Você está na página 1de 94

Voith Turbo Acoplamentos

Mauricio Carrero, Voith Turbo São Paulo

1
Transmissão de potência hidrodinâmica –
Suave e virtualmente livre de desgaste

Circuito
hidrodinâmico

Bomba Turbina

Acoplamento Máquina Rotor


MOTOR hidrodinâmico Rotor bomba turbina Concha
acionada

Show Presentation Cha Nov-2011 2


Hidrodinâmica no Acionamento
Características do Torque DP

Função de:
 Diâmetro ~ DP5  Densidade ~ 
 Rotação ~ n2  Grau de enchimento ~ [%]
Bomba Turbina
Grau de enchimento
T1 T2
80%
2
70%
60%
50% TNom
1
40%

0 100 0 n2 % 100 3
n1 % S
Slip
Tipo de acoplamentos de enchimento
constante para diferentes necessidades

TV
TVVS

VIDEO
T TVV

4
Acoplamentos - Modelos

T TV TVV TVVS DT...

TV...F... TV...Y... T...N T...R(I) TW... TU...


5
ACOPLAMENTO – Todos modelos em repouso

T TV TVV TVVS

Acoplamentos hidrodinâmicos | Magno Perriraz | 13-05-2013 rev - 01 6


Acionamento com acoplamento Voith e
motor assíncrono
Motor assíncrono padrão (motor tipo gaiola) em combinação com
acoplamento VOITH pode ser utilizado como sistema de acionamento
Benefícios do motor tipo gaiola
• Custo efetivo
• Manutenção baixa
• Robusto
• Ampla seleção de fabricantes
• Produto padrão
• Tecnologia comprovada

Show Presentation Cha Nov-2011 7


Características dos acoplamentos Voith

 Partida do motor livre de carga


 Aceleração suave de alta inércia
 Limitação de torque durante a partida
 Adaptação do torque de partida à carga
 Distribuição de carga em acionamento multimotores / partida
seqüencial de motores

 Amortecimento de torque / vibração (choques)

 Proteção contra sobrecarga em caso de bloqueio da


máquina

Show Presentation Cha Nov-2011 8


MONTAGEM INVERTIDA
Rotor bomba e rotor turbina
NOTA: A inversão da posição de entrada do acoplamento pode ser
feita, porém é importante atentar para alguns fatores:

POSIÇÃO DE MONTAGEM INVERTIDA


POSIÇÃO DE MONTAGEM NORMAL
REDUTOR
ACOPLAMENTO
CONEXÃO CONEXÃO
ACOPLAMENTO

MOTOR MOTOR REDUTOR


REDUTOR

Acoplamentos hidrodinâmicos | Magno Perriraz | 13-05-2013 rev - 01 9


MONTAGEM INVERTIDA
1. A temperatura de partida se eleva mais rapidamente, pois a
dissipação de calor é dificultada.
2. Devido o rotor turbina estar operando como rotor bomba, o
seu perfil misto, quando existente, passa a não apresentar o
efeito desejado, apresentando menor eficiência, o torque de
partida é mais alto.
3. Atuação inadequada da câmara de retardo, pois a sua atuação
se dá no momento de rotação da parte externa.
4. Maior concentração de peso no eixo motor (no caso sem GPK).
5. Dificuldade de verificação do nível de fluido, devido
dificuldade em girar a máquina na maioria dos casos.
6. No caso de bloqueio repentino, os componentes absorvem um
pico maior de torque, pois o momento de inércia da parte
externa é 4 a 10 vezes maior que da parte interna.

Acoplamentos hidrodinâmicos | Magno Perriraz | 13-05-2013 rev - 01 10


Acoplamento de enchimento constante
TVVS & TWVVS

Show Presentation Cha Nov-2011 11


Procedimento de Partida
Limitação de Torque
Limitação do torque de partida ao máximo de 140 % do torque
efetivo com Perfil Misto

