Você está na página 1de 13

Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

Empreendedorismo: teoria e prática


Fabiana Morais de Oliveira- faby_oli@terra.com.br
Curso Vip de Administração Instituto de Pós Graduação IPOG

Resumo
Neste trabalho abordaremos a importância de despertar nos alunos do curso de
administração de empresas, o espírito de empreendedor, e da necessidade que se tem das
pessoas se preparem melhor antes de se lançarem no mercado, com seus pequenos negócios
O empreendedorismo vem sendo uma tendência, o número de pequenas empresas e
trabalhadores autônomos, cresce a cada ano, mas crescem também o número de pessoas
despreparadas para administrar, essas unidades de negócios. Sendo assim é de suma
importância que nossos graduandos saiam das instituições de ensino superior, sabendo como
elaborar um plano de negócios, pondo em prática as funções administrativas que eles
aprendem no decorrer do curso.
Palavras-chave: Empreendedorismo; Plano de negócios; Ensino Superior

1. Introdução
O empreendedorismo é um termo novo ainda, principalmente para os brasileiros, somente se
despontou para nós a partir da década de 90 e veio crescendo juntamente com o processo de
privatização de grandes empresas estatais e com a abertura do mercado interno. A definição
de empreendedorismo é muito subjetiva, todos parecem conhecer, mas não conseguem conceituar
realmente o que seja. Por isso a importância de desenvolver empreendedores que ajudem o país
no seu crescimento e gere possibilidade de trabalho, renda e maiores investimentos.
Neste artigo, iremos conceituar o termo empreendedorismo, citar as características de um
empreendedor, a relevância de ser administrador e empreendedor, e a importância do
aprendizado nas IES, unindo teoria e prática na elaboração de planos de negócios,
preparando-os e desenvolvendo o espírito empreendedor.

2. Conceito de empreendedorismo

O Empreendedorismo é um assunto muito discutido hoje em dia, porém sua definição é muito
complexa, pois seu conteúdo pode variar dependendo do lugar e do autor, isso porque o
empreendedorismo recebeu fortes contribuições vindas da psicologia e também da sociologia,
o que pode ter provocado variações em sua definição. Apesar de o empreendedorismo ser um
assunto comum nos artigos, revistas, internet, livros e aparentar ser um termo “novo” para os
profissionais, é um conceito antigo que assumiu diversas vertentes ao longo do tempo. No
início do século XX, a palavra empreendedorismo foi utilizada pelo economista Joseph
Schumpeter em 1950 como sendo, de forma resumida, uma pessoa com criatividade e capaz
de fazer sucesso com inovações. Já em 1967 com K. Knight e em 1970 com Peter Drucker foi
introduzido o conceito de risco, uma pessoa empreendedora precisa arriscar em algum
negócio.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

A palavra empreendedorismo se origina do termo francês “entrepeneur” que significa fazer


algo ou empreender.

Para Drucker (1974) empreendedorismo é: prática; visão de mercado; evolução, e diz ainda
que o:

trabalho específico do empreendedorismo numa empresa de negócios é fazer os


negócios de hoje serem capazes de fazer o futuro, transformando-se em um negócio
diferente” [...]Empreendedorismo não é nem ciência, nem arte. É uma
prática.(DRUKER, 1974:p25 )

Pesquisando as raízes do empreendedorismo, Dornelas (2001) faz um resgate histórico e


identifica que a primeira definição de empreendedorismo é creditada a Marco Polo, sendo o
empreendedor aquele que assume os riscos de forma ativa, físicos e emocionais, e o
capitalista assume os riscos de forma passiva. No século XVII, surge a relação entre assumir
riscos e o empreendedorismo. Mas somente no século XVIII, que capitalista e empreendedor
foram completamente diferenciados, por certo em função do início da industrialização.

Na prática o empreendedorismo costuma ser definido como o processo pelo qual as pessoas
iniciam e desenvolvem seus negócios. É um fenômeno complexo, no qual envolve o
empreendedor, a empresa e o cliente, que fazem parte deste processo. Segundo a definição de
Dolabela (1999), “empreendedorismo envolve qualquer forma de inovação que tenha uma
relação com a prosperidade da empresa”. O que se destaca dentro dessa definição é que o
empreendedorismo (nos casos de empresas novas ou das já há algum tempo estabelecidas)
torna-se fator primordial, fazendo com que os negócios sobrevivam e prosperem num
ambiente econômico e de mudanças sejam elas: culturais, sociais ou geográficas.

