Você está na página 1de 8

APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 1/07

NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS


NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

Queda de pessoas Postura Visual pelo Ferimentos, PR RL RM Não adentrar na área de


inadequada,desatenção,falt trabalhador contusões, movimentação de cargas sem
a de apóio ou montagem luxaões,fraturas, autorização.
incorreta das padiolas em lombalgia, Manter a placa de sinalização
desacordo com o padrão,de hematomas PERIGO Matenha-se afastado
comprimento: 45 cm, largura somente pessoas autorizadas.
: 35 cm,altura:22cm, falta de
organizaão das padiolas
Falta de guarda corpo
Quebra dos dentes da Torção inadequada do Visual pelo Desvio do rolete PR RL RM É proibido dar golpes
engrenagem do cilindro volante auxiliar de torque do trabalhador Da bacia principal desnecessário, ao volante
mestre bojo principal mestre.
Queda de materiais,tipo Material agregado,cair entre, Visual pelo Danos materiais, PR RL RM Isolamento da área sobre um
agregados(areia,cimento volante,engenagem,rolete,ro trabalhador lesão pessoal. raio de trajeto da montagem das
Brita) lamednto,mal uso da graxa. peças.
Manter as pessoas que não
estiverem envolvidas na
atividade afastadas do local.
.
FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA
GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 2/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

estiverem envolvidas na
atividades quando as tarefas se
tornarem inseguras em virtude
de chuvas,falta de visibilidade e
luminosidade,labareda do flar
em alta com muito calor.

Insolação Exposição à temperatura Visual pelo Desidratação e PP PQ RNC Dispor de água potável e copo
elevada trabalhador desmaio descartável.
Instalar abrigo no local de
trabalho para proteção dos
trabalhadores contra excesso de
raios solares,soro
glicosado+destrovitase.
Impacto contra o corpo Uso inadequado das Visual pelo Lesão pessoal PR RL RM Usar padiolas adequadas a
padiolas trabalhador atividade.
Projeção de agregados. Não posicionar o corpo ou parte
deste no raio de ação das
padiolas.
Intepéries Descarga atmosféricas Visual pelo Choque elétrico, PP PQ RNC Paralisar as atividades e abrigar-
FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA
GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 3/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

trabalhador fraturas, mal se em local seguro.Manter


súbito, aterrada a betoneira.
queimaduras,
vazamento de
produtos, poluição
ambiental,
incêndio, morte.
Ruído excessivo Funcionamento das Visual pelo Perda auditiva, FR RL RM Usar protetor auricular em
betoneiras no local de trabalhador distúrbios ambiente ruidoso e aplicar DDS
trabalho. neurológicos. de conscientização.
Batida / Prensamento Utilizar as mãos de modo Visual pelo Lesões pessoais, PR RL RM Prensamentos dos dedos na
arriscado. trabalhador esmagamentos instalação das braçadeiras.
Posicionar-se entre, ou à
frente destes durante a
movimentação da betoneira.
Mal súbito Característica orgânica do Visual pelo Doenças variadas PP RL RM Prenúncio de tonteira, sudorese,
trabalhador trabalhador calafrios, gripe intensa e outros,
comunicar à supervisão para
atendimento, descanso ou
substituição.
FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA
GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 4/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

Corpo estranho no olho Poeiras do cimemto e Visual pelo Lesão nos olhos PR RL RM Usar óculos de segurança
partículas em suspensão. trabalhador contra impacto e com proteção
lateral e protetor facial.
Doenças endêmicas Picadas por insetos Visual pelo Doenças alérgicas PP PQ RNC Aplicar nebulização e usar
trabalhador ou doenças camisas manga comprida.
tropicais Manter carteiras de vacina
atualizada.
Lixo pela área Falta de coletores, Visual pelo Poluição PP PQ RNC Disponibilizar coletores.
desorganização no local de trabalhador ambiental Organizar á área quando do
trabalho. término do trabalho.

FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA


GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 5/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

Incêndio Falha de manutenção / Visual pelo Queimaduras dos PR RL RM Manter os equipamentos em


operação trabalhador olhos e pele, perfeitas condições de
desmaio, funcionamento.
intoxicação, Alocar extintores de incêndio
asfixia, morte, compatível com os riscos e
perdas materiais. treinar pessoal no uso deste
equipamento.
Instrução sobre alarme de
emergência e rota de fuga será
de responsabilidade da
operação da UN-BSOL
Risco de Acidentes 1. Não seguir procedimentos Visual do PR RL RM 1.1.Seguir os procedimentos
de trabalho; Trabalhador Ferimentos, definidos.
Fiscalização contusões e 2.1.Usar EPI’s inerente à
2. Não usar EPI’s da fraturas, danos atividade como: Bota de
supervisão materiais. segurança sem cadarço, luva,
e visual pelo capacete, prot. auricular, óculos
trabalhador de segurança com proteção
lateral, uniforme, cinto de
segurança tipo pára-quedista,
FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA
GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 6/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

avental de raspa de couro ou


blusão de raspa de couro,
perneira de raspa de couro.

4.1.Alertar as pessoas
envolvidas na atividade dos
riscos decorrentes da mesma e
eventual contato com produtos
que provoquem
queimaduras,intoxicações.
3. Drenagem de produtos; 4.3.Familiarizar a equipe na
localização da maca, chuveiro e
lava-olhos, extintores de
incêndio, hidrantes, rota de fuga
e alarme sonoro de emergência.

5.1.Supervisionar e rever todos


os procedimentos de execução
da atividade.

FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA


GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 7/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

7.1Utilizar ferramentas
vistoriadas para o bom
andamento dos serviços,como:
cunhamento de enxadas pás

8.1.Avaliar o melhor local para


executar suas atividades.

5. Falta ou falha de 9.1 É proibido o trânsito de


supervisão; pessoas em área com
sinalização de isolamento.

6. Uso incorreto de
ferramentas, equipamentos
e acessórios à manutenção
da betoneira.

8. Espaço exíguo;

FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA


GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS


APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS FOLHA 8/07
NORMAS PETROBRÁS VIGENTES E CORRELATAS
NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS
BETONEIRA
DATA 04/06/03
Ampliação, Modernização e Implantação da UPGN III.
REVISÃO:

ATIVIDADE FORNECIMENTO DE CONCRETO PARA SERVIÇOS ETAPA:


ADICIONAIS DE CONSTRUÇÃO NA BASE DE
OPERAÇÕES
GEÓLOGO PEDRO MOURA
ELABORADO POR: GDK ENGENHARIA S/A
PARTICIPANTES SAVOI,SALETE,ROULIM,PENIN
MEIOS DE
RISCOS IDENTIFICADOS CAUSAS BÁSICAS POSSÍVEIS DETECÇÕES EFEITOS E DANOS CLASS GRAU NÍVEL MEDIDAS DE CONTROLE
EXISTENTES FREQ SVR RISCO

10.Pisar, caminhar ou
transpor obstáculos junto a
betoneira..
OBS 1: 1. Programar técnico de segurança quando necessário, na atividade de grande volume de concreto na
betoneira.
2. Só iniciar serviços quando todos tiverem conhecimento da APR e PT;.

OBS 2: NO CASO DA INTEGRAÇÃO DE NOVOS FUNCIONÁRIOS À EQUIPE, A APR DEVERÁ SER NOVAMENTE
DIVULGADA PARA ESTE TRABALHADOR.
OBS 3: MANTER ORGANIZADO TODA CABEAÇÃO, E TOMADAS DE ENERGIA:ISTO É, CABOS ENROLADOS,
LIMPEZA DA ÁREA DE TRABALHO.
4: EM CASO DE EMERGENCIA LIGAR 6701 SGI/SST/MA OU 6600 - 6617

FR = FREQUENTE PR = PROVÁVEL PP = POUCO PROVÁVEL RE = REAMOTA


GRAU DE SEVERIDADE PQ = PEQUENO RL = RELEVANTE SV = SEVERA CT = CATASTRÓFIC
NÍVEL DE RISCO RC = RISCO CRÍTICO RM = RISCO MODERADO RNC = RISCO NÃO CRÍTICO

SUPERVISOR ENCARREGADO TÉCNICA DE SEGURANÇA FISCALIZAÇÃO PETROBRAS