatura positiva serve
cada vez mais como dispositivo de proteção, alias é designado de “disjuntor PTC”, por exemplo, os
sensores de partida a frio dos veículos a álcool.

Célula fotocondutora
Eletroeletrônica Veicular

A célula fotocondutora é um elemento cujo valor de resistência diminui sob o efeito da luz. As células
fotocondutoras são construídas de materiais semicondutores como o silício e o germânio. É importante
não confundir as células fotocondutoras com as fotocélulas, essas últimas convertem energia luminosa
em energia elétrica.

140
Para garantir sua proteção, a célula é recoberta por uma tela de vidro e sua circunferência exterior
seguidamente é de vidro. A figura 119 mostra tal célula. É possível medir o efeito da luz no elemento
fotossensível ligando um multímetro aos bornes da célula.

As células fotocondutoras servem principalmente para comandar o relé eletrônico que comanda os faróis
de acendimento automático ou os retrovisores auto-reguláveis (dia-noite). São encontrados também
como sensores de compensação de insolação nos sistemas automáticos de climatização, etc.

elemento photosensível

símbolo

Figura 119 Célula fotocondutora e símbolo (Toyota)

A resistência de uma célula fotocondutora diminui com o aumento da intensidade da


luz. Quanto maior a intensidade da luz que a atinge, menor é a resistência oferecida
pela célula à passagem da corrente

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos











141
Pontos-chave

As resistências são fixas ou variáveis;


As resistências fixas provocam uma queda de tensão dada, ou reduzem a corrente
para um valor esperado;
As resistências de carbono são constituídas de carbono finamente pulverizado ou
de mistura de grafite e de um material isolante;
A potência dissipada por uma resistência de carbono constitui também uma carac-
terística importante;
Os anéis de diferentes cores que envolvem as caixas cilíndricas das resistências de
carbono indicam o valor da resistência e sua tolerância de precisão;
As resistências bobinadas são constituídas por um certo número de espirais de fio
enroladas sobre material isolante;
As resistências bobinadas são fabricadas para potências que podem atingir várias
centenas de watts;
O reostato é um dispositivo de dois bornes ligado em série com o elemento que ele
comanda;
Um reostato jamais é ligado sozinho, pois sua resistência é nula quando o cursor se
situa em uma das extremidades;
Um problema freqüente ligado aos reostatos é a deterioração de uma secção da resistência;
A tensão da fonte se aplica nas extremidades da resistência de um potenciômetro;
Contrariamente a um reostato, a fonte de um potenciômetro jamais está em curto-circuito;
A termistência é uma resistência especializada cujo valor varia em função da temperatura;
As termistências são de coeficiente de temperatura negativo (NTC) ou de coeficiente
de temperatura positivo (PTC);
A termistência mais empregada é termistência de coeficiente de temperatura negativo (NTC);
A termistência NTC conduz melhor em temperaturas elevadas que em baixas temperaturas;
A célula fotocondutora é um elemento cujo valor da resistência diminui sob o efeito da luz.
Eletroeletrônica Veicular

142
Nessa lição aprendemos sobre os resistores fixos e variáveis, no seu CD-ROM você vai
encontrar uma animação sobre o Funcionamento de um reostato e de um potenciô-
metro, vamos vê-la e solucionar os exercícios propostos.

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos











143
lição 16

RELÉS

Os relés são dispositivos eletromagnéticos utilizados como interruptores comandados à distância.


Constituídos de dois circuitos, o do comando e o da alimentação, os relés permitem que uma corrente
de baixa intensidade comande uma de alta intensidade. O elemento principal do circuito de comando
é um eletroímã constituído de uma bobina e de um núcleo de ferro. O circuito de alimentação é for-
mado de um contato móvel, um contato fixo e uma mola que opõe a ação do eletroímã. A figura 120
mostra um relé típico.

mola de contato
retorno móvel

contato
fixo

bobina

Figura 120 Relé típico

Um relé universal típico dispõe normalmente de quatro bornes, dois para o circuito de comando e dois
para o de alimentação. De acordo com a necessidade os fabricantes propõem diversas configurações
diferentes, seja relés de três, de cinco ou mais bornes. O relé mostrado na figura 121 possui três bornes,
pois uma das extremidades do enrolamento é ligada à massa diretamente pela caixa.

salto de
recordação contato
móvel
vem da corrente para
da fonte acessório
Eletroeletrônica Veicular

contatos
abertos

enrolamento
símbolo

mola

Figura 121 Exemplo de um relé de três bornes (Ford)


144
Funcionamento

No fechamento do interruptor do circuito de comando (figura 122), uma corrente fração circula no
enrolamento elétrico do eletroímã, criando um campo magnético. O campo magnético atrai o contato
móvel contra o contato fixo, fechando o circuito de alimentação. Uma corrente de alta intensidade vinda
da fonte chega ao acessório, passando pelos contatos fechados do relé. O contato móvel permanece
apoiado contra o contato fixo enquanto a corrente circula pelo enrolamento.

interruptor do circuito
de comando aberto salto de
recordação contato
contatos abertos venda força móvel para
corrente acessório

interruptor do contato
circuito de comando fixo
fechado

enrolamento

Figura 122 Funcionamento de um relé normalmente aberto (FORD)

Na abertura do interruptor do circuito de comando a corrente é interrompida no enrolamento, o


campo magnético desaparece e a mola separa os contatos; a passagem de corrente para o acessório
não mais acontece.

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos











145
O funcionamento descrito corresponde ao de um relé do tipo normalmente aberto, ou seja, sem in-
tervenção os contatos são abertos. Existem também relés do tipo normalmente fechado (figura 123).
Seu funcionamento é idêntico ao do normalmente aberto, com a diferença de que o efeito do campo
eletromagnético provoca a abertura do circuito (no caso do tipo normalmente fechado) ou a abertura
de um circuito seguida do fechamento de outro (no caso do tipo combinado).

NORMALMENTE ABERTO NORMALMENTE FECHADO COMBINADO


Circulação Circulação
semação
Interruptor de comando

ul Sem circu-
ci c
r lação
aberto (off)

Interruptor Bateria Interruptor de Bateria Interruptor de Bateria


de comanda comanda comanda
circulação Sem Circulação
Sem circulação
Interruptor de comando

Circulação
fechado

Interruptor de Bateria Interruptor de Bateria Interruptor de Bateria


comanda comanda comanda

Figura 123 Funcionamento de diferentes relés (FORD)

Além das categorias descritas, existem muitos relés especializados concebidos para usos precisos. Esses
relés podem ter dois jogos de contatos ou oferecer a possibilidade de ligação ao circuito em posição
normalmente aberta ou fechada.
Eletroeletrônica Veicular

146
A correta identificação dos bornes é um pré-requisito obrigatório em todos os exames de relés. Os
manuais de reparação habitualmente fornecem a disposição dos bornes e um esquema do circuito
interno dos relés (figura 124). Como os veículos modernos possuem vários relés conectados em um
mesmo sistema, as caixas são seguidamente de cor diferentes para facilitar a identificação. A identifi-
cação dos bornes mais usada é:

bornes 85 e 86 linhas de comando (baixa intensidade);


bornes 87 e 30 linhas de trabalho (alta intensidade);
borne 87A linha de trabalho acessório.

Visão exterior dos Desenho do Disposição e identificação Cor do


relés circuito interno dos controles botão
Unipolar duas
direções

preto
direção N.A.

azul
Unipolar

ou
verde
Bipolar N.A.

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos


marrom
Combinado

cinza

Figura 124 Diferentes tipos de relés (Ford)

147
Você sabe que a introdução de um campo magnético em um condutor produz eletricidade. O efeito é
amplificado se o campo magnético tem um enrolamento constituído de vários espirais de fio. A indução
eleva a tensão e a corrente ao desenergizar uma bobina o que pode prejudicar o funcionamento de
certos circuitos eletrônicos. Visando eliminar esse inconveniente, os fabricantes ligam um diodo ou uma
resistência de valor elevado em paralelo com o enrolamento do relé. A corrente produzida pela auto-
indução se dissipa no circuito interno do relé sem provocar efeitos indesejados. A figura 125 mostra o
símbolo de um relé contendo um diodo.

Figura 125 Representação simbólica de um Relé contendo um diodo

A representação simbólica de um relé pode diferenciar ligeiramente de um fabricante a outro. O símbolo


representa habitualmente o enrolamento do circuito de comando e os bornes do circuito de alimen-
tação (figura 126). Com o objetivo de facilitar a identificação dos bornes do circuito de alimentação,
a representação simbólica se encontra impressa na caixa de relés. O traço pontilhado marca a ligação
entre o enrolamento e o contato móvel. Os fabricantes europeus utilizam um símbolo normalizado,
um retângulo atravessado por um traço na diagonal representa o enrolamento.
Eletroeletrônica Veicular

N.A. N.F.

Figura 126 Representações simbólicas de relés N.A. e N.F. (Ford)

Funcionamento de um relé

148
Pontos-chave

Os relés são dispositivos eletromagnéticos utilizados como interruptores comandados


a distância;
Os relés são constituídos de um circuito de comando e um circuito de alimentação;
Os relés possibilitam comandar uma grande corrente através de uma baixa corrente;
As duas categorias de relés são: normalmente abertos (N.A.) e normalmente fechados (N.F.).

Finalizamos a lição 16 com a animação Funcionamento de um relé, vamos consultar o


CD-ROM, também aproveite para fazer os exercícios propostos para essa lição.

Chegamos ao final da aula 06, caso você não tenha visto nenhuma animação dessa aula seria
interessante dedicar um tempo para você ver essas animações (lição 14: Funcionamento
de um condensador, lição 15: Funcionamento de um reostato e de um potenciômetro
e lição 16: Funcionamento de um relé) e recordar os seus conhecimentos fazendo os
exercícios propostos. Vamos lá!

Aula 06 - Elementos Elétricos e Eletrônicos











149































Eletroeletrônica Veicular

150
DIODOS

Os diodos e os transistores são componentes elétricos que possuem muitos pontos em comum,
principalmente a matéria-prima básica de suas fabricações. Para compreender o funcionamento dos
componentes pertencentes à família dos semicondutores, principalmente os diodos e os transistores,
é preciso conhecer primeiro a natureza das substâncias que entram em suas fabricações. Nessa aula e
na aula oito você estudará os principais componentes do grupo dos semicondutores. Começaremos
pelos diodos.
AULA 02

AULA 07

151
lição
lição17
17

SEMICONDUTORES

Do ponto de vista da estrutura atômica, as substâncias chamadas semicondutores, possuem quatro


elétrons em sua órbita de valência. Como estudamos na primeira aula, você sabe que uma substância
que tem menos de quatro elétrons de valência, é um bom condutor e, que uma substância que possui
mais de quatro é um isolante. O nome semicondutor advém do fato desses elementos se situarem entre
os condutores e os isolantes. O silício (Si), o selênio (Se) e o germânio (Ge) pertencem a essa categoria,
pois possuem quatro elétrons de valência. Além disso, possuem a característica de compartilhar elétrons
com os átomos vizinhos através das ligações covalentes.

Figura 127 Ligações covalentes no interior de um cristal de silício (Delco-Remy)

Uma ligação covalente é definida como sendo a ligação química de dois átomos através da comunhão
de seus elétrons. Consequentemente, os elétrons da órbita de valência que pertencem a quatro átomos
periféricos se combinam com os elétrons da órbita de valência do átomo central. Após esse compar-
tilhamento de átomos, como mostra à figura 127, a órbita de valência de cada átomo dispõe de oito
elétrons; a órbita é saturada, pois esse número representa o máximo. Essa combinação produz um
cristal de mais de quatro elétrons em sua órbita de valência, portanto, um isolante.

Para que os elementos possam transportar eletricidade, precisam sofrer um tratamento que permitirá
Eletroeletrônica Veicular

que eles liberem seus elétrons. Esse tratamento químico chamado dopagem consiste na adição de
uma quantidade mínima de impurezas, normalmente menos de uma parte por dez milhões, o que
dá propriedades elétricas particulares ao cristal. Após esse tratamento o cristal apresenta excesso ou
insuficiência de elétrons. A substância que possui excesso de elétrons (-) é dita do tipo N, e a que tem
déficit de elétrons é chamada tipo P. Um átomo que ganhou ou perdeu elétrons leva o nome de íon.
(já tratamos esse assunto na lição 1 da aula 1).
152
Uma substância tipo N se obtém combinando o silício com uma quantidade mínima de elemento dis-
pondo de cinco elétrons em sua órbita de valência, habitualmente fósforo ou antimônio. A combinação
do fósforo e do silício produz uma ligação covalente, mas, um elétron permanece livre, uma vez que o
silício aceita somente quatro (figura 128). Esse elétron é chamado livre ou transportador de corrente;
ele pode se deslocar facilmente no interior da matéria.

elétron livre

Figura 128 Formação de uma substância do tipo N pela combinação de silício e fósforo (Delco-Remy)

Uma substância tipo P provém da combinação de silício com uma quantidade ínfima de um elemento
que tenha três elétrons de valência, normalmente boro ou índio (figura 129). A combinação boro e
silício produzem uma ligação covalente, mas o elétron que falta cria um vazio, pois o boro só oferece
três elementos em partilha e o silício aceita quatro. Esse vazio é chamado lacunas e essa substância é
dita positiva em razão das lacunas, que é de polaridade negativa.

Figura 129 Formação de uma substância tipo P pela combinação de silício e boro (Delco-Remy)
Aula 07 - Diodos

153
Condução em um semicondutor do tipo N

Para compreender o funcionamento dos semicondutores é preciso admitir que uma lacuna seja portadora
de corrente positiva e o elétron é portador de corrente negativa. Quando um semicondutor do tipo N é
ligado a uma fonte de alimentação, como mostra à figura 130, a condução depende exclusivamente do
deslocamento dos elétrons livres, ou seja, os que vêem da dopagem. Esse movimento é comparável ao
que se produz em um condutor, como um fio de cobre. O pólo negativo da fonte empurra os elétrons
livres, e o positivo os atrai.

Circulação de elétrons
só os elétrons livres
são representados

Semi-condutor do tipo N

Figura 130 Circulação de corrente em um semicondutor do tipo N (Delco-Remy)

Condução em um semicondutor do tipo P

Como mostra a figura 131, uma condução também se estabelece quando se liga uma bateria em um
semicondutor do tipo P. Trata-se de um deslocamento de lacunas carregados positivamente.

elétrons
lacunas
Eletroeletrônica Veicular

semi-condutor do tipo P

Figura 131 Deslocamento de lacunas em uma substância tipo P (Delco-Remy)

154
O deslocamento de lacunas se visualiza facilmente observando o esquema simplificado de um semicon-
dutor do tipo P. Você já sabe que em eletricidade as cargas iguais se repelem e as contrárias se atraem.
Em um semicondutor do tipo P os elétrons são, portanto, atraídos pelo pólo positivo da bateria e
repelidos pelo negativo (figura 132).

Figura 132 Deslocamento de lacunas em um semicondutor tipo P (Delco-Remy)

O movimento contínuo das lacunas, do borne positivo ao negativo, de um semicondutor tipo P, é


considerado como uma corrente contínua, enquanto a tensão da bateria provocar a troca de elétrons
das órbitas de valência. É importante notar que as lacunas se deslocam unicamente no interior de um
semicondutor, enquanto os elétrons se deslocam no conjunto do circuito. A compreensão da teoria do
deslocamento de lacunas é essencial para a compreensão do principio de funcionamento dos diodos
e transistores.
Aula 07 - Diodos

155
pontos-chave
Um elemento semicondutor possui quatro elétrons em sua órbita de valência;
Ligação covalente é a ligação química de dois átomos pelo compartilhamento de elétrons;
A dopagem é um tratamento químico que dá propriedades elétricas particulares ao cristal;
Após a dopagem o cristal apresenta um excesso ou insuficiência de elétrons;
Uma substancia tendo excesso de elétrons (-) é dita do tipo N, aquela em déficit de
elétrons é dita do tipo P;
Um átomo que ganhou ou perdeu um ou mais elétrons leva o nome de íon.

