Você está na página 1de 51

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ESCOLA POLITÉCNICA
DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS

DETALHAMENTO DE
ESTRUTURAS DE
CONCRETO ARMADO

Prof. Sergio Hampshire de Carvalho Santos

- 2017 -
SUMÁRIO PÁGINA

1. MODELAGEM DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO 3

2. APLICAÇÕES DOS MODELOS DE BIELAS E TIRANTES 12

3. INTRODUÇÃO AO DETALHAMENTO DAS ARMADURAS 31

4 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DAS LAJES 43

5 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE VIGAS 46

6 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE PILARES 49

BIBLIOGRAFIA 51

Moodle: 2012detalconcr

2
1. MODELAGEM DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

1.1 Modelos de bielas e tirantes

Os modelos de biela e tirante se originam da treliça clássica de Mörch/ Ritter (1902), tendo
sido sistematizados por Schlaich e colaboradores, a partir de 1984. O estudo das estruturas de
concreto pelos modelos de biela e tirante pode ser iniciado pela análise do desenvolvimento das
tensões em uma viga bi-apoiada retangular de concreto armado, submetida à flexão simples. Supõe-
se o crescimento progressivo do carregamento aplicado na viga, a partir de zero. A seção transversal
da viga, na região de máximo momento positivo é esquematizada abaixo.

Com a presença de um momento positivo, surgem tensões de tração (ct) na face inferior da
seção e de compressão (c) na face superior. Com o aumento progressivo do momento atuante na
seção mais solicitada da viga, vão se apresentando os chamados estádios de deformação do concreto
armado.
O Estádio I corresponde à fase em que as tensões de tração no concreto são pequenas,
inferiores às tensões de tração de ruptura. Ultrapassado este limite, se configura o chamado estado
limite de formação de fissuras. Observe-se que a linha neutra está um pouco abaixo do centro
geométrico da seção, pela presença das armaduras, cujas áreas podem ser "homogeneizadas" para
uma área de concreto equivalente, na relação entre os módulos de elasticidade do aço e do concreto.
Podem ser assim utilizadas, no Estádio I, as fórmulas da Resistência dos Materiais.
O Estádio II corresponde à fase em que já não se considera mais a resistência à tração do
concreto, mas as relações tensão-deformação neste material são consideradas ainda como lineares.
O comportamento do concreto nesta fase é ainda considerado como elástico, ou seja, se retiradas as
cargas, as peças retornam às suas situações iniciais. Observe-se que a linha neutra já subiu um
pouco, pela desconsideração da resistência do concreto à tração.
O Estádio III corresponde à fase em que a resistência do concreto é explorada em sua
totalidade, até a configuração do estado limite de ruptura. As relações tensão-deformação não são
mais lineares (correspondendo agora ao diagrama parábola-retângulo), o que faz a linha neutra subir
ainda um pouco mais.
A verificação do concreto no Estádio I é efetuada em casos muito especiais, em que não
pode se admitir fissuração em hipótese nenhuma (o que pode ser exigido, por exemplo, no caso de
alguns reservatórios de líquidos). O funcionamento no Estádio II é considerado nas verificações do
concreto em serviço, como para os estados limites de abertura de fissuras, de limitação de
deformações e de excesso de vibrações. Já o funcionamento no Estádio III é considerado nas
verificações dos estados limites últimos, como para solicitações normais (flexão e forças normais) e
tangenciais (forças de cisalhamento).

3
No Estádio III, ou seja, no limiar da ruptura, apresenta-se um estado de fissuração que é
representado esquematicamente na viga da figura abaixo (ver Fusco, pg. 45 e 46):
P

Um modelo de biela-tirante pode ser definido nesta viga, de forma a refletir, de forma
idealizada, esta situação fissurada, como mostrado na figura abaixo:

P/2 P/2

Nos modelos de biela-tirante discretizados, que serão basicamente os aqui estudados, nas
barras comprimidas do modelo (bielas), são condensadas as tensões de compressão no concreto
existentes na estrutura; nas barras tracionadas (tirantes), representadas em negrito na figura acima,
são condensadas as forças de tração nas barras da armação da estrutura, ou mesmo a resultante de
campos de tração no concreto. Na figura, os tirantes verticais representam os estribos e os
horizontais, as barras da armadura longitudinal de flexão (ver CEB-90, pg. 212, item 6.8).
Através dos modelos de biela-tirante, procura-se idealizar de forma unificada o
dimensionamento e o detalhamento de todas as estruturas de concreto. Outra abordagem moderna
do concreto são os modelos do painel fissurado, de Collins e colaboradores.
Os modelos de biela-tirante são sempre treliças isostáticas, pré-definidas pelo projetista.
Nesta definição, procurar-se-á estar sempre próximo da configuração final de ruptura, inclusive com
os tirantes nas posições em que efetivamente estarão dispostas as barras de armação. Usualmente,
os modelos são bidimensionais, ou seja, não consideram diretamente a espessura da estrutura; no
entanto, alguns modelos tridimensionais são utilizados, como os para a análise de torção ou para o
estudo de blocos sobre estacas. Na definição dos modelos são consideradas não somente a
geometria da estrutura analisada, como também as cargas a ela aplicadas. Com relação ao ângulo de
inclinação das bielas de compressão, a NBR 6118, item 17.4.2.3, admite, para vigas, valores entre
30˚ e 45˚ com a horizontal. Em outros tipos de elementos, como os consolos, as bielas poderão
atingir a inclinação de 1:2.
Pretende-se também que todas as estruturas apresentem um comportamento adequado em
serviço. Então, o ideal é que as treliças sejam definidas de forma a estarem o mais próximo possível
das trajetórias de tensão obtidas com a Resistência dos Materiais e a Teoria da Elasticidade, para
que o comportamento em serviço, por exemplo, quanto às flechas e à fissuração, seja satisfatório.
Os exemplos que serão mostrados nos itens seguintes ilustram a aplicação modelos de biela-
tirante ao dimensionamento e ao detalhamento completo de várias estruturas. O método não
pretende, no entanto, substituir o dimensionamento usual das estruturas de concreto, à flexão, ao
cisalhamento e à torção, sendo sua aplicação prática mais importante nas regiões de
descontinuidade (ou regiões D, como será definido), ou de regularização de tensões.
4
Nestas regiões, será estudada a transição e a continuidade, das armaduras e das tensões de
compressão no concreto, entre regiões em que o comportamento da estrutura é “regular” (regiões
B), onde a distribuição linear de deformações e as hipóteses usuais de dimensionamento se aplicam.

1.2 Procedimentos gerais de modelagem. Regiões “B” e “D”.


Os procedimentos gerais para a modelagem das estruturas são ilustrados no exemplo
abaixo, de um pórtico plano, com fundação direta. É também apresentado o esquema do diagrama
de momentos fletores correspondente (ver Schlaich, pg. 84).

///////////////////////////// /////////////////// /////////////////////////


. .///////////////
//////////////// B //////// //////// B /////////////////// B h1 ///////////////////////// h2 B
///////// ///////// /////////////////// //////////////////////////
////////////////
///////////////////////////// /////////////////// ////////////
//////////
//////////
///////////////////////////// (trajetórias h1 h2 (trajetórias
/
////////// irregulares) regulares)
B /////////
/////////////////////////////
/
/////////
///////////////
//////////////
//////////
//////////

/////////
/////////
//////////////////////
//////////////////////
//////////////////////
/

Diagrama de Momentos
Fletores

O dimensionamento nas regiões onde as tensões são contínuas (regiões B) segue as regras
usuais, considerando momentos fletores e torsores, esforços cortantes e forças normais. Nestas
regiões, a hipótese de distribuição linear de deformações nas seções pode ser admitida como válida
(hipótese de Bernoulli das seções planas).
As regiões hachuradas da figura são exemplos de zonas de regularização de tensões (regiões
D, de tensões descontínuas). Nestas regiões serão aplicados os modelos biela-tirante. Para uma
definição qualitativa da dimensão geométrica das regiões de descontinuidade, aplica-se o princípio
5
de Saint-Venant para concluir-se que esta dimensão terá a ordem de grandeza da dimensão da seção
de aplicação da carga ou da dimensão da variação descontínua das tensões. As diversas regiões D
indicadas na figura são decorrentes das seguintes descontinuidades:
 Nó de pórtico (canto de quadro), com a transição das armaduras e tensões de concreto do
elemento estrutural horizontal (viga), para o vertical (coluna).
 Abertura na viga, com descontinuidade nas tensões de compressão e nos estribos.
 Carga concentrada aplicada na viga, introduzindo concentração de tensões no ponto de
aplicação da carga.
 Mudança na altura da viga, introduzindo descontinuidade nas tensões de compressão e/ou nas
armaduras principais de flexão.
 Consolos curtos, introduzindo um momento concentrado na coluna, além da própria carga
concentrada nos consolos.
 Região de transição da coluna para o bloco ou sapata de fundação, introduzindo um desvio nas
tensões verticais de compressão (espraiamento).
Outros casos adequados à utilização dos modelos biela-tirante não apresentados acima
podem ser citados: vigas-parede (toda a região de espraiamento das cargas verticais para os apoios
será do tipo D); regiões de introdução concentrada das reações de apoio em vigas, incluindo o
estudo da ancoragem das armaduras de flexão nos apoios; estudo do fendilhamento, incluindo o
caso de ancoragem de cabos de protensão na extremidade das vigas; puncionamento em lajes;
blocos de fundação sobre estacas; estudo das costuras das mesas comprimidas e tracionadas das
vigas de seção T; estudos diversos de transferência de forças de tração entre barras através do
concreto, incluindo o estudo das emendas e das ancoragens; estudos diversos de aberturas em peças
de concreto. A figura a seguir esquematiza, segundo Schlaich (pg. 80), a definição das regiões B e
D, de acordo com o Princípio de Saint-Venant:
"Os efeitos localizados causados por qualquer carga aplicada em um elemento estrutural se
apresentam dissipados ou uniformizados em seções suficientemente afastadas do ponto de aplicação
da carga".

~L D
Seções
com
tensão
= + ~ zero B

~L
D

L
= (modelo + (modelo auto-
satisfazendo Bernoulli) –equilibrado)
Além disso, Schlaich (pg. 90) procurou formalizar a definição dos modelos biela-tirante
através do “load path method”. Por este método, as bielas do modelo são dispostas em regiões
seguindo o caminhamento natural das forças internas, derivadas do equilíbrio entre cargas aplicadas
e reações de apoio (com as ações opostas se equilibrando) As forças internas são concentradas em
linhas que não se cruzam. As curvaturas, devidas às mudanças de direção levam a concentrações de
tensões em nós. Preservam-se assim as trajetórias de tensão nas bielas comprimidas.
6
O procedimento geral de análise utilizando os modelos biela-tirante pode ser resumido da
seguinte forma:
1. Determinação das forças atuantes no contorno (cálculo de reações).
2. Substituição das cargas distribuídas e momentos aplicados por cargas concentradas
equivalentes e binários, que serão aplicados aos nós do modelo.
3. Desenvolvimento do modelo biela-tirante. Nos caminhos das cargas, ações opostas
devem se equilibrar e os caminhos não devem se cruzar. Estes caminhos são idealizados
através de linhas poligonais (bielas). As curvaturas devidas às mudanças de direção
levam a concentrações de tensões em nós. Os elementos da treliça isostática representam,
através das linhas poligonais, os campos reais de tensões nas peças. O modelo é
autoequilibrado, utilizando as reações de apoio obtidas na análise estática e terá seus
elementos posicionados de forma a representar, da forma mais próxima possível, os
campos das tensões elásticas.
4. Cálculo estático das forças nas bielas e nos tirantes.
5. Dimensionamento das armaduras a partir das forças de tração nos tirantes e verificação
das tensões de compressão nas bielas e nos nós da treliça.
6. Detalhamento das armaduras, mantendo a compatibilidade com a geometria dos tirantes
considerada na treliça de análise.
Uma automatização deste procedimento está implementada no programa CAST, da
Universidade de Illinois.
A aplicação dos modelos biela-tirante é baseada no Teorema do Limite Inferior da
Plasticidade:
"Um campo de tensões (forças) que satisfaz às condições de equilíbrio e não viola o critério
de escoamento em nenhum ponto, se constitui em uma estimativa do limite inferior da capacidade
resistente de elementos estruturais constituídos de materiais elastoplásticos perfeitos".
Bielas e tirantes são dispostos de forma que os eixos dos elementos da treliça
(correspondentes aos centros de gravidade das armaduras e das resultantes das tensões de
compressão) e as resultantes das ações externas e das reações de apoio convirjam nos nós dos
modelos. Eventualmente, os tirantes podem representar campos de tração no concreto. Pode haver,
numa mesma peça, superposição de mais de um modelo, resistindo a parcelas do carregamento
total (ver exemplo no CEB-90, pg. 216).
As estruturas devem ter ductilidade suficiente para que não ocorra uma ruptura frágil
precoce, antes que os modelos biela-tirante idealizados sejam mobilizados. O esmagamento do
concreto também não deve ocorrer antes do escoamento da armadura. A figura abaixo (Schlaich,
pg. 85) mostra porque a fissuração no concreto, na figura da esquerda, inviabiliza os modelos da
figura da direita.

