Você está na página 1de 9

CLARETIANO – CENTRO UNIVERSITÁRIO

ALUNO: MARIA DO DYSTERRO DE ALMEIDA LEITE


LIMA– RA: 8041469

CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

ATIVIDADE DE PORTFÓLIO

DISCIPLINA: Fundamentos e Métodos do Ensino de Artes e Educação


Física.

Professor / Tutor a Distância: Gustavo Braga de Oliveira

CAMPINA GRANDE-PB
2017
Sumário
DISCIPLINA: Fundamentos e Métodos do Ensino de Artes e Educação Física. ............................. 1
1.INTRODUÇÃO ............................................................................................................................. 3
2.JUSTIFICATIVA ............................................................................................................................ 4
3.OBJETIVOS .................................................................................................................................. 4
4 METODOLOGIA........................................................................................................................... 4
5. CONCLUSÃO .............................................................................................................................. 7
6. BIBLIOGRAFIA ............................................................................................................................ 8
1.INTRODUÇÃO
O nome conteúdo continua sendo utilizado para definir o que se deve estudar em
relação aos conhecimentos das matérias escolares em todos os níveis da educação. E
com relação à Educação Física escolar o objetivo dessa disciplina é que os alunos
tenham o entendimento de que a mesma não se resume a realização das práticas
esportivas, e sim a sua complementação com as informações sobre tais procedimentos,
alinhado ao bom relacionamento com os demais colegas diante das atividades
propostas.

Neste sentido, os professores sempre dão ênfase no conteúdo de ordem


procedimental, devido já se tornar uma tendência da disciplina, que é de ter a prática,
como por exemplo: na ginástica e nas lutas e também nos esportes, onde os
participantes utilizam mais o corpo.
Para DARIDO ( 2001) assim, dentro de uma perspectiva de Educação e também
de Educação Física seria fundamental considerar os procedimentos, fatos, conceitos, as
atitudes e os valores como conteúdos, todos no mesmo nível de importância.

Os conteúdos são os meios pelos quais o aluno deve analisar e abordar a


realidade de forma que, com isso, possa ser construída uma rede de
significados em torno do que se aprende na escola e do que se vive. Desse
modo, junto com considerações importantes como a relevância social do
conteúdo é apontada a preocupação em se trabalhar com os conteúdos
escolares nas três dimensões: atitudinal, conceitual e procedimental (BRASIL,
1998).

É importante frisar que por ser a educação física uma modalidade que deva
possuir movimentos corporais isso não significa que seja necessária a utilização de
apenas esse tipo de tática nas aulas, passando a se tornar mais um hábito.
Já em relação as brincadeiras e jogos recreativos, os docentes devem verificar a
cooperação nas atividades propostas, principalmente a relação de integração entre o
grupo, perceber as capacidades de atenção tida pelos alunos e reconhecer as suas
diferentes habilidades.
O que caracteriza as atividades propostas como brincadeiras é justamente a
configuração do processo de construção do espaço e a vivência da brincadeira tornando
pontos que são atrativos e interessantes em si mesmos para as crianças, enquanto que
outros fatores como por exemplo: a origem de uma brincadeira passe despercebido pelo
interesse delas.

2.JUSTIFICATIVA
Com isso, a aplicação da brincadeira mia gato se justifica a partir do interesse de
resgate da cultura lúdica tradicional com as dimensões conceitual, procedimental e
atitudinal, para os estudantes de educação física. Além da importância da brincadeira
como forma de promoção do ensino e da aprendizagem e no desenvolvimento do
interesse em trabalhar em equipe e ainda como possibilidade a ideia de diversificação.

3.OBJETIVOS
A pesquisa terá como objetivo geral proporcionar nas crianças a capacidade de
reconhecer a possibilidade de variações e adaptações nas regras originais da brincadeira
o gato mia. E os objetivos específicos são: Vivenciar os outros sentidos como: tato,
audição e o olfato; reconhecer a existência de regras; desenvolver a capacidade de
brincar em grupo; proporcionar a inclusão social.

