Você está na página 1de 39

[ página aberta ]

Por um historicismo renovado:


reflexo e reflexão
na história literária
Alfredo Bosi

Resumo Este ensaio interpreta a historiografia literária


brasileira desde a concepção nacionalista de Sílvio

Romero, Araripe Jr. e José Veríssimo, passando pelo ecle­

tismo da crítica modernista de Mário de Andrade e Tristão

de Athayde, até as sínteses historiográficas de Otto Maria

Carpeaux e Antonio Cândido. Nestes dois últimos, Alfredo

Bosi enxerga as bases de uma nova historiografia na qual

as expressões simbólicas se abrem para dimensões exis­

tenciais e culturais mais amplas.

A b strac t This essay in te rp re ts the brazilian literary

h isto rio g ra p h y from the co n c e p tio n p ro p o s e d b y Silvio

Rom ero, A ra rip e Jr. e Jo sé Veríssimo also co n sid e rin g the

ecletism o f the m o d e rn critics like M ário de A n d ra d e e

Tristão de Athayde, until the h isto rica l synthesis that

O tto M aria C arpeaux a n d A n to n io C a ndido p re s e n te d us

in th e ir works. A lfre d o B o si thinks these tw o la st critics

give us the basis fo r a n e w h isto rio g ra p h y in w h ich the

sym b o lic expressions are open fo r la rge r cu ltu ra l a n d

existen tial dim ensions.

Palavras-chave literatura brasileira crítica historiografia

K eyw ords brazilian lite rature ■ critics - lite rary h is to ry


A literatura não existe no ar, e sim no Tempo, no Tempo histórico, que obedece ao seu
próprio ritmo dialético. A literatura não deixará de refletir esse ritmo - refletir, mas não

acompanhar. Cumpre fazer essa distinção algo sutil para evitar aquele erro de transfor­

mar a literatura em mero documento das situações e transições sociais. A repercussão

imediata dos acontecimentos políticos na literatura não vai muito além da superfície, e

quanto aos efeitos da situação social dos escritores sobre a sua atividade literária, será

preciso distinguir nitidamente entre as classes da sociedade e as correspondentes"classes

literárias" A relação entre literatura e sociedade não é mera dependência: é uma relação

complicada, de dependência recíproca e interdependência dos fatores espirituais ( ideoló­

gicos e estilísticos) e dos fatores materiais (estrutura social e econômica).

{História da literatura ocidental, Otto Maria Carpeaux]

Em bora aconteça raramente, há prefácios que contêm surpresas.


Foi o que me sucedeu quando li a introdução que Gustave Lanson escre­
veu para a sua H istoire de la littérature française em 1894. Em vez de um elo­
gio da erudição e dos métodos positivos de Taine ou da "evolução dos gê­
neros" de Brunetière, Lanson insiste no caráter singular das obras de arte
e na necessidade de entender a individualidade irredutível de cada autor
e de cada texto para conjurar o risco de submergi-lo na história dos cos­
tumes ou na história das idéias. E mais drasticamente: "Não se deve per­
der de vista duas coisas: a história literária tem por objeto a descrição das
individualidades; e tem por base intuições individuais. Trata-se de atingir
não uma espécie, mas Corneille, mas Hugo" Ou: "Em literatura, como na
arte, não se podem perder de vista as obras, infinita e indefinidamente re­
ceptivas e cujo conteúdo ninguém jamais pode afirmar ter esgotado nem
fixado em fórmulas". A estética idealista de um Benedetto Croce não o te­
ria dito mais enfaticamente...
A surpresa que causa essa profissão de fé na singularidade infinita e
indefinida da obra literária vem da contradição que há entre essas palavras

de ousada independência (dado o grau de determinismo sociológico do


positivismo francês) e o teor de todo o capítulo de abertura da H istoire. Tra­
tando das origens da literatura francesa, Lanson não soube ou não pôde
furtar-se a fazer uma nutrida dissertação sobre os "caracteres da raça" e
da mescla celto-romano-germânica de que derivou o povo francês. Mas à
medida que o historiador avançava no tempo e chegava aos grandes es­
critores, Corneille e Racine, Pascal e Rousseau, a "descrição das indivi­
dualidades" superava de novo os esquemas bio-sociológicos do seu sé­
culo, o que resultou em uma série de finas análises morais e estilísticas
que se lêem ainda hoje com proveito.
Para nós, brasileiros, tão acostumados com as teorias do caráter na­
cional, e que ainda repetimos às vezes automaticamente as definições pres­

tigiosas que dele fizeram Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda,


acreditando que ambos tenham descoberto peculiaridades nossas, e ape­
nas nossas, não deixam de impressionar as descrições que Gustave Lanson

fez dos traços do caráter francês: "a falta de paciência e de tenacidade, o


inopinado e a mobilidade das resoluções, o amor da novidade, um certo
senso prático e a disposição de se meter nos negócios dos outros por amor
à justiça, o gosto da aparência e da ostentação, o da palavra e da eloqüên­
cia, tudo isto é francês e, se quiserem, tanto quanto gaulês" Mais adian­
te, Lanson nos alerta para o abismo que separa o "gênio céltico" tal co­
mo o caracterizou Renan, e o espírito francês.
No capítulo das causas gerais da diversidade literária, o fator "psicolo­
gia racial” é acrescido e complicado por outros três fatores: a classe social, a
origem provincial e o momento histórico. O clérigo não é o leigo, primeira dife­

rença tipológica relevante. O senhor feudal não é o burguês da cidade. O


Picardo ardente e sutil não é o Normando ambicioso e positivo. O Potevi-
no tenaz e preciso não é o rude e sonhador Bretão, nem o Provençal quen­
te e vibrante... Enfim, além dessas diferenças de posição social e de ori­
gem regional, há sempre a “marcha das civilizações, a curva da história"
no caso vista como a lenta decadência dos ideais feudais, a centralização
monárquica, a irrupção do espírito crítico..., em suma, o grande quadro
evolutivo estabelecido a partir das Luzes e mantido e até mesmo enrijeci­
do pelo dogma do progresso linear dos evolucionistas do século xix.
A literatura entra nesse contexto como parte de um sistema que a
condiciona, a atravessa e a transcende. E a história literária tende, teori­
camente, a perder a sua especificidade e a tornar-se inseparável da evolu­
ção daqueles fatores, verdadeiras causas que concorreram para determi-
ná-la. Digo "teoricamente" porque, na prática da leitura dos autores e das
obras, o princípio da individualidade funcionou na H istoire como se todo
aquele arsenal determinista fosse posto entre parênteses cautelosos...
Em vez de acusar essa justaposição de geral e particular como se
fosse uma incoerência de método em Lanson, creio que se deva escavá-
la na busca de um historicismo aberto, largo e profundo, que saiba fun­
dar conceitualm ente uma história da literatura como história das obras
literárias.

A construção de uma história da literatura nacional

Uma história da literatura brasileira que pretendesse ser verdadei­


ra, isto é, fiel ao seu objeto, deveria adm itir que os textos dispostos no
tempo do relógio não têm nem a continuidade nem a organicidade dos fe­
nômenos da natureza. Os escritos de ficção, objeto por excelência de uma
história da literatura, são individuações descontínuas do processo cultu­
ral. Enquanto individuações, podem exprimir tanto reflexos (espelhamen-
tos) quanto variações, diferenças, distanciamentos, problematizações, rup­
turas e, no limite, negações das convenções dominantes no seu tempo.
Essa tensão entre a literatura de ficção e os clichês ideológicos que
lhe são contemporâneos foi, ao mesmo tempo e paradoxalmente, agudi­
zada e neutralizada pela historiografia romântica. Agudizada: a poesia lí­
rica e o romance intimista exigiam a criação de um discurso centrado na
emergência do indivíduo, o que é sempre um problema para o historia­
dor "nacional" mas que, a partir do Romantismo, não pôde ser descarta­
do. Mas, de outro lado, aquela tensão foi neutralizada: houve a preocupa­
ção de reconstituir as origens das literaturas nacionais européias. Os
irmãos Schlegel na Alem anha e Mme. de Staêl na França foram mestres
admiráveis de um projeto de enxertar os textos literários na formação his­
tórica das respectivas nações, pondo sempre em relevo o espírito ou o gênio
dos respectivos povos, os caracteres das suas raças, os aspectos relevan­
tes das suas antigas mitologias às quais se teriam sobreposto os valores
e as imagens do cristianismo medieval.
No Brasil o projeto de integração da literatura na história nacional
abrangente foi vitorioso e fecundo. A polêmica que esse projeto trazia no
bojo era o anti-classicismo, enquanto rejeição dos cânones acadêmicos
franceses que tinham sobrevivido ao vendaval revolucionário e recebido
novo alento no interregno napoleônico. O projeto romântico ocidental de
reafirmar as origens medievais das nações européias era, como se sabe,
ambíguo, conservador e inovador, nostálgico mas anti-acadêmico. O re­
sultado para a historiografia literária teve longa duração. Os românticos
substituíram o critério formal de beleza do ideal clássico pelo critério histórico
do valor representativo dos autores e obras. O texto passou a valer pela
sua capacidade de reapresentar os caracteres que se supunham próprios
da sociedade que o gerou. Uma historicização radical da leitura substituía
o julgamento neoclássico da adequação da escrita aos modelos antigos
ou renascentistas. O historicismo nacionalista é uma criação romântica, e
no seu cerne já se contém o historicismo sociológico que o século xx her­
dou do positivismo e do evolucionismo.
O valor-nação e, nos historiadores democráticos como M ichelet e
Herculano, o valor-povo, passaram a constituir o critério de ajuizamento
das obras de arte. À medida que os ideais de liberdade e progresso foram
penetrando a ideologia corrente, a historiografia da cultura se pôs a me­
dir autores e obras pelo metro da sua maior ou menor adesão a esses va­
lores. Nação primeiro, progresso depois, às vezes agregados, serão os mo­
tores e os cânones por excelência da historiografia que predominou ao
longo do século xix.
Neste final do século xx, quando a prática dos Estudos Culturais
se arrisca de novo a sim plificar as relações entre literatura e sociedade,
vale a pena retomar os nós conceituais da questão.
Considerem os algumas soluções que a esse problema deram os
principais historiadores da literatura brasileira.
Um crítico fundador, Sílvio Romero, admirava mais o "brasileiro"
Alencar do que Machado de Assis, cujo humor pessimista lhe parecia es­
tranho à índole nacional:

Antes de tudo uma nota que se nos antolha indispensável: nós os brasi­
leiros não somos em grau algum um povo de pessimistas. Em nossa alma na­
cional, em nossa psicologia étnica não se encontram as tremendas tendências
do desalento mórbido e da resignação consciente diante da miséria, da mes­
quinhez, do nada incurável da existência humana.1

Quanto ao humor: "Nossa raça em geral é incapaz de o produzir es­


pontaneamente"2 O mesmo Sílvio elogiava Tobias Barreto em detrimento
de Castro Alves, porque o escritor sergipano encarnava melhor do que o
poeta baiano as teorias monistas da Escola do Recife.
Bastariam esses exemplos para mostrar o caráter parcial e imperti­
nente de uma historiografia literária cujos critérios de valor se fundavam
em construções ideológicas como o nacionalismo e o evolucionismo.
José Veríssimo, que tantas vezes se contrapôs a Sílvio, afirmando o
pertencimento da literatura às "Belas Letras" não andou, porém, longe do
seu predecessor quando, mais de uma vez, condenou os textos naturalis­
tas e simbolistas, que seriam produções "menos nacionais que as dos ro­
mânticos" estes, sim, verdadeiros criadores de uma literatura brasileira.
Essa persistência do cânon nacional-romântico em um crítico co­
mo Veríssimo, formado no clima do realismo da segunda metade do sé­
culo, mostra a força de um movimento cultural que, vindo embora da E u ­
ropa, centrou na independência política da nova nação todas as suas
baterias. A formação do Brasil Nação-Estado, realizada por obra de uma
classe privilegiada, a burguesia latifundiária em um sistema agro-expor-
tador e escravista, foi o carro-chefe que regeu os projetos de constituir
uma cultura nacional, uma língua nacional, uma literatura nacional, uma
arte nacional etc.
Essa perspectiva ordenou o nosso passado colonial. Os árcades fo­
ram submetidos ao ponto de vista da sua maior ou menor adesão a um
processo de emancipação da colônia, o que, em geral, era uma violação
do significado estético das suas obras. Machado de Assis, em seu antoló­
gico "Instinto da Nacionalidade" defendeu os nossos neoclássicos minei-

