Você está na página 1de 15

A CRIAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DA USP –

UM ESTUDO SOBRE O INÍCIO DA FORMAÇÃO DE PESQUISADORES E


PROFESSORES DE MATEMÁTICA E DE FÍSICA EM SÃO PAULO
ALEXANDRE MARCOS DE MATTOS PIRES FERREIRA*

1. A UNIVERSIDADE NO BRASIL
Para entendermos o processo da criação da Universidade no Brasil, precisamos nos remeter ao
método utilizado pelos ibéricos para colonizar as Américas. Enquanto “(...) a Espanha
espalhou universidades pelas suas colônias – eram 26 ou 27 ao tempo da independência (...)”
(TEIXEIRA, 1999: 29) com objetivo de formar profissionais indispensáveis ao processo de
expansão das suas possessões, Portugal não permitiu o ensino superior em terras brasileiras a
não ser para as carreiras eclesiásticas (AZEVEDO, 1971), pois o intuito era manter o Brasil
sob o seu domínio. Porém, o fato de a universidade haver chegado tardiamente no nosso
território não significa que não tenham existido, por parte dos brasileiros, tentativas de instalá-
la, seja na época colonial, seja no Império, pois

Durante a fase imperial foram apresentados vários anteprojetos tentando criar


universidades. Em verdade foram quarenta e dois anteprojetos ou quarenta e duas
tentativas. Mas, alguns historiadores consideram o ano de 1538, portanto na fase
colonial, como sendo o marco inicial dos debates para a criação de uma
universidade no país (SILVA, 1999: s.p).
1.1. A Universidade no Período Colonial (1500 – 1808)
Dentre as diversas tentativas no período colonial, podemos citar algumas como, por exemplo:
- “A Universidade do Brasil (1592)”: instalada na Bahia pelos jesuítas, em 1592, porém, por
causa do incentivo que os estudos realizados nessa instituição de ensino poderia dar à
emancipação da colônia, ela não foi oficialmente autorizada nem reconhecida pelo Rei de
Portugal, e sequer pelo Papa. Em vista dos obstáculos encontrados, em pouco tempo deixou
de funcionar (MORHY, 2000).
- “A Universidade do Brasil (1662)”: Após o primeiro fracasso, uma nova tentativa ocorreu
em 1662, quando os jesuítas solicitaram a elevação do Colégio da Bahia, que ministrava
cursos de teologia e artes, à categoria de Universidade. Mais uma vez, o pedido foi negado
(CUNHA, 1986).
- “A Universidade de Recife (1644)”: “outra tentativa se deu em Pernambuco, no período de
dominação holandesa, quando “o Príncipe Maurício de Nassau cogitava a criação de uma
* Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP. Doutor em História da Ciência
universidade, porém após 1644, quando ele foi substituído, a instituição que estava sendo
criada em Recife, perdendo o seu grande incentivador, foi abandonada e esquecida”
(ALBANESE FILHO, 2008: 354).
- “A Inconfidência Mineira e o Projeto da Universidade (1789)”: no final do século XVIII, no
interior de Minas Gerais, ocorreu uma revolta contra a metrópole portuguesa conhecida como
Inconfidência Mineira; os objetivos principais desse movimento eram a Independência do
Brasil e o estabelecimento da República. Conforme os Autos de Devassa da Inconfidência
Mineira, os insurgentes pretendiam dividir a Capitania de Minas Gerais em diversas
províncias, tendo por capital a Vila de São João de El-Rei, e nela criar uma Universidade nos
moldes da de Coimbra (AUTOS, 1976).

1.2. A Universidade no Período Joanino (1808 – 1821)


A vinda da família real portuguesa para o Brasil mudou de forma significativa os rumos
político–econômico–sociais do Brasil, isto é, “(...) em 1808, foi necessário estabelecer na
colônia uma infra–estrutura adequada para a permanência da corte e de toda a aristocracia e
da população que aqui chegou (...) criaram-se então (...), a imprensa Régia, o Jardim
Botânico, o Museu Real, a Biblioteca Real, o Observatório, O Banco do Brasil (...)”
(D’AMBROSIO, 2008: 46), além das primeiras escolas superiores — Engenharia, Medicina e
outras profissionalizantes (SCHWARTZMAN, 1979). Contudo, essas conquistas não
significaram o fim da batalha pela criação da Universidade em solo brasileiro, pelo contrário,
exemplo disso foi o Instituto Acadêmico. De acordo com Schwartzman (1979), supõe-se que
em 1819, atendendo ao pedido de D. João VI, José Bonifácio voltou ao Brasil para ser reitor
de uma universidade que seria fundada na capital do Império, o Instituto Acadêmico.
Conteúdo análogo é encontrado num texto de Souza (1985), que diz constar das tarefas de
José Bonifácio a elaboração dos estatutos de uma universidade a ser criada em território
brasileiro. Porém, autores “como Primitivo Moacyr e Fernando de Azevedo, afirmam nunca
ter existido o projeto do Instituto Acadêmico, sendo pura e simplesmente criação-fantasma,
aparecida no decorrer da História da Educação Brasileira” (TOBIAS, 1986:163).
1.3.A Universidade no Período Imperial (1822 – 1889)
Foi por ocasião da independência do Brasil, exatamente durante os debates da Assembléia
Constituinte de 1823, que recrudesceram as discussões sobre a criação da Universidade no
Brasil. Foram apresentados os seguintes projetos: em 14 de junho de 1823, a criação de duas
Universidades, uma na cidade de São Paulo e outra na de Olinda (PINHEIRO, 1877) e, em 7
de novembro de 1823, a Universidade intitulada Instituto Brasílico (BITTENCOURT E SÁ,
1879). Porém, com a dissolução da Assembléia, em 12 de novembro de 1823, pelo o
Imperador D. Pedro I, inviabilizou tais projetos (SOUZA, 1985).

