Você está na página 1de 5

3 O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO

3.1 REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO

Entendemos por regime de capitalização o processo de formação dos juros.


Juro é o dinheiro pago pelo uso de dinheiro emprestado, ou seja, custo do capital de terceiros
colocado à nossa disposição. Pode ser a remuneração do capital empregado em atividades
produtivas ou, ainda, remuneração paga pelas instituições financeiras sobre capital nelas aplicado.

Exemplo: Um capital de R$ 5.000,00, aplicado a uma taxa de 8% a.a., proporcionará, no final de um


ano, um total de juros equivalentes a:
8% de 5.000 = 8 / 100 × 5.000 = $ 400,00

Há dois tipos de capitalização: os juros simples e os juros compostos.

Juros simples: é aquele calculado unicamente sobre o capital inicial. Nesta modalidade o juro não é
integrado ao valor do capital para o cálculo no próximo período.

Exemplo: Considere o caso de um indivíduo que, em 31/12/XX, entregou $100,00 a um banco X que
lhe prometeu juros simples, à razão de 10% ao ano. Qual será seu saldo credor no final de cada um
dos próximos quatro anos?

Final do Juros de cada ano Saldo inicial de cada ano Saldo no final de cada ano

ano 1 100,00 0,1 × 100 = 10 110,00


ano 2 110,00 0,1 × 100 = 10 120,00
ano 3 120,00 0,1 × 100 = 10 130,00
ano 4 130,00 0,1 × 100 = 10 140,00

Apesar dos juros estarem à disposição do banco, eles não foram remunerados por parte da
instituição.

Fórmula dos juros simples = J = C * i * n

Fórmula do montante simples = M = C * (1 + i * n)

Onde:
M= montante simples
C= capital inicial ou principal
i = taxa de juros
n = tempo

Juros compostos: é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre
o montante relativo ao período anterior.

Exemplo: Considere o caso de um indivíduo que, em 31/12/XX, entregou $100,00 a um banco X que
lhe prometeu juros compostos, à razão de 10% ao ano. Qual será seu saldo credor no final de cada
um dos próximos quatro anos?

Final do Juros de cada ano Saldo inicial de cada ano Saldo no final de cada ano

ano 1 100,00 0,1 × 100,00 = 10,00 110,00


ano 2 110,00 0,1 × 110,00 = 11,00 121,00
ano 3 121,00 0,1 × 121,00 = 12,10 133,10
ano 4 133,10 0,1 × 133,10 = 13,31 146,41

Juros à disposição do banco estão sendo remunerados por parte da instituição.

Fórmula do montante composto = M = C * (1 + i)ⁿ

3.2 FORMAS DE TAXAS DE JUROS

3.2.1 Taxas proporcionais

Duas taxas são proporcionais quando seus valores formam uma proporção com os tempos a
elas referidos, reduzidos à mesma unidade.

Exemplo: Calcule a taxa mensal proporcional a 30%.

ik = i / k
ik = 30 / 12 = 2,5 % a.m.

3.2.2 Taxas equivalentes


Duas taxas são equivalentes quando, aplicadas a um mesmo capital, durante o mesmo
período, produzem o mesmo juro.

Logo: ( 1+ im )12 = 1 + ia

Para outras frações de ano, temos:

( 1+ id )360 = 1+ ia
( 1+ im )12 = 1+ ia
( 1+ it )4 = 1+ ia
( 1+ is )2 = 1+ ia

Exemplo: Qual é a taxa trimestral equivalente a 30 % ao ano, em regime de juros compostos?

ia = 30% a.a. = 0,3 a.a. ( 1+ it )4 = 1 + ia


( 1+ it )4 = 1+ 0,3
1+ it = 1,31/4
it = 1,30,25 – 1
it = 1,068 - 1
it = 0,068 a. t. = 6,8% a.t.

3.2.3 Taxa efetiva

É evidente que, ao adotarmos a convenção, a taxa anual paga não é a oferecida e, sim, maior.
Essa é a taxa efetiva. Podemos dizer que, a taxa efetiva, em matemática financeira, é aquela em que
a unidade de referência de seu tempo coincide com a unidade de tempo dos períodos de
capitalização.

Fórmula da taxa efetiva = 1 + if = ( 1 + i )k


k

Onde:
i = taxa nominal
if = taxa efetiva
k = o número de capitalizações para um período da taxa nominal

Exemplo: Uma taxa nominal de 18% ao ano é capitalizada semestralmente. Calcule a taxa efetiva.
i = 18% a.a. = 0,18 a.a.
1 ano = 2 semestres k= 2
logo:
1 + if = (1 + 0,18 / 2 )2
if = 1,18810 – 1
if = 0,18810

Sendo assim, a taxa efetiva é de 18,81 % a.a.

EXERCÍCIOS

1) Calcular os juros simples referentes a um empréstimo no valor de R$ 8.000,00, à taxa de 3% ao


mês, durante 4 meses.

2) Um investidor aplicou R$ 2.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a
uma taxa de 6% ao trimestre, no regime de juros simples. Mostrar o crescimento desse capital
no final de cada trimestre, a contar da data da aplicação dos recursos, e informar o montante
que poderá ser retirado pelo investidor no final do quinto trimestre, após a efetivação do
depósito.

3) Determinar o montante, ao fim de 5 meses, correspondente a uma aplicação no valor de R$


6.000,00, à taxa de 4% ao mês, no regime de juros simples.

4) Daqui a seis meses, você deverá pagar R$ 2.000,00 à Simone, que lhe emprestou o dinheiro e
já embutiu os juros pelo empréstimo. Você recebeu a restituição do imposto de renda e quer
liquidar essa dívida. Considerando que foram computados juros de 2% ao mês, qual é o valor
atual que liquidará sua dívida?

5) Emprestei R$ 2.500,00 ao meu amigo Junior por 5 meses. A taxa de juros acordada foi de 2,0%
a.m. Quanto receberei de Junior ao final do período?

6) Se um certo capital for aplicado por um único período a uma determinada taxa de juros, em
qual das modalidades de juros, simples ou composta, se obterá o maior rendimento?

7) Qual o juro obtido em uma aplicação financeira de um capital de $100.000,00 durante o período
de dois meses à taxa de juros simples de 60% ao mês?
8) Uma taxa nominal de 25% a.a. é capitalizada trimestralmente. Qual é a taxa efetiva?
9) Uma taxa nominal de 45% a.s. é capitalizada bimestralmente. Qual a taxa efetiva?

10) Uma taxa nominal de 30% a.t. é capitalizada mensalmente. Qual a taxa efetiva?

11) Qual a taxa mensal equivalente a 15% a.s.?

12) Qual a taxa anual equivalente a 8% a.m.?