Você está na página 1de 2

DELVAL, Juan. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das crianças.

Porto Alegre: ARTMED, 2002.

3. O método clínico de Piaget

p. 53

[síntese: o método clínico, concebido por Piaget por meio de uma série de ajustes e no
desenvolvimento de um método que fosse pertinente ao desenvolvimento de seus projetos,
envolve a premissa do envolvimento e intervenção constante do pesquisador em resposta às
ações dos sujeitos em pesquisa. Assim, pretende trazer à tona os processos/caminhos que
percorre o pensamento dos sujeitos, que não lhes são conscientes, por meio de hipóteses
criadas acerca das motivações do comportamento dos sujeitos investigados.]

p. 54

- Piaget interessou-se, por meio de seus estudos filosóficos, pelo problema do “conhecimento”
(gênese, desenvolvimento ou progressão da inteligência/do pensamento científico) em crianças.

- antecedentes do método clínico – + p. 55: Piaget e os testes de inteligência de ampla utilização:


se interessa pelas dificuldades e erros dos sujeitos, que apareciam de forma sistemática. Método
de conversas abertas com as crianças, para procurar compreender o seu curso de pensamento
– como as próprias crianças justificavam seus percursos, o início do método clínico.

p. 55

- as etapas do método clínico

- os primeiros esboços, p. 56 – observação, conversas abertas

- a constituição do método, p. 57 – método verbal, conteúdos do pensamento

- o método não-verbal, p. 58-59 – antes do aparecimento da linguagem na criança, o


que demandou o deslocamento do papel da linguagem, nascimento de filhos.

- manipulação e formalização, p. 62 – tarefas, objetos, explicação-ação

- desenvolvimentos posteriores, p. 66

p. 67-70, quadro 3.6 (p. 70)

- as características do método clínico:

- o método clínico pretende tornar evidente o que há de não-evidente no que as crianças


fazem, pensam, percebem, sentem

- o âmago do método está na relação de interação entre o pesquisador e o sujeito

- 3 “tipos” de técnica, de acordo com o objetivo da investigação: conversa livre,


entrevista sistemática e com intervenção constante, uso de objetos/materiais

- a intenção do experimentador é reconstruir o modelo mental do sujeito

p. 70-73

- pressupostos
- “A utilização do método clínico baseia-se no pressuposto de que os sujeitos têm uma
estrutura de pensamento coerente, constroem representações da realidade à sua volta e
revelam isso ao longo da entrevista ou de suas ações.”. (p. 70).

- Piaget concebe a criança como sujeito epistêmico, ou seja, que produz conhecimento.

- “No caso do método clínico na psicologia normal, o importante é tentar achar os


caminhos pelos quais o sujeito chega às suas explicações. Um pressuposto dessa posição é que
o sujeito tem uma estrutura mental coerente, que o leva a dar um determinado tipo de
respostas. Talvez seu pensamento não seja totalmente coerente (como tampouco é o dos
adultos), mas pelo menos está sempre buscando essa coerência quando consegue perceber as
contradições, o que bem sempre ocorre nesse momento e às vezes leva anos para acontecer.”.
(p. 71).

- o mundo mental da criança é diferente do adulto, ou seja, o psicólogo precisa “lançar


luz sobre essas formas de pensamento características do sujeito que não são explícitas, mas que
dirigem toda a sua ação e se manifestam sempre que ele precisa resolver um problema.” (p. 71).

- o pesquisador precisa “entrar” no mundo mental do sujeito (e deslocar-se do seu) para


compreender quais são os sentidos dos “termos” dentro da estrutura mental do sujeito.

- método clínico pode ser sistema de diagnóstico ou método de pesquisa.