Você está na página 1de 13

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA!
LEI MUNICIPAL 10.236, DE 130901
SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E TECNOLOGIA FLORESTAL

SEGURANÇA DO TRABALHO

NR-9: PPRA – CARACTERÍSTICAS – SUGESTÕES

NR-4: OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL

PROF. ELISEU LACERDA
081107
Nova data: agosto 2009

2 CARACTERÍSTICAS DO DOCUMENTO-BASE a.Administração: empregador – SESMT/SESTR – CIPA/CIPATR – qualquer funcionário designado (item 9.Acessível a todo funcionário. exige o registro de todas as situações.Não se trata de definições. SENDO OBRIGATÓRIA A SUA INSTALAÇÃO EM TODAS AS EMPRESAS QUE CONTRATAM EMPREGADOS. . a partir da data da entrega técnica. com definição de prazos. f. (têm poder de definição: o LTCAT ou a perícia judicial).2). muitas ações exigem a elaboração do respectivo projeto e a sua execução no prazo estabelecido.1. .Simplificadamente. f.Obrigatória a sua elaboração e a sua implementação. recebe o nome do Programa. b.3.Exige um cronograma de acompanhamento e melhorias –com prazo máximo de 12 meses.Obrigatório para toda empresa que contrata empregados (item 9.Prazo de validade: permanente (enquanto existir a empresa). na área de segurança e de medicina do trabalho). QUE RECEBE. j.quando determinado tipo de risco for suprimido. SÃO DOIS INSTRUMENTOS DISTINTOS. O QUE GERA CERTA CONFUSÃO.1).quando novo risco surgir.Não se trata de um projeto técnico. k.Exige a elaboração de um documento-base (item 9. e. o que só podem ser realizados por pessoa legalmente habilitada. na empresa. h.reconhecimento dos agentes.avaliação dos agentes. e. c. .Pode ser terceirizado (elaboração e/ou execução. b. .236.2.Pode ser elaborado por qualquer pessoa designada pela empresa. ELE É MATERIALIZADO NO DOCUMENTO-BASE. d. mas de um relatório de intenções.Prazo de validade: 12 meses. COMUNS AOS DOIS.controle dos riscos. no que diz respeito à sua atividade e sua área física.Determina o cumprimento das três etapas para o efetivo controle dos riscos: .Administração: empregador – SESMT/SESTR – CIPA/CIPATR – qualquer funcionário designado. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. 1 CARACTERÍSTICAS DO PPRA a. OUTRAS.É um Programa instalado na empresa. O MESMO NOME. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS SÃO PRÓPRIAS DE UM E DE OUTRO.1. DE 130901. ou: . d. i.A entrega é técnica (detalhadamente explicado).1). A elaboração e a execução dos serviços previstos são de competência de pessoas legalmente habilitadas. SIMPLIFICADAMENTE. quanto às condições de trabalho. SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 2 I PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS O PPRA – PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS É INSTITUÍDO PELA NR- 9 (DEFINE A SUA ESTRUTURA) E SUBSIDIADO POR OUTRAS NORMAS. g. c.

o SIATE ou um familiar. -cuidados especiais em atendimentos de emergência. A base dos mapas são a cor e a forma dos elementos de comunicação.por serviço. tornam-se obrigações da empresa – previstas em lei: . d. Destarte. .doenças sexualmente transmissíveis.Riscos Ergonômicos: desnecessária a sua identificação no mapeamento “local”.Questão de embargos: observar o aspecto prático. .por local (conjunto de áreas físicas).Inserir “riscos de acidentes de trajeto” no documento-base. .Na área rural (e similares): . . .emitir a CAT (na sua omissão ou impossibilidade. . UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. outros).Treinamentos e similares: . por exemplos.por atividade dentro de cada área física (*).identificação de riscos.local Para ambos. principalmente se houver sangramento. . f. Eles só dizem respeito a quem trabalha sob exposição.O reconhecimento e a avaliação dos agentes. ou o colega de trabalho. Cabe lembrar que “acidente de trajeto” é acidente de trabalho e deve ser tratado como tal.tabagismo.236. evitar textos longos e de difícil compreensão. (*) Podem ocorrer riscos em uma atividade e não contaminar o ambiente (e vice-versa). . 2.geral . .: viveiro. e ministrar cursos/treinamentos a respeito.por atividade dentro da área física (*). almoxarifado. . Não afetam quem adentra o ambiente.por área física (exs. . Mapeamentos: . c. Entretanto. é obrigatória a sua utilização.alcoolismo. ao definir prazos.por serviço. pode emitir a CAT).Na área urbana: .por área física (cada ambiente).AIDS. DE 130901. e. b. por lei. e a definição das medidas de controle devem considerar a seguinte divisão (sugestão): 1.SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 3 3 SUGESTÕES a.conscientizar o empregado a respeito dos riscos. . por exemplo: a aplicação de solda elétrica.por local (conjunto de áreas físicas).

