Você está na página 1de 18

Universidade de Lisboa Faculdade de Direito

Gráficos estatísticos sobre as tendências actuais


Síntese do anexo Documento n.º 1
Estudo comparado sobre o regime de eliminação da dupla tributação económica na U.E.

Integrado na dissertação de mestrado:


Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption

Nuno Tracana
Dissertação orientada pela
Professora Doutora Ana Paula Dourado
Índice

Notas de procedimento 1
Características analisadas
Método de eliminação ou atenuação da dupla tributação económica 2
Tipo de isenção 3
Âmbito de aplicação do regime quanto à origem dos dividendos 4
Âmbito de aplicação quanto à residência dos detentores de partes de capital 5
Requisito da percentagem de detenção 6
Alterações ao requisito da percentagem de detenção desde 2006 7
Requisito temporal de detenção 8
Alterações ao requisito temporal de detenção desde 2006 9
Introdução do primeiro regime 10
Introdução do primeiro regime com âmbito alargado 11
Transposição da cláusula anti-híbridos 12
Transposição da cláusula anti-abuso 13
Natureza da cláusula anti-abuso 14
O regime português em perspectiva 15

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


Notas de procedimento

Procedimento de recolha de informação


A informação que consta no presente estudo, foi recolhida com
base em investigações efectuadas no portal International Bureau of
Fiscal Documentation (IBFD) e posteriormente objecto de
confirmação junto de profissionais de empresas de consultoria fiscal
a operar em cada Estado Membro (informação detalhada em
“Estudo comparado sobre os regimes de eliminação da dupla
tributação económica na U.E.” anexo como Documento n.º 1 na
dissertação de mestrado “Do regime de eliminação da dupla
tributação económica à Participation Exemption”.
Informação recolhida em Dezembro de 2016.

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


1
Método de eliminação ou atenuação da dupla tributação económica

Índice
4%
Portugal

Método adoptado Resultados Observações / e.g.

Método da isenção 27 ...

Método híbrido 1 Irlanda

Conclusões:

 27 dos 28 EM aplicam o método da isenção, a Irlanda aplica um método


híbrido.
 A tendência é a adopção do método da isenção. Portugal está
96% enquadrado na tendência actual.

Método da isenção
Método híbrido

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


2
Tipo de isenção

Índice
14% Portugal
Tipo de isenção Resultados Observações / e.g.

Isenção total 24 …

Isenção parcial resultante da


aplicação de uma add back rule
Isenção parcial 4
(Alemanha, Bélgica, França e
Itália)

Conclusões:

 24 dos 28 EM aplicam o método da isenção total, os restantes aplicam o


método da isenção parcial.
 A tendência é a aplicação do método da isenção total. Portugal está
enquadrado na tendência actual.
Isenção total 86%
Isenção parcial

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


3
Âmbito de aplicação do regime quanto à origem dos dividendos

BB
Índice
3,5% Portugal Âmbito Resultados Observações / e.g.
11%
Mundial 23 …

3,5% UE 1 Grécia

UE e EEE 3 Bulgária, Finlândia e Polónia

UE e ADT 1 Roménia

Conclusões:

 23 dos 28 EM prevêem um âmbito de aplicação do regime quanto à origem


dos dividendos, mundial, sem prejuízo dos efeitos decorrentes da aplicação de
Mundial
normas anti-abuso que limitem o âmbito de aplicação.
UE
82%  A tendência é o âmbito de aplicação mundial. Portugal está enquadrado
UE e EEE
na tendência actual.
UE e ADT

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


4
Âmbito de aplicação quanto à residência dos detentores de partes de capital

Índice
Âmbito Resultados Observações / e.g.