1 "M achado de Assis” In História da literatura brasileira, tom o V, Rio de laneiro: José Olym-
pio, 1954, p. 1630.
13 2 Idem, p. I625.
ros da acusação de não haverem trabalhado para a independência literá­
ria alegando com acuidade que, no século xvm, "a independência políti­
ca jazia ainda no ventre do futuro” A medida nativista de verdade exigia
da poesia que dissesse o que o próprio contexto ideológico ainda não pro­
pusera com firmeza e nitidez... (E, na realidade, quantos de nós, intelec­
tuais de esquerda, poderemos dizer que estivemos isentos desse patru-
lhamento retrospectivo?).
Outro pensamento luminoso de Machado permite encaminhar me­
lhor o problema crucial da relação texto-contexto. No mesmo ensaio, diz
Machado que os motivos indígenas, poeticamente trabalhados por G on­
çalves Dias e José de Alencar, são "um legado tão brasileiro como univer­
sal” Trata-se de uma intuição crítica que a historiografia etno-sociológica
de Sílvio Romero não saberia assimilar, pois, fixada no esquema binário
nacional-estrangeiro, atrelou-se à geografia dos assuntos, criando barreiras
territoriais e fronteiras para os sentimentos e as idéias que a profundida­
de e o elan das intuições poéticas transpõem livremente.
Convenha-se, porém: o surgimento dos novos estados em toda a
América Latina ao longo do processo de desmonte do Antigo Regime e
dos impérios ibéricos foi um processo político tão imponente e grávido de
efeitos institucionais que dificilmente a crítica literária das novas nações
poderia ter-se subtraído à hipótese da vigência de correlações fechadas
entre literatura e formação nacional. O assunto prioritário da geração de
intelectuais ativos entre os anos da Independência e os meados do século
xix passava forçosamente pela construção da nova identidade nacional.
Para esta tendência convergia a corrente historiográfica romântica
com os seus valores polemicamente nacionais. É a corrida às origens dos
Schlegel, de Chateaubriand, dos lakists, de Scott, de Herculano e, rumo a
1848, dos patriotas italianos, irlandeses, húngaros, gregos, poloneses...,
toda uma "Europa das nações” (a expressão é de Mazzini), cujo ideário se
deslocava do pólo aristocrático para o do cidadão burguês, tomando este
último como herdeiro do Terceiro Estado, logo popular.
O ímpeto nacional-romântico resistiu e sobreviveu conforme as
condições políticas locais, e pôde resistir até o nosso tempo, reavivando-
se sempre que o conflito das ex-colônias com o imperialismo precise de
um cimento ideológico e de um imaginário que o alimente.
No Brasil, porém, a corrente hegemônica que se seguiu à Indepen­
dência e jugulou as rebeldias provinciais, armou uma interpretação con­
ciliadora da nossa formação nacional. Na historiografia do Segundo Im ­
pério, o anticolonialismo jacobino foi abafado ou sublimado pelos eruditos
que se congregaram em torno do Instituto Histórico e Geográfico, tão ca­
ro a Pedro ii; e o ponto de vista do compromisso luso-brasileiro de um
Varnhagen, na sua exaustiva História geral do Brasil e no Florilégio da poesia bra­
sileira (1850), acabou prevalecendo. O brasileirismo, então dito "america-
nismo" não assumiu, em geral, um tom reivindicatório e pungente, como
o fizeram os nativism os da América Andina estadeados na tragédia das
culturas pré-colombianas massacradas pelos conquistadores. Varnhagen,
ao contrário, tem palavras de desprezo e mesmo de horror às populações
selvagens, deixando claro que considerava falso patriotism o exaltar "as
ações de uma caterva de canibais que vinha assaltar uma colônia de nos­
sos antepassados só (sic!) para os devorar”3 De todo modo, o valor nati­
vo, sublimado ou domesticado, impôs-se na imaginação poética dos anos
inaugurais do Segundo Império e, de fato, guiou os passos da nossa vida
literária, tendo em Gonçalves Dias e em Alencar os seus exemplos mais
bem sucedidos.4
Com entando os Primeiros cantos, Alexandre Herculano lamentava
que, na obra poética de Gonçalves Dias, fosse tão exíguo o espaço dedi­
cado aos assuntos americanos... Garrett já exprimira opiniões semelhan­
tes ao falar de Tomás Antônio Gonzaga, que teria sido pouco brasileiro no
seu arcadismo neoclássico. Como se vê, o olho do intelectual romântico
europeu exigia dos nossos poetas mais cor local, menos lirismo univer­
sal... A Europa nos reptava a ser exóticos.

As estéticas européias da segunda metade do século xix e a


sua fortuna no Brasil

O molde romântico-nacional vai-se tornando cada vez mais estrei­


to e insuficiente à medida que a arte européia envereda por estéticas mar-
cadamente construtivas ou formalizantes. Parnasianismo e Simbolismo -
apesar das suas diferenças internas - postulavam a necessidade de um
trabalho intenso de estilização, uma aventura de linguagem e uma expan­
são do conceito de arte que reduziam a importância e, no limite, a pertinência
conceituai da divisão das literaturas por territórios nacionais.
A historiografia literária entre nós viu-se a braços com idéias e va­
lores novos, e reagiu como pôde, ambiguamente, às novas correntes su­
pranacionais.
O nacionalismo persistiu, é verdade, nos críticos maiores (Sílvio,
Veríssimo, Araripe Jr.), mas procurou depurar-se do seu componente india-
nista que, a partir dos anos 70, já parecia ingênuo e o seu tanto obsoleto,
(osé de Alencar, embora sempre coroado como fundador do romance au­
tenticamente brasileiro, teve a glória arranhada pela sua fidelidade ao cul­
to do selvagem. E com ele perdeu prestígio o indianismo romântico, que

3 Apud A. Coutinho. A tradição afortunada, o espírito de nacionalidade na crítica brasileira. Rio


de faneiro: José Olympio, 1968, p. 14.
4 Sobre o caráter contraditório, ora acusador, ora conciliante, do nacionalism o de A len ­
car fiz com entários específicos no capítulo "Um mito sacrificial: o indianism o de A len ­
car'. em Dialética da colonização. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.
passou a ser alvo fácil da "modernidade" dos novos tempos. É notória a
ojeriza de Sílvio Romero àquela corrente de temas e de gosto.
Mas a questão de fundo permanecia sem alcançar uma formulação
mais elaborada: poderiam o romance e a poesia alhear-se dos grandes as­
suntos nacionais, como a nossa paisagem, os nossos costumes, a nossa
"índole”? Sílvio Romero e losé Veríssimo louvam a abertura à ciência e à
crítica européia, mas rejeitam a internacionalização do gosto literário. A
teoria da arte pela arte, que criava corpo de Flaubert a Mallarmé, radicali­
zando intuições de Poe e Baudelaire, não encontrou eco nem simpatia na
crítica dos nossos pais-fundadores, o mesmo acontecendo com o Sim bo­
lismo sempre rejeitado como doutrina estética exótica.
Quanto à exigência da "impessoalidade” que a poética parnasiana
fazia, e que, bem ou mal, respondia à tendência moderna de autonomizar
a construção artística, Veríssimo decreta a sua inadequação às "nossas
idiossincrasias sentimentais, à nossa fácil emotividade e às tradições da
nossa poesia' Quais tradições, se não as românticas? O Parnasianismo e
o Sim bolism o pareciam corpos estranhos para uma crítica literária pen­
sada a partir de um modelo de organicidade nacional, segundo a qual é a
tradição, ou melhor, uma determinada tradição, que deve prevalecer so­
bre a inovação estética.
Quanto ao impacto do Naturalismo, fez-se sentir em várias frentes.
A princípio, interessados em assimilar e valorizar o teor "moderno”
isto é, crítico, do Naturalismo, aceitou-se genericamente a sua pertinên­
cia, pois nem Sílvio Romero nem Veríssimo souberam intuir o seu caráter
violento e, no limite, trágico: intuição que reponta, por exemplo no Ate­
neu, quando Raul Pompéia destila, nas conferências do Doutor Cláudio, o

sumo da agressividade e da opressão que o darwinismo social guardava


nas entranhas da educação "mais avançada" do país. Veríssimo não alcan­
çou o sentido agônico do romance, voltado dialeticamente contra o pró­
prio tempo, e disse ingenuamente: "Raul Pompéia deu no Ateneu a mostra
mais distinta, se não a mais perfeita, do naturalismo no Brasil”5
Por outro lado, como inspirador de uma narrativa de fundo bio-
psicológico, o Naturalism o centrava baterias na exploração de paixões
individuais, mas, dada a sua pretensão científica, as tratou como varian­
tes de tendências instintivas comuns à espécie humana. Ora, o universalis­
mo biológico não se subordinava a peculiaridades nacionais, mas, na
época, raciais. Eis o impasse. A nossa crítica, querendo modernizar-se, ab­
sorveu do mesmo Naturalismo a idéia falaciosa, então generalizada, da
vigência de caracteres psicológicos das raças. Escudado nessa pseudociência, o

etnocentrismo imperialista empanará os efeitos críticos benéficos do evo-

5 História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, p. 298.


lucionismo, lançando uma sombra de pessimismo sobre o destino do Bra­
sil, nação mestiça.6
A convivência nacionalismo-racismo, ingrata e contraditória, pro­
duziu nos mesmos críticos uma reação curiosa e para muitos ainda hoje
simpática. Tanto Sílvio quanto Veríssimo amenizaram, sempre que convi­
nha ao seu brasileirismo, o fatalismo racial, e nesse sentido Araripe Jr. foi
além de ambos, pois encarecia o fator ambiente na tríade de Taine. Com
isso conseguiram formular uma síntese nacional-mestiça, que uma gera­
ção mais tarde, Gilberto Freyre e Mário de Andrade reviveriam, dela fazen­
do um avesso positivo e consolador do preconceito arianizante.
Exemplo de reação patriótica à ambição supranacional dos méto­
dos naturalistas encontra-se na crítica que Veríssimo fez ao Homem de Aluí-
sio Azevedo:

No período de formação da nossa literatura, porém, não conheço outro


critério para julgar um livro se não aquele tão profundamente visto pelo Sr. Síl­
vio Romero, o do modo por que ele contribuiu para a determinação do caráter nacional
(grifo meu]. Estabelecer esse critério é reconhecer que o livro do Sr. Aluísio Aze­
vedo, qualquer que seja o seu mérito, e certamente é grande no ponto de vista
da arte pela arte, fica sem valor como fator da determinação do caráter nacio­
nal. Ele não diz nem a natureza nem a vida brasileira.7

E julgando o Naturalismo em bloco:

Infelizmente, porém, o Naturalismo foi, em grau muito mais elevado que o


Romantismo, alheio ao espírito brasileiro. Além de pobre de escritores e de obras,
esse Naturalismo é a menos nacional das nossas escolas literárias (grifo meu| e nenhum
dos seus livros dá-nos a sensação da nossa sociedade e da nossa civilização.8

Araripe Jr. e a abertura para uma historiografia eclética

Confessando-se crítico eclético, que partiu do determinismo de Tai­


ne, mas logo se abriu às correntes estéticas do fim do século, Araripe Jr.
não compôs uma história literária exaustiva, como o fizeram os seus con­
temporâneos Sílvio Romero e Veríssimo. Escreveu ensaios que cobrem
boa parte de nossa história cultural: são verdadeiras monografias que ain­
da hoje se podem ler com proveito; e a sua novidade está em que neles

6 O ponto mais baixo na escala desse pessim ism o racista foi tocado por Sílvio Rom e­
ro na sua monografia sobre Martins Pena publicada na Revista brasileira em 1897. Leia-
se a veem ente refutação que lhe deu Araripe Jr. no ensaio "Sílvio Rom ero polem ista"
vinculando diretam ente racismo e im perialism o europeu (Araripe Jr., Teoria, crítica e his­
tória literária. São Paulo: Edusp, 1978).
7 In: Estudos brasileiros. 2a série. Pará: Tavares Cardoso e Cia, 1889-93.
8 Idem, p. 72.
se problematiza o nexo entre indivíduo e sociedade. Sociedade é, aqui, o
milieu mais o moment historique de Taine fundidos.

Em Araripe, os caracteres individuais, tratados à luz de uma psico­


logia fisiológica (que diagnostica "névrosés'' em autores e em persona­
gens), servem de contraponto ativo às forças modeladoras do meio. E s ­
ses "desvios" atribuídos à ação de temperamentos biliosos, sangüíneos
ou linfáticos, sofrem a hostilidade do ambiente, mas reagem; e da tensão
entre temperamento e meio é que resultam os estilos individuais, matéria di­
leta dos textos críticos de Araripe Jr. Deste modo, a psicologia pré-freu-
diana do tempo contribuía para afunilar a análise das obras.
Creio que essa insistência na dimensão psicológica do texto se tra­
te ainda de um desdobramento do impulso romântico de aferrar o indiví­
duo inefável, pondo-o em conflito com as convenções dominantes ou ex-
pondo-o na sua sofrida impotência. Assim, ao lado do nacionalismo (que
é sempre romântico enquanto isola o particular e rompe com o clássico
supranacional), também a sondagem da singularidade partilha da vasta
herança romântica e afunda as raízes em Rousseau, Schiller, Chateau­
briand, Sainte-Beuve, Stendhal, Blake, Byron, Leopardi e nos vários pré-
romantismos.
A análise dos comportamentos, das sensações íntimas e até dos
sonhos mais secretos do eu apaixona Araripe Jr. Essa paixão, traduzida em
termos da nova ciência do tempo, vai guiá-lo no momento de compreen­
der alguns escritores brasileiros e estrangeiros da sua predileção.
Gregório de Matos, de quem foi o nosso primeiro estudioso, atraía-
o pelo seu "ressentimento'' bilioso que o meio colonial adverso exacer­
bou. Trata-se de um "estudo de temperamento" pelo qual a história de
uma época e de um determinado meio social é filtrada pela psicologia di­
ferencial de um caráter.
A mesma direção, trabalhada com sutileza pelo exame estilístico,
se constata no belo ensaio sobre O Ateneu. A fragilidade e a insegurança
do adolescente Sérgio, somadas a seu espírito crítico acerado, resvalaram
"como a lâmina de aço temperado sobre o rochedo da vida' A arte con­
torcida de Raul Pompéia nasceria dessa resistência dramática e às vezes
ferina que enforma o romance, “objetivação inconsciente, disfarçada" do
narrador. Mais adiante, a metáfora do "ouriço invertido" que chama a si
os dardos do ambiente, funcionará como símbolo obsessivo de um senti­
mento de negatividade que funde as dimensões existenciais e sociais da
obra em uma admirável "coesão tonal"
Quanto à obra de José de Alencar, ídolo de juventude de Araripe Jr.,
recebeu a forma de perfil literário na monografia que lhe dedicou. A faculda­
de dominante do romancista era, para o crítico, a imaginação. Saindo à ca­
ta de documentos do passado colonial, Alencar os teria manipulado para
fantasiar as suas personagens, idealizando o heróico masculino e o grácil
feminino à luz de uma ideologia passadista, tudo orquestrado ao som da
natureza americana. Taine, que já emprestara a Araripe Jr. a noção de meio,
inspira-lhe agora a consideração de um ponto de vista individualizante:

