Você está na página 1de 56

PPRA

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE
RISCOS AMBIENTAIS
- NR 09 -

Elaborado com Base nas NR-09 e NR-17 da Portaria 3.214/78 do MTE

B2B – ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS


GERAIS - LTDA

Elaboração – AGOSTO/2016

CLÍNICA DE MEDICINA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO


SRTVS QD 701 LOJA 54 TÉRREO ED. ASSIS CHATEAUBRIAD
TEL (61) 3963 3885/ e-mail: sanomedicina@sanomedicina.com.br

1
INTRODUÇÃO

Face às diversas considerações, mas principalmente da necessidade de melhor


orientar a adoção de medidas de proteção aos trabalhadores contra os riscos ambientais, o
MINISTÉRIO DO TRABALHO, como era chamado à época, resolveu normatizar conceitos,
etapas e procedimentos a serem utilizados em um Programa de Higiene do Trabalho, a qual
denominou Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA.
Esta inovação foi introduzida com a reformulação da Norma Regulamentadora-
NR -09, com redação dada pela Portaria n.º 25, de 29-12-94 (Lei no 6514, de 22 de
dezembro de 1994) e publicada no Diário Oficial em 30-12-94 e republicada em 15-02-95,
que estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observadas na execução
do PPRA, bem como a obrigatoriedade de sua elaboração e implementação por parte de
todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados.
Com o advento deste Programa, houve uma mudança de foco na segurança e
saúde do trabalho, antes centrada nos riscos operacionais e atuação do trabalhador, e
agora, portanto, passando a ser o elo condutor das diversas iniciativas da empresa no
campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores.
Por este prisma, o PPRA deve estar articulado com o disposto nas demais NR, em
especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO previsto na
NR 07.
Salientamos que este programa constitui-se num roteiro passível de ser alterado,
diante de prováveis mudanças no processo produtivo, nas atividades, layout e nos riscos.
É de suma importância a sua participação junto aos trabalhos, que certamente
culminará em resultados plenamente satisfatórios.

CLÍNICA DE MEDICINA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO


SRTVS QD 701 LOJA 54 TÉRREO ED. ASSIS CHATEAUBRIAD
TEL (61) 3963 3885/ e-mail: sanomedicina@sanomedicina.com.br

2
EMPRESA
Nome Empresarial: B2B – ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS GERAIS LTDA
CNPJ: 02.666.633/0001-69
Código da Atividade Econômica Principal: (CNAE): 81.21-4-00
Descrição da Atividade Econômica Principal: Limpeza em prédios e em domicílios
Grupo de Risco: 03
Grupo: C-30
Descrição da Atividade Econômica secundária: Não informada

CÓDIGO E DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS SECUNDÁRIAS:

Não informada

Número de Empregados: 376


Endereço: Q SRIA – COM QE CL NUMERO 02 LOTE 09 SALA 201/ GUARA II
Cidade: BRASÍLIA
Estado: DF
CEP: 71.070-380
Telefone: (61) 3301-1786

E-mail: gilbtorres@hotmail.com

VALIDADE DO PPRA (12 MESES)

Inicio: Agosto de 2016


Atualização: Julho de 2017

CLÍNICA DE MEDICINA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO


SRTVS QD 701 LOJA 54 TÉRREO ED. ASSIS CHATEAUBRIAD
TEL (61) 3963 3885/ e-mail: sanomedicina@sanomedicina.com.br

3
QUADRO DE FUNÇÕES
AS INFORMAÇÕES SOBRE O QUADRO DE FUNÇÕES DOS FUNCIONÁRIOS E DE
INTEIRA RESPONSABILIDADE DA EMPRESA

Nº FUNÇÃO Nº DE
COLABORADORES
1 Encarregado 08
2 Encarregado geral 01
3 Zelador 34
4 Porteiro 169
5 Agente de portaria 07
6 Auxiliar de limpeza 121
7 Auxiliar de encarregado 05
8 Encarregado de limpeza 01
9 Supervisor de condomínio 01
10 Garagista 01
11 Gerente Administrativo 02
12 Diretor administrativo 02
13 Auxiliar administrativo 08
14 Encarregado de departamento pessoal 01
15 Secretaria executiva 01
16 Representante comercial 01
17 Encarregado de almoxarifado 01
18 Pintor 01
19 Pedreiro 09
20 Eletricista 02

TOTAL DE EMPREGADOS 376

OBSERVAÇÃO:

A empresa, B2B – ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS GERAIS LTDA, deve


implementar o DIMENSIONAMENTO DO SESMT e DIMENSIONAMENTO DA CIPA,
devido ao quantitativo de funcionários e grau de risco 03, cumprindo a Norma
Regulamentadora, NR-4 e NR-5, SESMT/ NR-4 (quadro II) e CIPA/ NR-5, (quadro I).

4
ATIVIDADE DA EMPRESA

A empresa está localizada no seguinte endereço Q SRIA-COM QE 38 CL


NUMERO 02 LOTE 09 SALA 201 - Brasília - DF, onde desenvolve sua atividade principal
de Atividades de LIMPEZA EM PRÉDIOS E EM DOMICÍLIOS (81.21-4-00). A empresa
presta ainda serviços de gerenciamento, engenharia e manutenção predial, consultoria em
administração condominial, higienização e limpeza, contabilidade, vigilância patrimonial
entre outros.
A empresa possui três pavimentos, apresentando piso em granito, teto coberto com
forro de gesso, paredes e, alvenaria, ventilação e iluminação natural e artificial, realizado por
meio de portas, janelas, ar condicionado central e lâmpadas fluorescentes.
Para proteção contra incêndio a empresa dispõe de extintores carregados e
identificados, instalados em pontos estratégicos e luminária de emergência de acordo com
as normas vigentes.
A empresa conta com profissionais da área administrativa e profissionais do setor de
serviços, devidamente qualificados que trabalham uniformizados e fazem uso de EPI
(Equipamentos de Proteção Individual) de acordo com as atividades.

5
PLANEJAMENTO ANUAL DO PROGRAMA
AGOSTO DE 2016 a JULHO DE 2017

OBJETIVO DO PPRA

Preservar a saúde e a integridade dos trabalhadores através da antecipação,


reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais
existentes ou que venham existir nos locais de trabalho, tendo em consideração a proteção
do meio ambiente e dos recursos naturais, conforme estabelece a NR-9 da Portaria nº
3214/78.
As ações deste programa são desenvolvidas no âmbito de cada estabelecimento da
empresa, sob a responsabilidade do empregador, com a participação dos trabalhadores,
sendo sua abrangência e profundidade dependentes das características dos riscos e das
necessidades de controle.
A intenção na elaboração deste programa é de gerar condições cada vez mais
favoráveis ao desenvolvimento das atividades profissionais, em todos os níveis hierárquicos,
dentro do sistema produtivo da empresa.

