Você está na página 1de 318

Para

Susan, que mereceu esta homenagem


NOTA DOS EDITORES

O universo de STAR WARS é infinitamente rico e criativo. Desde 1977, inúmeros planetas, raças
alienígenas e personagens vêm despertando a imaginação de fãs do mundo inteiro. A ideia de expandir
um universo ficcional, embora não seja nova, ganha novas proporções com STAR WARS. O livro STAR
WARS: from the adventures of Luke Skywalker, novelização do Episódio IV da saga, foi lançado em
1976, antes mesmo da estreia do filme no cinema. E, antes do final da trilogia clássica, já existiam
diversos quadrinhos e romances, que muitas vezes davam sinais dos caminhos a ser seguidos depois nas
telas, ou mesmo, como no caso do livro Splinter of the mind’s eye, de Alan Dean Foster, diferiam
completamente da trajetória seguida nas continuações. Esse era apenas um prelúdio da força que o
Universo Expandido de STAR WARS acumularia nas décadas seguintes.
Embora outras rarefeitas obras tenham sido lançadas no início dos anos 1980, dois marcos importantes
deram impulso à saga, projetando-a ao atual ousado projeto transmídia: em 1987, veio o lançamento do
RPG STAR WARS: The Roleplaying Game; em 1991, a publicação de STAR WARS: Herdeiro do Império,
de Timothy Zahn. Enquanto a importância do RPG foi estabelecer novos cenários e trazer detalhes do
universo de STAR WARS, o livro de Zahn fez história ao ser o primeiro com autorização oficial da
Lucasfilm para abordar os acontecimentos posteriores ao Episódio VI. Os personagens e as histórias do
livro foram aproveitados por toda uma nova geração de autores, que escreveram centenas de obras a fim
de complementar cada vez mais esse universo e saciar a sede dos fãs, especialmente durante o intervalo
de quinze anos entre os lançamentos das duas primeiras trilogias no cinema – e também depois.
Em 2014, a Lucasfilm lançou o novo conceito de STAR WARS, aplicável a filmes, HQs, livros,
videogames e séries televisivas relacionados à franquia, formando um só cânone. Juntos, todos esses
registros contam uma única história no universo de STAR WARS, complementando e continuando os
filmes lançados no cinema entre 1977 e 2005, além de servirem como preparação para os tão esperados
novos filmes, o primeiro deles STAR WARS: O despertar da Força, em 2015. Todas as obras publicadas
antes de 2014 passam a ser classificadas como Legends: histórias que não serviram como base para o
cânone estabelecido pela Lucasfilm para STAR WARS, mas cuja importância e cuja qualidade continuam
sendo apreciadas.
Participando dessa nova e empolgante fase de STAR WARS, a Editora Aleph pretende lançar todos os
romances adultos do novo cânone, bem como uma seleção dos títulos Legends mais relevantes.
Convidamos os leitores a embarcar conosco nessa jornada rumo a uma galáxia muito, muito distante.
E trata-se de uma viagem que não tem ponto de partida nem direção definidos. Não importa por qual
obra você decida começar, seja por uma das novas ou uma das Legends. Temos a certeza de que viverá
uma grande aventura.
Que a Força esteja com você.

EDITORA ALEPH
AGRADECIMENTOS

Escrevemos livros sozinhos, mas eles raramente são publicados dessa forma.
Agradeço, primeiramente, a Shelly Shapiro e Frank Parisi, que se arriscaram nesse meu projeto
(embora Frank tenha sido esperto o bastante para procurar por cobertura antes de jogar a granada) –
trabalhar com editores tão atenciosos e dedicados é intimidante e um privilégio.
Também agradeço a Charles Boyd, Dana Kurtin e Jeffrey Visgaitis por suas opiniões valiosas durante
o processo de escrita, que ajudaram a prever o pior da minha falta de noção. Merecem crédito também
todos os escritores da BioWare Austin, que foram os primeiros a me arrastar para a galáxia de Star Wars
– em especial, Daniel Erickson, que é um tremendo mentor e tem me incentivado nesses últimos anos. O
apoio de Drew Karpyshyn também foi de grande valia.
Finalmente, embora eu possa listar dezenas de autores cujos trabalhos influenciaram Companhia do
Crepúsculo, dedico uma reverência especial ao avô da ópera espacial E. E. “Doc” Smith, sem o qual
nada disso seria possível. “Clear ether, spacehound!” [1].
SUMÁRIO

Capa
Folha de rosto
Dedicatória
Nota dos editores
Agradecimentos
Parte I. Retirada
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Parte II. Reagrupamento
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Parte III. Ataque
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23
Capítulo 24
Capítulo 25
Capítulo 26
Capítulo 27
Capítulo 28
Capítulo 29
Parte IV. Cerco
Capítulo 30
Capítulo 31
Capítulo 32
Capítulo 33
Capítulo 34
Capítulo 35
Capítulo 36
Capítulo 37
Capítulo 38
Capítulo 39
Capítulo 40
Capitulo 41
Capítulo 42
Capítulo 43
Créditos

O Império Galáctico persiste. Apesar de a Aliança Rebelde ter destruído sua terrível Estrela da Morte,
a opressão segue se espalhando pelo universo.
Sob o comando do imperador e de Darth Vader, um exército de stormtroopers altamente treinados
esmaga os dissidentes e destrói a resistência.
Mas em mundos como Sullust, Coyerti, Haidoral Prime e tantos outros, forças rebeldes lutam nas
trincheiras, determinadas a manter a esperança contra a implacável máquina de guerra imperial…
C A P Í T U L O 1

PLANETA CRUCIVAL
DIA 47 DA INSURREIÇÃO DOS MALKHANIS
13 ANOS APÓS AS GUERRAS CLÔNICAS

O nome dele era Donin, e embora esse não fosse seu nome de nascimento, ele possuía tatuagens em sua
pele para provar que era. As espirais e ondas pretas, recentemente aplicadas pelos mestres do clã por
ocasião de sua iniciação, adornavam suas escápulas pardas debaixo da jaqueta de pano áspero. As
tatuagens eram um dos quatro presentes que ele recebera após se juntar ao exército do senhor de guerra
Malkhan: um novo nome, as marcas, uma faca serrilhada e uma arma de raios de partículas de
extramundo.
Os mestres haviam lhe assegurado que, dos quatro presentes, a arma de raios era a mais preciosa. Seu
cabo era envolto em couro puído, e o cano, marcado e encrustado de cinzas. Tinha energia suficiente
apenas para disparar doze raios causticantes, e o haviam alertado para não desperdiçar um único tiro nem
deixar a arma cair no chão se ela começasse a queimar as mãos. Essas seriam atitudes de uma criança,
não de um membro pleno do clã.
Donin se ajoelhou diante de seus novos irmãos e irmãs – ele ainda desconhecia seus nomes –, atrás de
um baixo muro de pedras que se estendia pelo alto da colina. Sua compleição física miúda, magra pela
jovialidade e pela fome, permitia que se escondesse por completo atrás da barricada; por esse motivo ele
fora designado para a frente de batalha. Assim como sua tatuagem e sua arma, aquela posição era um
privilégio. Ele fez questão de se lembrar disso quando começou a suar e tremer.
Olhou de lado para seus companheiros e procurou sinais de que eles também estivessem com medo da
batalha que estava por vir. Quase todos eram maiores e mais velhos, portando armas de extramundo que
pareciam tão marcadas e enferrujadas quanto a dele. Eles limpavam suas facas e murmuravam uns com os
outros. Donin disse a si mesmo que morreria por eles, assim como eles morreriam por ele, em nome do
clã e de seu comandante. E se eles vencessem naquele dia…
Se eu sobreviver à batalha, Donin corrigiu-se. A vitória era inevitável para o senhor de guerra
Malkhan. A única coisa que estava em jogo era o destino do próprio Donin.
… então eles celebrariam. Ele tinha ouvido histórias sobre banquetes, fontes de água limpa e
espetinhos de carne de bantha, sais e temperos de outros continentes, de outros planetas. Ele iria se
empanturrar, pensou, e dormir em segurança no acampamento do comandante. Já ouvira as celebrações
do clã enquanto se escondia tremendo na casa de seu pai, e foram aqueles gritos de alegria que,
finalmente, o levaram até os mestres.
Seu pai havia lhe dito que os Malkhanis não eram diferentes de qualquer outra facção de Crucival, mas
ele estava errado. Ninguém mais tinha tanta comida ou se alegrava tanto com a vitória. Ninguém era tão
forte quanto Malkhan, ou tivera tamanha sabedoria para obter uma quantidade tão grande de tecnologias
de extramundo. O novo clã de Donin construiria um planeta melhor.
Um uivo soou a distância em meio à poeira. Começou suave e se tornou rapidamente mais intenso.
Donin travou os ombros, firmou as pernas ainda agachado e apoiou sua arma de raios sobre o muro num
só movimento, como lhe fora ensinado. Não viu nenhum alvo. A voz de um homem riu atrás dele, e uma
mão grande segurou seu cabelo escuro, puxando sua cabeça para trás.
– A batalha ainda não começou, garoto. É só uma nave se dirigindo à torre. Vai matar a todos nós se
atirar.
Olhando para frente novamente, Donin viu a silhueta da esfera e das barras de um flier de extramundo
contra as nuvens, bramindo na direção do pináculo de aço até sumir de vista.
Donin ajoelhou-se de novo, e percebeu que a mão em sua cabeça não estava mais lá. Ele tinha dado
uma de bobo. Silenciosamente, torceu para que isso não se repetisse.
– Não havia muitas delas nas ravinas – murmurou ele. Era uma explicação, não uma justificativa.
O homem atrás dele grunhiu:
– Você verá muitas delas por aqui. Estou falando sério que é para você não atirar. Não chegue perto da
torre também, não importa o que aconteça. Os extramundanos de branco podem não sair muito, mas tente
incomodá-los só um pouco…
– Eu sei – cortou Donin. Ele se virou e olhou para cima, na direção do homem, que devia ter quatro
vezes sua idade, com olhos leitosos e pele esburacada. Mais velho que o próprio comandante. Mas isso
não significava que ele fazia parte do clã há muito mais tempo que Donin. – Sei tudo sobre eles. Os
soldados deles são clones. São feitos em fornadas.
O homem grunhiu novamente, mostrando seus dentes rachados e amarelados em algo que parecia ser
um sorriso.
– Não me diga! Quem lhe contou isso?
– Meu pai – respondeu Donin. – Ele lutava contra eles. – Donin apontou com a cabeça para o céu, na
direção das estrelas escondidas atrás das nuvens amarelo-acinzentadas. – Houve uma guerra.
– Bem, você não está lutando contra clones – disse o homem. – Você está lutando contra os vagabundos
que tomaram a pedreira na semana passada e querem nosso território. Acha isso empolgante o suficiente?
Donin fechou a cara e o encarou.
– Estou aqui para servir ao clã – disse, girando de frente para o muro outra vez. Segurando sua arma
de raios com uma das mãos, ele usou a outra para puxar para baixo o colarinho de sua jaqueta, exibindo
suas tatuagens para o homem logo atrás.
Donin ouviu o homem rindo e sentiu um tapa nas costas que o projetou para a frente.
– Imagino que esteja – disse o homem. – Apenas não tenha muita esperança. Lute uma batalha por vez.
Donin concordou com a cabeça e ergueu os ombros, retornando o colarinho da jaqueta para cima e
segurando sua arma com mais força. Ele não sabia ao certo o que o homem queria dizer. O clã era a
esperança de todos ali.
Não demorou muito e alguém gritou que o inimigo se aproximava. A linha de frente se apoiou contra o
muro e espiou por cima dele. Donin viu manchas na grama quebradiça e amarela no vale abaixo da
colina, e, logo, as manchas assumiram a forma de dúzias de homens e mulheres. A maioria carregava
lanças acima de suas cabeças, como bandeiras. Apenas alguns poucos portavam armas de extramundo –
mas tais armas eram do tamanho de galhos de árvore, acomodadas em ambos os braços de quem as
carregava.
A primeira dessas armas foi acionada com gritos reverberantes. Raios de fogo verde foram lançados
por cima do muro. O exército do comandante se tornou uma massa de gritos que Donin não compreendia.
Ele firmou sua arma de raios e se lembrou de não desperdiçar nenhum tiro.
– Louvado seja o comandante! – alguém berrou, e o berro contagiou a todos. Uma onda de calor tomou
conta do garoto e ele sorriu, somando sua voz ao grito de guerra.
Agora seu nome era Donin. Ele defendia seu novo lar. Esses eram seus novos irmãos e irmãs, seu
caminho era justo e ele faria parte daquele clã para sempre.
C A P Í T U L O 2

PLANETA HAIDORAL PRIME


DIA 84 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA
9 ANOS MAIS TARDE

A chuva quente caía torrencial do céu brilhante de Haidoral Prime. Cheirava a vinagre, grudava nas
curvas mofadas dos prédios industriais e nas ruas cobertas de lixo, e cobria a pele como uma leve
camada de suor pungente.
Após trinta horas-padrão, a chuva já deixava de ser novidade para os soldados da Companhia do
Crepúsculo.
Três sujeitos se arrastavam por uma avenida deserta, sob um toldo rasgado e gotejante. O homem
magro e compacto que liderava o grupo estava vestido com um uniforme militar cinza desgastado e uma
confusão de aparatos militares grosseiramente estampados com o símbolo da Aliança Rebelde. O cabelo
negro embaraçado caía por trás do visor do capacete, fazendo a água da chuva escorrer por seu rosto
bronzeado.
Seu nome era Hazram Namir, embora atendesse por outros também. Silenciosamente, ele praguejava
contra a guerra urbana, Haidoral Prime e quaisquer leis da ciência atmosférica que faziam chover. A
vontade de dormir passou por sua mente, mas se esborrachou em uma parede de teimosia. Ele gesticulou
com um rifle mais grosso que seu braço na direção da interseção mais próxima, e então acelerou o passo.
Uma rápida série de tiros de raios soou em algum lugar ao longe, seguida por gritos e silêncio.
O sujeito logo atrás de Namir – um homem alto com cabelos grisalhos e um rosto enrugado por uma
cicatriz – saltou para o outro lado da rua para assumir uma posição oposta. O terceiro, um grandalhão
corpulento, entrincheirou-se em uma lona, como se ela fosse um casaco com capuz, e permaneceu atrás
dela.
O homem da cicatriz fez um sinal com a mão. Namir virou a esquina na rua transversal. Uns 12 metros
à frente, corpos humanos encharcados encontravam-se estirados na rua. Eles usavam capas de chuva
maltrapilhas, leves túnicas brilhantes e sandálias... e não portavam armas. Eram não combatentes.
“Que pena”, pensou Namir, “mas não é um mau sinal.”
O Império não atiraria em civis se tudo estivesse sob controle.
– Charmoso, dê uma olhada. – Namir indicou os corpos. O homem da cicatriz caminhou a passos
largos enquanto Namir manuseava seu comunicador de curta distância. – Setor seguro – disse. – Quais as
diretrizes agora?
A resposta veio em meio a zunidos de estática através do fone de ouvido de Namir – algo a ver com
operações de limpeza. Namir sentia falta de ter um especialista em comunicações na equipe. O último
técnico de comunicações da Companhia do Crepúsculo havia sido uma misantropa bêbada, mas que fazia
milagres com um transmissor e escrevia poesias obscenas com Namir nas noites entediantes. Ela e seu
droide estúpido morreram no bombardeio em Asyrphus.
– Repita, por favor – tentou Namir. – Estamos prontos para carregar?
Desta vez, a resposta veio claramente.
– Equipes de apoio estão coletando comida e equipamentos – disse a voz. – Se encontrar alguns
suprimentos médicos, seria ótimo que os trouxesse para a Trovoada. Caso contrário, volte para o ponto
de encontro. Restam apenas algumas horas para que os reforços apareçam.
– Peça que a equipe de apoio traga itens de higiene desta vez – disse Namir. – Quem disser que são
artigos de luxo precisa dar uma cheirada nas barracas.
Ouviu-se um forte barulho de estática que talvez fosse uma gargalhada.
– Direi a eles. Cuide-se!
Charmoso estava terminando de analisar os corpos, verificando se eles tinham batimentos cardíacos e
identificação. Ele balançou a cabeça, em silêncio, ficando de pé.
– Que atrocidade. – O sujeito imenso envolto em lona finalmente se aproximou. Sua voz era grave e
reverberante. Duas mãos carnudas de quatro dedos mantinham a lona presa a seus ombros, enquanto um
segundo par de mãos carregava relaxadamente um imenso canhão de raios na altura da cintura. – Como
alguém feito de carne é capaz de fazer algo assim?
Charmoso parecia inconsolável. Namir deu de ombros e disse:
– Até onde sabemos, pode ter sido obra de droides de combate.
– Duvido muito – disse o grandalhão. – Mas, ainda assim, a responsabilidade é da governadora.
Ele se ajoelhou ao lado de um dos corpos e fez questão de fechar seus olhos. Todas as suas mãos eram
maiores que a cabeça do cadáver.
– Vamos, Gadren – disse Namir. – Alguém vai encontrá-los.
Gadren permaneceu ajoelhado. Charmoso abriu a boca para falar, mas fechou-a logo em seguida.
Namir avaliou se deveria insistir para saírem dali, e, caso o fizesse, quão incisivo seria.
Então a parede ao seu lado explodiu e ele parou de se preocupar com Gadren.
Fogo, estilhaços de metal, graxa e espuma alvejaram suas costas. Ele não conseguia ouvir nada e não
fazia ideia de como tinha ido parar no meio da rua, em meio aos corpos, com uma perna dobrada para
trás. Alguma coisa grudenta estava presa a seu queixo e o visor de seu capacete havia rachado. Mas ele
ainda tinha bom senso o suficiente para saber que tivera muita sorte por não perder um olho.
De repente, ele estava em movimento. Seu corpo se ergueu, e mãos – as mãos de Charmoso – o
arrastaram para trás, segurando-o por baixo dos ombros. Resmungou alguns xingamentos de seu planeta
natal no instante em que uma tempestade de raios de partículas irradiou por entre o fogo e os escombros.
Quando conseguiu empurrar Charmoso para longe e cambalear para se manter de pé, localizou a fonte
daqueles raios.
Quatro stormtroopers imperiais encontravam-se na entrada de um beco, logo à frente na rua. Suas
armaduras de um branco mórbido reluziam na chuva, e as viseiras pretas de seus capacetes pareciam
fossos escuros como breu. As armas reluziam como óleo, de tanto serem lustradas. Era como se o
batalhão tivesse saído pronto de um molde.
Namir tirou os olhos do inimigo por tempo o bastante para notar que suas costas estavam rentes a uma
vitrine cheia de telas de vídeo. Ele apontou seu fuzil de raios e atirou na tal vitrine e, em seguida,
embrenhou-se no meio dos escombros. Charmoso fez o mesmo. A vitrine não lhes daria cobertura por
muito tempo – certamente não, se os stormtroopers disparassem outro foguete –, mas seria tempo
suficiente.
– Verifique se há um caminho até o topo – gritou Namir, com a voz fina e sem força. Ele não estava
conseguindo ouvir os bombardeios das armas de raios. – Nós precisamos nos proteger!
Sem olhar para ver se Charmoso o havia obedecido, se jogou no chão quando os stormtroopers
ajustaram suas miras para a loja.
Ele também não conseguia ver onde Gadren estava, mas, mesmo assim, ordenou ao alienígena que se
posicionasse, na esperança de que ele estivesse vivo e de que os comunicadores de curta distância ainda
funcionassem. Namir alinhou o fuzil debaixo do queixo, disparou duas vezes na direção dos
stormtroopers e foi recompensado com um momento de paz.
– Preciso de você no alvo, Brand – ele rosnou no comunicador. – Preciso de você aqui agora.
Se alguém respondeu, ele não ouviu.
Agora ele conseguia ver o stormtrooper que carregava o lançador de mísseis. O soldado ainda estava
recarregando, o que significava que Namir tinha, no máximo, meio minuto antes que a vitrine caísse em
cima dele. Ele deu mais alguns tiros rápidos e viu um dos stormtroopers cair, embora duvidasse de sua
pontaria. Charmoso devia ter encontrado um local com melhor visão.
Restavam três stormtroopers. Um deles se afastou do beco, enquanto o outro ficou para dar cobertura
ao atirador. Namir atirou sem parar no que estava correndo pela rua, viu-o escorregar e cair de joelhos e
deu um sorriso malicioso. Havia algo de gratificante em ver um stormtrooper treinado humilhar-se
daquela forma. Os companheiros de Namir já haviam estado muitas vezes na mesma situação.
Movimentos rápidos chamaram novamente a atenção de Namir para o atirador. Atrás do stormtrooper
estava Gadren, com os dois pares de braços agarrando e levantando o inimigo. Membros humanos se
debateram e o lançador de mísseis caiu no chão. A armadura branca parecia toda deformada nas mãos do
alienígena. O capuz improvisado de Gadren caiu para trás, expondo sua cabeça: uma massa marrom,
cheia de bulbos e com uma boca imensa encimada por uma crista de ossos mais escura, como se fosse um
ídolo anfíbio assustador. O segundo trooper, no beco, virou o rosto para Gadren e foi prontamente
nocauteado pelo corpo de seu camarada, sendo os dois esmagados pelo grandalhão com um urro de raiva
ou luto.
Namir confiava em Gadren tanto quanto confiava em qualquer um, mas, às vezes, o alienígena o
aterrorizava.
O último stormtrooper ainda estava na rua. Namir atirou até as chamas formarem um buraco derretido
na armadura dele. Namir, Charmoso e Gadren reuniram-se novamente ao redor dos corpos para avaliar
seus próprios ferimentos.
A audição de Namir começou a voltar. O dano a seu capacete ia muito além da rachadura que percorria
toda a extensão do visor – e ele percebeu um corte superficial na sua testa quando jogou o capacete na
rua. Charmoso removia os fragmentos de estilhaços de seu colete, sem fazer qualquer reclamação.
Gadren tremia sob a chuva quente.
– Nenhum sinal de Brand? – perguntou Gadren.
Namir apenas resmungou.
Charmoso deu uma risada esquisita e soluçada antes de começar a falar. Engoliu as palavras duas, três,
quatro vezes ao começar a gaguejar, como sempre fazia desde a batalha em Blacktar Cyst.
– Se continuarmos a empilhar corpos desse jeito – disse –, teremos a melhor posição estratégica da
cidade.
Ele apontou para o último alvo de Namir, que tinha caído bem em cima dos corpos dos civis.
– Você é um doente, Charmoso – disse Namir, passando rudemente um braço ao redor dos ombros do
companheiro. – Sentirei sua falta quando eles derem fim a você.
Gadren resmungou e fungou atrás deles, provavelmente consternado, mas Namir preferiu entender
como uma risadinha.

Oficialmente, a cidade era o Centro Administrativo Haidoral I, mas os moradores a chamavam de
Glitter, em homenagem às montanhas cristalinas que iluminavam o horizonte. Pela experiência de Namir,
o que o Império Galáctico não nomeava para inspirar terror – legiões de stormtroopers, Estrela da Morte
–, ele tentava manter o mais maçante possível. Isso não o incomodava diretamente, mas ele também não
era morador de nenhum dos planetas e cidades que tinham sido renomeados.
Seis esquadrões rebeldes já haviam chegado à praça central quando a equipe de Namir os alcançou
marchando. A chuva tinha se condensado em névoa, e as tendas e barracas da praça ofereciam pouco
abrigo; ainda assim, homens e mulheres com armaduras esfarrapadas se espremiam nos cantos mais secos
que podiam encontrar, murmurando entre si ou cuidando de pequenos ferimentos e consertando seus
equipamentos danificados. Para uma comemoração de vitória, essa era bem contida. A batalha tinha sido
muito longa por pouco mais que a promessa de algumas refeições.
– Parem de se admirar e façam algo de útil – ladrou Namir, sem interromper os passos. – As equipes
de apoio estão precisando de uma mão, caso vocês estejam se achando bons demais para ficar dando as
boas-vindas.
Ele mal notou a reação dos esquadrões a suas palavras, pois sua atenção havia se deslocado para uma
mulher que emergia das sombras de um suporte para speeders. Era alta e de compleição avantajada,
vestia calças puídas e uma jaqueta marrom volumosa. Carregava um rifle de precisão no ombro, e a
malha blindada de uma máscara retrátil cobria seu pescoço e queixo. Sua pele estava gentilmente
marcada pela idade e era de um escuro bastante intenso; o cabelo era raspado bem rente ao couro
cabeludo e ela nem mesmo olhou para Namir ao se aproximar e se juntar a ele caminhando pela praça.
– Quer me dizer onde você estava? – perguntou Namir.
– Você errou a segunda equipe de fogo. Eu dei conta deles – disse Brand.
Namir manteve a voz tranquila.
– Que tal deixar uma dica na próxima vez?
– Você não precisava de distração.
Namir riu.
– Também te amo.
Brand empinou a cabeça. Se ela tivesse entendido a piada – e Namir achava que tinha –, não havia
achado graça.
– E agora? – perguntou ela.
– Temos oito horas antes de irmos embora do sistema – disse Namir, parando de costas para um
quiosque revirado. Ele se encostou na estrutura de metal e olhou para a névoa. – Menos, se as naves
imperiais chegarem antes disso ou se as forças da governadora se reagruparem. Depois, vamos dividir os
suprimentos com o restante do grupo de batalha. Provavelmente, manteremos uma ou duas naves de
escolta para a Trovoada antes de os outros se separarem.
– E abandonaremos este setor para o Império – disse Brand.
Àquela altura, Charmoso tinha saído para espairecer e Gadren se juntara a Namir e Brand.
– Nós voltaremos – disse ele, com um tom firme.
– Isso – disse Namir, rindo de lado. – Algo pelo que ansiar.
Ele sabia que aquelas eram as palavras erradas no momento errado.
Dezoito meses antes, a Sexagésima Primeira Infantaria Móvel da Aliança Rebelde – comumente
conhecida como a Companhia do Crepúsculo – havia se juntado à investida em direção à Orla Média
galáctica. A operação estava entre as maiores que a Rebelião já encampara contra o Império, envolvendo
milhares de naves espaciais, centenas de grupos de batalha e dezenas de mundos. Após a vitória da
Rebelião contra a Estrela da Morte, a estação de batalha imperial que incinerava planetas, o Alto
Comando acreditava que aquele era o momento certo para a Rebelião sair dos territórios longínquos do
Império e ir para seus centros populosos.
A Companhia do Crepúsculo havia lutado nos desertos de fábricas de Phorsa Gedd e tomado o Palácio
Ducal de Bamayar. Havia estabelecido cabeças de ponte para hovertanks rebeldes e erguido bases a
partir de lonas e placas metálicas. Namir vira soldados perderem membros e sobreviverem semanas sem
o tratamento adequado. Ele havia treinado equipes para construir baionetas improvisadas quando suas
armas de raios estivessem quase sem energia. Ateara fogo em cidades e vira o Império fazer o mesmo.
Havia deixado amigos para trás em mundos caóticos, sabendo que nunca mais os veria outra vez.
Planeta após planeta, a Crepúsculo havia combatido. Batalhas foram vencidas e batalhas foram
perdidas e Namir já tinha parado de contar. A Crepúsculo permanecera na vanguarda da Aliança
Rebelde, à frente da maior parte da armada, até que a ordem veio do Alto Comando há nove meses: a
frota estava sobrecarregada. Não deveriam avançar mais, somente defender os territórios recém-
conquistados.
Não muito tempo depois, começou o processo de recuo.
A Companhia do Crepúsculo havia se tornado a retaguarda de uma retirada em massa. Deslocou-se
para mundos que havia ajudado a capturar poucos meses antes e evacuou as bases que havia construído.
Extraiu os heróis e generais da Rebelião e os levou para casa. Marchou sobre os túmulos de seus
próprios soldados mortos. Alguns na companhia perderam a esperança. Outros ficaram enfurecidos.
Ninguém queria voltar.

Quando os civis saíram de seus esconderijos e foram para a praça, começou o recrutamento.
O esquadrão do sargento Zab – o esquadrão que Namir chamara, em um momento de raiva, de “idiotas
capazes de fazer falhar uma hidrochave” – havia, de alguma maneira, contrabandeado um droide
astromec para o centro de vigilância da cidade. Dali, eles haviam acessado o sistema público de
endereços e transmitido a mensagem do capitão: a Companhia do Crepúsculo em breve deixaria Haidoral
Prime. Aqueles em Haidoral que comungassem dos mesmos ideais de liberdade e democracia da Aliança
poderiam permanecer para defender seus lares, ou poderiam se alistar na Crepúsculo para levar a luta até
o inimigo. Para ir aonde a Aliança era mais necessária. E daí por diante.
O capitão gravava uma nova transmissão toda vez que a Crepúsculo queria engrossar suas fileiras,
elaborada de acordo com as necessidades e as circunstâncias da população local. Para Namir, todas as
mensagens soavam parecidas.
Os recrutamentos eram, tecnicamente, contra a política de segurança da Aliança Rebelde, mas eram
uma tradição da Companhia do Crepúsculo e o capitão insistia que a prática continuasse. Enquanto a
Rebelião fizesse a Crepúsculo viver o inferno repetidamente, e enquanto a Crepúsculo sobrevivesse, a
companhia recuperaria suas perdas a partir das fileiras de voluntários. Em Haidoral Prime, sete soldados
da Crepúsculo haviam morrido. Namir ainda não tinha visto seus nomes. A Crepúsculo precisava de sete
novatos para contrabalançar aquelas baixas, e mais ainda para compensar aqueles que haviam morrido
em outras localidades nas últimas semanas.
Dezenas de homens e mulheres foram chegando aos poucos à praça no espaço de uma hora, e eram
revistados pelos “anfitriões” para ver se escondiam armas ou explosivos. Nem todos estavam lá para ser
recrutados: mulheres descalças com calos nas mãos imploravam à Crepúsculo para ficar; homens
corcundas e idosos suplicavam para que a companhia partisse. Um bando desorganizado de moradores da
região clamava seu desejo de que a luta contra o Império fosse mantida em Haidoral – a esses eram
dadas algumas poucas armas sobressalentes que a Crepúsculo tinha e eram despachados com desejos
parcos de boa sorte e invocações em virtude “da causa”.
Os verdadeiros recrutas eram uma miscelânea de jovens e velhos, mimados e desesperados. Namir
caminhou por entre eles, observou seus olhos e encaminhou sua avaliação para o oficial de recrutamento.
Um homem barbado e lamacento que tinha o olhar de um mendigo de rua, mas o porte de um burocrata;
Namir achou que ele pudesse ser um espião do Império. Uma mulher com nariz de porco olhou em volta
para encontrar uma rota de fuga quando Namir casualmente trocou a arma de mãos; um projeto de
criminosa que procurava uma saída fácil daquele planeta, ele pensou.
O oficial de recrutamento daquele dia – Hober, um intendente mirrado e com um joelho rangente e uma
queda por jogos de cartas – recebeu as recomendações de Namir com desdém.
– Você já conhece as ordens de Uivo – disse ele.
Namir conhecia. O capitão Evon – “Uivo” quando não estava por perto – gostava de pecar pelo
excesso de acolhimento. Ele e Namir já haviam conversado extensamente sobre essa política em
particular.
– Apenas fique de olho – disse Namir. – Você tem que ser um tipo especial de louco para embarcar
num navio que está naufragando.
Hober torceu o nariz e balançou a cabeça.
– Fale isso mais alto e poderemos arrumar nossas malas mais cedo.
Namir não falou mais alto. Um pouco de loucura nem sempre era ruim. Ainda assim, ele precisava de
recrutas que pudessem ser treinados, não desertores ou matadores desengonçados.
A fila andava lentamente. Hober enchia os recrutas em potencial de perguntas, conversava sobre seus
hobbies e suas famílias, assim como sua experiência prévia em combate. Hober era bom nisso; bom em
julgar quem duraria mais, quem entraria em pânico e deixaria um colega morrer. Namir caminhava e
procurava não se envolver demais; racionalmente, ele sabia como os recrutas se sentiam, sabia que eles
seriam mais verdadeiros se estivessem relaxados. Havia menos de três anos, ele próprio se encontrara
naquela situação. Mas, naquele momento, não era capaz de ter interesse nem compaixão.
Alguém na fila gritou. Namir se virou e viu três pessoas brigando. Duas delas estavam xingando e
agredindo a terceira – uma garota pálida e grandalhona com uma mecha de cabelo vermelho. A suposta
vítima foi ao chão quatro vezes seguidas, ficou de pé novamente após cada golpe e parecia pronta para
continuar na briga. Não era uma boa lutadora, mas Namir lhe deu crédito pela persistência.
Ele disparou três tiros acima do trio, deixando-as paralisadas. A garota do cabelo vermelho não devia
ser mais que uma adolescente, e as outras duas pareciam só um pouco mais velhas.
– Preciso saber o que está acontecendo aqui – perguntou Namir, e, então, cortou o ar horizontalmente
com a mão antes que alguém pudesse responder. – Todos ficaremos mais felizes se disserem que não.
As três jovens balançaram as cabeças.
– Briguem na minha nave e vocês serão isoladas na salinha de manutenção até que morram de fome –
disse Namir. – Não vou desperdiçar raios em vocês. Não vou gastar oxigênio prendendo vocês na
antecâmara. Vocês morrerão lentamente, porque eu não me importo.
Faltava a Namir tanto a crueldade quanto a autoridade para levar a cabo aquela ameaça em particular,
mas as possíveis recrutas não sabiam disso. Uma das mais velhas hesitou, então se virou e saiu andando.
As outras duas baixaram a cabeça.
– Quantos anos você tem? – perguntou Namir à moça do cabelo vermelho.
– Vinte – respondeu ela, erguendo a cabeça novamente.
Aquilo não parecia ser verdade, mas não havia tempo para ficar verificando o histórico de ninguém.
Além de que ela também não seria a primeira jovem de dezesseis anos a se alistar na Aliança.
Namir virou-se e acenou com a cabeça para Hober, demonstrando sua aprovação. O velho intendente
olhou um tanto cético. Namir ficou imaginando se ele iria admitir a garota na tropa dos novatos da
Crepúsculo, mas ele suspeitava que Hober o faria contra a própria vontade.
Não era uma questão de ser acolhedor. Naqueles tempos, a Companhia do Crepúsculo não podia se
dar ao luxo de ficar escolhendo.

Após três horas de recrutamento, chegaram ordens solicitando o esquadrão de Namir do lado de fora
da mansão da governadora. Era uma distração muito bem-vinda.
A Crepúsculo havia interditado a mansão durante o primeiro dia de batalhas. O complexo, com
múltiplas fileiras de domos, ficava nos arredores da cidade, desnecessariamente longe do centro de
controle imperial, mas oferecia uma vista impressionante das montanhas cristalinas. Após as desavenças
iniciais, o capitão Uivo havia solicitado meia dúzia de esquadrões rebeldes aquartelados ao redor do
perímetro, a poucos passos da muralha exterior queimada, mas intacta. Ainda não haviam tentado invadir
o complexo, mas com os ocupantes contidos, a mansão em si parecia estrategicamente insignificante.
Desde então, a situação tinha evoluído.
– Um droide rato rolou para fora através de uma entrada lateral há meia hora – disse o sargento
Fektrin. – Imaginamos que estivesse equipado para explodir, porém estava limpo. Carregava uma
mensagem escrita de um “simpatizante rebelde” de dentro da mansão.
Namir, Gadren, Charmoso e Brand posicionaram-se do outro lado do muro da mansão. Os outros
checaram novamente seus equipamentos enquanto Namir e Fektrin conversavam. De tempos em tempos,
uma das janelas da mansão abria, cuspia uma sequência de raios de partícula vermelha na rua e se
fechava outra vez. A equipe de Fektrin mal parecia notar.
– O que dizia a mensagem? – perguntou Namir.
– Que os homens da governadora Chalis estão mantendo soldados rebeldes como prisioneiros lá
dentro. Nosso informante anônimo, e estas foram as palavras dele, “teme pela segurança deles”.
Namir cuspiu na rua e observou sua saliva fervilhar onde os raios a atingiam.
– Eles sabem que mantemos a conta dos nossos soldados, certo? Ou acham que somos tão estúpidos?
– Eu disse a Uivo a mesma coisa – disse Fektrin –, mais ou menos. – As marcas em seu rosto se
enrugavam de desconforto e as gavinhas que pendiam de suas bochechas e queixo pareciam se curvar.
Namir entendia aquelas gavinhas como uma espécie de barba, embora nunca tivesse perguntado se elas
também estavam presentes nas mulheres da espécie de Fektrin. – Mas o capitão está preocupado que a
governadora tenha capturado alguns habitantes locais. Quer que verifiquemos.
– Além do mais – continuou Fektrin –, se for uma armadilha, então qual é o sentido? Perdemos um
esquadrão lá, não perdemos a guerra exatamente.
Namir encarou Fektrin com extremo ceticismo e disse:
– Então a teoria do capitão é a de que ele tem a liberdade para apostar nossas vidas, mesmo com
mínimas chances de sobrevivência, para salvar alguns civis. – As gavinhas de Fektrin tremelicaram, mas
Namir continuou falando. – Eu entendi direito?
Gadren fez cara de reprovação. Fektrin continuava calmo. Namir nunca tinha visto Fektrin sorrir, mas o
alienígena tinha o senso de humor de um zumbi.
– Você quer reclamar com Uivo pessoalmente? – perguntou Fektrin.
Namir xingou e ladrou uma risada irônica.
– Tudo bem – disse ele. – Mas, se morrermos, vamos levar a mansão toda conosco.

Charmoso bolou a tática de abordagem do esquadrão. Escalar o muro e cercar a entrada principal
atrairia muito fogo inimigo. Fektrin prepararia um ataque direto, que seria realizado só em último caso.
Em vez disso, Namir, Brand e Charmoso dirigiram-se ao jardim do telhado de uma das residências
vizinhas. Os moradores foram mais que solícitos depois de Namir fazer três buracos com arma de raios
em seu droide de guarda, e ficaram bem longe dali enquanto Charmoso preparava a arma magnética de
ganchos em uma das floreiras.
Brand observava a mansão da governadora pelas lentes de sua máscara de combate. Ao comando dela,
Charmoso disparou a arma e lançou a pequena âncora através da chuva que voltava a cair. Ela atingiu o
muro adjacente a uma das varandas mais baixas da mansão, fincou-se ali e esticou a corda bem firme.
Namir atravessou a fresta primeiro, deslizando pela corda e aterrissando abruptamente na pedra úmida.
Charmoso veio em seguida, e Brand por último. Brand cortou a corda com uma faca curva que tirou da
jaqueta. A lâmina fez um som suave de eletricidade.
– Onde você conseguiu isso? – perguntou Namir.
– Confisquei – disse Brand.
Namir olhou para Charmoso, que puxou o bastão de atordoamento de seu cinto e estendeu o cassetete,
que parecia que iria se partir em dois com um pouco de esforço. Ele o entregou a Namir, que balançou a
cabeça até que Charmoso colocou a arma diretamente em sua mão.
– Tenho minha própria faca – disse Charmoso, forçando as palavras em meio à sua gagueira. – E você
precisa de uma vantagem.
Namir resmungou, mas não discutiu. Era verdade que ele não era um homem muito alto.
– Vamos avançar – disse ele, tocando o comlink. – Se ouvirirem gritos, já sabem o que fazer.
A voz grave de Gadren surgiu em meio à estática.
– Vou chorar no funeral de vocês, e depois do luto vou requisitar um gancho que possa suportar meu
peso. Muitas vidas serão salvas no futuro.
– Esse é o espírito – disse Namir.
Juntos, os três partiram em direção à mansão. Os cômodos eram escuros e espaçosos, bem no estilo
imperial, mobiliados com carpetes luxuosos e aparelhos holográficos cintilantes que giravam e pulsavam
a cada movimento do esquadrão. Namir guiou o grupo através de suítes interligadas até um corredor alto
e estreito, entalhado em cristal da montanha. Lá, bustos e estatuetas de bronze ficavam em nichos nas
paredes.
Namir não reconhecia a maioria das figuras. Quase todos os homens e mulheres nas estatuetas usavam
uniformes militares do Império ou robes de Estado. Um busto de um ancião com bochechas que pareciam
cera derretida e com cabelo ralo assemelhava-se ao imperador galáctico – Namir já o vira em vídeos de
propaganda rebeldes. Uma figura com chifres poderia bem ser o velho vizir do imperador. Namir puxou
pela memória o nome dele: Mas Amedda.
Charmoso e Brand pareciam mais familiarizados com aqueles sujeitos. Charmoso escarneceu um
homem de meia-idade cujos olhos alienígenas bulbosos incrustavam-se num rosto humano e cujo pescoço
era envolvido por um grosso colar metálico. O colar circular dava ao busto a aparência de um vaso de
plantas grotesco. Brand parou diante da recriação de um capacete com curvas e ângulos disformes e
olhos de esqueleto.
– Você o conhece? – perguntou Namir.
– Não pessoalmente – disse Brand.
– Darth Vader – disse Charmoso, sem gaguejar.
O sicário pessoal do imperador galáctico: perseguidor da Aliança Rebelde, nascido das brasas das
Guerras Clônicas, realizador de todos os horrores e atrocidades conhecidos pela civilização. Pelo
menos, essas eram as histórias.
– Muito bem – sussurrou Namir. – Podemos seguir em frente?
Para a surpresa de Namir, Brand olhou para ele e falou com um tom baixo e sombrio.
– Você deveria conhecer essas pessoas – disse ela. – Darth Vader. General Tulia. Conde Vidian. Olhe
para os rostos deles e memorize todos.
Namir retribuiu o olhar, a frieza e a tranquilidade de Brand. Brand não se conformava.
– Já entendi – disse Namir suavemente. – Entendi mesmo.
– Não entendeu, não – disse Brand, e começou a andar novamente.
Charmoso, três passos à frente, gesticulou diante da escada no fim do corredor. Dois dedos levantados,
e o polegar cruzando a palma da mão. Dois guardas posicionados no alto da escada, sendo que um estava
patrulhando.
Brand foi primeiro. Em seus momentos mais difíceis, Namir invejava a capacidade da mulher para ser
furtiva – mas não hoje, não quando suas próprias botas encharcadas guinchavam como ratos no piso
encerado. Ele a seguiu, apertando o bastão de atordoamento com mais força, com Charmoso tão perto
atrás dele que dava para sentir o calor corporal do cara.
E eles subiram as escadas. Dois guardas, nenhum deles com a armadura completa. Seguranças locais.
Brand saiu da boca da escada e Namir ouviu o chiado da faca eletrificada quando ela atingiu o primeiro
alvo. Namir avançou com o corpo abaixado, procurando a patrulha. Charmoso saberia como abater o
segundo guarda atrás dele.
O sentinela da patrulha estava a menos de 5 metros de distância, e Namir sentiu seu estômago se
revirar quando eles se entreolharam. Era um stormtrooper imperial. O trooper ainda estava se virando
para encará-lo – Namir teve tempo de chegar mais perto –, mas o bastão de atordoamento seria inútil
contra aquela armadura branca.
Ele deveria ter pedido emprestada a faca de Brand quando teve a chance.
Namir levantou o ombro ao partir para o ataque; ele deu uma pancada no stormtrooper e o fez girar de
frente para a escada. Agora, nas costas do trooper, agarrou-se à superfície fria da armadura e tentou
prender os braços do homem, para evitar que fosse disparado um único tiro de sua arma de raios. Caso
isso acontecesse, o barulho alertaria a mansão inteira, e a tentativa deles de se manterem furtivos estaria
comprometida.
O stormtrooper reagiu com agilidade e precisão. Ele jogou a cabeça para trás e esfolou o couro
cabeludo de Namir, onde seu capacete abandonado deveria tê-lo protegido. Se Namir estivesse com o
tronco ereto em vez de com joelhos flexionados, o golpe o teria acertado entre os olhos. Depois de alguns
instantes, ele sentiu o cheiro de metal e plastoide queimados, e o stormtrooper perdeu a força nas pernas
assim que Brand torceu sua faca por baixo do capacete dele.
Namir tentou guiar o corpo deslizando-o até o chão, mas o som do contato da armadura com o piso fez
mais barulho do que o previsto. Charmoso ficou parado entre os dois guardas, ambos mortos no chão.
Brand já tinha limpado sua faca quando Namir disse:
– Vamos andando.
A mensagem alertando a Crepúsculo sobre os reféns da governadora tinha como anexo um mapa
superficial da mansão. O corredor em que a equipe se encontrava estava agora, pelas estimativas de
Namir, a menos de 50 metros do suposto cativeiro. Se houvesse uma emboscada, eles cairiam nela em
breve. Namir apalpou rapidamente o fuzil que estava pendurado em suas costas, confirmando se ele não
tinha, de alguma maneira, perdido a reconfortante arma durante a briga. Eles só permaneceriam furtivos
até um pedaço da missão, portanto ele queria estar preparado para qualquer contratempo.
Charmoso assumiu a liderança em seguida. Namir não o reprimiu – de alguma forma, Charmoso
sempre serpenteava até a dianteira quando havia uma emboscada iminente, por razões que Namir não
compreendia e não queria questionar. Perder parte do rosto não havia feito Charmoso largar esse hábito.
Namir certamente não seria capaz disso.
Adiante, caminharam por uma passagem espremida até uma despensa cheia de suprimentos que tinham
um cheiro cítrico. Namir presumiu que o odor fosse artificial até ver que havia frutas – frutas de verdade
– casualmente estocadas com o resto das infindáveis riquezas da governadora; ele inspirou longamente,
deliciando-se com o aroma, e, então, sacudiu a cabeça para se desligar da distração. Depois da despensa,
havia uma cozinha suntuosa, metálica e cheia de droides com membros longos conectados em suas
estações de energia. Charmoso parou em frente à porta estreita que levava mais adiante mansão adentro e
deu de ombros. O mapa indicava que os reféns estavam no cômodo seguinte.
Namir olhou para Brand enquanto ela se posicionava do lado oposto ao que estava Charmoso.
– Se alguém guardou uma granada de luz – disse Namir –, agora é a hora de se manifestar.
Ninguém o fez.
“Muito bem”, Namir pensou. “Nenhuma bomba de fumaça, nem de luz. Invadiremos à moda antiga.”
Isso não o incomodava. A moda antiga era a que ele conhecia melhor.
Ele encaixou o bastão de atordoamento em seu cinto e tomou o fuzil nas mãos. Charmoso e Brand o
imitaram. Namir acenou com a cabeça; Charmoso apertou o teclado numérico da porta e eles invadiram o
local juntos.
O que encontraram foi um salão de jantar – ou o que havia sido um salão de jantar, e agora estava tão
cheio de impressões, holointerfaces, mapas e telas portáteis que mais lembrava o interior do crânio de
um burocrata. No meio das estações de trabalho improvisadas estava meia dúzia de soldados do Exército
Imperial – sem os quepes e com uma expressão exausta no rosto; o suor manchava seus uniformes pretos
– que estavam tão entretidos em seu trabalho que levaram meio segundo antes de olhar para frente e ver
Namir e seu esquadrão. Namir mirou no primeiro deles que tentou sacar sua arma reserva – um coronel
de nariz afilado que vinha caminhando ao lado da mesa de jantar – e observou o resto do grupo hesitar.
Brand e Charmoso gesticulavam com seus fuzis em arcos perfeitos enquanto Namir mantinha o olhar
fixo no coronel.
– Prisioneiros – disse ele. – Onde estão eles?
– Que prisioneiros? – perguntou o coronel.
Os músculos de Namir estavam retesados. Ele manteve a voz calma.
– Aqueles que vocês capturaram – disse ele. – Ou aqueles que vocês alegaram ter capturado.
– Não tenho ideia do que você está falando – disse o coronel. A mão direita dele começou a chegar
perto do cinto. Namir empinou a cabeça. O coronel congelou novamente.
– Ele não sabe mesmo – uma voz respondeu, quente e ressonante, no salão de jantar. Namir queria
virar-se e olhar para quem falava, mas desviar a atenção do coronel significaria a morte. Ele manteve o
fuzil apontado, endureceu o corpo virado para seu oponente e confiou que Brand e Charmoso tomassem
conta do restante da sala.
A nova interlocutora lentamente entrou em seu campo de visão periférica. Ela veio surgindo de uma
das entradas laterais do salão, uma mulher humana cujo semblante de pele morena era enrugado na
medida certa para dar seriedade a um rosto outrora jovem. O cabelo negro era entremeado com fios cinza
e brancos, e ela usava um terno escuro e formal, adornado com vermelho e fechado com botões
prateados. Em contraste com o terno obviamente caro, carregava pendurada no ombro uma bolsa de lona
desgastada e manchada – do jeito que um soldado rebelde ou um vagabundo carregaria.
– Eu sou a refém aqui – disse ela, com um desdém genuíno. – O fato de que o coronel não percebe
isso…
Conforme a mulher falava, ela deixou a bolsa de lona deslizar do ombro direito e cair ruidosamente no
chão. As palavras continuaram sendo faladas naquele mesmo tom maçante quando, assim que a bolsa
caiu, ela sacou uma pistola de raios do bolso esquerdo.
– … mostra quão pouco ele presta atenção.
A arma de raios liberou uma luz vermelha e o homem sob a mira de Namir caiu sobre a mesa de jantar,
com um buraco flamejante entre as escápulas.
Namir não soube ao certo quem atirou em seguida. O som de um raio se fundia ao outro e ao próximo.
Ele caiu de joelhos, girou para avistar um alvo, viu um soldado com alguma coisa nas mãos – talvez uma
arma, talvez um comlink – e atirou nele. Estilhaços de pedra caíram sobre o cabelo de Namir quando
alguém explodiu a parede acima de sua cabeça.
Ele cambaleou à frente, encontrou refúgio debaixo da mesa, esticou-se todo por cima dela e começou a
disparar freneticamente. As pernas do coronel morto ofuscavam sua visão do outro lado da sala. Os raios
diminuíram. Ele rolou debaixo da mesa e descarregou uma saraivada no primeiro casaco preto que viu
pela frente.
Depois disso, sobrou apenas um oficial. Namir, de início, não compreendeu onde ele estava mirando –
o homem havia recuado para um canto e sua arma estava baixa, apontada para o chão. Então viu a pilha
aos pés do oficial. Charmoso estava de joelhos no chão, gemendo de dor, com as duas mãos sobre um
lado dos quadris.
Namir começou a apontar o fuzil na direção do oficial, mas a mulher de terno o matou primeiro, com
um rosnado e um disparo certeiro da arma de raios em sua mão. Namir a ignorou e correu até Charmoso.
Gentilmente, ele afastou as mãos de Charmoso e examinou o lado direito de seu quadril. O material da
calça tinha um furo chamuscado, as fibras se fundiam com a pele escurecida. A ferida não era fatal, mas
com certeza doía muito e Charmoso não conseguiria sair andando dali.
Namir mostrou os dentes no que ele esperava que parecesse um sorriso brincalhão.
– Pare de gemer – disse. – Já está cauterizado. Quer colocar um curativo também?
Charmoso deu uma risada rouca e resmungou algum palavrão qualquer.
Brand, metodicamente, verificou cada porta até o salão de jantar enquanto Namir ficava de pé e olhava
para a mulher que alegava ser a “refém”. Ela estava de pé ao lado da mesa de jantar, despejando água de
um jarro sobre as mãos como se quisesse limpá-las – não de sangue, como Namir pensou, mas de terra
ressecada, igual a argila. A arma dela estava apoiada ao lado do jarro.
– Quem é você? – perguntou ele.
A mulher mal olhou para Namir enquanto enxugava as mãos nos quadris.
– Meu nome é Everi Chalis – respondeu ela. – Governadora de Haidoral Prime, emissária do
Conselho Executivo Imperial, e, é claro… – Aqui o lábio dela retorceu, como se estivesse contando uma
piada interna. – … artista residente local.
Ela começou a caminhar por entre os corpos, empurrando cada um deles com o bico da bota, como que
para confirmar se estavam mortos de fato.
– Declarar-me uma refém talvez tenha sido um exagero de minha parte – ela prosseguiu –, mas eu
precisava da sua atenção.
Quando chegou perto do coronel, ainda esparramado sobre a mesa, ela se debruçou bem perto dele,
içou sua cabeça e cuspiu-lhe entre os olhos irreconhecíveis.
– Que bom que você é leal ao seu pessoal – disse Namir, lenta e cautelosamente. Quando Chalis se
virou, ele estava apontado o fuzil para o peito dela.
Ela não parecia incomodada.
– Eles não eram meus – ela disse ironicamente. – Meu pessoal (meus conselheiros, meus guarda-
costas, meu chef ) foi tirado de mim há meses. Esses homens estavam aqui para me policiar sob o
comando do imperador.
Charmoso estava tentando gaguejar alguma coisa; Namir apenas distinguiu a palavra chef. Brand olhou
para Namir de uma porta lateral e, então, para a governadora.
– Atire nela – disse ela. – Haidoral merece isso.
Namir fez uma carranca. As peças estavam se juntando, e, de repente, ele sentiu o peso dos dias que
passara sem dormir direito e das trinta horas de batalha.
– Por que você precisava da nossa atenção? – perguntou.
– Graças à Rebelião, meus dias com o imperador estão contados. – A governadora sorriu, mas seu tom
era ácido. – Eu soube que vocês estão recrutando. Quero me juntar à companhia em troca de asilo.
Namir empunhou o fuzil, olhando pela mira. Ele se perguntou quantos outros guardas haveria na
mansão e quanto tempo teria antes que aparecessem. Tentou calcular quanto a lesão de Charmoso
atrasaria o evacuamento do esquadrão. Ele não tinha tempo para analisar as mentiras em andamento.
Então ouviu-se um chilreio elétrico e um clarão oscilante de luz azul. Os lábios da governadora se
separaram, mas ela não disse nada. Seus membros enrijeceram e ela caiu no chão ao lado da bolsa.
Namir virou abruptamente. De pé, em frente à última porta não vistoriada, estava Gadren, segurando a
arma com dois braços e apontando o cano na direção em que a governadora estava. A respiração dele
estava ofegante, com seus ombros enormes subindo e descendo.
– Perdemos contato – disse ele. – Achei que estivessem em apuros. Fico feliz em ver que exagerei.
Brand observou a governadora caída.
– Ela ainda está respirando – disse ela. – Por que deu um tiro de atordoamento?
Gadren arrastou-se até o lado de Charmoso, parando para avaliar os ferimentos do homem cheio de
cicatrizes antes de levantá-lo gentilmente do chão e segurá-lo no colo. Gadren voltou a falar só quando
Charmoso já estava seguro.
– Temi pelos reféns. Um tiro de raio poderia ter matado um deles.
– Nenhum refém – disse Brand.
Gadren acenou com a cabeça, indicando não ter compreendido, mas reconhecendo que aquele não era
o momento para perguntas.
Namir seguiu até a governadora e verificou o corpo. Ela estava respirando constantemente. Nenhum
espasmo, nenhum sufocamento, nenhum batimento cardíaco irregular. Tiros de atordoamento não eram
muito confiáveis, mas aquele ali parecia ter cumprido sua função. O que significava que a governadora
ainda era problema dele.
– Vamos amarrá-la e levá-la para o Uivo. – Ele acenou para Gadren. – Isso se tiver espaço para mais
um. Não precisa ser muito cuidadoso.
Gadren agarrou rudemente a governadora pelo colarinho e a jogou sobre um dos ombros, usando uma
das mãos para manter o corpo equilibrado. Namir se perguntou se Brand iria reclamar, mas ela já estava
pegando a bolsa da governadora quando disse:
– Dizem que sequestrar um imperial dá azar.
Namir não conseguiu entender se ela estava brincando.
– Homens maus atraem má sorte – ele replicou. Era um ditado que ele aprendera há muito tempo, em
um mundo mais primitivo. – Agora podemos dar o fora deste planeta?
Ele estava pronto para se livrar de toda aquela chuva. Pronto para dormir. Pronto para esquecer as
pilhas de cadáveres de civis e a suntuosa mansão cheia de frutas aromáticas e bustos em homenagem a
assassinos. O ataque a Haidoral Prime não tinha sido um fracasso, mas fora repleto de problemas.
Agora ele levaria um desses problemas para casa.
C A P Í T U L O 3

P LANETA SULLUST

DIA 85 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA

Em Pinyumb, a obsidiana do teto da caverna lentamente perdia sua iridescência refratada ao cair da
noite. As grandes torres da cidade, erguendo-se do chão da caverna como estalagmites, diminuíam as
luzes superiores até o domo encontrar-se mergulhado em escuridão. O enxofre amarelo grudado nas
paredes da caverna parecia assumir uma palidez frágil. Ouvia-se o bater das asas de anjos de cinzas que
iam e vinham, conforme as criaturas voltavam ao ninho depois de buscarem comida.
Com os anjos de cinzas vinha o povo de Pinyumb, chegando em naves auxiliares que vinham das
fábricas na superfície ou partindo de seus blocos residenciais para os turnos da noite. Havia humanos
pálidos e negros, Sullustanos de pele acinzentada e espécies mais raras também. Pinyumb era
cosmopolita à sua maneira – aqueles que estivessem dispostos a trabalhar pesado eram bem-vindos, e
todos os outros eram excluídos.
Thara Nyende não se demorava nas ruas ou caminhava ao longo dos córregos turquesa que fluíam junto
às calçadas de Pinyumb. Ela não parava para reconhecer rostos familiares na multidão de trabalhadores.
Como todos, ela tinha assuntos a tratar antes do toque de recolher. No entanto, ela, sim, reservava um
tempo para acenar firmemente na direção dos stormtroopers parados em frente a cada nave auxiliar e
intersecção. Apenas duas vezes os homens ou mulheres dentro da armadura acenaram de volta.
Thara passou por prédios cinza-metálicos ocupados clandestinamente que não portavam qualquer sinal
na entrada, mas que ela já conhecia bem – uma casa de banho público, uma hospedaria, um café –, e então
desceu um pequeno lance de escadas talhado na rocha da caverna até uma porta sem marcas. Ela ergueu a
bolsa de couro pendurada no ombro e foi entrando, enquanto seus olhos lentamente se ajustavam à luz
tênue da cantina. Não mais que uma dúzia de clientes estava presente – quase todos homens e quase todos
velhos, independentemente da espécie. Tinham ombros largos e encurvados, robustos e com cicatrizes de
anos de trabalho na fábrica de processamento de minerais Inyusu Tor. A maioria encontrava-se reunida
diante de uma holomesa exibindo um evento esportivo de extramundo, mas eles falavam uns com os
outros tão alto que era o suficiente para abafar o som baixo da holotransmissão.
– Tio! – chamou Thara na direção do bar. – Vim até aqui para mimá-lo.
O homem que olhou por sobre o conjunto de torneiras atrás do bar e começou a ir em direção a Thara
parecia velho o bastante para ser seu avô em vez de tio, e se algum dia o cabelo dele já combinara com
os cachos louros dela, a cor já tinha desaparecido há muito tempo. Ele a abraçou pelos ombros, enquanto
outras cabeças viraram e lábios idosos sorriram para a jovem mulher.
As vozes em volta da holomesa baixaram.
– A única pessoa sendo mimada é você – disse o tio de Thara, antes de aceitar a bolsa de couro das
mãos dela. – Trabalhando metade do tempo que o resto de nós e recebendo o dobro! Mas, de qualquer
maneira, vejamos o que trouxe.
Ele colocou a bolsa sobre uma mesa vazia e começou a vasculhar o conteúdo. O primeiro item era um
tubo de gel ocre. O tio de Thara o virou nas mãos, então gritou por cima do ombro:
– Myan! Temos outro tubo de unguento para queimadura. Os garotos do dormitório quatro ainda estão
feridos?
Thara se lembrou do acidente com os operários do dormitório quatro. Eles haviam sido terrivelmente
escaldados quando os canos de vapor dos extratores de magma se romperam. Alguns desses operários
ainda não haviam retornado ao serviço. Em breve, eles poderiam ser despejados de suas residências.
Myan, um minúsculo Sullustano, foi mancando até a mesa. Ele falou em sua língua nativa – rápido
demais para Thara entender direito, mas o tom de voz parecia agradecido – e levou o unguento para
dentro.
– Bom começo – disse o tio de Thara. Thara sorriu ironicamente para ele e quase arrancou um sorriso
de volta. Um por um, ele foi tirando os donativos de Thara da bolsa: créditos de comida extra, tabletes
antigripais e máscaras de segurança para os homens que trabalhavam nos processadores de minério mais
profundos. Chamando seus clientes à mesa, distribuía presente após presente. Alguns dos felizardos
seguravam as mãos de Thara, abençoando ela e sua família. Outros se recusavam a olhar para ela.
Conforme seu tio continuava a fuçar a bolsa, ela desviou o olhar e observou as torneiras na parede
atrás do bar. Thara notou que o tio estava consertando todas elas – substituindo as válvulas de fluido. Ele
havia deixado as ferramentas no chão. Então ela as recolheu e começou a trabalhar, do jeito que lembrava
ter feito quando era adolescente.
– Meu filho me deu um panfleto outro dia. Disse que está pensando em se juntar a eles.
Thara estava perto o bastante da holomesa para conseguir ouvir os trabalhadores mais velhos
sussurrarem. Ela não queria ouvi-los. Não tinha a intenção de bisbilhotar. Mas ela também não sairia dali
de perto.
– Depois do acidente com a liberação de magma, ele disse que talvez a Frente Cobalto esteja certa.
Talvez precisemos, sim, lutar pela nossa integridade.
– A Frente de Reforma dos Trabalhadores de Cobalto – uma segunda voz escarneceu – é um bando de
terroristas. Devem ter sido eles que provocaram aquele acidente.
Houve certa concordância relutante e murmurada.
– Protestos são uma coisa. Motins são outra.
Thara rosqueou a nova válvula no lugar. Os membros da Frente Cobalto eram terroristas de acordo
com um decreto imperial. Era uma pena; ela achava que eles poderiam ter feito bem a todos se tivessem
se limitado a discutir sobre procedimentos de segurança e condições de trabalho nas fábricas.
– A culpa é nossa? – perguntou a primeira voz. – Eu sei que protegi os meus. Não contei ao meu filho o
que vi nas Guerras Clônicas.
A terceira voz riu.
– É claro que não. Seus filhos nunca mais conseguiriam dormir.
O primeiro homem continuou:
– Mas eles saberiam. Eles entenderiam por que uma paz custosa é melhor que… melhor que a
alternativa.
– Apenas reze para que a Aliança Rebelde nunca se dê conta de Sullust. Se você acha que as coisas
estão difíceis agora…
Thara testou a torneira e pegou uma gota de alguma coisa verde e com cheiro adocicado na palma da
mão.
– Não – uma nova voz disse num sullustano lento e arrastado, deliberadamente alto. Thara reconheceu
o som esganiçado dos pulmões afetados por toxinas, uma condição cada vez mais comum entre os
operários.
Alguém tentava calar o que se manifestara por último, quando Thara levantou-se por trás do bar. O
homem afetado por toxinas, um Sullustano enfraquecido com orelhas e papada caídas, prosseguiu:
– Isso não é paz. Nós somos todos escravos, cada um de nós, e o imperador forja correntes mais
resistentes a cada ano que passa.
O tio de Thara correu até a holomesa. Ele segurou com força o braço do homem enfraquecido,
enquanto o Sullustano levantava-se para se apoiar sobre a mesa e continuar falando.
– Não me interessa quem me ouça – cortou o homem. – O que o Nunb dizia era verdade: trocamos
nossas vidas para comprar mil anos de escuridão. O Império funciona graças ao sangue de nossos netos e
bisnetos!
O tio de Thara forçou o homem a sentar-se novamente. Thara olhou ao redor da mesa. Todos os
operários a observavam em silêncio.
– Voltarei na semana que vem – disse ela, em voz baixa. – Se precisarem de alguma coisa, avisem meu
tio. Tentarei ajudar.
Ninguém falou nada quando ela saiu da cantina.
Thara caminhou rapidamente pela rua, como se pudesse transferir suas frustrações para as pedras,
eliminá-las através do suor das solas de seus pés. Ela tentou exorcizar de sua mente aquilo que ouvira,
concentrar-se na manhã que estava por vir. Já estava quase na hora de começar seu turno e ela não
suportaria trabalhar com a cabeça distraída.
Andou até a porta de um edifício industrial luxuoso e olhou para o olho mecânico do scanner para que
pudesse ser identificada. Passou por outros dois pontos de verificação e, chegando ao seu armário,
finalmente começou a relaxar.
Vestir seu uniforme sempre a acalmava. Ela havia aprendido a vestir e conectar os componentes de seu
traje em menos de um minuto, mas preferia fazer isso de forma lenta, primeiro despindo-se e removendo,
um por um, os adereços de Thara Nyende de Sullust e guardando-os no armário. Em seguida, vestindo sua
nova pele – uma pesada luva corporal preta que se selava sozinha conforme era puxada para cima, quente
demais para ser confortável até que o material inteligente se ajustasse ao calor de seu corpo e à
temperatura do ambiente.
Ela então deslizava seus pés para dentro das botas brancas de couro sintético – sempre a esquerda
primeiro, depois a direita – e, logo depois, enfiava as caneleiras de plastoide nas pernas. O clique suave
e o zunido dos mecanismos lhe asseguravam que ela havia conectado corretamente as peças, e o caimento
perfeito da vestimenta era muito mais natural que qualquer coisa que ela pudesse comprar como civil. O
cinto e o protetor de virilha vinham em seguida, então a couraça para o tronco – presa ao cinto, fazendo-a
finalmente sentir-se vestida.
Ombros, braços e luvas vinham depois da couraça. Na maioria dos dias, a essa altura, ela já nem se
lembrava dos problemas do dia a dia. Às vezes, ela notava que sua respiração havia se estabilizado, que
a tensão muscular fora aliviada pelo suporte da vestimenta e do plastoide. Ela poderia anexar as peças
dos braços mais rapidamente com a ajuda de um droide ou de um colega, mas esse era o ritual dela. Ela
gostava de se equipar sozinha.
Finalmente, o capacete.
Thara o retirava de seu lugar no armário e o colocava por sobre a cabeça. Por um instante, havia total
escuridão. Então ele encaixava com um clique, as lentes se polarizavam e o display de avisos começava
a ligar. Diagnósticos de alvos circulavam em sua visão do vestiário, níveis de energia e leituras do
ambiente piscavam nos cantos da viseira.
Simples assim, Thara Nyende era colocada em segundo plano. Uma mulher mais forte, uma mulher
melhor, assumia o comando para cumprir sua função.
Ela era SP-475 da 97ª Legião Imperial de Stormtroopers.
C A P Í T U L O 4

SET OR KONTAHR

DIA 85 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA

– Você não tem ideia de como realmente funciona o Império.


O transporte militar da Aliança Rebelde Trovoada não fora desenhado para ser confortável. Seus
corredores eram cobertos de canos e painéis, e suas portas eram pesadas e desajeitadas, chapeadas com
muito hiperaço. Durante esses anos, a Companhia do Crepúsculo havia desmanchado e reconfigurado a
antiga corveta corelliana, particionando e reparticionando os poucos espaços abertos da nave até que
quase nenhum metro quadrado fosse deixado sem uso.
Assim, quando Uivo ordenou que a prisioneira trazida ao armazém-transformado-em-escritório fosse
interrogada, a entrevista foi bem íntima. Em um dos lados da frágil mesa dobrável de Uivo sentava-se o
próprio capitão, ladeado pelo tenente Sairgon e pelo médico-chefe Von Geiz. Enquanto Sairgon estava de
pé como uma árvore antiga e contorcida, Von Geiz havia se ajeitado em cima de um holoprojetor off-line.
De frente para Uivo e recostada em sua cadeira com uma tranquilidade exagerada estava a governadora
Chalis, sorrindo como uma imperadora. Atrás de Chalis estava Namir, em pé, observando as mãos da
governadora como se ela estivesse prestes a dar um pulo para estrangular o capitão.
– Não estou dizendo isso para insultar ninguém – Chalis continuou. – Mas se você pensa que Haidoral
Prime é qualquer coisa além de um fim de mundo, você está operando sob presunções completamente
equivocadas. Meu posto lá era uma punição, não uma promoção.
Ela falou com a voz baixa e com um excesso de confiança entediante. Na segurança da nave, seu
sotaque coruscanti – o sotaque da elite imperial, de transmissões midiáticas e sátiras rebeldes – parecia
pronunciado demais para os ouvidos de Namir.
– E o que você fez para merecer tal punição? – perguntou o capitão.
Chalis empinou a cabeça como se estivesse surpresa com a pergunta.
– Quando sua Rebelião começou a invadir a Orla Média, o imperador soltou seu cão de guarda. Você
ouviu falar nas mortes de moff Coovern e do ministro Khemt?
– Trágicos acidentes, pelo que me lembro – disse Uivo.
– De acordo com minhas fontes, ambos morreram pelas mãos de Darth Vader. O imperador Palpatine
resolveu que a incompetência nos altos escalões era a culpada pela destruição de sua Estrela da Morte, e
a partir daí começou a caçada. Houve outras mortes menos divulgadas – ela acrescentou, dando de
ombros. – Eu fui poupada em reconhecimento às minhas contribuições do passado, e porque tive noção o
bastante para limitar meu envolvimento com a estação de batalha. O exílio para Haidoral Prime foi a
melhor das opções, dadas as circunstâncias.
Von Geiz olhou para Chalis, como se inspecionasse a pele de sua testa.
– E foi aí que você decidiu desertar? – perguntou.
Namir suspeitava que Von Geiz estava presente só para ser um rostinho bonito na companhia. Ele havia
começado a reunião verificando Chalis e perguntando a ela sobre os efeitos colaterais do bastão de
atordoamento, enquanto Uivo esperava pacientemente e o tenente Sairgon resmungava. Von Geiz era um
homem inteligente e sabia o papel que devia interpretar – bonzinho, paternal, simpático. Mas Chalis mal
olhava para qualquer pessoa que não fosse o capitão.
– Não fale bobagem – disse Chalis. – Mesmo em Haidoral, eu tinha tempo para ler, tempo para
esculpir… Eu tinha dinheiro para luxos ocasionais.
Ela se virou para o lado na cadeira e abaixou-se na direção em que Namir havia colocado sua bolsa de
lona. Claro que ele já a havia revistado em busca de armas, mas mesmo assim só a trouxera ali sob
protesto.
Ao contrário de Von Geiz, Namir não estava no local para fazer perguntas ou manipular a governadora.
Uivo não chegou a dizer isso, é claro, mas Namir sabia que estava presente por causa da força bruta. A
captura de Chalis estava sendo mantida em segredo; como primeiro sargento, Namir era um brutamontes
de alto escalão, autorizado a testemunhar discussões dos oficiais mais antigos e obrigado a não fazer
nada a respeito.
– E falando de luxos – disse Chalis –, vocês foram mais que hospitaleiros e eu não demonstrei nada
além de ingratidão.
Da bolsa, ela pegou uma garrafa de vidro com um líquido violeta translúcido no qual boiavam fios
brancos transparentes. Ela a virou nas mãos, apoiou-a sobre a mesa com um barulho forte, então retirou
um punhado de frutas amarelas, que colocou ao lado da garrafa.
– Um presente de Haidoral aos meus anfitriões: conhaque local e figos nativos. Algo para celebrar
nossa nova relação.
O tenente lançou um olhar questionador para Uivo. O capitão levantou uma das frutas e, com um
sorriso, começou a descascá-la, enquanto Chalis abria a tampa da garrafa.
– Normalmente, quando um recruta contrabandeia álcool a bordo, ele sabe que é melhor dividir com o
pessoal mais antigo – disse Uivo, embora seu tom fosse tranquilo.
– Então você deveria atentar às suas boas maneiras – respondeu Chalis. – Copos? – Ninguém se
voluntariou... dando de ombros, ela tomou um gole diretamente da garrafa. Quando removeu o conhaque
de seus lábios e o empurrou pela mesa para Uivo, ela inclinou a cabeça para olhar para Namir. –
Perfeitamente seguro – disse.
A ideia de ser um veneno havia passado pela cabeça de Namir. Ele se xingou por ser tão transparente,
e Chalis por deduzir os pensamentos dele.
Os outros passaram de mão em mão a garrafa de conhaque conforme Chalis começava a comer a fruta,
continuando a falar entredentes.
– Como eu ia dizendo, um exílio em Haidoral estava longe de ser o pior dos destinos. Então você veio
ao meu planeta e percebi que eu estava arruinada.
– Sua mansão não era um alvo – disse o tenente.
Chalis riu amargamente.
– Tomar um tiro dos rebeldes não era uma preocupação minha. Quem você acha que será culpada pela
falha nas defesas de Haidoral? Quem será responsabilizada pela invasão da cidade, o roubo de
suprimentos imperiais? Eu poderia alegar que operei milagres, contendo seus homens com uma legião de
stormtroopers espalhada por três continentes; eu poderia argumentar que Haidoral já era um alvo óbvio
meses antes de chegarmos lá, e que eu fiz de tudo para tentar reforçar suas defesas.
Então, Chalis prosseguiu, diminuindo o ritmo da fala, com os olhos fixos novamente em Uivo, depois
de perambular pela sala:
– Mas Darth Vader não se convence com argumentos racionais e razoáveis. Minha reputação já estava
manchada. No momento em que sua nave surgiu em órbita, minha vida no Império havia acabado.
– Que pena que não pediu para desertar naquele momento – disse o tenente. – Teria nos poupado de
alguns problemas.
Namir reprimiu uma risada. Uivo mordeu sua fruta e não disse nada.
– Alguns homens se enganam durante suas vidas inteiras – disse Chalis. – Não sinto qualquer vergonha
por levar vinte e quatro horas para me reconciliar com a realidade. O que passou, passou. Está na hora
de discutirmos nosso futuro juntos.
Ninguém mais falou. Chalis pareceu entender isso como a deixa para continuar.
– Ofereço minha total cooperação à Rebelião. Em troca, espero ser recompensada por minha coragem
por me virar contra nossos terríveis opressores imperiais.
Von Geiz finalmente pigarreou, mas Uivo interrompeu primeiro.
– Vamos conversar a respeito – disse ele. – Mas até agora nem ouvimos o que você tem a oferecer.
Namir sentiu uma pressão no peito. Não porque tivesse sido a pergunta errada a fazer, mas porque ele
sabia que era exatamente a que Chalis esperava que fosse feita.
– Não sou uma almirante de frota – disse ela, curvando-se à frente, com os ombros baixos, como se
estivesse pronta a dar um salto. – Não estou aqui para compartilhar algum ponto fraco nas defesas de
algum destróier estelar. Meu conhecimento é o do fluido vital do Império; tudo que corre em suas veias,
tudo que o alimenta. Comida, matérias-primas, mão de obra… Eu sei por que uma revolta de escravos em
Kashyyyk aterrorizaria os postos avançados na fenda de Kathol, e por que o general Veers não pode arcar
com outra escassez de torilídio em Rimma.
E ela prosseguiu:
– Eu sei o monstro em que o Império se transformou. Compreendo sua biologia. Cada hiperlinha que
carrega oxigênio aos seus membros. Sei onde apertar para fazê-lo cuspir e sufocar.
Uivo acenou com a cabeça e bateu os dedos na mesa.
– Você é uma especialista em logística.
O tenente disse calmamente:
– Antes de ser governadora, você fazia o quê? Comandava campos de trabalho? Fazia planetas
morrerem de fome se não alcançassem suas metas?
Chalis ainda estava curvada à frente e encarava Uivo. Ela sorriu diante da pergunta.
– Eu era uma conselheira. Eu aconselhava. Meu antecessor, o conde Vidian, era quem gostava de sujar
as mãos. Sou mais interessada no cenário geral. Mas é claro que nada disso importa se você estiver
batendo em retirada. A Rebelião precisa guardar certa distância entre suas armadas e a Orla Média agora
que vocês a abandonaram, ou se arriscarão a serem dominados. Também tenho algumas sugestões quanto
a isso.
Então ela se moveu. Namir não conseguiu impedi-la. Se o escritório fosse maior, se a mesa não fosse
uma barreira tão frágil, Chalis não teria conseguido se projetar para a frente e colocar a cabeça ao lado
da cabeça do capitão. A garrafa de conhaque tombou para o lado e caiu no chão. Os lábios de Chalis se
mexeram enquanto ela sussurrava alguma coisa que Namir não conseguiu ouvir.
A mão de Namir foi ao ombro dela um segundo depois, puxando-a de volta à cadeira enquanto ela
gargalhava. Uivo parecia inabalável e, certamente, ileso, com os olhos semicerrados, pensativo. Von
Geiz e o tenente olharam com preocupação e amargura.
– Acho – disse Uivo, conforme os dedos de Namir continuavam cravados na roupa da governadora –
que devemos finalizar por aqui. Nós todos temos muito o que refletir. Falo com você mais tarde,
governadora.
Chalis sorriu e curvou a cabeça.
Se o papel de Namir na reunião fosse o de proteger o capitão ou a companhia, ele estava
profundamente certo de que havia falhado.

Depois de distribuir os suprimentos roubados de Haidoral para o resto do grupo de batalha rebelde, a
Trovoada partiu junto com a aeronave de combate Promessa de Apailana. A Promessa era uma nave em
forma de adaga, compacta e ofensiva, que já tinha voado anteriormente com a Crepúsculo; sua tripulação
de algumas dezenas de veteranos da Aliança devia coletivamente aos soldados da Companhia do
Crepúsculo cerca de 50 mil créditos, de acordo com uma tabela de contagem afixada na porta dos
alojamentos à estibordo. A Promessa também carregava um par de caças X-wing em seu trem de pouso;
seus pilotos tinham péssima reputação por nunca terem sequer se dado ao trabalho de colocar os pés a
bordo da Trovoada.
Uivo não havia comunicado qual era a nova missão da Companhia do Crepúsculo desde que tinham
deixado Haidoral, e a tripulação da ponte e os oficiais mais antigos estavam ficando tensos quanto ao
destino das naves. Nada disso era incomum, mas quando não havia informações concretas, os boatos
começavam a se sobrepor aos fatos. A equipe de engenharia analisou o curso da Trovoada e a declarou
em rota ao Espaço Selvagem, correndo para escapar do território imperial, lançando-se de cabeça ao
desconhecido. Os veteranos da campanha de Chargona murmuravam sobre uma última batalha que se
aproximava contra um bloqueio de destróieres estelares ao longo da fronteira com a Orla Média. Tudo
isso apenas confirmava, pensou Namir, que ninguém espalhava rumores sobre vitórias iminentes.
Ainda assim, fofocas em tempo de guerra eram uma distração tão boa quanto qualquer outra para
soldados entediados e espremidos em uma caixa de metal sem nada para fazer a não ser esperar. Os
rumores não teriam incomodado Namir se não fosse pela presença dos novos recrutas: aprendizes não
conseguiam manter o foco quando acreditavam estar fadados ao fracasso.
A Companhia do Crepúsculo havia selecionado 28 voluntários em Haidoral Prime. Era uma boa
aquisição, embora um terço deles não fosse combatente – esses serviam como médicos, engenheiros ou
tripulantes para a Trovoada, e não eram da conta de Namir. Os outros precisavam ganhar disciplina antes
de serem designados aos esquadrões. Como primeiro sargento, Namir tinha esse prazer especial.
– Todos vocês sabem como usar uma arma de raios? – perguntou, depois de adentrar no restaurante
onde havia ordenado que os novatos se reunissem. Ele portava um fuzil completamente carregado
pendurado no ombro.
Os dezenove recrutas restantes encontravam-se sentados ao redor das mesas de aço do local, agora
vazio. Os homens e mulheres se entreolharam e acenaram com a cabeça constrangidamente em resposta à
pergunta de Namir.
– Ótimo – disse Namir. – Não estou aqui para servir de mamãe de vocês. Encontre um amigo para
levá-lo à sala de tiro, aprenda a usar o DLT-20A. Um fuzil não é uma pistola, tem um coice muito mais
forte e pode queimar seu rosto inteiro se segurá-lo muito próximo. Os fuzis do tipo 20 têm algumas
funções extras, mas não quero que saiam distribuindo raios a esmo até que aprendam a acertar um alvo. –
Enquanto falava, ele manteve o fuzil erguido com uma mão e desligou a chave de energia com a outra.
Era um exercício de rotina, e ele tinha de se policiar para demonstrar muito rápido para seu público. –
Consiga um soldado da Crepúsculo para apadrinhá-lo e me dizer que você consegue fazer o básico.
Pronto, é só disso que eu preciso.
Novamente, acenos constrangidos. Namir caminhou até uma das mesas ocupadas, apoiou o fuzil sobre
ela e empurrou-o girando até os recrutas na outra ponta.
– O que estou pedindo é muito mais que apenas aprender a atirar. Se não conseguir que um dos meus
soldados confie em você com a vida dele, não me importa nem um pouco o quão preciso você é na hora
de atirar ou quais suas notas nessas Academias Trapo Sujo. Você não vai por os pés num planeta até que
alguém te libere. Se for muito tímido para encontrar um parceiro por conta própria, sem problemas;
venha até mim que eu encontro um companheiro para você.
Ele já fizera diversas variações desse mesmo discurso mais de uma dúzia de vezes. No início, ele
tentava treinar cada recruta individualmente. O processo era arrogante e estúpido – a marca de um
homem que ainda não confiava na competência dos veteranos da Crepúsculo – e ele gostava de pensar
que era melhor que aquilo. Ele caminhou por entre as mesas do restaurante, fazendo questão de olhar
cada um dos recrutas nos olhos, então deu um meio-sorriso.
– Além disso, você provavelmente vai dividir um esquadrão com quem quer que convença a dizer que
você está pronto. Procure não escolher alguém que queira estrangular.
Risadas nervosas. Isso era bom – significava que eles estavam prestando atenção.
Ou a maioria deles, pelo menos. No canto de uma mesa, estava sentada a garota ruiva que Namir tinha
visto lutando na praça em Haidoral. Ela olhava através dele, encarando a parede, e suas mãos tremiam
contra o tampo da mesa. Namir caminhou ao redor dela, deu-lhe um tapinha no ombro e sentiu que ela
havia retraído o corpo como se estivesse pronta para pular e dar um soco. O fato de ela não ter sido
estúpida o bastante para fazer isso já valia de alguma coisa.
– Qual é o seu nome? – perguntou.
A garota deslizou em seu assento para poder olhar para cima, na direção de Namir.
– Peste – disse ela.
Namir a observou. A mandíbula dela estava retesada. Ela não tremia mais.
– É assim que quer ser chamada? – perguntou ele.
– É.
Namir riu mais alto do que pretendia.
– Mais um conselho – ele gritou, olhando para os outros. – Se quiserem proteger seus amigos em seu
planeta natal ou simplesmente desejarem um novo começo, agora é uma boa hora para escolher uma nova
identidade. Ninguém na Crepúsculo se importa com quem você foi, mas, uma vez que nos diga um nome,
é melhor mantê-lo até o fim.
Pelo menos, ela não era mais uma Leia. Metade dos novatos que se juntava à Companhia tentava se
autodenominar com o nome de algum antigo herói rebelde. Esses eram renomeados rapidamente por seus
camaradas. A maioria deles morriam logo em seguida, vítimas de seu próprio entusiasmo.
Ele se virou para a garota de novo.
– Peste – disse ele. – Diga-me uma coisa: você já leu seu guia de campo? O Livro Branco?
Peste olhou para ele.
– Sim, sargento.
Namir empinou a cabeça. Não era a resposta que ele estava esperando.
– Então pode me dizer como é o processo de treinamento em quatro fases?
Os dentes de Peste batiam, mas ela não hesitou.
– As primeiras duas fases são iguais para todos. A fase três se diferencia entre forças de solo e
espaciais. A fase quatro é a das unidades especiais.
– E o que o Livro Branco diz sobre recrutas que não conseguem passar no treinamento antes de serem
designados?
A pergunta fez Peste parar para pensar.
– Eles começam novamente da fase um – disse ela. – A menos que um oficial diga que não pode? –
Isso foi uma pergunta, não uma afirmação.
Namir deixou seu bom humor falar mais alto.
– Não faço ideia – respondeu. – Que bom que leu tudo aquilo, mas a má notícia é que você perdeu seu
tempo.
Então ele se dirigiu a todos:
– Todos vocês precisam entender que o Livro Branco, todos aqueles procedimentos e regulamentos
que o Alto Comando vomita sobre nós, é desenvolvido por generais que acham que estão comandando um
governo em vez de uma rebelião. – Ele deu de ombros e recolheu seu fuzil, jogando-o para trás do
ombro. – Talvez as Forças Especiais da Aliança levem isso a sério; sei lá. Por aqui, quando alguém
acima de você lhe dá uma ordem, você a segue. Quando alguém tenta ensinar alguma coisa a você, você
presta atenção. Quando alguém atira em você, você atira de volta. Não contrabandeie álcool ou
especiarias a bordo, não seja idiota, e se tiver algum problema com outro soldado, venha até mim ou até
o tenente Sairgon. Nós resolveremos sua pendenga.
Namir fez uma pausa e concluiu:
– Em resumo: a Companhia do Crepúsculo cuida dos seus. Contanto que se lembre de que você não
precisa dos regulamentos do pessoal lá de cima.
Namir viu os recrutas mais velhos acenarem em concordância. Os mais novos, aqueles que ainda não
sabiam a que estavam renunciando, olhavam menos confiantes. Muitos deles tinham crescido em um
Império que não era nada além de regras e ordens. Tudo bem. Eles chegariam lá.
Ele concluiu a sessão de orientação rapidamente, listando quais seções da Trovoada estavam
proibidos de acessar e respondendo às perguntas de costume sobre pagamento (“empilhe o que tiver
debaixo do colchão e reze para que o Clã dos Banqueiros se junte à Aliança”) e acesso à rede de
comunicações (“faça uma solicitação, não tenha muitas esperanças”). Até terminar, já tinha memorizado
os nomes de cerca de metade dos recrutas. Se os outros sobrevivessem, ele também aprenderia seus
nomes.
Namir foi o primeiro a sair da sala. Os outros se dispersaram atrás dele, dirigindo-se aos seus
alojamentos e à sala de tiro. Ele percebeu Peste o seguindo, mas não virou para trás até que ela disse:
– Sargento?
– Do que você precisa? – perguntou ele.
Peste o alcançou, acompanhando seus passos. As botas de Namir batiam com força no piso de metal. A
garota caminhava silenciosamente, e ele viu que ela ainda usava nos pés uma proteção apropriada para as
ruas inundadas de Haidoral, e nada além disso. Fez uma nota mental para se lembrar de pedir a Hober
que encontrasse alguma coisa para ela, qualquer coisa mais apropriada para combate.
– Eu menti – disse Peste.
Namir parou, virou para Peste e esperou que ela se explicasse melhor.
– Eu não sei usar uma arma de raios.
Namir balançou a cabeça e tentou não sorrir.
– Duas horas – disse ele. – Encontre-me na armaria. Vamos resolver isso para você.
Ele não esperou por uma resposta e voltou a andar. Não esperava um agradecimento. Havia escolhido
Peste em Haidoral. O mínimo que podia fazer era tentar mantê-la viva.

A prisão improvisada da Trovoada era uma câmara de ar secundária que ficava na traseira da nave,
revestida com blindagem grossa para repelir intrusos e totalmente controlada pela ponte. Seus painéis
internos de acesso tinham sido destruídos. A porta externa permanecia funcional – um prisioneiro
poderia, em tese, ser lançado ao espaço só com o toque de um botão, embora Uivo tivesse deixado bem
claro que uma coisa dessas jamais deveria acontecer. Namir deixou igualmente claro – muitos meses
antes, em particular, durante a seleção da tripulação – que os prisioneiros não precisavam saber sobre as
frescuras de Uivo. A prisão da Companhia do Crepúsculo era naturalmente intimidadora; por que abdicar
dessa vantagem?
Namir duvidava que a governadora Chalis estivesse intimidada, mas ele esperava que sim.
Ninguém além do capitão e seus conselheiros mais próximos podia ver Chalis, que permanecia na
câmara de ar vinte e três horas por dia. Periodicamente, a governadora se encontrava em particular com
Uivo. O médico-chefe Von Geiz entregava pessoalmente as refeições de Chalis e lhe trazia o que quer que
ela solicitasse para mantê-la confortável – ou, pelo menos, o que estivesse disponível. Dessa forma,
Uivo foi capaz de manter em sigilo a identidade da prisioneira da Crepúsculo da maior parte da
companhia por uns bons dois dias.
Namir não sabia como a notícia havia se espalhado, mas não ficou surpreso nem incomodado quando
isso aconteceu. A presença de uma refém era um mistério fascinante demais para durar por muito tempo,
e parecia uma distração saudável das constantes especulações sobre a retirada rebelde da Orla Média.
Em vez de ficarem se perguntando se sobreviveriam para ver novamente um planeta ao vivo e em cores,
os soldados debatiam sobre o que significava a presença de Chalis. Os recrutas de Haidoral contavam
histórias sobre os gostos peculiares da governadora: como ela convocava chefs e artistas à sua mansão
só para, depois, devolvê-los às ruas horas, dias ou meses depois. Os vira-casacas – aqueles soldados da
Companhia do Crepúsculo que, como Charmoso, haviam sido treinados originalmente como cadetes
imperiais, mas mudaram de lado depois de serem armados e colocados em campo – recordavam boatos
antigos de uma mulher que sussurrava no ouvido dos vizires do imperador, cujo verdadeiro talento era o
de manipular seus inimigos e convertê-los em aliados.
O fascínio da companhia com Chalis foi longe demais apenas uma vez, quando um dos novatos – um
jovem musculoso e atarracado chamado Corbo, que tinha uma grosseira marca de nascença vermelha que
cobria metade de seu rosto – resolveu ir à câmara de ar com uma faca empunhada nas duas mãos. Corbo
não persistiu quando um técnico, que estava de passagem, o convenceu a não levar a cabo sua missão, e
então Namir o confrontou em particular depois disso.
– Algum motivo especial para querer vê-la? – perguntou Namir.
– Ela matou meu felinx – disse Corbo.
– Não sei o que é isso.
Corbo mostrou desinteresse.
– Um animal de estimação. Não importa. A governadora achou que muitos se tornariam selvagens,
deixando uma má imagem para a cidade.
– Essa foi a pior coisa que ela fez?
– Não – disse Corbo. – Mas é isso que não consigo perdoar.
Os dois ficaram em silêncio por algum tempo.
– Eu não ia fazer nada, eu acho – acrescentou Corbo. – Eu só queria vê-la. – Ele contraía e relaxava os
punhos. – Vou deixar a companhia, se é isso que precisa que eu faça.
Namir suspirou.
– Posso confiar que não voltará a fazer isso? – perguntou ele, esperando que o recruta soubesse a
resposta.
“Não seja estúpido”, pensou ele. “Apenas minta para mim.”
– Não sei – disse Corbo.
Namir xingou internamente.
– Se eu colocar um guarda lá – disse –, vou ordenar a ele que atire se essa sua cara aparecer perto da
prisão novamente. Parece justo?
– Parece justo.
– Ótimo. Porque já tenho muitos soldados mortos que precisam ser substituídos. Preciso de todos
vocês em forma para lutar, não abandonando a nave.
Até onde Namir sabia, aquilo havia resolvido o incidente. Ele fez questão de não informar o capitão.

Outros não eram tão discretos.
– Não morro de amores pelo Conselho Executivo Imperial – anunciou Gadren com relação ao
frustrado ataque de Corbo a Chalis –, e sei que não estou sozinho nessa. Mas uma mulher destituída de
todo seu poder merece pena e desdém, não fúria.
Namir, Gadren e mais meia dúzia de outros estavam sentados no Clube – um vão espremido e com
pouca luz que ficava logo acima do setor de engenharia da nave e tremia a cada pulso de hiperdrive.
Acomodadas em meio a tubos de metal que iam do chão ao teto estavam caixas de transporte cobertas por
tapetes e uma mesa amassada que alguém havia roubado de uma cantina bombardeada. Namir conferia os
inventários de suprimento pós-combate que se resumiam a um mero “sem armas suficientes”, enquanto
Gadren, Ajax, Brand e Tique jogavam cartas. Peste sentou-se ao lado dos jogadores – no lugar favorito
de Charmoso, embora Charmoso ainda estivesse na área médica –, só observando. Namir não sabia como
Peste havia encontrado o caminho até o Clube; normalmente, os recrutas levavam meses para receber um
convite, e ele certamente não a havia convidado.
– Ela domina o ouvido do capitão – murmurou Tique. – Não me parece tão sem poder assim.
Ajax ignorou Tique, olhando Gadren.
– Isso significa que você não tentaria a sorte com a nossa prisioneira se tivesse a chance?
– Eu já atirei nela uma vez – respondeu Gadren.
Brand fez uma cara feia até que todos retiraram uma carta do baralho. Peste tinha parado de observar
as cartas, e, em vez disso, ficou olhando para baixo, para suas mãos, enquanto entrelaçava e separava os
dedos, com movimentos rápidos e desajeitados.
Ajax olhou para Peste e sorriu maliciosamente.
– Talvez a novata aqui ache que ela deva ter uma chance. A prisioneira comandava o planeta dela,
afinal de contas.
Ajax havia se juntado à Crepúsculo depois que a 32ª Infantaria da Rebelião fora dizimada. Ele tinha
sido um dos cinco sobreviventes entre os quatrocentos mortos, e ainda portava orgulhosamente o
distintivo de “casca-grossa sofrido” da 32ª. Era um idiota, mas um granadeiro com melhor mira que
muitos atiradores de elite. Namir o achava tolerável em pequenas doses.
Peste continuava olhando para os dedos. Gadren falou com Ajax, mas de olho na garota.
– A novata sabe que ela não está sozinha. Todos nós temos cicatrizes, e as suportamos juntos.
Peste apertou as mãos com tanta força que a pele rosada ficou branca. Finalmente ela olhou para
Gadren e perguntou:
– Você tem cicatrizes?
Tique jogou uma carta que fez o resto da mesa contrair o rosto de decepção. Gadren continuou falando
enquanto embaralhava novamente as cartas. A voz dele era calma, serena, como se tivesse respondido
àquela pergunta milhares de outras vezes.
– O Império levou minha família – disse ele – e os vendeu como escravos para um clã hutt.
Peste xingou para dentro. Brand olhou para suas cartas, como se estivesse evitando se intrometer num
momento íntimo dos dois.
– Se eu não tivesse encontrado a Companhia do Crepúsculo – disse Gadren, dando de ombros –, eu
teria morrido há muito tempo. Dividir o sofrimento e as nossas dores nos faz bem quando nos
encontramos diante de um inimigo com tamanha escuridão. O Império é uma força sem precedentes em
qualquer época, criada para acabar com a história em si. Ninguém deveria confrontá-lo sozinho.
Ajax olhou para a panelinha, jogou uma ficha de crédito e sorriu.
– A história mais curta que já ouvi um Besalisk contar. Bom para você, Gadren.
O instinto de Namir era o de jogar seu datapad em Ajax, mas ele estava apenas na metade do
inventário. Em vez disso, gritou, sem olhar para cima:
– Primeiro: não seja insuportável. Segundo: ele é corelliano, não Besalisk. Insulte-o da forma correta.
Ajax caiu na gargalhada. Namir não compreendeu o porquê até ver Gadren sorrindo também. Até Peste
e Brand pareciam reprimir seus risos. Tique não tirou os olhos das cartas.
– Corellia é um planeta humano – disse Gadren pacientemente –, e eu morei lá por muito tempo.
Considero-o minha casa, mas minha espécie é Besalisk.
Ajax, com a mão direita, deu um tapa de leve em cima da mão esquerda de Peste.
– Está vendo o sargento ali? – disse ele para Peste, sussurrando de forma gozadora. – Ele não é tão
culto e educado quanto nós.
Namir xingou Ajax com um tom de voz tranquilo e artificial. Os outros riram e Namir tentou deixar o
momento de humilhação passar naturalmente. Ficar insistindo só iria piorar as coisas.
Os jogadores voltaram à partida. Tique venceu a rodada seguinte, para a surpresa de ninguém. Peste
parecia debater-se contra alguma coisa, olhando entre Gadren e os outros, separando os lábios de vez em
quando, como se quisesse falar. Dentre os jogadores, só Brand parecia notar, mas ela mantinha seu
silêncio de costume.
– Seis meses – finalmente disse Peste. – Em um centro de detenção do Império.
Os outros olharam para ela perplexos. Ela deu de ombros e se curvou à frente.
– Minha rusga – ela explicou.
Gadren tocou as costas de Peste bruscamente. Tique levantou a sobrancelha com curiosidade, mas não
pressionou Peste para que desse mais detalhes.
Ajax sorriu.
– Acho que é hora da historinha. – Ele tomou o baralho de Gadren e começou a distribuir as cartas. –
O vencedor da rodada escolhe quem vai em seguida.
Namir observava Ajax de perto, mas não sabia dizer se ele estava trapaceando ou não. Ele só sabia de
uma coisa: dois minutos depois, Ajax deu uma piscadela quando declarou sua vitória e apontou para
Brand.
Brand levou numa boa.
– Não vim aqui por rusga nenhuma – disse ela.
Ajax a pressionou.
– Então por que está aqui?
– Fui paga para matar o capitão – disse Brand.
Gadren balançou a cabeça. Namir sabia que tinha ouvido uma parte dessa história alguma vez. De
repente, os outros se voltaram para Brand.
– O que aconteceu? – perguntou Peste.
– Eu mudei de ideia – disse Brand. – Sua história, Ajax.
Ajax estava ansioso para contar a todos, então Namir decidiu sair de fininho enquanto os outros ainda
estavam ocupados. Ele não precisava ficar ouvindo histórias sobre Ajax, e suas amantes, e sua temporada
de caça, tudo de novo, e ele não queria estar por perto quando sua hora de falar chegasse. Ele não estava
no clima para discutir, nem no clima para ficar mentindo.
Ele subiu a escada que atravessava o estreito vão que levava à ponta de trás do deque da tripulação.
Parou no topo, fechou os olhos e encostou-se na curva sutil da parede. Ficou feliz por ver que Peste
estava encontrando seu lar na companhia. Estava feliz que a governadora Chalis fosse uma distração dos
rumores de uma iminente derrota. Mas ele precisava de distância disso tudo.
Ou precisava voltar ao combate.

Na metade do caminho aos alojamentos, Namir percebeu que Brand caminhava ao seu lado. Ele não
sabia direito há quanto tempo ela estava ali ou quando o havia alcançado. Ele não conseguia nem dizer
em que momento havia notado sua presença – ela tinha brotado em sua consciência gradualmente, assim
como as estrelas surgem no céu.
Quando Namir a olhou diretamente, Brand falou com um tom tranquilo, como se viessem conversando
há horas.
– Você acha que eles vão aguentar?
Namir lutou para compreender as palavras.
– Os novos recrutas?
Brand confirmou com a cabeça.
– Peste está se esforçando. Os outros não sabem patavinas sobre combate em equipe, mas conseguem
atirar e receber ordens. Já vimos coisa pior.
– Você lhes deu o discurso do moedor de carnes?
– Achei que não estava na hora ainda. Eles nos viram em Haidoral. Não têm qualquer ilusão de que
essa vida é glamorosa.
O canto da boca de Brand tremeu.
– Não significa que eles sabem que o Alto Comando nos manda para o inferno todas as vezes.
– Uivo nos manda para o inferno.
– Uivo nos mantém vivos.
– Isso também.
Brand torceu o nariz.
– Já pensou que talvez você seja muito duro com ele?
Namir olhou para o corredor. Havia muito sobre Uivo que ele não queria que os outros o ouvissem
dizer, particularmente os recrutas.
– Uivo é um gênio – ele disse. – Você já venceu essa discussão em Blacktar Cyst. Eu só queria que ele
não fosse louco como um viciado em brilhestim lendo presságios em meio à sua própria imundice.
Eles caminharam juntos em silêncio até avistarem a porta do alojamento de Namir.
– Você sabe que as coisas vão piorar – disse Brand – com ela a bordo.
– Peste? – perguntou Namir.
– Não seja estúpido.
Namir analisou o rosto de Brand, tentando ler sua fisionomia. Como sempre, ela o compreendia.
– Você sabe de alguma coisa? Sobre o que o capitão está planejando fazer com Chalis?
Brand virou-se e saiu andando enquanto respondia:
– Não sei de nada – disse ela. – Mas às vezes tenho palpites acertados.