Sabe-se que o empreendedorismo é um fenômeno cultural, e segundo Dolabela (1999), é:

[...]fruto dos hábitos, práticas e valores das pessoas. Existem famílias mais
empreendedoras do que outras, assim como cidades, regiões, países. Na verdade
aprende-se a ser empreendedor pela convivência com outros empreendedores [...] o
empreendedor aprende em um clima de emoção e é capaz de assimilar e experiência
de terceiros.( DOLABELA, 1999: 31)

Os economistas Jean Baptiste Say e Richard Cantillon foram os pioneiros a escrever sobre o
empreendedorismo, no final do século XVII. Jean Baptiste Say, afirmou que o empreendedor
exerce as funções de reunir diferentes fatores de produção, de gestão e a capacidade de
assumir riscos. Já Richard Cantillon identificou o empreendedor como alguém que assume
riscos no processo de comprar serviços ou componentes por certo preço com a intenção de
revendê-los mais tarde a um preço incerto. Já no início do século XX, tem-se a definição do
economista moderno, de Joseph Schumpeter, já citado, “o empreendedor é aquele que destrói
a ordem econômica existente pela introdução de novos produtos e serviços, pela criação de
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

novas formas de organização ou pela exploração de novos recursos e materiais”


(SCHUMPETER, 1949, apud DORNELAS, 2001, p. 37).
Para Fillion (1999), “empreendedor é uma pessoa que cria, desenvolve e realiza visões”.

Faz parte das características da ação empreendedora em todas as suas etapas, ou seja, criar
algo novo mediante a visualização de uma oportunidade, dedicação e persistência na atividade
que se propõe a fazer para alcançar os objetivos pretendidos e ousadia para assumir os riscos
que deverão ser calculados.

Outra influência que podemos destacar dentro do empreendedorismo é a dos behavioristas,


pois dentre as décadas de 70 e 80 exerceram o domínio sob o assunto. Levado pela evolução
da teoria comportamental, onde David McClelland onde analisou os fatores que explicam o
ápice e o declínio das civilizações.

Chegaram à conclusão que as gerações que precediam o apogeu foram fortemente


influenciadas por modelos, heróis que haviam sido personagens populares na literatura e com
os quais os jovens se identificavam. Criou-se, assim, um efeito de emulação, aumentando a
necessidade de conquistas entre estes jovens para poderem se aproximar desses heróis da
literatura. O principal questionamento dos behavioristas consiste em saber quem é o
empreendedor? Até os anos 90, houve uma proliferação das pesquisas sobre as características
e os traços de personalidade dos empreendedores. Os resultados, porém foram surpreendentes,
pois não foi possível traçar um perfil psicológico do empreendedor.

Nessa questão é possível fazermos algumas considerações. As pessoas se modificam segundo


o cenário e as circunstâncias às quais são expostas: os perfis de comportamento não são
necessariamente estáticos. É difícil elaborar perfis sem antes estabelecer distinções entre as
categorias e tipologias empreendedoras. Constantemente associa-se o empreendedor à
criatividade. O potencial para a criatividade já existia, como existe em muitos de nós, mas
foram as circunstâncias que estimularam o seu surgimento e, freqüentemente, isso ocorre
quando a pessoa ainda é jovem. Quando isso acontece, o jovem desenvolve este potencial e
aprende aos poucos a tirar melhor proveito dele.

Acompanhado a trajetória de vários empreendedores, retificamos que, para alcançar o


sucesso, estes tiveram que aprender a dominar melhor as competências adquiridas em cada
um dos estágios da evolução de seu sistema de atividades, e estes sistemas de atividades
variam de acordo com as diferentes categorias e tipos.

Vimos que são vários os conceitos e as influências referentes ao empreendedorismo, alguns


inclusive bastante complexos, elas nos levam a pensar que ser empreendedor, é sermos
capazes de realizar coisas novas, que irão contribuir com o futuro da empresa.

