Você está na página 1de 9

EISSN 1676-5133 doi:10.3900/fpj.2.2.113.

O consumo aeróbico e o gasto energético


durante o Bodypump

Artigo Original

P.Pfitzinger J. Lythe
National Strength and Conditioning Association (USA)
National Strength and Conditioning Association (USA) – Reg # 20012591
UniSports – Center for Sports Performance

PFITZINGER, P.; LYTHE, J. O consumo aeróbico e o gasto energético durante o Bodypump.Fitness & Performance Journal, v.2, n.2,
p. 113-121, 2003.

RESUMO: Objetivo: O objetivo deste estudo é determinar a intensidade do trabalho aeróbico e qualificar a composição cor-
poral e o gasto calórico durante o Bodypump. Metodologia: Foram avaliados 10 adultos (5 mulheres e 5 homens), assíduos
participantes de aulas de Bodypump. Cada indivíduo participou de uma aula de Bodypump onde foi feita a coleta e a análise dos
gases expirados. Os resultados obtidos de VO2max e frequência cardíaca foram comparados com um teste máximo em bicicleta
ergométrica, assim como também se comparou a intensidade aeróbica e o gasto calórico com uma atividade de 60 minutos em
bicicleta de trabalho constante. Resultados: O consumo médio de oxigênio durante a aula de Bodypump foi de 20,2 ml/kg/min
o que equivale a 40,7% de VO2max. A média de frequência cardíaca durante o Bodypump foi de 135,4 batimentos por minuto. Os
indivíduos consumiram 411,0 calorias (16,7% de gordura 83,3% de carboidratos). A quantidade máxima de calorias queimadas
foi de 424 para mulheres e 603 para homens. Os indivíduos consumiram uma media de 623,3 calorias (27,3% gordura e 72,7%
de carboidratos). Conclusão: Bodypump proporciona um baixo estímulo para promover a capacidade aeróbica e não deve ser
usado como método exclusivo de exercício cardiovascular. Bodypump produz uma significativa queima calórica e pode promover
outros benefícios como o aumento de massa muscular e manutenção da composição corporal.

Palavras-chave: Bodypump; intensidade aeróbica; gasto calórico, análise de gases, resistência.

Endereço para correspondência:


71 Merton Road – Glen Innes – The University of Auckland – Private Bag 92019, Auckland, New Zealand
Data de Recebimento: janeiro / 2003 Data de Aprovação: fevereiro / 2003

Copyright© 2003 por Colégio Brasileiro de Atividade Física, Saúde e Esporte.

Fit Perf J Rio de Janeiro 2 2 113-121 mar/abr 2003


ABSTRACT RESUMEN

Aerobic Consumption and Energy Expenditure During Body Pump La demanda aeróbica y el gasto energético durante la clase de
Bodypump
Objective: This study aims to determine aerobic intensity and quantify body
composition and caloric expenditure during Body Pump sessions. Methodology: Objetivo: El objetivo de este estudio es determinar la intensidad del trabajo
10 adults (5 male and 5 female individuals), regular users of Body Pump sessions aeróbico y la cantidad y composición de las calorias consumidas durante el
were evaluated. Each individual performed it while it was done the collection and Bodypump. Metodología: Fueron evaluados 10 adultos (5 mujeres y 5 hom-
analysis of expired gases. The obtained data was referenced against VO2max and bres), asíduos participantes de clases de Bodypump. Cada individuo hizo una
heart rate obtained during a maximal test on a cycle ergometer and was also clase de Bodypump mientras se recolectaba y analizaba el aire. Los resultados
compared to the aerobic intensity and caloric expenditure during a 60-minute cycle obtenidos de VO2max, pulsaciones cardíacas, intensidad de trabajo aeróbico
at constant workload. Results: The mean oxygen consumption during the sessions e calorias consumidas, fueron comparados con los de una hora de bicicleta
was 20.2 ml.kg-1.min-1, which is equivalent to 40.7% of VO2max. The average ergométrica. Resultados: El consumo medio de oxigeno durante la clase de
heart rate was 135.4 heartbeats per minute. The individuals burned an average Bodypump fue de 20.2 ml/kg/min lo que equivale a 40.7% de VO2max. Las pul-
of 411.0 calories (16.7% fat, 83.3% carbohydrates). The maximum number of saciones cardíacas medias fueron 135,4 por minuto. Los individuos consumieron
calories burned was 424 for women and 603 for men. The individuals burned an 411.0 calorias (16,7% de grasa, 83,3% de carbohidratos). Las calorías máximas
average of 623.3 calories (27.3% fat, 72.7% carbohydrates). Conclusion: Body consumidas fueron de 424 para las mujeres y 603 para lo hombres, mientras que
pump provides a low stimulus to improve aerobic capacity and should not be en el trabajo en bicicleta ergométrica los individuos consumieron 623,3 calorías
used as the only method of cardiovascular exercise. It also produces a significant (27,3% grasa y 72,7% de carbohidratos). Conclusión: Bodypump proporciona
caloric expenditure and may also provide other fitness benefits such as muscular un bajo estímulo para promover la capacidad aeróbica y no debe ser usado
body mass increase and maintenance of body composition. como método de ejercicio cardiovascular. Bodypump produce una significativa
quema calórica y puede promover otros beneficios como el aumento de masa
muscular y manutención de la composición corporal.
Keywords: Body pump; aerobic intensity; calorie expenditure, gas analysis, Palabras clave: Bodypump; intensidad aeróbica; gasto calórico, análisis de
endurance. gaseoso, resistencia.

