Você está na página 1de 3

Desenvolvimento econômico é o processo pelo qual ocorre uma variação positiva das "variáveis

quantitativas" (crescimento econômico: aumento da capacidade produtiva de uma economia medida


por variáveis tais como produto interno bruto, produto nacional bruto), acompanhado de variações
positivas das "variáveis qualitativas" (melhorias nos aspectos relacionados com a qualidade de vida,
educação, saúde, infraestrutura e profundas mudanças da estrutura socioeconômica de uma região e
ou país, medidas por indicadores sociais como o índice de desenvolvimento humano, o índice de
pobreza humana e o Coeficiente de Gini). [1] [2]

O "crescimento econômico" difere do "desenvolvimento econômico" em alguns aspectos, pois,


enquanto o crescimento econômico se preocupa apenas com questões quantitativas, como por
exemplo, o produto interno bruto e o produto nacional bruto, o desenvolvimento econômico aborda
questões de caráter social, como o bem-estar, nível de consumo, índice de desenvolvimento humano,
taxa de desemprego, analfabetismo, qualidade de vida, entre outros.

Ou seja, o desenvolvimento econômico é um processo pelo qual a renda nacional real de uma
economia aumenta durante um longo período de tempo. A renda nacional real refere-se ao produto
total de bens e serviços finais do país, expresso não em termos monetários, mas sim em termos reais:
a expressão monetária da renda nacional deve ser corrigida por um índice apropriado de preço de bens
e consumo e bens de capital. E, se o ritmo de desenvolvimento é superior ao da população, então a
renda real per capita aumentará. O processo implica a atuação de certas forças, que operam durante
um longo período de tempo e representam modificações em determinadas variáveis. Os detalhes do
processo variam sob condições diversas no espaço e no tempo, mas, não obstante, há algumas
características comuns básicas, e o resultado geral do processo é o crescimento do produto nacional
de uma economia.

Índice

[esconder]

 1 Como ocorre

 2 Teorias

 3 Neoliberalismo

 4 Ver também

 5 Referências

 6 Ligações externas

Como ocorre[editar | editar código-fonte]

O processo de desenvolvimento econômico supõe ajustes institucionais, fiscais e jurídicos, incentivos


para inovações, empreendedorismo e investimentos, assim como condições para um sistema eficiente
de produção, circulação e distribuição de bens e serviços à população.

Uma analogia ajuda a entender o significado: quando uma semente se torna uma planta adulta, está
exercendo um potencial genético: em outras palavras, está desenvolvendo-se. Quando qualificado
pelo adjetivo "econômico", refere-se ao processo de produção de riqueza material a partir do potencial
dado pela disponibilidade de recursos humanos e naturais e uso de tecnologia. No campo da economia,
a palavra "desenvolvimento" vem, normalmente, acompanhada da palavra "capitalista", para mostrar
que o desenvolvimento refere-se ao todo social. Esta noção está muito bem desenvolvida em diversos
capítulos do livro de COWEN, M. P. e SHENTON, R.W. (1996, Doctrines of Development. London:
Routledge). Especificamente sobre o desenvolvimento capitalista há um verbete no Dicionário do
Pensamento Marxista de Tom BOTTOMORE (1988).

Teorias[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento comercial e industrial na Europa provocou o estudo clássico de Adam Smith sobre
a riqueza das nações e partir daí esse tema esteve sempre presente na evolução do pensamento
econômico. O desenvolvimento industrial no século XIX da Grã-Bretanha, Estados Unidos e Alemanha
levantou novas questões sobre as causas desse enriquecimento mas no século XX a taxa de
desenvolvimento decaiu ao mesmo tempo em que surgia o confronto das nações liberais com o rápido
desenvolvimento da Rússia comunista.