Perfil otimizado para torque de partida constante

Perfil Simples Perfil Simples com Perfil Misto


Disco Limitador

Show Presentation | 11.09.2014 | 12 12


Acionamentos com Acoplamentos Voith
Robusto e Confiável

ACOPLAMENTO MÁQUINA
MOTOR VOITH
REDUTOR
ACIONADA

Show Presentation Cha Nov-2011 13


Tecnologias de Conexão

14
Show Presentation Cha Nov-2011 15
Show Presentation Cha Nov-2011 16
ERK (154, 206 e 274)

Show Presentation Cha Nov-2011


17
EPK – Conexão de Acoplamento

 O elemento flexível é
dimensionalmente o
mesmo para todos os
tamanhos
 O elemento flexível
pode ser trocado sem
deslocar o motor e sem
remover o acoplamento
hidrodinâmico

EPK 3D view

Show Presentation Cha Nov-2011


18
EPK: Conexão de Acoplamento

•Espaço entre o flange e o cubo


•No caso de desgaste ou quebra
dos elementos flexíveis, nenhuma
contato mecânico ocorre

EPK front view

Show Presentation | 11.09.2014 | 19


19
EPK: Conexão de Acoplamento

•Espaço entre o flange e o cubo


•No caso de desgaste ou quebra
dos elementos flexíveis, nenhuma
contato mecânico ocorre
 Nenhum dano consequente
entre o flange e o cubo

EPK front view

Show Presentation | 11.09.2014 | 20


20
EPK - Acoplamento de conexão

L Quando removido o anel de


fechamento os elementos
elásticos são acessíveis e podem
ser trocados sem alterar a posição
tanto do motor quanto do
acoplamento.

Show Presentation Cha Nov-2011


21
Cumprimentos de montagem L das diversas conexões para
acoplamentos hidrodinâmicos Voith
O turboacoplamento deve ser equipado com um
acoplamento elástico!
O acoplamento elástico acopla o turboacoplamento a
uma ponta de eixo.
– Após o alinhamento permanecem desvios de posição
entre o turboacoplamento e a ponta do eixo.
O acoplamento elástico absorve estes desvios de
posição.
Acoplamentos elásticos possíveis de se obter na Voith
Turbo para turboacoplamentos do tipo básico T:

Show Presentation Cha Nov-2011 22


Show Presentation Cha Nov-2011
23
Show Presentation Cha Nov-2011
24
0050

Show Presentation Cha Nov-2011


25
Métodos de alinhamento

Métodos de alinhamento e sua exatidão:


Método Exatidão
LASER ótico Muito preciso
Relógios comparadores Preciso
Calibrador de folgas, laminas Pouco preciso

Sugestão de montagem de comparadores com mostrador


Show Presentation Cha Nov-2011 26
Alinhamento geral

Tolerâncias de alinhamento máximas permitidas para o desvio


radial e axial do medidor ao instalar as conexões dos
acoplamentos:

Tamanho do Campo de rotações em RPM


Turboacoplamento 0...750 750...1200 1200...1800 1800...3600
154 até 487 0,6 0,4 0,3 0,2
562 até 1150 0,8 0,6 0,4 0,3

Os valores indicados, são em mm, e representam o valor máximo permitido como desvio
radial e axial do medidor.

Show Presentation Cha Nov-2011 27


Acoplamento Hidrodinâmico Voith com
conexão GPK

Show Presentation Cha Nov-2011 28


Análise de economia através do uso da GPK

vantagens que impressionam:


 Fácil montagem e desmontagem radial
do acoplamento hidrodinâmico sem
necessidade de realinhamento
 Fácil de alinhar e melhores tolerâncias
de alinhamento
 Aceita maior desalinhamento
 Ideal para instalações sensíveis a
vibração
 Adequado para substituição de
variadores por acoplamentos
hidrodinâmicos devido ao comprimento
de adaptação.
Show Presentation Cha Nov-2011 29
Análise de economia através do uso da GPK
Comparação de custo

Ação Acoplamento de conexão elástica GPK

Nova instalação do 10 h x R$200,00/h x 2 trabalhadores 8 h x R$200,00/h x 2 trabalhadores


VTC + acoplamento de = R$4.000,00 = R$3.200,00
conexão  R$800,00 (economia)
(Alinhamento mais rápido, a laser,
sem o VTC).