Essa primeira lição da aula 07 é uma introdução as aulas 07 e 08, consulte o seu CD-ROM e
solucione os exercícios propostos, eles o ajudarão no aprendizado.

_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletroeletrônica Veicular

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

156
lição
lição18
17

DIODOS

Definição

Um diodo é um componente eletrônico que permite a passagem da corrente em uma única direção.

Fabricação

O diodo resulta da reunião de um bloco de semicondutor tipo P a um bloco de semicondutor tipo N.


A reunião das duas partes se efetua em condições rigorosamente controlada. A zona de encontro da
suas partes se chama junção P-N. Ela quase não possui transportadores de corrente, pois ao se difun-
dir os elétrons livres do bloco N completam as lacunas do bloco P. A junção constitui uma zona não
condutora chamada barreira de potencial. Cada um dos blocos possui uma conexão elétrica, a ligada
ao bloco positivo é chamada anodo (+) e a ligada ao negativo, catodo (-).

Polarização direta

O diodo está em polarização direta quando aplicamos a polaridade negativa ao eletrodo do bloco N
(catodo) e a polaridade positiva ao bloco P (anodo). Ligado assim, como mostra a figura 133, os trans-
portadores de carga, ou seja, os elétrons excedentes e as lacunas são atraídos pelo potencial de sinal
oposto e atravessam a junção.

Figura 133 Deslocamento das cargas em um diodo polarização direta (Delco-Remy)


Aula 07 - Diodos

Fabricação dos diodos

157
O potencial exterior deve igualar ou exceder a resistência oferecida pela barreira de potencial para que as
cargas atravessem livremente a junção e tornem o diodo condutor. A resistência oferecida pela junção de
um diodo de germânio provoca queda de tensão de aproximadamente 0,3 V; a de um diodo de silício é
de aproximadamente 0,7 V. No sentido de passagem, ou seja, em polarização direta, a resistência é bem
baixa, sendo, portanto essencial limitar a corrente ligando uma resistência em série com o diodo.

Os elétrons do bloco negativo se deslocam para o bloco P. Eles atravessam o bloco N, passam pela
junção e preenchem as lacunas do bloco P. O diodo conduz os elétrons até que as cargas negativas
que atravessam a junção correspondam às cargas positivas. Como mencionado antes, em polarização
direta uma pequena tensão é suficiente para tornar um diodo condutor. Essa tensão é chamada tensão
de base, seu valor corresponde à tensão de difusão na junção, mas circulando em sentido inverso. O
diodo conduz logo que a tensão em seus bornes exceda a tensão de base.

Polarização inversa

O diodo é dito em polarização inversa quando o bloco P esta ligado ao potencial negativo e o N ao
positivo. Nessas condições o elétron positivo atrai os elétrons livres do bloco N e os afasta da junção;
o eletrodo negativo atrai as lacunas do bloco P e os afasta da junção. A tensão máxima a qual um diodo
pode ser submetido em polarização inversa sem ser destruído se chama Peak Inverse Voltag (PIV). Seu
valor varia de acordo com cada diodo.

Como mostra a figura 134 a zona situada perto da junção é desprovida de transportadores e, conse-
quentemente, nenhuma corrente atravessa o diodo. No entanto, é possível que uma corrente ínfima,
chamada corrente de fuga, circule em um diodo ligado em polarização inversa.

P N
Eletroeletrônica Veicular

Figura 134 Posição dos transportadores de corrente em um diodo de polarização inversa (Delco-Remy)

158
Ruptura do diodo

Se a tensão inversa excede certo valor, há risco de destruição do diodo. A tensão excessiva pode arrancar
os elétrons unidos pelas ligações covalentes, o que torna o diodo condutor em sentido inverso ao nor-
mal. Se a corrente inversa não for limitada à condução em sentido inverso provoca superaquecimento
e pode destruir diodo. Ele deixa de desempenhar seu papel de válvula unidirecional. A tensão que
provoca a condução em sentido inverso se chama tensão de ruptura ou queima (break down voltage).
Cada tipo de diodo tem sua própria tensão de ruptura, isso pode variar de alguns a vários milhares de
volts. A grandeza da dopagem do semicondutor e a elevação de temperatura são fatores que reduzem
ou aumentam a tensão de ruptura.

Símbolo

Como mostra à figura 135, a representação simbólica de um diodo é formada por um triângulo e um
traço perpendicular. A ponta do triângulo apoiada no traço indica polarização direta, também chamada
sentido de passagem do diodo.

ânodo cátodo

ânodo cátodo

polarização direta

Figura 135 Representação esquemática e símbolo de um diodo (General Motors)

Polarização direta e inversa de um diodo


Aula 07 - Diodos

159
Espécies de diodos

Existem várias espécies de diodos (figura 136). Os principais são:

tubular
de cristal
de caixa metálica

tubular

cristal

caixa metálica

Figura 136 Simbolização e modelos de diferentes tipos de diodos (General Motors)

Diodos tubulares

Os diodos tubulares são empregados geralmente em circuitos eletrônicos. Normalmente possuem


Eletroeletrônica Veicular

corpo de cor preta, envoltos por uma faixa cinza em uma extremidade. A extremidade envolvida pela
faixa é o cátodo, ou seja, o eletrodo negativo do diodo, a outra é o ânodo.

160
Diodos de cristal e de caixa metálica

O diodo de cristal, de forma elíptica, também possui uma faixa identificando o cátodo. É utilizado
principalmente em circuitos eletrônicos. O diodo de caixa metálica é normalmente utilizado em circuitos
de intensidade elevada. A caixa metálica serve, ao mesmo tempo, de proteção para a junção P-N e de
arrefecedor, dissipando o calor gerado pelo diodo. Nos diodos de caixa metálica não há identificação
visual que permita distinguir o ânodo do cátodo. Um diodo desse tipo é dito positivo quando a caixa é
ligada ao cátodo e, negativo quando ligada ao ânodo. Ou seja, é a direção da junção P-N na caixa que
determina o sentido de passagem do diodo. A distinção se efetua com um multímetro na função “teste
de diodo”. A figura 137 mostra uma vista em corte de um diodo de caixa metálica.

caule
vidro

dissecador (elimina a
umidade)

molibdênio (reduz o
constrangimento sobre
botão junção PN a junção)

Figura 137 Vista em corte de um diodo de caixa metálica (Delco-Remy)

Verificação de diodos

A verificação do diodo (figura 138 da página 162) permite detectar as seguintes anomalias: curto-circuito;
circuitos abertos e fugas anormais. Os multímetros digitais indicam diretamente a tensão necessária
para vencer a barreira de potencial em polarização direta e inversa. Dependendo do material, germânio
ou silício, um diodo em bom estado no sentido direto (condução) provoca uma queda de tensão entre
0,3 e 0,7V, no sentido não passante a condução é nula. (Nesse momento o multímetro mostra o valor
da tensão da pilha do aparelho).
Aula 07 - Diodos

161
Se o diodo estiver em curto o multímetro mostra uma queda de tensão perto de 0 V nas duas direções.
Quando o mostrador apresenta “I” (infinito) o diodo está aberto. A verificação de curto-circuito ou
de fuga anormal se efetua no sentido de não condução.

diodo de carcaça metálica

Figura 138 Verificação de diodo (OTC)

Pontos-Chave
O diodo permite a passagem de corrente em uma única direção;
A zona situada no encontro de duas partes de um diodo se chama junção P-N;
O diodo é polarizado diretamente quando o bloco N (catodo) está ligado ao pólo
negativo e o bloco P (anodo) ao pólo positivo;
O potencial exterior deve exceder a barreira de potencial para que as cargas atravessem
a junção;
Uma tensão excessiva pode arrancar elétrons reunidos por ligações covalentes e tornar
o diodo do condutor em direção oposta ao sentido normal;
A tensão de ruptura ou de queima provoca a condução de um diodo em sentido inverso;
As principais espécies de diodos são: tubulares, de cristal e caixa metálica;
A verificação dos diodos permite a detecção das seguintes anomalias: curto-circuito,
circuito aberto e fugas anormais.
Eletroeletrônica Veicular

Na lição 18 há duas animações no seu CD-ROM, são elas: Fabricação dos diodos e Pola-
rização direta e inversa de um diodo. Vamos relembrar o conteúdo estudado nessa lição
consultando as animações e realizando exercícios propostos.

162
lição
lição19
17

UTILIZAÇÃO DOS DIODOS NOS CIRCUITOS DE VEÍCULOS

Ano após ano a utilização dos diodos aumenta no setor automotivo. No início eles serviam praticamente
apenas para converter a corrente gerada pelo alternador. Hoje eles servem principalmente para:

retificação (converter a corrente alternada do alternador em corrente continua);


amortecimento da alta tensão (desviar a corrente evitando retornos de tensão);
isolamento (forçar a corrente elétrica a circular em uma direção determinada).

Figura 139 Conversor formado por seis diodos montados em ponte (General Motors)

Retificação

A conversão da tensão alternada produzida por um alternador trifásico se efetua habitualmente com
a ajuda de seis diodos de caixa metálica. Os diodos são montados em um suporte metálico munido de
aletas, elas agem como um radiador e dissipam o calor produzido pelos diodos (figura 137).

Você sabe que a corrente alternada resulta de um vai e vem constante de um campo magnético de
polaridade norte-sul seguido de um campo magnético de polaridade sul-norte. O alternador produz
corrente alternada que precisa ser convertida para recarregar a bateria e alimentar os acessórios.
Aula 07 - Diodos

163
Para facilitar a compreensão do papel dos diodos em um retificador observe a figura 140, ela representa
o enrolamento de um estator monofásico em cujo interior circula a corrente alternada.

a corrente
circula de B
para A
corrente alternada
corrente contínua

a corrente
circula de B
para A
corrente

tempo
tempo

corrente antes do retificador corrente depois do retificador

Figura 140 Representação esquemática de um retificador formado por quatro diodos em ponte (General Motors)

A montagem de quatro diodos em ponte permite a conversão da alternância negativa (B-A) e, conse-
quentemente, permite produzir uma corrente continua. O termo ‘contínua’ nesse caso significa que a
corrente circula sempre no mesmo sentido no circuito externo, ou seja, do pólo positivo ao negativo.

Utilização dos diodos em um veículo (retificação da tensão)

Amortecimento da alta tensão

A auto-indução em uma bobina, como de um relé ou de uma embreagem magnética, gera correntes
Eletroeletrônica Veicular

breves. Essas correntes são suficientemente grandes para prejudicar o bom funcionamento e até des-
truir os circuitos que possuam componentes eletrônicos. Um diodo ligado em derivação a uma bobina
bloqueia a corrente quando o circuito é normalmente alimentado e permite a passagem da corrente
extra de ruptura na abertura do interruptor. A corrente extra retorna ao começo do enrolamento e se
estabiliza ao invés de circular no circuito de comando eletrônico ou no interruptor.

164
A utilização de computadores e módulos eletrônicos aumenta a importância da tarefa dos diodos. Os
diodos ligados dessa maneira também são chamados de diodos de ponte (figura 141).

diodo bouelage

botão de
comando

Quando o interruptor é
aberto, o diodo permite a
passagem de uma corren-
te extra que dissipa-se na
bobina de bobina
diodo embreagem

Figura 141 Diodo de ponte ligado em paralelo com o enrolamento da embreagem do compressor do ar
condicionado (General Motors)

Em resumo o diodo de ponte:

elimina as sobre tensões causadas pela auto-indução no enrolamento;


aumenta a rapidez de reação de um acessório acionado por magnetismo pela aceleração da
queda do campo magnético.

Isolamento

Às vezes é interessante permitir a passagem da corrente em um elemento numa direção e proibir no


sentido inverso. Um diodo inserido no circuito se encarrega perfeitamente dessa tarefa. Ele isola o
elemento bloqueando enquanto a circulação e a polarização da corrente forem inversas. O diodo de
isolamento intercalado entre certos alternadores e a bateria, constitui um exemplo clássico dessa situ-
ação. Esse diodo deixa passar à corrente quando a tensão do alternador excede a da bateria e bloqueia
Aula 07 - Diodos

logo que a situação se inverte.

165
DIODOS ZENER

Funcionamento

O diodo Zener deixa passar a corrente em seu sentido bloqueado quando a tensão atinge um valor
chamado ponto Zener. No sentido de passagem o comportamento do diodo Zener é idêntico ao do
diodo convencional. No sentido bloqueado o diodo Zener possui a particularidade de manter mais ou
menos constante a intensidade em seus bornes, sem importar a intensidade da corrente que o atravesse.
Graças a essa característica o diodo Zener se aplica, sobretudo, na regularização de tensão (figura142).
A título de exemplo, um diodo Zener bloqueia a corrente enquanto a tensão em polarização inversa
permanece inferior a 5,5 V. Logo que esse valor é atingido o diodo passa subitamente a condutor, se a
tensão cai a valor inferior a de base ele se bloqueia imediatamente.

diodo Zener

Figura 142 Diodo Zener utilizado em um regulador de tensão (GM)

Fabricação
Eletroeletrônica Veicular

O diodo Zener é formado por elementos comparáveis ao do diodo convencional. A única diferença é
devida a uma maior dopagem. A forte concentração de transportadores de corrente, sejam os elétrons
ou as lacunas suplementares situados perto da junção, permitem a circulação de corrente sem danos.

166
Símbolo

A representação simbólica do diodo Zener varia de acordo com a origem da documentação. O símbolo
que aparece na figura 143 é o mais utilizado. Os outros símbolos utilizados para representar o diodo
Zener contêm normalmente um traço quebrado parecendo um Z.

Figura 143 Símbolo de um diodo Zener (GM)

Pontos-chave
Os diodos servem principalmente para a conversão de corrente alternada, o amorte-
cimento de alta tensão e isolamento;
Um diodo Zener deixa passar a corrente no sentido de não condução quando a tensão
atinge um valor chamado ponto Zener.

Nessa lição aprendemos sobre a utilização dos diodos no setor automotivo e sobre o Diodo
Zener, na próxima lição continuaremos a estudar alguns diodos específicos e o seu funciona-
mento. No seu CD-ROM está disponível para consulta a animação Utilização dos diodos
em um veículo, veja-a e aproveite para solucionar os exercícios propostos.

_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 07 - Diodos

_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

167
lição
lição20
17
DIODOS ELETROLUMINESCENTES

Funcionamento

O diodo eletroluminescente, LED (light emitting diodes), é um elemento que emite luminosidade quando
funciona em polarização direta. Em polarização inversa, esse diodo funciona como um diodo conven-
cional. A barreira de potencial de um diodo eletroluminescente se situa entre 1,5 e 2,2 V, o que é mais
elevado que a barreira de potencial de um diodo convencional, que varia entre 0,3 e 0,7 V. Em pola-
rização direta os transportadores de corrente passam a junção e se recombinam no bloco oposto. Ao
passar a junção, as cargas móveis acumulam energia cujo valor corresponde à resistência oferecida pela
barreira de potencial. Passada a barreira, a energia é liberada sob forma de calor ou radiação luminosa.
A quantidade de energia liberada determina o comprimento da onda, ou seja, a cor da luminosidade
emitida.

Por exemplo, uma barreira de potencial que exige uma tensão de 1,6 a 2 V emite uma luz vermelha, uma
barreira de 2,2 a 2,5 V emite luz verde. Para obter valores de potencial que correspondam a essas medidas
se utiliza materiais como o gálio ou o índio e antimônio. Quanto ao silício, ele emite uma luminosidade
cujo comprimento de onda corresponde ao infravermelho, portanto invisível ao olho humano.

O funcionamento de um LED exige uma corrente bem baixa; ele começa a acender a partir de 1 mA e
a intensidade aumenta até mais ou menos 40 mA. Acima desse limite o diodo pode queimar. Portanto,
sempre é preciso ligar um resistor em série com o diodo para limitar a intensidade e eliminar o perigo
de ruptura do diodo. Os circuitos geralmente são concebidos para limitar a intensidade no LED entre
20 e 30 mA. A resistência à tensão inversa de um diodo eletroluminescente é inferior àquela resistida
por um diodo convencional, que se situa geralmente entre 3 e 30 V.

