Você está na página 1de 38

5ano

Manual do
PROFESSOR
MP. Ciências

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
Corpo humano e a Educação para a saúde
Ao longo de todos os volumes de Ciências deste projeto, os alunos tiveram
oportunidade de estudar o corpo humano: a dentição, os cuidados relacionados à
higiene e à alimentação, etc.
No livro do 5º- ano, esse estudo é aprofundado e os alunos são convidados a ex-
plorar o interior do corpo humano, as estruturas relacionadas à digestão, à respi-
ração e à circulação, o desenvolvimento intrauterino e as transformações relacio-
nadas à adolescência, os hábitos alimentares, o corpo durante uma atividade
física intensa, o estilo de vida e sua relação com a saúde.
Devemos destacar que trabalhar o corpo humano em Ciências ultrapassa con-
templar o ensino-aprendizagem de conhecimentos da anatomia e da fisiologia.
Hoje em dia, as interconexões entre corpo,
mente, fatores sociais e ambientais determi-
nando o status de saúde são pauta obrigatória
na Educação para a saúde. Assim, o estilo de
vida, a dieta alimentar, a prevenção e o estado
de humor não podem ser negligenciados no
trabalho com os alunos em sala de aula.
Portanto, como professores, além de nos preo-
cuparmos em trabalhar aspectos da anatomia e
da fisiologia humana, devemos oferecer possi-
bilidades para que as crianças desenvolvam um
estilo de vida promotor de saúde, refletindo so-
bre seus hábitos alimentares, sobre o fato de te-
rem ou não atitudes mentais positivas no dia a
dia e sobre as pressões que a sociedade atual
exerce sobre ambos.

326
Propostas de atividades
• O número de crianças obesas aumenta em nosso país. E o problema é
que a obesidade aumenta o risco de muitas complicações de saúde. Gran-
de parte do problema deve-se ao sedentarismo e a uma dieta com alto
teor de açúcares e gorduras. Precisamos motivar as crianças a se mexe-
rem. É necessário que elas tomem consciência do corpo em atividade fí-
sica, mesmo que mais intensa. Além disso, nossos alunos têm de estar
instrumentalizados para analisar criticamente o que comem, avaliar e
possivelmente modificar os próprios hábitos alimentares. Eles preci-
sam, ainda, estar amparados para não se sujeitarem à influência da pro-
paganda e do estímulo ao consumo de alimentos altamente energéticos.
Nesse sentido, é conveniente que as crianças aprendam a analisar as in-
formações sobre valor energético contidas nas embalagens de alimentos.
Além disso, é importante que seja favorecida a visão do corpo humano
como um conjunto de estruturas em funcionamento integrado. Como um
“todo”, que está inserido em uma sociedade e, portanto, sujeito à influên-
cia do contexto no qual se encontra. Esses são temas abstratos, que po-
demos trabalhar com as crianças no 5º- ano. Para isso, devemos ofere-
cer a elas exemplos acessíveis. É necessário que elas tenham a
possibilidade de analisar criticamente estratégias publicitárias com
que tomam contato diariamente e possam refletir se estas estimulam,
ou não, hábitos saudáveis.
• Em complemento, podemos ainda dizer que no 5º- ano, muitos alunos,
principalmente as meninas, estão iniciando processos que os encami-
nham para a adolescência; sofrem mudanças corporais que os acompa-
nharão, de certo modo, na vida adulta. Há os que crescem muito, mal
foto: michaeljung/shutterstock/glowimages.

cabendo nas carteiras; as meninas começam a ver os seios se desenvol-


vendo, algumas menstruam. Os cuidados com o corpo tornam-se mais
necessários num momento em que ele está se transformando. E as trans-
formações corporais provocam mudanças nas relações dos alunos consi-
go mesmos, com os colegas e com outros elementos do meio em que vi-
vem. É o momento em que o cuidar na escola se torna imprescindível.

327
MP. Ciências
Cuidar, nesse caso, significa permitir
que se construam relações saudáveis
e prazerosas dos alunos consigo mes-
mos, deles com seus colegas e adultos
e com os espaços à sua volta. A au-
toimagem deles está em mudança:
ser bonito ou ser feio, desengonçado
ou atraente, inteligente ou tonto são
algumas das imagens com que lidam
ao se olharem no espelho e ao serem
olhados pelos outros. Eles tornam-se
mais sensíveis a apelidos e comentá-
rios, reagindo de modo extremo,
recolhendo-se ou atacando. É o mo-
mento de favorecer o respeito à di-
versidade e à individualidade, de
possibilitar reflexões sobre a pressão que os meios de comunicação exer-
cem na criação de padrões de como deve ser o corpo humano e de como de-
vem ser nossos hábitos.
• É muito bem-vinda a disponibilização de tempo para os alunos fazerem pe-
quenas assembleias, nas quais podem colocar os problemas que os incomo-
dam nas relações com os colegas ou com adultos, discutindo posições e le-
vantando possibilidades conjuntas de mudança. Eles podem, também, nas
assembleias, fazer perguntas sobre as dúvidas que têm em relação ao seu
próprio corpo.
Dica! • Atividades em grupo também são importantes neste momento
Crie uma caixinha de
perguntas, na qual os em que papéis masculinos e femininos se tornam mais visíveis
alunos possam colocar
questões que querem pelas diferenças que os corpos passam a sinalizar de maneira
saber sobre o próprio
corpo. Regularmente, mais pronunciada. Realizar projetos juntos e participar de co-
durante um período
combinado, leia as memorações festivas, nos quais podem trocar alimentos, histó-
questões que surgirem
e discuta possíveis rias, brincadeiras, músicas, criações, é importante para aproxi-
respostas.
mar todos os alunos, favorecendo o viver bem em grupo.

328
Como saber se o aluno aprendeu?

1 4
P rocure levantar quais são as curio- Observe se seus alunos começam a uti-
sidades de seus alunos sobre o corpo lizar vocabulário específico para refe-
humano. O que eles querem saber? rir-se a partes e funcionamento do cor-
O que julgam já saber? Avalie se as po humano. Observe também se eles
opiniões manifestadas podem se re- manifestam noções básicas relaciona-
lacionar a determinados valores e das à digestão, respiração e circulação
preconcepções. (principais estruturas do corpo envol-
vidas, algumas características delas,

2
Observe as atitudes dos alunos du- etc.). Nas explicações sobre o funcio-
rante as aulas: como eles dividem o namento do corpo, avalie o que os alu-
tempo livre, se cuidam da higiene nos deixam transparecer: diferentes
pessoal (por exemplo, se lavam as estruturas funcionam de maneira inte-
mãos antes de pegar alimentos), se grada ou de maneira isolada?
procuram manter o bom humor mes-

5
mo em situações difíceis. Acompa- Verifique se os conhecimentos mani-
nhe o desenvolvimento das atitudes festados nas discussões em sala de aula
observadas durante o ano letivo e são coerentes com as atitudes que você
procure avaliar se os alunos estão observa entre seus alunos. Procure fa-
desenvolvendo hábitos promotores zer enquetes para avaliar hábitos deles:
de saúde. quanto tempo passam em atividades
sedentárias, se seguem as orientações

3
Verifique como seus alunos se por- da pirâmide alimentar e de atividade
tam durante as discussões sobre as física apresentadas no livro-texto, etc.

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
foto: Monkey Business Images/shutterstock/glowimages.

modificações que ocorrem no corpo Por fim, incentive a comparação entre


dos adolescentes e como encaram o os dados obtidos nessas enquetes e as
sexo oposto. Avalie se acreditam, ou informações sobre o funcionamento do
não, que o final da infância está che- corpo humano apresentadas por eles.
gando para eles. Estimule que mani- Ou seja, compare o que “fazem” em re-
festem como se sentem a respeito “do lação ao corpo humano com o que “sa-
que está por vir”. bem” sobre o corpo.

329
MP. Ciências
Usando o livro-texto...

1
Um
mundo de
recursos

Hora do esporte
digitais para
você ensinar e seu Avalie os
aluno aprender. Será que o ritmo cardíaco (número de batimentos do coração) e o ritmo

Na unidade 2, os alunos são


conhecimentos Vocabulário
prévios dos
alunos: “Eles Pulsação: em medicina, respiratório (número de movimentos respiratórios) podem mudar durante o dia?
associam Você sabe como medir o número de batimentos batimento ritmado, como
atividade física 00
5 o percebido no coração.
Quais são as atividades físicas acontece com seu corpo quando somente com cardíacos e de movimentos respiratórios em 1 minuto? 3 Para descobrir se isso ocorre, conte o número de batimentos do seu coração e depois

convidados a colocar o corpo


suor, sensação de
que você faz no seu dia a dia? pratica esportes. calor, ou também o número de movimentos respiratórios, durante 1 minuto, em diferentes situações:
com aumento do 1 Leia os textos e observe as figuras.
ritmo
Você acha que é preciso muita Troque ideias com seus colegas: Quantas cardiorrespira-
a) Conheça os pontos do corpo onde b) Aprenda a perceber um movimento

em movimento. Em acordo
tório?”; “A maioria
ou pouca energia para realizar vezes você acha que o coração de uma dos alunos pensa
que o coração você pode tomar a sua pulsação respiratório completo (B). Depois,
essas atividades? pessoa bate em 1 minuto? E quantos bate quantas
vezes por (A). Depois, meça o número de meça o número de movimentos
Numa folha avulsa, faça uma lista movimentos respiratórios fazemos minuto?”;

com a equipe de Educação


“Alguém acha que pulsações em 1 minuto. respiratórios em 1 minuto.
explicando o que você acha que nesse mesmo intervalo de tempo? o coração bate
mais de cem
vezes por A lateral do pescoço, B
minuto?”;

Física, pode-se ampliar as


“Alguém acha que logo abaixo de um
[4]
o número de dos ossos da face
movimentos
respiratórios é Sentado lendo.
igual ao número

atividades propostas na
de batimentos
cardíacos?”; “Em
que atividades
Vamos fazer uma atividade física intensa e observar o que acontece com nosso corpo? eles acham que
gastam mais 3. Converse com

FOTOS: [1]; [3]; [4]; [5] E [6] HELY DEMUTTI/ARQUIVO DA EDITORA; [2] HELY DEMUTTI/ARQUIVO DA EDITORA SOBRE FOTO DE OPTIMARC/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES.
energia?”; “Eles os alunos e

página 67 e realizar a vivência


fazem associação 2. Você pode aproveite a
entre movimento aconselhar os oportunidade
e gasto alunos a fazer para avaliar os
energético?”. mais de uma seus
pulso conhecimentos
medição dos
Algumas crianças, prévios: quantas

de atividades que exploram o


movimentos
quando realizam respiratórios e da crianças acham
alguma atividade pulsação. Em que, ao longo do
física intensa, geral, nas
[3] [5] [6]
dia, ocorrem
podem se sentir primeiras alterações nos
[2] [3] muito bem; outras ritmos cardíaco e
medições a Andando. Deitado e relaxado, quase Logo após ter corrido.

equilíbrio estático e dinâmico,


podem se sentir
FOTOS: [1] DANIELA TOVIANSKY/ARQUIVO DA EDITORA; [2] A [5] EDUARDO SANTALIESTRA/ARQUIVO DA EDITORA.