O ataque veio três dias mais tarde no meio do turno da noite. O alarme da nave tirou Namir de seu
beliche com um gemido de exaustão e frustração, mas ele colocou a camiseta e as botas em menos de
trinta segundos. Seus colegas de quarto estavam lutando para se vestir também. Roja perguntou a Namir
se ele sabia o que estava acontecendo.
– Você está brincando? – foi a única resposta de Namir. Ele estava cansado demais para falar qualquer
outra coisa.
O primeiro estrondo e o eco de metal sendo rasgado deixou claro que a Trovoada havia entrado em
combate. Os corredores da nave estavam cheios de soldados da Crepúsculo correndo para seus abrigos
enquanto a tripulação se dirigia para as estações de batalha. A menos que o inimigo tivesse invadido a
nave, a infantaria não tinha nada a fazer em um confronto entre espaçonaves, e o melhor que as tropas de
solo da Crepúsculo podiam fazer era ficar longe do caminho e manter boa distância do casco. Enquanto
isso, a tripulação da ponte, os engenheiros e a artilharia – junto com a Promessa de Apailana, se a
aeronave de combate não tivesse sido destruída em um ataque surpresa – tentariam manter todos vivos.
Namir reconheceu a energia e a motivação nos membros da tripulação e os desprezava a cada passo
que davam. Eles não tinham culpa de nada, mas não havia nada pior que se sentir inútil e estúpido durante
uma batalha.
O abrigo designado a Namir foi o restaurante. Os soldados da Crepúsculo estavam pressionados uns
contra os outros quando ele chegou. A sala fedia a suor. Alguém chamou seu nome e acenou perto da
entrada – o sargento Fektrin, com uma mão cobrindo o ouvido e a outra tentando mexer em seu comlink.
Namir abriu caminho para passar. Fektrin havia terminado de falar no comlink quando ouviu-se outro
estrondo.
– Todos os abrigos estão reportando – disse ele. – A contagem está um pouco baixa, mas imaginamos
que sejam apenas retardatários.
– Anote seus nomes quando eles aparecerem, reporte todos os novatos para mim – respondeu Namir. –
Alguma ideia de quem esteja atacando?
– Alguma coisa maior que um pirata e menor que um destróier estelar.
O deque deu uma guinada e vários soldados caíram sobre seus colegas. Namir manteve o equilíbrio
enquanto Fektrin cobriu o ouvido novamente antes de gritar:
– Setor 10. Parece ter uma brecha no casco.
Namir xingou em pensamento. Tamanho dano tão rápido jamais poderia ser um bom sinal. Mas o setor
10 era de baixo risco. Nada importante lá, exceto…
Ele xingou novamente.
– E quanto à prisão? Ela está intacta?
Fektrin pareceu confuso, então contraiu o rosto ao compreender a preocupação.
– Nada dos guardas, mas isso poderia significar problemas de comunicação ou…
Namir já estava saindo do restaurante a essa altura.
Ele sabia que muito provavelmente a prisioneira estava a salvo na câmara de ar. Talvez ela já tivesse
sido realocada. Mas ele acabara de encontrar uma desculpa para fazer qualquer coisa que não fosse
esperar e aproveitou a oportunidade.
Quando se aproximou do setor 10, Namir alcançou uma porta blindada. Alguém havia selado o
corredor. Ele verificou as leituras do painel, viu que ainda havia sinais vitais além da barricada, e
decidiu se arriscar. A câmara de ar não estava a mais de 50 metros dali. Não poderia ser tão ruim assim.
Namir digitou um código e sentiu um bafo de calor batendo em seu rosto quando a porta se abriu para
cima. O corredor gemia como se houvesse uma tempestade. Chamas laranja brotavam das saídas de
ventilação e de canos rompidos, jorrando nas paredes e fazendo os painéis metálicos empenarem e
guincharem. Namir tropeçou um passo para trás, então caiu de joelhos quando a nave chacoalhou.
Ele xingou mais uma vez e desejou ter trazido seu capacete.
Puxou a camiseta para cima, cobrindo metade do rosto, e envolveu as mãos nas pontas das mangas. O
tecido era, em teoria, resistente ao fogo; em campo, ele vira roupas de combate fundindo-se à pele de
homens e mulheres antes de pegarem fogo – não exatamente reconfortante, mas provava a durabilidade do
material. Ele fez uma pausa longa o bastante para avaliar a temperatura do fogo – seria abastecido por
produtos químicos dos canos? –, mas viu que não adiantaria nada preocupar-se com isso. Ele não tinha o
conhecimento para se beneficiar da resposta, mesmo que tivesse uma.
Namir resistiu ao ímpeto de sair correndo. Ele não aguentaria tropeçar ou cair se a nave fosse atingida
outra vez. Em vez disso, começou a andar cuidadosamente, com os joelhos flexionados para se equilibrar
e manter o corpo encolhido. O calor era causticante, mas não demorou até a dor se estabilizar – a agonia
assolava sua pele, e ela não aumentava nem diminuía. Não sentiu nenhuma diferença depois de atravessar
a cortina de fogo e deixá-la para trás.
Então chegou à câmara de ar.
A porta estava selada. Na base, estirada no chão, como se tivesse se chocado contra a porta e ficado
inconsciente em virtude de um dos trancos da nave, estava a guarda do turno. Namir não conseguiu ver se
ela ainda respirava, mas as chamas não a tinham atingido. Uma olhadela através do painel de visão da
câmara de ar revelou que a governadora ainda estava lá dentro, sentada de pernas cruzadas na outra ponta
da sala.
De repente, Namir começou a rir. Ele não tinha ideia se fora autorizado a abrir a câmara de ar – se os
códigos dele abririam a porta.
Ele poderia morrer queimado por nada.
Mas pelo menos não estava esperando no restaurante junto com os outros.
Namir baixou novamente a camiseta e pressionou seu código de acesso na fechadura. Os mecanismos
da porta começaram a se mover e a gemer. “Acho que o capitão tem um pouco de fé em mim”, pensou.
O interior da câmara de ar estava mobiliado com tudo o que as lojas da Trovoada podiam oferecer,
embora isso representasse apenas um baú, uma cama dobrável, uma bandeja de comida manchada e uma
estação sanitária portátil. Muitos datapads estavam empilhados sobre a cama dobrável, e na frente das
pernas cruzadas da governadora pairava um holodroide em miniatura, projetando uma teia azul brilhante
de esferas e linhas. As mãos de Chalis cruzavam entretidas pela imagem, estendendo e girando as linhas,
remodelando a teia com a precisão de uma especialista.
Chalis estava de pé e a teia se dissipou quando a porta foi totalmente aberta.
– Vejo que escolheu não me deixar sufocar aqui dentro.
Namir se ajoelhou e verificou o corpo da guarda conforme o ar mais frio da câmara esfriava um pouco
a temperatura do corredor. Ainda viva. Reconheceu o rosto dela, mas não conseguia recordar seu nome –
uma das recrutas que a Crepúsculo havia selecionado em Thession.
Deslizou as mãos por baixo dos braços da mulher e a ergueu um pouco do chão. As queimaduras em
suas mãos ardiam e o faziam querer gritar. Em vez disso, Namir travou os dentes e deu um jeito de
perguntar:
– Você realmente achou que sufocar seria o pior problema?
Chalis sorriu e andou para frente, então parou, fazendo uma cara feia ao sentir o calor vindo do
corredor. Namir sentiu certa satisfação ao ver a governadora dando um passo para trás.
– A circulação de ar não está funcionando – disse Chalis –, então sim, essa era a minha prioridade. Até
você abrir a porta, eu estava a salvo do fogo.
Namir resmungou e arrastou a guarda para dentro da câmara de ar, enquanto Chalis observava a porta
de entrada.
– Podemos correr para tentar a sorte? – perguntou ela. Sua voz tinha decido uma oitava, todo o
escárnio havia desaparecido.
– Eu poderia, talvez. – Namir pousou a guarda no chão. Ele tentou recuperar o fôlego enquanto
ignorava a dor que parecia parecia subir pela pele como lama. – Mas eu estou usando uma roupa
apropriada. Você seria torrada viva.
Chalis fechou os olhos e baixou a cabeça. Então ela tornou a levantar a cabeça e olhou para Namir.
– Então abrimos a porta externa da câmara de ar. Criamos um vácuo. Agarramo-nos às paredes para
tentar sobreviver. E quando o oxigênio tiver sido tragado e o fogo deste setor, se extinguido, fechamos a
porta e voltamos a ficar seguros.
Namir precisou de um tempo para processar a sugestão. Então ele riu roucamente, dando alguns passos
para trás na direção da porta.
– Você formulou um plano completo.
Ele foi andando cuidadosamente pelo corredor só até onde precisava para alcançar o painel de
controle novamente, depois curvou-se para voltar para a câmara de ar.
A porta interna começou a fechar com um ruído. Chalis observou e sua voz ficou agressiva.
– O que você está fazendo?
Namir apontou para a guarda com o bico da bota enquanto a porta selava com um barulho metálico.
– Não podemos abrir este setor para o espaço. Ela não está em condições de aguentar um trauma
desses.
A fisionomia de Chalis pareceu se contorcer. Namir teve certeza de que ela iria gritar, esbravejar. Ele
se perguntou se precisaria impedi-la à força.
Em vez disso, ela simplesmente disse, com uma voz calma e resignada:
– Então você vai nos trancar aqui dentro.
– Vou nos trancar aqui dentro – concordou Namir –, e torcer pelo melhor.

Não foi fácil para Namir manter a noção do tempo dentro da câmara de ar. O oxigênio era abrasivo
contra a pele queimada. A cabeça latejava, ecoando cada batida do coração dentro do crânio. Ele tentou
contar o número de impactos que a Trovoada tomava durante a batalha, mas mesmo isso havia se tornado
difícil, já que ele não conseguia mais diferenciar uma batida nova da repercussão de uma anterior.
Chalis sentou-se à frente dele.
– Essa é a segunda vez que você vem para me resgatar, sabia? – disse ela.
– Fique agradecida – disse Namir – e cale a boca.
– Você ainda não fez por merecer qualquer um dos meus favores – retrucou Chalis na mesma medida. –
A primeira vez, você achou que eu era outra pessoa; então atirou em mim. Desta vez, não estou em
situação melhor do que antes de você aparecer. Estou até pior, diga-se de passagem, já que nós três
estamos usando o que sobrou de ar.
Ela olhou com desprezo para a guarda inconsciente que estava no chão.
Namir expirou com um assobio. O ar estava ficando mais rarefeito, e tinha cheiro de fumaça. No
entanto, ele estava preparado para confrontar Chalis se precisasse – estava preparado para ignorar sua
visão embaçada e tentar colocar a governadora em seu devido lugar, por bem ou por mal.
Quando ele elevou os ombros, ela sorriu ironicamente, como uma mulher tomada por seu próprio
humor negro. Não era uma mulher que merecia ser salva. Mas também não parecia ser uma mulher que
temia a morte.
Namir observou o peito da guarda subir e descer lentamente.
– Você pode não estar melhor. Mas ela está.
A governadora deu de ombros, como se não visse a relevância de tal afirmação.
Namir fechou os olhos e curvou-se sobre a cabeça-dura.
– Alguma ideia de quem nos atacou? Você é a especialista…
Um estrondo distante vindo da parte de baixo da nave foi seguido por um forte tremor que atravessou o
deque. Namir foi alçado cerca de um metro para cima e não conseguiu reprimir um gemido quando
aterrissou com força sobre o cóccix. Chalis não gritou, e Namir não se deu o trabalho de abrir os olhos
para ver se ela estava bem.
Ela esperou até a nave se estabilizar de novo antes de falar:
– Meu palpite é – disse ela, com uma ponta de tensão na voz – que meus antigos colegas estão vindo
atrás de mim. Não pode haver segredos imperiais caindo nas mãos de rebeldes. Não pode haver outro
Tseebo, ou um incidente como o da Estrela da Morte…
Chalis, então, continuou:
– A essa altura, o próprio Darth Vader deve estar me perseguindo. Se é a nau capitânia dele, não posso
ter certeza; se não for, podemos ser poupados para que ele possa me matar pessoalmente,
Namir riu desdenhosamente.
– Qual é o fascínio de vocês com esse Vader? – perguntou ele. – Não pode ser o capacete que
amedronta as pessoas. Os stormtroopers também têm capacetes.
Quando Chalis respondeu, a voz dela tinha um tom de curiosidade.
– A maioria dos rebeldes empalidece ao ouvir o nome dele – disse ela. – Podem tê-lo mistificado um
pouco, mas ele merece a reputação que tem. Posso lhe contar histórias de como ele massacrou crianças,
os genocídios de Dhen-Moh…
– Poupe-me – disse Namir. – Esse é o meu último desejo. Poupe-me das histórias dos terríveis triunfos
do grande Lorde Vader sobre a Rebelião.
Depois de falar, se arrependeu de ter acrescentado tanto desdém à palavra Rebelião. Ele abriu os
olhos com dificuldade, o bastante para confirmar que a guarda ainda estava inconsciente. Chalis o
observava de perto.
– Você não se considera um deles, não é? – perguntou ela.
Namir fechou os olhos de novo e fez um gesto obsceno na direção de Chalis. Ele o tinha aprendido há
muito tempo, com alguns já falecidos técnicos de comunicação da Crepúsculo, e não sabia direito se o
gesto era reconhecido por muita gente. Pela risada de Chalis, no entanto, ela parecia ter entendido.
Nenhum dos dois falou por um tempo, e, num determinado momento, Namir percebeu que o tremor
havia cessado no deque. A batalha, aparentemente, tinha acabado. Melhor ainda, a dor das queimaduras
de Namir havia se resumido a um latejar constante, mas sutil. Isso provavelmente significava que tinha
entrado em choque, mas ele não estava em condição nenhuma de se preocupar.
Namir sabia que o seu nível de consciência estava oscilando, e parou de lutar contra os apagões
quando ouviu o assobio das entradas de ar voltando a funcionar. Seu último pensamento foi a respeito da
guarda, a nova recruta de Thession.
“Seu nome era Maediyu. Ela nunca me ouvia durante o treinamento.”
Namir desejou que ela sobrevivesse.

Desde que entrara para a Companhia do Crepúsculo, Namir havia passado mais que alguns dias na
enfermaria da Trovoada. Tinha quebrado ossos, tomado tiros de raios e visto estilhaços alojados em sua
carne. De acordo com sua experiência, os médicos da Crepúsculo ofereciam dois tipos de recuperação:
O primeiro envolvia um bendito estado de esquecimento e a submersão em um tanque de bacta líquida.
O tanque era um refúgio contra a dor e a necessidade, um lar acolhedor pelas horas ou dias que os
médicos achassem necessário – ou, em circunstâncias menos ideais, até que os suprimentos de bacta
estivessem escassos. O paciente flutuava em pura e viscosa saúde, emergindo gradualmente da
inconsciência até que suas funções cognitivas fossem restauradas. As dores que vinham nos dias
seguintes pioravam com a perda dos prazeres da bacta, mas passavam sem demora.
O segundo tipo de recuperação consistia em deitar-se em uma maca dura que fedia a produto de
limpeza e ficar tremendo sob o ar gélido enquanto se entrava e saía do estado de sono. Durante momentos
de quase lucidez, o paciente era afligido por visões da equipe médica encharcada de sangue fazendo suas
rondas, alternadas com injeções doloridas e com bálsamos sedativos. Durante o sono, o paciente sofria
de sonhos sem narrativa ou lógica, ocasionados pela febre – infinitas sequências de imagens, de rostos
estranhos e familiares, associados a inexplicáveis sentimentos de terror e alienação. Era como se ele
estivesse sozinho em um mundo onde cada objeto familiar escondesse horrores.
A recuperação de Namir, de suas queimaduras, ocorreu da segunda forma. Horas depois de ele ter sido
levado às pressas para a ala médica, durante um sofrido momento de lucidez, ele percebeu que Maediyu
tinha sido colocada em um tanque com bacta. “Garota de sorte”, ele pensou.
Ele estava novamente de pé dois dias depois, com os braços ainda frágeis e cheios de cicatrizes, mas o
corpo, no geral, recuperado. Von Geiz alertou-o a não voltar ao trabalho em tempo integral nos próximos
dias – uma sugestão que Namir estava muito propenso a acatar, dado que a próxima missão de combate
da Crepúsculo nem estava no horizonte.
O ataque à Trovoada, aparentemente, tinha sido um golpe do acaso – um encontro fortuito com um
esquadrão imperial de reconhecimento – que resultou na morte de três membros da tripulação a bordo da
Promessa de Apailana, meia dúzia de feridos a bordo da Trovoada e pequenos danos no sistema de
ambas as naves. Não havia qualquer evidência de que os imperiais estivessem vindo atrás da
governadora Chalis, que tinha sido encontrada ilesa na câmara de ar com Namir e Maediyu. A mulher
levava uma vida fascinante.
Um dia após ser liberado da enfermaria, depois de ler os últimos relatórios e juntado coragem, Namir
pediu uma reunião com Uivo. Ele o encontrou no escritório fora do centro de operações, caminhando
entre monitores elevados e uma holomesa que projetava imagens topográficas de um planeta cheio de
vias fluviais e florestas. Uivo estava falando suavemente consigo mesmo, com uma mão batendo no ar,
como se estivesse marcando o ritmo das palavras.
O capitão Micha Evon era um homem alto, com pele marrom escura e cabelos grisalhos que pareciam
emaranhar-se com a barba grossa. Namir sabia pouco de seu passado e tinha dificuldade de imaginá-lo
existindo antes da Crepúsculo; ele havia fundado a companhia (isso era o que Namir tinha ouvido) e
parecia que jamais a deixaria. Ele raramente saía de sua toca, passando desapercebido pelos oficiais por
dias enquanto seus subalternos transmitiam as ordens.
Namir acreditava com absoluta certeza que Micha “Uivo Furioso” Evon era a mente mais brilhante que
já tinha lutado a seu lado. Ele também acreditava que Uivo era responsável pelas mortes de dezenas de
seus amigos – mortes que poderiam ter sido evitadas – e que o capitão sacrificaria Namir em um piscar
de olhos para alcançar uma vitória exótica qualquer para a Aliança Rebelde.
Uivo estava rindo de alguma coisa enquanto Namir ficava de pé no batente da porta, esperando ser
reconhecido. Quando o capitão finalmente acenou para que ele se aproximasse, olhou Namir dos pés à
cabeça com uma intensidade quase feroz.
– Sargento – disse ele. – O que você sabe sobre o monte Arakeirkos?
– Não tenho muita familiaridade com o tema – disse Namir, enquanto Uivo gesticulava de forma
displicente para uma cadeira. Namir caminhou até ela, mas não se sentou.
– Nem eu – disse Uivo. – Mas lá no alto, há um grande relógio esculpido na pedra, construído pelos
monges Arakein há quase 2 mil anos-padrão. De acordo com a lenda, quem observar cada oscilação do
pêndulo por um dia inteiro terá, diante dos olhos, revelada toda a existência do universo. – Ele havia
voltado a caminhar enquanto falava, pontuando suas palavras com pequenos gestos e, finalmente, olhando
para trás, para Namir.
Namir balançou a cabeça.
– Vou acreditar nas suas palavras. Ordens religiosas não são meu negócio.
Conversas particulares com Uivo eram como a exumação de um cadáver. Você tinha que cavar e cavar
antes de encontrar o que estava procurando, e ainda assim não seria muito bonito. Mas Namir aprendera
que não tinha como apressar o capitão quando ele tinha seu próprio tópico na cabeça.
– O tempo não é apenas um assunto para filósofos – disse Uivo, como se corrigisse o erro de uma
criança. – Moramos numa nave movida a energias que separam causa e efeito, começo e fim… o
hiperespaço é um mistério mais profundo que deuses e demônios.
Uivo sentou-se numa cadeira na frente de Namir, espalmou as mãos e curvou a cabeça.
– Ainda assim, nós o usamos para fazer guerra – disse ele –, e aqui estamos. Diga-me o que está na sua
mente.
– A governadora Chalis – disse Namir. – Fomos atacados por causa dela?
O resto da efervescência de Uivo esvaneceu, como se incinerada por uma rajada de fogo.
– Não sabemos. Chalis certamente acha que sim, mas ela não é uma fonte muito confiável.
– Quanto mais ela nos convence que os imperiais a valorizam, mais ajuda ela exige de nós. Eu entendo
isso – disse Namir. – Mas você conversou com ela. Você acha que o que ela diz é verdade?
– Talvez.
– Porque se for… – Namir insistiu. Ele tinha certeza de que estava cruzando os limites; ele era
primeiro sargento, não o estrategista do capitão ou o segundo em comando. Estava na Crepúsculo para
executar ordens, não questioná-las. – … a Crepúsculo tem um alvo nas costas. Coisa muito pior poderia
vir por aí.
– Vader – disse Uivo. – Chalis também disse isso para mim.
Namir mostrou desinteresse.
– Vader ou um fazendeirinho sujo qualquer, não importa quem vier se estiver acompanhado de uma
armada. A melhor coisa para nós é nos livrarmos dela.
Uivo balançou a cabeça e marcou com os dedos um ritmo lento e longo na holomesa.
– Não posso – disse. – Nós a encontramos e ela é nossa responsabilidade.
– Entregue-a para outra companhia. Alguém na Rebelião deve estar equipado para isso.
– Equipado para quê? – perguntou Uivo, sem qualquer traço de impaciência. – Nem sabemos o que
temos, e ainda estamos a 10 mil anos-luz dentro do território imperial, lutando para chegar a algum lugar
seguro. Ninguém nas redondezas pode tomar conta dela ou protegê-la melhor do que nós, e não estou
preparado para realizar ações mais dramáticas.
Namir observou o capitão. Ele não duvidava que Uivo era capaz de mentir para ele; bons comandantes
frequentemente mentiam para suas tropas. Ainda assim, seus argumentos eram imbuídos de verdade.
Eles simplesmente não eram completos.
– Você acha que é uma armadilha – disse Namir. Era um palpite. – Ela é uma agente dupla ou está
sendo manipulada.
– É uma possibilidade – disse Uivo.
– Você acha que tem uma maneira de descobrir – disse Namir.
Uivo sorriu, mas não respondeu. Ele ficou de pé e deu alguns passos à frente, olhou para a porta do
escritório, então levantou uma mão como se pedisse silêncio.
– A Aliança Rebelde – disse ele – está desmoronando. As coisas andam tão ruins quanto eram antes
de... bem, antes de você vir a bordo. E se o Império vencer, ele vencerá completamente. Precisamos de
uma vantagem, e podemos ter achado uma. Vou testar essa vantagem. Se funcionar, vou aproveitá-la. Já
estamos dando os primeiros passos. Chalis prometeu montar um esquema: um mapa holográfico da rede
logística inteira do Império, mostrando seus pontos fortes e vulnerabilidades. Se ela conseguir fazer algo
do tipo, mudará o curso da guerra. Mas precisamos ver se podemos confiar nela primeiro.
Namir concordou lentamente com a cabeça.
– Então, qual é a nossa próxima missão? – perguntou ele. O que ela disse a você quando a conheceu?
Uivo não respondeu. Ele apenas abriu a porta do escritório para o corredor e sorriu novamente,
infelizmente, para Namir.
A reunião deles havia chegado ao fim.
C A P Í T U L O 5

SIST EMA CARIDA

DIA 91 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA

O capitão Tabor Seitaron sentiu certa angústia ao sair de sua nave auxiliar e entrar no hangar do
destróier estelar imperial Arauto. Suas botas pareciam grudar no chão polido e ele sentia como se seu
intestino estivesse sendo esmagado debaixo de uma pedra. Não lembrava qual tinha sido a última vez que
sentira o peso da gravidade artificial – talvez quatro anos atrás, durante o voo teste da Confissão
Arrependida? –, mas ele sabia que no passado ele não o incomodara tanto.
Ele se sentia velho. Deveria estar em Carida, ensinando história militar aos cadetes que dominavam a
arte de parecer atentos em sala de aula. Em vez disso, havia passado a manhã sendo transportado da
Academia ao espaçoporto e ao hangar, sem a mínima ideia do porquê.
– Capitão Seitaron, senhor! Bem-vindo a bordo.
Tabor olhou para o alferes que estava rigidamente de pé prestando continência. Sua postura era
adequada, o uniforme precisamente passado, embora seus olhos estivessem injetados e fundos. O garoto
– o homem, Tabor imaginou, apesar de todos os oficiais de menor graduação sempre parecerem garotos
nos dias de hoje – estava acompanhado por dois stormtroopers cujos braços estavam esticados para
baixo pelas laterais. “Pelo menos eles estão seguindo o protocolo”, pensou Tabor.
– À vontade – disse ele. O trio relaxou os ombros só um pouco.
– Estamos felizes que pôde vir – disse o alferes, começando a guiá-lo para fora do hangar,
rapidamente no início, e então diminuindo o passo abruptamente para acomodar Tabor. – Se tiver alguma
coisa guardada na nave…
– Nada – disse Tabor. – Disseram-me que o prelado queria me ver?
– Ele estará pronto para vê-lo em breve – assegurou o alferes. – Por aqui, por favor.
Os stormtroopers vinham atrás de Tabor e do alferes conforme desbravavam as profundezas da nave.
Tabor havia servido a bordo de destróieres estelares mesmo antes de receberem tal nome, durante os dias
mais sombrios da República, quando estaleiros acostumados a construir naves mercantes e adornados
iates se viram forçados a aprender as artes da guerra. Ele havia visto as naves evoluírem de trambolhos
monstruosos – mal capazes de funcionar – até se tornarem poderosas armas da Frota Imperial, cada uma
capaz de transportar milhares de soldados e devastar continentes e plataformas orbitais. A Arauto era um
dos modelos mais atuais, posterior à época em que Tabor esteve na ativa. Embora ele conhecesse suas
especificações, não reconhecia o zunido agudo de seu motor ou os droides que corriam de um terminal de
dados a outro.
Também não reconhecia o caminho que o alferes seguia pelos corredores e salas de operações.
Enquanto caminhavam, o alferes mantinha-se educado, mas não parava de tagarelar, destacando as
características da nave – seu complemento de walkers, o novo sistema de mira dos turbolasers – e
fazendo questão de informar onde ficava o restaurante dos oficiais, os alojamentos da tripulação e a
ponte. Ele relatava desde as melhorias da nave até os triunfos da própria carreira de Tabor – “tenho
certeza de que mais 10% de eficiência teriam sido úteis na Batalha de Foerost!” –, e Tabor o entretinha
acenando com a cabeça afirmativamente e fazendo perguntas das mais óbvias. Mas sua mente não parava
de pensar: “Ele está fazendo o maldito tour completo. Quanto tempo ele acha que vou ficar?”.
– Quando você foi designado para cá? – indagou Tabor, mal conseguindo se ouvir, enquanto
caminhavam pelas estações de serviço.
– Quatro meses atrás, junto com a maioria da tripulação.
Quatro meses? Isso surpreendeu Tabor. O alferes não era o único homem que parecia exausto. Oficiais
ficavam tensos quando viam Tabor passando por eles, e começavam a digitar freneticamente em seus
consoles. Ele via outros baixarem os ombros assim que achavam que ele tinha desviado o olhar. Notou
uma mistura de diligência, fadiga e terror reprimido, o que era típico de homens que haviam passado
anos atrás das linhas inimigas.
Ele poderia ter feito um inquérito minucioso sobre a nave, indagando a respeito das missões recentes e
do histórico dos oficiais a bordo. E talvez realmente o fizesse, mas preferia fazê-lo de sua casa. Estava
irritado por ver o moral em tal estado. Mas a Arauto não era sua nave nem sua responsabilidade.
O tour felizmente foi interrompido quando o alferes o deixou sozinho no centro de conferência,
assegurando-lhe que o prelado o atenderia em breve. Tabor aproveitou a oportunidade para secar a
sobrancelha e ingerir um tablete que os médicos lhe haviam prescrito para acalmar o sistema digestivo.
Ele olhou as horas em um console próximo; na Academia, logo seria hora de almoçar.
Passou-se quase uma hora até o prelado Verge finalmente chegar.
Se o alferes era um garoto, o prelado era praticamente uma criança – mal tinha completado vinte anos
de idade, chutando muito alto, com olhos brilhantes cor de safira e cabelos negros lisos. Ele usava roupas
com tecido cinza-escuro, melhorado por um casaco no estilo dos nobres de Serenno e um único broche
adornado. Tabor teve a impressão de que o prelado se sentiria à vontade no Senado da República: era
espalhafatoso, elegante e alienígena, tudo ao mesmo tempo. Mesmo assim, a bordo daquele destróier
estelar refinado por encomenda, o prelado era o caos personificado – não restringido por regulamentos,
era uma pessoa singular no meio de uma uniformidade diligentemente reforçada.
Tabor tinha ouvido falar do prelado antes de ser convocado para a Arauto, ainda que apenas
vagamente: o membro mais jovem do Conselho Executivo Imperial, uma estrela em ascensão entre
ministros e conselheiros que fofocava e fazia política em Coruscant. O imperador Palpatine em pessoa
tinha, supostamente, outorgado o título a Verge, embora o que, de fato, significava prelado, Tabor não
pudesse nem imaginar.
O prelado Verge caminhou até a sala de conferências com um sorriso largo, estendendo a mão para
tocar o ombro de Tabor com forte entusiasmo.
– Capitão – disse ele. – Bem-vindo à minha nave.
“Sua nave?”, pensou Tabor. “Você nunca passou um dia sequer na Força Naval Imperial.” Mas ele
acenou com a cabeça de forma educada e disse:
– Obrigado, prelado. É uma nave e tanto.
Verge soltou a mão e Tabor continuou antes que o prelado pudesse responder:
– No entanto, não sei exatamente por que fui trazido para cá.
Os cantos da boca do prelado tremelicaram. Em seguida, seu sorriso se desfez e ele se afastou.
– É claro – disse ele. – Foi uma longa jornada, e você deve estar ansioso para começar.
Tabor ficou se perguntando o que, exatamente, precisava ser começado, mas desta vez ele se conteve
em instigar Verge.
– Uma tarefa me foi conferida – disse Verge – por nosso benevolente imperador: capturar Everi
Chalis, antiga emissária do Conselho Executivo Imperial e Grande Arquiteta honorária da Nova Ordem,
que agora desertou para a Aliança Rebelde. Acredito que você conheça a traidora, e preciso de alguém
ao meu lado que entenda como ela pensa. – Ele abriu outro sorriso antes de acrescentar: – Ao menos na
medida em que qualquer imperial de verdade poderia compreender o pensamento de um traidor.
Tabor tentou não demonstrar confusão. Ele considerava Chalis uma pessoa capaz e, à sua maneira, uma
sucessora à altura da genialidade do conde Vidian, embora fosse melhor em se autopromover e em
enganar seus inimigos do que qualquer outra coisa que valesse a pena dar atenção. Se alguém perguntasse
a Tabor se Chalis seria capaz de trair o imperador, ele teria negado a possibilidade até a morte; uma
mulher como aquela não tinha nem a coragem, nem a vontade de virar-se contra seus mestres.
– Com todo o respeito – disse Tabor –, você estima demais meu conhecimento a respeito dessa mulher.
Não nos falamos há anos. – Ele quebrou a cabeça, tentando se lembrar das inúmeras reuniões e recepções
em Coruscant; lembrar quem havia trabalhado com Chalis, e dentre eles, quem ainda não tinha se
aposentado ou morrido. – Talvez Tiaan Jerjerrod ou Kenth Leesha possam ser mais úteis – tentou ele.
Novamente, a boca do prelado tremeu.
– Eu escolho você – disse ele –, assim como o imperador escolheu a mim. Chalis é perigosa, e agora
não é hora para humildade.
Dedos infantis se fecharam num punho e reabriram. A voz de Verge tornou-se um sussurro e Tabor teve
de se esforçar para entendê-lo.
– Você já foi um grande homem; serviu a nosso imperador e nossa era com distinção. Agora você
definha na Academia, mas estou oferecendo-lhe a chance de servir de verdade mais uma vez.
Após essas palavras, ele levantou a voz novamente. Seu tom era frio e sem vida.
– Recusar esse privilégio seria tão incompreensível quanto as próprias atitudes de Chalis.
Tabor encarou o prelado enquanto processava o nó de palavras.
Ele estava morando em seu mundo natal há tanto tempo que já havia esquecido a linguagem da corte:
como homens educados acusavam uns aos outros de traição.
Rebeldia subiu-lhe à garganta. Porém a baniu como fazia com seus incômodos no estômago.
– Peço desculpas – disse ele. – Não tive a intenção de ofender o imperador. Seria um orgulho servir ao
seu lado.
Rumores há muito esquecidos ressurgiram na mente de Tabor. Recordou algumas histórias sobre o
filho de um dos vizires do imperador Palpatine que fora treinado para o Conselho Executivo, e era
dedicado a servir ao imperador acima de tudo. Essa mesma criança, que abraçara a doutrina de Palpatine
com um fervor zeloso, buscava se mostrar como a personificação da nova ordem do Imperador.
As pessoas faziam imitações de Verge para Tabor. Elas o chamavam de demente e pomposo. Diziam
que ele havia construído uma mansão em Naboo, o planeta natal do imperador, e colocado nela um altar
em homenagem a Palpatine. Diziam que Verge, certa vez, tentara se mutilar para marcar seu rosto como
os Jedi haviam marcado o rosto do imperador. Talvez esses rumores estivessem certos.
No mínimo, o prelado Verge era um verdadeiro crente.
Verge acenou com firmeza e orgulho.
– Ótimo – ele disse. – Você e eu realizaremos grandes feitos. Tenho certeza disso.
Tabor deu um sorriso que mais pareceu uma careta, e imaginou quando veria seu lar, em Carida, outra
vez.
C A P Í T U L O 6

P LANETA COYERT I

DIA 97 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA

Rastros verdes, marrons e amarelos passavam voando pelas portas de segurança abertas da nave de
desembarque de Namir. O rugido do vento e a fúria do motor se combinavam em um uivo inexorável que
sobrepujava qualquer outro som – quando Namir fixava seu olhar à frente, parecia que estava sozinho
dentro de um furacão.
Uma mão tocou-lhe o ombro. Ele virou e viu Brand mostrando dois dedos. Atrás de Brand, estava
Gadren, enquanto Peste se agarrava a um dos corrimãos, cambaleando com o chacoalhar da nave. Nos
recantos da área de segurança, mais dois esquadrões de soldados da Crepúsculo estavam aglomerados
juntos em bancos estreitos, verificando suas armas de raios e armaduras.
Dois minutos para o desembarque.
Namir acenou para Brand e se virou para a porta. Os feixes coloridos desaceleravam junto com a nave
de desembarque, convertendo-se em massas de árvores com folhas largas, manchadas e em processo de
queda devido a alguma doença. Um forte aroma vegetal preenchia o ar úmido, juntamente com um odor
acre que Namir não conseguiu identificar. Não era o planeta mais fedido em que Namir já pisara, mas ele
imaginou que logo ficaria enjoado de lá.
Ele arrochou a cinta de seu fuzil e ajustou o capacete. A massa verde da floresta agora se tornava
árvores individuais conforme a nave de desembarque fazia movimento de pouso. Faltava um minuto.
Uma voz fraca e distante ressoou quando Brand gritou em seu ouvido:
– Caça TIE se aproximando. Faça isso rápido. – Namir acenou com a cabeça novamente.
A nave desceu mais até que os galhos das árvores e folhas úmidas começaram a estapear o lado de
baixo. Um galho entrou voando pelas portas de segurança antes de ser quebrado e cair de novo. Então a
folhagem clareou e Namir pôde ver o pântano alcatroado que servia de superfície ao planeta Coyerti.
Com um sorriso firme, ele pulou.
A queda era de menos de 5 metros – pequena o bastante para sobreviver ou alta o bastante para matar,
dependendo de como a pessoa pousasse. Namir pôde sentir o calor dos motores da nave de desembarque
enquanto caía, mas a temperatura dissipou-se um segundo depois, quando seus pés tocaram o chão. Ele
dobrou os joelhos conforme o solo escuro era comprimido e suas botas afundavam, então caiu para a
frente e tentou rolar. Em mais um movimento, ele estava de pé novamente, imundo e dolorido, mas ileso.
Namir mapeou a clareira. Brand já estava de pé também, tão coberta de lama quanto Namir. Gadren se
levantava com um gemido a poucos metros dali. Peste estava caída de costas, e uma onda de preocupação
tomou conta de Namir antes de ela levantar ofegante e com um riso forçado.
– Não fique tão satisfeita consigo mesma – gritou Namir. – Se experimentar um pouso assistido por
foguete, vai acabar quebrando o tornozelo.
– Isso se – acrescentou Gadren – mantivermos você na nossa equipe depois de Charmoso se recuperar.
“Isso se estiver viva”, pensou Namir, embora tenha se contido antes de dizer isso em voz alta. Melhor
não desmoralizar a novata.
Ao longe, na direção de onde a nave de desembarque tinha vindo, Namir achou ter ouvido o som de
tiros de laser. Ele se contraiu por dentro; se a nave de desembarque fosse abatida, levaria com ela os
esquadrões ainda a bordo. Mas não havia nada que ele pudesse fazer agora.
Pegou um datapad e verificou as coordenadas antes de acenar para juntar o esquadrão.
– Vamos. Estamos a 5 quilômetros de nosso alvo. Nessa floresta, será uma longa caminhada.
De acordo com o relatório de Uivo, Coyerti era um dos postos avançados de pesquisa militar do
Império – um planeta tão rico em vida vegetal e animal que era perfeito para testar e desenvolver armas
biológicas. Regularmente, o Império despejava de quase tudo em Coyerti, desde neurotoxinas a
desfolhantes. Os venenos mais virulentos eram fabricados ali e distribuídos para toda a galáxia, enquanto
Coyerti em si permanecia um pântano pútrido cheio de árvores quase mortas e restos de compostagem.
Mesmo assim, o Império havia encontrado alguma oposição. Os nativos de Coyerti eram uma espécie
inteligente que resistira à ocupação e se provara bem difícil de exterminar. A mesma biodiversidade que
tornava o planeta útil como laboratório também protegia as pessoas de Coyerti contra as pragas feitas sob
medida pelo Império. Eram capazes de desenvolver antídotos para os venenos a que não eram
naturalmente imunes. Cada atentado contra suas vidas apenas deixava os Coyerti mais furiosos. Se eles
fossem mais populosos ou tecnologicamente avançados, poderiam ter retomado seu mundo; porém, como
não eram, haviam passado toda a década anterior forçando o Império a despender recursos em uma
pequena mas infinita guerra na fronteira com a Orla Média.
Sem qualquer negociação formal, os Coyerti tornaram-se aliados efetivos da Aliança Rebelde.
Só que agora os Coyerti estavam realmente à beira da aniquilação. Três semanas antes, o Alto
Comando havia recebido uma mensagem truncada afirmando que havia começado a estação reprodutiva
dos Coyerti – um tempo durante o qual, graças à sua biologia peculiar, eles estariam completamente
indefesos por uma fase inteira da lua do planeta. Então, por ordem da Aliança Rebelde, a Companhia do
Crepúsculo estava lá para combater forças inimigas e proteger a população de Coyerti até que ela
pudesse, mais uma vez, se proteger sozinha.
A missão havia provocado burburinho entre os soldados da Crepúsculo. Namir mesmo tinha feito
alguns comentários de mau gosto. Mas, ao proteger Coyerti, a Companhia do Crepúsculo estaria
fortalecendo as fronteiras invisíveis entre as forças do Império na Orla Média e os confins mais distantes
da galáxia, que estavam fora do alcance do imperador. Se a Crepúsculo conseguisse concentrar a batalha
em Coyerti, forçando o Império a continuar gastando seus recursos lá, estaria oferecendo cobertura para
as forças da Rebelião baterem em retirada. Era, se tudo desse certo, a última ação de retaguarda da
Retirada da Orla Média.
Essa era a mensagem oficial. Mas a verdade era mais complicada, e Namir suspeitava saber apenas
parte dela. Mas sua função não era vencer a guerra da Rebelião ou entender os Coyerti. Seu trabalho era
manter a Crepúsculo intacta até sua última operação.
Isso já era desafiador o suficiente.

Gadren quase morreu no primeiro minuto da primeira batalha. Ele teria morrido, deveria ter morrido,
se não fosse por um golpe de sorte. Ele partiu para cima do acampamento imperial, segurando seu canhão
de raios e atirando livremente enquanto empurrava stormtroopers para os lados com seus outros dois
braços livres. Ele nem sequer deu atenção à granada que pousou aos seus pés até já ser tarde demais para
se proteger.
Inexplicavelmente, a granada não detonou. Não se sabe se por obra de uma falha do fabricante, pelos
efeitos corrosivos da atmosfera de Coyerti ou por incompetência do granadeiro, o fato é que a vida de
Gadren foi salva independentemente de seus esforços.
Após esse incidente, o ataque correu de forma mais tranquila.
O esquadrão de Namir havia coordenado seu plano de ataque com a equipe do sargento Zab antes do
desembarque. O alvo era um conjunto de tendas e sensores de perímetro mantidos por alguns soldados
em condições precárias. Era um posto de patrulha recém-criado para apoiar o mais recente ataque do
Império à população de Coyerti. Estavam totalmente despreparados para um ataque efetuado por forças
rebeldes alimentadas, descansadas e fortemente armadas. Os dois esquadrões fizeram abordagens de
direções opostas e não se esforçaram nem um pouco para serem sutis. Surpresa, e não furtividade, foi a
palavra de ordem do dia.
Namir se aproximou de Peste, entrincheirando-se ao lado dela atrás de uma árvore caída enquanto
disparavam fogo de cobertura. A garota estava suando, e gastava metade do tempo mirando
diligentemente, mas inutilmente, e a outra metade dando tiros de raios aleatórios. Namir duvidava que ela
fosse acertar alguém; não tinha problema para ele, contanto que ela obedecesse às suas ordens.
Brand anunciou sua intenção de emboscar quaisquer imperiais que usassem speeder bikes para fugir ou
flanquear o ataque. Namir não a via desde que ela entrara na floresta, e ele considerava isso um bom
sinal.
Gadren e dois homens de Zab invadiram o centro do acampamento, certificando-se de que os imperiais
não conseguissem se unir para organizar uma defesa. O trabalho deles era o mais arriscado, e Namir teria
se juntado a eles se Charmoso estivesse presente para acompanhar Peste. Em vez disso, observava o
campo de batalha e tentava atrair a atenção dos stormtroopers para ele em vez dos soldados indo atrás de
suas cabeças.
O tiroteio acabou em dez minutos. Quando cada membro do esquadrão sinalizou que estava tudo limpo,
as equipes convergiram cuidadosamente para o acampamento e começaram a juntar o pouco equipamento
que estava presente para detoná-lo.
O aroma acre no ar era quase doloroso. Peste perguntou a Namir sobre o cheiro, mas ele encolheu os
ombros.
– Tiros de raios arrebentam a atmosfera – disse ele. – Toda vez que você atira, alguma coisa é
vaporizada. Cada planeta fede de um jeito diferente.
Peste acenou a cabeça com um movimento desengonçado e curto. Ela estava suando ainda mais do que
enquanto lutava.
Depois de mais cinco minutos, ambos os esquadrões marchavam de volta à floresta. Zab quis roubar as
speeder bikes, mas Namir o convenceu do contrário – elas deveriam estar sendo monitoradas localmente,
e ninguém em nenhuma das equipes tinha o conhecimento para remover os rastreadores rápido o bastante.
Velocidade era imperativa – haveria bombardeiros TIE sobre o acampamento em instantes, prontos para
aniquilar quaisquer forças rebeldes.
Foi assim que a guerra em Coyerti começou.

No segundo dia da campanha de Coyerti, Namir e seus companheiros de esquadrão passaram a manhã
em um pântano com água até a cintura. Com camuflagem improvisada pintada nas cabeças e ombros, eles
esperaram que um comboio imperial passasse. Namir precisou pedir que Peste baixasse o fuzil depois
que ela começou a apontar a arma na direção de qualquer barulho; ela vinha tendo tiques desde o
combate do primeiro dia, e o tédio não ajudava a melhorar as coisas.
Depois de cinco horas, chegou uma mensagem do tenente Sairgon anunciando que o comboio tinha
mudado de curso ao amanhecer. Namir soltou xingamentos ruidosos o bastante para afugentar os lagartos
da lama. Ele sentia frio e suas coxas estavam com câimbra, e ele duvidava que algum dia iria conseguir
limpar toda aquela sujeira – mas na verdade, ele não se importava com a mudança de planos. O tédio
tinha acabado e o esquadrão poderia seguir em frente.
Naquela tarde, Brand e Namir reabasteceram seus cantis em um córrego de águas turvas enquanto
Gadren e Peste mantinham a vigília. Comprimidos de esterilização tornariam a água segura para
consumo, mas só depois de os cantis filtrarem os resíduos sólidos. Namir observou o recipiente em sua
mão, esperando que ele fizesse um clique para avisar que estava pronto.
– Isso lembra você de alguma coisa? – perguntou Brand.
– Kor-Lahvan – respondeu Namir. – Eu me lembro.
– Achei que você fosse matar a nós todos.
– Eu me lembro disso também.
Brand levou a mão à altura dos olhos, observando um inseto de quatro asas rastejar no dorso de seus
dedos.
– Você era um mimado naquela época – disse ela. – Um garoto vindo de um meio-do-nada galáctico
que achava que lutava há mais tempo que todos nós juntos.
Namir conteve um sorriso.
– E eu lutava mesmo.
Brand deu de ombros.
– Claro. Mas quem iria acreditar?
O cantil fez um clique suave. Namir riu, sacudiu a lama do filtro e conectou o recipiente no cinto.
No fim da tarde, luzes verdes e alaranjadas iluminaram o horizonte ao norte. Uma dúzia de esquadrões
da Crepúsculo estava atacando um forte imperial, Namir sabia – era parte do plano desde o início, o
primeiro combate em larga-escala da campanha. A 30 quilômetros de distância, tudo o que Namir podia
fazer era checar sinais e observar as cores preencherem as copas das árvores das florestas.
Quando a tarde virou noite, as cores ficaram mais intensas e pontos negros salpicavam o céu – Namir
não conseguia distinguir se eram cinzas ou caças TIE. Ocasionalmente, um eco igual a um trovão distante
ecoava por entre as árvores.
Gadren mantinha Peste ocupada, primeiro guiando-a passo a passo para verificar seu equipamento e
tirar a umidade do fuzil. Mais tarde, eles dispuseram uma dúzia de diferentes pacotes de ração,
organizando-os pelo sabor (conforme as etiquetas) e pelo sabor de verdade (conforme a experiência
deles). Quando entregaram a Namir uma barra de nutrientes compacta que tinha gosto de mucilagem
quimicamente infundida, ele não reclamou e comeu em silêncio.
Namir continuou observando, mesmo depois de os brilhos mais coloridos terem desaparecido e sido
substituídos por uma garoa laranja. Depois que Peste e Gadren subiram os zíperes de seus sacos de
dormir, e o zunido dos insetos noturnos começou, Brand foi até ele antes de iniciar sua ronda.
– Amanhã? – perguntou ela.
– Talvez – disse Namir. – Talvez outro dia.
Brand inclinou a cabeça como se ouvisse algo ao longe. No entanto, sua expressão era inabalável.
– Você acha que eles conseguiram? – perguntou Namir.
– O forte está arrasado – disse Brand. Ela parecia ter certeza. – Porém, não sei quais foram os custos.
Carver é bom, mas você sabe como ele fica.
Namir acenou com a cabeça. Brand começou a virar as costas, mas antes Namir perguntou
abruptamente:
– Você não queria mesmo estar lá com eles?
Brand balançou a cabeça.
– Estou aqui por um motivo – disse ela. – Isso já basta para mim.
Namir virou-se novamente para o fogo ao norte.
– Vá dormir – disse Brand.

Na terceira manhã da campanha de Coyerti, Namir checou o uplink de satélite portátil em busca de
atualizações codificadas do front. Ele recebeu apenas um conjunto de coordenadas e uma mensagem de
quatro palavras decodificada, na qual se lia: TE-TT BUSQUEM E DESTRUAM.
Gadren fez um inventário do arsenal do esquadrão enquanto Peste e Namir desfaziam o acampamento e
Brand mantinha-se de tocaia.
– Três granadas – Gadren falou a Namir, pouco tempo depois. – Juntas, elas devem abater um walker.
– Não dá para errar – disse Namir.
Gadren acenou, sombrio, e disse:
– Concordo. Então usaremos os detonadores. Um deve ser suficiente, e ainda teríamos o bastante
para…
– Não – disse Namir. – Os detonadores têm outro propósito. Vamos dar um jeito.
O alvo deles havia deixado um rastro de galhos quebrados e árvores queimadas, e pouco antes do
meio-dia, eles o alcançaram: um Transporte de Exploração para Todo Terreno de duas pernas e com uma
cabeça em forma de caixa que marchava pela floresta, apontando os canhões de raios montados a
qualquer obstáculo que surgisse em seu caminho.
O primeiro confronto do esquadrão foi um desastre. Gadren jogou com muita força sua granada contra
a carcaça do veículo, fazendo-a voar longe. Peste quase foi esmagada por uma árvore cujo tronco inferior
foi reduzido a cinzas pelos canhões do walker. Brand tentou escalar até a cabine de pilotagem do walker
e distendeu o tornozelo ao cair.
A parte da tarde se tornou uma série de confrontos do tipo “bater e correr”. O esquadrão evitava que
os pilotos das máquinas abandonassem a missão deles, forçando-os a caçar. Gadren chamuscou as
laterais de metal do walker com diversos tiros certeiros. Peste conseguiu arremessar uma granada perto o
bastante de suas pernas delgadas, danificando visivelmente seus mecanismos.
Mas a máquina continuava andando e incinerando árvores. Se a floresta não fosse tão úmida, tudo teria
pegado fogo.
À noite, Namir desenvolveu um novo plano. O esquadrão continuou a atacar e recuar para manter a
máquina em perseguição. No caminho da retirada deles, o chão gradualmente passava de lama para água.
Passaram-se horas de manobras, mas ao anoitecer os quatro membros do esquadrão estavam ensopados,
o walker, no fundo do pântano, e seus pilotos, selados na cabine inundada e sem ar.
Namir estava dolorido por causa da correria do dia inteiro e, no acampamento, ele tirou todas as
roupas para ficar de cueca e tentar se secar. Brand cuidava do tornozelo distendido, aplicando uma
gosma nada ortodoxa que ela jurava que funcionaria. Peste tentava ajustar um aquecedor para quebrar o
frio da água, fingindo não encarar as cicatrizes entre os ombros de Namir ou as tatuagens em suas pernas.
Gadren estava de pé na fronteira do acampamento, contemplando a floresta.
Namir deu um tapa forte nas costas de Gadren.
– Bom dia – disse. – Acho que vencemos.
Gadren levantou uma mão para silenciá-lo.
– Ouça – disse ele.
Primeiro, Namir não ouviu nada além de uma brisa suave e o zunzum de insetos. Porém, gradualmente,
ele conseguiu discernir uma leve vibração ao longe. Não era nem uma batida, nem um zumbido, mas algo
intermediário – indubitavelmente vivo, com a ressonância de centenas de vozes graves. Uma vez que
Namir compreendeu a vibração, ele passou a ouvir outros ruídos também – risos agudos iguais a sinos ou
notas de um canto de pássaros, cliques como batucadas na madeira.
– São os Coyerti – disse Gadren.
Peste e Brand juntaram-se a eles, e as duas olharam na direção do som distante – o canto, ou a
entoação, ou o que quer que fosse aquilo. Namir olhou entre seus companheiros e os viu maravilhados,
mas, de repente, sentiu frio e o cheiro do próprio suor, além da sujeira da água no cabelo.
– Agora – disse Gadren – é um bom dia. Fomos úteis a esse mundo. Aprecie essa memória, e deixe-a
aquecê-lo em face ao verdadeiro mal.
Namir virou de costas para os outros e se enfiou dentro do saco de dormir, perto do aquecedor.
– Não aproveite por muito tempo – ele gritou. – Amanhã será pesado.

No quarto dia da campanha em Coyerti, a ordem que Namir tanto esperava, finalmente, chegou. Ele
marchou com o esquadrão para fora do pântano e direto para as terras altas da floresta, onde as árvores
apodrecidas tinham uma adoecida cor de pus. Gadren assumiu o controle da navegação, levando-os em
meio a vales escuros e estreitos que cortavam as colinas. De tempos em tempos, ele parava para
examinar uma árvore que ainda estava viva e inteira, passando seus enormes dedos sobre cascas
pulverizadas com pólen avermelhado – como se tivesse encontrado uma pedra preciosa no meio da
escória do planeta. Três vezes Namir quase discutiu com ele por parar, mas Gadren nunca demorava
muito.
Eles pararam para comer ao pôr do sol, embora Namir os houvesse alertado que o descanso deveria
ser breve. Brand estava mancando um pouco. Peste, ensopada de suor. Namir mantinha sua atenção em
Gadren.
– Falta quanto? – perguntou ele.
– Supondo que não mentiram para nós? – retrucou Gadren.
– Supondo nada – disse Namir. – Quero saber quando vamos alcançar as coordenadas; não estou
perguntando o que está lá.
Gadren sorriu, mostrando dentes que poderiam quebrar um pescoço humano.
– Se marcharmos durante a noite, chegaremos na parte da manhã. De acordo com os mapas.
– Marcharemos até meia-noite – disse Namir. – Se estivermos semimortos quando chegarmos, não
teremos muitas chances.
– Supondo que mentiram para nós? – perguntou Gadren novamente.
Namir sorriu desdenhosamente.
– Se mentiram para nós, estaremos mortos de qualquer maneira.
Não muito depois da escuridão da noite tomar conta, Namir percebeu que Brand vinha ouvindo a
conversa. Ela o alcançou, apesar da lesão, e disse suavemente:
– Se for uma armadilha, vou matá-la.
Namir olhou para Brand. Ele não conseguia distinguir sua expressão no escuro. Ele queria lhe
perguntar: “O que faz você ter tanta certeza de que vai sobreviver?”, mas já havia lutado muitas vezes ao
lado de Brand para saber a resposta. Ele passara horas o suficiente com Brand para saber o que
significava para ela dizer algo do tipo.
Em vez disso, ele falou:
– Você não quer prometer uma coisa dessas.
– Quero, sim – disse Brand. – Eu juro. Se Everi Chalis mentiu, eu vou te vingar.

No quinto dia da campanha em Coyerti, Namir e seu esquadrão chegaram ao topo de uma colina
pedregosa coberta por grossas samambaias vermelhas e avistaram o que Everi Chalis havia chamado
carinhosamente de “a Destilaria”.
Três bunkers brancos ligados por passagens estreitas encontravam-se em um triângulo abaixo da
colina, chaminés elevavam-se de cada um deles liberando uma névoa fina no ar úmido. Vegetação cobria
os telhados dos bunkers, escondendo-os de qualquer satélite que penetrasse o manto de neblina. Três
patrulhas de stormtroopers circulavam em meio às estruturas, permanecendo próximas ao muro – ou eles
não se preocupavam em estabelecer um perímetro largo, ou já tinham recuado para se preparar para o
combate.
Uivo havia informado Namir sobre o complexo no dia anterior ao desembarque no planeta. A
governadora Chalis, dissera ele, tinha descrito a Destilaria como a instalação principal de processamento
de armas biológicas em Coyerti. Lá dentro, toxinas e produtos químicos eram refinados e combinados
antes de serem encaminhados a espaçoportos para distribuição galáxia afora.
Chalis havia prometido que a destruição da Destilaria atrasaria em anos as operações em Coyerti. E,
assim, enquanto o resto da Companhia do Crepúsculo – inclusive os doze recrutas de Haidoral Prime que
mal tinham sido liberados para combate e que atrasariam seus camaradas tanto como os inimigos –
lutaria para preservar uma espécie desesperada, Namir e seu esquadrão arriscariam suas vidas na
palavra de uma traidora.
O esquadrão esperou no topo da colina durante toda a manhã, observando os padrões da patrulha e
analisando as diversas entradas para os bunkers. Ninguém mais mencionou a possibilidade de uma
armadilha. Namir imaginou que a possibilidade de uma armadinha fosse a única coisa na mente de
qualquer um.
Por volta do meio-dia, um skimmer de transporte levemente blindado desceu pelas copas das árvores e
pousou na parte externa da entrada de carga do complexo. Brand ficou de cócoras onde estava deitada
sobre as pedras de xisto. Ela desapareceu colina abaixo sem dizer uma palavra. Namir nem conseguiu
ver se ela ainda mancava.
– Devemos nos aproximar? – perguntou Peste. Suas mãos estavam trêmulas, mas a voz, firme. – Caso
alguém a veja?
Gadren poupou Namir de ter que responder.
– Se alguém localizá-la – disse ele –, nós todos morreremos. Dê a ela espaço para trabalhar.
Namir pegou um par de macrobinóculos e tentou acompanhar os passos de Brand. Mesmo o display
com rastreador inteligente só pegava alguns bruxuleios em meio às árvores. E os stormtroopers não
pareciam estar em alerta – estavam ocupados transportando barris amarelos, vermelhos e azuis do
skimmer até o complexo, com apenas dois vigias ativos.
Na vez seguinte que Namir localizou Brand, os stormtroopers estavam quase terminando de
descarregar a entrega e Brand estava na metade do caminho de volta à colina. Ela escalou a ribanceira
rapidamente, mas sem qualquer urgência em especial, pelo que Namir pôde verificar.
– Pronto – ela anunciou, chegando ao topo da colina e acocorando-se novamente no meio das
samambaias. – Ajuste o cronômetro para trinta minutos. Tempo suficiente para chegar lá embaixo. Mas
não o bastante para eles encontrarem o dispositivo.
– Vai ser o suficiente? – perguntou Gadren. – Qual você escolheu?
Brand olhou para Gadren como se ele estivesse falando bobagem.
– Um azul – disse ela. – Era o mais próximo.
Gadren resmungou.
– Então devemos esperar que o azul seja mortal o bastante para nossas necessidades… mas não tanto a
ponto de matar a todos nós.
– No próximo recrutamento – disse Namir, observando os stormtroopers trancando a entrada de carga
do complexo –, vou trazer um enfermeiro para o esquadrão. E não vou dividi-lo com vocês.

Trinta minutos mais tarde, em algum lugar da Destilaria, um microdetonador fixado na parte de baixo
de um barril azul explodiu.
Namir não viu isso acontecer, e a explosão foi pequena demais para ser ouvida fora das paredes do
bunker. Mas ele sabia que o dispositivo havia sido ativado quando as sirenes do complexo começaram a
soar e todas as portas se abriram simultaneamente. Ele sabia que o plano estava funcionando quando uma
porção de trabalhadores do laboratório e seguranças saíram correndo para o lado de fora, parecendo
mais irritados que aterrorizados, enfileirando-se automaticamente, como se já tivessem passado por
centenas de rotinas de treinamento.
O esquadrão desceu a colina, contornando o local onde os trabalhadores estavam reunidos. Namir
indicou uma das entradas traseiras do complexo, agora aberta e vigiada por apenas um stormtrooper. O
vigia não fez um som sequer quando Brand deslizou sua faca entre o capacete e a armadura peitoral.
Lá dentro, uma fumaça branca espessa era espargida pelos ventiladores.
– Gás neutralizador – disse Brand. – Já vi isso antes. Apaga incêndios químicos, liquefaz gases tóxicos
para limpeza. Bastante seguro. Procure não respirar muito fundo.
Gadren anuiu com a cabeça. Namir olhou para Peste, mas ela não parecia escutar – ela estava de olho
no corredor à frente, com a boca aberta e os dentes batendo.
Se havia uma armadilha, Namir pensou, essa era a última chance para os aliados de Chalis surgirem.
Mas era tarde demais para voltar agora.
Os quatro membros do esquadrão começaram sua missão dentro do complexo com o máximo de
cuidado possível, já que sabiam que os trabalhadores iriam retornar a qualquer momento. Rapidamente
desenvolveram um sistema: Gadren e Brand armavam os explosivos nas salas que estivessem lotadas de
equipamentos de laboratório e tonéis vibrantes e, enquanto isso, Namir e Peste vigiavam caso reforços
chegassem. Quando os explosivos de uma sala já estavam armados, eles iam para a próxima sala juntos.
Brand não tirava sua máscara do rosto, mas ninguém se importava em usar as luvas ou respiradores de
proteção que o intendente Hober havia fornecido antes da descida no planeta; se as toxinas da Destilaria
fossem liberadas, medidas paliativas não serviriam de nada.
Na metade do segundo bunker, Namir e Peste entraram juntos num depósito. O gás neutralizador era
bem espesso e prejudicava a visibilidade. Mas um grito alarmado deixou claro que a sala estava
ocupada. Antes que Namir conseguisse enxergar a fonte, Peste virou e atirou; cinco tiros, sendo que um
mandou uma vaga silhueta ao chão e os outros faiscaram contra um tanque de contenção. Namir se jogou
contra uma parede e tentou ouvir se havia passos. Depois de não ter ouvido mais nada, correu para
confirmar a execução de Peste.
No chão estava um humano de meia-idade usando uniforme de trabalhador. O gás já tinha extinguido o
fogo ocasionado pela arma de raios de Peste, deixando dois buracos chamuscados em seu tronco. Ele não
portava nenhuma arma, nenhum frasco de toxinas pronto para ser jogado em um intruso. No entanto, ele
era um imperial e estava morto.
– Liberado – Namir gritou. – Continue o trabalho.
Namir não impediu que Peste se aproximasse do corpo. Ela não se ajoelhou para inspecionar seu
trabalho. Apenas dobrou suas pernas um pouco, a cerca de um metro de distância, e, envolvendo as mãos
em volta do fuzil como se quisesse estrangulá-lo, encarou o rosto do homem. Namir deu-lhe alguns
instantes e, então, cortou:
– Fique de vigília. Ainda não terminamos.
Peste não se moveu. Brand estava de olho nela. Namir começou a andar em sua direção, mas Brand foi
mais rápida, tocando-lhe o ombro para guiá-la para fora dali.

O esquadrão já estava a meio quilômetro de distância quando o complexo explodiu com o som de um
trovão. Brand jurava que eles estavam sendo seguidos, mas Namir deu a sua equipe um momento para
virar e observar a fumaça preta subir aos céus. Se houvesse alguém os seguindo, também pararia. Então,
juntos, eles se dirigiram às terras altas. Apenas Gadren parecia contente com seu triunfo; os outros
mantinham as cabeças baixas e não diziam nada; como se tivessem provado sua ingenuidade diante da
armadilha da governadora Chalis.
Não havia qualquer armadilha. Eles provavelmente tinha acabado de salvar inúmeros soldados de ter
seus ouvidos sangrando ou suas peles descoladas dos ossos, ou quaisquer que fossem os efeitos das
armas biológicas do Império. Então por que, Namir se perguntou, todos se sentiam como se tivessem
levado uma surra?
A escalada os levou para cima das copas das árvores, em direção a uma série de platôs rochosos
cobertos por vegetação fina. A ordem que tinham era se encontrarem à noite na nave de desembarque que
os levaria de volta às linhas de frente ou à Trovoada, dependendo do progresso da campanha. Namir se
pegou desejando a última alternativa, já que lutava contra uma dor de cabeça que latejava atrás dos
olhos. Talvez a umidade estivesse afetando seu corpo, ele pensou, ou talvez a mudança de altitude tivesse
sido muito drástica.
Duas vezes, Namir percebeu Peste se desgarrando do grupo, com o andar relaxado, quase inaudível, e
as mãos agarrando o fuzil com força. Na primeira vez, ele perdeu a calma.
– Você, acompanhe sua equipe – ele gritou, depois de uma longa série de obscenidades. – Não me
importa se está catando flores ou chorando por causa de um homem morto. Continue andando até suas
solas estarem sangrando, e depois rasteje. Entendeu?
Peste acenou de qualquer jeito e voltou a acompanhar a equipe.
Na segunda vez que ela ficou para trás, Namir sentiu a ira subir pelas suas entranhas de novo, mais
forte que antes, mas ele não teve forças para gritar. Em vez disso, acenou para que o grupo descansasse.
“Deixe que eles nos peguem”, pensou ele, enquanto bebia de seu cantil. “Não dá para ficar pior.”
Então ele olhou para seus companheiros.
A testa de Brand reluzia com suor e ela respirava de forma ofegante. Suas narinas se inflavam a cada
inspiração. Ela se sentou no chão, com as pernas esticadas, ajustando a bota em seu tornozelo lesionado.
Peste não se deu ao trabalho de sentar, apenas cruzou os braços, com a cabeça baixa enquanto tremia.
Gadren ficou de pé como sempre, de olho em tudo.
Namir xingou qualquer coisa, tirou o capacete, arregaçou as mangas e começou a inspecionar sua pele.
Ele procurava por alguma irritação, uma bolha, qualquer mancha recente. Não encontrou nada, e colocou
as mãos no chão em frustração.
Os outros o observavam agora. Ele controlou a respiração e tentou se acalmar.
– Estamos muito mal? – perguntou ele a Gadren, com a voz baixa e constante.
Gadren baixou a cabeça e não respondeu.
– Alguém aqui sabe o que aconteceu? – perguntou ele. – Respiramos alguma coisa? Fomos borrifados
com biotoxinas e simplesmente não notei?
Peste não levantou os olhos. Brand soou ressentida ao dizer:
– Não demora muito para aparecerem os efeitos. Talvez tenhamos atingido um reservatório em algum
lugar.
“Ou talvez”, Namir pensou, “você não devia ter escolhido o barril azul”. Mas ele sentiu repulsa por si
mesmo por pensar algo assim. Brand não tinha culpa.
– O que quer que tenha sido – disse Gadren –, pareço ser imune.
– Talvez – disse Brand. – Ou talvez o afete de maneira mais lenta.
– Também é possível – concordou Gadren.
Namir fechou os olhos com força e apertou a cinta de seu fuzil, procurando analisar suas dores e o
incômodo em sua cabeça.
– Muito bem – disse ele. – Alguém aqui está sentindo que está prestes a morrer? Alguém aqui não
aguenta caminhar mais uma ou duas horas?
Ninguém se pronunciou.
– Então vamos continuar andando – disse ele. – Não há muito o que fazer aqui, então procurem se
controlar até chegarmos a um médico.
Quando eles finalmente chegaram ao ponto de encontro, não havia uma nave de desembarque à espera.

Namir não tinha um plano B. Se a nave de desembarque não chegasse, estariam todos mortos. Até
mesmo Gadren, que ainda não apresentava sinais de enfermidade. E também Brand, que podia resistir a
qualquer coisa.
Ele não disse isso a seu esquadrão. Pela manhã, ao dividirem suas rações, para as quais ninguém tinha
apetite, ele disse a todos que esperariam pela nave de desembarque o máximo que pudessem. Não
haveria qualquer tentativa de comunicação; se eles tentassem mandar uma mensagem pelo uplink via
satélite, os imperiais poderiam detectar o sinal. Além do mais, ele não achava que o transporte tivesse se
esquecido deles. Se a nave pudesse vir, ela viria.
Na pior das hipóteses, Namir explicou, eles teriam que se dirigir às linhas de frente e torcer para se
reunirem ao restante da Companhia do Crepúsculo. Ele não disse ao grupo que tal tentativa seria suicídio
e que não tinha a intenção de experimentá-la.
De qualquer forma, não tinha a ilusão de que alguém acreditasse nele.
Peste ficou pálida da noite para o dia, com a pele pegajosa e, agora, brilhando de tanta umidade. Brand
mantinha melhor sua dignidade, mas Namir pegou-a fugindo do acampamento para vomitar em meio aos
arbustos. A dor de cabeça de Namir ia e vinha, o que era uma benesse; durante seus piores momentos, ele
via pontos coloridos e era tomado pela vertigem.
Depois do desjejum, veio o trabalho pesado. Patrulhas. Verificação de equipamentos. Exploração para
obter comida e água. Planejamento de rotas de fuga do acampamento. Ouvir a estática em busca de
conversas cifradas da comunicação imperial. Ouvir estática em busca de conversas cifradas da
comunicação rebelde. Ouvir estática em busca de conversas cifradas da comunicação dos Coyerti.
Manutenção do equipamento. Retoques na camuflagem. Inspeção de ferimentos. Ensinar Peste a usar o
uplink. Ensinar Peste a desmontar e reparar o uplink em caso de emergência. Apagar os rastros da
patrulha. Apagar rastros deixados depois de apagar os rastros da patrulha.
Namir manteve seu pessoal ocupado até o cair da noite. Então eles ativavam o aquecedor enquanto
Gadren ficava de sobreaviso, mas nenhum deles conseguia dormir.

Peste tinha levado os joelhos em direção ao peito por dentro do saco de dormir e então enrolado o que
sobrara do saco de dormir em volta de si mesma. Ela ainda tremia. Namir se viu de olho nela, e quando
seu crânio parou um pouco de espremer seu cérebro e ele conseguiu pensar, percebeu quão pouco ela
havia falado desde a Destilaria.
Ele se perguntou se ela estaria pensando sobre sua decisão de deixar Haidoral Prime ou sobre o
homem que havia matado. Mas Namir não tinha nada para dizer que a reconfortaria. Ele nem sabia se era
isso o que ela queria. Ele já tinha passado por coisas muito piores na idade de Peste, e se ela
sobrevivesse, aprenderia a lidar melhor com essas coisas. Seria um soldado melhor, uma parte melhor da
Companhia do Crepúsculo.
Se ela morresse, de que adiantariam algumas horas finais de conforto?
– Peste.
A voz de Brand estava rouca, mas quebrou o silêncio da noite. Ela tinha se apoiado em uma pedra,
sentada com a coluna ereta, mesmo sob forte dor.
Peste olhou para ela, ainda sem dizer nada.
– Quer saber como me juntei à Companhia do Crepúsculo?
As palavras de Brand surpreenderam Namir; se ele estivesse menos adoecido, isso teria transparecido.
Peste mordeu o lábio e fez que sim com a cabeça. Ela parecia uma criança amedrontada; o que, Namir
imaginou, ela era mesmo.
– Eu não vou ficar repetindo – disse Brand –, e você vai respeitar minha privacidade. – Foi uma
afirmação, não uma pergunta.
Peste concordou novamente. Brand escarrou no chão e começou.
– Eu era uma caçadora de recompensas – ela disse. – Você sabe disso. Isso foi há quase vinte anos,
não muito depois de o imperador assumir o controle. Não muito depois de os Jedi morrerem.
Peste balançou a cabeça, franzindo a testa sem entender direito. Namir já tinha ouvido a palavra Jedi
ser mencionada por rebeldes antes – eles pareciam algum tipo de guerreiros religiosos anteriores ao
Império –, mas era só isso que ele sabia. Peste parecia igualmente desinformada.
– Deixe isso para lá – disse Brand. – A questão é, as coisas eram melhores antes. Melhores que agora.
Melhores do que foram durante as Guerras Clônicas. As pessoas se importavam com as leis. O Império
as mantinha seguras. Mas as guerras fizeram um grande estrago. Eu trabalhava em Tangenine na maior
parte do tempo. A infraestrutura lá tinha sido terrivelmente danificada pelos Separatistas e os cartéis se
manifestaram, extorquindo as pessoas em troca de comida, transporte, suprimentos básicos. O exército
imperial tentava impedi-los, mas as gangues e chantagistas ainda faziam seus trâmites por baixo dos
panos. Portanto eles mantinham pessoas como eu à disposição. O Império continuava não gostando de
caçadores de recompensas, mas em Tangenine havia assassinos e contrabandistas a serem eliminados. Eu
me sentia bem com o que eu fazia.
A cabeça de Brand caiu à frente, e por um curto período Namir ficou preocupado que ela fosse
desmaiar. Finalmente, contudo, ela endireitou os ombros, olhou ao longe e continuou a falar.
– Não sei quando as coisas saíram do controle. Mas quando as leis voltaram à Tangenine, o Império
mudou do que era para… o que quer que seja o que temos agora. Entreguei um homem às autoridades por
roubar conversores de energia e o vi sendo preso pelo resto da vida. Rastreei um líder de gangue, um
traficante de especiarias, o pior dos piores, e o vi ser perdoado porque tinha subornado um magistrado.
As palavras eram simples e seu tom de voz constante, como se estivesse descrevendo horrores que não
queria reviver. Namir percebeu que Peste desejava pedir mais detalhes, mas respeitou o desejo de Brand
e ficou quieta. Talvez estivesse com medo do que Brand fosse fazer se ela a interrompesse.
Pelo menos a dor e a náusea no rosto de Peste tinham sumido.
Brand não parecia perceber as perguntas não feitas da garota.
– Alguns anos atrás – disse ela –, decidi que precisava parar com aquilo. Havíamos acabado de
exterminar os últimos grandes cartéis, e eu estava ficando farta de tanto sangue derramado. Muitos não se
rendiam, sabendo o que aconteceria com eles na prisão…
Ela perdeu a fala, mas recomeçou.
– Eu precisava de um tempo. Então, para o meu trabalho seguinte, escolhi um alvo que me tiraria de
Tangenine, para fora dos mundos do Núcleo. Distante das cidades, do crime, dos burocratas.
– Capitão Evon? – perguntou Peste.
– Capitão Evon – disse Brand. – Eu nunca tinha feito qualquer serviço contra os rebeldes, mas
imaginei que me manteria ocupada por um tempo.
Um leve sorriso tomou conta de seus lábios.
– Localizar a Companhia do Crepúsculo levou tempo – disse Brand –, mas soldados fazem tolices
quando estão de partida. Falam com as pessoas erradas…
– Essa é uma lição para você – Namir murmurou na direção de Peste, embora não tivesse certeza se
ela o ouvira.
– … e se sentem acolhidos, mencionam suas próximas missões. Não levou mais que quatro meses para
eu aparecer em um recrutamento em Veron, então me ofereci para me juntar a eles. Vou pular a parte do
passo a passo. Em resumo: eu menti, contrabandeei meu kit e esperei a oportunidade de ter uma linha de
tiro limpa em Uivo seguida da possibilidade de escapar. Quando minha chance surgiu, eu já tinha
conhecido as tropas. Vi que talvez tivessem um motivo para estar ali.
– Você mudou de ideia? – perguntou Peste.
Brand balançou a cabeça de maneira quase imperceptível, como se um movimento mais forte fosse
deixá-la inconsciente.
– Não até eu colocar uma arma na cabeça de Uivo. Ele não parecia estar com medo, e começamos a
conversar. Então ele me ofereceu um trabalho e eu aceitei.
Peste concordou com a cabeça, sem olhar direito para Brand.
– Sem arrependimentos – disse Brand. – Nem quanto a ingressar, nem quanto à minha vida antiga.
Namir se enterrou no saco de dormir e tentou não rir.

Muito mais tarde, sob a luz tênue, antes do nascer do sol, Namir aliviou-se em um desfiladeiro perto
do acampamento e voltou aos seus colegas. Na metade do caminho, encontrou Brand sentada numa rocha,
limpando sua faca. Sentou-se ao lado dela.
Por um tempo, Namir observou a luz do sol delinear as sombras. Finalmente disse:
– Por que não contou a ela a história toda?
Brand deu de ombros.
– Ela é muito nova – disse ela. – Além do mais, nós todos estaremos mortos em alguns dias. Algumas
mentiras não vão fazer mal.
Namir concordou e afundou a ponta da bota no lamaçal. Então ele deu um sorriso e perguntou:
– Se estaremos todos mortos, quem vai se vingar de Chalis?
Brand deu de ombros novamente.
– Até onde pude constatar, a informação dela era boa. Talvez tenhamos salvado muita gente de… – Ela
hesitou, mas então estendeu o braço e olhou para a palma da mão. Uma vermelhidão estava se espalhando
em direção ao punho. – Disso aqui. Ela não tem culpa por termos agido de forma displicente.
A vermelhidão na pele do próprio Namir tinha começado a descer pelo pescoço. Ele descobriu
enquanto se barbeava.
– Uivo não sabe disso – disse ele. – Se tivermos sorte, Chalis será culpada de qualquer forma. As
tropas poderiam apedrejá-la até a morte.
Brand girou a faca no ar e a embainhou.
– Você tem má sorte, sargento. – Ela não estava sorrindo, o que fez Namir gargalhar.
– Quando morrermos – disse Namir –, vou sentir falta dessas conversas.
– Eu também – disse Brand, ainda sem sorrir. Mas quando Namir estendeu a mão, ela a pegou e a
apertou.

Dois dias depois, a nave de desembarque chegou.
Namir não se lembrava bem do que aconteceu depois disso. Lembrava de Gadren gritando e Brand
atirando com sua arma de raios para o céu para indicar a posição do esquadrão. Ele se lembrava de ter
rastejado para fora de seu saco de dormir na direção da nave de desembarque quando ela pousara,
espalhando ondas de poeira e calor. Ele se lembrava de não ter conseguido alcançar a nave; tinha quase
certeza de que Gadren fora quem o tinha carregado pelo resto do percurso.
Ele tinha quase certeza de que havia dito coisas imperdoáveis a quem quer que o tivesse amarrado em
seu assento. Namir encontrou energia suficiente para se afivelar e se forçar a permanecer consciente
enquanto se debatia contra a parede. Quase morto ou não, ele se recusava a ser o soldado que desmaiava
durante a decolagem. Esse era o dever de Peste como novata.
A bordo da Trovoada, ele tentou relatar a destruição da Destilaria a qualquer médico que pudesse
ouvi-lo, então percebeu que Gadren ainda estava vivo e poderia fazer esse trabalho tão bem quanto ele.
Namir havia resistido a dias de penitência, que depois lhe informaram que tinham sido somente horas, e
ele se lembrava de terem dito a ele que havia sido exposto apenas a quantidades minúsculas de toxinas
biológicas não refinadas e não letais. Os efeitos seriam facilmente tratáveis.
Namir e sua equipe ficariam bem.
A campanha em Coyerti havia acabado.

– O walker estava nos encarando, os X-wings não conseguiam voar baixo o bastante para acertar o
canhão, aí começamos a ouvir essa batida de tambor. – Ajax bateu a mão sobre o tampo da mesa metálica
amassada, gerando um som oco.
– Jogue suas cartas – disse Brand.
Ajax a ignorou.
– Mas não era uma batida de tambor. Era um maldito exército inteiro de Coyerti. Nós nem tínhamos
visto essas coisas antes, mas imagino que essa história toda de “estação reprodutiva” devia ter acabado,
porque era uma infestação. Dez minutos depois, a guarnição inteira estava numa agitação tremenda e o
tenente teve que nos implorar para parar de lançar granadas. “Nós vencemos, nós vencemos! Guarde um
pouco para a próxima missão!”.
Metade do Clube gargalhou com Ajax, enquanto a outra metade fazia gracejos. Gadren, alegremente,
deu um tapa forte nas costas de Ajax.
– Talvez os Coyerti convidem você, o poderoso salvador deles, para as festividades na próxima vez. –
A voz dele ficou mais sóbria quando continuou: – Que eles continuem a lutar com habilidade e boa sorte.
– E sem nós – alguém gritou. Namir não viu quem foi. Ele não discordava do sentimento, mas ninguém
deveria ter falado aquilo em voz alta diante da companhia. Gadren franziu a testa, assim como (para a
surpresa de Namir) Brand.
– Ainda bem que saímos da floresta – preferiu dizer Namir. – Ainda sinto aquele cheiro em todos
vocês, e juro que até agora ouço insetos voando nos alojamentos.
Houve concordância geral, e a jogatina prosseguiu. Namir continuava com um olho no jogo e o outro
lendo os relatórios pós-conflito, fazendo a contagem dos mortos e feridos. O período de luto já tinha
passado para os relativamente poucos que haviam sido abatidos nas linhas de frente, lutando com a maior
parte da Crepúsculo. Ninguém os mencionaria enquanto estivessem sóbrios; não por algum tempo. A
contagem dos feridos era mais grave. Namir detestava a tarefa de redesignar membros do esquadrão para
preencher os postos que haviam vagado.
Os treze novatos designados para os combates de solo sobreviveram. Eles tinham se saído muito bem,
na maior parte: Corbo, o que tinha tentado invadir a prisão de Chalis com uma faca, tinha doze execuções
confirmadas. O homem enlameado, que Namir havia apontado, no recrutamento, como espião em
potencial, tinha dado um tiro de raio para proteger um nativo Coyerti. Namir tinha visto apenas dois
relatos de recrutas travando por completo. Na verdade, isso era melhor que o de costume, e um bom sinal
de que a Crepúsculo poderia recompor suas fileiras a tempo para a próxima grande ofensiva.
– Então, sargento – chamou Ajax, depois de empurrar uma pilha de fichas a Gadren. – Alguma
novidade da Companhia Olho de Peixe?
Namir estranhou a pergunta.
– O que a Olho de Peixe tem a ver com alguma coisa?
Olho de Peixe era a 68ª Companhia de Infantaria da Aliança, a divisão aquática. A Crepúsculo tinha
cruzado caminhos com essa companhia antes, mas Namir não ouvia nada sobre ela há meses. Por outro
lado, ele ainda estava se atualizando sobre os rumores do momento.
– Perdeu a grande notícia em meio ao vômito e às alucinações – disse Tique com um sorriso, em um
gaguejar quase incompreensível.
Ajax riu antes de explicar.
– Acontece que o planeta Coyerti não era o único alvo essa semana. Atividades de retaguarda em todos
os níveis… a 21ª estava em Bestine. A Companhia Pílula Amarga estava em alguma porcaria de planeta
qualquer; perderam o transporte da tropa deles, mas conseguiram uma substituição.
– Então os ataques foram coordenados? – disse Gadren. – Um esforço final para permitir que a frota
concluísse sua retirada da Orla Média…
Tique ainda estava gaguejando.
– Suas naves de batalha não são rápidas o suficiente? Jogue suas tropas na fornalha. Isso deve
consertá-las.
A notícia sobre uma ação coordenada não surpreendeu Namir. Ele não esperava por isso, mas deveria
ter adivinhado – apenas uma companhia em um planeta inteiro não teria conseguido distrair toda a Frota
Imperial. Ainda assim, alguma coisa o irritou com aquela notícia, mesmo que ele não soubesse dizer o
quê.
– Vou verificar com o capitão sobre a Olho de Peixe – disse ele, ficando de pé com um gemido. – Irei
me reunir com Uivo em uma hora, e tenho certeza de que ele ficará feliz em compartilhar as novidades.

A reunião de Namir era com o tenente Sairgon, não Uivo, mas ele, de qualquer modo, forçou a entrada
no escritório do capitão para entregar seu relatório sobre o progresso dos novatos. Ele foi sucinto, e
Uivo pareceu atencioso, no geral. Contudo, Uivo tratava todos como se fossem fontes infinitas de
profundidade, sempre merecedores de paciência e consideração, independentemente do tamanho da
idiotice vomitada. Isso irritava Namir até não poder mais.
– E sua equipe? – perguntou Uivo, quando Namir terminou. – Está se sentindo bem novamente?
– Bem o bastante – disse Namir. – Mas gostaria de saber pelo que quase morremos.
Não era isso o que ele tinha intenção de dizer. Não era nem o que o incomodava, mas chegou perto o
bastante.
– O que quer dizer? – perguntou Uivo.
Agora ele estava prestando atenção.
– “Nós vamos oferecer cobertura para nossa frota de retirada.” “Vamos salvar os Coyerti.” “Vamos
testar as informações da governadora na Destilaria.” Tudo muito bonito, parâmetros de missão óbvios,
mas não são a mesma missão. Agora nós voltamos para casa e descobrimos que a primeira explicação
era a verdadeira. Só que não, não completamente, porque acontece que somos apenas uma parte de uma
operação maior. Você sabe que não sou de discutir a respeito da estratégia maior. Eu luto porque a
Crepúsculo luta. Mas também não gosto de me sentir usado.
Uivo manteve o mesmo olhar tolerante.
– Não podemos ter mais de um motivo para o que fazemos?
– Não se queremos vencer – disse Namir. – Escolha uma meta, e suas tropas farão o serviço.
Uivo começou a responder, então levou um dedo a seus lábios, como se quisesse silenciá-los. Ele
fechou os olhos com força, reabriu-os, e começou de novo.
– Nossa meta não é a conquista, mas a alquimia – disse ele. – A transmutação da galáxia. Somos um
catalisador; onde a Rebelião entra em contato com o Império, mudanças precisam ocorrer. A substância
da opressão torna-se a substância da liberdade. E, como em qualquer mudança, energias terríveis são
liberadas: guerra, vitória e derrota.
Uivo fez uma pausa, depois continuou:
– Mas a preocupação do alquimista não é com essas energias. Elas são um subproduto, não o meio da
transmutação em si. A preocupação do alquimista é a pureza do catalisador. O resto seguirá seu ritmo
normal. – Ele, então, deu de ombros e sorriu. – Pelo menos, no geral. Se mantivermos a força de nossos
princípios, o resto seguirá. Sua morte em Coyerti não teria interrompido o processo. Se todos da
Companhia do Crepúsculo tivessem morrido, a frota teria falhado em escapar? Os Coyerti teriam sido
dizimados? Saberíamos menos sobre as intenções da governadora Chalis?
As palavras não significavam nada para Namir. Ele balançou a cabeça e fez uma careta.
– Quero dar ao meu pessoal uma missão com a qual eles possam contar. Não uma filosofia de guerra.
Algo que os mantenha focados.
Uivo sorriu.
– Acho que você subestima seu pessoal. Mas nós já tivemos essa discussão.
Eles realmente já tinham discutido sobre o assunto, a primeira vez em Blacktar Cyst, e várias outras
vezes desde então. Nunca haviam chegado a uma conclusão satisfatória, mas havia dias em que a loucura
de Uivo – sua predisposição para sacrificar a Crepúsculo para alcançar sua definição peculiar de vitória
– perturbava Namir mais profundamente do que outros.

Mais tarde naquela noite, Namir foi procurar Peste. Ela não tinha aparecido no Clube. Ele não a via
desde que saíram de Coyerti, embora os médicos lhe assegurassem que ela estava saudável.
Um dos homens do sargento Fektrin apontou a Namir a direção certa, e ele acabou encontrando-a em
um compartimento de carga espremido, com as costas pressionadas contra a parede divisória e os braços
envolvendo os joelhos. Ela estava tremendo e balançando gentilmente de um lado para o outro, e olhou
com amargura para Namir quando ele se aproximou.
– Ainda está doente? – ele perguntou.
– Não – respondeu Peste.
Namir desviou do amontoado de engradados e partes de motor sobressalentes, e se encostou na mesma
parede ao lado de Peste, mas sem sentar no chão. Peste olhou para cima e para os joelhos de novo.
– Foi o combate – disse ela. – Foi meu primeiro combate. Primeira vez que eu matei alguém.
– E você está assim por causa do cara que matou?
– Estou – disse Peste.
Namir fez cara de desdém.
– Que bobeira.
Peste olhou para cima de novo. Namir balançou a cabeça.
– Muita gente fica com a cabeça ruim depois de atirar em alguém – disse ele. – Mas você não. Depois,
quem sabe; agora você tem problemas maiores com que lidar.
Peste continuou encarando-o.
Namir deslizou pela parede ao lado de Peste e esticou as pernas. Bateu o calcanhar contra o piso de
metal, ouvindo o leve ruído ecoar.
– Há quanto tempo você está limpa? – perguntou.
Peste observava o pé dele. Ele viu a expressão dela mudar conforme a indecisão ia e vinha de seu
rosto, até que, finalmente, ela sussurrou:
– Desde Haidoral. Não muito antes.
– Por isso você esteve em um centro de detenção? – perguntou Namir. – Vício em especiarias?
Peste concordou com a cabeça.
– Basicamente.
Namir manteve seu tom casual.
– Eu deveria ter notado isso na época. Era de se esperar que eu soubesse a diferença entre “suada e
nervosa” e “passando por uma desintoxicação”.
Mais um longo silêncio. Quando Peste falou, as palavras eram formais à medida que ela forçava cada
uma delas.
– Agora estou limpa. Estou aqui para lutar. Não vou estragar nada.
– Vai, sim – disse Namir. – Mas tudo bem. Todos nós temos problemas.
Peste sorriu sem graça – um sorriso incerto, um sorriso obrigatório diante da piadinha ruim de seu
superior.
Namir estendeu a mão e tocou o queixo de Peste. Sua pele estava fria e úmida. Ele virou o rosto dela
para o dele.
– Nós protegemos os nossos. Você entendeu?
Ela acenou com a cabeça. Namir a soltou. Ela não havia entendido.
Peste continuou tremendo. Seus dedos estavam esbranquiçados onde comprimia os joelhos, como se as
mãos dela fossem as únicas coisas que mantivessem o resto do corpo no lugar; como se ela estivesse com
medo de se dissolver no chão se relaxasse. Namir continuou ouvindo o ruído metálico da nave e o rugido
baixo e estático dos motores antes de se aproximar de Peste e passar um dos braços em volta de seus
ombros. Ele sentiu a umidade da camisa da menina, cheirou seu suor, ouviu sua respiração ficar
acelerada, como a respiração de um pequeno animal preso numa armadilha. Ele a segurou frouxamente.
Peste ficou tensa por alguns momentos antes de se permitir tocar a lateral do corpo dele.
Os dois ficaram sentados juntos em silêncio durante toda a noite.
C A P Í T U L O 7

P LANETA CRUCIVAL

DIA 400 DA AFRONTA CULTURAL TRIPARTITE


15 ANOS APÓS AS GUERRAS CLÔNICAS

Agora seu nome era Umu Sétimo: Umu, em homenagem ao segundo filho do hieropríncipe, e Sétimo,
porque seis outros Umus haviam servido à Doutrina Opalina. O garoto esperava ter um nome próprio,
mas as regras da Doutrina eram estritas e havia destinos piores do que ser Umu Sétimo para sempre.
Ele ainda portava as marcas das antigas lealdades entre os ombros, escondidas debaixo de um casaco
de pele de bantha. Quando o senhor de guerra Malkhan morreu, as juras de submissão que havia feito
tinham perdido o sentido. Agora, à medida que andava rapidamente pelas ruas estreitas de arenito, ele
via suas marcas refletidas no rosto de homens velhos jogados nos degraus de entrada das lojas, entregues
ao estupor causado por especiarias; no punho de mulheres que se alimentavam de restos de comida nos
becos; em todos os guerreiros de Malkhan que agora não tinham um exército para servir, cujos triunfos
gravados na carne agora os marcava como párias.
Umu mantinha seu capuz na cabeça, desviando o olhar dos Malkhanis perdidos. Ele não temia por sua
segurança, mas a Doutrina o havia incumbido de cumprir uma tarefa. Ele não poderia hesitar ou falhar.
Quando chegou ao bazar, abriu caminho com os cotovelos em meio à multidão até chegar aos
mercadores que o ajudariam, segundo lhe havia sido dito. Para alguns, ele não disse nada – simplesmente
estendeu a mão e furtivamente lhes entregou um punhado de ouro como recompensa pelos serviços
prestados à Doutrina e, então, seguiu em frente. Com outros, ele barganhou, e depois de cerca de uma
hora, encheu um saco com baterias, fios e fusíveis de extramundo. Dispositivos e peças de dispositivos.
A Doutrina era rica em comida, água e ouro, mas não muito em tecnologia. Para sobreviver às batalhas
contra os clãs hereges, ela precisava de armas que fossem páreo com as de seus inimigos. Precisava de
soldados que soubessem manejar armas de raios e lança-chamas.
Umu Sétimo tinha lutado por Malkhan e sabia manejar as armas dos extramundanos.
Quando concluiu suas tarefas no bazar, Umu voltou aos becos. Não refez o caminho de volta, sabendo
que poderia estar sendo seguido – sabendo que os objetos que carregava poderiam alimentar e abrigar
uma família por um ano inteiro, ou saciar um viciado em especiarias por um mês. Nas primeiras poucas
ocasiões em que havia resolvido assuntos para a Doutrina, ele ficara tentado a roubá-los para comprar
sua liberdade e uma nova vida. Sua lealdade a seus mestres ia só até certo ponto. E apesar das recitações
coletivas dos textos sagrados matutinas e vespertinas e da constante leitura do Tomo do hieropríncipe, às
vezes, ele se sentia uma culpa profunda em seu estômago por causa de sua falta de fé. Mesmo assim,
conforme as semanas se passaram e ele começou a receber responsabilidades cada vez maiores, Umu
encontrou novas razões para manter-se fiel à Doutrina.
– Hazram!
Ele ouviu a voz ao sentir o toque em seu ombro – uma mão larga, a mão de um homem, com unhas que
penetravam o tecido de seu casaco. Ele também ouviu o nome, mas não o reconheceu como um dos seus
até que jogou o cotovelo para trás, sentindo-o chocar-se contra a pele do homem, e então sentiu a mão
soltar seu corpo. Pés se arrastaram pela poeira conforme o agressor tropeçava para trás, tossindo longa e
dolorosamente.
Umu virou-se de frente para ele. Parado ali no beco estava um homem alto, careca e de ombros largos,
com um rosto machucado e endurecido. Ele já fora forte – o que era óbvio –, mas agora sua pele parecia
ter ressecado até sobrar apenas um saco de ossos. A camisa e o colete estavam desgastados em alguns
lugares, e remendados com pedaços de couro em outros. Ele olhou para Umu com olhos arregalados e
ansiosos.
– Você está vivo – ele disse. – Eu sabia que você estava vivo.
– Você precisa ir embora – disse Umu, curto e grosso. – A Doutrina está esperando por mim.
Umu não via seu pai havia quase três anos.
O peito do homem subia e descia, como se tivesse acabado de correr. Então fechou os olhos com
força, e quando os abriu novamente pareciam mais claros, concentrados, mas sem a intensidade insana.
– Vou acompanhá-lo – disse o pai de Umu, com carinho e remorso, como um refém negociando sua
soltura depois de uma batalha. – A Doutrina está na Marcha ao Templo, certo? Vou garantir que ninguém
o incomode no caminho.
Umu virou de costas para o pai e voltou a caminhar. Seu pai o seguiu.
– Você estava lá? – perguntou o pai, depois de andarem em silêncio por alguns minutos. – Quando os
Malkhanis foram derrotados?
– Sim – respondeu Umu.
Cada tenente de Malkhan havia reivindicado uma parte da provisão de armas de extramundo. O
derramamento de sangue que se seguiu foi pior que qualquer coisa que Umu já tinha visto.
– Eu avisei que isso aconteceria – disse seu pai. – Sempre acontece.
Umu não reagiu.
– Isso aconteceu na minha guerra também. Mesmo depois de nossos inimigos terem vencido, eles ainda
se viraram uns contra os outros.
– Talvez você devesse ter lutado mais bravamente – disse Umu, com a voz tranquila e equilibrada. –
Talvez se o seu lado tivesse ganhado, você saberia o que fazer.
Umu acelerou o passo e ouviu a respiração dificultada do pai ao tentar acompanhá-lo.
Umu esperava que seu pai começasse a discutir. Havia sido sempre fácil fazê-lo discutir sobre a
guerra de que participara. Uma palavra errada já o tirava do sério, e ele começava a defender suas
escolhas e sua causa contra – bem, Umu nunca tinha entendido direito com quem seu pai achava estar
discutindo. Ninguém em Crucival se importava com as Guerras Clônicas.
– Você ainda pode voltar – seu pai acabou dizendo, subindo um pouco a voz. – Há espaço e comida o
bastante. Posso escondê-lo da Doutrina. Eu sei que posso.
Umu se contraiu e firmou os pés na poeira. Ele não se virou ao falar:
– A Doutrina nos serve carne, mel e vinho todas as noites – disse ele. – Quando acordo, sinto o cheiro
de frutas em vez dos restos de alguém na rua. Faço juramentos a eles. Por que eu voltaria com você?
Seu pai não respondeu. Talvez tivesse ido embora.
Tudo bem por ele. Tudo que Umu dissera era verdade, mas não era o motivo de ele ter permanecido na
Doutrina. Ele não queria conversar com o pai sobre a Doutrina. Nem sobre os Malkhanis, nem sobre
quem ele havia se transformado desde que saíra de casa.
“Nem Hazram. Nem Donin. Umu Sétimo.”
Havia uma parte dele, algum vestígio de instinto, que queria largar o saco e sair correndo atrás do pai.
Para encontrá-lo e…
Mas sua fantasia só chegava até aí. Não havia “e”. Não existia nenhuma infância alegre à qual se ater.
Havia apenas o temor de uma oportunidade perdida.
Era fim de tarde quando ele chegou à Marcha do Templo e à clausura dos anciãos, onde residia a
Doutrina. Ele havia perdido o juramento de lealdade da noite, e precisava ficar acordado até a meia-
noite para expiar seu pecado. Ainda assim, ninguém o repreendeu, e foi recebido calorosamente ao andar
entre seus pares, distribuindo suas aquisições aos engenheiros, armeiros e comerciantes.
Conforme revirava seu saco, ficou intrigado por uma pequena fruta surrada – uma pera doce espinhosa,
como aquelas que teimosamente cresciam nos becos. Ela quase caiu de sua mão quando ele se deu conta
de que seu pai, de alguma forma, a havia jogado ali dentro; seu pai sempre fora ligeiro, sempre capaz de
pregar peças quando tinha um propósito em mente.
Umu não a queria. Tremendo levemente, ele a colocou na despensa da clausura antes de se dirigir ao
dormitório.
Lá, cercado pelas paredes da clausura, uma centena de outros seguidores da Doutrina estavam
estirados sobre cobertores ou sobre a grama amarela. Umu teve que tomar cuidado ao caminhar, sob a luz
da noite, em meio aos braços e pernas dos que já estavam dormindo, para chegar ao seu canto. Nas
sombras, arrancando uma folha de grama após a outra, aguardava uma garota talvez um ou dois anos mais
velha do que ele. Ela sentou-se com um suspiro cansado e um sorriso.
– Você voltou – disse Pira Ten.
– Voltei – disse Umu. Ele se agachou no chão perto da garota e sorriu. – Eu vi um alienígena no
mercado.
– Cala a boca – disse Pira, com um largo sorriso. – Você está mentindo. – Ela colocou um pedaço de
pão e um pouco de peixe defumado nas mãos de Umu. – Jantar. Você está mentindo? O que era?
Umu riu e contou a Pira sobre o alienígena: pele amarela e chifres, olhos negros, como um demônio
mitológico. Ele estava mentindo, mas Pira gostava de alienígenas. Umu havia fabricado a história assim
que fora designado à sua tarefa, então a embelezou quando saiu da clausura. Ele vinha querendo contar
essa mentira durante o dia todo.
Não dava para saber se Pira tinha acreditado nele. Mas tudo bem.
– Então sem maiores problemas? – perguntou ela, quando Umu terminou sua história. Ela pegou as
migalhas do jantar de Umu. Sua voz ficou mais séria. – Keffan foi roubado logo que saiu do bazar na
última vez. Ainda não consegue mexer os dedos.
– Nenhum problema – disse Umu. – Na verdade, foi até meio chato.
Pira acenou com a cabeça.
– Chato pode ser bom – disse ela. – Sei que está ansioso por uma guerra de verdade, mas… chato é
bom. Uma pausa pode ser boa.
– Não estou… – começou Umu. Pira segurava uma risada, esperando que ele mordesse a isca. Umu se
forçou a interromper o protesto, resmungou e começou de novo. – Quando a guerra vai começar? – disse
ele. – Alguém vai ser esfaqueada pelas costas.
Pira gargalhou alto demais, e ficou meio sem graça quando os outros da área de dormir olharam em sua
direção. Umu deitou-se na grama e sentiu o peso dos encontros que tivera durante o dia se esvair de seu
corpo, para dentro da terra, para as profundezas de Crucival.
Havia destinos piores do que ser Umu Sétimo. Havia coisas piores do que fazer parte da Doutrina.
Ele encontrara sua família e estava feliz.
C A P Í T U L O 8

SET OR METAT ESSU

DIA 109 DA RETIRADA DA ORLA MÉDIA


7 ANOS MAIS TARDE

O primeiro ataque veio à meia-noite, três dias depois de a Crepúsculo ter partido de Coyerti. A
Trovoada voava juntamente com sua escolta na periferia de um sistema sem vida dominado por um sol
avermelhado. A tripulação se apressava para concluir o turno de manutenção, enquanto traçava uma rota
para fora do território inimigo.
Então um destróier imperial saltou para fora do hiperespaço e entrou em linha de fogo. A Promessa de
Apailana e seus dois X-wings responderam rápido o suficiente para evitar qualquer perigo real à
Trovoada, e as forças rebeldes foram capazes de escapar da batalha à velocidade da luz, embora um dos
X-wings tivesse sido avariado por um tiro de de turbolaser que o acertou de raspão.
O segundo ataque veio trinta horas depois. Desta vez, a Trovoada foi surpreendida na chegada ao
sistema Enrivi, onde Uivo esperava fazer uma parada para reparos adicionais. A força de ataque era
composta por um cruzador ligeiro e um esquadrão de caças TIE. Mesmo com um X-wing fora de ação, a
Crepúsculo conseguiu destruir o inimigo sem dificuldades.
A onda de choque dos últimos suspiros do cruzador – a explosão em cadeia de seus motores e da
artilharia – obliterou as próprias cápsulas de fuga. Como Uivo relatou mais tarde, as baixas imperiais
foram “profundamente lastimáveis e não intencionais”. Isso não evitou que irrompesse uma celebração
estrondosa, na qual os soldados da Crepúsculo deixaram entrar contrabandistas de bebidas e saudaram
seus pilotos e atiradores.
Os pilotos e atiradores não participaram. Eles temiam ser requisitados em breve.
O terceiro ataque veio após outras dezenove horas, apesar de duas mudanças de curso feitas pela
Trovoada para despistar os que a perseguiam. Em uma rápida abordagem surpresa no sistema Chonsetta,
um grupo de interceptadores TIE escondidos na cauda de um cometa devastaram o estibordo da nave de
transporte da tropa antes que a Crepúsculo pudesse fugir.
A essa altura, mesmo os membros mais céticos da companhia ficaram convencidos de que o Império os
estava rastreando até as profundezas do espaço. Isso era uma novidade – mesmo ignorando o fato de que
rastrear naves no hiperespaço fosse virtualmente impossível, a Companhia do Crepúsculo nunca tinha
sido considerada tão estrategicamente significante a ponto de ser uma ameaça particular ao Império. Com
a Rebelião inteira em ação, por que alguém iria dispor de tantos esforços – sacrificar tantos recursos e
vidas – para desmantelar uma única infantaria?
Havia uma única explicação plausível.
Por precaução, Namir ordenou segurança extra em volta da cela de Everi Chalis. Ele duvidava que
alguém fosse atentar contra a vida da governadora – por mais satisfatório que isso devesse ser, nem
mesmo Corbo parecia tão inconsequente –, mas pessoas amedrontadas faziam coisas estúpidas.

