Você está na página 1de 19

15 curiosidades sobre os EUA que você deve saber

antes de viajar!
por Camila Oliveira | 79 comentários

Viajar ou morar em outro país é sinônimo de conviver com a diferença. Na verdade, é


como um Kinder Ovo: é uma delícia e sempre tem alguma surpresa!

Conforme já falei no podcast, morei nos EUA para estudar na IIT – Illinois Institute of
Technology e durante o tempo por lá aprendi muita coisa nova. Vendo um post no
Buzzfeed lembrei-me de várias curiosidades interessantes que existem nos hábitos
americanos que são diferentes aqui. Por isso resolvi escrever sobre o assunto aqui! Se
você já conhece essas curiosidades sobre os EUA, faça aquela mesma cara de satisfeito
quando recebe meia de presente no natal e leia até o fim… Para quem não conhece,
prepare seu baldinho de frango infarto frito, seu copão de refrigerante, vários
marshmallows com bastante açúcar para dar lucro ao dentista pelos próximos cinco anos
E VEM COMIGO!
1. Virar à direita quando o semáforo estiver vermelho

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de
Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos
que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Isso mesmo. As vias funcionam de maneira bem lógica: se o semáforo está fechado,
você sempre poderá virar à direita mesmo assim! A não ser, claro, que exista uma placa
“NO TURN ON RED”, caso contrário, se você fica parado, pessoas certamente
buzinarão muito. É uma maneira bem fácil que encontraram para deixar o trânsito
menos congestionado. Afinal, se você não seguirá a via em sentido reto, virar à direita
não atrapalhará ninguém!
2. Todos param para o ônibus escolar

Todo mundo que já viu algum filme americano já deve ter desejado andar naqueles
ônibus escolares amarelinhos. Que eles funcionam apenas para alunos das escolas você
provavelmente já sabia. Mas você sabia sobre a parada obrigatória para os ônibus? Nos
EUA, quando um school bus para, a fim de uma criança descer, uma plaquinha de
STOP abre na lateral do bus e todos os carros são obrigados a parar, inclusive no
sentido contrário. Isso garante que a criança possa atravessar a rua com segurança e
todos respeitam!

3. Posto de Gasolina sem frentista

Você resolve viajar para as terras do Tio Sam e descobre que alugar carro é mais barato
que viajar de ônibus / avião / trem. Aí você manda um beijo para as locadoras de carro
brasileiras que cobram valores altíssimos, aluga um Mustang lindo e maravilhoso por 60
obamas e sai pelas highways como se estivesse em um jogo de Need for Speed. Até aí
tudo bem, mas uma hora você terá que abastecer o carro.

Então você chega a um posto de gasolina like a boss e fica meia hora esperando o
frentista vir te atender, mas ninguém aparece. Depois de reclamar por uns 5 minutos que
americano é tudo mal educado, você resolve sair do carro e dizer “se ninguém vem me
ajudar nessa bagaça, o jeito sou eu mesmo fazer”. Mas é aí que descobre que, na
verdade, em todos os postos de gasolina somos nós mesmos quem abastecemos.
As celebridades são ‘gentem’ como a ‘gentem’ nessas horas: Liam Hemsworth, Miley
Cyrus, Selena Gomez, Gerard Butler abastecendo as carangas. Inclusive o Ben Affleck
ainda limpa o para-brisas com a filhota.

Inserimos o cartão de crédito (ou vamos até a loja de conveniência com dinheiro e
pagamos para o atendente) na bomba que libera o tanto de gasolina pelo qual você
pagou. Todos saem felizes e satisfeitos e sabendo que se nada der certo, você aprendeu
uma nova profissão!
4. Contato Físico

Well, para nós que somos acostumados a abraçar e dar beijinho no rosto quando
encontramos, é bem fácil achar que os americanos são frios. Eles normalmente não
costumam ter o mesmo contato físico que temos, as pessoas se cumprimentam
apertando mãos e quando são mais íntimos (I mean, muito íntimos) se abraçam sem
beijinhos. Pelo menos nunca temos aquela dúvida de dar um beijinho ou dois no rosto!