3. O Empreendedorismo no Brasil

O empreendedorismo no Brasil, só começou a se desenvolver nos anos 90, com a abertura do


mercado interno para as importações; na qual as empresas nacionais tiveram que se adaptar à
modernização. Antes disso o cenário político e econômico, não era favorável, e o
empreendedor, não conseguia ajuda e nem informações para dar início ao seu próprio
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

negócio. É importante saber que muitos visionários atuaram em um cenário incerto, se


empenharam, mesmo sem conhecerem mais profundamente outros conteúdos da área empresarial,
a exemplo, de muitos que contribuíram para o desenvolvimento da economia do país.

Com a abertura da economia, o governo fez uma série de ajustes, controlou a inflação e
regulou a economia, em pouco tempo a país ganhou estabilidade, se planejou e ganhou
respeito. Nessa mesma época surge então o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e
Pequenas Empresas), e a SOFTEX (Sociedade Brasileira para Exportação de Software).

O SEBRAE é amplamente difundido entre os pequenos empresários brasileiros, com


finalidade de informar e dar suporte necessário para a abertura de uma empresa, bem como
acompanhar através de consultorias seu andamento, solucionando pequenos problemas do
negócio.

Já a SOFTEX foi criada para ampliar o mercado das empresas de software através da
exportação e incentivar a produção nacional, para isso foram desenvolvidos projetos para a
capacitação em gestão e tecnologia dos empresários de informática. A SOFTEX é responsável
por deslanchar o desenvolvimento de tecnologias nacionais, ela conseguiu através de seus
programas, abrasileirarem no país termos como plano de negócios (business plan) que até então
era pouco explorado pelos empresários.

Apesar do pouco tempo, o Brasil apresenta ações que visam desenvolver uma descoberta
recente, o Brasil, já pratica várias ações visando desenvolver programas de ensino de
empreendedorismo, incentivando a população a empreender. Neste cenário alguns exemplos:

Os programas SOFTEX e GENESIS (Geração de Novas Empresas de Software,


Informação e Serviço), que apóiam atividades de empreendedorismo em software,
estimulando o ensino da disciplina em universidades e a geração de novas empresas
de software (start-ups).
Ações voltadas à capacitação do empreendedor, como os programas EMPRETEC e
Jovem Empreendedor do SEBRAE.
E ainda o programa Brasil Empreendedor, do Governo Federal, dirigido à
capacitação de mais de 1 milhão de empreendedores em todo país e destinando
recursos financeiros a esses empreendedores, totalizando um investimento de 08
bilhões de reais.
Diversos cursos e programas sendo criados nas universidades brasileiras para o
ensino do empreendedorismo. É o caso de Santa Catarina, com programa
Engenheiro Empreendedor, que capacita alunos de graduação em engenharia de todo
o país. Destaca-se também o programa REUNE, da CNI (Confederação Nacional
das Indústrias), de difusão do empreendedorismo nas escolas de ensino superior do
país, presente em mais de duzentas instituições brasileiras.
A recente explosão do movimento de criação de empresas de Internet no país,
motivando o surgimento de entidades com o Instituto e-cobra, de apoio aos
empreendedores das ponto.com (empresas baseadas em Internet), com cursos,
palestras e até prêmios aos melhores planos de negócios de empresas Start-ups de
Internet, desenvolvidos por jovens empreendedores.
Finalmente, mas não menos importante, o enorme crescimento do movimento de
incubadoras de empresas no Brasil. Dados da ANPROTEC (Associação Nacional de
Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas) mostram
que em 2000, havia mais de 135 incubadoras de empresas no país, sem considerar as
incubadoras de empresas de Internet, totalizando mais de 1.100 empresas
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

incubadoras, que geram mais de 5.200 empregos diretos. (DORNELAS, 2001: 25 e


26)

São algumas iniciativas importantes para o empreendedor brasileiro, apesar das dificuldades
encontradas, elas são necessárias para esse preparo na abertura de uma empresa.
O início da divulgação do empreendedorismo no Brasil se dá por conveniência do governo e
sobrevivência de muitos trabalhadores que saíram das grandes estatais após o processo de
privatização. A partir disso, o governo se propõe a fornecer subsídios, para que os
trabalhadores tivessem a possibilidade de contribuir para o desenvolvimento e a geração de
emprego no Brasil.

4. As características do Empreendedor

O que pode caracterizar um empreendedor de sucesso é uma série de elementos que os tornam
capazes de montar um negócio de sucesso. Porém ha aqueles que nascem com o dom de
empreender, chamado de empreendedor nato, e existe também o empreendedor que
influenciado pelo meio em que vive, pode tornar-se empreendedor através da formação, por
influência familiar, estudo e até mesmo através da própria prática.