INTEGRAÇÃO COM O PCMSO

Este programa é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no
campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores. Sugiro, pois, que o
Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) da empresa B2B –
ADMINISTRATIVO E SERVIÇOS GERAIS LTDA, seja articulado com este PPRA, de forma
que conscientize as práticas de higiene ocupacional, e inclua em seus exames médicos
clínicos e complementares mecanismos que possam detectar, preferencialmente no exame
médico admissional ou periódico, o aparecimento ou agravamento dos Distúrbios
Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), Perdas Auditivas Induzidas por Ruído
Ocupacional (PAIRO), além de outros critérios estabelecidos pelo médico coordenador.

Fica o representante legal da CIPA quando houver ou um funcionário treinado


em prevenção de acidentes do trabalho como responsável em colaborar no
desenvolvimento e articulação entre este Programa e o Programa de Controle Médico
de Saúde Ocupacional. Porém, qualquer trabalhador terá o direito de apresentar sugestões
6
de aprimoramento ou avaliação deste Programa, tendo em vista que sua segurança é o
motivo da implantação do mesmo.

DA ESTRUTURA DO PPRA

O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá conter, no mínimo, a


seguinte estrutura:
a) Planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e
cronograma;
b) Estratégia e metodologia de ação;
c) Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados;
d) Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA.
Será efetuada, pelo menos uma vez ao ano (e sempre que necessário), uma análise
global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes
necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.
O documento-base e suas alterações e complementações deverão ser
apresentados e discutidos na CIPA, quando existente na empresa, de acordo com a NR 5,
sendo sua cópia anexada ao livro de atas desta Comissão.

O documento-base e suas alterações deverão estar disponíveis de modo a


proporcionar o imediato acesso às autoridades competentes.

O cronograma de ação deverá indicar claramente os prazos para o desenvolvimento


das etapas e cumprimento das metas do PPRA.

7
CRONOGRAMA DE AÇÕES – PLANEJAMENTO ANUAL

AÇÕES AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL
2016 2016 2016 2016 2016 2017 2017 2017 2017 2017 2017 2017
Atualização do X
PPRA.
Reconhecimento dos
riscos ambientais
X
Inspeção e
levantamento
descritivo dos X X
ambientes físicos de
cada setor

Avaliação quantitativa
dos riscos
X X
Atualização do
Programa de
Controle Médico de
Saúde Ocupacional – X
PCMSO com
inclusão dos riscos
ambientais
diagnosticados.

Monitorar os
empregados através
de exames
complementares por X X
ocasião do PCMSO.

Fornecer os EPI
apropriados de
acordo com o risco X
X X X X X X X X X X X
ao qual cada
trabalhador está
exposto.
Fornecer EPI de
acordo com a função,
registrando a X
X X X X X X X X X X X
entrega, e
fiscalizando de uso
de acordo com a NR
06
Compor o SESMT
Serviço
Especializado em
Segurança e
Medicina do Trabalho
X
conforme o quadro II
da NR 4/compor a
CIPA – NR-5
Promover cursos e
palestras sobre
Saúde, Segurança e
acidentes no X X X
Trabalho para os
funcionários,
informando os riscos
existentes e suas
conseqüências.
Ajuste anual do X
PPRA

8
DESENVOLVIMENTO DO PPRA

O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá incluir as seguintes etapas:


 Antecipação e reconhecimentos dos riscos;

 Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;

 Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;

 Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;

 Monitoramento da exposição aos riscos; Registro e divulgação dos dados.

9
ANTECIPAÇÃO E RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS

De acordo com o item 9.3.2 da NR-9, “a antecipação deverá envolver a análise de


projetos de novas instalações, métodos ou processos de trabalho, ou de modificação dos já
existentes, visando identificar os riscos potenciais e introduzir medidas de proteção para sua
redução ou eliminação.” Para fins deste programa consideram-se riscos ambientais os
agentes físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes existentes nos ambientes
de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de
exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. Os riscos ambientais
podem ser assim classificados:

AGENTES FÍSICOS: (referência: NR 15, anexos de I a X): todas as diversas formas de


energia a que possam estar expostos os trabalhadores. Por exemplo: ruído, vibrações,
pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes ou não ionizantes, infra ou
ultra-som.

AGENTES QUÍMICOS: (referência: NR 15, anexos XI, XII e XIII): Substâncias, compostos
ou produtos que, pela natureza da atividade produtiva, possam penetrar no organismo por
via respiratória pela inalação (poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores) ou serem
absorvidos através do contato na pele ou por ingestão (líquidos puros, semi-líquidos ou
soluções).

AGENTES BIOLÓGICOS: (referência: NR 15, anexo XIV): Microorganismos que, em


contato com o homem, causem dano a sua saúde através da penetração por via cutânea,
digestiva ou respiratória: vírus, bactérias, fungos, protozoários, parasitas, bacilos entre
outros.

10
AGENTES ERGONÔMICOS: (referência: NR 17): Agentes que podem provocar alterações
fisiológicas e psicológicas ao trabalhador. Tais danos podem vir em prejuízo de sua produtividade e,
principalmente, sua segurança: estresse físico e mental, esforço físico, posturas inadequadas,
produtividade, ritmos excessivos, jornadas de trabalho desgastantes, trabalho em turnos, monotonia
e repetitividade. Incluem ainda aspectos relacionados à organização do trabalho, ao mobiliário, aos
equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho, e ao levantamento, transporte e
descarga de materiais.

RISCOS DE ACIDENTES: (referência: NR 05, anexo IV): Envolvem, principalmente, os


aspectos construtivos das edificações e a utilização de máquinas e equipamentos; vão
desde a utilização improvisada, inadequada e defeituosa de máquinas e equipamentos até
questões de arranjo físico. Outras situações que podem contribuir para a ocorrência de
acidentes são as provenientes de aspectos comportamentais negativos, individuais e
coletivos, geradas pela direção, chefia ou do próprio trabalhador e ainda pela falta de
orientação, treinamento, aptidão e outros fatores relacionados à conduta do trabalhador.