7
1.3 Dimensionamento de bielas, tirantes e nós.
A NBR 6118:2014 (item 22.1) define limites para a resistência do concreto na compressão:
 Para regiões não fissuradas:
f
 V 2  1  ck (MPa)
250
f cd1  0,85. V 2 .f cd (MPa)
Deve ser usado na verificação das regiões com tensões de compressão transversal ou sem
tensões de tração transversal e em nós onde confluem somente bielas de compressão (nós CCC)..
 Para regiões fissuradas, onde a resistência à compressão é reduzida pela presença de trações
transversais devidas às armaduras e a compressão é transmitida através das fissuras:
f cd 2  0,6. V 2 .f cd (MPa)
Deve ser usado na verificação das regiões com tensões de tração transversal e em nós onde
confluem dois ou mais tirantes tracionados (nós CTT).
f cd 3  0,72 . V 2 .f cd (MPa)
Deve ser usado na verificação de nós onde conflui um tirante tracionado (nós CCT).

 As expressões do Eurocode 2, item 6.5.2, (pg 121) são:


f cd1  f cd  0,85.f cd ; f cd 2  0,6. V 2 .f cd
* *

Limites para a verificação de tensões máximas nos nós:


*
- Nós onde confluem três bielas de compressão: αV2 . f cd
*
- Nós onde confluem duas bielas de compressão e um tirante: 0,85 . αV2 . f cd
*
- Nós onde confluem uma biela de compressão e dois tirantes: 0,75 . αV2 . f cd

 Exemplo de aplicação dos diversos critérios de limitação de tensões:

8
 Este critério pode ser modificado, no caso do cisalhamento, para a forma usual de
verificação de tensões convencionais de cisalhamento. Seja um trecho de treliça, com
biela de compressão inclinada de , numa viga com estribos verticais (=90) e esforço
cortante constante igual a V:

z t z V
tg   ; w = z cotg  ; cos   ; t = z cos  ; sen   
w z u C
V
A força de compressão na biela é: ;
sen 
Na verificação da tensão de compressão no concreto:
V / sen Vd
c    f cd 2
( b.z. cos ) b.z.sen. cos 
Corresponde ao critério da NBR 6118, item 17.4.2.3 (Modelo de Cálculo II):
VRd 2  b w .z.sen. cos .0,6. V 2 .f cd ou:
VRd 2  0,54. V 2 .f cd .b w .d.sen2 . cot g (no Modelo I: VRd 2  0,27 . V 2 .f cd .b w .d )
onde se considerou z = 0.9 d
A força na armadura, excluindo o desconto da parcela complementar V c (/m) é:
V A sw.f ywd Vsw
Fs  ou  , para α=90º
z. cot g s 0.9.d. cot g
A consideração da parcela Vc pela NBR 6118 leva ao modelo biela-tirante a não mais
expressar o equilíbrio estático.
 Dimensionamento dos tirantes
As forças resistentes de cálculo nos tirantes devem ser iguais às forças atuantes de cálculo.
Forças atuantes: Td = f . T
Forças resistentes: Td = As . fyd
 . .T
Com o equilíbrio: A s  f s
f yk
A NBR 6118:2014, item 22.2, remete à NBR 8681 quanto à eventual aplicação de um
coeficiente de majoração adicional γ n nos elementos especiais dimensionados com modelos
biela-tirante. Nos casos usuais aqui tratados admitiremos que possa se tomar γn = 1,0.

9
 Equilíbrio na treliça contínua.
Seja a viga bi-apoiada abaixo:

q1 q2 Q
q

Cargas Aplicadas

M1 M2

Diagrama de Momentos Fletores

V1 V2

Diagrama de Forças Cortantes

Equilíbrio, seccionando da Seção 1 para a 2, no ângulo de inclinação das bielas :

q = q1 = q2 (adotado, sem perda de generalidade)

2 C2
M1 V1 z
 w
T1

Y = z cotg
Equilíbrio na vertical:
V1
wY  V1  q.Y ou w q (força por metro nos estribos)
Y
Equilíbrio no ponto 2:
qY 2 wY 2 qY 2 V Y2
M1  V1 .Y   T1 .z   0 ou M1  V1 .Y   T1.z  ( 1  q ). 0
2 2 2 Y 2
V .Y V .Y M V M
M1  V1.Y  1  T1.z , T1 .z  M1  1 ou T1  1  1 . cot g  max
2 2 z 2 z
2
qY
Como C 2  T1 , V2  V1  q.Y e M 2  M1  V1 .Y 
2
2
qY qY 2 V .Y
M 2  M1  (V2 .Y  qY 2 )  M
, 1  M 2  V2 .Y  , T1 .z  M1  1
2 2 2
2
V .Y V .Y q.Y V .Y M V
C 2 .z  M1  1  M1  2   M2  2 ou C 2  2  2 . cot g
2 2 2 2 z 2

10
1.4 Otimização dos modelos.

Foi já comentado que, para uma determinada peça de concreto a ser analisada, diversos
modelos, todos atendendo ao equilíbrio com as forças externas aplicadas, podem ser concebidos. O
Princípio do Limite Inferior da Teoria da Plasticidade garante que qualquer modelo considerado
fornece, do ponto de vista da resistência última, resultados conservadores com relação ao modelo
“mais correto”.
Comentou-se que é desejável que o modelo escolhido para a análise represente, da forma
mais próxima possível, os campos de tensão elásticos, de forma que a estrutura tenha um
comportamento satisfatório em serviço. Para a otimização dos modelos será necessário se
estabelecer um critério comparativo para se julgar, entre diversos modelos possíveis, qual o mais
adequado em uma determinada situação.
O critério que deverá ser utilizado (Schlaich, pg. 95) é derivado do Princípio da Energia
Potencial Mínima, que postula que, entre diferentes possíveis estados de tensão, o mais correto é o
que corresponde à mínima energia potencial:

E p    .d (mínimo)
V

Considerando que a deformabilidade dos tirantes de aço seja muito maior do que a das bielas
de concreto será possível desprezar a contribuição das últimas na integral da energia. Esta se
simplificará para um somatório das contribuições de cada um dos tirantes:

E p   Fi .li . i (mínimo) (    l. A.  l.F )


V

Fi é a força em cada tirante e li e i são o comprimento e a deformação específica de cada um


deles. Supondo-se que todos os tirantes serão dimensionados para o mesmo valor de tensão
admissível no aço (ou seja, com o mesmo  em todas as barras), a solução mais correta será a que
conduzir ao menor somatório dos produtos comprimentos vezes forças atuantes nas barras. O
exemplo abaixo compara um “bom” modelo e um “mau” modelo para uma viga-parede bi-apoiada,
distinguidos de acordo com o critério enunciado acima (Ver Schlaich, pg.93):

“Bom” modelo “Mau” modelo

P P P P
L/4 L/2 L/4 L/4 L/2 L/4

-P -P
-P2 -P2 P2 P2
P P

L L

“Bom” modelo: E p  P.L.


L 2 L 3
“Mau” modelo: E p  (2.P 2.  P. ).  .P.L.
4 2 2

11
2. APLICAÇÕES DOS MODELOS DE BIELAS E TIRANTES
2.1 Modelos para vigas simplesmente apoiadas, contínuas e em balanço
 Exemplo de aplicação para viga simplesmente apoiada. (Ver Schlaich, pg.124)
200 kN

ϕ6,3 c 20 z = 1m
5ϕ20

V=100 kN L=8m V=100 kN

Dimensionamento usual:
b=0,20m; h=1,20m; d=1,10m; f ck = 25MPa
M = PL/4 = 400 kNm; Md = 560 kNm; k md  Md /(b.d 2 .f cd )  0.130
2.K md
(1  1  )
0,85
kx   0,208  0,45; k z  1  0,4.k x  0.916; z  k z .d  1,00 m
0,8
Td = 560 kNm / 1m = 560 kN; As = Td / f yd =1,15.560/50=12,9 cm2
Vd=140 kN ;Vrd2 = 955 kN (Modelo I, OK); asw = 3,25 cm2/m
No apoio, considerado com 20X20cm: σcd = 1,4.100/(0,20.0,20)=3500kPa ≤ fcd3=11597kPa (OK)
- Solução na treliça discreta (modelo biela-tirante)
Profundidade do bloco retangular:
2𝑀𝑠𝑑 𝑦 200 kN
𝑦 = 𝑑 − √𝑑 2 − ; 𝑧=𝑑−
𝑏. 𝑓𝑐𝑑1 2

0 -100 -200 -300

0 100 100 100 0 z = 1m


-1002 -1002 -1002 -1002

100 200 300 400

V=100 kN L=8m V=100 kN

A seguir, apresenta-se a solução desta mesma viga, considerando a treliça contínua e as


correções nos extremos e no centro.
Forças de tração e de compressão:
M V M Y V M V M Y V
T   cot g   . C   cot g   .
z 2 z 2 z z 2 z 2 z
12
Nas regiões em que a distância aos momentos máximos é menor que Y, θ passa a ser
crescente até Y=0, onde a tração atinge seu valor máximo:
(T1 .z ) max  (C 2 .z ) max  M max

Treliça discreta -400


Treliça contínua -350
Correção nos extremos -300
e centro
-250
-150 -200
-100
-50
0
50

100 150

200 250

300
350 400
450

 Exemplo de aplicação para viga em balanço.