Para Dolabella (1999, p. 12), para se aprender a empreender, faz-se necessário um


comportamento pró-ativo do indivíduo, o qual deve desejar “aprender a pensar e agir por
conta própria, com criatividade, liderança e visão de futuro, para inovar e ocupar o seu espaço
no mercado, transformando esse ato também em prazer e emoção”.

Nas áreas científicas e acadêmicas, surgem duas características que incidem diretamente, a
primeira é a natureza da ação, caracterizada por buscar fazer algo inovador ou diferente do
que já é feito. E a segunda é a falta ou inexistência de controle sobre as formas de execução e
recursos necessários para se desenvolver a ação desejada, liberdade de ação.

Apesar de estes fatores serem essenciais na ação empreendedora, isto não significa que todas
as medidas de mudanças são efetivamente empreendedoras. Da mesma forma, nem todas as
ações desenvolvidas, com risco, sem controle dos processos são ações empreendedoras, pois
nem sempre são ações inovadoras.

Filion (1999) estabelece um modelo com quatro fatores fundamentais para que uma ação seja
empreendedora (visão, energia, liderança e relações), visando à formação do profissional
empreendedor. A principal característica as relações, a qual, segundo o autor, se obtém os
conhecimentos fundamentais e necessários dentro de uma estrutura de mercado: as informações
necessárias para a tomada de decisões e o conhecimento da realidade do mercado.

No momento, as empresas possuem uma grande necessidade de buscar e desenvolver


profissionais com perfil empreendedor, devido a eles serem os responsáveis pelas
modificações, criações e visões inovadoras, pois agindo desta maneira é possível ter um
destaque maior e uma diferenciação positiva frente à concorrência. O empreendedor
desenvolve um papel otimista dentro da organização, capaz de enfrentar obstáculos internos e
externos, sabendo olhar além das dificuldades, com foco no melhor resultado.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

Além das características acima comentadas, o empreendedor tem um perfil de liderança para obter
sucesso em suas atividades, como é o grande responsável em colocar em prática as inovações,
métodos e procedimentos que propôs, deverá estimular os envolvidos na realização das atividades,
de forma a alcançar as metas traçadas.

Segundo o SEBRAE, as principais características do perfil do empreendedor são:


Autoconfiança: Ter consciência de seu valor, sentir-se seguro em relação a si mesmo e,
com isso, poder agir com firmeza e tranqüilidade.
Auto-motivação: Buscar a realização pessoal através do trabalho, com entusiasmo e
independência;
Elevado poder de comunicação: Capacidade para transmitir e expressar idéias,
pensamentos, emoções com clareza e objetividade.
Criatividade: Capacidade de buscar soluções viáveis e melhores para a resolução de
problemas.
Flexibilidade: Capacidade para compreender situações novas, estar disponível para rever
posições, aprender
Energia: Força vital que comanda as ações dos indivíduos – capacidade de trabalho -
“pique”.
Iniciativa: Capacidade para agir de maneira oportuna e adequada sobre a realidade,
apresentando soluções, influenciando acontecimentos e se antecipando às situações
Integridade: Qualidade do caráter, ligada à retidão de princípios, imparcialidade,
honestidade, coerência e comprometimento (com as pessoas, com o negócio e consigo
mesmo).
Liderança: Capacidade para mobilizar as energias de um grupo de forma a atingir
objetivos.
Negociação: Capacidade para fazer acordos cooperativos como meio de obter o
ajustamento de interesses entre as partes envolvidas.
Perseverança: Capacidade de manter-se firme e constante em seus propósitos, porém, sem
perder a objetividade e clareza frente às situações (saber perceber limites);
Persuasão: Habilidade para apresentar suas idéias e/ou argumentos de maneira
convincente.
Capacidade de Planejamento: Capacidade para mapear o meio ambiente, analisar
recursos e condições existentes, buscando estruturar uma visão de longo prazo dos rumos a
serem seguidos para se atingir os objetivos.
Relacionamento interpessoal: Habilidade de conviver e interagir adequadamente com as
outras pessoas;
Resistência à frustração: Capacidade de suportar situações de não satisfação de
necessidades pessoais ou profissionais, sem se comportar de maneira derrotista, negativa ou
confusa;
Sensibilidade administrativa: Capacidade para planejar, executar e gerir através de
processos organizados, sistemáticos e eficazes.
Além das características acima comentadas, o empreendedor tem um perfil de liderança para
obter êxito em suas atividades, ele é o grande responsável em colocar em prática as inovações,
métodos e procedimentos que propôs, deverá estimular os envolvidos na realização das
atividades, de forma a alcançar as metas traçadas.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