4 METODOLOGIA
1.CONCEITUAL: QUAL A SUA ORIGEM? COMO PODEMOS MODIFICÁ -LO?

NOME DA BRINCADEIRA: O GATO MIA.

DESCRIÇÃO: A brincadeira funciona da seguinte forma: os alunos sentados nos seus


respectivos lugares e uma pessoa deve ficar de olhos vendados e procurar os outros
participantes. Os demais participantes cantam a música:

- SENHOR CAPITÃO

PRESTE BEM ATENÇÃO!


NÃO VÁ SE ENGANAR

QUANDO O GATO MIAR!

- MIA GATO!

- MIAU...

Quando a criança que está vendada encostar em alguém, deve falar: "Mia, gato".
Quem foi apanhado deve "miar" para a pessoa tentar adivinhar quem é. Se o gato acertar
quem é a pessoa, o participante encontrado deverá ocupar seu lugar na próxima rodada,
se ele errar deverá ser o gato novamente.

NÚMERO DE PARTICIPANTES: Formação de grupos de até 5 crianças.

LOCAL: pátio ou piso

FAIXA ETÁRIA: acima de 3 anos.

MATERIAL: 1 VENDA ( gato ), Acompanha folheto com "COMO BRINCAR".

TEMPO ESTIMADO: Três aulas de 40 minutos, subdivididos em 10 minutos para a


roda de conversa inicial, 25 minutos para a vivência do jogo e 5 minutos finais para a
roda de conversa.

Para MADI, a ideia da brincadeira do gato mia surgiu exatamente de vários


motivos que realmente fazem os felinos miarem, por serem pegos de supetão, agarrados,
surpreendidos, assustados ou até mesmo quando estão passando por situações de
estresse.

Dessa forma, a brincadeira o gato mia por permitir que a criança interaja com o
ambiente e seu grupo utilizando outros sentidos, sendo privada da visão e levando em
consideração o ambiente e a faixa etária que será trabalhada, pode-se realizar
adaptações à brincadeira, como por exemplo, a troca do reconhecimento da audição
pelos outros sentidos como: o tato e o nariz.

2.Procedimental: praticar o jogo original. Experimentar as propostas de alterações que


forem surgindo.
Em todas as aulas, no início da atividade terá uma explicação das regras e da
distribuição dos grupos de crianças pelo espaço físico, mostrando o posicionamento de
cada um e os limites a serem utilizados durante a brincadeira. Esse desenho deve ser um
diagrama simples, com as referências do espaço e a representação da posição e do
espaço que cada grupo de crianças vai utilizar durante a atividade.

São 30 crianças então serão formados grupos de 5 participantes em cada equipe


com 6 pessoas cada, e uma criança sendo escolhida para adivinhar todos os participantes
estão sentados em círculos com as pernas em forma de borboletas e então iremos iniciar
a brincadeira escolhendo em cada equipe uma criança para ficar de olhos vendados, para
procurar os outros participantes. Quando encostar em alguém, deve falar: "Mia, gato".
Quem foi apanhado deve "miar" para a pessoa tentar adivinhar quem é. Se o gato acertar
quem é a pessoa, o participante encontrado deverá ocupar seu lugar na próxima rodada,
se ele errar deverá ser o gato novamente.

Alterações da brincadeira Mia Gato:

a) Alteração: Todas integrantes de cada equipe estão nas suas posições, e a criança
escolhida para ser vendada será o gato e usará o toque das mãos para tentar acertar, se o
gato acertar quem é a pessoa, o participante encontrado deverá ocupar seu lugar na
próxima rodada, se ele errar, ele voltará a ser gato.
b) Alteração: Passaremos a usar o nariz, uma outra criança será escolhida para ser o gato
e vai agora usar o nariz, cheirando cada participante para tentar adivinhar de olhos
vendados. Se o gato acertar quem é a pessoa, o participante encontrado deverá ocupar
seu lugar na próxima rodada, se ele errar, ele voltará a ser gato.

c)Alteração: Organização de uma roda de conversa no final, para avaliar junto com as
crianças os avanços conquistados e as dificuldades enfrentadas durante a vivência da
brincadeira o gato mia.