pessoa está se respiratório? A


pegando no sono.
mal e sem fôlego. adaptando ao que elas
1. Com o professor e seus colegas, decidam qual 2. Antes de iniciar a atividade física, sinta os Para tornar essa associam essas
procedimento.
atividade física vocês vão praticar: pode ser batimentos do seu coração e os seus movimentos atividade mais Compartilhe sua tabela com colegas alterações?
corrida, jogo de voleibol, futebol ou uma dança. respiratórios. proveitosa, Participe das
[2]
4 Com os dados obtidos, complete a tabela. e observe os dados obtidos por eles.
procure se atividades

os limites de flexibilidade, o
4. Incentive os
aconselhar com o cronometrando o parte interna Para perceber o movimento respiratório alunos a realizar
professor de tempo de dos tornozelos completo, coloque as mãos sobre a barriga ou o as atividades
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

Educação Física. 1 minuto para peito. Um movimento respiratório completo NÚMERO DE BATIMENTOS NÚMERO DE MOVIMENTOS desta página
que os alunos
realizem as
ocorre cada vez que tomamos o ar (inspiramos) e CARDÍACOS POR MINUTO RESPIRATÓRIOS POR MINUTO preenchendo a
tabela com os
[1]
em seguida o expulsamos do corpo (expiramos).

sincronismo viso-manual,
medições. Você Esperam-se respostas próximas às seguintes: resultados
pode também obtidos.
andando 70 ou não muito além disso 10-15 ou não muito além disso
cronometrar Comente que
apenas 2 Anote os resultados obtidos: eles podem, a
15 segundos seu critério,

etc. É valorizada a
(nesse caso, os sentado lendo 70 10-15 registrar o que
alunos devem NÚMERO DE BATIMENTOS NÚMERO DE MOVIMENTOS acontece quando
[4] [5] multiplicar por 4 CARDÍACOS EM 1 MINUTO RESPIRATÓRIOS EM 1 MINUTO realizam outras
Ápis Ciências 5ano_Merc
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc


a medida tomada acima dos 70, próximos dos 100 a 120, acima dos 15, próximos dos 20-25, atividades
logo após ter corrido
para saber o (andando de
3. No meio da atividade física, faça uma pausa 4. Cerca de 5 minutos depois da atividade física, número de bicicleta ou

oportunidade para se
para sentir os batimentos do coração e os sinta pela terceira vez os batimentos do coração e os conforme a intensidade conforme a intensidade
movimentos assistindo à TV,
movimentos respiratórios. movimentos respiratórios. respiratórios ou almoçando,
de batimentos depois de nadar
cardíacos em deitado, antes de dormir 70 10-15 ou jogar bola, por
1 minuto). exemplo).

67 68 69 exercitar a coleta e o registro


APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 67 5/16/11 11:11 AM APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 68 5/16/11 11:11 AM APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 69 5/16/11 11:11 AM

de dados (no caso, de


batimentos cardíacos e de
2 frequência respiratória, como
A escrita de relatórios, já proposta em proposto nas páginas 68 e 69).
anos anteriores, é retomada em
atividades como a da página 70. Também
são oferecidas várias oportunidades para
que os alunos pratiquem a escrita de Chegou o momento de você fazer um relatório sintetizando os resultados que Coração e pulmões

sínteses e comecem a elaborar 00


5
obteve até aqui.

5 Termine de escrever o relatório que começou a ser feito por alguns alunos.
8
Você já sabe: quando praticamos esportes, o coração bate mais rápido e a
respiração fica acelerada. Que tal agora conhecer um pouco mais essas

pequenos textos informativos, como no Note que aqui os


alunos praticam a
escrita de
relatórios. Isso
Relatório
Resposta pessoal
estruturas do nosso corpo, o coração e os pulmões?

1 Considerando as informações que você já conhece, preencha o quadro abaixo.

caso da página 104, com informações


ocorre em vários
momentos deste
Você já reparou quantas vezes o seu coração bate? na qual os alunos
manifestam o
livro. Analise com que já sabem. É Caso não saiba a resposta de alguma pergunta, escreva simplesmente “Não sei”.
eles os modelos Será que esse número de batimentos é constante, ou pode variar bastante? importante
manter os
de relatórios
apresentados, registros dessas
PERGUNTA RESPOSTA A PARTIR DO QUE JÁ CONHEÇO

sobre o coração e os pulmões. A


criando Essas foram algumas questões que investigamos ao fazer medidas do respostas,
condições para para depois Quantos litros de sangue
que eles se
apropriem desse
número de batimentos cardíacos durante 1 minuto, em diferentes situações. compará-las com
o que
temos no corpo?
Espera-se que o aluno explicite no relatório que: “em diferentes situações, o número de batimentos cardíacos
gênero textual.
Verificamos que e de movimentos respiratórios é diferente”; “nas atividades físicas, ou logo após elas, o ritmo respiratório (e aprenderam.

exposição das crianças a diferentes


também o cardíaco) é maior”; “em repouso ou nas atividades que demandam pouco esforço físico, o número de batimentos cardíacos (e
Oriente os alunos
a fazer um .
também o ritmo respiratório) é menor”; “quando ocorre uma atividade física mais intensa, aumenta tanto o número de batimentos Esteja atento
para o fato de
rascunho do cardíacos quanto o ritmo respiratório”.
que, ao longo Quantos pulmões temos?
texto numa folha Além disso, também medimos o número de movimentos respiratórios durante deste módulo,
avulsa. Depois,

modelos de relatório e sínteses ajuda


trabalhamos com
cada um escreve 1 minuto, em diferentes situações. Nesse caso, constatamos que alguns
o texto definitivo. procedimentos O que existe dentro
Repare que, relacionados à do coração?
neste momento, pesquisa (seleção
estamos
Algo que nos chamou a atenção é que existe uma relação entre o número de de material

o desenvolvimento da escrita e serve ao


trabalhando com bibliográfico,
os alunos
descrição e movimentos respiratórios e de batimentos do coração: seleção de
informações em
análise de dados. um texto e O que é a artéria aorta?
Incentive-os a confecção de
trocar o texto

desenvolvimento de discursos cada vez


sínteses).
produzido entre
eles. Depois
disso, peça que
reformulem seus
O que é a traqueia?
textos,

mais elaborados. Observação, descrição


acrescentando
informações que
julgarem Por onde passa o ar
convenientes. que inspiramos?

e análise de dados são valorizados em


LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

vários momentos da unidade 2,


estimulando-se também a realização de
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc

discussões entre os alunos. [1] [2]

70 104

APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 70 5/16/11 11:11 AM APIS_Ciencais_5ano_102a115_U2_M08.indd 104 5/16/11 11:19 AM

Você viu que comparar uma imagem desconhecida do corpo humano (como Discuta com os
3 Você acha que gasta mais energia fazendo quais atividades físicas?
4. Os valores de gastos
energéticos aqui
apresentados são

Na unidade 3
alunos o quanto
costumamos aproximados e gerais,
a do sangue visto ao microscópio) com algo que conhecemos (como uma fazer analogias ocorrendo variações que
para explicar 3 Observe as imagens de crianças em situações variadas. Descreva as atividades em dependem do grau de
pintura feita com “pontinhos coloridos”) pode nos ajudar a entender melhor diferentes esforço físico e do
assuntos. Em ordem crescente: da atividade em que gastamos menos energia para aquela na metabolismo de cada

incentiva-se que as
o nosso próprio corpo! relação ao corpo pessoa. É muito comum
humano, são qual gastamos mais energia. algumas embalagens de
alimentos designarem o
muito comuns
analogias como valor energético em Cal.
3 Agora é a sua vez! Observe as duas imagens abaixo e complete o texto que um “o coração é Esclarecemos que esta
unidade de medida

crianças usem
como uma
aluno começou a fazer. Para isso utilize os termos do banco de palavras. bomba”, “os rins Caloria (repare no “C”
como que filtram maiúsculo) equivale a

tossir microscópicos respiratório o sangue”, etc. 1 000 calorias ou


Portanto, 1 quilocaloria (Kcal). Uma
comparar o corpo caloria (repare no “c”

analogias para
minúsculo), no estudo da

4
humano com o

movimento cílios muco que conhecemos


do nosso dia a dia
Física, designa a
quantidade de calor
nos ajuda a criar requerida para aumentar
algum de 14,5 ºC para

elaborar explicações
15,5 ºC a temperatura de

Em Matemática, seus alunos já


conhecimento
A quantidade de 1 grama de água.
sobre nós.
Entretanto, é
energia pode ser
necessário medida em caloria.
Inicialmente, aproveite a
cautela para que atividade 3 para avaliar o
o corpo não seja que os alunos já sabem:

sobre a estrutura e o devem lidar com diferentes


identificado com Quais dessas atividades
máquinas ou eles acreditam que
FOTOS: [1] SUSUMU NISHINAGA/SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK; [2] HELY DEMUTTI/ARQUIVO DA EDITORA; [3] PROF. P. MOTTA/SCIENCE PHOTO LIBRARY/LATINSTOCK.

eventos que consomem muita


usamos nessas energia? E quais eles
analogias. consideram que

funcionamento do tipos de gráficos. Dessa maneira,


Esteja atento que necessitam de pouca
a analogia dos energia para ser
[2] [3]
cílios do trato realizada? Depois, peça
respiratório com aos alunos que
Plantação de trigo. Cílios das células do sistema respiratório. uma plantação comparem as respostas
de trigo pode

corpo humano (um


que deram na atividade 3

além dos que são sugeridos nas


A imagem corresponde a uma ampliação de
contribuir para com as informações do
4 160 vezes ao microscópio eletrônico de formar uma gráfico. Finalmente,
varredura (coloração artificial). imagem de que promova discussões:
os cílios possuem 4 Analise o gráfico abaixo e confira quanta energia o nosso organismo consome em a partir da análise do
movimento. No gráfico, caminhar
No nosso sistema existem células com cílios. algumas atividades.

exemplo pode ser unidades 2 e 3, podem ser


respiratório entanto, essa demanda quanto a mais
analogia é Apresente esses dados no de energia do que
Na minha opinião o conjunto desses cílios pode ser comparado a uma incompleta, uma
vez que o
formato de uma tabela. dormir? Jogar futebol
CONSUMO DE QUILOCALORIA EM 1 HORA (Kcal/h) requer quanto de
plantação de trigo, pois os não ficam parados.
FOTO: FERNANDO VIVAS/ARQUIVO DA EDITORA. ILUSTRAÇÕES: HQZART/ARQUIVO DA EDITORA.

cílios batimento ciliar energia a mais do que


tem uma

observado na página explorados outros, inclusive


ficar assistindo à TV?
350 327
Nas minhas pesquisas descobri que: natureza distinta
do movimento do Proponha esta questão à
trigo numa 300
• o ar que inalamos pode conter incontáveis partículas e organismos plantação.
classe: “Qual a forma
mais fácil de ‘visualizar’ e
‘apresentar’ os dados:
vivos ;

123). É importante propiciando exercícios iniciais


microscópicos 250 230 observando o gráfico de
barras ou observando
• parte desse material fica retido num muco; 200 uma tabela?”

• o movimento dos cílios impulsiona esse muco


150

fazermos isso, pois o com infográficos ou gráficos de


A tabela pode ser:
em direção à região da garganta e do nariz;
Gasto energético
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc

100 85 85
• daí vem aquela vontade de tossir e... é assim que, 60
em 1 hora
Consumo de energia em

50
230 Kcal

jogar futebol 327 Kcal


60 Kcal

85 Kcal
85 Kcal

pensamento por figuras, associados a pesquisas


no final das contas, a “sujeira” que inalamos pode ser eliminada das
ATIVIDADE
atividades diárias

vias respiratórias.
assistir à TV
ler sentado

dormir caminhar ler sentado assistir à TV jogar futebol


Atividade

caminhar

analogia é algo comum em jornais e revistas. São


dormir

123 73

no processo de excelentes oportunidades de se


APIS_Ciencais_5ano_116a129_U3_M09.indd 123 5/16/11 11:23 AM APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 73 5/16/11 11:11 AM

formulação de fomentar uma interação com a


diversas ideias educação matemática e a
científicas. exploração de jornais e revistas.

