Você está na página 1de 7

Escola Secundária de Estarreja

Língua Portuguesa – 7º ano 2008/2009


Teste de Avaliação
Nome:__________________________________________Nº: ____ Turma_______ Data ___ / ___ / ___

Classificação: __________________________________ Professor: _______________________________

Encarregado de Educação________________________________________________________________

Observações: __________________________________________________________________________

Lê o texto com muita atenção e procura responder de forma clara, correcta e completa às questões
colocadas.

A ESTRELA
Ora certa noite, e já depois de se ter deitado, a mãe lembrou-se de que se calhar não tinha deixado o
lume bem acondicionado para não pegar fogo. (...). Eis senão quando, ao passar pelo quarto do filho,
viu por debaixo da porta uma risca de luz. Ficou arreliadíssima, como é de ver, com medo que o filho
deitasse fogo à casa. Mas nem tugiu. Queria era apanhá-lo com a boca na botija e mesmo descobrir
como é que ele tinha feito lume. Abriu, pois, só uma talisca da porta e espreitou. E então ficou de boca
aberta: sentado na cama, o filho tinha a estrela nas mãos. A cara estava toda alumiada, e as mãos era
como se tivessem lume por dentro. A mãe nem queria acreditar. Mas depois de se ter admirado, foi-se
a ele numa fúria e deitou-lhe a mão à estrela. Mas aqui deu um grito tão alto que o pai acordou. Veio a
correr ao quarto do filho e quando chegou já estavam a chorar os dois. (...). Até que o pai deu um berro
para acabar com aquele chinfrim que podia acudir a vizinhança. E disse apenas: - Põe vinagre. Ata a
mão com sal. E quanto a nós, amanhã falamos.
Mas no outro dia quem falou foi a freguesia inteira. E a primeira coisa que disse foi que era indecente
quererem fazer pouco das pessoas. Porque toda a gente via que a estrela não era aquela. (...) Então
Pedro, já assustado e a choramingar, explicou:
- Só à noite é que é! Só à noite.
E só à noite é que foi. O Governo, que era homem de leituras, chegou mesmo a explicar com paciência
aqueles brutos que estrelas, evidentemente, só à noite é que era. Mesmo só à meia-noite é que se podia
saber o sítio daquela. De modo que à meia-noite juntou-se a aldeia no adro. E como o António
Governo gostava de dar bons exemplos, chamou o filho para ser um homem e ir ele próprio em pessoa
por a estrela no seu lugar. (...). Pedro tinha a estrela nas mãos, o Pananão foi buscar as escadas.
Quando voltou com elas, uma em cada ombro, o filho do Governo, ou porque não acreditasse nessa
história da queimadura, ou porque se esquecera já dessa história, ou porque estava com pressa de ser
homem, deitou a mão à estrela. Mas logo largou um urro, enquanto largava também a estrela, porque a
aquilo queimava que nem o fogo do inferno. Pedro apanhou logo a estrela para ver se tinha partido.
Foi quando pai se adiantou com um braço no ar a pedir silêncio a toda a gente. E toda a gente lhe deu
o silêncio que ele pedia. Então ele disse:
- O meu filho é que tirou a estrela, o meu filho é que a deve lá ir por.
Toda a aldeia achou bem. Que aquilo é que era um pai. Pedro ia ouvindo tudo sem ter opiniões, que
também lhe não pediam. E muito calmo, com a estrela nas mãos, meteu pela porta da torre. As pessoas
esperaram algum tempo que ele aparecesse lá no alto da torre. Ele apareceu finalmente, a estrela
brilhando ainda mais entre os sinos como se houvesse lá uma fogueira. As escadas do Governo
estavam já encostadas no seu lugar para uma subida mais fácil. Mas Pedro, quando toda a gente
supunha que ele ia meter por elas, desapareceu pela escadinha interior que ia dar à de ferro que ficava
de fora. O pai ainda lhe berrou cá de fora:
-Agarra-te às escadas! Não vás por ai! Sobe pelas escadas! Mas ele nem olhou e logo desapareceu. Em
baixo todos esperavam em silêncio. Ele voltou em fim a aparecer com a estrela entalada na cintura, e
que mesmo assim iluminava todo o largo. Muito ligeiro, subiu até ao varão de ferro. Mas faltava subir
até ao galo e aos quatro pontos cardeais. (...). Pedro, com efeito, rapidamente trepava pelo varão de
ferro até ao galo e se encavalitava por cima do Norte-Sul-Este-Oeste. E, devagar, tirou a estrela do
sino. Era linda, brilhava no ar. E então, com jeito, segurando-a na mão, pô-la outra vez n o seu lugar.
(...). De modo que, ao verem a estrela finalmente no seu sítio, largaram todos o “ah” que competia mas
que saiu como um urro (...)E ou fosse porque o “ah!” teve força a mais e o assustou ou porque não
fincou bem os pés no varão de ferro, Pedro escorregou por ele abaixo até à bola de pedra. E então
desequilibrou-se, e , de braços abertos, veio pelo ar estampar-se cá em baixo contra as pedras do adro.
Toda a gente chorou a sua morte. E o Cigarra, que andou de luto um an inteiro, fez mesmo uns versos
sobre ele para os cantar depois à viola. Já passaram muitos anos e ainda hoje se cantam. A estrela
ainda lá está. Toda a gente a conhece.
Vergílio Ferreira, A Estrela
1. Após leitura do texto, indica se as afirmações abaixo são verdadeiras ou falsas:

a) A mãe de Pedro levantou-se para ir apagar o lume.

b) Ao ver luz no quarto do Pedro, a mãe receou que ele provocasse um incêndio.

c) Ela espreitou e viu a estrela debaixo da cama a brilhar.

d) Ela segurou bem a estrela, para que Pedro deixasse de chorar.

e) O Governo era uma pessoa culta.

f) No dia seguinte, ninguém acreditou que fosse aquela a estrela roubada.

g) O filho do António Governo segurou a estrela para a colocar no seu lugar.

h) O pai de Pedro decidiu que deveria ser o filho a pôr a estrela no seu lugar.

i) Pedro escorregou e caiu devido ao brilho intenso da estrela.