5. Pontualidade

Se você achava que aquela pontualidade impecável era apenas entre os britânicos, pode
adiantar seu relógio uns 10 minutinhos antes pra nunca se atrasar! Americanos são super
pontuais, perder tempo é perder dinheiro, perder tempo é falta de educação! Então se
você é do #teamchegaporultimonafesta (sou dessas), tá na hora de rever os conceitos
nos EUA, porque aqueles 30min a 1hr de atraso considerado chic no Brasil é feio aos
olhos dos americanos.
6. Convites (para tudo tem convite e tudo com hora marcada)

Era de se esperar, tendo em vista a pontualidade britânica. Para tudo (ou quase) tudo que
se faz entre amigos, negócios, família e afins, há um convite. Desde um jantarzinho
entre amigos a um evento mais formal, as pessoas utilizam de ferramentas online – ou
cartões de verdade – para enviar os convites, geralmente via e-mail e com hora marcada
para começar, então não se atrase! Se você falar o famoso “eu apareço por lá”, o seu
amigo americano vai realmente esperar você para a ocasião que foi convidado. Ou se
dizer “me liga, vamos marcar algo depois”, o seu amigo americano vai esperar pela
ligação e vai esperar pelo convite… Ai de você não ligar ou não aparecer, viu!
7. Gorjetas

O que são as gorjetas? Onde elas vivem? Como se reproduzem? Aqui nas terras
tupiniquins, as gorjetas são opcionais, paga quem quer (e quem tem dinheiro), inclusive
aquele famoso 10% do garçom camarada. Porém, nos EUA é diferente, para tudo há
uma gorjeta, principalmente para os simpáticos waiters dos restaurantes e diners.

Enquanto aqui no Brasil um garçom recebe o salário e teoricamente os 10%, nos EUA
os mesmos recebem módicos seis obamas por hora de serviço. Logo, a gorjeta é o
verdadeiro salário deles e dificilmente você encontra um garçom que atenda mal, afinal,
depende dele para você dar o mínimo – que varia entre 10 a 20% em grupos menores de
pessoas e 15 a 30% em grupos maiores – ou surpreendê-los com uma tip mais gordinha
que a comida que acabou de comer!

É de bom tom sempre dar um pouco a mais que o mínimo exigido, embora a maioria
espera receber a menor taxa. Aí cabe a você fazer a felicidade do garçom que te atendeu
tão bem e decidir se ele merece mais que o previsto.
Para outras profissões não há porcentagem mínima estabelecida, então a média é de 1
(level avarento), 5 (level legalzinho) ou 10 (level sou uma pessoa que preza muito por
um serviço bem feito e sei reconhecer isso!) obamas para aquele carregador de mala
simpático do hotel, ou o motorista do estacionamento!

8. Impostos

Você sabe quanto paga de imposto por um saco de arroz no Brasil? E por um sabonete?
Na terrinha do Tio Sam os impostos não são embutidos nos preços dos produtos, como
aqui no Brasil. Tudo que se compra, de roupas a itens de supermercado, possui o valor
bruto na prateleira e apenas no caixa o valor do imposto será cobrado, variando entre 7 a
11%, dependendo do Estado. O mais interessante é que o consumidor sempre sabe o
valor real do produto e quanto ele paga de imposto por ele, tornando todo mundo mais
consciente para cobrar investimentos do governo, uma vez que sabemos quanto
realmente vai para o estado.