V=100 kN

z = 1m M=400kN.m

L=4m V =100 kN

M = PL = 400 kNm V=100 kN TMAX = 400 kNm / 1m = 400 kN

13
- Solução na treliça (modelo biela-tirante)

100 kN

100 200 300 400 400 kN

0 100 100 100 0


z = 1m
-1002 -1002 -1002 -1002

0 100 200 300 400 kN

100 kN

 Exemplo de aplicação para viga de dois vãos com carga distribuída.

p= 100kN/m

z=
1m
L=8m L=8m

R=300kN R =1000 kN R =300 kN

- Solução na treliça (modelo biela-tirante) (Ver Schlaich, pg.86)


Representando apenas o primeiro vão, pela simetria:

50 100 100 100 100 100 100 100 50

0 -250 -400 -400 -250 0 350 800 800 kN

-50 150 50 0 50 150 250 350 z = 1m


-2502 -1502 -502 -502 -1502 -2502 -3502 -4502

250 400 450 450 400 250 0 -350 800kN

300kN 500 kN

14
Obtenção das forças de tração na armadura empregando a expressão:
M V Y
T  . cot g cot g 
z 2 z
(com  = 45º)

-800

-600

-400

-200
0 1 2 3 4 5 6 7 8
0

200

400

600

Outro exemplo para aplicação:

M=-720 kN.m L=10m; p=90kN/m M=-720 kN.m

M=405kN.m

2.2 Modelos para vigas com aberturas, com apoio indireto e com variação de altura

 Exemplo de aplicação para viga bi-apoiada com abertura. (Ver Leonhardt, Vol.3, p. 165 e
Schlaich, pg.135)

15
- Solução na treliça (modelo biela-tirante)
200 kN

0 -100 -200 -200 -300 -300 -200 -100 0


100 100 200
-1002-1002 -1002-1002
0 100 200 200 100 0 100 100 100 0 z = 1m
-1002 -1002 -1002 -1002 -1002 -1002
0 200 -2002

100 100 300 400 400 300 200 100

V=100 kN L=8m V=100 kN

 Exemplo de aplicação para viga bi-apoiada com redução de altura no apoio.


(Ver NBR 6118, Fig. 22.6, Leonhardt, Vol.3, p.161 e Schlaich, pg. 137)

M = PL = 400 kNm V=100 kN TMAX = 400 kNm / 1m = 400 Kn


- Solução na treliça (modelo biela-tirante), ver a NBR 6118, item 22.5.2.2

Modelo alternativo:

16
 Exemplos de aplicação para viga bi-apoiada com alturas diferentes.

100 kN 1m 100 kN 4m

5c10 612,5 5c20


z = 1m
520

z = 1m
320

L= 5m L= 4m
V=100 kN V=100 kN
M = 400 kNm V=100 kN

- Solução na treliça (modelo biela-tirante)


100 kN 100 kN

-100 -200 -300 -400 -100

z = 1m
100 100 100 200 100
-1002 -1002 -1002 -1002 -3002 -1002

100 200 300 400


z = 1m
-2002 -1002
200 100

V=100 kN V=100 kN

 Outro exemplo:

100 80
2m 1m 2,5m

-100 -200 -80

z=1m z=1,25m
-100√2 100 -100√2 40 -120√2 -80√2
80
-40√17 -80√2
100 200 40
100 160 80 80

17
 Exemplo de viga-parede em balanço com abertura

150 300 600 600 500 500kN

150 -150√2 150 - 150√2 300 -300√2 -100√2 100


-150 -300

150 150 100 -500√2 100

150 300 300 300


300 -150√2 150 -150√2 150 100 -100√2 -300√2
-150 -300 -200 -200
500kN

300kN 300kN

18
 Exemplo de aplicação para viga bi-apoiada em “degrau” (Ver Schlaich, pg.138).

100 kN 100 kN

6,3c20 416
z=1m
416

z=1m
416 6,3c20

2m 1m 2m
V=100 kN V=100 kN
z = 1m
- Solução na treliça (modelo biela-tirante)

100 kN 100 kN

-100

100 200 z = 1m
-1002 -1002 -2002

100 200 200 -300 -100

-2002 -1002 -1002


200 100 z = 1m
200 100

V=100 kN V=100 kN

 Dimensionamento à torção (=45): Td .1 . b


(Ver Leonhardt, Vol.1, pg.233) 2b a
Td / 2a

Td / 2b
b
Td

b Td / 2a
.
b
Td / 2b a

Td /2a Td / 2a

19
Força nos estribos por metro:
T 1 T
F90  d .( )  d (Ae = a . b)
2a b 2.A e
Força na armadura longitudinal por metro:
T 1 T
Fsl  d .( )  d
2a b 2.A e
Segundo a NBR 6118, item 17.5.1.6, para =45:
A90 Asl Td 𝐴 𝐴
  ; ue =2.(a+b); ℎ𝑒 ≤ 𝑢 e ℎ𝑒 ≥ 2𝑐1; Não atendendo, ℎ𝑒 = 𝑢 ≤ 𝑏𝑤 − 2𝑐1
s u e 2.A e .f ywd
Verificação da tensão de compressão máxima (ver pg. 9): a
V sen Vd T
c    f cd 2 ; Vd  d
b.z. cos  b.z.sen. cos  2a
sen2 z
Td  2.a.h e .z.f cd 2 . ; Td  f cd 2 .A e .h e .sen2 ; B b
2 b
(he - espessura da parede)
De acordo com o item 17.5.1.5 da NBR 6118:
Td  0,5. v 2 .f cd .A e .h e .sen2
Ou seja, a NBR 6118 considera: A
f z z
 v 2  (1  ck ); f cd 2  0,6. v 2 .f cd ;0,5. v 2 .f cd  .0,6. v 2 .f cd ou  0,833
250 b b
As armaduras de torção devem ser somadas às de flexão e de cisalhamento.
A verificação da combinação de tensões de compressão diagonal do concreto é feita com:
Vsd T
 Sd  1,0
VRd 2 TRd 2
 Exemplo de viga com apoio indireto (Ver Leonhardt, Vol.3, p. 157)

2P

2P

2P
2P

2P

2P 2P P

2P

20
 Cortante a considerar para uma carga concentrada distante “a” do eixo teórico do apoio:

Segundo o CEB-90, item 6.8.2.2.1 (pg. 215):


a
2.  1
FW  z .F
3
(Para a/z = 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; Fw /F = 0; 0,33; 0,67; 1,00)

Segundo a NBR 6118, item 17.4.1.2.1, somente para o cálculo das armaduras e com apoio direto:
F.a
FW 
2.d

(Para a/h = 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; Fw /F = 0,25; 0,50; 0,75; 1,00)

Despreza-se também o cortante produzido pela carga distribuída aplicada a uma distância menor
que d /2 da face do apoio, conforme ilustrado abaixo:

d/2 d/2

Diagrama de forças cortantes devido à


carga distribuída a ser considerado

O Eurocode 2, Fig. 6.4, pg. 99, recomenda como valor mínimo, o obtido a 0,5d.

Fw/F

1,0
NBR
CEB
Eurocode

a/d (NBR, Eurocode)


a/z (CEB)
0 0,5 1,0 2,0


Armadura horizontal secundária para uma carga concentrada distante “a” do apoio:
z
2.  1
a
Segundo o CEB-90, item 6.8.2.2.1 (pg. 216): Fwh  a .F. (z ≥ 2a)
z z
3
a

(Para z/a =2,0; 2,5; 3,0; Fwh /F = 0,30; 0,29; 0,28) (≈0,3 F)

21
2.3 Modelos para vigas-parede, nós de pórticos e consolos curtos
 Viga-parede bi-apoiada (Ver Schlaich, pg.89 e Leonhardt, Vol.3, p. 200):

P
L/4 L/2 L/4

C Dh

L
R R

R = Z T = RL = PL2 = M
T L/4 4Z 8Z Z
 Valores para os braços de alavanca, de forma a estar próximo dos resultados elásticos
(ver Leonhardt, Vol.2, p. 47 e CEB-FIP Model Code 1990, p.214):
Vigas-parede bi-apoiadas:
0,5L ≤ h ≤ L Z = 0,15 h (3+L/h) = 0,45 h + 0,15 L
h≥L Z = 0,6 L
Vigas-parede de dois vãos:
0,4 L ≤ h ≤ L Z = 0,10 h (2,5+2L/h) = 0,25 h + 0,20 L
h≥L Z = 0,45 L
Vigas-parede contínuas:
L/3 ≤ h ≤ L Z = 0,15 h (2+L/h) = 0,30 h + 0,15 L
h≥L Z = 0,45 L
(ver também a NBR 6118, item 22.4, o FIB-2000, Vol. 3, item 7.3.2, pg.157, 164 e a AENOR,
item 62.3.1, pg. 151).
A armadura negativa pode ser distribuída segundo a NBR 6118, item 22.4.4.1, nas três faixas
definidas abaixo. Nestas expressões o valor da altura h deve atender às limitações relativamente ao
vão teórico l : 3  l / h  1. Se h exceder l deve-se considerar h = l.
- 20% superiores de h: AS1 = (l /2 h – 0,5) . AS
- 60% centrais de h: AS2 = (1,5 - l /2h) . AS
- 20% inferiores de h: AS3 = 0
Esta distribuição implica em Z = 0,30 h + 0,20 l
A verificação da compressão máxima na biela pode ser feita indiretamente, comparando-se a
tensão de compressão no apoio com fcd3.
22
 Exemplo de aplicação para viga-parede de dois vãos (Ver Schlaich, pg.96 e Leonhardt,
Vol.3, p. 197/199)

3L/16 L/2 5L/16 5L/16 L/2 3L/16

C1 T2 C1 D

D1 D2 D2 D1 Z

T1 C2 T1

L L

R1 R2 R2 R1

Do cálculo hiperestático:
3PL 5PL
R1  R2 
8 8
Equilíbrio no apoio 1:

T1 3PL 8
D1 Z 
3L 16 Z
9 PL2 128 PL2 14,22 M 
T1 T1   
Z Z Z
R1

3L/16

Equilíbrio no apoio 2:
T1  C2 5 PL 8

5L 16 Z
25 PL2 128 P L2 14,22
D2 Z T 2  C1   T2 
Z Z
2 2 
16 PL 128 P L 8 M
T1+C2 T2   
Z Z Z

5L/16 R2

23
 Exemplos de aplicação para nós de pórtico - modelos para momentos negativos

- Modelo mais simples (Ver Schlaich, pg.99, Leonhardt, Vol.3, p. 181/182 e CEB-FIP
Model Code 1990, p.217):

T1
z1 M
C1

T1 z1 = T2 z2 = M
T 1 = C1
T 2 = C2

T2 z2 C2

- Modelo mais refinado, acompanhando a curvatura da armadura:

- Exemplo de aplicação para nós de pórtico - modelo para momentos positivos (Ver
Schlaich, pg.139 e Leonhardt, Vol.3, p. 185/188):

C1
z1
T1

T1 z1 = T2 z2
T 1 = C1
T 2 = C2

C2 z2 T2

24
 Exemplo de aplicação de nó de pórtico - modelos para dois pavimentos (Ver Schlaich,
pg.128 e Leonhardt, Vol.3, p. 193/194)

z1
C1 T1

T2
C4 z2 M2
C2

T3 C3

M1 + M3 = M2
C1 z1+ C3 z1 = C2 z2
T1  C3 T2

z2 z1
 Exemplo de aplicação para consolo curto (Ver Schlaich, pg.129, Leonhardt, Vol.2, p. 57,
Leonhardt, Vol.3, p. 210/212, NBR 6118, item 22.5 e CEB-FIP Model Code 1990,
p.216/219). Define-se como consolo curto: 0,5 a/h 2,0.

25
Segundo a NBR 6118, item 22.5.1.2.c , para a verificação da biela no ponto de
aplicação da carga, pode-se considerar a abertura da carga sob a área de aplicação em uma
inclinação mínima de 2:1.