Após a Proclamação da Independência, tiveram outras tentativas de criar a universidade no


Brasil, que também não saíram do papel, como por exemplo:

- Em 1827: D. Pedro I determinou a criação de duas Faculdades de Direito, uma em São Paulo
e outra em Olinda (TOBIAS, 1986).

- Em 1842: que surgiu a proposta de uma Universidade na capital imperial, que seria
denominada de “Universidade Pedro II”. Ela seria composta das seguintes Faculdades:
Teologia, Direito, Medicina e de Ciências Físicas e Matemáticas (TOBIAS, 1986).
- Em 1847: a criação de uma Universidade a ser formada pelas Faculdades de Teologia, de
Filosofia, de Direito, de Medicina e Matemática. Novamente a Câmara não levou tal projeto à
frente (MOACYR, 1936, v.1).
- Em 1870: a criação de uma Universidade na capital da Corte, formada pela já existente
faculdade de Medicina, pela Escola Central, que ensinava Ciências Físicas, e a criação das
Faculdades de Teologia e de Direito. (MOACYR, 1938, v.3).
- Em 1881: a criação da universidade A Imperial Universidade Pedro II “(...) que se comporá
das cinco faculdades seguintes: de ciências matemáticas, físicas e naturais; de medicina; de
direito; de letras; de teologia” (MOACYR, 1938, v.3: 532).
Mas, como podemos constatar todas as tentativas de universidade ainda seria uma junção de
faculdades isoladas, sem uma unidade universitária.
1.4.A Universidade no Período da Primeira República (1889 – 1930)
Com a Proclamação da República e a expulsão da família real do Brasil, as esperanças da tão
sonhada universidade brasileira se renovaram. Do mesmo modo que no período imperial,
continuaram as discussões e os debates, e de forma análoga não houve avanços para a sua
concretização. Foi apenas na terceira década do século XX, depois de quase meio século da
instalação do regime republicano, mais precisamente 45 anos, que ocorreu de fato a criação da
primeira universidade brasileira: a Universidade de São Paulo (USP), em 1934.

Embora sem êxito imediato, nesses 45 anos as lutas não se arrefeceram. Continuaram a
ocorrer muitas tentativas, dentre as quais destacamos: a Universidade de Curitiba (1892); a
Criação de Três Universidades (1892); a Universidade do Distrito Federal (1895); a criação de
Cinco Universidades (1903); a Universidade Popular (1904); a Universidade do Rio de
Janeiro (1904); as Cinco Universidades (1908); a Universidade de São Paulo (1911); a
Universidade do Paraná (1913); a Universidade do Amazonas (1913).
Apenas em 1920, que finalmente foi criada a primeira Universidade brasileira, a Universidade
do Rio de Janeiro (CAMPOS, 2004), formada pela união da Escola Politécnica, Faculdade de
Medicina e da Faculdade de Direito, todas da capital federal (BRASIL, 1920)1. Segundo
Schwartzman (1988: 34), “A Universidade do Brasil (antiga Universidade do Rio de Janeiro)
já existia no papel desde 1920, mas a grande universidade nacional, que deveria ter como
fulcro e ponto de apoio uma faculdade de filosofia, ciências e letras, só ganharia corpo em
1939”. Em 1927, em Minas Gerais, foi criada a segunda universidade no Brasil, nos mesmos
moldes da Universidade do Rio de Janeiro, isto é, criada por meio da união de faculdades,
todas elas com o caráter profissionalizante. Foi em 1934, que surgiu a Universidade de São
Paulo (USP): a primeira Universidade brasileira que teve em sua origem a criação da
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

2. A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP)


A conjuntura histórica que precedeu a criação da Universidade de São Paulo (USP) foi
relevante para que a USP carregasse um diferencial em relação às universidades
anteriormente criadas, isto é, de possuir um espaço institucionalizado dedicado à formação de
professores e pesquisadores na área das ciências puras, a Faculdade de Filosofia, Ciências e
Letras (FFCL). A Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a Semana de Arte Moderna de 1922,
a Academia Brasileira de Ciência (1916), o Instituto Nacional de Tecnologia – INT (1921), o
Instituto de Pesquisa Tecnológica – IPT (1925), o crack da Bolsa de Valores de Nova York
(1929), a Revolução de 30, o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932) e a
“Revolução Paulista de 32” foram alguns elementos componentes da conjuntura histórica em
questão.