Fabricação

A junção P-N é apenas um elemento do conjunto. O diodo possui também dois bornes, o ânodo e o
cátodo, e uma lente em resina epóxi encarregada de difundir a luz (figura 144).
Eletroeletrônica Veicular

168
Na base da lente está sinalizada a posição do cátodo.

lente em resina junção PN


de epóxido

fio

ânodo

cátodo

Figura 144 Vista em corte de um diodo eletroluminescente típico (Ford)

Símbolo

A representação simbólica de um LED é parecida com a de um diodo comum. Acrescentam-


se simplesmente duas flechas apontando para o exterior (figura 145). As flechas indicam que
o diodo pode emitir luz.A presença das flechas é necessária em diagramas, mesmo quando o
diodo está em polarização inversa.

Figura 145 Diodo eletroluminescente e símbolo (GM)


Aula 07 - Diodos

169
Mostradores de sete segmentos com LED

Como mostra a figura 146, sete diodos eletroluminescentes, da forma de um segmento, situados na
mesma caixa podem criar mostradores capazes de representar qualquer número ou letra.

Para limitar o número de bornes, os mostradores são ofertados em duas configurações: de ânodo co-
mum e de cátodo comum. No primeiro caso, como mostra a figura 146, um resistor ligado em série
com cada um dos elementos limita a intensidade a valores seguros.

Figura 146 Mostrador de diodos eletroluminescentes (GM)

FOTODIODOS

Um fotodiodo, também chamado foto-emissor é um semicondutor cujo funcionamento consiste na


propriedade que alguns elementos tem de liberar elétrons quando atingidos pela luz.

Fabricação
Eletroeletrônica Veicular

Os elementos ativos que entram na fabricação do fotodiodo são idênticos aos utilizados nos LEDs.

170
Um invólucro metálico coberto por uma lente translúcida protege a junção P-N permitindo a luz in-
cidente (luz direta) de atingi-lo (figura 147)

luz
lente

envelope
metálico

Figura 147 Fabricação de um fotodiodo (Toyota)

Funcionamento

Uma tensão inversa é aplicada ao fotodiodo. Na ausência de luz incidente (escuridão) o fotodiodo
bloqueia a circulação da corrente. Quando a luz incidente de comprimento de onda apropriado atinge
a junção P-N, os elétrons da ligação covalente deixam o cátodo e são atraídos pelo ânodo positivo, a
corrente passa no circuito externo. Esses elétrons aumentam a corrente inversa proporcionalmente à
quantidade de luz que atinge a superfície do cátodo (figura 148).

Os fotodiodos servem principalmente para a produção de sensores de posição e de telecomandos.

Amperímetro
luz

photo-
diodo
corrente
Aula 07 - Diodos

quantidade de luz

Figura 148 Efeito da luz em um fotodiodo (Toyota)

171
Símbolo

A representação simbólica de um fotodiodo é a mesma de um diodo convencional, à qual se acrescenta duas


flechas apontando para o interior para sublinhar o efeito da luz incidente sobre o diodo (figura 149).

Figura 149 Símbolo do fotodiodo (GM)

É importante não confundir o fotodiodo (que é um elemento passivo, pois reage a uma corrente externa) e a cé-
lula fotoelétrica que é um elemento ativo e produz uma tensão elétrica quando atingida pela luz (figura 150).

O elemento sensível geralmente é o sulfato de cádmio (CdS); ele possui a propriedade de emitir elétrons
quando atingido pela luz.

luz vidro
elemento sensível (CDS)

espelhos
Eletroeletrônica Veicular

Figura 150 Vista inteira e em corte de uma célula fotoelétrica (Toyota)

172
Pontos-chave
O diodo eletroluminescente também é chamado DEL ou LED (light emitting diode);
Em polarização direta o diodo eletroluminescente emite luminosidade, em polarização
invertida o diodo eletroluminescente funciona como um diodo convencional;
O fotodiodo é um componente passivo que reage a uma corrente exterior.

Chegamos ao final da aula 07, consulte o seu CD-ROM e faça os exercícios propostos para a lição 20.
Se você preferir rever as animações dessa aula para relembrar o conteúdo estudado são as
seguintes: Fabricação dos diodos, Polarização direta e inversa de um diodo e Utilização
dos diodos em um veículo.

Lembre-se depois do seu estudo da aula 08 teremos a nossa segunda aula prática, aproveite para resol-
ver os exercícios referentes às aulas 06 a 07 do seu questionário que será entregue na aula prática.

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 07 - Diodos

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

173
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletroeletrônica Veicular

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

174
TRANSISTORES

Os transistores são componentes eletrônicos empregados, principalmente, como interruptores ou


amplificadores de sinais elétricos.

Existem vários tipos de transistores que podem ser divididos em duas grandes categorias: bipolares e unipolares.

Nessa aula estudaremos as peculiaridades dos transistores e sua funcionalidade em duas lições.

AULA 08

175
lição
lição21
17

TRANSISTORES BIPOLARES

Fabricação

Os transistores bipolares são constituídos de três blocos semicondutores de polaridade diferente: PNP ou
NPN. Os elementos que constituem os blocos P e N são idênticos aos descritos na apresentação dos
diodos. O adjetivo “bipolar” provém do fato de os transportadores de carga serem, como nos diodos,
de duas polaridades (elétrons {-} e lacunas {+}). A figura 238 mostra a representação esquemática de
transistores PNP e NPN.

Sabemos que um diodo é uma junção de um bloco P e de um bloco N. Como mostra à figura 151 a
adição de um bloco P produz uma segunda junção N-P, e a reunião desses três blocos formam um
transistor PNP. A adição de um bloco N a uma junção P-N produz um transistor tipo NPN. Cada um
dos blocos possui uma conexão e tem um nome específico: o emissor (V), a secção central chamada
base (B) e o coletor (C).

emissor coletor

base
emissor coletor

base

Figura 151 Representação esquemática de transistores PNP e NPN (GM)


Eletroeletrônica Veicular

176
Funcionamento

Como mostra a figura152 um transistor possui duas junções. A situada no encontro do emissor e da
base, que comanda o funcionamento do transistor, tem o nome de junção de comando. Para comandar
a circulação de corrente do coletor para o emissor, a junção P-N (base-emissor), em um transistor NPN,
deve estar em polarização direta, ou seja, o emissor ligado ao pólo negativo (-) e a base ao positivo (+).
Sem essa condição a junção N-P (coletor-base) se comporta como um circuito aberto.

Emissor base coletor

aberto fechado

Figura 152 Circuito comandado por um transistor NPN (Delco-Remy)

Para obter o que chamamos de efeito transistor, a distância entre as junções deve ser ínfima, mais ou
menos 10 µm para transistores de silício. A proximidade das junções faz com que os transportadores
de corrente injetados na junção emissor-base se difundam no coletor pela base. Logo que os transpor-
tadores de corrente estão ao alcance do campo elétrico da segunda junção (base-coletor) são atraídos
para a zona do coletor e circulam como corrente do coletor. A vazão de elétrons na base continua a
mesma, provocando o desvio dos outros elétrons do emissor para o coletor. A corrente de base deve,
portanto, circular no sentido da ponta da flecha, e o coletor ser positivo em relação ao emissor para
que um transistor NPN conduza (figura 153).

emissor base coletor


Aula 08 - Transistores

fechado fechado

Figura 153 Transistor NPN conduzindo corrente (Delco-Remy)

177
Enquanto a polaridade na base continuar (positiva), a circulação da corrente continua entre o emissor
e o coletor. Logo que o circuito de base se abre, como mostra a figura 154, ou a polaridade muda, a
circulação entre o emissor e o coletor cessa imediatamente.

emissor base coletor

Aberto Fechado

Figura 154 Circuito de base aberto (Delco-Remy)

O princípio de funcionamento dos transistores PNP é idêntico ao dos NPN. A diferença provém do
fato que emissor emite lacunas e as polaridades são inversas (figura 155).

4,8 A

A A 0,2 A A A

circuito de A A
base aberto
circuito de
base fechado 5,0 A

Figura 155 Transistor PNP com circuito de base aberto e fechado (GM)

Em um transistor normal, de 98 a 99% dos transportadores de corrente emitidos pelo emissor atraves-
Eletroeletrônica Veicular

sam a junção B-C tornando-se a chamada corrente do coletor. A corrente de base, ou seja, 1 ou 2 %
restantes permitem comandar a corrente do coletor 99 vezes maior. Enquanto a situação não mudar,
a circulação da corrente E-C é mantida. Pequenas variações da corrente de base provocam grandes
mudanças na corrente emissor-coletor.

178
Consequentemente, se a corrente de base for nula a do emissor também será nula. Nas aplicações de
amplificação a relação entre a corrente do coletor e a de base é chamada ganho do transistor. Nas fi-
chas técnicas o ganho é expresso pelos símbolos hFE (hybrid forward emitting) em corrente continua
e hfe em corrente alternada. A figura 156 mostra uma analogia entre a corrente de base e o grau de
abertura de uma torneira. A vazão do liquido na torneira, e a corrente do coletor no transistor, depen-
dem diretamente da posição da torneira ou da importância da corrente de base. Uma pequena variação
na corrente de base causa uma mudança diretamente proporcional na corrente do coletor, podemos
definir esse fenômeno como linear.

débito
inicial
fechada

parcialmente
Aberta débito
intermediário

débito total
aberta (saturação)

Figura 156 Comparação entre a posição de uma torneira e a corrente de base (GM)

Saturação
Aula 08 - Transistores

A saturação é um dado importante para um transistor. Um transistor está saturado quando o número
de transportadores de corrente sejam os elétrons nos transistores NPN ou as lacunas para os PNP,
que chegam à junção base-coletor, excedem o que o coletor pode aceitar. Essa condição gera uma
resistência danosa ao circuito.

179
Símbolo

Um círculo dividido por três traços representa simbolicamente os transistores (figura 157). O traço
terminado por uma ponta de flecha designa sempre o emissor. A ponta indica o sentido convencional
da corrente na junção emissor-base. A base é representada pela linha horizontal ligada no borne central.
O coletor é representado por um traço oblíquo.

Somente a direção da ponta da flecha distingue simbolicamente um transistor PNP de um NPN. Se a


flecha aponta para o emissor, esse é negativo, base positiva e o coletor negativo. Portanto é um tran-
sistor NPN. No transistor PNP a flecha aponta para a base, essa é negativa, o emissor e o coletor são
positivos. Para facilitar a memorização dessas noções, basta considerar a ponta da flecha como a agulha
de uma bússola, ela aponta sempre para o norte (N) como “negativo”.

P N P

emissor + coletor +

base -

N P N

emissor - coletor -

base +

Figura 157 Símbolos de transistores PNP e NPN (GM)


Eletroeletrônica Veicular

180
Ligação

Considerando as características diferentes da base, a ligação dos transistores PNP e NPN em um cir-
cuito é diferente. Como mostra a figura 158 os transistores do tipo NPN são geralmente ligados após
o acessório analisado pela direção à massa; essa disposição é largamente utilizada no setor de veículos.
Em razão de sua natureza, o transistor PNP se situa habitualmente antes do acessório.

Figura 158 Ligações típicas de transistores NPN e PNP em um circuito (GM)

Verificação

As avarias nos transistores acontecem geralmente em uma das duas junções. A verificação de um
transistor se efetua rapidamente com a ajuda de um multímetro digital na função “teste de diodos”.
A inspeção das junções permite determinar se um transistor está em curto-circuito, em circuito
aberto ou atingido por uma corrente de fuga anormal. Esse procedimento corresponde, grosso
modo, a inspeção de dois diodos. A verificação começa pela ligação do aparelho como mostra o
Aula 08 - Transistores

ensaio 1 da figura 159 da página 182. Anota-se o resultado, depois se inverte a posição das pontas
de verificação. O alongamento desse tipo de transistor serve de terceira conexão (coletor). Se as
duas leituras se situarem entre 1 e 2 V, o transistor está em curto.

181
Em seguida liga-se o aparelho como no ensaio 2 (emissor-base) e invertem-se as pontas de verificação.
Se as duas leituras são iguais a zero o transistor está em curto, se as duas leituras forem em torno de 3,
o transistor está aberto. Mesmo procedimento para o ensaio 3. A inspeção de uma ruptura nas junções
de um transistor se efetua aplicando uma polarização direta nas junções, o exame dos curtos-circuitos
e das fugas é realizado por polarização invertida.

coletor
1 2
multímetro multímetro
fuga junção
E-C E-B
C-E B-E

3
multímetro
junção
B-C
C-B

1 2 3

Figura 159 Verificação de um transistor com a ajuda de um multímetro (Delco-Remy)

Quando utilizamos um ohmímetro analógico para efetuar a verificação, esse deverá indicar uma pequena
resistência em polarização direta e uma resistência infinita (∞) em polarização invertida nas junções
E-B e B-C. A leitura deverá ser infinita (∞) na junção E-C nos dois sentidos.

Transistor utilizado como amplificador

Um transistor pode ser utilizado com amplificador quando uma forte corrente de coletor é criada fa-
zendo circular apenas uma pequena corrente na base de um transistor. A corrente de coletor assim
obtida pode ser de 10 a 1000 vezes superior a corrente de base. Essa característica serve bastante no
setor automotivo. Exemplo: a corrente mínima gerada comanda a base (Ib) de um transistor e provoca
a passagem de grande corrente no coletor (Ic). A corrente do coletor provém da bateria através do
transmissor e de um circuito auxiliar. A amplificação assim obtida se chama ganho e se exprime pela
Eletroeletrônica Veicular

fórmula Hfr = Ib/ Ic.

182
Função do interruptor

O transistor também serve de interruptor. De fato, essa função se compara mais a de um relé. Como
num relé, uma corrente mínima na base (Ib) permite a circulação de uma grande corrente de coletor
(Ic); logo que a corrente de base é cortada ou a polarização invertida, a circulação da corrente do co-
letor cessa. Como o transistor não é tocado pela energia, oferece a vantagem de funcionar em grandes
velocidades comparadas aos contatos mecânicos de um relé.

Funcionamento dos transitores - NPN e PNP

Pontos-Chave
Os transistores são empregados como interruptores ou amplificadores de sinais elétricos;
Os transistores se dividem em duas categorias: bipolares e unipolares;
Os transistores bipolares são constituídos de três blocos semicondutores de polaridade
diferentes: PNP ou NPN;
A junção no encontro do emissor e da base leva o nome de junção de comando;
O ganho do transistor é a relação entre a corrente do coletor e a da base;
Um transistor está saturado quando o número de transportadores de corrente que
atingem a junção B-C, excede o que esse coletor pode aceitar.

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 08 - Transistores

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
183
lição
lição22
17

TRANSISTORES UNIPOLARES

O adjetivo “unipolar” resulta do fato de os transistores com efeito de campo (TEC) só funcionarem
com transportadores de carga de um único tipo: elétrons ou lacunas. Os transistores unipolares com
efeito de campo são agrupados em duas categorias:

com efeito de campo na junção (JFET junction field effect transistor);


com efeito de campo de camada isolante (MOSFET: metal oxide semiconductor field effect tran-
sistor).

Os transistores unipolares servem geralmente para a amplificação. O nome dos bornes é porta (G),
fonte (S) e dreno (D).

Transistores com efeito de campo na junção (JFET)

fabricação

Os transistores unipolares com efeito de campo são constituídos de um bastão de semicondutor N ou P, envol-
vido por um semicondutor de polaridade oposta. Os elétrons source (S) e dreno (D) são soldados nas
extremidades do bastão e a porta (G) é ligada na cintura (meio). A porta também pode ser chamada de
gatilho. Nesse tipo de transistor, seja o canal do tipo N ou P, a corrente sempre circula da fonte para
o dreno. Por essa razão os termos ânodo e cátodo não são mais utilizados.