18% 14% Mundial 4 Luxemburgo e Suécia


Portugal
UE / UE e Suíça 11 Países baixos e Alemanha

UE e EEE 4 França e Finlândia

UE, EEE e signatários


14%
de acordos que
4 Bélgica e Portugal
prevejam a troca de
informações
40%
Sem norma de
5 Chipre e Malta
incidência

14% Conclusões:
Mundial  O âmbito de aplicação quanto à residência dos detentores de partes de capital
UE ou UE e Suíça é tendencialmente mais limitado do que quanto à origem dos dividendos.
UE e EEE  Portugal está entre os EM que prevêem um âmbito de aplicação
intermédio.
UE, EEE e signatários de acordos que prevejam a troca de informações
Não há norma de incidência

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


5
Requisito da percentagem de detenção

Requisito Resultados Observações / e.g.

4% 4%
Índice 0% 10 Bulgária, Chipre
7% 10% em cotadas e 0% em não
1 Suécia
cotadas
Portugal
5% 3 Espanha, Países Baixos
35%
10% 10 Portugal, Alemanha

0% e 10% em Estados terceiros 2 Áustria, Finlândia

10% em residentes, 0% em UE e 10%


1 Lituânia
em Estados terceiros

35% 0% em residentes, 10% em UE e


1 Roménia
4% restantes

11% Conclusões:
0%
0% nas não cotadas e 10% nas cotadas  A maioria dos EM optou por não prever um requisito de percentagem de
5% detenção ou prevê uma participação mínima de 10%.
10%  Bélgica, Espanha e Luxemburgo prevêem um requisito alternativo do valor de
0% e 10% para Estados terceiros aquisição das participações (2.5M, 20M 1.2M respectivamente).
10% para residentes, 0% para UE e 10% Estados terceiros  Quanto a este aspecto Portugal enquadra-se no grupo de EM que
0% para residentes e 10% para UE e restantes prevêem uma participação mínima de 10%.
6
Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana
Alterações ao requisito da percentagem de detenção desde 2006

Índice 4 Portugal

3 3

1 1 1 1
Nível intermédio
Conclusões:
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
 Portugal integra o grupo de EM que
mais alterações introduziu ao requisito
em análise.
 A instabilidade verificada no regime
Português não está em linha com a
tendência Europeia.
Frequência das alterações
Nota: Não foi possível confirmar a informação
relativa à Letónia.

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


7
Requisito temporal de detenção

4% 4% Requisito Resultados Observações / e.g.


Índice 4%
4% 0 16 Alemanha
1 ano 5 Espanha
Portugal 11% 2 anos 3 França
0 nas participações em não cotadas e 1
1 Suécia
ano nas participações em cotadas
Detentores de residentes 0, detentores de
1 Roménia
EM e Estados terceiros 1 ano

57% Detentores de residentes e de Estados


1 Lituânia
terceiros 1 ano, detentores de EM 0
18%
N/A Detentores de residentes e EM 0,
1 Áustria
detentores de Estados terceiros 1 ano
1 ano

2 anos Conclusões:

0 nas participações em não cotadas e 1 ano nas participações em cotadas  16 dos 28 EM não prevêem requisito temporal de detenção.
Detentores de residentes 0, detentores de EM e Estados terceiros 1 ano  Portugal não está enquadrado na tendência actual.

Detentores de residentes e de Estados terceiros 1 ano, detentores de EM 0

Detentores de residentes e EM 0, detentores de Estados terceiros 1 ano

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


8
Alterações ao requisito temporal de detenção desde 2006

Índice
3
Portugal

2 2

1 1
Nível intermédio

Conclusões:
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
 Portugal integra o grupo de EM que
mais alterações introduziu ao requisito
em análise.
 A instabilidade verificada no regime
Português não está em linha com a
tendência Europeia.
Frequência das alterações
Nota: Não foi possível confirmar a informação
relativa à Letónia.