Trabalho de Ação adicional comparada a GPK Redução do custo de trabalho


manutenção sobre - Deslocamento do motor: 1 h aprox.
VTC - Realinhamento: 3 h 4 h x R$200,00/h x 2 trabalhadores
 Tempo adicional: aprox. 4 h  R$ 1.600,00 (economia)
(Não é necessário o deslocamento
do motor nem realinhamento do
acoplamento)

*Por comparação: Tempo de nova instalação de um IF em média 1 semana!


*Fonte: ThyssenKrupp Fördertechnik
Show Presentation Cha Nov-2011 30
Posição de instalação
Conexão opcional sem elementos elásticos
O acoplamento hidrodinâmico Voith é montado
entre duas conexões, a do eixo do motor e a do
redutor.
 A Conexão GPK contém um pacote de discos
em aço mola
 Redução de manutenção
 O peso do acoplamento Voith é distribuído
uniformemente entre o eixo do motor e o do
redutor
 Rolamentos sujeitos a baixa carga
 Mais fácil intercambiabilidade entre motores
(Sem considerar a carga sobre o eixo)
 Risco reduzido de vibração do acionamento
Show Presentation Cha Nov-2011
por flexão crítica
31
Show Presentation Cha Nov-2011
32
Show Presentation Cha Nov-2011
33
Show Presentation Cha Nov-2011
34
Binários de aperto

Show Presentation Cha Nov-2011


35
Show Presentation Cha Nov-2011
36
Show Presentation Cha Nov-2011
37
Show Presentation Cha Nov-2011
38
Show Presentation Cha Nov-2011
39
Show Presentation Cha Nov-2011
40
Show Presentation Cha Nov-2011
41
Show Presentation Cha Nov-2011
42
Show Presentation Cha Nov-2011
43
Show Presentation Cha Nov-2011
44
Show Presentation Cha Nov-2011
45
Show Presentation Cha Nov-2011
46
Show Presentation Cha Nov-2011
47
Enchimento

Show Presentation Cha Nov-2011


48
• Verificação do Nível de Fluído

Visor de nível ou bujão fusível

Z = É O TOTAL DE PARAFUSOS ATÉ A LINHA VERTICAL


X = É A ALTURA DO PARAFUSO ATÉ A BASE

Show Presentation Cha Nov-2011 49


Enchimento de acoplamentos montados
horizontalmente
• Girar o acoplamento até que um bujão de enchimento (Pos. 0390) se encontre
em cima; em acoplamentos tamanhos 650 e 866, selecionar o bujão de enchimento
que possui a maior distancia até o bujão fusível mais próximo.
• Desaparafusar o bujão de enchimento.
• Retirar o bujão fusível superior (Pos. 0395 ou 0260) para equilibrar a pressão.
• Abastecer o acoplamento com a quantidade de fluido de trabalho prescrita
passando-o por um filtro fino (abertura das malhas ≤ 30µm) através do orifício do
bujão de enchimento.
• Torquear o bujão de enchimento.
• Caso exista visor de nível (Pos. 0396), torquear o bujão fusível.
• Girar o acoplamento para conferência do nível de óleo pelo visor de nível, caso
exista, ou pelo furo roscado do bujão fusível (ainda) desaparafusado.
• Torquear parafuso fusível.

Show Presentation Cha Nov-2011 50


Esvaziamento de acoplamentos
• Rodar o acoplamento até que um parafuso fusível se encontre totalmente
• em baixo.
• Desaparafusar este parafuso fusível.
• Para purga de ar, desaparafusar um bujão de enchimento ou um parafuso fusível que
se encontre no lado oposto.
• Esperar até que a área de trabalho do acoplamento esteja esvaziada.

Dimensões de acoplamento 366 até 750: Dimensões de acoplamento 274 e 866 até 1150:
• Retirar parafuso calibrado (Pos. • Apertar novamente os parafusos fusíveis e
0455/0456). de enchimento.
• Rodar o acoplamento até que o orifício do • Ligar o motor de acionamento por ca. de
parafuso calibrado se encontre totalmente meio, no máximo um minuto. O fluido de
em baixo. trabalho na câmara de retardamento esvazia-
• Esperar até que a câmara de se para a área de trabalho. Observe os
retardamento esteja esvaziada. regulamentos de segurança!
• Apertar o parafuso calibrado. • Desaparafusar novamente o parafuso fusível.