9. Beber: +21 / Dirigir: +16

Quem nunca viu um adolescente em filme que pode dirigir, mas bebe escondido da
polícia? E quem nunca ficou meio confuso com a situação? Isso acontece porque nos
EUA os jovens podem ter sua habilitação para carros a partir dos 16 anos de idade – em
alguns estados, pode-se obter uma permissão para dirigir dos 14 aos 16 acompanhados
de um adulto e após essa idade, ter sua carteira definitiva –, entretanto, na maioria dos
estados, a maioridade é aos 21 anos, quando podem entrar em bares e consumirem
bebidas alcoólicas.

Então, não se surpreenda quando visitar algum estado americano e sentar para tomar
aquela cervejinha em um bar e o bartender do balcão pedir sua identidade – que adoro,
pois sempre acho que estou sendo elogiada por parecer mais nova que sou –, essa
atitude é obrigatória e a venda de bebidas para menores de 21 dá cadeia! As leis para o
consumo e venda de bebidas são bem rígidas: aqueles jovens dos filmes que dão festas
em casa quando os pais viajam e são pegos pela polícia respondem processo e o adulto
que vendeu e/ou comprou as bebidas para a festa pode ser preso!
Minha amiga americana, quando veio fazer intercâmbio no Brasil tinha 17 anos. Para se
despedir dos amigos nos EUA, resolveu dar uma festa. Resultado: um amigo maior de
idade que comprou bebida alcoólica para a festa foi preso e ela também! Só foi
permitida de vir para o Brasil na condição de, ao voltar, frequentar os AA durante um
ano, como pena.

10. Host/Hostess no Restaurante

Agora vamos falar de coisa boa? Vamos falar de comida! Nos EUA é indelicado chegar
a um restaurante e ir sentando-se à mesa que quiser. Na-na-ni-na-não meus amigos, para
isso temos os hosts ou as hostess!
Sempre que chegar a um restaurante, aguarde na entrada que uma pessoa irá direcioná-
lo para a melhor mesa disponível, de acordo com o número de pessoas e suas
preferências. Mesmo se o lugar estiver vazio, não se esqueça de pedir mesa para os
host/hostess!

11. Café-da-manhã calórico?

IMAGINA! Migos, breakfast calórico não é todo dia não! Geralmente os americanos
comem apenas torradas com manteiga de amendoim e suco de laranja ou café. No
máximo um cereal matinal.

O café da manhã super calórico que estamos acostumados a ver é chamado de brunch, a
junção de breakfast + lunch. Geralmente faz-se o brunch por volta das 10 – 11 am e é
composto por panquecas com maple syrup (xarope de bordo, uma maravilha dos deuses,
feito da resina de carvalho silvestre), torradas, ovos mexidos, batatas amassadas,
linguiças e bacon.

Minha última refeição nos EUA antes de voltar para o Brasil ='(

Gordinho sim, delicioso com certeza! O brunch costuma ser feito aos domingos, quando
a família pretende fazer um longo passeio e não terá tempo para almoçar, ou em
feriados. Quando comemos o brunch, temos energia suficiente para um dia inteiro,
então a fome só vem mesmo na hora do jantar e speaking of the devil…

12. Jantar: a principal refeição

Cada país tem seus costumes, cada um tem sua maneira de valorizar mais certa refeição
do dia. Aqui no Brasil, a refeição favorita entre a maioria dos brasileiros e a mais
importante – no quesito, riqueza de alimentos e reunião da família – é o almoço. Já nos
EUA o jantar exerce esse mesmo papel.

O horário escolar é geralmente das 8am-3pm e o de trabalho é de 9am-5pm. Assim, pais


e filhos geralmente não tomam café da manhã juntos, uma vez que enquanto uns estão
acordando, outros já estão saindo de casa. Os jovens almoçam nas escolas – já viram os
jovens nos refeitórios com as bandejinhas pra pegar a comida? – e os adultos… Bem, os
adultos comem o que dá, pois não possuem um horário de almoço fixo, nem restaurante
nas empresas. Dessa forma, a maioria come ou um leftover da noite anterior que
levaram para o trabalho ou um fast-food – que, na verdade, foi intensamente
disseminado na cultura americana em função dessa (falta de) rotina de almoço.
Assim, a família se reúne para fazer uma refeição mais substancial no fim do dia, no
jantar. Normalmente o jantar é as seis e normalmente come-se pizza ou alguma comida
gostosinha! Minha hostmom não gostava muito de cozinhar (preguiçosa mode on), mas
enquanto morei com ela e seu marido, o casal preparavam jantares divinos! Todo dia
havia algo diferente: frango na cerveja, hot dog, pizza, strogonoff (meu hostdad é sueco
e sabe fazer um strogonoff delicioso).