INTRODUÇÃO

Muitas variáveis contribuem para a eficiência de um programa mínima quantidade de gordura é necessário para manter os
de treinamento, exercício na redução de gordura corporal e no níveis hormonais, os processos metabólicos, e proteger órgãos
aprimoramento dos vários componentes do condicionamiento vitais. O excesso de gordura, no entanto, está associado a uma
físico, incluindo a frequência, intensidade, duração e tipo de variedade de doenças relacionadas ao estilo de vida e tem co-
exercício. “BODYPUMP” é um programa de treinamento com notações sociais negativas. Os indivíduos devem esforçar-se para
sobrecarga com exercícios coreografados, de alta repetição. perder gordura corporal, enquanto mantém ou aumentam a MM.
Embora os benefícios potenciais do BODYPUMP não tenham
É preciso 7.700 Kcal. (32.000kj) para queimar 1kg de gordura.
sido amplamente quantificados, o programa de treinamento
Aumentando o gasto total diário, o exercício pode levar a um
pode elicitar a resistência muscular, o condicionamiento anae-
balanço calórico negativo. Exercício de baixa intensidade, em
róbio aprimorado, perda de peso (gordura), e manutenção de,
oposição ao de alta intensidade é prescrito por muitos médicos
ou aumento de massa corporal magra. O objetivo do presente
como uma maneira eficiente de perder massa gorda, porque
estudo foi medir a demanda anaeróbia e o gasto calórico de
gordura é a fuente de combustível principal para exercícios de
uma aula padrão do BODYPUMP.
baixa intensidade. Estudos tem mostrado, no entanto, que embora
o exercício de baixa intensidade use predominantemente gordura
PERDA DE PESO como fonte de combustível, a quantia total de energia derivada
da gordura pode ser maior durante exercício de moderada a alta
O objetivo principal de qualquer programa de perda de peso intensidade (PUHL, 1992). Além disso, “é o equilíbrio entre o
deveria ser perder peso em gordura, mais do que o peso corporal total de calorias utilizadas e consumidas, não a fonte de calorias
total. Para perder peso, o gasto energético de um indivíduo deve usadas, que determina se uma pessoa realmente perde peso”
exceder seu consumo energético. As variáveis que influenciam (PUHL, 1992, p. 16). Por exemplo, como visto na Tabela 1, uma
o gasto energético incluem Taxa Metabólica de Repouso (TMR), hora de corrida utiliza ambos, mais calorias totais e mais calorias
Efeitos Térmicos de Alimentação (ETA), e Efeito Térmico da derivadas da gordura, do que uma hora caminhando.
Atividade Física (ETAF) (MELBY, 1999). O exercício aumenta o
gasto energético diário total, levando à perda de massa gorda Excesso do Consumo de Oxigênio Pós-exercício
(gordura).
Os dois componentes que abrangem os efeitos térmicos da ati-
O corpo pode ser considerado como consistente de dois com- vidade física (ETAF) são a energia gasta durante o exercício e o
partimentos; massa magra (MM) e massa gorda (MG). Uma excesso do consumo de oxigênio pós-exercício (ECOPE). ECOPE

114 Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 114, mar/abr 2003


foi definido por Sedlock et al., (1989) como “o gasto energético estudos, eles proporcionam um discernimento na ordem da
durante o período pós-exercício enquanto a taxa metabólica magnitude esperada seguinte a uma hora de exercício.
permanecer elevada acima do nível pré exercício”. A energia
gasta durante a atividade em si conta para a maioria do gasto Cálculo do Gasto Calórico Usando Análises de
energético relacionados ao exercício. ECOPE, no entanto, pode Gases
ter importantes implicações no controle do peso, uma vez que O gasto calórico durante o exercício pode ser calculado pela
contribui para o gasto energético diário total. Por exemplo, se medida do volume do ar inspirado e expirado e das concentrações
um indivíduo tem um ECOPE líquido de 40 Kcal. por sessão de de oxigênio (O2) e dióxido de carbono (CO2) no ar expirado. O
exercício, e se exercita 4 vezes por semana durante um ano, o coeficiente da troca respiratória (CTR) é a taxa do volume de CO2
gasto energético relacionado ao ECOPE totalizaria 8320 Kcal., produzido ao O2 consumido pelo corpo por minuto (FOX, 1993).
representando mais de 1kg de peda de gordura. ECOPE ocorre O coeficiente da troca respiratória varia entre 0.70 se a gordura
por causa do tempo necessário para corrigir o distúrbio na ho-
proporciona 100% da energia utilizada e 1.00 se o carboidrato
meostase causado pelo exercício (QUINN, 1994). Fatores, tais
(CHO) proporciona 100% de energia para o exercício (Peronnet
como aumento de concentrações de catecolamina (CHAD, 1985),
& Masicotte, 1991). Durante exercícios de baixa intensidade, na
e temperatura corporal elevada (HAGBERG, 1980), requerem
maioria a oxidação da gordura está ocorrendo; portanto, o CTR
tempo para retornar aos níveis pré-exercício.
está no final menor da variação. É geralmente assumido que a
Ambos, a intensidade e a duração do exercício determinam a proteína contribui com menos de 10% da energia utilizada du-
magnitude do ECOPE. A Tabela 2 presenta os resultados de uma rante o exercício. Devido à modesta contribuição de proteína ao
variedade de estudos que investigam, a magnitude do ECOPE gasto energético e da dificuldade técnica em medir a combustão
com vários tipos, intensidades, e durações de exercício. Embora do aminoácido, uma taxa de trocao respiratória não protéica é
a magnitude do ECOPE tenha variado largamente entre estes usada para determinar o equivalente energético.
Tabela 1 – Uso calórico e de substrato durante sessões de exercícios
Exercícios Distância Velocidade Duração Total de calorias Calorias provenientes da gordura
(modo) (miles) (mph) (minimo (kcal) % kcal
Caminhar 4 4 60 270 60 160
Corer 4 6 40 450 40 180
Corer 6 6 60 680 40 270
(Puhl & Clark, 1992)