• Rodar o acoplamento até que o orifício do parafuso fusível se encontre totalmente em baixo.
• Após esvaziamento da área de trabalho do acoplamento, apertar novamente os parafusos.

Show Presentation Cha Nov-2011 51


Monitoramento de temperatura

52
BTS – Monitorador de Temperatura sem Contato

 Sensor de sinal de limite térmico do fluido de


trabalho (sem contato)
O acionamento pode ser desligado antes do
fluido vazar pelo bujão fusível
(Sem poluição ambiental)
 O elemento térmico não tem que ser trocado
após sua atuação
 Reabastecimento do fluido do acoplamento
não é necessário
 Elimina risco relativo à manutenção e
reabastecimento
Curto tempo de parada

Show Presentation Cha Nov-2011


53
Show Presentation Cha Nov-2011
54
BTM – Analisador térmico sem contato
Funções:
1. Analisador envia sinal de alta frequência via antena
2. Elementos de onda de superfície no sensor de temperatura converte este sinal em sinal relacionado a
temperatura e reflete o mesmo de volta para a antena
3. Sensor de temperatura grava a temperatura média de operação
4. A antena recebe o sinal e retorna o mesmo para o analisador
5. O analisador apresenta no display a temperatura real do fluido do acoplamento
6. O analisador tem duas saídas disponíveis uma para alarme e outra para desarme do motor
7. O sinal da medição no analisador é 4 - 20 mA (sinal de saída)

Show Presentation Cha Nov-2011 55


BTM – Função BTM-Componentes
Típico campo de aplicação

 Shredders (trituradores de sucatas)  Centrífugas e misturadores


 Picador de toras
 Transportadores de graneis  Moinhos
 Britadores
 Sistema de acionamento marítimo
Britador Moinho Correia transportadora

Show Presentation Cha Nov-2011 56


Benefício com o uso do BTM

 Disponibilidade alta das unidades

 Controle de carga aplicada


 Redução na perda de produção

 Detecção precoce de irregularidades na unidade ou no acoplamento

 Aumento de produtividade e eficiência econômica

Show Presentation Cha Nov-2011 57


Referências/ Resumo

Duas vantagens decisivas:


 Melhor utilização da reserva térmica do acoplamento hidrodinâmico
 Simples aplicabilidade de intervenção proposital no processo
Inovação:
 Aquisição de valor em tempo real
 Monitoramento de temperatura direto no circuito do fluido de operação
 O aumento do ganho na produtividade, assim como a redução de desarmes e
períodos de paralisação, claramente aumenta a eficiência economica da unidade.
 A condição de carga presente da máquina acionada pode ser gravada em mais
detalhe como quando realizado através do monitoramento por corrente do motor.

Show Presentation Cha Nov-2011 58


Show Presentation Cha Nov-2011 59
Dispositivo de desmontagem
mecânico

Show Presentation Cha Nov-2011 60


Dispositivo de desmontagem
hidráulico

Show Presentation Cha Nov-2011 61


Dispositivo de desmontagem
hidráulico

Show Presentation Cha Nov-2011 62


Fluidos de trabalho
ATENÇÃO!
– Fluidos de trabalho inadequados podem causar danos permanentes
ao turboacoplamento!
– Consulte a Voith Turbo, caso deva utilizar um fluido de trabalho
não nomeado (Bio-óleo, fluido de trabalho não inflamável ou de
difícil inflamação).

Fluidos de trabalho admitidos:


– Óleos hidráulicos HL 22 e HL 32 segundo DIN 51524, tomo 1
– Óleos hidráulicos HLP 22 e HLP 32 segundo DIN 51524, tomo 2
– Óleos de turbinas a vapor LTD 22 e LTD 32 segundo DIN 515, tomo 1
– Óleos de motores HD SAE 10 W
– ATF Tipo A Suffix A (TASA) e Tipo Dexron II, IID, IIE, III, MERCON
M-891205 e M 921253

Show Presentation Cha Nov-2011 63


Fluidos de trabalho
Características exigidas para o fluido de trabalho
– Classes de viscosidade................... ISO VG 22 ou ISO VG 32 segundo
DIN 51519

– Pourpoint (Ponto de fluidez)............ 4°C abaixo da temperatura mínima


ambiente ou inferior

– Viscosidade inicial........................... Inferior a 15000mm2s-1 (cSt)