– Ouvi dizer que três grupos de batalha imperiais abandonaram organizações rebeldes para vir atrás de
nós. Você gostaria de confirmar ou negar?
A voz do droide parecia enferrujada: um ruído rouco, irritante, elétrico, que fazia os dentes de Namir
rangerem. Ou talvez fosse a garra esquerda do M2-M5 que azedasse seu humor – as ferramentas pontudas
de metal e a variedade de mecanismos que zuniam, estendiam e retraíam do “punho” do droide pareciam
sair da caixa de brinquedos de um torturador.
Namir não gostava de droides. Ele nunca se sentira muito confortável perto de tecnologias que podiam
pensar. Mas o M2-M5 era o melhor mecânico da Companhia do Crepúsculo, e Namir ouviu – com
diferentes palavras – que ele deveria “superar seus receios e confiar na geringonça andante feita de
sucata”.
– É por isso que estamos com problemas no motor? – perguntou Namir. – Porque anda ouvindo as
comunicações da ponte quando deveria estar trabalhando?
– Temos problemas no motor – disse o droide – porque minha nave não para de ser atacada. E minha
nave continua a ser atacada porque temos problemas no motor.
Namir fez uma careta de desdém.
– Isso significa?
O droide rolou até o pequeno compartimento do motor. Namir tinha que ficar por perto para ouvir a
voz dele abafada pelo barulho do hiperdrive.
– Você se lembra do ataque feito a nós pouco depois de você ter trazido sua amiga imperial a bordo?
– Eu quase morri queimado. Eu me lembro. E eu não trouxe Chalis a bordo. Uivo decidiu…
M2-M5 acenava sua garra em frente a uma portinhola selada. Uma luz verde em um dos instrumentos
do droide ficou vermelha.
– Viu só? – ele disse. – Isso indica um vazamento de partícula de hipermatéria. O dano é em nível
microscópico, provavelmente localizado em um dos inúmeros refratores de radiação da Trovoada. Não é
o suficiente para impactar a eficiência da nave, mas poderia deixar um rastro para Darth Vader nos
seguir.
– Nós não sabemos se Vader tem alguma coisa a ver com isso. Não fique você também dando ouvidos
a Chalis.
A luz vermelha piscou rapidamente. Namir suspeitou que aquilo fosse uma maneira droide de dar de
ombros. Ou um gesto obsceno.
– Você acha que o dano ocorreu naquele primeiro ataque? – perguntou Namir.
– É muito provável. Suspeito que nem mesmo os imperiais tenham identificado nosso rastro até termos
chegado a Coyerti. Independentemente disso, não tenho equipamentos adequados para realizar reparos.
– Então arranque partes de você mesmo – disse Namir, caminhando na direção da escada mais próxima
para sair do compartimento. – Mande um relatório completo ao capitão – gritou. – Isso será um
problema.

Uivo reuniu os oficiais mais antigos uma hora depois. Namir, o médico-chefe Von Geiz e o intendente
Hober ficaram na parte de trás da sala de conferências – o lugar reservado para os membros da
Crepúsculo convidados por cortesia, que não tinham a prerrogativa de contribuir com a discussão. Em
volta da mesa, estavam sentados o tenente Sairgon, a tripulação de ponte da Trovoada e da Promessa de
Apailana, e Everi Chalis – que tinha escolhido ocupar a cadeira do capitão, tomando chá em uma
pequena xícara, enquanto Uivo caminhava ao redor do perímetro.
A primeira proposta de abandonar Chalis veio do tenente Sairgon, poucos momentos depois de Uivo
ter resumido a situação.
– Tivemos sorte até aqui – disse Sairgon. – O Império não tinha forças posicionadas para fazer nada
além de nos perturbar. Mas eles estão se aproximando, e não podemos sobreviver a um destróier
estelar…
– Um super destróier estelar – interrompeu Chalis, com um sorriso amargo. – Vader tem uma nau
capitânia. Mas, por favor, prossiga.
Sairgon não olhou para Chalis.
– Devemos lançar a governadora em uma nave auxiliar, é provavel que ela não sobreviva, mas os
imperiais também não vão continuar a nos perseguir com tudo o que têm. Não gosto do plano, mas não
vejo outra maneira de continuarmos com ela a bordo e sobrevivermos.
Chalis acenou solenemente, como se ela esperasse exatamente por isso.
– Não – disse Uivo, olhando para cada um de seus oficiais nos olhos. – Pedi as opiniões de vocês e
aprecio sua sinceridade, tenente. Mas não vamos abandonar essa mulher.
Após uma pausa, ele prosseguiu:
– Talrezan Quatro. Estação Esperança. Amanhecer de Unroola. – Ele bateu na mesa a cada nome
pronunciado. – Todas perdidas enquanto escoltávamos a frota para fora da Orla Média. O general
Amrashad está morto. Mesmo o comandante Skywalker não consegue explodir uma Estrela da Morte
todos os meses. A destruição do programa de armas biológicas de Coyerti foi a única vitória real que a
Aliança alcançou nos últimos tempos. Chalis nos deu tal oportunidade, e ela está quase concluindo seu
relatório em que delineia a rede logística inteira do Império. Uma vez que tivermos isso em mãos, tudo
mudará.
Então ele deu um grande sorriso, endireitou as costas e esticou bem os braços.
– Mais sugestões? Não parem agora.
As discussões e argumentos começaram a ficar mais sérios. Dois membros da tripulação da Promessa
de Apailana queriam partir para o território pirata de Baskron e fazer um acordo em troca de materiais
para reparar a Trovoada. Essa seria uma jornada, na melhor das hipóteses, angustiante, mesmo
considerando que os piratas estivessem dispostos a negociar. O comandante Paonu, capitão naval da
Trovoada, relutantemente descreveu seu plano para transferir Chalis e um seleto destacamento da
Crepúsculo para a Promessa de Apailana, que deixaria de escoltar a Trovoada; o Império perseguiria a
Companhia do Crepúsculo, talvez destruindo-a, mas pelo menos Chalis e figuras importantes poderiam
fugir em segurança. Até Von Geiz fez sua colocação, perguntando se a Crepúsculo poderia ficar
escondida por dias ou semanas em uma nebulosa ou um planeta gasoso – algum lugar que pudesse
confundir os sensores imperiais, enquanto esperavam que as buscas inimigas se dispersassem.
Namir ouviu tudo e tentou acompanhar. No início, ele vasculhou sua memória para lembrar o pouco
que sabia sobre o mapa do setor e os mecanismos de hiperdrive. Mas seu conhecimento era muito
superficial, e ele não tinha nenhuma intimidade com a terminologia. Suas habilidades eram em solo,
limitadas a armas e pessoas que carregavam armas. Quando sua atenção começou a se desviar, ele
concentrou o olhar em Uivo, que acenou com a cabeça e fez perguntas a seus oficiais sem nunca
demonstrar impaciência. Ele parecia despreocupado, completamente sob controle.
“Você não tem ideia do que fazer”, pensou Namir.
– Sua nave – disse Chalis – está comprometida. O comandante Paonu teve a ideia certa.
Todos na mesa observaram a governadora, alguns com interesse e muitos com desconfiança. Sairgon
começou a interromper, mas Chalis descartou-o com um gesto.
– Proponho que localizemos uma nave de transporte de cargas imperial. Posso nos colocar dentro do
alcance, e seus soldados – ela empinou a cabeça ao pronunciar a palavra, olhando diretamente para
Namir – poderão embarcar nela. Assim que a nave estiver sob nosso controle e todo o pessoal for
transferido, você pode abandonar essa lata velha e nós continuamos nossa jornada.
Sairgon balançou a cabeça.
– E quando entrarmos em linha de fogo, como evitamos danificar a nave de transporte? Se é para ela se
tornar nosso novo lar, não podemos atingir nenhuma parte crítica. Isso se presumirmos que o capitão
inimigo não limpe os computadores da nave ou a ajuste para se autodestruir assim que perceber…
– Você quer que eu planeje o ataque para você? – perguntou Chalis, subitamente curvando-se à frente,
com os olhos fixos. – Achei que vocês gostassem de um desafio.
A conferência degringolou a partir daí, com vozes se alterando, até que Uivo bateu na mesa com o
punho cerrado. Porém, ele não permitiu que a discussão parasse – ele começou a gesticular a seus
oficiais, aparentemente, de forma aleatória, instigando que oferecessem opiniões e contra-argumentos.
Era óbvio que a ideia de Chalis tinha seu mérito, apesar da falta de pragmatismo.
O dedo errante de Uivo apontou para Namir.
– Sargento? Isso pode ser feito?
“O que pode ser feito?”, quis perguntar Namir. Ele mordeu o lábio inferior, imaginando diversos
cenários em sua mente.
– Se você conseguir levar uma escolta armada até lá – respondeu –, provavelmente conseguiremos
tomar uma pequena nave de transporte. Não iria querer ficar com ela, no entanto, com imperiais se
escondendo em cada armário e colocando armadilhas.
Uivo concordou lentamente com a cabeça e começou a se virar. Não era uma solução, mas era
verdade.
Então por que, Namir se perguntou, a governadora Chalis estava olhando para ele com certa
expectativa, como se Namir tivesse deixado de mencionar algo essencial?
– Mas acho que poderíamos entrar e sair da nave. – Namir voltou a falar, antes de se dar conta do que
tinha acabado de propor. – Conseguiríamos tomar uma seção da nave, manter um corredor aberto e levar
uma equipe de engenharia lá para dentro. – Ele olhou para o intendente, e então para Uivo. – É possível
desmanchar um motor imperial e usar as peças para remendar a Trovoada?
Os lábios de Uivo formaram um sorriso.
– Não sei. Mas certamente é uma ideia interessante.
Chalis fingiu bater palmas lentamente, reclinando-se em seu assento. Ninguém mais pareceu notar, mas,
aos poucos, Namir percebeu que ele havia dito exatamente o que ela queria que ele dissesse.

– Nunca mais foi me visitar, sargento.
A reunião de estratégia tinha acabado. Metade dos oficiais permaneceu na sala de conferências para
conversar com Uivo ou uns com os outros, traçando os detalhes da invasão. Namir esperava que Chalis
permanecesse com eles; em vez disso, ela foi caminhando, logo atrás de Namir, pelo corredor em direção
ao refeitório.
– Talvez porque toda vez que você fala meu pessoal acaba em perigo – disse Namir, sem olhar para
trás. – Charmoso tomou um tiro. Maediyu respirou fumaça. Em Coyerti… você é uma maldição para a
companhia.
Chalis fez um ruído evasivo, sem negar as acusações, antes de responder:
– Uma maldição para a companhia… você realmente vem de um mundo primitivo, não é?
Namir nunca tinha dito nada sobre seu passado a Chalis. Ela continuou falando antes que ele pudesse
intervir.
– Se isso vale de algo – disse ela –, eu estava torcendo muito para que você sobrevivesse à Destilaria.
Teria sido ruim para minha deserção se sua equipe tivesse voltado coberta de pústulas.
Ele parou de andar e virou-se de frente para ela. Tentou calcular quanta força poderia colocar em um
soco nela sem deixar uma marca. Chalis não seria a primeira prisioneira de guerra que ele feriria; só a
primeira que pertencia à Crepúsculo.
“As coisas que a Doutrina faria com você…”
Chalis soltou um som exasperado e balançou a cabeça.
– Já que você claramente me detesta, vou direto ao ponto: se vamos mesmo invadir uma nave imperial,
você vai precisar de mim a bordo. Com meus códigos de autorização, posso fazer seus droides invadirem
os computadores da nave na metade do tempo. Portanto, desta vez, eu divido o risco com você.
O argumento fazia sentido. Namir se perguntou o que ele estava perdendo. A governadora não era do
tipo que se voluntariava.
– Por que dizer isso para mim? – perguntou ele.
– Quero que me mantenha viva. – O olhar de Chalis estava concentrado em Namir. A arrogância e o
desdém na voz dela tinham se transformado em amargura. – Estou designando você como meu segurança
quando estivermos a bordo.
Isso também surpreendeu Namir, e ele se esforçou para manter a expressão neutra. A vontade que ele
tinha era de dizer que ela não tinha cacife para designar ninguém. Queria perguntar o que ela achava que
conseguiria ao usá-lo. Mas ela o enganara na reunião de estratégia, fizera com que ele expusesse uma
ideia que ele tinha certeza que ela já tinha pensado. Ela sabia que capturar uma nave de transporte de
cargas era impossível, e sabia que uma invasão soaria melhor se vinda de alguém que não fosse ela.
Namir estava cansado de atender às expectativas dela.
Em vez disso, manteve seu tom de voz controlado e disse:
– Você realmente não deveria confiar em mim.
– Todos na sua nave, exceto o capitão Evon, me querem morta – disse Chalis. – Minhas escolhas são
limitadas. Meus critérios para confiar em alguém não são mais os que costumavam ser.

O sistema Redhurne era um cemitério com cadáveres de planetas à deriva. Seu sol tinha entrado em
supernova havia muitos séculos, incinerando mundos até as cinzas; não havia sobrado nenhum sinal de
vida ou civilização na superfície devastada desses planetas. Os restos da estrela Redhurne, um fragmento
que emitia um brilho branco com fervilhante intensidade, emitia radiação em doses mortais para qualquer
criatura sem proteção.
Mas Redhurne não estava vazio. Quando os planetas do sistema interior se racharam, seus núcleos
foram expostos aos raios tóxicos da estrela e transmutaram em novos materiais exóticos – os elementos
básicos do combustível de hipermatéria. Assim, durante o período de declínio da República, Redhurne
tinha se tornado o lar de parasitas: drones catadores, que vagueavam pelos planetas e depois levavam sua
carga de minerais voláteis a estações mineradoras orbitais operadas por tripulações minguadas.
Essas estações ainda funcionavam a serviço do Império. Mas elas não eram o alvo da Companhia do
Crepúsculo.
Em vez disso, a Trovoada e sua acompanhante haviam se escondido na periferia do sistema Redhurne,
aninhadas no crescente de uma lua despedaçada, onde nem scanners, nem inspeção visual poderiam
detectá-los facilmente. Eles esperavam pela nave de transporte que a governadora Chalis prometeu que
apareceria – um cargueiro que viria coletar a produção da estação mineradora e carregá-la para sistemas
com climas galácticos menos hostis.
A pergunta que estava no ar na Companhia do Crepúsculo era a seguinte: quem chegaria primeiro, o
cargueiro alvo da Trovoada ou os imperiais que os estavam perseguindo?
Um dia-padrão inteiro havia se passado desde o último ataque. Encurralada no campo gravitacional da
lua, a Trovoada estava vulnerável: ela não seria capaz de pular para o hiperespaço a partir de onde
estava, teria primeiro que manobrar para o espaço aberto. Uivo concordara em ficar de tocaia por quatro
horas, e nada além disso; depois, a companhia precisaria ir atrás de outra presa.
Namir havia detestado o plano, e detestava sua parte nele.
Tinha passado as últimas horas trabalhando com líderes de esquadrão para elaborar estratégias e fazer
treinamentos. As escoltas armadas eram todas experientes em combate em gravidade zero, procedimentos
de atividade extraveicular, uso apropriado de trajes espaciais e máscaras de oxigênio – todo o necessário
caso as coisas saíssem terrivelmente do controle. Esse não era um dia para testar os novatos, mas para
colocar veteranos, ex-stormtroopers e antigos piratas para trabalhar. O esquadrão de Namir não estaria
presente – com exceção de Charmoso, que havia participado de mais operações de invasão do que Namir
conseguia imaginar. Quando Namir o alertou a não tomar outro tiro, Charmoso apenas deu seu sorriso
horrível e cheio de cicatrizes.
Isso deixou Namir sozinho na ponte da Trovoada, sufocando debaixo de camadas de armadura e
equipamento, enquanto seus colegas soldados reuniam-se vários andares abaixo. Ele não participaria da
inserção inicial.
Uivo havia aprovado a solicitação da governadora Chalis. Namir, naquele dia, faria o papel de
guarda-costas dela.
Então Namir esperou. Observou Chalis, o capitão e o comandante Paonu conversando baixinho uns
com os outros, assistiu à tripulação de ponte digitar em consoles e ajustar alavancas. Ele nunca havia
gostado de passar tempo na ponte; quando estava em qualquer outro lugar da nave, não precisava pensar
no funcionamento das coisas, nem nos mecanismos em atividade, nem nos oficiais navais que sabiam a
diferença entre compensadores de aceleração e os geradores de campo quântico nulo – os oficiais cuja
especialidade significava a diferença entre a vida e a morte em um vácuo que os sugaria.
Namir não se importava com viagens espaciais, mas ele se revirava de raiva diante de lembretes de
sua ignorância. A mera existência da ponte o incomodava.
A Trovoada estava escondida havia duas horas quando alarmes dispararam e a tripulação da ponte se
agitou para ver o que tinha chegado do hiperespaço. As vozes dos oficiais estavam nervosas e inebriadas
quando reportaram o que parecia ser um pesado cargueiro imperial, levemente armado e pesadamente
lento. O capitão reprimiu um sorriso, e não demonstrou nenhum outro sinal de satisfação.
A nave imperial era um robusto cilindro de hiperaço que se estendia por meio quilômetro, ostentando
cápsulas de armazenamento ejetáveis e propulsores de manobra. Deve ter sido uma nave de guerra algum
dia, antes de décadas de uso a tornarem obsoleta e centenas de retromontagens a destituírem de seu
poder.
– Naves – disse Chalis suavemente, como se citasse outra pessoa –, como homens, devem ser usadas
até se quebrarem.
A segunda estação de escaneamento reportou que o cargueiro não passaria perto da lua da Trovoada
em seu curso atual. Isso não surpreendeu ninguém. Chalis assumiu o terminal de comunicações da ponte e
rapidamente digitou uma série de códigos de autorização antes de abrir um canal.
– Cargueiro imperial – disse ela. – Monitoramos atividade de tempestade de íons neste sistema. Para
sua segurança, por favor, altere seu vetor de aproximação da seguinte maneira.
Chalis leu alguns números. Namir observou a tripulação.
O cargueiro não mudou o curso.
– Se eles soubessem quem somos – disse o capitão –, teriam erguido seus escudos. Fugiriam. Em vez
disso, estão nos ignorando.
– E se for uma armadilha? – perguntou Namir.
– Então espero que estejamos mortos – disse Uivo.
Chalis repetiu sua mensagem, mais incisivamente desta vez. Novamente, o cargueiro não respondeu
nem mudou o curso.
“Precisamos ir embora”, pensou Namir, “ou precisamos nos arriscar e atacar. Mas precisamos fazer
algo.”
Ele não falou nada. Ele não estava na ponte para aconselhar o capitão.
Chalis deu um tapa forte no console de comunicações, elevando de repente o tom de voz: um rosnado
de perfeita arrogância.
– Cargueiro imperial, aqui é a governadora Everi Chalis. Se não ajustar o curso dentro de quinze
segundos, vou lidar com vocês como lidei com a tripulação da Mandíbula durante as Insurreições de
Belnar. Esse será meu presente ao seu superior, comodoro Krovis, antes de condená-lo por grave
incompetência.
Ela cortou o sinal e, com ele, o escárnio em seu rosto. A arrogância caiu como uma máscara, e ela
olhou para os scanners com toda a tensão de um soldado à espera da batalha.
– Está mudando de curso – avisou um tripulante.
– Prepare as cápsulas de invasão – gritou Uivo, e a ponte entrou em ação.

A Promessa de Apailana e a Trovoada surgiram juntas: a última de seu esconderijo à sombra da lua
despedaçada, a primeira de trás de um asteroide que, em outros tempos, fora parte de um planeta.
Flanqueado por dois inimigos, o cargueiro fez a escolha óbvia, guinando na direção da Trovoada para
escapar da nave de combate carregada de armas.
Seus escudos e armas estavam completamente carregados quando a Trovoada entrou na linha de fogo.
O que não era um problema; com todos os danos que a Trovoada já tinha sofrido nos dias anteriores, ela
ainda poderia aguentar mais um pouco diante do cargueiro. O esquadrão de caças TIE que o cargueiro
liberou era algo mais preocupante, mas a Promessa de Apailana poderia abater um por um – se
conseguisse uma boa mira.
Raios verdes piscavam através do espaço, espalhando-se sobre os escudos protetores da Trovoada
como gotas de chuva em óleo iridescente. A embarcação rebelde devolvia fogo em saraivadas vermelhas
periódicas, fazendo com que os próprios defletores do cargueiro brilhassem e vibrassem sob a pressão.
À medida que a Trovoada manobrava sempre para mais perto, o cargueiro começou a se afastar – mas, à
essa altura, já era tarde demais, e a velocidade estava do lado dos rebeldes.
Como se uma contagem regressiva tivesse chegado a zero, as cápsulas de invasão da Trovoada foram
lançadas em direção ao cargueiro. Todas haviam sido adaptada a partir de cápsulas de fuga –
originalmente desenhadas para salvar vidas. A capacidade de manobra e a autonomia do tanque de
combustível haviam sido trocadas por maior resistência e força de propulsão, reforçando-as ainda mais;
também foram equipadas com ganchos magnéticos e furadeiras a laser. Cada cápsula carregava um
esquadrão das tropas da Companhia do Crepúsculo, agitado e espremido, com ar para apenas alguns
minutos.
Conforme as cápsulas se deslocavam na direção de seu alvo, os atiradores da Trovoada assumiram a
tarefa de proteger as cápsulas dos caças TIE. A destruição de uma única cápsula representaria uma perda
de mão de obra e tecnologia que a Companhia do Crepúsculo não poderia suportar. A perda de várias
cápsulas frustraria qualquer tentativa de invasão e forçaria uma retirada.
Mas as cápsulas chegaram a seu alvo. Suas furadeiras começaram a brilhar e talhar o casco do
cargueiro.

Namir esticou o braço, segurou o pescoço de Chalis com a mão protegida por uma luva e comprimiu a
máscara de respiração no rosto dela.
– Apenas mantenha a máscara no rosto – disse. – Se formos sugados pelo vácuo, não terei tempo de
ajudá-la.
– É claro – disse Chalis, com a voz abafada. – Alguma outra coisa?
A cápsula de invasão tremia, empurrando Namir contra a porta lacrada, enquanto a furadeira a laser
corroía o cargueiro. Chalis estava a quase um palmo de distância. Atrás dela, mais dois soldados
seguravam seus fuzis.
Namir sacou uma pistola de raios do cinto, colocando-a nas duas mãos de Chalis.
– É uma DH-17 – disse ele. – Deixe as configurações do jeito que estão, e nem pense em mudá-la para
o modo automático. Mire e atire, se realmente precisar.
Chalis ligou a arma e sorriu.
– Eu já usei uma arma de raios antes. Você me viu.
– Você já dizimou naves inteiras também – disse Namir. – Não significa que eu queira você
comandando a minha.
– Não faço ideia do que você está falando.
Namir colocou uma mão na porta, tentando avaliar o balançar da cápsula.
– “Eu vou lidar com vocês” – ele citou –, “como lidei com a tripulação da Mandíbula.”
Chalis riu e balançou a cabeça.
– A Mandíbula foi um acidente – ela disse. – Um capitão bêbado transportando carga volátil. Eu
recebi o crédito porque… bem, se você fosse do Império, qual boato você iria preferir que se
espalhasse: que um de seus capitães foi grosseiramente negligente e acabou sacrificando seus homens por
uma bobagem? Ou que uma oficial implacável executou os responsáveis por um caso de incompetência?
A cápsula parou de balançar. O som de metal sendo cortado ecoou na câmara.
– Notei como você lida com os recrutas – continuou Chalis com certo desdém. – Vai me dizer que você
não os amedrontaria quase da mesma forma? Assumindo que você pudesse se safar disso.
Namir gargalhou e levantou seu fuzil.
– Eu faria muitas coisas se pudesse me safar delas. Fique grata por eu não poder, e afaste-se da porta.
Chalis obedeceu da melhor maneira que pôde em virtude do pouco espaço. Namir digitou no teclado
numérico da porta com o cotovelo e dois semicírculos de metal sólido deslizaram para os lados, abrindo
caminho para o interior do cargueiro.
Dois ruídos dominavam o corredor: a reverberação distante de armas de raios e o rugido do ar
invadindo a passagem. A cápsula de Namir tinha sido a última a partir da Trovoada; uma das primeiras a
chegar deve ter rasgado o casco do cargueiro mais que o desejado, abrindo uma fenda para o espaço. O
corredor em si era apertado, cheio de canos largos pelas paredes e grades de metal preto no chão. Um
lugar nada ideal para uma luta.
Mas foi exatamente por isso que Namir saiu mais tarde com Chalis. Os primeiros soldados a invadir
uma nave inimiga sempre eram bucha de canhão.
Namir sinalizou para que o resto do esquadrão invasor aparecesse. Os dois soldados assumiram seus
postos em direções opostas ao longo do corredor, enquanto Namir anunciava sua chegada pelo
comunicador. Uma série de respostas curtas confirmavam que os outros esquadrões estavam ativos, junto
com os especialistas de engenharia. Uma das estações de comando da traseira do cargueiro tinha sido
tomada, pelo menos temporariamente. Era lá que a governadora Chalis seria solicitada primeiro.
Namir gesticulou para que Chalis o seguisse. Ela concordou com a cabeça e deu um toque no próprio
fone de ouvido. Os outros soldados ficaram para trás para proteger a cápsula.
A rajada de ar era quente – quase fervente, como se fosse expelida por um forno com a porta aberta.
Namir estava suando ao se esgueirar pelo corredor, com as axilas úmidas e as luvas apertadas em volta
dos dedos. Ele manteve o corpo na frente de Chalis, tentando assegurar que seria o primeiro alvo, se
fossem avistados. Ele tinha que resistir a seu treinamento e evitar sair correndo para conseguir cobertura;
já tinha feito papel de guarda-costas para civis outras vezes e mal conseguira suprimir seus instintos na
ocasião, e agora com Chalis? Dar uma de guarda-costas para ela parecia antinatural.
– São os geradores de escudos.
– O quê? – Namir balançou a cabeça sem entender direito.
– Os geradores de escudo – disse Chalis. – Eles estão bem ao lado das unidades de oxigênio, e eles
superaquecem sob pressão. Por isso está esse calorão aqui.
– Como você sabe? – Namir verificou a próxima curva, vasculhou o corredor em busca de inimigos e
não viu nada. A troca de tiros de raios estava ficando mais alta.
– Servi numa nave como essa, há muito tempo. Parte do meu aprendizado. – Mais uma vez, havia
amargura em vez de arrogância em seu tom de voz. Então ela acrescentou displicentemente: – Você sabia
que a armadura dos stormtroopers possui controles de climatização? Opções de resfriamento interno?
No chão logo à frente, havia três stormtroopers mortos, estirados sobre as grades.
Chalis continuou falando.
– Você poderia achar que é um luxo, mas o resfriamento drena energia. Usar isso em situações
desnecessárias é uma infração punível. Contudo, muitos cadetes o experimentam, achando que não serão
pegos…
Namir cutucou um corpo com a ponta da bota, então passou por cima dele. Relaxou os ombros e
controlou um sorriso.
– Então a famosa disciplina do Império rui nos dias de calor?
– Essa é a diferença entre nossas forças – disse Chalis. – Todas as tropas imperiais cometem os
mesmos erros, e elas nunca os cometem mais de uma vez. Só posso imaginar que as tropas da Aliança são
mais criativas e menos conformes.
Namir torceu o nariz.
– Não tão criativas. É a mesma besteira com todos os grupos de novatos. Eu poderia contar várias
histórias para você. – Percebendo o que tinha acabado de dizer, ele fez uma careta: a mulher era boa em
fazer os outros baixarem suas guardas.
– Eu mostro para você… – começou Chalis. Então ouviu-se o som de outro tiro, e uma partícula de
raio vermelha iluminou um trecho do corredor logo à frente.
– … outra hora – ela concluiu, levantando sua arma de raios.

Dois tiros rápidos de fuzil. Namir mirou na direção do corredor, mas não estava preocupado em
acertar qualquer alvo em particular. Sua intenção era a de apenas desencorajar stormtroopers que
viessem por ali e salpicar o corredor com plasma. Não havia espaço para se esquivar. Ele não tinha
poder de fogo para vencer. Se o inimigo avançasse um pouco mais, a única coisa a fazer seria fugir.
Ele se moveu furtivamente com Chalis um pouco para trás. Eles perderam quase dez minutos
manobrando pelo cargueiro e tentando contornar a pior parte da batalha. Ligações insistentes para as
outras equipes de invasão tinham sido de pouca valia – a tripulação do cargueiro estava interrompendo
intermitentemente as transmissões, e os esquadrões com que Namir conseguia falar estavam bastante
ocupados. Cabia a ele e a Chalis pegar o caminho mais longo até a estação de comando, mas a paranoia
de Chalis não ajudava muito.
– Metade dos setores dessa nave pode ser aberta ao espaço ou infestada por gases tóxicos – ela surtou.
– Eu preferiria prevenir uma morte evitável.
Namir concordou. Mas ele ainda não gostava do atraso.
Uma silhueta branca apareceu no fim do corredor. O fuzil de Namir deu um coice quando ele disparou.
Seu oponente desabou no chão. Ele se esgueirou mais um metro, sentiu o ombro encostar em metal e deu
meia-volta. A parede estava quente, chamuscada pelos raios perdidos.
– Você está bem? – perguntou Chalis. Ela ficou de um lado, pressionada contra a parede oposta e
mexendo no teclado numérico da porta blindada.
– Estou – disse Namir rispidamente, gesticulando com frustração para a porta. – Podemos ir?
Eles seguiram, percorrendo outro conjunto de passagens antes de chegar ao ponto de encontro na
estação de comando. O sargento Fektrin os encontrou lá com um trio de engenheiros, um droide astromec
e mais dois soldados. Os números não pareciam corretos; Namir percebeu que Fektrin tinha perdido um
membro do esquadrão no caminho.
Fektrin puxou o cadáver de uma jovem mulher imperial de uma cadeira e acenou para Chalis e para o
astromec com um gesto abrangente. Chalis xingou o droide quadrado e atarracado quando ele fez um bipe
incoerente, mas o acompanhou até o terminal da mulher morta.
Fektrin levou Namir até a porta e ficou em posição de guarda do outro lado. Namir se sentiu mais leve
no momento em que Chalis ficou fora de alcance, como se a mera presença dela fosse opressora.
“Não. Não é isso.”
Chalis não era opressora. Ela era insensível e manipuladora, mas Namir nunca se sentira pessoalmente
ameaçado por ela. Sua responsabilidade por Chalis – por sua vida, por sua segurança – era o que pesava
sobre ele.
“Por que Uivo concordou com isso?”
– Os seus estão na cápsula? – perguntou Fektrin.
Namir precisou de um momento para compreender.
– Mantendo uma rota de fuga. E os seus?
– Cappandar tomou uns doze tiros antes de cair ao chão.
Namir conhecia Cappandar de nome e por sua reputação, mas o alienígena não falava básico – alguma
coisa a ver com a maneira como seus pulmões funcionavam –, então eles nunca foram capazes de
conversar. Ele era um dos membros mais antigos da Crepúsculo; parte do motivo pelo qual Namir
aprovara a presença dele na missão.
– Mais um a quem beber quando voltarmos – disse Namir.
Fektrin falou mais baixo.
– Será que ela pode conseguir o que precisamos?
Namir nem olhou para Chalis. Ela estava discutindo com o droide no terminal e gesticulando para a
tela para ajudar os engenheiros.
– Ela quer sair daqui viva – disse Namir. – Fará de tudo para que isso aconteça.
Fektrin acenou com a cabeça. Não parecia muito contente. Namir pensou que não podia culpá-lo.
Namir ouviu as transmissões dos outros esquadrões enquanto esperava. Pelo que deu para entender, as
equipes estavam tentando tomar posições-chave enquanto apressavam os engenheiros, abrindo caminho
para a tripulação técnica de Fektrin. Os homens de Ajax haviam estabelecido um ponto de
estrangulamento em uma das principais passagens. Charmoso estava fazendo ataques-relâmpago em
postos de vigia, tentando manter o inimigo desequilibrado para ofuscar a verdadeira meta da Crepúsculo.
As equipes de fogo pesado de Carver e Zab estavam na vanguarda, atravessando à força portas
blindadas.
– Estamos prontos – disse Chalis. – Os engenheiros podem retirar as peças que acharem necessárias
de um dos compartimentos superiores. Nós reconduzimos a energia para que eles não sejam incinerados.
Fektrin transmitiu instruções através de seu comunicador. Namir sentiu suas tripas contraírem, sabendo
o que vinha em seguida. Ele checou o medidor de energia de seu fuzil para não ter que dizer em voz alta.
Ainda em 70%.
– Seu trabalho acabou. – Ele olhava para Chalis. – Vamos voltar para a cápsula e partir. Vai ser mais
fácil enquanto os imperiais estiverem distraídos.
Chalis olhou a sala ao redor e apontou com a cabeça para um canto afastado. Quando Namir se
aproximou, ela falou discretamente:
– Não estou com pressa de morrer tão gloriosamente como Cappandar, mas não estarei mais segura a
bordo da Trovoada se falharmos aqui.
Namir avaliou a expressão da governadora, tentou ler seu rosto, mas não deu muito certo. Ele olhou de
soslaio para Fektrin, que estava organizando os outros, e imaginou centenas de maneiras de a missão
acabar em desastre.
– Fique perto dos engenheiros – ele disse a Fektrin. – Vamos na sua retaguarda para evitar que surja
alguém por trás.
Fektrin concordou cuidadosamente, então caminhou até o corpo de um stormtrooper caído e chutou o
fuzil do homem na direção de Chalis. A arma se arrastou pelo chão fazendo um chiado. Sem dizer mais
nada, ele tirou os engenheiros da sala.

Sempre que Namir treinava cadetes stormtroopers – cadetes que tinham abandonado suas unidades, seu
bom senso e seu salário fixo para se tornarem novatos na Companhia do Crepúsculo; cadetes que 90%
das vezes esperavam se tornar heróis da democracia e salvadores dos oprimidos em vez de cadáveres
abandonados no campo de batalha – ele tinha que ensiná-los a lutar sozinhos. Ou perto disso, porque
mesmo soldados em uma dupla de combate ou em um esquadrão de quatro integrantes, certamente, se
sentiam sozinhos quando superados em número mais de cem vezes.
Lutar sozinho significava saber táticas de guerrilha e truques sujos em vez de formação, domos de
escudo e suporte aéreo. Significava colocar armadilhas mortais, atirar em pessoas pelas costas e cortar
suas gargantas enquanto estivessem dormindo. Significava – como Namir lembrava ter ouvido de uma
recruta dias antes de ela abandonar a companhia – realizar atos que mais pareciam assassinato do que
guerra.
Ele não ficava surpreso por Chalis não sentir receio das táticas de guerrilha. Mas o surpreendia que
ela fosse boa nelas.
Quando Fektrin e os engenheiros desceram até os andares inferiores, Chalis identificou um tubo de
arrefecimento a gás que passava pelo corredor até o turboelevador. Com uma expressão aborrecida, ela
segurou o respirador mais forte sobre a boca e atirou três vezes no cano. Errou apenas uma das vezes.
O gás refrigerador era invisível e inodoro, e foi levado com o vento que percorria a nave. Quando uma
equipe de segurança imperial veio marchando pelo corredor, os oficiais – não stormtroopers, mas, pelos
olhares de desânimo, idiotas de 18 anos que haviam sido designados para manter um cargueiro
enferrujado fora de perigo – já estavam cambaleando pelos cantos. Eles não conseguiam nem mirar
direito, nem se esquivar. Namir se protegeu do lado de dentro de uma porta e verificou seu objetivo:
mirou e fez um furo no peito de cada um de seus alvos. Os primeiros tiros de Chalis saíram um pouco
atrasados e fora do alvo, mas logo ela corrigiu a mira e a empunhadura.
A zona de morte fez bem o seu trabalho. Namir e Chalis eliminaram uma segunda equipe e uma terceira
– quem quer que tivesse passado por Ajax e pelo bloqueio de sua equipe. Pelo comlink, Namir ouviu
Fektrin e os engenheiros lutando para concluir o trabalho de coleta; também ouviu os outros esquadrões
tentando desesperadamente manter uma rota limpa de fuga. A Companhia do Crepúsculo estava
sangrando, mas ainda conseguia aguentar.
A Trovoada disparou duas vezes no cargueiro, na tentativa de desarmar sistemas cruciais e travar o
fluxo de imperiais para a zona de combate. Quanto mais a tripulação do cargueiro estivesse ocupada com
a própria sobrevivência – quanto mais imperiais estivessem reparando os equipamentos vitais em vez de
lutar contra a Crepúsculo –, melhor. Mas havia pouca coisa que a Trovoada podia fazer sem matar seu
próprio pessoal, e Namir e os outros sabiam disso.
Quando Fektrin e os engenheiros sinalizaram que tinham acabado seu trabalho, os esquadrões mudaram
a tática. As equipes tinham saído de suas cápsulas de invasão para o interior do cargueiro como fitas
elásticas, desembarcando tropas em postos-chave e se espalhando ao máximo. Agora era hora de a fita
elástica contrair, cada equipe gradualmente deveria recuar para sua posição inicial à medida que a
equipe de engenheiros passasse por eles em segurança. Namir se viu novamente ao lado de Chalis,
protegendo o corpo dela com o seu. Eles permitiram que a equipe de engenheiros os ultrapassasse, então
os seguiram de perto, longe das vistas, mas perto o bastante para interceptar perseguidores.
Conforme se aproximavam da parede externa, os engenheiros se dividiram em diferentes cápsulas.
Fektrin enviou o sinal de comunicação indicando que era hora da retirada total. Os líderes de esquadrão
responderam afirmativamente e começaram a recuar, contraindo suas linhas de combate.
Chalis sorria enquanto Namir os guiava de volta à cápsula.
– Agora vamos torcer para que seus engenheiros estejam certos sobre quais peças precisavam.
Namir grunhiu:
– Claro. Assim que estivermos livres e longe da Orla Média, vamos deixar esse fracasso de retirada
no passado. Lamber nossas feridas antes do próximo massacre.
– Essa é a vantagem que você tem comigo a bordo: a Rebelião não terá mais como cantar vitória com
suas caras presunçosas e hipócritas.
Novamente, Namir não conseguiu conter o sorriso:
– Você é um exemplo mesmo para falar de presunção.
Ainda assim, era bom ouvir alguém falar as coisas que ele não podia quando rodeado por seus
colegas.
Chalis riu, e o som não era afetado ou comedido – tinha uma nota de genuíno contentamento que ecoou
pelo corredor à medida que fugiam daquele lugar.
Eles mal tinham chegado à cápsula quando um alerta veio da Trovoada: reforços inimigos tinham
chegado.

Um cruzador imperial da classe gozanti tinha vindo pelo hiperespaço e ajustado curso para a batalha.
Uivo tinha dado cinco minutos para que suas equipes de invasão completassem a evacuação; depois
disso, o cruzador entraria em linha de fogo, e seus turbolasers e torpedos de prótons começariam a
reduzir a Trovoada a uma nuvem de metal derretido à deriva no espaço.
Cinco minutos era mais que o suficiente para Namir e Chalis, mas Namir sabia que metade dos
esquadrões de invasão não conseguiriam chegar às cápsulas de fuga a tempo – não enquanto ainda
estivessem trocando fogo com as equipes de segurança do cargueiro. Se virassem as costas para seus
inimigos, seriam mortos. A explosão de vozes pelo comunicador após a transmissão da Trovoada
confirmou as suspeitas de Namir. Ajax, Charmoso, Fektrin, Zab e Carver – tensos e xingando, mas sem
reclamar – ordenaram que suas equipes fizessem o impossível.
Namir ficou sem reação por um momento. Então deu meia-volta no corredor que levava à sua cápsula
de fuga. Chalis se moveu entre ele e o resto do interior do cargueiro.
– Cinco minutos – disse ele.
A alegria sumiu do rosto de Chalis. As marcas da idade apareceram mais delineadas em suas
bochechas, e Namir viu que ela estava suando. O cabelo estava colado na testa. Ela olhou séria para ele e
balançou a cabeça.
– Nós vamos embora agora.
Alguém estava dando tiros de raios em algum lugar por perto. Namir mirou seu fuzil sobre o ombro de
Chalis.
– Você ofereceu sua ajuda – disse ele. – Você teve a chance de ir embora e disse que…
– Eu disse que queria que essa missão fosse bem-sucedida. Ela foi bem-sucedida. Seus amigos sabiam
quais eram os riscos.
Quatro minutos e meio. Não havia tempo para discutir.
– Você sabe onde está a cápsula de fuga – disse Namir, empurrando Chalis para o lado e correndo em
direção aos esquadrões remanescentes. A governadora falou mais alguma coisa que ele não conseguiu
ouvir.

Restando quatro minutos, Namir localizou o esquadrão de Ajax. Em sua pressa de fugir, Ajax e seus
soldados haviam recuado até um canto. Namir saiu atirando à vontade em uma multidão de stormtroopers
até seu fuzil começar a piscar luzes de alerta, desesperadamente atraindo a atenção deles, então o
esquadrão de Ajax conseguiu se libertar. O próprio Ajax morreu gritando obscenidades, com uma
granada na mão.
Faltando três minutos, Namir se separou do resto do esquadrão de Ajax quando Fektrin anunciou pelo
comunicador que sua equipe tinha se dispersado. Os engenheiros estavam a salvo, mas o resto do grupo
tinha se espalhado. Os homens de Fektrin estavam sendo dominados, um a um.
Com dois minutos restantes, Namir encontrou o cadáver de Fektrin. A pele alienígena já estava fria.
Namir percebeu que nunca tinha tocado em Fektrin.
Restando um minuto, Namir ouviu Charmoso gaguejar no comunicador e declarar que sua equipe tinha
chegado à cápsula. Nunca havia amado tanto Charmoso quanto naquele instante.
Sem mais nem um minuto, Namir selou a porta da cápsula de Fektrin por dentro e partiu na direção da
Trovoada. Ele o fez sozinho.

– Oito mortos. Não é um número ruim até você ver quem perdemos – falou lentamente o tenente
Sairgon, examinando cada palavra antes de pronunciá-la. Ele virou o datapad em suas mãos sem olhar, e
o colocou entre Namir e Uivo, no pequeno escritório do capitão.
A Trovoada e a Promessa de Apailana haviam entrado no hiperespaço sob fogo; as duas naves
estavam avariadas pela batalha. A Promessa tinha perdido seu gerador de escudo defletor ao bloquear as
saraivadas direcionadas à Trovoada, enquanto a própria Trovoada fora forçada a selar dois setores
devido a brechas em seu casco. Mesmo assim, a equipe de engenharia jurou que a invasão tinha valido a
pena – a rota da Trovoada não poderia mais ser rastreada.
Chalis tinha voltado a bordo em segurança com os homens que protegiam sua cápsula. Se Uivo ficara
sabendo que Namir tinha chegado em uma cápsula diferente, não mencionou o fato.
– E quanto aos recrutas? – Uivo estava olhando para Namir.
– Coyerti os fortaleceu. Pelo menos, os que estiveram lá. Os outros já estão quase prontos. Eles irão
reforçar os números, mas não substituem Ajax…
– Se eles estiverem dispostos a lutar e dispostos a aprender, é o que basta por agora – disse Uivo. –
Eles terão tempo para treinar na flotilha.
Namir olhou para Sairgon. Sua expressão não havia mudado, mas ela raramente mudava. Sairgon
parecia feito de granito.
– Vamos parar para fazer os reparos? – perguntou Namir.
– Sim e não – disse Uivo.
Sairgon foi quem explicou:
– A Trovoada e a Promessa se encontrarão com outros três grupos de batalha no espaço profundo.
Teremos um mês para colocar as duas naves em forma novamente e para que os homens possam se
recuperar. O Alto Comando da Aliança vai enviar novas ordens para toda a frota ao fim do prazo.
Namir não soube o que dizer. Por um lado, um mês de descanso e treinamento leve seria bom para a
companhia. Soldados designados a novos esquadrões precisariam de tempo para se ajustar. Ele tinha uma
lista de tropas com ferimentos menores – queimaduras, lacerações, distensões – que tinham sido
ignoradas desde antes de Haidoral. Mas um mês à deriva no espaço não seria muito bom para a cabeça.
Ele não ficaria surpreso se até os droides começassem a dar tiros nas paredes para afugentar o tédio.
– Muito bem – disse Namir. – Isso parece um “sim”. Qual é o “não”?
– Ah. – Uivo deu um sorriso triste e caloroso, que fez Namir querer bater nele. – Eu já lhe disse que a
governadora Chalis vem trabalhando em um esquema…
– … dos mecanismos de funcionamento do Império – Namir o cortou. – Todas as rotas de comércio,
todas as fábricas, todos os neurônios de seu cérebro. Eu ouvi o discurso dela.
Uivo curvou a cabeça e virou de frente para seu holoprojetor. Ele tocou um botão. As luzes superiores
diminuíram e uma imagem azul trêmula preencheu a sala – um emaranhado truncado que, para Namir,
parecia menos com uma máquina ou um monstro e mais como uma planta flutuante dentro de uma névoa.
Gotículas brilhantes deslizavam por milhares de caules, e brotos esféricos inchavam e contraíam. Com
um gesto da cabeça de Uivo, a imagem toda girou e centenas de rótulos se posicionaram. Aqui e ali,
Namir localizava nomes de sistemas solares que ele reconhecia – Coruscant, Corellia, Mandalore –, mas
ele não compreendia o que aquilo significava.
– Ela é uma artista e tanto – disse Uivo. – Eu, particularmente, não soube processar tudo isso, mas já
confirmei partes com o Alto Comando. Duas semanas atrás, nossos espiões descobriram uma operação
de mineração de gás tibanna na região do Olho Pantrosiano. Foi assim que o Império conseguiu aumentar
sua produção de armas de raios durante o ano passado. Chalis não sabia que nós já conhecíamos a
operação… mesmo assim ela a colocou em sua obra de arte.
– Então é útil – disse Namir. – O que isso significa para nós?
– Nós – disse Uivo – recebemos um convite para nos dirigirmos à base secreta do Alto Comando, por
ordem direta da princesa Leia. Enquanto a Trovoada é reparada, Chalis e eu, junto com uma escolta,
deixaremos a Companhia do Crepúsculo para discutirmos a próxima fase da guerra.
Namir acenou lentamente com a cabeça. Seus músculos, de repente, se sentiram cansados, como se ele
estivesse de pé há horas. A partida de Uivo geraria algumas reclamações na hierarquia, mas perder
Chalis? Já não era sem tempo, e não podia vir em melhor hora.
Uivo inclinou-se sobre a mesa, com os olhos arregalados ao sorrir.
– Parabéns – disse ele. – Você faz parte da escolta.
“É claro que eu faço”, pensou Namir, e ele controlou-se para não dar uma risada irônica. Chalis atraía
má sorte, afinal de contas, e ele a carregava como um amuleto.
C A P Í T U L O 9

P LANETA SULLUST

15 DIAS ANTES DO PLANO K10

SP-475 ficou firmemente parada em sua armadura branca, observando o tenente andar para frente e
para trás. Ele parava periodicamente para olhar um stormtrooper dos pés à cabeça: para examinar a
vestimenta em busca de arranhões ou manchas, catalogar o equipamento do soldado e seus periféricos,
ou, na pior das hipóteses, chamar a atenção de um trooper por negligência.
Quando SP-475 começara como cadete – há cerca de um ano, quando ela não era nada além de Thara
Nyende –, ela detestava inspeções. Toda vez que era repreendida por erros, ela levava para o lado
pessoal. Raiva e vergonha ferviam em suas entranhas por horas depois da repreensão. Conforme as
semanas se passaram, no entanto, ela gradualmente percebeu que as vestimentas sem rosto e as
designações alfanuméricas asseguravam que ninguém fosse considerado especial. Se o tenente chamasse
sua atenção, não era pessoal, era porque você tinha feito algo que colocaria você e seus camaradas em
risco.
Então você corrigia o erro. E no dia seguinte, tudo já teria sido esquecido. Esse era um dos motivos
por que Thara amava a legião dos stormtroopers.
Ela se juntara a eles com a intenção de servir apenas por um período, ganhando mais dinheiro que ela
poderia imaginar em qualquer outro lugar, ajudando sua mãe, primos e tio antes de voltar à vida civil.
Agora ela podia se ver permanecendo ali para sempre.
– O comando enviou um alerta sobre a Frente de Reforma dos Trabalhadores de Cobalto – dizia o
tenente. Ele se afastou das fileiras e tomou a frente da pequena sala de reunião. – É fácil rir, eu sei. Eles
mal foram capazes de organizar um protesto, e estimamos que 80% de seus membros estejam sob
custódia. Alguns trabalhadores descontentes portando bombas caseiras não deveriam ser uma ameaça às
fábricas, a Pinyumb ou a Sullust.
SP-475 resistiu à ânsia de puxar os dados da Frente Cobalto no display de seu capacete. “Foque no
tenente”, ela disse a si mesma. “Ele dirá tudo o que você precisa.”
O tenente acenou para um droide, que operou obedientemente os controles do holopainel no centro da
sala. Luzes refletiram no espaço vazio, e rostos humanos e sullustanos começaram a circular.
– Mas observamos indicativos alarmantes de que a Frente Cobalto está tentando cultivar laços com a
Aliança Rebelde – continuou o tenente. – E se a Rebelião vier a Sullust, teremos falhado em nosso
principal dever: manter a ordem. Memorizem os nomes no display. Nien Nunb, Sian Tevv, Corjentain
Malaqua… Esses são rebeldes com laços conhecidos com Sullust. São possíveis infiltrados. Eles podem
estar contrabandeando armas e equipamentos para uma grande revolução.
Essa era a parte do trabalho que SP-475 odiava. Ela olhou para os hologramas, tentou fixar as formas
dos olhos, queixos e orelhas em seu cérebro. Mas, na rua, ela seria forçada a tomar decisões – levar
homens e mulheres em custódia por horas ou dias, porque eles eram parecidos o suficiente com seus
alvos; desperdiçando tanto o tempo deles como o dos oficiais de interrogação…
Ela confiava na legião de stormtroopers, confiava no tenente. Ela só ainda não confiava em seu próprio
discernimento.
O tenente começou a falar mais, mas algo o fez hesitar. Ele virou as costas para a tropa e levou a mão
ao ouvido.
Então os alarmes da guarnição começaram a tocar.
Os stormtroopers eram muito disciplinados para quebrar a hierarquia, mas SP-475 viu seus camaradas
ficarem inquietos, olhando uns para os outros. Finalmente, o tenente ficou de frente para eles novamente
e, como um só, todos se endireitaram.
– Stormtroopers! – disse ele, com a voz fria e os ombros tensos. – A situação mudou. O inimigo
atacou.

A cidade-caverna de Pinyumb se escondia debaixo da superfície desolada de Sullust, no lado sul de
Inyusu Tor – um monte vulcânico envolto em obsidiana preta. Havia linhas de bonde e elevadores
industriais sibilantes que percorriam o caminho da cidade ao monte, passando pelas guarnições e pela
defesa aérea, chegando até a fábrica de processamento que coroava a montanha. Milhares de habitantes
em Pinyumb utilizavam os transportes terrestres e aéreos para ir até a instalação todos os dias, trabalhar
em seus mecanismos para retirar magma do coração da montanha; filtrar, peneirar e purificar rocha
derretida para extrair metais preciosos que melhorariam a frota imperial.
Apesar das inúmeras medidas de segurança – desde pontos de controle mantidos por stormtroopers,
passando pela análise do perfil psicológico dos trabalhadores e até leitores biométricos –, a maquinaria
da instalação era inerentemente vulnerável. Seria necessário apenas que uma pessoa enchesse um dos
tubos com trapos ensopados em um coquetel químico para fazer com que os extratores paralisassem e os
separadores magnéticos mergulhassem em um fluxo de magma.
Seria necessária apenas uma pessoa. Mas, até que essa pessoa fosse identificada, SP-475 tinha que
presumir o pior.
Outras equipes, mais experientes, tinham isolado a instalação. SP-475 passara o dia fechando
Pinyumb, bloqueando ruas e conduzindo buscas aleatórias em civis. Meia hora depois de ter começado,
apareceu um aviso em seu display que a autorizava a deter indefinidamente qualquer um que ela julgasse
suspeito. Era uma autoridade de que ela esperava não precisar.
Mais cedo naquela tarde, ela começou a receber mandados de busca e apreensão do Departamento de
Segurança. A cada aviso que chegava, ela tinha que adentrar complexos residenciais, casas de banho ou
mercados, cercando-os com qualquer outra tropa que tivesse sido designada e fazendo buscas por
possíveis itens incriminadores. Moradores que cooperassem poderiam observar. Qualquer um que
resistisse estaria sujeito à prisão. SP-475 não chegou a encontrar nenhuma arma ou bomba; apenas
especiarias, holovídeos do mercado negro e panfletos da Frente Cobalto. O bastante para algumas
detenções. Ela se perguntou se as buscas eram aleatórias ou se o departamento tinha pistas sobre os
terroristas, mas que ela não tinha autorização para saber.
Não houve outro ataque.
Chegando ao fim de seu turno, ela foi designada como sentinela em uma estação de bonde. SP-156
tinha sido escalado como seu parceiro. Ela já tinha trabalhado com ele anteriormente, confiava nele tanto
quanto em qualquer outro colega, embora não soubesse seu nome verdadeiro.
– Você acha que alguém morreu? – ele perguntou. – Na instalação, eu digo.
SP-475 contraiu o rosto por dentro do capacete. Conversas desnecessárias eram contra as regras
enquanto em serviço, e os trajes gravavam tudo.
Ela arriscou uma resposta rápida mesmo assim e torceu para que os monitores fossem tolerantes.
– Não no relatório – disse ela. – Provavelmente não.
SP-156 concordou com a cabeça e mudou a empunhadura do fuzil.
– Você acha que o nosso lado matou alguém? Por aqui?
Ela não tinha certeza de por que ele estava fazendo aquela pergunta. Desta vez, pareceu mais seguro
permanecer em silêncio.

Quando seu turno finalmente acabou, Thara estava exausta. Ela queria ir para casa, cair na cama e
adormecer sem comer ou tomar banho. Parecia que sua armadura era a única coisa que ainda a mantinha
de pé, e ela esperava desaparecer em suas roupas civis e nas ruas de Pinyumb.
Mas ela tinha prometido ao tio outra entrega de alimentos, remédios, sabão e luxos simples. Ela vinha
fazendo compras a semana inteira, acumulando-as em seu armário. Os velhos contavam com ela. Então
ela se arrastou até a cantina e tirou os pensamentos do dia da cabeça.
Havia uma multidão lá dentro, lotando as mesas levemente iluminadas e derramando coisas no chão.
Ela ficou surpresa até se lembrar das buscas nas residências. Os trabalhadores estavam bebendo noite
adentro porque não tinham para onde ir até que o Departamento de Segurança autorizasse o retorno deles.
Thara ficou tensa só de pensar na situação e desejou ter planejado melhor aquilo; ela deveria ter levado
mais comida, um aquecedor portátil e roupas limpas.
Ela disse isso ao tio e ele a interrompeu. O sorriso dele era constrangido.
– Está tudo bem, Thara. Você não precisa gastar seus últimos créditos com a gente.
Thara entregou sua bolsa para ele, ainda pedindo desculpas. Ele tomou-a das mãos dela, guardando
uma pequena distância, como se esperasse que a bolsa fosse mordê-lo. Ela percebeu que os velhos a
estavam observando de novo.
Eles estavam com medo. Ela compreendia. Não havia nada que ela pudesse fazer.
– Eu vou nessa – disse ela. Seu tio concordou com cabeça, começou a estender o braço na direção
dela, até que ele recordou ainda estar segurando a bolsa de Thara.
Ela não teve a intenção de escanear o lugar com os olhos ao caminhar de volta à porta. Mas passara as
últimas doze horas analisando rostos de espiões e procurando facas e armas de raios escondidas. Seus
olhos saltaram ao ver na multidão mãos cinzas sullustanas deslizarem discretamente debaixo das mesas,
segurando pacotes prateados de ração. Viu um garoto humano andar para trás de uma mulher grande,
escondendo curativos novos em seu bíceps. Ela viu uma bolsa de lona vazia, apoiada sobre uma mesa no
canto.
Thara estava tremendo quando chegou à saída e caminhou pelas pedras de volta à caverna. Nada
daquilo era prova, ela sabia – ainda não, na verdade, e ela não estava mais de serviço. Ela até poderia
conviver com o fato de que os trabalhadores agora a odiavam – por nenhum motivo real, mas ela podia
assumir a culpa e, ainda assim, ajudar a família.
Mas se alguém mais estava dando suprimentos aos trabalhadores de Pinyumb – alguém com dinheiro e
recursos que os velhos não tinham –, então era uma coisa que ela não poderia ignorar para sempre.
C A P Í T U L O 10

3 ANOS-LUZ DE DIST ÂNCIA DA HIP ERLINHA


DA ROTA DE COMÉRCIO CORELLIANA

14 DIAS ANTES DO PLANO K10

Muito frequentemente, não havia corpos envolvidos num funeral da Companhia do Crepúsculo. Às
vezes, era porque não havia corpos a serem encontrados – acidentes aéreos e desintegração causavam
esse efeito. Normalmente, isso acontecia porque a Crepúsculo era uma unidade de infantaria móvel e os
mortos eram decididamente imóveis, pesados demais para serem carregados enquanto se está avançando
ou recuando.
Portanto, a Crepúsculo tinha desenvolvido suas próprias tradições com o passar dos anos para saudar
a queda de um camarada. Para reconhecer os oito mortos na invasão ao cargueiro, o intendente Hober
ficou de pé na ala de veículos da Trovoada lendo os nomes de todos os homens e mulheres abatidos. Os
mais próximos das vítimas – amigos, companheiros de esquadrão e, em casos raros, amantes – ficavam
observando, espremidos entre os speeders e as naves de desembarque, cheirando a graxa e suor. Outros
esperavam do lado de fora, ouvindo a voz de Hober sendo transmitida pela nave.
– Sargento Maximian Ajax – proclamou Hober.
Tique abriu caminho com os cotovelos para ir até a frente e ficar diante de Hober.
– Casca-grossa. Sofrido até o fim – disse ela, curta e grossa.
Ela levantou um energipente de arma de raios com a mão trêmula. Estava enferrujado e amassado,
pronto para ser jogado fora ou reciclado. Hober tomou-o solenemente, inseriu-o na estação de carga
veicular e drenou suas últimas faíscas. Feito isso, ele o substituiu em um pequeno estojo metálico e Tique
recuou na direção da multidão.
Não foi uma cerimônia longa, e a tradição da Crepúsculo garantia que o tributo de ninguém tivesse
mais que algumas palavras. Não importava se você tivesse sido um amado veterano ou um recruta – você
tinha direito a um amigo, um discurso e, então, já era.
Na morte, todos os soldados eram iguais.

O Clube sempre ficava lotado depois de um funeral. Os jogos de cartas tinham apostas maiores e as
bebidas de contrabando eram mais abundantes. Não era um lugar para luto sombrio ou privado – era um
lugar para distração, e os funerais improvisados terminavam quase sempre em briga.
Namir tinha sua própria necessidade de distração, mas o Clube não a oferecia. Ele sentou-se com seu
esquadrão e forçou um sorriso sarcástico quando Peste perguntou quando ele iria partir.
– Amanhã de manhã – disse. – Uivo, Chalis, eu, Roja e Beak. Deseje-me sorte na viagem em nave
auxiliar.
– Beak é um bom soldado – disse Gadren –, e Roja é… Roja. Há camaradas piores para se ter.
Namir torceu o nariz.
– Não é com eles que estou preocupado.
– Você vai conhecer a princesa? – perguntou Peste. A voz dela estava ainda mais baixa que o normal.
Charmoso riu. Brand balançou a cabeça. Gadren, no entanto, fez um gesto brusco, pedindo silêncio.
– Vocês zombam – disse ele –, mas quem aqui nunca se sentiu inspirado por um dos grandes heróis da
Rebelião? Ou, se não da Rebelião, heróis de tempos passados?
Charmoso curvou-se, sorrindo.
– Gostaria de ter sido… – Ele gaguejou as palavras, mas manteve o sorriso. – … bom o bastante para
explodir uma Estrela da Morte quando eu era jovem. Mas estou… muito velho para ídolos.
– Foi só uma pergunta – murmurou Peste. – Eu a vi num holovídeo pirateado uma vez.
O sorriso forçado de Namir estava se tornando uma careta. Brand olhou na direção dele e ofereceu o
que parecia ser um olhar de compaixão.
– Quanto a mim – disse Gadren, com a voz conciliatória e meditativa –, sou apenas grato por a Aliança
ver um futuro, mesmo que eu não possa. Se a governadora Chalis puder fornecer meios para mudar o
curso dessa guerra…
Esse foi o padrão de conversa da noite. Um por um, os soldados da Crepúsculo se despediram de
Namir, desejaram-lhe boa viagem e perguntaram o que ele esperava encontrar no quartel-general rebelde.
Homens que ele mal conhecia especulavam a respeito da localização da base, e contavam a ele boatos de
uma fortaleza em um asteroide ou uma cidade debaixo da água antes de oferecer suas esperanças para o
futuro.
Namir sentiu o desespero por trás das perguntas. Aqueles eram soldados que há pouco tinham visto
seus amigos morrerem, que passaram os últimos meses perdendo cada pedaço de território que
conquistaram. É claro, eles queriam ter esperança. É claro, eles viam o comando da Aliança como
inspiração.
Namir não conseguia partilhar de tal esperança, mas não queria entristecer ainda mais o humor de seus
camaradas – não quando todas as conversas na sala voltavam-se para Fektrin, ou Ajax, ou Cappandar,
pessoas que se sacrificaram para manter a segurança da Crepúsculo. Mesmo assim, ele estava sendo
separado da Companhia quando seus soldados mais precisavam dele. Na base rebelde, haveria um lugar
para Uivo, um lugar para Chalis – talvez até para Roja e Beak –, mas não para Namir.
Maediyu passou a Namir uma garrafa de alguma coisa forte – ela vinha sendo estranhamente solícita
com ele desde que a salvara de morrer queimada na entrada da câmara de ar de Chalis – e isso o ajudou
a aguentar o resto da noite. Já passada a meia-noite, o tom da reunião começou a mudar conforme as
antigas rusgas entre os mortos eram recontadas. Quando Tique começou a gaguejar e alguém culpou Ajax
pela morte de Fektrin, ela deu o primeiro soco do dia.
Ver Tique começar uma briga não surpreendeu Namir. Ver Peste, logo ela, segurar Tique e acalmá-la,
de fato, o surpreendeu, mas talvez não devesse. Peste era uma brigona.
Depois da briga, depois que o Clube ficou quase vazio, Namir se viu sentado num canto com Brand.
Ele não lembrava quando ela havia se juntado a ele ali, mas ela estava olhando para ele consternada e
disse:
– Comporte-se quando estiver lá. Não seja tolo.
– Você não confia muito em mim, não é? – perguntou Namir, com a voz arrastada de exaustão.
– Nunca confiei – disse Brand.
– É por isso que nos damos bem?
– É por eu ser tolerante e você não fazer perguntas idiotas. Normalmente.
Pela primeira vez, ele a pegou sorrindo. Ou algo perto o bastante de um sorriso.
– Preciso que cuide dessa gente – disse Namir. – Quando eu tiver partido. Você tem um juízo que eles
não têm.
– Não posso prometer isso.
– Você pode – disse Namir, calado e intenso.
– Não da maneira que você quer – disse Brand. Ela não olhou para ele ao falar, comedida e calma. –
Perdi todo meu juízo quando conheci Uivo. Há coisas mais importantes que sobreviver.
Ela hesitou. Namir pensou em algum argumento antes que ela o interrompesse com um:
– Eu vou tentar. Você sabe disso.
Ele assentiu.
– Tome conta deles – murmurou novamente.
Brand enfiou a mão no bolso e tirou um pequeno retângulo de metal sob a luz tênue do Clube. Um
datachip. Ela o entregou a Namir, que ficou curioso.
– Em caso de emergência – disse ela.
Sem dizer mais nada, ela saiu do lado de Namir.

Namir dormiu uma hora naquela noite antes de acordar e juntar suas coisas no escuro do alojamento.
Mesmo quando criança, ele havia aprendido a dormir independentemente do local ou do estado mental –
embora sono nunca garantisse descanso.
O turno da manhã não tinha nem começado e os corredores da Trovoada estavam quase vazios quando
Namir caminhou atordoado até o refeitório. Comer era outra coisa que ele tinha aprendido a fazer apesar
das circunstâncias, e os suprimentos seriam limitados na nave auxiliar até a base rebelde. Quando entrou
no refeitório, não ficou chocado por ver outro rosto humano, mas não esperava que fosse o da
governadora Chalis; não tão cedo. Ela estava sentada a uma mesa, bebericando de uma tigela de metal
que exalava vapores, sem olhar para Namir quando ele entrou.
Namir não se importou. Ele não estava a fim de conversar mesmo.
Quando ele encheu uma bandeja com os restos que o droide podia oferecer – as carnes e os vegetais
frescos que haviam sido roubados de Haidoral Prime há muito já tinham acabado, obrigando Namir a
comer um desjejum formado por um purê de grãos boiando em temperos artificiais e uma bebida
vitamínica com a textura e o gosto de cascalho –, ele se sentou em uma mesa adjacente à de Chalis e
começou a comer. Ele não pôde sequer dar uma colherada antes de ouvi-la dizer:
– Você não deveria ter escutado.
Ele expirou por entre os dentes e se endireitou no banco da mesa.
– Escutado o quê? – ele perguntou.
Chalis deu outro longo gole de sua tigela, então fez um gesto circular.
– O droide – disse ela. – Essa pasta que você está comendo é um desastre. Era melhor ter pegado as
sementes e as ensopado em água quente até que inflassem. Leva um tempo para se acostumar com o gosto,
mas é melhor do que o que você pegou. – Ela olhou na direção da cozinha. – Além disso, faz os
suprimentos durarem por mais tempo, já que isso parece ser um problema para vocês.
– Não era para você estar sob vigia? – perguntou Namir.
Chalis deu de ombros.
– Partimos para a base em três horas – disse ela. – Nas palavras do capitão Evon: “Que mal ela pode
fazer?”.
Namir grunhiu e engoliu uma colher da gororoba. Era, como prometido, terrível.
– Onde você estaria se não fosse pelo apoio dele? – perguntou ele.
– Onde, de fato? – retorquiu Chalis.
Eles comeram em silêncio por um tempo, até que Chalis voltou a falar:
– Não foi minha ideia, sabia… levar você nessa viagem. Isso não me beneficia. Mas também não
contei ao capitão que você me abandonou no cargueiro.
– Eu deveria estar grato?
– Não. Mas também não precisa ficar guardando ressentimentos.
Namir meio que riu, meio que tossiu com o purê na boca.
– Assim que você estiver seguramente distante da Crepúsculo? Eu não pretendo pensar em você nem
de um jeito, nem de outro. Você já fez seu estrago – retrucou.
Chalis olhou para sua tigela e sorriu. O silêncio se estendeu por mais tempo dessa vez.
– Eu acho – ela disse – que seu capitão acredita que você possa aprender alguma coisa com essa
viagem. Ele quer que você veja a Rebelião em sua melhor forma. Talvez você volte inspirado.
Aquela ideia não tinha passado pela cabeça de Namir. O purê caía pesado em seu estômago. Mas ele
continuou comendo.
Chalis levantou-se de sua mesa e levou a tigela até a pia de lavar louças. Namir não tirou os olhos da
comida, mas não pôde deixar de acompanhar os passos dela com sua visão periférica. Ela andou até sua
mesa e sentou-se à frente dele.
– Vou lhe dar um conselho, sargento, porque você tem sido útil para mim e acho que você precisa. Você
pode ouvir ou não.
Desta vez, não foram as palavras que chamaram a atenção de Namir. A voz dela havia mudado ao falar,
ficando mais aguda e perdendo aquela eloquência estranha e artificial. Assumiu um novo sotaque – não
exatamente estrangeiro e não exatamente familiar – que resgatou memórias de um mundo que Namir não
via há anos.
Chalis deu de ombros e, quando falou novamente, o sotaque tinha se ido:
– Você é de Khuteb? Promencius Quatro? Um daqueles velhos fins de mundo coloniais tioneses, eu
imagino, embora não consiga distinguir o dialeto.
– Um daqueles – disse Namir, quase baixo demais para ser ouvido.
– Muito bem – disse Chalis. – Então você provavelmente nunca tinha visto uma estação sanitária
funcionando até ter mais ou menos uns dez anos. Daí a Rebelião vem e levanta seu ego, lhe dá comida –
havia escárnio em sua voz ao dizer tal palavra, acentuado por um balançar de mão na direção da bandeja
de Namir – e abrigo. Nada demais, mas já era uma melhora. Naturalmente, você jura obediência a seus
salvadores. Estou chegando perto até agora?
– Essa é a sua definição de conselho?
Chalis riu.
– Não me desmereça, sargento. Vamos chegar lá.
Namir aguardou.
Chalis continuou:
– Meu ponto é: você sobreviveu e saiu de um buraco do qual a maioria das pessoas jamais escapa. É
tudo muito bom, mas você é tão grato pelos restos que lhe deram que agora parou de lutar por algo
melhor.
– Melhor, como ser governadora? Ou melhor, como viver em uma câmara de ar?
Chalis deu de ombros novamente, sem se abalar.
– Não vou dizer que esse tem sido um ano exemplar na minha vida. Mesmo Haidoral foi uma punição,
mas não foi tão ruim. Eu tinha respeito, eu tinha conforto, eu tinha tempo para esculpir. É tudo o que eu
sempre quis. Se Vader não estivesse esperando por uma desculpa para me executar…
Enquanto Namir ouvia, ele percebeu o sotaque dela mudando outra vez – não para imitar algo que ele
reconhecesse, mas havia um arrastado sutil nas vogais alongadas. A postura dela também tinha mudado,
os ombros, normalmente elevados, haviam relaxado e formavam um arco; a cabeça e as mãos moviam-se
mais informalmente.
Pela primeira vez, ele sentia que a governadora não estava tentando manipulá-lo.
– Você sabe o resto – disse ela. – Aqui estou eu agora, e se eu tiver que destituir o Império para ter
minha vida de volta, que assim seja.
– É isso o que você planeja dizer ao Alto Comando da Aliança?
Chalis torceu o nariz.
– Por favor… Há coisas que eles precisam que eu fale sobre “opressão imperial”, e eu vou dizer isso
a eles. Isso se chama diplomacia. – Ela fez uma pausa. – A ironia é: eu não acho que eles estejam errados
no geral. – Ela curvou-se à frente, apoiando casualmente um cotovelo sobre a mesa. – Eles acreditam que
o Império está esmagando cada vez mais seus cidadãos para o benefício de uma diminuta elite; retirando
a liberdade e o conforto das massas para alimentar o apetite insaciável do imperador e do Conselho
Executivo. Isso é verdade, e eu tenho os números para provar. Onde a Rebelião se engana é quando pensa
que essa tendência nunca vai diminuir ou parar. Que o fim inevitável é – sua voz assumiu um tom de falsa
solenidade – a desolação e a falta de esperança para todos os seres vivos… tirando o próprio imperador.
Agora, ela estava a divertir-se consigo mesma, energizada.
– Eles estão tão convencidos de sua retidão que não veem quão impraticável realmente é esse cenário
sombrio – disse ela. – O Conselho Executivo não precisa de stormtroopers tomando conta de cada
fazenda, ou de cada planeta habitável convertido em um mundo cheio de fábricas. Chegará um certo ponto
em que até Palpatine olhará para o Império e dirá: “Agora está bom”.
Chalis balançou a cabeça e suspirou, com um sorriso exasperado no rosto. Observando-a, Namir
percebeu que, não apenas ela não estava o manipulando, como aquela era a primeira conversa que ele
tinha em muito tempo com alguém que não via a galáxia como um campo de batalha ideológico. Isso não
tornava a governadora menos deplorável, mas, perto da filosofia tortuosa de Uivo e da dedicação zelosa
de Gadren, parecia confortavelmente sincera.
Ou talvez não. Peças de um quebra-cabeças se encaixaram em sua mente e ele riu novamente.
– Você está mentindo – ele disse.
Chalis não parecia ofendida.
– Sobre o quê?
– Destituir o Império – disse Namir. – Você precisava da Crepúsculo para escapar de Haidoral. Você
está presa com a Rebelião desde então, mas você a abandonará na primeira oportunidade que surgir.
– Possivelmente – disse Chalis. – Mas nesse meio tempo, eu pertenço à Aliança. – Ela se levantou do
banco e bateu os dedos sobre a mesa antes de caminhar na direção da porta do refeitório. – E pelo menos
eu tenho uma meta. Algo a conquistar.
Então ela se foi, e Namir ficou sozinho no refeitório. A sensação de conforto se dissipou. Ele tentou
afugentar a conversa de sua mente, tentou esquecer as despedidas que deu a seus colegas no Clube. Ele
faria suas rondas e verificaria suas tropas mais uma vez antes de deixar a Trovoada.
“Não pense na base rebelde”, disse a si mesmo. “Você estará de volta em breve.”
C A P Í T U L O 11

SET OR METAT ESSU

13 DIAS ANTES DO PLANO K10

O capitão Tabor Seitaron tinha passado a maior parte do mês a bordo da Arauto, observando os
membros da tripulação do destróier estelar caçarem a governadora Chalis sob a liderança do prelado
Verge. Suas primeiras impressões, ele agora percebia, tinha sido injustas.
Em uma tripulação jovem, com menos de meio ano fora da doca espacial, as doenças da fadiga e do
estresse pós-traumático eram, comumente, mais bem tratadas por meio de estrutura e disciplina. Para
tropas lutando para se adaptar às responsabilidades, turnos menores e mais frequentes proporcionavam
melhor concentração, e a estrita adesão às regras incentivava aqueles que preferiam não se concentrar.
Mas Tabor hesitava em implementar mudanças a bordo da Arauto. Ele vira muitos comandantes
interromperem o funcionamento de sua tripulação por pouco. Em vez disso, com o passar dos dias, ele
percorreu toda a extensão de um quilômetro da embarcação, de bombordo a estibordo, conhecendo os
oficiais da ponte e os especialistas em engenharia. Ele fez questão de conversar a respeito de suas tarefas
enquanto realizava suas rondas. Uma vez por semana, até se juntava a eles no refeitório e discutia
trivialidades – suas famílias, seus planetas natais. Ele lia seus arquivos pessoais à noite e fazia anotações
para revisar posteriormente. Ele nem ignorava, nem confiava cegamente nas avaliações do prelado sobre
suas tropas – avaliações que tendiam ao endeusamento ou ao desespero, sem qualquer meio-termo.
O que ele descobriu, por fim, foi uma tripulação obediente que tinha perdido seu rumo. Eram bons
homens e mulheres, leais e capazes, mas não sabiam mais em que acreditar. Isso poderia destruir
qualquer soldado, mas havia pouca coisa que Tabor podia fazer.
A culpa, ele determinou, recaía inteiramente sobre o prelado Verge.
Tabor também não tinha julgado Verge corretamente. O garoto era servil e idólatra ao imperador, com
toda a certeza, e lhe faltava experiência militar... mas era brilhante e incrivelmente carismático à sua
maneira. Quando perguntava sobre o filho do tenente Kourterel, prometia ao homem que um destacamento
de stormtroopers ficaria responsável pela proteção de sua família contra os rebeldes de Vanzeist, e sua
sinceridade era clara. Quando se punha diante do display no centro tático, imaginando uma dezena de
rotas que os rebeldes de Chalis poderiam ter pegado, ele analisava e dispensava cenários tão
rapidamente que Tabor conseguia apenas concordar e fingir que tinha acompanhado a lógica.
Ainda assim, as idiossincrasias de Verge contrabalanceavam a natureza refinada do garoto. Tabor
aprendera isso durante sua sexta noite a bordo da Arauto, no baile de gala improvisado do prelado.
O evento tinha deixado Tabor desconcertado desde o início. O prelado havia mandado que uma doca
fosse convertida em um salão de festas. Músicos holográficos tocavam hinos neoclássicos à Nova Ordem
e droides astromec serviam canapés vindos da cozinha dos oficiais. Os convidados – uma mistura de
determinados membros da tripulação que, até onde Tabor podia identificar, foram escolhidos
aleatoriamente – pareciam bastante entusiasmados, dispostos a comer e dançar diante do pedido do
prelado.
Passada uma hora, Verge resolveu proclamar o propósito do baile. Mais cedo naquele dia, ele
explicou, ficara sabendo a respeito de uma falha de um oficial em relatar informações vitais a tempo.
– Ele temeu me acordar durante a noite – disse Verge –, duvidando que a informação (de que a
governadora Chalis e seus rebeldes haviam sido avistados no planeta Coyerti) fosse precisa.
Verge continuou falando, enquanto um par de stormtroopers conduzia o oficial em questão para o
centro da doca. Tabor ficou surpreso em ver um olhar não de pânico, mas de desespero no rosto do
oficial.
– Sua falta de confiança na informação era compreensível – disse Verge –, mas ao deixar de trazê-la à
minha apreciação, ele colocou a fé em seu julgamento acima de seus superiores. Isso não pode ser aceito,
e não pode ser perdoado.
Um dos stormtroopers apresentou um fino cilindro metálico. Verge acenou e o cilindro,
mecanicamente, se transformou em um bastão, com uma ponta dançando e faiscando com eletricidade.
– Decidi conceder a todos vocês o privilégio de realizar uma punição administrativa – disse Verge. –
Se ele sobreviver, voltará ao serviço como um homem castigado. Um homem melhor.
Então Verge deixou o baile. Os convidados fizeram o que era esperado que eles fizessem. E Tabor
dormiu pessimamente naquela noite.

A constituição de Tabor sofria com a idade. Mesmo depois de se ajustar à gravidade do destróier
estelar, ainda acordava todas as manhãs dolorido e tenso. Ele já tinha perdido a seleção de chás
oferecida pela Academia Carida e se viu aumentando o tamanho da fonte nos datapads entregues a ele por
oficiais mais jovens.
Mas sua saúde mental ainda era tão boa quanto antes. Ele já tinha visto coisas muito piores que os
castigos impostos do prelado; ele mesmo já infligira piores, mais de uma vez. Mas como a tripulação
poderia funcionar quando seu comandante agia de forma imprevisível? Em um momento, Verge citava o
imperador a uma plateia encantada a bordo da ponte; no outro, ele ordenava que um engenheiro tivesse
sua patente retirada por falhas em um droide avariado.
Todas as noites após aquele baile, o desejo de Tabor de voltar pra casa ficava cada vez mais forte. E
assim, a cada dia, ele procurava se relacionar melhor com as tropas e aprimorar seus equipamentos para
a caçada à governadora Chalis. Quanto antes a missão fosse concluída, mais rápido ele poderia voltar à
sua rotina familiar.
Verge providenciava todo o apoio solicitado por Tabor: quando Tabor pediu permissão para designar
meia dúzia de oficiais para colaborar com embarcações imperiais no setor Metatessu, Verge autorizou.
Quando eles souberam que a nave de Chalis estava deixando um rastro de uma partícula sutil, Verge
incentivou Tabor a supervisionar a equipe de cientistas dedicada à análise do rastro.
Nos dias seguintes, Tabor estava convencido de que o sucesso estava próximo. Algumas naves
imperiais foram colocadas em posição para interceptar Chalis rapidamente, mas enquanto ela deixasse
um rastro, não tinha como escapar. Dentro de poucos dias, a própria Arauto poderia chegar até Chalis.
Então chegou a notícia da invasão.

– Um de nossos cargueiros! Era um alvo óbvio. Deveríamos ter nos preparado!
Tabor contraiu ao som da própria voz. Ele amassou o relatório com uma mão, olhando furiosamente
para os oficiais de ligação na ponte. Mas havia dezenas de naves aliadas no setor, e prever qual Chalis
iria atacar – se eles, ao menos, soubessem que ela iria tentar esconder seu rastro –, teria sido
praticamente impossível.
Um dos oficiais de ligação estava gaguejando um pedido de desculpas. Tabor fez um gesto de
dispensa, tentando mostrar por sua expressão que ele estava exalando frustração, não querendo culpar
alguém. A tripulação já tinha tido sua cota de culpa.
O prelado estava de pé na escotilha da ponte, olhando para as estrelas. Tabor caminhou a passos
largos pelos postos de serviço, imaginando como o garoto reagiria. Ainda assim, Verge estava sorrindo
quando virou. Ele parecia quase empolgado, como se estivesse se divertindo com a ironia do destino,
sem deixar-se afetar por ela.
– Tivemos sorte – disse o garoto. – Aquele rastro foi um golpe de sorte, mas certamente guerras não
são vencidas por sorte, certo?
A ira de Tabor se esvaiu.
– Verdade – disse ele. Estava muito ansioso para terminar o trabalho e voltar para casa, como se
apenas querer fosse o suficiente. Aquele era o erro que crianças cometiam. Mais uma vez, ele havia
julgado mal Verge.
– E agora, então? – perguntou Verge. – Chalis, certamente, tirará vantagem disso.
“Foco, Tabor.”
– A nave rebelde – disse Tabor – sofreu danos consideráveis na semana passada. Eles vão querer
parar para fazer reparos.
– De acordo – disse Verge. – Isso significa que será necessário algum tipo de base, ou pelo menos uma
flotilha equipada para o serviço.
A conversa logo foi da ponte para o centro tático. Um grupo dos oficiais favoritos de Tabor se juntou a
ele, solicitando dados e relatórios de outras naves no setor enquanto Tabor olhava gráficos com Verge e
se esforçava para pensar em qualquer coisa que pudesse ser útil para a captura de Chalis. Depois de uma
hora, eles limitaram a área que a governadora poderia alcançar, mas não tinham mais informações; era
progresso somente no sentido mais técnico.
– Estamos fazendo a abordagem errada – finalmente disse Tabor. – Se há uma base a ser encontrada
por intermédio de pura teoria militar, alguém na Inteligência já a teria encontrado.
Os olhos de Verge estavam fechados ao encostar num console.
– Já descartamos encontrar a nave. Onde isso nos deixa?
– Não podemos encontrar a nave dela, e não podemos localizar a base diretamente – disse Tabor. –
Mas nossas forças acabaram de perseguir metade da Aliança para fora da Orla Média. Quantas outras
naves rebeldes conseguiriam escapar de um confronto nesse setor depois de sofrer danos, digamos, na
última semana? Quantas outras precisariam de reparos também?
Os oficiais começaram a murmurar em seus comunicadores e digitar em seus consoles. Uma lista
apareceu no display principal. Rapidamente surgiram designações oficiais de naves rebeldes –
tranquilamente, várias dezenas.
Tabor sorriu com uma satisfação sombria e apontou para Verge.
– Essa é a sua caçada.
Verge afastou-se do console e tocou o ombro de Tabor.
– Essa é a nossa caçada. – Ele virou e abriu os braços, englobando o resto dos oficiais. – De todos
nós! – ele gritou e riu. Evidentemente, entendera a intenção de Tabor.
Os homens riram com Verge. Alguns estavam transparentemente nervosos; outros aparentemente
sinceros, orgulhosos por compartilhar aquele momento com seu comandante. Tabor os observou e
pensou:
“O que acontecerá com eles quando essa caçada acabar?”
C A P Í T U L O 12

P LANETA HOT H

11 DIAS ANTES DO PLANO K10

Namir não estava vestido para o frio, e ele se arrependeu de sua escolha de indumentária assim que a
rampa baixou e uma onda gélida invadiu a nave auxiliar. Partículas de gelo dançavam na ponta da rampa,
derretendo lentamente após o contato com o metal, e neve – neve branca de verdade, do tipo que Namir
tinha visto apenas duas vezes na vida – cobria a passarela até o hangar.
– Retiro minha deserção. Darth Vader pode me levar – murmurou Chalis.
Namir olhou para ela e viu seu cabelo preto pulverizado com flocos pálidos. Suas mãos estavam juntas
nas costas, onde Namir a mantinha com algemas de atordoamento – uma condição do Alto Comando da
Aliança.
Junto com o capitão, Roja e Beak, desceram a rampa até a Base Echo.
A jornada tinha sido dolorosamente longa, mas sem maiores contratempos. O próprio Uivo não sabia a
localização secreta da base rebelde – em vez disso, ele programou a nave auxiliar para seguir as rotas
fornecidas, uma após a outra, via mensagens codificadas da Aliança. Essas rotas levaram a nave auxiliar
para os confins da Orla Exterior e espiralaram no setor Anoat. Quando Uivo ajustou o curso para o
sistema Hoth, os viajantes não sabiam se tinham encontrado seu destino ou se era apenas mais uma
mensagem cifrada.
Chalis passou o tempo lendo clássicos de ficção da biblioteca de dados de Uivo e refinando o
esquema holográfico. Uivo encontrou em Beak um parceiro para jogar holoxadrez, e Namir pediu, no
segundo dia, que eles colocassem no mudo suas peças do jogo de batalhas. Roja foi o mais conversador
do grupo, pronto para compartilhar com os desavisados anedotas de seu tempo como estivador. Namir
tentou se ocupar ao transformar a sala de engenharia em uma sala de exercícios, para malhar até a
exaustão.
No fim, ele já estava mais que pronto para sair da nave. Ele não esperava que a embarcação fosse
mais confortável que a base secreta da Rebelião, mas agora ele estava começando a duvidar disso.
Depois da rampa, uns 6 metros depois da passarela do hangar, um pequeno grupo de rebeles estava à
espera dos passageiros da nave auxiliar. Todos estavam vestidos apropriadamente para o clima, com
jaquetas de capuz pesadamente revestidas. Três deles portavam fuzis de raios carregados. “Ótimo”,
pensou Namir. “Pelo menos, eles não estão acomodados.”
Uma pessoa do grupo deu um passo à frente – um homem pálido, com um bigode grosso e cabelo
grisalho, que portava uma insígnia de general rebelde. Insígnias genuínas, assim como neve, eram coisas
que Namir raramente tinha visto antes.
O homem se apresentou como sendo Philap Bygar, e apertou a mão de cada emissário da Crepúsculo,
conforme Uivo os apresentava por nome e patente. Quando Chalis – tremendo de frio – deu um passo à
frente, Uivo deu um sorriso sem graça.
– Governadora Everi Chalis – disse ele. – Uma artista extraordinária e graciosa convidada da 61ª
Infantaria Móvel. Antiga emissária do Conselho Executivo Imperial.
– Eu o cumprimentaria – disse Chalis –, mas não quero que as coisas fiquem estranhas entre nós. – Ela
deu de ombros, levantando os punhos algemados atrás das costas.
O general Bygar acenou lentamente e levantou a mão em sinal de saudação.
– A Aliança Rebelde acredita na redenção, governadora – disse ele. – Não deixe que nossos cuidados
a convençam do contrário.
– Não há vergonha em ser precavido – disse Chalis.
Bygar afastou-se e olhou para o grupo. Namir sentia seus dedos adormecerem enquanto o homem
falava.
– Se eu pudesse agradecer a todos da 61ª, eu o faria – disse Bygar. – Vocês receberam missões
infernais nos últimos anos, e sobreviveram a coisas que poucas companhias conseguiriam. Essa é uma
reputação da qual se orgulhar, mas nada agradável de se merecer. Particularmente, quando a recompensa
são missões ainda piores. Vocês não estão errados em pensar que o Alto Comando vê as coisas pelas
quais passaram e os envia para outras coisas piores. Ninguém merece ser mandado para Praktin ou
Blacktar Cyst.
A recepção de Bygar surpreendeu Namir. Sob tais circunstâncias, aquilo não era necessário – o
general não precisava conquistar Uivo –, portanto Namir foi forçado a concluir que era, em parte,
sincero. Ele sentiu uma mistura desconfortável de apreciação e ressentimento em seu estômago.
O general continuou.
– O que posso dizer é que sabemos o que pedimos a vocês e o preço que pagam todos os dias. Eu sei.
E fico agradecido por estarem lá fora lutando por nossa causa.
Roja e Beak ficaram parados, com os braços pressionados ao lado do corpo, retendo o máximo de
calor corporal. Mas seus queixos estavam elevados, com os olhos focados no general. A expressão de
Uivo era sombria, e ele acenava desajeitadamente enquanto Bygar terminava seu discurso. Chalis
interceptou o olhar de Namir enquanto ele analisava seus colegas e sorria. Poderia também ter sido uma
piscadela.
– Agora vamos aquecê-los e, depois, trabalhar – disse o general, e a formalidade deixou seu tom de
voz. – Aqui nunca é confortável, e é difícil se acostumar, mas há formas de tornar sua estadia agradável.
Isso, Namir pensou, era o máximo que ele poderia esperar; juntamente com uma estadia o mais curta
possível. Ele já estava sentindo falta da nave auxiliar, e morrendo de saudade da Trovoada.

Desconfortável, mas agradável foi a definição que ficou na cabeça de Namir nos dias seguintes. Uivo
e Chalis foram quase que imediatamente levados a uma grande sala de conferências estratégicas com o
Alto Comando da Aliança; Namir os viu passando pelos corredores da base e nada mais. Roja e Beak
foram, com a aprovação de Namir, divididos e designados a equipes adequadas às suas habilidades, com
comandantes da Base Echo. Namir, também, aceitou ser redesignado para manter-se ocupado.
A base era talhada no meio de uma geleira gigante, com cavernas naturais aumentadas por suportes
estruturais e ligadas por corredores artificiais. Cabos de força e cordões de iluminação cruzavam os
ambientes, e Namir foi informado por um droide de manutenção que, se um elemento tivesse um defeito,
poderia acabar com o aquecimento de metade da base. A estrutura da Base Echo tinha um charme quase
que periclitante. Essa característica da Rebelião Namir já conhecia.
Os homens e mulheres que serviam na base eram menos familiares. As roupas e os equipamentos de
combate eram de um nível superior a qualquer coisa que a Crepúsculo possuíra, tanto em qualidade
quanto em uniformidade: quando o intendente entregou a Namir um fuzil de combate A280 antes de uma
patrulha, Namir alisou o cano da arma quase fascinado. Usando uma jaqueta de proteção térmica e óculos
polarizados, Namir se sentia tão anônimo e irreconhecível quanto um stormtrooper. Com aquela
uniformidade e ordem, vinha uma ênfase na importância da patente e da hierarquia; isso o fez lembrar de
histórias que Charmoso contava a respeito da Academia Imperial, e em seu segundo dia ele entendeu por
quê.
– Provavelmente, um terço das pessoas que estão aqui foram cadetes imperiais antes de desertarem –
explicou um jovem (que Namir achou ter se apresentado como Kryndal, embora ele não tivesse prestado
muita atenção).
Eles se sentaram juntos no depósito de ferramentas, aquecendo conversores de energia com maçaricos
de solda. Os conversores já tinham falhado devido ao congelamento interno, mas se eles pudessem ser
ressuscitados, seriam colocados de volta em atividade na base. Era um trabalho pesado, mais adequado a
um droide do que a um humano – mas precisava ser feito, e Namir não tinha os conhecimentos técnicos
que Roja e Beak possuíam.
Kryndal continuou falando:
– Talvez outro terço de nós, alguns dos cadetes também, tenha passado pelo treinamento das Forças
Especiais da Aliança. Quatro meses de sofrimento, mas foram os meses mais importantes na minha vida.
Se quiser aprender como usar uma arma que dispara projéteis, desarmar uma mina de proximidade ou
desativar um escudo de raios, eu recomendo.
Namir acionou um interruptor em seu conversor. Sem luz, sem som. De volta ao aquecimento.
– Já usei uma arma dessas – disse ele. – Os outros dois, nunca ouvi falar.
Kryndal não parou por aí:
– É algo a se pensar. Precisa ter um bom nível, mas acho que você não estaria aqui se seu capitão…
– Não estou a fim de treinar novamente – disse Namir, e Kryndal deixou o assunto de lado.
Duas naves chegaram à Base Echo no terceiro dia em que Namir estava lá. As identidades dos
passageiros eram confidenciais – os rumores entre os oficiais diziam que havia um espião Bothano em
um alto posto –, mas ninguém duvidou que os visitantes estavam chegando para a conferência de
estratégia.
A conferência foi, dia após dia, se tornando o assunto dominante em toda a base. Enquanto Namir
caminhava até os postos avançados do perímetro, em meio a vendavais que transformavam pedaços de
gelo em projéteis, ele ouvia pelo comunicador o tagarelar das sentinelas conversando sobre os
convidados: general Rieekan, comandante Chiffonage, princesa Leia Organa. Quando Namir estava no
refeitório, pilotos lhe perguntavam o que ele sabia sobre a governadora Chalis e contavam histórias
sobre seu mentor, o conde Vidian. Roja, que rapidamente havia se tornado amigo dos mecânicos dos
snowspeeders da Echo, veio a Namir mais de uma vez para transmitir as últimas especulações: Chalis
era a última peça de um quebra-cabeças no qual a Aliança vinha trabalhando há meses, e agora havia um
plano estratégico de cinco anos, ou de quatro anos, ou de um ano, que permitiria que eles finalmente
vencessem a guerra.
Era uma doce ilusão. Mesmo as tropas que ficavam especulando sabiam que não era bem assim. Mas
eles torciam para que houvesse verdade por trás do sonho.
Namir compreendia. Ele já havia pensado de maneira semelhante em outras guerras, mas não tinha
mais paciência para sonhos.
Ele não falou de novo com Chalis até o fim da primeira semana deles em Hoth. Namir saía do centro
de comando depois de ter entregado uma avaliação tática do posto avançado Delta – um trabalho
complexo, talvez, mas haviam lhe dito que outros olhos poderiam ser “valiosos” – quando a encontrou no
corredor gelado.
A direção e o passo dos dois ficaram iguais. Chalis estava sem escoltas ou algemas. Namir apontou
para seu pulso.
– Fazendo novos amigos?
– Levou um ou dois dias – ela respondeu, sem virar para olhar Namir –, mas nós chegamos a um
acordo. Recebi um perdão da Aliança por crimes passados, e em troca concordei em não ocupar nenhum
posto oficial em qualquer governo pós-guerra.
– Eles também não a querem por perto? – disse ele.
– Você parece tão surpreso quanto eu.
Namir soltou uma risada. Eles atingiram uma interseção nos túneis, e os dois hesitaram por uma fração
de segundo conforme viravam em direções opostas.
– Se for para você ficar longe da Crepúsculo – disse Namir –, tem todo o meu apoio.
– Obrigada, sargento. – Chalis saiu caminhando antes mesmo de terminar a frase.