Tabela 2 – Resume dos estudos do ECOPE


Estudo N Projeto do estudo # kcal do ECOPE, % total Conclusões
Ciclismo HS+ 300 kcal 74% Intensidade do exercício (>50%)
HS = 29.4, 9.7%
Sedlock et VO2max afeta a magnitude e a duração do
10 LS = 14.3, 4.7%
al, 1989 LS = 300 kcal @ 51% VO2max ECOPE. A duração do exercício só
LL = 12.1, 1.1%
LL = 600 kcal @ 50% VO2max afeta a duração do ECOPE .
20 min. ECOPE 46.3, 24.5%
Quinn et al, Caminhada @ 70% V02 max A duração do exercício afeta o
8 40 min. ECOPE = 59.6, 16.5%
1994 Por 20, 40 e 60 minutos ECOPE significativamente
60 min. ECOPE = 89.2, 16.2%
15 min. ECOPE(50%) = 95, 50%
A duração do exercício tem um
Chad & Ciclismo por 15 e 30 minutos 15 min. ECOPE(70%) = 190, 46%
6 maior efeito no ECOPE do que a
Wenger, 1985 @ 50% e 70% do VO2max 30 min. ECOPE(50%) = 190, 51%
intensidade
30 min. ECOPE(70%) = 95, 24%
Ciclismo HI = 30 minutos @ 65%
A magnitude do ECOPE foi maior
VO2max
HS = 32.6, 6.3% após exercício de alta intensidade
Dawson et MI = custo energético igual ao HI
8 LS = 27.8, 4.8% comparado a intensidade modera-
al., 1996 @ 55%
LL = 25.6, 4.6% da isocalórica ou exercício de baixa
LI = custo energético igual ao HI
intensidade.
@ 45% VO2max
60 minutos de treinamento com Grande variação inter individual,
Olds & sobrecarga nenhuma diferença significante
7 ECOPE variou de 4.1 135kcal
Abernethy, 1993 75% 1 RM e entre os dois protocolos de treina-
60% 1 RM mento com sobrecarga
Circuito ECOPE = 49 (+/-20),
Treinamento com cobrecarga inten-
40 minutes de ciclismo, 13.2%
Elliot et al., so e circuit training resultam em um
9 circuit training e levantamento de Ciclismo ECOPE = 32 (+/-16),
1992 ECOPE comparável ao exercício
peso 7.4%
aeróbico.
Levantamento = 51 (+/-31), 20.5%

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 115, mar/abr 2003 115


Os estudos mostraram que a taxa de oxidação de gordura é and wore a nose clip. O ar inspirado foi medido usando um
maior durante a atividade moderada (aproximadamente 65% “K520 Flow Transducer” (KL Engineering, Sylmar, CA). Os gases
VO2máx.) (HAWLEY, 1998). Existem várias razões do porquê existe expirados foram coletados a cada 60 segundos de uma câmara
uma mudança da oxidação da gordura à oxidação de CHO à misturadora de 5 litros e analisados utilizando-se um analisador
medida que a intensidade do exercício aumenta, incluindo a pre- de oxigênio Ametek S-3 A1 e de dióxido de carbono CD-3A .
sença de triglicérides intramusculares, catecolaminas circulantes, Antes de cada teste, os analisadores de oxigênio e de dióxido
menor produção de trifosfato de adenosina (ATP) proveniente da de carbono eram calibrados utilizando-se uma mistura de gases
gordura por unidade de tempo, e o gradiente de ácidos graxos de concentração conhecida. Os analisadores e o “K520 Flow
entre sangue e músculo. À medida que a intensidade do exercício Transducer” foram interligados através de um conversor A/D de
aumenta de baixa a moderada, é provável que o total da oxi- 8 bits a um computador IBM compatível. Ventilação, consumo
dação da gordura aumente porque triglicérides intramusculares de oxigênio, produção de dióxido de carbono e taxa de troca
proporcionam ácidos graxos adicionais (MARTIN, 1997). Durante respiratória (TTR) foram calculadas e demonstradas usando o
o exercício de alta intensidade a taxa de utilização da gordura Ametek OCM-2 Oxygen Uptake System Software. A frequência
cai por causa de um aumento em catecolaminas circulantes que cardíaca foi monitorada usando o sistema de telemetria (Vantage
estimulam a quebra do glicogênio e a taxa de glicólise, e supri- XL, Polar Electro, Finland).
mem o metabolismo da gordura (HAWLEY, 1998). A mudança de
gordura CHO à medida que a intensidade aumenta é necessária Nas sessões de BODYPUMP e de ciclismo, o gasto calórico por
para que aconteçam exercícios de alta intensidade porque o ATP é minuto e a porcentagem de utilização de gordura e carboidratos
produzido a uma taxa mais rápida quando CHO é metabolizado foram calculadas através dos valores obtidos nos testes de con-
comparado à gordura (HAWLEY, 1998). sumo de oxigênio e da taxa de troca respiratória (TTR), usando a
tabela de nonprotein respiratory quotients indicado por Peronnet
and Massicotte (P&M, 1991).
MÉTODOS