330
Energia para viver 5 A pirâmide de alimentos, citada na entrevista da nutricionista, indica quantas Leve os alunos a

O texto sobre alimentação e exercício


perceber que a
pirâmide
porções de diferentes tipos de alimento são recomendadas para suprir suas alimentar indica
Antes de sair por aí praticando alguma atividade física, é bom estar atento à o que devemos
00
5 necessidades diárias de nutrientes e energia. comer durante
sua alimentação!

físico, na página 72, pode ser útil para se


todo um dia;
explique-lhes
2 Observe a imagem da pirâmide de alimentos para crianças e leia as que, ao elaborar
1 Leia o texto abaixo e conheça os hábitos alimentares de uma atleta. um cardápio
diário, não
informações do quadro.

iniciar a discussão sobre dietas, qualidade


devemos
concentrar os
alimentos de

A dieta de Fernanda Keller


cada parte da
Grupo das GORDURAS pirâmide em uma
e DOCES (coma menos)

de alimentação, doenças relacionadas ao


mesma refeição.
Recordista sul-americana de provas de longas distâncias, a triatleta brasileira
nunca descuida da alimentação.
F ernanda Keller con- Gasto muita energia e

excesso e à falta de alimentos. Em nome


Grupo do LEITE Grupo das CARNES, OVOS
(2 porções) e FEIJÕES (2 porções)
some alimentos ricos preciso repô-la ao orga- É conveniente

em fibras e carboidra- nismo”, afirma. você consultar o

de uma imagem corporal dentro dos


texto “A proposta
Grupo dos de uma nova
tos. As carnes verme- Durante os treinos e VEGETAIS Grupo das FRUTAS pirâmide
(3 porções) (2 porções) alimentar”, no
lhas ela substituiu por competições, a triatleta Manual do

padrões divulgados pela mídia (assunto


Professor. Lá
carnes brancas (frango costuma consumir bar- Grupo dos PÃES, estão explicadas
as críticas a essa
CEREAIS, ARROZ
e peixes), e os legumes, ras de cereais e frutas, e MASSAS
pirâmide
alimentar,
(6 porções)

fortemente explorado no final da


oficialmente
verduras, frutas e iogur- além de beber muito lí- anunciada em
1992.
tes fazem parte de seu quido. A todos, Fernan- Basicamente, as
novas
cardápio diário. Doces, da dá uma dica valiosa: A QUE CORRESPONDE UMA PORÇÃO*?

unidade 3), excessos podem ocorrer e


orientações
alertam para a
ela procura evitar. “Jamais espere sentir Grupo dos PÃES, CEREAIS, Grupo das Grupo das CARNES, necessidade de
cautela na
ARROZ e MASSAS FRUTAS OVOS e FEIJÕES ingestão de
Fernanda adora um sede para beber alguma carboidratos

uma autoestima negativa em relação à


- 1 fatia de pão de forma - 1 laranja - 1 bife pequeno (presentes em
prato de arroz com fei- coisa. A sede é um sinal alimentos como

FOTO: ACERVO DO AUTOR/ARQUIVO DA EDITORA. ILUSTRAÇÃO: HQZART/ARQUIVO DA EDITORA.


- 1 pãozinho francês - 1 maçã - ½ peito de frango arroz e massas) e

2. Discuta com os
jão e acha essa combina- de que o organismo já de gorduras
- ½ xícara de arroz cozido, - 1 banana - 1 ovo saturadas
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

aparência do próprio corpo pode se


alunos a frase de
Fernanda Keller, ção superimportante: está trabalhando no milho, macarrão, aveia (presentes em
alimentos como
que lembra o Fernanda Keller sabe que ou trigo, etc. - ½ xícara de fruta picada - ½ xícara de feijão cozido
ditado popular “Se eu comesse só sa- vermelho. O importan- uma alimentação variada e
carne vermelha e
manteiga).
“saco vazio não água são importantes para o - ½ xícara de suco de fruta
ladinhas, não aguenta- te é se hidratar em in-

desenvolver. Esteja atento a isso


para em pé”. equilíbrio do organismo.
Nesta parte do
módulo
estudaremos
ria o pique dos treinos. tervalos regulares.” Grupo dos Grupo do Grupo das
VEGETAIS LEITE GORDURAS e DOCES
parte dos

quando for trabalhar esses assuntos


fundamentos que
estão por trás Adaptado de texto fornecido pela assessoria de imprensa de Fernanda Keller. - 1 xícara de verduras folhosas - 1 copo de leite integral Reduza o consumo
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc


dessa ideia: (alface, couve, espinafre, etc.) de manteiga, amendoim,
quanto de - 3 fatias de queijo fresco batata frita, biscoitos,
energia 2 Troque ideias com os colegas: O que será que Fernanda Keller quis dizer? - ½ xícara de verduras ou legumes refrigerante, bolos

em sala de aula.
precisamos? picados e cozidos - 3 colheres de requeijão e doces.
Quais são os “Se eu comesse só saladinhas, não aguentaria o pique dos treinos. Gasto
alimentos mais

6
energéticos?
muita energia e preciso repô-la ao organismo.” * Uma porção equivale a uma das opções apresentadas.

72 85

APIS_Ciencais_5ano_064a077_U2_M05.indd 72 5/16/11 11:11 AM APIS_Ciencais_5ano_078a089_U2_M06.indd 85 5/16/11 11:14 AM

A análise do valor nutricional dos alimentos, iniciado na


3 Leia o que as crianças estão dizendo. Copie abaixo somente as falas que
página 78, pode estimular o levantamento dos produtos
00
7
1 Veja algumas perguntas que ajudam a avaliar como é o seu estilo de vida.
demonstram um jeito positivo de encarar os acontecimentos.

Acho que não vai


consumidos diariamente pelos alunos e suas famílias.
Esses dados podem ser analisados à luz da pirâmide dos
dar certo colocar
Veja na seção
Responda-as. essa peça aí, nem Se não encaixar,
adianta tentar... procuramos outra
Lições
Vamos tentar com peça até acertar.
complemen-
Qual é o seu estilo de vida? aquela peça. Pode

alimentos apresentada na página 85. Além disso, na


tares (p. 222
e 223) ser que encaixe.
atividades e Este quebra-
textos de Quantas horas você costuma dormir por noite? -cabeça é difícil
apoio que demais!

unidade 3 o trabalho pode ser aprofundado, quando se


podem
enriquecer o
estudo deste Você se preocupa com sua alimentação? O que costuma comer?
módulo.

explora o tema da publicidade dos alimentos: Somos


Você tem muitos ou poucos amigos? Que programas você costuma
Avalie as
ilustrações
fazer com seus amigos?
com os

realmente livres para escolher o que quisermos comer?


alunos: “O que
as crianças
estão
fazendo?”; “O
que fazem Você se considera uma pessoa otimista ou pessimista? Por quê?

Temos à disposição nas prateleiras dos supermercados


relaciona-se
ou não com
um estilo de
vida promotor O que você faz para cuidar do seu corpo?
de saúde?”.

Você pratica esportes regularmente?


“Vamos tentar com...” e “Se não encaixar, procuramos...” indicam formas mais positivas de encarar a situação.
os mesmos produtos com marcas diferentes? Ou há
Quais são as coisas que deixam você feliz? Espera-se que
os alunos
indiquem que
o estilo de
uma boa diversidade de opções? As tradições
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

alimentícias de nossa região ou cultura são voltadas para


O que você faz nas horas de lazer? vida de uma
4 Depois de passar um questionário a diversas pessoas na escola, a professora pessoa pode
promover ou
concluiu que algumas delas não sabem qual é a relação entre estilo de vida e não a sua
saúde. Por

a saúde? Essa tradição tem se modificado? A produção


saúde. Escreva um texto para explicar a elas qual é essa relação. exemplo,
2 Troque ideias com os colegas e pensem em mais três perguntas para o hábitos
como dormir
questionário “Qual é o seu estilo de vida?”. Escrevam-nas abaixo. Estilo de vida e saúde bem, praticar
esportes, ter
ILUSTRAÇÕES: HQZART/ARQUIVO DA EDITORA.

de produtos em grandes porções e não em porções


Possíveis respostas: Quantas horas você costuma ver TV por dia? Você gosta ou não da maioria das coisas que faz no seu dia amigos e
conviver bem
com eles, ser
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc

a dia? Você costuma se chatear facilmente com as coisas que acontecem? Você se considera uma pessoa bem-humorada?
otimista, etc.
são
indicativos de

individuais estimula o desenvolvimento da obesidade?


um estilo de
vida
promotor de

7
saúde.

100 101

APIS_Ciencais_5ano_090a101_U2_M07.indd 100 5/16/11 11:17 AM APIS_Ciencais_5ano_090a101_U2_M07.indd 101 5/16/11 11:17 AM

A ideia de que podemos


escolher ter hábitos Na passagem da infância para a adolescência, além da mudança de opiniões Estimule o debate
sobre o
Pedro: Antes era tudo mais separa- Eles falam com qual menina estão

promotores de saúde e
comportamento
em relação ao sexo oposto, ocorrem várias outras transformações. dos adolescentes. do, eu não conversava tanto com as querendo “ficar” e a gente pode até
Para isso, peça
aos alunos que 11 meninas. Agora eu converso mais dar uma ajuda para eles.
3 Leia esta entrevista com três jovens, Pedro, Belle e Camila, que estão no início da pesquisem mais

desenvolver uma atitude


textos sobre o com as meninas e descobri que elas
adolescência e saiba um pouco mais sobre esse momento de suas vidas. assunto e
compartilhem os
resultados das
Troque ideias
com os alunos:
são legais.
leituras sobre o Existem
Belle: Antes eu não conversava mui-

mental positiva, mesmo diante


tema. Lembre-se diferenças entre
de que esse tema o modo de
gera muita pensar do to com os meninos porque tinha ver-
polêmica e você adolescente do
pode enriquecer o sexo masculino e gonha. Agora eu estou namorando um
O que mudou na sua vida com debate com as da adolescente

de acontecimentos
opiniões dos do sexo garoto da minha idade.
a adolescência? próprios alunos feminino?
sobre os textos
pesquisados.
Pergunte-lhes se
eles se
Camila: Eu sempre tive mais amigos
Pedro: Agora eu já penso em coisas identificam ou
[1]

que amigas. Antes a gente brincava

desagradáveis, é explorada no
não com os
mais de adulto. Penso em meninas e [2]
adolescentes Belle, à direita na foto, tem 13 anos e teve sua
entrevistados. de jogar futebol. Hoje a gente conver- primeira menstruação aos 9 anos, quando estava
em namorar, penso no que vou ser Pedro tem 14 anos e estuda no 8o ano. Hoje ele se no 5o ano. Camila está no 8o ano, tem 14 anos e
relaciona muito melhor com as meninas do que Motive os alunos sa de tudo: música, futebol, novela. ainda não teve sua primeira menstruação.
quando me tornar um adulto. quando era menor. a fazer um

final do módulo 7. É o
resumo do que
Belle: Antes eu era muito envergo- preocupado quando vejo que meu aprenderam até
agora, lendo a
entrevista.
nhada e gostava de brincar de bone- rosto está cheio de espinhas. As me- Estimule a troca
Preencha o quadro que começou a ser feito, sintetizando as informações obtidas
FOTO: [1] MAURICIO DE SOUSA/MAURICIO DE SOUSA PRODUÇÕES; [2] ACERVO DO AUTOR/ARQUIVO DA EDITORA. ILUSTRAÇÕES: HQZART/ARQUIVO DA EDITORA.