Na Trovoada, o refeitório servia, principalmente, comidas simples e de fácil armazenamento em
combinações semicomestíveis, intercaladas ocasionalmente por vegetais frescos, frutas ou carnes obtidas
durante uma invasão. Pacotes de ração eram estocados para quando estivessem em missão em algum
planeta: a utilidade deles tornava-os – militarmente falando – um luxo, e a Companhia do Crepúsculo não
possuía meios confiáveis de adquirir mais.
Mas nada que valesse a pena cultivar crescia na superfície de Hoth, congelada e esburacada por
meteoritos, e os tauntauns domesticados da Aliança – espécie de “lagartos da neve” fedorentos,
temperamentais e chifrudos – eram mais valiosos como montaria do que como carne. Isso tornava as
rações militares, entregues em engradados imensos e obtidos por meios que Namir nem podia imaginar, a
principal fonte de todas as refeições.
Sentado à mesa com Kryndal e uma porção de outros integrantes da Echo, Namir aproveitou os
prazeres duvidosos de um envelope de cubos de proteína suspensos em uma gosma grossa alaranjada –
insossa o bastante para ser inofensiva, gelatinosa o bastante para grudar no paladar. Ele preferiria comer
sozinho ou com Roja e Beak, apesar de eles ficarem elogiando as virtudes da base o tempo inteiro – a
relação de Roja com os mecânicos tinha se tornado quase familiar, e Beak havia declarado sua intenção
de se juntar às Forças Especiais da Aliança –, mas os dois não estavam por perto e não havia mesas
vazias.
Kryndal estava desenhando anéis sobre o tampo da mesa, nomeando planetas e engendrando um
cenário no qual, um a um, os mundos do Núcleo milagrosamente começariam a cair aos pés da Rebelião.
Uma mulher loira e um alienígena com nariz de tromba estavam debatendo entusiasmadamente com ele,
oferecendo planos alternativos – o assassinato do imperador, ou a liberação de mundos escravos para
reforçar as fileiras das tropas rebeldes.
– Talvez eu esteja louco – dizia Kryndal –, mas sinto que estamos à beira de algo real. Podemos
chegar a Coruscant. O Império não estaria lutando com tanta força se não estivesse com medo.
Namir sabia que deveria ser inteligente o bastante para ficar de fora da discussão. Mas era o fim de um
longo e tedioso dia caminhando pelas trincheiras e evitando conversas bem parecidas com a que ele
estava ouvindo agora. E Kryndal era tão convencido.
– O que acontece em Coruscant? – perguntou Namir.
– Como assim? – Kryndal respondeu. Os outros também viraram para Namir, esperando.
– Para começar – disse Namir –, você tem o planeta capital com, sei lá, dez bilhões de pessoas? Mais?
A mulher sorriu, entretida sem zombar.
– Consideravelmente mais.
– Ótimo. Desses consideravelmente mais, quantos vocês acham que querem destituir o Império?
O tom de Kryndal era constante, mas insistente.
– Você não vive em Coruscant muito tempo sem perceber…
Namir o interrompeu.
– Não terminei ainda. Meu palpite é que não haja tantos quanto você imagina. Na verdade, eu sei que
não pode haver tantos assim, porque, se assim o fosse, haveria uma guerra civil em Coruscant agora
mesmo, em vez de um monte de células rebeldes agindo na surdina.
– Não é tão simples assim – disse a mulher.
Namir continuou falando por cima dela.
– Mas suponhamos que a maioria da população não queira muito resistir a qualquer um dos lados da
guerra. Simplesmente não estão a fim de lutar. Ótimo. Mesmo assim, você terá uma minoria importante da
população que se virará contra a Rebelião no segundo em que começarem os bombardeios. Um por cento
da população de Coruscant já é um número enorme de pessoas, e garanto que estamos falando em um
número muito maior que esse. Pessoas leais ao Império, claro, mas também qualquer um que não confie
na Aliança para comandar o lugar. Você vai mandar equipes armadas para as ruas para lidar com eles?
Começar a dividir os civis? De um jeito ou de outro, será uma cena sangrenta, que vai continuar por
muito tempo.
A voz de Kryndal ainda estava controlada, mas seu rosto mantinha uma expressão irritada.
– A Aliança tem um plano de transição. Eleições democráticas…
– Isso não vai convencer ninguém – cortou Namir. – E esse é o melhor dos cenários. Talvez a Aliança
decida não invadir Coruscant. Muito complicado. É muito mais fácil conter redutos do Império do que
alcançar a vitória completa. Mas você sabe o que eu realmente acho que vai acontecer?
O alienígena disse alguma coisa, segurando o braço de Kryndal. Namir não conseguiu compreender as
palavras exatas por conta do sotaque da criatura, mas o significado era claro. Kryndal, no entanto, não se
moveu e Namir levantou de sua cadeira, inclinando-se sobre a mesa para olhar para o homem.
– Eu acho – disse Namir – que, assim que qualquer chance de vitória real estiver no horizonte, a
Aliança vai desmoronar. Você acha que tem alguém naquela reunião de estratégia que não esteja querendo
sair por cima? Você acha que, no instante em que o inimigo comum deles estiver enfraquecido, não
haverá meia dúzia de diferentes facções rebeldes virando-se umas contra as outras? Como você acha que
sairá dessa confusão? Depois que vocês venceram as Guerras Clônicas e o imperador tomou o poder,
outros líderes perderam suas chances e começaram uma rebelião. A vitória sempre traz lutas internas.
– Não foi assim que aconteceu. – A mulher voltou a falar. – Você nunca conheceu a princesa ou
trabalhou com o general Rieekan. Eles não estão apenas interessados em tomar o poder.
Kryndal xingava em silêncio. Namir o observou, viu suas mãos flexionando sobre a mesa. Não ia
demorar muito. Namir sabia que ainda podia sair andando, mas ele precisava daquilo.
– Se vocês realmente acham que aquelas pessoas são heróis – Namir estava respondendo a mulher,
mas seus olhos estavam em Kryndal –, vocês estão se iludindo. Os próprios stormtroopers de Darth
Vader o reverenciam da mesma forma.
Kryndal deu o primeiro soco. Não era para ser um golpe forte – Namir estava exposto, e Kryndal
poderia facilmente ter acertado seus olhos ou queixo. Em vez disso, Kryndal atingiu Namir com força no
meio do peito, empurrando-o para trás e forçando o ar para fora de seus pulmões.
Namir agarrou a mão de Kryndal antes que ele pudesse se afastar. Não se preocupou em segurar-se ao
cambalear para trás; em vez disso, puxou Kryndal para frente, sobre a mesa, usando-o como contrapeso
para se endireitar. Kryndal perdeu o equilíbrio só por um momento antes de se agarrar nas pernas de
Namir e partir para cima dele.
Enquanto brigava com Kryndal, Namir sentiu alguém se aproximar pelas costas. Ele deu uma
cotovelada para trás que afundou em camadas de jaqueta térmica. Depois, deu uma joelhada para frente,
no estômago de Kryndal, e viu o mundo escurecer por um instante quando uma mão com luva segurou seu
rosto.
Vozes gritavam. Mais corpos com jaquetas e óculos de proteção se juntaram à peleja. Enquanto lutava,
sabendo que não tinha chance de vencer, Namir começou a rir.

O pior dano foi um nariz quebrado: agora ele sentia náuseas ao usar os óculos polarizados por causa
da pressão que faziam sobre a ponte nasal. O lado direito do quadril tinha ficado roxo da noite para o
dia, depois de ter caído com força sobre um dos bancos do refeitório. Os ossos da mão esquerda também
doíam, embora essa, pelo menos, fosse uma marca de orgulho.
Ele não se lembrava dos detalhes da luta, tirando como ela havia começado. Não tinha durado mais
que um ou dois minutos – tempo suficiente para alguém separá-lo dos outros combatentes e arrastá-lo
para o centro médico em segurança. Ele passou a noite lá e foi saudado pela manhã pelo general Bygar,
que usou a palavra decepcionante mais de uma vez.
Uivo, Bygar explicou, precisara permanecer na conferência de estratégia, portanto ainda não tinha sido
informado do comportamento de Namir. Namir se sentiu grato por isso.
Então, com a aprovação da equipe médica, Namir recebeu a mais degradante das designações que
Bygar pôde encontrar como punição. Passou a manhã carregando engradados de transporte – às vezes,
com a ajuda de uma empilhadeira, mas quase sempre sem – das baías do hangar para o interior da Base
Echo, dando passinhos de criança, bem curtos, para evitar escorregar nas placas de gelo. Os droides no
hangar o direcionavam aonde tivesse que ir, e ele raramente tinha que falar com outro ser vivo.
Isso não o incomodava. Ele já tinha feito trabalhos bem piores.
O capitão de uma das naves rebeldes olhou para Namir quando ele levantou um cilindro de bacta sobre
o ombro e caminhou por baixo do trem de pouso de um cargueiro leve. Era um olhar territorial: a suspeita
de um homem infeliz por admitir um estranho em seu domínio.
– O que aconteceu com você? – perguntou o homem, ao soltar uns cabos queimados e derretidos de um
dos conduítes da rampa do cargueiro. Não havia preocupação em seu tom de voz. A ponte do nariz de
Namir parecia latejar, como se um olhar fosse o suficiente para incomodar a região.
Namir olhou para ele. Cabelo castanho, pele clara, talvez uns dez anos mais velho que ele. Portava
uma insígnia de patente, mas isso era mais comum entre os tripulantes de naves do que para o pessoal
permanente da base.
– Sabe aqueles brutamontes das Forças Especiais? – perguntou Namir, com cara de indiferença. –
Acontece que eles levam essa Rebelião bem a sério.
O capitão deu um sorriso, balançou a cabeça e voltou aos seus afazeres.
No fim da tarde, Namir começou a xingar os droides em resposta às suas constantes exigências. Os
droides reclamavam, mas não tinham outro recurso a não ser absorver as agressões verbais; Namir achou
a experiência estranhamente satisfatória. Lá pelo início da noite, depois de descarregar a maior parte da
carga do dia, os droides começaram a tocar Namir de volta para dentro da base para transportar
suprimentos de naves e equipamentos de manutenção para fora do hangar. Ele não sabia se esse era um
ato de vingança ou parte da punição do general.
O trabalho extra não o incomodava. Ele não tinha lugar melhor para estar, e não estava muito a fim de
voltar ao refeitório ou de dormir entre os integrantes da base nos alojamentos. Pensou na possibilidade
de dormir na nave auxiliar da Crepúsculo – mas isso parecia covardia, a atitude de alguém envergonhado
por seus erros.
Namir encontrou o capitão do cargueiro uma segunda vez enquanto carregava uma lata de peças
mecânicas destinadas ao cargueiro. Ele não tinha ideia de qual era a função dos componentes, mas
quando subiu a bordo da nave, o capitão – que estava ocupado desmontando um painel do teto –
resmungou e apontou para o chão.
Namir apoiou a lata no chão. O capitão agachou, fuçou na confusão de fios, roldanas e cilindros, e
pegou um pequeno disco dourado.
– Você pode segurar isso aqui? – disse ele, e mostrou a Namir um painel secundário dentro do
compartimento do teto.
Namir teve que ficar na ponta dos pés. O capitão começou a rosquear o disco dentro de um soquete,
ignorando o som crepitante do painel. Namir gostou do calor em suas mãos adormecidas de tanto frio.
– Com quem você se encrencou? – perguntou o homem, sem desviar os olhos de seu trabalho.
– Kryndal – disse Namir. – Não peguei seu sobrenome. Talvez nem o nome.
– Ele mereceu?
Namir deu de ombros em resposta.
– Prefiro pensar que nós dois merecemos.
Namir não fez perguntas ao capitão rebelde quando o conserto foi se estendendo por dez, vinte, trinta
minutos. Quando Namir perguntou sobre sua tripulação, o homem apenas balançou a cabeça.
– Eles estão resolvendo outras coisas – disse ele. – Não pergunte.
Quando a tarefa finalmente acabou – ou talvez quando o capitão desistiu –, o homem mostrou uma
garrafa de uísque corelliano e sentou-se na rampa de embarque. Namir considerou aquele gesto como um
convite tácito, e a partir dali a conversa dos dois seguiu um caminho tortuoso conduzido pela bebida. O
capitão reclamou sobre sua nave e contou uma história improvável e cheia de obscenidades sobre como
ela tinha sofrido danos. Namir detalhou exatamente como ele tinha vindo parar na área de carga naquele
dia.
Quando Namir terminou de descrever sua conversa no refeitório, o capitão balançou a cabeça e fez um
sinal de reprimenda relaxado e brincalhão.
– Você não pode sair dizendo a essas pessoas que elas estão condenadas. Se elas forem inteligentes e
te escutarem, eu fico sem emprego.
– Você é um mercenário? – perguntou Namir.
– Algo assim.
– Você já deve ter tido vontade de dar um safanão nesses caras uma ou duas vezes…
O capitão riu.
– Não mordo a mão que me alimenta. Também não preciso começar uma briga que não posso vencer.
– Eu poderia ter vencido – disse Namir.
– Então, com certeza, não se esforçou muito.
O capitão sorriu e deu outro gole do uísque antes de passar a garrafa. A bebida não era exatamente boa
– os dois homens concordaram depois do primeiro gole –, mas era potente e, Namir suspeitava, era a
única bebida do tipo em Hoth.
– De qualquer forma, você é muito jovem para ser tão cética – disse o capitão. – Quem te admitiu com
essa atitude?
– Longa história – disse Namir. – Quase que um acidente. Não era pela causa, de forma alguma.
– Estou ouvindo – disse o homem.
Eles beberam em silêncio por um tempo, e foi o capitão que falou em seguida. A voz dele estava mais
calada, sua fala um pouco arrastada. As luzes do hangar haviam diminuído com o cair da noite, e mesmo
com as portas fechadas, o frio tomava conta.
– Você se lembra quando aquela estação de combate explodiu?
– Antes do meu tempo – disse Namir. – Mas eu ouvi falar.
O capitão acenou com a cabeça.
– Depois disso, eu não percebi no começo, mas por um tempo pareceu que realmente poderíamos
acabar com essa guerra. Você olhava para aqueles garotos que tinham destruído a própria morte… não
fazia qualquer sentido se pensasse a respeito, mas parecia que estávamos indo a algum lugar.
– Todos são assim – disse Namir. – Recrutas.
– Não apenas recrutas – disse o homem. – Não todos.
Novamente, pairou um silêncio. Um droide astromec vermelho e branco atravessou o piso do hangar,
rangendo para alguma coisa que não dava para ver.
– Mas isso nos mantém ocupados – disse o homem.
– Guerras ruins são boas para os negócios?
– Mas que diabos… nem eu sou tão cética. – O homem balançou a cabeça vigorosamente. – Mas se ela
acabasse… sabe como nós os aturamos agora? Mesmo quando eles são completamente insuportáveis?
Quanto tempo você acha que eles iriam nos suportar depois disso?
Namir acenou bem lentamente.
– Não muito tempo – disse.
O capitão não respondeu. Namir ergueu a garrafa de uísque, observou o líquido âmbar espirrando
contra o vidro. Ele riu suavemente antes de falar novamente:
– Eu vou dizer isso se você não disser: para mim, a guerra é muito melhor. No minuto em que
vencermos, não terei mais nada. Portanto, a ideia de que ela continuará para sempre? Parece o certo.
“Parece o certo mesmo”, ele pensou consigo mesmo. Ele se sentia acolhido pela ideia de uma guerra
interminável, nunca vencida e nunca perdida, penetrando seus ossos, constante e confortável. Até a
fantasia, a mais breve noção, de uma vitória rebelde o deixava inquieto.
Era assim há anos, embora ele nunca tivesse dito isso em voz alta. Nunca pensara nisso com tanta
consciência.
O capitão parecia estar confuso, no entanto, enquanto arrancava a garrafa das mãos Namir e bebia com
uma careta.
– Se eles soubessem que você acha isso… – disse o capitão, perdendo a fala.
Namir deu de ombros.
– Eles não sabem.
– E isso não o incomoda?
– Estou aqui para protegê-los. Não importa no que eles acreditam.
O capitão levou a garrafa novamente aos lábios. Mas, desta vez, ele não bebeu. Em vez disso, ele
aspirou o aroma do uísque, baixou a garrafa e pressionou-a com força nas mãos de Namir, sem virar a
cabeça.
– Se é um trabalho – disse o capitão –, então não importa, e nem eles. Faça o que é certo para você,
diga-lhes o que eles querem ouvir e siga em frente quando o trabalho terminar. Do contrário… – Ele
parecia lutar com as palavras, como se estivesse pescando cada uma delas nas profundezas de sua mente
anuviada. – Do contrário, se for mais que um trabalho, eles merecem coisa melhor. Se você não consegue
acreditar no que eles acreditam, então talvez seja a hora de você se afastar.
Namir segurou a garrafa de uísque perto do peito e sentiu o gargalo esfregando em seu queixo. Alguma
coisa lhe dizia que o líquido que ficasse em sua pele iria cristalizar com o frio.
– Eu não sou um rebelde – ele disse.
O capitão disse alguma coisa ao ficar de pé e andar lentamente, cambaleando pela rampa de embarque,
mas Namir não conseguiu ouvir.
Namir agarrou a garrafa com uma mão ao descer para o hangar, caminhando para a porta que levava ao
interior da Base Echo. Ele pensou em Brand, Charmoso, Gadren e Peste; Ajax e Fektrin, e a técnica em
comunicação que havia morrido em Asyrphus – a mulher cujo nome Namir agradecia ter esquecido. Ele
até pensou em Roja e Beak, e os chamou de traidores por dentro. Eles eram soldados da Crepúsculo, e
eles deveriam detestar a Base Echo tanto quanto ele.
Mas não detestavam, porque eles também eram soldados rebeldes. Assim como Brand, Charmoso,
Gadren e Peste. Assim como a técnica de comunicação, lá no fundo.
O capitão do cargueiro estava certo. Eles mereciam coisa melhor.

Namir acordou em uma unidade de armazenamento no dia seguinte com uma garrafa de uísque grudada
no peito, uma dor de cabeça dos infernos, bochechas insensíveis por causa do frio e a boca com gosto
das biotoxinas de Coyerti. Porém, quando ele conseguiu se levantar e ler a escala de serviço, descobriu
que sua punição havia acabado e ele tinha sido redesignado para patrulhar os postos avançados do
perímetro.
Passar o dia naquele frio não parecia muito melhor, mas o pessoal dos outros postos avançados
manteve certa distância e isso deu a Namir a oportunidade de pensar. Duas horas de serviço de
rastreamento, duas horas observando a brancura ofuscante do horizonte e duas horas de patrulha, depois
voltar para a base para descongelar. Se ele tivesse conseguido usar os óculos polarizados, teria sido
mais tranquilo. Mas, mesmo com seus cílios formando crostas de gelo, ele teve a oportunidade de
mergulhar nos pensamentos que ficaram da noite anterior.
“Eles merecem coisa melhor.”
À noite, Roja e Beak o encontraram – contaram histórias sobre a incompetência das tropas metidas da
base, zombando das Forças Especiais da Aliança. Eles não explicaram ou justificaram a mudança de
opinião deles. Juntos, recordaram as batalhas da Crepúsculo em Mygeeto – antes de Namir entrar para a
companhia – e Phorsa Gedd, da qual Namir lembrava vividamente. Namir queria que Roja e Beak fossem
embora, mas ele apreciava a intenção deles, se não sua presença. Mas ele conseguia sorrir e desfrutar
das mentiras por uma noite.
Assim os dias se passaram, e Namir entrou em uma rotina, até a manhã em que foi convocado para uma
reunião com Uivo e Chalis. Ele não via nenhum dos dois desde antes do incidente no refeitório, e
imediatamente soube do que se tratava a convocação: a conferência estratégica tinha acabado.
Eles se reuniram em uma das salas secundárias de controle tático, fora do centro de comando
principal. Tanto Uivo como Chalis pareciam, ao mesmo tempo, exaustos e empolgados. Uivo saudou
Namir calorosamente, como um velho amigo reencontrando um camarada. Chalis não disse nada,
sorrindo de sua cadeira e segurando uma garrafa térmica de metal embaixo do queixo.
– Tudo foi como o planejado? – perguntou Namir, quando Uivo acenou para que ele se sentasse.
– Temos uma meta e os meios para alcançá-la – disse Uivo. – A governadora Chalis foi a estrela do
show. As informações dela se provaram inestimáveis.
Chalis torceu o nariz e fez um gesto desdenhoso com sua garrafa térmica.
– Eu me sentei no fundo da sala e acabei com todos os sonhos de Rieekan.
– Mas você conseguiu – disse Uivo suavemente – com muita autoridade.
Chalis riu sem dizer mais nada. Uivo baixou a voz, ficando melancólico novamente.
– Há muito tempo que temos recuado, é difícil pensar em contra-atacar. Mas a Aliança está quase
pronta. Podemos vencer esta guerra.
As palavras fizeram Namir ficar tenso. Elas eram muito familiares.
Uivo continuou:
– Ainda há muito o que fazer aqui, mas minha parte terminou. Há melhores mentes que esta daqui. –
Ele deu um tapinha em sua têmpora esquerda. – Eles trabalharão nos detalhes, e eu preciso preparar a
Crepúsculo. Gostaria de partir na nave auxiliar amanhã de manhã; Chalis permanecerá para aconselhar o
Alto Comando.
– Vou checar a nave esta tarde – disse Namir. – Garantir que nada tenha congelado.
Ele devia ter ficado empolgado com a ideia de partir de Hoth. Em vez disso, sentiu suas entranhas
revirarem.
“Eles merecem coisa melhor.”
– Há mais uma coisa – disse Uivo. – Chalis?
– O capitão Evon disse que eu poderia fazer disso um pedido, não uma ordem – disse Chalis. – Então é
você quem decide. – O vapor da garrafa tocava seu rosto, deixando a pele brilhante, como se estivesse
suando. – Se vou ficar destacada com o Alto Comando da Aliança (em Hoth ou qualquer outro lugar que
eles acabem indo), eu gostaria de ter meu próprio pessoal. Isso inclui seguranças, e como já dissemos,
não há muita gente em quem posso confiar para não me apunhalar pelas costas. O emprego é seu, se
quiser, sargento. Você tem até amanhã para decidir.
A expressão no rosto dela era quase entediada. Namir tentou adivinhar o que ela pretendia, ver se
havia algo a mais na oferta, mas ele não conseguiu. Uivo mantinha seu rosto sem expressão.
A ideia era tentadora, de certa forma. Trabalhar com Chalis não seria complicado – livre de débitos e
expectativas.
Ele abriu a boca para responder, sem saber ao certo o que iria dizer, quando uma soldado rebelde
invadiu a sala praticamente sem fôlego. Ela prestou continência quando Uivo e Chalis viraram-se de
frente para ela.
– O Império nos encontrou – ela disse. – Vamos começar o plano K10. Evacuação total.
C A P Í T U L O 13

SET OR ELOCHAR

2 DIAS ANTES DO PLANO K10

Brand estava inquieta.


A Trovoada e a Promessa de Apailana tinham chegado ao ponto de encontro com a flotilha rebelde dez
dias antes, juntando-se a uma dúzia de outras naves no vácuo do espaço profundo. Desde então, a
tripulação da Trovoada vinha trabalhando sem parar sob as ordens do comandante Paonu para reparar ou
recondicionar cada metro quadrado da embarcação surrada. Peças e equipamentos eram entregues por
carregadores da flotilha diariamente. Corredores tinham sido selados, tendo seus pisos arrancados, e
expostos ao vácuo. Droides e engenheiros rastejavam como ratos pelos dutos e encanamentos, soldando
painéis e cortando fios.
Enquanto isso, com a tripulação ocupada, os soldados da Crepúsculo podiam apenas atrapalhar o
serviço. Na ausência de Uivo, o tenente Sairgon fazia o que podia para ocupar as tropas – ele aplicava
exercícios de treinamento e jogos de guerra, concedia aos esquadrões “licenças” para visitar outras
naves da flotilha – mas, sem nenhum lugar para aterrissar, simplesmente não havia espaço para trabalhar
ou divertir-se.
Ainda assim, a maioria dos soldados da Crepúsculo tinha desenvolvido certa tolerância ao tédio.
Brand era uma exceção.
Não que tédio fosse exatamente um problema para ela. Ela costumava ser uma caçadora de
recompensas. Ela, certa vez, passara oito dias na traseira de um speeder abandonado, usado pelo cartel
Sol Negro como ponto de entrega – ela estava com um traje espacial feito para alimentação intravenosa e
eliminação de resíduos; para se exercitar, tensionava os músculos sem mudar de posição; e afugentava as
alucinações ao recitar mentalmente poemas lembrados pela metade. Quando o alvo dela finalmente
chegou para buscar um pacote de bastões mortais, ela quase desmaiou ao levantar de uma vez para
atordoá-lo e algemá-lo, mas ela tinha cumprido o seu objetivo.
A única coisa que ela precisava para superar o tédio era uma meta. Algo em que se concentrar. A
bordo da Trovoada, ela não tinha nada do tipo. Ela havia concordado, a pedido de Sairgon, em atuar
como alvo de um treinamento de perseguição, mas até isso acabou quando ela deu uma cotovelada na
costela de um dos novatos com muita força.
– Você poderia conversar com eles – disse Gadren certa noite. Ela tinha ido ao Clube pensando que
talvez fosse interessante jogar cartas com Tique e ganhar a pilha de créditos dela. Em vez disso, deu de
cara com o lugar amontoado de recrutas e encontrou Gadren enquanto voltava ao corredor.
– Prefiro não o fazer – disse Brand.
– Você tem treinamento a oferecer, experiência a compartilhar…
Ela o cortou.
– Há uma frota imensa aqui. Soldados que os treinariam muito melhor do que eu.
– Talvez – admitiu Gadren. – Então junte-se a mim e Peste por um tempo? O capitão So-Hem da
Seisluas convidou os membros da Companhia do Crepúsculo para visitar a nave dele.
Brand olhou para o Besalisk, que estava de pé, pacientemente aguardando a resposta dela. Ela já tinha
se decidido a recusar, mas ainda estava pensando numa razão – numa mentira conveniente, num
compromisso que poderia usar como desculpa. Ela não tinha interesse em passar a noite socializando
com estranhos.
Até Gadren deveria saber disso a essa altura.
– Eu não preciso de companhia – disse ela. – Eu preciso de trabalho.
Brand esperou o máximo que podia por uma resposta – um segundo, ou talvez dois. Então saiu andando
novamente pelo corredor, na direção do setor de embarque das cápsulas. A área inteira estava sendo
reconstruída, o que significava que ela podia ficar sentada na beira do andaime até que o oxigênio de seu
traje acabasse, sozinha, exceto pelos droides de reparo que ficavam de um lado para o outro.
Ela tinha um respeito tremendo por Gadren, tanto no lado pessoal como no profissional. Estava no
esquadrão dele – no esquadrão de Namir – por um motivo. Mas ele insistia em tentar ter intimidade com
seus camaradas, queria cuidar de qualquer problema pessoal que ele imaginasse incomodá-los.
Normalmente, a Crepúsculo estava muito ocupada sobrevivendo para que isso a perturbasse; e,
normalmente, Gadren era mais intrometido com Namir, que era mais tolerante.
Mas agora estava bem mais difícil fugir de Gadren.
Quanto tempo demoraria, Brand imaginou, até que a flotilha recebesse novas ordens?

Uma rotina estrita mantinha a sanidade de Brand. Todas as manhãs, ela acordava no armário de
ferramentas que havia transformado em dormitório particular. Então, se exercitava por duas horas –
primeiro correndo pela nave, depois treinando na sala de musculação. Em seguida, desjejum. Tiro ao
alvo. Manutenção de equipamento. Uma tarefa após a outra, produtiva ou não, apenas para manter as
mãos e o cérebro ocupados. Era um truque que ela havia aprendido durante os quatro meses que havia
passado no centro de detenção.
Ela estava negociando com o intendente Hober, tentando solicitar um conjunto de granadas de luz de
outra nave da flotilha, quando os alarmes da Trovoada começaram a soar. Quando estava na metade do
caminho para seu abrigo, o alarme parou – mas a Trovoada começou a se movimentar, as vibrações do
deque indicavam que seus propulsores tinham sido ligados.
Ela caminhou até um dos turboelevadores centrais e procurou por algum membro da tripulação, oficial
superior da Crepúsculo, ou alguém que pudesse saber o que estava acontecendo. Quando avistou Von
Geiz entrando no elevador com o kit médico na mão, foi logo atrás dele.
Von Geiz olhou para ela com curiosidade.
– Situação? – perguntou ela.
Ele mordeu o lábio, como se avaliasse quanto podia dizer. Brand olhou firme para ele, até que o
médico cedeu.
– Outra nave chegou, acabou de sair de uma batalha. Eles perderam o suporte à vida; estamos trazendo
os sobreviventes a bordo. – Ele tocou um painel e o turboelevador começou a funcionar.
Brand assentiu com a cabeça. Mais naves chegavam ao ponto de encontro a cada dia. Não era de se
surpreender que uma delas mal tivesse conseguido.
Ainda assim, era preciso manter a cautela. Quando Von Geiz saiu do elevador e foi na direção de uma
das câmaras de ar superiores, Brand foi ao seu lado. Ela tirou a arma do cinto – uma pistola disruptora
DX-2, banida pelas regras da Aliança, e que ela tinha certeza que não deveria estar carregando assim,
abertamente, a bordo da Trovoada – e ficou imaginando cenários desastrosos.
Ouviu-se um estrondo no deque quando alguma coisa se agarrou ao casco da Trovoada. Quando Brand
e Von Geiz chegaram à câmara de ar, equipes médicas e de segurança já estavam presentes, puxando
macas flutuantes carregadas com feridos pelo corredor. Brand observou os feridos conforme eles
passavam: um jovem com sangue ressecado no queixo e nariz trêmulo olhava para ela; uma mulher com
as mãos enegrecidas gemia de dor, com os olhos arregalados; um Rodiano de pele verde cujo pescoço
retorcido parecia quebrado encontrava-se deitado.
Levou quinze minutos para os feridos pararem de chegar. Havia quase vinte no total, com outros
mortos a bordo da nave danificada. Com um sinal da ponte, a equipe de segurança selou a câmara de ar.
Os médicos restantes seguiram as últimas macas na direção da ala médica da Trovoada.
Brand permaneceu no corredor, observando a câmara de ar por algum tempo. Ela continuou segurando
a arma com uma mão.
Alguma coisa estava errada. Ela não sabia exatamente o quê.
Agora ela tinha algo em que focar.
C A P Í T U L O 14

P LANETA HOT H

ZERO DIAS ANTES DO PLANO K10

As preparações para a evacuação foram feitas rapidamente. A Base Echo fora construída para ser
abandonada – seus projetistas sabiam que o Império a encontraria mais cedo ou mais tarde, assim como o
Império já havia localizado as bases da Aliança em Yavin 4 e em Dantooine. Cada membro já tinha sido
designado a um transporte de emergência há muito tempo. Quando o alerta surgiu, tropas rebeldes
começaram a carregar equipamentos e a limpar dados com a precisão de quem já tinha treinado centenas
de vezes.
Um droide-sonda imperial tinha sido o único alerta dos rebeldes. Sentinelas o haviam encontrado
flutuando em meio às devastações congeladas, transmitindo um sinal para seus mestres distantes. Se o
Império viria com força total ou mandaria mais sondas antes, ninguém sabia dizer, mas a base estava
comprometida e um ataque era iminente.
A vitória seria medida em número de sobreviventes.
Namir estava monitorando os sistemas a bordo da nave auxiliar da Crepúsculo quando ouviu Chalis
entrar atrás dele.
– Programaram para que eu partisse no primeiro transporte – disse ela, enquanto Namir observava o
diagnóstico surgindo no terminal da ponte. – A oferta ainda continua; você é bem-vindo para me
acompanhar.
– Não posso – disse Namir. – Tenho que tirar Uivo daqui primeiro.
Uivo tinha se voluntariado para ajudar a coordenar a infantaria de Hoth caso a base fosse cercada
antes da evacuação completa. Isso havia tornado a decisão de Namir mais fácil: o que quer que o
estivesse atormentando, sua prioridade ainda era a proteção da Crepúsculo. O dever eliminava todos os
outros pensamentos.
– Provavelmente, não haverá combate – disse Chalis. – Hoth fica muito longe da guarnição mais
próxima do Império. Além do mais, o capitão Evon sabe se virar sozinho.
– Você realmente acha que o Império não virá? – perguntou Namir, incerto. Ele passou os olhos pelo
relatório de diagnósticos, procurando qualquer coisa que indicasse um alerta. O resto não importava.
– Prefiro não descobrir. Você sabe onde me encontrar. Se eu não o vir novamente, sargento, boa sorte.

O perímetro do posto avançado Delta ficava bem a noroeste da Base Echo, uns 100 metros além do
escudo de energia da base e quase fora do alcance do comunicador quando o clima estava bom. Consistia
em uma torre de laser com três pessoas, uma trincheira encravada no gelo e um pequeno estoque de
artilharia leve. Era o tipo de posto avançado que a Crepúsculo teria tomado em menos de um minuto
durante uma invasão bem planejada. Não importava o que Império enviasse, o posto estava fadado à
destruição.
Mas o que não podia ser parado, podia pelo menos ser atrasado.
Namir, Roja e Beak ficaram sobre a linha da trincheira, com os corpos grudados para se esquentar.
Dois soldados da Base Echo ficaram por perto, ajustando um canhão montado sobre um tripé, enquanto
outros três aproveitavam o abrigo do interior da torre. Neve caía, mas não o bastante para reduzir a
visibilidade ou interferir nas transmissões. Namir não tinha certeza se isso era boa ou má sorte.
Seu fone de ouvido crepitava com estática.
– Frota de destróieres estelares vinda do hiperespaço – uma voz anunciou. – Fiquem de olhos abertos,
posto avançado Delta.
Uma frota de destróieres estelares? Namir já tinha visto as imensas naves antes – embarcações
gigantescas e cuneiformes que faziam a Trovoada parecer minúscula –, mas nunca mais de uma por vez.
Ele testemunhara um único destróier estelar bombardear uma cidade e transformá-la em uma cratera de
vapor e lama; viu arranha-céus derreterem e pedras se queimarem. Um destróier estelar tinha sido o
motivo para a Crepúsculo abandonar um planeta.
Roja olhou para Namir e começou a fazer perguntas. Quanto tempo até os destróieres chegarem a
Hoth? Quanto tempo até os transportes conseguirem fugir? Namir ouvia, mas apenas balançava a cabeça.
Uivo deveria saber as respostas, mas ele não.
Beak o poupou de ter que responder, dando um tapa no ombro de Roja e apontando para o sul. Um
instante depois, o céu brilhou como uma miragem. Em seguida, o efeito desapareceu.
– Escudos de energia em força total – disse Beak. – Aquela coisa consegue resistir a um bombardeio
por tempo o suficiente. Agora os imperiais terão que descer.
Então seria um combate de solo. Era melhor do que um bombardeio vindo dos céus, mas não muito
empolgante.
Namir, Roja e Beak passaram de mão em mão um par de macrobinóculos, verificando o horizonte além
dos montes de neve brancos e observando o céu cheio de nuvens. Roja viu as naves primeiro – apenas
alguns pontos pretos absurdamente altos, descendo como flocos de neve. Com a aproximação dos
macrobinóculos, Namir viu que cada embarcação trazia consigo uma forma metálica imensa e sólida na
parte de baixo do casco.
– Cruzadores gozanti – disse Beak, quando pegou de volta os macrobinóculos. –Estão trazendo
walkers.
– Tem certeza? – perguntou Namir.
– Anexados ao trem de pouso. Só pode ser isso.
– Avise a todos – disse Namir. Beak acenou com a cabeça e tocou seu comlink.
O posto avançado Beta foi o primeiro a confirmar a presença de tropas em solo. Como Beak havia
previsto, o Império tinha, de fato, enviado walkers: Transportes Blindados para Todo Terreno, gigantes
de quatro pernas que tornavam insignificantes as máquinas que Namir e seu esquadrão encararam em
Coyerti. Aquele tinha sido um TE-TT, devastador contra uma infantaria, mas vulnerável a artilharia leve
e táticas inteligentes. Os AT-AT não possuíam tal fraqueza.
– Uma daquelas coisas está vindo na nossa direção, vai nos esmagar. Não importa o quanto atiremos. –
Roja estava balançando a cabeça, mas seu tom não era de pânico. Ele estava atestando um fato.
– A Base Echo prometeu suporte aéreo – disse Namir. – Se forem apenas walkers, vamos recuar.
Porém, se tiver outra força a caminho…
Alguma coisa brilhou no céu, rápido demais para Namir localizar a fonte. Tiros a laser, talvez, mas de
onde vinham?
Uns 12 metros à frente da trincheira, uma soldado da Echo comemorava. Ela levantou uma mão para
Namir e falou pelo comlink.
– Aquilo foi um canhão de íons – Namir ouviu pelo comlink. – O centro de comando disse que o
primeiro transporte já partiu.
Roja sorriu.
– Mais alguns desses e talvez consigamos ir para casa, hein?
Namir sorriu lentamente, olhou para o céu como se pudesse observar o transporte acelerar até a
velocidade da luz.
– É melhor que isso – disse ele.
Beak começou a rir. Roja parecia confuso. Namir passou o braço em volta dos ombros dele e o
apertou por um instante, sorrindo antes de deixá-lo se afastar.
– A governadora Chalis estava naquele transporte – disse Namir. – Esqueça Coyerti, esqueça a maldita
conferência estratégica. A mulher era uma maldição; essa é a melhor notícia que temos há meses.

O posto avançado Beta foi o primeiro posto a ser destruído, aniquilado em meia dúzia de tiros de raios
disparados dos canhões de um walker imperial, que mais pareciam mandíbulas. Namir viu as chamas
pelos macrobinóculos – vermelhas e alaranjadas em contraste com a neve branca. À medida que o walker
se deslocava com dificuldade, o chão brilhava azul sob suas patas mecânicas – as minas de proximidade
plantadas pelo pessoal do posto avançado Beta mostravam-se impotentes diante do tamanho do walker.
Deveria ter sido horrível – e foi, de certa forma. O inimigo superava em número os rebeldes e tinha
uma imensa vantagem tecnológica. De acordo com Roja, nenhuma artilharia de solo rebelde conseguiu
penetrar a armadura dos walkers – na melhor das hipóteses, explosões com miras precisas poderiam
desabilitar as armas das máquinas, mas o esmagar de seus pés movidos a pistão não eram menos letais
em alvos orgânicos.
Ainda assim, junto com o horror surgiu certo entusiasmo dentro de Namir. Ele passara as últimas
semanas sem um propósito, vagueando por um labirinto mental empoeirado do qual ele ainda não tinha
escapado. Hoth poderia representar uma batalha perdida. Poderia representar sua morte. Mas era uma
batalha que ele sabia como lutar.
Os walkers estavam guinando na direção dos geradores principais de energia da Base Echo. Destruir
os geradores acabaria com o escudo de energia. Sem o escudo, a base ou qualquer transporte em terra
ficaria vulnerável aos destróieres estelares.
– Protejam os geradores – foi a ordem superior, definindo a prioridade das tropas rebeldes. Proteger
os geradores. Resistir o máximo possível. E quando necessário, recuar.
O posto avançado Delta estava a oeste do caminho projetado pelos walkers. Isso trazia várias
possibilidades: se os walkers ignorassem a ameaça dos postos avançados, as tropas de Namir seriam
capazes de flanquear as máquinas quando elas passassem. Ele imaginou alguns cenários ao observar o
vapor de sua respiração. Poderia haver pontos fracos na blindagem dos walkers, nas laterais, na traseira
ou na parte inferior? Poderiam seus esquadrões agir como vigias ou dar cobertura para o suporte aéreo
rebelde?
– Sargento!
Um dos soldados da Echo (a mulher que tinha comemorado pelos transportes) estava acenando para
ele. Ele saiu correndo pela neve até o lado dela.
– O que está acontecendo?
– O comando disse que os snowspeeders travaram combate com os walkers. Ainda nenhum dano, mas
eles estão desacelerando.
Namir acenou com a cabeça, olhou para o nordeste e tentou visualizar a batalha. Ele não via nada além
de manchas escuras no horizonte.
A mulher não tinha concluído.
– A má notícia, senhor, é que o Império enviou forças de reconhecimento que estão se espalhando. As
tropas estão vindo nessa direção.
É claro. Os comandantes do Império não eram estúpidos. Eles não deixariam ninguém flanquear os
walkers se pudessem evitar.
Namir queria ordenar que as tropas Delta se espalhassem – fazer a torre, a trincheira e a artilharia
servirem de isca, enquanto eles se escondiam e armavam uma emboscada. Uma luta corpo a corpo contra
um adversário superior ia contra todos os seus instintos.
– Então, preparem-se – ele disse, voltando para a trincheira.
As ordens eram para que eles resistissem ao máximo. Ele pretendia fazer exatamente isso.

A força inimiga consistia em um par de plataformas de artilharia flutuante escoltadas por um TE-TT.
Cada plataforma carregava meia dúzia de stormtroopers usando uma blindagem que Namir nunca tinha
visto, completamente branca e quase invisível contra a neve. Não eram esqueletos; eram fantasmas. E, ele
suspeitava, mais bem equipados para o clima do que ele.
– Quero que a torre e a artilharia foquem nas plataformas primeiro – ele disse em seu comlink. – Eles
vão querer que miremos no walker para que possam se aproximar, descarregar as tropas e nos superar.
Não deem essa chance a eles.
O pessoal da Base Echo não discutiu. Roja e Beak se agacharam na trincheira. Namir verificou seu
fuzil – o A280 que ele tinha recebido junto com seu uniforme à prova de frio, aquele que ele nunca tinha
usado antes em combate – e manteve os olhos no horizonte.
O plano durou menos de dez segundos depois que o inimigo entrou em linha de fogo. Como ordenado,
os atiradores da torre mantiveram suas armas focadas em uma das plataformas mesmo com o TE-TT
avançando e chutando neve com suas alongadas pernas metálicas. A primeira plataforma se tornou uma
bola de fogo, e seus passageiros foram pegos numa explosão. Mas a artilharia rebelde errou a segunda
plataforma, com os tiros desviando em alguns metros. Os stormtroopers daquele veículo pularam na neve
e partiram em direção ao posto avançado.
Namir, Roja e Beak atiraram no TE-TT, cada um de sua respectiva posição na trincheira. A meta deles
era distrair o piloto da máquina para forçar o walker a refazer a mira e dar à torre a chance de um
segundo tiro. O walker não se distraiu – ele recuou e atirou na torre, espalhando metal, cinzas e chamas
para todos os lados. Namir teve certeza de que os três atiradores lá dentro tinham morrido
instantaneamente, incinerados pelo plasma ou esmagados pelos muros da torre.
Depois disso, a batalha assumiu dois frontes. Namir mandou Roja e Beak permanecerem na trincheira
e mirarem nos stormtroopers que se aproximavam. As tropas que restavam da Base Echo ficaram na
artilharia, tentando acertar o walker, enquanto a máquina os matava um a um. Namir ouviu tropas
gritarem, viu o brilho de raios de partículas vermelhas, mas manteve sua posição, com o peito
pressionado contra a neve compacta da parede da trincheira, apenas a cabeça e os ombros à mostra.
A qualquer momento, ele sabia, o walker poderia escolhê-lo como alvo. Mas se os stormtroopers
chegassem à trincheira, Namir e os outros também estariam mortos; então ele segurou o fuzil que
rapidamente superaquecia nas mãos frias, mirou e começou a atirar em cada stormtrooper. Ele atirou
metodicamente, se não calmamente, mirando no alvo seguinte assim que via chamas na armadura do
último.
Quando não havia mais stormtroopers em seu alcance imediato, ele deu outra olhada nos arredores. As
estações de artilharia estavam em ruínas. O walker tinha, inesperadamente, cruzado a trincheira e agora
estava no lado sul. Alguma coisa estava conectada nas pernas dele, balançando como um pedaço de
escombro – Namir achou que fosse algum resto da torre, até reconhecer a forma desconjuntada da mulher
que tinha comemorado pelos transportes, a mulher que alertara Namir sobre o grupo de sentinelas.
Ela estava com um dos braços agarrado na junta do tornozelo da máquina; sua mão, presa nos
mecanismos. As pernas não se moviam, mas, de alguma forma, ela ainda estava viva – a cabeça estava
erguida, e Namir achou tê-la visto sorrir ao levantar uma granada com a mão livre. Ele queria chamá-la,
quando ela desapareceu em uma enorme explosão e o walker desabou à frente. Ele não sabia o nome
dela.
Namir virou novamente para o lado norte da trincheira. Viu o grupo de stormtroopers ainda vivos
chegarem a Beak e Roja – o primeiro ainda na trincheira, o último andando por entre os corpos no gelo.
A segunda plataforma de artilharia havia desaparecido, presumivelmente chamada de volta aos AT-AT.
A recuada não surpreendeu Namir. O posto avançado Delta tinha perdido sua torre e a maior parte de
seus membros. Não era mais uma ameaça à invasão de Hoth.

Os snowspeeders rebeldes mal conseguiam atrasar os walkers. Nenhum AT-AT tinha sido desabilitado
até o momento em que o combate do posto avançado Delta terminara, o grupo de forças imperiais já tinha
avançado ao sul, ultrapassando o posto avançado na direção da Base Echo. O veículo terrestre do posto
Delta havia sido destruído durante o combate e seus tauntauns tinham se espalhado, o que deixou Namir,
Roja e Beak com uma longa caminhada pela frente.
Conforme eles marchavam para o topo de um monte de neve, o trio viu mais transportes rebeldes
cruzarem o céu. Se o pessoal da base pudesse terminar de evacuar, pensou Namir, as perdas da batalha
não seriam fatais para a Aliança.
Os três não conversaram muito durante a jornada. Roja dobrou o braço de maneira estranha, como se
tivesse se machucado. Os ombros de Beak estavam curvados, mas ele mantinha o queixo elevado,
transmitindo firme determinação. Namir checou o horizonte, tentando avaliar a distância entre eles e os
walkers. As máquinas titânicas estavam se tornando pontos de referência, e quanto mais ao sul elas
caminhavam, mais imbatíveis pareciam.
A cerca de um quilômetro do posto avançado, os três encontraram um transporte de combate imperial
com rodas aparentemente abandonado na neve. Grandes marcas fumegantes em suas laterais blindadas
sugeriam que ele tinha sido atingido por canhões ou tiros de snowspeeder, mas quando Roja subiu a
bordo, ele fez a geringonça funcionar de novo em minutos. Namir não sabia para onde tinham ido seus
passageiros e não se importava muito com isso – era uma maneira de chegar à Base Echo antes que tudo
terminasse.
Roja e Beak dirigiram. Namir sentou-se no teto da robusta máquina, fazendo caretas por causa da dor
que o vento lhe causava e avaliando os detritos da passagem dos walkers. Ele avistou snowspeeders
despedaçados soltando fumaça preta; torres em chamas e corpos carbonizados em postos de apoio
remotos; gelo quebrado e depressões deixadas pelas solas de hiperaço dos walkers. O transporte sobre
rodas – Roja o chamou de “Colosso” – passava sobre trincheiras abandonadas com sacudidas
nauseantes, inabalável e incólume.
Duas vezes Namir pediu para parar quando viu outros soldados rebeldes desamparados nas planícies
de gelo. Não havia tempo para parar pelos mortos, para procurar por sobreviventes a cada cena de
destruição, mas ajudar aqueles que ainda estivessem andando era um risco que Namir estava disposto a
correr.
Os passageiros do Colosso chegavam a quase uma dúzia quando um walker AT-AT finalmente veio a
baixo. Namir não conseguiu ver a causa – o walker abatido era do tamanho de um punho ao longe –, mas
pareceu sucumbir quando snowspeeders trançaram as pernas dele. Suas juntas se dobraram para frente e,
então, o corpo todo caiu de cabeça no gelo com um estrondo que até Namir pôde ouvir como uma
explosão distante, mais parecida com uma avalanche do que com um bombardeio. Um dos rebeldes que
se juntara a Namir no teto do veículo segurou os ombros dele por trás e cravou os dedos nos trapos de
sua jaqueta.
– Um walker destruído – disse o homem. Se para Namir ou para ele mesmo, Namir não soube dizer. –
Se podemos destruir um, podemos destruir todos.
Namir não concordava, mas não corrigiu o homem. Se fossem os soldados da Crepúsculo que
estivessem morrendo e evacuando, ele talvez tivesse dito a mesma mentira.

Os últimos 500 metros até a Base Echo foram os piores da jornada. O Colosso roubado teve que
passar por entre dois walkers para alcançar a entrada norte, e a massa das máquinas parecia tomar o céu
inteiro. Então uma última investida atravessando uma linha de stormtroopers imperiais quase acabou com
as vidas de todos a bordo – Namir e os soldados resgatados espremeram-se no teto gelado de metal do
veículo, fazendo uma barreira de tiros de raios para abrir um caminho à força. Um dos soldados caiu do
Colosso, e Namir não voltou a vê-lo. Outro tomou o lugar dele e lançou uma granada, mas tomou um tiro
no peito por seus esforços.
Contudo, a blindagem do veículo resistiu por tempo suficiente para que o Colosso entrasse em
território amigo. Lá, os passageiros desembarcaram para se juntar à última linha de defesa da Base Echo.
Os soldados que permaneciam no campo de batalha já tinham começado a abandonar as torres e os
postos de artilharia, dois e três por vez. Namir puxou um homem que portava uma insígnia de coronel,
depois de ele mergulhar em uma trincheira, e disse:
– Acabamos de chegar do posto Delta. – Seus lábios estavam ressecados e a garganta quase congelada.
Por baixo da jaqueta, ele suava. – Qual é o nosso status?
O homem ficou na ponta dos pés por cima da trincheira e disparou uma saraivada de raios antes de
responder.
– A maioria dos transportes conseguiu partir, mas aquele escudo vai desabar a qualquer momento. A
última informação foi a de que o centro de comando iria recuar e terminar a evacuação. Todas as tropas,
todas as posições.
“Não havia motivo para permanecer em uma batalha perdida”, pensou Namir. Mas uma parte o deixou
preocupado.
– O que quis dizer com a última informação?
– Um walker disparou alguns tiros na base. Achamos que o comando foi atingido.
Namir xingou, acenou para Roja e Beak para que o seguissem e deixou o coronel para trás. Os outros
passageiros do Colosso já tinham dispersado com a certeza e a disciplina de soldados profissionais.
O interior da Base Echo estava tão caótico, à sua maneira, quanto o campo de batalha. Luzes piscando
e buzinas de alerta disparavam e silenciavam ao acaso. Túneis estavam parcialmente caídos, deixando
pedaços de pedra e gelo empilhados sobre geradores, encanamentos e, em alguns casos, corpos. O som
da neve caindo e crepitando ao redor anunciava mais colapsos a vista. E embora a base estivesse mais
vazia do que Namir tinha se acostumado a vê-la, passadas distantes e tiros de raios ressoavam por toda a
parte.
Namir liderou o grupo até o centro de comando, desviando dos escombros onde podia e dando meia-
volta para encontrar caminhos alternativos quando precisava. Quando o grupo atravessou uma interseção
que levava aos hangares, Roja hesitou e perguntou se não era melhor eles mandarem alguém para
preparar a nave auxiliar. Namir pensou a respeito e balançou a cabeça.
– Se nos separarmos nessa confusão, há uma boa chance de nunca mais nos reencontrarmos.
Localizamos Uivo. Partimos juntos desse planeta.
Roja anuiu com seriedade. Beak disse um xingamento de aprovação. Namir esperava que ele não
estivesse condenando a todos.
O corredor principal até o centro de comando tinha sido reforçado com vigas de metal. Agora as vigas
e boa parte do teto haviam ruído e bloqueavam o túnel. Nenhuma iluminação ficou intacta. Namir olhou
para a escuridão, acenou para que Roja e Beak mantivessem suas posições e se embrenhou ali no meio.
Quando ele saiu do outro lado dos destroços, imediatamente deu de cara com outra forma – uma mulher,
pelo som de seus xingamentos. Ela virou de costas para Namir, meio agachada e puxando alguma coisa
ao se arrastar para trás.
A mulher olhou para trás só por um instante. Namir reconheceu o ângulo da mandíbula, o cabelo preto
permeado com fios grisalhos e brancos.
– Você poderia me dar uma mão, sargento – rosnou Chalis.
Namir se sentiu irritado por motivos que ele não podia justificar inteiramente.
– O que você está fazendo? – Ele se aproximou de Chalis, arranhando as costas contra a parede, para
olhar o que ela puxava: capitão Micha Evon, inconsciente no chão. Sua têmpora estava sangrando. O
rosto estava incrustado com sujeira e o peito coberto de neve.
– O que parece? – replicou Chalis. Ela franziu o rosto e tentou levantar Uivo, elevando-o por baixo
dos braços. – Eu não deixaria Micha morrer.
Namir não conseguiu assimilar as palavras até que segurou Uivo pela cintura e o colocou nos ombros,
para que Chalis pudesse se esgueirar pelo corredor destruído. Talvez a governadora tivesse um coração,
no fim das contas.
Ou talvez ela apenas quisesse alguém em dívida com ela.
Roja e Beak pegaram Uivo juntos, quando Namir e Chalis surgiram pelo túnel. Roja fez perguntas
óbvias e Beak mandou ele se calar para que se dirigirem logo ao hangar. Namir assumiu a frente, com o
fuzil em prontidão; Chalis seguia a menos de um passo atrás dele. A testa dela brilhava de suor e seus
olhos estavam arregalados e extremamente ansiosos. Quando um tiro de raios ecoou, ele a viu contrair-se
de medo.
– Podemos dar a volta pela ponta leste – disse Chalis. – Não estamos em condições de lutar.
Namir olhou para Roja, Beak e Uivo, então na direção da interseção mais próxima. Mais um tiro de
raios. Ele não tinha como saber qual era a distância da fonte.
– Fiquem aqui. Preciso de dois minutos para avaliar – disse ele. – Podemos acabar com um esquadrão
de stormtroopers se estivermos preparados.
Chalis riu – um som feio e ladrado. Namir já tinha ouvido novatos fazerem o mesmo som antes em
batalha. Era o som de pânico iminente, de medo profundo e insegurança.
Não era do feitio de Chalis. Durante a invasão ao cargueiro, ela ficara calma e insensível, mesmo
durante as trocas de tiros. Em Haidoral Prime, ela cuspiu nos corpos dos mortos.
– O que está havendo? – perguntou ele.
Chalis apenas balançou a cabeça. Namir repetiu a pergunta, aproximando-se dela, tentando exigir sua
atenção. Finalmente, ela olhou para cima, torceu os lábios em um sorriso sombrio e amargo.
– Esses não são apenas stormtroopers – ela disse. – Eles são da Legião 501. A legião pessoal de Darth
Vader.
– Isso quer dizer o quê? Vader está aqui?
Chalis fechou os olhos com força e assentiu.
– A nave dele pousou há dez minutos. Ele está vindo atrás de mim.
Roja disse alguma coisa que Namir ignorou. Ele mordeu os lábios, olhou para o corredor novamente,
então se endireitou.
– Se corrermos na direção de Vader, atiramos nele. Mas temos que continuar andando.
Agora Beak começou a protestar também. Namir sumiu pelo corredor, com o corpo próximo à parede e
o fuzil colado ao peito. Ele não tinha tempo ou paciência para superstições rebeldes – ou imperiais.
Quanto mais tempo eles permanecessem em Hoth, mais difícil seria para eles escaparem da base, quanto
mais passar por qualquer tipo de bloqueio que o Império estivesse armando no espaço.
Depois de todas as discussões que teve com Uivo, ele suspeitava que o capitão teria concordado.
A base parecia mal-assombrada. Seus corredores estavam desertos, e mesmo assim os sons de
movimento, tiros de raios e gelo quebradiço acompanhavam Namir a cada curva que ele virava à procura
de uma pista sobre a localização dos agressores. Ele não conhecia a base tão bem para prever os passos
do inimigo, ou quais paredes finas permitiriam a entrada de uma equipe de demolição. Tudo o que ele
podia fazer era detalhar os túneis – como eles estavam agora, não como eram antes da batalha – em sua
memória e tentar planejar uma rota até o hangar.
Ele decidiu voltar e reagrupar com sua equipe quando chegou a uma passagem escura como a noite que
deveria levar diretamente ao seu objetivo. Uma brisa fria brotou da escuridão; evidência suficiente para
convencê-lo de que as portas do hangar estavam abertas. Assim que ele deu meia-volta, a ponta de sua
bota tocou uma pilha macia no chão e ele quase tropeçou. Agachando para se equilibrar, ele reconheceu a
pilha como sendo o alienígena de tromba do refeitório, que era amigo de Kryndal.
O alienígena estava morto, seu corpo rapidamente resfriado. Namir virou-o pelo gelo, viu um buraco
de tiro de raio atravessado em seu peito. Mas isso não disse nada além do que ele já sabia: os imperiais
estavam na Base Echo.
Ele não mencionou o alienígena morto quando voltou à sua equipe e acenou para que eles o seguissem.
Conforme foram andando juntos, ele ouviu Roja dizer a Chalis:
– Se algo acontecer, seu trabalho é proteger Uivo. Vamos manter vocês dois a salvo.
Diante da passagem sombria, Namir ligou um interruptor em seu fuzil para ativar a lanterna conectada
abaixo do cano. A luz ressaltava pontos de poeira e neve voando com a brisa. Ele os guiou por entre os
escombros e outros três cadáveres.
Namir não reconheceu dois dos corpos, mas o terceiro, de soslaio, lembrava Kryndal. Ele não parou
para se certificar.
– Eles já passaram por aqui – disse Roja.
– Uma onda – disse Chalis. – Não presuma que não haverá uma segunda.
De repente, o corredor começou a tremer. O chão chacoalhava sem grandes baques, o bastante para
forçar Namir a ficar de joelhos. Estilhaços de gelo caíam do teto, atingindo dolorosamente suas costas.
Além dos gemidos de dor, ouviam-se os ruídos de uma explosão abaixo da passagem.
Quando o tremor passou, Namir viu uma segunda luz. Alguma coisa tinha aberto o caminho.
O hangar não estava a mais de 100 metros à frente. O que quer que acontecesse em seguida, seriam
capazes de correr para se proteger. Namir olhou para seus camaradas, viu que eles estavam ilesos, então
olhou para Uivo. Chalis estava curvada à frente sobre o corpo dele; ela estava ofegante, mas tinha
suportado as pancadas dos destroços por ele.
Ela levantou a cabeça. Os olhos estavam arregalados de terror.
Namir virou novamente para o corredor. A luz ao longe era sombreada por seis figuras humanoides.
Cinco deles estavam vestidos de branco, como fantasmas, e eles atravessavam o gelo e os escombros
como se tivessem sido treinados nos próprios corredores devastados da Base Echo.
Flanqueada pelos cinco stormtroopers estava uma figura de preto.
– Vader está aqui – sussurrou Chalis, ao que parecia uma acusação. – Vader está aqui.
C A P Í T U L O 15

SET OR ELOCHAR

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

Não havia luzes a bordo da Soar da Trombeta exceto pelo brilho tênue do console da ponte
secundária. Brand preferia assim. A ótica aprimorada de sua máscara de pleximetal permitia a ela
verificar manchas de sangue e circuitos elétricos no escuro, e as sombras lhe dariam cobertura caso ela
não estivesse sozinha.
Ela embarcara na nave depois que o último dos feridos havia sido evacuado para a Trovoada. Brand
ainda não sabia o que a incomodava com relação àquele cenário, e ela estava bem consciente de que
poderia estar procurando problemas onde eles não existiam – ocupando a mente com paranoias. No
entanto, nesse caso, ela não estaria desperdiçando nada além de seu precioso tempo livre. Mas e se a
Soar da Trombeta tivesse sido rastreada até a flotilha de alguma maneira? Marcados com um localizador,
ou sabotados por um espião, ou chantageados para reportar a posição deles? Ela estava preparada para
lidar com essas possibilidades também, pois sabia bem quais eram os extremos a que chegavam homens
e mulheres – imperiais ou não, humanos ou não humanos – para atingir seus objetivos.
Brand já havia procurado por localizadores; não encontrou nada além de corpos de outros membros da
tripulação. A maioria parecia ter sido sufocada. Alguns tinham morrido queimados. Não era possível
determinar quando o suporte vital da nave tinha ficado sem energia – os diagnósticos a bordo estavam
adulterados, e, embora ela fosse capaz de levantar os números baseada no número de sobreviventes e
pela quantidade suprimento de oxigênio restante, ela precisaria de um droide para fazer as contas.
Enquanto isso, havia outras vias abertas para ela até o computador principal.
Os registros de saltos no hiperespaço eram consistentes com a declaração dos tripulantes. A Soar da
Trombeta era um cargueiro leve designado para transportar passageiros e fazer serviços de carga. Ela
vinha operando entre os mundos monetários como uma embarcação de comércio, mudando seus registros
de identidade e nome – Feiúra, Comprador Atento – sempre que o Império começava a suspeitar de
algo. Aparentemente, a Soar da Trombeta já tinha passado da hora de aposentar esse nome falso, já que a
nave tinha sido atacada algumas vezes nos últimos dias.
Isso não era nem surpreendente, nem suspeito. A tripulação tinha feito um bom trabalho forjando
registros, mas o Império vinha aprimorando suas técnicas de identificação de fraudes a cada ano. Talvez,
Brand pensou, ela tivesse se aposentado na hora certa; quem precisava de caçadores de recompensas
quando a segurança de estado imperial funcionava tão bem?
Independentemente disso, os registros de saltos nem confirmavam, nem retiravam suas suspeitas. Ela
começou a tentar acessar outros arquivos do computador, um por um. Muitos dos arquivos estavam
corrompidos. Outros estavam codificados; mais uma tarefa para um droide a bordo da Trovoada. Ainda
assim, havia dados suficientes para mantê-la ocupada: registros de carga, relatórios de manutenção, um
rol de tripulantes, arquivos pessoais…
Ela puxou o rol e abriu o registro do capitão, só para reconhecê-lo imediatamente como o corpo do
qual havia desviado para chegar à ponte. Ela passou os olhos nos detalhes – nenhum histórico pessoal,
apenas nome, idade, planeta natal, histórico de vistos e vacinação, metade daquilo, provavelmente, falso
– e abriu o registro seguinte. Ela olhou rapidamente cada dossiê em tela e procurou por alguma coisa
esquisita – alguma coisa que sugerisse adulteração ou vulnerabilidade das quais o Império pudesse tirar
alguma vantagem. Ela não encontrou nada que indicasse que os homens e mulheres da Soar da Trombeta
fossem algo além de vítimas.
Então ela chegou ao último registro. Olhou para a tela.
Antes mesmo de terminar sua recriação mental do ataque, saiu correndo na direção da câmara de ar.
Ser uma caçadora de recompensas implicava aprender a reconhecer e memorizar rostos. Estar sempre
alerta era parte do jogo, pois os avanços tecnológicos – olhos cibernéticos, lentes de combinação de
imagens – não eram o suficiente para converter um caçador distraído em um observador. Os pontos fortes
de Brand não eram com as pessoas, mas ela havia compensado treinando, realizando versões
clandestinas do teste de recrutamento da polícia do submundo de Coruscant. Ela tinha aprimorado sua
mente, reconectado seu cérebro, até que ele funcionasse da maneira que ela precisava.
Brand raramente duvidava de sua memória. E não duvidava agora.
Nenhum dos rostos dos registros de pessoal da nave correspondia aos dos pacientes transportados
para a ala médica da Trovoada.
Quem quer que estivesse a bordo da Trovoada, não era a tripulação da Soar da Trombeta.
Ela tentou abrir uma linha com a ponte da Trovoada através do comunicador de sua máscara, tocando
no painel de controle da câmara de ar e observando a porta circular de metal abrir. Nenhuma resposta.
Ela entrou na câmara de ar, esperou a pressão equalizar com o interior da Trovoada e tentou a frequência
do esquadrão. Nenhuma resposta de Gadren, Peste ou Charmoso.
O display de sua máscara dizia a hora exata do dia. Foi assim que ela soube que demorou um minuto
inteiro para a porta externa abrir e admitir o som intenso dos alarmes. Quando correu a bordo da
Trovoada, ela se perguntou se aquele minuto poderia ter feito alguma diferença.
A Companhia do Crepúsculo tinha sido infiltrada, e Brand tinha chegado tarde demais para impedir.
C A P Í T U L O 16

P LANETA HOT H

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

Beak e Namir atiraram em uníssono, levantando seus fuzis e projetando raios vermelhos pelo corredor
na direção das figuras reluzentes em branco e preto. Roja juntou-se ao ataque menos de um segundo
depois; ele estava atrás de Namir, mas Namir podia ouvir sua respiração rápida e entrecortada, e suas
botas arrastando na neve.
Um stormtrooper caiu. Os outros se dividiram quase antes de Namir atirar, jogando-se para as laterais
do corredor em busca de cobertura atrás de montes de pedra, gelo e vigas de suporte metálicas.
Darth Vader permaneceu intocável no centro da passagem.
A figura de traje preto lembrava o busto da mansão da governadora em Haidoral, pelo arco de seu
capacete e os ângulos esquisitos da máscara polida. Mas o busto não transmitia sua altura nem o tamanho
de capa amorfa. Luzes vermelhas e verdes piscavam no peitoral de sua armadura, fazendo-o parecer algo
construído, não nascido.
Mesmo assim, ele se movia como um homem: havia carne por baixo da armadura, e carne podia ser
queimada.
Os stormtroopers haviam se movido com a precisão de soldados profissionais, e devolveram fogo
assim que saíram da zona de morte. Namir ordenou à sua equipe que se protegesse e mergulhou atrás de
uma cortina de canos quebrados e dependurados, e de um gigante bloco de gelo. Ele voltou a atirar
novamente, sem antes checar o status de Beak, ou Roja, ou Chalis. Ou Uivo. Mas o capitão, vivo ou
morto, não era a prioridade naquele momento.
Os stormtroopers começaram a avançar, atravessando a passagem de dois em dois, enquanto o resto do
esquadrão deles mantinha Namir e os outros encurralados. Um tomou um tiro no estômago, embora Namir
não pudesse imaginar quem o matara. Ele conseguiu olhar para o lado e viu que Beak tinha ido parar do
lado oposto a ele, enquanto Roja, Chalis e Uivo estavam amontoados a uma pequena distância de sua
traseira.
Ele olhou novamente para o corredor. A figura de preto levantou uma mão assim que um raio vermelho
brilhou em sua direção. O raio acertou sua mão e foi rebatido como se fosse uma pedra, atingindo a
parede do corredor e mandando flocos de neve para o chão.
– Campo de força! – gritou Namir.
Ele nunca tinha visto um campo de força ao redor de uma armadura. Ainda assim, campos de força
podiam ser quebrados.
Os stormtroopers pararam de avançar por tempo suficiente para que Darth Vader assumisse a
vanguarda, dando passadas longas e sem pressa, como um walker imperial desdenhoso diante dos tiros
de um snowspeeder rebelde. Ele não fez esforço nenhum para procurar cobertura. Não portava armas,
pelo que Namir podia ver. Lá no fundo de sua mente, uma voz dizia a Namir que Vader não era uma
ameaça – era um tipo de bicho-papão, construído e vestido para intimidar em vez de lutar –, ainda que na
superfície de sua mente a voz estivesse gritando para que ele não deixasse a figura blindada se
aproximar.
– Concentrar fogo! – gritou Beak. A voz dele era intensa, mas trêmula, como se ele estivesse tentando
se convencer. – Queimem o escudo!
– Não. – Namir ouviu a voz de Chalis em meio ao som dos tiros de fuzil. – Precisamos ir agora.
Os stormtroopers estava avançando novamente atrás de Vader. Virar e recuar deixaria Namir e os
outros expostos; avançar os mataria ainda mais rápido. O plano de Beak era a melhor chance deles.
Namir apontou seu fuzil na direção de Vader e puxou o gatilho, mantendo-o pressionado e segurando o
cano da arma com a mão livre. O fuzil tentava pular a cada tiro e o cano ficava cada vez mais quente
entre os dedos protegidos com luva. Entre a escuridão do corredor e as explosões vermelhas diante de
seus olhos, Namir mal podia enxergar seu alvo.
Beak também estava gritando – Namir podia ouvir o som das partículas energizadas chamuscando o ar
frio que tomava conta do corredor, mas ele não ousou olhar. Vader não hesitou ou caiu. Em vez disso,
algo apareceu em sua mão entre os pulsos de luz vermelha, e, de repente, ele estava segurando uma arma,
uma lâmina de energia corrente que dançava com um giro do punho. Se Vader estava protegido por um
campo de força, parecia não ser mais necessário: a lâmina de energia desviava raios impossivelmente
rápido, zunindo, chiando, crepitando, ao mesmo tempo que dizimava uma tempestade de fogo.
O monitor de temperatura no fuzil de Namir piscou quando o energipente começou a superaquecer. Ele
apertou o gatilho com mais força e a arma voltou a disparar mais doze vezes antes de desativar com um
clique mecânico. O fluxo de raios de Beak foi interrompido um segundo depois.
Vader avançou uns 12 metros durante o ataque. O tempo pareceu parar quando Namir viu um único
floco de neve, carregado pela brisa por toda a extensão do corredor, dar a volta em torno da lâmina de
energia do homem blindado e desaparecer com o calor da arma.
Então Vader deu um salto à frente e, em um único movimento, pousou diante de Beak, dividindo o
soldado da Crepúsculo em dois com um só brandir de sua espada. Por um instante, o ar ficou com cheiro
de tecido, plástico e músculos queimados.
Namir mirava seu fuzil novamente, quando ouviu Roja xingar alto. Um cilindro cromado um pouco
menor que o punho de Namir foi lançado na escuridão na direção de Darth Vader: uma granada de
fragmentação.
As esperanças de Namir se foram rapidamente quando Vader levantou a lâmina e gesticulou para o
lado. Na direção de Namir. Como um droide obediente, a granada ajustou sua trajetória em uma parábola
perfeita. Os eventos pareciam seguir a lógica de um pesadelo – as capacidades de Vader pareciam
limitadas apenas por suas terríveis implicações.
A granada atingiu a parede, atrás da cortina de canos, a 2 metros de distância de Namir no corredor.
Ele ouviu um rangido metálico e se contorceu com o som da explosão, sentindo alguma coisa atingir suas
costelas. Uma chuva de escombros caiu sobre seus ombros e cabeça. Seu queixo agora tocava o gelo do
chão, embora ele não se lembrasse de ter caído. A nuca estava agradavelmente quente com o que ele
imaginava ser sangue.
O resto do mundo era escuridão e barulho.
Namir se concentrou no próprio corpo, ouviu seus batimentos cardíacos e começou a testar os
membros. Ele não tentou ficar de pé ou mover-se – isso estava muito além de suas possibilidades –, mas
ele podia tentar flexionar os músculos, confirmar se era possível sentir os braços, pernas, mãos e pés.
Tinha quase certeza de que não tinha perdido qualquer membro.
Nem havia perdido os olhos, e sua visão estava voltando lentamente. Ele viu silhuetas que se
recusavam a formar imagens que pudessem ser reconhecidas, como se ele fosse um cego que havia se
curado repentinamente e estava aprendendo, pela primeira vez, profundidade, forma e cor. Uma parte
fria e comedida dentro dele o fazia lembrar que isso era normal. Ele já tinha sido ferido brutalmente
outras vezes. A visão retornaria, a não ser que alguém o matasse primeiro.
Mais cinco batimentos. Ninguém o havia matado ainda.
Porém, alguém tinha matado Roja. A primeira visão que ele distinguiu foi a do corpo do colega no gelo
a uns doze passos de distância. Entre Namir e Roja estavam seis pernas brancas e duas pretas.
Stormtroopers, ele pensou. Stormtroopers e Vader.
Ele tentou se levantar com dificuldade e sentiu alguma coisa pesada sobre ele. O mundo parecia girar.
Ele não conseguiria ir a lugar nenhum.
– Você me encontrou – disse uma voz. – Parabéns.
Era a voz de uma mulher, com um sotaque estranho e exageradamente solene.
Chalis.
– Você seguiu minha nave auxiliar a Hoth? Ou seguiu meus rastros depois? Não que isso tenha alguma
importância…
Ela estava de pé a uma curta distância de Vader, com o pescoço levemente tombado para trás para
poder encarar o olhar mascarado do cão fiel do imperador. As mãos dela estavam unidas atrás do corpo.
– Não vou rastejar – ela disse. – Eu gosto da minha vida, mas você não podia ter me humilhado ao me
manter exilada em Haidoral Prime, e eu não serei humilhada agora. Eu fiz escolhas e não me arrependo
de nenhuma delas. Você teve muita sorte de me ter. Você me forçou a traí-lo. Se quiser me executar,
Lorde Vader, que assim seja.
Vader não mais empunhava a lâmina de energia. Ele levantou a mão com uma luva preta, com a palma
virada para Chalis. Os pés da governadora deixaram o chão. As pernas dela estavam balançando no ar,
quando a lógica do pesadelo voltou a fazer efeito.
Os olhos dela se arregalaram. A mão de Vader se fechou em punho cerrado, e Chalis começou a
engasgar e arranhar a garganta.
Pela primeira vez, Vader falou. A voz dele era metálica, grave e ressonante; a respiração fazia um
chiado por conta do impacto das palavras.
– Onde está Skywalker?
A cabeça de Chalis balançou ao olhar com perplexidade.
Namir repetiu as palavras em sua mente, confuso.
Houve um som crepitante, como se o galho de uma árvore verde e saudável estivesse sendo quebrado.
Chalis continuava a arranhar a garganta, com a respiração ficando cada vez mais curta.
Um dos stormtroopers se aproximou de Vader por trás, com a cabeça inclinada, como se ouvisse o
comunicador em seu capacete. Ele hesitou, aparentemente sem saber se interrompia, mas então disse:
– Lorde Vader. Localizamos a Millennium Falcon.
Vader não chegou a olhar para o trooper, mas ele agitou o punho novamente e Chalis foi lançada à
parede como um brinquedo descartado antes de desabar no chão. Os stormtroopers responderam
avançando pelo corredor com o mestre deles no centro do batalhão.
Namir fechou os olhos e buscou refúgio do pesadelo.
C A P Í T U L O 17

SET OR ELOCHAR

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

As portas blindadas a bordo da Trovoada estavam seladas. Brand viu isso como um sinal positivo –
um indicativo de que a tripulação da ponte estava tentando isolar a equipe de infiltração imperial – até
ela encontrar Charmoso, Peste e mais três, entre técnicos e novatos, tentando penetrar uma porta com um
maçarico.
– Estamos a caminho do deque de comando – gaguejou Charmoso, engolindo metade das palavras em
frustração. – Nós não… não sabemos…
– Foi a tripulação ferida – disse Brand. – Eles eram imperiais. Devem ter massacrado todos a bordo
da Soar da Trombeta antes de virem para a flotilha.
Peste falava rapidamente em seu comlink, mas ela parecia não receber nenhuma resposta.
Brand avaliou a situação. Se os infiltrados tinham controle das portas blindadas, eles provavelmente
haviam tomado a ponte. E já deviam ter desativado os comunicadores internos. Eles precisariam de
tempo para acessar os sistemas mais protegidos – armas, controle de motor, suporte vital –, mas não
muito tempo.
Brand olhou para Charmoso enquanto ele tentava perfurar o metal, mandando faíscas para os ares.
Seria impossível chegar à ponte a tempo.
Ela já tinha se virado e começado a voltar pelo caminho de onde viera, quando se lembrou de dizer:
– Continuem assim. Vou tentar outro jeito. – Mesmo depois de todos esses anos, trabalhar em equipe
não era fácil para ela.
Mas Peste foi atrás dela. Ela reconheceu os passos rápidos e desajeitados.
– Gadren está preso na armaria – avisou Peste. – Eu estava indo ao encontro dele.
Brand olhou para a garota.
– E?
– Isso significa que ele tem armas. Ele consegue se virar.
Brand mentalmente reviu o inventário da armaria.
– Talvez – ela concordou. Não seria uma fuga rápida ou sutil, mas ele tinha melhores chances do que
Charmoso. – Se fizer contato, diga a ele para me encontrar na ponte. Vou esperar o máximo que eu puder.
Peste começou a responder. Brand a interrompeu só com o olhar.
Depois de deixar a garota para trás, ela refez sua rota até a Soar da Trombeta. O dano ao cargueiro
tinha sido severo, mas de certa forma isso dava vantagem a ela: os sistemas de segurança do computador
principal, se estivessem online, teriam-na impedido de fazer o que pretendia. Ela se jogou na cadeira do
piloto, no escuro da ponte, e transferiu o restante de energia do suporte à vida para os motores. Uma luz
de aviso e um cronômetro congelaram num canto do display da máscara, avisando quanto tempo
exatamente ela ainda tinha de oxigênio em seu traje. O número não era muito animador.
O estômago dela flutuou quando a gravidade artificial foi cortada. Ela apertou o cinto de segurança da
cadeira sobre o peito e continuou o trabalho. Lentamente, a Soar da Trombeta foi soltando as garras de
acoplagem que a prendiam à Trovoada. Como Brand imaginou, a Trovoada não se desvencilhou sozinha
da Soar da Trombeta.
Quando ela ativou os propulsores da nave, uma dúzia de novas luzes apareceram no console principal.
Os dentes de Brand começaram a vibrar antes mesmo de sentir o cargueiro tremer. O som de metal
chiando ecoou pelo interior da nave.
Brand ficou se perguntando o que iria desmanchar primeiro: as garras da Trovoada ou a câmara de ar
da Soar da Trombeta.
Então ela obteve sua resposta. Após ouvir-se um som igual ao guincho de mil droides irritados, a nave
pulou para frente e os detritos da ponte – um datapad, um embrulhador de ração, um bantha de pelúcia
que devia ter significado alguma coisa para um membro da tripulação agora morto – começaram a ser
sugados de volta à passagem principal. O pouco ar que sobrara na Soar da Trombeta estava sendo
sugado pela câmara de ar danificada, junto com qualquer coisa que estivesse à deriva no ambiente em
gravidade zero.
Brand não se importava. Ela manteve o cargueiro alinhado ao casco da Trovoada e conduziu-o –
dolorosamente devagar, graças aos propulsores danificados e a suas parcas habilidades de pilotagem –
na direção da ponte da corveta. O traje grudou nela, esquentando-a automaticamente quando a
temperatura da nave caiu.
Ela mal notou a luz dos instrumentos de comunicação do cargueiro piscando em meio a tantos alertas
que reluziam no console. Então Brand ligou um interruptor e ouviu uma voz adulterada pela estática,
quase indecifrável. Ela ouviu “tenente Sairgon”, “Império” e “flotilha”. Ouviu também o que parecia um
tiro de arma de raios.
Brand considerava Sairgon um amigo. Quando começara a trabalhar com a companhia, ela tinha
invadido a intimidade dele, vasculhando e descobrindo quem ele tinha sido antes da guerra. Ele fora um
ator, um músico, um historiador – um homem com centenas de talentos, nenhum dos quais ele jamais
admitira possuir na frente da Crepúsculo. Ela o respeitava por isso.
Brand ficou feliz em ver que o resto da flotilha tinha compreendido a mensagem de Sairgon e seu
sacrifício. Um a um, os pontos no radar que indicavam outras naves rebeldes desapareceram, até que
sobraram apenas a Trovoada e a Promessa de Apailana – lealdade até o fim. A reunião de naves tinha
sido comprometida. Aqueles que conseguiram, voaram para o hiperespaço.
Ainda faltava a Companhia do Crepúsculo ser salva.

Depois de a Soar da Trombeta ter cruzado boa parte da Trovoada de popa a proa, Brand retornou à
câmara de ar arruinada do cargueiro e olhou pelo buraco irregular deixado após a desacoplagem violenta
da nave. O casco da Trovoada preencheu sua visão: metal polido intercalado com antenas de radar,
distribuidores de energia e revestimentos ablativos, como a superfície cheia de circuitos de uma estranha
lua mecânica.
Sua máscara filtrou as formas, aproximou a visão. Ela conhecia o interior da Trovoada como se fossem
as ruas de Tangenine. Havia memorizado meticulosamente cada deque; planejara emboscadas e rotas de
fuga em caso de desastre. Agora se sentia uma tola por não ter estudado o exterior com mais atenção.
Se sobrevivesse àquele dia, pretendia corrigir seu erro.
Finalmente avistou o objeto de sua procura: uma portinhola de manutenção feita para droides, mas
ampla o bastante, ela torcia, para acomodar um humano. Ela não hesitou em empurrar a parede da câmara
de ar, e tomou impulso na direção do espaço.
Ela mergulhou no vazio entre as naves, na faixa escura que separava dois céus acinzentados. Naquele
vazio, ela teve tempo de se perguntar sobre a precipitação de suas ações. Se ela tivesse se lançado com
muita velocidade, rasgaria o traje quando colidisse contra o casco da Trovoada. Até um rasgo
microscópico em suas luvas significaria morte. Mesmo assim, ela havia pulado sem medo ou ansiedade,
sem pensar em seus camaradas ou visualizar os invasores sendo esmagados por suas mãos. Mesmo
Namir, ela pensou, cínico como era, teria admitido alguma emoção.
Ela não sentira nada. Só que tinha um trabalho, um propósito e um sistema.
Brand virou o corpo direcionando as solas de suas botas para o casco. Quando elas tocaram o metal,
uma dor aguda subiu pelo tornozelo que ela distendera em Coyerti. Embora seu corpo todo tivesse
sentido a fisgada, ela não tinha quebrado nenhum osso, nem rompido seu traje de combate. Ela se curvou
à frente, ricocheteou para trás no espaço, esticou-se toda para agarrar a borda da portinhola e cravou os
dedos sob uma junta metálica. Seus braços doíam enquanto ela se segurava na Trovoada, e sua
velocidade diminuiu.
Assim que ela conseguiu se firmar, forçou a abertura da portinhola com dois tiros de sua pistola. Ela
teve que se contorcer para entrar, mas conseguiu caber – o espaço era feito para uma unidade astromec,
larga, mas não alta. Mais uma vez, sua maior preocupação era o traje; um apertão forte tinha o potencial
de rasgar o tecido.
Ao descer, ela olhou uma última vez para o vazio. A inércia da Soar da Trombeta havia levado o
cargueiro para longe, expondo a escuridão sem fim e milhares de estrelas à sua frente. Ela nunca tinha
ficado do lado de fora de uma espaçonave tão distante de um planeta; uma parte dela queria ficar ali mais
tempo, para conquistar um senso de solidão que parecia fora de alcance.
Então uma nova estrela começou a piscar, ficando rapidamente mais brilhante: uma nave chegando do
hiperespaço. Ela ampliou a imagem em sua máscara, mais e mais, até conseguir discernir sua forma.
Ela queria estar surpresa. Mas não estava.
Era um destróier estelar imperial.
C A P Í T U L O 18

P LANETA HOT H

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

Por algum tempo, Namir não conseguiu distinguir realidade de sonho.


Intelectualmente, ele entendia a distinção – sabia que era imperativo que discernisse um do outro,
sabia que sua vida e a vida de outros estava por um fio. Mas aquilo a que ele se apegava como fato
parecia fino, propenso a se dissolver com um toque, enquanto o que ele tentava descartar como pesadelo
parecia fixo em sua memória.
Havia certas verdades nas quais confiava: ele estava deitado no chão com fragmentos de gelo de uma
passagem parcialmente destruída, permeando entre a consciência e a inconsciência. Ele acreditava que a
Base Echo tinha sido destruída – que ele tinha lutado contra stormtroopers ao lado dos amigos e perdido.
Ele não tinha tanta certeza se seus amigos tinham morrido. Ele vira os corpos de Beak e Brand, e podia
conjurar as imagens de um massacre – de um walker imperial esmagando Peste, de uma lâmina de energia
dividindo Roja ao meio –, mas seriam elas reais? Ele se lembrava de ter saído dos escombros uma vez,
duas vezes, só para ficar preso novamente.
Namir lembrou-se de algo que Gadren havia lhe dito pouco depois de ele se juntar à Companhia do
Crepúsculo. O alienígena tinha assumido a responsabilidade de educá-lo sobre a natureza do universo –
sobre o hiperespaço, os cometas e as massas estelares –, e ele falara de uma singularidade do Núcleo
Profundo da galáxia. No meio de tudo, Gadren dizia, havia um buraco negro que devorava toda a luz e
energia, exercendo uma força gravitacional mais poderosa que mil sóis. A galáxia inteira girava em volta
desse ponto de escuridão.
Namir lembrou de um homem em armadura preta que não podia ser morto.
Darth Vader.
Depois de algum tempo, Namir desafiou uma pressão sobre suas costas, se ergueu sobre suas mãos e
joelhos, e sentiu uma onda de enjoo. Ele nunca tinha pensado que pudesse se sentir nauseado nos sonhos,
e então resolveu se levantar. Seu peito oscilava, mas nada saía de seus lábios exceto o vapor da
respiração. Suas costelas estavam doloridas, já que seu fuzil tinha ficado embaixo delas.
Ele cruzou o corredor para testar o equilíbrio. Encontrou Beak morto, cortado em dois.
Foi Beak quem morreu pelas mãos de Vader. Não Roja. Memórias começavam a se alinhar.
Vader era real.
Namir encostou-se na parede. “Fique acordado”, disse a si mesmo. “Inconsciência é morrer. Ficar aqui
é morrer.” Então ele deixou a superfície gélida guiá-lo vários metros pela passagem. Lá encontrou Roja,
com um buraco queimado em sua jaqueta acima do coração. Roja encontrava-se sobre Uivo, que estava
frio quando Namir ajoelhou-se para tocá-lo.
Uivo não tinha quaisquer ferimentos óbvios de combate. Por não ter sido tratado, o traumatismo
craniano que ele sofrera durante a destruição do centro de comando tinha se provado fatal.
Namir riu ao pensar nisso e levantou uma das mãos para gentilmente tocar a própria cabeça. O capuz
da jaqueta estava úmido. A luva dele ficou manchada de vermelho quando ele a baixou.
“Uivo sempre quis que você fosse mais parecido com ele. Talvez consiga morrer da mesma forma.”
Ele sabia que devia sentir alguma emoção pela morte do capitão – qualquer emoção. E pela de Beak,
e pela de Roja. Mas o torpor e o choque eram seus aliados. Sua prioridade era sobreviver. Escapar.
Aquecer-se.
Encontrar a Companhia do Crepúsculo.
Mas a Companhia do Crepúsculo não estava em Hoth. Ele conseguia se lembrar disso agora.
Ele estava perto do hangar quando os stormtroopers atacaram. Tentou lembrar para qual direção
precisava andar e descobriu que o esforço o deixava tonto. A solução veio até ele quando um floco de
neve tocou seu queixo e derreteu ali.
As portas do hangar estavam abertas. Siga a brisa.
Ele caminhou lentamente pelo corredor. Seus passos ficavam mais firmes quanto mais ele se mantinha
de pé. Ele ergueu o fuzil, examinou para ver se havia danos. Não havia luzes de alerta. Ele pensou em
desmontá-lo, checá-lo com mais cuidado, mas não podia perder tempo, ainda mais quando stormtroopers
poderiam encontrá-lo a qualquer momento.
Quando ele olhou novamente para cima, Everi Chalis estava de pé, em seu caminho, 3 metros à frente.
Ela também estava seguindo a direção da brisa, cambaleando enquanto caminhava. Ela se movia ainda
mais lentamente que Namir e mantinha uma mão colada no peito. Namir tentou falar o nome dela, mas só
saiu na segunda tentativa.
Chalis se assustou e virou um soco nele. Ele interceptou o golpe facilmente e ela pareceu se
desmanchar sobre sua mão, tropeçando ao perder o equilíbrio. Namir estendeu os braços até ela, mas ela
se afastou e se endireitou com dificuldade.
Os olhos de Chalis estavam vítreos e injetados. Sua jaqueta estava coberta de neve, sujeira e manchas
de sangue. Abaixo do queixo, passando pelo pescoço e descendo pela garganta, a pele estava com o
vermelho intenso de um ferimento recente. Parecia que tinha sido pendurada numa forca e liberada do
laço muito tarde.
– Precisamos ir – disse Namir.
Os lábios de Chalis se curvaram de um jeito que parecia que ela ia rosnar. Mas ela não disse nada.
Namir olhou para ela e esperou. Chalis também parecia alguém que tinha acabado de sair de um
pesadelo, e ele se perguntou se estava inconsciente. Havia frustração e ansiedade na voz de Namir
quando perguntou:
– Você consegue andar? Precisamos ir.
Ele estendeu a mão para segurá-la pelo ombro. Desta vez, Chalis o segurou pelo punho. Quando ela
falou, sua voz era um rangido rouco e dolorido:
– Sim – disse ela, pronunciando a palavra com dificuldade.
Isso era suficiente para Namir. Ele passou por ela a passos largos e continuou na mesma direção. Ele
não conseguia ouvir as passadas de Chalis no início, mas logo elas começaram a ecoar a uma pequena
distância atrás dele.
Ele seguiu a brisa. Quanto mais caminhavam, mais ligado Namir ficava aos sons da base. O gelo e a
pedra ainda estavam se ajustando, quebrando, caindo. Ele ouviu o estouro dos curtos-circuitos nos cabos
de eletricidade. Duas vezes, ouviu tiros de armas de raios ao longe. A batalha tinha acabado, talvez, mas
fazia pouco tempo.
Namir ouviu Chalis também. Ela respirava principalmente pelo nariz, com um assobio suave, mas de
vez em quando dava um suspiro forte com a boca, de forma arrastada, arranhada. Ela não disse nada ao
passarem pela escuridão, escalarem os escombros e se espremerem por portas congeladas entreabertas.
O hangar, quando eles chegaram, parecia incrivelmente brilhante. Além das grandes portas para a
caverna, Namir pôde ver um céu azul limpo, e os raios de um sol quase a se pôr criavam caminhos de
intensa iluminação entre pontos de sombra. A maioria das naves tinha ido embora. Dois caças estelares
X-wing estavam em chamas. A nave auxiliar da Crepúsculo estava aparentemente intocada de um lado.
– É nosso dia de sorte – disse Namir. Ele não sorriu e Chalis não riu.