BODYPUMP
Indivíduos
Dez indivíduos adultos que praticam regularmente atividades Cada indivíduo executou uma aula de BODYPUMP sob a instru-
de condicionamento de academia participaram neste estudo. ção individual de um treinador da Les Mills. O mesmo instrutor e
Detalhes dos indivíduos são mostrados abaixo (tabela 3). No programa de aula foi usado para todos os indivíduos. O indivíduo
momento do estudo, os indivíduos completaram uma média de 5 selecionou as sobrecargas utilizadas em cada segmento da aula.
sessões de condicionamento por semana. Todos eles conheciam A sessão durou uma média de 57 minutos, incluindo os períodos
o programa BODYPUMP, tendo participado pelo menos uma vez de aquecimento e esfriamento. Ar expirado foi coletado ao longo
por semana, por uma média de 4 anos. Com o devido consenti- da duração da aula (incluindo aquecimento e esfriamento).
mento dos indivíduos, um histórico de exercício foi obtido antes
da primeira sessão de testes. Ciclismo
Os indivíduos executaram 60 minutos de ciclismo contínuo em
Procedimentos
uma bicicleta ergométrica Monark 824E. Os primeiros e os
Os indivíduos completaram três sessões de laboratório separadas últimos 5 minutos da sessão foram executados a uma carga de
sem ordem específica, uma aula de BODYPUMP, uma sessão 1.5 Watts por kg de peso corporal para homens, e 1.2 Watts
de 60 minutos de ciclismo e um teste de VO2máx. A sessão de por kg para mulheres. Do 6o. ao 55o. minuto os indivíduos se
ciclismo foi incluída para proporcionar uma comparação entre o exercitaram a 2.0 e 1.6 Watts por kg para homens e mulheres,
BODYPUMP e um modo de exercício tradicional em academia, respectivamente. A cadência foi mantida a 85-90 rpm.
conhecido por ser eficiente na queima de calorias. A massa
corporal foi medida com intervalos de 0,1 Kg e a altura em Teste de VO2 Máximo
intervalos de 0,5 centímetros.
O teste de VO2máx. Também foi executado em uma bicicleta ergo-
Os dados metabólicos foram coletados utilizando calorimetria métrica Monark 824E usando um protocolo de fases de aumento de
indireta. Os indivíduos respiravam através do equipamento Hans sobrecarga. A sobrecarga inicial foi 85 W com fases de incrementos
Rudolph, two-way, non-rebreathing valve (Kansas City, MO), de 25W (homens) e 17 W (mulheres) e a duração de cada fase
Tabela 3 - Características dos indivíduos
Média (desvio padrão)
Peso Estatura VO2 Max. (ml/kg/ Freq. cardíaca Max.t
Idade (anos)
(kg) (cm) min) (beats/min)
Todos os indivíduos 32.7 (4.2) 71.1 (13.3) 171.4 (6.5) 50.1 (8.9) 182 (9)
Homens somente 31.1 (3.5) 79.5 (12.0) 175.0 (6.0) 52.6 (11.6) 186 (10)
Mulheres somente 34.3 (4.5) 62.6 (8.6) 167.8 (5.3) 47.6 (5.1) 179 (6)

116 Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 116, mar/abr 2003


foi de 1 minuto. Os indivíduos continuaram até exaustão voluntá- de calorias proporcionadas pelo carboidrato, e a percentagem
ria. Todos os indivíduos alcançaram uma frequência pico dentro de calorias proporcionadas pela gordura.
de 10 batimentos por minuto da máxima prevista para a idade e
uma taxa de troca respiratória de 1.10 ou mais. (Issekutz, 1962). Análise do Lactato no Sangue

Cálculos Metabólicos Para garantir que a análise gasosa durante as sessões de BO-
DYPUMP adequadamente capturou a total utilização calórica,
Calorimetria indireta foi usada para calcular o gasto energético exemplos de lactato foram tirados de 7 participantes imedia-
da aula de BODYPUMP e da sessão de ciclismo de 60 minutos. O
tamente pré e pós uma típica aula de BODYPUMP. Isto serviu
total de calorias consumido por minuto e a contribuição percen-
para determinar se os indivíduos haviam retornado próximo
tual proveniente da gordura e do carboidrato foi calculado pelo
aos níveis de lactato de descanso no final do esfriamento. Sete
consumo de oxigênio e pelos valores da taxa de troca respiratória
(TTR) durante os testes. À medida que a TTR aumenta de 0,7036 indivíduos aleatoriamente escolhidos (3 mulheres, 4 homens)
a 0,996 a quantidade de energia produzida por litro de oxigênio deram amostras de sangue (da ponta dos dedos) que foram
consumido aumenta de 4,851 Kcal. a 5,189 kcal. A contribuição analisados usando um Analisador de Lactato Sanguíneo Accusport
da gordura linearmente diminui de 100% a uma TTR de 0,7036 (veja tabela 4). Ambas a moderada elevação na concentração
a 100% a uma TTR de 0,996 e acima. Para detalhes destes va- do lactato sangüíneo no final do exercício, e estudos prévios do
lores analise a tabela de quocientes respiratórios não-protéicos ECOPE sugerem que calorias adicionais são utilizadas acima e
proporcionado por Peronnet y Massicotte (1991). As seguintes além daquelas calculadas dos resultados da análise dos gases
variáveis metabólicas foram calculadas das duas sessões de exer- (veja discussão).
cício (BODYPUMP e ciclismo): total de calorias utilizadas durante
a sessão, média das calorias utilizadas por minuto, porcentagem
RESULTADOS
Tabela 4 - Concentração de Lactato sanguíneo antes e depois da
sessão de BODYPUMP
A frequência cardíaca e os valores do consumo de oxigênio
Indivíduo Antes Depois
durante as aulas de BODYPUMP e ciclismo estão apresenta-
1 2.4 3.1
das nas tabelas 5-7 abaixo. A média do consumo de oxigênio
2 2.1 5.4
3 2.2 3.0 (expressa relativamente ao peso corporal) durante as sessões
4 1.9 3.1 de BODYPUMP foi 20.2 ml/kg/min para todos os indivíduos
5 2.4 3.3 combinados, e 21.5 ml/kg/min e 19.0 ml/kg/min para homens
6 2.0 2.7 e mulheres, respectivamente. Os valores do consumo de oxigênio
7 2.8 4.6 para a sessão de ciclismo foram 28.8, 29.4 e 28.2 ml/kg/min
Média 2.3 3.6 para todos os indivíduos, homens e mulheres, respectivamente.
Tabela 5 – Consumo de oxigênio e frequência cardíaca para todos os indivíduos durante as sessões de BODYPUMP e de ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump Ciclismo
Consumo de oxigênio (ml/ kg /min) 20.24 (3.61) 28.77 (3.24)
Porcentagem media de VO2 maxy 40.7 (5.3) 60.3 (12.3)
Número de minutos acima de 50% do VO2 max 9.8 (6.1) 45.7 (19.0)
Número de minutos acima de 70% do VO2 max 1.9 (3.0) 8.0 (17.1)
Frequência cardíaca média 135.4 (12.8) 134.1 (19.33)
Porcentagem média da F.C. max. 74.2 (4.7) 73.4 (8.7)
Média de minutos acima de 70% da F.C max. 38.8 (9.4) 33.6 (27.7)
γO VO2 max. e a F.C máx, como medidos na bicicleta durante o teste máximo