– Ponto de inflamação ....................... Superior a 175°C e no mínimo 40°C


acima da temperatura de fusão do
parafuso fusível

– Resistência a envelhecimento ........ Refinado resistente a envelhecimento

– Compatibilidade de vedação........... NBR (Borracha Nitrila-Butadieno) e


FPM/FKM/VITON (Borracha de Fluor)
Show Presentation Cha Nov-2011 64
Propostas de marcas

A lista acima é uma recomendação e não se pretende afirmá-la como completamente íntegra.
ATENÇÃO!
Os valores indicados para Pourpoint (ponto de fluidez) são valores teóricos e indicações dos produtores de
óleos. É possível que eles variem, Voith Turbo não assume qualquer responsabilidade pelos mesmos!
Show Presentation Cha Nov-2011 65
Manutenção

Prazo Trabalho de manutenção

Após respectivamente 500 horas Inspecionar a instalação quanto a


de funcionamento, o mais tardar irregularidades
após respectivamente 3 meses

Após respectivamente 15000 horas Trocar ou examinar o fluido de


de trabalho
funcionamento
Após atuação de um parafuso Trocar todos os parafusos fusíveis e
fusível o fluido de trabalho

Segundo as necessidades Limpeza

Show Presentation Cha Nov-2011 66


FLUIDO DE TRABALHO
Perfil Misto
Bujão de restrição

Diâmetro de furo 1,8 mm a 6 mm

Anel de ajuste do rolamento

Sensor de temperatura BTS / BTM


Acoplamentos hidrodinâmicos | Magno Perriraz | 13-05-2013 rev - 01 67
Bujões
fusíveis

Show Presentation Cha Nov-2011 68


Show Presentation Cha Nov-2011 69
Show Presentation Cha Nov-2011 70
Show Presentation Cha Nov-2011 71
Voith Turbo Brasil

72
Acoplamentos Hidrodinâmicos

• Principais partes

Show Presentation Cha Nov-2011 73


Procedimentos para Reforma de
Acoplamentos VOITH
Dimensões Referenciais do Cubo Secundário

Controle Dimensional:

D1 - Alojamento do retentor (roda primária)

D2 - Alojamento do rolamento (roda primária) -

D3 - Alojamento do retentor (roda primária-TW para acoplamentos a água)

D4 - Alojamento do retentor (concha - TW para acoplamentos a água)

D5 - Alojamento do rolamento (concha)

D6 - Alojamento do retentor (tampa do retentor/concha)

D7 - Alojamento da roda secundária

L - Distancias entre os rolamentos (roda primária e concha)

Show Presentation Cha Nov-2011 74


Procedimentos para Reforma de
Acoplamentos VOITH
Figura 2 – Dimensões Referenciais Acoplamentos tipo T, TV, TVV, TVVS, TW

Controle Dimensional:

D7 - Alojamento do encaixe do anel da conexão (câmara de retardamento)

D1 - Alojamento do retentor (câmara de retardamento)

D2 - Alojamento do rolamento (roda primária)

D3 - Alojamento do retentor (roda primária TW)

D4 - Alojamento do retentor (concha TW)

D5 - Alojamento do rolamento (concha)

D6 - Alojamento do retentor (tampa/concha)

L1 - Distancia do encosto do rolamento até face de vedação (roda primária)

L2 - Distancia do encosto do rolamento até face de vedação (concha)

Show Presentation Cha Nov-2011 75


Procedimentos para Reforma de
Acoplamentos VOITH
• Polimento dos alojamentos dos retentores no cubo
• Correção de desgastes no alijamento do rolamento nas
carcaças
• Reparo nos alojamentos dos bujões
• Substituição de peças danificadas
• Lubrificação de componentes
• Balanceamento
• Montagem
• Teste de estanqueidade (hidrostático)
Show Presentation Cha Nov-2011 76
Procedimentos para Reforma de
Acoplamentos VOITH
Os acoplamentos hidrodinâmicos são equipamentos mecânicos de
construção simples, porém, devido a suas carcaças (interna e
externa) serem em liga de alumínio-silício, material leve e de boa
dissipação térmica, é extremamente maleável e não suporta
grandes esforços mecânicos, o que provocaria deformação,
empenamentos e trincas.
Uma manutenção inadequada, com métodos convencionais, pode
ocasionar danos irreparáveis nos componentes difíceis de serem
verificados por pessoal não devidamente qualificado, o que poderia
provocar desde um simples vazamento de óleo até a explosão do
acoplamento com risco de vida e perda material.