11
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DOS RISCOS AMBIENTAIS EXISTENTES -
AVALIAÇÃO DE RISCOS

AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO


FUNÇÕES: AGENTE DE PORTARIA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Fiscalizam a guarda do patrimônio, entrada de pessoas estranhas e outras anormalidades; controlam fluxo
de pessoas, identificando, orientando e encaminhando-as para os lugares desejados
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS

NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO


QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Uso do uniforme - Organização do trabalho

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

12
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: PORTEIRO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Fiscalizam a guarda do patrimônio, entrada de pessoas estranhas e outras anormalidades; controla o fluxo
de pessoas, identificando, orientando e encaminhando-as para os lugares desejados.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE EXPOSIÇÃO
IDENTIFICADOS SAÚDE

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO

QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Uso do uniforme - Organização do Trabalho
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

13
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: ENCARREGADO GERAL/ ENCARREGADO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE:
Encarregado geral: Planejam rotinas de trabalho, administração de edifícios; treinam funcionários, coordenam equipes de trabalho.
Atendem clientes, avalia o desempenho de funcionários, a execução de serviços e relatórios de operação e de avaliação.
Encarregado: Planejam rotinas de trabalho, coordena equipes de trabalho, avalia o desempenho de funcionários, a execução de
serviços e relatórios de operação e de avaliação.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO
FÍSICOS

QUÍMICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Uso do uniforme - Organização do trabalho;
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

14
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: AUXILIAR DE LIMPEZA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Lavagem de piso, retirada de poeira de moveis..
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS TIPO DE
IDENTIFICADOS A SAÚDE EXPOSIÇÃO

Nível de Pressão Habitual


Sonora Maquinas e equipamentos Stress
utilizados na limpeza de piso, Irritabilidade Ar (ondas sonoras)
FÍSICOS paredes, entre outros Redução da audição

Umidade Doenças
respiratórias Habitual
Água utilizada no processo de Dermatites de
Ambiente de trabalho
trabalho contato

Radiação não
ionizante Desconforto térmico Habitual
Exposição aos raios solares Queimaduras nos
Ambiente de trabalho
olhos e na pele

Doenças
QUÍMICOS respiratórias
hipoclorito de sódio, kalipto,
Pneumoconioses Ar
Produtos contendo desinfetante UFE, Odorizador ultra
Desenvolvimento de Habitual
substancias químicas Fresh, Sabão em pó, Sabão de uso
doenças pulmonares Contato direto
industrial
Dermatites de
contato

15
VIRUS, FUNGOS, POSSÍVEL CONTATO COM OS DOSENVOLVIMENTO
Habitual
BIOLÓGICOS BACTERIAS, AGENTES NA MANUTENÇÃO E CONTATO DIRETO DE DOENÇAS
PARASITAS, HIGIENIZAÇÃO DAS INFECTOCONTAGIOSAS
PROTOZOÁRIOS INSTALAÇÕES SANITÁRIAS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Luva de borracha - Organização do trabalho;
- Bota de segurança cano longo (borracha) - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
- Avental
- Máscara
Empresa não informou o C.A dos EPIs.
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

16
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: AUXILIAR DE ENCARREGADO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Planejam rotinas de trabalho, coordena equipes de trabalho, avalia o desempenho de funcionários, a
execução de serviços e relatórios de operação e de avaliação.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Uso do uniforme - Organização do trabalho;
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

17
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: SUPERVISOR DE CONDÔMINIO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Planejam rotinas de trabalho, coordena equipes de trabalho, avalia o desempenho de funcionários, a
execução de serviços e relatórios de operação e de avaliação.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Uso do uniforme - Organização do trabalho;
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

18
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: DIRETOR ADMINISTRATIVO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Dirigem o fluxo financeiro da empresa; implementam o orçamento empresarial e administram recursos
humanos. Controlam patrimônio, suprimentos e logística e supervisionam serviços complementares. Coordenam serviços de
contabilidade e controladoria e elaboram planejamento da empresa.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
*************************** - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

19
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: AUXILIAR ADMINISTRATIVO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Executam serviços de apoio nas áreas de recursos humanos, administração, atendem fornecedores e
clientes fornecendo e recebendo informações sobre produtos e serviços; tratam de documentos variados, cumprindo todo o
procedimento necessário referente aos mesmos.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
******************************* - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

20
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: ENCARREGADO DE DEPARTAMENTO PESSOAL
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Executam serviços de apoio nas áreas de recursos humanos, administração, atendem fornecedores e
clientes, fornecendo e recebendo informações sobre produtos e serviços; tratam de documentos variados, cumprindo todo o
procedimento necessário referente aos mesmos.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
******************************** - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

21
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: SECRETARIA EXECUTIVA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Assistente de diretoria, auxiliar administrativo de diretoria.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
************************************* - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

22
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: REPRESENTANTE COMERCIAL
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Intermedeiam negócios mercantis para terceiros, utilizando mostruários, catálogos, panfletos e quaisquer
outros meios ou instrumentos que possam facilitar as negociações junto à clientela. Planejam vendas, divulgam e demonstram produtos
e serviços e finalizam vendas.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
***************************************** - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

23
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: ENCARREGADO DE LIMPEZA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Lavagem de piso, retirada de poeira de moveis.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

Nível de Pressão Habitual


Stress
Sonora Maquinas e equipamentos
Irritabilidade
utilizados na limpeza de piso, Ar (ondas sonoras)
FÍSICOS Redução da
paredes, entre outros
audição

Doenças
respiratórias
Umidade Água utilizada no processo de
Dermatites de Ambiente de trabalho Habitual
trabalho
contato

Desconforto
Radiação não Habitual
térmico
ionizante Exposição aos raios solares
Queimaduras nos Ambiente de trabalho
olhos e na pele

Doenças
respiratórias
Pneumoconioses
QUÍMICOS Desenvolvimento
hipoclorito de sódio, kalipto, de doenças
Ar
Produtos contendo desinfetante UFE, Odorizador ultra pulmonares
Habitual
substancias químicas Fresh, Sabão em pó, Sabão de uso Dermatites de
Contato direto
industrial contato

24
Vírus, fungos, Possível contato com os agentes Desenvolvimento de
Habitual
BIOLÓGICOS bactérias, parasitas, na manutenção e higienização das Contato direto doenças infectocontagiosas
protozoários instalações sanitárias
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Bota de borracha - Organização do trabalho;
- Luva de borracha - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
- Avental
Empresa não informou o C.A dos EPIs.
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

25
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: GARAGISTA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Controla a movimentação de veículos na garagem.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO
Estresse, Habitual
FÍSICOS Pressão sonora Motor dos veículos Ondas sonoras Irritabilidade,
(ar) redução da audição
Gás Monoxido de carbono Ar Doenças respiratórias Habitual
QUÍMICOS (descarga dos veículos) doenças pulmonares

NÃO EVIDENCIADO
BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Atenção com o serviço prestado - Organização do trabalho;
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

26
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: ENCARREGADO DE ALMOXARIFADO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Ajuda a administrar o almoxarifado.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
************************************* - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

27
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÃO: GERENTE ADMINISTRATIVO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Exercem a gerência dos serviços administrativos, das operações financeiras. Gerenciam recursos
humanos, administram recursos materiais e serviços terceirizados de sua área de competência.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO QUALQUER AGENTE AGRESSIVO
QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Organização do trabalho;
**************************************** - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).

MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS


- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

28
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: PINTOR
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Pintor de edifícios, Pintor de paredes, Retocador de pintura.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO
Stress
Ruído das maquinas e
Nível de pressão Irritabilidade
equipamentos Aéreo Habitual
sonora Redução da
FÍSICOS audição
Queimaduras
nos olhos e na
Radiação não
Exposição aos raios solares pele, Contato direto Habitual
ionizante
desenvolviment
o de doenças de
pele
Doenças
respiratórias

Pneumoconiose
Solvente Águarras Mineral
s
Acquaprimer Cinza Escuro Aéreo
Desenvolviment
(Propilenoglicol Fenil, Éter,
o de doenças
QUÍMICOS Produtos contendo Butilglicol) e
pulmonares Habitual
substâncias químicas Esmalte sintético Coralit
Irritação na pele
Tradicional Alto Brilho Vermelho Contato direto
e nos olhos
(Hidrocarboneto Aromático)
Dermatites de
contato

Dores de
cabeça
Quedas de nível
e com diferença
Condições adversas Ambiente de trabalho podendo Habitual
ACIDENTES situações inesperadas
Desenvolvimento das atividades de nível, cortes,
atingir qualquer parte do corpo
escoriações,
escorregões

29
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Luvas - Organização do trabalho;
- Bota de segurança - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
- Máscara
- Óculos
Empresa não informou o C.A dos EPIs.
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

30
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: ZELADOR
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Zelam pelo patrimônio de edifícios de apartamentos e edifícios comerciais.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE EXPOSIÇÃO
IDENTIFICADOS SAÚDE

FÍSICOS
NÃO FOI EVIDENCIADO
QUALQUER AGENTE AGRESSIVO

QUÍMICOS

BIOLÓGICOS
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- uso do uniforme - Organização do trabalho;
- Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.
OBSERVAÇÃO: Caso o Zelador, faça algum tipo de manutenção, limpeza ou alguma função não relatada,
rever os exames complementares, equipamentos de segurança (EPI).

31
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: PEDREIRO
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Realizam pequenas obras.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

Pressão sonora Ruído das maquinas e Aéreo Perda auditiva; sensação de


equipamentos utilizados desconforto; irritabilidade; Habitual
FÍSICOS agressividade; fadiga.
Queimaduras nos
olhos e na pele,
Exposição aos raios solares Contato direto
Radiação não ionizante desenvolvimento Habitual
de doenças de
pele entre outras
Poeira, produtos
químicos utilizados no Cimento, areia, brita, entre outros Ambiente de Pode causar irritação do Habitual
QUÍMICOS processo do trabalho aparelho respiratório e
trabalho dermatoses

Quedas de nível e
com diferença de
ACIDENTES Ambiente de trabalho
Condições adversas nível, cortes, Habitual
Desenvolvimento das atividades podendo atingir qualquer
situações inesperadas escoriações,
parte do corpo
escorregões entre
outros
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Luvas de raspa - Organização do trabalho;
- Bota de segurança - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
- Máscara
- Capacete
Empresa não informou o C.A dos EPIs.

32
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Bota de segurança c/ composite
- Protetor solar devido aos climas intempéries (caso trabalhem a céu aberto)
- capa de chuva, (caso trabalhem a céu aberto)
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

33
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE TRABALHO
FUNÇÕES: ELÉTRICISTA
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: Realizam pequenas manutenções; troca de lâmpadas, tomadas, entre outros.
RISCOS AGENTE FONTE GERADORA TRAJETÓ DANOS PROVÁVEIS A TIPO DE
IDENTIFICADOS SAÚDE EXPOSIÇÃO

Uso de maquinas e ferramentas Ar Perda auditiva; sensação de


Pressão sonora desconforto; irritabilidade; Habitual
FÍSICOS agressividade; fadiga, choque
elétrico
Irritabilidade na pele, entre
Umidade Contato com água Contato direto outros
Habitual
Lesões, fraturas,
cortes,
Choque elétrico Ambiente de trabalho podendo Habitual
ACIDENTES Exercício das atividades contusões.
Condições adversas atingir qualquer parte do corpo
situações inesperadas Choque elétrico
MEDIDAS DE CONTROLE EXISTENTES MEDIDA E PROTEÇÃO COLETIVA
- Luvas - Organização do trabalho;
- Bota de segurança - Equipamentos de extinção de incêndio (extintores).
- Capacete
- Cinturão
- Óculos
Empresa não informou o C.A dos EPIs.
MEDIDAS DE SEGURANÇA NECESSARIAS
- Seguir todas as orientações dos diálogos de segurança e treinamentos.
- Fornecer luvas e botas isolantes para os trabalhos que envolvam risco de origem elétrica.

34
- Atenção constante durante a execução das atividades;
- Participar de treinamentos, curso, palestra e ações educativas sobre Higiene, Saúde, Segurança e Prevenção de Acidente do Trabalho.
- Submeter a exames médicos.
- Recomendamos a observação quanto à realização dos exames periódicos propostos no PCMSO.

OBSERVAÇÃO:
Todas as informações sobre a descrição das funções, são de inteira responsabilidade da empresa:
B2B – ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS GERAIS LTDA.

35
ESTABELECIMENTO DE PRIORIDADES E METAS DE
AVALIAÇÃO E CONTROLE

Primeiramente, este Programa procurará identificar, através da análise


das condições de trabalho e processo produtivo da empresa, agentes ambientais
que coloquem em risco a saúde ou integridade física do trabalhador.
Quando possível, os agentes serão avaliados de forma quantitativa, a fim
de se comprovar o controle da exposição, dimensionar a exposição dos
trabalhadores ao risco e subsidiar o equacionamento das medidas de controle.
Posteriormente, serão sugeridas medidas que venham a eliminar ou neutralizar os
agentes ambientais.
Será dada prioridade de controle ou eliminação para aqueles agentes
cuja exposição venha a ultrapassar os limites de tolerância para exposições
previstas na Norma Regulamentadora no 15. Não se detectando situações de
risco por agentes ambientais, a prioridade recairá em se controlar o agente
ambiental presente, a fim de que o mesmo não venha a oferecer risco.
Análise da organização do trabalho buscando os fatores humanos
dinâmicos de cada uma das tarefas realizadas;
Identificação de eventuais tarefas repetitivas de caráter nocivo ou gerador
de fadiga aos trabalhadores e correspondentes propostas corretivas;
Oferecer subsídios ao Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional - PCMSO para planejamento de avaliações médicas direcionadas à
identificação e quantificação de eventuais alterações do estado de saúde do
trabalhador, preferentemente ainda em estágios sub- clínicos.
Pesquisar e analisar danos à saúde dos trabalhadores pela análise de
Comunicações de Acidentes do Trabalho (CAT), afastamentos por doença
(Atestados Médicos) e entrevistas informais com os trabalhadores durante as
visitas técnicas aos locais de trabalho.