 2:1

No ponto B de apoio da biela, o seguinte estado "hidrostático" de tensões se forma (ver ACI-
318, Apêndice A, pg.392):

𝑦 = 𝑑 − √𝑑 2 − 2𝑙. 𝑘

26
2.4 Modelos para ancoragens e emendas, cargas puntuais, aberturas e costura
em mesas e blocos de estacas

 Exemplo de ancoragem no apoio (Ver Schlaich, pg.100, CEB-FIP Model Code 1990,
p. 220 a 223 e Leonhardt, Vol.3, p. 60)

D
b1

F
H

a1

R
R 𝑅 𝑏1 − 𝑎1
𝐻= .
a b 4 𝑏1

Região “a” - região sem compressão transversal, onde surgem trações transversais no
concreto, eventualmente absorvidas por armaduras transversais.
Região “b” - região onde uma compressão transversal na armadura melhora
consideravelmente as condições de ancoragem.
 Exemplos de cargas puntuais
(Ver Schlaich, pg.91, Leonhardt, (Ver Schlaich, pg.98 e 106, (Ver Schlaich, pg.99)
Vol.2, p. 71/72 e Leonhardt, Leonhardt, Vol.2, p. 65,
Vol.3, p. 232) CEB-90, p.96 e FIB-99,
Vol.3, item 3.2.5, pg.154,
Eurocode, p.123)

z(*)

(0,6b≤ h-a/4)
(*) Se b ≤ 1,6h , z = b/2 Ft = 0,25P (1-a/b)
Se b ≥ 1,6h , z = 0,8h, Ft = 0,25P (1-a/1,6h)

27
P
P/4

P 5 P 2
-P/2 d/4
4 4
P/4
-P/2 d/4
P 5
-P/4
4
-P -P/4
d/2

-P -P/4 P/4
d/2

d/8 3d/8 d/2


P P/4 P/4

 Aberturas em mesas de tração e de compressão em vigas T ou caixão (Ver Schlaich, pg.132)

Se z = 5
L 8
T=PL L
5

 Cortante longitudinal em vigas T (Ver Leonhardt, Vol.3, p. 145/146 e CEB-FIP Model Code
1990, p.168)
Segundo o CEB-90:
v= F/x = V/z
v é a variação da força normal F na mesa no comprimento x. A força cortante
longitudinal v corresponde numericamente à fração da força normal, de tração ou de compressão,
resistida pela parte da mesa em consideração, vezes o cortante transversal da peça, dividido pelo
braço de alavanca z.

28
A armadura Asf a ser resistida pela armadura horizontal, transversal à mesa, é dada por (ver
Eurocode, pg. 102):

Asf fyd = v tan f - tan f = 0,5 em mesas comprimidas


tan f = 0,8 em mesas tracionadas
Vista superior de uma mesa comprimida:

V V
Asf
V f
V

 Bloco sobre 4 estacas (Ver Schlaich, pg.133 e Leonhardt, Vol.3, p. 260)

P/4

P/4
P/4

P/4

z
T

No caso de um arranjo quadrado das estacas:


P.a
T
8.z

29
 Bloco com estacas tracionadas (Fig. 22.7 da NBR6118:2014)

Md
Fd

d h


A B
d'
RA RB

Ø + 2d'

300 300
100

100 -100 √2 300 -200 √2 -100 √2

100

100 100

30
3. INTRODUÇÃO AO DETALHAMENTO DAS ARMADURAS

3.1 Princípios gerais de armação.

Por concreto armado se entende o material resultante da combinação do concreto com as


barras de aço nele imersas, que têm a finalidade de absorver as tensões de tração que surgem nas
estruturas, quando submetidas a esforços de flexão e de tração. Devido ao fenômeno da aderência,
as deformações do aço e do concreto que o envolve são praticamente iguais, após a aplicação das
cargas. Nos níveis de deformação que a armadura deve atingir, para que as tensões de trabalho na
tração sejam desenvolvidas, o concreto tem sua resistência à tração superada, dando início ao
processo de fissuração. A resistência à compressão do concreto é aproveitada nas zonas
comprimidas das peças fletidas e nas peças predominantemente comprimidas, como os pilares. Nas
peças comprimidas, as armaduras complementam a resistência à compressão dada pelo concreto.
O concreto sem ser reforçado com as armaduras de aço ou com áreas de armaduras
inferiores às mínimas definidas nas normas é chamado de concreto simples (ver Fusco, pg.41). A
regra geral de projeto é de que todas as estruturas de concreto devam, a princípio, receber armação
em aço. Assim, o uso do concreto simples está hoje restrito a alguns tipos de estruturas, que têm
longo histórico de décadas de utilização com êxito na construção. Exemplos:
 Barragens de concreto de gravidade;
 Blocos de fundação;
 Bases de tubulões;
 Estacas moldadas “in loco”, excetuando-se a região próxima à superfície do solo;
 Faces superiores de lajes em regiões de momento positivo.
Nestes exemplos, ou o concreto está inteiramente comprimido, ou as tensões de tração que
surgem são suficientemente baixas para serem resistidas pelo próprio concreto, ou eventuais
fissuras que surjam em regiões tracionadas estão restritas a trechos localizados, de forma a que se
tenha a garantia de que não haverá a propagação das fissuras. Placas de revestimento e de
pavimentação são também exemplos de aplicação do concreto simples, já que na eventualidade de
uma fissuração excessiva, elas podem ser substituídas sem dificuldade.
O comportamento das estruturas de concreto armado após a fissuração foge dos estados de
tensões e deformações obtidos no domínio elástico, com a Resistência dos Materiais e com a Teoria
da Elasticidade. A modelagem em bielas e tirantes, apresentada nos capítulos anteriores, pretende
realizar o estudo das estruturas de concreto nos estados limites últimos. Além disso, os modelos
deverão estar próximos das trajetórias de tensão obtidas elasticamente, para que comportamento das
estruturas em serviço seja satisfatório; deverão refletir, de forma idealizada, a situação final
fissurada das peças; e deverão finalmente ter seus tirantes dispostos nas posições em que
efetivamente irão ser colocadas as armaduras.
A NBR 6118, em seu item 8.2.1, define classes de resistência em MPa para o concreto. Para
superestruturas de concreto armado, o concreto deve ser no mínimo de classe C20 (fck = 20 MPa).
Para estruturas de fundações e em obras provisórias, o concreto pode ser de classe C15
(fck = 15 MPa). A Norma é aplicável para concretos de classe até C90.

3.2 Requisitos do detalhamento

Ao se detalhar as armaduras de uma estrutura de concreto armado, os seguintes requisitos


básicos devem ser atendidos:

 Atendimento aos estados limites últimos: para solicitações normais (momentos fletores M e
forças normais N), transversais (forças cortantes V), de torção (momentos torsores T) e suas
interações (MxNxVxT);
 Atendimento aos estados limites de utilização: limitação de flechas, de fissuras e de vibrações;
31
 Economia (máxima, obedecidos os requisitos de segurança exigidos pelas normas);
 Facilidade de execução (considerando a facilidade de corte, dobramento e montagem das
armaduras e sua padronização, e a facilidade do lançamento do concreto e sua vibração).
A otimização do detalhamento consistirá em conciliar da melhor forma possível os
requisitos acima, que são muitas vezes conflitantes entre si.

3.3 Disposições construtivas gerais. Barras e fios. Bitolas. Telas

Os aços empregados nas barras das armaduras de concreto armado são ligas de ferro com
carbono, sendo outros elementos agregados para a melhoria de suas propriedades.
Os aços “comuns”, como o aço CA-25 (fyk =25 kN/cm2), são fabricados por laminação a
quente seguida de resfriamento ao ar livre, sem qualquer tratamento posterior (CA = concreto
armado).
Os aços “especiais” anteriormente denominados de classe A, como o aço CA-50, são
fabricados pelo mesmo processo, tendo sua resistência aumentada agregando-se elementos
químicos adicionais (manganês, silício, cromo, níquel, cobre, alumínio, etc.) para se obter ligas
especiais.
Os aços “especiais” anteriormente denominados de classe B (“encruados a frio”), como o
aço CA-60, têm sua resistência aumentada por processos de encruamento por deformação a frio
(por torção, tração, trefilação, etc.), após a laminação a quente.
A tensão de escoamento é definida pela NBR 6118 como sendo a que provoca uma
deformação residual permanente de 0,2%.
As seguintes bitolas (em mm) são normalizadas pela NBR 7480 (“Barras e fios destinados a
armaduras para concreto armado”):
4,2 - 5 - 6,3 - 8 - 10 - 12,5 - 16 - 20 - 25 - 32 - 40
Os fios são fornecidos em rolos até a bitola de 10 mm e as barras a partir da bitola de 5 mm.
Em obras correntes, a aço CA-50 é o mais utilizado.
As barras podem ser também classificadas, conforme a NBR 6118, item 9.3.2.1, de acordo
com a conformação superficial (nervuras), em barras lisas (CA-25), barras entalhadas (CA-60) e
barras de alta aderência (CA-50). As nervuras têm sua configuração geométrica definida na NBR
7480. As barras são fornecidas em comprimentos de 12m ± 1%. A tabela abaixo relaciona os
diversos diâmetros padronizados em mm e respectivas áreas de seção transversal de uma barra, de
acordo com a NBR 7480:

32
O uso simultâneo de aços de diferentes categorias só é permitido no caso de armaduras
longitudinais e estribos, em vigas ou em pilares.
A NBR 7480 define características mecânicas mínimas exigíveis para barras e fios
destinados a armaduras de concreto armado. Algumas destas características são resumidas na tabela
abaixo.

Ensaio de Tração Ensaio de Dobramento


Categoria Escoamento Ruptura Alongamento Diâmetro do pino em mm (180)
fyk (MPa) fst (MPa) mínimo em 10    20   20
CA-25 250 1,20 fy 18 % 2 4
CA-50 500 1,08 fy 8% 3 6
CA-60 600 1,05 fy 5% 5 -

As armaduras para o concreto podem também ser na forma de telas de aço soldadas pré-
fabricadas. A utilização das telas é regulamentada pela NBR 7481 (“Telas de aço para armadura de
concreto. Especificação”). As telas são formadas por malhas retangulares de fios longitudinais e
transversais, sobrepostos uns aos outros. Os diâmetros dos fios são padronizados em diversos
valores nominais, variando entre 3,4 mm a 12 mm. As malhas são soldadas nos pontos de interseção
por caldeamento. São em geral fornecidas e, aço CA-60 nervurado. As telas são em geral fornecidas
com os espaçamentos padronizados entre os fios de 10, 15, 20 e 30 cm.
As malhas (por ex., da marca "Telcon") são fornecidas nos tipos: quadrada (Q), retangular
longitudinal (L), retangular transversal (T) e especial (E). A malha tipo “E” segue as especificações
gerais, mas é fabricada por encomenda.
Para a definição das malhas, as características a seguir devem ser especificadas. O sentido
longitudinal é o de maior comprimento dos fios e o transversal, o de menor comprimento. O tipo
“L” tem a armadura de maior seção transversal no sentido longitudinal e o tipo “T” no sentido
transversal.
Exemplo de especificação (Fusco, pg. 11):
Aço CA-60 L 138/23 - 2,45x6,0
Corresponde a uma tela de aço CA-60, com armadura longitudinal de 1,38 cm2/m (138
mm /m), transversal de 0,23 cm2/m, com 2,45m de comprimento e 6,0m de largura.
2

3.4 Espaçamento das barras. Folgas para vibração

Os afastamentos mínimos entre as barras são definidos de forma que seja possível que o
concreto envolva completamente as barras das armaduras e que se minimize a possibilidade de
falhas de concretagem.
De forma a viabilizar o detalhamento usual das peças de concreto armado, permite-se que as
regras definidas sejam relaxadas, em regiões como zonas de cruzamento de vigas e outras zonas de
apoios de peças. Nestas regiões, certo congestionamento de armaduras é tolerável e inevitável,
devendo ser recomendados cuidados especiais durante a concretagem (ver Fusco, pg. 22). ferentes,
considerar o diâmetro das mais grossas.
Deve ser considerado no detalhamento que, considerando nervuras padronizadas com 4% do
diâmetro nominal das barras (com diâmetro maior ou igual a 10 mm), o diâmetro real será 1,08
vezes o diâmetro nominal das barras.