Show Presentation Cha Nov-2011 77


Procedimentos para Reforma de
Acoplamentos VOITH
A Voith oferece assistência técnica especializada com técnicos com
mais de 25 anos de experiência em acionamentos hidrodinâmicos,
contando com ferramentas e dispositivos desenvolvidos para
proporcionar a melhor qualidade e performance de seus produtos.

Lembramos que uma manutenção bem feita, com utilização de peças


originais e serviços realizados por pessoal altamente capacitado,
prolonga a vida útil dos equipamentos, reduzindo custos de
manutenção, operacional, e administrativo.

Show Presentation Cha Nov-2011 78


Reforma em Acoplamentos (peças danificadas)
• Perícia Técnica
• Análise de peças estruturais

Show Presentation Cha Nov-2011 79


Reforma em Acoplamentos (peças danificadas)
• Perícia Técnica
• Análise de peças estruturais

Show Presentation Cha Nov-2011 80


Reforma em Acoplamentos (peças danificadas)
• Acoplamento subdimensionado / Superaquecimento

Show Presentation Cha Nov-2011 81


Aplicações inadequadas em Bujões Fusíveis

Show Presentation Cha Nov-2011 82


Manutenção Preventiva
Prazo Trabalho de manutenção

Após respectivamente 500 horas Inspecionar a instalação quanto a


de funcionamento, o mais tardar irregularidades
após respectivamente 3 meses

Após respectivamente 15000 horas de Trocar ou examinar o fluido de


funcionamento trabalho

Após atuação de um parafuso Trocar todos os parafusos fusíveis e


fusível o fluido de trabalho e arruelas de
vedação

Segundo as necessidades Limpeza

Show Presentation Cha Nov-2011 83


Referências de Aplicações

84
Vale São Luis
Acoplamento 1000 T W VVS
4x Motores 1000 HP @ 890 rpm
+ 15 acoplamentos 1000 TWVVS X 1000 SVNL

Reference Reference

Show Presentation Cha Nov-2011 85


Vale Carajás – 1150 TVVS
O maior TVVS no mundo
2x Motores 1200 HP @ 890 rpm
12.000 t/h

Reference Reference

Show Presentation Cha Nov-2011 86


Britadores
Reference

Reference

Britador de martelos, Paquistão


Acoplamento:Tipo 866 TVVY
Potência: 1200 kW @ 1490 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 87


Transportadores metálicos
Reference

Transportador de placas, Aumund


Acoplamentos:Tipo 366 T – Type 562 T
Potências: 30 – 200 kW @ 1480 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 88


Transportadores metálicos
Reference

Transportador de placas, Beumer


Acoplamento:Tipo 274 DT – Tipo 422 TV
Potência: 30 – 75 kW @ 1480 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 89


Sistemas de Pátio

Reference

Escavadeira de roda de caçambas, Krupp


Acoplamento:Tipo 650 TC
Potência: 200 kW @ 1000 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 90


Sistemas de pátio

Empilhadeira / Retomadora
Acoplamento:Tipo 562 TH
Potência: 200 kW @ 1485 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 91


Moinhos

Reference

Reference

Moinhos de bolas, Espanha


Acoplamento: 3xTipo 1150 TV
Potência: 3 x 1200 kW @ 980 rpm

Show Presentation Cha Nov-2011 92


Ventiladores

Reference

Ventilador, Mexico
Acoplamento: Tipo 866 TV
Potência: 500 kW @ 990 rpm
Show Presentation Cha Nov-2011 93
Contatos:

Maurício Carrero Valter Guedes


Técnico de Campo / Serviços Engenheiro de Aplicações - MG
Mineração e Siderurgia Mineração e Siderurgia
Tel.: 11 9 8685 3790 Tel.: 31 9417 0004
mauricio.carrero@voith.com valter.guedes@voith.com

PPT-Anleitung | Uwe Gobbers | 2011-05-06 94