A nave auxiliar balançou e tremeu ao taxiar pela passarela na direção das portas do hangar. Namir
pulou os procedimentos padrão de verificação pré-voo – não porque ele temesse perder segundos
preciosos, mas porque ele nunca tinha pilotado uma espaçonave sozinho. Ele teria pedido instruções para
Chalis, mas ela só se sentou na cadeira de copiloto e olhou sem reação pela escotilha.
Então luzes de aviso piscaram; faíscas e fogo cercavam a embarcação. Mas quando ela saiu do hangar,
levantou voo rapidamente em direção a uma imensidão de azul acima e branco abaixo, deixando a ruína
do campo de batalha e as máquinas de guerra para trás.
Namir queria olhar para o céu, deixar-se hipnotizar pelo vazio e retornar para o entorpecimento do
corredor escuro. Mas ele não podia, ele sabia. Ainda não.
– Eles estarão em alerta para naves – ele disse. – Terão um bloqueio ao redor do planeta. Não temos
poder de fogo para contra-atacar.
Os dedos dele começaram a formigar conforme o calor foi tomando conta da nave. Ele observou
Chalis, esperando por uma resposta. Ela mal deu atenção.
– Eles vão nos abater – disse, com a voz um pouco mais alta, um pouco mais áspera. – Você precisa
liberar nossa passagem, enviar um código de liberação como fez quando embarcamos no cargueiro.
Chalis ficou paralisada em seu assento e pareceu suprimir uma contração de dor, como se algum
ferimento tivesse se agravado. Mas ela continuou em silêncio.
Namir olhou para os painéis de controle e tentou imaginar quanto tempo eles levariam para sair da
atmosfera superior de Hoth e se encontrarem diante de uma frota de destróieres estelares. Do lado de
fora, colunas de fumaça e nuvem se espalhavam contra a escotilha.
– Chalis – ele perdeu a paciência, estendendo a mão para tocá-la no ombro.
Agora ela olhou para ele com a expressão cheia de ódio e amargura. Ainda, o silêncio.
– Não me interessa se dói falar – disse Namir. – Não me interessa o que aconteceu lá atrás. Você
precisa tentar.
Ele manteve uma mão no ombro dela. A outra mexia em seu fuzil, ainda atravessado em seu peito, e o
levantava na direção de Chalis. Eles estavam tão próximos que a boca da arma raspava no tecido da
jaqueta dela.
– Você vai tentar – disse ele.
Chalis continuava com o olhar odioso. Então ela virou para o console e, com movimentos rápidos e
bruscos, começou a apertar botões e digitar códigos.
Em seguida, ela abriu uma frequência de comunicação.
– Aqui – ela disse, com uma voz tão rouca e sem fôlego que Namir ficou preocupado que ninguém
fosse ouvir. – é a Força Blizzard, unidade dois-dois-oito-sete. Solicitando – ela parou, e sua boca abriu e
fechou como um peixe buscando ar, antes de concluir – ancoradouro para nave auxiliar com prisioneiro.
Ela fechou a frequência e se curvou para a frente, com os ombros e o peito ofegantes. Chalis parecia
estar tentando tossir, mas não fez som algum.
A nave auxiliar penetrou nuvens acinzentadas e a escotilha ficou preta, estrelas brilhavam na
escuridão, como flocos de neve. Os imensos destróieres estelares pontiagudos ocupavam toda a extensão
do espaço. O instinto de Namir era o de ativar força total nos motores, acelerar para longe de Hoth e
furar o bloqueio.
Em vez disso, ele esperou. Se ele entregasse o blefe muito cedo, a nave auxiliar seria aniquilada.
“Primeiro atravesse o bloqueio”, ele disse a si mesmo. “Afaste-se o suficiente do planeta para atingir a
velocidade da luz. Eles vão achar suspeito, mas, quando isso acontecer, será tarde demais.”
Ele tocou no navicomputador e deixou que ele calculasse o primeiro pulo para o hiperespaço. Veria
onde estavam armazenadas as coordenadas da flotilha mais tarde – a nave devia tê-las registrado –, mas,
por ora, qualquer lugar longe de Hoth já estava bom.
Uma luz piscou no console. Um dos destróieres estelares estava tentando contatá-los. Namir olhou para
Chalis. Ela olhava fixamente para a frente.
Eles estavam quase atravessando o bloqueio, quase fora do campo gravitacional de Hoth, quando os
sensores mostraram uma porção de naves movendo-se rapidamente na direção deles.
Caças TIE, Namir imaginou. Mas a chance deles de abater a nave auxiliar já tinha passado.
O navicomputador indicou que uma rota havia sido calculada. Namir esticou a mão e, gentilmente,
empurrou o acelerador do hiperdrive. Estrelas se transformaram em feixes de luz e Namir se sentiu
esmagado contra o assento. Então a escotilha se tornou um redemoinho de energia azul celeste e a nave
estabilizou novamente.
Ele verificou as leituras, como se esperasse ver os caças TIE ainda em perseguição, e olhou em volta
da cabine, como se um stormtrooper tivesse se escondido a bordo. Demorou muito tempo para que seu
corpo aceitasse que estava a salvo – para que os instintos de centenas de batalhas se acalmassem e, pela
primeira vez desde que acordara, dessem lugar a pensamentos deliberados e racionais.
Ele estava vivo.
Roja e Beak estavam mortos.
O capitão da Companhia do Crepúsculo estava morto.
A frota rebelde fora dispersada.
Ele se encostou na cadeira, tremendo com o calor da nave e se apegando ao que restava de seu torpor.
C A P Í T U L O 19

SET OR ELOCHAR

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

– Aqui é o prelado Verge do Conselho Executivo Imperial. Venho com uma oferta em nome do
imperador Palpatine, glorioso governante de nossa galáxia e nosso guia para a era moderna.
A transmissão começara pouco depois de Brand ter embarcado na Trovoada. Provavelmente tinha
vindo do destróier estelar, ela pensou, e sido retransmitida pelo sistema sonoro da Trovoada por
intermédio dos infiltrados na ponte.
Prelado Verge. Brand já tinha ouvido esse nome de passagem, ligado a alguma crueldade ocasional,
mas ela não se lembrava dos detalhes e não tinha tempo para vasculhar sua memória por mais
informações.
Ele tinha a voz de uma criança.
– Todos vocês são traidores, de certa forma. Nosso imperador deu as boas-vindas a cada um de vocês
à Nova Ordem, e cada um de vocês, ao invés disso, preferiu se rebelar.
A portinhola de manutenção conduzia quase que diretamente ao deque de comando, a não ser por uma
pequena escalada pelo vão de um turboelevador desativado e desmantelado para reparos. Brand se
agachou diante das portas blindadas que selavam a ponte, pedaços do painel da porta estavam espalhados
ao redor de seus joelhos, enquanto ela tentava fazer uma ligação direta nos controles. Mesmo se ela
pudesse cortar a porta, não o faria, pois se houvesse reféns do outro lado, ela precisaria do elemento
surpresa.
Brand ouviu o som abafado de um canhão de raios por trás das barricadas de aço. O deque mal tremeu.
Devia ter sido Gadren, tentando entrar a partir da armaria. Baseado nas vibrações, ele não estava nem
perto.
– Mas uma traição doeu mais que outras. Eu sei que a governadora Everi Chalis se juntou a vocês em
Haidoral Prime. Sei que ela ainda se encontra com vocês.
E ele continuou:
– Não vou prometer poupá-los, mas vocês não têm chance contra minha nave. Se não entregarem a
governadora Chalis para mim, farei de vocês um exemplo público. Suas execuções serão lentas,
testemunhadas por seus familiares e planetas natais.
Brand não podia rir, dadas as circunstâncias. Mas ela sorriu sarcasticamente. A governadora Chalis
tinha ido embora havia semanas, e mesmo assim ela seria o motivo do fim da Companhia do Crepúsculo.
Não dava para esperar por Gadren. Parte de Brand estava contente. Ela terminou de descascar um fio
com a faca e tocou-o na unidade de controle do traje em seu punho. Houve um pequeno estalo dentro do
painel. As portas blindadas engasgaram e abriram deslizando.
Brand atirou no primeiro infiltrado que viu, antes mesmo de conseguir avaliar a situação. Isso a fez
sentir-se desajeitada, imprudente – se pudesse ter espiado a ponte antes de entrar, poderia ter executado
seus inimigos em instantes –, mas aquela atitude fora necessária. A pistola disruptora brilhou
intensamente, transformando uma mulher, que estava de pé perto da estação de comunicação, em farrapos
e poeira, enquanto Brand entrava rolando pela porta.
Em um dos lados ela ouviu o som de luta corpo a corpo. Aquilo era bom. Devia ser a tripulação da
ponte, ainda viva e revidando.
A pistola disruptora de Brand vibrava em sua mão, quase fazendo-a perder a mira ao atirar na direção
de um homem sentado na cadeira do capitão na plataforma central. Ela rapidamente passou os olhos pela
ponte, fazendo uma rápida contagem. Oito infiltrados. Cinco membros da tripulação da Trovoada ainda
vivos, já enfrentando seus sequestradores. As chances eram boas, considerando a situação.
O prelado Verge voltou a falar. Brand ignorou-o e se concentrou no imperial de ombros largos que
vinha até ela pela esquerda. Ela deu um passo para trás, sacou a faca e passou um braço em torno de seu
pescoço, segurando a lâmina contra a garganta dele. Com a outra mão, ela mirou a pistola em um
infiltrado procurando cobertura. Fazer um refém não lhe daria mais do que alguns minutos, ela sabia, mas
isso era tudo o que ela precisava.
Ela ouviu cinco tiros de armas de raios. Apenas dois a visavam. Ela não tinha tempo para checar a
tripulação. Seu refém tentou escapar e pagou o preço.
O resto da luta foi rápido e sangrento. Brand corria de um alvo para o outro, sabendo que iria tomar
um tiro bem rápido se continuasse dentro de alcance e sem proteção. Com a faca, ela derrubou dois
oponentes – não se importou em checar se eles estavam vivos –, enquanto a pistola disruptora
desintegrou outro. Quando recuperou o fôlego e contraiu o nariz para tirar uma gota de suor, percebeu que
a tripulação da ponte tinha dado conta dos infiltrados restantes.
O que sobrara da tripulação da ponte. Dois alferes, nenhum dos quais ela conhecia. O comandante
Paonu estava morto no chão. Ela não tinha ideia de quem, por direito, estava no comando das operações
da nave agora.
– Voltem às suas estações – ela falou apressadamente. Os alferes começaram a se mexer.
Ela olhou para a holointerface tática, viu a Promessa de Apailana mover-se para se colocar entre o
destróier estelar e a Trovoada. A nave de combate não tinha como saber o que estava acontecendo, mas
estava preparada para se sacrificar assim mesmo. “Estúpidos e fiéis, sem nenhum bom senso”, pensou
Brand.
– Eles estão atirando – gritou um dos alferes.
A holointerface oscilou com milhares de luzes quando o destróier estelar abriu fogo. Os clarões da
Promessa pareciam parcos e sem vida perto do inimigo.
A flotilha já havia se dispersado. A Trovoada não tinha concluído seus reparos, mas Brand sabia que a
nave conseguia saltar para o hiperespaço. E o prelado Verge estava certo: nem a Trovoada, nem a
Promessa tinham qualquer chance contra um destróier estelar.
A decisão acertada era óbvia, mesmo sem Uivo ou Paonu. Brand esperava que o capitão a perdoasse.
– Preparar para o salto – disse ela.
– Precisamos ativar os escudos – gritou de volta um dos alferes, um Mirialano de pele amarela, com o
rosto coberto de tatuagens pretas. Ele estava curvado sobre o painel de controle, sem olhar para Brand.
– Vamos dar o salto e aguentar o impacto – disse Brand.
Ela detestava fazer o papel de líder. E esperava que o garoto lhe obedecesse.
A Trovoada começou a chacoalhar quando a chuva de partículas do destróier estelar atingiu seu casco.
Brand ignorou o tremor e digitou uma série de coordenadas no navicomputador, transmitindo-as para a
Promessa de Apailana. Ela sentiu o deque balançar conforme a embarcação começava a se mover.
Ela esperava que, o que quer que estivesse acontecendo na base secreta dos rebeldes – o que quer que
Uivo e Chalis estivessem tramando com o Alto Comando da Aliança –, valesse a dispersão da flotilha e
o sequestro da Trovoada.
Brand se perguntou se viveria para descobrir.
C A P Í T U L O 20

P LANETA SULLUST

ZERO DIAS APÓS O PLANO K10

SP-475 foi a terceira stormtrooper a entrar na doca. Ela manteve a cabeça baixa e a arma de raios
firme, do jeito que tinha sido treinada. Seguiu seu companheiro procurando cobertura atrás da estação de
carga e vasculhou por inimigos enquanto o resto da equipe invadia. Ela confiava no display de seu
capacete para distinguir movimentos e para alertá-la sobre qualquer inimigo que não estivesse vendo.
– Tudo limpo! – gritou uma voz distorcida pela estática. A designação de quem tinha falado piscou na
tela, mas não era importante. “Confie no que foi dito”, 475 disse a si mesma. “Confie em seus colegas,
não apenas em seu equipamento.”
Doze stormtroopers se espalharam em volta de um cargueiro, que mais parecia uma pilha carbonizada,
registrado sob o nome de Lembrança. Se a informação do Departamento de Segurança estivesse correta,
ele pertencia aos terroristas mais procurados de Sullust.
475 torcia para que a informação estivesse correta. Ela estava pronta para que a vida em Pinyumb
voltasse ao normal.
Desde o ataque na fábrica de processamento, o Império instituíra políticas antiterrorismo bastante
agressivas. Havia batidas diárias nos dormitórios dos trabalhadores e nas áreas residenciais, limitações
estritas ao acesso à rede de computadores, novos postos de segurança nas estações de bonde e de naves
auxiliares saindo da cidade para a superfície. E, é claro, turnos intermináveis para a unidade de
stormtroopers; não importava o que diziam os civis, nunca havia tropas suficientes para atender às
necessidades do Império.
SP-475 tinha recebido uma comenda por reportar uma misteriosa movimentação de suprimentos que
chegavam às mãos dos trabalhadores. Seu tio fora levado sob custódia havia uma semana. Ele não fora
acusado e seria liberado assim que as coisas se acalmassem, ela tinha certeza, mas estava cansada dos
olhares desconfiados que recebia dos amigos dele quando voltava para o dormitório dos troopers.
Ela estava apenas fazendo seu trabalho. Era verdade que a vida era difícil para o povo de Pinyumb,
mas a melhor maneira de facilitar as coisas era parando os combatentes rebeldes e da resistência, que
vinham explodindo fábricas e subornando inocentes.
O comlink de seu capacete crepitou novamente:
– Duas equipes: verifiquem lá dentro. Tenham cuidado.
O parceiro de 475 acenou com a cabeça e foi na frente.
Havia um boato dizendo que os rebeldes gostavam de sabotar seus próprios equipamentos com
explosivos improvisados. 475 ouvira falar de vários stormtroopers que perderam braços ou pernas em
explosões de detonita, e cujas armaduras tinham sido perfuradas por estilhaços afiados por diligentes
mãos rebeldes. Ela nunca vira uma bomba fora do treinamento.
“Que tipo de monstros são essas pessoas?”
Ela havia lido o arquivo sobre Nien Nunb – líder de uma célula terrorista rebelde, nativo de Sullust,
ladrãozinho que desviara dinheiro de seus empregadores antes de se alistar com a Rebelião. Mas
ladrõezinhos não costumavam deixar soldados se afogarem em sangue dentro de seus capacetes.
Ladrõezinhos podiam até assassinar quando encurralados, mas legítima defesa era diferente de um
massacre planejado friamente.
SP-475 era a segunda de oito stormtroopers a entrar no cargueiro. Sua respiração soava alta demais
dentro do capacete. A única luz vinha da doca.
– Visão noturna – veio o comando de 113. 475 nunca tinha visto seu rosto, mas ela ouvira dizer que ele
era um dos comandantes clones originais, que fundara a corporação dos stormtroopers. Sua voz soava
velha. – Não toque em nada.
Ela ativou seu visor. A função de visão noturna criava uma névoa verde sobre o corredor, mas era
melhor que nada.
O grupo marchou à frente e chegou a uma trifurcação. 475 acionou em seu display uma planta do
cargueiro – um VCX-150 produzido pela Corporação Corelliana de Engenharia. Havia mais de meia
dúzia de compartimentos para ser revistados. Meia dúzia de chances de serem emboscados ou de
ativarem uma armadilha. Ela tocou o braço do parceiro e pegou a passagem à esquerda, torcendo pelo
melhor.
A busca foi feita lentamente, no início. Eles vasculharam cada compartimento em busca de sinais de
comunicação e fontes de energia – qualquer coisa que pudesse ser usada em uma bomba – antes de entrar.
No entanto, após dez minutos, quando eles mal tinham terminado as buscas no primeiro quarto, veio a
ordem da guarnição para acelerar o processo. O quartel-general queria saber se os rebeldes estavam ou
não a bordo. Cada segundo desperdiçado com incertezas era um segundo em que o inimigo podia causar
mais danos.
Na área de carga, eles encontraram um engradado resfriado com pacotes de bacta suficientes para
suprir um hospital por um mês ou para enriquecer um traficante no mercado negro. Guardado embaixo de
um beliche, 475 descobriu um baú cheio de ferramentas especializadas, suficientes até mesmo para
desmanchar um caça estelar.
Relatos semelhantes vieram dos outros: datachips carregados com vídeos de propaganda; bandagens
limpas; pacotes de ração. Nenhuma arma. Quando as equipes terminaram de vasculhar todas as seções da
nave, eles se reuniram no corredor espremido do lado de fora da cabine.
Enquanto SP-113 dava instruções para isolar o equipamento, preparando a nave para os técnicos
forenses, 156 se afastou do grupo, olhando para um painel de acesso com conduítes no corredor. Quando
475 olhou em sua direção, ele balançou a cabeça bruscamente e indicou a parede com um gesto.
Unidos, os stormtroopers se encaminharam para bloquear o corredor em ambas as direções e miraram
seus fuzis no painel.
156 analisou o painel – não muito maior que seu braço, instalado a um metro de altura na parede do
corredor –, então, por fim, deu um forte golpe com a parte de trás de seu fuzil. O painel se deslocou
dentro de sua estrutura, já destrancado. 156 aproximou as mãos e puxou a lâmina de metal.
Em um compartimento apertado, que parecia ainda menor por causa das montanhas de tubos e fios,
estava um alienígena de pelagem marrom agachado, pernas magricelas puxadas contra o peito e uma
longa tromba comprimida entre os joelhos. Grandes olhos negros olharam para os troopers, que
apontaram seus fuzis para ele. O capacete de 475 identificou a espécie antes que ela pudesse fazê-lo:
Chadra-Fan.
O alienígena estava tremendo, mas não se mexia. 475 tentou ver suas mãos, mas elas estavam
enterradas atrás das pernas. Não dava para saber se ele estava segurando uma arma.
– Onde está Nien Nunb? – ladrou 113. – Onde estão os outros?
– Não estão aqui – disse o alienígena, com uma voz suave e aguda. – Em algum lugar na cidade. Boa
sorte para encontrá-los – Ele deu uma risada esquisita. 475 achou ser uma risada de nervoso.
Ela queria olhar para trás, como se outros rebeldes pudessem começar a rastejar pelos dutos de ar e
vãos de manutenção. Mas manteve o foco no Chadra-Fan.
– Quem são seus contatos em Sullust? – perguntou 113. – Com quem está trabalhando aqui?
Novamente, a risada esquisita.
– O que faz você pensar que estamos trabalhando com alguém? – perguntou o alienígena.
113 começou a responder, mas o Chadra-Fan continuou falando em meio a risadinhas.
– Você os assustou tanto que eles não vão mais trabalhar conosco. Ah, eles aceitarão nossa comida,
mas se juntar à Rebelião? Não, não, não. O ataque à fábrica de processamento? Ali fomos nós. Nossa
célula. Ninguém mais.
– Tire-o daqui – disse 113.
Três stormtroopers – aqueles próximos ao painel – cumpriram a ordem. 475 se afastou, tentando
estabelecer um cordão secundário caso o alienígena tentasse fugir. Ela respirou lentamente, forçando o ar
para dentro e para fora entre os dentes. Ela tinha sido treinada para isso. Seus camaradas conheciam seus
deveres. Eles eram capazes de levar um único rebelde.
Ela quase perdeu o alienígena de vista quando os três stormtroopers se aproximaram, mas ela ouviu
suas palavras:
– Não está tudo bem. Não hoje.
Então veio o grito em meio à estática pelo comlink:
– Detonador!
Ela paralisou por um longo segundo. Um corpo em armadura branca deu um encontrão nela, tentando
empurrar, tentando correr. O impacto fez Thara dar meia-volta e então ela começou a correr também. Não
estava mais pensando na equipe. Não estava mais pensando em nada.
Thara sentiu uma explosão nas costas, sentiu suas pernas balançando no ar e o rosto esmagado contra o
capacete ao ser projetada para a frente. Houve um som, um grande estrondo que quase não foi obstruído
por sua armadura.
Ela ficou imóvel por longos instantes, em estado de choque, sem conseguir se mexer. Quando olhou
para cima novamente, viu-se estirada no meio da rampa de embarque. Ela não ouvia nada além de um
zunido distante. Sentiu-se congestionada e percebeu que seu nariz estava sangrando.
Thara – 475 – sobrevivera a seu primeiro ataque rebelde. Mas a nave estava com cheiro de plástico
derretido e pelo e carne queimados. Ela se perguntou se alguém mais tinha sido tão sortudo.
C A P Í T U L O 21

P LANETA CRUCIVAL

DIA 4 DA BATALHA DA TORRE


19 ANOS DEPOIS DAS GUERRAS CLÔNICAS

O domo sobre a torre reluzia com iridescência oleosa, como se as engrenagens de uma das grandes
aeronaves de extramundo tivessem vazado sobre Crucival. Ao entardecer, o brilho refletido pelo domo
superava qualquer outra coisa no horizonte; ele brilhava e flamejava ainda mais furiosamente a cada
explosão de energia que o atingia, a cada saraivada do inimigo. Feixes verdes e amarelos cortavam o céu
em linhas perfeitas, disparados por canhões distantes, gerando ondulações na superfície artificial do
domo. Cápsulas fumegantes desciam zunindo sobre a torre, causando explosões que poderiam derrubar
uma montanha.
Do lado de fora do domo, por mais de um quilômetro ao redor da torre de aço, a paisagem consistia
em cinzas, metal retorcido e corpos. Aqui e ali, folhas de grama amarela acolhiam um esqueleto
carbonizado de um flier abatido. Trincheiras e muralhas de pedra haviam sido destruídas. Alguns homens
e mulheres valentes, porém tolos, agachavam-se no chão, disparando ocasionalmente contra os invasores
acampados longe da visão.
A batalha estava perdida. O jovem de nome Hazram sabia disso. Mais importante ainda é que nunca
fora possível vencê-la, e ele se odiava por não ter percebido isso antes.
Ele se arrastou através da poeira, com os dedos fincando no solo e os pés arranhando o cascalho.
Sentiu alguma coisa afiada pressionar seu peito, então cuidadosamente se levantou cerca de um palmo
para evitar se cortar em algum estilhaço. Quando ficou exposto, rastejou como um lagarto até um abrigo.
Ao se encontrar nos restos de uma trincheira, descansou.
Levantar a cabeça significava morrer – incinerado por uma das armas de feixes de partículas do
inimigo que devastavam o campo de batalha; assassinado por um atirador de elite; desintegrado por uma
das máquinas ambulantes mantidas pelos mestres da torre, que pareciam desesperados para acertar
qualquer um, amigo ou inimigo; atingido pelos estilhaços de uma dessas máquinas à medida que iam
explodindo.
Muitos tipo de morte.
Na trincheira, quando Hazram se apalpou para ver se havia sangue ou algum ferimento, lembrou que
não portava mais sua arma de partículas.
Ele riu com um som rouco e enjoado. A arma de raios tinha ficado sem bateria no primeiro dia de
combate. Ele havia recebido uma arma limpa e polida – rivalizando com qualquer coisa construída em
Crucival – como pagamento por se alistar no exército dos mestres da torre, os extramundanos que se
intitulavam o Primeiro Império Galáctico.
Não parecia ter sido uma barganha tão ruim na ocasião. Ele havia lutado por tantos mestres: o senhor
de guerra Malkhan e seu clã; a Doutrina Opalina, com suas centenas de credos e fanatismo religioso; a
Senhora das Moedas e seus acólitos empoeirados; e outros mais. Todos eles tinham oferecido motivos
elaborados que explicavam por que eles, e somente eles, eram os legítimos donos de Crucival. Mas ele
não conseguia se lembrar da última vez que se importara com essas justificativas, ou acreditara que seria
diferente com um governante ou com outro. Quando os emissários do Império surgiram da torre pela
primeira vez em anos, declarando que um inimigo estava vindo para o planeta e que eles forneceriam
armas para qualquer um que se dispusesse a lutar, aquela parecera ser mais uma oportunidade. A melhor
oportunidade que Hazram via em tempos.
Ele estava muito velho para continuar se juntando às facções de Crucival, uma após a outra. Não era
mais uma criança, desesperada para entregar a vida e o espírito a uma causa. Suas lealdades passadas
tornavam-no suspeito ou pária. Só lhe restavam alguns poucos caminhos, e se ele pudesse armar a si e a
seus aliados como Malkhan fizera, talvez fundar uma facção e conquistar o poder…
… bem, era uma possibilidade. E o Império tinha pedido apenas uma batalha.
Ele havia trazido Pira com ele. Pira, que estivera ao seu lado desde a Doutrina; Pira, que era família.
Ele recrutara outros como Tar e Mishru: homens contra quem lutara antes de perderem seus próprios
mestres. Ele os tinha encontrado nas ruas da cidade, escondendo suas marcas e roubando transeuntes. O
grupo de Hazram era de cerca de doze no total, soldados prontos para deixar de pular de guerra em
guerra.
Quando as tropas de branco do Império lhes ofereceram seus fuzis, dizendo-lhes para defender a torre
contra os rebeldes do céu, Hazram olhou para seu grupo e viu sobreviventes. Ele já tinha visto os
melhores guerreiros de Crucival.
Praticamente todos eles tinham morrido na primeira onda.
Os mestres da torre e suas tropas vestidas de branco tinham recuado para baixo do domo e deixado os
mercenários enfrentarem a vanguarda rebelde. O Império provavelmente sabia que o povo de Crucival
não conseguiria vencer. Os mercenários eram bucha de canhão. Na melhor das hipóteses, eles serviam
como uma manobra dilatória. Mil soldados e mil armas de raios não eram páreo para o arsenal dos
extramundanos.
Hazram não percebera a tempo, e se martirizou por isso.
Ele saiu da trincheira e continuou rastejando pelo campo de batalha, para longe da torre.
Ouviu um zumbido atrás de onde estava. Por cima do ombro, espiou uma esfera de metal do tamanho
de uma cabeça humana flutuando acima dos destroços, com um único olho vermelho escaneando para
frente e para trás. Pertencia ao Império, não aos rebeldes, mas Hazram sabia o que ela fazia. Quando via
alguma coisa se movendo, ela fixava o olhar. Onde ela se fixasse, um flier a seguia. Com os fliers vinha
uma chuva de destruição.
Contra a lógica, Hazram saiu correndo. O bombardeio de um flier não deixaria nada além de uma
cratera e pó. Nem mesmo ruínas sobrariam.
Ele tropeçou uma vez, e de novo, recuperando-se nas duas vezes. Depois do rastejar agonizantemente
lento, ele se esquecera do próprio cansaço. Mesmo antes da batalha, ele mal comia. Roubava o que podia
dos acampamentos de guerra ou trocava quinquilharias com os mercadores da cidade. Ele se sentia, ao
mesmo tempo, leve, muito leve, e mais pesado que uma montanha. Quando as longas passadas o levaram
para o alto de uma colina, ele se viu em pleno voo antes de sentir a queda abrupta. Desabou três metros
para baixo de um despenhadeiro, aterrissando com força e soltando um gemido tenso e sofrido ao torcer
o tornozelo.
Hazram não podia mais correr, então puxou as pernas contra o peito e se apoiou de costas contra a
parede de uma vala estreita que havia na base do despenhadeiro. Ouviu o barulho de um trovão colina
acima e nuvens de poeira passaram sobre ele.
Pelo menos, ele sobrevivera ao flier. Eles raramente se preocupavam em fazer uma segunda visita.
– Hazram?
A voz era diminuta e confusa, como a de uma criança.
Ele soltou as pernas e descansou o tornozelo sobre a terra fria. Contanto que não o movesse, não
sentiria dor. Ele olhou para a vala e viu uma figura deitada a alguns metros de distância, tremendo.
Pira tinha mudado desde a época da Doutrina. Hazram a vira se transformar de uma garota pequena,
durona e de cabelos compridos numa mulher alta, magricela e subnutrida, que raspara a cabeça para
negar qualquer elo com um inimigo. O rosto dela estava cheio de cicatrizes, e ela tinha sido marcada em
volta da boca durante o ano em que ela e Hazram passaram separados. Não era possível ver a marca
agora, graças à crosta vermelha que cobria seus lábios e queixo.
– Achei que os fliers o pegariam – disse ela.
– Eu também achei – respondeu ele.
Pira não se aproximou. Hazram lentamente se arrastou para perto dela, erguendo-se com a ajuda das
mãos. Pira não se levantou. Ela fedia às piores feridas que um corpo humano poderia sofrer.
– Perdemos bem feio, não foi? – perguntou ela.
Hazram concordou com a cabeça. Ele percebeu que uma das pernas dela parecia uma mistura de
sangue e trapos.
– Tomei uma decisão ruim – disse ele.
Pira riu.
– Foi uma decisão realmente péssima – disse ela. – Mas você não foi o único.
Ele tentou se aproximar mais, ajeitar-se para conseguir olhar melhor a perna dela. Ela o afastou sem
força.
– Já está mais que infeccionado – disse ela. – A menos que eu consiga amputar e cauterizar, não vai
ficar bom.
Hazram xingou internamente, sem raiva.
– Podemos esperar por uma brecha no combate – disse ele. – Escapamos juntos.
– Esse era o meu plano – disse Pira, e sorriu. – Que bom que você descobriu.
Eles se sentaram juntos, ouvindo os ruídos distantes de armas de raios e o estrondo das bombas. Parte
do cérebro de Hazram – a parte que começara a lutar nas guerras pouco depois de ele ter atingido a
puberdade, há quase uma década; a parte que sabia como emboscar um acampamento inimigo e cortar a
garganta de um sentinela, ou encontrar o ponto fraco de um bloqueio – imaginou vários cenários, e tentou
avaliar o que seria necessário para carregar Pira até algum lugar seguro e a um cirurgião.
O resto de seu cérebro lutava para saber o que dizer a Pira enquanto ela ainda estivesse viva.
– Nós devíamos ter ido embora há muito tempo – disse Pira tranquilamente. – O que quer que
aconteça, não pode ser pior que isso.
– Fica para a próxima – disse Hazram.
– Fica para a próxima – concordou Pira.

A última coisa sobre a qual eles conversaram antes de Pira adormecer foi pudim de pão: o tipo que a
Doutrina fazia nos feriados, com frutas doces e uma crosta queimada. Isso foi quando a Doutrina possuía
ouro e comida para compartilhar. Pira adorava esse pudim, apesar de se coçar inteira na manhã seguinte.
Hazram havia dividido sua tigela com ela na véspera da Ascensão do Hieropríncipe, quando Pira fora
vendada e forçada a jejuar como punição por recitar errado os credos.
Na luz do amanhecer, Hazram deixou Pira na vala e continuou a rastejar pelo campo de batalha coberto
de orvalho. Ele disse a si mesmo que voltaria se pudesse – se pudesse encontrar remédios para a
gangrena ou um carrinho para carregá-la. Quando deixou a encosta para trás, ele ainda acreditava que
teria uma chance.
Naquela noite, enquanto se refugiava nas ruínas do que antes fora a clausura da Doutrina, fora da
cidade, ele observou as colinas queimando. Foi quando soube que não voltaria mais.
A torre caiu no dia seguinte. Vitória, portanto, para os rebeldes. Os soldados de branco do Império
haviam alegado que a torre era um transmissor; que ela, de alguma forma, comunicava-se com outros
planetas; que era por isso que a queriam preservada. Hazram perguntou-se se o Império voltaria para
construir outra ou se seus governantes desistiriam de Crucival. Era um pensamento inútil e desanimado.
Os camaradas de Hazram estavam mortos. Ele estava desarmado e não tinha mais guerreiros ao seu
lado para protegê-lo, nenhum clã ou facção para alimentá-lo. Ele passou os dias seguintes procurando
comida – os pássaros que tinham ninhos no mosteiro haviam deixado alguns ovos, o bastante para
sustentá-lo – ou sentado na grama em meio a uma névoa de cansaço. De vez em quando, seus pensamentos
vagavam para o que ele faria agora: se retornasse à cidade, seria reconhecido como um fracasso – como
o homem que havia sacrificado seus amigos em busca de falsas esperanças, provando-se sem valor como
líder ou combatente. Se ele tivesse sorte, poderia não ser caçado e morto por suas associações
anteriores. Ele poderia ter uma vida de mendigo ou ladrão.
Ou ele poderia acabar como o pai, um ex-soldado covarde por quem os outros moradores da cidade
sentiam pena ou rejeição. E poderia ser morto como ele também, esfaqueado no abdome por uma criança.
Não. Voltar à cidade não era uma opção.
Quase uma semana depois da queda da torre, com a cabeça latejando por causa da falta de comida e
sono, e usando roupas sujas fedendo a suor, Hazram avistou uma multidão de homens e mulheres
deixando a cidade e caminhando em direção às ruínas da torre. Muitos estavam armados, mas eles não
marchavam como se fossem para a guerra – estavam sozinhos e em grupos, precavidos como qualquer
viajante prudente, mas sem medo de serem vistos. Hazram os observou de longe e foi atrás deles sem
pensar. Ele não tinha mais nada além do desejo de sobreviver.
Ele chegou ao campo de batalha ao meio-dia. As colinas já tinham sido limpas pelos catadores –
humanos roubavam armas dos cadáveres e sucatas de metal das máquinas; animais se alimentavam da
carniça –, então Hazram não se surpreendeu ao ver a fila de viajantes apenas contornando a destruição.
Pensou em se separar deles, em procurar Pira e os outros. Mas ele já tinha visto muitos dos seus mortos
para saber que isso não traria nenhum conforto. Não encontraria qualquer satisfação em revisitar o lugar
de seu fracasso.
Então ele continuou caminhando perto dos viajantes, juntando-se a eles no caminho que traçavam pela
grama amarela. Quando subiram um morro, Hazram finalmente conseguiu ver qual era o destino daquela
caravana: um círculo de tendas, geradores e veículos mecânicos. Era um acampamento extramundano, e,
já que não havia nenhum soldado de branco, presumivelmente pertencia aos rebeldes. O grupo desceu o
morro sob o olhar de sentinelas – algumas sorrindo, outras emburradas – que apenas acenavam para que
os viajantes continuassem se aproximando. Ninguém parou até chegar ao lugar adequado; lá, todos foram
abordados, um por um, por rebeldes que os levaram às tendas para conversar.
Hazram nunca tinha visto um rebelde de perto. As roupas deles eram claramente de um design de
extramundo – eram perfeitamente costuradas, feitas a partir de tecidos resistentes e tingidos com esmero
–, mas também estavam manchadas e rasgadas. Alguns dos rebeldes usavam capacetes ou coletes
pesados, enquanto outros mal estavam prontos para combate, carregando apenas suas pistolas. Aqueles
que não se aproximavam dos viajantes murmuravam uns com os outros e riam, ou sentavam ao lado de
suas tendas, mastigando bolos envoltos em papéis prateados. Eles tinham o olhar cansado e orgulhoso de
soldados que haviam conquistado a vitória.
Pareciam medíocres demais para terem massacrado os camaradas de Hazram tão rapidamente.
– Próximo? – A voz era poderosa e ressonante como a explosão de uma bomba.
Hazram percebeu que tinha chegado à frente da fila. Para abordá-lo, veio um alienígena monstruoso de
quatro braços com uma cabeça de demônio – uma mas-sa marrom, bulbosa e de boca larga, encimada
com uma crista de ossos. Um de seus braços fez um gesto para que Hazram se aproximasse; sua cabeça
horrenda sorria cheia de dentes, e seus olhos brilhavam com impaciência.
Os camaradas de Hazram estavam mortos. Ele não podia voltar à cidade. Então deu um passo à frente
e o alienígena o conduziu entre um par de tendas verde-prateadas.
– Preferimos tratar disso dentro de um acampamento – disse a criatura –, mas fomos avisados de que
nossa abordagem poderia ser vista como agressão. Prometo a você, não temos interesse algum em
Crucival.
– Não há muita gente aqui que valha a pena ser levada – disse Hazram. Ele olhou para o acampamento,
despretensiosamente observando rotas de fuga. Não sabia o que o alienígena esperava ou queria. E nem
se importava muito.
A criatura balançou a cabeça com uma cara feia, mas não disse o que quer que tivesse pensado. Em
vez disso, se abaixou sobre a poeira, sentando-se de pernas cruzadas com um suspiro. Quando Hazram se
juntou a ele, o alienígena perguntou:
– Então, por que você deseja se juntar à Rebelião contra o Império?
Era para isso que o acampamento estava ali? Hazram se sentiu um tolo por não ter percebido antes.
Eles estavam recrutando.
Hazram poderia ter virado as costas e saído andando. Porém, ele encarou o alienígena por um tempo e,
enfim, disse:
– O Império matou meus amigos.
Era verdade, de certa forma. Hazram não guardava qualquer ressentimento contra os imperiais, mas os
mestres da torre haviam organizado aquele massacre, mesmo que não tivessem puxado o gatilho.
A criatura acenou lentamente. Duas mãos carnudas se entrelaçaram.
– Então você busca vingança?
Hazram observou o alienígena e deixou a pergunta amadurecer em sua cabeça.
Ele poderia se vingar se quisesse. Era só roubar uma arma de raios de um dos rebeldes e atirar em
todos do acampamento antes de ser finalmente rendido. Ele imaginou o cenário. Não haveria qualquer
prazer em fazer isso.
– Na verdade, não – disse Hazram.
– Que bom – disse a criatura, e novamente deu seu sorriso cheio de dentes. – Vingança é um
combustível que queima rápido demais. Mas eu posso lhe dizer o seguinte: se você se juntar a nós,
também guardaremos luto por seus amigos.
Hazram soltou uma gargalhada. A criatura juntou as mãos inferiores, como se estivesse satisfeita, antes
de se lançar a uma explanação sobre qual era o papel de seu grupo de guerra na galáxia.
Ele dizia representar “a 61a Infantaria Móvel da Aliança Rebelde”, uma companhia de tropas que se
deslocavam de estrela a estrela aos caprichos de seus superiores. A unidade dele tinha lutado contra o
Império em milhares de campos de batalha em uma centena de planetas. Era um trabalho sangrento, disse
a criatura, e as recompensas eram mínimas. Mas quando Hazram perguntou, ele o assegurou que havia
comida, roupas e armas suficientes para todos, “obtidas nas situações mais difíceis”.
– Com qual frequência as situações ficam difíceis? – perguntou Hazram.
A criatura riu discretamente. Parecia uma batida de tambor.
– Com mais frequência do que gostaríamos – ele admitiu.
Ele prosseguiu com perguntas sobre a experiência de combate de Hazram, questionando se ele já tinha
lutado em alguma unidade antes e se sabia usar uma arma de raios.
– Tão novo? –, a criatura indagou balançando a cabeça, quando Hazram lhe disse pela segunda vez por
quanto tempo ele vinha matando. Ela parecia não ter ouvido a primeira resposta.
Quando as perguntas terminaram, o alienígena falou calorosamente sobre paisagens exóticas – desertos
infinitos, planetas com ilhas que flutuavam entre as nuvens, inúmeras espécies – que a companhia tinha o
privilégio de conhecer. Alertou Hazram de que eles raramente voltavam a algum lugar. Então, se ele se
alistasse, não seria fácil voltar para Crucival, embora fosse permitido que ele saísse da companhia, se
assim o desejasse.
Hazram ignorou a voz do alienígena em sua mente quando a criatura enfatizou a justa causa dos
rebeldes e os terrores do Império Galáctico. Daquela parte do discurso, Hazram poderia se poupar; todas
as chamadas para guerra eram iguais, e ele as ouvira a vida inteira. Mas a ideia de deixar Crucival…
Ele nunca mais teria que voltar à cidade. Nunca mais teria que deparar com o vazio de lá ou procurar
comida na grama ensanguentada de fora de suas muralhas.
O pai dele tinha sobrevivido entre as estrelas. Ele estava certo de que também conseguiria.
E se não conseguisse, pelo menos poderia morrer a centenas de planetas de distância de casa.
O alienígena perguntou se ele realmente estava disposto a combater o mal do Império por tão pouco
em retorno – se compreendia o que poderia ser pedido a ele e quanto as ações do inimigo poderiam ser
duras.
– Uma guerra é uma guerra – disse Hazram. – Não vai me mostrar nada que eu já não tenha visto.
Essa foi a resposta errada. Os olhos do alienígena se fecharam e a cabeça curvou-se à frente,
expirando um hálito quente e pungente. Então ele elevou os ombros e olhou novamente para Hazram.
– Já temos muitos mercenários – ele disse. Foi a mais estranha das rejeições recebidas por Hazram,
mas ele a reconheceu assim mesmo.
Assim como as facções de Crucival, a Rebelião queria mentes que pudesse moldar para sua causa.
Mentes jovens. Mentes idealistas. E Hazram não pertencia àquele lugar.
Ainda assim, o alienígena continuou falando, lutando com as palavras.
– Mas, se não pudermos lhe mostrar nada de novo, talvez você possa nos mostrar algo de novo.
Nenhum homem é apenas uma arma. – A criatura soava quase esperançosa. Hazram não entendia por quê,
mas ela estava lhe dando outra chance.
Ele olhou em volta no acampamento e tentou adivinhar quais eram as necessidades dos rebeldes. Ele
não entendia o funcionamento das tecnologias deles – até as laterais brilhantes de suas tendas pareciam
mágicas. Só as armas mais básicas lhe eram familiares. Ele podia entregar Crucival a eles, dizer-lhes
quais facções obliterar primeiro se quisessem dominar o planeta. Mas a criatura já tinha dito quais eram
as intenções da Rebelião.
Então ele olhou para os outros viajantes da cidade. Estavam inquietos na fila, falando de forma
ansiosa, ou petulante, ou ressentida com os representantes rebeldes. Viu um dos rebeldes olhar para o
alienígena e acenar com a cabeça, antes de mandar o viajante ao seu lado – um jovem com uma barba
grossa e uma túnica esfarrapada – aguardar perto de uma tenda.
Hazram sabia o que precisava dizer.
– Ele vai ser um problema – disse Hazram, esfregando o dedão em sua barba rala.
– É mesmo? – perguntou a criatura.
– Talvez ele tenha dito as coisas certas – disse Hazram –, mas está se esforçando demais para
impressionar. Mostrar que é crescido, que sobreviveu a uma vida difícil… Talvez seja tudo verdade, até
onde sei, mas aposto que não sabe nem usar uma arma de raios.
– Como eu disse, já temos muitos mercenários. Talvez ele tenha uma qualidade: dedicação.
– Talvez – disse Hazram, dando de ombros. – Mas ele nunca vai admitir o que não sabe, se continuar
buscando aprovação. Não tem como se livrar desse hábito, e ele vai acabar matando alguém no campo de
batalha.
A criatura analisou Hazram. Seu pescoço se expandia e contraía.
– Como você é confiante, hein?
Hazram não deu muita importância.
– Não muito. Dê-me vinte minutos com ele e eu consigo descobrir.
– Por quê? – perguntou a criatura.
Hazram sorriu ironicamente.
– Quando você já se alistou em tantos exércitos, começa a reconhecer as pessoas com quem deve se
juntar.
A criatura concordou e saiu andando sem falar nada. Uma de suas mãos chamou para que Hazram o
acompanhasse.
Por quase uma hora eles caminharam em silêncio pelo acampamento, ouvindo a conversa dos
recrutadores enquanto passavam por eles. Hazram não dizia nada a menos que solicitado, mas a criatura
pediu que ele avaliasse cada um dos viajantes. Hazram notou um veterano cheio de cicatrizes que tinha
apenas um dos braços e que falava apaixonadamente sobre seu desejo de servir a uma causa justa. Então
disse ao alienígena que o homem seria lento para aprender tecnologia de extramundo, contudo, seria um
excelente ativo em potencial. Alertou a criatura sobre uma mulher que usava as marcas de um dos mais
cruéis sucessores de Malkhan: ela podia ser forte, mas aprendera a lutar em um ambiente regado a
especiarias, e causaria um estrago se fosse obrigada a lutar lúcida.
Depois de uma hora, a criatura levou Hazram de volta à tenda onde haviam começado a conversar e
perguntou:
– E se eu aceitasse todos eles? Se eu dissesse que meu capitão me deu ordens para levar qualquer um
que lutasse pelos motivos certos?
– Eu diria que seu capitão precisa cuidar melhor de seu pessoal.
A criatura parecia inabalável.
– Você poderia ensiná-los? – ele perguntou. – Você poderia transformá-los em soldados com os quais
lutaria lado a lado?
Hazram olhou em volta para o acampamento novamente, para os viajantes e para os rebeldes.
– Eu não teria muita escolha – disse ele. – Se fossem meus camaradas… eu faria o que fosse preciso
para prepará-los.
– Então – disse a criatura –, talvez tenhamos um lugar para você.

Hazram Namir ainda não estava totalmente crente de que havia deixado o planeta Crucival até Gadren
– a criatura do acampamento – acompanhá-lo até a escotilha da espaçonave Trovoada. Ele tinha viajado
numa nave de desembarque que partira da superfície do planeta, quase vomitando em sua camisa dentro
daquela caixa sem janelas que chacoalhava e fazia um barulho ensurdecedor, e andara cambaleante ao
descer uma rampa que dava acesso à doca da Trovoada.
Ele nunca tinha visto tanto metal e plástico em um só lugar. A 61a Infantaria Móvel da Aliança Rebelde
não precisava conquistar Crucival. Se ela quisesse o planeta, poderia comprá-lo.
Ele ficou parado sozinho em frente à escotilha por muito tempo depois de Gadren ter seguido adiante.
Crucival parecia pequeno e insignificante em meio às estrelas, uma esfera pintada de verde, cinza e
amarelo, simples demais para possuir uma única cidade, quanto mais nações.
Ele pensou no que estava deixando para trás ao sair voando naquela jaula alienígena. Não imaginou
que sentiria falta da grama amarela ou das nuvens. Elas tinham sido fundamentais à sua existência, e
agora tinham sido tiradas dele.
Porém, quando começou a pensar em Pira, seu pai, e todos os que havia deixado bem lá embaixo,
sentiu-se tão leve e livre quanto a nave.
Ele finalmente tinha ido embora.
C A P Í T U L O 22

P LANETA ANKHURAL

7 DIAS ANTES DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO


13 ANOS MAIS TARDE

A última vez em que Brand estivera em Ankhural, a capital – se é que um planeta com apenas uma
cidade e uma porção de assentamentos clandestinos pode dizer que tem uma capital – tinha sido cercada
por um escudo defletor que filtrava a poeira das planícies de silício ao redor. As ruas nunca haviam sido
limpas, mas tinham um charme desleixado.
Brand não achava mais que Ankhural fosse charmosa. Ela usava sua máscara ao andar pelos becos
tomados por gangues de vivissectores, e sentia os olhos ressecados desde que acordara. Homens de pele
branca e seis dedos na mão, segurando escalpos, olhavam para ela enquanto andava, desaparecendo nas
sombras ao verem o fuzil em suas costas e a faca claramente exibida em sua cintura.
Ela tinha vendido a pistola disruptora. Sentia falta dela, mas nada em Ankhural valia mais dinheiro do
que uma arma carinhosamente bem cuidada, extremamente mortal e amplamente proibida.
Os becos a levaram para baixo de uma marquise larga onde quase não se via nada, tamanha a
escuridão. Sua máscara detalhou as silhuetas de dezenas de homens e mulheres usando véus e
sussurrando, pechinchando, discutindo e se beijando. Comerciantes independentes do espaço selvagem
encontravam-se com representantes do cartel Crymorah para trocar favores por armas e especiarias.
Espiões de Umbaran trocavam seus serviços com sobreviventes do Olho da Morte. Qualquer um naquele
mercado valeria uma boa recompensa. Como um grão de areia levado pelo vento, a ideia de abandonar
sua causa e voltar a uma vida mais simples passou pela mente de Brand.
Ela afastou aqueles pensamentos e continuou andando. Aproximou-se de um Weequay murcho e
enrugado, cujo rosto parecia um cadáver desidratado, e começou a acompanhar os passos dele.
– Nenhum problema? – perguntou ela. Seu huttês estava enferrujado. Ela podia ter contratado um
droide de protocolo ou comprado um programa de tradução para sua máscara, mas esperava que o
esforço a fizesse ser respeitada.
– Nenhum problema – disse o alienígena. – Nenhuma pergunta. Acho que as gangues ficarão curiosas
em breve.
Brand enfiou a mão na jaqueta e retirou uma pilha de fichas de crédito de grande valor. Ela as colocou
nas mão do velho Weequay, dizendo:
– Diga ao avô de Vice que fico muita agradecida pela ajuda.
Com isso, continuou andando. Brand sentiu a presença de alguém a seguindo. Quando saiu do mercado,
seu perseguidor, quem quer que fosse, abandonou a caçada.
“Poderia ter sido pior”, ela pensou.
Ao chegar à pista de corrida de pods na fronteira da cidade, as lentes de sua máscara ficaram
embaçadas pela fuligem. Ela baixou a máscara ao se aproximar das portas metálicas da grande arena –
grande o bastante para deixar passar um hovertank, mas com apenas um droide aranha como guarda. O
droide inseriu um cartão numa tomada para admitir a chegada dela, e as portas se abriram deslizando
menos de meio metro; ela precisou virar o corpo para entrar de lado.
No vasto espaço além das portas – encerrado pelo anfiteatro, mas a céu aberto –, a Trovoada
repousava numa cama de poeira. Dezenas de soldados da Crepúsculo se movimentavam, pequenos diante
da magnitude da nave. Eles levavam ferramentas e peças mecânicas trazidas da cidade ou rebocavam
sucatas queimadas e retorcidas para pilhas de lixo, ajudavam engenheiros a desmanchar painéis ou
soldavam rasgos no casco. Outros pareciam não ter nada melhor para fazer do que jogar dados ou esperar
por encrenca.
A Trovoada não havia sido construída para pousar, mas era capaz de aterrissar num planeta em caso de
emergência. A situação atual certamente se qualificava como tal. A nave tinha sido gravemente
prejudicada na batalha contra o prelado Verge, quando fora apenas parcialmente reparada de suas
batalhas na Orla Média. Para concluir o trabalho de conserto, a tripulação de engenheiros precisava
desligar sistemas inteiros – e isso significava encontrar uma doca espacial ou uma flotilha.
Ou uma pista de corrida sem uso no meio do nada.
Se o Império encontrasse Ankhural – se o prelado rastreasse a Companhia do Crepúsculo, como já o
fizera, ou se as gangues ficassem muito curiosas e entregassem os rebeldes –, a Trovoada não teria como
se defender. A Promessa de Apailana conduzia seus próprios reparos em órbita, operada por uma
tripulação minguada; não havia mais ninguém para proteger a companhia.
Então, eles se esconderam e esperaram, e Brand tentou não pensar sobre o que eles fariam – o que ela
faria – após a recuperação plena da Trovoada. Ela procurou não pensar em quanto tempo conseguiriam
esperar.
Ela havia prometido que tentaria cuidar da companhia. E o fizera do fundo do coração, mas ela não era
líder de ninguém.
Brand acenou com a cabeça para as sentinelas ao se aproximar da imensa nave, observando o M2-M5
– agora atuando como chefe de engenharia, envolvido em duraplast transparente para proteger suas juntas
do pó – soltar comentários sarcásticos aos que realizavam os consertos ao mesmo tempo que
administrava a triagem mecânica. Os olhos dela e os do intendente Hober se cruzaram, ela balançou a
cabeça e torceu para que isso fosse o suficiente para transmitir o resumo das rotinas da parte da manhã:
nenhuma emergência, nenhum progresso e nenhuma mudança real.
Gadren e Peste estavam sentados na terra. Duas das mãos do Besalisk estavam enfaixadas por causa de
feridas obtidas em sua tentativa de conter os sequestradores na ponte da Trovoada. Peste levantou e foi
em direção a Brand, mas Brand não deu muita bola para ela. Ela até gostava Peste – a menina tinha dado
o seu melhor em Coyerti, e se esforçara durante a infiltração na nave –, mas Brand não tinha respostas
para suas perguntas inevitáveis.
Um berro vindo dos portões a poupou. Brand tirou o fuzil das costas, girou o corpo e correu por onde
tinha vindo. As grandes portas de metal estavam se abrindo.
As sentinelas não teriam acionado o alarme se alguém da Crepúsculo ainda estivesse na cidade. Isso
significava que um estranho estava chegando para fazer uma visita.
As sentinelas formaram um grande arco em volta do portão. Brand empunhou firmemente seu fuzil e
mirou na fenda pela qual surgiram duas figuras. Ambas caminhavam instavelmente, apoiando-se
levemente uma na outra para se manterem de pé. O primeiro era um homem de pele bronzeada, magro e
compacto. A outra era uma mulher ainda mais magra com cabelos negros. Os dois usavam jaquetas
manchadas e desgastadas, grossas demais para Ankhural.
Brand se aproximou da dupla e jogou o fuzil de volta para as costas. As sentinelas cuidadosamente
baixaram suas armas. Ela abriu um sorriso assim que Namir e Chalis pararam a alguns metros de
distância.
– Você conseguiu – disse Brand.
C A P Í T U L O 23

P LANETA ANKHURAL

5 DIAS ANTES DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

Algumas dezenas de soldados haviam armado uma cidade de tendas em volta da proa da Trovoada,
preferindo dormir a céu aberto, com o ar seco e empoeirado, do que no interior frenético da embarcação.
Namir não os culpava – a nave ecoava dia e noite com os sons de faíscas e maçaricos de solda, e o
alarme disparava intermitentemente por motivos que ninguém sabia explicar. Do lado de fora, havia ao
menos uma aparência de calma.
Mas embora as tropas conversassem em voz baixa, comessem alimentos mendigados nas cantinas de
Ankhural e limpassem suas armas sob o brilho da noite, calma não era o sentimento que elas transmitiam.
Namir observava os soldados ao caminhar por entre as fileiras alinhadas, e via que eles desviavam o
olhar quando ele passava. Ombros ficavam tensos quando um grito distante ecoava da cidade. Eles não
estavam calmos. Estavam abatidos, alimentando um luto que, certamente, se transformaria em amargura.
Namir não os culpava por isso também.
– Como você está se sentindo?
Peste caminhava com atenção ao lado de Namir, por entre sacos de dormir e aquecedores portáteis
espalhados pelo chão. Ela usava um pedaço de pano rasgado em volta do pescoço, pronta para cobrir o
rosto se a poeira subisse.
– Melhor – respondeu ele. – Hidratado. Eu precisava descansar, mas Von Geiz me liberou para o
trabalho.
Peste olhou por cima do ombro, então de novo para Namir.
– Que bom – ela murmurou. – Desculpe por termos quebrado a nave.
Namir deu uma gargalhada. O sorriso dele murchou quase que imediatamente. “Desculpe por ter
perdido o capitão” era a única resposta que lhe vinha à mente, e parecia ser melhor não a pronunciar.
Ele olhou para Peste, tentando adivinhar por que ela fora até ele. Um mês antes, ele poderia ter se
preocupado que os vícios de Ankhural a tentariam, ou suspeitado que ela tivesse visto ou feito alguma
coisa traumática durante o ataque à Trovoada. Mas em algum momento, sem o menor aviso, Peste se
tornara uma soldado da Crepúsculo, e não apenas mais uma recruta. Ela era parte da unidade, e parecia
tão à vontade na companhia quanto qualquer um dos veteranos. Se precisasse de apoio moral, poderia
procurar Gadren, ou Charmoso, ou outros tantos.
O que significava que havia alguma coisa para a qual ela precisava do primeiro sargento.
Peste limpou as mãos na calça, olhou novamente por cima do ombro e disse:
– Alguns dos caras estão falando em deixar a companhia.
Namir grunhiu e deu um aceno curto.
– Quem? – ele perguntou.
– Corbo – disse Peste –, e os outros novatos de Haidoral. Além de alguns do velho esquadrão do
Fektrin. – Ela hesitou novamente. – Eles ainda querem lutar. Só…
– Eles não querem ficar parados, esperando serem bombardeados – disse Namir. – Eu dou um jeito
nisso.
Eles continuaram caminhando juntos enquanto Namir fazia suas rondas e observava as tendas. Nem ele
sabia ao certo do que estava tomando conta. Ele sabia exatamente o que as tropas estavam sentindo.
Ele não se incomodava com a companhia de Peste. Pelo menos, ela não o culpava por ter notícias do
fim da Crepúsculo.

Uivo estava morto. A base secreta da Aliança Rebelde estava em ruínas. O Alto Comando tinha fugido
para lugares desconhecidos. Não havia novas ordens para a Companhia do Crepúsculo, nenhum grande
plano para retomar a Orla Média e seguir adiante com a vitória. Todos os sonhos haviam sido destruídos
embaixo das patas mecânicas dos walkers imperiais.
Essa não era uma notícia que Namir queria portar. Nem quando deixara Hoth, nem quando não
encontrara nada além de escombros e um cargueiro esburacado à deriva no ponto de encontro da flotilha.
Ele não havia permitido que o medo o assaltasse na ocasião – simplesmente tinha resgatado o
entorpecimento que sentira em Hoth e lembrado que a Companhia do Crepúsculo sempre sobrevivia às
suas batalhas. Independentemente de perdas dolorosas, independentemente de quão sangrenta fosse a
batalha ou quão ruim fosse a derrota, ela sobrevivia.
Ele tinha se concentrado em procurar por qualquer um que tivesse sobrevivido. Ele devia isso a eles.
Então lembrou-se do datachip que Brand lhe dera “em caso de emergência” e seguiu suas coordenadas
a Ankhural, um fim de mundo pirata além das fronteiras do espaço imperial. Ele permitiu que uma faísca
de esperança atrapalhasse seu entorpecimento, imaginou encontrar a Trovoada destruída, mas a
Companhia do Crepúsculo intacta e determinada a seguir adiante.
Em vez disso, encontrou uma unidade resistindo aos trancos, e sonhando com o regresso de seu
capitão.
Olhando rapidamente, os homens e mulheres da Crepúsculo pareciam tão numerosos como antes. A
companhia já tinha passado por perdas maiores; aquele não fora o massacre em Asyrphus ou a dizimação
em Magnus Horn. As perdas sofridas durante a batalha na flotilha tinham sido um golpe, mas não tinham
aleijado a companhia, e a Trovoada podia ser consertada. Mas sem Uivo ou o tenente Sairgon, com o
comandante Paonu e o resto da tripulação de ponte da Trovoada mortos, a companhia tinha sido
decapitada – não havia sobrado nenhum oficial graduado com experiência de comando. Os líderes de
esquadrão mais antigos e a equipe de apoio tinham assumido o controle nesse meio tempo, mas estancar
um pescoço sangrando não tinha sentido quando a cabeça tinha sido perdida.
Agora Namir tinha o privilégio duvidoso de se reunir com Hober, Von Geiz e seus colegas oficiais
mais antigos todas as manhãs na sala de conferências, lendo as atualizações diárias dos engenheiros e as
solicitações de suprimento de Hober, fingindo que eles faziam aquilo tudo por um motivo.
Ele comentou sobre o que Peste havia lhe dito a respeito das deserções na reunião seguinte. Apenas
Von Geiz e Carver pareciam genuinamente surpresos, embora Mzun – que resolveu assumir a liderança
do esquadrão de Fektrin – tivesse pronunciado uma série de balbucios que deviam ser de indignação.
– Vamos dividi-los, designá-los a grupos de reparos separados por um tempo. Veremos se isso acalma
as coisas – disse Namir. – E Corbo me deve uma, então posso usar isso em meu favor. Eu só achava que
todos deveriam saber que é assim que estamos.
– Eu falo com eles – disse Gadren. Ele não era líder de esquadrão, mas tinha experiência e Von Geiz
(que era, tecnicamente, o oficial de maior hierarquia ainda vivo), gostava dele. Ninguém se opôs a sua
presença, sob aquelas circunstâncias.
Namir forçou um sorriso espremido.
– Você é muito bom em discursos, mas isso só vai lembrá-los de quem você não é. A menos que
consiga resolver isso…
– Podemos começar com um funeral – disse Hober. – Já passou da hora.
Von Geiz concordou e Gadren curvou a cabeça. Mzun disse alguma coisa que Namir não compreendeu.
Namir olhava impacientemente para os outros, esperando que alguém traduzisse. Ninguém o fez.
– Faremos um funeral, toda a tripulação ativa que temos vai querer estar lá. Eu diria para deixarmos a
ideia de lado até que os reparos sejam finalizados – disse Namir. Então ele riu amargamente e se reclinou
para trás na cadeira. – Mas acho que todos votariam contra.

Quando Namir voltou de Hoth para encontrar-se com a flotilha perdida, Chalis não contestou sua
decisão de procurar por sobreviventes. Ela não falara absolutamente nada após partirem do planeta de
gelo, apesar da melhora gradual do hematoma em sua garganta.
O encontro dela com Darth Vader havia deixado feridas mais profundas. Namir já tinha visto tropas
lidarem com estresse pós-traumático, mas, ainda assim, ele não tinha carinho ou paciência para gastar
com a governadora. Seu entorpecimento era muito precioso para ser perdido. Então ele a deixara dormir
e se sentar sozinha. Eles dividiam um pacote de ração por dia de seu estoque rapidamente consumido.
Ela ficava longe do caminho, o que já era o bastante para Namir.
Em Ankhural, ele a encontrou sozinha na ala médica uma hora antes do funeral de Uivo. O pescoço
dela estava manchado de verde e amarelo, e seu cabelo parecia engomado com poeira. Ela estava tirando
uma longa sonda de alimentação da boca quando Namir entrou; pareceu rude ficar observando, como se
ele estivesse invadindo uma intimidade muito grande, mas ela não parou nem deu muita atenção para ele.
Quando ela pendurou a sonda no local apropriado, Chalis olhou para Namir de onde estava, sentada na
mesa de exames, e esperou.
– O funeral de Uivo é hoje à noite – disse Namir. – Achei que gostaria de saber.
Chalis acenou, mas não disse nada.
Aquilo irritou Namir, embora tenha sido necessário muito tempo para ele descobrir o porquê. Chalis
só estava viva porque Uivo a acolhera. Chalis ainda estava com a Crepúsculo porque ela tentara resgatar
Uivo em Hoth em vez de fugir.
Namir não sabia exatamente o que ela pensava do capitão. Ele não dava muita bola para isso. Mas ela
tinha que estar reagindo, lá dentro de sua cabeça. Ela tinha uma ligação muito intensa com Uivo para
desdenhar de sua morte. E Namir merecia ver sua resposta – ele salvara a vida dela mais de uma vez, e
estava cansado de ser ignorado.
Quando ficou claro que ela não tinha qualquer intenção de responder, ele escolheu uma abordagem
diferente.
– Ele não está mais aqui para protegê-la.
Com isso, Chalis inclinou levemente a cabeça.
– Descubra uma maneira de contribuir – disse Namir. – Precisamos de todas as mãos que
conseguirmos.
Chalis fechou os olhos como se não tivesse ouvido e pressionou a ponta de um dedo na garganta,
alisando o hematoma. Namir fez uma carranca para ela e raspou a bota contra o chão branco esterilizado.
Ele estava virando para ir embora, quando ela finalmente falou.
– Prelado Verge – disse Chalis. A voz dela não era mais aquela coisa áspera que estava em Hoth, mas
ainda assim parecia uma mulher no leito de morte.
Namir ligou o nome em sua cabeça. Brand o mencionara antes: o homem que liderara o ataque à
Trovoada na flotilha.
– O que tem ele?
– Ele é uma criança. Um droide protocolar bajula menos os seus mestres. – Gotas de saliva voaram de
seus lábios quando ela forçou as palavras para fora. Ela retirou um lenço do bolso, limpou as gotas dos
joelhos.
A irritação de Namir deu lugar ao espanto.
– E daí? – A batalha na flotilha já tinha acabado há algum tempo. O comandante inimigo era o menor
dos problemas de qualquer um.
– Por que um garoto patético estava atacando a Crepúsculo – disse ela –, quando Darth Vader estava
em Hoth? – Os olhos dela focaram em Namir, com um olhar duro e mortal.
Ele não tinha uma resposta. Ele nem sequer entendeu a pergunta. Por fim, Chalis expirou longamente e
deitou-se na mesa de exames. Namir saiu da ala médica e decidiu lidar com aquele problema da
governadora outra hora.

– A Micha “Uivo Furioso” Evon, o primeiro e único capitão da Companhia do Crepúsculo, e o melhor
comandante da Aliança. O Império é um lugar mais seguro sem ele.
Esse foi o brinde de Charmoso, formal e arrastado, mas sem gaguejar. Namir levantou sua caneca com
líquido vermelho fumegante junto com Gadren, Brand, Tique e Nemenov – um dos pilotos de X-wing de
licença da Promessa de Apailana, fazendo uma rara aparição entre os soldados da Crepúsculo. Peste
havia se voluntariado para ficar de vigia na Trovoada. Outra mesa de tropas da companhia sentou-se do
outro lado do balcão, sob a luz alaranjada da cantina de Ankhural, gritando seu próprios brindes e
histórias de batalhas remotas.
– Nós o deixaremos orgulhoso – disse Brand suavemente. O grupo bebeu junto. Namir fez uma careta
diante do gosto exageradamente doce e quimicamente frutado do vinho.
O funeral foi simples, nos conformes com a tradição da Companhia do Crepúsculo. Num esforço de
levantar o moral, Namir e os outros oficiais mais antigos concordaram em depois conceder aos
esquadrões uma licença limitada. Não iria piorar nada, Namir imaginou, e ele tinha que admitir que um
pouco da normalidade estava voltando aos poucos. Ele estava no Clube novamente, observando Ajax
roubar nas cartas; estava em Vanzeist, comemorando uma vitória contra os imperiais junto com os locais.
– Vieram até mim em Bamayar – disse Tique, com o copo na boca. Gadren e Charmoso inclinaram-se
para frente para ouvir. – Depois de tomarmos aquele porto fedorento…
– Chenodra – disse Brand.
Tique deu de ombros.
– Chenodra. Vieram até mim durante a limpeza. Achei que eu tivesse errado feio, depois do que eu e
Ajax fizemos. Uivo começou a falar sobre os prédios, alguma coisa sobre arcos e colunas. Como se eu
me importasse. O cara era um doido.
– Não havia assunto longe de seus interesses – disse Gadren. – Fektrin acreditava que Uivo tinha sido
professor antes da guerra. Isso explicaria muita coisa.
– Sairgon conhecia quem ele costumava ser – disse Brand. – Eles eram muito próximos.
Namir girou a caneca e sorriu amargamente.
– Mas Sairgon também morreu, então o mistério continua. Uivo morre uma lenda.
– Nós conhecíamos seu coração – disse Gadren – e suas paixões. Será que ele era tão misterioso
assim?
Namir encolheu os ombros e disse:
– Não importa. De onde eu venho, qualquer um com ousadia para liderar um exército morre uma
lenda. É a última coisa que se pode oferecer.
– Não entendi – disse Nemenov.
Os outros ficaram desconfortáveis. Não era o assunto certo para aquela noite, Namir sabia disso. Ele
culpava a bebida por sua indelicadeza e não parou de falar.
– É muito mais fácil – disse ele – lutar por uma lenda do que por política e religião. Você nem precisa
fingir que entende sobre o assunto. Você morre uma lenda, seus seguidores se atêm a uma desculpa para
guerrear por gerações.
O tom de Gadren era paciente e conciliador.
– Então precisamos nos esforçar para lembrar Uivo como um homem, não um mito, e evitar tal
armadilha.
Os outros concordaram meio tensos, todos de olhos em Namir. Ele se forçou a sorrir e concordou com
o amigo com um pequeno gesto. Ele não tinha vindo à cantina para discutir.
A conversa seguiu em frente. Em meio a novas rodadas de bebidas, piadas sujas de Tique e espetadas
gentis de Charmoso em Nemenov, o grupo contou histórias de Uivo e da Companhia do Crepúsculo.
Brand relembrou o recrutamento em Demiloch, quando Uivo tomou um tiro de um espião imperial
fingindo ser novato; quando ele acordou dois dias depois, ficou furioso ao saber que Sairgon tinha
encerrado o recrutamento mais cedo. Charmoso falou dos dias de sombras depois das perdas da
companhia em Magnus Horn, quando a Aliança tentou redesignar os sobreviventes para outras unidades
da infantaria; Uivo lutou para manter suas tropas juntas e salvou a Companhia do esquecimento.
Mais tarde naquela noite, depois de Namir subornar o garçom para ignorar as canecas despedaçadas e
as cadeiras quebradas na segunda mesa da Crepúsculo, os enlutados começaram a voltar para a Trovoada
em duplas e trios. Mesmo bêbados, ninguém foi estúpido o bastante para fazer o trajeto sozinho. Ao fim,
Gadren e Namir foram os únicos que restaram.
– Eu nunca gostei dele, sabe – disse Namir.
– Eu sei – respondeu Gadren. A pele dele parecia em brasa com a luz da cantina.
– Mesmo assim, não consigo imaginar Companhia do Crepúsculo sem ele.
Gadren acenou lentamente e juntou duas mãos. Uma longa vibração veio de sua garganta, como se ele
estivesse contendo palavras que lutavam bravamente para sair.
– Há verdade no que disse sobre lendas – ele finalmente admitiu. – É mais fácil lutar quando se tem um
símbolo em mãos. Nós todos nos dedicamos a lutar contra o Império. Não duvido da bravura de ninguém,
nem do entendimento de ninguém sobre o profundo mal que nossa era enfrenta. Mas Uivo focava nossas
esperanças, e se é para a Crepúsculo seguir em frente… ela precisa daquele fogo. Um sonho. Uma meta.
– Ou alguma coisa – disse Namir.
– Ou alguma coisa – concordou Gadren.
– Nesse exato momento – disse Namir –, nós mal temos uma nave.
Gadren riu, como se aquilo não o preocupasse nem um pouco, e disse:
– O capitão nunca se preocupou com a força de números ou equipamentos. Ele acreditava que, contanto
que agisse de acordo com seus dogmas, a Crepúsculo não poderia ser morta.
– Ele era um fanático – disse Namir.
– Não – retorquiu Gadren, e a palavra saiu de maneira contundente. – Ele era um homem da razão. Mas
também não sei explicá-lo.
– Então imagino que isso não importe – disse Namir, terminando sua última bebida. – Fanático maluco
ou gênio inescrutável, ainda não temos um futuro sem ele.

Namir ficou com a cabine toda para ele naquela noite. Roja estava morto, e seus outros companheiros
de quarto tinham preferido dormir do lado de fora. Sem o som da respiração de seus colegas, a escuridão
total era desoladora. Parecia uma tumba.
Como um túnel destruído em Hoth.
Meio sonhando, Namir viu a figura vestida de preto assassinando seus camaradas com um raio de luz.
Ele viu Chalis ser levantada do chão sem ser tocada, ouviu a cartilagem do pescoço dela estalando como
folhas.
Será por isso que os outros lutavam? Será que era esse o “profundo mal” que Gadren insistia em dizer
que ameaçava tudo que existia? Uma profunda depravação sustentada por um poder inexorável; uma
sombra interminável passando por todas as estrelas, assumindo a forma de um Império Galáctico. Darth
Vader era apenas sua linha de frente.
Nada em Namir desejava enfrentar outra vez aquela escuridão. Mas ele estava começando a
compreender por que os homens e mulheres da Companhia do Crepúsculo não viravam de costas quando
confrontados com a desesperança de sua causa.
Seus pensamentos vagaram pelo mar de vinho pútrido que ele consumira. Lembrou-se de Chalis
zombando dos medos da Rebelião de total desolação, e de seus dias com a Doutrina – era a primeira vez
que ele via seus colegas soldados como família. Ele se lembrou da última vez que bebera tanto, com o
capitão do cargueiro rebelde em Hoth.
Ele tinha feito uma promessa a si mesmo naquela noite: “Se eu não puder seguir aquilo em que eles
acreditam, talvez seja melhor me afastar”.
Eles merecem coisa melhor.
Ele amava todos. Gadren e Brand, Charmoso e Peste, Tique e Hober. Roja e Beak. A técnica de
comunicação que a Crepúsculo nunca substituíra. Pira.
Ele também não podia virar de costas. Ele não podia abandoná-los quando estavam sangrando na
poeira de um planeta como Ankhural.
Pela manhã, a cabeça de Namir não estava mais leve, mas ele tinha certeza de que precisava agir. Ele
tinha que encontrar a meta da qual Gadren havia falado, encontrar a esperança da Crepúsculo após a
morte de Uivo. Dar à companhia um meio para enfrentar o Império.
Ele não fazia ideia de como.
C A P Í T U L O 24

SET OR ELOCHAR

9 DIAS ANTES DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

O próprio prelado Verge definiu a punição. Os membros que haviam falhado contra a Trovoada – o
atirador que fora lento demais ao mirar na embarcação, o oficial de inteligência que falhara em antecipar
o salto do inimigo à velocidade da luz; o comandante das Forças Especiais que organizara a equipe de
infiltração – seriam usados como cobaias de calibragem para os droides interrogadores até que
confessassem todos os atos de deslealdade que já haviam cometido.
Na semana após o ataque, só o atirador tinha sido liberado. O oficial de inteligência estava morto. O
comandante das Forças Especiais ainda gritava.
O capitão Tabor Seitaron concordava que punições eram necessárias. Erros tinham ocorrido, e se não
tivessem, os droides estariam ocupados torturando somente a governadora Chalis. E Tabor estaria em
casa novamente, passando os olhos em um artigo sobre a Batalha de Christophsis plagiado por algum
cadete.
Mas a propensão de Verge por tormentos macabros apenas incutiria mais medo em sua tripulação.
Medo era como calor aplicado ao aço: aplicado corretamente, forjava uma lâmina; em excesso,
transformava o metal em cinzas.
– Somos homens de diferentes eras – disse o prelado após o desjejum com Tabor do lado de fora da
câmara de interrogatório. Enquanto caminhavam, Tabor ainda podia ouvir os gritos do comandante. –
Você ajudou a construir a máquina que é o Império. Você lubrificou seus mecanismos, instalou suas rodas;
você criou ordem, e eu o elogio por isso.
– Cumprimos com nosso dever – disse Tabor – e tentamos superar os desafios indicados pelo
imperador.
Desde sua convocação à Arauto, Tabor se viu – para sua surpresa, e contra seu discernimento –
começando a apreciar a companhia do prelado. O entusiasmo do garoto em expor suas ideias, seu desejo
de trazer aqueles a sua volta a seu estranho mundo, era surpreendentemente contagiante. Sua
familiaridade e sinceridade, sua curiosidade sobre Tabor, eram igualmente encantadoras – até os alunos
mais capazes de Tabor pareciam mais preocupados com os avanços na carreira do que com discussões
sobre novas ideias. Verge já tinha ascendido muito mais que Tabor jamais pensaria ser possível, e ainda
assim ele continuava ávido para liberar seu próprio potencial.
Mas havia limites para sua tolerância, e depois de uma manhã observando atos terríveis enquanto
tentava digerir ovos com picles e bolinhos, seu interesse em conversar com Verge chegou ao seu limite.
– Não obstante – disse o prelado –, a máquina foi construída. E, isso é importante, capitão, acredito
que a máquina é o motivo pelo qual nem sempre estejamos em harmonia.
– Discordamos em alguma questão importante? – perguntou Tabor, deixando um quê de surpresa em
seu tom.
– De forma alguma – respondeu o prelado –, mas sei que você não apreciou minha escolha de medidas
disciplinares. Você vê maneiras mais eficientes para manter a máquina.
Tabor focou sua atenção no prelado Verge e ajeitou os ombros na cadeira. Aquela não era uma hora
para ser desatento ou negligente. Independentemente da relação que ele criara com Verge, não era sábio
se esquecer de ficar atento à ira do garoto.
– Tenho meus próprios hábitos – admitiu Tabor. – Mas essa é a sua nave, e cada líder comanda suas
tropas à sua maneira.
Os lábios do prelado tremeram: um claro sinal de que estava ficando impaciente.
– Você não está compreendendo, capitão. Eu reconheço que suas maneiras podem ser mais eficientes
em fazer a máquina da Império funcionar melhor.
E ele continuou:
– Mas a máquina já está construída. O imperador edificou uma nova sociedade, um novo estilo de
vida. Meu dever não é definir seus fundamentos, mas viver de acordo com o que o imperador ordena,
como membro da civilização que você tão habilmente engendrou. – Verge franziu a testa por um momento
e fez uma pausa no corredor.
– O que o imperador exige de cada um de nós, capitão?
Seria a pergunta uma armadilha?, Tabor se perguntou. Mas preferiu não se contradizer. Ele não iria e
não podia tentar prever o prelado.
– Nossa lealdade e obediência – respondeu Tabor.
– Lealdade plena – ecoou Verge – e obediência plena. Você está correto. – O prelado sorriu ao
continuar, virando-se de frente para Tabor. – Em troca, nosso imperador nos recompensa com o
privilégio de agir extravagantemente de acordo com nossas emoções mais fervorosas. Você aprendeu a
ser comedido, enquanto eu aprendi a virtude do excesso. Enquanto nossa lealdade e obediência forem
absolutas, nossos excessos não poderão fazer mal ao nosso mestre. Minha geração será de escravos
gloriosos, capitão, e se o Lorde Vader acredita ser o discípulo número um do imperador, eu acredito ser
o primeiro filho verdadeiro do imperador.
As palavras eram orgulhosas, a ponto de serem arrogantes. Mas havia um tremor na voz do prelado, e
seu sorriso parecia rígido e forçado.
– Então você acredita – disse Tabor, perguntando-se se sua falta de cuidados representaria sua queda –
que, contanto que sejamos completamente leais, falhas são impossíveis?
– Acredito – disse Verge. – Assim, qualquer capricho pode ser cumprido se formos fiéis ao nosso
imperador.
“E qualquer erro”, Tabor pensou, “é equivalente a traição.”
Tabor, de repente, percebeu que o garoto estava amedrontado.
Ele se forçou a não demonstrar qualquer reação. Em vez disso, procurou tranquilizar o garoto da única
forma que conseguiu conceber.
– Então nos permita continuarmos fiéis – disse Tabor – garantindo a captura da governadora Chalis.
Verge girou e começou a andar novamente, acenando bruscamente.
– É claro – disse ele. – A nave dela agora está em algum esconderijo. Acho que não conseguiremos
rastreá-la novamente.
– Então precisamos determinar seu próximo passo – respondeu Tabor. – Darth Vader e suas forças
dispersaram o Alto Comando da Aliança. Isso significa que ela agora está isolada. O que ela faria
sozinha?
– O que de fato? – disse Verge. – Vamos conversar, capitão. Vamos estudar as opções que ela tem e
vamos desenhar um plano. – Ele diminuiu o passo e estendeu a mão para tocar o braço de Tabor.
Tabor virou para olhar o garoto.
– O último fracasso – disse Verge, com o tremor na voz voltando por uma fração de segundo – foi a
falha de nossa tripulação, e eles foram justamente punidos. Mas não deve existir um segundo fracasso.
Nisso, Tabor pensou, eles concordavam.
C A P Í T U L O 25

P LANETA ANKHURAL

3 DIAS ANTES DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

O painel de comunicações da Trovoada derretera com o ataque na flotilha. A Promessa de Apailana


não tinha equipamentos para codificação interestelar. Então Namir e Brand passaram a maior parte da
manhã vasculhando pequenas lojas e ferros-velhos, procurando um negociante que vendesse para eles as
partes de que eles precisavam para fazer contato com o que quer que tivesse restado do Alto Comando da
Aliança.
Eles não encontraram ninguém disposto a isso. Ignorar a Companhia do Crepúsculo era uma coisa; os
cidadãos de Ankhural pareciam felizes em fazer vista grossa, particularmente quando alguns créditos
estavam em jogo. Mas ninguém queria se envolver, e os engenheiros da Crepúsculo já tinham relatado
dificuldades em obter fios, tubos e sucatas. Transmissores ilegais e sequenciadores de código eram um
passo muito grande.
Por volta do meio-dia, Namir e Brand concordaram tacitamente em se contentar com alguém
indisposto. Em uma pequena loja, na qual presas de animais e frascos de líquido prateado estavam
empilhados junto com datapads e aranhas de retina, Brand sussurrou alguma coisa no ouvido do
proprietário, enquanto Namir mantinha um droide com o escalpo fluorescente sob a mira de sua arma. O
proprietário desapareceu na parte de trás da loja e depois voltou com uma caixa de dispositivos
metálicos marcados com o selo imperial. Ele gritou alguma coisa em uma língua alienígena quando os
dois saíram da loja, com a caixa seguramente acomodada debaixo do braço esquerdo de Namir.
– O que você disse? – perguntou Namir.
– Algo que só funcionará uma vez – disse Brand, olhando por cima do ombro ao indicar o caminho
pelos becos da cidade.
Foi uma resposta maior do que a que Namir esperava. Então, ele decidiu tentar a sorte.
– O que ele disse? – perguntou.
– Ele achou que nós éramos um casal – disse Brand.
Namir riu, mas Brand olhou para ele irritada. A alegria dele, no entanto, acabou ao se aproximarem da
pista de corrida de pods, e os temores que haviam invadido seus pensamentos na noite anterior o
envolverem como um manto.
Ele ainda não tinha ideia de como dar à Companhia do Crepúsculo o que ela precisava.
Uma vez que os comunicadores estivessem instalados, obter uma resposta era questão de paciência e
oração. A Trovoada enviou três mensagens para três estações de transmissão da Aliança diferentes, na
esperança de que uma fosse redirecionada para uma nave ou base que não tivesse sido destruída. Isso,
por si só, já era um risco – se o Império tivesse localizado as estações de retransmissão, havia uma
chance de que as mensagens fossem rastreadas. Namir não entendia os mecanismos, mas ele confiava na
palavra dos tripulantes da ponte que haviam sobrevivido. Fossem eles alferes ou não, ainda eram
membros da Aliança, e isso significava que tinham lido os manuais operacionais de equipamentos cujos
nomes Namir nem saberia pronunciar.
Os oficiais mais antigos intercalaram o turno das comunicações pelo resto do dia e noite adentro –
qualquer canal que fosse aberto com a Aliança provavelmente não permaneceria aberto por muito tempo,
e alguém da Crepúsculo tinha que estar a postos para aproveitar qualquer oportunidade de comunicação,
por mais breve que fosse. Namir foi substituir Von Geiz cedo pela manhã e, quando chegou ao escritório
de Uivo, viu o velho médico olhando para um holograma azul tremeluzente.
– … a maior parte do Alto Comando sobreviveu, mas a frota se dispersou e o Império está caçando
rastros. – A imagem pixelada, cheia de estática, focava na parte de cima do corpo de um garoto não
uniformizado mais jovem que Namir. As palavras dele eram difíceis de entender; um droide soaria mais
humano que aquilo. – Não sei dizer quando eles voltarão a se reunir.
Von Geiz acenou lentamente.
– E a princesa? – perguntou.
Houve um longo atraso antes de o garoto responder. Namir não sabia dizer se a causa era humana ou
técnica.
– Está desaparecida. Sabemos que ela está viva. O Império está utilizando todos os recursos para
encontrá-la, mas é só isso até agora.
Von Geiz acenou novamente e olhou para Namir. O sargento gesticulou para o médico, induzindo-o a
continuar.
– Há alguém – perguntou Von Geiz – com autoridade de comando a quem possamos nos reportar?
Existe alguma ordem geral para as naves sobreviventes?
Novamente, o atraso.
– Não que eu saiba – finalmente disse o garoto. – Sinto muito, Trovoada. Boa sorte.
O holograma apagou. Von Geiz falou suavemente, observando o ar acima do projetor, como se
esperasse a ligação continuar.
– Como prevíamos, estamos sozinhos nessa.
Namir encostou na parede da sala e cruzou os braços.
– Uivo confiava em você – disse ele. – O que ele faria agora?
Von Geiz riu.
– Algo que apenas Uivo faria, tenho certeza. Melhor nos perguntarmos: o que podemos fazer sem ele?

Namir ficou rígido diante da porta do dormitório de Uivo. Ele sabia o que encontraria lá dentro e sabia
que precisava se manter calmo. Mas, quando tentou imaginar as conversas e discussões que se seguiriam,
e começou a se preparar para se sentir desconfortável, sua mente não reagiu, e ele voltou a entrar naquele
estado de torpor que o atormentava desde Hoth. Estava exausto demais para prever qualquer coisa.
“Que se danem as preparações e os discursos.” Ele digitou no teclado numérico e entrou pela porta.
O quarto não era luxuoso, mesmo para os padrões da Crepúsculo. Era pouco maior que o escritório do
capitão, com um beliche que ocupava toda a extensão da parede, um baú e uma pequena mesa dominando
duas paredes. O banheiro privativo ao lado do armário era o único privilégio que se concedera. A
decoração era austera; Namir suspeitava que Hober tinha limpado todos os pertences de Uivo antes do
funeral.
Sentada no beliche estava Everi Chalis. Ela parecia pequena, debruçada sobre um datapad, com a
cabeça curvada à frente e os joelhos unidos. O dedo dançava rapidamente sobre a tela do pad. Quando
Namir se aproximou, ele viu um rosto se formando sob a mão dela.
– Novo projeto de arte? – perguntou ele.
Chalis tocou a tela novamente e apagou o esboço. Ao olhar para cima, Namir viu que o hematoma do
pescoço já tinha praticamente desaparecido.
– Só um exercício – disse ela. A voz era rouca, mas não artificial.
Namir se perguntou se aquele era o máximo que ela conseguiria se recuperar. Então ele expulsou a
pergunta de sua mente. Não importava.
– Preciso do seu conselho – disse ele.
Chalis olhou para baixo novamente, para a tela em branco, e começou a desenhar de novo.
– Você me disse – continuou Namir – que tudo o que queria era conforto, respeito e um lugar para
esculpir. Você disse que destituiria o Império para ter sua vida de volta. – Ele sentiu vontade de arrancar
o datapad das mãos dela, mas se controlou. – Não vejo como tudo isso mudou de repente. Você ainda está
aqui, presa com a Companhia do Crepúsculo. Mesmo que estivesse livre, meu palpite é que o povo de
Ankhural venderia você para o Império em um piscar de olhos.
Chalis não disse nada. Seu corpo estava muito próximo ao datapad para que Namir observasse sua
fisionomia.
– Você conhece o Império melhor que qualquer um aqui – prosseguiu, lutando para que sua voz não
tremesse de irritação. – O Alto Comando está fora de questão. Sem um plano, estaremos mortos.
– Você agora é um fiel seguidor também? – perguntou Chalis. Namir teve que se esforçar para ouvi-la.
– Não – disse Namir. – Mas também não vou abandonar a Crepúsculo.
Chalis fez um ruído suave e evasivo.
Namir esperou. Ele analisou a mulher diante de si, tentou se lembrar se ela já era tão magra: se as
escápulas e bochechas foram sempre tão proeminentes; se os fios brancos em seus cabelos já se
destacaram tanto desde Haidoral Prime. Ele observou os músculos no braço dela tremerem como os de
um animal moribundo ao mover os dedos sobre o pad. Ele tentou não pensar no que estava passando pela
cabeça dela.
Ele a conhecia muito bem para acreditar que poderia influenciá-la.
Contudo, ao virar-se para ir embora, ela voltou a falar.
– Eu cresci como você – disse Chalis, embora não olhasse para cima. – Não no seu específico desastre
colonial, mas em um lugar bem parecido.
– Crucival – disse Namir. – Chamava-se Crucival.
Chalis não pareceu ouvi-lo.
– Não tínhamos nada – disse ela. – Minha mãe tentou me vender para uma embarcação exploratória da
Federação de Comércio quando eu tinha seis anos. Eu era muito pequena. Por pena, o capitão me deu um
pacote de cristais de nectrose. Imagine essa garotinha, que dormia no colchão manchado da mãe, nas
ruínas de uma fábrica de papel bombardeada. Nectrose torna as coisas adocicadas e frutadas, mas você
deve diluí-la em água, e eu não sabia disso. Eu não tinha água fresca. Eu enfiava meus dedos nos cristais
e os lambia. Eu os racionava, comia um pouco uma vez por semana durante meses. E ficava cheia de
urticárias todas as vezes. Era a coisa mais maravilhosa que eu já tinha visto.
Depois de uma pausa, ela continuou:
– Foi aí que soube que eu tinha que deixar meu mundo. Foi assim que eu percebi que eu vivia na
sujeira, comendo lixo e bebendo veneno, quando extramundanos eram tão ricos que podiam oferecer
pacotes de nectrose para as crianças.
Alguma coisa mudou na voz de Chalis. Demorou para Namir perceber isso por trás da voz áspera, mas
seu sotaque tinha mudado. Mais uma vez, a estranha eloquência não estava mais lá, e a forma como ela
falava, de repente, se tornou familiar.
Ela quase soava como se fosse de Crucival.
– Eu entrei na Academia Colonial. Como não importa. Fui treinada como uma artista. Fui para
extramundo e descobri que eu ainda era da ralé, uma selvagem bonita que patrocinadores ricos tinham
colocado em exibição como uma novidade. Sob a República, eu não tinha para onde ir. Eu poderia
arranhar as paredes do fosso até que minhas mãos sangrassem, mas nunca conseguiria escalá-lo.
Ele continuou:
– Quando o Império ascendeu, ele não foi bom para mim. Mas ele recompensava o sucesso. O conde
Vidian viu alguma… qualidade na minha escultura. Uma habilidade para visualizar conceitos de uma
forma que ele não conseguia. Ele me ofereceu um programa de aprendizado e minha arte ficou de lado.
Fiz coisas terríveis, sargento. Propus minar a atmosfera de um planeta habitado, deixando seu povo com
dificuldades respiratórias para o resto da vida. Encontrei maneiras de tornar a escravidão eficiente
novamente. Disse a um moff que o amava e cortei sua garganta como favor para outro.
Chalis suspirou silenciosamente, e então prosseguiu:
– Mas achei que valia a pena. Subi ao topo da hierarquia por ser uma conselheira das boas. Ganhei o
respeito de homens que achavam que ser “de família” fosse a chave para o sucesso.
O tom em sua voz tinha se tornado mais amargo, e gotas de saliva salpicavam a frente do datapad. Seus
ombros subiram e desceram antes mesmo que ela começasse a tossir. O que então começou como uma
tosse seca tornou-se úmida e cheia de muco, sinais de uma mulher apodrecendo por dentro.
Namir apenas observou, esperou. Ele não sentia nem empatia, nem pena.
Finalmente a tosse cedeu. Alguns instantes depois, Chalis continuou:
– Agora eu sei a verdade. – Pela segunda vez desde que entrara no quarto, ela olhou para Namir.
– A verdade? – perguntou ele.
– Eu nunca fui respeitada – disse Chalis. – Os moffs nunca me viram como uma igual. Darth Vader
nunca me considerou uma ameaça. O imperador enviou o prelado Verge, um bajulador sem cérebro, atrás
de mim, enquanto Vader estava… – Ela balançou a mão com desdém – … caçando rebeldes. O Conselho
Executivo nunca me viu como nada além de uma escultora esquelética de um fim de mundo. Eu desisti de
tudo para desertar e eles nem se importaram.
Namir sentiu um calor pinicar por baixo da pele em sua testa. As palavras de Chalis haviam
provocado nele um sentimento ele achava ter deixado para trás na jornada a Hoth: uma raiva frustrada da
governadora, pela maldição que ela tinha trazido sobre a Companhia do Crepúsculo. A maldição que ele
tinha trazido para a Companhia do Crepúsculo ao não a ter matado em Haidoral Prime.
– O tenente Sairgon e os outros – disse ele, com a voz baixa e controlada – estão mortos pelo pouco
que o Império se importa com você. Assim como Fektrin e Ajax. Mas você não sabe os nomes deles, não
é mesmo?
Ela ainda estava olhando para ele. Namir se aproximou e se ajoelhou na frente da governadora,
colocando-se na mesma altura que ela. Os olhos dela estavam injetados, com as pupilas dilatadas.
– Você deve a essa companhia – disse ele –, e deve a mim. Pare de sentir pena de si mesma e me ajude
a salvar essas pessoas.
– Eu dei à Rebelião tudo o que eu tinha em Hoth – disse Chalis. Ela voltou a olhar para a tela.
Agachado tão perto dela, Namir pôde ver no datapad o esboço de um homem barbado e com olhos
grandes que poderia ser Uivo. – Minhas dívidas foram pagas.
Quando ela não disse mais nada, Namir levantou-se e saiu do quarto. Sua boca subitamente ficou seca
e seu coração disparou.
Agora ele não tinha mais esperanças.

A briga já tinha acabado quando Namir ficou sabendo. Tique estava coberta de sangue, enquanto Jinsol
estava com o nariz quebrado e Maediyu tinha voltado para a pista de corrida de pods segurando a pele do
rosto no lugar com a mão.
– Pode ter sido alguma briga aleatória – disse Brand. – Uma ganguezinha qualquer querendo descolar
armas de raios baratas talvez tenha retido nosso pessoal tentando obter algum resgate.
Namir a tinha encontrado de pé no pavilhão superior do anfiteatro, olhando para a cidade.
– Mas você acha que não foi isso.
Brand deu de ombros.
– Acho que é uma mensagem – disse ela. – Acho que quem manda em Ankhural nos quer fora daqui.
– E quem é que manda em Ankhural?
– Importa? – perguntou Brand.
– Provavelmente não – respondeu Namir. – Além do mais, a nave está quase pronta para partir. Ainda
há trabalho a ser feito, mas podemos realizá-lo durante o voo.
– Presumindo que tenhamos algum lugar para ir.
Namir hesitou com a afirmação, embora o tom de Brand fosse discreto.
– Amanhã de manhã – disse Namir. – Reunião dos oficiais superiores. Vamos pensar em alguma coisa.
A cabeça de Brand inclinou um pouco para o lado enquanto ela tentava acompanhar algum movimento
distante nas ruas. O que quer que ela estivesse observando, Namir não conseguia ver. Talvez ela apenas
não quisesse demonstrar seu ceticismo.
– Ninguém iria se opor se você aparecesse na reunião – ele continuou. – Você ganhou bastante
espaço…
– Não – disse Brand.
– Não?
– Não sou uma capitã – disse Brand. Ela estava completamente imóvel, como uma gárgula no topo do
anfiteatro. Então, ela pareceu despertar com um estalo e olhou para Namir. – Não sou nem um soldado.
– O que você quer dizer? – Ele ouviu a irritação na própria voz, mas demorou demais para disfarçar.
– Quero dizer que, se houver uma maneira melhor de lutar contra o Império, eu prefiro.
Namir xingou e chutou um dos degraus.
– Você precisava mesmo dizer isso em voz alta? Eu sei o que acontecerá a essa companhia se não
bolarmos um plano. Não preciso de você ameaçando ir embora também.
Os punhos de Brand fechavam e abriam. Finalmente, ela acenou com a cabeça.
– Sinto muito – disse ela, e começou a descer.
Namir resmungou e a seguiu.
– Vamos achar uma saída – ele repetiu suavemente.
Quando chegaram à pista, Brand primeiro foi na direção dos portões, depois voltou e tocou os ombros
de Namir.
– Estou feliz que você tenha nos achado – disse ela. – Nós todos estamos. A maioria dos novatos
estaria destruída agora sem você.
– Não se preocupe. – Namir balançou a cabeça e sorriu timidamente. – Está indo para a cidade?
– Caçar – disse Brand. – Não diga a Tique que fui terminar uma briga por ela.

Namir passou a noite xingando tudo o que ele não conhecia.
Em Crucival, ele conhecia as facções, conhecia a paisagem, sabia que defender uma colina era mais
fácil que defender uma plantação de milho. Ele era capaz de reconhecer quando uma batalha estava
perdida e sabia como fugir ou se render de modo a manter sua unidade viva.
O que ele sabia sobre lutar numa guerra intergaláctica? A estratégia da Rebelião sempre fora um
mistério para ele, e isso nunca tinha importado. O trabalho dele era ocupar planetas em solo, caminhar
pela lama, rastejar durante a noite e aterrorizar o inimigo.
Não havia território rebelde para defender. Os poucos planetas que tinham se comprometido totalmente
com a Aliança estavam cercados por bloqueios imperiais, inacessíveis à Trovoada. Bater em alvos
fáceis – mundos pouco protegidos pelo Império, onde a Crepúsculo poderia aterrissar, gerar devastação e
se retirar – era quase viável; mas, sem uma estratégia, a companhia seria uma fábrica de desertores. Sem
falar nas baixas.
Mesmo uma mentira parecia impossível. Namir imaginou escolher um planeta – qualquer planeta – e se
comprometer a conquistá-lo. Mas a Companhia do Crepúsculo era móvel por uma razão; se ela parasse
por muito tempo, se ela se tornasse uma ameaça permanente, o Império poderia utilizar seu massivo
poder de fogo para controlar e aniquilar a unidade.
Cada meta que ele tramava era um fantasma, desaparecendo com o toque.
Ele comeu seu desjejum uma hora antes do sol nascer, depois de uma noite sem dormir – comeu ovos
em pó reidratados, que haviam sido importados a Ankhural e comprados aos montes por um dos
assistentes de Hober. Ao caminhar pelo perímetro da Trovoada, lhe ocorreu que ele tinha esquecido de se
barbear – mas não viu motivos para esconder sua exaustão. Analisou a estranha cidade de tendas e
acenou para as sentinelas. Namir achou ter visto Brand entrando pelos portões e ficou se perguntando se
ela teria encontrado sua presa.
Ele se sentou na arquibancada do anfiteatro, observando o nascer de um sol estranho. Perguntou a si
mesmo se conseguiria convencer Brand a levá-lo junto com ela, caso ela partisse.
Não que ele fosse. Ele não podia ir. Não quando a companhia mais precisava dele. A promessa que
havia feito – se não pode seguir aquilo que eles acreditam, talvez seja hora de ir embora – ainda estava
de pé, e ele escolhera apoiar seus amigos.
Por mais desastrosa que tenha sido essa escolha.
Ele já estava atrasado para a reunião dos oficiais superiores quando entrou a bordo da Trovoada.
Havia se resignado a uma manhã de debates mal-humorados e discussões sem sentido, e esperava que
outra mente se destacasse, já que a dele o havia decepcionado imensamente.
Quando chegou à sala de conferências, o que viu o deixou paralisado.
Os oficiais superiores da companhia estavam sentados em volta da mesa ou de pé encostados nas
paredes, como sempre. Mas, enquanto falavam uns com os outros em voz baixa, todos estavam voltados
para a ponta da mesa – voltados para o lugar de Uivo.
Lá, Everi Chalis estava de pé com um datapad, transferindo informações para um holodroide flutuante
que pairava sobre a mesa. Ela estava totalmente diferente da mulher que Namir tinha visto no dia
anterior. Estava confiante e com as costas eretas, e não dava para ver o hematoma em seu pescoço –
disfarçado com maquiagem, Namir presumiu. Até seu cabelo estava diferente, com um corte curto, do
jeito que os militares imperiais teriam aprovado. Somente sua exaustão continuava a mesma – o
abatimento nas bochechas e a vermelhidão nos olhos.
Ela tirou os olhos do datapad e do droide, na direção de Namir, e sorriu.
– Estamos todos aqui – disse ela. – Podemos começar.

A voz de Chalis estava grave, e ela pausava frequentemente enquanto falava. Às vezes, ela virava
totalmente de costas para a mesa, e seus ombros balançavam para cima e para baixo. Mas, tirando os
poucos sinais de enfermidade, ela parecia ter total controle de si mesma e da sala. Nunca hesitava.
Travava o olhar em qualquer oficial que parecesse pronto para discordar, sorria com a certeza esquiva
de um rebelde determinado a destituir o poderoso Império.
– Este é o momento de fraqueza da Aliança – ela começou. – O imperador, finalmente, pretende dar o
tiro de misericórdia, caçando os membros esparsos do Alto Comando da Aliança enquanto eles fogem
para as profundezas da Orla Exterior da galáxia. Mas no pretenso triunfo do imperador há também uma
oportunidade. O Alto Comando e as naves rebeldes estão dispersos, não destruídos. A princesa Leia
Organa é alvo de uma caçada sem precedentes.
Por um momento, os lábios de Chalis travaram num sorriso. Namir reconheceu a amargura que tinha
visto no dia anterior. Então, ela desapareceu e Chalis seguiu em frente.
– O imperador Palpatine, os moffs, Darth Vader, eles fizeram o que fazem de melhor: designaram
milhares de forças para varrer seus inimigos da Orla Exterior. E para cobrir esse vasto território,
deslocaram frotas inteiras de posição. Pela primeira vez em anos, a defesa dos mundos do Núcleo estão
enervadas.
Havia murmúrios pela sala. Carver se manifestou, abertamente cético.
– Como você sabe?
Chalis balançou a mão com desdém.
– Eu estava em Hoth – disse ela. – Eu reconheci as naves que trouxeram para atacar. Também tenho
monitorado todas as transmissões não seguras que fazem para essa caixa de areia, e, o mais importante,
eu sei quais os recursos que o Império tem ou deixa de ter. Deslocar frotas de zonas de guerra ativas ou
da borda da Orla Média é muito arriscado. Tirá-las dos mundos do Núcleo para a operação de Vader faz
mais sentido.
Para a surpresa de Namir, ela esperou por um contra-argumento. Carver não falou mais nada, então ela
continuou.
– Essa vulnerabilidade – disse ela – não é uma licença para conquistar. Se tentarmos atacar o Palácio
Imperial em Coruscant, seremos dizimados antes que as naves de desembarque cheguem à atmosfera. Mas
eu sei como a máquina de guerra imperial funciona. Quero que suas engrenagens emperrem e sejam
destruídas.
Ela estalou os dedos. O holodroide rolou pela mesa e ativou seus projetores, reproduzindo a imagem
de um planeta que Namir não conseguiu reconhecer. O planeta parecia bastante normal, coberto por
nuvens, água e terra; poderia ser qualquer um de centenas que Namir já havia visitado, exceto pelo único
anel que circundava seu equador.
Planetas terrestres podiam ter anéis? Namir tentou se lembrar do que Gadren havia lhe ensinado.
– Esse é o planeta Kuat – disse Chalis. – Seus estaleiros são a fonte primária da frota de destróieres
estelares do Império. Proponho que os destruamos.
A imagem holográfica piscou e mostrou um detalhe aumentado do anel. De perto, o anel parecia ser um
imenso andaime no espaço, sustentando enormes hábitats fervilhando de máquinas e droides. Dentro do
andaime, como prisioneiros enjaulados e abandonados para morrer, estavam os esqueletos de naves
pontiagudas, com metal cobrindo apenas metade de seus corpos. Pequenos pontos brilhantes se
aproximavam e se afastavam dos esqueletos, saindo das naves ou voltando para seus hábitats.
– Se tivermos sucesso – Chalis prosseguiu –, nosso ataque irá paralisar a capacidade do Império de
aumentar sua frota, além de impedir que reparos e melhorias sejam feitos nas embarcações já existentes.
Os destróieres estelares podem ser quase indestrutíveis, mas são as naves com a maior necessidade de
recursos que já se viu na galáxia. Kuat possui os únicos estaleiros capazes de sustentar e manter mais que
alguns de uma vez.
Chalis respirou um pouco e continuou:
– Além do mais, parar a produção e o reparo dos destróieres estelares inibirá a capacidade do Império
de rápida movimentação da infantaria. Uma nave não será mais capaz de carregar milhares de
stormtroopers e um esquadrão completo de walkers. Será preciso mudar a estratégia do Império para
confinamento planetário.
Namir observou os oficiais. Alguns estavam verificando seus datapads, tomando notas ou cruzando
informações. Outros observavam Chalis ou o holograma. Von Geiz se pronunciou:
– A Aliança tentou atacar Kuat antes – disse ele. – Somos apenas duas naves…
– As defesas de Kuat são orientadas para o combate espacial – disse Chalis calmamente, como se
estivesse esperando a pergunta. – Somos uma companhia de infantaria, e ninguém nunca tentou invadir
por solo os estaleiros. – Ela estalou novamente os dedos, e o holograma aproximou ainda mais a imagem,
mostrando trilhos de bonde e áreas cobertas no contexto espacial. – O anel orbital tem uma área total
habitável de menos de 300 mil quilômetros quadrados. Menor que uma subnação planetária típica, e
suscetível a formas únicas de ataque. Imagine uma guerra urbana em uma cidade onde se pode destruir
áreas inteiras do continente só com o toque de um botão; onde qualquer dano à infraestrutura fosse uma
vantagem para o inimigo. Sim, vai ser sangrento, mas eu acredito que a Crepúsculo pode sair bem dessa.
Namir sentiu uma onda de desconforto na sala, embora ninguém tivesse se oposto abertamente. Ele
tentou visualizar o que Chalis estava propondo e descobriu que não significava nada para ele. Mesmo os
números estavam além de sua compreensão.
– Dito isto – ela voltou a falar –, as defesas espaciais do sistema estelar de Kuat são formidáveis,
mesmo se partes da frota forem desviadas para a Orla Exterior. E precisaremos enfraquecê-las ainda
mais se quisermos uma maneira segura de a Trovoada chegar até os estaleiros.
A projeção do droide mudou para um mapa estelar. De um ponto próximo à parte de baixo, uma linha
ziguezagueava na direção de um ponto superior que Namir só podia supor que representava Kuat.
– Para isso – disse Chalis –, precisamos pegar um caminho indireto para Kuat e destruir esses alvos
apontados no mapa. Sem cercos, sem ataques prolongados. Devem ser ataques cirúrgicos contra centros
logísticos. Nós os destruímos, e o Império precisará reagir, redesignando naves e oficiais, tanto para
reparar o dano como para compensar reforçando eficiência em outro lugar. Direta ou indiretamente, essas
redesignações irão canibalizar as próprias defesas de Kuat.
– Você também não tem como saber isso. – Carver novamente, com a voz constante, apesar de seu tom
de confronto.
– Eu conheço o fluxo de recursos dentro do Império melhor que qualquer um vivo – disse Chalis. – Foi
por isso que o capitão Evon me aceitou. Por isso que o Alto Comando da Aliança precisava de mim. Eu
sei disso.
Ela gesticulou para o droide e o holograma apagou. A sala de conferência ficou escura sem o brilho
azul.
– Sargento Namir e eu temos discutido um plano desde que voltamos de Hoth – disse ela. – Será
arriscado. Precisaremos agir rápido, tanto em solo como no espaço, só para termos alguma chance.
Precisaremos manter sigilo operacional para que o Império não preveja nossa verdadeira meta. E, uma
vez que tenhamos chegado a Kuat, tudo pode dar errado. Não posso prever o futuro. Mas se quiserem dar
a volta por cima nessa guerra, acredito que essa seja nossa melhor chance.
Ela não olhou para Namir quando citou seu nome; tinha saído tão naturalmente que ele quase não
notaria, se os outros não tivessem olhado para ele. Ele sabia que se não negasse a autoria do plano
imediatamente, qualquer sugestão posterior custaria toda a sua credibilidade.
E se ele negasse que estava envolvido, Chalis seria tachada de mentirosa e toda sua apresentação
seria posta a em dúvida.
Namir escolheu não dizer nada.
Mal escutou o que veio depois disso. Os oficiais começaram a discutir. Hober inundou Chalis de
perguntas sobre os alvos, sobre as defesas de Kuat e, depois de um acesso de tosse que só parou depois
que Von Geiz interveio, ela respondeu a todos prontamente. Mzun, Gadren e Carver debateram a tática de
uma invasão a um estaleiro. O segundo em comando da Promessa de Apailana, lá para representar a
nave, balançou a cabeça em silêncio no canto.
Namir pensou nas promessas que ele havia feito. Pensou nas palavras de Gadren e em Hoth. Pensou em
Kryndal, o soldado idiota das Forças Especiais da Aliança com quem brigara na Base Echo, e se
perguntou se seu plano lunático de tomar Coruscant era menos prático do que aquilo.
Porém, aquele não era o plano de um idealista maluco. Mesmo que parecesse.
– Temos alguma alternativa? – perguntou ele. – Algum plano melhor?
A falação em volta dele diminuiu e todos pararam. Os oficiais superiores o observaram. Naqueles
segundos de silêncio, ele rezou para que alguém respondesse afirmativamente.
– Poderia se retirar da sala? – Gadren pediu a Chalis. A voz dele estava tão austera e grave que lhe
faltava clareza.
Chalis acenou educadamente e saiu, com o droide flutuando atrás dela.
– Uivo confiava nela, pelo menos em parte – disse Gadren, agora de frente para Namir. – Uivo
confiava em você mais do que imagina. E todos nós respeitamos seu trabalho para essa companhia. Então
eu pergunto a você: é isso o que devemos fazer?
“Não sei”, Namir pensou. “Como eu poderia saber?”
– Sim – disse ele.
– Então você tem o meu apoio – completou Gadren. – Mas, se formos votar, eu me retirarei
agradecendo a todos por terem aceitado minha presença.
– Precisamos ser tão formais? – perguntou Von Geiz. – Tecnicamente, o comando está em minhas mãos,
depois de Uivo, Sairgon, Paonu e… bem. Sharn, você se opõe a um voto aberto?
O segundo em comando da Promessa balançou a cabeça.
– Sua companhia, seu show. A Promessa apoiará vocês de qualquer maneira.
– Sendo assim – disse Von Geiz –, todos a favor do ataque a Kuat?
Houve sons de aprovação – forçados e determinados, relutantes e tranquilos – pela sala toda. Só
Hober, Mzun e Gadren permaneceram em silêncio, e os três mantiveram expressões neutras. Namir não
soube lê-los.
– O voto é a favor – disse Von Geiz.
Namir não se sentiu aliviado. A Companhia do Crepúsculo teria morrido sem um plano, mas isso não
garantia que ela sobreviveria a esse. Ainda assim, ele se fez sorrir. Era o plano dele, aparentemente, e
agora não era hora de mostrar dúvidas.
– Sugiro que paremos por aqui e comecemos os preparativos para a partida – disse Hober. – Mas há
mais uma coisa que precisamos decidir primeiro.
Namir olhou para Hober rindo, antes de compreender a intenção dele. Por trás de sua expressão fria,
ele estava enfurecido pensando em como Chalis havia coreografado o seu destino.

