Você está na página 1de 24

Política Nacional de Resíduos Sólidos -

Resolução CONAMA 307

PUC Minas Praça da Liberdade – Engenharia


Mecânica – Ciências do Ambiente - Prof.
Eugenio Batista Leite – 2 º semestre 2017
eugeniobl@pucminas.br
Política Nacional de Resíduos Sólidos -
Resolução CONAMA 307
• Objetivos da Aula:
– Conhecer as principais características da Política Nacional de
resíduos sólidos e da Resolução Conama 307
– Conhecer os objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos
– Entender a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida
dos produtos:
– Conhecer o Sistemas de Logística Reversa: Retorno dos
produtos após o uso pelo consumidor.
– Conhecer os procedimentos e necessidades para a elaboração
do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil:
• LEI Nº 10.522, DE 24 DE 2012 que Institui o Sistema de Gestão
Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos -
SGRCC - e o Plano Municipal de Gerenciamento Integrado de
Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos – PMRCC - Belo
Horizonte;
Problemas causados pelo lixo
Fonte: http://pt.slideshare.net/ligado/resduos-slidos-11590880

Imagem 2: Problemas causados pelo lixo.


Fonte: <http://pt.slideshare.net/ligado/resduos-slidos-11590880>. Acesso em: 02/05/2016.
Apresentação do Problema
PANORAMA DA DESTINAÇÃO DOS RESÍDUOS
SÓLIDOS URBANOS NO ESTADO DE MINAS
GERAIS EM 2014

Gráfico 1: População Urbana Atendida por Tipologia de Destinação Final


Fonte: Adaptado de FEAM, 2015.
Apresentação do Problema
LIXÃO

Figura 2: Esquema de um lixão


Fonte: GONÇALVES, Pólita.
Apresentação do Problema
ATERRO CONTROLADO

Figura 3: Esquema de um aterro controlado


Fonte: GONÇALVES, Pólita.
Apresentação do Problema

ATERRO SANITÁRIO – Vídeo ETE

Figura 4: Esquema de um aterro sanitário


Fonte: GONÇALVES, Pólita.
Apresentação do Problema
• Por dia, em Belo Horizonte, são recolhidas
cerca de:
• 2 mil toneladas de resíduos de coleta domiciliar
(cidade formal e de vilas e aglomerados urbanos);
• 300 toneladas de deposições clandestinas;
• 18 toneladas de materiais recicláveis (papel,
metal, plástico, vidro, orgânicos e resíduos da
construção civil).
• Fonte: SUPERINTENDÊNCIA DE LIMPEZA URBANA (SLU) – 2015
Apresentação do Problema
CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (CTRS) – Belo
Horizonte
• Aterro teve sua cota máxima atingida em 2007;
• Assinatura do contrato com a ASJA: 07 de agosto de
2008
• Investimento total: mais de 36 milhões de reais
• Emissão da Licença Ambiental: outubro de 2008
• Início dos trabalhos de construção: dezembro de 2008
• Início dos testes de combustão: 30 de outubro de 2009
• Produção de Energia Elétrica: novembro de 2010
• Queima de 99% de todo gás gerado.
CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (CTRS - BH)

Usina de Tratamento de Biogás


USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA
CONSTRUÇÃO CIVIL - BH

• Existem 2 estações de reciclagem em


funcionamento: vídeo – globo ecologia
• possuem capacidade para cerca de 320m³ de
entulho, correspondendo à 26% de todo o resíduo
gerado em BH;
• Do material reciclado 10% é vendido a um preço
bem abaixo do mercado, e os outros 90% é
utilizado pela Prefeitura de Belo Horizonte.
USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL
- BH
OBJETIVOS da Política Nacional de Resíduos Sólidos – LEI 12.305

• proteção da saúde pública e da qualidade ambiental;

Tratamento resíduos sólidos e


disposição final ambientalmente
não geração, correta
redução,
reutilização,
Reciclagem

Adoção padrões sustentáveis = produção mais


limpa e diminuição de consumo bens e
serviços;
Política Nacional de Resíduos Sólidos – LEI 12.305

• Quem está sujeito à elaborar Plano de Gestão de


Resíduos Sólidos?
– Estabelecimentos comerciais e de prestação de
serviços que gerem resíduos perigosos: clínicas,
hospitais, indústrias
– Empresas de CONSTRUÇÃO CIVIL, nos termos do
regulamento ou de normas estabelecidas pelos
Sisnama /CONAMA 307
– responsáveis pelos terminais e as empresas de
transporte;
– responsáveis por atividades agrossilvopastoris
Política Nacional de Resíduos Sólidos – LEI 12.305

• O PGRS tem o seguinte conteúdo mínimo:


– descrição do empreendimento ou atividade;
– diagnóstico dos resíduos sólidos gerados ou
administrados, contendo:
– Origem;
– Volume;
– caracterização dos resíduos;
– Os responsáveis por cada etapa do gerenciamento de
resíduos sólidos;
– metas e procedimentos relacionados à minimização
da geração de resíduos sólidos;
Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida
dos produtos - LEI 12.305