33
ah


av

ah
Barras sem emendas

av

ah
Barras com emendas
Nas duas situações acima esquematizadas, a limitação para os afastamentos mínimos nos
sentidos vertical e horizontal é:
(av , ah )   e  2 cm
(av  0,5 vezes; ah  1,2 vezes ) o diâmetro máximo do agregado, considerando:
(Brita 0 até 9,5mm, Brita 1 até 19mm e Brita 2 até 25mm)

A partir da segunda camada horizontal da armadura, deve-se prever um afastamento na


horizontal para a passagem do vibrador. Os vibradores existentes no mercado nacional têm
diâmetros de 25, 35, 45 e 60 mm. Recomenda-se um espaço livre com pelo menos 0,5 cm a mais do
que o diâmetro do vibrador.

3.5 Juntas

As juntas existentes nas estruturas de concreto armado usuais podem ser juntas de dilatação
e de concretagem; seu posicionamento e geometria devem ser precisamente definidos no projeto.
As juntas de dilatação separam fisicamente duas partes de uma estrutura, sendo da ordem de
alguns centímetros. O posicionamento das juntas de dilatação é definido por razões arquitetônicas
ou para se evitar grandes dimensões de construção em planta, com o objetivo de minimizar os
efeitos na estrutura de variações térmicas e retração.
As juntas de concretagem delimitam volumes de concreto que serão lançados de uma só vez,
sem interrupção. Devem ser acertadas de comum acordo entre projetista e construtor, e definidas
pela capacidade de lançamento de concreto de uma vez por parte da empreiteira, pelo menor

34
prejuízo que o posicionamento das juntas possa causar ao funcionamento da estrutura e pela
minimização dos efeitos térmicos na mesma. Estes efeitos são associados à elevação da temperatura
na massa do concreto durante as reações químicas, altamente exotérmicas, que ocorrem durante a
sua pega.
As juntas de concretagem são chamadas de juntas “frias”, quando entre zonas de
concretagem contíguas, se prevê um intervalo de alguns dias entre os respectivos lançamentos do
concreto, para permitir que a zona que foi concretada primeiro “esfrie”, ou seja, que haja a
dissipação da maior parte do calor gerado durante a pega. Antes da segunda concretagem, deve
haver um “tratamento” da junta, que consiste basicamente na limpeza da junta por jateamento, com
remoção da nata de cimento superficial, até que o agregado graúdo fique exposto.
Quando as juntas “frias” se localizam abaixo do nível do lençol freático, elas se constituem
em um caminho potencial para a passagem de água, devendo ser então protegidas por um material
“veda-juntas”, como os do tipo Fugenband ou similar.

3.6 Cobrimentos

As armaduras devem ser protegidas contra a corrosão durante a vida útil de uma estrutura. A
proteção das armaduras (Fusco, pg.15) é função da qualidade do concreto (compacidade e
impermeabilidade) e da espessura dos cobrimentos. Observar que na definição da espessura do
cobrimento deve-se considerar a barra efetivamente mais externa da armadura, incluindo a eventual
presença de estribos, armaduras secundárias ou construtivas.
A compacidade do concreto depende da trabalhabilidade do concreto por ocasião de seu
lançamento e dos cuidados tomados no seu lançamento e na vibração. A impermeabilidade depende
da definição do fator água-cimento, adequado a cada construção e da dosagem do concreto,
incluindo a eventual utilização de aditivos.
As armaduras são protegidas da corrosão causada pela agressão de agentes externos nocivos,
mecanicamente, pela espessura do cobrimento e quimicamente, pelo fenômeno da passivação do
aço. Esta decorre da grande alcalinidade do concreto, chegando a água existente em seus poros a ter
pH com valores superiores a 12,5. Neste ambiente, é formada na superfície das barras de aço, uma
película passivadora, constituída por uma camada microscópica de óxido de ferro, que impede a
corrosão.
Assim, a corrosão só pode ocorrer, se a película passivadora for destruída, por uma das
causas abaixo:
- redução do pH para abaixo de 9, pela carbonatação da camada de cobrimento;
- penetração junto às armaduras, em decorrência da fissuração excessiva, de íons como o do
cloreto Cl- e de outros presentes, em menor ou maior grau, na atmosfera.
- lixiviação do concreto, pela circulação de água em sua massa.
A carbonatação é a neutralização da água dos interstícios saturada de hidróxido de cálcio e
outros, na presença de CO2, precipitando carbonato de cálcio. Nas superfícies de concreto sem
revestimento, o gás carbônico penetra através dos poros capilares, provocando a carbonatação da
camada de cobrimento. Em média, dependendo da relação água/cimento, em condições de perfeita
integridade do concreto, após 100 anos, a carbonatação do concreto atinge uma profundidade de 2,5
cm (sendo que, em 50 anos, atinge 2 cm). Considera-se que a velocidade de penetração de íons
cloreto, que promovem a destruição da película passivadora, é aproximadamente igual à velocidade
da carbonatação do concreto.
A definição dos cobrimentos adequados a cada construção deverá, portanto, considerar
características específicas da obra e a agressividade do meio ambiente. Segundo a NBR 6118, item
7.4.7, os cobrimentos a serem considerados na construção são os cobrimentos nominais (c nom),
sendo esta grandeza definida como:

cnom = c + cmin ≥ φ barra

35
c é a tolerância de execução, igual a 10 mm nas obras correntes.
cmin é o cobrimento mínimo a ser aceito na construção, definido pela Norma, em suas
Tabelas 6.1 e 7.2, em função da classe de agressividade ambiental a que a estrutura está exposta. A
Norma define os seguintes valores para cnom (com cnom ≥ ø barra):
cnom = 20 mm (lajes) ou cnom = 25 mm (vigas ou pilares) - (Classe I – Peças submersas;
peças em zona rural; peças em zona urbana com ambientes internos secos: salas, dormitórios,
banheiros, cozinhas e áreas de serviço em edificações residenciais e comerciais ou em ambientes
com concreto revestido com argamassa e pintura; peças em zonas urbanas em regiões de clima
particularmente seco, conforme definição da Norma).
cnom = 25 mm (lajes) ou cnom = 30 mm (vigas ou pilares) - (Classe II – Peças em zona
urbana não enquadradas na Classe I, como em ambientes internos úmidos ou com ciclos de
molhagem e secagem: vestiários, banheiros, cozinhas e lavanderias industriais e garagens; peças em
zona marinha ou industrial com ambientes internos secos: salas, dormitórios, banheiros, cozinhas e
áreas de serviço em edificações residenciais e comerciais; peças em zonas industriais em regiões de
clima particularmente seco, conforme definição da Norma).
cnom = 35 mm (lajes) ou cnom = 40 mm (vigas ou pilares) - (Classe III - Peças em zona
marinha ou industrial com ambientes internos úmidos ou com ciclos de molhagem e secagem:
vestiários, banheiros, cozinhas e lavanderias industriais e garagens).
cnom = 45 mm (lajes) ou cnom = 50 mm (vigas ou pilares) - (Classe IV – Peças em zona
industrial em ambientes quimicamente agressivos; peças sujeitas a respingos de maré).
Nas faces superiores de lajes ou vigas revestidas com argamassa de contrapiso poderá ser
considerado o cobrimento nominal mínimo cnom = 15 mm.
Se o cobrimento exceder 6 cm, deve-se dispor uma malha de armadura de pele
complementar, respeitando-se os cobrimentos acima definidos.
No caso do concreto estar em contato com o solo, e não sendo o solo rochoso, deve ser
prevista uma camada de concreto simples, entre a estrutura e o solo, com 250 kg/m 3 de cimento e
com pelo menos 5 cm de espessura (“concreto magro”).
A definição das diversas classes de agressividade encontra-se resumida na tabela a seguir.

Outras condições climáticas


Clima Ambientes internos secos Ambientes
particularmente ou internos com externos ou
seco revestimento de argamassa internos úmidos
e pintura
Peças submersas I I I
Zona rural I I I
Zona urbana I I II
Zona industrial II II III
Zona marinha III II III
Zona industrial com ambiente IV III IV
particularmente agressivo
Zona com respingos de maré IV IV IV

36
3.7 Ganchos e dobramentos

Dobramentos padronizados para ganchos e estribos são definidos pela NBR 6118 em seus
itens 9.4.2.3 e 9.4.6.1, respectivamente. Os ganchos padronizados em extremidades das barras da
armadura longitudinal de tração e em estribos podem ser:
a) semicirculares, com ponta reta não inferior a 2 (5 e no mínimo de 5 cm, no caso de
estribos);
b) com ângulo interno de 45, com ponta reta não inferior a 4 (5 e no mínimo de 5 cm, no
caso de estribos);
c) em ângulo reto, com ponta reta não inferior a 8 (10 e no mínimo de 7 cm, no caso de
estribos).
Nas barras lisas, os ganchos deverão ser semicirculares. As barras lisas tracionadas deverão
sempre ter ganchos. As barras que possam ser comprimidas, as de bitola   32 mm e os feixes de
barras não deverão ter ganchos.
O diâmetro interno de curvatura de ganchos e estribos é definido na tabela a seguir:

Tipo do Aço CA-25 CA-50 CA-60


Bitola  20mm 4 5 6
Bitola  20mm 5 8 -
Bitola  10mm (só estribos) 3 3 3

Para barras em cavaletes (ancoragens de barras longitudinais a 45) e em nós de pórticos,


devem ser usados os dobramentos definidos pela NBR 6118 no seu item 18.2.2, (valores dos
diâmetros internos de curvatura):

CA-25: 10  ; CA-50: 15  ; CA-60: 18 

Estes diâmetros podem ser reduzidos na relação entre área de aço necessária sobre área de
aço utilizado, respeitando como valor mínimo os especificados para os ganchos. No caso de barras
curvadas no mesmo plano em várias camadas, com afastamento inferior ao dobro do mínimo
permitido, os diâmetros de curvatura serão multiplicados pelo número de camadas.

3.8 Fenômeno da aderência.

A viabilidade do concreto armado é assegurada pela aderência entre o concreto e o aço, que
impede o escorregamento da armadura com relação ao concreto que a envolve e também garante a
transferência de forças e tensões entre os dois materiais (Fusco, pg.137).

Zd  fbd
Concreto

Distribuição real
fbd Distribuição simplificada adotada

37
A aderência entre o concreto e o aço tem três parcelas básicas:
a) aderência por adesão - decorrente do poder ligante do cimento, surge em virtude das
ligações físico-químicas que se estabelecem nas interfaces entre os dois materiais durante
a pega e pode ser constatada pela dificuldade em se separar uma barra de aço concretada
semi-imersa em um bloco de concreto.
b) aderência por atrito - em um ensaio de arrancamento de uma barra de aço de um bloco de
concreto, se constata que a força necessária é maior do que a que seria prevista pela
parcela da adesão. A aderência por atrito é condicionada pelo coeficiente de atrito entre o
aço e o concreto e pela pressão transversal à barra. Curvaturas nas barras, como as dos
ganchos, proporcionam também regiões de grande atrito.
c) aderência mecânica - essa parcela é devida às microssaliências existentes nas barras lisas
e, adicionalmente nas barras de alta aderência, pelas saliências que as caracterizam. Estas
saliências funcionam mecanicamente como peças de apoio, despertando tensões de
compressão no concreto.
A aderência entre o aço e o concreto é medida experimentalmente, em ensaios de
arrancamento de barras de aço de um bloco de concreto.
Considera-se, por simplicidade, que ocorra uma distribuição uniforme, de tensões de
aderência, fbd, entre o concreto e o aço. Supondo que o comprimento de ancoragem é lb, e que haja
ruptura simultânea por escoamento da barra e por aderência da barra no concreto, pode-se escrever
a expressão:

2 fyd = (  lb) fbd ou:


4
lb =  fyd
4 fbd
Os valores a serem tomados para fbd são definidos no item 9.3.2.1 da NBR 6118:
fbd = 1 2 3 fctd
Os valores a serem tomados para 1 são de 1,0 , 2,25 e 1,4 , respectivamente para os aços
CA-25, CA-50 e CA-60; os valores a serem tomados para 2 são de 1,0 e 0,7 , respectivamente para
situações de boa e má aderência; os valores a serem tomados para 3 são de 1,0 para bitolas até 32
mm e de 3 = (132 - )/ 100 para bitolas  superiores a 32 mm. Pode-se definir fctd pelas expressões
do item 8.2.5, pg. 22, da Norma:

fctd = fctk,inf /  c fctk,inf = 0,7 fct,m


2/3
fct,m = 0,3 fck (fck ≤ 50 MPa); fct,m = 2,12 ln (1 + 0,11 fck) (fck > 50 MPa)

3.9 Zonas de boa e má aderência

Todas as barras devem ser ancoradas no concreto para garantir que possam resistir, com
segurança, aos esforços para as quais foram dimensionadas. Além das características das barras, a
qualidade do concreto na zona de ancoragem é também importante para se garantir uma boa
aderência.
A NBR 6118 identifica duas situações distintas (zonas de boa e de má aderência), para a
consideração da aderência entre o aço e o concreto. Estas duas situações estão associadas a
condições mais ou menos favoráveis para a vibração e o adensamento do concreto, reconhecendo-se
que, no caso de peças concretadas horizontalmente, a perda de água durante a pega (exudação) é
mais intensa nas regiões superiores das peças (ver NBR 6118, item 9.3.1).