Dizia com razão o maior crítico dos tempos modernos que a primeira
questão que se deve propor sobre um artista é esta: - como enxerga esse artista os
objetos? Nitidamente ou não, com que alcance, com que força? A resposta defi­

ne antecipadamente a obra, porque, em uma só linha que seja, não se poden­


do libertar das primeiras influências, guardará até o fim a feição em princípio
contestada.9

No caso de Alencar, a imaginação teria passado inicialmente por um


momento feliz de expansão nos romances indianistas, Guarani e Iracema,
mas em face do meio hostil que o perseguiu durante a sua frustrada expe­
riência política, se teria retraído ensombrando as obras que Araripe qua­
lifica como decadentes ou senis (O gaúcfio, Tí/, A guerra dos mascates). O que
fica desse livro curioso é a sugestão da curva de um escritor desenhada
pelas relações, primeiro gratas, depois ingratas, entre o escritor e o meio.
Enfim, absolutamente original para a nossa literatura de ensaio, é
o longo estudo que Araripe Ir. consagrou a Ibsen. Descontadas as digres­
sões sobre os trágicos gregos e Shakespeare, ficou de pé a espinha dorsal
do livro, que é o reconhecimento de uma ética intransigente da liberdade
de consciência em face da hipocrisia social e do poder do Estado. Neste
roteiro, a presença dos fatores étnicos - no caso, os estereótipos sobre o
caráter escandinavo - não chegou a turvar a nitidez da linha interpretati-
va que acompanha os principais dramas de Ibsen. Araripe não perdeu de
vista o seu objeto: a constituição de uma consciência moral insubmissa,
tanto nos protagonistas míticos, quanto nos contemporâneos, fossem
burgueses ou pobres.
Na medida em que Araripe Jr. combinava a sua primeira formação
taineana com uma sensibilidade atenta aos valores éticos e estéticos das
obras que comentava, a sua crítica se distanciava da posição redutora dos
contemporâneos, que tudo enxergavam do ângulo da evolução nacional ou
de uma antropologia causalista. As reações negativas de Sílvio Romero e
de Veríssimo às leituras de Araripe Jr. são sintomáticas desse desencontro:
Veríssimo: “Seguindo muito de perto as doutrinas críticas de Taine,
(Araripe) esforçou-se por praticá-las e divulgá-las aqui, temperando-as entre­
tanto com a sua fantasia, incongruente com o espírito geométrico do seu apregoado mes­

tre, e fazendo da complacência imoderado uso" (grifo meu).10

Sílvio Romero: "Em Araripe Júnior., se se pode dizer ter a crítica ad­
quirido alguma perspicuidade psicológica em a análise dos escritores, es-

9 TAINE. Histoire de la Littérature Anglaise, v. 5, p. 6. |Apud Araripe Jr.|


10 História da literatura brasileira. 3a ed. Rio de laneiro: José Olympio, 1954, p. 341.
se ganho foi à custa do deplorável encurtamento das vistas de conjunto e
do esquecim ento da evolução geral do povo como um todo harmônico.
Por isso voltou à velha maneira dos estudos dos escritores isolados (...)"11
O que ambos os críticos condenam em Araripe é precisamente a
sua capacidade de libertar-se do "espírito geom étrico” do Taine deter­
minista e do suposto todo harmônico que constituiria a “evolução geral
do povo”
Em verdade, o ecletismo, confessado lisamente por Araripe, que tem­
perava o espírito de geometria com o espírito de finura, representava uma
tentativa de contornar o impasse de determinismo (racial e social) e ex­
pressão pessoal. O impasse foi reproposto pela historiografia do século xx,
herdeira das sínteses de Romero e de Veríssimo. Enfrentaram-se posições
radicalmente adversas ao longo dos anos modernistas, os quais, por sua
vez, conheceram os dogmatismos extra-estéticos da Direita e da Esquerda.
E vieram mais tarde os conflitos recorrentes entre historicistas e formalis-
tas de cujas refregas somos ainda hoje testemunhas.
Quanto à historiografia da literatura, tão produtiva na geração po­
sitivista e evolucionista, rareou à medida que um difuso impressionismo
tornou a leitura mais sensível aos aspectos diferenciados da obra do que
à sua dimensão étnica ou nacional. Não que as idéias de caráter nacio­
nal, índole nacional, psicologia nacional etc. deixassem de proliferar ao
longo da Belle Époque e dos anos modernistas: o nacionalismo foi a tô­
nica ideológica dos três primeiros decênios do século xx, combinando-se,
conforme o momento político, ora com a democracia, ora com os regimes
de força.12 Mas o que se foi tornando problemático (a não ser na retórica
escolar) foi a tese de uma conexão estrutural entre esquemas rigidamen­
te nacionais/nacionalistas e a produção da obra artística ou literária. Fa­
zer a história da literatura brasileira como espelho dos eventos do Impé­
rio ou da República passou a ser, cada vez mais, um projeto de construção
ideológica, um programa a ser executado de fora para dentro, e que a crí­
tica viva das obras de arte e o seu julgamento já não podiam secundar au­
tomaticamente.
Entende-se o processo intelectual que presidiu a esse progressivo
desencontro. À medida que penetravam em nossa teia cultural os m ovi­
mentos estéticos internacionais, como o Impressionismo nas artes plás­
ticas, o Futurismo, o Surrealismo e o Expressionismo, a crítica modernis­
ta e pós-modernista passou a lidar com conceitos de arte fortemente
discriminativos. O que é arte para um cubofuturista não rima com o que

11 Op. cit., p. 1983.


12 O elenco dos ideólogos do Brasil-Nação nos primeiros decênios do século xx é bem
nutrido: Alberto Torres, Manuel Bonfim, M onteiro Lobato, Oliveira Vianna, Paulo Pra­
do, Azevedo Amaral, lackson de Figueiredo...
pensa um expressionista, e ambos se opõem à poética surrealista. Os cam­
pos temáticos, os lugares do imaginário e os procedimentos de lingua­
gem diferenciam-se conforme a opção estética e as afinidades eletivas.
Na prosa de ficção ocorriam fenômenos paralelos: técnicas novas
de romance introspectivo, como a corrente de consciência e a rememora­
ção infinitesimal da infância, que a psicanálise estimulava e o pensamen­
to de Bergson encarecia, acabaram transformando por dentro a perspec­
tiva onisciente herdada dos Oitocentos.
Trata-se de alterações profundas na concepção dos gêneros, na es-
tilização da frase: desdobramentos refinados da aspiração moderna de
macerar a subjetividade no texto literário; alterações que foram deixando
para trás o caminho percorrido pela velha historiografia que tudo passa­
va pela malha grossa de uma suposta "evolução" da literatura nacional.
As supostas leis positivas de evolução racial e os percalços da for­
mação política de cada Estado começaram a ser percebidos como distan­
tes, se não exteriores ao processo simbólico do poema e do romance. E
cada poema e cada romance pôde ser encarado como obra irrepetível, e
não mera peça de um sistema que se deixaria alinhar junto a outras pe­
ças semelhantes. O impasse continuava, mas subia ao nível da consciên­
cia teórica e metodológica.

O ecletismo possível no interior da crítica modernista:


Mário de Andrade e Tristão de Athayde

Não houve historiografia literária modernista no sentido estrito da


expressão. O Modernismo, pela sua própria dinâmica de vanguarda, sus­
citou uma série de atitudes críticas rentes, por sua vez, às obras de poe­
sia e de prosa que o movimento ia produzindo.
De todo modo, apesar de certa dispersão ideológica que marcou
o movimento, é possível rastrear uma nova percepção do processo histó-
rico-literário em dois dos seus maiores intelectuais, diferentes entre si,
mas atentos à complexidade da obra de arte: Mário de Andrade e Tristão
de Athayde.
Mário de Andrade percorreu um itinerário exemplar na sua busca
de integração dos níveis estético e social. A sua poética de juventude, ex­
posta no "Prefácio interessantíssimo" e na "A escrava que não é Isaura"
deve muito às experiências das vanguardas internacionais. Em síntese,
três haviam sido as conquistas fundamentais dos modernismos europeus
que não deixaram de afetar o discurso da nossa crítica. Na pintura, a de­
formação e, no limite, a abolição da perspectiva clássica e do realismo
acadêmico. Na música, a dissolução do sistema tonal. Na poesia, a de­
sarticulação do verso e a perda de relevância da rima; com isso, a distin­
ção canônica entre poesia e prosa perdia o seu estatuto de critério intan-
gível. No caso da poesia, não era só a estrutura sonora que se abalava:
também o estrato semântico das imagens aparece liberado das associa­
ções convencionais. Aqui Dadaísmo e Surrealismo concorreram para dar
um novo sentido às "palavras da tribo" retomando sugestões que vinham
da linha Poe-Baudelaire-Mallarmé ou Poe-Baudelaire-Whitman-Rimbaud-
Lautréamont.
Perspectiva, proporção, tom, ritmo, imagens: que extraordinária re­
volução se operava nos dois primeiros decênios do século! O jovem M á­
rio dos anos 20, poeta e teórico incipiente, dialoga com outros poetas afi­
nados com o movimento, Manuel Bandeira, já então maduro, e Drummond,
mais novo, crítico e inquieto. Os tacteios subjetivos pouco a pouco cedem
à convicção de que a arte do poeta dava um salto e avançava em um ca­
minho sem retorno: o da liberdade da pesquisa estética.
Com o tempo a consciência de pertencer a um povo mestiço e po­
bre, em parte marginal no concerto das grandes nações civilizadas, não
deixa de pungir, quase um remorso, nessa geração modernizadora que co­
meçou cosmopolita. E a consciência de ser brasileiro em Mário, muito vi­
va desde o fim do decênio de 20, é o nervo exposto desse complexo ideo­
lógico em que não é fácil distinguir o sentimento de inferioridade de um
romântico nacionalismo. O que ficou da intensa atividade do folclorista e
do crítico musical Mário de Andrade bastaria para fundamentar um crité­
rio de historiografia "nacional" que, porém, nada deve aos seus predeces­
sores evolucionistas ainda envisgados em preconceitos raciais. A diferen­
ça crucial está na visada popular e regional dos estudos de Mário de Andrade
que o preserva de batalhar por um nacionalismo abstrato e partidário.
Era uma viagem aos ritmos do samba rural, do choro, do frevo nor­
destino, da feitiçaria de pajelança, ritmos afro ou amazônicos. Era uma
auscultação dos sentimentos e das crenças das comunidades tradicionais
que resistiam e se reconstituíam até nos meios urbanos. Era uma escuta
das vozes do catolicismo rústico. Era um olhar atento ao partido dos ca­
sarões e das capelas rurais paulistas. Era, em suma, um conhecimento do
concreto que passava necessariamente pela vida popular das regiões.
Ora, toda essa aventurosa descida ao imaginário arcaico ou rústico
tenderia à dispersão erudita ou ao saudosismo se Mário não tivesse pro­
curado tecer um fio condutor que atasse os signos daquelas múltiplas ma­
nifestações da vida simbólica popular. Esse fio o aproxima, para bem e
para mal, da obsessão de definir o caráter nacional, o modo de ser brasi­
leiro, a nossa psicologia coletiva, o nosso inconsciente. O Retrato do Brasil
de Paulo Prado (a quem Mário dedicou M acunaíma) nos informara de que
esse psiquismo é instável, ora melancólico, ora excitável, quase sempre
preguiçoso e luxurioso, enfim romântico. A fluidez mestiça de tantas raças
e culturas impediu-o de cristalizar-se: o seu caráter final será polimorfo e
amorfo, trezentos como o poeta e nenhum como o herói Macunaíma. Uma
história da cultura brasileira, caso tivesse sido composta por Mário de An­
drade, daria mil provas da vigência dessa psicologia difusa; o que substi­
tuiria com vantagem os conceitos menos concretos e mais ideologizados
de raça e de espírito nacional sustentados pelos pais-fundadores do sécu­
lo xix, mas continuaria sendo um esquema de generalizações arriscadas.13
Chegados a esse ponto, é hora de perguntar: e a vanguarda estética
dos anos 20, e os manifestos do Modernismo que alardeavam poéticas aber­
tamente supranacionais - como operaram na biografia intelectual de Mário
de Andrade? Diria que, enquanto palavras de ordem, apagaram-se todas
como fogachos de muita palha e pouca lenha. Mas, enquanto apontaram
para uma ruptura com o academicismo reinante na Belle Époque, e enquan­
to propiciaram sondagens dos elementos cardiais da forma artística, as van­
guardas marcaram fundo a sua visão de estilo como formação ao mesmo
tempo individual e social, e processo ao mesmo tempo expressivo e comu­
nicativo. Se terá faltado a Mário de Andrade uma teoria dialética da histó­
ria cultural como tensão entre indivíduo e sociedade, pode-se dizer que se­
melhante "falha" terá sido da sua geração e do seu tempo, dividido entre o
velho historicismo factual, linear e causalista e o Impressionismo estético
atomizado em juízos de gosto pessoal. Daí, a coabitação em Mário de crité­
rios de valor diferentes: a obra vale porque é bem feita, bem construída,
coerentemente expressiva; ou a obra vale pela sua capacidade de represen­
tar mimeticamente a vida brasileira nos seus vários aspectos.
Em O empalhador de passarinho, Mário de Andrade reuniu artigos de
crítica literária escritos entre 1939 e 1940. Neles valoriza o papel do arte­
sanato e da disciplina técnica na construção poética e, ao mesmo tempo,
exige que a expressão verbal corresponda à intensidade do sentimento e
à tensão intelectual e ética que deve presidir ao trabalho da escrita. Mas
insiste (é seu tema recorrente) em que a linguagem do nosso escritor se
enraíze no ethos brasileiro, sabendo-o embora mestiço, móvel e diversifi­
cado conforme a região e a classe de onde parte a voz lírica ou narrativa.
Esta percepção da incompletude e de um certo grau de indeterminação
do "caráter nacional" é uma constante do pensamento de Mário. No arti­
go "Literatura nacional” chega a afirmar, beirando o paradoxo: "Ora, os
países de civilização importada, os países-colônias são, por definição, paí­
ses internacionais, nacionalidades antropológicas que se formam por
acrescentamento muito mais que por evolução natural”
Uma tendência dramática do projeto crítico de Mário de Andrade o
induzia às vezes a relativizar o caráter vinculante da instância nacional e
a reconhecer a prioridade dos processos universais da imaginação e do