Foram muitas as teorias voltadas para a promoção do desenvolvimento econômico. Como alternativa
à crise de 1929, o economista inglês John Maynard Keynes formulou uma hipótese de que o Estado
deveria interferir ativamente na economia: seja regulando o mercado de capitais, seja criando
empregos e promovendo obras de infraestrutura e fabricando bens de capital. Essas medidas
caracterizaram-se por serem de curto-prazo enquanto economistas reconheciam um desenvolvimento
econômico quando taxas como a da produção nacional mostrassem tendência ascendente a longo-
prazo

Os keynesianos foram muito populares até os anos 1980 quando - em parte devido à crise do petróleo
- o sistema monetário internacional entrou em crise. Tornou-se então evidente a inviabilidade da
conversibilidade do dólar em ouro, ruiu o padrão dólar-ouro, com inflação e o endividamento dos
Estados por um lado, e uma grande acumulação de excedente monetário líquido nas mãos dos países
exportadores de petróleo por outro. Em vista disso, sobreveio uma mudança de enfoque na política
econômica.

Surge, então, a escola neoliberal de pensamento econômico, baseada na firme crença na Lei de Say, e
cujos fundamentos já tinham sido esboçados em 1940 pelo economista austríaco Friedrich August von
Hayek. Para corrigir os problemas inerentes à crise, os neoliberais pregavam a redução dos gastos
públicos e a desregulamentação, de modo a permitir que as empresas com recursos suficientes
pudessem investir em praticamente todos os setores de todos os mercados do planeta: tornar-se-iam
empresas multinacionais ou transnacionais.

Neoliberalismo[editar | editar código-fonte]

O neoliberalismo foi experimentado, primeiramente, por Augusto Pinochet, no Chile [1] na década de
1970, o qual foi seguido pela inglesa Margaret Thatcher e pelo americano Ronald Reagan nos anos
1980.

O Chile tornou-se, então, uma espécie de vitrine mundial do modelo neoliberal. O crescimento do
produto interno bruto chileno, na época, oscilou de uma taxa positiva de + 8 por cento a taxas
negativas inferiores a -13 por cento. Entre 1975 e 1982, a média de crescimento foi de + 2,9 por cento
ao ano.

No entanto, os custos sociais foram grandes. Mais de 200 mil chilenos tiveram que emigrar por razões
econômicas. O Chile viu seu desemprego subir dos 4 por cento da era Allende para 18 por cento na era
Pinochet, e a taxa de pobreza subir de 20 por cento para 45 por cento. Isso acabou por minar o apoio
à ditadura e provocar a derrota de Pinochet em 1988, quando se iniciou a transição para uma
democracia.
Embora os resultados a curto prazo da transição chilena para um modelo neoliberal de economia
tenham sido ruins para a sociedade, ainda no início da década de 1990, o país se tornou a economia
mais próspera da América Latina, crescendo a taxas superiores a 7 por cento ao ano, o que rendeu ao
país o título de Tigre Asiático latino-americano, em clara referência aos países asiáticos cujas
economias cresciam rapidamente. O país conseguiu reduzir a pobreza de 50% de sua população em
1987, para 18,3% em 2003, tornando-se assim o primeiro país latino-americano a cumprir as metas do
milênio para a redução da pobreza.

De 1990 até 2004, as práticas neoliberais preconizadas pelo Consenso de Washington, em 1990), e
pelo Fundo Monetário Internacional, durante a década seguinte, tornaram-se um modismo quase
irresistível para os governantes, que acreditavam ter encontrado a fórmula para alcançar um maior
desenvolvimento econômico. Reformas foram aplicadas em vários países, notadamente nos mais
pobres, no pressuposto de que, com a liberalização dos mercados, fosse possível atrair um maior
volume de investimentos. [2]

Entre algumas medidas consideradas necessárias para os neoliberais, estão as privatizações de


empresas estatais, a abertura do mercado de capitais, a liberalização dos fluxos internacionais de
capitais (inclusive para os investimentos de curto prazo, o hot money), o fim das reservas de mercado
e a flexibilização de leis trabalhistas.

Uma das reações às práticas neoliberais foi a busca de alternativas de desenvolvimento econômico
local, como forma de tentar suprir a incapacidade de promoção do desenvolvimento pelos Estados dos
países subdesenvolvidos, nomeadamente em oposição às ideias e práticas neoliberais.