Tabela 6 – Consumo de oxigênio e frequência cardíaca para indivíduos masculinos durante as sessões de BODYPUMP e de ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump ciclismo
Consumo de oxigênio (ml/ kg /min) 21.5 (3.4) 29.4 (2.7)
Porcentagem media de VO2maxy 41.6 (5.6) 58.7 (17.6)
Número de minutos acima de 50% do VO2max 11.5 (7.6) 38.0 (24.8)
Número de minutos acima de 70% do VO2max 3.2 (3.8) 10.8 (24.1)
Frequência cardíaca média 138.2 (13.5) 136.5 (22.6)
Porcentagem média da F.C. max. 74.3 (4.7) 73.3 (10.6)
Média de minutos acima de 70% da F.C max. 37.4 (8.3) 32.4 (29.2)
γO VO2 max. e a F.C máx, como medidos na bicicleta durante o teste máximo

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 117, mar/abr 2003 117


Os indivíduos se exercitaram a uma intensidade média de 40.7% O gasto calórico e a utilização do substrato durante o BODYPUMP
de seu VO2máx durante a sessão de BODYPUMP. Os valores para e o ciclismo estão apresentados nas tabelas 8-10 abaixo. Os
homens e mulheres separadamente foram 41.6% e 39.8%. Os indivíduos queimaram uma média de 411.0 calorias durante a
valores da intensidade durante a sessão de ciclismo foram 60.3%, sessão de BODYPUMP quando expressada como um grupo, e
58.7%, 59.2% do VO2 máx para todos os indivíduos, homens e 483.1 e 338.9 quando separados em homens e mulheres. Isto
mulheres respectivamente. Os indivíduos gastaram uma média se equiparou a 7.2, 8.4 e 5.9 calorias por minuto para o grupo,
de 9.8 minutos acima de 50% do VO2máx durante a sessão de homens e mulheres, respectivamente. Os mais altos valores para
BODYPUMP quando expressado como um grupo, e 11.6 e 8.0 os homens estão relacionados primeiramente ao seu maior peso
minutos quando separados em homens e mulheres. Indivíduos corporal. O número máximo de calorias queimadas foi 424 para
gastaram uma média de 1.9 minutos acima dos 70% do VO2máx uma mulher, e 603 para um homem.
durante a sessão de BODYPUMP quando expressado como um A sessão de BODYPUMP levou ao consumo de 70.0, 88.6 e
grupo e 3.2% e 0.6 % para homens e mulheres, respectivamente. 51.5 calorias de gordura e 340.9, 394.4 e 287.4 calorias de
A média da frequência cardíaca durante a sessão de BODYPUMP carboidrato para o grupo, homens e mulheres, respectivamente.
foi 135.4 batidas por minuto para o grupo, e 138.2 e 132.6 para Isto se equivaleu a 16.7% de gordura e 83.3% de carboidrato
homens e mulheres, respectivamente. Durante a sessão de ciclis- para o grupo como um todo, 18.6% de gordura e 81.4% de
mo estes valores foram de 134.1, 136.5 e 131.6 batimentos por carboidrato para os homens, e 14.9% de gordura e 85.1% de
minuto para o grupo, homens e mulheres. Os indivíduos gastaram carboidrato para as mulheres.
uma média de 38.8 minutos acima dos 70% da F.C.máx durante Os indivíduos queimaram uma média de 623.3 calorias durante
a sessão de BODYPUMP quando expressada como um grupo a sessão de ciclismo quando expressa como um grupo e 706.3
e 37.4 3 40.2 minutos quando separados, homens e mulheres. e 540.2 quando separados em homens e mulheres. Isto se
Durante a sessão de ciclismo estes valores foram 33.6, 32.4 e equivaleu a 10.5, 12.0 e 9.0 calorias por minuto para o grupo,
34.8 minutos para o grupo, homens e mulheres, respectivamen- homens e mulheres, respectivamente. A sessão de ciclismo levou
te. As F.C. relativamente altas relativas ao consumo de oxigênio ao consumo de 169.5, 182.1 e 157.0 calorias de gordura e
durante o BODYPUMP são explicadas na discussão. 453.7, 524.3 e 383.2 calorias de carboidrato para o grupo,
Tabela 7 – Consumo de oxigênio e frequência cardíaca para indivíduos femininos durante as sessões de BODYPUMP e ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump ciclismo
Consumo de oxigênio (ml/ kg /min) 19.0 (3.8) 28.2 (4.0)
Porcentagem media de VO2 maxy 39.8 (5.4) 59.2 (5.6)
Número de minutos acima de 50% do VO2 max 8.0 (4.3) 53.4 (7.2)
Número de minutos acima de 70% do VO2 max 0.6 (1.3) 5.2 (10.5)
Frequência cardíaca média 132.6 (12.9) 131.6 (17.8)
Porcentagem média da F.C. max. 74.1 (5.3) 73.5 (8.3)
Média de minutos acima de 70% da F.C max. 40.2 (11.2) 34.8 (29.6)
γO VO2 max. e a F.C máx, como medidos na bicicleta durante o teste máximo