36
AVALIAÇÃO DOS RISCOS E DA EXPOSIÇÃO DOS
TRABALHADORES

A avaliação quantitativa será realizada sempre que necessária.


Anualmente serão analisados os dados do PCMSO, dos monitoramentos
realizados e as metas propostas e atingidas, para que se possa avaliar a eficácia
do PPRA.
IMPLANTAÇÃO DE MEDIDAS E DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DE
SUA EFICÁCIA

Segundo o item 3.5 da NR-9, “deverão ser adotadas as medidas


necessárias e suficientes para a eliminação, a minimização ou o controle dos
riscos ambientais sempre que forem verificadas uma ou mais das seguintes
situações”:
a) Identificação, na fase de antecipação, de risco potencial à saúde;
b) Constatação, na fase de reconhecimento, de risco evidente à saúde;
c) Quando os resultados das avaliações quantitativas da exposição dos
trabalhadores excederem os valores dos limites previstos na NR-15 ou, na
ausência destes, os valores de limites de exposição ocupacional adotados
pela ACGIH (American Conference of Governmental Industrial Hygyenists)
ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de
trabalho, desde que mais rigorosos do que os critérios técnico-legais
estabelecidos;
d) Quando, através do controle médico da saúde, ficar caracterizado o nexo
causal entre danos observados na saúde dos trabalhadores e a situação
de trabalho a que eles ficam expostos.
O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção
coletiva deverão obedecer à seguinte hierarquia:
a) Medidas que eliminam ou reduzam a utilização ou a formação de agentes
prejudiciais à saúde;
b) Medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no
ambiente de trabalho;
c) Medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no
ambiente de trabalho.

37
A implantação de medidas de caráter coletivo deverá ser acompanhada
de treinamento dos trabalhadores quanto aos procedimentos que assegurem a
sua eficiência e de informação sobre as eventuais limitações de proteção que
ofereçam.
Quando comprovado pelo empregador ou instituição a inviabilidade
técnica da adoção de medidas de proteção coletiva, ou quando estas não forem
suficientes; ou encontrarem em fase de estudo, planejamento ou implantação, ou
ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras
medidas, obedecendo-se a seguinte hierarquia:
a) Medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho;
b) Utilização de equipamento de proteção individual (EPI).
Após a implantação das medidas de controle, sua eficácia poderá ser
avaliada através de:
a) Aumento da produtividade e redução nos índices de absenteísmo por
acidentes de trabalho;
b) Melhoria na qualidade de vida no ambiente de trabalho;
c) Redução das intervenções da fiscalização do Ministério do Trabalho;
d) Controle médico da saúde dos trabalhadores;
e) Novas avaliações ambientais, quando for o caso.

MONITORAMENTO DA EXPOSIÇÃO AOS RISCOS AMBIENTAIS


Deverão ser efetuadas, sempre que necessárias inspeções em todos os
postos de trabalho, visando o controle da exposição dos trabalhadores aos riscos
e à introdução ou modificação das medidas para seu controle.
Sempre que implantada uma medida de controle que requeira uma
avaliação ambiental para verificar sua eficácia, esta deverá ser efetuada.
Deverá ser feita, pelo menos, uma avaliação anual da exposição dos
trabalhadores aos riscos ambientais.

38
REGISTRO E DIVULGAÇÃO DOS DADOS

O registro de dados será estruturado de forma constituir um histórico


técnico e administrativo do desenvolvimento do PPRA, sendo que os dados serão
mantidos por um período mínimo de 20 (vinte) anos.
A divulgação dos dados, no conjunto, será realizada via Comissão Interna
de Prevenção de Acidentes - CIPA, quando existente na empresa, que receberá
cópias de todos os documentos produzidos e os registrará em atas de reunião
ordinária.
O registro de dados estará sempre disponível aos trabalhadores
interessados ou seus representantes e para as autoridades competentes.
DAS RESPONSABILIDADES

Do empregador:
Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PPRA, como
atividade permanente da empresa ou instituição;
Dos trabalhadores:
Colaborar a participar na implantação e execução do PPRA;
Seguir as orientações recebidas nos treinamentos oferecidos dentro do
PPRA;
Informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu
julgamento, possam implicar riscos à saúde dos trabalhadores.

DA INFORMAÇÃO

Os trabalhadores interessados terão o direito de apresentar propostas e


receber informações e orientações a fim de assegurar a proteção aos riscos
ambientais identificados na execução do PPRA.
Os empregadores deverão informar os trabalhadores de maneira
apropriada e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos
locais de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos
e para proteger-se dos mesmos.

39
COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA
De acordo com a Norma Regulamentadora NR nº 05 da Portaria 3.214 do
Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, em seu Anexo I e II a empresa B2B –
ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS GERAIS LTDA constituir a COMISSÃO
INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES – CIPA e mantê-la em regular
funcionamento.
Uma das atribuições da CIPA é colaborar no desenvolvimento e
implantação do PPRA e PCMSO e de outros Programas relacionados à
Segurança e Saúde no Trabalho. Identificar os riscos do processo de trabalho e
elaborar o mapa de risco, com a participação do maior número de trabalhadores.

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E


MEDICINA DO TRABALHO - SESMT

De acordo com o grau de risco e número de funcionários a empresa B2B –


ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS GERAIS LTDA está obrigada a constituir
SESMT, em concordância com os quadros I e II da Norma Regulamentadora NR
nº 04 da Portaria 3.214 do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE.

40
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sempre que vários empregadores realizem, simultaneamente, atividades


no mesmo local de trabalho terão o dever de executar ações integradas para
aplicar as medidas previstas no PPRA visando à proteção de todos os
trabalhadores expostos aos riscos ambientais gerados. (109.039-9 / I2)
O conhecimento e a percepção que os trabalhadores têm do processo de
trabalho e dos riscos ambientais presentes, previsto na NR 5, deverão ser
considerados para fins de planejamento e execução do PPRA em todas as suas
fases. (109.040-2 / I2)
O empregador deverá garantir que, na ocorrência de riscos ambientais nos
locais de trabalho que coloquem em situação de grave e iminente risco um ou
mais trabalhadores, os mesmos possam interromper de imediato as suas
atividades, comunicando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas
providências. (109.041-0 / I2)
Este Programa permanecerá válido enquanto forem mantidas as condições
existentes na Empresa por ocasião da vistoria. Quaisquer alterações que venham
a ocorrer nas atividades, planta física e equipamentos exigirão novas análises.

RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA

________________________________________________
MICHELSON VIEIRA DE CARVALHO
Técnico em Segurança do Trabalho
Registro nº 000.8080 MTE-DF

CLÍNICA DE MEDICINA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO


SRTVS QD 701 LOJA 54 TÉRREO ED. ASSIS CHATEAUBRIAD
TEL (61) 3963 3885/ e-mail: sanomedicina@sanomedicina.com.br

41
ANEXOS

ANEXO I
AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTE

ÁREA: Ambiente de trabalho

Introdução:

O controle da exposição ao ruído é um conjunto de medidas técnicas que


visa a atenuação ou eliminação do ruído e de seus efeitos em determinado
ambiente. Essas medidas são aplicadas em um sistema formado pela fonte
geradora, pela trajetória do som e pelo receptor. Fonte é parte do sistema que
produz a energia acústica. Pode ser um motor, o ar que flui através de uma
tubulação ou os dentes de uma engrenagem. A trajetória compreende todos os
meios por onde o som pode propagar-se, como estruturas sólidas, meios líquidos
e gasosos. O terceiro componente do sistema, o receptor, é o próprio trabalhador.

O ruído é aqui avaliado devido a sua interferência no conforto acústico do


trabalhador e comprometimento de sua produtividade, bem como devido às
conseqüências danosas que um nível alto de ruído pode trazer a saúde do
empregado.

Definições:

Pressão sonora: é uma variação dinâmica na pressão atmosférica que


pode ser detectada pelo ouvido humano.

Som: energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que


causa a sensação de audição. Quando o som não é desejado, é molesto ou
nocivo, deve ser chamado de barulho.

42
Ruído: Fenômeno físico que, no caso da Acústica, indica uma mistura de
sons cujas freqüências não seguem nenhuma lei precisa.
Critério adotado:

Foi adotado como referência para o conforto acústico o previsto na


Norma Regulamentadora no 17, de Ergonomia, que estabelece parâmetros que
permitam a adaptação das condições de trabalho às características
psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de
conforto, segurança e desempenho eficiente.

Para avaliação das condições de salubridade, foi adotado o previsto na


Norma Regulamentadora no 15, que trata das atividades e operações insalubres,
em seu Anexo no 1, que estabelece limites de tolerância para ruído contínuo ou
intermitente.

Foi utilizado instrumento de nível de pressão sonora, decíbelimetro


AK-820 AKSO. As leituras foram feitas próximas ao ouvido do trabalhador.

Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os


limites de tolerância fixados no Quadro do Anexo I da NR – 15. Não é permitida
exposição a níveis de ruído acima de 115 dB (A) para indivíduos que não estejam
adequadamente protegidos. As atividades ou operações que exponham os
trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB (A),
sem proteção adequada, oferecerão risco grave e iminente.

43
Resultado encontrado:

A planilha a seguir apresenta os resultados encontrados nos locais


avaliados:

ÁREA DE TRABALHO NÍVEL NÍVEL MÁXIMO PARA FORMA DE


MEDIDO EM 08 HORAS EM dB (A) AVALIAÇÃO
dB (A)
Comercial /reuniões
63.1 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Setor Recursos
Humanos 64.2 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Mini copa
50.2 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Setor gerente financeiro
56.1 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Setor diretoria
52.3 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Almoxarifado
62.9 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Copa
51.2 dB (A) 85 dB (A) QUANTITATIVA
Deposito
52.4 dB (a) 85 dB (A) QUANTITATIVA

Os níveis de ruído medidos estão dentro dos limites de tolerância,


que é 85dB(A), para uma jornada de trabalho de 8 horas.

44
LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU
INTERMITENTE

NÍVEL DE RUÍDO MÁXIMA EXPOSIÇÃO DIÁRIA


dB (A) PERMISSÍVEL
85 8 horas
86 7 horas
87 6 horas
88 5 horas
89 4 horas e 30 minutos
90 4 horas
91 3 horas e 30 minutos
92 3 horas
93 2 horas e 40 minutos
94 2 horas e 15 minutos
95 2 horas
96 1 hora e 45 minutos
98 1 hora e 15 minutos
100 1 hora
102 45 minutos
104 35 minutos
105 30 minutos
106 25 minutos
108 20 minutos
110 15 minutos
112 10 minutos
114 8 minutos
115 7 minutos

1. Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação de


Limites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto.
2. Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis
(dB) com instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de
compensação "A" e circuito de resposta lenta (SLOW). As leituras devem ser
feitas próximas ao ouvido do trabalhador.
3. Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de
tolerância fixados no Quadro deste anexo. (115.003-0/ I4)
4. Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a
máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais
elevado.
5. Não é permitida exposição a níveis de ruído acima de 115 dB (A) para
indivíduos que não estejam adequadamente protegidos.

45
ANEXO II
AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO AMBIENTE

ÁREA: Ambiente de trabalho

Introdução:
Embora a deficiência de iluminação possa provocar fadiga visual,
redução na velocidade de percepção de detalhes, riscos de acidentes e até a
doença conhecida como Nistagmo dos mineiros – que ocorre muito em minas
subterrâneas -, em nenhum país ela é incluída como agente de higiene do
trabalho, sendo tratada como agente ergonômico.
O Ministério do Trabalho e Emprego, através da Portaria no 3.751,
passou a adotar o quadro de níveis mínimos da NBR-5413 registradas no
INMETRO, no caso de o local de trabalho apresentar níveis abaixo dos mínimos
exigidos.

Definições:
Iluminância: Limite de razão do fluxo luminoso recebido pela superfície em
torno de um ponto considerado, para a área da superfície quando esta tende para
o zero.
Campo de trabalho: Região onde, para qualquer superfície nela situada,
exigem-se condições de iluminância apropriadas ao trabalho visual a ser
realizado.

Critério adotado:
A iluminância foi medida no campo de trabalho de cada trabalhador.
Quando este não pode ser definido, entendeu-se como tal o nível referente a um
plano horizontal a 0,75 m do piso. Janelas e dispositivos de controle de luz
natural, existentes na edificação permaneceram abertos durante as avaliações.
Foi utilizado instrumento de nível de pressão sonora, decibelimetro,
AK-820, AKSO.

46
Resultado encontrado:

A planilha a seguir apresenta os resultados encontrados nos locais


avaliados:

POSTO DE ILUMINAÇÃO NÍVEIS IDEAIS EM FORMA DE


TRABALHO ENCONTRADA EM LUX LUX AVAIAÇÃO
NBR - 8995-1
Comercial
/reuniões 300 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Setor Recursos
Humanos 400 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA

Mini copa
260 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Setor gerente
financeiro 320-400 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Setor diretoria
417 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Almoxarifado
400 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Copa
300 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA
Deposito
290 LUX 200 – 1000 LUX QUANTITATIVA

Foi utilizado instrumento de nível de pressão sonora, LUXIMETRO,


AK-307 AKSO.