Em relação à sua fundação, existem várias correntes historiográficas que explicam o motivo
pelo qual a Universidade de São Paulo (USP) foi criada, isto é:

- “Prêmio aos perdedores do Movimento de 32”: acredita que a Universidade de São Paulo,
conjuntamente com a Constituição de 1934 foi um consolo dado pelo Governo Federal aos
paulistas, pois, mesmo vitorioso, Getúlio Vargas sabia que era importante não ignorar a elite
do Estado de São Paulo para que pudesse governar o país (SKIDMORE; FIKER, 2003).

1
Uma versão explicando o motivo pelo qual o Governo Federal criou a Universidade do Rio de Janeiro foi que a
mesma só foi possível porque havia a necessidade de se homenagear o Rei da Bélgica com o título de Doutor
Honoris Causa, e não havia no Brasil nenhuma instituição de ensino superior que pudesse agraciá-lo com tal
honraria (FÁVERO, 2007)
- “Empresários do setor cultural”: a criação da USP como sendo “uma iniciativa de
empresários do setor cultural (...) ‘pessoas com interesses empresariais, ligadas a editoras,
donos de escolas... ’(...)” (MESQUITA NETO, 1993: 11-12).

- “USP um símbolo de poder para o Estado de São Paulo”: a criação da Universidade de São
Paulo como sendo um símbolo de poder do Estado de São Paulo (MESQUITA FILHO, 1969).

- “Elite Paulista” e a volta ao poder: derrotada no Movimento de 32 que teve como discurso à
volta ao poder não pelas armas (como se tentou em 32), mas sim pelo poder do
conhecimento2, da formação “(...) de uma elite intelectual, capaz de compreender os
problemas de sua época e de dar a eles solução adequada” (PRADO, 1974: 98).

Essa última corrente historiográfica é a defendida pelo grupo integrante do projeto da criação
da Universidade de São Paulo, que era formado pelo

(...) seu relator, que era o próprio autor do projeto [Fernando de Azevedo], dos
professôres Almeida Júnior, - aquele e este por parte do Instituto de Educação,
Teodoro Ramos e Fonseca Teles, pela Escola Politécnica, Raul Briquet e André
Dreyfus, da Faculdade de Medicina, Vicente Rao e Waldemar Ferreira, da de
Direito, Rocha Lima e Agesilau Bittencourt, pelo Instituto Biológico, e Juliode
Mesquita Filho. (AZEVEDO, 1958:. 220)
Portando, em 1934 se torna concreto o projeto da Universidade de São Paulo, no qual os
objetivos são: desenvolver a cultura filosófica, científica, literária e artística; ampliar a
investigação científica, isto é, investigações de altos estudos, de cultura livre e desinteressada;
formar as classes dirigentes; e fazer com que a universidade prepare o homem como
profissional e cidadão.

2.1.O Projeto da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras


Como levantado no início desse trabalho, a luta por uma Universidade era permeada pela
criação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, que representava a mudança de
concepção de Universidade no Brasil, pois a FFCL possuía o objetivo de desenvolver
pesquisa desinteressada. A primeira FFCL foi a da USP, em 1934, projetada pela elite
paulista; assim sendo, nesse item explicitaremos seu projeto na óptica dos seus idealizadores.

O projeto da criação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras tinha como objetivos:

- Formar professores para o ensino secundário e superior, que teriam como responsabilidade o
desenvolvimento de uma elite intelectual.

2
“Vencidos pelas armas, sabíamos perfeitamente que só pela ciência e pela perseverança no esforço voltaríamos
a exercer a hegemonia que durante longas décadas desfrutamos no seio da federação” (MESQUITA FILHO,
1969, p. 199).
- Desenvolver pesquisas desinteressadas, que contradiziam a concepção positivista que
influenciou a educação brasileira até então (D’AMBROSIO, 2008).
Portanto, o projeto da FFCL pode ser resumido nas palavras Crodowaldo Pavan3 (1993: 190):
A FFCL foi planejada para ser o centro da Universidade de São Paulo e teve
sucesso porque para ela foram convidados diversos professores e pesquisadores
estrangeiros, assim como brasileiros de alto nível. Se ela tivesse começado somente
com docentes brasileiros o fracasso teria sido total. Note-se que à época o Brasil se
curvava diante da influência cultural da França. Somando todos esses fatores e a
necessidade de formar-se profissionais para áreas do conhecimento em que o atraso
brasileiro era incontestável, estruturou-se a Faculdade de Filosofia, cujas
finalidades principais eram: preparar trabalhadores intelectuais para o exercício de
altas atividades culturais, de ordem desinteressada ou técnica; preparar docentes
para o magistério do ensino básico e superior; realizar pesquisas nos domínios da
cultura que eram o objeto de uma Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

2.2. A Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo

A Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL-USP) foi


separada em três secções autônomas – Filosofia, Ciências e Letras – secções essas que dão
nome à Faculdade.

