Você está na página 1de 1

Colégio Estadual Luiz Navarro de Brito

Filosofia – I Unidade

Mito

Mito são narrativas utilizadas pelos povos gregos antigos para explicar fatos da realidade e fenômenos
da natureza, as origens do mundo e do homem, que não eram compreendidos por eles. Os mitos se
utilizam de muita simbologia, personagens sobrenaturais, deuses e heróis. Todos estes componentes
são misturados a fatos reais, características humanas e pessoas que realmente existiram.

Um dos objetivos do mito era transmitir conhecimento e explicar fatos que a ciência ainda não havia
explicado, através de rituais em cerimônias, danças, sacrifícios e orações. Um mito também pode ter
a função de manifestar alguma coisa de forma forte ou de explicar os temas desconhecidos e tornar o
mundo conhecido ao Homem.

Mito da Caverna

O mito da caverna possui vários outros nomes, como "alegoria da caverna", "prisioneiros da caverna"
ou "parábola da caverna". Essa alegoria faz parte da obra "A República", da autoria do filósofo grego
Platão.

Nesta narração, Platão nos convida a imaginar uma caverna onde dentro existem humanos que
nasceram e cresceram dentro dessa mesma caverna. Eles nunca saíram, porque se encontram presos
no seu interior. Os habitantes da caverna estão de costas voltadas para a sua entrada. Fora da
caverna, existe um muro alto que separa o mundo exterior da caverna. Os homens existentes no
mundo exterior mantêm uma fogueira acesa, e os ruídos que fazem podem ser ouvidos dentro da
caverna. De igual forma, as suas sombras são refletidas na parede no fundo da caverna, e os seres
humanos acorrentados, vêm as sombras e pensam que elas são a realidade.

Em seguida, Platão pede que imaginemos que um dos seres humanos acorrentados consegue fugir
da caverna, subir o alto muro e passar para o outro lado, descobrindo que as sombras que antes via,
vinham de homens como ele. Além disso, descobriu também a natureza que existia do outro lado do
muro. Platão discursa então sobre o que esse homem fará com essa nova realidade e o que poderá
acontecer se ele resolver voltar para a caverna, contando aos outros que a vida que estão vivendo é
na realidade um engano. Poderá acontecer que os outros homens o ignorem completamente, ou no
pior dos casos, que o matem, por considerarem que ele é um louco ou mentiroso.

Através desta alegoria, Platão nos remete para a situação que muitos seres humanos vivem, num
mundo de ilusão, e presos por crenças errôneas, preconceitos, ideias falsas, e por isso vivem em um
mundo com poucas possibilidades, assim como os homens na caverna.

Platão usou essa narrativa para explicar como o ser humano pode obter libertação da escuridão com
a ajuda da luz da verdade, falando também da teoria do conhecimento, do conceito de linguagem e
educação como alicerces de um Estado Ideal. Contudo, é importante perceber que indíviduos que
procuram espalhar a luz e a verdade - como o homem que regressara à caverna - são muitas vezes
mortos. Esse foi o caso de Sócrates, que foi condenado à morte, depois de ter sido acusado de
corromper a mente dos jovens.

Interesses relacionados