Ondas de sílica colidiam na parede do anfiteatro, espalhando poeira sobre a cidade de tendas. As
mangas de Namir abanavam com o vento enquanto ele tentava proteger os olhos e a boca. Se a Trovoada
não estivesse preparada para partir dentro de uma hora, ela seria pega por uma tempestade de vento que
rapidamente se aproximava; a companhia ficaria presa em Ankhural mais uma noite.
Por mais que ele estivesse começando a odiar o planeta, ele não sabia se isso era tão ruim assim.
Ele se afastou da parede quando ouviu o som de couro com couro – o lento aplaudir de mãos com
luvas, alguns pavilhões abaixo. Brand olhou para cima, com os lábios curvados em sinal de zombaria.
– Parabéns, capitão – disse ela.
Namir resmungou e começou a descer os degraus para a pista. Brand foi até ele.
– Ainda primeiro sargento – disse ele. – Comando temporário apenas, já que eles certamente não
colocariam a governadora como encarregada.
– Então, o plano é dela?
– Sim.
Brand deu de ombros.
– Agora é seu.
Namir olhou para o lado e viu que ela tinha levantado a máscara.
– Você acha que vai dar errado – disse ele.
– O plano? – Brand deu de ombros de novo. – Não tenho ideia. As pessoas têm muitas dúvidas, mas é
sempre assim. E as tropas confiam em você. É bom para o moral.
Namir riu.
– Então não preciso me preocupar com um motim?
– Nem um pouco – disse Brand.
Eles cruzaram a pista de corrida juntos, na direção de um grupo de soldados que carregava tendas e
geradores de volta para a Trovoada. Alguns saudaram Namir e riram, mas eles mantiveram a distância.
Apesar do vento, Namir podia ouvir o leve gemido dos motores sendo ligados.
– Obrigado – disse ele, suavemente. – Por salvar a companhia.
– O prazer é meu, sargento. Você vai se dar bem.
O tom dela era contínuo, sério – mas, de repente, ela estendeu o braço e segurou o ombro de Namir, e
ele achou ter ouvido um quê de humor na voz dela.
– Quem sabe? – disse Brand. – Com sorte, talvez até vençamos.
C A P Í T U L O 26

P LANETA MARDONA III

DIA 4 DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

A Trovoada e a Promessa de Apailana voavam tão próximas que seus escudos se esbarravam e
colidiam, cintilando através do espectro visível e liberando energia o suficiente para atomizar qualquer
caça TIE que passasse através do campo de energia. Qualquer esquadrão que tentasse costurar por entre
as naves rebeldes seria tão destruído quanto se fosse esmagado entre seus cascos.
Mas para cada caça que desaparecia em uma nuvem verde-esbranquiçada de oxigênio flamejante e gás
tibanna, mais uma centena enxameava o caminho dos rebeldes. A Promessa já tinha tirado seus X-wings
da batalha em vez de sacrificá-los em uma rixa invencível. As saraivadas da Crepúsculo poderiam
apenas enfraquecer o comboio inimigo, não dispersá-lo; e se havia alguma esperança para as duas
embarcações que mergulharam na direção dos oceanos azul-acinzentados do hemisfério sul de Mardona
III, ela se baseava em velocidade, não em poder de fogo.
A ponte da Trovoada tremeu e sacudiu ao penetrar a atmosfera. Namir se segurou no corrimão da
plataforma de comando até a pele escura dos nós de seus dedos ficarem brancas.
Chalis sorriu timidamente ao seu lado, o braço dela envolvendo tranquilamente o corrimão.
– Você parece nervoso – disse ela.
– Normalmente, eu estou numa nave de desembarque para esse tipo de coisa – disse Namir. – É muito
mais preocupante quando você vê o que está causando as sacudidas.
– Você deveria ter ficado na ponte durante Coyerti – replicou Chalis com uma encolhida de ombros.
Namir achou ter ouvido algo de diferente na voz dela, e se perguntou se aquela calma era fingida para ele
ou para a tripulação. – Vamos ficar bem… não vamos, comandante?
– Mais que bem! – veio o grito. – Ficaremos ótimos! Como aves predadoras mergulhando por suas
presas.
O comandante Tohna viera transferido da Promessa – o antigo piloto era uma bola atarracada de
músculos que tinha chegado para assumir o controle da tripulação da ponte e gerenciar a Trovoada. Ele
viera com ótimas recomendações dos oficiais da Promessa, mas Namir ainda não sabia o que esperar
dele. Foram Tohna e a tripulação da Promessa que aconselharam a inserção em Mardona durante as
reuniões de planejamento, depois de Chalis ter garantido a eles que nenhuma nave de guerra estaria
presente e que a maior das preocupações da Crepúsculo seriam os canhões de íon na superfície e a
defesa por satélites em órbita. Assim foi concebido o plano de acelerar rapidamente na direção de
Mardona e mergulhar rapidamente em sua atmosfera, sobre a água – abaixo dos satélites e fora do
alcance dos canhões continentais.
Alguma coisa metálica fez um estrondo no casco, mas Tohna não pareceu preocupado.
– Ultrapassamos a maioria dos caças – disse ele. – As naves de desembarque podem ir ao seu
comando.
– Vão – Namir falou prontamente. Os homens e mulheres nas estações da ponte digitavam em seus
consoles ou falavam em seus comlinks. A Trovoada fez outro estrondo quando seus hangares se abriram
sobre as nuvens cinza de tempestade de Mardona.
Chalis desvencilhou-se do corrimão e caminhou até Namir, baixando a voz.
– Seus esquadrões conhecem a missão – disse ela. – Se não der certo aqui, a operação não estará
comprometida. – Entre a voz áspera e o rugido da nave, ele lutou para compreender as palavras dela.
– Eu sei – respondeu ele. – Mas vamos assim mesmo.

Mardona III era – de acordo com a descrição desprezível de Chalis – um mundo-armazém. Não um
porto comercial agitado ou uma fábrica de produção, mas um lugar para o imperador empilhar
equipamento e materiais para entrega a sistemas próximos em tempos de necessidade. Os mundos-
armazém eram parte de uma iniciativa imperial ainda maior para permitir rápida realocação de recursos
e para eliminar a dependência de rotas comerciais ultrapassadas. E o mais importante: eles eram uma
vulnerabilidade que a Aliança ainda não tinha aprendido a explorar.
O megaespaçoporto que servia de centro de armazenamento primário de Mardona consistia em dezenas
de gigantescos prédios de metal preto que se erguiam da superfície rochosa. Eles tinham um aspecto
quase cristalino, cuboides com as laterais perfeitamente inclinadas em ângulos diversos. Os prédios
penetravam profundamente o subsolo, onde as principais instalações de armazenamento estavam e onde
um sistema elaborado de linhas de bonde permitia a transferência automatizada de bens, de acordo com a
agenda de entrega e com as necessidades planejadas. O megaporto era grande o bastante para abrigar
milhões, mas seus sistemas eram amplamente mecanizados; algumas centenas de milhares de estivadores,
administradores e droides de controle eram o bastante para manter o armazém em operação.
Se a Companhia do Crepúsculo pudesse impedir as operações do planeta – derrubar a habilidade de
Mardona suprir seus vizinhos –, o Império não teria opção senão criar novas acomodações e lutar para
encontrar outras maneiras de manter o fluxo de recursos. Pessoal e segurança precisariam ser realocados
para rotas de comércio tradicionais. Chalis mostrara a Namir esquemas e mapas estelares, explicando
como um pedregulho poderia se transformar em uma avalanche. Os próprios moffs não reconheceriam a
degradação dos estaleiros de Kuat até já ser tarde demais; mas Chalis conhecia o funcionamento das
máquinas.
– Eficiência – disse ela – é previsibilidade. O Império não é nada senão eficiente.
A guerra, no entanto, não era nem eficiente, nem previsível.
Depois que as naves de desembarque pousaram e a Trovoada saiu do sistema estelar, as primeiras
doze horas da companhia em Mardona foram gastas descendo da superfície e penetrando discretamente
pelos túneis dos bondes. Assim que os esquadrões entraram no subsolo, não tentaram manter rotas abertas
para a superfície; em vez disso, dezenas de equipes de ataque sabotaram as linhas de bonde,
desabilitaram os equipamentos de vigilância e emboscaram independentemente forças de segurança,
espontaneamente separando, juntando e reagrupando os integrantes. Eram como ratos infestando o
maquinário, dispersos demais para serem facilmente exterminados. Quando o Império desligou a energia
do subsolo em um raio de cinco quadras, forçando os soldados a ativarem seus respiradores e óculos de
visão noturna, foi apenas uma medida temporária; os ataques da Crepúsculo continuaram em outros
lugares, e desativar uma seção inteira do espaçoporto inibia tanto o Império como o inimigo.
Namir disparou sua arma apenas uma vez, quando os dois membros de seu esquadrão foram
emboscados por um enxame de droides aranha de manutenção – esferas do tamanho de um punho cerrado,
com pernas magnéticas e um maçarico. As máquinas percorriam corrimãos e subiam em telhados, com
ímpeto para queimar suas vítimas. Tirando algumas queimaduras leves e a promessa de uma noite sem
sono, os esquadrões saíram ilesos da emboscada.
Durante as doze horas seguintes do ataque da companhia a Mardona, o verdadeiro trabalho começou.
Mesmo sem considerar os contínuos reparos na Trovoada, a tripulação de engenheiros da Crepúsculo
estivera bem ocupada desde que deixaram Ankhural. Cada esquadrão tinha ido a Mardona armado com
duas dúzias de minas de íons: explosivos rudemente improvisados, produzidos em massa pela tripulação
a partir de baterias, sensores de movimento e quaisquer invólucros que pudessem encontrar. As minas
vinham em bolsas de lona e canos serrados, recipientes de comida e capacetes rachados. Elas eram, nas
palavras de Brand, “cola para as máquinas de Mardona”.
Os esquadrões plantaram os dispositivos nas junções das linhas de bonde ao longo de um quilômetro e
nas entradas para os armazéns do subsolo. Essa era uma tarefa de que Namir podia participar sem
assumir mais riscos que seus subordinados. Ele ouviu o som distorcido dos tiros de armas de raios
ecoarem pelos túneis, enquanto Maediyu – a mulher que o tratava com uma idolatria quase insuportável
desde que ele impedira que ela morresse queimada no exterior da cela de Chalis – segurava as solas das
botas dele e o impulsionava ao nível dos encanamentos inferiores do túnel. Com um grunhido nada
gracioso, ele escalou até um condutor metálico largo e esticou a mão para baixo, assim Maediyu passou
para ele uma mochila surrada e um rolo de fita adesiva.
– Aqui? – ele gritou para Chalis, que observava com os braços cruzados a uns doze passos e um pouco
abaixo de onde ele estava.
– Mais para baixo – disse Chalis. – Deixe que o bonde pegue velocidade.
Namir bufou e rastejou pelo cano. Maediyu o seguia logo abaixo, mantendo seu fuzil em prontidão.
Quando Namir e Chalis se designaram ao esquadrão de Maediyu, ela decidiu que agiria como guarda-
costas dos dois. Era atenciosa e precavida, boa no que fazia. Namir sentia falta de Gadren, Peste,
Charmoso e Brand, mas Charmoso tinha seu próprio esquadrão cheio de novatos agora. Os demais eram
necessários na ofensiva – atacando postos de segurança para manter o Império distraído enquanto as
minas eram plantadas.
Namir passou a fita ao redor da bolsa, e tentou mantê-la fora do alcance de visão. Ele deu um
empurrãozinho, para garantir que estava bem presa, então enfiou a mão na bolsa e sentiu um botão. Ele
imaginou um bonde fazendo a curva e a mina detonando quando ele passasse logo abaixo. As minas de
íons não causavam um estrago muito grande, mas a explosão fritaria qualquer circuito do carro e do túnel
em volta. O veículo poderia ou não descarrilar. De qualquer forma, a rota seria bloqueada até que a
equipe de manutenção o removesse.
Depois que a Companhia do Crepúsculo saísse de Mardona, haveria milhares de minas de íons
plantadas na rede ferroviária de bondes. Levaria meses para o Império limpar todas – e durante esse
tempo, o sistema inteiro precisaria ser fechado.
Era um plano inteligente, planejado por Chalis, pelos engenheiros e pelos líderes de esquadrão. Mas
“inteligente” poderia dar errado bem rápido.

No segundo dia do ataque da Crepúsculo a Mardona III, Namir ordenou que os esquadrões se
agrupassem nos túneis abaixo de um dos quarteirões residenciais do megaporto. Haviam chegado durante
a noite relatos de que veículos blindados imperiais desceram às linhas de trem, vasculhando setores
inteiros. Qualquer esquadrão pego numa dessas varreduras seria destruído; a Crepúsculo não podia parar
de colocar as minas, mas as equipes de campo precisavam de novas posições.
Um quarteirão residencial era uma escolha segura, uma escolha razoável, onde provavelmente haveria
comida, água e acesso a computadores, coisas que um armazém não oferecia. Namir ouviu as
preocupações de Gadren, Mzun e Zab sobre arriscar as vidas de civis, mas escolheu proceder assim
mesmo.
Uma dúzia de esquadrões entraram de uma vez no quarteirão, cercando o perímetro e exigindo que os
moradores evacuassem para suas cápsulas residenciais. Não houve resistência; os civis estavam
desarmados e despreparados para um ataque, e aqueles assustados demais para conseguir se mexer eram
conduzidos a suas casas pelos soldados da Crepúsculo. Com os corredores livres, os esquadrões selaram
tudo, menos algumas entradas, e posicionaram algumas sentinelas pelos túneis. A equipe de Charmoso foi
a primeira a retornar da aventura.
Chalis se ofereceu para falar com os moradores, enquanto Namir se preocupava em organizar as
defesas dos quarteirões, armando barricadas e zonas de morte.
– Estou acostumada a lidar com pessoas assim – disse ela. – Apenas dê a ordem.
– Se eu a colocar como responsável pelos civis – disse Namir –, os recrutas de Haidoral vão me
espancar até a morte quando eu estiver dormindo. Eu dou um jeito nisso.
Chalis não discutiu, e ele ficou grato por isso.
Um morador de cada andar foi trazido de sua cápsula para o centro educativo do quarteirão, de onde a
reunião poderia ser transmitida para todos os apartamentos. Quando Namir chegou, metade dos civis
começaram a gritar assim que ele entrou; os outros olharam aterrorizados ou sussurraram com seus
vizinhos para que ficassem em silêncio. No entanto, quando ele começou a falar, todos ouviram. Ter
Maediyu ao seu lado, com um fuzil na mão, provavelmente tinha ajudado.
– Não estamos aqui para machucá-los – disse ele. – Acreditem em mim quando digo que vocês são a
menor das minhas preocupações. Amanhã de manhã, qualquer um que quiser sair daqui será escoltado
pelos túneis. Os bondes estão interditados, mas, com sorte, seu governador vai acomodá-los. Se não
quiserem sair pelos túneis ou sua família não estiver interessada em fazer o trajeto, não os forçaremos. Se
quiserem ficar em casa, mantenham as portas de suas cápsulas bem fechadas. Não tentem se comunicar
com o lado de fora. Nós não seremos responsáveis por sua segurança se o Império atacar.
Não foi um discurso inspirado, e não era para ser mesmo. Namir precisava que os civis ficassem fora
do caminho e que, pelo menos, tivessem um pouco de medo – se eles tentassem sabotar a operação da
Crepúsculo do lado de dentro do quarteirão, a situação ficaria feia rapidamente.
Havia perguntas – algumas práticas, a maioria sobre acesso a comida e remédios. Um homem velho,
mirrado e de barba amarela queria saber se os moradores poderiam falar com seus vizinhos dentro do
quarteirão. Uma jovem atarracada descreveu eloquentemente como ela tinha chegado a Mardona com a
promessa de trabalho e um bom salário, e implorou para que a Aliança Rebelde fosse embora para um
mundo onde as pessoas a quisessem. Um estivador careca e sério queria saber o que aconteceria com os
moradores que não estivessem em casa durante o ataque e que tentassem voltar.
– Meu filho está lá fora – disse ele. – Vocês planejam atirar nele quando ele vier até mim?
Namir respondeu o melhor que pôde durante meia hora, antes de um mensageiro informá-lo de que ele
era necessitado em outro lugar. Ele acenou para os que ainda tinham perguntas e orientou que os civis
fossem escoltados de volta a suas cápsulas. Ele não pretendia ignorá-los, mas ainda tinha uma companhia
para comandar e um planeta para arruinar.

No quarto dia do ataque, Namir estava mofando irritado num cômodo claustrofóbico do quarteirão
residencial. Enquanto os esquadrões se esgueiravam por vãos de manutenção e dutos de ar para continuar
minando as linhas de bonde ou defendiam as barricadas contra os ataques periódicos dos imperiais, ele
estava preso no escritório administrativo que a Crepúsculo tinha convertido em um centro de comando.
Ele estudava os mapas no datapad, ouvia os relatórios das sentinelas e mantinha os músculos ocupados
caminhando um metro até a mesa de Chalis.
A governadora parecia tranquila com o ambiente. Mais que tranquila, às vezes – quando estavam
sozinhos, Namir às vezes a encontrava distraída da realidade, olhando para uma tela em branco. Aqueles
eram os únicos momentos em que ele se lembrava da carcaça em que ela vivia depois de voltar de Hoth,
e ela sempre voltava ao seu eu mais vibrante assim que percebia a atenção dele.
Naqueles momentos e sempre que ele a via segurando uma tosse.
Os civis que escolheram permanecer provaram-se uma constante distração. Quase de hora em hora
Namir era forçado a lidar com algum morador andando entre as cápsulas residenciais, ou solicitando
mais comida, ou denunciando um vizinho que tinha uma arma de raios. Um dos membros da equipe de
Tique foi pego roubando joias e créditos largados em uma cápsula abandonada; Namir não se importava
muito, mas repreendeu o homem publicamente pelo bem da paz comum. Uma família que começou a
brigar – Namir não fazia ideia do porquê – precisou ser separada à força e trancada em cápsulas
separadas.
“Não somos sua polícia”, ele murmurara mais de uma vez.
Ainda assim, a operação no geral estava indo bem. Todos os dias, os imperiais selavam mais entradas
para os túneis, e todos os dias, Chalis descobria alternativas em plantas da cidade ou Brand encontrava
rotas novas. O quarteirão residencial era bem enterrado nas entranhas do planeta, o que facilitava
bastante sua defesa contra fortes ataques veiculares; e se o imperador usasse armas de grande escala
contra o quarteirão, destruiria metade dos túneis para o megaporto. Esquadrões continuavam plantando
minas a cada hora, voltando exaustos ao quarteirão, sujos e desesperados para reabastecer.
Namir começou a gostar daquilo, mas tentou não demonstrar.
No fim do quarto dia, ele estava selecionando os ingredientes de uma bandeja de refeição (algum tipo
de tubérculo amassado e sem sabor, mas melhor que os da Trovoada), quando foi chamado para um dos
andares superiores do quarteirão para lidar com um “problema de disciplina” envolvendo um membro de
esquadrão em uma cápsula vazia. “Outro ladrão”, Namir pensou, e se arrastou pelas passagens
labirínticas do quarteirão. A única decoração eram os minúsculos porta-retratos, pôsteres ou vasinhos de
planta que os moradores ousavam colocar em suas portas. A vida sob o Império era desoladora, Namir
imaginou, mas não parecia desconfortável.
A fonte do “problema de disciplina” tornou-se óbvia quando ele chegou ao décimo segundo andar. Um
contrabaixo rítmico fazia as paredes vibrarem, e ele seguiu o som pelo corredor. Gadren, sorrindo cheio
de dentes, estava na frente de uma porta.
– Você chamou seu oficial em comando para isso? – perguntou Namir. Ele quase tinha de gritar para
ser ouvido por causa do barulho.
– Ela é sua protegida – disse Gadren, encolhendo seus ombros enormes. – Seu esquadrão pode agora
pertencer a mim, mas eu não quis invadir seus domínios.
Namir sorriu para Gadren, então se aproximou da entrada. Quando ele abriu a porta, o corredor foi
invadido pelo som – não só pelo baixo, mas notas misteriosas produzidas por instrumentos que Namir
nem imaginava, vozes humanas e alienígenas misturavam-se em uma música incompreensível. Os ossos
de Namir doíam com as vibrações, e quando entrou no apartamento, pisando no tapete amarelo e
passando por uma mesa coberta de estatuetas de animais de vidro, ele viu a mulher responsável.
Cabelo vermelho coberto de suor, pés descalços, mas usando todas as roupas de combate, Peste
dançava com um entusiasmo frenético, rebolando e girando seu corpo desajeitado pela sala de estar.
Quase um minuto se passou até que ela notasse Namir. Quando o viu, sorriu desavergonhadamente e deu
um tapa nos controles de áudio na parede.
A música parou.
– Essa casa não é sua – disse Namir. – Tente ter um pouco de compostura.
– Houve reclamações sobre o volume – acrescentou Gadren atrás dele.
– Mas eu posso ficar, certo? – perguntou Peste. Ela ainda estava sorrindo. Namir não lembrava de ter
visto um sorriso no rosto dela.
Ele não se lembrava de vê-la parecendo uma criança.
– Você pode ficar – disse Namir. – Mantenha um canal aberto, caso seu esquadrão precise de você.
Gadren o seguiu para fora do apartamento. Quando a porta fechou, ele riu com seu mugido alienígena.
– Eu sei que você tem outros deveres – disse ele, batendo a mão no ombro de Namir. – Eu sei que eles
são extremamente importantes, mas achei que você merecia ver isso.
– Você é um monstro – disse Namir. Ele se sentiu mais leve ao voltar para o centro de comando.
O bom humor durou apenas uma hora. Logo chegou uma mensagem vinda das sentinelas: a equipe de
Charmoso havia sido emboscada durante uma colocação de minas. Só um integrante de seu esquadrão
tinha sobrevivido.

Os braços de Corbo estavam envolvidos em bandagens quando Namir chegou até ele. O jovem de
Haidoral estava deitado numa cama no hospital improvisado da companhia – um apartamento desinfetado
e equipado com dois médicos da Crepúsculo. Corbo tremia as costas ao contar sua história.
O esquadrão de Charmoso tinha sido atacado por um veículo blindado imperial – não um tanque ou
walker, mas algo parecido com uma minhoca metálica segmentada que deslizava sobre propulsores e
percorria as linhas de bonde. O veículo estava equipado com lança-chamas e raios de atordoamento –
qualquer coisa mais poderosa, suspeitou Namir, colocaria em risco os túneis. Charmoso quase não teve
tempo de mandar os outros correrem antes de ser incinerado.
Namir não pressionou Corbo por detalhes da luta ou para saber como ele tinha escapado. Enquanto
Corbo gaguejava o que ele lembrava da batalha, Namir apenas perguntou:
– Você tem certeza de que os outros foram mortos? Não capturados?
– Tenho – disse Corbo.
Namir sentiu algo mais pesado e doentio que alívio congelar seu estômago – algo que substituía dúvida
por foco, mas o fazia sentir um aperto no estômago mesmo assim.
– Então descanse um pouco – disse ele. – Vamos vingá-los.
Três soldados da Crepúsculo haviam morrido nos dias anteriores, enquanto corriam, se escondiam, e
minavam os túneis. Mas agora três morreram só naquela noite. Enquanto caminhava pelo quarteirão,
Namir não sabia se era sua própria inquietude ou a dos soldados que ele sentia – não sabia até Brand
encontrá-lo na cozinha que tinha sido transformada em armaria.
– A ultima vez que revidamos, e digo revidamos com força, foi em Coyerti – disse ela. – Se você
realmente quiser atingi-los, para ferir, vai encontrar vários voluntários.
– Vamos revidar – disse Namir. Ele pegou um par de energipentes extras, e checou se seu equipamento
estava seguro. – Amanhã voltamos ao trabalho, mas hoje à noite…
– Chalis sabe que você vai? – perguntou Brand.
– Eu devo isso a Charmoso.
– Foi uma pergunta – disse Brand. – Não uma discussão.
Duas equipes foram caçar a máquina que tinha queimado três soldados vivos. Brand assumiu a
vanguarda, de olho em patrulhas inimigas ou em rastros de energia; uma máquina tão grande utilizando
propulsores certamente havia deixado algum vestígio. Os outros se dividiram a partir do local de
emboscada, vasculhando os túneis atrás de Brand.
A maioria dos caçadores conhecia bem Charmoso: Carver havia sido colega de classe de Charmoso na
Academia Imperial. Namir e Brand, é claro. Tique viera a pedido de Namir – ele precisaria de soldados
com experiência em armas pesadas para destruir a máquina. Maediyu estava lá por Namir. Gadren fora
escolhido para ficar para trás. Namir rejeitara a ideia de trazer novatos; os recrutas de Haidoral eram
amigos de Corbo e dos homens mortos, mas não tinham experiência para um esquadrão da morte.
A equipe interceptou a minhoca, quando sua tripulação desembarcou perto de um posto de sentinela
imperial. O armamento pesado não foi necessário. Os oficiais inimigos foram pegos em uma tempestade
de tiros de raios; se algum tivesse sobrevivido, não duraria sob a chuva de pontapés dos membros do
esquadrão. Uma única granada arremessada pela portinhola da minhoca a deixou em pedaços, com os
circuitos elétricos crepitando e soltando uma fumaça de produtos químicos.
Quando as sentinelas dos postos avançados imperiais finalmente chegaram para socorrer seus aliados,
a missão do esquadrão já tinha acabado. Mas Namir só bateu em retirada quando os reforços se tornaram
muito numerosos – mas não antes dele e seu esquadrão terem matado pelo menos uma dúzia de oficiais e
stormtroopers, dando o troco pelo aniquilamento do esquadrão de Charmoso. Corpos estavam
empilhados nos portões do posto de sentinelas quando Namir e seus colegas, finalmente, fugiram pelos
túneis.
De volta ao quarteirão residencial, os membros da companhia ainda acordados – e havia muitos,
mesmo nas calmas horas antes do amanhecer – comemoraram o retorno do esquadrão. Alguns dos
soldados que haviam participado da missão foram para a cafeteria para trocar histórias triunfantes
durante o desjejum. Brand prometeu levar a notícia para Corbo e Peste.
Enquanto o esquadrão estivera fora, outro contingente de soldados havia realizado buscas nos
apartamentos, convencido de que um dos moradores estava fornecendo informações ao Império,
resultando na emboscada ao esquadrão de Charmoso. Eles tinham encontrado um transmissor com um
homem velho de barba amarela, o mesmo que tinha falado na primeira reunião civil, e o espancaram
quase até a morte antes de Gadren intervir.
– Eu cuido disso – Chalis disse enquanto Namir devolvia seu equipamento à armaria. Ela havia lhe
contado a história toda quando ele voltara, e não dissera nada sobre a participação dele no esquadrão da
morte.
Namir não queria se importar, mas obrigou-se a perguntar:
– Como?
– Vamos fazer uma varredura em seu apartamento, limpar suas contas bancárias e, se ele possuir algo
de útil, adicionaremos ao inventário de Hober. Queimaremos o resto. Ele não ficará com nada, nem
mesmo comida ou roupas. E depois, vamos mandá-lo para os túneis.
Era o bastante para apaziguar qualquer um que desejasse sangue, Namir pensou, mas não tão violento a
ponto de deixar soldados como Gadren se sentindo eternamente culpados.
– Está ótimo – disse ele.
Então voltou ao seu dormitório – um apartamento que, aparentemente, tinha pertencido a um
colecionador de relógios mecânicos antigos – e dormiu.
Ele estava no comando da Companhia do Crepúsculo. Seu amigo tinha morrido sob o seu comando. E
ele consertara as coisas. Aquilo devia ser o suficiente para a noite.

Deixar Mardona III não foi mais simples que chegar. Chalis tinha dado à companhia seis dias para
realizar a missão, depois dos quais reforços imperiais chegariam para impedir a fuga deles. Mesmo ficar
esse tempo todo, ela insistiu, seria um risco.
Namir sinalizou para que a Trovoada e a Promessa de Apailana retornassem para buscá-los na noite
do quinto dia. A companhia tinha colocado quatro quintos das minas de íon; o que deveria ser o bastante.
Então os esquadrões se dispersaram novamente, abandonando o quarteirão residencial e procurando por
saídas para a superfície que não estivessem muito protegidas pelos imperiais.
As forças de segurança de Mardona estavam preparadas e todas as saídas estavam sob vigia, como a
Crepúsculo sabia que estariam. A precisão dos esquadrões teria que ser perfeita – eles tinham que ir para
a superfície durante a breve janela na qual a Trovoada e suas naves de desembarque estivessem na
atmosfera do planeta. Se os esquadrões chegassem muito cedo à superfície, ficariam expostos e seriam
dominados pelos imperiais. Tarde demais, e seriam deixados para trás quando a Trovoada fosse obrigada
a fugir.
Namir previa que a retirada seria sangrenta e desesperada. Ele esperava perder três ou quatro
esquadrões. Talvez uma nave de desembarque também.
Em vez disso, poucas horas antes da hora combinada para a subida dos esquadrões, começou a chover
no megaporto. Gotas grossas e pesadas levadas pelo vento colidiam em prédios, sensores e sentinelas.
Nuvens bloquearam a luz do sol. Mesmo visores aprimorados eletronicamente se tornaram inúteis. As
ruas começaram a inundar e a água invadiu os túneis.
A parte final da escalada dos esquadrões foi feita em meio à névoa e ao vendaval. Caminhavam por
degraus escorregadios e subiam pelos vãos dos elevadores de carga. As botas ensopadas de Namir
estavam grudadas em seus pés, e ele atirou livremente na escuridão na direção do inimigo. Vitória era
impossível em uma tempestade de tamanhas proporções, mas a Companhia do Crepúsculo não precisava
vencer – só precisava seguir em frente e chegar às naves de desembarque que sacudiam fortemente contra
o vento.
A tempestade acabou salvando a Companhia do Crepúsculo. Os esquadrões conseguiram escapar de
Mardona III com uma fatalidade e alguns feridos.
A Trovoada continuou seu curso a Kuat.

– Sargento Pol Andrissus – proclamou Hober. Esse era o verdadeiro nome de Charmoso, embora
Namir não se lembrasse de tê-lo ouvido em voz alta antes.
Carver e Gadren haviam discutido sobre quem iria fazer as honras no funeral de Charmoso. Gadren
acabou cedendo, e foi Carver que se aproximou de Hober e da estação de energia e entregou o
energipente pronto para ser drenado.
– O grande sedutor – declarou Carver, e houve uma risada nervosa em meio à multidão na baia dos
veículos.
Era assim que Charmoso gostaria de ser lembrado? Namir não tinha certeza. Parecia uma piada de mau
gosto depois do que tinha acontecido em Blacktar Cyst – depois da batalha que tinha lhe roubado a
beleza, e depois do estilhaço que penetrara seu cérebro, lhe custando a habilidade de formar uma frase
inteira sem gaguejar –, mas, mesmo assim, Charmoso também nunca tinha abandonado seu apelido. Namir
nunca falara com ele sobre isso.
Ele xingou em silêncio. Carver recuou e Hober foi para o nome seguinte. Namir sentiu alguém tocando
seu braço. Virou com um susto e viu Peste ao lado dele, observando-o com clara preocupação. Ele forçou
um sorriso e gentilmente tirou a mão dela.
Sete nomes, sete mortes, sete baterias drenadas e honras oferecidas. Ele já tinha visto vários amigos e
camaradas morrerem antes. Mesmo assim, ele se sentia frio e úmido, como se ainda estivesse secando da
tempestade em Mardona III.
Quando o ritual terminou, Hober afastou-se da estação de energia. Em vez de finalizar a transmissão
para a nave, ele fez uma pausa enquanto a governadora Chalis caminhava por entre os soldados e tomava
a frente do púlpito. Namir nem sabia que Chalis estava presente – ele não a vira no início da cerimônia –,
mas ela estava vestida para a ocasião, usando uma roupa preta, que devia ter trazido de Mardona, e um
lenço ornamental. Ela murmurou alguma coisa para Hober, que hesitou um momento antes de sair do
palco.
– Serei breve – disse ela para a multidão. Sua voz estava rouca demais para ser ouvida facilmente, e
os soldados pareciam se esforçar para escutá-la. Namir viu alguns deles fazendo cara feia, embora a
maioria parecesse simplesmente não entender o que estava acontecendo. – Os homens e mulheres que
morreram em Mardona, eu não os conhecia bem. Eu mal sabia da existência deles.
Tique virou de costas para Chalis e saiu empurrando os outros para sair dali. Chalis pareceu não notar,
e continuou.
– O que eu sei – disse ela – é o que a Rebelião significa para todos vocês. O capitão Evon me ensinou
por seu próprio exemplo, quando me recebeu a bordo. Eu vi o coração da Rebelião em primeira mão
quando servi com o Alto Comando. Os soldados que morreram em Mardona III acreditavam que a
Rebelião merecia sua dedicação. Eles não estavam lá porque receberam ordens; eles acreditavam que
uma grande vitória, mesmo nesses dias sombrios, ainda fosse possível. Pretendo fazer o que estiver ao
meu alcance para provar que eles estavam certos.
Então, ela acrescentou rapidamente:
– Não estou dizendo que isso é o bastante. Somos diferentes do Império, porque toda vida significa
alguma coisa. Nossos soldados não são stormtroopers sem rosto, mas nossos amigos e amantes. Nossos
mortos eram rebeldes, sim, e eles eram conquistadores, piadistas e lutavam contra seus próprios
demônios. Pretendo lutar pela vitória não porque isso seja o bastante… – Aqui ela parou, analisou a
sala, vagando os olhos pela audiência. – … mas porque é o mínimo que podemos fazer para honrar
aqueles que se foram.
Ela, então, sorriu – um sorriso pequeno, triste e reprimido – e curvou a cabeça, retornando para a
multidão. A resposta dos membros da companhia foi muda, mas Namir ouviu suaves afirmações, viu
acenos de cabeça.
– Rumo à vitória – murmurou a voz de um homem. Namir não viu quem foi, mas ele achou que soava
como Hober.

– Eu não quis roubar seu lugar. Você sabe disso. Só achei que eles precisavam ouvir…
Namir deu um sorriso amargo e balançou a cabeça.
– Está tudo bem – disse ele. Ele sentou no baú do quarto de Uivo, observando a governadora que
estava na beirada do beliche. – Você deve estar certa… um pouco de inspiração é bom para eles.
– Da próxima vez... – disse Chalis. Ela deu um gole de uma garrafa de conhaque, não diferente daquela
que tinha trazido a bordo da Trovoada, e a passou para Namir. – ... você fica com o próximo discurso,
mesmo que eu tenha que escrevê-lo para você.
Namir virou a garrafa em suas mãos e se perguntou onde Chalis a teria encontrado. O influxo de
contrabando depois de Ankhural poderia se tornar um problema.
Ele tinha ido ao clube depois do funeral. Ele não fora mal recebido, e havia ficado por tempo o
bastante para ouvir algumas histórias sobre o heroísmo de Charmoso em Tokuut e sobre o incidente
durante o período de licença na Estação Sigma. Mas conversas tendiam a parar quando ele chegava.
Garrafas eram escondidas atrás das vigas de apoio…
Não, ele pensou. O problema não era que as tropas ficavam desconfortáveis em sua presença. O
problema era que qualquer coisa que ele dissesse pareceria trivial, como se estivesse abdicando de sua
responsabilidade pelo papel que tivera naquelas mortes. E ele não tinha discursos para dar, qualquer
palavra de sabedoria ou consolo para amigos em luto.
Ele conseguiria liderar os esquadrões da Companhia do Crepúsculo. Ele tentaria liderá-los. Mas não
tinha nada a dizer a eles quando estavam de luto. Ele não podia tomar parte no luto quando também era
parte da causa.
Então ele fora até Chalis, e ela o recebera.
– Da próxima vez – ele concordou.
– Mas nós fizemos uma boa operação – disse ela. – Ainda vai levar um tempo para sabermos quais
recursos o Império canibalizará para compensar Mardona, mas esse problema é meu. Você os colocou e
os tirou de lá com vida, em sua maioria.
– Eu apenas assisti. Os esquadrões fizeram o trabalho.
– Bem-vindo ao comando – disse Chalis. Ela sorriu e pegou de volta a garrafa das mãos de Namir,
dando outro gole rápido. – Falando nisso, você deveria descansar. Você não tira mais folgas entre as
missões.
Namir resmungou e levantou do baú. Chalis fez o mesmo, levantando da cama. Ela se dirigiu à porta
antes que ele pudesse impedir, e apontou para o beliche.
– Todo seu – disse ela. Ele ia contestar quando recebeu um olhar furioso em troca. – Eu já levei meus
muitos pertences ao antigo dormitório de Sairgon. Já passou da hora de você começar a ficar aqui.
– Podemos selar a porta – disse Namir. – Garantir que ninguém fique com este quarto.
– Você realmente quer dormir com seus homens? – perguntou Chalis. O tom de voz deixou claro qual
resposta ela esperava. – Você realmente acha que eles se sentirão melhores com seu comandante na cama
ao lado?
Namir observou Chalis por um tempo. Ela parecia conter um sorriso.
– Dê o fora do meu quarto – disse ele por fim, e ela riu ao sair.
C A P Í T U L O 27

P LANETA SULLUST

DIA 9 DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

Durante as duas semanas anteriores, Thara não vinha se sentindo nada como SP-475.
A explosão na nave terrorista rebelde tinha deixado uma cicatriz entalhada em sua testa e o ouvido
direito ficava surdo em intervalos. Nos primeiros dias após o incidente, ela sofria de dores de cabeça
que a faziam pressionar a testa contra o piso frio de metal à noite, rezando para dormir. Os droides
médicos lhe asseguraram de que isso não era nada incomum e que, em breve, a liberariam para voltar ao
serviço leve: fiscalização de vigilância, manutenção de munição e coisas do tipo.
Ninguém a tinha visitado ou desejado melhoras. O tio dela teria feito isso sob outras circunstâncias,
mas ele ainda estava retido, aguardando ser julgado ou liberado.
No primeiro dia em que voltou à ativa, enquanto comparava os relatórios de suprimentos
automatizados com o inventário de energipentes e armas de raios que ela mesma contara à mão, 113 se
juntou a ela na armaria intensamente iluminada. Ele tinha liderado a equipe no dia da explosão e
interrogado o agente rebelde. De alguma forma, ele também sobrevivera, mesmo estando muito perto da
detonação.
“Talvez”, Thara pensou, “ele realmente seja um dos clones originais.” Os comandantes haviam sido
feitos para durar. Outros membros da equipe não tiveram a mesma sorte: ela estava feliz por não se
lembrar da visão de corpos sendo destroçados e explodindo, espalhando suas partes pela nave, mas ela
ainda podia imaginar.
– Você é uma das novas – disse 113. Foi mais uma afirmação do que uma pergunta. – Treinamento
acelerado para aumentar as fileiras da corporação. Pinyumb foi sua primeira missão?
– Sim, senhor – disse Thara. Ela estava vestida em uma variante do uniforme de cadete, com um
capacete aberto que deixava todas as suas expressões expostas. Ela se sentia cega sem o brilho do
display de seu antigo uniforme.
– Hum. – SP-113 olhou para ela através de seu capacete. Thara ficou se perguntando se ele estaria
revisando o arquivo dela. – Você sobreviveu. Dou crédito a você por isso. Mas precisa melhorar.
“Melhor que deixar meus camaradas morrerem?”, ela se perguntou. Parecia uma constatação leviana.
– Sim, senhor – disse Thara.
– Corte pela metade o tempo que os droides médicos pediram que ficasse fora da patrulha. Estamos
com pouco contingente, e os chefes querem que encontremos Nien Nunb e o resto da célula antes que eles
causem mais problemas.
O alienígena a bordo da nave rebelde alegara que faltavam colaboradores à célula em Pinyumb – que
os civis do local estavam com muito medo para ajudar. Ninguém acreditava nisso. Nem Thara e seus
camaradas, e, certamente, nem seus comandantes.
Ainda assim, Thara abriu a boca para protestar.
– Senhor? – ela perguntou. Ela não deveria estar falando, mas se esforçou para que as palavras
saíssem assim mesmo. – Eu pensei…
– Você pensou o quê?
– Hoth, senhor. Achei que os rebeldes seriam… menos perigosos. Menos ativos. Menos alguma coisa.
A guarnição de stormtroopers não falava muito – certamente não enquanto em serviço, quando
conversas eram proibidas; e a política oficial desencorajava a criação de laços durante as horas de folga.
Os troopers que se relacionavam com seus camaradas tornavam-se inflexíveis, lentos para se adaptar a
novos postos com novos esquadrões. Mesmo assim, conversas corriam durante as refeições ou nos
vestiários, e Thara tinha ouvido sobre um ataque a uma base rebelde no setor Anoat. O inimigo fora
destruído; a base, dizimada. O próprio Darth Vader liderara as tropas para a vitória, a elite da elite
marchando através de fogo e gelo contra milhares de armadilhas rebeldes.
113 fez um som curto e desdenhoso, como uma risada, ao virar de costas.
– Estamos muito longe de Hoth – disse ele. – E sempre haverá mais rebeldes.
Uma semana depois da conversa com 113, o status de Thara estava restaurado por completo. Ela vestiu
cada peça de seu uniforme com zelo e diligência, lembrando-se de seu nome, de sua missão e de seu
dever para com Sullust e o Império. Mas os leves arranhões em sua armadura e o silêncio mortal em seu
ouvido direito a distraíam, e ela hesitou ao encaixar o capacete no lugar.

Quase trinta stormtroopers estavam em posição de sentido quando o transporte chegou ao piso do
hangar. Outros trinta estavam posicionados fora de vista ou nos túneis adjacentes, prontos para qualquer
ataque surpresa da célula rebelde. Mais outras tantas equipes estavam realizando buscas em quarteirões
residenciais de Pinyumb, e também interditando a fábrica de processamento de Inyusu Tor. Alguém no
comando decidira que, para a chegada segura do transporte, valia a pena fechar o comércio da cidade.
SP-475 ficou atrás de uma equipe de manutenção, olhando para o túnel pelo qual o transporte havia
descido da superfície. Ela imaginou rebeldes dispostos em formação entre raios de sol tênues,
preparando explosivos nas sombras.
O transporte zumbiu, e sua atenção se voltou para a rampa de embarque. Os oficiais de Pinyumb
adiantaram-se rapidamente, recebendo a primeira leva de recém-chegados e obstruindo a visão de 475.
Meia dúzia de figuras de uniforme branco cercaram o grupo e escoltaram seus integrantes por um túnel.
Conversas surgiram em seu capacete: líderes de equipe reportaram que nada estava fora do planejado.
– Quem são esses caras? – perguntou um dos trabalhadores da manutenção.
Agora uma segunda leva marchava pela rampa de embarque: oficiais com roupas pretas, pessoal de
segurança com capacetes e mais stormtroopers. Primeiro dez, depois vinte, depois mais que SP-475
pudesse contar.
– Fiscalização de trabalho – respondeu outro trabalhador. – Alguns rebeldes atingiram um depósito de
suprimentos em Mardona outro dia. Precisam retomar a produção em algum lugar.
SP-475 não tinha ouvido sobre isso. Ela ficou arrepiada com a ideia de que Pinyumb precisava de
mais tropas, mais inspetores para fazer o serviço deles – mas ela suprimiu esses instintos. 113 disse-lhe
que estavam com baixo contingente, e eles ainda não tinham encontrado Nien Nunb. Talvez reforços não
fossem uma coisa tão ruim assim.
Então ela ouviu um gemido agudo no capacete. Seus camaradas começaram a gritar.
Era impossível decifrar o que as vozes distorcidas e sobrepostas diziam. Rapidamente, um oficial no
comando desativou todos os comunicadores para que somente suas ordens pudessem ser ouvidas. SP-475
queria congelar. Queria correr. Da última vez que vira seus colegas de tropa em caos, homens e mulheres
haviam morrido.
Seu peito doía. Ela não conseguia respirar.
Pela visão periférica, viu outro trooper apontar para trás dela e para cima da parede da caverna. Ela
se virou com o fuzil em mãos. Tropeçou um passo para trás e deu de encontro com um integrante da
manutenção.
O capacete direcionou sua atenção para uma esfera mecânica, não maior que um punho cerrado,
flutuando uns doze metros acima do piso da caverna e zanzando na direção do túnel para a superfície. Ela
não perguntou o que era. Apenas empunhou o fuzil e apertou o gatilho três vezes. O visor polarizou contra
o brilho vermelho. Dois tiros lascaram a pedra. O último acertou a esfera, fazendo-a cair em espiral até o
chão, deixando um rastro de faíscas.
Nada explodiu. Ninguém morreu. Demorou um bom tempo até ela voltar a prestar atenção nas
conversas pelo comunicador ou notar a presença dos dois troopers ajoelhados sobre a esfera caída.
– Câmera espiã – disse uma voz suavemente. – Sabia que os rebeldes não ficariam muito longe. – Era
113. – Bom tiro, 475.
SP-475 queria arrancar o capacete e vomitar.
Mas ela cumprira seu dever. Ela havia superado a hesitação. Seu turno estava apenas começando, mas,
se os rebeldes estivessem em atividade, ela tinha que estar pronta. Ela tinha que se impor.
C A P Í T U L O 28

A 15 ANOS-LUZ DA ROTA DE

COMÉRCIO DE RIMMA

DIA 10 DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

Os estaleiros de Najan-Rovi caíram em menos de um dia. Faltava aos hábitats flutuantes do gigante
gasoso um batalhão dedicado de stormtroopers. Como defesa, o planeta dispunha apenas de troopers da
Frota Imperial e um complemento de caças TIE. Quando a Trovoada terminou de desembarcar todas as
equipes de ataque da Companhia do Crepúsculo, o destino dos estaleiros já estava selado; quando a
Crepúsculo saltou à velocidade da luz deixando Najan-Rovi, quase cem transportes de luxo imperiais e
cargueiros leves estavam em chamas.
– “Naves executivas” para oficiais de alto posto e enviados especiais do Conselho Executivo –
explicara Chalis durante uma reunião para os líderes de esquadrão. – Armazenados e reabastecidos em
Najan-Rovi, mas construídos pela Corporação de Engenharia Corelliana. Uma vez que sejam destruídos,
Corellia vai precisar aumentar sua produção; os oficiais precisam de seus brinquedinhos.
Aumentar a produção em Corellia implicava transferir recursos de Kuat para a construção de naves.
Após Najan-Rovi, a Companhia do Crepúsculo estava um passo mais perto de seu verdadeiro objetivo, e
os esquadrões celebraram ao retornar dos estaleiros. Era gratificante de ver, apesar de Namir ter ficado
surpreso por Chalis ter se recolhido a seus aposentos em vez de aceitar as felicitações no hangar das
naves de desembarque.

O destino seguinte da Trovoada era Obumubo, uma lua frígida coberta por um congelante oceano de
metal líquido. Lá, a tarefa da Crepúsculo era obliterar uma guarnição imperial.
– Há certas pessoas que quero que sejam promovidas para postos fora de Kuat – disse Chalis na
reunião matinal dos oficiais superiores. – Assim que saírem de lá, levarão consigo suas forças de
segurança. Mate os homens certos em Obumubo e criaremos uma vaga de trabalho.
Von Geiz – uma das pessoas mais gentis que Namir já conhecera – questionou se o alvo poderia ser
assassinado.
– Precisamos arriscar a companhia inteira para destruir um só homem?
Chalis não disse nada a princípio, com os lábios tremendo em uma expressão que nunca virava um
sorriso. Então ela começou a tossir, cuspindo na manga da camisa enquanto seu tórax subia e descia.
Demorou mais de um minuto para que ela se recuperasse o suficiente para responder.
– O Império não pode suspeitar de nossa intenção – disse ela, com a voz rouca e o tom frio. – Os
militares empregam pessoas muito inteligentes que estão, sem dúvida, analisando nossos ataques. Se a
possibilidade de nosso ataque a Kuat passar pela cabeça deles, toda a operação vai por água abaixo.
Então, sim, arriscaremos a companhia.
Von Geiz não continuou a discussão.
O ataque em Obumubo foi sangrento. Nenhum soldado da Crepúsculo tinha morrido em Najan-Rovi,
mas estavam exaustos e feridos. A guarnição era inteligentemente defendida por tropas experientes, que
estavam habituadas a se defender das criaturas marinhas de Obumubo por meses a fio. O campo de
batalha favorecia os defensores. Dois membros da infantaria da Crepúsculo e um médico se afogaram nas
águas prateadas enquanto desciam das naves de desembarque. Mais uma dúzia morreu no primeiro
assalto.
Levou dois dias de combate para que a companhia conseguisse montar cerco naquele cenário fluido.
Canhões, enfim, derrubaram a guarnição, e a Trovoada saiu do sistema com todas as suas naves de
desembarque a salvo, logo antes da chegada de uma falange de destróieres.
Chalis garantiu que aquela fora outra vitória. Um passo em direção a Kuat.
Na noite em que a Trovoada partiu de Obumubo, Namir visitou M2-M5 – ele ainda detestava o droide
engenheiro, mas ele era mais receptivo do que a maioria da tripulação quando o assunto era a elaboração
de um relatório fora de hora. Depois de conversar com o droide, ele ouviu um barulho vindo do
refeitório e foi investigar. Encontrou doze soldados reunidos em volta de um holoprojetor portátil em uma
das mesas de jantar.
O projetor passava uma transmissão imperial – a imagem digitalizada de uma jovem atraente
anunciava orgulhosamente uma série de triunfos sobre os rebeldes na Orla Exterior.
– Desde a destruição da base da Aliança – declarava ela – mais de quinze postos avançados rebeldes
e sete membros da liderança do inimigo já se entregaram. O imperador Palpatine está considerando
realizar julgamentos públicos para alguns desses combatentes, na esperança de que outros, testemunhando
o tratamento justo dispensado pelo Império, sigam o exemplo e se entreguem.
– Alguma palavra dela é verdadeira? – Namir reconheceu a voz e viu Peste sentada no canto da mesa.
Ele balançou a cabeça.
– Não sei – admitiu Namir. – Isso é propaganda, então nem tudo é verdade, mas… – Ele suspirou, sem
saber o quanto explicar. – Ainda não fizemos contato com o Alto Comando. A frota está por aí, condições
desconhecidas.
Será que ele estava sendo muito direto? Muito evasivo? Ele mal lembrava como era falar com seus
colegas sem se contradizer. Peste assentiu rapidamente. Os outros observavam a transmissão evitando seu
olhar. Ele queria ir embora, mas era o comandante deles e se sentiu na obrigação de falar mais alguma
coisa.
– Vamos apenas garantir que, quando a frota voltar, possamos oferecer uma vantagem à Aliança.
Era o melhor que ele podia fazer, e ele não conseguia saber se os acenos sérios e os punhos elevados
que obteve em resposta eram sinais genuínos de entusiasmo ou concessões à autoridade de seu
comandante. Talvez fosse melhor nem saber.

Maediyu esteve entre as primeiras baixas em Nakadia. Namir ficou ao seu lado na tenda médica
enquanto ela suava e sangrava, debatia-se e fedia. Erupções brilhantes cobriam seu rosto, e ela insistia
que Namir era a sua mãe. Não se lembrava do nome dele quando ele lhe disse que não era. Por fim, ele
desistiu da verdade e acariciou o cabelo dela enquanto seus órgãos internos lentamente se liquefaziam.
Ele a deixou sozinha apenas duas vezes, ambas para esvaziar seu estômago e limpar a bile dos lábios.
Namir sabia que Nakadia seria difícil. Ele só não esperava que as mortes fossem tão terríveis.
O planeta era um mundo agricultor de infinitas colinas e de uma flora frondosa, com galhos duros à
altura do pescoço. A Crepúsculo estava ali para devastar as fábricas de plastoide, onde milhões de
toneladas de colheitas eram processadas e transformadas em polímeros e resinas sintéticas utilizadas em
blindagens. Namir não sabia que tais conversões eram possíveis – ele não conseguia imaginar como
plantas poderiam ser transmutadas em materiais industriais –, mas ninguém mais parecia surpreso, então
ele mantinha essas indagações para si mesmo. Parecer um idiota na frente dos colegas não inspiraria
muita confiança.
Ele deixou a governadora Chalis para trás na Trovoada e se juntou aos esquadrões na onda inicial de
assaltos. Eles atacaram secretamente, sob a cobertura da noite, avançando e recuando invisivelmente
pelas florestas de galhos. Era uma boa estratégia, mas era extenuante para tropas que mal tiveram tempo
de descansar desde Obumubo. Foi exigido que homens e mulheres com ferimentos quase sem tratamento
marchassem insones por um terreno difícil.
Então Maediyu e os outros voltaram de uma investida, chocados e com os olhos vermelhos. Os
médicos reconheceram o que estava acontecendo, mas não confirmaram as suspeitas de Namir até depois
de Maediyu estar morta.
– Não foram pesticidas. Eles têm armas biológicas – disse Namir aos líderes de esquadrão naquela
manhã. Ele manteve a voz calma, apesar de estar fervendo de raiva por dentro. – Tenham cuidado.
Dezesseis outros soldados foram abatidos por airspeeders espargindo toxinas antes de uma equipe de
busca localizar de onde eles vinham. Gadren, Mzun e outros doze soldados alienígenas acompanharam
Namir – que se munira com a maior quantidade de equipamentos de proteção que tinha sido capaz de
conseguir – até uma plataforma de lançamento e armazenamento no alto das montanhas. Eles queimaram o
armazém, observando o metal escurecer e se curvar, e ouviram o veneno fervilhando lá dentro.
A Companhia do Crepúsculo também venceu em Nakadia.
Quando Namir voltou para a Trovoada, foi diretamente ao dormitório de Chalis, sem sequer parar para
remover a armadura ou guardar o fuzil. Ele bateu na porta e não esperou por uma resposta antes de ir
entrando. Se não estivesse destrancada, ele talvez explodisse o painel de controle.
– Era a mesma toxina – ele gritou.
Chalis sentou-se no beliche, esboçando alguma coisa no datapad. Ela fez alguns rabiscos pela tela,
avaliou o próprio trabalho e apoiou o dispositivo na cama antes de olhar para Namir.
– Dê-me um pouco de contexto – disse ela. A voz dela era calma, mas seus olhos, duros. – Você está
falando das armas biológicas em Nakadia? Ouvi…
– As armas biológicas – disse Namir – que vinham de Coyerti. Nós destruímos a Destilaria.
Destruímos todos os estoques. Aquela coisa deveria ter sumido, e em vez disso meu pessoal está morto.
– Sente-se – disse Chalis. Namir não se mexeu, então ela deu de ombros. – Sinto muito por suas
perdas…
– Não sente, não.
Ela deu de ombros novamente.
– Não estou a favor dessas mortes. Você vai me ouvir agora, sargento? A próxima aterrissagem em um
planeta é daqui três dias. Portanto, se você for apenas ficar esbravejando, eu vou voltar ao trabalho.
– Fale.
Ela fechou os olhos e pressionou o dedo em uma das têmporas, como se massageasse uma dor de
cabeça. Ela falou lentamente, cuidadosamente, aparentemente construindo um argumento enquanto
prosseguia.
– Você é um bom comandante. Você é bom em julgar o que seu pessoal precisa e o que eles podem
alcançar. Mas você ainda pensa como um homem de Crucival.
– Isso significa o quê?
– Significa que você não entende a escala do inimigo. Eu também… também demorei mais tempo que
deveria para entender. Não o culpo por isso.
A ira de Namir desapareceu. A faixa de seu fuzil começou a pesar em volta do pescoço. A amargura
continuava, no entanto, e cada palavra que Chalis falava incomodava.
– Nós, digo, você e seu esquadrão destruíram biotoxinas suficientes para salvar milhões. Talvez mais.
Mas o Império vem construindo seu arsenal há décadas. Quanto você acha que está estocado em armarias
empoeiradas e armazéns pela galáxia? Se eu soubesse que essas armas estavam em Nakadia, eu talvez
tivesse escolhido um alvo diferente. Mas não sabia. Vamos nos preparar melhor para a próxima vez.
– Para quantas outras próximas vezes devemos nos preparar?
Chalis levantou-se lentamente do beliche e olhou diretamente para Namir. Ele viu o peito dela subir ao
suprimir uma tosse.
– Você viu os planos – disse ela. – Não vai demorar até Kuat.
– Espero mesmo que não – disse Namir. – Acho que Hober já está cansado de conduzir funerais.

Namir encontrou um discurso que tinha sido acrescentado ao seu datapad uma hora antes da cerimônia
na baia dos veículos. Falava sobre como a Companhia do Crepúsculo honraria o sacrifício dos
esquadrões; sobre como Nakadia foi um lembrete de até onde o Império iria; sobre como, em um mundo
que poderia ter alimentado trilhões, o inimigo escolhera jogar veneno.
Ele não leu o discurso no funeral. Em vez disso, depois de Hober terminar os procedimentos comuns e
Namir não se mexer, Chalis caminhou até a frente e o recitou. A reação parecera bastante positiva, o que
não deixou Namir particularmente surpreso. Era um bom discurso. A governadora estava conquistando a
companhia um dia de cada vez, e as tropas estavam se acostumando com as recitações dela.
Naquela noite, ele não foi nem ao clube, nem até Chalis. Em vez disso, deitou-se no beliche – no
beliche de Uivo – e se perguntou o que o capitão teria feito de diferente. Se o capitão teria feito alguma
coisa de diferente, ou se a Crepúsculo ainda era a mesma de sempre – sangrando, lutando, desesperada
para vencer, mas perdendo o mesmo tanto – e Namir que tinha mudado de perspectiva.
Ele se arrependeu por ter discutido com Chalis, e o incomodou pensar que ela era, de fato, a única
pessoa na nave que compreendia sua posição. A ideia de contar isso para ela passou pela cabeça dele,
mas foi embora na mesma velocidade. Chalis não era sua amiga, e qualquer proximidade que pudesse ter
havido entre eles tinha sido congelada em Hoth.
Esse pensamento, também, parecia não condizer com a realidade, mas era o mais perto da verdade.
Na semana seguinte, a Companhia do Crepúsculo lutou mais duas batalhas – nas montanhas de Naator e
nos cânions fétidos de Xagobah. A companhia venceu. Soldados morreram. O ritmo penoso continuou, e
até mesmo Chalis concordou que era necessário um dia de descanso para reabastecer as energias. Chalis
e Von Geiz propuseram que a Trovoada estacionasse em Aglomerado Nove – um mundo destruído, aquém
da atenção do Império, onde catadores reviravam pilhas de lixo de uma civilização há muito tempo
devastada.
O período de licença não foi muito longo. Namir previu que a maioria da companhia escolheria
permanecer a bordo da nave. Mas, mesmo assim, ele se aventurou em uma cantina a céu aberto com uma
porção de seus colegas, bebendo uma terrível cerveja local e tentando flertar com uma mulher de pele
verde que parecia não dar a mínima para suas mentiras sobre a vida como um mineiro de meteoros.
Gadren lhe pagou mais três bebidas depois que a mulher foi embora.
– Você fez um belo esforço – disse ele –, mas agora é hora de reconhecer a derrota e reconquistar sua
dignidade.
Namir tentou se endireitar no assento e descobriu que ainda estava meio curvado para a frente.
– Aposto que não disse isso a Brand.
Gadren olhou para a ponta do balcão da cantina. Namir não tinha notado que Brand não estava lá fazia
mais de uma hora.
– É porque ela é melhor nisso do que você – disse Gadren. – E ninguém se importa se ela fica com
cara de boba.
Namir gargalhou e afastou sua bebida.
– Sutil. Lindo. Uivo nunca se sentou por aí parecendo um idiota…
– … em público – disse Gadren, com tom paciente e conciliador. Ele passou um braço sob o ombro de
Namir, levantando-o. – O que Uivo fazia em sua vida particular é mais um segredo que foi levado com
ele, mas não tenho dúvidas de que ele era tão falho e tolo quanto todos nós.
Namir grunhiu. Gadren deixou o braço em volta dele, dando um pouco de apoio a Namir enquanto
caminhavam juntos pela rua principal do acampamento – uma estrada de terra flanqueada dos dois lados
por ferros-velhos e comerciantes de sucata –, ignorando os gritos dos mascates e ladrões.
– Você se lembra da batalha em Dreivus? – perguntou Namir. – A forma como celebramos depois?
Gadren fez um som oco, indicando que a memória o entretinha.
– Lembro. Você deixou uma boa impressão com as dançarinas em chamas. – Ele parou e coçou o
pescoço com uma mão. – Tique lembrou de Dreivus outro dia. Sentimos sua falta no clube.
Namir não respondeu. Gadren continuou falando.
– Tem outra campanha que sempre é relembrada. Essa foi antes do seu tempo. Antes do tempo de
Brand, e antes mesmo do tenente Sairgon juntar-se a nós. Já falei de Ferrok Pax?
Namir pensou em assentir, inventar uma desculpa e dar o fora. Ele gostava da companhia de Gadren,
mas não tinha certeza se podia aguentá-lo por muito mais tempo. Ainda assim, ele não tinha para onde ir.
As naves de desembarque não voltariam para a Trovoada pelas próximas horas.
– Acho que não – disse Namir.
Gadren acenou lentamente.
– Eu era novo na companhia, mal conseguia segurar uma arma de raios sem queimar o dedo. – Ele
chacoalhou seus dedos carnudos, como se inspecionasse por cicatrizes. – Éramos quase duzentos homens,
e marchávamos por dias pelas ruínas de um reino de protoespécies, tentando flanquear nosso inimigo. Se
tivéssemos ido pelos céus, teríamos perdido o elemento surpresa. Mas deixamos para trás uma trilha de
soldados que não podiam mais andar ou cuja fome devastava seus corpos, pois nossos suprimentos
estavam acabando. Perdemos homens corajosos para bestas terríveis, outros desapareceram, consumidos
por tecnologias alienígenas das quais não tínhamos conhecimento para nos defendermos. Então veio a
batalha. Vencemos naquele dia, contra uma ameaça risível e seus guerreiros diabólicos, e resgatamos os
rebeldes que tínhamos ido salvar. Mas apenas trinta e sete soldados da Crepúsculo sobreviveram à
missão.
“Duro até para os padrões da Crepúsculo”, Namir pensou.
– Então é por isso que eu não devo ter ouvido essa história antes – disse ele. – Não sobraram muitos
para contá-la. Não é exatamente animador.
– Não – disse Gadren. – Não é. Mas está gravado na história da nossa companhia. Na companhia de
Uivo. Ele liderou aqueles duzentos homens à morte, e ele liderou aqueles que sobreviveram. Ele
reconstruiu a companhia das cinzas do sacrifício deles.
Namir se endireitou e olhou para os olhos alienígenas de Gadren. Ele sorriu, mas ouviu um desafio em
sua voz.
– E você acha que… estou liderando a companhia para outro massacre?
– Não – disse Gadren novamente. – Acho que você teme os sacrifícios que fizemos, e os sacrifícios
que estão por vir. Uivo sentia a morte de seus homens tão intensamente quanto cada um de nós, mas ele
nunca ficou distante ou amargurado. Eu lhe disse no funeral de Uivo que eu nunca consegui entendê-lo;
porém, sei que ele acreditava que o sacrifício era a força da Crepúsculo, e ele manejava essa força para
um bom propósito.
– Se eu tivesse medo de sacrifícios – disse Namir –, nunca teria concordado com o plano de Chalis.
– Como queira – disse Gadren. – Mas nós seguimos você, não Chalis. E vamos dar a você, com prazer,
o que precisar para chegarmos aos estaleiros de Kuat.

Depois da trégua em Aglomerado Nove, vieram as minas nos asteroides do cinturão de Kuliquo. Namir
planejou o ataque pessoalmente, selecionando os vinte soldados em que mais confiava para sabotar o
maquinário em uma armadilha mortal privada de ar e luz. Sob o pedido de Gadren, ele concordou em
incluir Peste. Ela voltou das minas com um pedaço de ouro do tamanho de seu punho e o levou a Namir
como presente.
Ele o colocou sobre a mesa de seu escritório e, mais tarde, brincou com ele nas mãos enquanto Chalis
o atualizava sobre a situação em Kuat. Ela vinha gravando transmissões de comunicações imperiais e
decodificando sinais de baixa prioridade à noite, e parecia satisfeita com os resultados das ações da
Crepúsculo.
– A Legião de Stormtroopers 107 é especializada em controlar revoltas escravas e levantes de
trabalhadores. Três batalhões inteiros foram tirados da estável e previsível Kuat e deslocados para outro
lugar, graças a nós. – Ela, então, acrescentou rapidamente, levantando um dedo – E graças às idiotices
ingênuas de tantos velhos amigos do Conselho Executivo Imperial.
– Idiotice ingênua – ecoou Namir. – Não faz muito tempo que você estava desesperadamente
preocupada que o nosso plano pudesse ser descoberto.
– Por analistas da inteligência, absolutamente. Mas pelas pessoas com quem trabalhei por uma década,
e que decidiram que eu não era uma ameaça depois que parti? Não, não estou nem um pouco preocupada
com o que eles pensam agora.
Não havia leveza em seu tom, nenhuma tentativa de encanto. Raramente havia quando ela e Namir
estavam sozinhos.
– Então o que faremos em seguida? Se atingirmos muitos alvos mais, não estaremos em condições de
tomar os estaleiros, independentemente de quão fracos eles estejam.
– Mais duas paradas – disse Chalis –, apesar de que a resistência será grande. Vamos na direção do
coração do espaço imperial. Se metade das frotas inimigas não estivesse perseguindo o Alto Comando da
Aliança, não poderíamos nem chegar perto. No entanto, precisamos atacar rápido o bastante e forte o
bastante para que o Império não possa nos cercar.
– Mais duas – repetiu Namir. Ele revirou as palavras em sua cabeça como se o número significasse
algo real, como se oposição, campo de batalha e dias em combate versus dias em movimento não
tivessem a menor importância. – Eu posso conceder mais duas para você.
– Ótimo – disse Chalis. – Porque essa oportunidade desaparecerá assim que o Império reagrupar.
Tomamos Sullust em seguida, depois Malastare. Quando esses planetas estiverem nas nossas mãos, Kuat
será fácil. A vitória está ao nosso alcance, sargento. Só precisamos agarrá-la.

Sullust servia como centro de mineração e manufatura para o Império. Costumava ser um membro
orgulhoso e influente da República, mas tinha sido reduzido à posição de vassalo mendicante – uma fonte
de combustível para a máquina imperial, e um pouco mais. Suas cidades eram construídas como pedras
preciosas abaixo da superfície chamuscada e arrasada, acomodando bilhões de Sullustanos e gerações de
imigrantes de extramundo.
Sentado sozinho no refeitório da Trovoada, Namir ouvia conversas sobre a batalha que logo travariam.
Zab era o único que falava a língua nativa de Sullust. Hober ouvira boatos de movimentos de resistência
ao Império emergindo no planeta durante anos, esmagados pelos imperiais todas as vezes que
começavam a florescer.
Namir sabia apenas o que lhe era dito e o que ele lia nos registros instáveis do computador da
Trovoada. Ele nunca tinha visto um Sullustano antes. Ou talvez já tivesse, mas nem se dera conta.
No dia anterior à chegada da Trovoada a Sullust, ele fez outra tentativa de contatar o Alto Comando da
Aliança. Quando mais a Companhia do Crepúsculo penetrava em território imperial, mais difícil se
tornava abrir um canal seguro; aquela era, até onde Namir achava, a última oportunidade de encontrar
outro caminho. Depois disso, a companhia estaria verdadeiramente comprometida.
Não, ele pensou ao brincar com o ouro de Peste em seu dormitório e olhar para seu terminal. Isso era o
que ele poderia dizer a Chalis, mas não era verdade. Essa não era a última oportunidade para a
Crepúsculo. Era simplesmente a última oportunidade para ele contornar sua promessa.
“Se não pode seguir o que eles acreditam, talvez seja hora de se afastar.”
Ele decidiu dar à Crepúsculo o que ela queria: uma chance de enfrentar o mal do Império. Só a
Rebelião poderia libertá-lo dessa responsabilidade agora.
Depois de duas horas de espera, a Trovoada recebeu uma resposta de uma estação de transmissão
rebelde. Quando o holograma começou a piscar na mesa de Namir, ele franziu a testa para a mulher que
apareceu na imagem, tentando lembrar onde ele vira aquele rosto antes.
– Cuidado com o que diz, Trovoada – disse a mulher – e ande logo. Esse canal pode não ser seguro.
Hoth. Namir a conhecera em Hoth. Ele discutira com ela e Kryndal; ela o tinha socado na mandíbula.
Ele queria rir, mas se segurou e apenas sorriu. Ele se perguntou se ela o reconhecia.
– Compreendido – disse ele. – Talvez fiquemos fora de contato por um tempo e não recebemos novas
ordens. Algo que devamos saber?
– As últimas ordens ainda permanecem – disse a mulher. – O Alto Comando não reagrupou. Vader
ainda está liderando a caçada. – Ela fez uma careta, parecendo pensar em como iria dizer a frase
seguinte. – Vocês ainda estão com a… carga?
Namir empinou a cabeça antes de entender o significado. Aparentemente ela o reconhecia.
– Seguramente a bordo – disse ele. – Por que pergunta?
A mulher pausou novamente. O holograma tremeu. Namir achou que a comunicação tinha sido cortada,
mas, em seguida, ela falou com a voz distorcida pela estática.
– Por nada – disse ela. – O general Bygar tinha grandes esperanças, só isso.
O general que recebera Namir e Chalis na Base Echo. O homem que tinha preservado Uivo do
“problema disciplinar”.
– Mas Bygar está morto agora – continuou a mulher. – Assim como o plano antigo. Vocês estão
sozinhos, Trovoada.
– Não estamos todos? – perguntou Namir, e o holograma desligou abruptamente.

A Trovoada e a Promessa de Apailana saltaram para fora do hiperespaço a menos de meio milhão de
quilômetros de Sullust – tão perto que, na hora que as embarcações entraram em espaço real, a súbita
sucção da gravidade do planeta quase partiu as naves ao meio. Namir sentiu seu corpo ser jogado para a
frente contra as travas de segurança de seu assento em uma das naves de desembarque da Trovoada e
ouviu o barulho de metal no hangar. O alarme de emergência soou. Um instante depois, a voz do
comandante Tohna foi ouvida pelo sistema de comunicação esbravejando uma risada triunfal.
As defesas orbitais de Sullust eram formidáveis demais para arriscar uma luta direta; essa foi a única
coisa com a qual os oficiais superiores tiveram que concordar. A “solução” de Tohna – saltar para quase
do lado do planeta, despejar as naves de desembarque e saltar para fora antes que as defesas pudessem
coordenar um contra-ataque – tinha o potencial de dizimar a companhia em um nanossegundo se o salto
fosse mal calculado, mas Namir não tinha ouvido melhores alternativas e aprovou o plano. Havia
destinos muito piores do que uma morte rápida e tola.
O outro lado negativo da abordagem de Tohna era que ela não deixava tempo para uma primeira onda
de equipes abrir uma cabeça de ponte. As naves de desembarque desceriam juntas, e Namir, Chalis e os
médicos e engenheiros chegariam junto com a vanguarda da companhia. Rumores diziam que Hober tinha
enviado uma armadura e farda para o dormitório de Chalis com um bilhete dizendo: “Não disponível na
cor preta”.
Namir não tinha reclamações. Ele havia designado Chalis para uma nave de desembarque separada –
melhor não concentrar o risco – e se sentiu quase confortável esmagado entre as armaduras de seus
colegas e os fuzis batendo uns nos outros quando os propulsores da nave foram desativados e seus
ocupantes sacudiram. Aquela seria uma aterrissagem como centenas de outras que ele experimentara:
perigosa, suada e nauseante. Namir teve de se esforçar para não desmaiar ao entrar na atmosfera de
Sullust.
Não tinha certeza se conseguira se manter lúcido durante o voo. A única coisa que sabia era que a nave
de desembarque estava, enfim, desacelerando e o ronco de seus motores se aquietava. Ele foi o último
homem a pisar na superfície, caindo a dois metros das portas da baía, em cima de uma plataforma de
obsidianas quebradas e manchadas de amarelo. Um nuvem de poeira ocre se ergueu quando suas botas
tocaram o chão, e ele sentiu o gosto de cinzas pelo filtro de sua máscara de respiração.
A nave de desembarque voou de volta para o céu azul-acinzentado, perseguida por pontos pretos –
outras naves de desembarque ou aeronaves inimigas, Namir não sabia ao certo. Ele analisou os arredores
e viu que estava em um suporte estreito que se projetava a partir de uma imensa encosta preta. O suporte
devia cercar a montanha, pois não se via onde ele terminava em nenhum dos lados. Abaixo dele,
pequenas fendas desciam pela encosta, como leitos de rio, rumo a distantes estruturas metálicas
encrustadas na base da montanha – estações de transporte e abastecimento, ele pensou. “Alvos
secundários e possível ameaça.”
Acima de Namir, a encosta subia e se tornava cada vez mais escarpada na direção do pico da
montanha, onde havia outra estrutura metálica: um complexo de pináculos e armações de apoio, como um
parasita se alimentando do crânio da montanha.
Sinais de comunicação penetraram a estática, anunciando que os outros esquadrões haviam chegado em
segurança. Namir acenou para que os soldados de sua nave de desembarque se reunissem após
analisarem o perímetro.
– Temos vinte e quatro horas para voltar – ele avisou. – Não planejem comer, dormir ou esvaziar seus
intestinos. Estamos em território hostil e preciso de vocês prontos para o serviço.
Alguém gritou:
– Sim, capitão!
Namir fez uma cara feia. Será que todos o chamavam assim agora? Ele se abaixou, pegou algumas
lascas de obsidiana e as jogou ladeira abaixo.
– Ali embaixo – ele gritou –, enterrada sob o acampamento inimigo, está uma cidade sullustana. Se
acabarem chegando lá, deem meia-volta e comecem a escalar. Não serão necessários mapas para essa
missão.
– Lá em cima – ele continuou, e virou-se para olhar para o pico – está a fábrica de processamento de
minerais Inyusu Tor. É onde o Império se entoca nessa montanha e extrai minérios do magma. Essa
fábrica fornece quase 10% das matérias-primas para manufatura no planeta, portanto… é grande. É
importante. É nosso alvo.
Ele olhou em volta e viu cabeças acenando. Ao longe, em volta do suporte, outros esquadrões se
aproximavam. Ele apertou a correia do fuzil e sorriu como um soldado pronto para morrer por um
comandante idiota.
– Vamos nessa – disse ele.

Mesmo estando despreparada para um ataque e contando com poucas forças de segurança, a fábrica de
processamento era praticamente inacessível para a infantaria. Forças de solo precisariam escalar a rocha
impiedosa enquanto se defendiam uma barragem de tiros de armas vinda de cima. Se avançassem muito
rápido, os esquadrões seriam massacrados. Se fossem muito lentos, o Império teria tempo de organizar
um ataque aéreo.
Quando chegassem ao cume, as equipes precisariam forçar sua entrada para a fábrica. Abrir uma fenda
na parede seria perda de tempo com as ferramentas que a Crepúsculo dispunha – a fábrica era construída
para suportar calor vulcânico –, ao que sobravam apenas as entradas principais. Elas estariam protegidas
pela totalidade da força de segurança da fábrica; na melhor das hipóteses, a Companhia do Crepúsculo
poderia esperar um confronto leve até que unidades adicionais do Império chegassem de baixo da
montanha.
Mesmo assim, Namir enviou para a tentativa de ataque todos menos quatro esquadrões, além de uma
equipe de engenheiros, uma seleção de batedores e sentinelas para a retaguarda e uma porção de
médicos.
Ele e Chalis assistiam à investida a partir de um acampamento móvel cerca de cinquenta metros abaixo
da batalha. Era um lugar para onde os feridos poderiam recuar e um centro de comando para os oficiais,
longe do embate. Não era um lugar para onde os esquadrões poderiam se retirar se pressionados. Namir
tivera a árdua tarefa de informar os esquadrões duas vezes que não poderiam bater em retirada. Ele
assistiu aos tiros vermelhos de armas de raios em saraivadas contra a obsidiana da montanha, viu seus
colegas se protegendo desesperadamente atrás de pedras menores que speeder bikes. Ergueu seus
macrobinóculos e viu stormtroopers alinhados perfeitamente atrás das paredes da fábrica de
processamento, prontos para se protegerem assim que os rebeldes fechassem o cerco.
Enquanto os esquadrões iam subindo – dez, vinte metros no curso de uma hora –, o acampamento se
movia junto com eles. As patrulhas relataram airspeeders imperiais subindo das guarnições inferiores, e
Namir enviou a ordem para a cadeia de comando: avançar. Se aproximar. Se os esquadrões estivessem
perto o bastante do pico, os pilotos dos airspeeders relutariam em lançar bombas, por medo de danificar
a fábrica de processamento. Isso não os salvaria dos canhões de raios dos speeders, mas, com sorte, tiros
de canhão podiam ser evitados.
As equipes escalaram a montanha. O inimigo começou a recuar para as entradas da fábrica. Quando os
airspeeders entraram no campo de visão, Namir – agachado o mais próximo do chão que podia –
sinalizou para um dos médicos.
– Dê-me o Plex – ele gritou.
Chalis o observou de sua posição deitada no chão. Ela não disse nada. Talvez ela não entendesse o que
ele estava fazendo, ou ela sabia que ele precisava de uma distração para manter sua sanidade. Talvez ela
não desse a mínima.
A PLX-1 era uma arma desajeitada, robusta e pesada, da metade da altura de um homem. Os rótulos de
controle da Plex que Namir pegou com o médico já tinham sido apagados havia muito tempo; Namir
imaginou que ela fosse a única sobrevivente das primeiras gerações da Crepúsculo, quando Uivo e alguns
outros foram convocados pela Rebelião. Ele não precisava dos rótulos para ajustar suas configurações ou
confirmar sua carga.
Com a Plex apoiada sobre o ombro, Namir ficou de pé e desceu a encosta, para longe do
acampamento. Ele ouviu os gritos de seus soldados pelo comlink e os desligou. Precisava manter sua
cabeça desligada do brilho vermelho dos tiros de raios. Ao levantar o cano da arma para o céu cinza, ele
sorriu por estar sozinho no mundo, mesmo que por poucos instantes.
Um airspeeder apareceu em sua visão. Como Namir previa, ele veio em sua direção. Ele era um alvo
claro, o homem solitário na encosta de uma montanha. Então virou na direção do speeder, puxou o gatilho
do Plex e sentiu o ombro ser jogado para trás, conforme um foguete era lançado ao ar, cheirando a fumaça
e catalisador.
O airspeeder tentou desviar, disparando seus canhões. Estilhaços de pedras espetaram Namir quando
os tiros de raios atingiram o chão perto dele. Em seguida, o airspeeder se foi, consumido por uma bola de
fogo e fumaça preta. Namir respirou fundo, virou-se para a encosta e tocou em seu comlink.
– Como estamos? – perguntou ele.
– Prontos para a fase dois – disse Chalis.

Namir não conseguiu sentir o tremor da montanha embaixo dele quando a equipe de escavação de
túneis entrou na fábrica de processamento. Racionalmente, ele sabia que não era possível. Mas ele
imaginou ter sentido um tremor sob seus pés assim mesmo, e cerrou o punho em sinal de triunfo.
Enquanto a maior parte da companhia estava escalando para o cume, quatro esquadrões e uma equipe
de engenheiros haviam descido para as estações de transporte encrustadas na base da montanha. Lá, eles
roubaram um par de veículos de mineração e escavaram sua própria passagem, abaixo da encosta, para o
alto da montanha e para dentro da fábrica.
Mais tarde, os esquadrões de escavação falaram sobre terem aberto caminhos através de uma parede
subterrânea, assustando os trabalhadores Sullustanos. No momento certo, Namir ordenou aos esquadrões
da superfície que pressionassem com força os inimigos, então a equipe de segurança imperial e os
stormtroopers descobriram, chocados, que haviam sido emboscados entre os inimigos dos lados de
dentro e de fora da fábrica.
Mais uma vez, a Companhia do Crepúsculo venceu.

Havia sido Chalis que elaborara todo o plano, e Namir tinha duvidado dela – duvidara que os veículos
de mineração estariam armazenados onde ela falou que estariam, e duvidara que as máquinas poderiam
abrir passagem pela montanha rápido o bastante para vencer a batalha. Mas Chalis tinha fé nos sistemas
do Império e na seriedade de seus intendentes. Ela fora capaz de acessar os registros de estoque
imperiais e fornecer aos engenheiros da Crepúsculo os esquemas dos veículos.
– Você estava certa – disse Namir. Eles estavam juntos no escritório de segurança, olhando através da
janela para os trabalhadores sendo retirados da fábrica, em direção aos elevadores industriais e às linhas
de bonde que levavam para a encosta da montanha. Os soldados da Crepúsculo mantinham os Sullustanos
andando sob a mira de suas armas.
Chalis concordou com a cabeça. O peito dela subia quando ela suprimia uma tosse. Namir se
perguntou como ela estava lidando com o respirador; a fábrica filtrava a atmosfera, tornando as máscaras
de respiração desnecessárias lá dentro, mas o cheiro ainda era sulfuroso e pútrido.
Depois que o último dos trabalhadores foi retirado, os transportes foram desabilitados e os esquadrões
terminaram de vasculhar em busca de qualquer sinal de resistência. Então, os engenheiros começaram a
segunda tarefa do dia: programar os extratores de magma para inundar o interior da fábrica. O novo
programa seria rodado depois que as naves de desembarque chegassem para recolher a Crepúsculo, no
último minuto possível. A fábrica seria totalmente aniquilada quando a Trovoada já estivesse no espaço
sideral, e o Império estivesse privado de um dos recursos mais valiosos de Sullust.
Até lá, os soldados da Crepúsculo teriam, no máximo, doze horas. Namir designou patrulhas dentro e
fora da fábrica. Ele mantinha um canal de comunicação aberto e ouvia o relatório das sentinelas – com
perfeita regularidade, a cada trinta minutos – com airspeeders imperiais passando sobre a cabeça. Ele
não estava muito preocupado. O Império não tinha interesse em destruir seu próprio investimento, e não
sabia o que a Crepúsculo planejava.
Tarde da noite ou muito cedo pela manhã, ele atravessou uma das passarelas e observou um fluxo de
magma exposto. A corrente tinha um cheiro nauseante, mesmo através do escudo de calor, e iluminava
tudo em um vívido brilho vermelho. Quando Namir percebeu que Brand tinha chegado ao seu lado, a pele
dela parecia polida como bronze.
– Últimos números? – perguntou ela.
– Quatro mortos, dezesseis feridos – disse ele. – Tivemos sorte.
Brand acenou e enrugou o nariz. Namir queria rir com a reação reprimida e muito educada dela ao
odor.
– Alguém que você conhecesse bem? – perguntou ela.
– Não muito – disse Namir. Nomes e rostos que ele reconhecia. Homens, mulheres e alienígenas com
quem se sentara no refeitório ou treinara quando novato. Eram todos da Crepúsculo, todos família, mas
nenhum como Maediyu, ou Charmoso, ou Roja, ou Beak, ou mesmo Ajax; ou a técnica de comunicação
que ele jurou esquecer em Asyrphus. Com as perdas de hoje ele podia fingir que não se importava,
pessoas cujos fantasmas não o atormentariam a bordo da Trovoada. Ele começou a andar rente ao
corrimão da passarela, tentando olhar para o magma lá embaixo, mas sem conseguir fixar os olhos muito
tempo na superfície brilhante da corrente.
Brand o seguiu.
– É – disse ela. Ele não sabia dizer com o que ela estava concordando.
Os dois ficaram juntos assim por algum tempo. Namir pensou em todas as horas que passara em
silêncio e sozinho com Chalis – em Mardona III, na nave auxiliar de Hoth – e ficou um tanto encantado
com a ideia de como duas pessoas, ambas imóveis, poderiam estar presentes de jeitos tão diferentes.
Brand tornava-se uma com o que a cercava, como um pedregulho em uma montanha. Chalis era como um
prego em um painel de vidro rachado; sólida como aço, mas em tensão fundamental com o mundo à sua
volta.
– Por que estamos fazendo isso? – perguntou Brand.
Namir franziu a testa.
– Chalis disse…
– Não Sullust. Toda essa campanha. Kuat.
Certo. Isso.
– Eu fiz uma promessa – respondeu ele – de apoiar a Companhia do Crepúsculo e a Rebelião. Todos
aqui… – “Todos menos eu e Chalis”, pensou. – … se uniram para combater o Império. Estou oferecendo
à Companhia a melhor maneira que conheço de fazer isso.
– Hum – disse Brand.
Em um instante, a reserva de Brand pareceu tornar-se agressiva. O silêncio que era confortável agora
incomodava Namir.
– Que foi? – perguntou ele. – Diga.
Ela deu de ombros.
– Só estou pensando. Você alguma vez perguntou a Uivo por que ele fazia alguma coisa?
– Eu realmente não preciso de você me comparando com Uivo agora…
Ela continuou falando como se ele não tivesse dito nada.
– Ele nunca deu uma resposta. Isso porque ele nunca fez nada por um motivo. Nunca fez nada que não
contasse como vitória, mesmo em uma derrota militar.
– Pelo menos, não na cabeça dele. Talvez.
Ela deu de ombros outra vez.
– A questão é: tudo o que estamos fazendo é cuspir na cara do mal? Revidar só por revidar? Talvez
Gadren e Peste acreditem em alguma dessas bobeiras de sacrifício e honra do guerreiro, mas eu e você
estamos velhos demais para isso.
Ele se endireitou e olhou para ela. Ela olhou para ele, com a expressão mais indistinguível de sua
vida, e tudo em que ele pôde pensar foi: “Como ousa?”. Como ela ousava questioná-lo agora, e não em
Ankhural, quando as palavras dela teriam realmente importado? Ele sentiu vontade de dizer alguma coisa
que a espetasse, alguma coisa que a magoasse. Nada seria mais justo.
Ele sabia os segredos dela. Mas quando encontrou sua munição, deixou que ela voltasse para o oceano
de sua mente. Em vez disso, disse:
– Você tem alguma coisa de útil para mim? Ou só vai ficar questionando minha habilidade de
comando?
– Nenhuma das duas – disse Brand, e saiu andando.
Namir xingou com muita raiva por dentro.

A Trovoada iria chegar por volta de meio-dia. Cedo pela manhã, os soldados da Crepúsculo juntaram
os equipamentos que valiam a pena levar da fábrica. Os engenheiros programaram os extratores para
inundar o complexo com magma ao ligar de um interruptor. Namir enviou planos alternativos para as
naves de desembarque e os esquadrões, caso o suporte aéreo do Império tornasse a evacuação da fábrica
impossível.
Namir estava agachado do lado de fora da entrada principal, observando o céu com os macrobinóculos
e imaginando como seria a próxima missão da Crepúsculo – o ataque a Malastare, o último antes de Kuat
–, quando recebeu um sinal indicando que a Trovoada tinha entrado em órbita.
– Temos forte presença de caças TIE – disse o comandante Tohna. – Vamos voar a baixas altitudes.
Assim conseguiremos usar nosso poder de fogo para dar cobertura às naves de desembarque, enquanto a
Promessa e seus X-wings cuidam do nosso flanco. Vai ser um show e tanto.
Namir acenou para uma sentinela, e lentamente os esquadrões da Crepúsculo começaram a sair da
fábrica. Um engenheiro olhou para ele inquisitivo, mas Namir meneou a cabeça negativamente.
– Ainda não – avisou ele. – Espere pelas naves de desembarque. – Não há motivo para pressa.
Ele esperou que a Trovoada cruzasse as nuvens, ouvindo as atualizações de Tohna. Uma dúzia de caças
TIE destruídos, uma dúzia mais por vir. Três minutos até ele liberar as naves de desembarque. Dois
minutos. Uma sombra escura assumiu forma lá no alto, e os macrobinóculos melhoraram os detalhes até
que foi possível ver uma espaçonave.
– Um minuto – disse Tohna. – Preparem-se para embarcar. Estamos chegando perto!
Então uma dúzia de pontos entraram no campo de visão de Namir e Tohna começou a xingar. Lá do alto
veio um som igual ao de um trovão.
Namir, a princípio, não conseguiu ver o que estava acontecendo. Ele exigiu que Tohna o atualizasse,
mas ou o comandante o estava ignorando, ou não podia ouvi-lo mais. A sombra que a Trovoada formava
entre as nuvens continuou a crescer, indicando que a nave ainda estava descendo. Mas agora era possível
ver o halo vermelho e verde dos canhões de raios e turbolasers inflamando o ar.
Os soldados próximos observavam inquietos, murmurando perguntas que Namir não sabia responder.
Ele fez uma careta com a explosão de estática que penetrou seu ouvido; começou a ajustar seu comlink,
e então conseguiu ouvir uma nova voz:
– Crepúsculo? Aqui é a Promessa – disse uma mulher. – Fomos emboscados. Um maldito enxame de
caças veio por trás da lua. Estavam apenas esperando para que a Trovoada entrasse na atmo…
Namir começou a xingar alto. Uma dúzia de cabeças se viraram para olhar para ele. A Trovoada
parecia estar descendo rápido demais.
– Afastem-se – ele disse em seu comlink. Ele parecia mais calmo do que realmente estava. – Não
podemos ficar aqui. Afastem-se agora!
Mas a ordem veio tarde demais. A Trovoada não estava mais baixando com a ajuda de propulsores e
repulsores. Sua proa tinha inclinado e ela estava deixando um rastro de fumaça preta. Fogo envolvia seu
casco, mais claro que o brilho dos tiros de raios.
Todos os soldados da Companhia do Crepúsculo estavam parados na entrada da fábrica e se viraram
para olhar o transporte da tropa espiralando no ar. Ela conseguiu nivelar brevemente, então mergulhou de
novo. Era possível ouvir o ronco constante de seus motores como o quebrar das ondas do mar. Então ela
ficou fora do campo de visão, para lá da curva da montanha, e o chão tremeu.
A ordem para bater em retirada veio pelo comlink, a voz da mulher a repetia várias vezes, até que
uma explosão de estática finalizou a transmissão.
A Trovoada tinha sido derrubada. A Promessa e seus caças tinham ido embora, se não foram
destruídos.
A Companhia do Crepúsculo estava presa em Sullust.
C A P Í T U L O 29

P LANETA SULLUST

DIA 31 DA OPERAÇÃO FURA-BLOQUEIO

“Stormtroopers devem permanecer de uniforme sempre que estiverem em público.”


Era uma regra simples, uma regra básica, incutida na cabeça de cada cadete até que isso se tornasse
instinto. Thara Nyende acreditava nessa regra e sabia que ela era fundamental para manter a confiança do
público. Um stormtrooper sem um capacete era um indivíduo com nome, necessidades e metas próprias.
Não se podia confiar em indivíduos.
Um stormtrooper de uniforme representava o Império. Isso significava alguma coisa.
Nada disso explicava por que ela removera o capacete no departamento de segurança da Estação de
Transporte 4, em Pinyumb. Era improvável que ela fosse vista, mas ainda assim era possível. O visor
preto do capacete parecia a observar de cima do console, enquanto ela mastigava sua barra de ração.
Quando fosse feito o download da memória da armadura, ela provavelmente seria pega, sua indiscrição
marcada e automaticamente registrada em seu arquivo.
Ela apenas estava cansada.
Uma pausa de cinco minutos e um almoço adiantado seria pedir muito?
Nas últimas três semanas, ela vinha fazendo turnos diários de dez horas. Ela não recebera qualquer
tratamento ou aconselhamento após os horrores pelos quais passara a bordo daquela embarcação
terrorista rebelde. Sua audição ainda ia e vinha na orelha direita. Ela sabia que outros troopers em outros
mundos tinham passado por coisa muito pior, e ela não reclamava. Ainda assim, ela contraía-se toda vez
que abria a porta de um apartamento em busca de colaboradores rebeldes.
Se a caça por rebeldes fosse o único fardo, ela conseguiria aguentar. Mas desde a invasão ao planeta
de armazenamento, o Império vinha ordenando turnos mais longos dos trabalhadores civis também. Isso,
por sua vez, significava mais fiscais e equipes de segurança para impor padrões. Novos transportes
chegavam quase que diariamente de extramundo, enquanto outros fiscais eram contratados na região e
rapidamente treinados. A cidade inteira estava cansada, e Thara não tinha lugar nenhum para descansar. A
Rebelião também era culpada por isso – as invasões continuavam em outros setores, e Sullust tinha que
fazer alguma diferença como pudesse.
Certa noite, ela visitou a cantina de seu tio. Ela foi discreta. Só queria ver como ela estava
funcionando em sua ausência, enquanto ele ainda aguardava por seu julgamento ou liberação nas unidades
de retenção.
– Se a Frente Cobalto não tivesse decidido bombardear as fábricas em vez de escrever cartas para o
governador – disse um dos mais velhos –, talvez ainda tivéssemos alguém para quem reclamar.
– A Frente Cobalto nunca se importou com os direitos dos trabalhadores – outro argumentou. – A
Rebelião estava por trás dela desde o início.
– Não importa agora – disse um terceiro (um homem envolto em bandagens ao redor dos olhos
queimados por vapor). – Não importa quem é o culpado. Reze para que a tempestade passe, e que a
colheita seja mais rica após a chuva.
Mas a tempestade não tinha passado.
Em vez disso, a Rebelião enviara um exército para Sullust.

Thara não tinha lutado durante a invasão. Ela estivera na fábrica de processamento ou nas guarnições
da superfície, e quando a enviaram para patrulhar à noite – designada para um esquadrão de
stormtroopers cheio de veteranos extramundanos que sabiam reconhecer a especificação de uma arma de
raios só pelo som de seu gatilho – ela tremia toda vez que via uma figura distante na montanha. Ela tinha
quase atirado em uma speeder bike pilotada por um aliado; só a ordem furiosa e grosseira de seu
sargento a impedira.
Ela estava disposta a lutar. Ela iria à fábrica se recebesse ordens para tal, atiraria em rebeldes e
vingaria os colegas que havia perdido. E ela estava disposta a seguir os protocolos impostos a ela na
reunião da manhã: instruções para uma ação disciplinar na cidade, caso tanto cidadãos de Pinyumb como
infiltrados rebeldes aproveitassem a oportunidade para atacar. Buscas de porta em porta, batidas em
subversivos ou suspeitos de subversão, interdição em todas as áreas residenciais e locais de trabalho…
ela sabia qual era seu dever. E esperava que medidas drásticas não fossem necessárias, mas estava
preparada para aplicá-las se fosse o caso.
Mas depois de tantas semanas de caça, revistando residências e cidadãos e esperando pela próxima
bomba explodir; depois de tantos turnos de dez horas que terminavam com seu rosto colado num
travesseiro áspero, chorando, ela precisava de um momento – só um momento – para si mesma.
Então ela mastigou sua barra de ração lentamente e tentou não olhar para o capacete apoiado no
console de segurança diante dela.
Ela mal tinha terminado de comer quando seu comlink disparou um sinal de emergência.
Thara jogou a barra e o invólucro no chão, recolheu seu capacete e o vestiu a tempo de ver a cascata
de dados que surgiam em seu display. Havia uma emergência na superfície. As equipes de stormtroopers
estavam sendo enviadas para as ruas de Pinyumb e para as guarnições superiores. Todas as unidades
deveriam estar prontas para o combate.
Ela sentiu uma onda de culpa por negligenciar seu dever e a ignorou em seguida. Ela era SP-475 da
97a Legião de Stormtroopers Imperiais, e tinha recebido ordens para se reportar aos níveis superiores da
estação de transporte. “Será que os rebeldes estavam descendo da montanha?”, ela se perguntou. “Será
que a cidade seria atacada?”
Vinte outros troopers ocupavam o elevador de carga quando ele subiu para a superfície. Quando ela
saiu do metal do elevador e pisou no chão rochoso, seu display piscou, se adequando à luz externa. Ela
ouviu vento, e por trás do vento um guincho estrondoso. Por trás do guincho, era possível distinguir o
som de armas de raios, distante e fraco.
Seus colegas soldados estavam olhando para cima, apontando para alguma coisa no céu. Ao assumir
seu posto, ela viu uma nave caindo na montanha, envolvida em fumaça preta e fogo. Era enorme. Era uma
embarcação rebelde. Tinha que ser.
Quando ela atingiu a encosta da montanha, a colisão soou como a explosão a que ela tinha sobrevivido
no espaçoporto.
Desta vez, ela tinha certeza de que Pinyumb inteira sofreria.
C A P Í T U L O 30

ARREDORES DO SET OR BREMA

2 DIAS ANTES DO CERCO DE INYUSU TOR

O capitão Tabor Seitaron estava contente.