13 Sobre as idéias de Paulo Prado e a sua presença junto ao Modernismo, veja-se o ca­
pítulo "Luxúria, cobiça e tristeza" em O caráter nacional brasileiro de Dante Moreira Leite,
2a ed. São Paulo: Pioneira, 1969.
desejo intim am ente ligados "àquela vida intuitiva e paraconsistente do
Ser, onde se realiza no seu mais divinatório e profundo sentido o fenôme­
no da invenção" ("Um crítico").
Assim, da mesma generosa matriz romântica, de que derivou boa
parte da crítica moderna, fluíram na sua obra a vertente histórico-nacio-
nal e a vertente existencial e universalizante. Leia-se a complexa argu­
mentação de Mário sobre a língua nacional, em que ora defende razões cul­
turais e institucionais para o uso de um português-padrão, ora propõe
argumentos puramente artísticos para satisfazer às exigências incontor-
náveis da expressão individual ("A língua viva"). Mário perseguiu, ao lon­
go do seu ensaísmo crítico, uma fisionomia própria para a arte que evi­
tasse confundi-la com o mero decalque da "coisa nacional" exterior à
dinâmica criativa do artista.
De todo modo, há oscilações reveladoras. Às vezes, é o critério da
representatividade brasileira que reponta como dominante. O limite dessa po­

sição toca-se no ensaio sobre Machado de Assis: Mário nele reconhece o


grau insuperado de nosso maior escritor, mas nega-lhe o atributo de maior
romancista brasileiro, alegando a "pequena contribuição de alma brasileira
existente no homem Machado de Assis" ("Machado de Assis" em Aspectos
da literatura brasileira).

A oscilação é sinal de uma penosa disjunção axiológica cuja matriz

é sempre a abstrata oposição de formalismo e historicismo; ou, em ou­


tras palavras, critério estético vs. critério nacional. O impasse persistiria e
pode ainda persistir sempre que se empobrece o conteúdo semântico da
palavra "História"
Um esforço para alcançar o discurso da síntese foi tentado por Tris-
tão de Athayde a partir da sua monografia sobre Afonso Arinos, que é de
1922. O instrumento de base alegado foram algumas idéias de Benedetto
Croce, cuja Estética (1902) harmoniza um interesse profundo pelos níveis
intuitivos e expressivos da arte com um historicismo amplo de derivação
hegeliana. O nome de Croce voltou mais de uma vez nas páginas de críti­
ca de Tristão, que falava do "expressionismo" do filósofo italiano, deixan­
do porém claro que se tratava da doutrina da intuição-expressão, e não
da vanguarda expressionista alemã que, como se sabe, preconizava a de­
formação, o grotesco, o patfios da dor e da morte em um contexto de críti­
ca social radical.
Mas Tristão de Athayde e, depois de 1928, quando deu o seu "adeus
à disponibilidade", Alceu de Amoroso Lima, mentor intelectual do catoli­
cismo, não poderia levar às últimas conseqüências a posição crociana que
exigia do crítico uma opção exclusiva pelo exame monográfico das obras,
enquanto complexos estéticos. Alceu de Amoroso Lima se sentia sintonizado
com o idealismo humanístico de Croce, mas não se inclinava à leitura con­
creta dos textos poéticos e narrativos, preferindo o manejo de idéias ge-
rais, as grandes classificações dos períodos culturais: tudo regido por va­
lores que refletiam de perto as tendências da Igreja, conservadoras até o
fim da Segunda Guerra e depois cada vez mais progressistas e próximas
do socialismo democrático.
Chamando a sua própria atitude crítica de Humanismo para estre­
má-la dos determinism os do século xix, Alceu de Amoroso Lima se dis­
tanciava tanto do marxismo (que, no Brasil dos anos 30 e 40 parecia, em
geral, um apêndice do evolucionismo), quanto das tendências formalis-
tas que, nas décadas seguintes, se apoderaram da crítica universitária. O
que ficava em Alceu era, de todo modo, uma versão mais elaborada do
ecletismo que ressaltava o caráter estético da obra literária, mas ancora­
va a sua interpretação em categorias heterogêneas, que ora se valiam dos
grandes períodos da história cultural (Arcadismo, Romantismo etc.), ora
voltavam à qualificação de nacional, com subdivisões regionais: veja-se o
quadro das "características psicológicas" do nordestino, do mineiro e do
gaúcho na Introdução à literatura brasileira.

Reitera-se em Alceu a fatalidade do ecletismo. A melhor crítica li­


terária egressa do Modernismo avançava nos ensaios monográficos de
Augusto Meyer e Álvaro Lins, mas a mesma felicidade de imbricação do
texto no contexto não encontrava correspondência na historiografia: esta,
como se sabe, deve enfrentar o desafio de reunir e articular no tempo o
que a crítica individualizante separa no seu trabalho de análise.
A gangorra continuou subindo e descendo quando Afrânio Couti-
nho preconizou, nos meados dos anos 50, a vigência de uma "nova críti­
ca" polemicamente anti-romeriana, que deveria destacar e valorizar a qua­
lidade estética da obra, deixando em segundo plano os fatores históricos
e biográficos tidos por exteriores à criação literária. A proposta era las-
treada por leituras da Estilística espanhola (filiada, em parte, à teoria da
intuição-expressão de Croce), do new criticism e, embora ainda sem espíri­
to de sistema, do formalismo russo divulgado então pelo prestante ma­
nual de René Wellek, Teoria literária.
O que ficou desse projeto? Fazendo um balanço talvez severo, per­
gunte-se a quais obras poéticas e narrativas se aplicou detidamente a no­
va crítica, a ponto de renovar por dentro, como era o seu propósito, a com­
preensão do corpus literário brasileiro? Pesa-me dizê-lo, mas os resultados
foram magros. E se o método alegado com tanta ênfase era, na realidade,
o melhor, por que essa escassez de resultados? A vasta coletânea A litera­
tura no Brasil (6 volumes), que deveria, em princípio, reunir monografias

sobre autores e obras no espírito de uma rigorosa revisão estética, resul­


tou em um conjunto didaticamente útil e meritório, mas heterogêneo, de
ensaios dos quais só alguns poucos se atêm à análise estilística, dita es­
tética, proposta pela sua coordenação. Predominaram, com raras exce­
ções (devidas a críticos independentes como Augusto Meyer e Eugênio
Gomes), as leituras ecléticas em que se misturam traços dos estilos de
época e características psicológicas dos autores. Tratava-se, no fundo, de
uma renovação a meias, pois a outra ponta da gangorra, o ideário nacio­
nal, continuava mantendo a sua posição como horizonte último da leitura.
O livro do mesmo Afrânio Coutinho, A tradição afortunada (1968), traz como
subtítulo "O espírito de nacionalidade na crítica brasileira” percorrendo
com farta documentação o caminho do conceito de "identidade brasilei­
ra” ao longo de nossa história letrada. Assim, a nova crítica, teoricamente
tão rigorosa na sua exclusão dos chamados fatores externos da literatura,
reconstituía, talvez involuntariamente, o esquema eclético, juntando as téc­
nicas da análise estilística e retórica com cânones de interpretação orien­
tados pela idéia de um "espírito da nacionalidade" Com isso, não se apro­
fundavam nem os métodos ditos imanentes, nem o sentido últim o do
olhar histórico, que habita a circunstância nacional, mas não se aprisiona
nas suas fronteiras, podendo ora afunilar-se nos círculos menores do gru­
po e da comunidade, ora abrir-se para a dimensão do humano universal.

Um novo patamar: a sociologia da cultura e a interpretação


da obra individual. As sínteses de Otto Maria Carpeaux e
Antonio Cândido

O estatuto de um conhecimento individual é sem dúvida


a maior dificuldade de uma epistemologia das Ciências Humanas.

{Pensée formelle et sciences de l'homme, Gilles G. Granger)

A maré dos estudos de Lingüística estrutural dos anos 60-70 e a res­


pectiva ascensão das técnicas formalistas de análise de texto fizeram uma
das pontas da gangorra elevar-se a uma altura nunca antes alcançada. Em
todas as faculdades de Letras do país (com exceção parcial de alguns cur­
sos dados na Universidade de São Paulo), a história literária, antes hege­
mônica, estagnou, virando o patinho feio dos estudos de Humanidades.
Para o estruturalismo de estrita observância, a "série literária’ cor­
re paralela à "série histórico-social" Esta seria apenas "interessante" mas,
como dizia jocosamente um corifeu concretista, “não interessa" A distin­
ção de fatores externos e internos foi absolutizada e rotinizada na peda­
gogia das Letras criando um campo, aliás estéril, de áridas polêmicas en­
tre os cultores da diacronia e os paladinos da sincronia.
A situação tinha ao menos o mérito de mostrar a insuficiência teóri-
ca do velho ecletismo, exigindo um repensamento dos termos postos em
abstrata oposição: poesia vs. história, construção ficcional vs. representação.
Ora, nenhum dos métodos vigentes estava em condição de supe­
rar por dentro o compromisso eclético mediante uma teoria da cultura in­
trinsecamente dialética, que fosse capaz de lançar uma ponte de mão du­
pla entre a criação estética individual e o processo social de uma nação
colhido em um determinado período da sua história.
Paralelamente ao surto estruturalista e, em certos autores, forçan­
do uma convergência de técnicas de leitura, ocorreu, nos mesmos anos
60-70, uma notável revivescência dos estudos marxistas.
O marxismo, método que se assume abertamente como dialético,
propunha para o impasse uma solução que, na hora da interpretação do
texto, se revelou também parcial e controversa: a teoria do reflexo.
Respeitáveis marxistas ortodoxos como Astrojildo Pereira e, na his­
toriografia, Nélson Werneck Sodré, leram as obras literárias como se fos­
sem reduções estruturais das respectivas condições sócio-econômicas. A
dialética histórica alegada recortava e destacava o momento "tético" e es­
pecular da representação, isto é, a relação condicionante mais geral entre
o texto e a sociedade de classes em que foi gerado.
O caráter remissivo, documental e re-presentativo da obra era pos­
to em primeiro plano, necessariamente genérico, pois qualquer obra re-
apresenta, de algum modo, a sociedade; vinham depois juízos de valor
que encareciam os aspectos modernos do autor ou deploravam os seus
vezos conservadores. É o caso de perguntar com honesta simplicidade:
quem dentre nós, intelectuais que nos presumimos progressistas, esta­
ríamos isentos dessa fácil tentação de tudo reduzir ao critério de nossa
ideologia? Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra.
A questão de fundo é, portanto: por que uma teoria que se honra­
va com a categoria hegeliana da dialética rendia pouco em termos de com­
preensão das obras poéticas e ficcionais? Arrisco a hipótese de uma re­
gressão, de resto internacional, do materialismo histórico a certas "leis
deterministas da sociologia positiva e do evolucionismo aceitas religio­
samente a partir dos meados do século xix. Na sua luta sem quartel con­
tra todas as formas de idealismo, os marxistas ortodoxos acabaram ape­
quenando a obra de arte a um decalque das relações sociais (tais como
as enxergavam), e tratando os processos simbólicos e imaginários como
epifenômenos da máquina econômica vigente. Dessa reificação do social
nasceu um historismo apertado e abafado, pelo qual a rede de valores,
afetos e símbolos de um dado romance ou poema se confunde com a ver­
tente ideológica da classe dominante que tudo amarraria e susteria.
Em outras palavras: a sociologia "positiva" entranhada na vulgata
estalinista, ou ignorou ou descartou as leituras vigorosas de Walter Ben-
jaimin, Ernst Bloch, Theodor Adorno e a concepção dinâmica da cultura
de Antonio Gramsci; cada um, a seu modo, iluminara o outro momento
da dialética, o seu caráter antitético, sem o qual a teoria da "totalidade
una e contraditória" vira parolagem enfadonha.
Assim, ao lado da cultura-reflexo das ideologias correntes, e contra o
seu poder de reificação, opera a negatividade da cultura-reflexão, que é um
complexo de sentimentos de desconforto e percepções críticas resisten­
tes às convenções estabelecidas. A sociologia, como intrepidamente ob­
servou Gramsci, distinguindo-a da filosofia da praxis, pretende ser uma ciên­
cia descritiva dos "fatos sociais"; logo, é uma constatação de regularidades
e normas, fora das quais só existiria o resíduo anômico da diferença e do
atípico. A sociologia colhe a média do que está aí, e dela extrai os seus
tipos. "O evolucionismo vulgar" diz Gramsci, "está na base da sociologia,
que não pode conhecer o princípio dialético com a sua passagem da quan­
tidade à qualidade, passagem que perturba toda evolução e toda lei de
uniformidade."14
O discurso de Gramsci, cerradamente político, acusa o caráter pas­
sivo e inerte com que as séries estatísticas e tipológicas espelham o com­
portamento das maiorias, notório objeto da sociologia norte-americana
das massas tal como se constituía naqueles anos 30, em que foram redi­
gidos os cadernos in duro cárcere. Mas é contra essa inércia e passividade,
fixada nas tabelas da pesquisa empírica, que a dialética negativa se arma
para provocar a passagem da quantidade à qualidade; no caso, a passa­
gem da inconsciência à consciência crítica e militante. E que "realismo" é
esse que ignora ou descarta a realidade do conhecimento crítico e a rea­
lidade do desejo?
Se o pensamento dialético degela os bloqueios fatalistas em nome
de um projeto político de transformação, com mais força de razão deverá
penetrar no cerne das operações artísticas, cuja margem de resistência
subjetiva à máquina do mundo sempre foi mais ampla do que as faixas
de desvio que a engrenagem econômica costuma comportar. Na estrutura
capitalista-modelo, a fábrica do século xix descrita por Marx, "cada traba­
lhador individual, seja ele Pedro ou Paulo, difere do trabalhador médio.
Essas diferenças individuais, ou 'erros' como são chamados pela mate­
mática, compensam-se mutuamente sempre que um certo número m íni­
mo de trabalhadores é empregado em conjunto" 15 Ora, um narrador tan­
to pode montar a figura alegórica do trabalhador médio, tipificando-o ao
extremo, para fins didáticos ou partidários, quanto pode plasmar a face
única de Pedro ou de Paulo, que "difere do trabalhador médio" Mas um
romance não é precisamente uma linha de montagem em que as perso­

14 1/ materialismo storico e la filosofia di Benedetto Croce. Torino: Einaudi, 1972, p. 127.