devem ser avaliadas.relatório circunstanciado (descritivo) da situação observada: . Temos.novos equipamentos e técnicas utilizados. .acidentes de trajeto (inclusive um capítulo sobre “direção defensiva”). o engenheiro responsável deve acrescentar ao DDS temas específicos dos riscos que podem ocorrer na sua empresa. . IV.236. . SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 4 .Todo documento deve ser guardado por vinte anos. durante o ano. os alunos receberão um modelo de “ppra” (documento-base) que servirá de base para a elaboração de um “PPRA”.número médio mensal de trabalhadores. que estimule a participação efetiva dos empregados na geração e na adoção de políticas de prevenção de acidentes e doenças. Usar todo e qualquer recurso adequado. no mínimo. . com reflexo na segurança. apresentam algum resultado e. . para futuras necessidades de comprovação.outras drogas.Obrigatório: a. .novos ambientes e frentes de trabalho. A NR-4 estabelece a necessidade de. mas mantida (s) no documento.meio-ambiente e as suas implicações legais. V e VI (NR-4).legislação relacionada com o tema “segurança e medicina do trabalho”. no período.relações humanas no trabalho (enfoque: prevenção de acidentes e doenças). serem apresentados os quadros III. . 4 O DOCUMENTO-BASE Em sala.treinamentos realizados (ou não). g.Opcionais: a.limpeza e higiene (no ambiente de trabalho e pessoal).preenchimentos dos quadro III. anualmente. seja por surgimento de um novo risco. no início da semana. ou ao engenheiro de produção. registrar a data da alteração. IV. .Em caso de alteração do documento-base. e até o dia 31 de janeiro: 1. então os seguintes documentos que devem ser elaborados após o fim do ano. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. V e VI.Cada liderança deve ocupar alguns minutos. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- II OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL Todas as medidas de controle prescritas no PPRA (documento-base) e adotadas pela empresa.cidadania e responsabilidades sociais. até o dia 31 de janeiro.eventuais fenômenos climáticos. DE 130901. . referente aos resultados numéricos dos quadros. a responsabilidade dos cálculos e do preenchimento dos quadros. . A orientação é que a empresa adote como norma atribuir ao seu engenheiro de segurança. 2. para discutir um ou mais capítulos do “diálogo diário de segurança”. . ou por supressão de certos riscos (mencionados em sala de aula) a(s) página (s) correspondente (s) não deve (m) ser descartada (s). . j. h. devidamente preenchidos e assinados pelo responsável indicado pelo empregador.nível de rotatividade da mão-de-obra. i. trabalho a ser realizado por equipe. bem como a elaboração do relatório gráfico.

greves e eventos similares.280). Quando não há o SESMT ou a CIPA.. O último deve ser elaborado até o dia 31 de janeiro..VI . Segundo a NR-4. ..NÚMERO ABSOLUTO SEM AFASTAMENTO: Número dos que retornaram ao serviço no mesmo dia ou no dia seguinte ao do afastamento (NBR-14.NÚMERO ABSOLUTO: No de empregados acidentados. ocorridos..ÍNDICE RELATIVO: POR TOTAL DE EMPREGADOS: . UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. durante o ano..Relatório gráfico dos resultados numéricos obtidos nos quadros. b.epidemias e/ou pandemias ocorridas.outros elementos que possam ser relacionados com a ocorrência de acidentes e doenças ocupacionais. .6 EDIÇÃO) Sabemos que o engenheiro deve elaborar vários tipos de relatórios técnicos. tanto obrigatórios como opcionais (ver: “Segurança: relatórios elaborados durante o ano” – Prof.(QUADRO III) OS ELEMENTOS OBRIGATÓRIOS NO QUADRO SÃO: A. NR-4 E NR-5 a (VER: MANUAL DE SEGURANÇA .NÚMERO ABSOLUTO COM AFASTAMENTO: 15 dias.236. são 4 os quadros que deverão ser preenchidos: 1 ACIDENTES COM VÍTIMAS..AVALIAÇÃO ANUAL : ATÉ 31 DE JANEIRO QUADROS : III . 33/83/SSMT .ATIVIDADES .. C . cabe ao Engenheiro de Segurança ou ao Engenheiro de Produção a tarefa. . Lacerda).. F . D.doenças de caráter endêmico. Estes elementos são fundamentais para a avaliação anual de todas as medidas adotadas durante o ano. E .PORT..SETOR B.IV . ferramentas e/ou equipamentos. . DE 130901..SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 5 . ocorridas (e épocas). A – QUADROS: OS “INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL” SESMT ..novos fornecedores de EPIs.V .NÚMERO ABSOLUTO COM AFASTAMENTO:  15 dias.