OBS.: O Ministério do Trabalho e Emprego, passou a adotar o quadro de


níveis mínimos da NBR-8995-1 - Iluminação em Locais de Trabalho.

47
ANEXO III
FICHA DE CONTROLE DE ENTREGA DOS EQUIPAMENTOS DE
SEGURANÇA

TERMO DE RESPONSABILIDADE - DISTRIBUIÇÃO DE EPIS

EMPRESA:
EMPREGADO: REGISTRO:
ADMISSÃO: DEMISSÃO: UNIDADE:
FUNÇÃO: ÁREA DE TRAB.:
Declaro pelo presente documento de responsabilidade, que recebi da empresa os
Equipamentos de Proteção Individual, abaixo relacionados, tendo sido treinado quanto
ao seu uso, assumindo o compromisso de usá-lo para a finalidade que se destina, zelar
por sua guarda e conservação. É do meu conhecimento que deverei solicitar a
substituição dos equipamentos quando estes apresentarem problema ou quando não
houver mais condições de uso e devolvê-los à empresa, inclusive por ocasião de minha
demissão.
Tenho conhecimento ainda do texto do Art. 158, Parágrafo Único Lei 6.514,
22/12/77 que diz: “Constitui ato faltoso do empregado, a recusa injustificada ao uso dos
Equipamentos de Proteção Individual fornecidos pela empresa”.

Assinatura do Funcionário: _________________________ Data: ____/____/____

DATA UNI DESCRIÇÃO COD ASSINATURA DO FUNC.


D

CÓDIGOS - (A) SUBSTITUIÇÃO (B) DEVOLUÇÃO (C) EXTRAVIO (D) DEFEITO (E) TESTE

OBS.: Após o preenchimento do Termo de Responsabilidade, arquivá-lo.


O treinamento deverá ser registrado em formulário específico.

48
OBSERVAÇÕES IMPORTANTES EM RELAÇÃO AOS EPI -
LEGISLAÇÃO

De acordo com a Norma Regulamentadora – NR 6 “EQUIPAMENTO DE


PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI” da Portaria 3214 do MTE:
Os itens 6.6.1. e 6.7.1. da NR-06, prescrevem que:
“Obriga-se o empregador, quanto ao EPI, a:
a) Adquirir o tipo adequado à atividade do empregado;
b) Fornecer ao empregado somente EPI aprovado pelo órgão nacional
competente em matéria de segurança e saúde do trabalho
c) Treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado;
d) Tornar obrigatório o seu uso;
e) substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado;
f) responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica;
g) comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada no EPI.
“Obriga-se o empregado, quanto ao EPI, a:
a) Usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;
b) Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;
c) Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para
uso;
A utilização de EPI, de acordo ao prescrito no item 15.4 e 15.4.1 da NR-15
da Portaria 3214/78 e art. 191, seção IX da CLT, neutraliza o agente insalubre
existente:
15.4 “A eliminação ou neutralização da insalubridade determinará a cessação do
pagamento do adicional respectivo”.
15.4.1. “A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer:
a) Com a adoção de medida de ordem geral que conserve o ambiente de
trabalho dentro dos limites de tolerância;
b) “Com a utilização de equipamento de proteção individual”.
O EPI, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser colocado à
venda, comercializado ou utilizado, quando possuir o CERTIFICADO DE
APROVAÇÃO – CA, expedido pelo Ministério do Trabalho, atendido o dispositivo
no subitem 6.9.1. (item 6.5 da Norma Regulamentadora NR-06).

49
OBS.: Na compra dos EPI a empresa deverá solicitar cópias do C.A.
(Certificado de Aprovação), C.R.F. (Certificado de Registro do Fabricante) e
C.R.I. (Certificado de Registro do Importador) de cada equipamento adquirido.
Todo EPI deverá apresentar, em caracteres indeléveis e bem visíveis, o
nome comercial da empresa fabricante ou importador, e o número do C.A. (item
6.9.3. da Norma Regulamentadora NR-06).

ANEXO IV
SUGESTÕES DE CARÁTER GERAL

Fatores importantes e que deves ser levados em


consideração:

 Cumprimento de normas e procedimentos de saúde e segurança do


trabalhador por meio da elaboração de ordens de serviço e procedimentos
operacionais;
 Organizar e manter organizado o local de trabalho;
 Tubular toda fiação elétrica que se apresentar exposta;
 Manter extintores desobstruídos, carregados e identificados;
 Buscar condições que evitem posturas inadequadas ou posições
incorretas, sugerindo formas de inibir esta prática;
 Realizar exames médicos periódicos;
 Treinamento de funcionários quanto à prestação de socorros de urgência e
prevenção de incêndios.
 Obtenção e manutenção de um estojo de primeiros socorros, guardado em
um local adequado, equipados com materiais necessários à prestação de
primeiros socorros tais como:
Algodão hidrófilo; Gazes;
Água boricada; Luvas descartáveis;
Água oxigenada; Soro fisiológico;
Merthiolate; Tesoura;
Álcool 70%; Termômetro.
Esparadrapo; Álcool Iodado.

50
Observação: Na caixa de primeiros socorros não deve conter nenhum tipo de
medicamento, somente material para limpeza e curativo.

ORDEM E LIMPEZA

Esses conceitos não são novos. Todavia ainda não foram assimilados em
alguns locais de trabalho. Há quem pense que a ordem e a limpeza, no ambiente
de trabalho, são responsabilidades apenas da equipe de limpeza. Pensar assim
não é sensato. A responsabilidade da ordem e da limpeza pertence a todos.
Cada empregado é responsável por manter limpo e ordenado seu
ambiente de trabalho, de modo que cada equipamento ou ferramenta de trabalho
esteja no seu devido lugar, não haja sujeiras e nem materiais espalhados no local.
A falta da ordem e limpeza cria, com freqüência, problemas que afetam à
produtividade e a eficácia das operações, contribuem para o relaxamento dos
hábitos de higiene pessoal e aumenta a propensão à doenças profissionais e
acidentes do trabalho.
Quando há boa ordem e limpeza no local de trabalho, existe um ambiente
mais agradável e saudável que reforça a atitude positiva dos funcionários,
aumentando a produção e diminuindo os riscos de acidentes. Devido a isso, a
ordem e a limpeza são necessidades básicas que fazem parte integrante do
nosso ambiente de trabalho.