Conforme o decreto n.º 6.283, de 25 de janeiro de 1934, as secções seriam compostas da


seguinte forma:

Secção de Filosofia: foi iniciada com quatro cadeiras: Filosofia, História da Filosofia,
Filosofia da Ciência, Psicologia.

Secção de Ciências: foi subdivida em seis subseções, isto é:

- Ciências Matemáticas: foi dividida em 3 cadeiras, compostas de sete disciplinas, isto é,


Geometria (projetiva e analítica); História das Matemáticas; Análise matemática (inclusive
elementos de cálculo das probabilidades e de estatística matemática); Cálculo Vetorial;
Elementos de Geometria Infinitesimal; Mecânica Racional e Elemento de Mecânica Celeste.

- Ciências Físicas: foi dividida em duas cadeiras, com quatro disciplinas, isto é, Física Geral;
Física Experimental; Física Matemática; História da Física.

- Ciências Químicas: como a de Ciências Físicas, tinha apenas duas cadeiras, mas com seis
disciplinas, isto é, Química Física, Inorgânica e Analítica; Química Orgânica; Biológica;
História da Química.
3
Crodowaldo Pavan “se formou em história natural pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (1941) da
USP e quatro anos depois concluiu doutoramento no Departamento de Biologia Geral, sob orientação de André
Dreyfuss, pioneiro nos estudos de genética e evolução no Brasil. Nos dois anos seguintes, como bolsista da
Fundação Rockefeller, fez pós-doutorado na Universidade Columbia, em Nova York, Estados Unidos. Em 1952,
assumiu a cátedra do Departamento de Biologia Geral da FFCL, substituindo Dreyfuss”. (FAPESP, 2009, s.p.).
- Ciências Naturais: possuía seis cadeiras, com oito disciplinas, isto é, Mineralogia e
Geologia; Botânica Geral; Fisiologia Vegetal; Zoologia Geral; Fisiologia Geral e Animal;
Biologia Geral.

- História e Geografia: era dividida em quatro cadeiras e possuía cinco disciplinas, isto é,
Geografia Geral e Antropogeografia; História da Civilização; História da América; História
da Civilização Brasileira.

- Ciências Sociais e Políticas: tinha cinco cadeiras e possuía oito disciplinas, isto é, Psicologia
Social e Antropologia Social; Sociologia; Economia Política, Finanças e História das
Doutrinas Econômicas; Direito Político; Estatística Econômica.

Secção de Letras: foi estabelecida com dez cadeiras, totalizando o mesmo número de
disciplinas: Lingüística; Filologia Comparada; Filologia Portuguesa; Literatura Luso-
Brasileira; Língua e Literatura Grega; Língua e Literatura Latina; Língua e Literatura-
Francesa; Língua e Literatura Inglesa; Língua e Literatura Alemã; Técnica e Crítica Literária.

Vejamos agora de que modo foi montado cada um dos cursos de licenciatura da FFCL da
USP, segundo o mesmo decreto n.º 6.283:

- FILOSOFIA: no primeiro ano o aluno teria que cursar duas disciplinas das cadeiras de
filosofia e uma da cadeira de Geografia e História. No segundo ano, três disciplinas eram de
Filosofia e uma de Ciências Sociais e Políticas. No último ano, teria apenas três disciplinas,
das quais somente deveria ser da subseção de Ciências Sociais e Políticas.
- CIÊNCIAS MATEMÁTICAS: o aluno do primeiro ano cursaria apenas duas disciplinas,
ambas as cadeiras de Ciências Matemáticas. No segundo ano, o total de disciplinas era de
cinco, das quais duas da subseção de Ciências Físicas. No terceiro e último ano, o curso era
formado também por cinco disciplinas, sendo duas da subsecção de Ciências Físicas.
- CIÊNCIAS FÍSICAS: o aluno do curso de Ciências Físicas praticamente cursava o mesmo
que os alunos de Ciências Matemáticas, isto é, os dois primeiros anos eram idênticos. Apenas
o terceiro ano diferia, possuindo quatro disciplinas, todas da subseção de Ciências Física.
- CIÊNCIAS QUÍMICAS: no primeiro ano do curso, apenas uma disciplina pertencia à
subseção de Ciências Químicas, as outras quatro eram das Ciências Matemáticas e das
Físicas, isto é, duas eram do primeiro ano e outras duas do segundo, respectivamente. Já os
demais anos eram compostos por disciplinas específicas da subseção de Ciências Químicas.
Portanto, com a estrutura dos cursos de Ciências Matemáticas, Físicas e Químicas, os alunos
dos três cursos acabavam interagindo, uma vez que em muitas oportunidades eles cumpriam
as mesmas disciplinas.