Eles se reuniam à mesa exatamente as 6pm, eu saia da faculdade as 5pm e tinha uma
hora para chegar em casa, caso contrário não esperariam por mim. Inclusive ficavam
chateados se não jantava com eles, pois prezavam muito pela reunião em família, para
cada um contar como foi o dia.

13. Free Refill / Dollar Menu

Essa maravilha dos deuses eu descobri de duas formas:

1 – Às vezes, quando estava muito frio (muito frio = -17°C), dava preguiça de ir pra
aula. Aí, nessas vezes, eu saía com minha hostmom pra almoçar no Chipotle, uma
franchise maravilhosa de comida mexicana, que inclusive queria uma aqui no Brasil
para eu ser mais feliz.
Na primeira vez que almoçamos lá, havia três tipos de copo para tomar o refri: o
pequeno, médio e grande (que acredito ser tipo 1L). Como a diferença de preço era
mínima, fui logo ao copo maior porque meu espírito de esfomeada logo falou mais alto
e pensou que valeria mais a pena, enquanto minha mommy modesta pegou o menor e
ficou rindo de mim com meu espírito de pessoa que havia acabado de tomar café da
manhã, mas que agia como se passasse fome há mais de um mês. O que não havia
percebido até o momento é que a maioria dos restaurantes (quase todos mesmo!)
possuem refil de refrigerante, suco, chá de graça, você pode repetir quantas vezes
quiser!
Essa sou eu quando descobri que o refil de refrigerante era de graça…

2 – Um dia eu estava na faculdade com muita fome e havia esquecido de levar dinheiro,
então eu estava tentando me alimentar com um purê de maçã que tinha de graça na copa
ao lado da minha sala, mas o godzilla que habita meu estomago gritava por mais comida
e já dava até umas porradas em mim para eu entender que a fome tava braba.

Nesse dia a Mandy, minha colega iraniana que fazia mil comidinhas árabes deliciosas e
levava pra mim dia sim e dia também, tinha esquecido nossa quentinha em casa! Foi aí
que ela me contou que em muitas cadeias de restaurantes e fast-food existe o dollar
menu: uma das comidas do cardápio por apenas um dólar no dia! Ai meu santo
McDonalds! Comi um maravilhoso Angus Deluxe ao lado de um senhor simpático que
me contou que quando era pobre como eu (oi?!) vivia de comidinhas de um dólar
também.

Então, se a fome apertar e a grana estiver curta, nos EUA você tem refil free sem limite
de tempo e comidas do cardápio de fast-food por apenas um obama!!! Como não ter
engordado 10kg desse jeito?
14. Lugar de papel é na privada!

Esse assunto é mais polêmico que discutir sobre política e divide mais opiniões que
pessoas que torcem por times de futebol adversários. Aqui no Brasil, normalmente
jogamos nosso papel higiênico usado em uma lixeirinha, que fica ao lado da privada.
Sempre achei nojentinho, mas isso é um hábito comum entre nós. Aí você chega aos
EUA, usa o banheiro e percebe que não tem a lixeira no banheiro, bate aquele misto de
desespero de não saber onde jogar o papel sujinho com o medo de jogar dentro da
privada, entupir e você se encontrar inundado em um Rio Tietê. Mas eis que você
descobre que na verdade, os encanamentos americanos são próprios para receber nosso
papelzinho e vai tudo literalmente por água abaixo mesmo!
O engraçado é que quando contamos para os americanos sobre o funcionamento do
nosso banheiro no Brasil, alguns ficam realmente surpresos, pois acham que na maioria
dos países é como nos EUA. Boa parte deles não sabe lidar mesmo com essa nossa vibe
de ter uma caixinha cheia cocôzinhos no papel higiênico no banheiro. Pensando assim, é
bem disgusting, tanto que me acostumei com esse jeito meio americano de ser, na minha
casa só vai pra lixeira coisas meio complicadas de serem mandadas água abaixo – mas
sabemos que nem todas as casas podem fazer isso aqui, em função das fossas, caixa de
água e afins.