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


9
Introdução do primeiro regime

Índice

2020

2000

1980 Final dos anos 70


1960

1940

1920
Conclusões:
1900  Portugal integra o grupo de EM que
mais tarde introduziram um regime
1880 de eliminação da dupla tributação
económica dos lucros.
Não foi possível confirmar a informação relativa aos
seguintes EM: Croácia, França, Irlanda, Luxemburgo,
Reino Unido e Suécia.
Data de introdução do regime

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


10
Introdução do primeiro regime com âmbito alargado

Índice

2020

2000
Final dos anos 90
1980
Conclusões:
1960
 Portugal integra o grupo de EM que
1940
mais tarde introduziram um regime
de eliminação da dupla tributação
económica dos lucros de âmbito
1920
alargado.
1900 Não foi possível confirmar a informação relativa aos
seguintes EM:
Âmbito mundial: Alemanha, Croácia, França, Irlanda,
1880 Itália, Reino Unido, Republica Checa, Suécia.
Os seguintes EM prevêem um regime de âmbito mais
limitado: Finlândia (UE e EEE 1994), Grécia (UE 2014),
Polónia (UE e EEE 2001), Roménia (UE e ADT 2014) e
Bulgária (UE e EEE).
Data de introdução do regime

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


11
Transposição da cláusula anti-híbridos

Índice

Portugal
27%
Status Resultados Observações / e.g.
Cláusula introduzida 19 Alemanha
Cláusula não introduzida 7 Bélgica

Conclusões:

 19 dos 28 EM concluíram a transposição da cláusula anti-híbridos.


73%
 Portugal está enquadrado na tendência actual.
Nota: Não foi possível confirmar a informação relativa a Espanha e Letónia.

Transposição concluída
Transposição não concluída

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


14
Transposição da cláusula anti-abuso

Índice

21% Portugal
Status Resultados Observações / e.g.

Transposição concluída 20 Portugal

Transposição não concuída 1 Letónia


4%

4% Em processo de transposição 1 Bélgica

Cláusula interna 6 Alemanha


71%
Conclusões:

 20 dos 28 EM concluíram a transposição da cláusula anti-abuso.


Transposição concluída
 Portugal está enquadrado na tendência actual.

Transposição não concluída

Em processo de transposição

Cláusula interna

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


12
Natureza da cláusula anti-abuso

Índice

Portugal
Método: Resultados Observações / e.g.
32%
Ilidível 19 Países baixos

Inilidível 0 -

Norma não transposta / sem informação 9 Letónia

68% Conclusões:

 19 dos 26 EM que concluíram a transposição da cláusula ou que aplicam uma


cláusula já existente no Direito interno consideram que a norma tem como
fundamento uma presunção ilidível.
Ilídivel
 Portugal está enquadrado na tendência actual.
Inilidível
Norma não transposta / sem informação

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


13
Portugal em perspectiva

Índice
Característica Portugal Tendência Status
Método de eliminação ou atenuação da dupla tributação económica Isenção Isenção Enquadrado
Tipo de isenção … Isenção total Isenção total Enquadrado
Âmbito de aplicação do regime quanto à origem dos dividendos Mundial Mundial Enquadrado
UE, EEE e signatários Âmbitos mais
de acordos que limitados como UE,
Âmbito de aplicação
… quanto à residência dos detentores de partes de capital Não enquadrado
prevejam a troca de EEA e Suíça
informações
Requisito da percentagem de detenção 10% 10% ou 0% Enquadrado
Alterações ao requisito da percentagem de detenção desde 2006 3 0 Não enquadrado
Requisito temporal de detenção 1 ano N/A Enquadrado
Alterações ao requisito temporal de detenção desde 2006 2 0 Não enquadrado
Final dos anos 70
Introdução do primeiro regime 1989 Não enquadrado
nos EM próximos
Final dos anos 90
Introdução do primeiro regime com âmbito alargado 2014 Não enquadrado
nos EM próximos
Transposição da cláusula anti-híbridos Concluída Concluída Enquadrado
Transposição da cláusula anti-abuso Concluída Concluída Enquadrado
Natureza da cláusula anti-abuso Ilidível Ilidível Enquadrado

Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation Exemption – Nuno Tracana


15
Início Índice

Nuno Tracana

Informação detalhada na tese:


Do regime de eliminação da dupla tributação económica à Participation
Exemption
Nuno Tracana

Você também pode gostar