- CIÊNCIAS NATURAIS: o curso de Ciências Naturais incluía apenas duas disciplinas fora
da subseção: Física Experimental (Ciências Físicas) no primeiro ano e Química Biológica
(Ciências Químicas) no segundo ano. A distribuição quantitativa das disciplinas era: 1º ano –
quatro; 2º ano - cinco; e 3º ano – quatro.
- GEOGRAFIA E HISTÓRIA: todas as disciplinas dos três anos pertenciam às cadeiras da
subseção de Geografia e História.
- CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS: o curso de Ciências Sociais e Políticas possuía apenas
duas disciplinas fora da sua subseção específica: História da Civilização e História da
Civilização Brasileira, ambas da subseção de Geografia e História. A distribuição quantitativa
das disciplinas era: 1º ano – quatro; 2º ano - três; e 3º ano – três.
- LETRAS: este curso possuía duas seções, isto é, a secção de Letras Clássicas e de Português
(e a seção de Línguas Estrangeiras).
O aluno concluinte de qualquer um dos cursos oferecidos pelas secções ou subseções teria a
licença cultural e seria considerado licenciado; havendo apenas três classificações: licenciado
em filosofia; licenciado em ciências; e licenciado em letras. Essa classificação é encontrada
no art. 11 do capítulo II do decreto n.º 6.283

3. AS SUBSEÇÕES DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E CIÊNCIAS FÍSICAS DA


FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS – USP
O curso de Ciências Matemáticas teve seu início conjuntamente com a FFCL no ano de 1934,
enquanto o de Ciências Físicas apenas em 1935 (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1937).
Ambos os cursos foram instalados no período 1934 – 1936, na Escola Politécnica de São
Paulo. Os cursos de Ciências Matemáticas e Ciências Físicas eram muito próximos,
possibilitando uma estrutura curricular na qual havia um aproveitamento das cadeiras
pertencentes a cada subseção. Abaixo, na tabela 12, temos a distribuição das cadeiras nos
respectivos anos de curso, de acordo com o decreto 6.283 de 25 de janeiro de 1934.

Distribuição das Cadeiras dos Cursos de Ciências Matemáticas e Físicas da FFCL

CIÊNCIAS SUBSEÇÃO À QUAL


ANO MATEMÁTICAS CIÊNCIAS FÍSICAS PERTENCE A CADEIRA
Geometria (projetiva e Geometria (projetiva e
1º analítica) analítica) Ciências Matemáticas
Análise matemática Análise matemática Ciências Matemáticas
Análise matemática Análise matemática Ciências Matemáticas
Cálculo Vetorial e Cálculo Vetorial e
Elementos de Geometria Elementos de
2º Infinitesimal Geometria Infinitesimal Ciências Matemáticas
Física Geral e Física Geral e
Experimental Experimental Ciências Físicas
Mecânica Racional e
Elementos de Mecânica
Celeste Ciências Matemáticas
História das Matemáticas Ciências Matemáticas
Física Geral e Física Geral e
3º Experimental Experimental Ciências Físicas
Física Matemática Ciências Físicas
História da Física Ciências Físicas
Dados retirados de UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1937: 190.
3.1.Corpo Docente
Para as cadeiras das subseções de Ciências Matemáticas e Ciências Físicas foram convidados
mestres italianos, pois houve pressão do governo da Itália e da numerosa comunidade italiana
que vivia no Brasil. O responsável pelas contratações foi Theodoro Ramos que

(...) em março de 1934 [segue para a Europa] com dupla missão: estudar o
funcionamento das universidades e contratar professores. (...) Theodoro Ramos
começa pela Itália e chega em 13 de março em Roma. Visita Laboratórios, encontra
os universitários, é recebido por Mussolini e pelo o ministro dos Assuntos
Estrangeiros (PETITJEAN, 1996: 263).
O objetivo de Theodoro Ramos, na Itália, era a contratação de um matemático e de um físico,
para isso, procurou
(...) Francesco Cerelli4, da Academia Italiana de Ciências, e (...) Enrico Fermi.
Francesco Cerrelli havia estado anteriormente em São Paulo (...) sugerido ao
governador Armando de Salles a criação de uma escola onde a atividade científica
pudesse ser desenvolvida paralelamente às escolas profissionais nos moldes das
universidades italianas. (SCHWARTZMAN, 1979: 251)
Theodoro Ramos, ao conversar com Francesco Cerelli, recebeu a indicação do matemático
Luigi Fantappié; para a física, a idéia era contratar o próprio Enrico Fermi, que “(...) naquela
época, estava envolvido com os famosos experimentos que se tornaram históricos, e não pôde
aceitar o convite. Recomendou Gleb Wataghin, que então trabalhava na Universidade de
Turim, um dos físicos teóricos italianos em quem Fermi, segundo suas próprias palavras,
tinha confiança.” (SCHWARTZMAN, 1979: 251). Portanto, Luigi Fantappié e Gleb

4
O nome da pessoa que Theodoro Ramos procura na Academia Italiana de Ciência tem divergência entre dois
autores consultados, isto é, para Simon Schwartzman o nome é Francesco Cerelli, enquanto para Patrick
Petitjean é Francisco Severi. (nota do autor).
Wataghin foram convidados por Theodoro Ramos a dirigir as ciências matemáticas e físicas
no Brasil e, os mesmo aceitaram.