2. “E então (a mãe) ficou de boca aberta (…)” (l. 5-6)

2.1 O que significa esta reacção da mãe?

_________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

2.2 O que originou essa reacção?


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

2.3 Por que razão ela começou a gritar, a seguir?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

3. No dia seguinte, toda a aldeia se indignou.

3.1 Que motivo esteve na origem dessa indignação?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

4. O António Governo quis dar um bom exemplo.

4.1 Que decisão, então, tomou?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

4.2 O que aconteceu para que essa decisão não se concretizasse?

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

4.3 Pedro não queimou as mãos ao pegar na estrela. Imagina porquê.

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

5. Classifica o narrador quanto à sua presença. Justifica a tua resposta com elementos textuais.

____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

6.Como classificas esta narrativa quanto ao seu desfecho? Porquê?

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
3 – Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmações que se seguem:

1.A acção, o narrador e as personagens não são categorias da narrativa.


2.Numa narrativa têm, obrigatoriamente, de estar presentes, informações precisas quanto ao tempo e ao espaço.
3.O narrador nunca é uma personagem da história.
4.A caracterização física das personagens revela indicações sobre a sua personalidade.
5.A caracterização psicológica é sempre apresentada pelo processo indirecto.
6.A narração corresponde a um momento de pausa na acção, enquanto a descrição corresponde a um momento de
avanço.
7.Na narração é frequente o uso abundante de adjectivos e de recursos linguísticos.
8.Na descrição predomina o Pretérito Imperfeito e recorre-se ao uso abundante de adjectivos.

II

1. Faz a análise sintáctica das seguintes frases.

a) O Pedro roubou a estrela.

b) O Governo lia muitos livros ao seu filho.

c) Sublinha e identifica os complementos circunstanciais presentes na frase abaixo


transcrita:

«No dia seguinte, o Pedro colocou a estrela, cautelosamente, no seu baú, para que
ninguém suspeitasse de nada.
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

2. Lê as frases seguintes e indica um hiperónimo ou um hipónimo das palavras destacadas:

1.A flor daquele vaso está a nascer. ___________________________ (hipónimo)

2.Esta macieira e aquela pereira são do meu avô. . ______________________ (hiperónimo)

3.O comboio atravessou o campo. ____________________________ (hiperónimo)

4.O peixe é essencial para a nossa saúde. _______________________ (hipónimo)

3.Passa para o discurso indirecto as seguintes frases:

a)« - Amanhã, a Ana tem teste de Geografia e, por isso, não poderá ir ao cinema hoje! – afirmou
a avó de Ana.».

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

b)« – Este aluno estudou e tirou um bom resultado! Na verdade, estou muito satisfeito com o seu
desempenho aqui nesta escola! – respondeu o professor.».

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

4 – Lê atentamente as frases que se seguem:

a)A colher fica ao lado da faca. Ajuda-me a colher os figos.


b)O queijo foi roído pelo rato. O ruído do avião é forte.
c)Hoje o tempo está perfeito! O prefeito da cidade é uma pessoa simpática.
d)A tua dúvida mantém-se? Ela duvida que consigas chegar a horas.
e)Nós vamos à praia. Estes nós estão perfeitos.
f)O aço é um material resistente. Asso já o peixe?
g)Tens de aprender a ler! É difícil apreender essa ideia!
h)Deram-me um óptimo conselho. Nasceste em que concelho?

4.1.Coloca, na grelha abaixo, as palavras sublinhadas nas frases acima transcritas:


Palavras
Homógrafas Homónimas Homófonas Parónimas

4.2.Completa a grelha seguinte:

Relações fonéticas e

gráficas entre palavras

palavras grafia som significado

Homógrafas igual

Homófonas diferente

Homónimas

Parónimas

4.3.Para cada uma das palavras em baixo, descobre a sua homónima e constrói frases que
ilustrem a diferença de sentidos:

canto (nome comum) ____________________________ _________________________________


casa (nome comum) _________________________ _____________________________________

III

- Escolhe um dos seguintes temas propostos:

1.«Queria era apanhá-lo com a boca na botija e mesmo descobrir como é que ele tinha feito
lume. Abriu, pois, só uma talisca da porta e espreitou. E então ficou de boca aberta: sentado na
cama, o filho tinha a estrela nas mãos.»

1.1. Imagina o diálogo que se terá travado entre Pedro e a mãe.

2.Recria um fim diferente para o texto que acabaste de ler.

Nota: Constrói um texto, correcto e lógico, com o mínimo de doze e um máximo de vinte linhas.
_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________

______

BOM TRABALHO!

Interesses relacionados