Como mostra à figura 160 da página 185, a exceção da disposição dos traços que aqui são paralelos,
a representação simbólica do TEC na junção lembra a dos transistores bipolares; a direção da flecha
corresponde à condutividade do canal.

funcionamento
Eletroeletrônica Veicular

Os transportadores de carga penetram no canal pela fonte (S) e saem pelo dreno (D). A grade coman-
da o campo elétrico no canal. A condutividade do canal aumenta ou diminui de acordo com a tensão
aplicada. Exemplo: uma tensão de porta positiva induz cargas negativas em um canal N, o que aumenta

184
a corrente fonte-dreno. O comando de corrente se produz sem perda de potência, o transistor com
efeito de campo (figura 161) na junção é, portanto, um componente unipolar comandado unicamente
pela tensão.

barreira isolante de óxido

pulso elétrico
porta

processador

Figura 160 Transistor de efeito de campo

Essa característica marca uma importante diferença entre o transistor com efeito de campo e o transistor
bipolar, pois a fonte não é obrigada a fornecer corrente para comandar o TEC.

dreno dreno

gatilho gatilho

source source
dreno dreno
DSC
gatilho
gatilho

source source
Transistor com efeito de Transistor com efeito de
campo a canal N campo a canal P
Aula 08 - Transistores

Figura 161 Representação esquemática e simbólica dos transistores com efeito de campo (GM)

185
Transistores com efeito de campo na camada isolante
(MOSFET)

Fabricação

As letras MOS descrevem bem a construção desses transistores, uma vez que elas correspondem à
distribuição das camadas: metal (alumínio) – óxido (óxido de silício) – semicondutor (silício). A repre-
sentação simbólica da grade, um traço paralelo ao dreno-fonte, lembra o símbolo de um capacitor.

O capacitor desempenha um papel importante no comando desse tipo de transistor. A figura 162
mostra as representações esquemática e simbólica de transistores MOSFET.

gatilho (camada condutora


de alumínio) isolante
(óxido de silício)

N P N
silício

D D
S
G G
P N P S
S

Figura 162 Representação esquemática e simbólica de transistores MOSFET (GM)

FUNCIONAMENTO

No caso de um transistor PNP, se o eletrodo da grade não sofrer nenhuma tensão, não há circulação
de corrente entre a fonte e o dreno. As junções P-N bloqueiam a passagem. A aplicação de uma tensão
negativa na porta (G) empurra os elétrons da região N situada sob o eletrodo no interior do cristal.
As lacunas, transportadores de carga minoritários no silício do tipo N, são atraídos para a superfície.
Uma estreita camada condutora do tipo P se forma sob a superfície: um canal P. A corrente pode agora
Eletroeletrônica Veicular

circular entre as duas regiões P, fonte e dreno; essa corrente é composta unicamente de lacunas. Como
a tensão da grade age por meio de uma camada isolante de óxidos, não há circulação de corrente no
circuito de comando. O comando se efetua, portanto, sem perda de potência. O transistor MOS é,
então, um condutor unipolar comandado pela tensão.

186
Os transistores MOS oferecem as seguintes vantagens:

rapidez de funcionamento;
baixas perdas de potência;
baixa sensibilidade às variações de temperatura;
resistência elevada aos parasitas.

Como a porta dos transistores com efeito de campo é comandada unicamente por magnetismo, esse tipo
de transistor é particularmente sensível às descargas devido à eletricidade estática. Em função disso
os fabricantes colocam advertências indicando a presença desses componentes (figura 163) na maioria
dos módulos eletrônicos que comandam circuitos nos veículos modernos.

Figura 163 Pictograma sinalizando a presença de componentes sensíveis à eletricidade estática (GM)

Funcionamento dos MOSFET

TIRISTORES

Definição

Os tiristores são componentes eletrônicos de quatro camadas de semicondutor possuindo as proprie-


dades de um interruptor.

Fabricação

O tiristor se compõe de quatro camadas de semicondutor PNPN posicionadas uma após a outra. Três
Aula 08 - Transistores

dessas camadas são munidas de bornes de ligação: o ânodo (+), o cátodo (-) e o gatilho. O gatilho cor-
responde ao eletrodo de comando. Dependendo da disposição das camadas, os tiristores têm gatilho
P ou gatilho N.

187
Categoria

Os tiristores se dividem em duas categorias: unidirecional, chamadas comumente de “SCR” (silicone


controles rectifier) e bidirecionais, chamados triacs (tríade, a-c operated).

SCR

A condução de um tiristor SCR começa quando as seguintes condições são atendidas: o ânodo é positivo
em relação ao cátodo e o gatilho recebe um sinal chamado corrente de partida. Ligado como interrup-
tor, o tiristor é colocado em circuito logo que a corrente do gatilho atinge o valor chamado corrente
de partida, então ele conduz entre o ânodo e o cátodo e pode deixar passar uma grande corrente de
carga. A figura 164 mostra as representações esquemáticas e simbólicas de um SCR.

Figura 164 Representações esquemática e simbólica de um SCR (GM)

Contrariamente ao transistor, um tiristor continua conduzindo após entrar em circuito, mesmo se a


alimentação do gatilho for cortada. O bloqueio de um tiristor, ou seja, o fim da condução, exige que a
corrente principal caia abaixo da corrente de manutenção. O método mais simples de parar a condu-
ção consiste em abrir o circuito através de um interruptor. A abertura do circuito desativa o SCR e ele
conserva o estado de não condutor mesmo se o interruptor for fechado novamente.

Triac
Eletroeletrônica Veicular

O triac é um tiristor bidirecional de três bornes, pode ser ligado sem importar o sentido da corrente do
gatilho. Como a corrente pode circular nos dois sentidos no interior de um triac, as conexões não são
identificadas por ânodo ou cátodo, mas simplesmente por “borne n° 1” e “borne n° 2”. O gatilho pode
começar a condução do triac tanto em tensões positivas quanto negativas.

188
O gatilho do triac também só serve para começar a condução A interrupção somente acontece quando
a corrente principal é cortada. A figura 165 mostra a representação simbólica de um triac.

Figura 165 Representação simbólica de um triac

Pontos-chave
• Os transistores com efeito de campo se dividem em duas categorias: com efeito de
campo na junção e com efeito de campo na camada isolante;
• Os tiristores são componentes eletrônicos de quatro camadas de semicondutor pos-
suindo propriedades de um interruptor;
• Um tiristor SCR liga quando o ânodo é positivo em relação ao cátodo e o gatilho recebe
um sinal de partida;
• O triac é um tiristor bidirecional que pode ser ligado não importando o sentido da
corrente do gatilho.

Parabéns! Finalizamos a oitava aula e nossa próxima atividade será a segunda aula prática. Apro-
veite para consultar o seu CD-ROM e ver a animação referente à lição 22: Funcionamento
dos MOSFET e fazer os exercícios propostos.

Finalize os exercícios do questionário e lembre de entregá-lo ao seu instrutor na aula prática.


Aula 08 - Transistores

189
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
Eletroeletrônica Veicular

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

190
LÂMPADAS E FARÓIS

Todos os veículos possuem um sistema de iluminação essencial à direção noturna e um sistema


de sinalização obrigatório para circular com segurança. Para ser capaz de fazer a manutenção
e a reparação no sistema de iluminação você deve conhecer as características dos principais
componentes desses circuitos. Essa aula, nas quatro lições que seguem, apresentará as lâmpadas e
outros componentes do sistema de iluminação dos automóveis. E você aprenderá a reparar vários
elementos que constituem os chicotes elétricos nesses sistemas.

AULA 09

191
lição
lição23
17

As lâmpadas são fontes luminosas do sistema de iluminação. Para sanar diferentes necessidades, os
fabricantes de automóveis usam várias lâmpadas que possuem diferentes características. Essa lição
apresenta as lâmpadas e os faróis usados nos veículos.

LÂMPADAS INCANDESCENTES

Construção e funcionamento

Apesar da diversidade das lâmpadas existentes atualmente no mercado, elas possuem em comum os
seguintes elementos: filamento, bulbo, base e terminais de conexão (figura 166).

bulbo filamento

base
guia

pólo

Figura 166 Elementos de uma lâmpada incandescente

O filamento, normalmente fabricado em tungstênio levado à incandescência, é uma fonte luminosa.


O tungstênio é um metal que tem um ponto de fusão muito alto. A incandescência é o estado de um
corpo que, levado a alta temperatura, (porém inferior à temperatura de fusão), torna-se luminoso. Para
evitar a oxidação rápida e a destruição do filamento em alta temperatura, o bulbo é montado a vácuo
ou enchido com um gás inerte como o nitrogênio, o argônio ou o xênon. As lâmpadas com gás inerte
são mais eficientes que as lâmpadas a vácuo. Como a fonte de calor vem da circulação da eletricidade, as
Eletroeletrônica Veicular

lâmpadas devem ter pelo menos dois terminais conectados a cada uma das extremidades do filamento
(figura 167-A). Normalmente, uma das extremidades do filamento ligado à parede da base, tem o papel
de terminal. Algumas lâmpadas têm dois filamentos de intensidade luminosa diferente, elas têm três
terminais, um comum conectado à base, um no início de cada filamento (figura 167 - C).

192
Outras lâmpadas, com um filamento, possuem dois terminais isolados situados na extremidade da
base. Esta montagem permite controlar a lâmpada pela parte positiva ou pela parte negativa do circuito
(figura 167 - B).

2 terminais

1 filamento 2 terminais

2 filamentos 3 terminais

Figura 167 Diferentes conexões internas de lâmpadas incandescentes

Além de ligar eletricamente a lâmpada ao circuito, a base serve para fixá-la em um receptáculo. Para
evitar confusão entre as lâmpadas, os fabricantes adotam bases com formas e diâmetros diferentes. Os
principais meios adotados para fixar a base no receptáculo são: a montagem tipo baioneta através de
guias (empurre e gire), a montagem com rosca, para empurrar e a tubular (Fesoon type) (figura 168).

Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 168 Lâmpadas tipo tubular (General Electric)

193
A posição assimétrica dos terminais guias da base com baioneta dois pólos (figura 169) das lâmpadas
com dois filamentos de intensidade luminosa diferente, força a conexão de um determinado filamento
a um circuito específico. Como exemplo, esta medida assegura a conexão do filamento mais potente ao
circuito dos piscas e o mais fraco ao circuito de meia luz. Uma substância resistente à alta temperatura
fixa a base feita com liga de cobre ao bulbo.

Baioneta um pólo Baioneta dois pólos Baioneta dois pólos


determinados determinados

Rosqueada miniatura Baioneta miniatura Com guia flange

Figura 169 Diferentes tipos de base circular (General Electric)

Tradicionalmente, as bases eram metálicas. Entretanto, há alguns anos, vários fabricantes de lâmpadas
usam bases plásticas (Plastic Wedge) ou tudo em vidro (Wedge). O uso do plástico evita a corrosão no
receptáculo e reduz a temperatura da base. As lâmpadas em vidro, sem base, têm dois fios que emer-
gem do bulbo e prolongam as extremidades do filamento. Dobrados contra o bulbo, são os terminais.
Além de reduzir o espaço ocupado, esta disposição facilita a montagem já que basta uma pressão para
inserir no receptáculo.

Quando as lâmpadas estão montadas em um circuito impresso, elas são inseridas em um adaptador espe-
cífico (figura 170). O adaptador é inserido por rotação na placa rígida do circuito impresso. As lâmpadas
de vidro são frequentemente usadas em locais pouco ventilados, pois resistem a temperaturas que podem
chegar a 230º C. Nessa temperatura, a substância da base e a soldagem dos terminais derretem.
Eletroeletrônica Veicular

Lâmpada em vidro Lâmpada em vidro em um adaptador

Figura 170 Lâmpadas de vidro (General Electric)

194
Além da forma da base e da quantidade de filamentos, as lâmpadas são classificadas segundo a potência
em watts, a intensidade em ampères (para uma determinada tensão nominal) e o fluxo luminoso. A po-
tência em watts e a intensidade em ampères são semelhantes às unidades apresentadas durante o estudo
dos princípios de eletricidade. A unidade de medida para o fluxo luminoso é a “candela” (Candlepower)
ou o “lúmen”. Como a candela servia para a iluminação antes da invenção da lâmpada incandescente, a
medição era realizada segundo essa referência. A unidade corresponde aproximadamente à iluminação
de uma candela observada na horizontal em uma determinada distância. Para converter as candelas em
lumens, basta multiplicar por 12,57. Assim, 12,57 lúmens equivalem a uma candela. A tensão (em volt)
é um dado importante para as lâmpadas incandescente: como exemplo, uma queda de 2 volts reduz a
iluminação em 2 elevado a 3,4 lúmens.

Para facilitar a conversão, os fabricantes identificam as lâmpadas segundo características idênticas por
um número específico homologado pelo American National Standards Institute (ANSI). Essas carac-
terísticas incluem a forma do bulbo, as dimensões e as posições do filamento em relação à base. Como
exemplo, uma lâmpada no. 1157 (figura172) possui dois filamentos (um de 32 candelas e o segundo de
três candelas), uma base com dois pólos (D.C. Index) e o diâmetro do bulbo é de 1 polegada. O diâ-
metro e a forma do bulbo são expressos por um código formado por uma letra e um número. A letra
significa a forma e o número corresponde à quantidade aproximada de 1/8 polegadas. Como exemplo,
o código S-8 designa um bulbo de forma esférica e um diâmetro de 8x1/8 po = 1 polegada.

TUBO NÉON

Alguns fabricantes usam tubo néon com fonte luminosa para a meia luz dianteira, traseira e para a luz de
freio dos automóveis. A superioridade do tubo néon na luz de freio é que ela pode iluminar mais rápido
(aproximadamente 198 milésimos de segundo) que uma lâmpada incandescente. Para uma velocidade de
97 km/h, esses 198 milésimos de segundo dão ao motorista que vem atrás a possibilidade de diminuir a
distância de parada em 5,25 metros em média, o que reduz os riscos de colisão traseira. Outras vantagens
ligadas ao uso do tubo néon são: uma vida útil maior, um consumo menor de eletricidade e um menor
espaço ocupado, pois a difusão de iluminação é realizada sem necessidade de recorrer a um refletor pro-
fundo. O tubo de néon convencional deve, entretanto, ser modificado para funcionar com uma corrente
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

contínua. A intensidade luminosa do tubo permanece constante para tensões que variam de 9 a 16 volts.

195
Dependendo das necessidades dos designers, o tubo néon pode apresentar diferentes formas para se
adaptar à lanterna. Dependendo da necessidade de sua posição de montagem, eles podem apresentar
iluminação vermelha ou laranja (foi utilizado em alguns modelos VOLVO).
Eletroeletrônica Veicular

Figura 171 Especificações de lâmpadas incandescentes usados nos carros (General Eletric)

196
DIODO EMISSOR DE LUZ OU ELETROLUMINESCENTE (LED)

O diodo emissor de luz (LED) é usado para luz de advertência tanto no painel de instrumentos como
nos diversos interruptores. Vários fabricantes os usam como fonte luminosa para a terceira luz de freio
na tampa do porta-malas ou no aerofólio. O diodo eletroluminescente está alojado em um espaço re-
duzido e resiste melhor que o filamento da lâmpada incandescente ao choque durante o fechamento
da tampa. Além disso, o tempo entre o momento em que o pedal de freio é ativado e sua iluminação
é menor do que o de uma lâmpada incandescente.

FIBRA ÓTICA

Às vezes, os fabricantes usam fibra ótica para iluminar locais de difícil acesso a partir de uma única fonte
luminosa. A fibra ótica não produz luz, ela serve somente para transportá-la. A localização da fonte
luminosa é normalmente prevista para facilitar a troca da lâmpada.

Então, é importante consultar o manual do fabricante para evitar retirar inutilmente elementos localiza-
dos próximo ao local iluminado enquanto a fonte pode estar situada mais longe. A flexibilidade da fibra
ótica permite inseri-la em locais inacessíveis às lâmpadas clássicas e criar efeitos luminosos interessantes.
Uma fibra ótica plástica é formada por um núcleo em polimetacrilato de metila, de forma cilíndrica com
alto índice de refração e uma capa ótica de índice menor. A transmissão dos raios luminosos na fibra
é feita segundo o princípio da reflexão total, ou seja, o raio se reflete do núcleo à capa. A reparação de
uma fibra ótica cortada é feita com um material especial e não por uma emenda clássica.

