Você está na página 1de 2

O caráter disruptivo do conhecimento no âmbito do mercado neoliberal

por Hugo Albuquerque

Como conceber algo que carrega em si potenciais tão diametralmente


opostos quanto os de criar e destruir? Mais, como entender a tentativa de
se transformar esta mesma coisa em uma commodity?

O conhecimento parece funcionar assim, como um moto perpetuo que está


em constante movimento e para tal se alimenta de suas próprias entranhas.
Não há nada mais iconoclasta do que o conhecimento. Portanto, acho
desnecessário adjetivá-lo como disruptivo. Em tempo, não que não tenha
propriedades disruptivas, mas o conceito de conhecimento é
inextricavelmente colado ao fato de sua disruptividade. Se não como
entender a enxurrada tecnológica que presenciamos nos dias atuais? Que
outra qualidade que não a de ser antítese de si mesmo explicaria
fenômenos como wikis1, fan fictions2, open source3, quebra de patentes e
downloads de música e filmes?

Entender o caráter disruptivo do conhecimento, ou seja, o fato de que para


existir ele deve sempre se reinventar, derrubando paradigmas e erguendo
outros, chega a ser trivial. A investigação menos óbvia é o porquê o
conhecimento, indomável por sua própria natureza, ser
compartimentalizado, isolado, dividido e mercantilizado como algo
produzido em uma linha de montagem.

O binômio educação-conhecimento não pode ser entendido sem o seu


caráter político. O tecnicismo/instrucionismo quer reduzir o conhecimento a
uma inovação desprovida de ética como afirma Demo. A quem interessa
este conhecimento técnico neutro, esterilizado eticamente? O mote da
sociedade do conhecimento intensivo é conhecer mais e não melhor. O
acesso à educação tem-se democratizado, mas isso é suficiente? O fato de
os empresários investirem na tão propagada qualificação da mão-de-obra
não deve ser entendido como altruísmo. Esta qualificação da mão-de-obra
escraviza na medida em que aliena o trabalhador.

Precisamos mais do que este conhecimento asséptico para nos libertar


dessa teia, precisamos do conhecimento primitivo, rebelde, precisamos
dessa sua natureza questionadora para que possamos confrontar o que já

1
Os termos wiki (pronunciado /uíqui/ ou /víqui/) e WikiWiki são utilizados para identificar um tipo específico de
coleção de documentos em hipertexto ou o software colaborativo usado para criá-lo. O termo "Wiki wiki" significa
"muito-rápido" no idioma havaiano.Este software colaborativo permite a edição colectiva dos documentos usando um
sistema que não necessita que o conteúdo tenha que ser revisto antes da sua publicação..

2
Fanfic é a abreviação do termo em inglês fan fiction, ou seja, "ficção criada por fãs". Trata-se de contos ou
romances escritos por terceiros, não fazendo parte do enredo oficial do livro, filme ou história em quadrinhos a que
faz referência

3
O termo código aberto, ou open source em inglês, foi criado pela OSI (Open Source Initiative) e refere-se a
software também conhecido por software livre. Genericamente trata-se de software que respeita as quatro liberdades
definidas pela Free Software Foundation, compartilhadas também pelo projeto Debian, nomeadamente em "Debian
Free Software Guidelines (DFSG)".

Fonte: Wikipédia.org
está instituído e deixar o campo livre para que o conhecimento dê vazão a
sua necessidade de vastidão.