momento em que damos um


de ideias para
cas. Hoje já dei todas as minhas bone- ninas vão ficar olhando… que preencham o
quadro da na entrevista.
cas e comecei a ficar mais solta, a ter Belle: Eu fiquei menstruada aos maneira mais
completa
menos vergonha. 9 anos e a partir daí o meu corpo possível. MODIFICAÇÕES QUE OCORREM COM A CHEGADA DA ADOLESCÊNCIA EM...

passo importante para Camila: Quando eu era criança, via


beijo na boca na novela e ficava com
começou a mudar: meus seios e
meus quadris aumentaram, minhas
Os alunos podem
indicar como
modificações nos
meninos o
Meninas Meninos

trabalhar o corpo humano não


surgimento de
nojo. Hoje eu gosto de beijar. pernas engrossaram. pelos em
determinados
O que mudou no seu corpo com Camila: Eu ainda não fiquei mens- locais do corpo
(sobretudo no
a adolescência? truada e o meu corpo ainda não mu-

somente no seu aspecto


rosto), de
espinhas e o
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

maior interesse
Pedro: Eu cresci, cresceram pelos dou muito. pelo sexo oposto;
nas meninas, o
na perna, tem um bigodinho apare- Antes de vocês serem adolescentes, maior interesse

físico, mas de uma maneira


pelo sexo oposto,
cendo. Surgiram as espinhas… De o que achavam das meninas/dos a ocorrência de
menstruação,
manhã, antes de ir para a escola, fico meninos? O que acham agora? modificações no
corpo (aumento

mais ampla. Ou seja,


dos seios e
quadris).
Ápis Ciências 5ano_Merc

Ápis Ciências 5ano_Merc

aprendemos sobre nosso

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
corpo quando estudamos a 8 145 146

digestão, a circulação e a
APIS_Ciencais_5ano_142a153_U3_M11.indd 145 5/16/11 12:08 PM APIS_Ciencais_5ano_142a153_U3_M11.indd 146 5/16/11 12:08 PM

respiração (como fizemos no O módulo 10 atende à necessidade de vontade para falar sobre esses assuntos,
início da unidade 2), mas alunos do 5º- ano poderem refletir sobre a que tomem contato com o que outros,
também desenvolvendo reprodução, a maneira como concebemos um pouco mais velhos, pensam (como
determinados hábitos e o sexo oposto, as mudanças que ocorrem possibilitamos por meio das entrevistas
quando nos apercebemos nos adolescentes e pelas quais, em breve, com adolescentes apresentadas
de que nosso estado de estarão passando. Não são respostas nas páginas 145 e 146 do módulo 11).
humor afeta nossa saúde técnicas apenas que ajudarão a formação Se possibilitamos que meninos e meninas
(como discutimos no final das de indivíduos seguros, que exigem e discutam juntos esses temas, estamos
unidades 2 e 3). oferecem respeito ao próprio corpo e aos potencializando uma interação futura
dos outros. Nesse sentido, é importante prazerosa e construtiva entre duas pessoas
favorecer que as crianças sintam-se à de sexos diferentes.

331
MP. Ciências
Ciência, tecnologia e sociedade
Como era viver anos atrás, sem computador, sem telefone celular, sem televi-
são, sem antibióticos? E como será viver daqui a cem anos, quando muitas dessas
invenções forem obsoletas?
Nossas rotinas diárias são moldadas pelo universo de inventos que nos cerca. E
esses inventos estão por todos os lados: o despertador ao acordar, a pasta de den-
tes, o ônibus e o trem, o rádio, etc.
Vamos tomar como exemplo invenções conhecidas de todos: a televisão e o
computador. Você já pensou quanto tempo as pessoas de nossa sociedade gastam
em frente à televisão, enquanto poderiam estar fazendo outras coisas? E todos
aqueles problemas de tendinite e postura, relacionados ao uso excessivo do com-
putador? Certamente a televisão e o computador são invenções magníficas, re-
pletas de aspectos positivos. Porém, como outras tantas invenções, eles também
têm uma face diferente, notória pelos seus aspectos negativos.

[1]

Essa ideia complexa, de que as invenções podem ser concebidas como “moedas
de duas faces”, pode ser trabalhada com alunos no 5º- ano do Ensino Fundamental.
Um caso de estudo interessante são os veículos automotores. O crescente do-
mínio do fogo e o desenvolvimento de motores movidos à combustão interna é
algo de se admirar. Ampliou, e muito, nossa capacidade de ir e vir, de transportar

332
cargas. Só que a fumaça, libe-
rada na queima, polui o ar.
Assim, em grandes centros
urbanos, repletos de veículos
automotores, maior a quanti-
dade de gases e partículas
proveniente da queima de
combustíveis. E com a conse-
quente piora da qualidade do
ar, mais pessoas vão parar
nos hospitais.
Podemos argumentar que
[2]

um invento pode contornar o


problema: são os catalisadores. Trata-se de dispositivos nos quais ocorre uma sé-
rie de reações que convertem os gases liberados pelo motor e prejudiciais à saúde
(óxidos de nitrogênio, monóxido de carbono), em nitrogênio, água e gás carbôni-
co. Só que, apesar destes últimos ocorrerem naturalmente na atmosfera, emis-
sões de gás carbônico podem contribuir para o efeito estufa. Ou seja, apesar de
terem sido criados com um propósito positivo, os catalisadores são mais um in-
vento humano que, também, têm um lado negativo.
fotos: [1] Sergej Khakimullin/shutterstock/glowimages; [2] alphaspirit/shutterstock/glowimages.

Propostas de atividades
• Na literatura internacional existem relatos de que as atitudes dos estudantes
para com as ciências vão ficando menos positivas, na medida em que avançam
os anos escolares. E uma consequência é que menos pessoas, em diferentes lo-

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
cais do mundo, tendem a escolher seguir seus estudos em carreiras ligadas às
Ciências. Esse é um grande desafio que se impõe a todos os profissionais dedi-
cados ao ensino dessa disciplina. Uma forma de modificar esse cenário é ofere-
cer aos alunos abordagens que favorecem atitudes positivas para com a ciên-
cia. Exemplos são aquelas que, ao introduzir um assunto que será estudado, já
focam o contexto e a aplicação da Ciência. Assim se possibilita que os alunos
enxerguem mais facilmente a importância do que estudam.

333
MP. Ciências

[1]

• No sentido de ressaltar aos alunos a importância do que estu-


Dica!
Proponha às crianças dam, é muito relevante trabalhar com eles o conceito “inven-
que façam diários,
nos quais registrem tudo ções”. Afinal de contas, estamos cercados delas e seu uso no
o que fazem durante o
dia. Os diários dia a dia reflete sua importância para nós. Só que, para traba-
produzidos devem ter
um foco especial. Neles lhar “invenções” em sala de aula, vários desafios precisam ser
deve ser indicado o
maior número possível superados. Por exemplo, existe uma concepção comum de que
de invenções utilizadas
no dia a dia. as invenções são coisas complexas, com tecnologia avançada,
eletrônicas. Despreza-se a engenhosidade do lápis e da faca, do
encanamento por onde passa a água de casa, do parafuso, etc. Outro aspecto
é que, via de regra, uma primeira tendência dos alunos é relacionar as inven-
ções somente com coisas boas. É um desafio “descortinar” a outra face delas:
sugerir que podem também ter aspectos negativos.
• Quando se aborda algum aspecto negativo de uma invenção, como, por
exemplo, o aumento de poluição do ar relacionado ao aumento de veículos
automotores, isso precisa ser demonstrado. Ou seja, é preciso apresentar da-
dos para justificar essa afirmação, obviamente de uma maneira acessível
para os alunos nessa faixa etária. São desafios que podemos superar por
meio de algumas estratégias, como as que propomos no livro do 5º- ano.

334
Como saber se o aluno aprendeu?

1
Suponha uma análise da poluição nas das essas invenções? Existirão muitas
rodovias daqui a 50 anos. Para isso, invenções que queimam combustí-
mostre dois gráficos para os alunos: veis, como nos dias de hoje? A compa-
um deles com dados de número de veí- ração com o diário produzido no início
culos por hora, o outro, com dados da das atividades aqui propostas ajudará
quantidade de partículas no ar em tor- as crianças a terem uma dimensão de
no da rodovia em diferentes horários. suas aprendizagens.
Estes gráficos podem ter uma diferença
em relação aos que estudamos na pági-
na 198: apesar de haver uma correlação
(quanto mais carros, maior a poluição),
deve ser representado que proporcio-
nalmente haveria muito mais veículos
para uma determinada quantidade de
poluentes. A situação permite verificar
como andam entre os alunos as habili-
dades para lidarem com dados, tabelas
e gráficos. Também dá informações so-
[2]

bre as reflexões que fazem em torno do

3
conceito de combustão e de novas tec- Que tal as crianças produzirem, ou en-
nologias — possivelmente menos po- tão analisarem e complementarem, a
luentes — para os veículos do futuro. propaganda de um veículo do futuro?
fotos: [1] e [2] Monkey Business Images/shutterstock/glowimages.

Elas devem indicar qual a fonte de

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
2
Os alunos podem refazer o diário de energia usada para mover o veículo, se
um dia comum em suas vidas, enfati- ele polui ou não polui o ar, etc. O que
zando as invenções. Mas podem supor elas escreverem fornecerá um rico ma-
que estão em uma situação diferente: terial, que permitirá avaliar o que es-
eles vivem no final do século. Desde tão aprendendo sobre invenções, sobre
acordar até dormir, que invenções combustão e as reflexões que fazem
usarão no futuro? A que serão movi- sobre ciência, tecnologia e sociedade.

335
MP. Ciências
Usando o livro-texto...

1
Na unidade 4, o conceito-chave ainda: por meio das entrevistas os
As pessoas mais velhas podem nos dar valiosas informações sobre como era
viver em uma época diferente, em que não existiam algumas das invenções que
hoje conhecemos.
trabalhado são as invenções. Mais alunos podem desvendar quais
13

3 Leia a entrevista que esta dupla de alunos está fazendo.

especificamente os alunos são eram alguns inventos muito usados


Caso os alunos
tenham
dificuldade em Bem, nós
realizar o Desafio, trabalhávamos com
Como eram máquinas de

convidados a refletir sobre os dois antigamente nas casas, nos


incentive-os a
entrevistar, por os escritórios escrever e os
exemplo, os antes do fax, documentos eram
funcionários da da xérox, do transportados pelos
escola. Para os

lados delas: ao mesmo tempo escritórios, nas escolas. Eles


computador, mensageiros. Com
que trabalham no
da impres- os computadores, as
setor de
sora e do impressoras, o fax, a
administração,
pode-se e-mail? xérox e o e-mail,

que têm aspectos positivos, também descobrem, por exemplo, como se


perguntar como tudo ficou bem mais
eram os fácil e rápido.
escritórios de
antigamente

têm aspectos negativos. Inicialmente faziam pesquisas bibliográficas na


(sem e-mail, fax
ou xérox);
professores que
usam a internet
E como eram conservados os alimentos na

as crianças são estimuladas a época em que não havia internet,


podem contar
como era fazer época em que não havia geladeiras? Ah! Eram conservados
pesquisa em gelo. Antigamente,
sem esse existiam vendedores
instrumento; o de pedras de gelo.

perceber que estão cercadas de como se enviavam documentos


pessoal da
limpeza pode
contar sobre os
avanços dos

inventos. A proposta de realização quando não existiam nem fax nem


produtos que
usam; a direção
pode aproveitar e
dar uma visão

de entrevistas com pessoas mais e-mail, como se mantinham os


panorâmica de
como eram as Íamos à biblioteca
escolas, tanto no Antes de existir a internet, como eram feitas as pesquisas? pesquisar apenas
aspecto físico em livros e
como no

velhas (página 174) pode revelar que alimentos refrigerados quando não
enciclopédias.
disciplinar.
Hoje, com a
internet, temos
acesso a

isso já ocorria no passado. E mais havia geladeira.


informações do
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

Você pode mundo inteiro,


organizar com os sem levantar da
alunos um cadeira do
debate
escritório!
abordando o
tema: “É melhor
viver nos dias de
hoje ou era
melhor viver
antigamente?”.
Incentive-os, Com um colega, entreviste uma pessoa nascida entre os anos de 1930 e 1950.
Ápis Ciências 5ano_Merc

quando forem
defender suas
opiniões, a citar
Registre as informações obtidas e, a partir delas, procure descobrir como as
algumas
invenções e invenções têm provocado mudanças no dia a dia das pessoas.
como elas têm
transformado o
nosso dia a dia.