LÂMPADAS HALÓGENAS

As lâmpadas halógenas têm os mesmos elementos que as lâmpadas incandescentes mencionadas até agora.
A diferença está na pressão interna maior e do gás inerte contido no bulbo que é criptônio misturado a
um halogênio (iodo, bromo ou flúor). A pressão do gás dentro do bulbo é três a quatro vezes superior
à pressão atmosférica, o que pode provocar a explosão do bulbo e a projeção de estilhaços de vidro se
ele aquecer demais ou sofrer uma pancada.
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Você sabe que os fabricantes devem limitar a temperatura do filamento, pois a vaporização do tungs-
tênio escurece o interior do bulbo e reduz a vida útil do filamento. Graças à presença do halogênio, a
ação do calor exalado pelo filamento, provoca, dentro do bulbo, um ciclo halogênio, o que regenera o
filamento. As fases desse ciclo são:

197
a alta temperatura vaporiza parcialmente o filamento, e os átomos de tungstênio se dirigem à pare
de do bulbo onde a temperatura é de 400 a 600º C;
nessas temperaturas, a combinação dos átomos do halogênio com o tungstênio produz iodeto de
tungstênio;
as moléculas de iodeto de tungstênio circulam por convecção dentro do bulbo até o momento
em que encontram o filamento;
em contato com o filamento, devido à alta temperatura (superior a 2.000º C), as moléculas de iodeto
de tungstênio se fracionam e os átomos de tungstênio se acumulam no filamento. Os átomos de
halogênio se misturam novamente aos átomos de tungstênio e o ciclo recomeça.

O ciclo halogênio permite a circulação de uma corrente maior no filamento da lâmpada sem reduzir sua
vida útil; o ciclo atinge então uma temperatura superior, o que aumenta o fluxo luminoso. A eficiência
luminosa das lâmpadas halógenas é de 22 a 26 lúmen/watt enquanto a das lâmpadas incandescentes é
de 10 a 18 lúmen/watt. Além disso, a vida útil das lâmpadas halógenas excede a das lâmpadas não haló-
genas e o bulbo permanece claro, pois o tungstênio vaporizado se acumula novamente no filamento.

Para que os bulbos suportem as temperaturas elevadas sem amolecer são produzidos em quartz ou em
vicors. Esses dois elementos são mais permeáveis a luz que o vidro, e conseqüentemente mais sensíveis
à sujeira, o que exige precauções durante a manipulação deste tipo de bulbo. Eles são submetidos a
temperaturas muito elevadas, assim a dilatação da parte suja será diferente da dilatação da parte limpa,
o que pode provocar rompimento do bulbo.

Se por distração a lâmpada for tocada com a mão desprotegida, é preciso limpa-la com álcool isopropílico. A
transferência de calor do filamento, ao gás, ao bulbo em seguida ao ambiente basta para manter sua temperatura
em níveis aceitáveis. Em condições normais, a circulação do ar assegura o resfriamento adequado.

Para evitar ferimentos ou diminuição da vida util das lâmpadas halógenas, algumas precauções especí-
ficas devem ser tomadas durante a manipulação.
Eletroeletrônica Veicular

Figura 172 Lâmpadas halógenas norte-americanas (General Electric)

198
Regras para a manipulação das lâmpadas halógenas:

usar óculos de proteção;


manter as lâmpadas secas e limpas;
assegurar-se que o circuito não tem tensão;
deixar a lâmpada esfriar antes de manipulá-la;
segurar a lâmpada pela base, nunca tocar o bulbo com os dedos, usar terminal tipo olhal ou
segurar com o papel da embalagem;
usar a caixa vazia para jogar a lâmpada queimada: os estilhaços de um bulbo são muito quentes
devido ao contato dos gases do bulbo e o ar.

lâmpada halógena

Figura 173 Modo correto de segurar uma lâmpada halógena (Ford)

Dependendo do continente de origem do projeto do veículo, Europa ou América, a forma da base e


a disposição dos terminais das lâmpadas halógenas são diferentes (figura 174). A base das lâmpadas
européias tem base plástica com anel o’ring. As lâmpadas halógenas são usadas em faróis de serviço e
faróis auxiliares ou luzes de neblina.

Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 174 Lâmpadas halógenas tipo europeu (General Electric)

199
LÂMPADA COM DESCARGA DE GÁS XÊNON

Dia após dia, os carros de luxo são equipados com um sistema de iluminação com lâmpada com descarga
de xênon (HID – high density discharge), reconhecida pela luz azulada emitida. A energia luminosa vem
de uma lâmpada cujo filamento é substituído por dois eletrodos separados por uma distância de 4 mm
aproximadamente. O bulbo é enchido com mercúrio, xênon e sais metálicos. A fonte de energia lumi-
nosa é o arco voltaico que é estabelecido entre os dois eletrodos. A tensão necessária para ativar o arco
elétrico deve ser muito superior a 12 volts. Esta tensão é produzida por um módulo com um oscilador
que converte a corrente contínua em corrente alternada, em seguida, um transformador aumenta essa
tensão que é regularizada por um circuito eletrônico.

A faísca exige uma tensão de aproximadamente 300 volts. Com o arco elétrico ativado, a tensão é re-
duzida. O arco elétrico ioniza o xênon (que produz aproximadamente 20% da energia luminosa total) e
a elevação da temperatura vaporiza o mercúrio e os sais metálicos que se tornam gasosos e condutores
de eletricidade. Quando o módulo percebe essa condição, ele aumenta a tensão e a luminosidade au-
menta. A tensão pode então chegar a 20 kV quando a lâmpada atinge sua temperatura normal. Além
de ser até três vezes mais fortes, a vida útil da lâmpada com descarga de gás é até cinco vezes superior
a de uma lâmpada halógena.

O fato de que esse tipo de lâmpada gere uma intensidade luminosa superior às outras lâmpadas com
menos calor influencia a concepção do refletor e da caixa. O refletor pode estar situado mais perto da
lâmpada e ter dimensões reduzidas.

A potência do feixe luminoso aumenta os riscos de ofuscamento, o que obriga os fabricantes a prever
um sistema que compense automaticamente as mudanças de carga e altura da carroceria do veículo
devido à quantidade de ocupantes ou carga mais pesada no porta-malas.

Pontos-Chave
Os elementos essenciais de uma lâmpada incandescente são: o filamento, o bulbo, a
base e os terminais de conexão;
Eletroeletrônica Veicular

A incandescência é o estado de um corpo que, levado a alta temperatura, torna-se luminoso;


O bulbo é montado a vácuo ou cheio de gás inerte;
Os meios para fixar a base e o receptáculo são a montagem baioneta, rosqueada, para
empurrar ou tubular (Festoon type).

200
As lâmpadas em vidro resistem a temperaturas que podem chegar a 230º C;
As lâmpadas incandescentes são muito sensíveis à queda de tensão;
Hoje, os carros são equipados com lâmpadas halógenas que podem ser trocadas facilmente;
É muito importante trocar uma lâmpada por outra similar.

Você completou o estudo da primeira lição da nossa última aula a distância, consulte o seu CD-ROM
e solucione as questões de fixação, qualquer dúvida aproveite a monitoria para esclarecê-las.

Lembre-se: Ao finalizar essa aula teremos a nossa última aula prática, portanto, organize-se:
paralelo ao estudo das lições dessa aula responda ao questionário que você precisa entregar na
prática. Vamos lá! Bons estudos!

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

201
lição
lição24
17

FARÓIS

Dirigir a noite com segurança exige um sistema de iluminação potente, para iluminar o chão, e
bem orientado para reduzir o risco de ofuscar a quem vem em sentido contrário. Para responder
a essa necessidade, todos os carros devem obrigatoriamente possuir um sistema de iluminação
com luzes alta e baixa. A potência e a orientação dos faróis é objeto de uma lei regida pelos
órgãos regulamentadores de trânsito.

Desde a invenção do automóvel vários dispositivos foram adotados. Nessa lição você aprenderá a
conhecer os faróis selados e os blocos óticos.

Faróis selados (Sealed Beam)

Antes da modificação da regulamentação de 1983, a iluminação obrigatoriamente era feita com faróis
selados (Sealed Beam). Esta regulamentação fixou as dimensões (figura 175) e a quantidade de faróis
que um fabricante deve instalar nos veículos novos. A popularidade dos faróis selados diminuiu gra-
dativamente e hoje esta em desuso.

114 mm 146 mm 178 mm 203 mm

165 mm 200 mm
140 mm 150 mm
142 mm
100 mm
92 mm
64 mm

Figura 175 Dimensões dos faróis selados (General Electric)


Eletroeletrônica Veicular

Normalmente, um farol selado (figura 176 da página 203) é feito por uma caixa de vidro hermético dentro da
qual há um ou dois filamentos de tungstênio. A caixa montada a vácuo ou a gás inerte, combina os papéis de
lente e de refletor. De fato, na presença de oxigênio, o filamento aquecido se deterioraria em alguns instantes, pois
sua temperatura pode ultrapassar 2000º C. Quando o filamento de um farol selado queima, deve-se trocar toda
a unidade. A troca do filamento por uma lâmpada halógena melhora a potência luminosa do farol selado.

202
Todavia, apesar da lâmpada halógena permanecer funcionando após a quebra da lente do farol, recomen-
da-se trocá-la, pois com o tempo o refletor e a lâmpada acabam se deteriorando devido a estilhaços.

lente
lente
saliência
bulbo cheio
de iodo

filamentos

refletor refletor
saliência

Figura 176 Farol selado convencional e farol halogênio visto em corte (MEQ)

A conexão dos faróis selados no circuito é feita por terminais machos cuja forma e a disposição são
regulamentadas (figura 177). Como o conjunto é fabricado com vidro, um conector serve para ligar a
massa, e os outros, os filamentos aos circuitos.

Figura 177 Conectores de faróis (General Eletric)

Refletores

A superfície interna de forma parabólica é coberta com uma fina camada de prata ou de alumínio
polido que reflete a luz. A forma parabólica dos refletores concentra os raios luminosos e os projeta pa-
ralelamente no eixo do farol (figura 178 da página 204). Muitos faróis selados têm luz alta e luz baixa;
a orientação diferente dos feixes provém da posição do filamento no centro do refletor parabólico.
Podemos encontrar, os dois filamentos colocados um em cima do outro (9004) ou paralelos (9007).
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

A luz alta é colocada no centro, e todos os raios são projetados paralelamente ao eixo do farol. A luz
baixa é colocada acima da linha de centro, levemente descentralizada para a esquerda.

203
Essa posição do filamento de luz baixa dirige quase rodos os raios para baixo em direção ao chão com
um leve desvio para a direita.

1 – filamento de luz baixa


2 – centro
3 – filamentos de luz alta

Figura 178 Feixe luminoso das luzes baixa e alta (Bosch)

Lente

Você já deve ter observado o aspecto particular apresentado por uma lente de farol selado. A superfície
interna da lente tem prismas ou estrias. Os prismas desviam uniformemente os raios refletidos, e as
estrias desviam progressivamente os raios em duas direções. A forma e a disposição destas figuras são
frutos de longos trabalhos de pesquisa. O conjunto dos desenhos específicos gravados na lente orienta
os raios refletidos para o lado e para baixo para reduzir o ofuscamento, sem perda de luminosidade.

Uma técnica semelhante é usada no desenho das lentes que cobrem a meia luz . A lente de todos os
faróis selados possui obrigatoriamente três saliências, elas servem de referência para a montagem de
aparelhos de regulagem dos faróis. A tendência atual é no sentido de uma redução geral do peso favo-
recida pelo uso de materiais plásticos para a lente e para o refletor.

Blocos óticos

Progressivamente, a partir de 1983, fabricantes trocaram os faróis selados por conjuntos chamados
blocos óticos. Eles são concebidos especificamente para se adaptar a um modelo específico de automóvel.
A forma se adapta à carroceria, o que permite melhorar a aerodinâmica dos carros. A fonte luminosa
dos blocos óticos é uma lâmpada halógena com um ou dois filamentos.
Eletroeletrônica Veicular

204
A base dessas lâmpadas possui uma guia flangeada que permite situar o filamento em um ponto es-
pecífico do refletor (figura 179).

Bulbo Casquilho
Refletor
Casquilho Lâmpada

Anel trava
Conector

Conector
Guia flange
Refletor Trava de
conector

Figura 179 Dois meios para fixar uma lâmpada halógena no refletor (Ford)

A lente de alguns blocos óticos é completamente transparente, isso é possível porque os refletores são
concebidos para um veículo específico e usam refletores assimétricos. A lente dos blocos óticos possui
marcas de referencia como para alinhar os faróis; uma medida horizontal e uma medida vertical, por
exemplo, 21H-29V, que servem como referência para a regulagem dos adaptadores da reguladora de
faróis (regloscópio).Os blocos óticos sem saliência possuem níveis para regular diretamente a orientação
correta dos faróis.

Funcionamento das lâmpadas e dos faróis

Pontos-Chave
• Todos os carros devem obrigatoriamente possuir um sistema de iluminação com luzes
alta e baixa;
• Um farol selado, normalmente, é feito por uma caixa de vidro hermético dentro da
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

qual há um ou dois filamentos de tungstênio;


• A troca do filamento por uma lâmpada halógena melhora a potência luminosa do farol selado;
• Atualmente os faróis selados foram substituídos pelos blocos óticos.

205
Aprendemos nessa lição o funcionamento dos faróis: selados, refletores, lentes e blocos óticos.
Veja no seu CD-ROM a animação Funcionamento das lâmpadas e faróis, essa animação é uma
recapitulação da lição 23 e 24, depois aproveite para fazer os exercícios de fixação do CD e os
que se encontram no final dessa aula.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletroeletrônica Veicular

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

206
lição
lição25
17

CIRCUITO DOS FARÓIS E DA MEIA LUZ (LUZ DE PRESENÇA)

O bom funcionamento dos faróis é essencial para a segurança dos motoristas, pois permite a eles benefi-
ciarem-se de boa visibilidade na estrada durante a direção noturna. A luz de presença permite ao motorista
perceber a existência de um outro veículo.

Para que as conexões dos cabos do circuito elétrico sejam facilmente identificadas, são utilizadas normas
para designação de bornes, como, por exemplo, a norma européia DIN 72552. Na tabela da figura 180 estão
representados os códigos utilizados para a designação dos bornes do sistema de iluminação automotiva.

Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 180 Sistema de designação de bornes especificado na norma DIN 72552

Nessa lição você aprenderá o funcionamento do circuito de iluminação, e a maneira de diagnosticar as


anomalias mais comuns.

207
Componentes e funcionamento do circuito

Em determinada época, o circuito de faróis de todos os veículos tinham os mesmos elementos conec-
tados de maneira idêntica. Porém, na última década ocorreram tantas mudanças que a descrição de um
circuito norte-americano ou asiático não pode ser usada como modelo para todo mercado mundial.
No âmbito desse guia, vamos nos limitar à explicação de casos padrões; é então essencial consultar o
manual do fabricante para descobrir as particularidades próprias ao veículo a ser reparado. É importante
saber que a compreensão dos princípios que regem os casos padrões facilitará a sua interpretação do
esquema dos circuitos mais específicos.

Como mencionado, o circuito de faróis é objeto de uma regulamentação específica e todos os automó-
veis devem obrigatoriamente possuir luz baixa e luz alta. A luz está baixa quando o feixe está abaixado
na estrada e desviado para a direita do veículo (figura 181).

luz baixa

luz alta

Figura 181 Projeção luminosa dos feixes de iluminação

A direção do feixe evita ofuscar os motoristas em sentido oposto e garante uma boa visão da beira da
Eletroeletrônica Veicular

estrada e das placas. A luz está alta quando o feixe está projetado mais longe na estrada e no eixo do
veículo (figura 181). Os elementos essenciais desse circuito são os faróis e as lâmpadas (apresentadas
no capítulo anterior), o interruptor de iluminação, o comutador de luz baixa, os relés, os dispositivos
de proteção e os módulos eletrônicos.

