Você está na página 1de 7

I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves


24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

SISTEMA DE AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

D. E. S. Ferreira1, J. E. S. Santos2

RESUMO: Com evolução tecnológica e a popularização de sistemas microprocessados torna-


se atrativo o uso de tecnologias relacionadas ao controle automático de processos na
automação residencial, objetivando um maior conforto e segurança bem como aumentando a
comunicação e personalização de ambientes. Para atingir estes propósitos utilizou-se de um
sistema de controle e supervisão a fim de monitorar sistemas de alarmes, iluminação,
climatização de ambientes e também proporcionar o uso eficiente da energia. Este projeto tem
por objetivo investigar estas tecnologias, bem como produzir material didático relativo às
mesmas, através da sua aplicação em uma maquete de unidade residencial onde foram
simuladas as condições de utilização de uma casa real, em escala reduzida. A maquete em
funcionamento pode ser empregada no auxílio aos alunos de educação básica no
entendimento das tecnologias relacionadas à automação residencial e a eficiência energética.

PALAVRAS-CHAVE: automação residencial, controle, supervisão.

INTRODUÇÃO

A crescente possibilidade de interação entre os mais variados tipos de equipamentos


eletrônicos tornou-se um atrativo quando o assunto é automação residencial. A forma como
uma determinada informação pode ser acessada é cada vez mais ampla, possibilitando ao
usuário o uso de inúmeros dispositivos. Partindo disso, o conceito de uma casa onde todos os
diversos equipamentos interajam entre si, de modo a facilitar a vida do usuário, já é uma
realidade. Uma tarefa simples como fazer uma lista de compras para o supermercado pode se
tornar automática quando houver, por exemplo, a falta de qualquer item na dispensa. Sistemas

1 Estudante, Curso Técnico em Automação Industrial, Bolsista de Iniciação Científica e/ou Tecnológica no
Ensino Técnico IFRS – Campus Rio Grande. Alfredo Huch, 475, CEP 96201-460. E-mail:
davisferreira@hotmail.com

2 Eng. Mecânico, Prof. Doutor, IFRS – Campus Rio Grande. Alfredo Huch, 475, CEP 96201-460. E-mail:
jose.eli@riogrande.ifrs.edu.br
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

onde o controle da iluminação é feito através de persianas e luzes automatizadas, mantendo


sempre o nível de iluminação pré-estabelecido (SOUZA e CLARO, 2006). Há também a
possibilidade de controle e supervisão de sistemas de alarmes contra invasão, fumaça, e gás.
Além da facilidade e comodidade que a automação proporciona, existem também esses
benefícios citados ligados à eficiência energética e à segurança (NUNES, 2004).
Atualmente mais de um milhão de moradias no Brasil possuem potencial para
automação, representando mais de 3% das residências do país (FREITAS, 2011) o que torna
necessário um incremento de pesquisas aplicadas nesta área visando o desenvolvimento de
tecnologia nacional.
Considerando as possibilidades de pesquisa e no desenvolvimento de novas tecnologias
que o tema automação residencial possibilita, este trabalho tem por objetivo o estudo,
implementação e proposição de estratégias de supervisão e controle automático aplicados à
automação residencial (SILVA et al, 2008). Através do uso de um modelo de uma unidade
residencial em escala reduzida é possível testar e apresentar os diversos conceitos técnicos
aqui propostos (BEGA, 2006; SANTOS e COELHO, 1998; SOUZA et al, 2006). Para
garantir esses objetivos, além da realização de estudos comparativos entre as diversas técnicas
de supervisão e controle estão previstos também:
 A implementação prática das estratégias de supervisão e controle em estudo
possibilitando a validação dos resultados obtidos em ambiente de simulação avaliando
seu desempenho na presença de dificuldades encontradas na prática;
 Difusão de conceitos associados à eficiência energética;
 Difusão do conceito de “casa inteligente” com as respectivas funções associadas;
 A proposição de modificações e/ou novas estratégias de supervisão e controle visando
superar as dificuldades observadas;
 Desenvolvimento de técnicas de comunicação permitindo a supervisão e controle via
WEB e/ou dispositivos móveis;
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

Apresentam-se, ainda, como objetivos secundários:


 Estudo de viabilidade de aplicação de controladores programáveis na automação
residencial;
 Desenvolvimento de aplicações baseadas em microcontroladores visando à realização
das funções de controle automático residencial;