174 Você sabe dizer por que o ser humano é tão inventivo? Oriente os alunos
a consultar o
Invenções: os dois lados da moeda
dicionário
sempre que
4 Leia o texto abaixo e conheça uma opinião sobre o surgir alguma Costumamos ver as invenções como coisas muito úteis, com vários aspectos
APIS_Ciencais_5ano_168a181_U4_M13.indd 174 5/16/11 12:18 PM palavra cujo 13
assunto. Depois faça o que se pede. Troque ideias com os significado eles positivos. Mas as invenções também podem ter um outro lado...
colegas: Vocês concordam desconheçam.
com o que o texto diz?
O BICHO INVENTOR 1 Leia a história em quadrinhos, discuta com os colegas e depois responda

Dona Benta costumava receber síssimo. E para libertar-se do esfor- às perguntas.

2
livros novos. ço o ser humano foi aumentando a
Assim foi que resolveu contar sua eficiência.

A leitura de um texto de Monteiro Lobato, aos meninos um dos últimos livros


chegados: “História das invenções
– Como?
– Pelo aperfeiçoamento, pelo de-

na página 175, estimula a discussão sobre do homem”.


– Vou ler este livro hoje mesmo,
senvolvimento das suas faculdades
naturais, isto é, da faculdade de fa-

a natureza das invenções e a capacidade no serão. Podemos começar logo


depois do rádio.
lar, de andar, de ouvir, de enxergar.
Se eu dobro a força dos meus olhos

inventiva do ser humano. A partir daí, ***


– Comece vovó! – disse Pedrinho.
com um invento qualquer (com um
vidro de aumento por exemplo), es-

inicia-se um enfoque mais crítico,


Converse com os
– Meus filhos, todas as invenções tou aumentando a eficiência, ou o alunos sobre a
turma do Sítio do
humanas têm um objetivo comum: poder, dos meus olhos. Se multipli- Picapau Amarelo,

salientando que as invenções podem ter


de Monteiro
poupar esforço, fazer as coisas com co a minha capacidade de andar Lobato. Aproveite
a oportunidade e
incentive a classe
o mínimo trabalho possível. No co- usando o trem ou o automóvel, au-
aspectos positivos e também negativos. É
a conhecer
outras obras
meço o ser humano tinha de fazer mento a eficiência dos meus pés. O desse autor.

tudo unicamente com a força dos nosso caso é o do ser humano au-
um assunto complexo, que precisa se
4b. Espera-se que
os alunos
seus músculos, e o esforço era peno- mentado pelas suas invenções. escolham
diferentes frases.

tornar acessível para as crianças. E uma


LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

Organize grupos
Adaptado de: Monteiro Lobato. História das invenções. São Paulo: Brasiliense, 1995. de três alunos e
procure colocar
Vocabulário
em cada um
crianças que

forma lúdica de se começar a fazer isso é


[1]
Serão: período entre o final do jantar e a hora de dormir
escolheram
frases distintas.
Peça então que
a) Dona Benta disse que iria começar a ler o livro “... depois do rádio”. Explique o conversem sobre a) Qual é a invenção humana que mereceu destaque nessa história

por meio da leitura da história em


ILUSTRAÇÕES: HQZART/ARQUIVO DA EDITORA.

quais são as
que você entendeu dessa frase. principais ideias em quadrinhos?
do texto; ao
Ápis Ciências 5ano_Merc
Ápis Ciências 5ano_Merc

Na época de Dona Benta era costume as pessoas sentarem-se em torno do rádio para ouvi-lo. Geralmente isso ocorria à chegar a um A invenção apresentada é a máquina fotográfica.

quadrinhos proposta na página 176.


consenso,
escrevam uma
noite. Hoje em dia muitas famílias, à noite, reúnem-se para assistir à televisão.
frase explicitando
b) Qual aspecto dessa invenção desagradou à Mônica?
o que julgaram
b) Escolha uma frase que, na sua opinião, resume a principal ideia desse texto. ser mais
O que gerou desagrado foi o fato de o disparo automático da máquina fotográfica não funcionar quando a Mônica
significativo no
Depois, converse com seus colegas: Eles escolheram a mesma frase que você? material lido. esperava que funcionasse e, por outro lado, funcionar numa situação inadequada.

175 176

APIS_Ciencais_5ano_168a181_U4_M13.indd 175 5/16/11 12:18 PM APIS_Ciencais_5ano_168a181_U4_M13.indd 176 5/16/11 12:19 PM

14 Da combustão à poluição

3
O que vamos
estudar neste
módulo:
Estudaremos a
combustão.
Investigaremos
Podemos dizer que as Considerando isso, para
invenções são conquistas da entender mais
como podemos
apagar uma vela
sem assoprá-la
nem encostar
nela. Conver-
saremos com
um bombeiro
humanidade. Hoje em dia são profundamente algumas
motores criados pelo ser relações entre o
e estudaremos
a poluição do ar.
Aqui
estimulamos a
reflexão de
quanto o
domínio do fogo
humano que impulsionam desenvolvimento tecnológico
vários inventos e e a sociedade atual, é
se relaciona
com o avanço
do
conhecimento

movimentam a sociedade. Só conveniente nos


científico e
tecnológico e de
quanto esse

aprofundarmos no estudo do
conhecimento
tem aspectos
positivos, mas
também
que para fazê-los funcionar,
predominantemente, o que domínio da combustão. Esse
negativos .

se faz é promover a queima é o assunto prioritário no


LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

Explore com os
alunos a imagem
de abertura. Aqui
de combustíveis fósseis. módulo 14.
vemos uma vela
ardendo. Ela nos
sugere o domínio
Ápis Ciências 5ano_Merc

do fogo pelo ser


humano, um
passo importante
no avanço do [1]
nosso
conhecimento

Como podemos apagar essa vela?


científico e
tecnológico.

182

APIS_Ciencais_5ano_182a193_U4_M14.indd 182 5/16/11 12:21 PM

336
Um
mundo de
recursos
digitais para
você ensinar e seu
aluno aprender.
Avalie o que os
alunos já sabem:
O segredo do fogo
eles conhecem
materiais
Neste módulo vamos desvendar alguns “segredos” do fogo.

4
combustíveis? E
as diferentes 14
Pense no que você já sabe sobre o Você sabe o que os bombeiros estratégias que
podem ser 1 Para começar, leia esta história da mitologia grega e pense: Ao dominar o fogo, o

Durante todo o módulo 14


assunto, troque ideias com os colegas podem fazer para apagar o fogo? usadas para
combater um
incêndio? Eles
ser humano obteve quais conquistas?
e, numa folha avulsa, faça duas listas: E na poluição do ar, você já relacionam a

trabalhamos simultaneamente
uma de materiais que você acha que ouviu falar? Escreva numa folha
combustão à
poluição? Quais PROMETEU REVELA O SEGREDO DO FOGO
eles imaginam
podem queimar e outra de materiais avulsa o que você sabe sobre que sejam as Certa manhã, Zeus, o pai de todos tudo o que Prometeu lhes ensinava.
principais causas

narrativas mitológicas (que que você acha que não queimam. esse assunto. os deuses, mandou chamar Prometeu: Tanto que Prometeu resolveu revelar
da poluição
do ar?
– Decidi criar uma raça de seres a eles um dos segredos mais bem guar-
Um adulto deverá manusear o fósforo. Mantenha sempre uma distância segura

apresentam versões sobre a origem em relação ao fogo.


Um esclare-
cimento: para
ocorrer a queima
semelhantes a nós em forma, mas
não em poder. Preciso que modele
dados pelos deuses: levou aos seres hu-
manos um pouco da chama eterna.

do domínio do fogo) e uma


da vela, é
necessário o tais seres para mim. Logo depois, os homens começa-
oxigênio. À
medida que a No outro dia, Prometeu modelou ram a usar o fogo para cozinhar, fazer

sugestão de trabalho investigativo


queima ocorre, o
oxigênio do ar vai as criaturas com água e uma mistura vasilhas de barro, forjar seus instru-
se esgotando.
Vamos apagar uma vela sem assoprá-la nem encostar nela! Como no frasco
fechado há uma
de barro que havia preparado e apre- mentos de caça, se aquecer no frio.

(que avalia uma maneira de se 3. Cubra uma das velas com o frasco
de vidro.
quantidade
limitada de
oxigênio, quando
este acaba, a
sentou-as a todos os deuses.
Zeus, com sua autoridade, declarou:
Quando viu o que estava acontecen-
do, Zeus ficou enraivecido e declarou:

apagar a chama de uma vela, sem


Mantenha a outra vela sobre o pires sem cobri-la chama se
e observe: Qual vela apaga mais rápido? extingue. – Enviarei essas criaturas à Terra, – Agora, com o fogo, o ser humano
onde viverão sob nosso domínio. poderá ser um rival perigoso. Em pou-

nela encostar ou assoprar). Por [2]

1. Para desenvolver esta atividade, você vai


O tempo passava e Prometeu ficava
cada vez mais inquieto. Como era pos-
co tempo essas criaturas terão poderes
divinos. Depois, vão querer me des-

FOTOS: [1] HELY DEMUTTI/ARQUIVO DA EDITORA; [2] A [4] EDUARDO SANTALIESTRA/ARQUIVO DA EDITORA.
meio de uma entrevista, os
precisar de duas velas, dois pires pequenos e um
frasco de vidro de boca larga. sível Zeus não perceber o estado de tronar. Prometeu pagará pelo que fez!
ignorância de tais criaturas? Serviam- Então Zeus ordenou que Prome-

princípios básicos da combustão

LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.


-se somente dos seus membros para teu fosse preso no alto do monte
viver na Terra, habitavam cavernas e Cáucaso e declarou o cruel castigo:
são apresentados por um não conseguiam utilizar recursos da
natureza. Foi então que tomou uma
– Dia após dia, Prometeu, uma
águia vai devorar o seu fígado, que,
profissional que domina o assunto: decisão: “Vou lhes ensinar o necessá- à noite, se regenerará. Esse castigo

Ápis Ciências 5ano_Merc


Ápis Ciências 5ano_Merc
rio para que levem uma vida digna e será eterno. Espero que assim com-
um bombeiro.
[3]

2. Peça a um adulto que acenda as duas velas e fixe feliz”. Os seres humanos aprendiam preenda o grave erro que cometeu...
cada uma delas sobre um pires.