3.2.Atividades Gerais das Subseções de Ciências Matemáticas e de Ciências Físicas


As subseções de Ciências Matemáticas e de Ciências Físicas, desde seu início, desenvolveram
atividades extracurriculares, tais como, seminários relacionados a conteúdos matemáticos e
físicos, conferências públicas e a publicação do Jornal de Matemática Pura e Aplicada.

- Seminários Matemáticos e Físicos: constituíam-se de reuniões organizadas pelas subseções


de Ciências Matemáticas e Ciências Físicas e tiveram início no ano de 1935. De acordo com a
documentação da época,

(...) nestas reuniões são expostos, em palestras ou conferências, certos temas


científicos que não cabem num curso normal, como sejam resultados de pesquisas
recentes, o estado atual de certas teorias ou experiências interessantes de física
aplicada. É também em reuniões dêsse seminário que os alunos, professores ou
assistentes, têm oportunidade de expor os seus trabalhos originais.
(UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1937: 91 – 92).
- Conferências Públicas: A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras organizou, desde 1934,
conferências públicas, das quais todos os professores das seções e subseções pertencentes à
FFCL participaram. Relacionamos abaixo as conferências públicas realizadas pelos
professores das subseções de Ciências Matemáticas e Ciências Físicas, nos anos de 1935 e
1936:
Conferências Públicas realizadas em 1935:
Prof. Luigi Fantappié (Dia 15 de setembro de 1935): O problema do ensino secundário de
matemática
Prof. Gleb Wataghin (Dia 24 de outubro de 1935): O princípio de causalidade em física
Prof. Gleb Wataghin (Setembro de 1936): O ensino das ciências físicas
Prof. Luigi Fantappié (Outubro de 1936): As matemáticas na escola secundária
- Jornal de Matemática Pura e Aplicada: No ano de 1936, por iniciativa dos professores dos
cursos de matemática e física, foi produzido o Jornal de Matemática Pura e Aplicada. O
diretor do Jornal era Luigi Fantappié e o diretor administrativo, Ernesto Luiz de Oliveira
Júnior. O objetivo dessa iniciativa era publicar as reuniões dos seminários matemáticos e
físicos e, também, memórias e notas redigidas por docentes e discentes dos cursos envolvidos.
Pelos anuários da FFCL, o Jornal teve duas edições (1936 e 1937). Apresentamos abaixo as
fotos da capa e sumário da edição.
(Fotos retiradas de TÁBOAS, 2005: 176 – 177).
3.3.Corpo Discente
Conforme o anuário da FFCL de 1934 – 1935, os cursos de matemática e física começaram no
mesmo ano em que a FFCL teve início. Porém, é possível se identificar uma discordância em
relação ao ano de início do curso de física: no anuário há duas informações discrepantes, uma
delas registrando que o mesmo começou a funcionar apenas em 1935. Essa informação cai
por terra quando nos voltamos para os dados das matrículas dos alunos no ano de 1934 e ali
encontramos 10 alunos registrados no curso de física — portanto, certamente foi em 1934 que
o curso teve início.

O primeiro ano do curso de matemática possuía 29 alunos matriculados e 1 ouvinte, enquanto


o primeiro ano do curso de física tinha apenas 10 alunos matriculados. É interessante
analisarmos as matrículas efetuadas no segundo ano dos cursos de matemática e de física, pois
facilmente perceberemos uma queda acentuada no número de alunos de matemática que
foram promovidos do primeiro para o segundo ano, isto é, de 29 iniciantes permaneceram 7,
dos quais 2 eram estudantes transferidos do curso de física; quanto ao 2º ano do curso de
física, ele foi extinto. Já em 1936, a turma do terceiro ano de matemática praticamente
manteve o número de matriculados, tendo apenas uma baixa e o terceiro ano de física, como o
segundo, não existiu.
No final do ano de 1936 e início de 1937, temos os formandos da primeira turma de
matemática e física da FFCL.

1 – Cândido Lima da Silva Dias 4 – Francisco Antonio Lacaz Almeida


2 – Carmelo Damato 5 – Júlio Rabin
3 – Fernando Furquim de Almeida 6 – Mário Schenberg
Aqui nos cabe fazer duas observações, isto é,

1ª) Na lista de formandos do anuário de 1936, da turma de matemática constam apenas 5


concluintes, mas no anuário de 1939, constam 6. O aluno/formando faltante na lista de 1936 é
Francisco Antonio Lacaz Neto.

