Você está na página 1de 12

Universidade de Brasília

ETAPA 1:
PRÉ-DIMENSIONAMENTO
DOS
ELEMENTOS ESTRUTURAIS

Cliente: Guilherme Melo

Responsáveis pelo Projeto:


- Danilo Reis de Souza (15/0008481)
- Rafael de Almeida Sobral (14/0030425)

Data: 28/03/2018
1. Lajes:
1.1. Lajes 201, 206, 301, 306, 401 e 406.

a) Altura útil da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):

Dados da laje:
lx: comprimento do menor vão;
lx ≔ 3.30 m ly ≔ 9.45 m n≔1 ly: comprimento do maior vão;
n: número de bordas engastadas;

c ≔ 25 mm De acordo com a Tabela 7.2 da NBR 6118:2014, foi considerado


um classe de agressividade ambiental II, de acordo com a
localização de Brasília.

ϕ ≔ 10 mm Para um pré-dimensionamento inicial, foi utilizado uma bitola de


10mm.

l1 ≔ lx l2 ≔ 0.7 ⋅ ly

l ≔ if ⎛⎝l1 < l2 , l1 , l2⎞⎠ = 3.3 m

l
dest ≔ (2.5 − 0.1 ⋅ n) ⋅ ―― = 7.92 cm dest -> altura útil da laje
100

b) Altura total da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):


ϕ
hest ≔ dest + ―+ c = 10.92 cm dest -> altura útil da laje
2 ϕ -> diâmetro das barras
c -> cobrimento nominal da armadura

- Limites mínimos de espessura de lajes de acordo com o Item 13.2.4.1 da NBR


6118:2014.

h1 ≔ 7 cm Para cobertura não em balanço;

h2 ≔ 8 cm Para lajes de piso não em balanço;

h ≔ if ⎛⎝hest > h1 , hest , h1⎞⎠ = 10.92 cm

Observação: Foi arrendodado o valor de h para o maior inteiro, no caso h=11cm.


1.2. Lajes 202, 205, 302, 305, 402 e 405.

a) Altura útil da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):

Dados da laje:
lx: comprimento do menor vão;
lx ≔ 3.55 m ly ≔ 9.45 m n≔2 ly: comprimento do maior vão;
n: número de bordas engastadas;

c ≔ 25 mm De acordo com a Tabela 7.2 da NBR 6118:2014, foi considerado


um classe de agressividade ambiental II, de acordo com a
localização de Brasília.

ϕ ≔ 10 mm Para um pré-dimensionamento inicial, foi utilizado uma bitola de


10mm.

l1 ≔ lx l2 ≔ 0.7 ⋅ ly

l ≔ if ⎛⎝l1 < l2 , l1 , l2⎞⎠ = 3.55 m

l
dest ≔ (2.5 − 0.1 ⋅ n) ⋅ ―― = 8.165 cm dest -> altura útil da laje
100

b) Altura total da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):


ϕ
hest ≔ dest + ―+ c = 11.165 cm dest -> altura útil da laje
2 ϕ -> diâmetro das barras
c -> cobrimento nominal da armadura

- Limites mínimos de espessura de lajes de acordo com o Item 13.2.4.1 da NBR


6118:2014.

h1 ≔ 7 cm Para cobertura não em balanço;

h2 ≔ 8 cm Para lajes de piso não em balanço;

h ≔ if ⎛⎝hest > h1 , hest , h1⎞⎠ = 11.165 cm

Observação: Foi arrendodado o valor de h para o maior inteiro, no caso h=11cm.


1.3. Lajes 203, 304 e 403.

a) Altura útil da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):

Dados da laje:
lx: comprimento do menor vão;
lx ≔ 4.2 m ly ≔ 6.05 m n≔2 ly: comprimento do maior vão;
n: número de bordas engastadas;

c ≔ 25 mm De acordo com a Tabela 7.2 da NBR 6118:2014, foi considerado


um classe de agressividade ambiental II, de acordo com a
localização de Brasília.