[4]
Adaptado de: Sílvia Agustín e Manuel Cerezales. Prometeo. Madri: Anaya, 1993.

183 184

APIS Cie5_UN4_MOD14-p.182-193.indd 183 6/8/11 1:35 PM APIS_Ciencais_5ano_182a193_U4_M14.indd 184 5/16/11 12:21 PM

5
A partir da segunda metade do módulo 14,
A partir da leitura
Você já deve ter ouvido falar em poluição do ar, mas sabia que ela pode ter dos textos,

uma relação com a combustão? Para aprender um pouco mais sobre esse
incentive os
alunos a fazer AS GRANDES QUEIMADAS E A POLUIÇÃO
mais esquemas e

o próprio processo de combustão é


assunto, que tal fazer uma pesquisa? compartilhá-los 14 Na Amazônia, como na maior sólidas e aumentar o teor de gás
com os colegas.
parte do Brasil, ainda é costume carbônico no ar, ameaçando a saú-
2 Leia os textos a seguir, observe as imagens e complete os esquemas que

analisado como se fosse uma moeda de


Além de
sintetizar a
Comente com os
alunos que,
limpar o terreno com queimadas. de das pessoas, o fogo traz prejuí-
começaram a ser feitos. leitura da embora exista
entrevista com o uma crença O processo é o seguinte: derru- zos imensos e duradouros para as
O QUE PODE CAUSAR POLUIÇÃO DO AR?
duas faces. Afinal, a queima de
bombeiro na popular segundo
p. 187, estes a qual as ba-se a mata, espera-se que os ve- áreas verdes atingidas. Depois de
esquemas vão queimadas
Você já conhece a composição do dos e liberados gases, isso acaba afe- complementar as enriquecem o getais cortados sequem e então co- algum tempo, o solo queimado fi-
informações dos solo, de acordo
ar, uma mistura de diversos gases, tando a composição do ar nos arredores loca-se fogo neles para que as cará pobre em nutrientes necessá-
combustíveis libera gases e partículas, o
textos aqui com o texto, as
apresentados. queimadas têm

como o nitrogênio, o oxigênio e o de onde algo está queimando. efeitos negativos


sobre o ambiente cinzas produzidas pela queimada rios para a vida vegetal.

que é um grande desafio para as grandes


e, depois de
gás carbônico, mas sabia que o ar Da mesma maneira, os veículos algum tempo, o enriqueçam o solo. Vocabulário
solo pode ficar
também pode conter partículas de automotores (caminhões, ônibus, pobre em Além de liberar enormes quanti- Teor: proporção, em um todo, de uma substância

cidades. Nelas existem muitos veículos


nutrientes. determinada; texto ou conteúdo de uma escrita.
poeira e fuligem? automóveis, motos) e muitas indús- dades de fumaça com partículas
Parte da poluição do ar é resulta- trias contribuem para o incremento

com motores movidos a combustão interna


Adaptado de: Ciência Hoje das Crianças. Rio de Janeiro: SBPC, n. 157, maio 2005.
do natural do excesso de resíduos da poluição, já que, para funcionar,
nele presentes. Esses resíduos po- queimam combustível.
Comburente

QUEIMADAS
dem ser partículas como as libera-
das nas tempestades de areia.
camada de ar poluído

liberam
e, quanto mais veículos, maior a quantidade
Outra parcela da poluição do ar po-
de gases e partículas provenientes da
necessita de
para ocorrer
Combustão

de ser decorrente de mudanças na FUMAÇA


composição dos gases que o formam.
queima. Consequentemente, piora a
Combustível

Isso pode acontecer, por exemplo, aumenta o teor de

no caso dos incêndios. Como os incên-


dios são eventos em que são consumi-
A poluição do ar provocada por queima de
combustível é mais grave nas grandes cidades.
qualidade do ar. O tema poluição do ar é
trabalhado, no final do módulo 14, por
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

PARTÍCULAS
Comburente

por exemplo

Oxigênio

Adaptado de: Tempo e clima. São Paulo: Time Life/Abril, 1995.

POLUIÇÃO
gás carbônico
meio de atividades que valorizam o contato
com textos jornalísticos e estimulam o uso
FOTO: HELY DEMUTTI/ARQUIVO DA EDITORA.

pode ser causada, por exemplo, por


Álcool

Ápis Ciências 5ano_Merc


Ápis Ciências 5ano_Merc

TEMPESTADE DE AREIA QUEIMA


por exemplo
Combustível

ocorre em
promovem o aumento da As queimadas
acarretam sérios de esquemas, como ferramentas que
Papel

prejuízos ao meio

favorecem a leitura.
incêndios indústrias veículos poluição ambiente.

189 190

APIS_Ciencais_5ano_182a193_U4_M14.indd 189 5/16/11 12:21 PM APIS_Ciencais_5ano_182a193_U4_M14.indd 190 5/16/11 12:21 PM

6 Esta é a página de um jornal impresso no final do século XXI.


Ao final, propomos uma abordagem científico e tecnológico de maneira 4 Ajude a terminar de escrever a reportagem explicitando aspectos da situação

otimista para esse complexo tema: ponderada: ao mesmo tempo em


15
presente e como você a idealiza para o futuro.

a partir do conhecimento de quais que esse conhecimento nos levou a


Ao final deste
módulo
convidamos o
aluno a “assumir”

são as fontes de energia criar o mundo de hoje, nos levará


sua posição

“Nós” de
Ciências no 5º- ano
sobre como
imagina que será SÉRIE DE REPORTAGENS COMEMORATIVAS DO
a situação no
futuro: FINAL DO SÉCULO XXI
preponderantemente usadas hoje a criar o mundo que teremos no
continuaremos
queimando
combustíveis
fósseis e Hoje: A evolução da poluição do ar [1]

em dia, convidamos os alunos a futuro. Ou seja, a Ciência, em si, não é


poluindo o ar
como hoje, ou Hoje em dia muitos se
não? Isso é feito
no item b da preocupam com a questão da

refletirem e sugerirem cenários nem boa nem má. Já os frutos do


atividade 3 e na
atividade 4. Essa
é uma estratégia
qualidade do ar. Mas o fato é que
que pode
na maior parte do tempo os níveis

possíveis para o futuro. Neste conhecimento científico e


contribuir para os
alunos
começarem a se de poluição são muito baixos.
conscientizar que
têm um papel O ar de hoje é muito mais “limpo”
momento se desperta o assunto de tecnológico podem ter aspectos
importante como
cidadãos, pois do que na primeira década dos anos 2000.
parte do futuro
será feito pela
Naquela época, sobretudo nos grandes centros urbanos, o ar
novas tecnologias, associadas ao uso positivos e negativos. Somos nós que
geração à qual
pertencem.
Assumimos que
era poluído .
projetar cenários
Isso acontecia, entre outros fatores, porque se utilizava muito
de fontes de energia renováveis. O decidiremos como usaremos o
otimistas para o
futuro pode
contribuir para os combustíveis fósseis como fonte de energia. A queima desses combustíveis contribuía para que a qualidade do ar piorasse.
que aquilo que
.
encerramento do módulo 15 é o conhecimento científico. Somos nós
idealizamos
possa, de fato,
ser construído
pelas gerações
Ao longo deste século o ar melhorou muito, sobretudo porque
futuras.

momento de se estimular discussões que faremos o mundo do futuro.


Espera-se que aqui o aluno indique o cenário que imagina para o futuro. De acordo com as informações apresentadas ele pode
LIVRO PARA ANÁLISE DO PROFESSOR. VENDA PROIBIDA.

indicar que, pelo que as atuais tendências sinalizam, no futuro tenderemos a utilizar fontes de energia menos poluidoras.

sobre como é o mundo que temos Esperançosamente, um mundo no Esse é o “admirável mundo novo” que construímos neste século XXI!
.

hoje e como será o mundo ideal, que qual a Ciência se concilie com o Um mundo repleto de boas notícias...
Ápis Ciências 5ano_Merc

queremos para o futuro. É quando desenvolvimento do bem-estar


podemos valorizar o conhecimento individual e social.
202

APIS_Ciencais_5ano_194a208_U4_M15.indd 202 5/16/11 12:23 PM

337
MP. História

Trabalhando com
História no 5º- ano
Esta parte aborda temas e atividades relativos ao conteúdo desenvolvido no
5º- ano. Ela é um importante auxiliar na realização do trabalho do professor junto
aos alunos e na consecução dos objetivos propostos pelos PCN. Os objetivos mais
específicos para este 5º- ano, e os quais definem os conteúdos desenvolvidos, são en-
contrados nas aberturas das unidades e dos capítulos de cada volume.

Unidade 1 — O mundo fica maior

Página 17 Estimule a curiosidade da classe. Trabalho conjunto com Ciências


1 do livro e Geografia. Compare as Grandes Navegações dos séculos XV e
XVI com as modernas viagens espaciais, levando os alunos a en-
tender que tudo é fruto de uma época e da tecnologia que os povos alcançaram.
Leia para a classe o texto a seguir e depois abra uma roda de conversa.

A China vai à Lua


Foi dada mais uma largada na lunar e quebrar a exclusividade terrestre. Essa será a primeira
corrida pela ampliação da con- dos Estados Unidos, que ousa- parte da missão. A segunda etapa,
quista espacial. De olho na Lua, a ram fazer isso nos anos 1960. Na- prevista para 2020, tratará de
China lançou em outubro de 2007 quela época, conquistar o espaço enviar ao solo lunar um jipe não
a sonda Change, e fez isso no mes- era uma extensão da guerra fria tripulado, com seis rodas e pou-
mo dia em que os americanos que acontecia cá embaixo entre co mais de um metro de altura,
mandaram o seu Discovery para soviéticos e americanos. O que para que sejam recolhidas e ana-
outra missão na Estação Espacial está em jogo agora é a hegemo- lisadas as partículas que com-
Internacional. Recentemente, o nia tecnológica: os asiáticos não põem o satélite da Terra. Isso
Japão se fez notar lançando o sa- pretendem somente fincar uma dará subsídios para o objetivo fi-
télite Kaguya. E a Índia, por sua bandeira em solo lunar. Querem nal dos chineses: missões tripu-
vez, também já afirmou que tem competir diretamente com os ladas e a conquista definitiva da
alta tecnologia e, mais que isso, americanos e conquistar de vez o Lua. Detalhe importante: tudo
está com “tudo pronto” para in- satélite da Terra. isso se desenrolará numa acirra-
gressar nessa disputa. Há olhos Para vasculhar cada “poei- da disputa tecnológica com os
asiáticos, por enquanto, apenas ra” do solo lunar, engenheiros japoneses e seu programa espa-
cercando a Lua. chineses turbinaram a sonda cial Selene, considerado o mais
A finalidade de todas essas com câmeras em 3D e espectô- ambicioso desde a missão ameri-
missões, porém, vai além da sim- metros de raios X, capazes de cana Apollo.
ples pesquisa a distância — Chi- ampliar e mandar diariamente
na e Japão querem pousar no solo dezenas de imagens para a base

SGARBI, Luciana. IstoÉ. São Paulo: Três, 31 out. 2007.

248
Desde 1988 existe um programa espacial conjunto da China e do Brasil. É a
principal iniciativa de cooperação científica entre os dois países.

Satélite lançado
em setembro de
2007 pelos
governos
brasileiro e chinês
transmite
imagens
atualizadas
mensalmente.