Na prática, podemos perceber as capacidades de atenção, coordenação e


coletividade tida pelos alunos, assim como a capacidade de cooperação nas atividades
propostas, tendo integração entre o grupo e o reconhecimento das diferentes
habilidades. Enfim, novas regras podem ser acrescentadas ou modificadas segundo as
necessidades do grupo e a criatividade do professor.
3.Atitudinal: há colaboração durante o jogo amarelinha? De qual tipo? Podemos jogar
com outras pessoas? Como ajudar para que o jogo se realize? E, se houver alguma
criança com deficiência visual, como incluí-la? (COLPAS; RANGEL, 2014, p.105).
Durante o jogo amarelinha ocorre a colaboração, por que a criança aprende a
brincar em equipe sendo fundamental no sentido de desenvolver uma série de valores
como a generosidade e a tolerância. Além disso, é um tipo de brincadeira em que se
pode brincar com outras crianças incentivando a capacidade de compartilhar e
desenvolver também a sua sociabilidade.
Podemos ajudar na realização do jogo ensinando as crianças os aspectos claros:
como a necessidade de compartilhar a generosidade e a comunicação e também o valor
da amizade. Por que brincando em equipe se aprende muito mais do que brincando
sozinhos.
E se houver alguma criança com deficiência visual o modo de como incluí-la na
brincadeira amarelinha será indicando a criança que siga em direção ao som de
brinquedos ou da voz de alguém. É interessante ter brinquedos que emitam sons, como
chocalhos, bolas e pelúcias com guizos. Onde cada casinha desenhada no chão será feita
por fitas que destaque quando a criança colocar a mão saberá onde está pisando. E
quando pisar em cada casinha imitará um som feita pela pessoa ou pelo um brinquedo
ou guizos onde ela saberá em qual casinha está no momento.

5. CONCLUSÃO
Portanto, o papel da educação física ultrapassa o de apenas fazer exercícios
físicos, cabendo ao educador relacionar a dimensão procedimental (praticas corporais)
com a dimensão conceitual (conceitos e princípios) assim como, a dimensão atitudinal
(sentimentos, atitudes e interesses), de modo que proporcione o entendimento e uma
boa socialização nos discentes.

Na prática concreta das aulas, significa dizer que o currículo do aluno deve obter
as dimensões conceituais e atitudinal nos conteúdos, mas sabemos que se torna um
desafio para os gestores e docentes, por que ainda existe uma certa dificuldade, e em
alguns casos, e isso deve-se também ao fato de que os alunos ainda acharem que a
educação física se resume a fazer os exercícios e não terem o interesse de conhecer os
conceitos princípios e atitudes das práticas esportivas. Os conteúdos que os alunos
devem adquirir na educação física devem constar o respeito as diferenças, a tolerância, a
solidariedade e os valores étnicos, a fim de se tornarem preparados e aptos para
enfrentarem as exigências da vida.

6. BIBLIOGRAFIA
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais.
Educação Física, 3º e 4ociclos, v.7, Brasília: MEC, 1998.

DARIDO, S.C. Os conteúdos da Educação Física escolar: influências, tendências


dificuldades e possibilidades. Perspectivas da Educação Física escolar. UFF, v.2, n.1, p.
5-25, 2001.

MADI.R. art: Gato mia – Uma brincadeira que tem explicação! 2015) ( Cachorrogato-
Tudo sobre Cachorro e Gatos. CachorroGato @ http://www.cachorrogato.com.br/gato/mia/
Disponível em:< http://www.cachorrogato.com.br/gato/mia/> Acesso em: 29. Març.
2018.

Você também pode gostar