5. As Diferenças entre Empreendedor e Administrador


Uma das diferenças entre o empreendedor e o administrador que trabalham em organizações é
que o empreendedor define o objeto que vai determinar seu próprio futuro (Filion, 1999). Os
empreendedores são visionários, isto é inclusive é um dos seus atributos, por essa
característica, o empreendedor direciona e limita suas atividades para o campo estratégico das
organizações, enquanto o administrador limita e coordena as atividades diárias. Em função
dessa característica, o empreendedor encaminha as atividades para o aspecto estratégico das
organizações, enquanto o administrador limita e coordena as atividades diárias.

Segundo Dornelas (2001), “as diferenças entre os domínios empreendedor e administrativo


podem ser comparadas em cinco dimensões distintas de negócio: orientação estratégia, análise
das oportunidades, comprometimento dos recursos, controle dos recursos e estrutura
gerencial”. Conforme detalhado no quadro abaixo:

Domínio Empreendedor Domínio Administrativo

Pressões nessa Dimensões-chave do negócio Pressões nessa


direção direção

Mudanças Rápidas: Dirigido pela Orientação Dirigido pelos Critérios de medição


Tecnológicas percepção de estratégica recursos atuais de desempenho;
Valores oportunidades sob controle sistemas e ciclos de
sociais planejamento.
Regras
políticas

Orientações para Revolucionário Análise das Revolucionário Reconhecimento de


ação; decisões com curta oportunidades de longa várias alternativas;
rápidas; duração duração negociação da
gerenciamento de estratégia; redução
risco. do risco.

Falta de Em estágios Comprometimento Decisão Redução dos riscos


previsibilidade das periódicos com dos recursos tomada passo a pessoais; utilização
necessidades; falta mínima passo, com de sistemas de
de controle exato; utilização em base em um alocação de capital e
necessidade de cada estágio orçamento. de planejamento
aproveitar mais formal.
oportunidades;
pressão por mais
eficiência.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

Risco de Uso mínimo Controle dos Habilidade no Poder, status e


obsolescência; dos recursos recursos emprego dos recompensa
necessidade de existentes ou recursos financeira; medição
flexibilidade. aluguel dos da eficiência; inércia
recursos extras e alto custo das
necessários mudanças; estrutura
da empresa.

Coordenação das Informal, com Estrutura Formal, com Necessidade de


áreas-chave de muito gerencial respeito à definição clara de
difícil controle; relacionamento hierarquia. autoridade e
desafio de legitimar pessoal. responsabilidade;
o controle da cultura
propriedade; desejo organizacional;
dos funcionários de sistemas de
serem recompensa; inércia
independentes. dos conceitos
administrativos.
Quadro 1: Comparação dos domínios empreendedores e administrativos (adaptado de Hisrich, 1986).
Fonte: Dornelas (2001, p. 34 e 35).

Neste quadro, um empreendedor está sempre voltado para o futuro e o administrador, focado
no presente, seria impossível escolher um destes perfis como melhor que o outro, afinal o
ideal é que todo administrador seja empreendedor e vice-versa, porém isso nem sempre se faz
necessário, depende da posição que o sujeito ocupa numa empresa, o ideal de vida, o
planejamento do seu patrimônio entre outras motivações. De acordo com o quadro, o
empreendedor privilegia as pessoas como fonte de obtenção de resultado, ao contrário o
administrador da ênfase as regras e procedimentos A palavra estratégia define bem o
empreendedor e para definir administrador seria planejamento e controle.
Veja no quadro abaixo a diferença entre o gerente e o empreendedor:

Temas Gerentes Tradicionais Empreendedores

Motivação principal Promoção e outras Independência,


recompensas tradicionais da oportunidade para
corporação, como secretária, criar algo novo,
status, poder etc. ganhar dinheiro

Referência de tempo Curto prazo, gerenciando Sobreviver e atingir


orçamentos semanais, mensais cinco a dez anos de
etc. e com horizonte de crescimento do
planejamento anual negócio