Esse projeto tem três satélites de sensoriamento remoto (CBERS — China-Bra-


zil Earth Resources Satellite ou Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres) e
três satélites de coleta de dados (SCD).
Uma das utilizações desses satélites é monitorar o desmatamento da Amazônia
e a agricultura.
Pergunte aos alunos:
1. Como vocês imaginam a vida do ser humano em outro planeta?
2. Na opinião de vocês, por que é importante explorar o espaço?
3. Os cientistas já descobriram tudo o que era possível com as explorações espaciais?
Considere com a classe que os cientistas sempre pesquisarão o espaço. Hoje,
um tema de pesquisa constante é a existência de vida fora da Terra. Além de
Marte, pesquisas estão sendo feitas na maior das luas de Júpiter: Europa.
Esta é uma boa oportunidade para pedir uma pesquisa sobre o Sistema Solar, em
que poderão ser desenvolvidos trabalhos em conjunto com Ciências, Geografia e Arte.
foto: agence France-presse/arquivo da editora.

Página 21 Converse com os alunos sobre o valor das especiarias no passado e


2 do livro no presente. O que foi considerado especiaria (produto raro) antiga-
mente, como a canela, por exemplo, hoje é um produto comum nas
prateleiras dos supermercados. Para uma roda de conversa, proponha a seguinte
questão: O que é considerado especiaria, ou produto raro, em nossa comunidade hoje?

249
MP. História
Para sua referência, leia o texto a seguir:

A atração pelo ouro e pelas especiarias


Quais os bens mais buscados em pequenas quantidades. Houve sal, pela defumação ou simples-
no curso da expansão portuguesa? produtos, como o açúcar, que fo- mente pelo sol. Esses processos,
A dupla formada pelo ouro e ram especiarias mas, com a intro- usados também para conservar o
pelas especiarias. É fácil perceber dução de seu consumo em massa, peixe, deixavam os alimentos in-
o interesse pelo ouro, utilizado deixaram de ser. São condimen- tragáveis, e a pimenta servia para
como moeda confiável e emprega- tos, entre outros, a noz-moscada, disfarçar o que tinham de desa-
do pelos aristocratas asiáticos na o gengibre, a canela, o cravo e, gradável. Os condimentos repre-
decoração de templos e palácios e naqueles tempos, sobretudo a pi- sentavam também um gosto ali-
na confecção de roupas. Mas por menta, a ponto de se usar a ex- mentar da época, como o café,
que as especiarias? Primeiro é pressão “caro como pimenta”. que bem mais tarde passou a ser
preciso esclarecer o sentido da pa- O alto valor das especiarias se consumido em grande escala em
lavra. Ela provém do latim specia, explica pelos limites das técnicas todo o mundo. [...]
termo usado pelos médicos para de conservação existentes na épo- Ouro e especiarias foram as-
designar “substância”. O termo ca e também por hábitos alimen- sim bens sempre muito procura-
ganhou depois o sentido de subs- tares. A Europa ocidental da Ida- dos nos séculos XV e XVI, mas ha-
tância muito ativa, muito cara, de Média foi “uma civilização via outros, como o peixe, a
utilizada para vários fins, como carnívora”. Grandes quantidades madeira, os corantes, as drogas
condimento — isto é, tempero de de gado eram abatidas [...], quan- medicinais e, pouco a pouco, um
comida —, remédio ou perfuma- do as forragens acabavam no instrumento dotado de voz — os
ria. Especiaria se associa também campo. A carne era armazenada e escravos africanos.
à ideia de produto raro, utilizado precariamente conservada pelo

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2006.

Página 23 Para ilustrar a precariedade das primeiras viagens marítimas, leia


3 do livro para a classe o diário de bordo de Cristóvão Colombo. O trecho a
seguir relata a viagem de volta da América — que Colombo acre-
ditava serem as Índias, como veremos mais adiante — para a Espanha.

De volta à Espanha
25 de janeiro. Fez sol o dia via alternativa. Determinei que ba, pois ficariam órfãos.
todo. Os marinheiros mataram fizéssemos promessas gerais e co- 15 de fevereiro. Quando o dia
uma toninha e um enorme tuba- muns. Depois cada um fez outra amanheceu, avistamos terra. Fica-
rão. Foi mesmo preciso. As úni- em particular. A seguir, eu e toda mos dando voltas para conseguir
cas coisas que ainda tinham para a tripulação prometemos que, ao nos aproximar. Fazia vento forte e
se alimentar eram pão, vinho e chegar à primeira terra, iríamos as ondas eram altas. À noite, al-
alho das Índias. todos em procissão rezar numa guns avistaram luz. Descansei um
12 de fevereiro. O mar come- igreja dedicada a Nossa Senhora. pouco. Há quatro dias não podia
çou a se agitar muito e a se for- Ninguém contava escapar com dormir. Tinha ficado com as per-
mar um temporal. Tive grande vida. Nós nos considerávamos to- nas dormentes por estar sempre
trabalho com o vento. Relampe- dos perdidos, por causa da terrí- desabrigado, com frio, sem água e
jou muito. vel tempestade que enfrentáva- mal alimentado. Por causa da
14 de fevereiro. O mar e o mos. A fraqueza e a angústia não grande cerração reinante, só fica-
vento ficaram mais fortes. Vendo me deixavam acalmar a alma. mos sabendo no dia seguinte que
o perigo, comecei a navegar para Sentia muita pena dos meus dois estávamos no arquipélago dos
onde o vento me levasse. Não ha- filhos que estudavam em Córdo- Açores, na costa de Portugal.

Adaptado de PEREIRA, André. Diário de bordo de Cristóvão Colombo.


São Paulo: Moderna, 2002.

250
Convide os alunos a fazer uma dramatização da vida a bordo das caravelas. Tra-
balho conjunto com Arte.
Divida a classe em grupos para que cada um escolha os personagens — coman-
dante, marinheiros, passageiros, etc. — e desenvolva o diálogo e a encenação. Para
tanto, retome com os alunos o texto da página 21 do livro e este que você acabou de ler.
Se possível, promova uma pesquisa iconográfica para que os alunos conheçam as
roupas da época e possam improvisar trajes e objetos para caracterizar os personagens.

Página 37 Reforce para os alunos que o Brasil tinha sociedades complexas


4 do livro muito antes da chegada dos europeus. Para adquirir subsídios,
leia os textos a seguir:

Texto 1
A luz que o homem branco apagou
Recentes descobertas arqueoló- mesmo antes disso. ros de paliçadas, interligadas por
gicas em pelo menos dois pontos dis- As evidências mais espetacula- uma extensa e larga malha de es-
tintos da Amazônia brasileira suge- res de ocupações dessa magnitude tradas de terra batida. Estima-se
rem que astecas, maias e incas não — um feito só possível com a ado- que entre 2 500 e 5 000 pessoas mo-
eram os únicos a ter o monopólio das ção de um estilo de vida sedentário ravam nas maiores aldeias.
sociedades complexas na época do e de práticas que alteravam a flores- O capricho e a precisão com que
desembarque do navegador Cristó- ta nativa e possibilitavam a adoção as vias foram concebidas e executa-
vão Colombo. Nos últimos anos, in- de uma agricultura razoavelmente das impressionam. Elas eram ex-
tensos trabalhos de campo conduzi- produtiva — saíram de sítios pré- tremamente retilíneas, com largu-

Trabalhando com
História no 5º- ano
dos por pesquisadores nacionais -históricos situados nas terras hoje ras entre 10 e 50 metros e extensão
e do exterior no Alto Xingu, no nor- habitadas pelo povo Kuikuro, den- de 3 a 5 quilômetros. Indícios de
te do Mato Grosso, e na confluência tro da reserva indígena do Xingu. praças, pontes, represas e canais e
dos rios Negro e Solimões, a cerca de A estrutura do tipo de socieda- do cultivo de mandioca e outras
30 quilômetros de Manaus, no Ama- de que havia nesse ponto da Ama- plantas também foram encontra-
zonas, indicam a existência de gran- zônia entre 1200 e 1600 d.C. apre- dos no sítio arqueológico, que
des e refinados assentamentos hu- sentava um conjunto de dezenove compreende uma área de 400 qui-
manos, habitados simultaneamente aldeias de formato circular, as lômetros quadrados, equivalente a
por alguns milhares de pessoas, nes- maiores protegidas por fossas de um terço do território da capital
sas áreas, 500 anos atrás — ou até até 5 metros de profundidade e mu- fluminense.

Extraído e adaptado da Revista Fapesp, n. 92. Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br>. Acesso em: dez. 2007.

Texto 2
A cerâmica: uma história antiga
Os antigos habitantes da região de o século XVI, os arqueólogos só Alguns arqueólogos acreditam
Amazônica chegaram há pelo me- descobriram a Amazônia no século que, ali, no meio da floresta Amazô-
nos 10 mil anos, possibilitando o XIX. E as surpresas foram muitas. nica, a cerâmica tenha sido inventa-
surgimento das primeiras aldeias. Nas zonas ribeirinhas existiam da ao mesmo tempo que em outras
Embora os portugueses e espanhóis colinas artificiais, formadas pelo partes da Terra e é das mais antigas
já tivessem explorado a região des- longo tempo de ocupação. do mundo.

FUNARI, Pedro Paulo. Os antigos habitantes do Brasil. São Paulo: Ed. da Unesp, 2000.

251
MP. História

Vaso de Santarém. O corpo da


peça — muito rica em detalhes e
criatividade — é sustentado por
figuras humanas e de animais.
As peças de Santarém
representam com fidelidade o
universo do povo que viveu nessa
região, mostrando cenas do
cotidiano ou animais com os quais
conviviam.

Aproveite também para comentar com os alunos que recentemente o guarani foi
oficializado como segunda língua em um município do Mato Grosso do Sul. Para
sua referência, leia a reportagem a seguir:

Culturas Indígenas — Guarani é oficializado como segunda língua


em município do Mato Grosso do Sul
O guarani é a segunda língua de e as campanhas de prevenção de Além do português, São Ga-
oficial do município de Tacuru, no doenças nesse município devem, a briel tem três línguas indígenas ofi-
Mato Grosso do Sul. partir de agora, prestar informa- ciais: o nheengatu, o tukano e o ba-
O município é o segundo do país ções em guarani e em português. niwa. [...]
a adotar um idioma indígena como O primeiro município do Brasil
ASAS PARA VOAR Com a nova lei,– a5º
– História Prefeitura
ano de
língua oficial, depois da sanção [no a adotar idioma indígena como lín- Tacuru se compromete a apoiar e a
dia 24 de maio de 2010] do projeto gua oficial, além do português, foi PNLD 2013o ensino da língua gua-
incentivar
de lei [...]. Com a nova lei, os servi- São Gabriel da Cachoeira, localiza- rani nas escolas e nos meios de co-
ços públicos básicos na área de saú- do no extremo norte do Amazonas. municação do município. [...]

ESPÍNDOLA, Heli. Culturas Indígenas. Portal da Cultura. Brasília: MinC, 14 jun. 2010. Disponível em:
<www.cultura.gov.br/site/2010/06/14/culturas-indigenas-14>. Acesso em: dez. 2010.

Página 39 Na página 35 do livro os alu- TERRAS INDÍGENAS


55º O ATUAIS
5 do livro nos leram um texto sobre os RAPOSA/SERRA
DO SOL

TUMUCUMAQUE
YANOMAMI
WAIÃPI

grupos indígenas que existiam ALTO DO


EQUADOR
RIO NEGRO
UNEIUXI WAIMÍRI- ALTO
ATROARI TURIAÇU
ANDIRÁ
MARAU

na época da conquista. VALE DO


JAVARI
RIO-BIÁ

KANAMARI
COATÁ
LARANJAL
BAÚ
ARARA
ARAWETÉ ARARIBOIA

IPIXUNA MUNDURUKU
CAITITU KAYAPÓ

Veja a situação atual no mapa ao lado.


