Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CENTRO DE CIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE FÍSICA
CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

Prática 01: Paquímetro

ALUNO: Alan de Abreu Estevão


MATRÍCULA: 385179 TURMA: 38
DISCIPLINA: Física Experimental para Engenharia
PROFESSOR: Aurélio
DATA: 04/04/2016 HORÁRIO: 14:00 – 16:00

Fortaleza, Ceará
2016
ÍNDICE
1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................3

2. OBJETIVOS...........................................................................................................6

3. MATERIAL............................................................................................................6

4. PROCEDIMENTO ................................................................................................6

4.1. Diâmetros dos fios ............................................................................................7

4.2. Medidas da arruela ..........................................................................................7

4.3. Medidas e volume da peça com furo cego ......................................................7

4.4. Medidas com o uso da régua ...........................................................................8

5. QUESTIONÁRIO ..................................................................................................8

6. CONCLUSÃO ......................................................................................................10

BIBLIOGRAFIA........................................................................................................10
1. INTRODUÇÃO
É essencial a todo estudante de Engenharia que seu conhecimento seja completo e
preciso, pois um pequeno erro em algum projeto pode tomar grandes proporções quando
executado na realidade. No entanto para atingir esse nível de completude, é necessário
que esse conhecimento seja baseado não só na teoria, mas também na prática.
Nesse âmbito de nível prático, está a disciplina de Física Experimental, que é uma
das principais disciplinas de todo curso superior de Engenharia, pois estimula o aluno a
exercitar na prática, conceitos teóricos aprendidos em sala de aula, e a utilizar
equipamentos e ferramentas que lhe serão de grande utilidade em seu futuro profissional.
Uma dessas ferramentas é o paquímetro, (do grego: paqui, “espessura” e metro
“medida”), que é um instrumento que serve para medir precisamente, a distância entre
dois lados simetricamente opostos de um objeto. Foi criado pelo matemático português
Pedro Nunes, e era inicialmente usado no planejamento de navegações com margens de
erro próximas a dezenas de quilômetros. Já na França, ele foi aprimorado pelo francês
Pierre Vernier, e posteriormente empregado na construção de instrumentos de metrologia
com precisão muito alta de escalas.
Atualmente o paquímetro é um instrumento largamente utilizado para medir as
dimensões de objetos pequenos como parafusos,
porcas, tubos, entre outros, cuja medição pode
tornar-se um pouco precisa, com o uso de outras
ferramentas de medida, devido ao tamanho
dessas peças. Entre chaveiros, o paquímetro é
conhecido como "calibre", e na maior parte do
Figura 1 – Paquímetro. Disponível em:
tempo é utilizado apenas para comparar medidas <http://paquimetro.reguaonline.com/ima
ges/paquimetro.jpg>
(chave original / cópia), sem perder tempo com a
leitura.
Existem paquímetros de plástico, com haste metálica, ou inteiramente de aço
inoxidável, com calibração de graduação, geralmente a 20 °C. Possui um formato de
régua graduada fixa, pela qual desliza um cursor. Além disso, também há nessa
ferramenta dois bicos de medição, sendo um ligado à escala e o outro ao cursor, o que
permite que ele seja ajustado entre dois pontos, a medição é lida em sua régua e, por fim,

3
retirado do local. O cursor móvel tem uma escala de medição denominada nônio ou
vernier, uma homenagem aos seus criadores, que possui uma escala com um determinado
número de divisões (n) para uma determinada medida em milímetros da escala fixa,
permitindo assim, uma precisão decimal de leitura através do alinhamento desta escala
com uma medida da régua.

Figura 2 – Detalhamento das peças que compõem um paquímetro. Disponível em:


<http://paquimetro.reguaonline.com/images/paquimetro-detalhado.gif>

Um paquímetro é composto pelas seguintes peças, detalhadas na imagem acima e


descritas a seguir:

1) Orelha fixa 8) Encosto fixo


2) Orelha móvel 9) Encosto móvel
3) Nônio ou vernier (polegada) 10) Bico móvel
4) Parafuso e trava 11) Nônio ou vernier (milímetro)
5) Cursor 12) Impulsor
6) Escala fixa 13) Escala fixa de milímetros
7) Bico fixo 14) Haste de profundidade