15 O Capital, cap. 13. "Cooperação"
nagens se compensam umas às outras para produzir o "trabalho social
médio" exigido pelo patrão. Por isso, o exame das narrativas de um certo
autor ou de um certo período contemplará com a mesma atenção o tipo
médio e o indivíduo que dele difere. Para a história das produções sim ­
bólicas, para a história da literatura, há Pedro e há Paulo dentro do traba­
lhador médio com graus diversos de identificação, distanciamento e, no
limite, ruptura.

Algum tempo antes da voga estruturalista e do simultâneo revival


marxista, que tiveram seu pico no fim dos anos 60, a nossa historiografia
literária foi agraciada pela publicação de duas obras capitais que, cada
uma a seu modo, tentaram dar uma saída feliz para o impasse até então
insuperado: formalismo ou historicismo?
Trata-se da História da literatura ocidental de Otto Maria Carpeaux, es­
crita entre 1944 e 1945, mas só publicada em 1958; e da Formação da litera­
tura brasileira de Antonio Cândido, redigida entre 1945 e 1957, mas só pu­
blicada em 1959.
As duas obras foram concebidas como histórias da literatura, e am­
bos os autores tomaram a sério o significado dos dois membros da ex­
pressão: a historicidade da cultura, isto é, a inserção da obra no tempo e no
espaço das idéias e dos valores; e o caráter expressivo e criativo do texto literário
na sua individualidade.
A ambição de História da literatura ocidental parece maior, dada a ex­
tensão do seu corpus: dos gregos e romanos aos contemporâneos, incluin­
do todas as literaturas ocidentais, da Europa às Américas. O esforço de
síntese sobreleva, na construção do livro e no arranjo da frase, a exposi­
ção desenvolvida de cada autor e cada obra. No caso da Formação, a redu­
ção do objeto ao século de literatura brasileira que vai dos árcades aos
últimos românticos implica uma concentração nos laços de texto e con­
texto e revela um empenho analítico sem precedentes em nossa historio­
grafia cultural.
Voltando ao problema central do método: a matriz de ambos é o
historicismo e, particularizando, o culturalismo. Ambos partem do pres­
suposto que, dos românticos a Dilthey, marca a historiografia das produ­
ções simbólicas: a vigência de sucessivos estilos de época que enfeixariam
em si valores e idéias, imagens e símbolos, gêneros e temas. Combinan­
do-se com este culturalismo de base, há em Carpeaux e em Cândido a pre­
sença de categorias tomadas à dialética marxista. Termos relativos à si­
tuação de classe como "aristocrático" e "burguês” e adotados como
característicos de escritores e textos, comparecem em ambas as histórias.
Carpeaux e Cândido valem-se estrategicamente da categoria de classe na
medida em que lhes serve de âncora para fixar mais firmemente as produ­
ções simbólicas na vasta plataforma da infra-estrutura de uma nação. Mas
essas categorias não se impõem com um sentido econômico imediato, nu
e cru. É a cultura, teia espessa de valores vividos, pensados e estilizados
que dá a ambos a necessária mediação entre a realidade ampla e genérica
da sociedade de classes e o trabalho singular da expressão artística. Para
Dilthey, "a conexão casual concreta" (entre a obra e a realidade histórico-
social) ' está entretecida com a realidade da cultura humana em seu con­
junto" ( Introdução às ciências do espírito).
Quem diz cultura diz processo temporal em toda a extensão e com­
preensão do termo "tempo" A cultura, diferentemente da infra-estrutura
material, pode, sempre que estimulada, entreter relações vivas e estreitas
com o passado, mesmo o mais remoto, graças ao dinamismo da memória,
e com o futuro, que já existe no desejo e na imaginação.
São relações às vezes dramáticas de atração e repulsão entre o pre­
sente e o passado, entre o presente e o futuro, que marcam o ritmo afeti­
vo e intelectual dos produtores de símbolos. Ritmo sem dúvida mais in­
tenso e variável do que o pesado andamento secular dos grandes sistemas
econômicos, como o feudalismo, o mercantilismo, o capitalism o indus­
trial, o socialismo de estado.16
Os historiadores da economia ocidental usam os termos genéricos
de "capitalismo" e "burguesia" tanto para o regime das comunas italianas
do século xiv quanto para a sociedade inglesa do século xix. Mas nenhum
economista proporia a vigência de relações íntimas e reversíveis entre o

16 No artigo "A arte perm anente’ sobre Van Delft, diz Carpeaux: "Na verdade, o m éto­
do sociológico só vale dentro de certos lim ites: é capaz de interpretar os am bientes
que envolvem a obra de arte, antes e depois da sua criação, sem ser capaz de penetrar
no reino dos valores. E para apoiar essa afirm ação permito-me citar, mais uma vez, a
frase na qual o próprio Marx confessou os lim ites da dialética histórica: ’Não é difícil
com preender que as obras de arte gregas estão ligadas a certas fases da evolução so­
cial. A dificuldade reside no fato de que elas ainda nos im pressionam esteticam ente,
embora aquelas fases já pertencessem ao passado’ E essa pergunta ficou, até hoje,
sem resposta" (In: A Manhã, Rio de Janeiro, 16.3.1947, reproduzido em S obre letras e ar­
tes. São Paulo: Nova Alexandria, 1992).
Que Carpeaux, leitor assíduo de Max W eber e de M annheim , negue que a So ciolo gia
seja "capaz de penetrar no reino dos valores", pode causar estranheza. No entanto, não
é outra a posição de Adorno quando, criticando Mannheim , qualifica de "pré-hegelia-
no’ o ponto de vista da sociologia do saber, que "pressupõe uma certa harm onia em
certo sentido transcendental entre o ser social e o individual, harm onia cuja inexis­
tência é um dos objetos mais destacados da teoria crítica!" E adiante afirma que o m é­
todo da sociologia do saber "consiste em reduzir os conceitos dialéticos a conceitos
classificatórios" ("La conciencia de la sociologia dei saber 11937), In: Prismas. Barce­
lona: Ariel, 1962, p. 36). Dilthey, na Introdução às ciências do espírito, já apontara os equívo­
cos da sociologia positivista, particularm ente nos esquemas de Comte e Spencer, que
lhe pareciam abstratos e classificatórios, incapazes portanto de com preender a expe­
riência individual dos valores que se revela principalmente nas obras de arte.
capitalism o yankee e o capitalism o florentino dos tempos de Dante. No
entanto, o intérprete de U lysses de loyce é levado a constatar que um dos
grandes romances do século xx tem o seu imaginário enraizado e aqueci­
do na memória de um leitor apaixonado de Homero, da Bíblia, de Santo
Tomás, de Dante e de Vico. As temporalidades internas do regime ficcio­
nal não coincidem, portanto, necessariamente, com o tempo objetivo e
irreversível da economia, reino do presente.
Contemplando ainda os pontos de contato: tanto Carpeaux quanto
Cândido se movem em um discurso que pressupõe, no interior dos esti-
los-de-época (primeira mediação), a presença de correntes cruzadas de
idéias e de gosto. Assim, a generalidade é sempre retificada por uma di­
ferenciação no rumo do concreto. Capitalismo é genérico; menos genéri­
co é identificar no capitalismo praticado no Brasil o que é conservador e
o que é liberal. Liberalismo é genérico; menos genérico é verificar se o li­
beralismo é utilitário ou romântico. Romantismo é genérico; menos ge­
nérico é identificar no Romantismo as suas vertentes primitivistas, me-
dievalistas, intimistas ou utópicas. E assim por diante: sempre que
possível, o melhor Carpeaux e o melhor Cândido procedem ao afinamen-
to das categorias sociais e culturais à procura da quadratura do círculo
que seria a definição de indivíduo. O objetivo é o conhecimento das vá­
rias mediações graças às quais as categorias de sociedade e de nação ja­
mais penetram no tecido nervoso da linguagem artística em estado bruto
de causalidade mecânica.
Essa consciência da diversidade estrutural do trabalho ficcional,
cujo limite seria a história literária por monografias preconizada por Benedetto
Croce, solicitou de Carpeaux e de Cândido um discurso sobre o método
com que abriram as suas respectivas obras. Convém repensar essas intro­
duções colhendo, em seguida, a teoria em ato e o pensamento crítico no
seu movimento de leitura e interpretação dos textos.
A tradição teórica assimilada por Otto Maria Carpeaux é a do histo­
ricismo alemão: a espinha dorsal é Dilthey, repuxado de um lado pela esté­
tica da expressão de Croce e, de outro, pela sociologia do saber e dos valo­
res; e aqui o elenco é rico, incluindo Simmel e Weber, além dos estudiosos
da perspectiva nas artes e nas letras, Panofsky e Riegl, Huizinga e Jaeger.
O eixo metodológico do historicismo é o conceito de estilo-de-época
ou, hegelianamente, momento do Espírito objetivo, como a Renascença,
o Barroco, a Ilustração, o Romantismo, com a sua respectiva construção
de tipos ideais. Os tipos ideais seriam, ao mesmo tempo, sociais, enquanto
pertencem a classes e estamentos, e culturais, enquanto modelos de valo­
res e formas de expressão: o clérigo, o trovador, o cavaleiro andante, o sá­
bio estóico, o condottiere, o homem do Renascimento, o cortigiano, o honnête
fiomme, o discreto, o philosophe esclarecido, a précieuse, o scfiolar, o snob, o pí­

caro, o herói-romântico, o dandy, o artista maldito, o conselheiro do lm-


pério, o malandro... O tipo faria as vezes de ponte entre a sociedade, que
é o termo mais geral, e o indivíduo, que é o termo singular. O tipo ideal
remete à esfera da particularidade social e cultural. Ele pode ser reconhe­
cido tanto na personalidade do autor quanto nas figuras constantes da
sua obra narrativa ou dramática.
O risco de seguir à risca esse esquema (estilos de época mais tipos
ideais) é cair no círculo vicioso da reprodução-repetição daquilo que se
considera "típico de um determinado estilo ou período histórico-cultu-
ral" Assim, tal personagem seria típica da cultura barroca porque apare­
ce em uma obra dotada de tais e tais características das quais, por sua
vez, se extraiu o significado do termo "barroco"... Chateaubriand teria si­
do "tipicamente romântico" porque idealizou o mundo do indígena am e­
ricano, o que é uma atitude que veio a integrar o ideário romântico, de
que Chateaubriand passa a ser, ao mesmo tempo, parte ativa e recepto­
ra... A petição de princípio é desconfortável: o adjetivo "romântico" passa
a caracterizar previamente o que deve ser compreendido sem pré-concei-
tos. Acha-se em cada parte sempre o que já se acredita ter encontrado no
todo. A unificação estilística e ideológica de um determinado período é o
escolho do historicismo e corresponde, mutatis mutandis, à uniformização
da psicologia das classes proposta pela sociologia funcionalista. Carpeaux,
consciente de que o "tipo dominante" de uma certa cultura não é um ab­
soluto, tende a dialetizá-lo, adotando a proposta de Karl Mannheim, que
introduziu o conceito de anti-tipo. É o momento negativo que abala a su­
posta homogeneidade dos estilos e dos tipos ideais.17
Mas esse passo ainda não lhe basta, pois o centro nervoso da dife­
rença e da negatividade é a consciência que um autor tem do seu tempo
e das variantes, fraturas e limites do cotidiano que a sociedade lhe ofere­
ce como matéria-prima. Matéria a ser "reconfigurada" (Lukács), sentida,
intuída e expressa (Croce).
O cerne da dialética de Carpeaux na elaboração da História da litera­
tura ocidental encontra-se precisamente na sua capacidade de identificar

nos grandes textos literários não só a mímesis da cultura hegemônica, mas


também o seu contraponto que assinala o momento de viragem, o gesto
resistente da diferença e da contradição. Esse olhar agudo, que conhece
tanto a ortodoxia quanto as suas necessárias heresias ( Opportet esse fiaere-
sias...), discerne até mesmo na escrita dos Antigos, tão cristalizados pela

tradição escolar, as formas múltiplas do dissenso. Leia-se o que Carpeaux


escreveu sobre o poeta Lucano que foi levado ao suicídio por ter conspi­
rado contra Nero (65 d.C.). A sua epopéia, Pftarsalia, foi considerada pelo