208
O interruptor de iluminação

O interruptor de iluminação, tipo multipolar e multiposição, é o centro de controle desse circuito.


Chama-se “multipolar”, pois ele comanda habitualmente mais de um circuito e “multiposição”
porque permite selecionar duas posições ou mais. Como exemplo, o interruptor ilustrado na
figura 183 tem quatro terminais de entrada da corrente: o terminal B1 conectado na bateria e
os terminais B2, DN e D1 alimentados a partir de fusíveis independentes. O interruptor tem
ainda cinco terminais de saída. O terminal H alimenta o comutador de luz baixa, o terminal R
a 1/2 luz ( ou luz de presença), o terminal I alimenta a iluminação do painel de instrumentos,
o quarto comanda a iluminação do teto (D2).

Esse interruptor de iluminação (figura 175) comanda quatro circuitos:

os faróis dianteiros (Head);


a ½ luz (Park – Tail), da placa do carro;
a iluminação do painel de instrumentos;
o console de teto também é comandado pela abertura das portas.

entrada entrada disjuntor entrada


iluminação iluminação entrada térmico iluminação
externa externa dos faróis interna

interruptor
de iluminação

Figura 182 Esquema de um interruptor de iluminação (Ford)

O interruptor de iluminação de vários carros atuais (figura183) comanda somente a iluminação


externa. O controle da luz do teto e da intensidade da iluminação do combinado de instrumentos
é assegurado por outros comutadores.
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

209
Em vários modelos de veículos recentes, toda a corrente que circula nos filamentos dos faróis não atravessa
mais o interruptor de iluminação; ele serve para comutar - um relé. O comando do motorista de acender os
faróis - controla uma corrente fraca de comando de um relé (figura 183).

interruptor de
iluminação
comutador de
luz baixa

módulo dos
faróis diurnos

fusível fusível fusível fusível

farol es- farol


querdo direito
Eletroeletrônica Veicular

Figura 183 Circuito dos faróis protegidos por fusíveis (Chrysler)

210
Então, é importante estudar cada esquema do circuito de faróis para conhecer as especificidades de cada um
dos modelos ou das marcas de veículos.

O circuito de faróis está protegido por um disjuntor situado, às vezes, no interruptor de iluminação (fi-
gura 183 da página 198)) ou por fusíveis (figura 184). O disjuntor permite ao circuito de faróis funcionar
intermitentemente em caso de sobrecarga, o que deixa ao motorista iluminação suficiente para estacionar
o seu carro. Quando a proteção é assegurada por fusíveis, os fabricantes colocam um por farol ou por
luz. Esta precaução reduz os riscos de queima simultânea.

disjuntor do interruptor de
circuito dos central de
distribuição iluminação
faróis 20 A

comutador de
luz baixa

combinação de
instrumentos sinal de
luz alta

bloco bloco
óptico óptico
esquerdo direito
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 184 Comutador de luz baixa com lampejador de luz alta (General Motors)
211
Comutador de luz baixa

O comutador de luz baixa é um interruptor de tipo unipolar bidirecional comandado manualmente e


situado na extremidade ou em direção ao centro da coluna de direção. Quando ele está montado na
extremidade, seu comando é realizado diretamente pelo manípulo em outra posição, sendo uma haste
que transmite o movimento da alavanca ao comutador. O terminal de entrada está ligado ao interruptor
de iluminação (figura 183 da página 210) e os dois outros alimentam a luz alta e a luz baixa. Um fio liga
o circuito da luz alta à uma lâmpada de advertência de cor azul no painel de instrumentos.

O comutador de luz baixa dos automóveis atuais tem uma função complementar: o lampejador de luz
alta (Flash-to-pass), que tem como objetivo chamar a atenção de outros motoristas. Além de selecionar
a iluminação dos faróis, uma leve tração na alavanca do comutador ativa o lampejador de luz alta, ou
acende simultaneamente a luz alta e baixa. Esta função é alimentada pelo circuito dos faróis (figura 184
da página 211) ou por um circuito independente.

Conexão dos faróis

Hoje, o sistema de iluminação dianteira tem duas ou três lâmpadas halógenas. Esta configuração
substitui os dois ou quatro faróis selados dos modelos mais antigos. As lâmpadas ou faróis selados
são sempre conectados em paralelo, tanto para a luz baixa como para luz alta. Freqüentemente, com
o objetivo de aumentar a confiabilidade, um fio liga à massa cada um dos faróis (figura 184 da página
211). O fio de massa comum permite aos faróis funcionar mesmo se uma anomalia afetar um das duas
conexões à massa.

A troca dos faróis selados por lâmpadas halógenas mais potentes, assim como o uso de uma manípulo
multifuncional, levam os fabricantes a recorrerem aos relés (figura 185 da página 213). A intensidade da
corrente no contato do interruptor multifuncional está limitada à que circula na bobina do relé. Além
disso, a presença de um relé reduz a quantidade de conexões entre a fonte e os faróis, o que diminui
as quedas de tensão e, consequentemente, aumentam a intensidade luminosa.

Luz de presença
Eletroeletrônica Veicular

As seguintes luzes são obrigatórias para todos os carros: luz de presença dianteira ou ½ luz (Front park
light), luz de presença traseira (Tail light), e luz da placa (License plate). Alguns veículos contam com
uma iluminação lateral frequentemente integradas à luz de presença dianteira e traseira, que avisa da
presença do veículo à circulação transversal. Todas as luzes de presença são comandadas pelo interruptor
dos faróis, acendem na primeira posição e permanecem funcionando na segunda posição. Um fusível
independente ou um disjuntor, sempre sob tensão, protege o circuito da 1/2 luz.
212
central de
distribuição elétrica

interruptor
de iluminação

interruptor
multifuncional

relés relés
de luz baixa de luz alta

lâmpada de luz lâmpada de lâmpada lâmpada lâmpada


alta esquerda advertência de luz de de
de luz alta baixa luz alta luz baixa
esquerda direita direita
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 185 Faróis comandados por relés (Ford)

213
A fonte luminosa da luz de presença é uma lâmpada com dois filamentos (figura 186), o segundo fila-
mento de potência mais elevada serve para a luz de freio ou para os pisca-piscas. Dependendo do tipo
de circuito, o interruptor alimenta diretamente as lâmpadas ou somente o fechamento do relé. Esta
técnica serve para os circuitos de iluminação comandados pelo negativo.

lâmpada lâmpada
dianteira dianteira
esquerda direita
farol

lâmpada de iluminação lateral lâmpada de iluminação lateral


esquerdo direito
sempre sob tensão

pisca-pisca

pisca-pisca

interrupção

lâmpada de lâmpada traseira lâmpada de


iluminação esquerda lâmpada traseira iluminação
direita
lateral esquerdo lateral esquerdo
lâmpada da
placa do carro
Eletroeletrônica Veicular

Figura 186 Circuito das luzes de presença (General Motors)

214
LUZ DE RÉ

As luzes de ré, de cor branca, acendem automaticamente quando a marcha ré é engatada para iluminar
a zona traseira do veículo. Essas lâmpadas são protegidas por um fusível sob tensão somente quando
o circuito da chave de contato está fechado (ON) figura 187. O interruptor unipolar unidirecional das
lâmpadas de ré está montado na transmissão automática, normalmente perto do seletor, ou em uma
caixa de câmbio manual.

fusível alimentado pelo comutador em


“ON” e “Start”

interruptor das lâmpadas de ré


(transmissão automática)
interruptor das
lâmpadas de ré (caixa
de câmbio manual)

interruptor de
arranque em ponto
morto

lâmpada de ré esquerda
lâmpada de ré direita
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

Figura 187 Circuito das luzes de ré (General Motors)

215
O interruptor das lâmpadas de ré dos veículos com transmissão automática está frequentemente conju-
gado ao de segurança; esse previne o arranque do motor em outro ponto que não seja o ponto morto
(figura 188). O interruptor das lâmpadas de ré às vezes desregula-se fazendo com que as lâmpadas
também acendam-se em movimento para frente. Para as caixas de câmbio manuais, o interruptor está
parafusado diretamente na caixa.

chegada do terminal arranque do chegada do terminal contato do


comutador de ignição interruptor de ignição

para o relé do motor para as luzes de freio


de arranque
contato multipolar multiposição

interruptor de arranque
em ponto morto

Figura 188 Interruptor de arranque no ponto morto combinado com o interruptor da luz de ré (Ford)

Muitos fabricantes usam um só interruptor que aciona diretamente a corrente das luzes de ré , outros
usam um relé. Na presença de um relé, o interruptor só controla a baixa corrente da bobina (figura 189).
Em alguns fabricantes, desde a adoção de transmissões automáticas com gerenciamento eletrônico, o
acionamento do relé das luzes de ré é comandado pela central eletrônica da carroceria.
Eletroeletrônica Veicular

216
sempre sob tensão sempre sob tensão
interruptor de quadro de
ignição fusíveis

relé das luzes


de freio

interruptor das
luzes de freio

luz de freio luz de freio


esquerda direita

Figura 189 Circuito de luzes de ré comandadas por um relé (Mitchell International)

ILUMINAÇÃO INTERNA

Iluminação do habitáculo

A iluminação do habitáculo é garantida por uma lâmpada no teto e, dependendo do veículo, por uma
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

quantidade mais ou menos elevada de lâmpadas de cortesia (recepção) montadas nas portas, sob o
painel de instrumentos ou em outro lugar. Normalmente uma extremidade do filamento das lâmpadas
desse circuito permanece sob tensão. Os interruptores da porta e da luz do teto são ligados em paralelo
e conectam a outra extremidade à massa.

217
Vários modelos top de linha possuem um temporizador encarregado de manter a iluminação durante um
determinado tempo após o fechamento de uma porta. Nos outros casos, notadamente para os carros com
trava à distância, o comando de iluminação é realizado por gerenciamento eletrônico (figura 190).

sempre sob tensão

porta-fusível

luz de teto

interruptor de iluminação

interruptores de luz de teto


(pela porta)

Figura 190 Circuito de iluminação do habitáculo (General Motors)

Iluminação dos indicadores do painel de instrumentos


Eletroeletrônica Veicular

O circuito de iluminação dos indicadores e dos comandos do painel de instrumentos é composto por
várias lâmpadas comandadas por um interruptor de iluminação, ou é independente e montado no
painel de instrumentos.

218
Cada vez mais, os fabricantes substituem o reostato por um módulo eletrônico que produz menos
calor oferecendo uma regulagem precisa (figura 191). Um fusível ou um disjuntor sempre sob tensão
protege esse circuito.

módulo eletrônico para regulagem


do painel de instrumentos

Figura 191 Circuito de iluminação do combinado de instrumentos (Mitchell International)

Circuito de iluminação controlado pelo negativo

Durante muito tempo, esse tipo de circuito controlado pelo negativo, foi reservado aos carros asiáticos.
Agora encontra-se também nos fabricantes americanos e europeus. A grande diferença reside no fato
de que, diferente dos circuitos anteriores, o comando multifuncional faróis-luz baixa liga o circuito à
massa do veículo. A alimentação (+) dos faróis desses carros é feita por um relé funcionando a partir
do comando dos faróis. Esse comando multifuncional acende os faróis e a ½ luz, comuta as luzes altas,
baixas, ou o lampejador de luz alta. Para compreender melhor o funcionamento desse sistema, observe
a figura 192 da página 208 que ilustra o esquema de iluminação do veículo da marca Toyota.

Acendimento dos faróis


Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

o interruptor de iluminação (Ligth SW) na posição “Head” liga eletricamente os terminais


11, 13 e 2; o terminal 13 está em contato com o massa através do terminal 11;
o terminal 13 do interruptor liga o terminal 3 do relé ao massa;
a circulação da corrente no enrolamento do relé cria um campo magnético que provoca o
fechamento dos contatos do relé.

219
os dois fusíveis estão sob tensão assim como o ponto comum de cada um dos faróis.
a corrente circula no filamento de cada uma das lâmpadas luz alta e atinge a massa através dos
contatos 9 e 12 do interruptor de luz baixa.
os faróis acendem na posição “luz alta”.

para a retransmissão
das lampadas a dia

farol esquerdo
farol direito

interruptor de ilu-
fusíveis minação (light sw)
e comutador de luz
baixa (dim sw)

bateria de acu-
muladores

retransmissão
dos faróis
Eletroeletrônica Veicular

caixa dos fios-fusíveis

fio fusível

Figura 192 Circuito de iluminação de um carro da marca Toyota (Toyota)


220
Na posição “Head” do interruptor, o terminal 11 também liga o terminal 2 à massa; esse terminal co-
manda o relé das luzes traseiras, não ilustradas. Cada um dos lados do circuito está protegido por um
fusível, a queima de um fusível não impede que o segundo farol funcione normalmente. Na prática o
farol ligado ao fusível queimado não apaga totalmente, um retorno de corrente pelos três filamentos
produz uma luz fraca.

Comutação dos faróis

A passagem da luz alta para a baixa depende do comutador de luz baixa (Dim SW); ele liga o circuito
à massa para acionar o circuito da luz alta (High) pelos terminais 12 e 9 ou, para acionar o circuito da
luz baixa (Low), pelos terminais 3 e 9.

Lampejador de luz alta

No lampejador de luz alta (Flash), os faróis se acendem quando o motorista puxa a alavanca em sua
direção, o que provoca o fechamento do relé que alimenta os faróis e simultaneamente acende a luz
alta ligando os terminais 12 e 9 à massa.

Pontos-Chave
O interruptor de iluminação é um interruptor do tipo multipolar e multiposição;
O circuito dos faróis está protegido por um disjuntor ou por fusíveis;
O comutador de luz baixa é um interruptor de tipo unipolar bidirecional;
O comutador de luz baixa está situado na extremidade ou no centro da coluna de direção;
As lâmpadas ou faróis selados são sempre conectados em paralelo;
O uso de um relé limita a intensidade da corrente nos contatos do interruptor multi-
funcional ao da bobina.

Estamos finalizando a penúltima lição desse guia de estudos, verifique se você compreendeu
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

todas as lições até o momento, caso contrário anote as suas dúvidas e entre em contato com
a monitoria, não hesite estaremos disponíveis para atendê-lo.

Aproveite para fazer os exercícios de fixação no CD-ROM para ajudá-lo no seu estudo.

221
lição
lição26
17

CIRCUITOS DE SINALIZAÇÃO

Todos os carros possuem obrigatoriamente três circuitos de sinalização: direção, advertência e parada.
Esses circuitos servem para avisar aos outros usuários da estrada as intenções e as manobras do motorista
do veículo. Essa seção explicará o funcionamento deles e permitirá o exame e o estudo detalhado.

Pisca-pisca e pisca-alerta

O bom funcionamento do pisca-pisca e do pisca-alerta é essencial para uma direção segura. O depar-
tamento de trânsito rege a quantidade, a cor, a disposição e a cadência do pisca. Os circuitos de pis-
ca-pisca e do pisca-alerta têm vários elementos comuns. Alimentam as mesmas lâmpadas; entretanto,
cada um tem seu próprio interruptor e, dependendo dos circuitos, uma central de pisca comum ou
uma por circuito.

Relé de pisca (centrais de pisca)

As centrais de pisca são dispositivos que transformam a corrente contínua da bateria em corrente
descontínua, intermitente. Normalmente, funcionam segundo três princípios: termostático, magnético
ou eletrônico.

No dispositivo termostático, é a deformação de uma haste bimetálica pelo calor que comanda a abertura
ou o fechamento de um contato. O calor gerado depende diretamente da intensidade da corrente que
circula nas lâmpadas do circuito.

No dispositivo magnético, um relé é o elemento principal desta central; a ação do condensador anula
os campos magnéticos da bobina e provoca a abertura dos contatos.

Enfim, os dispositivos eletrônicos, que funcionam sem nenhuma peça móvel, contam com a interação
de dois transistores para fechar e abrir o circuito. Além disso, são insensíveis aos grandes variações de
Eletroeletrônica Veicular

temperatura e de tensão.