Atividade Delega e supervisiona Envolve-se


diretamente

Status Preocupa-se com o status e Não se preocupa


como é visto na empresa com o status
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

Como vê o risco Com cautela Assume riscos


calculados

Falhas e erros Tenta evitar erros e surpresas Aprende com erros


e falhas

Decisões Geralmente concorda com Segue seus sonhos


seus superiores para tomar decisões

A quem serve Aos outros (superiores) A si próprio e a


seus clientes

Histórico familiar Membros da família Membros da


trabalharam em grandes família possuem
empresas pequenas empresas
ou já criaram
algum negócio

Relacionamento com outras pessoas A hierarquia é a base do As transações e


relacionamento acordos são a base
do relacionamento
Quadro 2: Comparação entre gerentes tradicionais e empreendedores (Hisrich, 1998)
Fonte: Dornelas (2001. p. 36).

O quadro acima mostra que o gerente gerencia os recursos disponíveis enquanto o


empreendedor cabe multiplicar os recursos e utilizá-los de forma surpreendente em favor
próprio, da sociedade e do país.
Consideramos o planejamento com visão de futuro um dos principais diferenciais entre o
empreendedor e o administrador. Porém, se planejar é uma das funções básicas do
administrador, apontadas na abordagem clássica, Dornelas (2001, p. 37) considera isso um
paradoxo, pois, “o empreendedor estaria sendo um administrador completo, que incorpora as
várias abordagens existentes sem se restringir a apenas uma delas se interage com seu
ambiente para tomar as melhores decisões”.

6. O empreendedorismo nas Universidades

Os modelos de influência são importantes para analisar os comportamentos dos


empreendedores. Eles podem adquirir uma cultura empreendedora através da prática, com a
convivência de pais empreendedores.

Por meio da teoria de Schumpeter, o empreendedor é uma pessoa apta a realizar inovações,
fazer coisas diferentes. Exige-se um comportamento pró-ativo e criativo.
O empreendedor é considerado uma pessoa que sabe identificar as oportunidades de negócios,
os espaços no mercado e que se organiza para progredir. Mas, nosso sistema escolar é
concebido para aprender a dominar as questões analíticas, o estudante passa anos, do primário
à Universidade, numa relação quase de passividade com o aprendizado.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

Para saber se o empreendedorismo pode ser ensinado, devemos adaptar a abordagem


pedagógica à lógica de cada disciplina ou campo de estudo. Não se pode ensinar
empreendedorismo como se ensina outras matérias (Filion, 1994).

É perfeitamente possível oferecer programas e cursos como sistemas de aprendizado


adaptados à lógica desse campo de estudo. Aliás, é interessante ter esse tipo de desafio
pedagógico.

As pessoas que se matriculam nesses cursos não querem todos se tornar empreendedores, mas
vários querem descobrir o mundo do empreendedor. Sendo assim, estabelecemos distinções
entre as categorias de cursos que tratam ora da sensibilização, ora das práticas de gestão.
Portanto as instituições de ensino hoje estão aptas a instituir certificados e diplomas nesse
campo. Hoje é muito fácil encontrar cursos sobre empreendedorismo, inclusive estudos de
casos, trabalhos de campo e contatos com pessoas que vivenciam este mundo. O
empreendedorismo surge de contextos culturais que se desenvolvem em torno de
empreendedores que dirigem pequenas empresas.

Há cerca de cem anos, a criação de escolas e o fenômeno da educação para a população teve
como foco separar o aprendizado de seu contexto e de sua aplicação prática. Sendo assim se
nos perguntamos quem esta mais preparado para ensinar a disciplina o pesquisador ou que
pratica o empreendedorismo? Eu responderia que seria uma junção dos dois. Aliás, vários
pesquisadores se interessaram pela questão.