17 História da literatura ocidental. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1966, v. 1, p. 30.


erudito latinista Gaston Boissier como o poema da "opposition sous les
Césars" Lucano, que era estóico, assim como o seu contemporâneo Sê-
neca, também suicida no mesmo ano de 65, não idealizava os detentores
do poder imperial. À diferença de Virgílio, que inventou uma genealogia
divina para nobilitar a família de Augusto, Lucano prefere a todos o gran­
de vencido, Catão: “V ia m causa diis placuit, sed vida Catoni" "A causa vence­
dora agradou aos deuses, mas a Catão a dos vencidos."
Escolhi este exemplo, verdadeiro paradigma, como poderia ter es­
colhido centenas de outros em que Carpeaux apreende o sentido de re­
sistência de um autor em face do discurso hegemônico de sua época. Qua­
se sempre a fonte moral e estética dessa consciência crítica e rebelde vem
da memória de tempos passados tidos por melhores, a Idade de Ouro. É
a austera simplicidade da República anterior à corrupção do Império na
história de Roma; será, mais tarde, a pureza da Igreja primitiva contrasta­
da com a decadência do papado, na mente dos reformadores e dos movi­
mentos neo-evangélicos da Idade Média. Às vezes, não é a memória de
um paraíso terreno mítico, mas a utopia do Reino, da sociedade igualitá­
ria ou do comunismo universal que leva o escritor a afrontar os seus con­
temporâneos e, com os olhos postos no dia que há-de-vir, desmascarar
as trampas da ideologia corrente. É o caso dos joaquimitas (seguidores
das profecias do monge calabrês Gioacchino da Fiore) cuja presença na
utopia dantesca do Sacro Império é inequívoca. Serão, mais tarde, os so­
nhos de uma sociedade democrática que irão povoar os escritos políticos
do genebrino Rousseau. Será a utopia da santa Rússia, humilde e frater­
na, que assoma nas personagens místicas de Dostoiévski.
A análise ideológica das obras desses autores críticos, míticos ou
utópicos, prova à saciedade que eles se valeram de imaginários diferen­
tes ou mesmo ostensivamente contrários à rotina mental do seu tempo;
o que nos leva a pensar com Walter Benjamin que o historicismo conven­
cional, enquanto não se alarga nem se aprofunda para abranger o avesso
das fables convenues de cada época, é um historicismo a meias, capenga. O
nome de Benjamin não é aqui ocasional: é provável que Carpeaux tenha
sido o primeiro a mencioná-lo no Brasil, pois já mostra conhecimento da
obra A origem do drama barroco alemão no seu artigo "Teatro e Estado do
Barroco" que é de 1942, e pode ser lido na revista Estudos avançados (n° 10,

dez. 1990).
Outros exemplos. O fato de que na mesma Florença do Quattrocen-
to tenham coexistido as cabeças mais racionais da burguesia ascendente,
Leon Battista Alberti e Maquiavel, e a voz da religiosidade popular mais
veem entem ente antiburguesa, Savonarola, também leva águas ao m oi­
nho daquela proposta de Mannheim tão cara a Carpeaux. O anti-tipo en­
frenta ou espreita solerte o caráter hegemônico. O combate é desigual,
mas a história das expressões simbólicas, isto é, a história das artes e da
literatura, é suficientemente generosa para abrigar maiorias e minorias,
vencedores e vencidos.
No começo do século x v ii , ao barroco típico de Marino, que deu no­
me a uma vasta descendência de literatos hábeis e fúteis, opôs-se, pela sua
formação científica moderna e pelo gosto pessoal, ninguém menos que
Galileu, que, nos seus textos de crítica, preferiu ao Tasso pré-barroco o ri­
so franco do Ariosto renascentista. Houve, portanto, na Itália seiscentis­
ta, espanholizada e jesuítica, um antibarroco decidido que prolongou os
interesses científicos das gerações anteriores e enfrentou o peso da rea­
ção eclesiástica e aristotélica. Leia-se, na quinta parte da História da litera­
tura ocidental, um capítulo inteiro que, dentro do barroco, recorta o antibarro­

co. E Carpeaux teve aí a argúcia temerária de incluir o nosso Padre Vieira!18


Carpeaux vale-se do conceito de pseudomorfose cunhado por Spen-
gler para caracterizar as obras daqueles escritores que, sob a aparência
de uma estilização barroca, resistiram ideologicamente às forças reacio­
nárias do seu tempo: Quevedo, Gracián, Campanella, Vieira.
Notável como poder de síntese e, ao mesmo tempo, reveladora de
uma dinâmica imanente ao estilo de um grande escritor, é a passagem de­
dicada a Montaigne. Carpeaux percebeu que, no criador da forma "ensaio"
os lugares comuns ora epicuristas, ora estóicos, se transformaram em ver­
dades pessoais; o que pode soar como um paradoxo, mas é um fenôme­
no cardial da cultura moderna pelo qual o mais íntimo de cada um de nós
é segredo de polichinelo conhecido de todo o mundo... O ensaio criado
por Montaigne é uma forma livre, aberta e pessoal, mas não caótica, pois
"a unidade da composição literária é substituída pela unidade da perso­
nalidade do autor” 19 Montaigne é o responsável por uma verdadeira re­
volução silenciosa no corpus da cultura clássica, e o número de seus her­
deiros não cessa de crescer, mostrando, uma vez mais, que o tempo da
literatura se estende além das fronteiras dos estilos-de-época.
Outro aparente paradoxo, na verdade outra ocorrência de pseudo­
morfose, é a capacidade de uma linguagem clássica, como a de Swift, ser
terrivelmente demolidora. Swift, satírico por excelência, vale-se de "crité­
rios morais mais rigorosos do que os do seu ambiente”20. Swift trata os cris­
tãos da Inglaterra do seu tempo com a severidade de quem só acredita na
ética intransigente dos primeiros cristãos. Os valores atribuídos a uma co­
munidade remota (dos quais só se têm alguns testemunhos nos Atos dos

18 Ver particularmente artigo "Aspectos ideológicos do Padre Vieira' publicado no jor­


nal A Manhã. Rio de laneiro, 1.5.1949 e reeditado na coletânea S obre letras e artes, op. cit.
19 Op. cit., p. 378.
20 Idem.
Apóstolos) tornam-se os únicos capazes de julgar os costumes presentes.
Carpeaux o diz com a simplicidade de quem está fazendo um comentário
jornalístico, de passagem. De repente o seu historicismo ganha a dimen­
são da profundidade e rompe com a cronologia e a hora do relógio, preci­
samente como Benjamin desejava que o fizesse o pensamento dialético.
A partir do volume sobre o Romantismo torna-se mais pungente o
sentim ento das contradições entre o indivíduo e a sociedade burguesa
cada vez mais compacta. Direi mesmo que será essa percepção o móvel
dos trechos de Carpeaux sobre a grande literatura do século xix: Blake,
Leopardi, Vigny, Poe, Buechner, Heine, Nerval, Baudelaire, Thoreau, Whit-
man, Rimbaud, Lautréamont, Dostoiévski, Verga, Hardy, Ibsen, Nietzsche,
Tolstoi, Strindberg - todos escritores de têmpera resistente ao conformis­
mo do seu tempo. Entre nós, Raul Pompéia, Cruz e Sousa e de um modo
enigmático, aparentemente diplomático e atemporal, Machado de Assis.
Voltando-se para a literatura brasileira em ensaios contem porâ­
neos à redação da História, Carpeaux soube logo discernir, nos seus valo­
res mais altos, a presença dos antagonismos, a face dura do conflito. Os
textos sobre Graciliano Ramos e Carlos Drummond de Andrade dão tes­
temunho de uma percepção aguda das tensões existenciais e políticas
que atravessam o romance de um e a poesia do outro. Embora envolvi­
dos pela contingência brasileira, a que permaneceram sempre ligados,
Graciliano e Drummond são lidos como vozes que dialogam com o ho­
mem contemporâneo dos fascismos e da guerra: vozes nacionais e supra­
nacionais ao mesmo tempo.21
Para Carpeaux, cujo pensamento remonta de Dilthey a Hegel, e nun­
ca foi afetado pela sociologia positivista, a literatura não é só, nem princi­
palmente, o espelho das estruturas dominantes, mas um campo minado
de tensões. O grande escritor é uma antena capaz de apreender os sinais
de fratura entre épocas, entre classes, entre grupos, entre indivíduos e en­
tre momentos dilacerantes de um mesmo indivíduo. A tensão é o dado de
realidade social e íntimo que engendra a diferença, a oposição e o aberto
contraste. Do lado da forma literária, essa tensão pode resolver-se e com-
por-se em uma linguagem clássica (pseudomorfose), ou irromper em um

21 Leiam-se: "Fragmento sobre Carlos Drummond de Andrade" e "Visão de Graciliano


Ram os” em Carpeaux, Origens efins. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1943.
Q uanto a M achado de Assis, a sua integração na história do romance ocidental leva
Carpeaux a sublinhar as feições universalizantes do seu humorismo; ver História da lite­
ratura ocidental, v. 5, p. 2143-5 e "Um a fonte da filosofia de Machado de Assis" em Res­
postas e perguntas. Rio de Janeiro: M EC , 1953. Merece tam bém leitura atenta o ensaio
sobre a pintura brasileira e universal de Portinari: Carpeaux nele reflete com vigor e ri­
gor sobre a diferença entre a perspectiva aberta do artista criador e o olhar redutor da con­
venção social ("A propósito do pintor brasileiro" In: Origens e fins, op. cit.).
fraseio romântico e expressionista. Daí a dupla visada do historiador da
literatura: há a dialética de sujeito e sociedade; e há a dialética da forma
fechada e da forma aberta, in progress. O espelhamento ou a negatividade
das relações entre o escritor e a ideologia dominante enformam os estilos
individuais e ora os aproximam das tradições estilísticas, ora são matrizes
de inovações surpreendentes. E a História, que tudo abraça, acaba sendo
um processo em que o sim e o não se alternam, se separam e se fundem
em combinações inesperadas.

Comparada com a História da literatura ocidental, a Formação da literatura


brasileira de Antonio Cândido dá a impressão de um conjunto mais ordena­

do e coeso em que predominam, desde as primeiras páginas, as idéias ma­


trizes de sistema, de integração e equilíbrio funcional. Mas o crítico está
plenamente consciente de que o equilíbrio é transitório, pois "quem quiser
ver em profundidade, tem de aceitar o contraditório, nos períodos e nos au­
tores, porque, segundo uma frase justa, ele 'é o próprio nervo da vida"'22
A literatura, no vestíbulo da Formação, se dá como um sistema obje­
tivo que faz parte de outro sistema maior, o da civilização, do qual é "um
aspecto orgânico’ Dentro do sistema literário Antonio Cândido articula
três subconjuntos: o dos produtores literários, o dos receptores ou leito­
res e um "mecanismo transmissor (de modo geral, uma linguagem tradu­
zida em estilos), que liga uns aos outros. O conjunto dos três elementos
dá lugar a um tipo de comunicação inter-humana, a literatura, que apare­
ce, sob este ângulo, como sistema simbólico"23
Em seguida, a idéia de sistema vem complementada em dois ní­
veis: o da integração dos seus elementos (no caso, os escritores) em um
conjunto; e, como resultante dessa integração, a continuidade na trans­
missão do referido conjunto, que vem a dar na tradição.
Trata-se de uma concepção funcional das expressões simbólicas,
que tomam corpo, recebem status público e entram para o cânon da his­
tória literária à medida que funciona o tripé sistêmico: escritores, público
e mecanismo transmissor (linguagem). Segundo essa mesma perspecti­
va, definida como “ponto de vista histórico” "as obras não podem apare­
cer em si, na autonomia que manifestam, quando abstraímos as circuns­
tâncias enumeradas”
Subsiste no esquema acima a distinção entre ( 1) a obra, vista em
si, do ângulo da sua integridade estética, e (2) a obra situada no conjunto

22 Formação da literatura brasileira ( momentos decisivos). São Paulo: M artins Editora, 1959,
v. 1, p. 24.
23 Idem. 36
de produtores, receptores e mecanismos de linguagem. Ou seja: o olhar es­
tético percebe a manifestação de uma autonomia da obra, que, porém, o
"ponto de vista histórico" não privilegiaria, na medida em que está volta­
do antes para as relações culturais públicas do que para a dimensão da
criação individual.
Aparentem ente vigora, neste momento de abertura da Formação,
uma dupla concepção de historicidade, que oscila entre a sociologia positi­
va e a visão dialética. Pela primeira, Cândido encarece o termo sistema com
o seu corolário de implicações: a integração do escritor e do público, a
funcionalidade dos mecanismos de transmissão, a objetividade institu­
cional dos fatores de divulgação responsáveis pela "formação da rotina"
O corpus desta abriga um alto número de obras que, apesar da sua medio­
cridade e insignificância estética, apontada pelo crítico, tem acesso ao sis­
tema por força da sua presença pública.

Mas, pela segunda visada, o crítico avança metodologicamente ao


afirmar que "o ponto de vista histórico não desejaria, em nossos dias, re­
duzir a obra aos fatores elementares"; o que muda a qualidade do termo
"histórico"
Creio que este segundo pressuposto é mais promissor e fecundo
do que o primeiro, o qual, deixado a si mesmo, correria o risco de identi­
ficar como propriamente "históricos" sobretudo os mecanismos da cultu­
ra letrada instituída, como os "gêneros públicos" a "poesia a reboque" e
as rotinas acadêmicas, que visivelmente não constituem nem a raiz nem
o cerne da expressão artística, aquela "forma viva da experiência" de que
falava o admirável historiador hegeliano da literatura italiana, Francesco
De Sanctis. Para De Sanctis só fica o que significa.
De todo modo, tratando-se de uma obra em que a erudição é sem­
pre acionada em função de juízos de valor e exercícios de gosto, a Forma­
ção da literatura brasileira tempera a consideração dos mecanismos da cultu­

ra com a valorização estética da obra individual, expressiva, densa de


significado.
Se nem sempre a economia e a discrição metodológica de Antonio
Cândido lhe permitem estadear o conceito dialético de história literária,
na verdade este se realiza nas belas análises de autores e textos que re­
presentam os pontos altos do livro: momentos em que o crítico faz sem
alardear o que outros alardeiam sem fazer. Então aparecem, em ato, tan­
to os traços psicológicos fortes e pertinentes que diferenciam um poeta de
outro, um narrador de outro, quanto as formas esteticamente pregnantes e bem
articuladas para as quais vai a preferência do gosto do crítico.