2ª) Mesmo não existindo turmas de segundo e terceiro ano, houve um formando na turma de
física, Marcelo Damy de Sousa Santos, o único concluinte da primeira turma de física.5

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Desde o início da colonização existiu, entre a população aqui vivia e que detinha o poder
econômico, o desejo de que houvesse uma Universidade em terras brasileiras; contudo, foram
necessários mais de quatro séculos, já no período republicano, para que esse sonho pudesse se
tornar realidade: trata-se da Universidade do Rio de Janeiro, criada pela Lei 14.342 de 7 de
setembro de 1920 e formada pela união da Escola Politécnica, Faculdade de Medicina e da
Faculdade de Direito, todas da capital federal. Fato semelhante aconteceu sete anos mais
tarde, com a Universidade de Minas Gerais, que não passou de uma junção de três escolas
superiores já existentes (Engenharia, Medicina e Direito).

Quando comparamos a história da USP com as Universidades que a antecederam, verificamos


que embora ela também tenha surgido de uma agregação de antigas instituições de ensino
superior, trouxe consigo um importante diferencial: A Faculdade de Filosofia, Ciências e
Letras, local institucional para pesquisa denominada desinteressada (pura).

5
Marcelo Damy de Souza forma-se em física pelo fato de ter assistido todo curso como ouvinte e feito os
exames de todas as disciplinas no prazo de um a dois meses, conforme ele mesmo disse: Segui o curso como
ouvinte. Quando foram realizados os exames dessas disciplinas (todos orais) fui assistir para ver como meus
colegas iriam se sair. Wataghin, que me via sempre nas aulas e não guardava bem o nome de todos os alunos,
porque eram muitos, dirigiu-se a mim5 (...) disse assim "Venga!". Respondi: "Professor, não sou seu aluno, sou
ouvinte. Sou da Escola Politécnica". Mas ele insistiu: "Não, você está sempre aqui e eu quero ver o que você
aprendeu". Assim, de sopetão, eu fiz um exame oral (risos).5 (...) Ele me disse que eu tinha jeito para a Física e
gostaria que eu fizesse o curso, matriculando-me na Faculdade, para seguir as outras disciplinas. Respondi que
isso não era possível porque havia terminado o 3° ano da Politécnica, e só dependia de mais dois anos para me
formar (...)Wataghin, então, fez a seguinte proposta: “como você assistiu a todos os cursos fundamentais na
Politécnica como ouvinte, vou estudar a possibilidade de você fazer todos os exames correspondentes aos três
anos da Faculdade num período curto, de um ou dois meses. Aí você se forma e fica sendo meu assistente".
Aceitei. Fui dispensado daqueles exames que já havia feito das cadeiras comuns com a Politécnica e tive de fazer
os outros num período de dois meses.
No que diz respeito à organização dos cursos de Matemática e de Física, ambos eram muito
próximos, o que possibilitava uma estrutura curricular na qual havia um aproveitamento das
cadeiras pertencentes a cada subseção.

Foi de suma importância a vinda dos professores italianos Gleb Wataghin e Luigi Fantappié
para o desenvolvimento das Ciências Matemáticas e Físicas no Brasil, pois foram esses
docentes que junto com jovens brasileiros formaram a primeira equipe de investigadores e de
professores de renome internacional.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBANESI FILHO, Francisco Manes. O Ensino, a Universidade e a Realidade. Revista