Assim, os universitários tendem a priorizar elementos de conceitualização e de abstração,


enquanto que os empreendedores preferem geralmente o mais concreto. Pesquisam recentes
apontam que não existe nenhuma ligação entre o nível de aprendizado escolar e o sucesso nos
negócios. Mas, analisando melhor, essas pesquisas não são conclusivas, sobretudo porque boa
parte dos empreendedores com muita escolaridade trabalha em áreas vinculadas à tecnologia
nas quais as condições de sucesso e de fracasso são muito variadas. A questão exige, portanto
cautela, pois as noções de sucesso e de fracasso são definidas hoje dentro de critérios
extremamente variáveis. Na verdade, o sucesso está constantemente ligado a sinais tangíveis
de riqueza e de status como o lugar onde mora, a marca do carro, as relações sociais, etc.
Atualmente, a tendência entre os estudantes, é definir o sucesso de acordo com critérios de
realização própria, onde as prioridades não são mais acumulação e status, mas equilíbrio de
qualidade de vida. Nenhuma pesquisa apontou para uma relação de causa e efeito entre o
plano de negócios e o sucesso de uma nova empresa.

Estudos sobre milhares de pequenos empresários mostraram que, das pessoas que se lançaram
nos negócios rapidamente, atrás de uma oportunidade, mas sem grande preparação, somente
40% ainda mantinham seus negócios cinco anos depois. Por outro lado, 80% daquelas que
dedicaram ao menos seis meses de preparação a seu projeto, também continuavam com seu
negócio cinco anos depois. No Centro da Empresa e da Inovação de Montreal, essa
porcentagem atinge os 85% dos indivíduos que passaram por todas as etapas de preparação
para a criação da empresa, sobretudo porque seu projeto estava mais bem concebido. Vale
ressaltar também que a chave do sucesso está na experiência dos negócios, sobretudo no
conhecimento do assunto no qual se está lançando.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

O ensino do empreendedorismo apresenta desafios fascinantes nos próximos anos. Um dos


principais está na importância de aplicar ao ensino e às etapas do aprendizado, aquilo que é o
ponto alto de nossa atividade: a inovação. Há anos atrás, a educação empreendedora
centralizava no plano dos negócios. Nos dias de hoje o plano dos negócios é utilizado cada
vez mais como etapa conclusiva.

Um dos agravantes que encontramos ao lecionar o empreendedorismo é a questão cultural.


Durante muitos anos, nossos pais nos educaram para buscarmos um bom e estável emprego
em uma grande empresa. Esse paradigma levou a uma percepção infundada de que aqueles
que tivessem escolhido a carreira empreendedora eram aqueles que não gostavam de estudar.
Montar o próprio negócio era a única saída dos „incapazes‟. Esse rótulo diminui a
receptividade dos jovens quanto à carreira empreendedora. Existe a esperança de que essa
percepção felizmente esteja mudando, mas ainda é forte na cultura nacional.

Existe um preconceito de que empreendedorismo não se ensina, se faz. Relatos de


empreendedores que abandonaram a escola para empreender ganharam notoriedade com
muita rapidez e a consequência direta é que os que querem empreender não vão buscar na
escola a sua formação, preferem aprender por conta própria e se inspirar nas histórias de
outros empreendedores. Por mais que o tema seja explorado em vários congressos e revistas
científicas, ainda há muitas barreiras por parte de certas linhas das ciências aplicadas contra os
pesquisadores de empreendedorismo. Considerando agora os professores de
empreendedorismo, comentou-se que a percepção é que a maioria não foi formada
originalmente em empreendedorismo. Há pouco tempo o empreendedorismo vem sendo
escolhido como linha de pesquisa acadêmica para dissertação de mestrado ou doutorado, o
que faz com que sejam ainda mais raros os professores com esta qualificação específica. Por
esse motivo, os profissionais que se dedicam ao ensino de empreendedorismo possuem
formação em áreas tão diversas quanto economia, tecnologia ou psicologia.

Cada professor tem sua própria definição sobre empreendedorismo, muitas vezes com
aspectos contraditórios uns dos outros. Mesmo entre autores de livros e pesquisadores
acadêmicos não há uma unicidade nas definições conceituais. Embora o crescimento de
cursos de empreendedorismo no ensino superior seja uma boa notícia, as ofertas ainda são
tímidas em termos de quantidade de disciplinas sobre o tema, sendo na maioria dos casos,
optativa. Nos EUA, o empreendedorismo é um assunto que se desdobra em várias disciplinas,
obrigatórias e eletivas, além de vários outros cursos de extensão, como empreendedorismo
corporativo, social, franquias, empresas familiares, capital de risco.