38
São consideradas como pertencentes às zonas de boa aderência barras com inclinação não
inferior a 450 com a horizontal e as barras com inclinação inferior a 45 0 com a horizontal,
localizadas a não mais de 30 cm da face inferior da peça ou junta de concretagem (peças com
menos de 60 cm) ou a mais de 30 cm da face superior (peças com mais de 60 cm). As demais são
consideradas como pertencentes às zonas de má aderência. Nos esquemas abaixo, as áreas
hachuradas correspondem às zonas de má aderência. Quando da utilização de formas deslizantes,
deve-se considerar também que as barras estão em zona de má aderência.

h  30 30

 45

h30 30 h60 30


h60
30

3.10 Ancoragem

O mecanismo de transmissão de forças do aço para o concreto introduz tensões de tração


transversais no concreto:

F/2

F/2
Estes esforços transversais tendem a destruir a ligação existente entre os dois materiais,
prejudicando a eficiência da ancoragem. Esta pode ser então melhorada, com a redução da
fissuração transversal, pela presença de compressão transversal (por exemplo, nas zonas de apoio
das bielas inclinadas de compressão do concreto), por um cintamento helicoidal ou por uma
armadura transversal de costura.
As antigas regras de detalhamento, que recomendavam a ancoragem das barras em regiões
de compressão longitudinal do concreto, não encontram justificativa, já que a compressão
importante é a presente no sentido transversal à ancoragem.
O comprimento de ancoragem é de (NBR 6118, item 9.4.2.5):

lb,nec = 1 lb As calc /As,ef  lb,min onde:

lb =  fyd ≥ 25 
4 fbd

39
O comprimento de ancoragem básico lb pode, então, ser reduzido na relação entre a área de
armadura calculada As calc e a área existente As,ef . O comprimento de ancoragem adotado lb,nec não
pode ser, no entanto, inferior a lb,min que é o maior entre os valores: 0,3 lb, 10 e 10cm.
A presença de ganchos padronizados permite a aplicação do coeficiente 1, no comprimento
de ancoragem, igual a 1,0 ou 0,7 nos casos respectivamente da ausência de ganchos, ou na sua
presença com cobrimento mínimo no plano normal ao do gancho, de 3.
Nos casos das barras de alta aderência, age basicamente a ancoragem mecânica nas
nervuras, que não é destruída pelo incipiente escorregamento longitudinal, impedido pela ação dos
ganchos. Nestes casos, os ganchos são menos importantes. As ancoragens nos estribos são
garantidas através de seus ganchos.
As barras comprimidas são ancoradas com barras sem ganchos, prejudiciais nestes casos,
pelas concentrações de tensões que introduzem nas extremidades das barras. O comprimento de
ancoragem é o mesmo das barras tracionadas. Esta definição de norma é conservadora, já que na
ancoragem de barras comprimidas, existe maior integridade do concreto, em virtude da compressão
no sentido longitudinal da ancoragem e pela resistência na ponta das barras. Esta pode ser
significativa, pois a resistência do concreto carregado em áreas parciais pequenas atinge valores
elevados.
As trações transversais presentes ao longo do comprimento de ancoragem devem ser
consideradas, exceto quando houver compressão suficiente no concreto na zona de ancoragem, o
que é o caso de ancoragens comprimidas transversalmente por reações de apoio. Pode-se considerar
estas trações como resistidas pelo próprio concreto, desde que haja um cobrimento mínimo da barra
ancorada de 3 e que a distância entre as barras ancoradas seja pelo menos igual a 3 (NBR 6118,
item 9.4.1.1). Caso contrário, para barras de diâmetro inferior a 32 mm, deve ser disposta armadura,
ao longo do comprimento de ancoragem, capaz de resistir a 25% do esforço ancorado em uma das
barras. Todas as barras transversais à região de ancoragem, como os estribos, podem ser
computadas nesta armadura. Para barras de diâmetro igual ou superior a 32 mm, o item 9.4.2.6.2 da
Norma deve ser consultado.
É possível a ancoragem das barras através de dispositivos mecânicos acoplados às mesmas.
Neste caso, o item 9.4.7 da Norma exige a justificativa ou a comprovação da eficiência da
ancoragem através de ensaios.
 Exemplo de determinação de comprimento de ancoragem:
Seja uma ancoragem com gancho, em situação de má aderência, de uma barra de 16mm, de
aço CA-50, em concreto de fck = 20 MPa.
fbd = 1 2 3 fctd
Os valores a serem tomados são 1 = 2,25 , 2 = 0,7 e 3 = 1,0
2/3
fct,m = 0,3 fck = 2,21 MPa ; fctk,inf = 0,7 fct,m = 1,55 MPa ; fctd = fctk,inf /  c = 1,11MPa
fbd = 2,25 x 0,7 x 1 x 1,11 = 1,75 MPa lb,nec = 1 lb As calc /As,ef = 1 lb = 0,7  fyd
4 fbd
fyk = 50 kN/cm2 = 500 MPa, fyd = 500/1,15 = 434,8 MPa
lb,nec = 0,7 x 1,6 x 434,8 = 70 cm
4 x 1,75

3.11 Emendas por traspasse


Da mesma forma que para as ancoragens, as emendas por traspasse introduzem tensões de
tração transversais no concreto:
F

40
Estas tensões são maiores nas barras de maior diâmetro. Não são permitidas emendas por
traspasse para bitolas maiores que 32 mm. Os comprimentos de emenda são a princípio
determinados com as mesmas hipóteses e tem os mesmos valores numéricos dos comprimentos de
ancoragem. No entanto, devido ao efeito prejudicial das tensões transversais, mais ou menos críticas
em função do arranjo das emendas, ou seja, da distância entre elas e da percentagem das barras
emendadas em uma única seção, é introduzido um fator 0t, definido na Tabela 9.4 da Norma,
abaixo parcialmente reproduzida, que majora os comprimentos de ancoragem.

Valores de 0t
Porcentagem de barras emendadas na mesma seção
50% 100%
1,8 2,0

O comprimento de traspasse de barras tracionadas é de (NBR 6118, item 9.5.2.2.1):

l0t = 0t lb,nec  l0t min onde lb,nec tem a mesma definição dada para as ancoragens

O comprimento de traspasse adotado l0t não pode ser inferior a l0t min, que é o maior entre os
valores: 0,3 0t lb, 15 e 20cm.
Quando a distância livre entre as emendas for maior do que 4, ao valor do traspasse acima
calculado deve ser acrescido o valor da distância livre entre as emendas. No caso das barras terem
diâmetro diferente, o comprimento de traspasse deve ser calculado pela barra de maior diâmetro.

l01  l02
  e 2cm
a
  e 2cm
 0,2 l01
l02
Definição de “a” Distâncias mínimas Emendas consideradas
Distância entre emendas entre emendas como na mesma seção
Nos casos usuais em que o carregamento é predominantemente estático, a porcentagem
máxima de barras emendadas em uma única seção é definida na tabela 9.3 da NBR 6118:

Tipo de barra Situação Percentagem máxima


de barras emendadas
Aço de alta em uma camada 100%
aderência em mais de uma camada 50%
Aço liso   16 mm 50%
  16 mm 25%

As barras comprimidas e as barras de distribuição podem ser todas emendadas em uma


única seção.
O comprimento de traspasse de barras comprimidas é de (NBR 6118, item 9.5.2.3):

l0C = lb,nec  l0C min

O comprimento de traspasse adotado l0C não pode ser inferior a l0C min, que é o maior entre os
valores: 0,6 lb, 15 e 20cm.
41
Deverá sempre haver armadura transversal às emendas por traspasse. No caso usual em que
a percentagem de barras emendadas em uma mesma seção for maior ou igual que 25%, esta
armadura deverá ser capaz de resistir a uma força igual à de uma barra emendada. Esta armadura
deverá ser distribuída nos terços extremos das emendas, com espaçamento máximo de 15 cm. A
armadura deverá ser fechada, se a distância livre entre as duas barras mais próximas de duas
emendas em uma mesma seção for menor ou igual que 10. Adicionalmente, nas emendas de barras
comprimidas, uma das barras transversais, em cada lado da emenda, deverá estar posicionada 4
além de cada extremidade da emenda (ver NBR 6118, itens 9.5.2.4.1 e 9.5.2.4.2).
A emenda das armaduras em tela soldada nervurada pode ser realizada com:
- duas malhas ou três fios no caso de armadura principal;
- uma malha ou dois fios no caso de armadura secundária.
Nas emendas de telas retangulares, a emenda na direção da maior dimensão da malha pode
ser reduzida se respeitar ao menos os critérios de emenda de barras isoladas. Ver também o item
9.4.4 da NBR 6118.

3.12 Emendas mecânicas e soldadas.

Emendas com solda devem ser usadas somente em situações especiais (ver NBR 6118, item
9.5.4). Exigem controle especial de temperatura, para não prejudicar as características mecânicas do
aço, e mão de obra especializada e qualificada. Devem ser evitadas em regiões de dobramentos, que
podem levar a uma fragilidade maior da solda e em regiões de alternância de esforços, para evitar o
fenômeno da fadiga.
A resistência da solda com eletrodo (de topo ou por traspasse com cordões de solda
longitudinais ou com outras barras justapostas) é em geral igual à da barra soldada; no caso da barra
ser tracionada e haver preponderância de carga acidental, a resistência da solda deve ser reduzida
em 20%. As emendas de topo com eletrodo só podem ser realizadas para bitolas pelo menos iguais
a 20 mm. As emendas soldadas podem ser também por caldeamento (de topo, por pressão), para
bitolas pelo menos iguais a 10 mm.
As emendas soldadas podem ser realizadas na totalidade das barras em uma seção
transversal.
É possível também a emenda mecânica das barras através de luvas, com preenchimento
metálico, rosqueadas, prensadas ou aparafusadas. Deve ser demonstrado que a resistência da
emenda é pelo menos igual à da barra emendada.
Tanto nas emendas mecânicas como nas soldadas é exigida uma resistência adicional nos
ensaios de no mínimo 15% superior às das barras a serem emendadas.

