Você está na página 1de 3

Mises Brasil - Como se tornar um economista

imb17.azurewebsites.net/Article.aspx

Depois que escrevi o artigo Ciência Sombria? Ciência Feliz!, fui questionado sobre o que
um estudante interessado em economia deve fazer. Se ele deve ingressar em uma
faculdade de economia ou não, se ele deve seguir carreira acadêmica ou não, se deve
estudar por conta própria ou seguir conselhos alheios, entre vários outros
questionamentos.
Tempos atrás, escrevi sobre a missão do Instituto Mises Brasil e tratei de um esboço que
apelidei de UMB (Universidade Mises Brasil), e resumi ali algumas ideias sobre alunos
serem autodidatas em economia com o ferramental (livros, cursos, artigos) disponível no
site do IMB e do Mises Institute.

Anteriormente já havia sido publicada no site uma perspectiva mais completa no artigo do
Walter Block, no qual ele estimula os alunos a se tornarem economistas e adquirirem seu
Ph.D. para seguir a carreira acadêmica.

O artigo de Block já é completo, mas eu seria mais radical: minha recomendação se limita
a uma graduação apenas em matemática ou estatística (Block sugere ambas, economia e
matemática). Entretanto, uma vez que sabemos que a boa ciência econômica não carece
de modelos matemáticos, e que Ação Humana, o monumental livro de Mises, não tem uma
só equação em suas mil e tantas páginas, o leitor pode estranhar por que sugiro uma
graduação em matemática. Mas justifico o porquê disso.

A primeira razão para sugerir a graduação em matemática é para o aluno que pretende
seguir carreira acadêmica, mesmo que seja em economia. Pois para um mestrado ou
doutorado, tanto no Brasil quanto no exterior, a carga em matemática é pesadíssima e um
graduado em matemática pode tirar de letra o conhecimento numérico exigido nos cursos
de pós-graduação em economia. Como é muito difícil conseguir uma vaga no mestrado
1/3
sem apresentar uma tese que carregue toneladas de equações e cálculos, aquele que
quiser seguir carreira acadêmica terá de suportar o período de tortura ao qual será
submetido no mestrado, além de defender uma tese "não austríaca". Durante esse
período, ele terá engolir muitos sapos caso queira seguir em frente. É o grande sacrifício
exigido para ser um acadêmico.

Por outro lado, esse sacrifício pode render bons frutos: o economista austríaco que se
graduar em matemática nunca será vitima daqueles que apelam para esse recurso para se
valer de algum argumento. Poderá desmoronar empulhações daqueles que utilizam esse
ferramental para iludir os demais com mais facilidade.

A segunda razão é como ferramenta de trabalho para uma área que muitos dos que
escolhem o curso de economia pensam em trilhar: cargos no mercado financeiro, nas
finanças empresariais. O leitor mais atento dirá que Peter Schiff e Jim Rogers utilizam
economia austríaca e isso é o que faz a diferença para eles. Certo, aceito o argumento.
Porém, habilidade com números nunca atrapalhou ninguém no mercado financeiro, e um
graduado em matemática vê a matemática financeira como brincadeira de criança. Se um
estudante de economia imagina que bancos, corretoras e empresas do setor financeiro
divulgam suas ofertas de emprego apenas no mural de estágios de suas faculdades,
sugiro a eles irem até o mural da faculdade de matemática ou de engenharia (de produção
principalmente). A oferta ali é igualmente grande, senão maior.

Em uma mesa de operações do mercado financeiro, o iniciante irá se deparar com


centenas de planilhas e cálculos financeiros que podem intimidar. Mais ainda: que irão
exigir mais preparo justamente de quem não tem habilidades matemáticas.

Resolvida a questão matemática, vem outra pergunta: como aprender sobre Teoria
Austríaca dos Ciclos Econômicos, epistemologia, reservas fracionárias, utilidade marginal,
teoria do empreendedor, história do pensamento econômico, economia do setor público
etc? A resposta é direta e reta: www.mises.org.br. Não há nenhum lugar comparável para
se tornar um economista de fato como o Instituto Mises Brasil. O estudante sério e
dedicado encontra no site livros gratuitos, artigos e vídeos, participa de debates e tira suas
dúvidas nos comentários.

O importante é que, concomitante à graduação sugerida de matemática, o estudante se


dedique de forma intensiva ao estudo da Escola Austríaca, crie uma disciplina sistemática
para a leitura dos livros e principalmente dos artigos, faça resumos e anotações. É o
conhecimento da Escola Austríaca que tornará o estudante um economista. A graduação
em matemática irá apenas habilitá-lo a um posto acadêmico ou profissional, simplesmente
porque vivemos na era do diploma, em que o conhecimento é menos importante que um
certificado.

O aluno dedicado que iniciar agora verá que nem todos os livros da escola austríaca estão
disponíveis em português; porém, assim como o IMB, o Mises Intitute disponibiliza todos
online. Não há livro que você queira ler que não o encontre na íntegra no site do instituto
americano. Isso fará também com que o aluno se dedique a aprender outro idioma, o que

2/3
é muito importante culturalmente e profissionalmente. Eventualmente esse aluno fará
cursos extras disponíveis na Mises University, que são imersões de uma ou duas
semanas.

Caso tenha disponibilidade e quiser fugir de um "mestrado em economia mainstream", o


aluno ainda tem a opção de ir à Espanha fazer o mestrado com Jesús de Huerta de Soto,
ou à Guatemala, na Universidad Francisco Marroquin, que tem currículos puramente
voltados à escola austríaca, ou à França, em Angers, e estudar sob a orientação de Jörg
Guido Hülsmann. São as únicas opções que conheço.

Quer ser acadêmico? Mãos à obra.

3/3