Você está na página 1de 36

Fontes de Infecção

São todos os locais onde os microrganismos


podem ser encontrados, quer seja em seu habitat
natural ou naqueles em que possam sobreviver e se
multiplicar.
Em Odontologia, podem ser considerados dois
tipos de fontes: humana (hospedeiro) e ambiental
(instrumentos não esterilizados, equipamentos não
desinfetados, poeira, gotículas produzidas pela fala,
espirro ou tosse, aerossóis, etc.).
O que é Infecção Cruzada?

Quando a transmissão dos microrganismos


ocorre entre pacientes, entre pacientes e a equipe de
trabalho e entre a equipe de trabalho dentro de um
ambiente clínico, o processo é denominado infecção
cruzada.
Quais são as Vias de Contaminação?

Via digestiva, cutânea, percutânea, parenteral,


respiratória, genital e urinária.
Como pode ocorrer a Infecção Cruzada?

 O profissional pode contaminar terceiros ao portar


contaminantes no seu corpo e/ou vestimenta.

 Infecção de paciente para paciente: ocorrem com uso


de instrumentos não esterilizados e vários outros fômites
(objetos ou substâncias capazes de absorver, reter e
transportar agentes de contágio).
Riscos de Infecção Cruzada no ambiente
Odontológico

Em um consultório existem vários procedimentos que


oferecem risco:

 Exposições em mucosas - ex: respingos na face


envolvendo olho, nariz ou boca.

Exposições percutâneas - lesões provocadas por


instrumentos perfurantes e cortantes (ex: agulhas, bisturi,
brocas).
Riscos de Infecção Cruzada no ambiente
Odontológico
Em um consultório existem vários procedimentos que
oferecem risco de infecção:

 Mordeduras humanas - consideradas como exposição de


risco quando envolverem a presença de sangue, devendo
ser avaliadas tanto para o indivíduo que provocou a lesão
quanto para aquele que tenha sido exposto.
Ex: Mononucleose.

 Contaminação oro-fecal - falta de higienização


adequada das mãos após o uso de sanitários.
Ex: transmissão de hepatite A.
Ações preventivas para a manutenção
da saúde

1 - Medidas de proteção de saúde para


profissionais e sua equipe:
exame médico periódico
imunização
degermação
2 - Medidas que evitam contato direto com a
matéria orgânica:
uso de barreiras protetoras – EPI (Equipamento de
proteção individual)
Ações preventivas para a manutenção
da saúde

3 - Limitação da propagação de microorganismos


barreiras de superfícies

4 - Limpeza, desinfecção dos artigos e das superfícies


limpeza, desinfecção, esterilização, antissepsia
descarte de lixo contaminado e não contaminado
Imunização

Esquema vacinal básico para equipe de


saúde:
Todas as da carteira de imunização: pólio,
sarampo, rubéola, tríplice viral (sarampo,
rubéola, caxumba), tuberculose (BCG).
Hepatite B - 3 doses e sorologia posterior.
Dupla DT [difteria, tétano] - reforço a cada
10 anos.
Gripe.
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde

HEPATITE B
Três (3) doses: (0, 30, 180 dias)
Aplicação intramuscular
Músculo deltóide em adultos
Grande eficácia (95%): Altos títulos de anticorpos
protetores: anti-HBsAg > 10 mUI/ml, após 3 doses
Não há contra-indicação para vacina
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde
HEPATITE B

Após atingir títulos de anticorpos protetores: anti-HBsAg >


10 mUI/ml não estão indicadas dosagens posteriores
Não respondedores (< 10 mUI/ml) após esquema
completo

Mais 1 dose reforço (testar 1-3 meses)


Mais 2 doses (testar 1-3 meses)
Doses subsequentes convencionais ou vacina
hiperantigênica
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde

RUBÉOLA, SARAMPO E CAXUMBA (tríplice viral)


Isolada ou conjugada às vacinas do sarampo e
caxumba
Via subcutânea – dose única
Vírus vivo atenuado. Contraindicada em
gestantes/imunodeprimidos
Evitar gravidez três meses após a vacinação!
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde

TUBERCULOSE - BCG
Não impede a infecção, nem a tuberculose pulmonar
Previne formas mais graves, generalizadas e que
afetam o sistema nervoso central
Via intradérmica no primeiro mês de vida
Doses subseqüentes de BCG: sem comprovação
científica
Não recomendada em adultos
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde

INFLUENZA
Indicada a todos os profissionais de saúde
Dose única anual (abril/maio)
Período do ano mais adequado é o outono
Aplicação intramuscular
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde

DIFTERIA E TÉTANO (Vacina dupla DT)


Vacina dupla tipo adulto a cada 10 anos
Passado vacinal desconhecido ou vacinação básica
incompleta: três (3) doses de vacina dupla do tipo
adulto (0, 30, 180)
Injeção intramuscular profunda
Vacinas Recomendadas aos Profissionais
de Saúde
VARICELA / ZOSTER (CATAPORA)
Duas doses com intervalo de dois meses
Via subcutânea
Vírus vivo atenuado.
Contraindicações: gestantes, imunodeprimidos,
alérgicos à neomicina
Doenças Infectocontagiosas

 Etiopatogenia
 Vias de infecção e de transmissão
 Formas de prevenção
Doenças Infectocontagiosas

 Infecções Bacterianas
 Infecções fúngicas
 Infecções viróticas
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Infecções estreptocócicas
“Estreptococos hemolíticos do grupo A”
Causam: amigdalite ou faringite estreptocócicas, escarlatina,
impetigo, erisipela
Fonte de infecção: secreções nasofaríngeas
Transmissão: inalação de gotículas de muco ou saliva
Período de transmissão: 10 dias
Incubação: de 02 a 04 dias
Sequelas: febre reumática, glomerulonefrite entre outras
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Difteria
“Corynebacterium diphterias”
Causam:Mal-estar, dor de garganta, febre, corrimento nasal,
gânglios linfáticos inflamados e manchas avermelhadas na pele,
edema de pescoço, toxemia, prostração e asfixia mecânica são
sinais que sugerem o agravamento da infecção.
Fonte de infecção: através de gotículas eliminadas pela tosse,
pelo espirro e ao falar, ou pelo contato com as lesões cutâneas.
Transmissão: contato direto com pessoas doentes ou com
portadores assintomáticos da bactéria
Período de incubação: de 02 a 05 dias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Coqueluche
“Bordetella pertussis”
Causam: febre, coriza, espirros, lacrimejamento, falta de
apetite, mal-estar, tosse noturna, sintomas que, nessa fase,
podem ser confundidos com os da gripe e resfriados comuns;
Fonte de infecção: secreções da mucosa da laringe e dos
brônquios dos infectados
Transmissão: inalação de gotículas de muco ou saliva
Período de transmissão: 07 dias depois da exposição até 21 dias
após o aparecimento dos acessos típicos
Incubação: 07 a 17 dias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Tétano
“Clostridium tetani” bacilo anaeróbio formador de esporos
Causam: trismus ,Rigidez do pescoço e costas; risus sardonicus ,
dificuldade de deglutição, Rigidez muscular do abdôen,
Contração de músculos dos braços e pernas, Opstotóno,
Insuficiência respiratória.
Fonte de infecção: solo, poeira de rua, fezes humanas e de
animais
Transmissão: objetos contaminados
Incubação: 03 a 21 dias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Infecções estafilocócicas
Causam: Desde uma simples pústula ou impetigo até uma
septicemia
Fonte de infecção: pacientes contaminados ou portadores
saudáveis
Transmissão: indivíduos sinusais ou qualquer secreção
purulenta
Incubação: 04 a 10 dias
 São responsáveis por grande parte das doenças pós
operatórias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções Bacterianas
 Tuberculose
“Mycobacterium tuberculosis”
Causam: tosse, sudorese noturna, perda de peso, dor torácica,
fraqueza, inapetência e hemoptise (sangue no escarro)
Fonte de infecção: inspiração de gotículas ou poeira
contaminada
Transmissão: vias aéreas
Incubação: 04 a 06 semanas
 O bacilo da tuberculose é altamente resistente a agentes
químicos
 Aumento do número de casos em virtude da epidemia de HIV
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções fúngicas
• Candidíase oral
“Candida albicans”
Causam: pseudomembrana esbranquiçada ou amarela,
facilmente removida pela raspagem deixando área
sangrante.
 Uma das manifestações clínicas mais frequentes em
portadores de HIV
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções fúngicas
• Queilite angular
“Candida albicans”
Causam: fissuras partindo da comissura labial
 Relacionada a perda de dimensão vertical
 Mais frequente em pacientes que utilizam prótese
total
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Resfriado comum
“rinovirus”