3.13 Montagem das armaduras.

O projeto deve considerar as interferências e congestionamentos decorrentes da montagem


geral do conjunto das armaduras. Nas interferências, deve-se priorizar o posicionamento das
armaduras dos pilares, o das vigas e depois o das demais armaduras. Ver em Fusco, pg. 23,
exemplos de congestionamentos aceitáveis e inaceitáveis.
Nas barras de alta aderência, a obstrução no concreto é sempre maior do que o diâmetro
nominal, em virtude das nervuras na superfície das barras. A altura média das nervuras é de 4% do
diâmetro nominal para barras com diâmetro maior ou igual a 10 mm e de 2% do diâmetro nominal
para barras de diâmetro inferior a 10mm. Por exemplo, para fins de obstrução a barra de 12,5 mm
deve ser considerada com 12.(1+2.0,04) = 13,5mm.
As armaduras devem ser montadas de forma que mantenham a posição de projeto durante o
lançamento do concreto. Não é permitida a utilização de calços de aço com cobrimento inferior ao
prescrito para as barras das armaduras.

42
4 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DAS LAJES

4.1 Cálculo das armaduras de lajes.

As lajes são elementos essenciais em uma estrutura, sendo as de concreto armado as mais
utilizadas na construção civil. Chamamos de lajes aos elementos estruturais em que duas das
dimensões preponderam sobre uma terceira (espessura da laje), sendo os carregamentos
predominantes aplicados em suas direções transversais. Nas construções convencionais, as lajes têm
como função resistir às cargas verticais a elas diretamente aplicadas e transmiti-las aos elementos
estruturais que as suportam (vigas e pilares).
As cargas a serem consideradas nas estruturas de edificações são definidas na NBR 6120.
Em lajes usuais, as seguintes parcelas de carga devem ser consideradas: peso próprio, revestimento,
alvenaria e carga acidental.
Para efeito de cálculo, as lajes são divididas em lajes armadas em uma direção (quando uma
das dimensões da laje supera o dobro da outra), ou armadas em duas direções (no caso contrário).
Lajes armadas em uma direção podem ser calculadas como vigas contínuas de largura
unitária. Lajes armadas em duas direções podem ser calculadas por métodos baseados na Teoria
Matemática da Elasticidade, pelo Método das Linhas de Ruptura (charneiras plásticas), ou
numericamente por processos como o Método dos Elementos Finitos. As tabelas de Czerny são
obtidas através de simplificações da Teoria da Elasticidade.

4.2 Detalhamento. Exigências normativas. Dimensões externas mínimas. Armaduras


mínimas.

 Espessuras mínimas para as lajes


No projeto dos edifícios, a definição adequada das espessuras das lajes é essencial para a
economia final da construção. Devem-se adotar espessuras econômicas, mas que não conduzam a
flechas excessivas ou a um dimensionamento das armaduras que leve a um detalhamento muito
denso para as barras da armação.
A NBR 6118, em seu item 13.2.4.1, pg. 67, define as espessuras mínimas para lajes maciças:
a) 7 cm - lajes de cobertura não em balanço;
b) 8 cm - lajes de piso e lajes de cobertura em balanço;
c) 10 cm - lajes em balanço;
d) 10 cm - lajes que suportem veículos com peso de até 30 kN;
e) 12 cm - lajes que suportem veículos com peso superior a 30 kN;
f) l/42 para lajes de piso biapoiadas e l/50 para lajes de piso contínuas, sendo l o menor vão da laje
considerada (requisito obrigatório para lajes protendidas e indicativo para lajes maciças).

Adicionalmente, para as lajes em balanço, deverá ser aplicado um coeficiente adicional de


majoração de cargas γn igual a:

γn = 1,95 – 0,05 h (h – espessura da laje)

 Espaçamento das armaduras


Segundo a NBR 6118, item 20.1, na região de momentos máximos, o espaçamento das
armaduras não deve exceder 2h ou 20 cm. O espaçamento das barras de distribuição, em lajes
armadas em uma só direção, não deve exceder 33 cm. O diâmetro das barras não deve exceder h/8.

 Arranjo das armaduras


O arranjo das armaduras deve atender não somente à sua função estrutural, como também às
condições adequadas de execução, tendo em vista particularmente o lançamento e o adensamento
43
do concreto. Espaços adequados devem ser previstos para a introdução dos vibradores, de modo a
impedir a segregação dos agregados e a formação de vazios no concreto estrutural. As armaduras
devem ser dispostas de forma a que se possa garantir o seu posicionamento durante a concretagem.

 Armaduras mínimas
Armaduras mínimas de 0,15% bw h, para CA-50 ou CA-60, podem ser consideradas para fck
até 30MPa. Para valores maiores de fck, a NBR 6118, em sua tabela 17.3 abaixo reproduzida, define
as percentagens mínimas de armadura em função do fck.

No caso de lajes armadas em duas direções, de acordo com a Tabela 19.1 da Norma, suas
armaduras positivas mínimas podem ser de 2/3 da armadura mínima básica acima definida.
Nas bordas de lajes sem continuidade com lajes adjacentes deve ser disposta armadura
negativa mínima, também correspondente a 2/3 da armadura mínima básica.
Em lajes armadas em uma só direção, a armadura positiva secundária (de distribuição) pode
ser de 1/2 da armadura mínima básica, mas deve ter no mínimo 1/5 da área da armadura principal
da laje, com pelo menos 0,9 cm2 por metro (correspondente a  5c20).
Por exemplo, uma laje com altura total h = 12cm, terá as armaduras mínimas:
- Armaduras negativas (todas as lajes) e positivas principais de lajes em uma direção:
As MÍN = 1,8 cm2/m (5c10 = 1,96 cm2/m ou  6,3c15 = 2,08 cm2/m).
- Armaduras negativas nas bordas sem continuidade e positivas de lajes em duas direções:
As MÍN = 2/3 . 1,8 = 1,2 cm2/m (5c15 = 1,31 cm2/m ou  6,3c20 = 1,56 cm2/m).
- Armaduras positivas secundárias de lajes em uma direção: As MÍN =1/2 . 1,8 = 0,9cm2/m
(5c20 = 0,98 cm2/m ou  6,3c33 = 0,94 cm2/m).
 Comprimento dos ferros
A região a ser coberta pela armadura negativa deva ser, no mínimo 0,25 do maior dos dois
vãos menores. Para as armaduras negativas nas bordas de lajes sem continuidade com as adjacentes,
a armadura deve se estender até pelo menos 0,15 do vão menor da laje a partir da face do apoio.
Toda a armadura positiva deve ser levada até os apoios, não se permitindo escalonamento. A
armadura deve ser prolongada no mínimo 4 cm além do eixo teórico do apoio.

4.3 Problemas particulares em lajes: armadura de canto, lajes com formas especiais, lajes
em forma de L, lajes com aberturas.

 Lajes com furos


Em casos como o esquematizado a seguir, calcular a Laje 1 apoiada em um bordo livre e em
3 apoios, inclusive na Laje 2. Calcular esta com a carga aplicada pela Laje 1, em uma faixa bm,
determinada como para a laje apoiada em uma direção sob a ação de cargas concentradas.

44
Laje 1

Laje 2

bm

De acordo com a NBR 6118, item 13.2.5.2, a verificação para aberturas em lajes em duas
direções pode ser dispensada se: as dimensões das aberturas não forem maiores que um décimo do
vão menor; a distância entre a face da abertura e a borda da laje for ao menos um quarto do vão, na
direção considerada; a distância entre duas aberturas for pelo menos igual à metade do menor vão.

 O Método das Charneiras Plásticas


A NBR 6118, em seu item 14.7.4, permite uma análise plástica das lajes, pelo Método das
Charneiras Plásticas, desde que as seguintes condições sejam atendidas:
a) Na ausência de uma verificação explícita da capacidade de rotação plástica das charneiras, a
profundidade da linha neutra é limitada em:
- x/d ≤ 0,25 se fck ≤ 50 MPa;
- x/d ≤ 0,15 se fck > 50 MPa.
b) Nas regiões das bordas com momentos negativos, estes devem ser pelo menos iguais a 1,5
vezes os valores dos momentos positivos no vão.
c) Cuidados especiais devem ser tomados nas verificações nos estados limites de serviço de
abertura de fissuras e de deformações excessivas, principalmente quando a relação adotada
entre os momentos divergir muito da resultante de uma análise elástica.

 Redistribuição de momentos negativos


De acordo com o item 14.6.4.3 da NBR 6118, para garantir condições adequadas de
dutilidade nas vigas e lajes, a posição da linha neutra no ELU está limitada aos valores:

x/d ≤ 0,45 - para concretos com fck ≤ 50 MPa;


x/d ≤ 0,35 - para concretos com 50 MPa < fck ≤ 90 MPa.

Quando for efetuada uma redistribuição, reduzindo-se um momento fletor de M para δM, em
uma seção transversal, a profundidade da linha neutra, para o momento reduzido δM, deve ser
limitada a:

x/d ≤ (δ - 0,44)/1,25 para fck ≤ 50 MPa;


x/d ≤ (δ - 0,56)/1,25 para 50 MPa < fck ≤ 90 MPa.

Respeitando-se o limite:

-   0,75

45
5 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE VIGAS

 Detalhamento das vigas, segundo a NBR 6118:


Item 13.2.2 - A largura de vigas deve ser de, no mínimo, 12 cm e a das vigas-parede 15 cm.
Excepcionalmente, um valor de até 10 cm pode ser utilizado, desde que seja demonstrado que os
requisitos de espaçamento e cobrimento de armaduras da Norma estão sendo respeitados, e que será
viável o lançamento e a vibração do concreto.
Item 13.2.5.1 - É dispensada a verificação para furos e aberturas se: a distância à face mais
próxima da viga for pelo menos 5 cm e duas vezes o cobrimento previsto; estiverem em zona de
tração e afastadas pelo menos 2h da face do apoio; possuírem dimensão não superior a 12 cm e nem
a h/3; não apresentarem distância entre faces de abertura menores que 2h, se estiverem em um
mesmo tramo; os cobrimentos se mantiverem suficientes e não forem cortadas barras da armadura.
Item 13.2.6 - Canalizações embutidas não são permitidas em elementos lineares se: não
tiverem isolamento adequado ou contiverem fluido com temperatura superior em 150 à do ambiente;
tiverem pressão interna superior a 0,3 MPa; estiverem embutidas em pilares sem aberturas para
drenagem.
Item 17.3.5.2.1 - As armaduras mínimas de tração para seções retangulares são dadas na
tabela 17.3, já reproduzida no item de lajes.
Pode ser utilizada armadura menor que a mínima, desde que o dimensionamento considere
um momento igual ao dobro de Md. Segundo o item 17.3.5.2.4, a armadura longitudinal total
(As + As') não pode exceder 4% de Ac, calculada numa seção fora da região de emendas.
Item 17.4.1.1.1 - As armaduras transversais mínimas serão:
SW = ASW  0,2 fctm
bw s sen  fywk
Item 18.3.3.2 - Os estribos devem ser fechados na região de apoio das diagonais de
compressão, envolvendo a armadura longitudinal. A inclinação  mínima permitida para os estribos
é de 45. O diâmetro dos estribos deve ser no máximo 1/10 da largura da alma e de pelo menos
5mm. Toda peça fletida deve ter estribos, excetuando-se as lajes. Nos cantos dos estribos deve
haver armadura longitudinal, de diâmetro pelo menos igual ao do estribo. O espaçamento s dos
estribos não pode exceder os limites abaixo:
- se Vd  0,67 VRd2, smáx = 0,6 d  30 cm;
- se Vd  0,67 VRd2, smáx = 0,3 d  20 cm.
O espaçamento transversal entre ramos sucessivos não deve exceder os valores:
- se Vd  0,20 VRd2, st,máx = d  80 cm;
- se Vd  0,20 VRd2, st,máx = 0,6 d  35 cm.
Item 17.3.5.2.3 - A armadura de pele (costelas) é necessária para vigas com altura superior a
60 cm. Deve ser, por face, de pelo menos 0,10% Ac,alma e de aço CA-50 ou CA-60. O afastamento
das barras não deve exceder 20 cm. Não é necessária armadura superior a 5 cm2/m por face.
Itens 17.5.1.2 e 18.3.4 - Quando a torção for necessária ao equilíbrio, aplicam-se as
armaduras mínimas abaixo para os estribos verticais e barras longitudinais:
SW = Sl = ASW = ASl  0,2 fctm
bw s he ue fywk
Os estribos devem ser verticais, fechados em todo o contorno, envolvendo as barras
longitudinais e com ganchos a 45. Aplicam-se os mesmos requisitos de detalhamento dos estribos
para esforços de cisalhamento. As barras longitudinais, quando distribuídas no perímetro, podem
ser espaçadas de no máximo 35 cm.
Item 18.3.7 - A armadura mínima de costura de viga T, transversal à nervura, deve ser de 1,5
2
cm /m.