Tabela 8 – Utilização do combustível para todos os indivíduos durante as sessões de BODYPUMP e ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump Ciclismo
Total de calorias queimadas (kcal) 411.0 (99.3) 623.3 (141.4)
Calorias por minuto (kcal/min) 7.2 (1.6) 10.5 (2.5)
Total de calorias de gordura consumido 70.0 (32.9) 169.5 (74.6)
Total de calorias de carboidrato consumido 340.9 (74.4) 453.7 (113.5)
Porcentagem do total de calorias de gordura 16.7 (5.3) 27.3 (10.6)
Porcentagem do total de calorias de carboidrato 83.3 (5.3) 72.7 (10.6)

Tabela 9 – Utilização do combustível para todos os indivíduos homens durante as sessões de BODYPUMP e ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump Ciclismo
Total de calorias queimadas (kcal) 483.1 (81.9) 706.3 (107.8)
Calorias por minuto (kcal/min) 8.4 (1.3) 12.0 (1.96)
Total de calorias de gordura consumido 88.6 (32.3) 182.1 (62.1)
Total de calorias de carboidrato consumido 394.4 (65.0) 524.3 (97.9)
Porcentagem do total de calorias de gordura 18.6 (5.3) 26.4 (7.8)
Porcentagem do total de calorias de carboidrato 81.4 (5.3) 73.6 (7.8)

118 Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 118, mar/abr 2003


homens e mulheres, respectivamente. Isto equivaleu a 27,3% de • Treinamento com sobrecarga: o treinamento de força de mo-
gordura e 72,7% de carboidrato para o grupo como um todo, derada intensidade, suficiente para desenvolver e manter o peso
26,4% de gordura e 73,6% de carboidrato para os homens e magro (sem gordura) deve ser parte integral do programa de
28,2% de gordura e 71,8% de carboidrato para as mulheres. condicionamento de um adulto. Uma série de 8-12 repetições de
oito a dez exercícios que condicionam os principais grupos muscu-
A Tabela 11 (abaixo) apresenta um resumo dos resultados chave lares pelo menos 2 vezes por semana é o mínimo recomendado.
para o consumo de oxigênio, o gasto calórico, e a utilização do
BODYPUMP é uma forma eficiente de treinamento que preenche
substrato durante o BODYPUMP.
a maioria dos critérios da ACSM em uma aula de uma hora. Esta
sessão discute as implicações dos resultados do presente estudo
DISCUSSÃO para os benefícios fisiológicos do BODYPUMP.