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS
 As instalações sanitárias deverão ser mantidas limpas e higienizadas;
 A empresa deverá fornecer produto de higienização para lavar as mãos,
adequados às funções exercidas pelos empregados;
 O papel higiênico deverá ser fornecido em quantidade suficiente para todos
os empregados;
 As paredes deverão ser revestidas de material impermeável (lavável);
 Os pisos deverão ter inclinação para ralos de escoamentos.

51
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

 Os EPI deverão ser certificados e aprovados (CA) pelo Ministério do


Trabalho e Emprego;
 Deverá ser fornecido treinamento para a correta utilização e manutenção
dos EPI.

ACIDENTE DO TRABALHO
Conceito Legal- Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991,
alterado pelo Decreto nº 611, de 21 de julho de 1992.
Art. 19. Acidente do trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do
trabalho, a serviço da empresa, ou, ainda, pelo serviço de trabalho de segurados
especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a
morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou
temporária.
A legislação brasileira também considera como acidente do trabalho:
a) a doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo
exercício do trabalhador peculiar a determinada atividade e constante na relação
organizada pelo Ministério da Previdência Social;
b) a doença do trabalho, assim entendida aquela desencadeada em função de
condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relaciona
diretamente, desde que constante da relação do Anexo II;
c) em caso excepcional, constatando-se que a doença não prevista no Anexo II
resultou de condições especiais em que o trabalho é executado e com ele se
relaciona diretamente, a Previdência Social deve considerá-la acidente do
trabalho.
Não serão consideradas como doença do trabalho:
a) a doença degenerativa;
b) a inerente ao grupo etário;
c) a que não produz capacidade laborativa;
d) a doença endêmica, salvo comprovação de que resultou de exposição ou
contato direto, determinado pela natureza do trabalho.
52
Equiparam-se ao acidente do trabalho:
a) o acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido a causa única, haja
contribuído diretamente para a morte, para a perda ou redução da capacidade
para o trabalho, ou produzido lesão que exija atenção médica para a recuperação;
b) o acidente sofrido pelo empregado no local e no horário do trabalho, em
conseqüência de:

· ato de sabotagem ou de terrorismo praticado por terceiros ou companheiro de


trabalho;
. ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada
com o trabalho;
· ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro, ou de
companheiro de trabalho;
· ato de pessoa privada do uso da razão;
· desabamento, inundação ou incêndio e outros casos fortuitos decorrentes de
força maior;
c) a doença proveniente da contaminação acidental do empregado no exercício
de sua atividade;
d) o acidente sofrido, ainda que fora do local e do horário de trabalho:
· na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da
empresa;
· na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa, para lhe evitar
prejuízo ou proporcionar proveito;
· em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo, quando financiada por
essa, dentro de seus planos para melhorar a capacitação de mão-de-obra,
independentemente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de
propriedade do empregado;
· no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela,
qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do
empregado.
Será considerado agravamento de acidente aquele sofrido pelo
acidentado quando estiver sob a responsabilidade da reabilitação profissional.

53
Obs.: Nos períodos destinados à refeição ou ao descanso, ou por ocasião de
satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local de trabalho ou durante
este, o empregado será considerado a serviço da empresa.

SITUAÇÕES EM QUE O EMPREGADO NÃO ESTÁ A SERVIÇO DA EMPRESA


Cabe lembrar que, de acordo com a Norma Brasileira 18, o empregado
não será considerado a serviço da empresa, quando:
a) fora da área da empresa, por motivos pessoais, não do interesse do
empregador ou do seu proposto;
b) em estacionamento proporcionado pela empresa para o seu veículo, não
estando exercendo qualquer função do seu emprego;
c) empenhado em atividades esportivas, patrocinadas pela empresa, pelas quais
não receba qualquer pagamento direta ou indiretamente;
d) residindo em propriedade da empresa, esteja exercendo atividades não-
relacionadas com o seu emprego;
e) envolvido em luta corporal ou outra disputa sobre assunto não relacionado com
o seu emprego.

COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO – CAT


A Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT é um formulário que deve
ser preenchido para:
· que o acidente seja legalmente reconhecido pelo INSS;
· que o trabalhador receba o auxílio-acidente, se for o caso, bem como os
benefícios que gerar esse acidente;
· que os serviços de saúde tenham informações sobre os acidentes e doenças e
possam direcionar ações para redução de acidentes de trabalho e doenças
profissionais ou do trabalho;
· o conhecimento dos serviços de fiscalização, que vão desencadear uma ação de
investigação para que acidentes semelhantes ou nas mesmas condições não se
repitam.

54
QUANDO DEVE SER PREENCHIDA A CAT?
· em todos os casos de acidentes de trabalho (mesmo com menos de 15 dias de
afastamento, sem afastamento do trabalho e nos acidentes de trajeto);
· em todos os casos de doença ocupacional profissional ou do trabalho;
· em todos os casos de suspeita de doença profissional ou do trabalho.

QUEM DEVE PREENCHER A CAT?


O setor de pessoal da empresa é o responsável pelo preenchimento da
CAT. Na falta de comunicação por parte da empresa, a mesma poderá ser feita
pelo próprio acidentado, seus dependentes, pela entidade sindical competente,
pelo médico que o assistiu ou qualquer autoridade pública, não prevalecendo,
nesses casos, os prazos previstos em lei (Lei nº 8.213, de 24.07.91 -art. 22, §
2Q).
A falta de comunicação por parte da empresa não a exime de
responsabilidade da multa aplicada ao caso, conforme a lei. Os sindicatos e as
entidades representativas das categorias poderão acompanhar a cobrança das
multas que serão aplicadas pelo INSS.
A Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) pode ser preenchida por
meio eletrônico.

A REABILITAÇÃO PROFISSIONAL COMPREENDE:


a) o fornecimento de aparelho de prótese, órtese e instrumentos de auxílio para
locomoção quando a perda ou redução da capacidade funcional puder ser
atenuada por seu uso e dos equipamentos necessários à habilitação social e
profissional;
b) reparação ou substituição dos aparelhos mencionados anteriormente,
desgastados pelo uso normal ou por ocorrência estranha à vontade do
beneficiário;
c) o transporte do acidentado do trabalho, quando necessário.
Será concedido, no caso de habilitação e reabilitação profissional, auxílio
para tratamento ou exame fora do domicílio do beneficiário, conforme dispuser o
regulamento.

55
ANEXO V
MODELOS DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

Placa de Uso Obrigatório de EPI:

 Alerte para o uso de EPI e assegure a integridade física dos funcionários;


 Evite acidentes, informando sobre locais e equipamentos onde EPI são
obrigatórios;
 Esteja de acordo com a NR 6

56