000 No h EFETIVAMENTE TRABALHADAS NO ANO L. ACRESCENTAR: K. DE 130901. + No DIAS DEBITADOS) X 1.COEFICIENTE DE FREQÜÊNCIA: X´ = NO DE ACIDENTES C/ AFASTAMENTO M.COEFICIENTE DE FREQÜÊNCIA: X = NO DE ACIDENTES COM LESÃO CF = No DE ACIDENTES C/LESÃO X 1. .NÚMERO DE APOSENTADORIAS POR ACIDENTE P.COEFICIENTE DE GRAVIDADE: CG = (No DE DIAS PERDIDOS C/AFAST.DIAS/HOMEM PERDIDOS (NO ANO): DHP = No h NÃO TRABALHADAS (POR ACIDENTES) No h JORNADA DIÁRIA EFETIVA DE TRABALHO H .NÚMERO DE TRABALHADORES NA EMPRESA (POR SETOR) O.000 HORAS EFETIVAMENTE TRABALHADAS NO ANO I .000.ÍNDICE DE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE: IAG = No DE DIAS/HOMEM PERDIDOS No DE ACIDENTES COM LESÃO COMO SUGESTÃO.000.SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 6 IRTE = (No DE ACIDENTES X 100 / No DE EMPREGADOS) G .ACIDENTES DE TRAJETO: NO ABSOLUTO R.NÚMERO DE ÓBITOS: NÚMERO ABSOLUTO J .COEFICIENTE DE FREQÜÊNCIA: X``= NO DE ACIDENTES S/ AFASTAMENTO N.DIAS PERDIDOS POR ACIDENTES DE TRAJETO (DPAT) S.236. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10.TRANSFERÊNCIA PARA OUTRO SETOR Q.OBSERVAÇÃO.NÚMERO RELATIVO POR NÚMERO DE HORAS (h perdidas/h trabalhadas) T.

ÍNDICE RELATIVO POR NÚMERO DE HORAS.... ACRESCENTAR: H.NÚMERO DE TRABALHADORES K......236..(QUADRO IV) A ...SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 7 2 DOENÇAS OCUPACIONAIS.......OBSERVAÇÕES I.. POR DOENÇA COMO SUGESTÃO...RISCOS IDENTIFICADOS / SETOR C – INTENSIDADE / RISCO / SETOR D .............NÚMERO DE ÓBITOS (POR DOENÇA) F ... .SETORES DE ATIVIDADES / CASO D ..TÍTULO: DOENÇAS OCUPACIONAIS/ NÃO OCUPACIONAIS J..... POR MOTIVO DE SAÚDE G .NÚMERO ABSOLUTO DE CASOS C ..No DE TRANSFERÊNCIA (S) PARA OUTRO (S) SETOR (ES)..TERMOS “PERICULOSIDADE” E “CONDIÇÕES PERIGOSAS” UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. ACRESCENTAR: E..NÚMERO RELATIVO DE CASOS: NRC = No ABSOLUTO DE CASOS X 100 No DE EMPREGADOS E . DE 130901.(QUADRO V) A – SETOR (ES) B ....... 3 INSALUBRIDADE..TIPOS DE DOENÇAS B ..No DE TRABALHADORES INCAPACITADOS (DEFINITIVAMENTE): APOSENTADOS POR INVALIDEZ..NÚMERO DE TRABALHADORES EXPOSTOS: No / RISCO / SETOR COMO SUGESTÃO.

SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 8 F.PERDA MATERIAL AVALIADA D .RELAÇÃO DOS EFEITOS: RE = No DE ACIDENTES SEM VÍTIMA No DE ACIDENTES COM VÍTIMA E – OBSERVAÇÕES COMO SUGESTÃO.NÚMERO DE ACIDENTES SEM VÍTIMA C .. DE 130901.. 4 ACIDENTES SEM VÍTIMAS.(QUADRO VI) A – SETOR B ...236..CARÁTER LEGAL DO RISCO: GRADAÇÃO G.. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10..OBSERVAÇÕES. ACRESCENTAR: F...CUSTOS DIRETOS I. .CUSTOS TOTAIS K-TOTAL DE EMPREGADOS...RE = NO DE ACIDENTES SEM VÍTIMA X 100 NO DE ACIDENTES TOTAL H.CUSTOS INDIRETOS J.TÍTULO: “ACIDENTES SEM VÍTIMAS/OUTROS ELEMENTOS” G.NÚMERO DE TRABALHADORES/SETOR/TOTAL H.

............ e.o número de trabalhadores é a média mensal.....00 + 100% E..... h.... em diferentes situações...... Exemplos: pintura : AA..... Exemplo: AA: uso de trator.....sugestão: codificar os setores.....6 1 C/ FERIMENTO LEVE:....................08 DIAS 2 C/AFASTAMENTO: .......2h) DIAS DEBITADOS:............as doenças não ocupacionais são relacionadas apenas para o registro de “dias perdidos”.......................... os alunos deverão treinar com outros dados.......0 (ZERO) DOENÇAS OCUPACIONAIS...........: a. EMPRESA COM:.......................não são considerados “acidentes de trajeto”............ R$ 520...... DE 130901....(OU 7... c....................na área rural: alguns setores podem se referir a “serviços”.cada setor compreende 1 linha no quadro.. ....30 DIAS ACIDENTES SEM VÍTIMA.......... NOS QUADROS.......... nos cálculos previstos na NR-4... g.4 D..... NÃO OCUPACIONAIS................ 0 (ZERO) DIAS TRABALHADOS: ......... 300 EMPREGADOS JORNADA : 07h12min.. oficina: AC.S........ OBS.....para efeito de cálculos..................4h NO DIA 1 C/AFASTAMENTO:...... UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10..................12 DIAS 1 C/AFASTAMENTO: ........... f..10 SALÁRIO:..............SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 9 B .......... etc.. consideraremos que a empresa tenha apenas 1 ambiente (setor)............... b.....UM EXEMPLO NUMÉRICO Para treinamento em sala...........194 ÓBITOS POR ACIDENTE............. d.304/ANO ACIDENTES COM VÍTIMA......................... é dado a seguir um exemplo numérico hipotético........................... etc... pátio: AB...........236..........03 DIAS 1 C/AFASTAMENTO: ............................0 (ZERO) ÓBITOS POR DOENÇA.todos os setores onde não houve qualquer ocorrência (cada Quadro): ocupar uma linha apenas......... DEMAIS DADOS:....

SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO – PROFESSOR ELISEU LACERDA 10 .

- TOTAL 6 4 1 1 2% 65. 300 APOSEN SATURNISMO 3 TADORIA COQUELUCHE 2 CAXUMBA 8 TOTAL .52 0 10.33% 0 0 1 . 4 (*) 1.14 7. .62 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10.33% 0 0 1 .56 9.52 0 10.14 7.99 300 0 0 6 56 .93 98.93 98.56 9.SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL– PROFESSOR ELISEU LACERDA 10 QUADRO III – ACIDENTES COM VÍTIMA SETOR NO AFASTAMEN SEM IRTE DHP CF CF CF ÓBIT IAG CG NO DE APOSEN TRANS ACID DPAT IRNH O ABSO TO AFAST O TRABA TADORI FERÊN B LUTO AMENT (X) (X`) (X``) LHADO AS CIAS TRAJ S ≤ 15 d > 15 d O RES ÚNICO 6 4 1 1 2% 65.99 300 0 0 6 56 . 300 - (*) – CONSIDERADAS APENAS AS DOENÇAS OCUPACIONAIS.236. - QUADRO IV – DOENÇAS OCUPACIONAIS/NÃO OCUPACIONAIS SETOR TIPO DE DOENÇA NO DE NO RELATIVO NO DE TRANSFE INCAPACITADOS IRNH NO TOTAL DE OBS CASOS DE CASOS ÓBITOS RÊNCIAS DEFINITIVOS TRABALHADORES ÚNICO PNEUMOCONIOSE 1 1. DE 130901.62 1.