SOCERJ, Rio de Janeiro, ano 21, n. 5, 352-356, set./out. 2008. Disponível em:
<http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2008_05/a2008_v21_n05_a13Albanesi.pdf>
Acesso em: 26 fev. 2009.
AUTOS da Devassa da Inconfidência Mineira. 2. ed. Belo Horizonte: Governo do Estado de
Minas Gerais, 1976.
AZEVEDO, Fernando de. A Universidade de São Paulo In: ENSAIOS paulistas:
contribuição de O Estado de São Paulo as comemorações do IV Centenário da cidade. São
Paulo: Anhambi, 1958.
AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. São Paulo: Melhoramentos/Edusp, 1971.
BRASIL. Presidência da República. Lei 14.342 de 7 de set. de 1920. Institue a Universidade
do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1920.
BRASIL. decreto n.º 6.283, de 25 de jan. 1934. Crea a Universidade de São Paulo e dá
outras providências. Disponível em: <http://leginf.uspnet.usp.br/criacao/decreto6283.htm>.
Acesso em: 17 abr. 2007.
BITTENCOURT E SÁ, Manoel Ferreira da Câmara de. Projeto do Instituto Brasílico. In:
ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE (1823). Anais do Parlamento Brazileiro. Rio de Janeiro:
Typographia de H. J. Pinto, 1879, tomo IV.
CAMPOS, Ernesto de Souza. História da Universidade de São Paulo. São Paulo: EDUSP,
2004.
CUNHA, Luiz Antonio. Universidade Temporã: da Colônia a era de Vargas. 2. ed. Rio de
Janeiro: Francisco Alves, 1986.
D’AMBROSIO, Ubiratan. Uma história concisa da matemática no Brasil. Petrópolis: Vozes,
2008.
FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. A Universidade Federal do Rio de Janeiro:
origens e construção (1920 a 1965), 2007. Disponível em:
<http://www.sibi.ufrj.br/lourdes_memoria.pdf> Acesso em: 12 mar. 2009.
MESQUITA FILHO, Julio de. Política e Cultura. São Paulo: Martins Fontes, 1969.
MESQUITA NETO, Julio de. Apresentação. In: FREITAS, Sônia Maria de. Reminiscências.
São Paulo: Maltese, 1993. p. 11-12.
MOACYR, Primitivo. A instrução e o Império – Subsídios para a História da Educação no
Brasil 1823 - 1853. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936. vol. 1.
MOACYR, Primitivo. A instrução e o Império – Subsídios para a História da Educação no
Brasil 1854 - 1888. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937. vol. 2.
MOACYR, Primitivo. A instrução e o Império – Subsídios para a História da Educação no
Brasil 1854 - 1889. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. vol. 3.
MORHY, Lauro. A Estrutura Departamental na Universidade Pública - Resumo da palestra
proferida no Fórum de Políticas Universitárias, na Universidade de São Paulo – USP, 2000.
Disponível em:
<http://www.unb.br/administracao/reitoria/discursos/2000/estrutura_departamental.php> .
Acesso em: 19 fev. 2009.
PETITJEAN, Patrick. As Missões Universitárias Francesas na Criação da Universidade de
São Paulo (1934 – 1940). In: HAMBURGER, Amélia Império (Org.) et. at. As Ciências nas
Relações Brasil –França (1850 – 1950). São Paulo: USP/FAPESP, 1996. Disponível em:
<http://books.google.com.br/books?id=dU9hAoSHTGsC&pg=PA267&lpg=PA267&dq=HIS
TORIADOR+EMILE+COORNAERT&source=bl&ots=wOUopWcZC_&sig=mE3tMwlwHQ
qPchpSjX1VQpfJSpk&hl=pt-BR&ei=j3JqSsXFHZ-
vtgef1b3HBQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1> . Acesso em: 05 mar. 2008.
PINHEIRO, José Feliciano Fernandes. Projeto de Universidade em São Paulo. In:
ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE (1823). Anais do Parlamento Brazileiro. Rio de Janeiro:
Typographia Parlamentar, 1877, tomo II.
PRADO, Maria Lígia Coelho. A ideologia liberal de ‘O Estado de São Paulo’ (1932-1937).
São Paulo: FFLCH/USP, 1974. [Dissertação de mestrado em História].
SCHWARTZMAN, Simon. Formação da Comunidade Científica no Brasil. São Paulo:
Nacional, 1979.
SILVA, Clóvis Pereira da. A Matemática no Brasil: uma história de seu desenvolvimento. 2.
ed. São Leopoldo: UNISINOS, 1999. Disponível em:
<http://www.accefyn.org.co/PubliAcad/Clovis/Clovispdf/4.pdf > . Acesso em: 19 fev. 2009.
SKIDMORE, Thomas E., FIKER, Raul. História do Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2003.
SOUZA, Maria Adélia Aparecida de (Cood.). O Espaço da USP: presente e futuro
/Universidade de São Paulo, Prefeitura da Cidade Universitária “Armando Salles de Oliveira”.
São Paulo: A Prefeitura, 1985.
TÁBOAS, Plínio Zornoff. Luigi Fantappiè: influência na Matemática brasileira – Um Estudo
de História como contribuição para a educação matemática. Rio Claro: IGCE/Unesp, 2005
[Tese de doutorado]. Disponível em:
<http://www.athena.biblioteca.unesp.br/F/CM2ELKV1LAN438PMCMVHSSF7D3EDYR5I6
9TVTG113SDQ188D3D-01286?func=find-
b&request=luigi+fantappi%C3%A8&find_code=WRD&adjacent=N&local_base=BDTD&filt
er_code_4=WMA&filter_request_4=&filter_code_1=WLN&filter_request_1=&filter_code_2
=WYR&filter_request_2=&filter_code_3=WYR&filter_request_3=&x=0&y=0>. Acesso em:
10 jul. 2009.
TEIXEIRA, Anísio. Educação no Brasil. 3a ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999.
TOBIAS, José Antônio. História da Educação Brasileira. 3ª ed. São Paulo: IBRASA, 1986.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
da Universidade de São Paulo (1934 - 1935). São Paulo: Revista dos Tribunaes, 1937.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
da Universidade de São Paulo (1936). São Paulo: Seção de Publicações da USP, 1937.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
da Universidade de São Paulo (1937 - 1938). São Paulo: Seção de Publicações da USP, 1938.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da
Universidade de São Paulo (1939 - 1949). São Paulo: Seção de Publicações da USP, 1953. vol
1 e 2.