222
Os diferentes tipos de centrais de pisca se classificam em duas categorias: com carga específica e com
carga variável (figura 193).

com carga específica com carga variável

Figura 193 Representação esquemática de centrais de pisca (Crhysler)

Centrais de pisca com carga específica

As centrais de pisca com carga específica são concebidas para alimentar uma quantidade definida de
lâmpadas com potência específica, como é o caso para os pisca-piscas. Freqüentemente, uma inscrição
na caixa menciona, por exemplo, duas lâmpadas de 32 W e uma lâmpada de 3 W.

É preciso trocar uma lâmpada queimada por outra de potência idêntica à original. Por exemplo, trocar
uma lâmpada no. 1157 por uma lâmpada no. 1034 podem modificar a freqüência de pisca-pisca.

Centrais de pisca com carga variável

As centrais de pisca com carga variável não são influenciadas pela quantidade, nem pela potência das
lâmpadas conectadas no circuito. Esse tipo de carga é usado quando uma única central alimenta os
pisca-piscas e o pisca-alerta. A conexão de um reboque em um veículo exige que ele esteja equipado
em uma central com carga variável.

Interruptor dos pisca-piscas e do pisca-alerta


Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

O interruptor dos pisca-piscas, tipo gaveta, está sempre na extremidade da coluna de direção e, contém
frequentemente, o do pisca-alerta. Todavia, alguns fabricantes usam um interruptor totalmente inde-
pendente para o circuito do pisca-alerta. A cada dia, mais carros possuem interruptores multifuncio-
nais, o interruptor da coluna de direção do pisca acumula então diferentes tarefas. O interruptor dos
pisca-piscas possui um dispositivo mecânico encarregado de parar automaticamente os pisca-piscas
após uma curva.

223
O contato entre um came do interruptor e um came solidário do volante aciona o mecanismo e traz
a alavanca de volta à sua posição neutra (figura 194). Esse dispositivo só funciona após um grande
deslocamento do volante. Para resolver isso, um fabricante americano integra um circuito eletrônico
que anula automaticamente os pisca-piscas após um quilometro de funcionamento sem interrupção.
Todos os interruptores possuem uma posição “mudança de pista”; eles funcionam sem serem acionados
mesmo se uma leve pressão é exercida na chave.

interruptor do pisca-alerta
alavanca de comando do
interruptor do pisca-pisca
comando do limpador

dedo para acionar o


retorno automático

Figura 194 Interruptor dos pisca-piscas e do pisca-alerta (Chrysler)

Funcionamento e esquemas dos pisca-piscas

Em posição neutra (figura 195 da página 225), o circuito entre a central de pisca e as lâmpadas dian-
teiras e traseiras está aberto. A função “normal” da central de pisca está sob tensão quando a chave de
ignição está ligada ou em partida.

A seção da central ligada ao sinal do pisca-alerta permanece sob tensão. Em posição neutra, somente
o circuito situado entre a entrada de freios e as duas lâmpadas traseiras está fechado.
Eletroeletrônica Veicular

224
sob tensão em mar-
sempre sob cha, teste de lâmpadas sempre sob sempre sob
tensão e arranque tensão tensão
quadro de
fusíveis

central de interruptor das


pisca luzes de freio

aflição interruptor das


lâmpadas de
direção e aflição
lâmpada de freio
sobrelevado
curva a curva a
esquerda direita

combinação
de instru-
mentos

lâmpada lâmpada
de gabarito de gabarito
esquerdo direito

lâmpadas lâmpadas lâmpadas lâmpadas


de posi- lâmpada de posi- de posi-
de posi-
ção/dire- ção/dire- da placa ção/ dire- ção/ dire-
ção frente ção frente ção/ freio ção/ freio
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

esquerda direita traseiro traseiro


esquerdo direito

Figura 195 Esquemas dos pisca-piscas, do pisca-alerta e de parada (Mitchell International)

225
Sinal de aviso de uma curva à esquerda

No deslocamento da chave de seta para sinalizar uma curva à esquerda, o deslizamento de contatos no inter-
ruptor estabelece um circuito entre o terminal ligado à central de pisca e as lâmpadas dianteira esquerda, traseira
esquerda e a lâmpada de advertência do combinado de instrumentos (figura 196). Três terminais externos estão
ligados pelo circuito interno do interruptor. As lâmpadas do lado esquerdo piscam enquanto o interruptor
permanece nessa posição.

sob tensão quando


chave de ignição ligada/ sempre sob
lâmpadas espia tensão

interruptor
unidade de lâmpada
de pisca- de freio
pisca

interruptor
das lâmpadas
aflição de direção e lâmpada de
aflição freio sobre-
levado

combinação de
instrumentos

lâmpadas de
posição /direção/
lâmpa- lâmpa- freio traseiro
da de da de direito
gabarito gabarito
esquerda direita
lâmpadas de
posição /direção/
Eletroeletrônica Veicular

lâmpadas de lâmpadas de posi- freio traseiro


posição /direção ção /direção frente esquerdo
frente esquerda direita

lâmpada
de placa
Figura 196 Percurso da corrente durante o aviso de uma curva a esquerda (Mitchell International) mesma
figura que a da 196
226
A figura 197 não mostra o funcionamento das luzes laterais dianteiras. Para tal conexão, elas piscam simulta-
neamente com os pisca-piscas dianteiro quando a luz de presença está apagada, e acendem alternadamente se
a luz de presença esta acessa. Essas reações são o resultado da conexão em série de dois filamentos, um fraco
que é o lateral e um mais potente que é o do pisca-pisca. Você sabe que em um circuito em série, a queda de
tensão mais importante acontece na resistência maior (no presente caso, o elemento das luzes laterais).

sob tensão quando


sempre sob chave de ignição ligada sempre sob sempre sob
tensão lâmpadas espia tensão tensão

unidade de interruptor de
pisca-pisca lâmpada de freio

aflição interruptor de
direção e aflição
lâmpada de freio
sobrelevado
curva a curva a
direita esquerda

combina-
ção de ins-
trumentos

lâmpada lâmpada
de gabarito de gabarito
esquerdo direito
lâmpadas de
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

posição /direção/
freio direito

lâmpadas lâmpadas de po-


de posição sição /direção lâmpadas de
/direção frente frente direito posição/direção
/freio esquerdo

Figura 197 Percurso da corrente durante o aviso de uma curva a direita (Mitchell International)

227
Nessas condições, o filamento dos pisca-piscas e da ½ luz não acende; serve somente de condutor
para a conexão à massa das luzes laterais. Quando a ½ luz está acessa e o pisca-pisca funcionando, o
filamento dos das luzes laterais encontram-se com uma polaridade idêntica às duas extremidades e se
apagam quando o pisca-pisca acende alternadamente.

Curva à direita

O funcionamento para a curva à direita é o mesmo, exceto que o deslocamento dos contatos no inter-
ruptor conecta a central de pisca com as luzes do lado direito (figura 198). Novamente, três terminais
estão ligados pelo circuito interno do interruptor; um deles é comum ao aviso para a esquerda e para
a direita. Logicamente, esse terminal corresponde à alimentação que vem da central de pisca.

Luz de freio

As luzes de freio têm um papel muito importante no que diz respeito à segurança de direção. São co-
mandados por um interruptor fixado na pedaleira, na extremidade do pedal de freio ou diretamente
no tubo do cilindro-mestre (figura 198). A regulagem desse interruptor é particularmente importante
pois deve comandar o acendimento das luzes de freio assim que o pedal de freio é encostado. O menor
espaço de tempo no acendimento das luzes de freio reduz o tempo de reação do motorista que está
atrás e aumenta os riscos de colisão. Esse interruptor unipolar está sempre sob tensão, também serve
para transmitir um sinal ao regulador de velocidade (cruise control) ou ao sistema ABS.

contator das haste do


eixo do braço do luzes de freio contator
pedal de freio
ligações de
contato

tucho do cilin- mola do contator


dro-mestre braço do pedal de freio
olhal do (freios não apertados)
tucho movimento do
Eletroeletrônica Veicular

pedal durante a
frenagem

Figura 198 Interruptor das luzes de freio (Ford)

228
Quando as luzes de freio e o pisca-pisca dividem o mesmo filamento (figura 199), a saída do interruptor das
luzes de freio está conectada na entrada especifica do interruptor dos pisca-piscas. Quando a chave está na
posição central, o circuito interno liga novamente três terminais; os da entrada e das lâmpadas traseiras.

sob tensão quando a sempre sempre


sempre chave de ignição ligada sob tensão sob tensão
sob tensão lâmpadas espia

interruptor de
lâmpada de
freio

unidade de
pisca-pisca

aflição interruptor de
direção e aflição
curva a esquerda
lâmpada de freio
sobrelevado
curva a direita

combinação de
instrumentos

lâmpada lâmpada
de gabarito de gabarito
esquerdo direito
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

lâmpadas lâmpadas lâmpadas


de posição lâmpadas
de posi- de posição de posição
ção/dire- /direção /direção
/freio /direção
ção frente frente /freio
esquerdo direito esquerdo
direito

Figura 199 Circuito das luzes de freio, interruptor dos pisca-piscas está em posição neutra (Mitchell
International) mesma figura que a 196

229
Combinada às duas etapas anteriores, por uma lógica simples, é possível identificar seis terminais do
interruptor dos pisca-piscas. A terceira luz de freio montada no vidro traseiro, também acende na fre-
nagem. Para evitar que pisque quando houver aviso de uma curva, a alimentação provém diretamente
do interruptor das luzes de freio.

Se as luzes de freio e do pisca-pisca são acionadas simultaneamente durante uma curva, somente a
luz de freio do lado oposto à curva e da terceira luz se acendem. O interruptor do pisca-pisca abre o
circuito de uma luz de freio e o conecta aos pisca-piscas (figura 200).

sob tensão quando


sempre sob chave de ignição ligada sempre sob sempre sob
tensão lâmpadas espia tensão tensão

interruptor de
lâmpada de freio

unidade de pis-
ca-pisca

curva a esquerda
aflição interruptor
de direção e lâmpada de
curva a aflição freio sobrele-
direita vado

combinação
de
instrumentos

lâmpada lâmpada
de gabarito de gabarito
esquerdo direito
lâmpadas lâmpadas
Eletroeletrônica Veicular

lâmpadas lâmpadas de posição de posição


de posição/ de posição /direção /direção /
direção /direção /freio
frente freio direito
esquerdo frente esquerdo
direito

Figura 200 Circuito das luzes de freio durante uma curva a direita (Mitchell International)

230
Luzes de freio independentes dos pisca-piscas

Na grande maioria dos veículos, o circuito das luzes de freio é completamente independente dos pis-
ca-piscas. Uma lâmpada traseira específica serve somente para o pisca-pisca e as luzes de freio estão
combinadas com as luzes de presença. Reconhecem-se os veículos dessa categoria pela presença de
uma lente de cor âmbar. O controle dos pisca-piscas é feito então por um interruptor simples unipolar
bidirecional.

Funcionamento do pisca-alerta

Comandado por um botão específico, esta função faz piscar simultaneamente as lâmpadas dianteiras e
traseiras do veículo. Com o circuito do interruptor do pisca-alerta (Hazard), o circuito dos pisca-piscas
se abrem, em seguida um circuito é estabelecido entre a central de pisca e as lâmpadas dianteiras e tra-
seiras (figura 201). Uma lâmpada de advertência distinta ou então a dos pisca-piscas avisa ao motorista
o acionamento do pisca-alerta.

sob tensão em marcha, teste de


sempre sob tensão lâmpadas e arranque sempre sob tensão

interruptor das
luz de freio luzes de freio
sobrelevada central de
pisca

aflição
interruptor dos pisca-piscas
e do pisca-alerta

curva a curva a
direita esquerda
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

para o para o para o para o


pisca-pisca pisca-pisca pisca-pisca pisca-pisca
dianteiro traseiro traseiro dianteiro
esquerdo esquerdo direito direito

Figura 201 Percurso da corrente durante o funcionamento do pisca-alerta (Mitchell International)

231
Faróis de curva (veículos importados)

Os faróis de curva encontrados em veículos importados de cor branca são colocados de cada lado
na extremidade dianteira do pára-lama. Esses faróis são concebidos para iluminar a zona lateral do
veículo durante as curvas. Seu acionamento é comandado automaticamente por uma função adicional
do interruptor dos pisca-piscas (figura 202). Em alguns casos, os faróis de curva só se acendem se os
faróis dianteiros já estão acesos.

sob tensão
em marcha

lâmpadas quadro de
do pisca fusível

central de pisca

interruptor dos pisca-piscas e


do pisca-alerta

lâmpada
de curva a lâmpada de
esquerda curva a direita

Figura 202 Circuito dos faróis de curva (General Motors)


Eletroeletrônica Veicular

232
Pontos-Chave
Os pisca-piscas estão sob tensão quando o contato (Ignition Switch) estiver fechado;
O pisca-alerta é alimentado por um fusível sempre sob tensão;
A central de pisca e o interruptor dos pisca-piscas estão fora do circuito durante o
funcionamento dos pisca-alerta;
A alimentação das luzes de freio passa pelo interruptor dos pisca-piscas;
Durante o funcionamento dos pisca-piscas, o interruptor das luzes de freio alimenta
somente as luzes do lado oposto.

Parabéns! Você conclui seu estudo a distância finalizando o estudo teórico de Eletroeletrônica vei-
cular, nosso próximo encontro será a última aula prática. Verifique se você concluiu os exercícios
para serem entregues na aula prática. Se desejar consulte o seu CD-ROM e reveja a animação dessa
aula: Funcionamento das lâmpadas e faróis para revisar o conteúdo dessa aula.

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Aula 09 - Lâmpadas e Fárois

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

233
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Eletroeletrônica Veicular

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

234
GLOSSÁRIO

A
AMPÈRE: Unidade utilizada para medir a intensidade da corrente elétrica. Um ampere é igual a
6,28 bilhões de elétrons passando por um determinado ponto do condutor em um segundo.

AMPERÍMETRO: Aparelho destinado a medir o número de amperes de uma corrente elétrica,


ou seja, a intensidade da corrente elétrica em um condutor.

AMPERÍMETRO DE INDUÇÃO:Aparelho utilizado para medir a intensidade da corrente


elétrica, tendo por base o tamanho do campo magnético ao redor deste condutor. Esta medição é
feita através de uma pinça amperimétrica que envolve o condutor, desta forma não há necessidade
de que o amperímetro seja ligado em série ao circuito.

AMPLIFICADOR:Um amplificador pode ser considerado como qualquer dispositivo que utiliza
uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade maior. Um transistor pode
ser utilizado como amplificador, ou seja, através de uma pequena corrente circulando na base do
transistor é possibilitada a passagem de uma grande corrente pelo bloco coletor.

ÂNODO: Eletrodo positivo. No caso dos diodos semicondutores, é a região P do cristal


constituído por uma junção PN.

ÁTOMO: É a menor partícula de um elemento que conserva todas as suas propriedades.

B
BATERIA DE ACUMULADORES: É um conjunto de placas elétricas imersas em um
Glossário

eletrólito (H2SO4), utilizado para alimentar os circuitos elétricos dos automóveis, que tem a

235
capacidade de armazenar energia elétrica através de uma reação química entre os elementos internos
do conjunto.

BLOCO ÓTICO: Conjunto de componentes que formam, em parte, o farol dos veículos. Este
conjunto pode ser montado de acordo com o projeto do fabricante.

BOBINA DE IGNIÇÃO: Transformador elétrico que aumenta a tensão do circuito de ignição


da bateria fazendo com que a vela produza faísca, desencadeando o processo de combustão,
permitindo o funcionamento do motor.

BORNE: Pino, integrante de um componente ou conector de um circuito elétrico, usado para


fazer uma conexão entre condutores.

C
CALIBRE: Diâmetro dos condutores.

CAMADA DE VALÊNCIA: Órbita exterior do átomo onde acontecem todas as transferências


de elétrons e consequentemente a produção e a circulação de eletricidade.

CAMPO MAGNÉTICO: Um campo magnético é o campo produzido por um íman ou por


cargas elétricas em movimento. Um campo magnético influencia cargas eléctricas em movimento e
ímans permanentes.

