Você está na página 1de 47

UNIVERSIDADE

DO ESTADO DA BAHIA
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA
CURSO: MEDICINA
DISCIPLINA: HEMATOLOGIA

MIELOMA MÚLTIPLO

PROF. MARINHO MARQUES


INTRODUÇÃO
•  Mieloma múl*plo é uma neoplasia maligna
caracterizada pela proliferação de plasmócitos
clonais na medula óssea;
•  Tipicamente acompanhada pela produção
monoclonal de imunoglobulina;
•  Detecção da proteína monoclonal pode ser
feita no soro e/ou na urina;
•  Efeitos: dor óssea, anemia, susce*bilidade à
infecções, hipercalcemia, insuficiência renal.
EPIDEMIOLOGIA
•  Representa 1% de todas as doenças
n e o p l á s i c a s e 1 3 % d o s c â n c e r e s
hematológicos;
•  Média de idade ao diagnós*co: ±70 anos; 37%
< 65 anos; 26% entre 65-74 anos e 37% ≥ 75
anos de idade ao diagnós*co;
•  Incidência ajustada para idade de 6/100.000/
ano; 02 a 03 vezes mais comum em
afroamericanos.
EPIDEMIOLOGIA
•  Neoplasia hematológica mais comum em
negros;
•  Relação homem/mulher: 1,5/1;
•  Com as novas terapias e TMO a sobrevida
média aumentou de 03 para 06 anos nas
úl*mas 02 décadas;
•  Em pacientes < 60 anos, a sobrevida média em
10 anos é de aproximadamente 30%.
EPIDEMIOLOGIA
•  Exposição a pes*cidas e radiação;
•  Mineiros;
•  Vírus?;
•  Parentes de primeiro grau;
•  Obesidade;
•  Maior incidência em pacientes com HIV;
•  Gamopa*a de significado indeterminado: 1/3 dos
casos emergem de alguma desordem monoclonal
pré-existente.
PATOGÊNESE DO MIELOMA
•  Surge de uma proliferação pré-maligna
assintomá*ca de plasmócitos monoclonais;
•  Derivam da célula B pós-centro germina*vo;
•  Alterações gené*cas progressivas e no
microambiente levam a transformação destas
células em uma neoplasia;
•  Gamopa*a monoclonal de significado
indeterminado -> mieloma smoldering ->
mieloma sintomá*co.
DIFERENCIAÇÃO DA CÉLULA B
ESTRUTURA DAS IMUNOGLOBULINAS
PATOGÊNESE DO MIELOMA
•  Papel do microambiente medular: envolve
interação célula-célula e célula-matriz, citocinas e
fatores de crescimento;
•  Células que compõem o microambiente:
osteoblastos, células do estroma medular, células
endoteliais e células do sistema imune inato e
adapta*vo, incluindo células T regulatórias.;
•  Inibição de proteínas reguladoras do ciclo celular
e an*-apoptó*cas.
PATOGÊNESE DO MIELOMA
•  Alterações cromossômicas:
Ø  Alteração inicial no cromossomo 14;
Ø  Anormalidades no gene MYC;
Ø  Alterações na expressão de microRNAs;
Ø  Modificações na me*lação de genes.

•  Patogênese que envolve mais de 01 fator,
progressiva.
PATOGÊNESE DO MIELOMA
PATOGÊNESE DA DOENÇA ÓSSEA
DOENÇA ÓSSEA
PATOGÊNESE
PATOGÊNESE
PATOGÊNESE
QUADRO CLÍNICO
•  Pode ser assintomá*co nos estágios iniciais;
•  Dor óssea – principal queixa;
•  Dor lombar e anemia em idosos -> obrigatório
inves*gação para mieloma;
•  Principais manifestações: anemia, infecções
frequentes, lesões ósseas, insuficiência renal;
•  Hipercalcemia;
•  Hiperviscosidade: componente monoclonal muito
elevado.
QUADRO CLÍNICO
•  Quadro inicial pode ser indolente ou
agressivo:
Ø  Insuficiência renal aguda;
Ø  Síndrome de compressão medular;
Ø  Fratura óssea;
Ø  Sepse;
Ø  Coma.
INVESTIGAÇÃO DIAGNÓSTICA
•  História clínica e exame osico;
•  Exames de laboratório: sangue e urina;
•  Exames radiológicos:
Ø  Raios X, tomografias, RNM;
•  Avaliação da medula óssea:
Ø  Mielograma;
Ø  Biópsia de medula óssea.
•  Biópsia de lesões tumorais.
MEDULA ÓSSEA
ESTUDO RADIOLÓGICO

•  Raio X esqueleto (PADRÃO OURO): demostra


lesões lí*cas quando 50% do osso trabecular é afetado.
Osteopenia acomete mais de ¼ dos pacientes;
•  TC: Avalia sinais precoces, ou seja, com menor
acome*mento da cor*cal;
•  RNM: evidencia infiltração da MO, mas não lesões
lí*cas. Ú*l para dignós*co, mas não para
monitoramento.

Raab et. al., Lancet 2009



CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
•  GamopaCa Monoclonal de Significado Indeterminado - GMSI

1- Proteína monoclonal sérica e/ou urinária de baixa
concentração: IgG sérica < 3g/dl, IgA sérica < 2g/dl ĸ ou λ
urinária < 1g/24h;

2- Plasmócitos < 10% na MO;

3- Ausência de lesões líCcas, anemia , hipercalcemia ou
insuficiência renal.

Taxa de progressão anual para MM de 1%


Kyle et al. NEJM 2006
•  Mieloma MúlCplo Smoldering ou assintomáCco

1- Proteina M >3g/dL (IgG) ou >2,0g/dl (IgA);

2- Plasmócitos > 10% na MO;

3- Ausência de lesões líCcas, anemia, hipercalcemia ou
insuficiência renal.

Não preencher critérios para MM sintomáCco.

Taxa de progressão anual para MM de 10%


Kyle et al. NEJM 2007
•  MIELOMA MÚLTIPLO - sintomáCco

1- Proteína monoclonal
presente, sérica e/ou urinária;

2- Plasmócitos monoclonais na MO >


10% e/ou plasmocitoma;

3- Dano orgânico relacionado ao MM (1


ou mais) – critérios CRAB.
TRATAMENTO
•  GMSI, MM smoldering ou assintomá*co:
observação;
•  Plasmocitoma isolado: radioterapia;
•  Mieloma múl*plo sintomá*co: tratamento
imediato.

•  Cuidados: profilaxia de infecções; avaliação
o d o n t o l ó g i c a p r é - t e r a p i a ; ó r t e s e s ;
bisfosfonatos.
CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE
PARA TMO EM MIELOMA
TERAPIAS DE SUPORTE
Anemia Citorredução, reposição de hemácias e eritropoetina
recombinante humana (50 a 75% de resposta)

Insuficiência Hidratação, quimioterapia, alopurinol, corrigir


Renal hipercalcemia e hemodiálise (10%)

Hiperviscosidade Citorredução e plasmaférese

Antibioticoterapia (microorganismos mais frequentes


Infecção depende da fase da doença), profilaxia (vacina anti-
influenza, anti-pneumocócica, imunoglobulinas)

Hipercalcemia Citorredução, hidratação, corticóide, bisfosfonatos

Dores ósseas Citorredução, analgésico, radioterapia, bisfosfonatos.