Ele tinha se esquecido de como ter um plano era importante. Racionalmente, é claro, ele sempre
entendera isso, e tinha ensinado aos seus estudantes sobre como ter um propósito era essencial para o
moral da nave. Ainda assim, em suas semanas a bordo da Arauto, ele se esquecera do fato de que também
era parte da tripulação do destróier estelar. Quando seus homens observavam a desconfiança do prelado
Verge e temiam por suas vidas, Tabor compartilhava de seu medo.
E quando Tabor percebeu o elo comum entre os alvos da governadora Chalis – não numa epifania, mas
gradual e imperceptivelmente, como uma ideia inevitável –, e quando ele dividiu esse conhecimento com
o prelado e os dois caminharam confiantes para fora do centro tático… bem, o ânimo a bordo da Arauto
mudou, e, com ele, o ânimo de Tabor .
Ele se sentia jovem de novo ao andar pela ponte e acenar com aprovação para seus homens nas
estações de trabalho. Os fatos pareciam irrefutáveis agora, e a solução também.
Fato: a governadora Chalis e sua companhia de infantaria estavam atingindo alvos fáceis ao longo da
Rota Comercial de Rimma.
Fato: a experiência da governadora Chalis era no maquinário logístico do Império.
Extrapolação: a meta dela não era militar. Sobretudo, ela pretendia enfraquecer a infraestrutura do
Império.
Por quais meios exatamente, Tabor não sabia nem precisava saber. Sua única preocupação era
discernir o padrão existente e analisar o próximo passo de Chalis. Ela seria impedida no meio do
caminho, e quem se importaria com o destino final?
Ele tinha trabalhado com o prelado Verge para reduzir a lista dos alvos em potencial de Chalis de
centenas para dezenas. Dos alvos que permaneciam – fábricas de manufatura, docas espaciais e rotas de
navegação –, eles separavam qualquer um que não condissesse com o padrão secreto de Chalis, qualquer
um que não tivesse o elo que os levava inexoravelmente à governadora. Eles chegaram tarde demais para
impedi-la em Nakadia e Kuliquo, mas os ataques haviam provado que Tabor conseguia prever as ações
da governadora.
Agora só haviam sobrado algumas possibilidades. Sullust. Malastare. Tshindral. Então eles
resolveram preparar todos para um ataque.
– Ela vai fugir se vir um inimigo a postos – ele disse a Verge. – Ela é covarde demais para enfrentá-lo.
Precisamos manter distância até que ela caia na armadilha. Quando chegar a hora, a presa será sua.
Essa hora estava se aproximando rapidamente. Ele tinha certeza disso.
O oficial de comunicação levantou de sua estação de trabalho e ficou tenso ao chamar a atenção de
Tabor.
– Capitão! – disse ele. A voz dele estava levemente trêmula, mas seus lábios formavam um sorriso
tímido. – Temos um sinal vindo de Sullust!
– E? – perguntou Tabor.
– A Trovoada e suas escoltas estão dentro do sistema. Você estava certo.
Os oficiais começaram a aplaudir. Era uma quebra de protocolo que Tabor poderia perdoar – esse era
um triunfo deles tanto quanto seu, e eles mereciam saboreá-lo. Eles mereciam um lembrete de que eram
dignos de seus postos a bordo de um destróier estelar, dignos do poder de destruir planetas e frotas de
batalha.
Ainda assim, ele não sorriu.
– Traga o prelado para a ponte e me atualize dos movimentos táticos – disse ele grosseiramente. – Vou
precisar também de um canal com o Esquadrão Vixus.
A tripulação de ponte se preparou para o trabalho. Tabor se recolheu para o centro tático para
considerar as opções. Sullust, muito provavelmente, não iria repelir a Trovoada. Era melhor assim; Verge
insistiu em não informar os governadores regionais do status do alvo em seus sistemas por essa mesma
razão. Mas Verge também tinha dividido bem suas forças, ocultando esquadrões de interceptadores TIE
perto das vítimas mais prováveis de Chalis.
– Muito bom! – declarou a voz do prelado. Tabor sentiu a mão do garoto apertando seu ombro. – Eles
estão seguindo o procedimento padrão?
– Enviando naves de desembarque para a superfície do planeta? Sim, prelado. – Tabor passou a mão
por cima do holograma tático, alternando de uma visão do aglomerado de estrelas para a imagem direta
de Sullust. – Vixus está pronto para se deslocar, mas imagino que o transporte da tropa rebelde irá fugir
assim que a inserção estiver concluída…
Verge balançou a cabeça bruscamente, com desdém.
– Não há pressa – disse ele. – Nossa presa é Chalis, não uma manada de soldados rebeldes. A menos
que tenhamos absoluta certeza de que ela está com as forças de solo.
– Nenhuma evidência disso também – disse Tabor.
– Então a nave permanece a prioridade. E ela vai voltar assim que a missão em solo for concluída.
Tabor sorriu sombriamente.
– De acordo. Vou avisar Vixus para se deslocar para Sullust e se preparar para a volta da Trovoada.
Talvez seja bom contatar as forças de solo para garantir que a companhia rebelde não seja totalmente
dizimada. É improvável que isso aconteça, mas se eles tiverem sorte… – Ele deu de ombros. –
Precisamos ter certeza de que a Trovoada terá um motivo para voltar.
Verge riu, jogando a cabeça para trás sem vergonha nenhuma. O som era exuberante e contente, cheio
de vida e paixão. Isso encorajou ainda mais o ânimo de Tabor... mas só por um instante, até que se
lembrou de onde vinha o prazer do garoto: de sua louca obsessão por extravagância, de seu terror
dissimulado e de sua crença messiânica de que ele era o precursor de um novo estilo de vida imperial.
De repente, Tabor se sentiu velho de novo. Seus músculos pareciam muito atrofiados para sustentar seu
corpo ereto. Mas ele sorriu novamente e foi tratar de suas tarefas. Talvez a vitória e o exemplo de Tabor
trouxessem juízo ao garoto, refinassem seu gênio para algo mais maduro.
Em uma hora, o Esquadrão Vixus estava a caminho de Sullust. A Arauto tinha traçado seu curso para lá
também, embora fosse chegar mais tarde. Era uma pena, pensou Tabor, que a tripulação não fosse
testemunhar a queda da Trovoada pessoalmente, depois de tudo o que fizeram… apesar disso, ele tinha
certeza de que o resultado seria igualmente satisfatório.
– Quando tudo isso acabar – disse Verge, ao lado de Tabor, em frente à escotilha da ponte, observando
o vórtice azul da ondulação do hiperespaço em volta da nave –, você sabe que será recompensado. Eu e
você ficaremos diante do imperador juntos. Seu papel nessa empreitada foi essencial.
Tabor desejava apenas voltar para casa: para suas aulas, seu chá, para o aroma de natureza, o céu e a
gravidade de Carida. Mas ele conhecia o prelado o bastante para saber que não deveria dizer isso.
– Obrigado, prelado.
Verge riu e tocou um dedo na escotilha, deslizando-o pela superfície de transparaço como se pudesse
sentir o pulso do hiperespaço.
– Creio que nem a tripulação desta nave o esquecerá. Não sei o que o futuro nos reserva, mas estou
ansioso para ver a próxima performance deles.
Tabor virou a cabeça e olhou de soslaio para as estações de trabalho. Ele analisou os homens que o
aplaudiram, cujos medos ele apaziguou e cujo propósito ele delicadamente nutriu desde que viera a
bordo. O capitão tentou imaginar o que eles poderiam querer como recompensa.
– Tenho certeza de que você fará o melhor por eles – disse Tabor. – E eles darão o seu melhor a você.
C A P Í T U L O 31

P LANETA SULLUST

DIA 1 DO CERCO DE INYUSU TOR

Namir tinha meia dúzia de esquadrões de busca e resgate prontos para agir. Talvez a composição deles
não o agradasse muito – pouquíssimos médicos e engenheiros, muitos especialistas em demolição –, mas
todos estavam prontos para o combate e podiam viajar rápido. O resto da companhia ficaria para trás, na
fábrica de processamento, preparando as defesas para um ataque.
Porque um ataque certamente viria, e a Companhia do Crepúsculo não tinha para onde fugir.
Ele sinalizou para que a primeira onda fosse na frente. Patrulhas em speeder bikes saqueadas do
hangar da fábrica aceleraram descendo a encosta da montanha, em direção à nuvem de fumaça preta que
subia ao céu. O restante dos esquadrões precisaria chegar à Trovoada – ao que quer que tivesse sobrado
da Trovoada – a pé. Ele acenou para Carver, que começou a falar em seu comlink. Botas começaram a
bater contra o solo rochoso de obsidiana, enquanto os líderes de equipe gritavam ordens de marcha.
Namir ajustou o capacete e a máscara de respiração, apertou a correia do fuzil e começou a seguir,
quando uma voz surgiu em seu comunicador.
– Eles estão mortos e precisamos de você aqui. Pare com isso – disse Chalis.
Namir não respondeu. Em vez disso, ele se juntou aos soldados que desciam com dificuldade a rocha
na direção de sua nave perdida. Ele tentou lembrar quantas pessoas estariam a bordo da Trovoada – mais
de trinta membros da tripulação permanente, alguns membros da companhia não autorizados para
combate terrestre…
… e soldados feridos, inaptos para o serviço.
Quantos seriam? Von Geiz saberia, mas ele também estava a bordo da Trovoada.
“Que inferno.”
O trajeto até a nave era cruel. Um tombo fez Namir escorregar por um banco de cascalho e arranhar
feio as mãos. O relato das patrulhas exigia que ele avançasse, que ele continuasse correndo,
independentemente do terreno. A nave ainda estava parcialmente intacta, disseram as patrulhas; o reator
não tinha detonado com o impacto. Ainda poderia haver sobreviventes.
Quando avistaram a embarcação, porém, foi difícil manter as esperanças. A Trovoada estava apenas
intacta na parte que não tinha sido completamente destruída. Mesmo de cima da montanha, mesmo através
da fumaça, Namir pôde ver uma imensa brecha no centro da nave. Se ela tivesse tentado alçar voo, teria
se quebrado ao meio.
Pouco depois, as patrulhas reportaram que airspeeders imperiais estavam a caminho. Se houvesse
qualquer chance de salvar os sobreviventes, teriam de resgatá-los antes que os bombardeios reduzissem
os destroços da nave a uma cratera cheia de metal fundido.
Adiante, Namir ouviu a primeira onda de equipes de busca e resgate gritar cada vitória e perda. Eles
arrancaram as portas e encontraram membros da tripulação de ponte presos sob os consoles, feridos, mas
ainda vivos. Encontraram as partes quebradas do M2-M5 espalhadas pela área médica; o ato final do
droide sarcástico tinha sido tentar proteger os feridos. Quando Namir chegou à cena, Von Geiz – com o
rosto manchado de sangue, vermelho como uma luz de emergência – tinha começado a fazer a triagem:
contabilizando os mortos, enviando os casos mais graves para a fábrica de processamento em speeder
bikes, mandando o resto se reagrupar à Crepúsculo a pé.
Namir estava feliz por deferir à experiência do velho médico. Ele manteve a conversa breve enquanto
se protegiam embaixo de um fragmento do casco e ouviam os canhões de raios espatifarem as pedras ao
redor deles.
– Quantos ainda falta conferir? – perguntou Namir.
– Talvez mais vinte – disse Von Geiz. – Não temos como acessar os deques inferiores.
– Continue tentando – disse Namir. – Mas, se começarmos a perder nossa linha de recuo, nos
retiraremos todos.
Von Geiz concordou. Ele estava na Crepúsculo havia muito tempo, e sabia quando um paciente estava
longe de poder ser salvo.
Ao cair da tarde, os esquadrões formaram uma corrente entre o local do acidente e a fábrica de
processamento. Namir escoltaria uma porção de membros da tripulação que estavam mancos e feridos
uns cem metros acima da montanha e os entregaria para o esquadrão seguinte, assegurando-lhes que o
abrigo não estava longe. A equipe de Zab montou uma tocaia improvisada de atiradores de elite acima do
acidente, para oferecer cobertura enquanto os outros recolhiam cilindros de bacta líquido e aparelhos
médicos. Ao cair da noite, Namir dobrou os joelhos para dar apoio ao comandante Tohna, que pesava
sobre seus ombros, apertando os farrapos de sua luva na máscara de respiração do homem enquanto o
piloto da Trovoada urrava de dor.
– Muitos inimigos, muito perto – disse-lhe Namir. – Não podemos perder nossa posição.
Bombardeiros mais pesados finalmente chegaram pouco depois do anoitecer, esburacando ainda mais
a Trovoada e mandando para os ares estilhaços de metal e ossos. Houve poucas baixas no esconderijo,
mesmo com a infantaria imperial já visível no horizonte, e apesar seus batedores estarem constantemente
atirando contra eles. Namir não lembrava de ter dado a ordem de retirada, embora soubesse que devia ter
feito isso. Sua boca tinha gosto de cinzas e seus lábios estavam rachados quando ele começou a marcha
final. Ele já tinha parado de suar havia horas, e suas pernas doíam a cada passo montanha acima. Por
apenas um instante, ele se perguntou como estaria a situação lá na fábrica de processamento, então
afugentou essa dúvida da mente. “Você primeiro deve sobreviver”, ele disse a si mesmo. “Depois,
descobrir uma maneira de salvar a Crepúsculo.”

Dos soldados que haviam se juntado aos grupos de resgate, cinco estavam desaparecidos quando
Namir voltou correndo para a fábrica de processamento, serpenteando pelo labirinto de barricadas
improvisadas com equipamentos industriais.
– Se eles não voltarem em uma hora, presuma que estão mortos – ele disse a Tique, que estava de
guarda no posto de sentinela mais interno. – Se eles chegarem mais tarde, podemos acreditar em
milagres.
Ele se sentia simultaneamente vazio e pesado, como se fosse apenas a casca de um corpo com pele de
chumbo. Homens e mulheres corriam para o seu lado enquanto ele caminhava por um corredor de acesso
central iluminado com uma tênue luz amarela. Ninguém lhe trouxe água, comida ou luvas limpas. Pelo
contrário: eles o sobrecarregaram com relatórios e atualizações sobre a Promessa de Apailana, que
parecia ter fugido intacta de Sullust; uma equipe estava tentando fazer contato e determinar a posição da
nave de combate. Eles falaram sobre forças de infantaria imperiais lentamente fechando cerco,
circulando a base da montanha. Consideraram a possibilidade de reparar a Trovoada – factível com os
recursos apropriados, mas impossível sob fogo inimigo –, e também listaram o que poderia ser
aproveitado dela.
Namir tentou absorver tudo, compreender os relatórios e prover orientação para quem precisava.
Depois que de ter respondido à última demanda urgente, ele puxou de lado um dos recrutas de Haidoral
cujo nome ele não recordava.
– O que precisa, capitão? – perguntou o homem.
Namir não o corrigiu.
– Quero ver o hospital de campo – disse ele. – Quero água. E quero me encontrar com a governadora
Chalis.
Depois de tomar sua água e controlar seu estômago após aspirar os odores terríveis da área médica,
ele encontrou Chalis no escritório administrativo. O vasto espaço tinha sido rapidamente esvaziado –
provavelmente pelo administrador quando a Crepúsculo apareceu –, e os nichos nas paredes que podiam,
algum dia, ter servido de apoio para placas ou prêmios, agora estavam vazios. Um sofá estofado estava
chamuscado em uma ponta, e, ao lado dele, uma pilha de caixas guardava os registros da fábrica. Chalis
sentou-se à frente de uma mesa aparentemente esculpida em um bloco maciço de pedra da montanha,
segurando a borda da rocha com os dedos, como se esperasse que ela fosse ser reduzida a pó.
– Alguém planejou isso – disse ela, com a voz tensa e áspera. Ela nem se incomodou em perguntar a
Namir sobre a operação de resgate. – Assim que pousamos, eles estavam se preparando para impedir
nossa fuga.
“E de quem é a culpa disso?”, Namir quis perguntar. Mas ele não queria saber a resposta. Agora,
pouco importava.
– Então o que faremos em seguida? – ele acabou perguntando.
– Nosso inimigo, que, para facilitar, vamos presumir que seja o prelado Verge, deve estar trazendo
reforços para nos aniquilar. Eu esperaria um destróier estelar dentro do sistema em breve. Só um já seria
o suficiente.
– Um só já seria o suficiente em Hoth também. – Ele se jogou no sofá. – A que velocidade essas coisas
se movem?
– Mais rápido que uma corveta rebelde detonada que não está lá no seu auge. Eu não daria mais que
um ou dois dias, no máximo.
Ele queria se distrair um pouco, parar de pensar por um instante. Mas se forçou a falar.
– Então primeiro, de alguma maneira, precisamos sair do planeta. Bem para lá da Orla Exterior, para
lambermos as feridas…
– O quê? – Chalis, de repente, perdeu a calma. Namir se endireitou no sofá.
– Eles sabem – disse ele, com a frustração dando-lhe forças novamente. – O prelado anteviu nosso
plano. Você disse várias vezes que se isso acontecesse…
– Ninguém sabe o que vamos fazer – disse ela. Quando ia continuar, começou a tossir, com o peito
arfando e a cabeça tombada à frente. Namir queria desviar os olhos, mas Chalis nunca se afastava dele,
como se tentasse mantê-lo parado até que ela concluísse. Quando o acesso de tosse diminuiu, ela falou
lenta e roucamente. – Mesmo que o prelado tenha visto algum padrão – disse ela –, isso não significa que
ele saiba nossas metas. Podemos nos ajustar. Podemos sobreviver a uma perda. A janela de oportunidade
ainda está aberta.
Namir a observou. As mãos dela ainda estavam agarradas à pedra da mesa.
– A menos – ela acrescentou, e deu um sorriso forçado e mortal – que queira anunciar à companhia que
vamos desistir?
Namir começou a rir.
Ele não sabia dizer o porquê. Não era uma risada de zombaria ou de alegria, e ele sentia o gosto de
cinzas subindo de seus pulmões, tornando seus lábios arenosos. Chalis manteve a expressão congelada, e
finalmente ele balançou a cabeça.
– Você é quem gosta de dar discursos – disse ele. – Se chegar a esse ponto, talvez você deva dizer isso
a eles.
Os dois ficaram se olhando. Por fim, o sorriso de Chalis desapareceu. Afastando-se da mesa, ela
caminhou até uma mesa no centro do escritório onde ficava um jarro de metal. Ela o ergueu, olhou em
volta, então deu de ombros e trouxe o jarro até o sofá. Namir o pegou e bebeu prazerosamente. A água
morna tinha um gosto amargo; ele se lembrou da água do poço de Crucival.
– Do meu ponto de vista – disse Chalis –, temos dois desafios pela frente. Primeiro, precisamos
sobreviver ao cerco que está se formando e, se possível, aos reforços que Verge despejará sobre nós.
Segundo, precisamos de uma maneira de sair de Sullust.
– Sugiro – ela continuou –, e estou aberta a alternativas, que você se preocupe com o primeiro desafio.
Crie uma maneira de não morrermos. Eu me concentro no segundo.
Ela ainda estava de pé na frente dele, acima do sofá. Namir levantou-se e apoiou o jarro sobre a mesa.
– Muito bem – disse ele. – Isso significa que você tem um plano?
– Terei – disse Chalis secamente, como se fizesse um juramento.

A companhia trabalhou durante a noite inteira preparando a fábrica para o ataque. Namir fez uma ronda
pelo centro de processamento, caminhou por entre os soldados, ofereceu força ou conselho onde podia
ser útil e se afastou onde não o queriam.
Nos andares inferiores, os engenheiros lutavam para desfazer os ajustes que haviam realizado nos
extratores de magma. Inundar a fábrica não era mais um dos objetivos a curto prazo da Crepúsculo, mas a
rocha derretida poderia se provar útil para defender a fábrica: se o Império tentasse imitar a estratégia
anterior da Crepúsculo de mandar veículos de escavação por baixo do complexo, os invasores
encontrariam a Crepúsculo pronta para redirecionar o fluxo de magma.
Era o tipo de truque sujo que vencia guerras – imprevisível, injusto e mortal. Namir sorriu
sombriamente quando Vifra – a nova chefe de engenharia da Crepúsculo desde a destruição de M2-M5 –
lhe descreveu o que tinha em mente, e ele a desafiou a ir ainda mais longe.
– Você estava já estava na Companhia durante a Batalha de Cartao? – perguntou ele.
Vifra tomou um susto e olhou para seus camaradas que desmantelavam um terminal de controle. Ela
parecia estar procurando apoio.
– Eu acabei de entrar – disse ela. – Entrei para a companhia há seis meses, direto de Phorsa Gedd.
Namir se deu conta de que, provavelmente, estava lá em seu recrutamento. Mas ela era uma
engenheira, portanto nunca a treinara, nunca a chamara de novata. Ela devia ser boa para caramba para
ter subido tão rapidamente de posto, mesmo considerando o rápido atrito da companhia. Ele tomou nota
para conhecê-la melhor.
– Não importa – disse ele. – Mantenha-nos vivos, e eu conto sobre Cartao mais tarde.
Quando Namir voltou para os andares superiores, o trovejar distante das bombas imperiais fazia
parecer que havia uma tempestade fora das paredes da fábrica. Em um posto de vigia acima do muro
principal, ele podia ver flashes em torno do pico da montanha, ver feixes de luz no céu por onde
passavam os bombardeiros. O Império não estava tentando destruir a fábrica – ainda queria preservar sua
infraestrutura –, mas estava fazendo tudo que podia para conter a Companhia do Crepúsculo.
Ainda assim, Namir pensou, isso significava mais tempo para se preparar.
Os labirintos de barricada nas entradas da fábrica tinham se transformado com o passar das horas,
reorganizados para afunilar os inimigos em zonas de morte e permitir uma boa visão para os atiradores
de elite. Os labirintos eram obras de arte – um ferro-velho de elevadores de carga sabotados, pilhas de
partes sobressalentes e máquinas de bebida –, mas Namir redirecionou a maioria dos soldados que os
construía para outra tarefa.
– Se o inimigo se aproximar – ele disse a um grupo –, vamos perder de qualquer jeito. Quero
esquadrões em volta do perímetro, em posições que possam sustentar. Mantenham o Império no pé da
encosta, façam com que eles tenham que lutar por cada metro que escalarem.
Isso significava, é claro, cavar trincheiras e coletar peças de artilharia próximas dos locais dos
bombardeios, na esperança de que poeira, noite e precaução lhes dessem cobertura suficiente. Namir não
pediu voluntários nem ofereceu às tropas a chance de voltar atrás. Ele via que eles estavam com medo –
os novos e os velhos, veteranos e novatos. De qualquer forma, o trabalho tinha que ser feito, e eles foram
sem reclamar.
Ele sentia uma mistura de orgulho e culpa ao continuar a ronda. Ele viu os soldados colocarem suas
perdas de lado – as mortes de seus colegas e a destruição de sua nave –, determinados a fazer sua parte
em uma situação impossível. Se eles sobrevivessem, haveria trauma e sofrimento. Alguns perderiam o
chão: eles iriam se colocar na linha de fogo, pediriam remoção para tarefas sem combate ou sairiam
durante uma missão e nunca mais retornariam. Mesmo assim, ele confiava que todos eles se manteriam
unidos até o fim da batalha.
Ele os liderara até Sullust com a promessa de enfrentar o Império. Ele era responsável pelo destino de
todos. E se eles podiam se manter firmes, ele também podia.
O sol despontou acinzentado no horizonte, e Namir se reuniu rapidamente com os líderes de esquadrão
e oficiais superiores esboçando um plano de batalha para o cerco que estava por vir. Hober e Von Geiz
contaram os mortos e feridos, quantificaram a capacidade da companhia o máximo que puderam. Isso
parecia não importar diante de todos os inimigos que enfrentariam, mas Namir, Carver, Gadren, Mzun e
os outros fingiram que a batalha poderia ser vencida.
– Chalis não devia estar presente? – perguntou Von Geiz abruptamente. Ele havia limpado o sangue do
rosto e enrolado uma gaze envolta de sua cabeça, de forma a proteger a testa e o olho esquerdo. Os outros
olhavam para Namir, que balançou a cabeça.
– Se ela tivesse um plano, estaria aqui – disse ele. – Deixe-a trabalhar.
Ele tinha visto amargura e fúria dentro dela durante o último encontro deles, mas não a desolação que
testemunhara em Ankhural. Ele confiava que ela faria o que pudesse.
Não havia escolha a não ser acreditar que ela também se manteria firme.

Namir dormiu no chão de um dos escritórios do andar superior, deixando instruções com Hober de
acordá-lo caso acontecesse alguma coisa. Não haviam se passado nem duas horas quando um mensageiro
chegou com uma bandeja de comida e notícias de que Chalis queria vê-lo.
Ele devorou a comida – boiando nos compartimentos da bandeja estava uma espécie de sopa de
macarrão aparentemente obtida do armário de algum funcionário – e tentou juntar forças. O descanso
tinha elevado suas energias, e a comida ajudou também; mas o estímulo seria gasto rapidamente, e suas
pernas ainda estavam doloridas e latejando por causa da ida e volta até a Trovoada. Namir estava quase
torcendo para ver combate. Pelo menos, a adrenalina poderia carregá-lo pelo resto do dia.
Chalis tinha redecorado o escritório administrativo, movendo o sofá e as caixas para um lado e
cobrindo o chão com mapas da montanha e suas vizinhanças. Em um dos nichos agora estava um busto de
bronze de um homem sério. Namir não teve tempo de examiná-lo antes de Chalis cruzar a sala para ficar
ao seu lado.
– Eu quero ir a Pinyumb – disse ela.
Namir franziu a testa, tentou se lembrar do nome – todos os nomes sullustanos pareciam iguais – e
xingou sua mente preguiçosa. Finalmente, ele encontrou o que procurava.
– A cidade na base da montanha? – Chalis não o corrigiu, então ele imaginou ter dado o palpite
correto. – Para quê?
– Sabemos que havia uma resistência nesse planeta – disse Chalis. Isso era verdade: os arquivos a
bordo da Trovoada tinham indicado isso, embora o Alto Comando da Aliança não soubesse, ou não se
importasse em dividir, mais do que o essencial. – Os registros de Luko mostram que eles atacaram essa
fábrica recentemente e estão ativos na cidade.
– Luko? Você tratando pelo primeiro nome o ex-administrador desse lugar? – perguntou Namir,
olhando novamente para as caixas de arquivos.
Chalis parecia impassível à piada.
– Eu tive tempo para pensar. Não podemos manter um canal com a Promessa por mais de um minuto
sem sermos interceptados, o que torna difícil um plano de extração. Não que a Promessa tenha espaço
para nos levar a bordo, mas precisaremos de alguma defesa quando conseguirmos sair deste planeta…
– Entendi – disse Namir. – O que acha que a resistência pode fazer por nós?
– Qualquer coisa iria ajudar. – Ela meio que sorriu, com um tremor frio e enjoado nos lábios. – Não
estou esperando uma espaçonave, mas mesmo informação já seria de alguma valia.
– Tudo bem. Escolha um esquadrão, pegue algum veículo do hangar, mas esteja preparada para
percorrer o perímetro a pé…
– Eu aconselharia que viesse comigo – disse Chalis. – Tudo o que pode fazer aqui é esperar, e, se
realmente encontrarmos alguém, você pode querer falar com nossos reforços em potencial.
Namir fez uma careta. Ele não gostava da ideia de sair dali.
– Talvez você esteja superestimando a força da resistência. Se não temos notícia deles até agora…
Chalis caminhou até a porta e olhou por cima do ombro de Namir.
– Você não tem como vencer essa batalha – disse ela. – Nossa única esperança é uma saída estratégica.
Agarre qualquer chance que tiver.
Era um argumento vago, mas ela não estava errada.
Junto com os três sobreviventes do esquadrão de Tique, Namir e Chalis subiram num transporte de
tropa imperial que zuniu suavemente ao sair do hangar, na direção da entrada principal da fábrica. Era um
dos muitos veículos que a Crepúsculo tinha tornado operacional desde a queda da Trovoada. Quase
atropelaram Peste quando ela saiu acenando para que o veículo parasse e ela pudesse entrar pela
portinhola.
– Gadren me mandou – disse ela a Namir, espremendo-se no banco de trás ao lado dele.
Ele franziu a testa.
– Isso deixa Gadren com, o que… só Brand?
Peste deu de ombros.
– Disse que você precisava de proteção. – Ela não estava de capacete. Namir percebeu que uma parte
de seu couro cabeludo estava careca, como se o cabelo tivesse sido queimado ou cortado para tratar um
ferimento.
– Tudo bem – disse Namir. Outro par de olhos poderia ser útil, e Peste era magra e rápida. Útil em
missões furtivas.
Ela acenou firmemente, ajustou seu comlink no ouvido e tirou um segundo fone de seu bolso. Ela o
inseriu com destreza, e, um instante depois, Namir pôde ouvir um som baixinho e abafado de música
acompanhando a viagem do veículo montanha abaixo.

Quando chegaram à base da montanha, abandonaram o veículo e trocaram as roupas por trapos civis –
qualquer coisa que os trabalhadores tivessem deixado para trás durante a evacuação. Então esconderam
seus fuzis dentro do transporte, e pegaram facas e pequenas pistolas, que podiam ser escondidas dentro
das botas e sob os coletes. Comlinks foram desativados e guardados nos bolsos. Qualquer inspeção os
entregaria, mas a distância eles conseguiam se passar por locais de Pinyumb.
Primeiro, no entanto, eles tinham que chegar a Pinyumb. Era fim de tarde quando começaram a descer
pela encosta, meio agachados, meio rastejando, do jeito que o terreno permitisse. O perímetro
estabelecido pelo Império conseguiria parar unidades de infantaria e speeders, não viajantes solitários;
mesmo assim, explorar um caminho não seria rápido nem seguro. Duas vezes Namir ficou a alguns passos
de uma patrulha de stormtroopers e teve que esperar para que o inimigo continuasse andando. Os
rebeldes se espalhavam e reagrupavam seguidas vezes; separados, eles chamavam menos atenção, mas se
tornavam mais vulneráveis.
Peste ficava quase sempre ao lado de Namir. Ele estava na dúvida se Gadren tinha mesmo falado para
ela vir ou se ela tinha decidido por conta própria servir de guarda-costas.
Assim que passaram pelo bloqueio, chegar à cidade foi relativamente fácil. Namir não viu veículos
civis descendo para o subsolo pela estação de transporte, mas ainda havia um contínuo fluxo de veículos
militares imperiais e transporte de carga. Em duas equipes de três, os rebeldes esgueiraram-se a bordo
de veículos de carga e se esconderam em meio aos engradados, deixando que plataformas repulsoras os
levassem para baixo da superfície do planeta. Namir imaginou que o ar ficaria rarefeito, que se tornaria
insuportavelmente nocivo nas entranhas de Sullust, mas, em vez disso, parecia ficar cada vez mais puro –
mais puro até que o ar viciado da Trovoada, lembrando Namir da atmosfera refrescante de Haidoral
Prime. Ele retirou a máscara de respirar com empolgação controlada.
Então, os seis viajantes saíram furtivamente dos veículos para as ruas da cidade, e Namir viu pela
primeira vez Pinyumb.
A cidade ficava dentro de uma grande caverna de obsidiana, com o teto reluzindo suavemente a
iridescência refratada das torres de luz. Seus prédios eram delgados, cônicos e curvos em vez de rígidos,
erguendo-se à beira de rios cor de turquesa margeados por passeios e pontes para pedestres. As
calçadas, por sua vez, eram ladeadas por fileiras de plantas que brilhavam com bulbos fosforescentes, e
sombreadas por arcos esculpidos na pedra da caverna. Namir ficou olhando maravilhado, se perguntando
se seus companheiros fariam troça de sua reação ingênua: o espanto ignorante de uma criança de um fim
de mundo.
Mas Peste estava sorrindo, sem vergonha nenhuma, tombando a cabeça para trás e olhando para
paisagem da caverna. Aquilo o reconfortou, mesmo quando Chalis murmurou um alerta para Peste e o
rosto da garota ficou tenso.
– Por que está tudo tão silencioso? – perguntou Tique por entre os dentes.
Namir xingou consigo mesmo, quebrando o encanto da cidade. Tique estava certa. Não havia trânsito
nas ruas, exceto pelos transportes; nenhum civil usava as calçadas ou pontes. Os prédios estavam
iluminados, é claro, mas nenhum som vinha de dentro deles. Ele, subitamente, sentia-se exposto na rua,
como se estivesse sob a mira de um atirador de elite.
– A cidade está em estado de sítio – disse Chalis. – Procedimento padrão. Deve estar assim desde que
aterrissamos. Vamos.
Chalis conduziu o grupo por um beco, e eles começaram sua jornada por Pinyumb – novamente em
duplas e trios, novamente verificando cada esquina. Sem demora, eles descobriram que as equipes de
stormtroopers estavam dispostas em cada via principal. Droides flutuantes de vigilância vasculhavam as
vias secundárias. Mas o Império parecia estar patrulhando mais como demonstração de força, não
ativamente realizando buscas, e por isso o esquadrão não teve dificuldade de permanecer escondido.
Aqui e ali, Namir avistava um civil – sempre caminhando rapidamente, mas sem correr, e sempre com um
datapad em mãos, que, sem dúvida, servia de autorização para viajar.
O destino do esquadrão, Chalis explicou, era um antigo abrigo da resistência mencionado nos arquivos
de Uivo.
– Não saberemos se ainda está ativo até chegarmos lá – disse ela. – Mas é nossa melhor pista.
Ela navegou por uma seção da cidade que parecia ter sido erguida em épocas remotas. Entre as
estruturas de metal estavam prédios feitos de pedra, e as ruas estreitas estavam rachadas e cobertas pelo
enxofre amarelo. O grupo desceu uma escada até um beco abaixo do nível da rua e encontrou uma porta
encravada na parede.
– Uma casa de gelo – explicou Chalis. Tique começou a mexer no teclado numérico. – Este deve ter
sido um distrito muito rico. Primitivos guardavam carne, leite, qualquer coisa que quisessem manter fria
aqui.
Os outros olhavam confusos, mas Namir lembrava das casas de gelo em seu planeta natal. Ele se
perguntou se Chalis recordava de tais coisas de sua infância. Ela não olhou para ele sequer uma vez.
Tique fez um som triunfante. A porta abriu e eles entraram. O único quarto da construção não tinha
sinal de vida, mobiliado como um apartamento reserva, com cama, fogão e uma estação sanitária portátil.
– Alguém esteve aqui – disse Tique, passando a mão pela poeira do chão. Namir concordou com a
afirmação, embora fosse difícil avaliar se o abrigo tinha sido usado horas, dias ou semanas antes.
Uma busca minuciosa revelou restos de comida, suprimentos médicos e nada mais, até que Peste –
guiada por algum instinto que Namir desconhecia – encontrou um datapad em um dos filtros da estação
sanitária. Chalis pegou o prêmio nas mãos, aparentemente sem se preocupar com o lodo cheio de
bactérias da tela.
Após alguns instantes, ela pareceu satisfeita.
– Alguém esteve aqui – ela ecoou –, rastreando a entrada e saída de naves de Sullust.
Presumivelmente, coletando informações para um ataque a um espaçoporto. Posso usar isso.
Namir estendeu uma mão. Chalis lhe passou o datapad e ele tentou entender alguma coisa daquilo. Ele
passou os olhos pelas listas e relatórios mensais, incerto do que estava procurando. Ele se perguntou
brevemente se estava lendo os dados corretamente: certamente, não deveria existir uma diferença tão
grande entre partidas e saídas. Parecia que a cada cem naves que chegavam ao planeta, mil saíam.
Ele perguntou a Chalis sobre tal discrepância. Ela deu de ombros e pediu o datapad de volta.
– Manufatura – disse ela. – Sullust não é Kuat, mas possui uma produção em pequena escala de caças e
naves de combate. Nada importante.
– Milhares de naves por ano é uma produção em pequena escala? – perguntou ele. Sua voz estava
controlada, mas ele conseguia sentir os olhares dos outros sobre si.
Chalis nem olhou para cima, se concentrando novamente no datapad. Ela só murmurava enquanto
analisava tudo, mas ele pôde ouvir em sua cabeça as palavras que ela, certa vez, lhe dissera:
“Você ainda pensa como um homem de Crucival. Não entende a escala do inimigo.”
Ninguém mais parecia preocupado. Mesmo Peste parecia mais preocupada com Namir do que com
qualquer revelação sobre Sullust. Ele imaginou que Chalis estivesse certa, embora a ideia o incomodasse
por motivos que não sabia explicar.

Eles decidiram esperar no abrigo por três horas para ver se alguém da resistência sullustana
apareceria. Depois disso, voltariam para a Companhia do Crepúsculo, com resultados bons ou ruins.
Chalis enviou dois membros do esquadrão para verificar o espaçoporto de Pinyumb – uma instalação
subterrânea conectada à superfície por um vão de um quilômetro – enquanto esperavam.
– Gostaria de saber quais são nossas opções – explicou ela.
Isso deixou Tique, Peste, Chalis e Namir no esconderijo espremido. Chalis parecia contente em
estudar seu datapad ou olhar para a parede, perdida em seus pensamentos. Peste conversava com Tique
enquanto tomavam conta da porta, descrevendo em ricos detalhes os itens que havia furtado dos armários
dos trabalhadores da fábrica de processamento, e explicando o que ela imaginava que aqueles itens
diziam sobre as personalidades de seus antigos donos. Namir substituiu Peste no turno de guarda após
meia hora, parte por querer fazer alguma coisa e parte por pena de Tique.
– Quando ela começou a falar tanto? – perguntou ele, o mais baixo que pôde, mexendo na pistola com
as mãos. – Ela mal dizia uma palavra no treinamento.
Tique deu de ombros. Namir esperava algum escárnio, mas Tique parecia lidar bem com a atitude de
Peste.
– Depois que você saiu, eu acho. Ela vai ao clube, tenta a sorte nas cartas. Péssima jogadora. Você se
acostuma.
– Lamento por ter perdido esse processo – murmurou Namir, mais ou menos brincando.
Falar de Peste fez sua mente se voltar a Haidoral Prime. Fazia o quê? Dois meses? Ele sentia
vividamente o lapso temporal. Em Haidoral, Uivo ainda estava no comando. Em Haidoral, ele não tinha
conhecido a governadora Chalis e ela não tinha recaído sobre a companhia como uma maldição. Ele se
lembrava amargamente da missão à mansão dela, a opulência que arrepiara Gadren, Brand e Charmoso…
Ele se afastou da porta e acenou para que Peste voltasse para lá. Namir chamou Chalis, levou-a para o
canto do cômodo, e ela ficou olhando para ele sem entender direito.
– Quando esteve aqui em Sullust? – ele perguntou.
Ela empinou a cabeça e baixou a mão que segurava o datapad.
– Por que pergunta?
– A estátua – disse ele. – A peça naquele escritório administrativo. Era sua.
– Eu visitei este planeta várias vezes durante meu aprendizado com o conde Vidian. – As palavras
eram frias, sem qualquer emoção, uma recitação de fatos. – O busto foi um presente para o administrador
Luko Oorn, de Luko Oorn, em gratidão por ele ter auxiliado a implementar meus designs. Imagino que ele
tenha achado melhor retirá-lo de lá após minha traição. Eu o coloquei de volta.
Tudo naquela explicação parecia razoável. Ainda assim, Namir estava insatisfeito. As engrenagens de
sua mente estavam arranhando e rangendo, falhando em produzir o raciocínio de que ele precisava. Então
ele perguntou, sabendo que não era o que precisava saber, prevendo que soaria petulante:
– E quanto a Mardona III? Ou Nakadia? Você também esteve lá?
– Não – disse Chalis. – Mas ajudei a se tornarem o que são hoje. – Ela sorriu, mas pareceu mais um
rosnado. – Isso te surpreende? Que eu estava envolvida na construção daquilo que estamos tentando
desmanchar? É possível que minha conexão com nossos alvos sejam o motivo pelo qual o prelado Verge
tenha conseguido prever que atacaríamos Sullust. Isso foi realmente um azar, mas foi exatamente por
causa de meu conhecimento que Uivo me quis.
– Não é…
Ele interrompeu a réplica. Novamente, ela tinha razão. Ela sempre tinha razão. Chalis era mais
inteligente que ele e conseguia esculpir as conversas como barro. Mas em algum lugar de sua mente,
alguma coisa ainda o incomodava. O que quer que fosse, não tinha nada a ver com o prelado Verge.
– Quanto desse plano – ele começou, analisando cada palavra que dizia –, e digo todo ele, desde
Ankhural até Kuat. Quanto disso tem a ver com você tomando de volta o que deu ao Império? Quanto
disso é só vingança por você não ter recebido o respeito que queria?
Chalis inspirou profundamente. Sua respiração era úmida e áspera. Namir podia ver as artérias
pulsarem em seu pescoço. Ele continuou falando, sem saber se queria ouvir suas próprias perguntas,
quanto mais qualquer resposta.
– Você sempre me diz que eu não entendo o Império, que eu não entendo a amplitude do que estamos
enfrentando. Tudo bem, você está certa. Mas Kuat vai mudar alguma coisa? Se conseguirmos ter êxito, se
sobrevivermos a tudo e destruirmos os estaleiros, isso terá alguma importância para a guerra? Porque,
cada vez mais, parece que embarcamos em uma jornada suicida de vingança.
A governadora ficou parada na frente de Namir, com a expressão severa e imutável; seu peito arfava
enquanto ela suprimia um acesso de tosse só com a força de vontade.
– Terá importância – disse ela –, assim como qualquer coisa que pudéssemos fazer teria. Quanto a
meus motivos, eles são só meus e não têm nenhuma ligação com nosso sucesso ou fracasso. – Ela pareceu
se contrair, e sua voz ficou pequena quando ela acrescentou: – Eu teria esperado essa pergunta de um
rebelde. De você, eu esperava mais.
Namir não teve resposta para isso. Chalis o poupou de se explicar. De repente, ela parecia confiante
novamente, tão pé-no-chão quanto ela estivera diante dos oficiais em seu primeiro encontro com Uivo.
Sua voz voltara a possuir um charme impessoal, e Namir se sentiu estranhamente magoado por ela ter
usado esse tom com ele.
– Além do mais – disse ela –, já tenho uma ideia de como nos tirar daqui de Sullust intactos. Não sou o
tipo de mulher que se martirizaria.
Eles foram interrompidos por alertas pelo comlink. Namir franziu a testa, tirou-o do bolso e colocou o
fone no ouvido. Os outros fizeram o mesmo.
– Saiam daí – uma voz sussurrou asperamente. Era um dos batedores de Tique. – Eles estão do lado de
fora do abrigo. Saiam daí agora!
Tique apertou os controles da porta com uma mão e foi para fora, seguida na mesma hora por Peste.
Namir olhou para Chalis e a puxou para o beco.
Raios de partículas vermelhos atingiram o topo do beco, lançando faíscas e lascas de pedra no rosto
de Namir. Ele tentou enxergar os agressores, mas não conseguiu. Em vez disso, viu Tique e Peste na
escada da saída do beco, agachadas bem baixo e atirando com suas pistolas. Tique gritava alguma coisa,
mas só o que Namir ouviu foi “mais rápido” e alguns xingamentos.
Ele arrastou Chalis para a escada, segurou Peste pelo punho e pôs a mão dela no braço de Chalis.
– Procurem cobertura – ele falou rápido. – Nós as seguiremos. – Ele queria dizer “foquem no
combate”, mas Peste se virou para ele, como se quisesse protestar, e ele a cortou: – Tique e eu podemos
dar melhor cobertura a vocês.
Pelo menos era o que ele achava. Peste havia se tornado uma parte faladora e confiável da equipe
quando ele não estava por perto, mas ele ainda tinha uma pontaria melhor que a dela. Ela saiu correndo
com Chalis, e Namir assumiu o lugar de Peste, disparando na direção que Tique estava mirando.
– No três – disse Namir.
Tique acenou e, após alguns tiros, eles correram, de volta por onde tinham vindo. Cruzaram a rua e
desceram um beco, enquanto tiros de armas de raios tentavam acertá-los. Namir viu de relance armaduras
brancas quando olhou de novo, mas não conseguia identificar o inimigo. Ele disparou à vontade com uma
mão, na esperança de atrasar quem os seguia. Ele não tinha visto para onde Peste e Chalis foram.
Deu a volta na parede de um prédio de pedra e quase deu de cara com Tique, que tinha parado de
correr e estava olhando para o abrigo. Ela o empurrou bruscamente para o lado.
– Continue andando. Encontro com vocês em instantes.
Namir gritou um xingamento.
– No que você está pensando?
Tique deu seu típico sorriso sórdido – aquele que Namir tinha visto algumas vezes no Clube, antes de
dar um safanão em um colega soldado, e disse:
– Minha equipe ainda está lá atrás.
– Eles já estão mortos – Namir falou ríspido. – Você é sua equipe.
– Vá para o inferno, capitão – disse Tique, e passou por ele, de volta para a batalha.
Ele disse a si mesmo que não poderia tê-la impedido. Ele sentia por ela. Queria segui-la, mas Peste e
Chalis também precisavam dele.
– Boa sorte – ele murmurou, e saiu correndo de perto dos stormtroopers.
Quando tentou cruzar a rua seguinte, não ouviu a granada até que seu corpo já estivesse no ar,
queimando e doendo em cada músculo, como se tivesse sido lançado contra uma parede de aço. Então ele
caiu na rua e apagou.
C A P Í T U L O 32

P LANETA VIR AP HSHIRE

DIA 4 DA OPERAÇÃO SEM FREIO


19 ANOS APÓS AS GUERRAS CLÔNICAS

O soldado Hazram Namir estava em seu beliche desmontando e remontando um fuzil de raios DLT-20A
quando chegou a notícia sobre Alderaan. Ela não significava nada para ele. A única coisa lhe indicando
que a destruição do planeta tinha sido algo fora do comum fora o fato de Uivo tê-la anunciado pelo
comunicador da Trovoada. Nos dois meses desde que Namir se juntara à Companhia do Crepúsculo, ele
tinha visto armamentos que poderiam reduzir cidades iluminadas a cinzas, lutado ao lado de mais
espécies do que podia saber o nome, ouvido histórias de um império intergaláctico que tinha milhões de
estrelas sob seu jugo. Se tivessem lhe dito que planetas eram uma baixa comum de guerra, ele teria
acreditado sem pensar duas vezes.
No refeitório naquela noite, no entanto, ele viu os rostos amargurados de seus camaradas e ouviu seus
juramentos. O que quer que tivesse acontecido, era algo novo.
– Você disse que eles bombardearam e jogaram gases em outros planetas antes – ele perguntou a
Gadren. – Qual é a diferença para esse aí?
Gadren olhou para Namir com seus olhos alienígenas e disse:
– É a diferença entre a esperança de vida e a morte absoluta. Tudo que havia em Alderaan se foi.
Ele não tinha entendido completamente, mas captou o bastante. Ele vira os Malkhanis, a Doutrina e
outros clãs serem erradicados, expurgados até que apenas as tatuagens dos exilados e dos mortos
permanecessem.
Dias depois, enquanto Namir estava em uma trincheira nos campos de mel de Vir Aphshire, veio a
notícia de que a estação de batalha do Império que dizimava planetas havia sido destruída. Ele ouviu o
som de risadas pelo comlink, alguém gritando “eles explodiram a maldita Estrela da Morte!”, e
gargalhadas estridentes logo em seguida. Ele não compartilhara o terror e o choque de seus camaradas,
mas agora comungava da alegria deles.
Estava começando a conhecer as pessoas da Companhia do Crepúsculo. Ele não tinha nada em jogo
naquela guerra, mas eles mereciam uma vitória.
O planeta de Vir Aphshire caiu nas mãos da Crepúsculo pouco depois. O bom ânimo trazido pela
notícia deve ter tido parte na vitória, embora a decisão do Império de queimar as colmeias e abandonar o
mundo inteiramente, provavelmente, tivesse tido maior impacto. Namir não levou os créditos, embora
fosse a primeira campanha na qual a Crepúsculo lhe havia permitido comandar um grupo de
reconhecimento. Ele percebera a caçadora de recompensas – Brand – o observando, desconfiando dele
pelas sombras, como vinha fazendo desde Kor-Lahvan. Ou ela não confiava nele ou o recomendara para
o posto e queria ver qual seria o resultado. Talvez os dois.
Independentemente disso, a batalha foi vencida. Namir estava vivo. As orquídeas e colmeias de Vir
Aphshire agora pertenciam à Aliança Rebelde, o que quer que isso significasse.

Na noite do triunfo da Crepúsculo, Namir estava de vigia quando o sargento Fektrin voltou de uma
patrulha no vilarejo mais próximo. A criatura lhe passou um relatório e lhe pediu que o transmitisse ao
capitão Evon.
– Todo mundo precisa conhecer Uivo em algum momento – disse Fektrin, contraindo suas gavinhas.
Namir não perguntou a Fektrin como sabia que ele ainda não conhecia o capitão. Ele tinha certeza de
que a resposta seria insatisfatória.
Namir tinha visto Uivo de longe uma ou duas vezes, ouvira suas raras declarações pelo comunicador
da Trovoada, mas todo o seu conhecimento do capitão vinha das histórias de seus colegas. As tropas
reverenciavam seu comandante, e a fé que tinham em suas decisões não era abalada pelo resultado das
batalhas. Namir já tinha visto este tipo de reverência, mais de uma vez. Ele já sentira tal devoção antes,
embora ainda fosse uma criança na época.
Era estranho ver veteranos como Gadren e Norokai agindo como recém-recrutados do clã Malkhani.
Eles podiam alegar ceticismo, mas ainda assim acreditavam no mito do comandante deles.
Namir teria se incomodado mais se o punho de Uivo fosse mais firme sobre a companhia. Mas não
havia comícios sob seu comando, nenhum grito de guerra em seu nome. Ele era o alicerce da Crepúsculo,
e, mesmo assim, quando se perguntava às tropas por que eles lutavam, ninguém respondia: “Pelo capitão
Evon”.
Então, por dois meses, Namir teve o luxo de ignorar o capitão. Mas esse não era mais o caso.
Na barraca de comando, o tenente Sairgon indicou para que Namir voltasse pela estrada na direção
das colinas de argila da colmeia. Ele encontrou Uivo no perímetro exterior do acampamento e entregou a
ele o relatório de Fektrin, explicando que a patrulha não tinha encontrado qualquer dano ou fortificação
inimiga no vilarejo. O capitão acenou, analisando o relatório brevemente antes de olhar novamente para
o caminho.
– Soldado Hazram Namir – disse Uivo, pronunciando cada palavra como se a saboreasse. –
Acompanhe-me.
Ele começou a se mover sem esperar que Namir concordasse, e o soldado teve de correr atrás dele.
Uivo era quase uma cabeça mais alto que Namir, que tinha dificuldade para acompanhar suas passadas
largas.
– A “Canção de Lojuun” – disse o capitão – tem martelado minha cabeça nas últimas trinta e seis
horas. – Ele deu um tapa no crânio para enfatizar cabeça. – Mal consigo lembrar metade da letra, e a
ópera inteira foi banida pelo Império. Eu procurei e procurei, mas não encontrei uma única cópia.
Namir manteve o rosto virado para a frente, sem demonstrar emoção.
– Não sei se posso ajudá-lo com isso – disse ele.
Ninguém nunca sugerira que o capitão pudesse ser perigoso – era excêntrico, na pior das hipóteses –,
mas mesmo assim ele pretendia escolher bem as palavras durante aquela conversa. Pela experiência de
Namir, o poder tornava os homens imprevisíveis.
Uivo gesticulou rápida e desdenhosamente.
– Você já está ajudando. Nada melhor para ativar memórias antigas do que ar puro e novas
perspectivas. Com alguma sorte, eu me lembrarei dos almoços de infância com minhas tias assim que
terminarmos de conversar. – Ele estava sorrindo, embora Namir não soubesse se por humor ou mero
entusiasmo. – Ouvi coisas boas sobre você, soldado. Sairgon me informou que você não para de salvar
as vidas dos novos recrutas. E também as vidas de alguns dos antigos soldados.
– Faço isso há mais tempo do que a maioria deles – disse Namir. – Porém, ainda tenho dificuldades em
avaliar a distância dos tiros; não havia muita artilharia em Crucival.
– Vou lhe contar um segredo: pouquíssimos indivíduos conseguem avaliar a olho a distância mínima a
que podem chegar do inimigo. Você já tem o instinto. O resto você aprende na prática.
– Sim, senhor – disse Namir.
A estrada ficou enlameada e começou a espirrar sob os pés à medida que a paisagem mudava para uma
argila cinza-amarelada. O olhar de Uivo se tornou pensativo, como se estivesse avaliando as colinas com
algum propósito misterioso, e ele diminuiu o passo.
– Sairemos desse sistema em um ou dois dias. Dada sua experiência, gostaria de ouvir suas
considerações sobre o que deveríamos fazer nesse meio-tempo.
Era um teste, é claro. O capitão não tinha interesse no conselho de um soldado saído de Crucival há
dois meses. Namir não via vantagens em joguetes, no entanto, e por isso preferiu responder à pergunta de
Uivo literalmente.
– A ameaça parece bem contida. Poderíamos caçar os inimigos, mas eles estão em fuga. Não há
necessidade de matar nosso pessoal só pelo prazer de encurralar os imperiais. Eu diria para deixarmos
as coisas simples. A Trovoada está com poucos suprimentos. Poderíamos enviar alguns esquadrões para
o vilarejo para pegar toda a comida e equipamentos que puderem. Não acho que haverá resistência.
Uivo começou a rir. Namir queria ficar irritado, mas a risada era muito inocente, muito calorosa para
gerar alguma ofensa. Depois de um momento, Uivo virou para ele e deu um sorriso aberto.
– Isso – disse ele – é exatamente o tipo de perspectiva que ativa os neurônios do cérebro de um
homem. Acho que acabei de lembrar da minha primeira paixão dos tempos de escola. Uma linda garota
Twi’lek, chamada Iania.
– Você acha que fui muito agressivo? – perguntou Namir, mantendo a voz no mesmo nível. Ele
percebera que os rebeldes realmente acreditavam em sua honra, nas declarações de que estavam lutando
pelo povo da galáxia. Mas ele não esperava que seu capitão comungasse dessa ilusão em particular.
A voz de Uivo, então, ficou séria.
– Acho que você não entendeu essa guerra. Tratar os vilarejos e cidades civis com respeito não é uma
questão de misericórdia versus pragmatismo. É um pré-requisito para a vitória, nem mais nem menos. A
batalha da Companhia do Crepúsculo é pelo coração da galáxia. – A voz dele se tornou um sussurro,
como se estivesse contando um segredo. – Pelo espírito de cada homem, mulher e stormtrooper imperial.
Roubar comida não nos ajudará a vencer. Matar inimigos também não. Contra o imenso poder do
Império, o conceito tradicional de vitória é impossível. Se nossos objetivos se tornarem puramente
militares, perderemos a grande luta.
As palavras de Uivo soaram como as justificativas tortuosas que Namir ouvira na Doutrina: uma
filosofia feita para maquiar sua própria fome de guerra. Ainda assim, olhando para Uivo, Namir
acreditava que o capitão fosse sincero. E, de alguma forma, Uivo tinha mantido a Crepúsculo viva em
meio a conflitos que teriam dizimado outras companhias rebeldes.
Ele forçou um sorriso.
– É claro – disse Namir. – Sem incomodar os nativos, então.
Uivo tocou-lhe o ombro e riu novamente.
– Bom o bastante por agora. Você vai entender o resto com o tempo.
C A P Í T U L O 33

P LANETA SULLUST

DIA 2 DO CERCO DE INYUSU TOR


3 ANOS MAIS TARDE

A primeira sensação que Namir teve foi a da pedra fria em seu rosto. Depois veio uma súbita e intensa
onda de náusea e a sensação de que seus braços tinham sido jogados para trás. Ele tentou levantar a
cabeça, para lutar contra o impulso que o arremessara, mas não sabia se conseguiria se mover.
– Tem certeza de que vale a pena levá-lo? – perguntou uma voz baixa, masculina e com um chiado
estático. – Ele está embaixo dos escombros por, pelo menos, uma hora. Se ele morrer a caminho da
detenção, será uma perda de tempo para todos.
– Ele não está tão ferido quanto parece. Só atordoado, eu acho. – Uma segunda voz argumentou. Essa
era a de uma mulher, mas a estática era ainda pior, embaralhando as palavras. Ela disse algo mais que
Namir não compreendeu.
Ele tinha sido atacado. Lembrava da emboscada, de ter se separado de Chalis, Peste e Tique.
Estava apagado há uma hora?
Namir gemeu e forçou seus olhos a abrirem à medida que era colocado de pé. O teto da caverna
brilhava lá no alto enquanto silhuetas brancas o seguraram pelos braços e o jogaram na caçamba de um
grande landspeeder. Ele tentou se sentar, sem sucesso. Encostou nos punhos e sentiu um choque elétrico
agudo. Usava algemas de atordoamento.
– Aqui é SP-475 – disse a voz da mulher. – Estamos levando um prisioneiro rebelde.
O homem – um homem diferente, talvez? Namir não tinha certeza – xingava baixinho.
– O protocolo 24 agora é oficial. Assim que fizermos a entrega, começarão as buscas e rondas de porta
em porta. Prisões aleatórias, força letal autorizada contra qualquer resistência. Espero que não seja um
levante.
Mãos grossas e com luvas puxaram Namir para cima na caçamba do speeder. As ruas da cidade
passavam embaçadas por ele e a vibração sutil do veículo o deixava terrivelmente enjoado. Dois
capacetes brancos de stormtroopers olhavam para ele.
– Eles não fizeram contato com ninguém. Até onde sabemos, eram uma equipe de busca. – A mulher
falava novamente com seu parceiro. – Será que temos mesmo… – O resto da frase era embaralhado
demais para decifrar. Namir viu que o canto inferior do capacete dela tinha sido queimado.
Ele suspeitava que ela podia agradecer Tique pelo vocalizador danificado.
Perguntou-se se Tique ainda estava viva. E Peste, e Chalis…
Não podia ajudá-las agora.
A mulher removeu o capacete estragado, revelando um rosto jovem com marcas profundas. Ela pegou
Namir por baixo dos braços, levantando e endireitando suas costas. Ele poderia ter dado um chute nela,
se suas pernas cooperassem, mas e daí? Ele precisava escapar, mas também precisava de um plano.
– Ei! – disse a stormtrooper, sem aquela voz embaralhada. – Rebelde! Se quiser acabar com essa
matança, diga-me o que você estava fazendo.
Namir balançou a cabeça, confuso. Ele começou a mexer nas algemas de novo, quando o instinto veio
à tona. Contraiu-se por reflexo em vez de tomar o choque.
A mulher ficou séria.
– Se há um ataque sendo planejado – disse ela, bastante enfática, como se tentasse demonstrar
tolerância –, você deveria nos contar agora. Vocês se alistaram para morrer. O resto desta cidade, não.
Não coloque todo mundo nesse fogo cruzado.
– Mesmo que estivéssemos planejando alguma coisa, ainda assim não diria nada – respondeu Namir.
Seus lábios doíam a cada palavra. “Será que eu caí de cara?”, pensou.
Ele esperava que a mulher fosse bater nele. Não bateu. O speeder parou abruptamente e ele deslizou
meio metro para a frente da caçamba, ouvindo então uma gritaria lá na frente. Ele tentou distinguir
detalhes. Algo estava bloqueando a rua.
Então ele ouviu os sons de armas de raios e um stormtrooper gritando.
Os dois troopers ao lado dele estavam olhando para a rua agora, ignorando sua presença. Torcendo
para não desmaiar ou vomitar, ele se jogou para a frente, atingindo o trooper ainda de capacete com o
ombro, enquanto mantinha o corpo abaixado. A mulher começou a virar para ele, mas, logo, os raios
vermelhos começaram a vir na direção do speeder e Namir não era o problema mais urgente dela.
Ele não viu se seu captor sobreviveu aos tiros. Lançou as pernas para baixo, para a rua, e correu na
direção dos tiros de raios. Ele esperava ver Peste ou Tique; olhou para cima e viu que os tiros vinham do
telhado de um prédio baixo. Quando alcançou o muro do prédio, o atirador já estava descendo e
gesticulando para que Namir o seguisse.
O atirador era um Sullustano – tinha uma cabeça larga e sem cabelo, com orelhas de rato, olhos que
pareciam duas bolhas de óleo preto e mandíbulas que davam ao seu rosto a aparência de um capacete.
Esse era o mais perto que Namir tinha ficado de uma dessas criaturas, embora os tivesse visto entre os
trabalhadores quando a Crepúsculo tomou a fábrica de processamento.
Apesar de estar um pouco decepcionado, ainda assim estava sendo resgatado. Namir seguia atrás da
criatura quando ela se enfiou por uma viela, recolheu uma bolsa de lona do chão e começou uma série
vertiginosa de curvas. Com as mãos ainda algemadas atrás das costas e com a visão embaçada, Namir
teve dificuldade de acompanhar o passo, até que, por fim – sabendo que isso poderia significar sua
morte, mas incapaz de controlar o corpo –, ele desabou contra uma parede e começou a vomitar.
A energia trazida pela necessidade de fugir parecia deixar seu corpo junto com a bile. Ele não estava
em condições de lutar. Estava certo de que não conseguiria entrar em combate para sair de Pinyumb, e,
após uma hora, seus camaradas estariam ou a salvo fora da cidade, ou mortos. Ele mal conseguia se
manter de pé, e ficou surpreso quando sentiu uma mão macia ajudando-o a se levantar.
O Sullustano o endireitou e falou numa língua que ele não conseguia entender.
Namir não ousou apertar a mão dele por medo da vertigem.
– Havia outros – disse ele. – Outros que vieram até aqui. Eles estão a salvo? Você sabe onde eles
estão?
O Sullustano respondeu simples e rapidamente, em não mais que algumas palavras alienígenas. Não
podia ser nada além de um não, mas a criatura observava Namir e parecia perceber a incompreensão em
seu rosto. Cuidadosamente, com um exagero que sugeria que o gesto fosse pouco natural para ele, o
Sullustano encolheu os ombros.
A criatura – “ele”, Namir imaginou – não sabia nada sobre os outros. Talvez o Sullustano nem
soubesse que eles tinham ido até lá, e tivesse apenas cruzado o caminho de Namir.
Talvez esse fosse um bom sinal, do jeito que as coisas iam.
– Será que eles se esconderam? Talvez tenham chegado a outro abrigo?
O Sullustano hesitou, como se quisesse falar e oferecer alguma esperança ou explicação a Namir. Em
vez disso, ele balançou a cabeça daquela mesma maneira exagerada. Então, com uma mão, ele fez um
gesto amplo na direção dos elevadores que davam acesso para fora da cidade da caverna. Namir não
sabia se isso era uma explicação ou um sinal de esperança.
– Eu tenho que ir atrás deles – disse Namir.
O Sullustano deu um passo para trás e baixou a cabeça. Recusa.
“Eu poderia ir sozinho”, pensou Namir. Arrastar-se por uma cidade que ele não conhecia, procurando
por camaradas que provavelmente não estavam por perto. E, se os encontrasse – se contra todas as
probabilidades, ele não caísse no meio do caminho ou tomasse um tiro de stormtroopers menos piedosos
que os do primeiro esquadrão com o qual deparara; se seus amigos tivessem se deslocado tão lentamente
e estivessem tão pessimamente escondidos que um soldado caçado e contundido podia encontrá-los –, de
que ele serviria? Nas condições em que se encontrava, seria mais um fardo do que uma vantagem. Ele
atrasaria qualquer tentativa de fuga, e seu cérebro estava muito detonado para que ele pudesse formular
um plano.
Ele não tinha qualquer chance de chegar à Companhia do Crepúsculo.
– Muito bem – disse ele. – Então, para onde vamos?
O Sullustano foi na frente. Namir pensou em pará-lo, pedir ao alienígena para que, ao menos,
removesse suas algemas, mas a única ferramenta disponível para a tarefa era a arma de raios da criatura,
e um tiro poderia ser ouvido a vários quarteirões de distância. Então, em vez disso, eles andaram juntos,
com o Sullustano dando todo o suporte que podia, através das sombras de torres e por entre as
estalagmites da caverna. Durante o curso de sua jornada, as luzes das torres ficaram mais brilhantes,
transformando a noite de Pinyumb em dia. Para ajudar nas buscas dos stormtroopers, Namir imaginou.
De vez em quando, eles ouviam tiros e gritos, súplicas a agentes de segurança do Império à medida que
portas eram abertas à força e cidadãos eram levados. As rondas haviam começado. O Sullustano hesitava
toda vez, e toda vez ele continuava.
Eles desceram um pequeno lance de degraus esculpidos na rocha, na entrada de um prédio não
marcado. Lá dentro, havia uma cantina vazia de clientes; suas cadeiras estavam empilhadas sobre as
mesas, mal iluminadas por uma porção de luzes de emergência. O Sullustano levou Namir para uma
pequena cozinha e, depois, desceram um segundo lance de escadas escondido atrás de um refrigerador.
No porão da cantina, uma multidão aterrorizada aguardava. Eram em sua maioria humanos e
Sullustanos, tão espremidos que muitos preferiam ficar de pé em vez de sentados. A pessoa mais nova era
uma criança, mas a maioria era mais velha: figuras franzinas que tinham aprendido a encarar o medo com
dignidade, cuja incerteza transparecia em seus olhos e em mais nenhum lugar. Namir percebeu que alguns
deles usavam uniformes de trabalhadores da fábrica de processamento.
Quando reconheceram o companheiro de Namir, a tensão da multidão acalmou um pouco. O Sullustano
desceu os degraus e falou suavemente, tranquilamente, então pegou sua bolsa de lona e distribuiu rações
embrulhadas em papel metálico e envelopes do tamanho de uma mão com bacta medicinal. Os mais
velhos reagiram ao companheiro de Namir em sua língua nativa, suas vozes aparentemente gratas.
Quando o Sullustano tirou uma arma de raios da bolsa, no entanto, e a ergueu com as duas mãos, a
multidão pareceu se encolher. Ele insistia em alguma coisa, argumentando na base de respostas curtas e
grossas.
Namir se misturou à multidão até o humano mais próximo, uma mulher de olhos verdes com mãos
calejadas.
– O que eles estão falando? – ela perguntou.
A mulher olhou para ele com desconfiança. Talvez achasse que Namir deveria saber a língua. Ou
talvez fossem suas algemas. Finalmente, ela disse:
– Se os stormtroopers vierem, portar armas apenas tornará a situação ainda pior.
– Eles já estão indo de porta em porta – disse Namir. – E estão revistando as pessoas lá fora. Não sei
o quanto isso pode piorar.
Não foi um conselho. Namir não tinha direito sobre as escolhas daquelas pessoas. Talvez tivesse sido
por isso que a mulher o analisou, concordou, foi até a frente e aceitou uma arma de raios.
Namir queria fazer perguntas sobre seu salvador e sobre a cidade, mas seu acompanhante o levou de
volta para as escadas muito antes de a bolsa de lona estar vazia. O Sullustano se concentrou para atirar
nas algemas de Namir antes de se dirigirem para fora da cantina. Os braceletes permaneciam nos punhos,
mas o mecanismo de atordoamento parecia desabilitado. Os braços e ombros de Namir doíam conforme
eles andavam.
A segunda parada da noite foi no dormitório de um quarteirão residencial, onde uma multidão
semelhante se abrigava. Mais uma vez, o salvador de Namir espalhou produtos de emergência que eram
aceitos com uma mistura de gratidão e relutância. Desta vez, no entanto, eles foram interrompidos quando
a porta abriu para admitir outros seis civis: homens e mulheres cujos rostos estavam inchados com
recentes hematomas e que mancavam e respiravam entre os dentes com dificuldade. O braço de um dos
homens estava atravessado por uma queimadura; Namir imediatamente reconheceu os efeitos de um tiro
de arma de raios.
– Estávamos no Mercado Rápido, pois tinha acabado nossa comida – disse um deles. – Quando os
stormtroopers chegaram, disseram que deveríamos estar em casa…
O salvador de Namir olhou entre os feridos e a porta, como se dividido entre os refugiados diante dele
e outra multidão que ele pretendia visitar. Então começou a procurar em sua bolsa por curativos, bacta e
bálsamo. Ele olhou para Namir e de novo para o homem com o braço queimado, esperando com
ansiedade.
Namir não era médico, mas sabia o que precisava ser feito.
Então passou a hora seguinte aplicando curativos e antisséptico nos feridos, espalhando bacta sobre a
carne queimada e verificando ossos quebrados. Ele dizia a cada um de seus pacientes – e mesmo àqueles
que não entendiam sua língua pareciam entender – que o que estava fazendo servia como paliativo, no
máximo. Ninguém parecia incomodado.
– Você acha que temos muita alternativa? – perguntou o homem com o braço queimado. – Você acha
que a clínica imperial vai me ajudar?
– Entendido – disse Namir.
Depois que Namir e seu companheiro atenderam os feridos mais graves, foram para a terceira parada
da noite. Era uma casa de banho pública, onde vítimas em situação deplorável gemiam deitadas à beira
de uma piscina muito azul. Lá eles começaram o trabalho novamente. Pela primeira vez, Namir se sentiu
indesejado. Enquanto enfaixava a perna sangrando de um menino, escutou uma voz perguntando por que
os rebeldes tinham permissão para ajudar. Os rebeldes eram a causa de o Império fazer os Sullustanos
trabalharem como escravos. Os rebeldes que eram responsáveis por todo o sofrimento em Pinyumb.
Ele manteve os olhos em seu paciente até ouvir passos se aproximando por trás. Então se virou e ficou
de pé, pronto para a briga, e olhou bem dentro dos olhos de um homem de ombros largos e rosto
endurecido, que mantinha uma fisionomia raivosa.
– Você me ouviu – disse o homem. – Você não deveria estar aqui. Nem os rebeldes, nem a Frente
Cobalto, nada disso.
– Nós não fizemos isso – disse Namir.
– Você é culpado – disse o homem.
Namir reconhecia a atitude do homem. Ele procurava por esse tipo de atitude em cada recruta que
pedia para se juntar à Crepúsculo. Raramente a encontrava em alguém abaixo dos quarenta anos. O
homem tinha o porte de um soldado treinado.
Namir se preparou para um soco que nunca veio. O homem de rosto endurecido virou as costas. Namir
sentiu vontade dizer: “Isso não é como as Guerras Clônicas. Essas pessoas estão lutando por gente como
você”.
Ele até acreditava nisso, de certa forma. Essa não era a guerra do seu pai. Não era a guerra de
Crucival. Ele tinha visto coisas sombrias e terríveis da última vez que ficara ferido num subsolo, em uma
caverna, vendo seus amigos morrerem. O Império realmente era um tipo diferente de inimigo.
Mas não tão diferente a ponto de mudar sua maneira de lutar.
Terminou seu trabalho, aceitando que era responsável, de certa forma, pelos feridos que auxiliava –
responsável pelo plano que tinha levado o Império ao desespero, forçando-o a realocar fiscais e
stormtroopers dos estaleiros de Kuat para mundos como Sullust. Ele não sentia culpa, mas também não
podia negar a acusação feita pelos Sullustanos.

Namir e seu companheiro continuaram as rondas durante a noite toda. Sempre que caminhavam pela
rua, ficavam nas sombras; observavam a marcha dos stormtroopers e ouviam tiros distantes à medida que
as revistas e as buscas do Império continuavam. A cada lugar que chegavam, viam o número de feridos
crescer e o desespero da população aumentar. Eles faziam o que era possível e seguiam em frente.
O cansaço de Namir era profundo. A náusea e a vertigem iam e vinham. Em alguns momentos, sua
cabeça o fazia acreditar que ele ainda estava resgatando seus camaradas do desastre da Trovoada. Em
outros – na cidade, quando ele inspirava o puro ar alienígena da caverna e deixava que a gratidão, o
terror e o ressentimento dos civis tomassem conta dele –, memórias mais antigas ganhavam vida em sua
mente. Memórias de Crucival e memórias de Uivo.
Ele deveria estar tomando conta de seu companheiro, de olho nas tropas ou em droides câmera. Em
vez disso, estava apenas tentando ficar de pé. E mal percebeu quando o Sullustano o levou para dentro de
um hangar de mineração, construído dentro da parede da caverna, ou caminhou por entre veículos até um
escritório na parte de trás. Lá, contudo, ele se forçou a ficar alerta.
Namir esperava outro abrigo de civis. Em vez disso, apenas três pessoas estavam sentadas no
escritório – todos humanos, ou bem perto disso –, cada um com uma arma de raios no colo. Eles ficaram
de pé num pulo quando Namir e o Sullustano entraram, mas a tensão logo desapareceu.
– Como você demorou – disse uma mulher de cabelo castanho antes de abraçar o Sullustano e lhe dar
um tapinha nas costas. – Quem é o nosso convidado?
Uma rápida troca de palavras, metade na língua sullustana e a outra metade na língua básica. O
companheiro de Namir parecia estar explicando os eventos da noite. A mulher, finalmente, virou para
Namir e perguntou:
– Você está com os rebeldes no alto da montanha? Aqueles que tomaram a fábrica de processamento?
– Planejávamos destruí-la e evacuar – disse Namir. – Tivemos um contratempo. Quem é você?
– Eu sou Corjentain. Este é Nien Nunb – disse ela, apontando para o Sullustano. – Ele está no comando
da célula. Até você chegar, éramos os únicos representantes da Rebelião por aqui.
Namir olhou para os quatro. Eles pareciam cansados, mas ilesos; acolhedores, mas desconfiados.
Estavam vestidos como civis, e mesmo seus disfarces estavam rasgados e sujos. Pelo cheiro, não se
lavavam havia dias.
– Achei que houvesse um movimento de resistência – disse ele.
Um jovem com pele cor de giz respondeu:
– A Frente Cobalto nunca foi muito uma resistência – disse ele. – As intenções são boas, mas…
– Sente-se – disse Corjentain. – Você está um trapo. Vamos trocar experiências.
Então Namir se sentou, e enquanto bebia um líquido esverdeado nojento que o jovem garantira que o
ajudaria com a dor de cabeça, Corjentain explicou as atividades da célula rebelde, com acréscimos
ocasionais e incompreensíveis de Nien Nunb. A célula tinha vindo a Sullust na esperança de forjar uma
aliança formal entre a Frente Cobalto – uma associação de trabalhadores que vinha se tornando cada vez
mais anti-imperial – e a Aliança Rebelde. No entanto, quando chegaram, a maioria dos militantes da
Frente Cobalto já haviam sido presos, e o restante dos membros da Frente estava relutante em pegar em
armas.
– Eu sou de Sullust – disse Corjentain. – Assim como Nien. Ninguém gosta do Império por aqui, mas
não tem como forçar pessoas com medo a se revoltarem. Então decidimos ajudar Pinyumb como
podíamos. Contrabandear suprimentos que os nativos não podem pagar, remédios que o Império não
permite. Se isso nos ajudar a convencer as pessoas, a fazê-las pensar que a Rebelião vale de alguma
coisa, ótimo. Se não funcionar, pelo menos estaremos fazendo o bem. O Império nos queria mortos, mas
conseguimos dar um jeito nisso.
Namir sorriu amargamente.
– Então o Império decidiu compensar a produção perdida em outros planetas e aumentou a carga de
trabalho e a vigilância em Sullust, e daí as coisas começaram a ficar tensas para vocês.
Corjentain não pareceu entender seu tom.
– O Império faria as pessoas trabalharem até a morte, mais cedo ou mais tarde. Esse não é o maior
problema. Mas quando sua nave desembarcou aqui… isso, sim, está trazendo consequências.
– Assim que encontrarmos uma saída para extramundo – disse Namir –, iremos para longe daqui.
Corjentain xingou discretamente e balançou a cabeça.
– Certo. Meio tarde agora. A repressão já começou, e eu aposto muita grana que, depois que
prenderem qualquer um que, em algum momento, disse alguma palavra ingrata contra o Império, eles
passarão a realizar punições em massa. Os toques de recolher serão permanentes, trabalhadores serão
separados de suas famílias… O Império fará qualquer coisa para impedir a possibilidade de um novo
levante.
Nada disso surpreendia Namir. Ele já tinha ouvido muitas histórias à noite, no Clube. A repressão
imperial era o motivo pelo qual os recrutas se juntavam à Companhia do Crepúsculo.
Em vez de oferecer condolências, ele contou a história dos rebeldes da Crepúsculo. Não contou qual
era a meta final da companhia, nem fez menção a Chalis, mas falou sobre a campanha da Crepúsculo ao
longo da Rota de Rimma, e sobre quais eram suas intenções em Sullust.
– Meu esquadrão veio aqui para a cidade à procura de apoio – ele finalizou. – Não me parece que
vocês estejam em condições disso.
– Não mesmo – concordou Corjentain. Nien Nunb falou rapidamente, e os dois trocaram algumas
palavras antes de a mulher continuar. – Mas podemos tentar levá-lo de volta para a fábrica ao raiar do
dia. É o mínimo que podemos fazer.
– Eu agradeceria – disse Namir. Ele respirou profundamente e tentou analisar os arredores. Quatro
combatentes rebeldes, uma porção de armas e o que quer que estivesse no hangar de veículos. – E quanto
a vocês? Qual é o plano aqui?
Desta vez, os rebeldes não se consultaram entre si; apenas olharam uns para os outros, como se
confirmando algo há muito acordado.
– Vamos reunir qualquer um que tenha sobrado da Frente Cobalto – disse Corjentain. – Tentar revidar
uma última vez, proteger Pinyumb do que está por vir. Não posso deixar que eles realizem batidas em
todos os nossos amigos e vizinhos. – Ela sorriu sombriamente. – Não deve demorar muito.
– Não – concordou Namir. Ele tomou a mistura adstringente do fundo do copo e ficou de pé, com as
pernas doendo pelo esforço. – Mas, já que vamos ficar presos aqui até o amanhecer, vocês também
podem me mostrar o que vocês têm. Posso olhar seus planos, oferecer uma nova perspectiva. Quem sabe,
protelar sua guerra um pouco mais.

O lodo verde, o que quer que fosse, acalmou a tonteira da cabeça de Namir e esquentou suas entranhas.
Seus músculos ainda doíam, mas a dor estava mais suportável de certa maneira – ele agora era capaz de
pensar ao estudar os mapas rebeldes da cidade, debater com Corjentain sobre onde colocar os atiradores
de elite e ouvir as fantasias do garoto com rosto de giz de invadir a prisão imperial. Namir sabia que os
rebeldes não sobreviveriam, e era evidente que eles também sabiam disso; ainda assim, havia algo de
reconfortante sobre a escolha que todos fizeram de fingir o contrário.
Apesar da clareza que lhe sobrevinha, memórias antigas ainda pululavam na mente de Namir como as
faíscas em uma bateria molhada. Ele pensou em todos os planetas que a Companhia do Crepúsculo havia
deixado para trás: Haidoral Prime, Phorsa Gedd, Coyerti e Vir Aphshire, sob o comando de Uivo;
Mardona III, Nakadia, Obumubo e, agora, Sullust, sob sua própria liderança. As diferenças entre eles
pareciam gritantes.
Aquelas memórias o levaram a pensar sobre os planetas por vir. A marcha aos Mundos do Núcleo não
tinha acabado, e Chalis prometera que a campanha ficaria ainda mais extenuante. Namir tentou imaginar a
Companhia do Crepúsculo saindo de Sullust; batalhando logo em seguida em Malastare; sobrevivendo a
Malastare e, finalmente, chegando aos anéis de Kuat. Lá, entre os esqueletos de destróieres estelares,
eles lutariam dia após dia, quarteirão a quarteirão através da cidade orbital, trabalhando para destruir
tudo por onde passassem.
Assim como os rebeldes sullustanos, a Crepúsculo encarava uma batalha impossível, e provavelmente
sem esperança. Os estaleiros de Kuat realmente poderiam ser destruídos. Alguns esquadrões aqui e ali
talvez conseguissem se manter intactos. Mas a Companhia do Crepúsculo, como unidade, seria devastada.
Namir não via outro fim possível.
Talvez nunca tivesse visto. Ele nunca pensara muito sobre o que viria depois de Kuat.
Nien Nunb observava e escutava Namir e os outros planejarem. Namir se perguntou se o Sullustano
estava em silêncio em respeito a ele. Suspeitava que não. Talvez Nien tivesse outras coisas em mente.
Mais memórias vieram à tona. Memórias de Uivo e do que Namir tinha ouvido sobre Uivo.
Gadren havia dito que o capitão acreditava no sacrifício como sendo a força da Crepúsculo. Brand
alegava que Uivo nunca tinha feito algo por um único motivo. Uivo tinha sido um maluco, mas ele
entendia as necessidades de suas tropas melhor que eles mesmos – no momento em que morreu, todo o
propósito e a esperança da companhia se foram com ele.
“Nossa meta não é a conquista, mas a alquimia. Deve ocorrer mudança toda vez que a Rebelião entrar
em contato com o Império. A substância da opressão deve se tornar a substância da liberdade.”
“Se nossos objetivos se tornarem puramente militares, perderemos a grande luta.”
Como capitão, Namir estivera emulando os propósitos de Uivo, mas sem a substância. Ele perpetuara
a vontade de parar o Império, mas sem saber qual era o alicerce sobre o qual essa vontade deveria ser
construída ou os métodos que Uivo prezava. A companhia tinha sido enganada; a companhia estava
disposta a morrer para chegar a Kuat.
“Você não entende a escala do inimigo.”
Chalis havia dito que os estaleiros de Kuat valiam a pena.
Tudo isso passou por sua cabeça contundida e banhada em lodo verde nas horas anteriores à manhã.
Corjentain saiu para fazer os preparativos para a jornada que levaria Namir de volta à fábrica de
processamento. Namir caminhou entre os grandes veículos de mineração no hangar – blocos de metal
com furadeiras imensas afixadas neles – e desistiu de dormir.
Ele compreendia o que Uivo quisera alcançar com a Crepúsculo. Ele ainda não entendia como os
cálculos do capitão funcionavam – como não resultaram na aniquilação da companhia.
Por outro lado, ele também não entendia como funcionava uma arma de raios. Ele só sabia como atirar
com uma.
Quando Corjentain voltou, Namir reuniu a esfarrapada célula rebelde de Nien Nunb e, cuidadosa e
deliberadamente, extinguiu o faiscar de seu cérebro até sobrar somente uma certeza.
– Eu tenho um plano – disse ele.

Pouco antes do amanhecer, os anjos de cinzas acordaram nas alturas da caverna de Pinyumb e
flutuaram através das fendas na parede da rocha, percorrendo o caminho labiríntico até a superfície
utilizando suas asas e garras. Namir rastejou atrás deles sobre suas mãos e joelhos, com apenas os óculos
de visão noturna para guiá-lo.
– Siga os pássaros – disse Corjentain. – Você tem mais ou menos uma hora antes de eles pararem de
migrar para a superfície.
– E se eu não conseguir sair até lá? – perguntou Namir.
– Então você vai ter que esperar até o anoitecer para descobrir a saída.
Namir nunca fora claustrofóbico, e embora as fendas se estreitassem até as rochas pressionarem sua
barriga e suas costas, ele descobriu no constante trânsito dos anjos de cinzas acima e abaixo um estranho
conforto. Não estava sozinho nessa jornada.
Ele ficou surpreso com a altura que escalara quando emergiu na encosta da montanha. O bloqueio do
Império tinha avançado pela encosta desde o cair da noite, e mesmo assim os túneis o guiaram para
dentro do perímetro. Mas ainda faltava uma jornada de meio dia até o pico, evitando a atenção dos
airspeeders e das patrulhas imperiais enquanto as hostes inimigas o seguiam até lá em cima. Eles
pareciam estar nos estágios finais de preparação para um ataque aberto, metodicamente trazendo as
últimas armas e posicionando as últimas tropas. Ainda assim, quando Namir se aproximou da fábrica de
processamento, incentivado por sua resolução recém-descoberta, ele sentia com forças renovadas. Deu
um sorriso largo quando reconheceu a atiradora de elite da Crepúsculo mirando nele cinquenta metros
acima.
Ela o encontrou no meio do caminho, com a máscara no lugar e o fuzil em uma só mão,
despretensiosamente.
– Chalis conseguiu escapar ontem à noite – disse Brand. – Assim como Peste. Sem notícias de Tique e
os outros. Achei que estivessem juntos lá embaixo.
– Também senti sua falta – disse Namir, dando um tapinha no ombro da mulher em um meio abraço.
Ela nem retribuiu, nem se afastou, e Namir logo a soltou.
– Não falta muito para o ataque começar. – Brand virou e começou a escalar a encosta. Namir a seguiu.
– O Império tem nos testado o dia inteiro, mandando armas cada vez maiores. Chalis, porém, disse que
encontrou um jeito de ir embora. Algo sobre o espaçoporto.
– Não me surpreende – disse Namir. – Nada disso, na verdade. Preciso de um favor seu.
Brand não disse nada. Namir queria conseguir lê-la melhor. A última vez que eles conversaram tinha
sido nas entranhas da fábrica, acima do magma fervilhante. E a conversa não terminara muito bem.
Será que ela ainda estava amarga? Será que ela tinha mesmo chegado a se sentir amarga, ou ele não a
entendera? “Você sempre foi impossível”, ele queria dizer.
– Não estou pronto para falar com Chalis – foi o que ele acabou dizendo. Tentar adivinhar o que Brand
estava pensando não o levaria a lugar algum. – Quero o velho esquadrão reunido: você, eu, Gadren,
Peste. – “Finja que já esquecemos Charmoso”, pensou. – Você poderia reunir todo mundo e encontrar um
lugar privativo por mim?
Brand não parou de caminhar ou virou a cabeça. Mas ela concordou rudemente diminuindo a
velocidade e acelerando o passo em seguida.
Aquilo deveria ser o bastante.

Gadren sentou-se nas sombras da pequena câmara de controle de pistões. Luzes verdes e vermelhas
piscavam num painel acima de sua cabeça e refletiam em sua crista. Ele saudou Namir calorosa, mas
brevemente, como se estivesse relutante em aprovar uma reunião sem antes entender seu propósito. Peste,
com as pernas afastadas no chão e as costas na parede, observava Namir confusa. Um fino arranhão
vermelho cruzava seu nariz – um arranhão tão pequeno que era quase risível, considerando o que ela
devia ter passado para conseguir chegar à superfície. Brand estava no canto, com a testa um pouco
franzida. Pelo menos, Namir pensou, ela não estava de máscara.
– Não temos muito tempo – disse Namir, andando até a porta –, e temos muito a discutir. Mas antes de
tudo…
Ele se lembrou de Gadren gentilmente o arrastando da cantina em Aglomerado Nove. Lembrou-se de
seu último encontro com Brand, dias antes. Pensou em quanto Peste tinha mudado desde sua partida para
Hoth, e como ele sentia falta de tudo.
“Sinto muito por tê-los desapontado.”
– Eu sei que as coisas têm sido difíceis ultimamente. Sei que cometi erros. Gostaria de ter agido
melhor com vocês. No mínimo, eu deveria ter me despedido melhor de Charmoso.
Peste olhava para o chão entre os joelhos. Brand não reagiu. Gadren disse:
– Ninguém espera que um capitão viva entre seus homens. Sentimos sua ausência, mas sabemos que é
necessário.
Namir sorriu amargamente. Gadren estava certo, de certa forma – mas o alienígena estava vendo a
Companhia do Crepúsculo como ela costumava ser, quando Uivo era rodeado por Sairgon, Von Geiz e os
outros. Namir tinha se retirado também, mas só dava ouvidos a Chalis.
– Obrigado – disse ele. – Agora, no entanto, preciso do apoio de vocês. Preciso do apoio da
companhia. Apenas despachar novas ordens de cima não é uma estratégia que vai funcionar hoje.
Gadren estendeu as duas mãos esperando que Namir continuasse.
– Não sei se notaram – disse Namir –, mas há uma cidade bem grande não muito abaixo de nossos pés.
As pessoas lá estão aterrorizadas. A resistência é fraca. Gostemos ou não, tornamos a vida delas um
inferno, e estamos prestes a piorá-la. Agora, podemos fazer as malas e ir embora, continuar sempre em
frente e tentar jogar uma chave de boca na máquina imperial. Mas, mesmo que cheguemos a Kuat, se essa
campanha toda for bem-sucedida, nós todos sabemos que não venceremos a guerra. Destruiremos os
destróieres estelares do Império, mas eles ainda terão mais pessoas, mais armas e mais recursos que uma
centena de rebeliões.
Aqui ele respirou fundo e continuou:
– Então, tenho feito duas perguntas a mim mesmo: para que estamos fazendo isso? – Ele não olhou para
Brand, pois tinha sido sua pergunta. – E o que é preciso para manter a Crepúsculo viva?
– E quais as respostas que obteve? – perguntou Gadren.
Ele respondeu delicada e deliberadamente; Uivo ficaria orgulhoso:
– Eu não tenho resposta alguma – disse Namir. – Não tenho certeza se sou capaz de encontrá-las.
Talvez isso me torne inadequado para o comando, talvez signifique que eu não deva fazer parte dessa
rebelião, mas já passamos dessa fase há muito tempo. Agora já não importa mais. O que importa… – Ele
estava hesitante e temia que os outros deixassem de prestar atenção. Foi por isso que, em vez de se
colocar diante de toda a companhia, procurara apenas o esquadrão. Tinha a esperança de que eles
perdoariam sua falta de jeito e entendessem a intenção. – Eu os trouxe até aqui por ter encontrado uma
meta que parece digna da Companhia do Crepúsculo. Acho que esse foi meu erro. Eu deveria ter me
concentrado em encontrar uma maneira de lutar que fosse digna de todos vocês. Se tivesse feito isso,
talvez o objetivo tivesse aparecido sem esforço. E as respostas pareceriam óbvias.
“Talvez o cálculo invisível de Uivo nos mantenha vivos.” Mas ele não podia prometer isso.
– Agora está tudo no passado. A questão é: acho que é hora de esquecer Kuat. Acho que, se formos
morrer, deveríamos morrer aqui, ajudando o povo de Sullust, em vez de marchar até os Mundos do
Núcleo e cuspir na cara do mal. Essa é a melhor maneira de fazer o certo pela companhia e por todos
nela.
Ninguém falou nada por um tempo. Talvez estivessem esperando para ver se Namir tinha acabado.
Gadren e Brand o observavam. Peste juntou os pés em frente aos quadris e olhou para cima.
– Uivo aprovaria isso – disse Brand, enfim. – Estou dentro.
Peste sorriu timidamente e deu de ombros.
– Isso é uma votação? – perguntou ela.
– Não vou fazer isso se a companhia não estiver ao meu lado – respondeu Namir. – No entanto,
acontece que por mim tudo bem morrer. É com vocês que eu me preocupo.
O sorriso de Peste de tímido passou a sarcástico, como se estivesse rindo de uma piada interna.
– Você fica uma graça quando está sem jeito – disse ela. – Claro. Estou dentro. Aposto que o resto dos
novatos também estará.
Namir queria questioná-la, descobrir a fonte de sua confiança afável. Mas ela já tinha dado a ele o que
era preciso, e ele não tinha acabado ainda.
– Gadren? – perguntou ele.
Gadren cruzou primeiro um, depois o outro par de braços em frente ao peito. A voz dele soava
anormalmente baixa, completamente desprovida de sua alegria de costume:
– Pensei muito sobre os povos e espécies que deixamos para trás em nossas missões – disse ele. –
Claro que isso não é nenhuma surpresa para você. Meu coração dói pelos Sullustanos, e eu quase chorei
quando vi os rostos dos homens e mulheres que forçamos para fora dessa fábrica. Ainda assim, estou
relutante em virar as costas para o plano que vínhamos seguindo. Não por causa do sangue que
derramamos para chegar até aqui, mas porque… – Enquanto a paixão em sua voz crescia, o alienígena
havia colocado os dedos nas duas têmporas. Quando continuou, voltou a falar suavemente: – Se há
alguma chance de nossa missão em Kuat ser bem-sucedida, qualquer esperança que possa mudar o curso
desta guerra para melhor, não acha que devemos à galáxia fazer isso acontecer?
As palavras de Gadren foram como um golpe em Namir, lembrando-o de seu cansaço. Ele esperava
que alguém trouxesse à tona esse argumento – talvez Brand ou Peste. Mas ele também achava que se
alguém fosse apoiá-lo, esse alguém seria Gadren.
No entanto, o alienígena não tinha concluído.
– Você diz que o resultado final da destruição de Kuat seria insignificante nesta batalha. Se
soubéssemos que isso era verdade, eu não teria hesitado um só instante em dar meu apoio incondicional.
Como vemos, é a sua palavra contra a da governadora Chalis.
– Não deveria ser uma escolha difícil – disse Brand.
– Ela já não se sacrificou o bastante? – perguntou Gadren. – Provou sua dedicação à companhia? – Ele
deu de ombros. – Mesmo achando que não, você precisa reconhecer que ela é mais apta a julgar o
verdadeiro dano que infligiríamos ao Império. Vou preparar os outros como você recomendou. Mas não
agiremos a menos que ela dê a ordem.
– Acho justo – disse Namir. – Vamos.

– Você voltou – disse Chalis. – Ótimo. Verifique a designação dos esquadrões e faça as mudanças que
achar necessárias; quero começar em cinco minutos.
Ela não olhou para cima enquanto empurrava um datapad pela mesa na direção de Namir. Sua voz
estava mais frágil que nas semanas anteriores, tão áspera e falha quanto em Ankhural.
Peste, Brand e Gadren foram espalhar as notícias sobre o plano de Namir. O capitão e Chalis estavam
sozinhos no escritório administrativo.
– Começar o quê? – perguntou ele.
– Evacuação. – Chalis ainda não tinha olhado para ele, pois estava analisando uma tela em seu
terminal. Ela fez uma pausa, como se tentasse decidir se valeria o esforço tentar explicar. – Uma dúzia de
esquadrões vai se dirigir à cidade e roubar naves no porto. Metade voltará para cá para tentar recuperar
sobreviventes. Os outros partirão para o espaço sob a cobertura da Promessa de Apailana. Teremos uma
frota de naves mercantis. Não é uma Trovoada, mas melhor do que morrer num vulcão. E isso divide o
risco, permitindo que soframos algumas perdas sem sermos catastroficamente derrotados. – Ela tocou um
botão em seu terminal e falou em seu comlink com uma voz mais séria: – Grupos um e três para as suas
posições.
Namir tinha vindo com a intenção de convencer Chalis de seu plano, e negociar, se fosse preciso. Ele
estava disposto a manobrá-la através de qualquer labirinto verbal que pudesse construir. Ainda assim,
Chalis parecia não ter interesse em conversar.
E ela estava dando ordens para o pessoal dele.
– Você está dando ordens diretas agora? – perguntou ele, lutando para não demonstrar ira em sua voz.
Então, ela olhou para ele, que estremeceu. Os olhos dela estavam vermelhos e rodeados por círculos
escuros, como hematomas. As bochechas estavam fundas. Ela parecia velha, mas não frágil, como se
estivesse no fio da navalha pelos eventos dos últimos dias.
– Você esteve fora – disse ela. – Estou feliz que esteja vivo. Duvide dos meus motivos mais tarde.
Ele estremeceu de novo. Ele passara do limite com suas acusações no abrigo rebelde. Qualquer laço
que tivesse sido construído com Chalis durante os últimos meses agora estava quebrado.
– Eu tenho outra ideia – disse ele. – Algumas tropas estão me apoiando, mas preciso que você…
– Não há tempo. – Ela tocou outro botão. – Chalis para sentinela cinco. Onde eles estão?
Uma voz cheia de estática anunciou:
– Quatrocentos metros e se aproximando do pico. Pouco além da nossa zona de fogo.
Chalis olhou esperançosa para Namir, como se aquela declaração terminasse qualquer possível linha
de discussão.
Ela estava certa. Não havia tempo.
– Temos que desistir dos estaleiros – disse ele.
Chalis tocou em alguma coisa no terminal e levantou lentamente da mesa.
– A culpa não é sua – disse Namir. – Mas o plano vai matar a Crepúsculo, e nós dois sabemos que não
nos fará vencer a guerra.
Talvez ela tivesse feito essa campanha para vingar-se de seus antigos colegas, talvez não. Ele já não se
importava mais.
– Se ficarmos aqui, você viu como é a cidade, podemos fazer algum bem.
Chalis começou a tremer. Os lábios dela ficaram com um cacoete. Namir nunca a vira gritar, nunca a
vira perder o controle. Seria isso o que estava por vir?
– Você é melhor que isso – disse ela, quase quieta demais para ser ouvida. – Vão chegar reforços a
qualquer momento; essa é a única razão para eles terem recuado num ataque.
Ele tentou argumentar à medida que ela ia andando em volta da mesa, mas sua voz áspera e quase
inaudível o silenciou.
– Kuat ainda está ao nosso alcance. Quando chegarmos lá, você vai me agradecer.
Na mão da governadora Chalis estava uma pistola apontada para o peito de Namir.
Ele não estava mais com raiva. Deveria estar, ele pensou – com raiva pela forma como ela assumira o
controle, com raiva porque ela iria traí-lo. Mas ele não via nada da mulher que quase começara a aturar
naquela criatura amarga que estava diante dele. A mulher que salvara a vida de Uivo, que o aconselhara
durante um desjejum, que parecia ter uma genuína e inexplicável paixão pela arte.
– Difícil agradecer se eu estiver morto – disse ele.
– Quando eu quero matar alguém, eu não fico protelando – interrompeu Chalis. – Você já viu. – Ela
apontou para a porta. – Terceiro compartimento abaixo. Você partirá de Sullust depois que eu partir.
Namir olhou para a arma de raios, avaliou suas chances de pular e agarrar a arma antes que Chalis
pudesse puxar o gatilho. Elas não estavam a seu favor. Então ele virou e caminhou para a porta, seguido
por Chalis.
Mal tinham saído do escritório quando Namir avistou sua salvação. Apontou para um lado com o
queixo, na esperança de que seus olhos transmitissem o resto.
Quando Chalis cruzou a soleira da porta, dois braços alienígenas absurdamente poderosos agarraram
seu punho para cima e para o lado. Mais duas mãos seguraram a cabeça e a cintura, imobilizando-a.
Gadren olhou para a mulher, de lado para a porta, com a expressão desolada.
– Eu retiro o que disse – falou Gadren. – Se devo colocar minha fé num comandante, que ele seja você.
Espremida entre todas as mãos de Gadren, Chalis olhou com ódio para Namir.