Causam: coriza, congestão nasal e espirros
Fonte de infecção: inalação de gotículas de espirro ou
por secreções nasofaringeanas
Transmissão: 01 dia antes dos sintomas clínicos
aparecerem até 01 a 03 dias após superada a doença
Incubação: 01 a 05 dias
 Altamente contagiosa
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Gripe
“Influenza”
Causam: Dores no corpo, especialmente articulações e
garganta,tosse e espirros, sensação de frio e febre, fadiga,
cefaleia, irritação nos olhos, congestão nasal, vermelhidão
nos olhos, face, boca, garganta e nariz.
Fonte de infecção: inalação de gotículas de espirro ou por
secreções nasofaringeanas
Transmissão: a partir do aparecimento dos primeiros
socorros
Incubação: 18 a 36 horas
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Sarampo
“paramikovirus”
Causam: manchas avermelhadas na pele, febre, tosse, mal-
estar, conjuntivite, coriza, perda do apetite e manchas
brancas na parte interna das bochechas
Podem causar também otite, pneumonia e encefalite.
Fonte de infecção: inalação de gotículas de espirro ou tosse
Transmissão: 04 dias antes de surgirem os sintomas
Incubação: 10 a 14 dias
 Pode causar aborto ou parto prematuro
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Rubéola
“togavírus”
Causam: coriza, febre, dor de cabeça, dor ao engolir, dores
no corpo e aparecimento de gânglios
Fonte de infecção: secreções nasofaringeas
Transmissão: 04 dias antes de surgirem os sintomas
Incubação: 12 a 23 dias
 Pode causar aborto e está relacionada a malformações
congênitas
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Mononucleose infecciosa (doença do beijo)
“Epstein-Barr (VEB)”
Causam: febre, tosse, inchaço dos gânglio, dor de garganta,
perda de apetite, hipertrofia do baço, inflamação no fígado
Fonte de infecção: contato direto com indivíduo infectado
Transmissão: ocorre durante o período de incubação, pode
ainda ser transmitida em situações especiais em
indivíduos que permanecem com o vírus para sempre
Incubação: 02 a 06 semanas
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Herpes simples
“vírus herpes humano HSV1 e 2”
Causam: lesões vesicobolhosas na cavidade oral. Em
crianças que tiveram o primeiro contato com a doença,
causa ulcerações na mucosa oral, febre, dor intensa,
linfoadenopatia regional e irritabilidade
Fonte de infecção: contato direto com indivíduo infectado e
a disseminação assintomática por fluídos orgânicos
Transmissão: contato direto com as lesões ou com objetos
contaminados
 São lesões recidivantes
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS/SIDA)
“Human Immunodeficiency Virus”
Causam: queda da taxa dos linfócitos CD4
Fonte de infecção: sêmen, sangue, leite materno e secreções
vaginais
Transmissão: relação sexual desprotegida, contato com
mucosa ou alguma área ferida do corpo, uso de agulha ou
produtos sanguíneos infectados
Incubação: considerada doença crônica em virtude do
longo período de incubação
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Hepatite B
“Vírus da hepatite B (HBV)”
Causam: hepatite aguda, hepatite crônica (ou ambas) e hepatite
fulminante
Fonte de infecção: via sexual, parenteral, sangue e
hemoderivados, procedimentos cirúrgicos e odontológicos,
soluções de descontinuidade da pele e das mucosas
Transmissão: relação sexual desprotegida, contato com mucosa
ou alguma área ferida do corpo, uso de agulha ou produtos
sanguíneos infectados, acidentes com instrumento perfuro
cortante, saliva e fluído gengival não podem ser descartado
Incubação: 40 a 180 dias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Hepatite B
1. 14% dos cirurgiões dentistas clínicos gerais são soro
positivos ao HBV
2. Os especialistas em cirurgia esse número chega a 26%
3. Estima-se que o CD, tenha contato com ao menos um
portador de hepatite B a cada 7 dias
Doenças Infectocontagiosas
 Infecções viróticas
 Hepatite C
“Vírus da hepatite C (HCV)”
Causam: cirrose e câncer hepático
Fonte de infecção: sangue contaminado e via sexual
Transmissão: relação sexual desprotegida, contato com mucosa
ou alguma área ferida do corpo, uso de agulha ou produtos
sanguíneos infectados, acidentes com instrumento perfuro
cortante
 Estima-se que o CD, tenha contato com ao menos um
portador de hepatite C a cada 14 dias