MATERIAL E MÉTODOS

A estrutura utilizada como base para o projeto é constituída de um modelo em escala


reduzida de uma residência (Fig. 1), que integra dois quartos, sala, cozinha banheiro e
lavanderia. Nos cômodos da maquete, os diversos equipamentos têm o seu funcionamento
simulado através do acendimento de LEDs (Light Emissor Diode). Essa simulação pode ser
feita tanto de forma manual, através de interruptores na frente da maquete, como através do
software de controle supervisório.
O sistema que controla o acionamento dos equipamentos nos cômodos é feito através de
um CLP (controlador lógico programável), que ao receber um comando em uma de suas
entradas ativa a saída correspondente, previamente definida via programação.
Além da simulação do acionamento através dos LEDs indicadores, há um circuito
responsável pela simulação da potência demandada por cada equipamento, indicando ao
usuário via supervisório o consumo de energia em tempo real.
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

Figura 1. Representação do modelo em escala reduzida

Existem dois programas utilizados até o momento no desenvolvimento do projeto e que


possuem uma importância fundamental para a aplicação. São eles:
 O software Mastertool responsável pela programação do CLP através da linguagem
Ladder (Fig. 2), tornando o CLP capaz de funcionar, independente de comunicação com
o sistema supervisório.
 O software Elipse SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition). Através desse
programa foi possível a montagem de um sistema supervisório que possibilita a
comunicação e o monitoramento em tempo real do status de cada equipamento
comandado pelo CLP.
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

Figura 2. Programa em linguagem Ladder

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Até o momento, o desenvolvimento do projeto encontra-se de acordo com o cronograma


proposto, onde toda a estrutura da unidade residencial esta concluída (Fig. 3) e em fase de
testes.
Para fins de demonstração em mostras e feiras cientificas e tecnológicas uma versão
ainda inacabada do sistema de controle e supervisão foi criada, sendo futuramente atualizada
para uma versão final.
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

Figura 3. Modelo residencial pronto em exposição

CONCLUSÕES

Baseando-se nos objetivos iniciais do projeto, e levando-se em conta tudo o que foi
produzido e apresentado até o momento, o resultado esta de acordo e condizente com o que
foi inicialmente proposto.
Objetivos como os da viabilidade do uso de CLPs para o controle de uma unidade
residencial, e a simulação do efeito que os equipamentos eletroeletrônicos têm sobre o
consumo de energia de uma residência, são bons exemplos de objetivos que foram
alcançados.
Mas ainda existem alguns objetivos a serem cumpridos. Alguns destes novos objetivos
estão diretamente ligados aos objetivos já cumpridos, sendo vistos apenas como um acréscimo
ao que já está feito. Mas alguns como, o desenvolvimento de hardware e software específicos
para a comunicação via WEB e dispositivos móveis, ainda serão um novo desafio para a
conclusão do projeto.
I SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves
24 de novembro de 2011 – Bento Gonçalves/RS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BEGA, E. A. “Instrumentação Industrial”, 5ª Edição, Ed. Interciência, São Paulo, 2006.

COELHO, A. A. R., ALMEIDA, O. M., SANTOS, J. E. S. e SUMAR, R. R. ”Da Teoria à


Prática: Projeto Motor Taco-Gerador”, XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia,
2001, Porto Alegre – RS.

FREITAS, L. “Automatizar para Economizar.” Revista Lumière. Edição 147, agosto de 2010,
p. 36-42.

FREITAS, L. “O Futuro está na Automação.” Revista Lumière. Edição 157, junho de 2011, p.
42-47.

NATALE, F. “Automação Industrial”, Ed. Érica, São Paulo, 2000. NUNES R. Modelo de
Especificação e Programação de um Sistema Domótico. Conferência Ibero-Americana WWW
/ Internet, Madrid-Espanha, p. 377-384, Out 2004.

SANTOS, J. E. S. e COELHO, A. A. R. “Avaliação de estratégias de controle preditivo


adaptativo em um processo prático”, XII Congresso Brasileiro de Automática, vol. 2, p. 561-
566, Uberlândia - MG, 1998.

SILVA, P. E. R., SANTOS, J. E. S., MARTINELLI, N. R. B. S. “Sistemas de Controle


Supervisório na Automação Residencial”, II Jornada da Produção Científica da Educação
Profissional e Tecnológica da Região Sul, Pelotas-RS, 2008.

SOUZA, M. B.; PEREIRA, F. O. R. e CLARO, A. “Comparação entre os sistemas


automáticos de controle em resposta a luz natural em ambientes com iluminação através de
janelas em paredes adjacentes”, XI ENTAC, Florianópolis – SC, 2006.