4
São vários e diversos os tipos de paquímetros existentes hoje em dia, alguns dos
quais serão descritos a seguir:

 Paquímetro universal  Paquímetro universal com relógio

Figura 3 – Paquímetro Universal. Disponível em: Figura 4 – Paquímetro universal com relogio.
<http://paquimetro.reguaonline.com/images/paquim Disponível em: <http://paquimetro.reguaonline.com/
etro-universal.jpg> images/ paquimetro-universal-com-relogio.jpg>

Tipo de paquímetro mais utilizado. Possui um relógio acoplado ao


Serve para realizar medições internas, cursor que facilita a leitura e agiliza a
externas, de profundidade e de ressaltos. medição.

 Paquímetro com bico móvel  Paquímetro digital

Figura 5 – Paquímetro com bico móvel. Disponível


em: <http://paquimetro.reguaonline.com/images/ Figura 6 – Paquímetro digital. Disponível em:
paquimetro-com-bico-movel.jpg> <http://paquimetro.reguaonline.com/ images/
paquimetro-digital.jpg>

É muito empregado para medir Utilizado para leitura rápida, livre


peças cônicas ou peças com rebaixos de de erro de paralaxe e ideal para controle
diâmetros diferentes. estatístico.

5
2. OBJETIVOS
 Conhecimento do paquímetro e familiarização com o seu uso.

3. MATERIAL
 Paquímetro;
 Fios;
 Arruela;
 Peça com furo cego;
 Régua.

4. PROCEDIMENTO
Antes de qualquer experimento nos foi dada uma introdução à disciplina de Física
Experimental, ao uso de algarismos significativos e aos princípios da forma correta da
leitura de medidas em um paquímetro, como calcular o nônio e precisão do mesmo.
Ainda foi relatado um pouco sobre sua importância e principais utilidades.
Após isso, recebemos em nossas mesas de trabalho um paquímetro, e alguns
objetos para fazermos a devida medição posteriormente, fios, arruela e peça com furo
cego, e ainda uma régua normal graduada em 30 (trinta) centímetros.
Em seguida partimos para a realização da medição dos objetos entregues, e depois
calculando através da fórmula, as medidas corretas do paquímetro. Para obtermos uma
melhor precisão quanto ao resultado, tanto a medição, como os cálculos foram feitos três
vezes, por cada aluno, para todos os objetos, e assim obtermos uma média aritmética
dessas medidas.
Com relação aos fios, foram medidos os diâmetros tanto do fio mais espesso,
quanto o diâmetro do fio com menor espessura. Em seguida medimos a arruela, os
diâmetros externo e interno e a espessura. A última peça medida com o paquímetro foi a
peça com furo cego, da qual foram retirados os diâmetros externo e interno e as alturas
externa e interna da peça, e com as devidas medidas obtidas realizou-se o cálculo do
volume. As respectivas medidas descritas anteriormente são mostradas em ordem nas
tabelas a seguir:

6
4.1. Diâmetros dos fios

MEDIDA MEDIDA MEDIDA


MÉDIA
Aluno 1 Aluno 2 Aluno 3
DIÂMETRO FIO MAIS ESPESSO (mm) 2,95 mm 2,95 mm 2,95 mm 2,95 mm
DIÂMETRO FIO MAIS FINO (mm) 0,70 mm 0,65 mm 0,70 mm 0,68 mm

4.2. As medidas da arruela

MEDIDA MEDIDA MEDIDA


MÉDIA
Aluno 1 Aluno 2 Aluno 3
DIÂMETRO EXTERNO (mm) 39,90 mm 39,90 mm 39,90 mm 39,90 mm
DIÂMETRO INTERNO (mm) 12,00 mm 12,00 mm 12,00 mm 12,00 mm
ESPESSURA (mm) 2,30 mm 2,30 mm 2,30 mm 2,30 mm

4.3. As medidas e o volume da peça com furo cego

MEDIDA MEDIDA MEDIDA


MÉDIA
Aluno 1 Aluno 2 Aluno 3
DIÂMETRO EXTERNO (mm) 25,40 mm 25,40 mm 25,40 mm 25,40 mm
ALTURA EXTERNA (mm) 35,95 mm 35,95 mm 35,95 mm 35,95 mm
DIÂMETRO INTERNO (mm) 13,95 mm 13,95 mm 13,95 mm 13,95 mm
ALTURA INTERNA (mm) 22,20 mm 22,20 mm 22,20 mm 22,20 mm