• "conjunto de atribuições individualizadas e


encadeadas dos fabricantes, importadores,
distribuidores e comerciantes, dos consumidores
e dos titulares dos serviços públicos de limpeza
urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para
minimizar o volume de resíduos sólidos e
rejeitos gerados, bem como para reduzir os
impactos causados à saúde humana e à
qualidade ambiental decorrentes do ciclo de
vida dos produtos”
Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida
dos produtos - LEI 12.305

• Objetivos:
– Aproveitar resíduos sólidos, direcionando-os para a
sua cadeia produtiva ou para outras cadeias
produtivas
– Redução da geração de resíduos sólidos;
– Redução do desperdício de materiais;
– Redução da poluição;
– Redução dos danos ambientais;
– Estímulo ao desenvolvimento de mercados,
produção e consumo de produtos derivados de
materiais reciclados e recicláveis.
Logística Reversa – LEI 12.305
• “instrumento de desenvolvimento econômico e social
caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e
meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos
resíduos sólidos ao setor empresarial, para
reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos
produtivos, ou outra destinação final ambientalmente
adequada”
– Setores Obrigados a estruturar e implementar de forma independente do
serviço público: fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes
Logística Reversa - LEI 12.305

• Instrumentos que poderão ser usados para a


sua implantação: regulamento, acordo
setorial e termo de compromisso.
• O acordo setorial é um "ato de natureza
contratual firmado entre o poder público e
fabricantes, importadores, distribuidores ou
comerciantes, tendo em vista a implantação
da responsabilidade compartilhada pelo ciclo
de vida dos produtos".
DELIBERAÇÃO No 11, DE 25 DE SETEMBRO DE 2017 - COMITÊ ORIENTADOR PARA A
IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE LOGÍSTICA REVERSA, aprova
as Diretrizes Gerais para Implementação de Sistemas de logística reversa

• manter ações educativas com enfoque diferenciado para os agentes


envolvidos direta e indiretamente com os sistemas de logística reversa.
• adotar medidas e alternativas para a não-geração de resíduos sólidos no
ciclo de vida dos produtos;
• compatibilizar os interesses dos agentes econômicos e sociais e dos
processos de gestão empresarial e mercadológica com a gestão
ambiental, desenvolvendo estratégias sustentáveis;
• promover o aproveitamento de resíduos sólidos, direcionando-os para a
sua cadeia produtiva ou para outras cadeias produtivas;
• adotar medidas que garantam a redução da geração de resíduos sólidos,
os danos ambientais e o desperdício de materiais durante as diversas
etapas do ciclo de vida dos produtos;
• incentivar a utilização de insumos de menor agressividade ao meio
ambiente e de maior sustentabilidade;
DELIBERAÇÃO No 11, DE 25 DE SETEMBRO DE 2017 - COMITÊ ORIENTADOR
PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE LOGÍSTICA REVERSA, aprova
as Diretrizes Gerais para Implementação de Sistemas de logística reversa

• estimular o desenvolvimento, a produção e o consumo de


produtos derivados de materiais reciclados e recicláveis;
• propiciar às atividades produtivas a eficiência e
sustentabilidade por meio da utilização de produtos e
embalagens com maior reciclabilidade;
• incentivar as boas práticas de responsabilidade
socioambiental;
• estimular a participação de cooperativas e associações de
catadores de materiais recicláveis na coleta seletiva de
resíduos;
• manter sistema de informação atualizado e disponível,
permitindo uma adequada fiscalização e controle;
De acordo com a Resolução 307/2002 do CONAMA, os
resíduos sólidos são classificados como:
Metodologia de Educação Ambiental para trabalhar com
Resíduos sólidos - Pedagogia dos 3 Rs
• Reduzir:
– reduzir o lixo em algum ambiente significa reduzir o consumo de tudo aquilo que não
é realmente necessário. Isto sugere que devemos evitar ao máximo produtos que vêm
em embalagens de plástico ou isopor, melhor dizendo, devemos pré-ciclar, isto é,
preferir sempre embalagens recicláveis, que não poluem o ambiente.
• Reciclar:
– O primeiro passo é separar o lixo reciclável (plástico, metais, vidro, papel) do lixo
orgânico.
– O reciclável deve ser encaminhado para empresas ou cooperativas de trabalhadores
de reciclagem, pois serão transformados novamente em matéria-prima para voltar ao
ciclo produtivo
• Reutilizar:
– utilizar um mesmo produto várias vezes, de maneiras diferentes.
– Ao jogarmos algo no lixo, estamos também desperdiçando a energia que foi usada na
fabricação, o combustível usado no transporte e a matéria prima empregada. Sem
contar que, se este objeto não for descartado de forma correta, ele poderá poluir o
meio ambiente.
• BONELLI, Cláudio M.C., Meio ambiente, poluição e reciclagem, 2 ed., Blucher, São
Paulo: 2010.