BODYPUMP é um programa de exercícios, treinamento com Intensidade Aeróbia


sobrecarga, de alto número de repetições. Os benefícios em po-
Os indivíduos se exercitaram a uma média de 74.2% da F.C.máx
tencial do BODYPUMP incluem: resistência muscular aprimorada, e 40.7% da capacidade aeróbia máxima durante ampère aula de
melhora do condicionamento aeróbio, perda de peso (gordura), BODYPUMP. Estes valores foram semelhantes quando homens e
e manutenção de, ou aumento de, massa corporal magra. O mulheres foram considerados como um grupo, e separadamente.
presente estudo investigou a demanda aeróbia e o gasto calórico Embora a média da frequência cardíaca durante o BODYPUMP
de uma sessão padrão de BODYPUMP. foi alta o suficiente para atingir as recomendações da ACSM
para o desenvolvimento e a manutenção do condicionamento
A frequência, a intensidade, a duração e o tipo de exercício de-
aeróbio, o consumo de oxigênio devido não foi. A frequência
terminam a eficiência de um programa de treinamento/exercício
cardíaca durante o BODYPUMP é elevada desproporcionalmente
na redução de gordura corporal e no aprimoramento de vários
ao consumo do oxigênio devido ao efeito de pressão que ocorre
componentes da aptidão física. As diretrizes mais largamente se- durante exercícios de treinamento de peso. Para qualquer nível de
guidas para saúde e condição física são lançadas pela “American consumo de oxigênio, a frequência cardíaca é tipicamente 20%
College of Sports Medicine (ACSM). A posição da ACSM para a mais alta para exercícios de membros superiores do que para
quantidade e a qualidade do treinamento para o desenvolvimento membros inferiores, tais como o ciclismo (Pendergast, 1989).
e a manutenção do condicionamento aeróbio, da composição
A intensidade média alcançada durante a sessão de ciclismo
corporal, e da força e resistência muscular em adultos saudáveis,
(60,3% do VO2máx e 73,4% da F.C.máx) foi mais alta do que
inclui as seguintes recomendações:
aquela alcançada durante a sessão de BODYPUMP. O tempo
• Frequência de treinamento: 3-5 dias por semana gasto acima dos 50% do VO2máx e 70% do VO2máx também foi
mais alto durante o ciclismo. Durante a sessão de BODYPUMP
• Intensidade de treinamento: 60-90% da F.C.máx ou 50-85% os indivíduos gastaram 10 minutos acima dos 50% do VO2máx
do consumo máximo de oxigênio e 2 minutos acima dos 70% do VO2máx, como comparado a
• Duração do treinamento: 20-60 minutos de atividade aeróbia 46 minutos acima dos 50% do VO2máx e 8 minutos acima dos
contínua 70% do VO2máx para a sessão de ciclismo. Estes resultados
indicam que a sessão de BODYPUMP proporciona um estímulo
• Modo de atividade: Qualquer atividade que usa grandes grupos baixo a moderado para aumentar o condicionamento aeróbio.
musculares, pode ser mantida continuamente, e que é rítmica e A implicação destes resultados é que o BODYPUMP é útil para
aeróbia por natureza. manter o condicionamento aeróbio, mas não dá estímulo sufi-
Tabela 10 – Utilização do combustível para todos os indivíduos mulheres durante as sessões de BODYPUMP e ciclismo
Média (Desvio padrão)
Bodypump Ciclismo
Total de calorias queimadas (kcal) 338.9 (49.9) 540.2 (126.9)
Calorias por minuto (kcal/min) 5.9 (0.6) 9.0 (2.1)
Total de calorias de gordura consumido 51.5 (23.2) 157.0 (91.2)
Total de calorias de carboidrato consumido 287.4 (32.7) 383.2 (83.4)
Porcentagem do total de calorias de gordura 14.9 (5.0) 28.2 (13.7)
Porcentagem do total de calorias de carboidrato 85.1 (5.0) 71.8 (13.7)

Tabela 11 – Resumo dos resultados chave: BODYPUMP


VO2 (ml/kg/min) % VO2 Max. Total kcal Kcal/min % CHE % Fat
Todos os indivíduos 20.2 40.7 411.0 7.2 83.3 16.7
Homens somente 21.5 41.6 483.1 8.4 81.4 18.6
Mulheres somente 19.0 39.8 338.9 5.9 85.1 14.9