A disciplina de empreendedorismo deve ser voltada para o comportamento empreendedor,


ensinar como lidar com recursos limitados, correr riscos e tolerar o fracasso e o erro, ter
perseverança e determinação, competir com grandes empresas, buscar liberdade e autonomia,
superar limites e promover mudanças inovadoras. Para isso, o professor de
empreendedorismo precisa se desgarrar da sala de aula e experimentar outras técnicas de
ensino vivencial, através de dinâmicas, competições, desafios, contato com empreendedores,
laboratórios de experimentação, clubes de convivência e networking. Poucas áreas têm nos
estudos de caso maior relevância e valor quanto empreendedorismo. Histórias de
empreendedores, casos de fracasso, dilemas de gestores, servem como instrumentos
fundamentais para o professor.
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

A tarefa do educador é árdua, cabe a ele incutir a semente da curiosidade sobre o tema em
seus alunos, ajudando-os a conhecer essa possibilidade de carreira e mostrando-lhes os
caminhos para o auto-desenvolvimento. A tarefa de transferir esse conhecimento apaixonante
nos leva a inferir que, tão importante quanto o conhecimento acadêmico, o professor
precisaria ter tido a vivência empreendedora em seu histórico de vida, seja como consultor ou
como empreendedor. Esse seria o caminho ideal para ele encontrar o melhor equilíbrio entre a
teoria e a prática, o conceitual e o instrumental.

6. Conclusão

O conceito de empreendedorismo não obteve muitas mudanças ao longo do tempo. Há,


normalmente, uma distorção entre empreendedores e administradores, mas como vimos
através dos dados bibliográficos coletados, nem sempre um administrador é empreendedor e
vice-versa, mesmo que isso seja o ideal.

Ter um empreendedor dentro da empresa significa sair na frente, é o mesmo que ter uma
vantagem competitiva. Vantagem essa que une forças, e faz com que todo o conjunto se
movimente, dando agilidade e assumindo todos os riscos anteriormente calculados, e os
impactos que serão causados pelo caminho a ser tomado. O empreendedor não tem um lugar
específico, mas mesmo assim é uma peça importante e garantidora de sucesso em uma
organização.

O empreendedorismo é uma área em pleno crescimento nas quais várias disciplinas estão
inseridas, é um campo de pesquisa emergente aonde não existem ainda teorias estabelecidas.
No empreendedorismo, é conveniente falar de configurações reflexivas ou cognitivas que
podemos chamar mais comumente de "soluções mágicas". No entanto podem exigir boas
técnicas de pesquisa, e um profundo conhecimento do campo e dos dados empíricos a serem
pesquisados. Pois o empreendedorismo não é apenas a intuição, é uma maneira de pensar.
Para muitos, é até mesmo uma forma de se relacionar e interagir com o universo.

Com todas as portas abertas para o empreendedorismo, vários professores já fazem um


trabalho brilhante em torno disso, nas salas de aulas nas disciplinas a fins como Teoria Geral
da administração a TGA, já se trabalha a criação de empresas fictícias, colocando em prática
as funções administrativas, o planejamento estratégico e desenvolvendo este espírito
empreendedor. Na verdade é um preparatório para pequenos negócios, e muitos saem dessas
experiências, quase prontos para o mercado, pois nesses trabalhos eles têm a oportunidade de
criar a empresa dos seus sonhos, e também ter o contato com os percalços do negócio, pois
abrir uma empresa hoje, não é nada fácil, há muitas barreiras.

Finalizando, estamos no caminho certo para o constante crescimento do empreendedorismo


em nosso país, devagar, porém sempre deve ser o nosso lema. As oportunidades são muitas e
cabem a nós, professores, alunos, e toda a sociedade, aproveitar o momento e fazermos a
diferença.

7. Referencias

DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.
___________________. O Segredo de Luisa. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999
Empreendedorismo: teoria e prática Maio/2012

FILION, L.J. Tem Steps to Entrepreneurial Teaching. Journal of Small


Business and Entrepreneurship, Vol. 11, Nº3: 68-78. 1994.
____________________.Empreendedores e Proprietários de Pequenos Negócios. Revista USP-Revista da
Administração, São Paulo,1999.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócios. Rio de Janeiro:
Elsevier,2001.
DRUCKER, Peter. F. O Gerente Eficaz. Editora Zahar, São Paulo, 1974.

Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas, pesquisa feita através do site www.sebrae.com.br,
acesso no mês de Julho de 2011.

Você também pode gostar