Você está na página 1de 5

Análise de Custos

Maura Taveira

Apresentação:

Os dados apresentados referem-se aos primeiros resultados relativos à implantação


do sub sistema de apuração de custos de um hospital público, localizado na área
metropolitana de uma cidade de grande porte no Brasil.
Analise os resultados observados e identifique eventuais problemas.
Os problemas devem ser organizados subsidiando uma ordem de prioridades para as
linhas de ação propostas, de maneira tal que as mesmas sejam fundamentados pelos
dados apresentados.

Fase I

Para que você possa compreender a lógica que permeia o sistema de apuração de
custos mais aplicado nos serviços públicos de saúde (sistema de custeio por
absorção) e experimentar sua potencialidade como instrumento gerencial, propomos
um exercício simplificado que objetiva a aplicação prática de conceitos e critérios
utilizados no assunto.

 Análise da composição dos gastos do hospital

1. Composição dos gastos do hospital

Tipo de gasto %
Pessoal 60,1
Material de consumo 15,1
Outros1 24,8
Total 100,0

Nos serviços públicos de saúde o gasto com pessoal tem merecido particular atenção
por duas razões principais:
 porque pessoal constitui-se em custo fixo (independe do volume de produção),
 e porque seu montante costuma ser o maior nas Unidades de Saúde.

1
Referem-se a aqueles gastos de contratos com pessoa física ou jurídica, impostos, tarifas públicas, taxas, etc.

1
 Análise da composição dos gastos em função do tipo de centro de custo do
estabelecimento

2. Gasto por tipo de centro de custo

Tipo de centro de custo %


Final 51,3
Intermediário especial 8,9
Intermediário 13,5
Geral 26,3
Total 100,0

Habitualmente são os centro de custo do tipo final os que concentram o maior


volume de recursos nos estabelecimentos. Isso não só é compreensível, como até
esperável, já que ali estão todos os serviços responsáveis pelo cumprimento do
objetivo-fim da organização; no caso, a atenção direta aos pacientes.

 Análise do peso relativo dos custos indiretos por centro de custo de


internação

3. Percentual de custo direto e indireto por alguns centros de custo de


internação

Centro de custo Custo direto (%) Custo indireto (%)


Unidade de internação de cirurgia geral 32,07 67,93
Unid. de internação de clínica médica 51,81 48,19
Unidade de internação de pediatria 68,30 31,70
Unidade de internação de pneumologia 54,72 45,28
Unidade de internação de psiquiatria 62,88 37,12
Unid. de intern. de tráumato-ortopedia 42,93 57,07
Emergência (com internação) 63,36 36,64

 Análise do peso relativo dos custos indiretos por centro de custo


ambulatorial

3.1 Percentual de custo direto e indireto por centro de custo ambulatorial

Centro de custo Custo direto (%) Custo indireto (%)


Ambulatório de cirurgia geral 40,50 59,50
Ambulatório de clínica médica 31,46 68,54
Ambulatório de pediatria 31,94 68,06
Ambulatório de pneumologia 32,48 67,52
Ambulatório de psiquiatria 74,40 25,60
Ambulatório de traumatologia 74,41 25,59
Atendimento de emergência 23,92 76,08
Sala de imunização 61,76 38,24

2
No limite, diz-se que o melhor custo é aquele em que o custo direto representa o
principal percentual em relação ao custo total; ou seja, os custos indiretos devem
compor a menor parte do custo final do produto. Para justificar essa preocupação
basta lembrar que, independentemente do volume de produção de cada centro de
custo final, a eles sempre serão atribuídos custos indiretos, próprios da infra-
estrutura de apoio da organização (administração, portaria e vigilância, limpeza,
etc.). Por essa razão, do ponto de vista da eficiência, não se justifica realizar
atividades simples em estruturas complexas.

 Análise dos principais componentes por tipo de centro de custo nos centros
de custo de internação apresentados, considerando apenas os custos indiretos.

4. Principais demandas de trabalho externo (custos indiretos) por alguns


centros de custo de internação

Centro de custo % de custo indireto por centro de custo


Int. especial2 % Intermed.3 % Geral4 %
Unid. de internação de cirurgia geral Ctro. cirúrgico 38,48 Anestesiol. 14,77 Nutrição 14,68
Unid. de internação de clínica médica U.T.I. 10,14 Bco. sangue 10,93 Nutrição 27,12
Unid. de pediatria - - Laboratório 4,77 Nutrição 26,93
Unid. de internação de pneumologia Ctro. cirúrgico 2,89 Laboratório 6,46 Nutrição 35,93
Inid. de internação de psiquiatria - - Laboratório 3,32 Nutrição 33,80
Unid. de int. de traumato-ortopedia U.T.I. 16,55 Alim. parent 12,74 Nutrição 27,78
Emergência (com internação) Ctro. cirúrgico 9,79 Laboratório 11,07 Nutrição 15,78

 Análise dos principais componentes por tipo de centro de custo nos centros
de custo ambulatoriais apresentados, considerando apenas os custos indiretos.