Namir não fez discurso para a companhia. Não tinha fé nas próprias palavras. Gadren, Peste e Brand
convenceriam os esquadrões com mais facilidade do que ele. Sua única concessão à retórica foi um
esboço rápido do plano para os oficiais da companhia. Von Geiz parecia estar quase aliviado e só
algumas vozes falaram contra ele – entre seus oponentes estava Carver, que chamou Namir de maluco,
mas sorriu sarcasticamente mesmo assim. Hober apertou forte a mão de Namir depois do fim da reunião.
Namir preferiu não pensar sobre o que seria de Chalis. Por enquanto, ela ficaria trancada no terceiro
compartimento do corredor do escritório administrativo. Muito provavelmente, ele não teria que se
preocupar sobre o que fazer com ela depois da batalha. Ou sobre qualquer outra coisa.
Menos de trinta minutos depois de seu confronto com a governadora, a previsão que Chalis fizera
sobre um ataque iminente se provou correta. Namir tinha se posicionado em cima de uma das torres da
fábrica – um ponto de acesso para o maquinário de pistões que a Crepúsculo tinha convertido em posto
de vigia –, quando um mensageiro chegou vindo de baixo.
– Acabamos de interceptar uma mensagem imperial – disse o mensageiro.
– O ataque está começando? – perguntou Namir.
– Sim, senhor – disse o mensageiro. – Mas a fonte da ordem…
Namir olhou para ele, tentou lembrar o nome do garoto, mas não conseguiu. Era um dos assistentes de
Hober, oficialmente um não combatente. Se as coisas fossem diferentes, ele estaria a bordo da Trovoada,
não numa zona de guerra.
– Qual era a fonte? – perguntou Namir.
– Prelado Verge – disse o mensageiro. – O destróier estelar Arauto chegou ao sistema.
C A P Í T U L O 34

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

Os líderes superiores de esquadrão terminaram de transmitir o novo plano de Namir – o plano que ele
havia traçado rapidamente com a célula rebelde na noite anterior, remoera em seu cérebro durante a
longa jornada pela encosta da montanha e, finalmente, detalhara em seu rápido encontro com o comando
da Crepúsculo – assim que a primeira onda do ataque imperial começou.
Ele observou o ataque do topo da torre da fábrica, com macrobinóculos agarrados contra o vento. Uns
cem metros abaixo, um anel de stormtroopers imperiais escalava lentamente, fileiras se aproximavam
enquanto figuras com armaduras subiam pela obsidiana. Airspeeders imperiais moviam-se depressa em
volta da encosta em velocidades cada vez maiores, dando tiros rápidos com canhões de raios nas
patrulhas da Crepúsculo que recuavam.
As próprias forças da Companhia do Crepúsculo estavam divididas em três linhas principais entre os
imperiais e a fábrica de processamento. A linha mais externa consistia em pouco mais de algumas dúzias
de tropas posicionadas em esquadras atrás dos rochedos e dentro das fendas na montanha – em qualquer
lugar que a paisagem fornecesse esconderijo. A linha externa não teria como conter o inimigo por muito
tempo, mas seus soldados haviam preparado algumas emboscadas sanguinárias que certamente deixariam
a infantaria de vanguarda do Império cautelosa.
A linha do meio, que ficava entre a fábrica e a linha externa, estava entrincheirada em uma vala estreita
que a companhia tinha expandido a partir de rachaduras naturais na rocha. Namir esperava que a
trincheira fornecesse cobertura e ao mesmo tempo reduzisse a eficácia dos bombardeiros do Império –
era próxima o bastante da fábrica para que o uso de artilharia pesada danificasse sua estrutura, algo que
os imperiais ainda pareciam determinados a evitar. Quase um terço da companhia estava posicionada na
linha do meio, juntamente com uma pequena porção da artilharia portátil: canhões de raios montados em
bases giratórias, morteiros e lançadores de míssil leve.
A terceira e última linha rodeava o perímetro da fábrica. Essa linha interna assemelhava-se tanto em
forma como em função à defesa que o próprio Império tinha erigido durante a invasão da Crepúsculo.
Tinha funcionado bem na ocasião, e funcionaria bem para a Rebelião. Outro terço da companhia ocupava
posições ali, e o restante da artilharia da companhia tinha sido colocada na linha também. Se o inimigo
conseguisse passar a linha interna até chegar aos portões da fábrica, não mais poderia mais usar a
artilharia pesada.
Era uma defesa formidável, no geral, que explorava bem as duas vantagens que a Companhia do
Crepúsculo possuía. O terreno dava à companhia a localização mais elevada e abrigo, ao passo que
desacelerava consideravelmente o oponente, deixando as tropas inimigas vulneráveis ao fogo rebelde. A
contínua relutância do Império em simplesmente destruir a fábrica de processamento também era
essencial – se os comandantes inimigos escolhessem aceitar as perdas e sacrificar a fábrica para se
livrar da presença rebelde em Sullust, a batalha mudaria de figura em um instante.
Nenhuma vantagem mudava o fato de que a Companhia do Crepúsculo estava com menor efetivo, na
proporção de dez para um, ou que os stormtroopers eram mais bem equipados, mais bem treinados e
estavam mais descansados do que a Crepúsculo. A horda de soldados inimigos de armadura branca
parecia cobrir a montanha escura como neve, separados por trechos de uniformes pretos, que eram as
tropas levemente armadas do Império. Formas gigantes e vagamente insectoides se moviam
desajeitadamente por trás das tropas, escondidas por nuvens de poeira amarela, mas visíveis através dos
macrobinóculos de Namir: walkers TE-TT imperiais de duas pernas. Namir suspeitava que apenas a
dificuldade da encosta evitava que o Império mandasse os monstros de quatro pernas que haviam usado
em Hoth.
A Companhia do Crepúsculo tinha menos tropas, menos veículos e nenhum suporte aéreo com que
contar. Não tinha para onde recuar além da própria fábrica. Todas as possibilidades indicavam que o
confronto resultaria num massacre.
Ainda assim, Namir não sentia medo, nem mesmo pelos soldados sob seu comando.
Havia piores maneiras de morrer do que lutando para defender seus camaradas.
– Aquele destróier estelar está se aproximando do planeta – disse Hober.
Namir tinha escolhido o velho intendente para agir como seu braço direito durante a batalha, passando
ordens e mensagens via comlink. Era raro a Crepúsculo lutar como uma única unidade, raro que ela
precisasse de uma estrita hierarquia de comunicação. Uivo preferia comandar essas batalhas a partir da
Trovoada, estudando mapas holográficos com dados do campo de batalha em tempo real e permitindo
que os droides mandassem ordens para o tenente Sairgon e para os esquadrões. Mas Hober conhecia
intimamente a Crepúsculo e não tinha mais nenhum dever urgente; Namir estava contente com o velho e
com seus próprios olhos.
– Como estão todos? – perguntou Namir.
– Por ora? – Hober entortou o nariz. – Eles sabem o que fazer. Pergunte-me de novo depois do
combate.
Namir grunhiu e voltou a observar o fronte.
O Império deu o primeiro golpe da batalha. Como um só, doze airspeeders lançaram pequenas bombas
de fragmentação sobre a linha externa da Crepúsculo – os explosivos não eram potentes o bastante para
colocar em perigo a fábrica, mas eram poderosos o suficiente para rasgar a armadura e a pele. Namir viu
centenas de brilhos luminosos entre as rochas e imaginou seus amigos perfurados por estilhaços de
obsidiana ou ensurdecidos pelas explosões. Mas os esquadrões estavam protegidos e bem escondidos; o
dano seria suportável. Dois airspeeders viraram trilhas pretas pelo ar quando os mísseis da Crepúsculo
atingiram seu alvo.
Antes que o eco das bombas tivesse se dissipado, a infantaria imperial avançou. Eram apenas as tropas
de vanguarda – um teste, Namir imaginou, das defesas da Crepúsculo. Raios vermelhos desciam pela
encosta à medida que a linha do meio da companhia disparava contra os agressores, gerando pouco dano
devido à distância.
A linha exterior permaneceu inativa, até que as tropas que avançavam chegaram a poucos metros deles.
Namir observou pelos macrobinóculos, viu botas brancas marchando sobre pedras negras e fuzis
procurando por alvos, então deu a ordem:
– Abrir fogo.
Ele nem precisava ter dito nada. A linha exterior sabia o que fazer. Com o inimigo tão perto, cada tiro
acertava um soldado imperial, mandando um corpo pela ribanceira. O fogo cruzado varreu os esquadrões
de stormtroopers, e forçou as tropas imperiais a procurarem abrigo entre os mortos. Ainda assim, cada
tiro de arma de raios também revelava a localização oculta de um soldado da Crepúsculo. Então as
forças imperiais que não haviam sido atingidas no ataque apontaram suas armas de assalto, fuzis de
precisão e canhões nos inimigos recém-revelados. Airspeeders se aproximaram, desviando dos mísseis
Plex da melhor forma que podiam e rasgando a montanha com seus canhões de fogo.
– Diga aos esquadrões da linha exterior para cessar fogo se necessário – disse Namir – Cedam o
território, mas lentamente.
Ele ouviu Hober falar em seu comlink e observou os esquadrões – ou pares sobreviventes, ou
indivíduos – saírem um por um e recuarem para a trincheira da linha do meio. Ele se contraiu todo
quando um soldado da Crepúsculo, arrastando o corpo de seu camarada, foi incinerado pela arma de
raios de um airspeeder. Lembrou-se de que aquela não era uma operação de guerrilha, mas uma batalha
campal: baixas ocorreriam rapidamente, e as perdas, até ali, estavam dentro de uma margem aceitável.
O Império estava agindo cuidadosamente, racionalmente – nem exagerando na mão, nem subestimando
visivelmente seu inimigo. Previsibilidade e precaução eram precisamente o que Namir esperava. Ele
podia manter esse tipo de batalha. Agora de nada adiantava se arrepender do preço a ser pago.
O grosso do exército imperial começou a avançar. Saraivadas de raios de partículas vindas da
trincheira da Crepúsculo desaceleravam os agressores, forçando-os a buscar cobertura enquanto subiam a
encosta metro a metro. Eles passaram pelas posições abandonadas pela linha exterior e Namir espremeu
os olhos com os súbitos flashes azuis e brancos que se seguiram: as minas de íon que sobraram da missão
em Mardona III haviam sido recuperadas dos destroços da Trovoada, e agora explodiam. As armadilhas
não parariam o Império, mas retardariam pelo menos um pouco as forças inimigas.
Por longos minutos, a batalha pareceu estar congelada. Os imperiais avançavam de forma quase
imperceptível, como o movimento de uma sombra ao amanhecer; era somente quando Namir se dava
conta do passar do tempo que ele conseguia ver as mudanças que haviam acontecido no campo de
batalha. O Império estava cercando a trincheira apesar da chuva de armas de raios, e cem stormtroopers
mortos não faziam diferença quando muitos mais se seguiam.
Ainda assim, o Império fez uma pausa, talvez a cinquenta metros da trincheira. Namir não entendeu a
decisão até ver as seções inferiores do exército se separarem, abrindo caminho para uma dúzia de
walkers de duas pernas que correram pelas rochas. Apenas um foi derrubado pela artilharia antes de
chegar à trincheira. Um segundo foi pego na explosão de uma mina de íon. Os outros rapidamente
provocaram estragos entre as tropas, e Namir xingou energicamente à medida que os esquadrões se
posicionaram na abertura, fugindo dos walkers só para serem interceptados pelos stormtroopers.
– Diga às unidades internas de artilharia para abrirem fogo. Quero aqueles walkers destruídos – disse
ele.
– E quanto às equipes da trincheira? – perguntou Hober.
– Eles vão sobreviver – disse Namir. – Alguns deles. Ordene uma evacuação para o perímetro.
As equipes de artilharia não hesitaram. Namir se sentiu orgulhoso deles. Canhões de fogo foram
levados para dentro da trincheira, seguidos por pulsos crepitantes de plasma e os rastros de tiros de
morteiro. Os walkers guinchavam enquanto o metal era amassado e rachado, e aqueles que resistiram,
fugiram encosta abaixo ou fábrica acima, onde eram destruídos. Mas o preço foi alto: Namir olhou pelas
rochas com seus macrobinóculos e viu esquadrões inteiros queimados e despedaçados no chão. Quantos
deles haviam morrido sob fogo amigo da Crepúsculo ele não ousava pensar.
Ele ajustou as configurações nos macrobinóculos e avaliou as forças imperiais. A infantaria estava se
movendo para limpar a linha terrestre que levava à trincheira, mas ainda não estava fazendo um esforço
final na direção da fábrica. Isso fazia sentido. Reagrupar, reavaliar. Até onde os comandantes deles
sabiam, o tempo estava do lado deles.
– Estou descendo – disse Namir. – Daqui por diante, poderemos também assistir de perto.

Os feridos estavam espremidos no hospital de campo improvisado por Von Geiz, mas eles não eram
tantos que a cafeteria da fábrica não pudesse acomodá-los. Isso não surpreendeu Namir. O tipo de
combate em curso na montanha não deixava muitos feridos – ou deixava pessoas ilesas ou mortas. Ele
avisou Von Geiz para manter uma arma à mão pois a batalha em breve viria para os portões. O velho
médico apenas acenou com a cabeça e voltou para seus pacientes.
Do lado de fora, os soldados da Crepúsculo estavam amontoados em volta dos muros da fábrica de
processamento, abrigando-se atrás das pedras pontiagudas e dos rochedos partidos. Raios de partículas
vermelhos – rajadas de cobertura das tropas imperiais – passavam por cima da cabeça de Namir
enquanto ele andava até a linha. Frequentemente, um soldado da Crepúsculo revidava uma rápida
saraivada para baixo da encosta ou indicava o local para um atirador de elite ali perto. Atiradores de
Plex e mísseis antiaéreos mantinham os olhos atentos no céu, disparando em todo airspeeder imperial que
ousasse chegar ali perto. Namir sabia que os atiradores deviam estar com poucos mísseis, mas não tinha
sentido conservar munição.
O humor das tropas parecia tenso, mas não deprimido. Carver, de alguma forma, tinha conseguido um
cinto do inimigo cheio de granadas, e ele sorria toda vez que lançava as bombas como se fossem doces
num feriado. O comandante Tohna, sem ter uma nave para pilotar, tinha organizado a tripulação de ponte
da Trovoada em uma equipe de mensageiros carregando suprimentos para esquadrões necessitando de
água ou novos energipentes; junto com os suprimentos, ele também transmitia mensagens de gozação,
lançava desafios e falava obscenidades, de equipe em equipe, criando competições pontuais entre os
soldados. Namir não tinha visto Gadren, mas corria a notícia de que ele fora visto cantando nas
trincheiras enquanto as bombas caíam.
Ocasionalmente, Namir parava para conversar com seus homens e mulheres da companhia. Corbo, o
novato que tinha levado uma faca até a câmara de ar de Chalis depois de Haidoral Prime, perguntou se a
companhia estava realmente lutando pelo bem dos Sullustanos.
– A cidade embaixo da montanha está em estado de sítio – disse Namir. – Cada stormtrooper aqui fora
é um que não está revistando os locais.
– Ótimo – disse Corbo. – Foi para isso que me alistei.
Enquanto um dos engenheiros de Vifra atualizava Namir sobre o cronograma para a próxima fase da
defesa, Namir espiou uma figura andando à espreita sozinha por entre as fileiras, com as mãos segurando
um fuzil atrás do pescoço. Ele pediu licença e saiu correndo na direção dela.
– Tique?
Tique tirou o fuzil de trás da cabeça, brincou com ele nas duas mãos e disse:
– Não estou arrependida. Tinha que ir atrás da minha equipe.
Ela o tinha abandonado em Pinyumb e corrido para salvar seus companheiros que, quase certamente, já
estavam mortos.
– Deixe para lá – disse Namir. – Como você conseguiu voltar?
Ela deu de ombros. Seus dedos estavam arranhados e sua máscara de respiração, coberta em poeira
amarela, mas ela, ainda assim, parecia saudável.
– O que a Companhia do Crepúsculo faz de melhor? – perguntou ela.
Namir gargalhou, alto o bastante para atrair olhares dos esquadrões ali por perto. Ele não se importou.
– Sobreviver – disse ele. Ele poderia ter parado ali, mas pareceu certo terminar o pensamento. –
Qualquer moedor de carne em que nos metamos pela frente, ganhando ou perdendo. A Companhia do
Crepúsculo – “A Companhia do Crepúsculo de Uivo”, pensou – sempre sobrevive.
– É isso aí – murmurou Tique, e continuou sua marcha. Gritos de aprovação vieram dos arredores.
Namir estava feliz em ver Tique viva. Ele tentou não pensar em Gadren. A contagem de mortos poderia
esperar. Ele continuou a ronda, conversando a cada parada sobre tática, amigos há muito perdidos ou o
clima sullustano. Sentia-se em paz; como se estivesse no Clube, observando os debates, as risadas, e o
jogo de cartas. Esperava que a companhia comungasse dessa mesma sensação.
Depois de um tempo, as rajadas de contenção aumentaram em velocidade, mas os airspeeders
recuaram. Ele verificou os níveis de energia dos fuzis e voltou para o lado de Hober, olhando para o céu
cinza sullustano.
Até onde sua visão alcançava, era possível enxergar uma sombra pontiaguda entre as nuvens,
aumentando em tamanho pouco a pouco.
– Estão vindo atrás de nós – disse ele, e sorriu sombriamente. Depois falou de forma que só Hober
pôde ouvir: – Quem precisa de airspeeders quando se tem um destróier estelar?
Hober acenou lentamente.
– Vamos para dentro?
– Ainda não – disse Namir. – Conversei com os engenheiros. Só mais um pouco agora. Mas chame
nossos amigos lá de cima.
Os feixes de raios se intensificaram. Namir puxou Hober para que ele se agachasse e observou os
esquadrões consistentemente revidarem o ataque. Uma euforia tranquila, espontânea, começou a
preenchê-lo.
Ele tinha ficado fora das linhas de frente por muito tempo. E, vivo ou morto, a batalha era a coisa
certa.
C A P Í T U L O 35

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

Imagens da troca de tiros ainda surgiam na cabeça de Thara Nyende: espiões rebeldes pegos vigiando
o espaçoporto de Pinyumb e rastreados até seu esconderijo; trocas de tiros em ruas desertas e silenciosas
da cidade; um prisioneiro desenterrado dos escombros logo em seguida.
Ela se lembrava do speeder roncando embaixo dela, suas gentis vibrações fazendo sua rótula zunir
através da armadura. O capacete tinha sido danificado por um raio perdido, cortando a funcionalidade do
vocalizador. Frustrada, ela o tirara, tentando descobrir o que os rebeldes estavam planejando.
“Não mate todos no fogo cruzado”, ela dissera ao prisioneiro, tentando soar razoável, tentando apelar
à compaixão de um criminoso assassino. “Vocês se alistaram para morrer. O resto desta cidade, não.”
Havia interrogadores profissionais na instalação prisional, homens e mulheres de meia-idade, com
olhos injetados e trejeitos suaves, que nunca se associavam com os troopers. Não havia tempo para os
métodos deles – não quando as batidas já tinham começado e tiros estavam sendo disparados. Não
quando os rebeldes poderiam se mover a qualquer momento.
“Mesmo que estivéssemos planejando alguma coisa”, dissera o prisioneiro, torcendo o lábio que
sangrava, “ainda assim não diria nada.”
Ela queria ter gritado na cara dele: “Todos que morrerem hoje à noite, morrerão por sua causa”. Ela
queria ter mostrado a ele a cicatriz em sua testa, ter listado os stormtroopers que tinham sido destruídos
na explosão a bordo da nave rebelde. Ela queria culpá-lo por seu tio, ainda retido numa cela em algum
lugar, provavelmente esquecido no meio desse caos.
Mas nada disso teria ajudado. Ela tinha se forçado a ficar calma. Ela dissera a si mesma que
encontraria um jeito de consertar as coisas. Era esse o seu dever como stormtrooper, como SP-475.
Então, apareceu um franco-atirador.
Ela lembrou tudo isso, pois era mais fácil que pensar na dor.

O franco-atirador tinha errado por pouco seu pulmão direito, fundindo o plastoide da armadura com
sua pele. Uma equipe de evacuação de emergência a recolhera em questão de minutos e a levara para a
ala de pronto-socorro da guarnição. Lá, ela tinha passado a manhã inteira tremendo de ansiedade, com
medo da morte e da dor, enquanto droides abriam mais a ferida para administrar bacta e anestésicos. Ela
havia gemido e implorado para que um de seus camaradas ficasse com ela, mas ninguém podia ser
poupado das patrulhas, prisões e batidas na cidade. Ela tinha sido deixada à mercê das máquinas e de
seus pesadelos.
Em um determinado ponto, ela foi colocada em uma maca e transferida para uma clínica civil. Ela
sabia que tinha perguntado o porquê, mas não conseguia se lembrar da resposta dos droides – algo sobre
novos feridos chegando, sobre uma batalha na montanha. Os analgésicos estavam deformando sua
memória. Agora ela estava sentada nos lençóis amassados de um colchão duro, em uma sala iluminada
por fileiras de bulbos azuis-esbranquiçados. Ela estava tremendo e sentindo arrepios no braço; na parte
de cima, usava apenas uma bandagem em volta de seu peito. Ninguém tinha se incomodado em remover
sua armadura abaixo da cintura.
A clínica era dotada de uma pequena equipe de Sullustanos e humanos. Todos os droides tinham sido
transferidos para a guarnição meses antes, e os trabalhadores restantes estavam, certamente, trancados em
suas residências. Ainda assim, um jovem Sullustano checava a bandagem de Thara de hora em hora, e ela
podia ouvir vozes no corredor.
Ela vinha escutando o máximo que podia enquanto sua consciência entrava e saía do estado de lucidez.
As vozes eram a única fonte que ela tinha de notícias relacionadas ao sítio, às batidas e aos rebeldes.
Eles falavam sobre sons distantes de tiros de armas de raios, sobre fogos esmeralda queimando ao longo
do rio. Eles pareciam saber só um pouco mais do que ela.
– Eu quero fazer alguma coisa – disse a voz de uma mulher. – Antes que eles venham atrás de nós.
– Não há o que fazer – respondeu o jovem Sullustano.
– Você está mentindo – disse a mulher.
As vozes sumiram. Thara fechou os olhos e tentou não sentir a dor de cada batida do coração.
Quando o prédio sacudiu, ela acordou de um sonho no qual estava deitada no chão tomando
incontáveis tiros de um franco-atirador. Ela já havia sentido terremotos antes, tremores das cavernas, e
aquele não era muito forte; mas ela se forçou a levantar e colocar os pés para fora da cama, e tentou se
concentrar como se aquele fosse o fim da civilização.
Os médicos no corredor estavam falando novamente.
– Você conhecia Corjentain – disse a mulher.
– Sim – veio a resposta do Sullustano.
– Não vamos mais fazer isso – disse a mulher. – Não vamos ficar aqui parados. Leve uma mensagem a
ela: diga-lhe que a clínica está aberta a qualquer um que…
Thara cambaleou quando suas botas tocaram o chão; equilibrou-se com um leve toque na cama. Ela se
obrigou a andar até o corredor, com uma mão soltando a arma de raios de seu cinto e trazendo o metal
frio em contato com a pele de seu ombro e peito. Ninguém tinha tirado a arma dela. Ninguém ousava tirar
a arma de um stormtrooper.
A luz azul-esbranquiçada nas paredes de metal fazia o corredor parecer um holograma. A mulher
humana e o Sullustano que conversavam estavam parados lá na outra ponta. Thara lambeu os lábios secos
e ergueu a arma.
– Não me interessa o que está acontecendo lá fora – disse Thara. Os dois médicos se viraram, com
total terror em seus rostos.
Ela tentou soar o mais autoritária que pôde: seminua, drogada e incerta de sua própria identidade.
– Como este lugar está sob minha proteção – disse ela –, ele ainda pertence ao Império.
C A P Í T U L O 36

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

Brand olhou para o rosto do capitão do Exército Imperial, aumentado pelo zoom – jovem, cabelos
pretos, olhos azuis, traços finos – e puxou o gatilho de seu rifle de precisão. O rifle transmitiu os dados
de distância para sua máscara e, posicionada no alto da montanha, ela observou a cabeça do capitão
queimar. Quando alguém revidasse, ela já teria descido de seu lugar em meio aos rochedos e se arranjado
em um novo esconderijo.
Ela imaginou uma lista dos crimes do capitão: corrupção, porte de especiarias, agressão, comércio de
escravos. Corriqueiros entre as autoridades imperiais. Não incomum serem todos concomitantes.
Ela sentia falta de ser caçadora de recompensas. Mas trabalhar sozinha atrás das linhas inimigas,
eliminando a oposição um por um, era quase tão bom quanto.
Brand estava espremida no meio de uma fenda estreita, com os joelhos puxados contra o queixo e
esperando que alguém viesse atrás dela, quando ouviu o zunido agudo e distante de pulsores de plasma
por trás do som do vento. Arriscando ficar exposta, ela se levantou e verificou seus arredores tentando
descobrir a fonte do ruído: uma speeder bike acelerando pela encosta.
Ela piscou, aumentou a imagem do veículo no display de sua máscara, compensou a velocidade e
tentou rastreá-lo. Reconheceu o piloto e xingou por dentro antes de abrir um canal de comunicação.
– Sargento – disse ela. – Precisamos conversar.
Ela balançou o tronco na beirada da fenda, apoiou as botas contra a rocha e mirou seu fuzil, tentando
julgar para onde a speeder estava indo. Não seria um tiro fácil. Mas ainda assim poderia acertar.
A voz de Namir veio em meio à estática.
– Estamos meio ocupados aqui em cima – disse ele. – Está se divertindo?
– Estou – disse Brand. – Você perdeu a Chalis.
– O quê?
Na encosta, ela errou a mira da speeder bike, então firmou mais o fuzil. Raios de partículas eram
rápidos, mas speeders também. Ela precisaria acompanhar o alvo.
– Ela escapou – disse Brand. – Ela está com uma carga completa de equipamentos e uma speeder bike.
Não sei como ela passou a linha de frente inimiga.
– Você fez a mesma coisa há pouco – disse Namir.
“É justo”, pensou Brand.
– Provavelmente está indo para a cidade.
Ela manteve o fuzil posicionado como estava e olhou para a speeder bike novamente. Se ela mirasse
corretamente, teria quatro segundos até o tiro.
– Viva ou morta? – perguntou.
Três. Dois. Começou a puxar o gatilho.
Namir não disse nada. Ela gostava de Namir, mas não poderia esperar por ele.
Um.
Ela terminou de puxar, sentiu o coice do fuzil, viu o cano fumegar.
Namir xingou suavemente e disse:
– Deixe-a ir. Você tem outros alvos, e ela não sabe de nossos planos.
A speeder bike e o raio de partículas embaralharam-se e convergiram descendo a encosta. A rocha da
fenda apertava o peito de Brand enquanto ela ficava parada no lugar, só observando.
O raio errou. A speeder desviou desajeitadamente, muito tarde, mas recuperou o equilíbrio.
– Entendido – disse Brand. – De volta à caça.
Ela desligou o comlink, fez cara feia por ter errado, mas pensou que era melhor assim.
De qualquer forma, ela nunca confiara no julgamento de Namir sobre a governadora. Ele tinha chegado
muito perto, mas nunca compreendera de verdade os crimes da aristocracia imperial.
C A P Í T U L O 37

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

A infantaria e os airspeeders imperiais mantinham distância da fábrica enquanto o destróier estelar


descia. O motivo ficou claro quando as primeiras explosões de turbolaser esmeralda choveram do céu na
direção da montanha, esburacando a encosta negra e transformando pedra em vidro estilhaçado. As
poucas patrulhas e atiradores de elite que rondavam os pontos mais altos do pico rapidamente recuaram
para o perímetro mais interno ou foram desintegrados pelos tiros atomizadores dos lasers.
Namir sentiu uma onda de calor subindo em seu rosto e tentou se proteger com um braço. Mesmo
através do filtro da máscara de respiração, o ar queimado tinha cheiro de enxofre e ozônio. A chuva
esmeralda cercou as tropas, acompanhada por esferas luminosas de bombas de prótons que também
rodeavam a fábrica de processamento. Quão perto o inimigo poderia atacar sem destruir o complexo,
Namir se perguntava. Quão precisos seriam os sistemas de mira do destróier estelar?
– Eles estão em posição! – gritou Hober no ouvido de Namir. Ele mal podia ouvir o intendente,
tamanho o barulho dos lasers e das rochas estilhaçadas.
Namir viu um esquadrão de soldados que estava próximo começar a se afastar do pico, olhando na
direção da entrada da fábrica.
– Mantenham as posições! – gritou Namir.
Se julgasse equivocadamente – se os atiradores do destróier estelar pudessem vaporizar as tropas sem
tocar na fábrica –, ele morreria junto com o resto da Crepúsculo, e a batalha acabaria em um piscar de
olhos.
Mas, um instante depois, o fogo de laser parou.
Namir levantou o olhar para o céu cinza e riu, sentindo o ar chamuscado queimando suas narinas.
A ponta escura do destróier estelar agora estava abaixo da camada de nuvens, maior que o sol tênue e
distante de Sullust e perto o bastante para exibir as linhas de sua base metálica. Luzes vermelhas e verdes
piscavam a seu redor, mas os disparos das armas não mais miravam o chão. Em vez disso, o destróier
estelar estava atirando em três novas sombras que desciam por entre as nuvens: uma prateada e duas que
eram meros pontinhos.
A Promessa de Apailana e seus X-wings tinham retornado.
– Por quanto tempo eles conseguem sobreviver desse jeito? – perguntou Namir a Hober.
– Não tenho certeza – disse Hober. – Fomos capazes de enviar e receber sinais, mas não conseguimos
manter um canal aberto. Meu palpite? Não muito tempo.
– Está tudo bem – disse Namir. – Também não temos muito tempo aqui.
Esse não era o tipo de coisa que um comandante deveria dizer, mas Hober gargalhou amargamente.
As forças imperiais encosta abaixo continuaram avançando – alarmadas, talvez, pelos reforços aéreos
da companhia e preocupadas com quais outros truques os rebeldes ainda poderiam revelar. À medida que
os stormtroopers marchavam sobre as rochas ainda fumegantes, Namir caminhou pela linha e gritou
várias ordens, reunindo todo o poder de fogo da Crepúsculo para enfrentar o inimigo. O Império não mais
retinha partes de seu exército, e assim que as tropas morriam, outras assumiam seus lugares. Uma
barragem constante de raios de partículas reluzia sobre Namir e ele começou a percorrer as posições da
Crepúsculo engatinhando pelo chão. Os morteiros imperiais chiavam, alguns caindo perto de seus alvos e
outros destroçando esquadrões de soldados da Crepúsculo. Em troca, raios vermelhos e alaranjados de
energia, explosivos, pulsos de luz, mísseis faiscantes, todos eram lançados montanha abaixo a partir das
armas de raios e da artilharia da Crepúsculo.
Em Crucival, tais armas teriam conquistado o planeta. Ali, mal eram o suficiente. As primeiras tropas
imperiais chegaram ao pico. Mas as habilidades ou a boa sorte que os havia permitido sobreviver ao
contra-ataque da Crepúsculo até então não os protegeu por muito tempo mais – Namir abriu um buraco no
peito de um, seu primeiro tiro na batalha. Mesmo assim, isso queria dizer que a linha interna tinha
começado a ruir. Namir olhou para Hober, que levantou cinco dedos.
Cinco minutos. Eles precisavam segurar mais cinco minutos.
Namir gesticulou para que os esquadrões avançassem. Soldados ergueram-se sobre os rochedos onde
estavam abrigados ou correram poucos metros pela encosta. Alguns foram abatidos em segundos, mas a
súbita ofensiva forçou a infantaria imperial a diminuir o passo. Namir se viu ombro a ombro com Tique,
usando um fuzil que esquentava muito rápido para disparar raios contra as equipes de stormtroopers que
haviam ficado vulneráveis.
Ele arriscou uma olhada para o céu e viu o brilho constante da batalha a laser entre o destróier estelar
e a Promessa.
– Se eles sobreviverem por mais tempo que nós… – começou ele. Ele deu outro tiro e sentiu o fuzil
pulsar.
– Vai ser humilhante. Eu sei – murmurou Tique.
O resto do comentário dela se perdeu – Namir só ouviu a palavra “naval” e uma série de palavrões.
Os esquadrões da Crepúsculo que tinham avançado começaram a perder terreno quase que
imediatamente. Namir permitiu que a companhia abandonasse o perímetro que havia conquistado. Se
recuassem um pouco mais, os esquadrões estariam na estreita plataforma que havia entre o pico e as
paredes da fábrica. A partir dali, a única opção de recuo seria para dentro fábrica.
Uma explosão ensurdecedora projetou Namir para frente quando um morteiro explodiu atrás dele. Ele
caiu contra as pedras, sentiu a pele rasgar assim que os joelhos caíram no chão e ele enterrou a cabeça e
o capacete em seus braços. Sentiu-se sortudo por não ter rachado o crânio; ele duvidava que pudesse
sobreviver a outra ferida na cabeça.
Alguém o puxou pelo ombro. Ele não viu quem, mas viu Hober em sua visão periférica oferecendo um
aceno.
– Agora – disse Namir.
Ele ouviu gritos, comemorações, berros desesperados e, finalmente, um urro de triunfo. Arrastando-se
para frente, olhou para a encosta abaixo, vendo a montanha começar a queimar.

Namir tinha mandado uma dúzia de equipes de escavação para dentro da montanha. Eles usaram os
mesmos veículos que tinham roubado dias antes para infiltrarem a fábrica de processamento, junto com
mais alguns outros que localizaram na própria fábrica. Os engenheiros tinham avisado mais de uma vez
que qualquer túnel que criassem seria instável, propenso ao colapso se perfurassem no tipo errado de
rocha, ainda mais se a montanha estivesse sob bombardeio.
“Vai funcionar”, Vifra prometera antes de Namir partir para Pinyumb. “Não é assim tão difícil. É para
isso que metade das ferramentas aqui são feitas.”
“Você não quer fazer isso”, Namir tinha dito.
Vifra dera de ombros.
“Primeiro, precisamos construir uma defesa contra qualquer equipe de escavação imperial que tente
entrar na fábrica do jeito que entramos. Depois, podemos canalizar o magma para incinerar o inimigo.
Você nos disse para sermos ambiciosos; e estamos sendo ambiciosos. Posso fazer a montanha cuspir suas
entranhas para todos os lados. Mas não acho que metade das equipes de escavação sobreviverá. Acho
que você está pedindo a eles para morrer, e eles terão uma morte bem ruim. Serão enterrados vivos. Ou
pegos no fluxo.”
“Mas eles vão fazer isso?”, Namir perguntara.
Vifra meneou a cabeça, indicando que sim. A decisão estava tomada.
Na montanha, Namir observava a lava sendo cuspida das bocas de túneis recém-escavados. A maior
parte dos rios de lava emergiu abaixo do nível do exército imperial, mas isso já era esperado. As chamas
subiam onde a lava tocava arbustos ou cadáveres. Veículos de transporte, posicionados atrás das linhas
inimigas, rapidamente deram a volta. Os soldados mais acima na encosta gritaram em pânico, e fugiram
correndo do calor direto para os tiros da Companhia do Crepúsculo.
Logo a lava envolveria quase completamente as partes mais altas do pico. Os imperiais não teriam
para onde recuar. Estariam desmoralizados, aterrorizados e tentariam atacar a Companhia do Crepúsculo
com fúria renovada por conta disso. A estratégia poderia acabar virando a favor do Império.
Mas encurralar o exército inimigo com a Crepúsculo não era o único propósito da lava. Fluxos
adicionais jorrariam mais próximos à base da montanha, e as equipes de escavação da Companhia do
Crepúsculo não eram as únicas equipes de escavação operantes.
A célula rebelde de Nien Nunb não tinha muito acesso a armas ou força de trabalho. Mas tinha em sua
posse veículos de mineração. Destruir meia dúzia de estações de vigia imperiais com lava parecia uma
boa forma de começar uma revolução.
Namir esperava que a célula rebelde conseguisse mobilizar o povo de Pinyumb, e se perguntava se
estaria vivo para ver se essa parte do plano iria funcionar.

A comemoração da Crepúsculo terminou quando os imperiais redobraram a força dos ataques. Os
stormtroopers, arqueados sobre as rochas do pico, golpeavam os soldados da Crepúsculo com a coronha
de seus fuzis antes de tomarem tiros. A pressão de corpos se tornou muito intensa para a companhia; fuzis
de raios sugavam muita energia, esquentavam muito rápido para parar cada inimigo que subia pela
encosta. Namir sinalizou para que recuassem, e os esquadrões abandonaram a artilharia portátil e os
camaradas moribundos para voltar aos portões da fábrica e percorrer o labirinto de barricadas da
companhia.
A retirada foi bem ordenada e rápida. Os esquadrões sabiam que o recuo fazia parte do plano, sabiam
quem poderia ir embora primeiro e quem ficaria para trás para dar cobertura. E eles cumpriram seu
dever enquanto as tropas de armadura branca jogavam granadas e os lança-chamas espalhavam a morte
numa tentativa de fazer a Crepúsculo se dispersar.
Namir se separou de Hober em algum momento durante a retirada e recuperou o fôlego atrás de um
elevador de carga revirado de modo a bloquear a boca cavernosa da entrada leste da fábrica. Foi para
trás do labirinto, observando os esquadrões passando e assumindo novas posições, enquanto outros se
empoleiravam no telhado. Enquanto trocava o energipente de seu fuzil, uma mão poderosa segurou seu
ombro e uma voz declarou em um grave mugido:
– Quando a própria natureza se volta contra nossos inimigos, como podemos perder?
Ele se virou e viu Gadren de pé, acima dele e sorrindo de orelha a orelha. Peste estava logo atrás do
alienígena, com um ombro inexplicavelmente coberto por uma ombreira de stormtrooper. Ela trocou o
peso rapidamente de uma perna para outra, com um sorriso mais tranquilo.
– Vamos tentar não descobrir, ok? – perguntou Namir, dando um tapa no braço de Gadren. Seus olhos,
no entanto, estavam em Peste. Parte dele queria oferecer a ela uma chance de fugir, esconder-se nas
entranhas da fábrica até que a batalha terminasse; mas não era disso que ela precisava, e ele suspeitava
que isso não era o que ela queria. – Vocês dois vão se dar bem.
– Alguma notícia de Pinyumb? – perguntou Gadren.
– Não – disse Namir –, mas não esperávamos nenhuma mesmo. Demos a eles todo o suporte que
podíamos. Derretemos seus carcereiros e encurralamos o exército local aqui em cima. Se eles não
puderem organizar uma rebelião agora, só poderão culpar a si mesmos por isso.
Gadren concordou. Peste pegou um dos braços dele e puxou gentilmente.
– Podemos ir? – perguntou ela.
– Nos vemos mais tarde – disse Gadren a Namir. – Fique bem, meu amigo.
– Você também – disse Namir.
Peste levou Gadren até a formação. Namir observou os dois indo para longe e se esforçou para
controlar suas mãos trêmulas e a respiração subitamente irregular.
Pouco antes do par desaparecer de vista, Peste olhou para ele. Ele se forçou a sorrir um pouco, dando
um aceno de encorajamento.
Ela piscou de volta, e Namir começou a rir.

Os esquadrões no teto da fábrica haviam recebido a tarefa de manter ocupada a artilharia portátil do
inimigo e a equipe com armamento pesado. Enquanto essas unidades não pudessem atacar, a infantaria
imperial seria forçada a afunilar por entre os labirintos, direto para as entradas da fábrica e as zonas de
morte criadas pela Crepúsculo. Mesmo a destruição total da fábrica não era mais uma opção – a não ser
que o Império estivesse preparado para sacrificar tanto a fábrica como seu exército agora encurralado.
A maioria dos que tinham sobrevivido à escalada até o topo da montanha eram stormtroopers, e foram
eles que começaram a lutar para entrar na fábrica. As barricadas improvisadas pela Crepúsculo não
duraram muito contra a barragem de tiros de raios e granadas, mas os próprios destroços ajudavam a
atrasar o inimigo. À medida que os esquadrões perdiam sua cobertura, recuavam para a retaguarda e
deixavam a próxima fileira de equipes tornarem-se a vanguarda da defesa.
Namir atirou contra a saraivada de raios até que seu fuzil teve toda a energia drenada; trocou para a
pistola da cintura e continuo atirando até que alguém lhe jogou outro energipente. Ele estava deitado
sobre a plataforma metálica que levava ao portão da fábrica; então se levantou de joelhos só por tempo
suficiente para avistar um inimigo e puxar o gatilho.
Aquele era o tipo de batalha que ele tinha lutado desde criança. Para ele, lutar era tão natural quanto
respirar.
Embora os esquadrões recuassem e os soldados morressem, embora os stormtroopers continuassem
vindo, a Crepúsculo não abdicou da entrada. Para cada membro da companhia que morria, uma dúzia de
imperiais morria também. O desgaste estava começando a pesar na horda antes massiva que tinha subido
a montanha. Os esquadrões da Crepúsculo pareciam compreender instintivamente o sucesso que estavam
obtendo – os gritos de encorajamento e triunfo aumentavam à medida em que, juntos, os soldados
percebiam que realmente podiam vencer.
Quando Namir recuou do elevador de carga agora em chamas para o corredor principal da fábrica, ele
olhou para o céu e viu a batalha distante entre o destróier estelar e a Promessa de Apailana.
A batalha em solo poderia ser vencida. Namir estava orgulhoso disso.
A batalha aérea não podia, e Namir não tinha mais cartas para jogar.
Era concebível que a célula rebelde tomasse os canhões de defesa da cidade. Mas mesmo esse
cenário, quase certamente, não ocorreria a tempo de salvar a Crepúsculo. Os moradores de Pinyumb
tinham preocupações mais urgentes, ainda que eles pudessem virar suas armas para o destróier estelar, já
seria tarde demais.
Assim que a Promessa fosse destruída, o destróier estelar voltaria sua atenção para a fábrica de
processamento. O prelado veria que o exército imperial tinha falhado. Se daria conta de que poupar a
fábrica não era mais possível sob quaisquer circunstâncias. A menos que um milagre acontecesse, ele
obliteraria todo o topo da montanha.
Ainda assim, Namir teria dado o seu melhor. Teria honrado o espírito da Companhia do Crepúsculo.
E morreria com um sorriso e um grito de guerra.
C A P Í T U L O 38

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

Fazia muito tempo desde a última vez que o capitão Tabor Seitaron saboreara a vitória.
Ele havia se esquecido da euforia de uma batalha decente: o prazer em incentivar e dar ordens a uma
tripulação orgulhosa e dedicada; a empolgação tensa de, de repente, descobrir o ponto fraco do inimigo.
A chegada da espaçonave de combate rebelde o deixara contente – ele tinha previsto isso como uma
possibilidade, embora improvável –, mas transformar a lava de Inyusu Tor em uma arma veio como uma
genuína surpresa. A governadora Chalis e seus aliados eram mais inteligentes do que ele esperava.
Não que o resultado estivesse em jogo. Ele observou o céu cinza pela escotilha da ponte da Arauto,
viu os X-wings piscarem em nuvens de faísca e fumaça. O destróier estelar não era feito para manobras
atmosféricas; mas também não o eram as naves do inimigo, e eles não tinham o poder de fogo para serem
mais do que irritantes. Assim que a espaçonave de combate e seus caças tivessem saído de cena, a
Arauto poderia despejar um novo batalhão de infantaria para reforçar o exército devastado e encurralado
no pico e auxiliar as forças que sufocavam a pequena rebelião em Pinyumb. O cerco seria destruído, a
preciosa fábrica de processamento de minerais do governador sullustano seria salva e o prelado Verge
recuperaria o objeto de seu desejo.
O próprio Verge demonstrava nervosismo e avidez. Enquanto Tabor ficava parado no centro da ponte,
Verge caminhava por cima das bases de controle e passava comandos para os atiradores. Tabor não
interferiu; as ordens do garoto eram desnecessárias, mas bastante sensatas, e Tabor já tinha visto piores
comandantes em campo.
– Prelado, senhor? Capitão Seitaron?
Tabor virou com expectativa para o oficial de comunicação. “Barcel”, pensou Tabor. “Rapaz
competente, muito ansioso, mas jovem o bastante para ser perdoável.” Verge olhou de soslaio para trás,
na direção do rapaz, dando um aceno de permissão para falar.
– Há uma nave auxiliar levantando voo de uma das estações de transporte – disse Barcel.
– Fugindo da lava, imagino – disse Tabor. – Ela está transmitindo códigos de autorização?
– Sim, senhor – disse Barcel. – Aqueles em que você pediu para ficar de olho.
Tabor riu e viu um sorriso de aprovação de Verge.
– Que isso seja uma lição para todos vocês – gritou Tabor. – Você pode enganar um homem sábio uma
vez, um tolo duas… mas ninguém cai na mesma armadilha três vezes.
A governadora Chalis tinha usado seus códigos de acesso para abordar um transporte imperial no
sistema Redhurne. Os rebeldes tinham usado esses mesmos códigos para enganar o bloqueio de Hoth.
Tentar uma terceira vez – para fugir da própria batalha em uma nave auxiliar – parecia um ato
extraordinário de arrogância.
– Traga a nave auxiliar com um raio trator – disse Verge –, antes que deixe a atmosfera. Mantenha-a
intacta, por favor; vamos nos encontrar na doca da nave auxiliar.
Verge não tinha nem terminado de falar quando começou a caminhar a passos largos na direção do
turboelevador. Mas parou quando viu que Tabor não o seguia. Depois de um instante, Tabor fez uma
careta e deixou a escotilha para andar ao lado do prelado. Ele manteve a voz baixa ao falar.
– Você não precisa de mim para isso. Um de nós deveria ficar aqui.
Ele temia que o prelado ficasse irritado, mas o garoto só balançou a cabeça e apertou o ombro de
Tabor.
– Você realmente acha que somos necessários nessa batalha? Nosso verdadeiro triunfo está no hangar.
Quero você ao meu lado. – Era quase um apelo, como uma criança faria ao seu pai.
Tabor queria recusar, afirmar severamente que, enquanto homens estivessem morrendo sob seu
comando, ele não poderia sair andando. Mesmo a vitória tinha um preço, e embora a Arauto fosse
imbatível, havia baixas ocorrendo lá embaixo. Permanecer como testemunha era uma questão de respeito.
Mas ele conhecia Verge bem o bastante para imaginar o que o garoto pensava sobre respeitar os
subalternos acima de qualquer coisa.
– Estou com meu comlink – avisou Tabor aos controladores. – Assim que alguma coisa mudar,
transmitam imediatamente a mensagem.
– Finalmente o inimigo – murmurou Verge ao embarcar no elevador. – Você acha que ela sabe que o
fim dela chegou? Será que ela reconhecerá que sua própria falta de lealdade inevitavelmente a levou ao
fracasso?
– Ela é uma rata das mais baixas, prelado – disse Tabor. – Eu não esperaria muita coisa deste
enfrentamento.
– Então vamos fazê-lo valer a pena – disse Verge –, em nome do imperador.

O raio trator havia trazido a nave auxiliar para a terceira baia do hangar. Scanners mostravam apenas
uma forma de vida a bordo; se Chalis fosse a passageira, como Verge claramente acreditava, ela tinha
vindo sozinha.
Verge tinha achado um tanto curioso que Tabor houvesse pedido a dois troopers da frota que os
acompanhassem por segurança: Zhios e Cantompa. Tabor havia começado a apreciá-los durante seu
tempo a bordo da Arauto. Eles tinham assistido a Verge torturar seus colegas, haviam cuidado de Tabor
quando ele ficara doente após uma mudança na dieta, e ficavam do lado de fora do centro tático em seus
uniformes pretos e capacetes por horas sem fim. Tabor confiava neles – e se havia alguma honra na
captura final de Chalis, eles mereciam compartilhá-la.
– Você acha que ela sairá atirando para todos os lados? – perguntou Verge, quando a escolta de Tabor
entrou na frente deles pela porta de hiperaço até a doca da nave auxiliar. Pelo menos, Tabor pensou, o
prelado não estava rindo abertamente.
– Imagino que um pouco de cuidado não faça mal algum – disse Tabor.
Um dos homens avisou que estava tudo limpo, e Verge levou Tabor para dentro do hangar – o mesmo,
Tabor recordou, de quando ele desembarcara a bordo da Arauto. A nave auxiliar lá dentro já tinha
baixado sua rampa de embarque. Os guardas estavam com seus fuzis apontados para a entrada.
De maneira lenta e quase cerimonial, a passageira da nave auxiliar desceu. Ela usava o uniforme preto
de um capitão do Exército Imperial, embora as botas não combinassem. Uma máscara de respiração
estava pendurada sem uso no pescoço. Os braços estavam abertos, com as palmas das mãos para cima,
em um gesto que poderia significar tanto rendição quanto boas-vindas. Os traços dela, de forma geral,
batiam com as memórias de Tabor, mas ela parecia magra e abatida, exausta apesar do sorriso cruel que
cruzava seus lábios.
– Perdoe-me a indumentária – disse a governadora Chalis. – Eu tomei emprestada de um de seus
homens para acessar a nave auxiliar.
Ela virou levemente os quadris, e Tabor viu que havia um círculo de tecido gasto e queimado na altura
do tronco. A marca de um tiro de raios. Ele endureceu e fez uma carranca. “Assassinar um homem e
depois fazer pouco caso disso…”
– Não um dos meus homens – disse Verge. – Mas sem dúvida um dos homens do imperador. Mais uma
traição para sua lista.
Mas Chalis foi primeiro na direção de Tabor, com os olhos arregalados em surpresa exagerada.
– Capitão Seitaron – disse ela. – Você deixou sua aposentadoria de lado por mim. Sua amante deve
estar com ciúmes.
Ele já tinha esquecido o sotaque dela – aquele coruscanti terrível, exagerado e escolar, como se ela
pudesse enganar alguém de que não tinha nascido nas entranhas de um fim de mundo colonial. O conde
Vidian fora um homem inteligente, mas Tabor não conseguia imaginar por que ele havia se esforçado
tanto para alçar Chalis na hierarquia imperial.
– Eu queria manter minha mente ativa… – começou ele.
– E você deve ser o prelado. – Chalis cortou Tabor e virou para Verge, olhando o garoto de cara séria
dos pés à cabeça.
“… mas você dificilmente me deu a oportunidade”, ele pretendia finalizar. Ele se incomodou com a
interrupção, mas controlou a irritação.
– Realmente – continuou Chalis –, você deve ser um indivíduo extraordinário para ter ganho um novo
título do próprio Palpatine. Não foi nomeado moff, ministro, ou vizir, com todos aqueles deveres e
responsabilidades, mas um prelado.
Tabor não tinha certeza se Verge tinha entendido a zombaria. O garoto olhava Chalis com desdém,
como se sua própria existência fosse uma afronta pessoal.
– A única coisa que lhe diz respeito – disse Verge – é que sou o agente de nosso imperador neste lugar.
Você não foi boa com nosso senhor e mestre.
Chalis gargalhou, um som que seria leve e alegre, se não fosse por uma aspereza gutural.
– Você foi muito esperto em se autodenominar o servo favorito do imperador, não é? É verdade que
você construiu um templo para ele em Naboo? Que gosta de tomar choques à noite para ver se você
aguenta o que ele teve de aguentar para conquistar aquelas cicatrizes? Talvez se você usasse uma
máscara, ele te trataria mais como Vader.
Verge deu só um passo à frente, e Tabor viu o corpo do garoto tremer. A ideia do que Verge poderia
fazer com Chalis não era da conta dele – será que ela estava querendo provocá-lo para receber uma
morte rápida? –, mas e se a raiva de Verge crescesse demais, e se ele descontasse em outros…?
– Você não precisa ouvir isso, prelado – disse Tabor. Verge não parecia ouvi-lo.
– Eu peço desculpas – disse Chalis, fazendo uma meia reverência. – Eu o parabenizo por ter me
levado à derrota. Vim até aqui fazer uma oferta.
– Uma oferta? – disse Verge. Foi quase um sussurro.
– Aprendi mais que qualquer espião sobre os trabalhos internos da Aliança Rebelde: sua liderança,
seus planos, suas vulnerabilidades. – A voz de Chalis, subitamente, perdeu sua jocosidade e baixou uma
oitava. – Conceda-me um perdão pelos meus crimes e vou dividir tudo isso com vocês.
O tremor de Verge aumentou. Seus lábios estavam entreabertos e ele respirava longa e ruidosamente.
Tabor percebeu que sua própria mandíbula estava dolorida e tensa. Olhou para seus guardas e viu que
eles também temiam o que o prelado podia fazer. Embora os dois mirassem suas armas para Chalis, seus
olhos estavam em Verge.
De uma só vez, o tremor de Verge parou. Os músculos dele pareceram relaxar. Casual e
confiantemente, ele deu um passo à frente até Chalis e esticou a mão, cravando seus dedos nas bochechas
e queixo dela – como se ele pudesse arrancar o rosto dela tal qual uma máscara. Chalis resfolegou de
dor, mas não lutou. Quando Verge a lançou rolando pelo chão, ela não se levantou novamente, olhando
para cima com um rosto marcado por cortes superficiais.
– O imperador – disse Verge, chacoalhando a mão como se tivesse encostado em lama – não precisa
de uma mulher como você. E com sua derrota, eu me provei merecedor de um lugar junto a Vader.
Chalis parecia pequena e enrugada no chão. Tabor não sentiu pena dela.
– Já que insiste. – A voz dela agora estava rouca e falha. Ela enfiou uma mão num dos bolsos da calça
e retirou um dispositivo pequeno e chato com um único botão.
“Segurem-na”, Tabor quis gritar, mas já era tarde demais. Ele a viu com o polegar flexionado, e ouviu
o mais baixo dos cliques.
Por um segundo, nada aconteceu.
Então a nave auxiliar pareceu flamejar com uma aura ofuscante de luz azul-esbranquiçada. Arcos de
eletricidade começaram a saltar de sua superfície e a doca onde estava a nave começou a ecoar sons de
faíscas e corrente elétrica. Ruídos de estouro emanavam dos painéis de controle do hangar enquanto
relâmpagos atingiam os geradores de raio trator e as braçadeiras de ancoragem. Um terrível cheiro de
metal e plastoide derretidos fizeram Tabor engasgar e ele teve que proteger o nariz com a manga da
camisa.
Quando a luz se dissipou, pontos vermelhos e verdes flutuavam dentro dos olhos de Tabor e ele
começou a piscar fortemente, tentando clarear a visão. Até que finalmente as palavras vieram até ele,
assim que seu cérebro idoso e atordoado percebeu o que tinha acontecido.
– Uma bomba de íons – murmurou.
O deque tremia abaixo dele e o casco da Arauto parecia gemer.
– Cerca de vinte delas – disse Chalis. Ela estava com as mãos e joelhos no chão, se erguendo
lentamente. A voz, de repente, ficou ressecada. – Tudo o que tinha sobrado na Crepúsculo.
O deque tremeu novamente. Verge olhou em volta, suas pernas gentilmente se curvaram para recuperar
o equilíbrio e seus lábios quiseram dar um sorriso:
– Este é um destróier estelar imperial. Todos os equipamentos vitais são blindados. Mesmo vinte
bombas não causarão dano.
Mas isso não era verdade. Tabor balançou a cabeça, tentando organizar seus pensamentos. Por que não
era verdade? “Pense, Tabor.”
– Estamos na atmosfera – disse ele, envergonhado com o próprio tom de urgência. – Precisamos de
força total para permanecermos flutuando. Qualquer mínima perturbação… – Destróieres estelares eram
embarcações extraordinárias, capazes de arrasar montanhas e carregar exércitos. Mas sua massa era
medida em milhões e milhões de toneladas, e a energia requerida era imensa.
Ele fez um esforço para se recompor, para falar de uma maneira condizente com um capitão imperial.
– Precisamos recuar imediatamente – disse, dando um toque no comlink. – Transfira todas as armas e
força auxiliar, tudo o que pudermos, para os motores. Leve-nos de volta à orbita.
Em resposta, ele ouviu só a risada gutural de Chalis.
É claro. Os sistemas da Arauto eram incrivelmente blindados, mas seu comlink tinha sido desabilitado
junto com qualquer coisa no hangar mais complexa que uma luminária. Ele virou-se para os guardas e
ordenou que a mensagem fosse transmitida para a ponte. Eles correram juntos para a porta do hangar, que
não abriu.
Tabor xingou alto. Os guardas removeram o painel de controle e procuraram uma maneira de ativá-lo
manualmente. Verge permaneceu imóvel, olhando para Chalis, como se a explosão de íons tivesse
quebrado seu corpo também.
“Por que você fez isso?”, Tabor queria gritar com Chalis. “Qual é a vantagem para você além do
derramamento de sangue?”
Será que ela realmente queria dar a própria vida pela causa rebelde?
– Ainda acha que ganhou a admiração do imperador? – perguntou Chalis, com os olhos fixos em Verge.
– Você ainda pertence a mim – disse Verge, embora ele não parecesse tão certo disso.
– E enquanto me capturava, você colocou um dos ativos mais importantes de Sullust nas mãos da
Rebelião. – Ela balançou a cabeça lentamente. – Não foi uma troca calculada, mas, sim, um terrível ato
de idiotice egocêntrica.
O deque sacudiu, lançando Tabor de joelhos com força. Uma dor intensa tomou conta de suas pernas, e
ele pensou qual teria sido o tamanho do dano em seus ossos. Ele olhou para os guardas que estavam
jogados no chão; tinham conseguido abrir apenas uma fenda na porta. Depois virou-se para Chalis, que
estava de joelhos de novo.
Só Verge recuperara o equilíbrio. Quando o alarme começou a soar do lado de fora da doca, ele deu
um salto para a frente, agarrando Chalis pelo queixo e dando um tapa no rosto dela. Novamente, ela não
revidou, apenas virou o rosto para amenizar a dor das pancadas, que começaram a se repetir
rapidamente. Quando Verge parou para tomar fôlego – com a mãos e o rosto sangrando, e os olhos
arregalados como os de um animal raivoso –, a governadora gargalhou novamente.
– Eu vi Vader – disse ela, com um sorriso vermelho nos lábios. – Perto dele, você realmente é
patético.
Verge congelou, fazendo uma garra com uma das mãos logo acima do olho de Chalis.
– Conseguimos! – gritou um dos guardas. O outro estava tentando passar espremido pela passagem que
criaram entre a porta e o batente.
– Parem – disse Verge, com a voz quase gentil. – Não vamos recuar da batalha.
Tabor estava confuso demais para protestar.
Verge continuou falando.
– O imperador não irá nos perdoar por essa falha, e nem deveria. Fale para a ponte direcionar todo o
poder de fogo para o exército rebelde. Destrua a fábrica de processamento, se for necessário. Mas não
vamos permitir que Sullust seja tomada.
As implicações dessa ordem começaram a surgir na mente de Tabor muito lentamente.
– Prelado… – ele começou bruscamente, repreendendo-o. Então se forçou a moderar o tom, mas pôde
ouvir sua própria tensão. – Sullust não será perdida. Podemos entrar nessa luta outro dia. Sacrificar tanto
os nossos homens como as tropas no chão…
A Arauto tinha uma tripulação de milhares de soldados. Eles tinham dado tudo a Verge, mas aquilo já
era demais.
Aquilo era loucura.
“Por que você está fazendo isso?”
– Não questione minhas ordens, capitão – disse Verge. A voz dele continuava infantilmente gentil. –
Todos falhamos, e nós todos somos responsáveis. Vamos jogar esta nave na montanha antes de sofrermos
outra derrota.
Então Chalis golpeou Verge enquanto sua cabeça estava virada e ele não teve mais como continuar seu
argumento. Os dois se atracaram ferozmente – o garoto em seu primor contra a governadora com o dobro
da sua idade. Mesmo assim, a pura selvageria dava a ela uma vantagem que Verge não podia facilmente
superar. Tabor gritou para o prelado, mas sua voz se perdeu em meio à luta e ao alarme.
Os guardas tinham ficado onde estavam, sem saber o que fazer. Mas eles eram bons homens,
obedientes. Imediatamente, aceitaram as ordens do prelado e foram até a ponte.
Tabor xingou e tirou a arma da cintura, apontando-a para os dois que lutavam. Sua pistola era uma
Merr-Sonn B22, ativada mecanicamente. Talvez ainda fosse capaz de atirar depois da explosão de íons.
Se ele pudesse acabar com aquela briga, talvez conseguisse colocar algum juízo na cabeça do prelado e a
Arauto poderia escapar.
Suas mãos estavam trêmulas enquanto ele espremia os olhos, tentando mirar. Em sua mente, ele
considerou o que poderia dizer para dissuadir Verge, qual argumento poderia utilizar para demonstrar
que a morte de tantos homens bons era desnecessária.
Ele procurou em sua memória todas as conversas que tivera com o garoto durante o desjejum e
enquanto resistia a interrogatórios. Ele tentou colocar no lugar as peças da filosofia maluca de Verge para
encontrar alguma coisa em sua visão do Império que Tabor pudesse usar.
Ele imaginou a tripulação da Arauto morrendo por causa da paixão do garoto.
Ele puxou o gatilho. O cano da pistola brilhou, vermelho. Os dois se separaram, e Verge olhou para
Tabor com olhos arregalados e desconcertados – o olhar de um cão cruelmente sacrificado pelo mestre –
antes de cair no chão. Chamas consumiam o buraco em seu peito.
– Diga à ponte para recuar. Toda a energia para os motores – disse Tabor. Ele ouviu os guardas se
esgueirando pela fenda aberta na porta.
Eles eram bons homens. Ele podia contar com eles.
O rosto de Chalis era uma máscara de sangue. Ele mirou a pistola no peito da governadora, que estava
sorrindo.
“Por que você fez isso? Do nada? Por lealdade rebelde?”
– Capitão Seitaron – disse ela. – Tabor.
– Você é a responsável aqui – disse Tabor. – Não o garoto, cuja loucura tinha sido dada a ele, não
escolhida. – Morto, Verge não mais parecia ameaçador ou imprevisível: ele era uma vítima das
circunstâncias, uma mente brilhante e um patriota feroz.
Verge acreditara que estava fazendo uma caridade a Tabor, ao tirá-lo da aposentadoria.
Tabor percebeu que sua visão estava ficando embaçada. Ele se preparou para disparar.
– Uma pergunta primeiro – disse Chalis.
– Só uma pergunta – resmungou Tabor.
Ela deu de ombros, como se esperasse essa resposta.
– Diga-me – disse ela. – Se eu atirei no prelado enquanto você e seus guardas estavam presos do lado
de fora, como eu poderia atirar no meu próprio peito com minha própria pistola?
Tabor olhou para Chalis como se ela tivesse enlouquecido.
C A P Í T U L O 39

P LANETA SULLUST

DIA 3 DO CERCO DE INYUSU TOR

Quando o destróier estelar recuou para cima das nuvens, a Companhia do Crepúsculo comemorou por
cima dos sons de explosões e tiros de armas de raios. Por que isso tinha acontecido, ninguém sabia dizer:
as chances de a Promessa de Apailana ter derrotado a Arauto pareciam nulas, e nenhuma arma estava
atirando para o céu a partir de Pinyumb, o que sugeriria que a célula de Nien Nunb tinha capturado as
defesas da cidade. Mas qualquer que fosse o motivo, tinha sido um presente muito bem-vindo que
pareceu inspirar as tropas rebeldes tanto quanto desmoralizou a infantaria imperial.
Mesmo assim, a luta nos portões da fábrica de processamento continuava – e iria se arrastar, Namir
sabia, até que o exército imperial fosse reduzido a nada. Ele havia juntado as duas forças ao encurralá-
las em cadeias de lava. Uma delas seria completamente destruída antes do fim do dia.
Namir disparou seu fuzil até seus dedos travarem, até seus quadris doerem de tanto ficar agachado. Ao
entardecer, ele recuou com os esquadrões para as profundezas da fábrica até que a entrada tivesse se
tornado apenas um ponto distante de luz do dia. O piso metálico à frente dos esquadrões havia se
transformado em um depósito de escombros usados como barricadas; de corpos dos stormtroopers e de
soldados da Crepúsculo; de armas quebradas, energipentes descartados e capacetes rachados.
E ainda assim os inimigos não paravam de chegar. Às vezes dez ou vinte por vez, às vezes em equipes
menores reforçadas com canhões portáteis e veículos repulsores. Namir viu amigos e camaradas serem
mortos por raios, imolados por lança-chamas e perfurados por estilhaços. Um stormtrooper havia
rasgado um corte sangrento no peito de Namir com um vibropunhal; alguém lutara para afastar o trooper,
dando a Namir a chance de cuidar da ferida e voltar para a luta.
Ocasionalmente, uma voz falava em seu ouvido pelo comlink, reportando como estava a luta nos outros
portões da fábrica. Namir enviou reforços onde os julgou necessários, chamou ajuda quando os
combatentes em sua entrada estavam sendo mais pressionados. Em sua maior parte, as táticas empregadas
por ambos os lados eram simples. O momento de ser inteligente tinha acabado na encosta da montanha.
Uma vez, durante uma breve trégua entre as ondas de ataque, Namir sentiu um corpo se mover embaixo
dele e gemer. Estava tão exausto que só percebeu que a mulher ferida era uma imperial depois de passar
a ela seu cantil de água. Ela então rastejou para longe, só para ser morta por um atirador de elite da
Crepúsculo.
Mas, à medida que a noite foi se aprofundando, as tréguas entre os ataques começaram a se tornar cada
vez mais longas. Quase uma hora já havia se passado após um ataque furioso, e Namir e os outros se
entreolhavam incertos, sem vontade de deixar seus postos e com medo de quebrar o encanto. Eles não
mais ouviam gritos a distância ou o estrondo de explosões. O portão para a montanha estava escuro. No
silêncio do campo de batalha, a verdade, enfim, se tornou óbvia:
A Companhia do Crepúsculo tinha vencido.
C A P Í T U L O 40

P LANETA SULLUST

2 DIAS APÓS O CERCO DE INYUSU TOR

Thara Nyende não deveria estar viva.


Sua transferência da ala de emergência da guarnição para a clínica civil foi a única coisa que a
salvara. Ela havia mantido os médicos sob a mira de sua pistola durante todo o dia, enquanto ficava
curvada para a frente numa cadeira. Dessa forma, eles poderiam tratar uma porção de civis e
stormtroopers que foram levados até ali, mas jamais conseguiriam se juntar ao levante. Exausta e
dolorida demais para conseguir se controlar, ela tinha chorado ao ouvir as notícias de que a guarnição
fora inundada por lava. Se pudesse, teria se juntado às forças de segurança nas ruas. Contudo, a única
coisa que ela conseguira fazer era observar dos bastidores e ouvir as celebrações barulhentas que lhe
diziam que Pinyumb fora capturada.
Capturada pelas mesmas pessoas que ela vinha tentando proteger, vestir e alimentar.
Ela não entendia. Quando a hora chegou, ela se entregou aos rebeldes sem resistência.
Agora, dois dias depois do fim do combate, ela era oficialmente uma prisioneira da Aliança Rebelde.
Devido ao grande número de prisioneiros feitos durante o levante – desde os administradores imperiais
até os membros da força de segurança, passando pelos fiscais civis das indústrias de Pinyumb –, ela tinha
recebido permissão para servir em um posto de trabalho sob a supervisão de um voluntário autorizado.
Extraoficialmente, ela estava trabalhando na cantina do tio.
A cantina em si tinha se transformado num refúgio após a crise. Quando o tio de Thara foi liberado da
detenção, ele imediatamente começou a usar o local para distribuir suprimentos doados. Enquanto alguns
dos moradores de Pinyumb passaram intocados pela revolução, outros viram suas residências serem
queimadas e tiveram suas posses confiscadas. Eles precisavam da ajuda que outros moradores pudessem
lhes dar. E, à medida que os voluntários se dirigiam à cantina, o local acabou se tornando um ponto para
troca de informação sobre a reconstrução de Pinyumb e para a realização de reuniões e discussões sobre
como a cidade deveria ser governada sem o Império. A cantina estava sempre cheia, e, dessa forma,
Thara ficava bastante ocupada. Ela verificava bens quando eles entravam e saíam, consertava máquinas
quebradas, passava mensagens adiante e servia bebidas.
O tio dela observava de perto, embora tentasse não demonstrar. Se quisesse, ela poderia ter sabotado a
operação, mas para quê?
Ela sentia os olhos dos clientes habituais da cantina sobre si enquanto carregava uma bandeja para uma
mesa ocupada por trabalhadores do processamento de minerais. A fábrica não voltaria à ativa por mais
uma semana ou mais, então os mais velhos estavam com tempo para relaxar.
– Eu sei quem é você – disse um dos trabalhadores.
Ela reconheceu quem tinha falado – um Sullustano murcho, com orelhas e papo caídos. Ele tinha sido o
primeiro a falar abertamente contra o imperador na presença dela, meses antes. Os outros tinham ficado
aterrorizados. Ela não o entregara.
Ele estendeu a mão enrugada e segurou gentilmente o punho dela. Ela sentiu vontade de dar um tapa
nele, mas em vez disso, forçou-se a sorrir. Não podia causar encrenca.
– Não estou tentando me esconder – disse ela, séria e direta.
O velho Sullustano deu-lhe dois tapinhas no punho e a soltou.
– Nós todos escolhemos lados – disse ele. – Não há vergonha em ter escolhido o errado.
Thara olhou surpresa para o Sullustano. Então deixou a bandeja na mesa e saiu andando.
Nem todos estavam contentes que Pinyumb tinha se juntado à Rebelião. Ela sabia interpretar
murmúrios inquietos, comentários discretos que continham uma mensagem subliminar de desprezo.
Instabilidade era a palavra de ordem entre os sullustanos, que temiam o que a Rebelião poderia fazer
com o seu lar.
Eles não ousavam falar abertamente de suas desobediências. Nem ela. Mas ela queria virar para o
velho e perguntar para todos eles: “Quem disse que eu escolhi o lado errado?”.
Ela amava seu tio e amava Pinyumb, mas seus colegas estavam mortos. Ela usava uma bandagem sobre
o estômago e não conseguia se mexer mais rápido que um manco. Se o Império voltasse, ela tinha todas
as intenções de se juntar novamente à legião de stormtroopers.
E ainda assim…
… só de pensar em pegar um fuzil contra as pessoas naquela cantina, ela começava a tremer. Gotas de
água, chá, e cerveja escorriam pela lateral dos copos que ela levava e trazia do bar.
Ela esperava que a paz durasse um pouco mais.
C A P I T U L O 41

P LANETA SULLUST

3 DIAS APÓS O CERCO DE INYUSU TOR

Mais de um terço da companhia havia morrido. Cerca de cem membros da Crepúsculo, mais ou menos,
estavam feridos gravemente o bastante para ficarem de fora da lista de ativos. Namir tinha certeza que
alguns jamais voltariam para a Crepúsculo. Outros se aposentariam do combate e se juntariam à equipe
de apoio, que fora dizimada. Durante o cerco, todos sem exceção serviram como combatentes, e a
Companhia do Crepúsculo estava agora deficiente em médicos e engenheiros, assim como em soldados.
Mesmo a perda dos droides domésticos a bordo da Trovoada criara a necessidade por novos
cozinheiros, tradutores e mecânicos.
Gadren estava entre os feridos. Ele tinha perdido um de seus braços durante a explosão de uma
granada nas horas finais do conflito.
– Somos mais resistentes que os humanos, com membros de sobra! – ele declarou mais de uma vez nos
dias seguintes, no mesmo tom de sempre, como se fosse um mantra em vez de uma piada. Apesar da lesão
e da desaprovação de Von Geiz, ele passava suas manhãs com a equipe de recuperação da Trovoada,
procurando nos destroços suprimentos, equipamentos e objetos pessoais de amigos.
Peste estava entre os mortos. Foi Gadren quem contou a Namir a história de sua heroica investida
final:
– Ela mergulhou na multidão de combatentes, silenciosa e determinada. Seu cabelo vermelho
esvoaçava como uma bandeira. Uma speeder bike cheia de explosivos veio na nossa direção, sem piloto.
Ela saltou sobre os stormtroopers, sendo atingida por raio após raio, mas nunca mortalmente, até que
conseguiu mirar na speeder. Então tudo brilhou em fogo, e ela morreu para nos salvar.
– Alguma coisa disso é verdade? – Namir perguntou.
– Não há certezas na batalha – respondeu Gadren, com a voz baixa e atormentada.
Namir não falou com mais ninguém que tivesse visto a queda de Peste. Então deixou Gadren contar a
história do jeito que quisesse. Não achou que Peste iria se importar.
Ele só se perguntava por que ela tinha escolhido aquele nome.
Ele gostaria de tê-la conhecido melhor.
Contou isso para Brand enquanto andavam pela encosta da montanha. Oficialmente, estavam
procurando por qualquer coisa perigosa que pudesse prejudicar os trabalhadores viajando de Pinyumb
para a fábrica de processamento – artilharias e minas não acionadas –, embora nenhum dos dois fosse
especialista no assunto.
– Não tem muito o que fazer agora – disse Brand. Namir tentou cortá-la, mas ela continuou falando. –
Peste estava bem. Não precisava de você. Você fez sua parte.
Namir concordou com a cabeça, se ajoelhou nas rochas, pegou uma pedra em forma de adaga e jogou
pela encosta.
– Eu sei disso. Mas o único motivo de eu ainda estar aqui…
“É que eu não quero lutar ao lado de estranhos”, pensou. De que adiantava ter o respeito dos amigos se
todos eles estavam escorrendo pelos dedos? Mas ele não conseguiu dizer isso.
Brand não parecia ouvi-lo mesmo. Eles continuaram sua descida, ocasionalmente passando por uma
cratera formada por um morteiro ou o corpo de um soldado que tinha sido comido pelos anjos de cinzas.
– Também sinto falta deles – disse Brand depois de um tempo. Soava como uma confissão, como se
ela esperasse mais de si mesma. Ela parou de caminhar e Namir a puxou de lado. Eles ficaram em
silêncio até que Brand voltou a falar.
– Por que eu sempre sobrevivo?
Ele olhou para ela, descobrindo que a máscara que ela usava não contribuía para que ele entendesse a
expressão em seu rosto.
– Não sei. Acho que alguns de nós apenas sobrevivem. – Era uma resposta insatisfatória. Tudo o que
ele podia fazer era sentir compaixão. – Eu sobrevivi.
– Você ainda é jovem. Praticamente da idade da Peste.
– Eu faço isso…
– … há mais tempo que a maioria de nós. Eu sei. Mas não é a mesma coisa.
Ela começou a andar novamente, mas seus passos eram lentos e comedidos.
– Eu preciso de você, sabe – disse Namir. – Ainda estamos aqui por sua causa. – Por causa das coisas
que ela tinha dito. Ele apontou para a montanha com um gesto de queixo. Seu tom era sombrio. Era uma
afirmação, não uma pergunta ou um pedido.
– Não por mim. Por causa de Uivo – disse Brand. Então ela se virou para ele e fixou seus olhos da
melhor maneira que pôde, ainda com a máscara.
– Nós fomos muito bons – disse ela. – Não vou a lugar algum.

Pinyumb estava livre e seus mestres imperiais tinham fugido, se rendido ou desertado. As defesas
substanciais da cidade estavam sob o controle dos civis, garantindo, pelo menos, uma breve suspensão
das execuções. Transmissões piratas e sinais imperiais interceptados indicavam que outras insurreições
tinham começado em todo o planeta. Isso certamente atrasaria o inevitável contra-ataque do Império.
Namir sabia disso tudo porque a célula rebelde de Nien Nunb o tinha convencido a se juntar às
reuniões diárias do governo interino da cidade. As reuniões eram torturantes, cheias de debates sobre
quem iria administrar qual sistema de tratamento de água, e se a noite artificial da caverna deveria ser
diminuída durante a reconstrução. O único papel de Namir era o de se manifestar quando surgiam
preocupações militares e de, ocasionalmente, voluntariar suas tropas para tarefas do dia a dia.
Pelo menos Namir sentia-se aliviado porque nem ele nem os outros soldados da Crepúsculo em
Pinyumb haviam sido tratados como heróis – os Sullustanos estavam muito ocupados e eram muito
pragmáticos para isso; além disso, já tinham sofrido o suficiente com suas perdas. Mesmo assim, de vez
em quando, um Sullustano se aproximava e murmurava um agradecimento calado, ou uma senhora humana
o presenteava com um buquê de flores, algumas frutas ou metal gravado.
– Sullust irá mudar – dizia-lhe Nien Nunb no fim de cada reunião. Corjentain traduziu da primeira vez.
Nas outras vezes, Namir conseguiu entender sozinho.
Depois das reuniões, Namir caminhava pelas ruas de Pinyumb – ruas que, há poucos dias, estavam
vazias, e agora transbordavam de gente – e absorvia a paisagem daquela caverna estranha e maravilhosa.
Ele andava ao lado das margens dos rios turquesa e passava os dedos pela poeira amarela que cobria as
rochas. Ele não tinha por que ficar constrangido sem sua equipe ao redor.

Mesmo assim, não era possível fugir das responsabilidades. Além das reuniões em Pinyumb, Namir
encarava diversas conferências com o restante das lideranças da Companhia do Crepúsculo durante a
madrugada.
– O governo interino nos quer aqui por, pelo menos, mais duas semanas – ele lhes disse no quarto dia
após o cerco. – Assim que se sentirem seguros, devemos sair de cena; dessa forma, faremos o Império um
pouco menos desejoso por reduzir essa área a cinzas. Não é muito tempo, eu sei, mas deve ser o
suficiente para colocar a Trovoada para funcionar ou para encontrar uma alternativa de transporte.
– Vamos nos ater à segunda opção – murmurou Vifra. Namir estremeceu. O esforço realizado pelas
equipes de escavação para liberar a lava montanha abaixo tinha deixado a mulher com apenas alguns
engenheiros.
– E quanto a depois? – perguntou Carver.
– Você quer dizer, quanto a Kuat? – respondeu Namir, o mais informalmente que pôde.
Carver acenou. Hober desviou o olhar. Von Geiz encarou atentamente Namir. Os outros observavam e
aguardavam.
– Não é mais uma opção – disse Namir –, por todas as razões óbvias.
– Então o que… – começou Carver.
Namir o interrompeu.
– Temos muito tempo. Comece a pensar. Se tivermos sorte, talvez consigamos novas ordens. Se não,
arranjaremos alguma coisa que dê certo.
Alguns iriam resmungar, tanto entre os superiores quanto entre os oficiais e os subordinados. Namir
não se preocupava com isso – as pessoas sempre resmungavam, e ele já tinha feito muito disso quando
Uivo estava no comando. Mas, levando em conta tudo o que eles haviam perdido nos meses anteriores, a
Crepúsculo tinha se tornado uma sombra do que era. Tantos mortos, tantos feridos, tanto equipamento
destruído e recursos gastos… sendo otimista, a companhia estava com um terço da força. Por enquanto,
suas ambições precisavam de calma.
Namir se atualizou sobre as operações de recuperação, sobre o estado dos feridos e sobre os reparos
da Promessa de Apailana – a espaçonave de combate tinha escapado da batalha com a Arauto com suas
baterias de laser drenadas e seus defletores superaquecidos, mas com o casco, impressionantemente,
intacto. Quando a reunião chegou ao fim e os assistentes saíram da sala de conferências da fábrica, Namir
segurou Gadren pelo ombro e o puxou de lado.
– Você vai voltar à Trovoada? – perguntou Namir.
– Essa era a minha intenção – disse Gadren. – Parece que é onde tenho mais utilidade.
Ele podia também ter dito “meu esquadrão se foi”. Exceto por Brand, mas Brand não recebia ordens.
– Eu tenho outra utilidade para você – disse Namir. – Você é bom com os civis. Quer ser meu contato
em Pinyumb?
Gadren sorriu lenta e tristemente, ao recusar.
– Isso não é necessário – disse ele.
– É para a minha sanidade – disse Namir. – Estou trabalhando duas vezes mais do que trabalhava e não
tenho ninguém com quem reclamar. Você conhece essa companhia tão bem quanto qualquer um. – Tudo
aquilo era verdade. Seu desejo de dividir o fardo era genuíno; assim como seu desejo de manter Gadren
por perto, pelo bem dos dois.
Gadren fechou os olhos, entrelaçou três pares de dedos carnudos e fez um gemido grave que veio da
garganta, tão grave que Namir pareceu sentir vibrar em seus ossos.
– Muito bem – disse ele. – Por ora. Mas não posso ser seu tenente ou… ela.
Namir sorriu e balançou a cabeça.
– Ótimo. Mas você não tem como fazer um trabalho pior que o dela. – Ele disse isso porque esperava
convencer Gadren e porque ela era um alvo fácil.
No entanto, era mentira.
Apesar de todos os defeitos de Chalis, ela tinha ajudado muito a Companhia do Crepúsculo. Os erros
foram de Namir.

Namir não tinha notícias da governadora desde que Brand reportara vê-la voando pela montanha. Ele
suspeitava que ela estivesse viva, embora fosse apenas um palpite; o corpo dela podia ter sido
incinerado pela lava ou comido pelos anjos das cinzas. De qualquer forma, ela não era mais sua
responsabilidade. Mesmo Uivo, ele suspeitava, teria concordado com isso.
Por razões que não sabia explicar, no entanto, ele sempre olhava para o busto de bronze no escritório,
analisando o rosto austero e se perguntando sobre as mãos que o esculpiram. Ele estava olhando para a
estátua cinco dias depois do cerco quando uma voz anunciou pelo comlink:
– Capitão? Há uma mensagem gravada vindo para você. Fonte desconhecida, códigos de encriptação
rebelde.
Namir franziu a testa.
– Especificamente para mim?
– Sim, senhor. Com o seu nome.
Aquilo parecia incomum para uma mensagem do Alto Comando da Aliança – será que os líderes
rebeldes sabiam que Uivo estava morto? Mas esse era um mistério facilmente solucionável.
– Pode mandar – disse Namir.
A holointerface em seu terminal foi ativada. A estática azul se ajustou para formar um rosto que já tinha
sido jovial, mas agora estava invadido por linhas sutis de idade. A mulher não tinha mais a escuridão sob
os olhos com a qual Namir tinha se acostumado, embora seu cabelo parecesse mais grisalho do que antes,
e arranhões longos e quase curados marcavam suas bochechas e queixo.
– Sargento – disse a gravação de Everi Chalis. – Soube que você venceu em Sullust, então presumo
que ainda esteja vivo. Parabéns.
Namir percebeu que seus ombros tinham ficado tensos, então os forçou a relaxar. A voz de Chalis
estava áspera, mas não era a rouquidão de costume que chamava sua atenção – o sotaque dela havia
mudado, e, pela terceira vez desde que eles se conheceram, não era nem inteiramente estrangeiro, nem
inteiramente familiar. Namir passou a achar que aquela era a inflexão natural dela, nativa do mundo
similar a Crucival do qual ela vinha.
Mas ela falou com a altivez de costume, que portava quando estava perto de homens e mulheres dos
quais desdenhava.
– Quanto a mim – disse ela –, estou bem longe de Sullust e não voltarei para a Companhia do
Crepúsculo, nem para a Rebelião. Nunca fomos exatamente uma boa combinação, mesmo quando nossas
metas pareciam semelhantes. Você deixou isso claro para mim no fim. Achei que eu devia dizer isso a
você pessoalmente. – Os lábios dela formaram um sorriso sarcástico. – Ou o mais próximo que podemos
estar, dadas as circunstâncias. Para onde vou agora não deveria e não será sua preocupação. É melhor
que nossos caminhos não se cruzem mais.
Por vários segundos, a mensagem ficou em silêncio. Os olhos de Chalis piscaram para um lado, depois
voltaram para o gravador. Quando ela falou de novo, seu tom prosaico fora substituído por algo mais
frio.
– Desde que deixei Haidoral Prime para me juntar à sua companhia, eu me humilhei – disse ela. – E fui
humilhada. Não foi a primeira vez, e eu aceitei isso como o preço para sobreviver. Mas você, Hazram
Namir? Achei que reconhecíamos alguma coisa um no outro. Achei que tínhamos uma amizade. Em vez
disso, você me julgou do mesmo jeito que o Império: você achou que meu talento era o de fazer
promessas em vez de cumpri-las.
Ela pareceu tremer por um momento. Então endureceu novamente e continuou.
– Eu poderia ter vencido em Kuat – disse ela. – Poderia ter ferido o Império. Mas você não confiou em
mim.
Então o holograma piscou e desligou, deixando Namir sozinho.
C A P Í T U L O 42

SET OR NUMESIRA

5 DIAS APÓS O CERCO DE INYUSU TOR

Pela primeira vez em muito tempo, Everi Chalis – ex-governadora de Haidoral Prime e emissária do
Conselho Executivo Imperial – estava livre para fazer o que quisesse.
A parte mais difícil na hora de escapar de Sullust fora convencer o capitão Seitaron. O homem havia
sido surpreendentemente lento em deixar que Everi levasse a culpa pelo assassinato do prelado Verge;
ainda mais lento para aceitar que o desaparecimento de Everi – não sua morte, o que deixaria provas
contraditórias – era a melhor maneira de apagar todas as dúvidas quanto à sua responsabilidade. Claro
que ninguém ficaria surpreso por sua fuga traiçoeira após um crime tão pavoroso quanto aquele.
O velho odiava a mulher. Sem dúvida, ele queria que ela morresse. Mas suas prioridades eram sua
tripulação e seu desejo de voltar aos confortos da Academia; talvez não nessa ordem. E quanto mais
incompetente Verge parecesse, mais a atenção seria desviada de Seitaron e da Arauto para a própria
Everi. Assim, ela conseguira a vista grossa de que precisava para roubar uma nave auxiliar nova e
decolar, tudo isso usando um argumento tão pouco plausível que nem sequer deveria ter sido ouvido.
“Essa é para os cérebros maleáveis de velhos tomados pela culpa”, ela pensou, levantando o cantil
para as milhões de estrelas fora da cabine da nave.
Chalis pensou em seu último drinque – seu último drinque de verdade – no quarto do capitão Evon,
depois da campanha em Mardona III. Ela pensou em quem lhe fizera companhia e seu humor mudou.
Ela podia ter dito a Namir em sua mensagem que fora ela quem salvara toda a companhia ao forçar a
Arauto a sair da atmosfera de Sullust. Mas que diferença isso faria? Ele que pensasse nela como
quisesse. Ela lhe devia somente um adeus e nada mais.
Não, ela estava farta da Companhia do Crepúsculo. Estava farta de pensar na Companhia do
Crepúsculo. Tinha investido muito esforço e emoção naquelas pessoas, e recebera só dor em troca.
Sentiu um formigamento na garganta, o começo familiar de um acesso de tosse. Chalis endureceu o
corpo, respirou por entre os dentes e se segurou.
Os rebeldes não mais olhariam desconfiados para ela, com medo de que ela pudesse traí-los. O
Império não iria mais mandar espiões e oficiais para mantê-la prisioneira em sua própria casa. Desde
que partira de Sullust, ela passara os últimos dias garantindo sua segurança e anonimato: trocando a nave
auxiliar da Arauto por uma cúter estelar civil, limpando todas as suas contas em bancos de extramundo…
fazendo tudo o que deveria ter feito meses antes de Haidoral Prime, antes de ser forçada a se entregar
para a Rebelião.
Ela não tinha mais nem autoridade, nem riquezas, mas agora era livre. Tinha todas as ferramentas que
precisava para construir uma vida nova.
Só precisava decidir para onde ir.
Ela havia dito a Namir, certa vez, que tudo o que queria era ter tempo para esculpir, viver com algum
conforto e ter um pouco de respeito. Talvez isso ainda fosse verdade. Ela poderia encontrar para si um
pequeno planeta esquecido, na fronteira do espaço conhecido – algo como seu próprio planeta natal –,
onde pudesse comprar um pedaço de terra e desfrutar de alguns luxos provincianos. Poderia pagar
algumas crianças com agrados para que buscassem argila e, então, passaria seus dias reaprendendo sua
arte. Ela havia sido uma artista boa, antes de o conde Vidian tirá-la da Academia Colonial e redirecionar
seu talento de visualizar coisas. Ela podia ser uma boa artista de novo, escondida num planeta fora do
radar, enquanto o resto da galáxia lutava e queimava e entrava no caos.
Qual era o nome do planeta natal de Namir? Ela poderia vender algumas quinquilharias tecnológicas lá
e se garantir por décadas.
Crucival.
Everi digitou no console da nave e começou a procurar as coordenadas no navicomputador.
Enquanto o fazia, tomou mais um gole de água, se imaginou umedecendo um punhado de argila e
moldando-o em seus dedos. Dado certo tempo, ela poderia preencher sua própria galeria.
Uma galeria que ninguém iria querer visitar.
Havia muitos motivos pelos quais ela seria procurada – seu esquema da logística do Império, os
segredos do Alto Comando da Aliança –, mas uma visão de seu trabalho artístico não estava entre eles.
Ela sorriu amargamente com a ironia: tinha informações que homens sacrificariam exércitos para obter;
ainda assim, estava escolhendo se aposentar em um fim de mundo da galáxia.
Havia outras opções abertas para ela. Poderia encontrar compradores para seus segredos, apesar do
risco. Poderia atuar em todos os lados da guerra civil: não só na Aliança Rebelde ou no Império, mas
também com os Crymorah, ou nos mundos não alinhados. Ela poderia se tornar uma negociadora do
poder, operando nas sombras, mas respeitada a contragosto por aqueles que conhecessem seu nome.
Enfim respeitada pelos governantes autodeclarados da galáxia.
Era tentador. É claro que era tentador. Já tinha passado da hora de seus detratores compreenderem do
que ela era capaz.
Ela bateu os dedos no console, respirou fundo e fez uma careta quanto o ar tocou as cicatrizes em sua
garganta.
Ela tinha decisões a tomar. Uma nova vida a ser construída.
Mas não tinha pressa alguma.
C A P Í T U L O 43

P LANETA SULLUST

5 DIAS DEPOIS DO CERCO DE INYUSU TOR

Muito para sua surpresa, Namir sentiu um vazio depois de ver a mensagem final de Chalis. Era o
mesmo tipo de vazio que ele tinha sentido anos antes, depois de saber da morte de seu pai. Ele estava de
luto, de certa forma, mas não sabia exatamente a que o luto era direcionado.
Chalis tinha acusado Namir de não ter confiado nela. Talvez houvesse um pouco de verdade nisso –
mas, verdade ou não, o resultado teria sido o mesmo. Agora ele era responsável pela Companhia do
Crepúsculo – não só por seus integrantes e suas metas, mas também pelos ideais que Uivo havia
projetado. Os ideais que pregavam que havia vitória no sacrifício, se a luta valesse a pena.
A batalha que valia a pena tinha acontecido em Sullust, não em Kuat. Escolher um em detrimento do
outro não tinha sido uma traição a Chalis. Se ela não queria ver isso, a culpa era dela.
Ainda assim, não havia ninguém na companhia que entenderia por que ele sentia a falta dela. Então
Namir decidiu manter a mensagem para si mesmo.
Naquela tarde, ele caminhou por entre os feridos na ala médica; entre as equipes de recuperação que
ainda vasculhavam os destroços da Trovoada; entre as patrulhas da montanha carregando Plexes, caso um
airspeeder imperial ousasse se aproximar. Ele tentou absorver os ânimos, interpretar a mistura complexa
de orgulho, incerteza, frustração e sofrimento que os soldados sentiam. Não estava arrependido de suas
escolhas recentes e não sentia raiva de ninguém. Pelo menos isso já era alguma coisa.
Permitiu-se pensar nos mortos, ainda que por pouco tempo. Pediu a Hober para preparar um funeral
para aquela noite – alguma coisa que usasse os recursos à mão. A liderança interina de Pinyumb tinha
oferecido a assistência de mestres de cripta sullustanos e espaço para um enterro formal nas cavernas,
mas Namir recusara a oferta; a Crepúsculo daria um jeito sozinha, mesmo depois da morte.
No fim das contas, o velório ocorreu em Pinyumb, transmitido para a fábrica de processamento para
aqueles que não puderam se deslocar. Em vez de uma estação de carregamento de veículos, Hober drenou
as últimas faíscas de energipentes usados em um conjunto de geradores de emergência que ele, de alguma
maneira, adquirira dos Sullustanos.
– Teremos uma nave nova, mais cedo ou mais tarde – ele dissera a Namir. – Ela irá precisar de energia
de emergência, e eu garanto a você que isso aqui será usado.
O funeral correu por quase quatro horas. De alguma forma, Hober e Von Geiz encontraram um orador
para cada soldado morto, independentemente de todos os seus colegas terem morrido. Namir foi à frente
três vezes por recrutas que ele tinha treinado durante os anos. Gadren fez as honras inclusive de Peste:
– Criança de uma era de Império e guerra. Nunca se deixou quebrar. Era mais forte que todos nós.
Até Brand falou por um engenheiro e um dos alferes da tripulação de ponte da Trovoada.
Os droides também receberam despedidas, como se fossem tão vivos quanto o resto da companhia.
Namir não entendia direito, mas isso parecia reconfortar a todos. Mesmo a Trovoada recebeu uma
menção honrosa, quando Hober drenou um de seus canhões de laser de célula de plasma.
– Garota feia e mais malvada que o pecado! – gritou o comandante Tohna, e os soldados gritaram.
Depois disso, algumas dúzias de soldados entraram numa cantina de Pinyumb que se voluntariara a
fazer uma recepção. Gadren, Brand, Tique e Tohna rapidamente localizaram um baralho de cartas e
começaram a jogar. Namir se sentou ali perto, observando as mãos e fazendo correções por cima do
ombro quando Carver sentou-se no bar recontando a batalha de Phorsa Gedd.
– As cartas estão com sorte hoje à noite! – declarou Tohna depois de uma rodada competitiva. – Você
deveria se juntar a nós, capitão.
– Estou ocupado – disse Namir, e apontou com o dedão para Carver, que gritou alguma coisa obscena.
– Não me deixem atrapalhá-los.
– Você nunca vai conseguir que ele se junte a você – disse Brand, com um sorriso. Ela já tinha bebido
o bastante para soltar a língua.
Tique riu. Tohna olhou para Gadren, que deu de ombros gentilmente.
– Ele acha que não sabemos – disse Gadren.
– Sabem o quê? – perguntou Tohna.
Gadren olhou de soslaio para Namir, que fez uma cara feia para ele.
– Eu já falei demais – disse Gadren, apaziguando. – As escolhas do capitão são problema dele.
Brand deu um pulo.
– Não havia jogos de sabacc onde ele cresceu – disse ela. – Ele não consegue admitir que não sabe
jogar.
– Eu sei jogar – protestou Namir.
Tique caiu na gargalhada. Gadren olhou arrependido. Brand se inclinou para trás na cadeira e jogou
uma mão que venceu o pote.
Não foi uma noite ruim.
Enquanto a maioria voltava para a fábrica de processamento ou para os alojamentos oferecidos pelos
Sullustanos, Namir caminhou com Gadren pelas ruas desertas de Pinyumb.
– Eu quero abrir um recrutamento – disse Namir. – Amanhã ao meio-dia, se o conselho de Pinyumb
aprovar.
Gadren concordou lentamente.
– Você quer dizer, continuar a tradição de Uivo? – ele perguntou. – Você tinha suas reservas no
passado.
– Ainda tenho – disse Namir. – Mas Uivo sabia o que estava fazendo. Se é assim que lutamos, então é
como continuaremos lutando.
Ele falou com certeza. Já tinha escolhido o caminho; esse era apenas o próximo passo.

Os cidadãos de Pinyumb caminharam lentamente para o mercado depois que o anúncio foi feito.
Alguns estavam ali apenas para questionar os recrutadores da Crepúsculo antes de saírem andando.
Outros observavam temerosos, a distância. Mas logo a fila foi crescendo, cheia de gente de todos os
tipos, jovens e velhos, mimados e desesperados. Namir reconheceu alguns deles de suas rondas com
Nien Nunb na noite anterior à batalha. Ele viu um Sullustano franzino oferecer sua experiência como
mecânico; um jovem humano, que nunca tinha pegado numa arma de raios, voluntariar-se para entrar na
luta contra o Império.
O recrutamento continuou noite adentro. O que as semanas seguintes trariam – para Sullust e para a
Crepúsculo – continuava uma dúvida, e o fim da guerra estava mais longe do que o mais distante dos
sonhos, assim como estava em Hoth. Ainda assim, uma coisa era absolutamente certa:
A Companhia do Crepúsculo continuaria viva.
STAR WARS / BATTLEFRONT: COMPANHIA DO CREPÚSCULO

TÍTULO ORIGINAL: Star Wars / Battlefront: Twilight Company


ILUSTRAÇÃO: Aaron McBride
CAPA: Desenho Editorial
COPIDESQUE: Matheus Perez
REVISÃO: Pausa Dramática | Cássio Yamamura | Isabela Talarico
PROJETO E DIAGRAMAÇÃO ORIGINAL: Desenho Editorial
VERSÃO ELETRÔNICA: S2 Books
EDITORIAL: Daniel Lameira | Bárbara Prince | Andréa Bergamaschi
DIREÇÃO EDITORIAL: Adriano Fromer Piazzi

COPYRIGHT © & TM 2015 LUCASFILM LTD.


COPYRIGHT © EDITORA ALEPH, 2017
(EDIÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA PARA O BRASIL)
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
PROIBIDA A REPRODUÇÃO, NO TODO OU EM PARTE, ATRAVÉS DE QUAISQUER MEIOS.

BATTLEFRONT É UM LIVRO DE FICÇÃO. TODOS OS PERSONAGENS, LUGARES E ACONTECIMENTOS SÃO FICCIONAIS.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Odilio Hilario Moreira Junior CRB-8/9949

F853b
Freed, Alexander
Battlefront: companhia do crepúsculo / Alexander Freed ; traduzido por Leonardo Castilhone.
São Paulo : Aleph, 2017.
424p.


Tradução de: Battlefront: Twilight Company
ISBN 978-85-7657-367-8


1. 1. Literatura norte-americana. 2. Ficção. I. Castilhone, Leonardo. II. Título.

2017-57 CDD 813.0876
CDU 821.111(73)-3

Índice para catálogo sistemático::



1. Literatura : Ficção Norte-Americana 813.0876
2. Literatura norte-americana : Ficção 821.111(73)-3

Rua Henrique Monteiro, 121


05423-020 – São Paulo/SP – Brasil
Tel.: [55 11] 3743-3202
www.editoraaleph.com.br
[1] [N. do T.]: Saudação cunhada pelo autor E. E. “Doc” Smith em sua série de livros The Lensman.
Coração de Aço
Sanderson, Brandon
9788576573500
392 páginas

Compre agora e leia

Misteriosamente várias pessoas, de diferentes origens, recebem superpoderes, mas são corrompidas por
eles e tornam-se vilões cruéis. Após tomarem o controle das cidades para si, eles criam uma nova
realidade distópica, submetendo os humanos a uma vida de servidão. Isso aconteceu há dez anos, quando
David viu seu pai ser morto por Coração de Aço, ditador de Nova Chicago. Agora, ele se dedica a
estudar as fraquezas desse e de outros supervilões, planejando fazer parte do misterioso grupo dos
Executores, pessoas comuns com a ousada missão de matar os tiranos um a um.

Compre agora e leia


Um Cântico para Leibowitz
Jr., Walter M. Miller
9788576572459
400 páginas

Compre agora e leia

Após ter sido quase aniquilada por um holocausto nuclear, a humanidade mergulha em desolação e
obscurantismo, assombrada pela herança atômica e pelo vazio de uma civilização perdida. Os anos de
loucura e violência que se seguiram ao Dilúvio de Fogo arrasaram o conhecimento acumulado por
milênios. A ciência, causadora de todos os males, só encontrará abrigo na Ordem Albertina de São
Leibowitz, cujos monges se dedicam a recolher e preservar os vestígios de uma cultura agora esquecida.
Seiscentos anos depois da catástrofe, na aridez do deserto de Utah, o inusitado encontro de um jovem
noviço com um velho peregrino guarda uma surpreendente descoberta, um elo frágil com o século 20. Um
foco de luz sobre um mundo de trevas. Cobrindo mil e oitocentos anos de história futura, "Um cântico
para Leibowitz" narra a perturbadora epopeia de uma ordem religiosa para salvar o saber humano.
Marco da literatura distópica e pós-apocalíptica, vencedor do prêmio Hugo de 1961, este clássico
atemporal é considerado uma das obras de ficção científica mais importantes de seu tempo.

Compre agora e leia


As Fontes do Paraíso
Clarke, Arthur C.
9788576572275
352 páginas

Compre agora e leia

Há dois séculos, Kalidasa desafiou sua família e sua religião para empreender uma verdadeira maravilha
arquitetônica: a construção de um suntuoso palácio no topo de uma montanha, que o alçaria aos céus e o
igualaria aos deuses. Duzentos anos depois, o ambicioso engenheiro Vannevar Morgan, que já unira dois
continentes com a Ponte Gibraltar, se propõe a construir uma nova ponte, desta vez ligando a Terra ao
espaço sideral. O que ele não imagina, porém, é que em seu caminho está um monastério budista,
localizado sobre a única montanha na qual seu projeto poderia ser construído. Em paralelo, a humanidade
detecta um estranho sinal de rádio, de origem não humana. Pela primeira vez na história, o planeta Terra
é contatado por uma raça alienígena que, ao que tudo indica, está cada vez mais próxima.

Compre agora e leia


Encontro com Rama
Clarke, Arthur C.
9788576572572
288 páginas

Compre agora e leia

Vencedor de renomados prêmios da ficção científica, entre eles o Hugo e o Nebula, "Encontro com
Rama" conta a história de uma terrível colisão de um meteorito contra o continente europeu. Após o
acontecimento, líderes mundiais e cientistas reuniram esforços para evitar que catástrofes dessa natureza
voltassem a acontecer. Quase cinquenta anos depois, a humanidade atônita acompanha a chegada de um
novo astro ao Sistema Solar.

De proporções inimagináveis, Rama espanta e ameaça, pois avança firmemente na direção de nosso Sol.
Uma expedição é enviada para explorar os mistérios do que se imagina ser um colossal meteoro. Mas,
num misto de surpresa e apreensão, Rama se revela uma sofisticada construção, repleta de enigmas que
desafiam a mente e os conceitos humanos. Inestimável fonte de pesquisa para a ciência ou ameaça para a
segurança da humanidade, Rama torna-se palco de uma das mais fascinantes jornadas de descobrimento
da ficção científica; um espelho da genialidade de um dos autores mais criativos do século 20.

Compre agora e leia


Cultura da Conexão
Jenkins, Henry
9788576572541
408 páginas

Compre agora e leia

Essa máxima simples, mas definitiva, norteia a análise de três renomados pensadores atuais da mídia
moderna - entre eles Henry Jenkins, autor do referencial Cultura da Convergência (Aleph) - sobre o
futuro da circulação de conteúdo nos meios de comunicação social e digital. Vivemos uma mudança de
paradigma na mídia: a passagem de uma mentalidade regulada pela lógica da radiodifusão, que dominou
todo o século 20, para outra em que o controle sobre a produção e a distribuição cultural já não é tão
rígido; uma nova proposição que permite e valoriza o engajamento das audiências. Hoje, as pessoas não
se limitam ao simples papel de consumidor. Discutem, reagem, espalham seus interesses e críticas pelas
diferentes modalidades de mídia. Querem ser ouvidas, atendidas, recompensadas. Entre as muitas
possibilidades dessa cultura cada vez mais ligada em rede, há pelo menos uma grande certeza: será mais
bem-sucedido quem souber lidar melhor com as aspirações e desejos de um público ávido por participar
e opinar.

Compre agora e leia