Assim, apesar da largueza com que Antonio Cândido acolhe na For­


mação o limbo apoético em que se moveram nossas letras entre Silva A l­

varenga e Gonçalves Dias (meio século sem um poeta autêntico), resulta


com toda evidência do seu discurso que só contam em última instância
para a crítica literária "a força da personalidade" e a "intuição artística"
Ultrapassadas internamente (embora não explícita e enfaticam ente) as
metáforas iniciais de "organismo" e de "sistema" vai-se afirmando, ao lon­
go da Formação, a idéia da complexidade e unicidade expressiva e constru­
tiva de cada obra de arte, cujo nexo com os valores e os padrões de gosto
não se subordina passivamente às convenções correntes, podendo, ao
contrário, problematizá-las e subvertê-las. É nos estudos monográficos
que o melhor do pensamento do crítico se vê em ato. Em pleno Rom an­
tismo (1852), Manuel Antônio de Almeida aparece como figura "extrava­
gante" em virtude da sua visão desenganada e concessiva pela qual os
opostos de Bem e Mal se neutralizam na sarabanda que é a história de
Leonardo nas Memórias de um sargento de milícias. Entretanto para Alencar
(que estréia nos mesmos anos 50), é precisamente o choque entre o Bem e
o Mal que, segundo a leitura de Cândido, desencadeia os enredos nos
quais o herói é sempre herói, a heroína heroína, e o vilão vilão. Alencar
não retoma nem aproveita Manuel Antônio de Almeida, assim como Tau-
nay não será perfazimento de Bernardo Guimarães, embora ambos tratem
de matéria regional. A descontinuidade, isto é, a diferenciação dos olha­
res, das ênfases e dos tons, se é espinho para o sociologismo compactan-
te, não constitui problema para o historiador das produções imaginárias fa­
miliarizado com a multiplicidade dos processos simbólicos. Voltando aos
riscos da pura cronologia: no fundo, que relação interna consistente pode
armar-se entre as dispersas tentativas dos nossos esforçados e pragmáti­
cos importadores do Romantismo, ou dos epígonos do Arcadismo, e a
criação e o vigoroso travamento poético de 1-Juca Pirama, de Iracema, da Li­
ra dos vinte anos, do Cântico do calvário ou das Vozes d'África?24 Motivos, tons,
ritmos e imagens poéticas são expressões, e não se reproduzem nem evo­
luem sistemicamente como espécies, conforme pretendiam os doutrina-
dores positivistas e evolucionistas, mesmo porque motivos, tons, ritmos
e imagens não vivem nem estética nem historicamente em algum depósi­
to literário, fora das obras singulares e irrepetíveis que lhes dão afinal coe­
rência, significado e beleza, condições da sua permanência na memória

24 Um poeta e leitor de gosto, Manuel Bandeira, não transcreveu em sua Apresentação


da poesia brasileira nenhum poema com posto entre as Liras de Gonzaga e a "Canção do
exílio" de Gonçalves Dias: meio século sem autêntica poesia digna de registro em uma
antologia que percorre toda a nossa história literária. É vago, portanto, dizer que a
poesia "existe na História": é preciso conhecer por dentro qual é a história im anente em
cada expressão lírica; o que leva às vezes o intérprete a saltar as barreiras do espaço
local e do tem po no relógio a fim de historiar quais valores, ideais e afetos foram tra­
zidos, conscientem ente ou não, ao drama da escrita. E a História da hum anidade que
recebeu a obra de arte já não é a mesma História que a precedeu.
de gerações de leitores. A vida da cultura que abriga e permeia as cria­
ções poéticas tem dimensões que transcendem as conjunturas que as vi­
ram nascer. "É que a literatura" diz Antonio Cândido, "não tem um fator
que a determine, nem são os acontecimentos políticos ou as m odifica­
ções econômico-sociais que nutrem o gênio dos poetas"25
Realçando as peculiaridades de expressão e a estrutura de cada
obra, Cândido aponta para a construção de um novo método histórico que
corrigiria o que ele próprio deplora como "exageros do velho método his­
tórico, que reduziu a literatura a episódio de uma investigação sobre a so­
ciedade, ao tomar indevidamente as obras como meros documentos, sin­
tomas da realidade social"26 Palavras que um Croce assinaria, e que
guardam uma candente atualidade hoje quando a prática dos Cultural stu-
dies voltou a tratar o texto literário como variante da indústria cultural ou
mero instrumento de lobbies.
A dupla concepção de historicidade, de um lado sociológica, de ou­
tro dialética, tende a resolver-se taticamente, na Formação, ao enfrentar o
problema da literatura como expressão da nacionalidade. O tema é recor­
rente e virou o banco de prova de nossa historiografia cultural.
Se Antonio Cândido tivesse reproduzido acriticamente os esque­
mas deterministas de Sílvio Romero, seu alegado mestre, ou as posições
ecléticas de losé Veríssimo, Araripe 1r., e Ronald de Carvalho, dificilmente
a sua perspectiva teria fugido à tradição de aplicar a autores e obras o cri­
tério da "representatividade nacional"
Mas o Modernismo não passara em vão. Mário de Andrade e Tris-
tão de Athayde, Augusto Meyer e Álvaro Lins, para citar só nomes que con­
tam, tinham-se debruçado sobre o caráter concreto e singular da criação
ficcional. Em paralelo, a cultura universitária dos anos 40 não ignorava a
revolução que a sociologia do saber, a fenomenologia, o existencialismo,
o marxismo e a psicanálise estavam operando nos métodos das ciências
humanas que na Europa já havia muito se distinguiam das ciências exa­
tas e naturais. Esse clima intelectual, rico de fermentos contraditórios,
propiciava uma nova compreensão histórica da literatura, que, comportando
embora uma dimensão difusamente nacional, não cedia ao critério estri­
tamente localista sob pena de comprometer os valores de liberdade, sub­
jetividade e universalidade da produção simbólica. Vejamos como Anto­
nio Cândido equaciona os dados do problema.
Uma ou outra notação esparsa nas páginas conceituais da Formação
poderia fazer o leitor crer que o encarecimento dos conteúdos locais e o
correlato "nacionalism o empenhado' teriam dado à literatura brasileira
"sentido histórico"; ou que a mesma concepção localista tenha sido "his-

25 Op. cit., v. 2, p. 247.


39 26 Idem, p. 23.
toricamente do maior proveito"; ou, enfim, que "dum ponto de vista his­
tórico, sobretudo, é evidente que o conteúdo brasileiro foi algo positivo,
mesmo como fator de eficácia estética, dando pontos de apoio à imagi­
nação e músculos à form a"27
São afirmações que se compreendem no contexto e basicamente
creditam a solução do problema a diferenças de períodos culturais. A s­
sim, nos anos de formação do romantismo brasileiro, coincidentes com a
emancipação do Estado nacional, o critério nacionalista teria sido útil,
funcional e, no limite, estimulante para o trabalho de ficção. Com o pas­
sar dos anos, porém, e sobretudo nas fases modernista e pós-modernista
(em que o crítico se situa e escreve), o mesmo critério se teria mostrado
"inviável" e até mesmo "calamitoso erro de v is ã o "28
Essa distinção entre um nacionalismo romântico proveitoso e um
nacionalismo posterior calamitoso me parece, salvo melhor juízo, deve­
dora daquela primeira concepção restrita de historicidade, pela qual é pon­
to de vista histórico o que espelha a ideologia e os modos típicos e predomi­

nantes de pensar, sentir e dizer de um determinado período em uma


determinada formação social. Em contrapartida, é estético o que repre­
senta as operações de construção e expressão da obra que transcendem
o seu tempo (cronológico) e não se reduzem à recolha dos dados do pre­
sente imediato.
Tal dicotomia, porém, é contornada e felizmente superada quando
Antonio Cândido, penetrando nas obras de maior força, românticas ou não,
nelas descobre flexíveis articulações do social público e do estético indi­
vidualizado, libertando-se de didáticas e abstratas oposições. Então, a
idéia de historicidade toma fôlego e se amplia na direção do passado, que
revive na memória, ou do futuro, que pulsa no desejo e na imaginação,
não se confinando a um sincronismo sem janelas. O sentim ento do na­
cional encontra aí também o seu lugar, não como regente ubíquo e on i­
potente imposto aos mais diversos compositores das mais diversas me­
lodias, mas como um tema, um refrão, e às vezes um fundo musical que
ora parece tudo invadir, ora quase desaparece em surdina, ao longe.

Creio que a procura de esquemas uniformes de método no discur­


so crítico de Antonio Cândido nem sempre é o melhor caminho para ava­
liar a riqueza surpreendente da sua obra. Comparem-se, por exemplo, as
vibrantes leituras de romance enfeixadas em Tese e antítese, a meu ver seu
ponto mais alto, com algumas das considerações teóricas didáticas pro-

27 Idem, p. 22.
28 Idem. 40
postas em Literatura e sociedade, sempre lembrando que umas e outras fo­
ram escritas entre os anos de 50 e 60, momento de plena maturação do
seu talento crítico.
Nos ensaios de Tese e antítese o discurso do intérprete ascende a uma
concepção expressivo-construtiva da obra narrativa. Nas suas palavras,
os textos "abordam problemas de divisão ou alteração, seja na personali­
dade, seja no universo da sua obra"
O estudo sobre O conde de Monte Cristo, "Da vingança" vai fundo na
sondagem do arcano e nunca exaurido tema da "complexidade contradi­
tória de cada um* O ensaio mostra "como um homem vê surgir em si mes­
mo outro homem, antes inexistente ou ignorado, que age em contradição
com o primeiro, e no entanto compõe, ao mesmo título que ele, o mapa
febril da personalidade' Para tanto, são marcadas as peripécias da histó­
ria, e o processo narrativo aparece relacionado com a transformação do
protagonista: "De Edmundo Dantès surge um vingador satânico, o conde
de Monte Cristo"
Ao longo da análise imbricam-se: (a) observações sobre o tema bá­
sico da vingança, que vem de longe como expressão agônica do desejo de
compensar situações de dano sofridas na luta entre indivíduos; (b) consi­
derações estruturais sobre os efeitos de movimento que a forma romance
propicia quando se explora esse tema; (c) enfim, discretos acenos à at­
mosfera turbulenta de um certo romantismo operante na escrita de Du­
mas na sua variante individualista, byroniana. Variante à qual se pode
aplicar, cum grano salis, o adjetivo "burguesa” sendo esta qualificação for­
çosamente genérica em razão do polimorfismo de um nome dado a uma
classe cujo arco de formação e vigência na história do Ocidente está com­
pletando um milênio.
Um ponto de vista diferenciado entreveria traços rebeldes, logo vir­
tualmente antiburgueses, na conduta satânica do vingador. Mas a pródiga
polivalência com que a linguagem sociológica adota o termo "burguês" fa­
vorece o seu uso para classificar ora atitudes convencionais, ora atitudes
malditas. Quem já não ouviu falar não só em conformismo burguês, mas
também em individualismo burguês? Em racionalismo burguês ao lado de
irracionalismo burguês? Em conservadorismo burguês ao lado de libera­
lismo burguês? Em compromisso pequeno-burguês ao lado de radicalis­
mo pequeno-burguês? Dizia Alberto Moravia da Itália contemporânea: "O g-
gi non ce che borgfiesia!" Assim, o termo que tudo abraça nada segura.
De todo modo, na visada de Antonio Cândido, o vínculo do Roman­
ce de Alexandre Dumas com a sociedade, longe de estreitar-se em um his-
torismo menor, que o reduziria a variante literária da crônica policial da
França "burguesa* nos anos de 1830, aparece mediado pela tela da cultura
romântica em que valores contrastantes precisam, para se projetarem, de

um poderoso imaginário romanesco e mítico. Ao invés de supor a onipo­


tência de uma fôrma social externa, já pronta e homogênea, que ao roman­
cista não restaria senão imitar, Antonio Cândido escava e faz virem à tona
as forças latentes de um tempo em ebulição, o romantismo europeu, que
encontrou na composição móvel do romance de aventura o canal adequa­
do para a exploração das suas paixões e de seus ideais. "Sob a correção
impecável da aparência e das maneiras, Monte Cristo manifesta em pro­
fundidade certos aspectos da fúria demoníaca, sanguinolenta, que o apro­
xima dos personagens criados pela corrente 'frenética' do Romantismo.
Neste dilatado historicismo cultural cabem leituras biográficas e
existenciais como o estudo juvenil Entre o campo e a cidade, que dá conta da
inflexão tradicionalista do último Eça de Queirós, o estilizador brilhante
da vida rural portuguesa que começa na Ilustre casa de R amires e se afirma
em A cidade e as serras contra a maré cosmopolita que avançava por toda a
Europa no fim do século xix. Aqui, diz Cândido, "às razões de natureza so­
ciológica vêm juntar-se outras, porventura mais importantes, da própria
vida do romancista, - que de certo modo foi uma capitulação discreta, mas
progressiva, em face do que antes combatera" O ponto de vista do narra­
dor acompanhava, portanto, a curva do Eça intelectual refinado que, satu­
rado de sofisticação, escolhia do repertório ideológico disponível no meio
cultural luso apenas os valores tradicionais afins ao seu estilo de vida. Mais
uma vez, a sociedade, no caso a sociedade portuguesa do fim do século,
não é vista como uma coisa uniforme e compacta que o romance espelha­
ria passivamente. Há seleções, porque a cultura é uma rede de diferenças.
Vigorosamente enraizado no drama do indivíduo "ilhado" e "inde­
pendente das circunstâncias de lugar é o ensaio sobre loseph Conrad,
Catástrofe e sobrevivência. Aqui não se vislumbra o menor traço de causalis-
mo, isto é, de vigência de esquemas externos e abstratos pesando sobre
a leitura da composição narrativa, ou moldando, de fora para dentro, pen­
samentos e comportamentos das personagens principais. O conflito do­
loroso de ideais éticos e instinto de sobrevivência em Lord Jim é figurado
de tal modo que apareçam ressaltados os seus componentes humanos
universais. A paisagem evocada, os ambientes, os episódios aventurosos
e tudo quanto pode servir de quadro espaço-temporal ao romance confi­
gura-se em função do drama que cada protagonista de Conrad está como
que fadado a viver no âmago da sua consciência. O efeito de sugestão ob­
tido pelas descrições de Conrad "é o avesso da reportagem" o que não
diminui, antes acresce, o sentimento de realidade moral que sai das pá­
ginas do grande escritor.
Do homem ilhado passa o leitor de Tese e antítese para o "homem sub­
terrâneo" de Graciliano Ramos com referências explícitas ao modelo dos-
toievskiano. É o homem que da angústia de uma vida degradada ou do
fundo sórdido do cárcere arranca uma singular "capacidade de compreen­
der e perdoar" Significativamente, este ensaio sobre o mais classicamen-
te realista dos nossos narradores dos anos 30 insiste na força motriz das
projeções como organizadora da narrativa e responsável pelo clima exis­
tencial das obras-primas Angústia, São Bernardo e Vidas secas. Esta última,
tão explorada pela rotina escolar como documento impessoal da pobreza
nordestina, "conserva, sob a objetividade da terceira pessoa, o filete da
escavação interior Leia-se o capítulo "O menino mais velho" para enten­
der a verdade desta asserção. O que está dentro e se faz palavra é ora res­
soo ora contraponto do que está fora. E este é o sumo do ensaio pioneiro
sobre Grande sertão: veredas, que dá o devido lugar e peso às instâncias mí­
ticas pelas quais Guimarães Rosa penetrou no real natural e histórico, o
Sertão, descrevendo-o, transfigurando-o, interpretando-o, universalizan­

do-o. "O homem dos avessos" está na base do conceito de surregionalis-


mo, ou regionalismo supra-real, com que Antonio Cândido definiria a obra
de Guimarães Rosa.