4.1 Principais demandas de trabalho externo (custos indiretos) por centro de


custo ambulatorial

Centro de custo % de custo indireto por centro de custo


Inter. Especial % Intermed. % Geral %
Ambulatório de cirurgia geral Cirurgia amb. 31,58 Laboratório 17,00 S.A.M.E. 10,92
Ambulatório de clínica médica - - Laboratório 60,99 Administ 7,55
Ambulatório de pediatria - - Laboratório 55,78 S.A.M.E. 12,28
Ambulatório de pneumologia - - Laboratório 57,11 S.A.M.E. 10,41
Ambulatório de psiquiatria - - Laboratório 8,15 S.A.M.E. 17,45
Ambulatório de traumatologia - - Laboratório 18,01 S.A.M.E. 7,58
Atendimento de emergência - - RX 45,30 S.A.M.E. 30,78
Sala de imunização - - - - S.A.M.E. 38,24

2
Identificação do centro de custo de maior representação no custo indireto por tipo de centro de custo.
3
Idem.
4
Idem.

3
Uma vez que a lógica de atribuição de custos indiretos tem por base a aplicação de
critérios de aproximação quanto à utilização que uns centros de custo fizeram dos
outros, esse tipo de análise é interessante como forma de verificação da
compatibilidade (qualitativa e quantitativa) na articulação entre os centros de custo
da organização.

 Correlação entre o tempo médio de permanência, a taxa de ocupação dos


leitos e análise do custo final da saída dos pacientes nos centros de custo
apresentados

5. Custo total e indicadores de produtividade por centro de custo de internação

Centro de custo Custo unitário total Tempo de Taxa de


permanência (dias) ocupação (%)
Pac. dia Saída
Unid. de intern. de cirurgia geral 255,83 1.279,15 5 73
Unid. de intern. de clínica médica 105,87 1.482,18 14 95
Unid. de intern. de pediatria 153,34 613,36 4 57
Unid. de intern. de pneumologia 48,66 1.216,50 25 94
Unid. de intern. de psiquiatria 64,98 7.797,60 120 108
Unid. de intern. de traum.- 129,05 1.032,40 8 67
ortopedia
Emergência (com internação) 384,23 3.458,07 9 140
U.C.I. 175,98 703,92 4 101
U.T.I. 813,75 4.068,75 5 89

O custo é um indicador clássico da eficiência da organização; na verdade traduz a


produtividade observada, mensurando-a através de valores monetários.
Até determinado limite, existe uma relação de inversa proporcionalidade entre a
produtividade e o custo unitário do produto; ou seja, quanto maior a produtividade
atingida, menor será o custo unitário do produto.
No caso dos serviços públicos de saúde isso adquire particular importância pelo fato
da despesa com pessoal constituir-se em custo fixo e ser o maior nos
estabelecimentos.

4
 Análise da possível tendência observada nos custos apresentados

6. Série histórica do custo total por centro de custo final

Centro de custo final Unidade de produção Julho Agosto Setembro


Unid. de intern. de cirurgia geral Saída 1.748,99 2.383,85 1.279,15
Unid. de intern. de clínica médica Saída 1.194,49 1.503,49 1.482,18
Unid. de intern. de pediatria Saída 746,44 620,25 613,36
Unid. de intern. de pneumologia Saída 1.289,02 1.138,37 1.216,50
Unid. de intern. de psiquiatria Saída - - 7.797,60
Unid. de int. de traum.-ortopedia Saída 1.173,76 1.236,17 1.032,40
Emergência (com internação) Saída 4.243,02 3.301,25 3.458,07
Ambulatório de cirurgia geral Consulta 116,24 30,01 37,85
Ambulatório de clínica médica Consulta 75,27 38,95 59,25
Ambulatório de pediatria Consulta 43,26 24,07 21,02
Ambulatório de pneumologia Consulta 33,38 20,46 34,85
Ambulatório de psiquiatria Consulta 60,61 20,09 17,82
Ambulatório de traumatologia Consulta 61,58 47,90 24,29
Atendimento de emergência Consulta 4,53 6,28 5,05
Sala de imunização Dose vacinal 3,82 5,42 4,78

A importância desse tipo de análise pode ser atribuída a três razões principais:
 porque possibilita avaliar a consistência do processo de apuração dos custos; ou
seja, grandes oscilações no custo observado sugere problemas de processamento;
seja pela alocação indevida de gastos, seja pelo levantamento impreciso da produção
de serviços;
 porque permite conclusões mais consistentes sobre o real processo produtivo da
organização, permitindo assim empreender ajustes, quando necessários, com maior
segurança;
 e porque, através da avaliação de uma série histórica, podem ser definidos
parâmetros de referência (normas) considerados mais adequados (custo padrão).

Fase II

A partir da identificação dos problemas observados, elabore agora hipóteses


explicativas para os mesmos, à luz dos principais conceitos da gestão estratégica de
custos (posicionamento no mercado, cadeia de valor e alguns direcionadores de
custo).
O objetivo é o de fundamentar uma proposta de reorganização daqueles serviços,
correlacionando os problemas identificados no hospital com as possíveis soluções
internas e externas ao estabelecimento.