CAPACITORES: Um Capacitor ou Condensador é um componente que armazena energia


num campo elétrico, acumulando um desequilíbrio interno de carga elétrica. Os formatos típicos
consistem em dois eletrodos ou placas que armazenam cargas opostas. Estas duas placas são
condutoras e são separadas por um isolante ou por um dielétrico. A carga é armazenada na
superfície das placas, no limite com o dielétrico.

CÁTODOS: Eletrodo negativo. No caso dos diodos semicondutores, é a região N do cristal


Eletroeletrônica Veicular

constituído por uma junção PN.

CIRCUITO:O circuito elétrico pode ser definido como o percurso completo por onde os
elétrons podem se escoar de um terminal de uma fonte de tensão, passando através de condutores e
componentes, até chegar no terminal oposto da mesma fonte.

236
CONDUTOR: É um elemento químico que possui menos de quatro elétrons de valência e,
consequentemente, transporta mais facilmente a eletricidade.

CORRENTE ALTERNADA: A corrente alternada provém de um deslocamento de elétrons


que se efetua sucessivamente em uma direção e depois em outra.

CORRENTE CONTÍNUA: A corrente contínua resulta de um deslocamento de elétrons que se


efetua sempre na mesma direção e com a mesma tensão no interior do condutor.

CURTO-CIRCUITO: Ligação, na qual dois pontos de um circuito elétrico são ligados através de
uma pequena resistência, ou seja, a corrente não percorre os outros componentes do circuito.

D
DÍNAMO: É um aparelho que converte energia mecânica em elétrica, através de indução
eletromagnética.

DIODO: É um componente eletrônico que permite a passagem da corrente elétrica em apenas uma
direção.

DIODO ZENER: É um componente eletrônico que permite a passagem da corrente elétrica em


apenas uma direção até um determinado valor de tensão, a partir deste valor ele permite a passagem
de corrente em seu sentido bloqueado.

DIODO ELETROLUMINESCENTE (LED): É um componente eletrônico que permite a


passagem da corrente elétrica em apenas uma direção emitindo luminosidade.

DISJUNTORES: Interruptor que atua automaticamente quando a intensidade da corrente


elétrica ultrapassa certo valor.

E
ELETRICIDADE: É a transferência de elétrons de um átomo para o outro através de um
condutor. A eletricidade também é chamada de corrente elétrica, e manifesta a sua ação por
Glossário

fenômenos de atração ou de repulsão, ou por fenômenos mecânicos, caloríficos, químicos, etc.

237
ELETRICIDADE ESTÁTICA: Eletricidade que se desenvolve num corpo, formada por
cargas estacionárias.

ELETRÓLITO: Eletrólito é toda a substância que dissociada ou ionizada origina íons positivos (
cations ) e íons negativos ( ânions ), pela adição de um solvente ou aquecimento. Desta forma torna-
se um condutor de eletricidade.

ELÉTRON (S): Partícula de carga negativa que gravita em órbitas elípticas em torno do núcleo
do átomo.

ELÉTRONS DE VALÊNCIA: São os elétrons que gravitam na órbita exterior, chamada de


camada de valência. Estes elétrons também podem ser chamados de elétrons livres, e são os únicos
envolvidos em reações químicas e na corrente elétrica.

ELÉTRONS LIGADOS: São os elétrons que gravitam em órbitas mais interiores, ou seja, mais
próximas ao núcleo do átomo, sendo fortemente atraídos por ele.

ESQUEMA ELÉTRICO:
É a representação detalhada de um diagrama de circuito. Através da representação clara dos percursos
individuais da corrente, ele explica a operação de um circuito elétrico. Também pode ser chamado de
diagrama elétrico.

F
FIBRA ÓTICA: Fibra óptica é um filamento, de vidro ou de materiais poliméricos, com
capacidade de transmitir luz. Estes filamentos têm diâmetros variáveis, dependendo da aplicação,
indo desde diâmetros ínfimos, da ordem de micra (mais finos que um fio de cabelo) até vários
milímetros. A transmissão da luz pela fibra segue um mesmo princípio, independentemente do
material usado ou da aplicação: é lançado um feixe de luz em uma extremidade da fibra, e pelas
características ópticas do meio (fibra), esse feixe percorre a fibra através de consecutivas reflexões.
Eletroeletrônica Veicular

FIO FUSÍVEL: É um tipo de dispositivo de proteção contra as sobrecargas. É constituído de um


fio de calibre inferior em quatro unidades ao calibre do condutor.

FOTO ELETRICIDADE: Resulta da transformação da energia luminosa em energia elétrica.

238
FOTODIODO: Também chamado de foto-emissor é um semicondutor com propriedade de
liberar elétrons quando atingidos pela luz.

FUSÍVEIS: Dispositivo destinado a interromper a passagem de corrente, quando a sua


intensidade
ultrapassa certo valor.

G
GANHO: O Ganho ou hfe (hybrid forward emitting) é uma característica apresentada por um
dispositivo amplificador ou atenuador, que consiste em modificar a amplitude de um sinal aplicado
à sua entrada. Ex.: Uma corrente mínima gerada atravessa a base de um transistor e provoca a
passagem de uma grande corrente do coletor. O ganho também pode ser expresso pela fórmula hfe
= Ib/Ic.

H
HORSE POWER (HP): É uma unidade de potência, pouco utilizada no meio científico devido
à existência de uma unidade específica para isso no Sistema Internacional de Unidades — o Watt.
Porém, a sua utilização persiste, nomeadamente no meio da indústrial automotiva para classificar a
potência máxima dos motores de combustão interna. Em termos de equivalência, um HP equivale a
746 W .

I
IMPEDÂNCIA: Nos aparelhos analógicos a impedância corresponde a corrente que o aparelho
empresta do circuito no ensaio. Já nos aparelhos digitais, ela corresponde diretamente à resistência
medida entre as duas agulhas de teste.

INTENSIDADE: A intensidade de corrente elétrica é o termo geral usado principalmente para


significar a grandeza ou valor de uma corrente elétrica, geralmente designada por I, de intensidade,
sendo a sua unidade no sistema SI o ampére (A).
Glossário

239
INTERRUPTOR: Dispositivo adequado para abrir ou fechar um circuito elétrico.

ÍON: Um íon é uma espécie química eletricamente carregada, geralmente um átomo que perdeu
ou ganhou elétrons. Íons carregados negativamente são conhecidos como ânions, (que são atraídos
para ânodos), enquanto íons carregados positivamente são conhecidos como cátions (que são
atraídos por cátodos).

ISOLANTE: Material que é um não-condutor de energia elétrica. Possui mais de quatro elétrons
de valência, o que dificulta a circulação destes elétrons pelo condutor.

L
LÂMPADA COM DESCARGA DE XÊNON: A lâmpada de gás xênom ou lâmpada de
arco voltaico é um sistema de iluminação alimentado por uma potente bateria com eletrodos nas
extremidades. Em um contato mecânico inicial, e após o fechamento do arco, mantendo uma distância
uniforme, a passagem de corrente elétrica gera um arco voltaico com alta luminosidade, pois a
temperatura do polo positivo chega à 3.700 Célsius, e no polo negativo em torno de 2.500 Célsius.

LÂMPADA INCANDESCENTE: A lâmpada incandescente ou lâmpada elétrica é um


dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em energia luminosa e energia térmica. Quando
se aciona um interruptor, a corrente elétrica passa pela lâmpada atráves de duas gotas de solda de
prata que se encontram na parte inferior, e em seguida, ao longo de fios de cobre que se acham
firmemente fixados dentro de uma coluna de vidro. Entre as duas extremidades dos fios de cobre
estende-se um outro fio de tugstênio muito fino chamado filamento. Quando a corrente passa por
este último, torna-o incandescente, produzindo luz.

LÂMPADAS HALÓGENAS: É um dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em


energia luminosa e energia térmica. Diferentemente da lâmpada incandescente, o gás inerte contido
no bulbo é o criptônio misturado a um halogênio, que tem a função de regenerar o filamento.

LEI DE OHM: A Lei de Ohm, assim designada em homenagem ao seu formulador Georg Simon
Eletroeletrônica Veicular

Ohm, indica que a diferença de potencial (V) entre dois pontos de um condutor é proporcional à
corrente eléctrica (I) que o percorre: V = R x I

240
M
MASSA: Elemento metálico que em circuitos elétricos funciona como condutor de retorno à
fonte. Também podem ser chamado de malha, ou terra.
MNEMOTÉCNICA: Técnica de memorização que utiliza processos auxiliares, como, por
exemplo, associação, combinações, arranjos e imagens.

N
NÉON: Elemento gasoso (número 10 da classificação periódica), pertencente ao grupo dos
gases nobres, muito raro na atmosfera e que é utilizado em lâmpadas fluorescentes, sinalização e
anúncios luminosos.

NÊUTRON (S): Partícula eletricamente neutra, que existe em todos os núcleos de átomos,
exceto no de hidrogênio.

NÚMERO ATÔMICO: Número atómico é um termo usado em física e em química para


designar o número de prótons encontrados no núcleo de um átomo. Num átomo com carga neutra,
o número de elétrons é idêntico ao número atómico. O mesmo não acontece nos íons.O número
atômico é característico para cada elemento químico, ou seja, não existem átomos de elementos
químicos diferentes com o mesmo número atômico.

O
OHM: Unidade prática de resistência elétrica que equivale à resistência que existe entre dois pontos
de um condutor quando uma diferença de potencial de um volt, aplicada entre esses dois pontos,
produz no condutor uma corrente de 1 ampere.

OHMÍMETRO: Aparelho para medir a resistência elétrica em ohms.

P
PIEZO ELETRICIDADE: É um fenômeno elétrico produzido por certos cristais que possuem
Glossário

241
a propriedade de liberar elétrons quando submetidos por uma pressão.

POLARIZAÇÃO DIRETA: É a conexão do teminal positivo de uma fonte de alimentação no


catodo do diodo, e do terminal negativo no anodo do diodo.
POTÊNCIA: Velocidade com que é transferida energia ou com que é realizado trabalho. A
unidade de medida da potência elétrica é o Watt.

POTENCIÔMETRO: É um componente eletrônico que possui resistência elétrica variável,


podendo ser rotacional ou deslizante.

PROJETO ELÉTRICO: Ver Esquema Elétrico.

PRÓTON (S): Partícula elementar carregada de eletricidade positiva situada no núcleo de todos os
átomos.

R
REFLETORES: Conjunto de peças de um aparelho próprio para refletir a luz. No sistema de
iluminação dos automóveis os refletores possuem forma parabólica e sua superfície é recoberta com
uma fina camada de prata ou alumínio.

RELÉ: Um relé é um dispositivo eletromecânico ou não, utilizado para comutar (acionar/desligar)


contatos elétricos, desligando ou ligando dispositivos elétricos e eletrônicos. Normalmente, o relé
é ligado a dois circuitos. No caso do relé eletromecânico, essa comutação é feita alimentando-se a
bobina do mesmo.

REOSTATO: O resostato é um dispositivo utilizado para variar a resistência de um circuito e,


assim, aumenta-se ou diminui-se, conforme o desejado, a intensidade da corrente neste circuito.

RESISTÊNCIA: Qualidade que um material apresenta de se opor à passagem de uma corrente


elétrica.
Eletroeletrônica Veicular

RESISTOR: Um resistor é um dispositivo elétrico muito utilizado em eletrônica, com a finalidade


de transformar energia elétrica em energia térmica (efeito joule), a partir do material empregado,
que pode ser, por exemplo, o carbono. O valor de um resistor de carbono pode ser facilmente
determinado de acordo com as cores que apresenta na cápsula que envolve o material resistivo, ou

242
então usando um ohmímetro.

S
SATURAÇÃO: No caso dos transistores, a saturação é um estado que ocorre quando o número
de transportadores de corrente (elétrons ou lacunas), que chega à junção Base-Coletor, excede o que
o coletor pode aceitar. Esta condição gera uma resistência danosa ao circuito.

SEMICONDUTOR: Qualquer das substâncias (como o germânio e o silício) cuja resistibilidade


se situa entre a dos condutores metálicos e a dos isoladores, ou seja, possui quatro elétrons de
valência.

SHUNT: Resistência que se introduz em derivação num circuito elétrico, sobretudo em


amperímetros, a fim de desviar a maior parte da corrente, enquanto a menor passa no instrumento
sem o danificar.

T
TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS: É a disposição sistemática dos elementos
em função de suas propriedades. A tabela periódica relaciona os elementos em linhas (períodos) e
colunas (grupos ou famílias).

TENSÃO: Tensão elétrica ou voltagem é a diferença de potencial elétrico entre dois pontos.

TERMISTOR: Termistor (ou termostato) são semicondutores sensíveis à temperatura. Existem


basicamente dois tipos de termístores: NTC (do inglês Negative Temperature Coefficient) -
termístores cujo coeficiente de variação de resistência com a temperatura é negativo: a resistência
diminui com o aumento da temperatura. PTC (do inglês Positive Temperature Coefficient) -
termístores cujo coeficiente de variação de resistência com a temperatura é positivo: a resistência
aumenta com o aumento da temperatura.

TERMOELETRICIDADE: Eletricidade desenvolvida pelo calor.

TIRISTOR: O tiristor é um dispositivo semicondutor similar a um diodo, com um terminal extra


Glossário

243
que é usado para ligá-lo. Um tiristor é funcionalmente diferente de um diodo porque mesmo quando
o dispositivo está diretamente polarizado ele não irá conduzir enquanto não ocorrer um pulso no
gatilho. Os tiristores são ligados por um sinal pulsado.

TRANSISTOR BIPOLAR: Dispositivo semicondutor de três camadas (NPN ou PNP) que


pode funcionar como chave ou amplificador da corrente elétrica que o percorre.

TRANSISTOR COM EFEITO DE CAMPO: É um transistor cujo mecanismo de controle


de corrente é baseado no campo elétrico estabelecido pelo potencial aplicado ao terminal de
controle. A corrente no transistor de efeito de campo é devida tanto por elétrons quanto por
lacunas, dependendo do tipo de FET (field effect transistor).

V
VOLT: O símbolo do volt é V. Um volt é igual à diferença de potencial existente entre duas seções
transversais de um condutor percorrido por uma corrente elétrica variável de 1 Ampère, quando a
potência dissipada entre as duas seções é igual a um watt.

VOLTÍMETRO: O voltímetro é um aparelho que realiza medições de tensão elétrica em um


circuito, usando a unidade volt. Para aferir a diferença de tensão entre dois pontos de um circuito,
convém colocar o voltímetro em paralelo com a seção do circuito compreendida entre estes dois
pontos. Por isso, para as medições serem precisas, é esperado que o voltímetro tenha uma resistência
muito grande (impedância) comparada às do circuito.

W
WATTS: Unidade de potência elétrica, igual à potência de uma corrente de um ampere sob a
diferença de potencial de um volt.
Eletroeletrônica Veicular

244
CRÉDITOS
SENAI - Departamento Regional do Paraná

Amilcar Badotti Garcia


Coordenador de Alianças Estratégicas e Projetos Especiais

Rafael Teixeira Asinelli


Gerente de Projeto

Joacir Gomes
Adaptação Técnica

Jacir Alan Lopes CRÉDITOS


Implementação

Jose Carlos K. Vasconcellos Filho


Revisão Gramatical

Joacir Gomes
Thiago Luiz Batschauer
Tradução das Legendas

Editoração

Sandra Schulz Caron
Coordenação e Revisão de Design Gráfico
Designer Instrucional

Ana Camila Marcante
Projeto Gráfico

Ana Camila Marcante
Carolina Mayumi Gabira Perez
Gislaine Fister
Iracema Bostelmann
Sérgio Luiz Singeski Filho
Ilustrações

Ana Camila Marcante
Carolina Mayumi Gabira Perez
Gislaine Fister
Diagramação

Iracema Bostelmann
Revisão da Diagramação

Vania Cristina Gracia Gonçalves


Normalização bibliográfica

Virtual Grafic Design


Tradução
Esse material foi revisado e editorado
em 01 de outubro de 2007.