54 R$ 101. novembro 2007 Prof.987.SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL– PROFESSOR ELISEU LACERDA 11 QUADRO V .44 300 - TOTAL 194 R$ 66. .076. MÉDIA 04 ULTRAVIOLETA MÁXIMA MÉDIA INSALUB. DE 130901. MÉDIA 26 COND.236.076. 300 300 - QUADRO VI – ACIDENTES SEM VÍTIMA/OUTROS ELEMENTOS SETOR NO DE PERDA RELAÇÃO DOS EFEITOS CD CI CT TOTAL DE OBS ACIDENTES MATERIAL S X 100 TRABALHADORES S/C (*) T (**) ÚNICO 194 R$ 66. .44 300 - (*) ACIDENTES SEM VÍTIMA / ACIDENTES COM VÍTIMA .90 R$ 91.54 R$ 101.987.MTE IOB – Boletim 1/97 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10.(**) ACIDENTES SEM VÍTIMA X 100/ N O TOTAL DE ACIDENTES Curitiba.ABNT NR – 4. MÉDIA 02 ELETRICIDADE CALOR MÉDIA PERICULOSIDADE 02 INCÊNDIO GRANDE INSALUB.987.987.54 194 / 6 97% R$ 9088. . NR-9 .54 194 / 6 97% R$ 9088. MÁXIMA 06 300 - (AREIA) MÉDIA INSALUB. PERIGOSA 300 TOTAL . Eliseu Lacerda DETF/SCA/UFPR Nova data: agosto 2009 FONTES DE CONSULTAS: NBR – 14.90 R$ 91.280 .INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE* / CONDIÇÕES PERIGOSAS* (*) SUGESTÃO SETOR AGENTES INTENSIDADE OU CARÁTER LEGAL NO DE NO TOTAL DE OBS IDENTIFICADOS CONCENTRAÇÃO DO RISCO TRABALHADORES TRABALHADORES ÚNICO CHUMBO JATEAMENTO MÍNIMA INSALUB.

O RELATÓRIO GRÁFICO Deve ser elaborado um gráfico para cada resultado numérico encontrado nos quadros. d.é um indicativo de organização e competência no gerenciamento dos riscos. ENDEREÇO ELETRÔNICO: lacerdae@yahoo.br PARA MENÇÃO DESTE. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. bem como haverá uma apreciação dos resultados hipotéticos apresentados. c. Os alunos poderão apresentar sugestões de mais elementos que formarão os quadros III. EXIGE-SE A CITAÇÃO DA FONTE: PROFESSOR ELISEU LACERDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – A CARA DE CURITIBA! – LEI MUNICIPAL NO 10. NO TODO OU EM PARTE. x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x PROFESSOR ELISEU LACERDA GESTÃO DO ABASTECIMENTO FLORESTAL SEGURANÇA DO TRABALHO AGROFLORESTAL SEGURANÇA DO TRABALHO NA INDÚSTRIA MADEIREIRA DETF/SCA/UFPR 081107 Nova data: agosto 2009 Para citação bibliográfica: LACERDA. b.contribui para melhor avaliação do trabalho do engenheiro. e. 12p. PARA CONTATO.com. na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. nos seguintes aspectos: a. V e VI. Segurança do trabalho: ppra–características–sugestões/os instrumentos de avaliação anual. 2007.se os resultados são positivos. pela aplicação das medidas de controle dos riscos.Facilita visualizar a evolução dos resultados obtidos. serão mostrados alguns exemplos de gráficos que deverão ser elaborados. Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal.subsidia as decisões no gerenciamento dos riscos. E. DE 130901. ao longo dos anos. e adequado a cada caso. contribui como elemento de justificativa para pleitear recursos que serão aplicados na prevenção de acidentes e doenças.facilita analisar a eficácia das medidas adotadas. Em sala.SEGURANÇA DO TRABALHO – PPRA/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO ANUAL– PROFESSOR ELISEU LACERDA 12 C . . principalmente no estabelecimento de prioridades que devam ser adotadas. f. Setor de Ciências Agrárias.236. IV. e de gráficos respectivos. Justifica-se esta sugestão.