Cálculo de volume

( ) )

)
)

7
Ao final das medições com o paquímetro utilizou-se a régua para medir
novamente os diâmetros externo e interno, e a altura externa da peça com furo cego, os
resultados obtidos com a régua constam na tabela seguinte:

4.4. Medidas com a régua

DIÂMETRO EXTERNO (mm) 25,00 mm


ALTURA EXTERNA (mm) 36,00 mm
DIÂMETRO INTERNO (mm) 14,00 mm

5. QUESTIONÁRIO

1 - Com base no paquímetro fechado à esquerda e no paquímetro da figura direita (no


roteiro de aulas práticas), responda:
(a) Qual o comprimento do nônio?
Resposta: 49 mm.
(b) Em quantas partes o nônio está dividido?
Resposta: 50 partes.
(c) Qual a precisão deste paquímetro?
Resposta:

(d) Qual a leitura do paquímetro ilustrado à direita?


Resposta:

2 - A partir dos valores médios dos diâmetros obtidos nesta prática com o paquímetro,
determine o comprimento da circunferência externa das três peças.

8
Resposta: Nos cálculos a seguir utilizou-se as seguintes conclusões matemáticas:

Fio mais fino

Fio mais espesso

Arruela

Peça com furo cego

3 - Considere os valores dos comprimentos medidos com o paquímetro e com uma régua
(peça com furo cego), quais os de maior precisão?
Resposta: Nas medidas realizadas com o paquímetro obteve-se números com mais casas
decimais, portanto, com maior precisão, pois além da régua normal, há o nônio, que tem a
capacidade de fracionar a medida já conhecida, chegando cada vez mais próximo da
precisão, o que não acontece na régua, que só possui uma graduação, e mesmo que se
ache valores menores que os já existentes, não há como determiná-los precisamente.

4 - Nas medidas feitas na peça com o furo cego, para o cálculo do volume, quais as que
podem contribuir no resultado com maior erro? Por quê?
Resposta: Pôde-se observar maior possibilidade de erro nos valores das medidas com
maior número de casas decimais, pois são os que possuem mais algarismos significativos,
fazendo com que os algarismos duvidosos interfiram mais no resultado.

5 - Qual a menor fração de milímetro que pode ser lida com o paquímetro que você
utilizou?
Resposta: 0,05 mm.

9
6. CONCLUSÃO
Após essa prática, compreendemos que o paquímetro é um instrumento essencial
em medidas com alta precisão. Aprendemos seus princípios de uso, como fazer a leitura
correta dos valores, e as técnicas para medir sua precisão. Também conhecemos suas
principais utilidades, bem como sua importância e significância frente a outros
instrumentos de medição, com relação a precisão.
Embora o paquímetro seja bem preciso, observamos a ocorrência de alguns erros
de medição, devido as variadas formas geométricas, com imperfeições muitas vezes, e
também relacionados ao ser humano, como a paralaxe e pressão na medição, o que é
aceitável, pelo fato da inexperiência dos alunos. Porém analisamos que a diminuição dos
erros se torna cada vez melhor com o emprego do conceito de algarismos significativos e
de médias aritméticas.
Por fim, concluímos que o paquímetro, embora seja um instrumento que exige um
pouco de técnica e experiência é de extrema importância em diversos campos de atuação
profissional, como no da Engenharia, na qual um pequeno erro pode ser fatal, e que a
máxima precisão, ainda que inalcançável, deve ser buscada até seu maior grau possível.

BIBLIOGRAFIA

Indústria Hoje. O que é um paquímetro?, por Vivian Fiorio e Fábio Henrique.


Disponível em: <http://www.industriahoje.com.br/o-que-e-um-paquimetro/>. Acesso em
12 abr.2016.
Régua Online. Paquímetro: tudo sobre essa grande ferramenta de medição. Disponível
em: <http://paquimetro.reguaonline.com/>. Acesso em 12 abr.2016.
Centro-Oeste. Paquímetro (ou "calibre"). Disponível em:
<http://vfco.brazilia.jor.br/modelos/oficina/paquimetro-ou-calibre.shtml>. Acesso em 12
abr.2016.

10

Você também pode gostar