15. As pessoas se vestem despretensiosamente

Não sei se isso é uma curiosidade sobre os EUA, um choque cultural ou se é só comigo,
por isso resolvi deixar este por último. Vivemos em um país que valoriza a beleza e é
muito comum ver pessoas se arrumarem muito para ir apenas ao supermercado.

Eu, na condição de professora, sempre estou mais ou menos arrumadinha, porque vivo
em uma cidade de médio porte e sempre dou de cara com alunos e seus pais na padaria,
supermercado, shopping e fico com vergonhazinha de ser flagrada com aquela
camisetinha velha e furada que amo usar.

Nos EUA, a lei do conforto fala mais alto, portanto não se surpreenda se ver pessoas
vestindo aquela roupinha bem surrada de ficar dentro de casa para ir ao supermercado,
bar, parques e o que você mais pensar.

Look at all these celebrities saindo de casa do jeito mais à vontade possível. Helena
Bonham Carter, Teresa Giudice, Katie Holmes, Iggy nada fancy Azalea e a família
Honey Boo Boo. Meu #lookdodia da faculdade era algo meio Teresa Giudice feat.
Helena Bonham Carter

No fim das contas, entendo e até gosto disso. Cada um deve se vestir da maneira que
acha mais agradável, sem se preocupar com a opinião dos outros, afinal somos nós
quem devemos estar sempre em primeiro lugar.

No começo foi um pouco estranho largar meus hábitos 100% vaidosos – minha
hostmom ficava impressionada com o fato de eu sempre ir para a aula com blush, rímel
e por perder vários minutos tentando decidir que roupa vestir – e ser um pouco mais
desencanada no visual. No fim, eu perdi as contas de quantas vezes fui para a faculdade
com a calça e camiseta do pijama sem jamais receber um olhar de reprovação ou
deboche (e era muuuito gostoso ficar de pijaminha no frio na sala de aula, vendo a neve
cair lá fora). De uma maneira mais cômica e até mesmo bizarra, o site People of
Walmart mostra como alguns americanos levam a ideia de sair à vontade ao pé da letra.
Se estamos nos EUA, não precisamos preocupar tanto em estar 100% impecáveis o
tempo todo, só faça isso se for para você mesmo, porque os outros não estarão te
julgando porque você saiu de casa o mais confortável possível!

A diferença cultural faz com que existam muitos hábitos e atitudes exclusivas dos EUA
que possam parecer estranhas para nós. Compartilhar algumas delas aqui é útil para que
possamos abrir nossa mente e adaptar mais facilmente a essas diferenças. Vale lembrar
também que todas essas curiosidades sobre os EUA são de senso comum, de acordo
com a minha vivência e de muitos outros brasileiros, portanto, claro, não são atitudes e
hábitos unânimes! Até porque nem todo americano é assim, ou nem todo brasileiro é
assado! De qualquer modo, espero ter ajudado e que você se divirta aprendendo um
pouco mais sobre a cultura americana!

Participe nos Comentários

Você já conhecia todas essas curiosidades? Conte aqui nos comentários se já vivenciou
algo parecido! Se tiver alguma outra interessante curiosidade sobre os EUA,
compartilha aqui pra gente!

Você também pode gostar