Comparadas com as conquistas admiráveis que representam as lei­


turas de Tese e antítese, as páginas didáticas de Literatura e sociedade podem
parecer um tanto esquemáticas na medida em que o crítico nelas preci­
sou enfrentar problemas metodológicos gerais e mais áridos como é o ca­
so do texto de abertura, "Crítica e sociologia" A ênfase é aqui dada à fun­
ção que a estrutura social pode exercer na composição da obra literária.

Mas é visível no tom do discurso de Antonio Cândido o propósito de não


absolutizar essa função, admitindo-a sempre como possível mas não co­
mo única, suficiente ou universal.
A título de exemplo, o crítico analisa a composição de Senhora de
losé de Alencar. A estrutura social burguesa baseada na compra e venda
de mercadorias teria fornecido a Alencar o tema do casamento por inte­
resse, no caso a história de um jovem sem recursos que se vende a uma
noiva rica. Trata-se de "uma longa e complicada transação" No romance,
essa transação, "com cenas de avanço e recuo, diálogos construídos com
pressões e concessões" é apresentada como um verdadeiro duelo conju­
gal. "O duelo representa a transposição, no plano da estrutura do livro,
do mecanismo de compra e venda. Em termos gerais, o elemento social
"é fator da própria construção artística, estudado no nível explicativo e
não ilustrativo" "O externo se torna interno e a crítica deixa de ser socio­
lógica para ser apenas crítica.
Dado o exemplo e formulada a conceituação, Antonio Cândido to­
ma o cuidado de negar que o "ângulo sociológico” possa ser "imposto co­
mo critério único, ou mesmo preferencial, pois a importância de cada fa­
tor depende do caso a ser analisado" Esta ressalva é da maior pertinência
e importância, pois relativiza com firmeza a tese que a leitura determinis­
ta propõe como critério absoluto, ou seja, a tese de que a composição
imanente na obra imita obrigatoriamente a estrutura suposta ou atribuí­
da da sociedade em que foi escrita.29
O problema tem faces que merecem novos esclarecimentos. Para
tanto, vale a pena retomar o exemplo de Senhora que parece ilustrar tão
cabalmente o princípio do "externo que vira interno" Nos termos de Cân­
dido, o assunto do romance é "ao mesmo tempo representação e desmas­
caramento de costumes vigentes na época, como o casamento por dinhei­
ro' O que significa essa dupla e contrastante operação de representar e
desmascarar o modo utilitário de tratar o laço conjugal? Significa que a cul­

tura romântica do século xix, revivida pelo ethos de Alencar, não só perce­
bia e transpunha situações empíricas para o registro da ficção, mas as jul­
gava, moralmente as condenava e idealisticamente aspirava a redimi-las,
fazendo reverter a conduta dos seus agentes ao convertê-los em almas
nobres, capazes de superar o vil utilitarismo em que haviam caído. Assim,
a representação não é passiva nem mecânica, nem estática, na medida
em que o foco narrativo romântico toma consciência dramática do interesse eco­
nômico, este, sim, inequivocamente burguês. Será, pois, necessário distin­

guir, na interpretação histórica de Senhora, e continuando rente às notações


de Antonio Cândido: o momento da representação do quadro social fluminense do
meio do século no que se refere aos costumes matrimoniais, dado que cabe

à sociologia da literatura conferir; e o desmascaramento das ações reificadoras do


elo conjugal: atitude de denúncia que só uma visão dialética da cultura é

capaz de discernir enquanto sondagem da tensão moral que rege a narra­


tiva. No seu fazer-se, o romance não se sustentaria em pé se o "fato" da
transação se mantivesse imune ao julgamento que pesa o tempo todo so­
bre ele, e que o olhar desafiador de Aurélia encarna vigorosamente até
inspirar a conversão de Seixas: "As revoltas mais impetuosas de Aurélia
eram justamente contra a riqueza que lhe servia de trono" Em Alencar,
romântico até à medula, a honra da pessoa deve finalmente vencer o interesse, e só
o sacrifício sincero deste merece respeito e recompensa. Sabem os que
Machado de Assis, anti-romântico até à medula, não consolaria nem a si
nem a seus leitores com essa bela crença, mesmo porque a sua concep­
ção de "interesse" não só habitava como atravessava e transcendia a esfe­
ra datada do nosso utilitarismo patriarcal, burguês e fluminense. Pouco
se ganha, no caso, ao forçar a nota das continuidades de assunto rastreá-
veis de Alencar a Machado, quando o núcleo vivo da ficção se constrói pe-

29 O crítico voltou a tratar da relação entre estrutura social e composição narrativa no


prefácio a O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993.
la perspectiva e se realiza pela estilização, e em ambas é a diferença que
avulta, e não a semelhança.
A releitura de Senhora, exigindo que se atente para as instâncias di­
ferenciais de reflexo do quadro e reflexão sobre o quadro, de espelho e resistên­
cia, de matéria empírica e perspectiva organizadora, contribui para indu­
zir um modelo de historicidade complexa do texto ficcional; modelo
cultural que compreende a dialética de representação e consciência, de
mfmesis e dinâmica projetiva.

Anos depois, no antológico ensaio "Dialética da malandragem”30, o


intérprete amarra três princípios genéticos que, em proporções diferen­
tes, concorreram para estruturar a narrativa das Memórias de um sargento de
milícias. A rigor, nenhum deles daria conta, por si mesmo, da complexida­

de só aparentemente simples do romance.


O princípio do realismo tout court. Este significaria a fidelidade ca­
bal à matéria historicamente documentável; mas sabe-se, desde as ob­
servações de Mário de Andrade, que, apesar da forte presença de cor lo­
cal, a obra omite elementos fundamentais da vida brasileira "no tempo
do Rei” como, por exemplo, o escravo negro e, em geral, o vário espectro
das classes dominantes. Trata-se de uma representação bastante seletiva
que não deve ser tomada como alegoria do povo brasileiro. Mário de An­
drade fala em baixa burguesia-, Antonio Cândido identifica faixas da popula­
ção do Rio de Janeiro que se situariam entre a ordem social (policial, fo­
rense, eclesiástica, militar) e a desordem dos semi-desocupados, vagabundos,
"caboclos' ou "ciganos” A presença destes últimos segmentos já levou
mais de um crítico a propor para as Memórias a categoria discutível de "ro­
mance picaresco” De todo modo, a fonte documental, embora considerá­
vel, não seria aqui determinante.
Trata-se, diz Cândido sugestivamente, de uma "fábula realista” Na
evocação de um cotidiano verossímil o romancista teria introduzido a cu­
nha do imaginário folclórico não só brasileiro, mas universal, mediante o
uso de arquétipos arcaico-populares dentre os quais sobressai a figura do
trapaceiro sem maldade, o trickster, de que Pedro Malasarte seria uma va­
riante. Outros componentes arquetípicos estariam também presentes, e
uma análise estrutural das funções na linha de Propp poria em relevo os
actantes - o herói e seus coadjuvantes e os vários adversários que, con­
forme as situações vão e vêm, podem mudar-se em aliados. O desfecho
feliz, no qual à esperteza se junta boa dose de acaso, ajuda a consolidar a
hipótese de que acontece nas Memórias também uma história de aventu­
ras de um herói bem-fadado.

30 O ensaio, publicado inicialmente na Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. n°8, 1970,


integra o volum e O discurso e a cidade, op. cit.
Mas a aliança de crônica ao rés-do-chão e subtexto folclórico ain­
da não cobre o campo todo das hipóteses genéticas do ensaio. Restaria
descobrir o princípio unificador do romance, que é o ponto de vista do
seu orquestrador. Aqui Antonio Cândido diverge de Mário de Andrade. E s­
te sublinhou o viés depreciativo e sempre caricato do olhar de Manuel An­
tônio de Almeida, que veria nos seus figurantes uma fauna sem grandeza
movida por instintos e interesses rasteiros, e os teria tratado de modo
distanciado, no fundo impiedoso e manifestamente anti-romântico. A
apreciação de Antonio Cândido é não só mais matizada, é francamente
empática. Embora reconheça o caráter de "títere" e "fantoche" de Leonar­
do e, portanto, a falta de consistência psicológica e moral do protagonis­
ta, aliás extensiva a outros personagens, o intérprete entende esse vazio
de vida interior e de consciência à luz do triunfo da peripécia, que confir­
ma em cada lance o teor aventuroso ou aleatório do enredo. E o ganho
maior vai para o lado da perspectiva ideológica que, do começo ao fim
das Memórias, projetaria o quadro feliz de um "mundo sem culpa" alheio
ao etfios das classes dominantes e conatural à "amoralidade popular" ex­
pressão que, abstraída do contexto peculiar construído pelo romancista,
mereceria uma firme dialetização.31
Retomando o lado fecundo do método de Antonio Cândido: a iden­
tificação de um tríplice esquema genético na construção das Memórias (rea­
lismo representativo, fábula popular e projeção de um mundo sem culpa)
confirma a tendência do crítico para a análise das mediações, bem como
o seu cuidado, já manifesto na Formação, de evitar as reduções ou sobre
determinações quer sociológicas, quer psicológicas.

31 De passagem, uma dúvida menor: parece problem ático aproximar o etfios popular
leve, alegre e indulgente que enforma as Memórias de um sargento de milícias e o moralis-
mo ferino de Gregório de Matos, fidalgo cioso de seus status e contumaz discrimina-
dor de negros, mulatos, judeus, pais-de-santo, homossexuais e mulheres de vida aira-
da. Tampouco a am oralidade abertam ente transgressora do osw aldiano Serafim Ponte
Grande pode ser chamada de popular: o seu mundo é o da alta burguesia que viaja por
desfastio em cruzeiros de luxo. Em outras palavras: há malandragens e malandragens
e, neste caso, as disparidades de contexto, de olhar e de tom não aconselham o esta­
belecim ento de uma linhagem histórico-literária que representaria a com icidade po­
pular brasileira.
Quanto a uma possível afinidade entre M acunaíma e as Memórias, ressalvada a figura
do trickster, impõem-se diferenças visíveis a olho nu. Na rapsódia de Mário de Andrade
o vetor é a construção de uma alegoria m ultiétnica e "desgeograficada" do povo brasi­
leiro m ediante intenso apelo às mitologias indígenas e afro-brasileiras (em geral, pou­
co amenas...), tudo com binado com passagens de paródia e invenções léxicas. É fre­
qüente tam bém em M acunaíma o trato desabusado de situações eróticas forradas de
palavras de aberto significado sexual; o que, observou Cândido, está ausente da prosa
discreta de Manuel Antônio de Almeida aqui e lá apenas maliciosa, ludicamente m ali­
ciosa. M uitas e variadas vozes tem o povo, e muitas e variadas faces, e cada escritor
colhe seu bem onde o encontra.
Quando o conceito de historicidade da cultura se alarga e se apro­
funda, antigos mitos, símbolos e valores, bem como as fantasias do in­
consciente e os sonhos da utopia, entram no texto com o mesmo direito
que a mímesis das coisas rentes ao autor. E volta-se à intuição de Machado
de Assis: o indianismo não foi patrimônio exclusivo do Brasil romântico,
mas legado da cultura universal. Histórico é, ao contrário do que diz a con­
venção, o que ficou, não o que morreu. E enquanto a memória está viva, o
passado continua presente, e a consciência assume o estatuto de consciência histórica.
Em síntese: em Otto Maria Carpeaux e em Antonio Cândido toma
forma uma nova historiografia, para a qual a história das expressões sim­
bólicas se abre para dimensões existenciais e culturais múltiplas que não
as reduzem à condição de alegorias ideológicas.
É nessa perspectiva ampliada, respeitosa dos direitos da memória,
da imaginação e da reflexão crítica, que recebem nova luz as relações en­
tre literatura e sociedade, literatura e nação.

Alfredo Bosi é professor de Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo e au­

tor de Dialética da colonização [Cia. das Letras, 1992], O enigma do olhar [Ática, 1999],

entre outros.

Teresa n?1
1?sem. 2000
pp. 9 a 47