46
 Exemplo de armadura mínima em viga
Viga de 15 x 90, armada com aço CA-50, concreto fck = 30 MPa
min = 0,035 fcd = 0,0288 fck  0.15%  min = 0,173 %
. fyd fyk
SW = ASW  0,2 fctm fctm = 2,897 MPa SWmin = 0,116 %
bw s sen  fywk

 6,3 c 20

25
7  5 c 12,5 (C.F)

 5 c 20

15 2  12,5

Esforços nas vigas contínuas são determinados segundo a NBR 6118, item 14.6.6.1. Pode-
se calcular as vigas como contínuas, sem ligações rígidas com os apoios, com as correções:
- os momentos positivos mínimos a serem considerados são os obtidos considerando-se
engastamento perfeito nos apoios internos.
- nos apoios nos pilares intermediários, se a largura do apoio na direção da viga exceder a
quarta parte da altura do pilar, o momento negativo mínimo é o de engastamento perfeito.
- caso não se demonstre analiticamente de outra forma, o momento negativo mínimo em
apoios extremos a ser considerado é avaliado em função do momento de engastamento perfeito e
das relações entre a rigidez da viga, do pilar abaixo e do acima do apoio:

Mvig = Meng rinf + rsup ri = Ii / Li


rvig + rinf + rsup

Na avaliação da rigidez dos pilares, toma-se como comprimento efetivo, a metade de seu
comprimento real, conforme Fig. 14.8, pg. 83, da Norma.
Nos pilares acima e abaixo do apoio aplicam-se os momentos correspondentes que
equilibram o nó:

Msup = Meng rsup


rvig + rinf + rsup
Minf = Meng rinf
rvig + rinf + rsup

 De acordo com a NBR 6118, item 14.6.3, o momento negativo no apoio pode ser arredondado,
tomando-se a média entre o momento máximo e a semi-soma dos momentos nas faces dos apoios, o
que corresponde a uma redução no momento igual a M'=Rt/8, sendo R a reação total no apoio de
dimensão na direção do eixo da viga igual a t; pode-se também considerar uma “mísula” da face
para o centro do pilar inclinada de 1:2 (ver item 14.6.2.3, pg. 79 da Norma).

 Redistribuição de momentos negativos


As recomendações do item 14.6.4.3 da NBR 6118, já reproduzidas no item de Detalhamento de
Lajes, se aplicam também para vigas.

47
 De acordo com a NBR 6118, itens 17.4.2 e 18.3.2.4, a força a ancorar em apoios extremos é:
FSd = (al / d) Vd , onde Vd é a força cortante no apoio.
De acordo com o item 18.3.2.4.1, nos apoios extremos, as barras das armaduras devem ser
ancoradas a partir da face dos apoios, com o comprimento ao menos igual ao maior dos três valores:
lb nec, (r + 5,5 ) ou 6 cm, sendo r o raio de dobramento interno do gancho. Caso o cobrimento das
barras na região dos ganchos for de pelo menos 7 cm e as cargas forem predominantemente
estáticas, o primeiro dos três limites não precisa ser considerado. Para uma barra, por exemplo, com
 = 16 mm, CA-50, temos: r + 5,5  = 2,5  + 5,5  = 12,8 cm.
Deve-se ancorar nos apoios pelo menos 1/3 da área de aço necessária para os momentos
positivos, exceto quando os momentos negativos (em valor absoluto) forem ao menos 1/2 dos
momentos positivos nos tramos adjacentes, quando se pode então ancorar somente 1/4 da armadura
positiva. Em apoios intermediários, desde que não haja nenhuma possibilidade de ocorrer momento
positivo, o comprimento de ancoragem poderá ser igual a 10.

48
6 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS DE PILARES E DE PAREDES

 Detalhamento dos pilares (maior dimensão não excedendo cinco vezes a menor) e pilares-
parede, segundo a NBR 6118:
Item 13.2.3 - a menor dimensão dos pilares e pilares-parede não será inferior a 19 cm.
Excepcionalmente, dimensões entre 14 cm e 19 cm podem ser utilizadas, desde que se aplique às
ações um coeficiente adicional de majoração n = 1,95-0.05 b, sendo b a menor dimensão da seção
transversal do pilar em cm. Em nenhum caso o pilar poderá ter seção transversal inferior a 360 cm 2.
Item 17.3.5.3 - A percentagem mínima de armadura dos pilares é de:
As,min = (0,15 Nd /fyd)  0,004 Ac
A percentagem máxima de armadura é de 8% da seção real de concreto, inclusive no trecho
das emendas.
Item 18.4.2 - a armadura longitudinal deve ter bitola de pelo menos 10 mm, não superior a
1/8 da menor dimensão da seção transversal. No contorno dos pilares, a armadura vertical deverá ter
espaçamento máximo de 40 cm e de duas vezes a menor dimensão no trecho considerado; o
espaçamento mínimo livre entre as faces das barras, na região das emendas, será o maior valor entre
2 cm, o diâmetro da barra e 1,2 vezes o diâmetro do agregado. Os estribos cobrirão toda a altura do
pilar, inclusive a região de cruzamento com as vigas. Seus diâmetros deverão ser de pelo menos 5
mm e de 1/4 do diâmetro da armadura principal. Seu espaçamento não excederá nenhum dos
valores: 20 cm, menor dimensão da seção, 24 para CA-25 e 12 para CA-50 ( - diâmetro da
armadura principal).
Item 18.5 - os pilares-parede devem atender aos requisitos de detalhamento definidos para
os pilares. Se houver flexão transversal, os requisitos definidos para lajes se aplicam. As armaduras
secundárias, perpendiculares às cargas, devem ter seção transversal de pelo menos 25% da
principal.
Item 18.2.4 - os estribos retangulares usuais protegerão contra a flambagem da armadura
longitudinal, além das barras dos cantos, mais duas barras em cada face do pilar, desde que a mais
distante delas esteja no máximo a 20 t do canto do estribo. Para as barras não cobertas, deverão ser
colocados estribos suplementares ou grampos, aos quais se aplicará a mesma regra enunciada.
Item 22.4.4, pg. 163 - as armaduras horizontais e verticais das vigas-parede deverão atender
a uma taxa de 0,075% h por face.

 Exemplo de armadura mínima em pilar


Pilar de 40 x 100.

2  5 c 12 (C.F)

22  10

49
 Exemplo de reforço de emenda (ver item 3.10)

 Ábaco de Falkner para armadura horizontal mínima de parede (Leonhardt, Vol.4, p.35)

uzw é a percentagem de armadura calculada com o tirante de profundidade igual a


dw = ü + 7 (ü é o cobrimento da armadura e d é a espessura total da parede), com dw  d/4. (ver
também Leonhardt, Vol.2, p.1 e Vol.3, p.73). A percentagem uzw é avaliada considerando a
armadura na face em consideração.
Consultar também a NBR 6116, item 17.3.5.2.2 e o Eurocode 2, item 7.3

50
BIBLIOGRAFIA

[1] American Concrete Institute, “Building Code Requirements for Structural Concrete (ACI 318M-14)
and Commentary" - 2014
[2] American Concrete Institute, “Examples for the Design of Structural Concrete with Strut-and-Tie
Models” – SP-208, 2002.
[3] American Concrete Institute, “Further Examples for the Design of Structural Concrete with Strut-
and-Tie Models” – SP-273, 2010.
[4] Asociación Española de Normalización y Certificación (AENOR) – Instrucción de Hormigón
Estructural (EHE), 1999.
[5] Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto -
Procedimento, 2014.
[6] Calavera, J., - “Manual for Detailing Reinforced Concrete Structures to EC2”, Spon Press, 2012.
[7] Comité Euro-International du Béton - “CEB-FIP Model Code 1990 - Design Code” -
Thomas Telford Services Ltd., London, 1993.
[8] Eurocódigo 2 – EN 1992-1-1 - "Projecto de Estruturas de Betão" - 2010
[9] Fédération Internationale du Béton (fib) – Structural Concrete – Textbook on Behaviour, Design
and Performance. Updated Knowledge of the CEB/FIP Model Code 1990, Vols. 1,2 e 3. 1999.
[10] Fusco, P.B. - “Técnica de Armar as Estruturas de Concreto” - Editora Pini, São Paulo, 1995.
[11] IBRACON, Instituto Brasileiro do Concreto, “ABNT NBR 6118:2014 - Comentários e Exemplos
de Aplicação”, São Paulo, IBRACON, 2015.
[12] International Federation for Structural Concrete (fib) – Model Code for Concrete Structures 2010.
2013.
[13] International Federation for Structural Concrete (fib) – Structural Concrete – Textbook on
Behaviour, Design and Performance. Vols. 1, 2 e 3. 2010.
[14] International Federation for Structural Concrete (fib) – Design Examples for Strut-and-Tie Models.
September 2011.
[15] Leonhardt, F., Mönnig, E. - “Construções de Concreto - Vol.1 - Princípios Básicos do
Dimensionamento de Estruturas de Concreto Armado” - Editora Interciência, Rio de Janeiro, 1a
edição, 1977.
[16] Leonhardt, F., Mönnig, E. - “Construções de Concreto - Vol. 2 - Casos Especiais do
Dimensionamento de Estruturas de Concreto Armado” - Editora Interciência, Rio de Janeiro, 1a
edição, 1978.
[17] Leonhardt, F., Mönnig, E. - “Construções de Concreto - Vol. 3 - Princípios Básicos sobre a
Armação de Estruturas de Concreto Armado” - Editora Interciência, Rio de Janeiro, 1a edição,
1978.
[18] Leonhardt, F., Mönnig, E. - “Construções de Concreto - Vol.4, Verificação da Capacidade de
Utilização” - Editora Interciência, Rio de Janeiro, 1a edição, 1979.
[19] Schlaich, J., Schäfer, K., Jennewein, M. - “Toward a Consistent Design of Structural Concrete” -
Journal of the Prestressed Concrete Institute, Vol. 32, No. 3, May/June 1987.
[20] Silva, R.C., Giongo, J.S. – “Modelos de Bielas e Tirantes Aplicados a Estruturas de Concreto
Armado” – EESC USP, 2000
[21] Souza, R.A., - “Concreto Estrutural: Análise e Dimensionamento de Elementos com
Descontinuidades”, Tese de Doutoramento, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo,
2004
[22] Bosc, J. l. “Dimensionnement des Constructions selon l’Eurocode 2 et l’Aide des Modèles Bielles
et Tirantes”, Presse de l”École Nationale des Ponts et Chaussées, Paris, 2008
[23] Muttoni, A., Schwartz, J., e Thürlimann, B., “Design of Concrete Structures with Stress Fields”,
Birkhäuser Verlag, Basel, 1997

51