ϕ ≔ 10 mm Para um pré-dimensionamento inicial, foi utilizado uma bitola de


10mm.

l1 ≔ lx l2 ≔ 0.7 ⋅ ly

l ≔ if ⎛⎝l1 < l2 , l1 , l2⎞⎠ = 4.2 m

l
dest ≔ (2.5 − 0.1 ⋅ n) ⋅ ―― = 9.66 cm dest -> altura útil da laje
100

b) Altura total da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):


ϕ
hest ≔ dest + ―+ c = 12.66 cm dest -> altura útil da laje
2 ϕ -> diâmetro das barras
c -> cobrimento nominal da armadura

- Limites mínimos de espessura de lajes de acordo com o Item 13.2.4.1 da NBR


6118:2014.

h1 ≔ 7 cm Para cobertura não em balanço;

h2 ≔ 8 cm Para lajes de piso não em balanço;

h ≔ if ⎛⎝hest > h1 , hest , h1⎞⎠ = 12.66 cm

Observação: adotou-se h=11cm, para se igualar a altura de laje ao longo do pavimento.


1.4. Lajes 204, 305 e 404.

a) Altura útil da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):

Dados da laje:
lx: comprimento do menor vão;
lx ≔ 1.5 m ly ≔ 1.9 m n≔2 ly: comprimento do maior vão;
n: número de bordas engastadas;

c ≔ 25 mm De acordo com a Tabela 7.2 da NBR 6118:2014, foi considerado


um classe de agressividade ambiental II, de acordo com a
localização de Brasília.

ϕ ≔ 10 mm Para um pré-dimensionamento inicial, foi utilizado uma bitola de


10mm.

l1 ≔ lx l2 ≔ 0.7 ⋅ ly

l ≔ if ⎛⎝l1 < l2 , l1 , l2⎞⎠ = 1.33 m

l
dest ≔ (2.5 − 0.1 ⋅ n) ⋅ ―― = 3.059 cm dest -> altura útil da laje
100

b) Altura total da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):


ϕ
hest ≔ dest + ―+ c = 6.059 cm dest -> altura útil da laje
2 ϕ -> diâmetro das barras
c -> cobrimento nominal da armadura

- Limites mínimos de espessura de lajes de acordo com o Item 13.2.4.1 da NBR


6118:2014.

h1 ≔ 7 cm Para cobertura não em balanço;

h2 ≔ 8 cm Para lajes de piso não em balanço;

h ≔ if ⎛⎝hest > h1 , hest , h1⎞⎠ = 7 cm

Observação: adotou-se h=11cm, para se igualar a altura de laje ao longo do pavimento.


1.5. Lajes 501 e 601.

a) Altura útil da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):

Dados da laje:
lx: comprimento do menor vão;
lx ≔ 2.3 m ly ≔ 9.45 m n≔0 ly: comprimento do maior vão;
n: número de bordas engastadas;

c ≔ 25 mm De acordo com a Tabela 7.2 da NBR 6118:2014, foi considerado


um classe de agressividade ambiental II, de acordo com a
localização de Brasília.

ϕ ≔ 10 mm Para um pré-dimensionamento inicial, foi utilizado uma bitola de


10mm.

l1 ≔ lx l2 ≔ 0.7 ⋅ ly

l ≔ if ⎛⎝l1 < l2 , l1 , l2⎞⎠ = 2.3 m

l
dest ≔ (2.5 − 0.1 ⋅ n) ⋅ ―― = 5.75 cm dest -> altura útil da laje
100

b) Altura total da laje (para lajes com bordas apoiadas ou engastadas):


ϕ
hest ≔ dest + ―+ c = 8.75 cm dest -> altura útil da laje
2 ϕ -> diâmetro das barras
c -> cobrimento nominal da armadura

- Limites mínimos de espessura de lajes de acordo com o Item 13.2.4.1 da NBR


6118:2014.

h1 ≔ 7 cm Para cobertura não em balanço;

h2 ≔ 8 cm Para lajes de piso não em balanço;

h ≔ if ⎛⎝hest > h1 , hest , h1⎞⎠ = 8.75 cm

Observação: Para a Laje L501 foi utilizado uma altura de 12cm, já que o método de pré-
dimensionamento acima não leva em consideração as sobrecargas decorrentes do uso de
lajes, como essa laje está no fundo do reservatório deve-se aumentar sua espessura.