KRAOLÂNDIA
KULINA
XERENTE
MAMOABATE ARIPUANÃ
CAPOTO
URUEU-WAU-WAU JARINA ARAGUAIA
XINGU

Se 5 milhões de indígenas viviam no Brasil NAMBIQUARA

na época da conquista e hoje eles são cerca de


OCEANO OCEANO
PACÍFICO KADIWÉU ATLÂNTICO
350 mil, conforme dados da Funai, de que ma- CAPRICÓ
RNIO
ICO DE
TRÓP

neira vão sobreviver como indígenas em um país ESCALA


0 650
LEGENDA
onde a população é de cerca de 186 milhões de Terras indígenas
Quilômetros

habitantes? Quais foram os resultados do conta-


Mapa elaborado pelas autoras em 2010 com base em
to entre colonizadores portugueses e indígenas? dados do Instituto Socioambiental, 2009.

252
As palavras desta canção explicam de outra maneira o contato entre o indígena
e o europeu.

Chegança
Sou Pataxó, Mas de repente
sou Xavante e Cariri, me acordei com a surpresa:
Ianomami, sou Tupi uma esquadra portuguesa
Guarani, sou Carajá. veio na praia atracar.
Sou Pancararu, De grande-nau,
Carijó, Tupinajé, um branco de barba escura,
Potiguar, sou Caeté, vestindo uma armadura
Ful-ni-ô, Tupinambá. me apontou pra me pegar.

Depois que os mares E assustado


dividiram os continentes, dei um pulo lá da rede,
quis ver terras diferentes. pressenti a fome, a sede,
Eu pensei: “vou procurar eu pensei: “vão me acabar”.
um mundo novo, Me levantei
lá depois do horizonte, de borduna já na mão.
levo a rede balançante Ai, senti no coração,
pra no sol me espreguiçar”. o Brasil vai começar.
[...]

Nóbrega, Antonio. Chegança. Letra disponível em: <http://antonio-nobrega.musicas.


mus.br/letras/68957/>. Acesso em: jan. 2011.

• Proponha aos alunos uma questão para discussão: Como seria a situação in-
versa, isto é, se os não indígenas tivessem de se preocupar com a preservação

Trabalhando com
História no 5º- ano
da sua cultura e precisassem se adaptar ao estilo de vida indígena?

Unidade 2 — O trabalho constrói o Brasil

Página 49 Explore a questão do trabalho indígena e de como esses grupos se


fotos: MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI, BELÉM, PARÁ/Foto: rômulo fialdini.

6 do livro organizam economicamente, lendo para os alunos os textos a seguir:

Texto 1
Economia
Nas sociedades indígenas o e prepara o terreno para que seja fas que a comunidade se mantém
trabalho é bem dividido. plantada a roça. As mulheres abastecida de alimentos o tem-
Todos sabemos o que é tare- preparam o alimento, produzem po todo.
fa para os homens e o que é tarefa farinha, plantam e colhem, con- Nas comunidades indígenas
para as mulheres. Normalmente feccionam redes e outros objetos. não existe acúmulo de riquezas
o homem abastece a família com Elas também tomam conta das ou propriedade individual. Tudo
carne de caça e pesca, defende a crianças pequenas e cuidam da o que está na natureza pertence a
aldeia de qualquer tipo de perigo casa. É com essa divisão de tare- todos, a cada família cabe a pro-

253
MP. História
dução do que necessita para viver. tos que eles chamam de moitará por necessidade de alimentos,
É claro que as pessoas fazem e que consiste na troca de produ- provocada pela seca ou por não
um comércio entre elas. Quem tos feitos pelos grupos durante o existirem mais animais para a
deseja possuir algo de outra fa- ano todo. caça e vegetais que sempre fize-
mília propõe uma troca com um Infelizmente a realidade que ram parte da dieta daquele povo.
objeto que tenha e de que aquela os povos indígenas vivem nos Com o tempo, o território in-
família necessite. Entre os de- dias de hoje é um pouco diferente dígena foi diminuindo e as socie-
zessete povos que hoje habitam da do passado, quando, de fato, dades tiveram que se adaptar a
o Parque Nacional do Xingu, não havia fome ou pobreza. Hoje um espaço menor e, por vezes,
há um comércio anual de produ- há casos de povos que passam muito mais pobre.

MUNDURUKU, Daniel. Coisas de índio; versão infantil. São Paulo: Callis, 2008.

Texto 2
O ritual das trocas no Xingu
No Alto Xingu, cada povo é Mas o procedimento é o mesmo: Homens e mulheres participam
reconhecido por ser especialista um grupo leva os objetos que juntos. A aldeia visitante parte
na produção de algo. Por exem- quer trocar até a outra casa. Os em expedição, conduzida por seu
plo, os arcos de madeira dura e produtos passam pela mão chefe, para uma outra aldeia,
preta são feitos pelos Kamaiurá, dos interessados até que um de- carregando os objetos que deseja
enquanto as grandes panelas de les coloca no chão aquilo que de- trocar. Os objetos são de proprie-
cerâmica são uma especialidade seja dar em troca. Se a troca for dade individual, mas as trocas
dos Wauja. aceita, o visitante recolhe do são intermediadas pelos chefes
A troca desses e de outros chão o que foi ofertado. das aldeias. Os produtos trocados
produtos ocorre durante um Os visitantes são recebidos são: cerâmica, enfeites, armas, ca-
evento chamado moitará, reali- com castanha de pequi e mingau noas, flautas, redes, cestas, sal,
zado entre casas de uma mesma de mandioca. Depois das trocas, alimentos e animais, além de bens
aldeia ou entre aldeias diferen- eles se retiram e aguardam a re- dos brancos. Antes das trocas, os
tes. No primeiro caso, homens e tribuição da visita. homens lutam huka-huka, tradi-
mulheres (os visitantes) fazem a O moitará entre aldeias cos- cional luta corporal dos povos da
visita em momentos diferentes. tuma ocorrer na estação seca. região.

Economias indígenas: vida compartilhada. Semana dos Povos Indígenas. Cuiabá: Cimi, 2007. Disponível em: <http://ccr6.pgr.mpf.gov.
br/institucional/eventos/docs_eventos/semana_dos_povos_indigenas.pdf>. Acesso em: abr. 2008.

Após a leitura dos textos, faça es-


Moitará
tas atividades com os alunos: — Troca de
produtos
1. Compare o tipo de comércio que entre os
povos
temos nas cidades com o moita- indígenas do
Alto Xingu,
rá, focando nas principais seme- no estado do
Mato Grosso,
lhanças e diferenças. 2007.

2. Observe se existem experiên-


cias de vida compartilhada no seu dia a dia. Se existem, como elas são? Se não
existem, por que você acha que isso acontece?

Página 51 Para sua referência, leia o texto a seguir.


7 do livro

254
A escravidão — índios e negros
[...] A escravização do índio va era assim bem superior à do culo XIX, os escravos africanos
chocou-se com uma série de in- indígena. O historiador ameri- ou afro-brasileiros não tiveram
convenientes, tendo em vista os cano Stuart Schwartz calcula condições de desorganizar o tra-
fins da colonização. Os índios ti- que, durante a primeira metade balho compulsório. Bem ou mal,
nham uma cultura incompatível do século XVII, nos anos de apo- viram-se obrigados a se adaptar
com o trabalho intensivo e regu- geu da economia do açúcar, o a ele. Dentre os vários fatores
lar e mais ainda compulsório, custo de aquisição de um escra- que limitaram as possibilidades
como pretendido pelos euro- vo negro era amortizado entre de rebeldia coletiva, lembre-
peus. Não eram vadios ou pre- treze e dezesseis meses de tra- mos que, ao contrário dos ídios,
guiçosos. Apenas faziam o ne- balho. os negros eram desenraiza-
cessário para garantir sua [...] dos de seu meio, separados arbi-
subsistência, o que não era difí- Seria errôneo pensar que, trariamente, lançados em levas
cil em uma época de peixes enquanto os índios se opuseram sucessivas em território estranho.
abundantes, frutas e animais. à escravidão, os negros a aceita- Por outro lado, nem a Igreja
Muito de sua energia e imagina- ram passivamente. Fugas indivi- nem a Coroa se opuseram à es-
ção era empregada nos rituais, duais ou em massa, agressões cravização do negro. Ordens re-
nas celebrações e nas guerras. contra senhores, resistência co- ligiosas como a dos beneditinos
As noções de trabalho contínuo tidiana fizeram parte das rela- estiveram mesmo entre os gran-
ou do que hoje chamaríamos de ções entre senhores e escravos, des proprietários de cativos. Vá-
produtividade eram totalmente desde os primeiros tempos. Os rios argumentos foram utiliza-
estranhas a eles. quilombos, ou seja, estabeleci- dos para justificar a escravidão
[...] mentos de negros que escapa- africana. Dizia-se que se trata-
Os colonizadores tinham co- vam à escravidão pela fuga e re- va de uma instituição já existen-
nhecimento das habilidades dos compunham no Brasil formas de te na África e assim apenas
negros, sobretudo por sua rentá- organização social semelhantes transportavam-se cativos para
vel utilização na atividade açu- às africanas, existiram às cente- o mundo cristão, onde seriam
careira das ilhas do Atlântico. nas no Brasil colonial. [...] civilizados e salvos pelo conhe-
Muitos escravos provinham de Admitidas as várias formas cimento da verdadeira religião.
culturas em que trabalhos com de resistência, não podemos dei- Além disso, o negro era conside-
ferro e a criação de gado eram xar de reconhecer que, pelo me- rado um ser racialmente infe-
usuais. Sua capacidade produti- nos até as últimas décadas do sé- rior. [...]

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2006.

Trabalhando com
História no 5º- ano
Página 61 Para ampliar os estudos sobre a vida e a obra de Aleijadinho, apre-
8 do livro sente aos alunos a biografia do artista e, se possível, apresente tam-
bém o vídeo sobre ele, ambos disponíveis no site A cor da cultura:
<www.acordacultura.org.br/herois/episodio/aleijadinho>. Acesso em: ago. 2011.

Página 62 Explore o tema tropeiros com a classe, apresentando o texto


9 do livro a seguir:

Toda a comercialização do ro, Espírito Santo e outras capita- nadas, além de terem também
muar encontrado no Sul (tropas nias onde os animais eram utili- campos criatórios e, aos paulis-
xucras1) era destinada para o Bra- zados como meio de transporte. tas, a comercialização nas feiras
sil central, ou seja, para a região Cabia aos gaúchos a criação realizadas em Sorocaba, pois era
foto: Rosana Gasparini/ISA.

de Minas Gerais, Mato Grosso, dos animais, aos paranaenses o a partir delas que esses animais
além de São Paulo, Rio de Janei- aluguel de campos para as inver- eram distribuídos para todas as

1
Tropa xucra era formada por burros não preparados ou treinados para o transporte de mercadorias.

255
MP. História
regiões articuladas na economia no modo de vida do tropeiro. mas que enfrentavam durante
mercantil colonial. As roupas utilizadas pelos toda a viagem, a distância e a di-
Apenas o homem já adaptado tropeiros, pelo menos as dos do- ficuldade de transportar alimen-
poderia vencer as dificuldades nos das tropas, eram feitas de tos, o cardá