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 119, mar/abr 2003 119


ciente para aprimorar o condicionamento aeróbio em indivíduos Benefícios Adicionais do BODYPUMP
já treinados, tais como aqueles que participaram neste estudo.
Os benefícios adicionais do BODYPUMP incluem prováveis me-
Para indivíduos como estes, 2 a 3 dias por semana de exercício
lhoras na resistência muscular, na manutenção da massa corporal
aeróbio de maior intensidade seria necessário para aprimorar
magra, e interação social. Resistência muscular é definida como a
o condicionamento aeróbio. Para populações mais sedentárias,
habilidade de um músculo produzir força repetidamente por um
tais como indivíduos de meia idade sem histórico de treinamento
período e resistir à fadiga (Zatsiorsky, 1995) e pode ser aumen-
aeróbio, o BODYPUMP provavelmente proporciona uma deman-
tada mais eficientemente através de exercício de alto número de
da aeróbia relativa maior, a qual seria suficiente para aprimorar
repetições e baixa sobrecarga. Embora o efeito das sessões de
o condicionamento aeróbio.
BODYPUMP sobre resistência muscular não tenha sido medido
neste estudo, a carga moderada, a natureza de alto número
Gasto Energético
de repetições do BODYPUMP se encaixam nos requisitos para
Uma sessão de BODYPUMP utilizou uma média de 411 calorias aprimorar a resistência muscular. Medir este benefício é uma
para os indivíduos neste estudo. Os homens e mulheres utilizaram área para investigação futura. O uso de cargas desafiantes por
uma média de 483 e 339 calorias, respectivamente. O mais alguns indivíduos durante sessões de BODYPUMP pode resultar
alto número de calorias utilizadas por um homem durante o em ganhos absolutos de força e hipertrofia muscular. É improvável
BODYPUMP foi 603, enquanto que o gasto energético mais alto que os ganhos de força e hipertrofia ocorreriam para indivíduos já
para uma mulher foi 424 calorias. Embora o total de calorias treinados, tais como aqueles que participaram do presente estudo;
utilizadas foi maior durante a sessão de ciclismo do que a sessão no entanto, para indivíduos sem um histórico de treinamento com
de BODYPUMP, os resultados indicam que ambos os modos de sobrecarga, o BODYPUMP pode proporcionar estímulo suficiente
exercício são eficientes para promover a perda de peso. para evocar ganhos de força.
A sessão de ciclismo consumiu uma proporção maior de gordura Para manter e/ou aumentar a massa magra corporal é necessá-
do que a sessão de BODYPUMP (27.3% comparado a 16.7%) e rio estímulo da massa muscular. Embora o presente estudo não
não houve diferenças significantes entre homens e mulheres para trilhou a massa corpórea ao longo do tempo, os exercícios de
estes valores. A contribuição que a gordura e o carboidrato dão força executados durante o BODYPUMP certamente parecem
à mistura de combustível depende da intensidade do exercício, ser suficientes para a manutenção da massa magra corporal. O
quanto maior a intensidade menor é a contribuição da gordura. treinamento com sobrecarga para o corpo todo, BODYPUMP,
A aula de BODYPUMP necessitou de rajadas intermitentes de sugere que este programa seja mais eficiente na manutenção ou
esforço de alta intensidade, as quais usaram exclusivamente o no aumento da massa corporal magra do que o ciclismo. Esta é
carboidrato como combustível. Em contraste a sessão de ciclismo mais uma área para futura investigação.
foi um período de exercício de intensidade consistente modera-
Finalmente, a interação social proporcionada por uma aula de
da, a qual permitiu uma maior contribuição da gordura. Como
BODYPUMP fornece divertimento e um ambiente motivante, que
explicado na introdução, no entanto, é o número de calorias
encoraja a assiduidade ao programa de exercícios. O maior
queimadas e não a fonte destas que determina o equilíbrio
desafio da saúde e do condicionamento físico ao indivíduo
energético e a perda de peso.
comum é manter uma rotina regular de exercício. A atmosfera
A magnitude da contribuição do excesso do consumo de oxigênio social positiva de uma sessão de BODYPUMP é provavelmente
pós exercício (ECOPE) ao gasto calórico durante o BODYPUMP a liderança de um caminho ao divertimento e ao aumento da
não foi medido. Os resultados dos estudos apresentados na retenção, o que promoverá, a longo prazo, maiores benefícios
tabela 2, no entanto, sugerem que para uma hora de exercício à saúde e à aptidão física.
similar ao BODYPUMP, o gasto calórico esperado relacionado ao
ECOPE seria de aproximadamente 15% do gasto calórico total. REFERÊNCIAS
ECOPE, portanto, seria esperado contribuir aproximadamente
Chad, K.E. & Wenger, H.A. (1985) The effects of duration and intensity on the exercise
um adicional de 62 calorias à média de 411 calorias utilizadas and post exercise metabolic rate. The Australian Journal of Science and Medicine in Sport.
17(45):14-18.
pelos indivíduos neste estudo, aumentando o gasto calórico total,
Dawson, B., Straton, S., & Randall, N. (1996). Oxygen consumption during recovery from
devido a uma sessão de BODYPUMP, a 473. Incluindo a contri- prolonged submaximal cycling below the anaerobic threshold. Journal of Sports Medicine
buição do ECOPE aumentaria o gasto calórico total, devido a and Physical Fitness. 36: 77-84.
uma sessão de BODYPUMP, a uma média de 556 calorias para Elliot, D.L., Goldberg, L., & Kuehl, K.S. (1992). Effect of resistance training on excess
post-exercise oxygen consumption. Journal of Applied Sport Science Research. 6 (2):77-81
os homens, e 390 para as mulheres. O número de sessões de
Frayn, K.N. (1983). Calculation of substrate oxidation rates in vivo from gaseous exchange.
BODYPUMP necessárias para perder 1kg de gordura corporal Journal of Applied Physiology. 55(2): 628-634.
(7700 calorias), portanto, é 16.3 para o indivíduo padrão, 13.8 Fox, E.L., Bowers, R.W., & Foss, M.L. (1993). The Physiological Basis For Exercise and
para o homem padrão, e 19.7 para a mulher padrão neste Sport. (fifth edition). Brown and Benchmark: Madison, Wisconsin.

estudo. Um indivíduo que não mudou seu consumo alimentar Hawley, J.A., Brouns, F., & Jeukendrup, A. (1998). Strategies to enhance fat utilization
during exercise. Sports Medicine. Apr;25 (4), p241-257.
(dieta), e que adicionou 3 sessões de BODYPUMP por semana Issekutz, B., N.C. Birkhead, and K. Rodahl. Use of respiratory quotients in assessment of
poderia esperar perder 1kg de gordura corporal em 4-6 semanas. aerobic work capacity. J. Appl. Physiol. 1962, 17:47-57.

120 Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 120, mar/abr 2003


Martin, W.H. (1997). Effect of endurance training on fatty acid metabolism during whole Peronnet, F. & Massicotte, D. (1991). Table of nonprotein respiratory quotient: An update.
body exercise. Medicine and Science in Sports and Exercise. 29: 635-639. Canadian Journal of Sport Science. 16 (1): 23-29.

Melby, C.L. & Hill, J.O. (1999). Exercise macronutrient balance, and body weight regulation. Puhl, S.M. & Clark, K. (1992). Exercise intensity and body fat loss. National Strength and
Sports Science Exchange. SSE #72, 12 (1). Conditioning Association Journal. 14 (6): 16-18.

Mole, P.A. (1990). Impact of energy intake and exercise on resting metabolic rate. Sports Quinn, T.J., Vroman, N.B., & Kretzer, R. (1994). Postexercise oxygen consumption in
trained females: effect of exercise duration. Medicine and Science In Sports and Exercise.
Medicine. 10 (2): 72-87.
26 (7):908-913.
Neiman, D.C., Haig, J.L., De Guia, E.D., Dizon, G.P. Register, U.D. (1988). Reducing diet Sedlock, D.A., Fissinger, J.A., & Melby, C.L. (1989). Effects of exercise intensity and dura-
and exercise training effects on resting metabolic rates in mildly obese women. Journal tion on post exercise energy expenditure. Medicine and Science in Sports and Exercise.
of Sports Medicine and Physical Fitness. 28:79-88. 21: 626-631.
Olds, T.S. & Abernethy, P.J. (1993). Postexercise oxygen consumption following heavy and Zatsiorsky, V.M. (1995). Science and Practice of Strength Training. Human Kinetics;
light resistance exercise. Journal of Strength and Conditioning Research. 7 (3):147-152. Champaign, Il.

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 2, 121, mar/abr 2003 121