Observação: Para a Laje L502 foi utilizado uma altura de 8cm já que ela não apresenta
sobrecarga por ser a tampa do reservatório.
Observação: Para a Laje L502 foi utilizado uma altura de 8cm já que ela não apresenta
sobrecarga por ser a tampa do reservatório.

1.6. Lajes 303.

A laje 303 é uma marquise, ou seja, engastada em um bordo e livre nos outros 3. Não
foram encontrados métodos de dimensionamento que pudessem ser usados para
marquises, portanto, adotou-se a altura igual a das outras lajes do pavimento, h = 11cm.
2. Vigas:
2.1. Vigas V301, V302, V306, V307, V401, V402, V406 e V407.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 5.30 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 44.167 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.

2.2. Vigas V303 e V403.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 5.31 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 44.25 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.

2.3. Vigas V305 e V405.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 5.55 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 46.25 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.

2.4. Vigas V308, V312, V408 e V412.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 3.55 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 29.583 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.


2.5. Vigas V308, V312, V408 e V412.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 3.55 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 29.583 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.

2.6. Vigas V309, V311, V409 e V411.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 1.90 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 15.833 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento das vigas.

2.7. Viga V310.

a) Altura da viga:

Dados da viga: l0 ≔ 2.3 m


l0
Tramos internos: hest ≔ ― = 19.167 cm
12

Observação: Foi utilizado um valor de h=40cm, para o pré-dimensionamento da viga.


3. Pilares

Será utilizado o processo das áreas de influência, no qual se divide a área total do
pavimento em áreas de influência, relativas a cada pilar, e a partir daí, estimar a carga
em que eles irão absorver.
A área de influência de cada pilar pode ser obtida dividindo-se as distâncias entre
seus eixo em intervalos que variam entre 0,45l e 0,55l, dependedo da posição do pilar
na estrutura, conforme o seguinte critério ( ver Figura 1)

Figura 1: Áreas de influência dos pilares (Pinheiro, 2007).

- 0,45l: pilar de extremidade e de canto, na direção da sua menor dimensão;


- 0,55l: complementos dos vãos do caso anterior;
- 0,50l: pilar de extremidade e de canto, na direção da sua maior dimensão;

No caso de edifícios com balanço, considera-se a área do balanço acrescida


das respectivas áreas das lajes adjacentes, tomando-se, na direção do balanço,
largura igual a 0,50l, sendo l o vão adjacente ao balanço.

Após avaliar a força nos pilares pelo processo das áreas de influência, é
determinado o coeficiente de majoração da força normal (α) que leva em conta
as excentricidades da carga, sendo considerados os valores:

- α = 1,3 → pilares internos ou de extremidade, na direção da maior


dimensão;
- α = 1,5 → pilares de extremidade, na direção da menor dimensão;
- α = 1,8 → pilares de canto.

A expressão utilizada para calcular a área de concreto do pilar foi a


seguinte:

Dados: fck ≔ 30
30 ⋅ α ⋅ A ⋅ (n + 0.7)
Onde: Ac ≔ ―――――――
fck + 0.01 ⋅ ⎛⎝69.2 − fck⎞⎠

Ac = b x h -> área da seção de concreto (cm²);


A -> área de influência do pilar (m²);
n -> número de pavimentos-tipo;
fck -> resistência característica do concreto (kN/cm²).

Observação: adotou-se para todos os pilares(P1 ao P9 e P15 ao P19) dimensão de pré-


dimensionamento de 30x14 e para os pilares paredes(P10, P11, P12 e P13) não foi feito
pré-dimensionamento, contudo, foi adotado dimensões de 200x14.
4. Referências Bibliográficas
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de Estruturas
de Concreto - Procedimento. 3 ed. Rio de Janeiro: Abnt, 2014. 238 p.

PINHEIRO, Libânio Miranda. Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios. São


Carlos: Departamento de Engenharia de Estruturas, 2007. 380 p.

PTC MathCad, versão 3.0.

Você também pode gostar