Você está na página 1de 29

Perfil dos Incêndios Florestais

Acompanhados pelo Ibama

2009
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva

Ministra do Meio Ambiente


Izabella Teixeira

Presidente do Ibama
Abelardo Bayma

Diretor de Proteção Ambiental do Ibama


Luciano de Meneses Evaristo

Chefe do Prevfogo
Elmo Monteiro da Silva Junior

Chefe Substituto do Prevfogo


José Lázaro de Araújo Filho
Ministério do Meio Ambiente – MMA
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais – Prevfogo

Perfil dos Incêndios Florestais


Acompanhados pelo Ibama
2009

BRASÍLIA, DF
2010
Ibama/Prevfogo

Núcleo de Pesquisa e Monitoramento – NPM


Núcleo de Prevenção e Combate – NPC

Equipe Técnica

Alexandre Santos Avelino – Biólogo M.Sc. Ecologia – Analista Ambiental


Ana Maria Canut Cunha – Eng. Agrônoma Esp. Geoprocessamento – Analista Ambiental
Carlos Eduardo Santiago Bedê – Comunicador Social M.Sc. Engenharia Civil – Analista Ambiental
Erika Regina Prado do Nascimento – Eng. Florestal M.Sc. Geoprocessamento e Análise Ambiental – Analista
Ambiental – Coordenadora NPM
Fábio Sigaud Furquim – Eng. Agrônomo Esp. Avaliação de Impacto Ambiental – Técnico de Nível
Superior III
José Carlos Mendes de Moraes – Gestor Ambiental – Coordenador NPC
Leonam Xavier Gomes – Geógrafo – Analista Ambiental
Vivyanne Graça de Melo – Eng. Florestal M.Sc. Engenharia Florestal – Analista Ambiental

Estagiários

Anaís Pinheiro Machado


Rafaela de Castro Fraga
João Henrique M. Coelho
Pedro Americano do Brasil

Organizadora

Vivyanne Graça de Melo


Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Apresentação

Os incêndios florestais que ocorrem todos dios florestais e viabilizam o estabelecimento de


os anos em nosso País são responsáveis por inúme- estratégias de prevenção e combate a esses fenô-
ros danos ao meio ambiente e à sociedade. Esses menos. Aliados a essas informações, dados sobre
eventos resultam em perdas ambientais, econômicas o clima permitem refinar os resultados e conduzir,
e até em vidas humanas, e contribuem por meio da de forma mais acertada, futuras tomadas de deci-
emissão de gases para a formação do efeito estufa. sões. Dessa forma, com base em dados de clima
Nesse sentido, desde o ano de 1989, o e, principalmente, naqueles obtidos durante as ati-
Ibama conta em sua estrutura com o Prevfogo, cuja vidades das brigadas, foi possível avaliar a ocor-
finalidade é ordenar, monitorar, prevenir e comba- rência de focos de calor e de incêndios florestais
ter incêndios florestais, cabendo-lhe, ainda, desen- em 2009 e produzir o relatório sobre o perfil dos
volver e difundir técnicas de manejo controlado do incêndios florestais acompanhados pelo Ibama.
fogo e de educação ambiental. Das suas ativida- Este documento traz uma compilação
des, a formação e o acompanhamento de brigadas e uma análise a respeito do perfil dos incêndios
de prevenção e combate aos incêndios florestais acompanhados pelo Prevfogo em 2009. Igual-
permitem atuar na redução ou na proporção do mente, fornece uma visão da nova atuação do
número de incêndios, bem como possibilitar o re- Ibama na prevenção e no combate aos incêndios
gistro das ocorrências atendidas pelo Prevfogo. florestais, com enfoque nos municípios críticos
O registro e a análise dessas ocorrências atendidos pelo Programa Brigadas do Prevfogo.
subsidiam a compreensão dos padrões dos incên-
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Sumário

Introdução 10

O Prevfogo 10

Material e métodos 12

Resultados e discussão 15

Análise dos registros de ocorrência de incêndio      15


Análise da distribuição mensal de ROIs     18
Análise da área atingida pelos incêndios      20
Outras características dos incêndios      21
Unidades de conservação     25
    
Considerações Finais 27

Referências bibliográficas 28

6
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Lista de Figuras

Figura 1. Localização das brigadas de prevenção e de combate


aos incêndios florestais em 2009.     13

Figura 2. Página inicial do Sisfogo.


Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/sisfogo/.      14

Figura 3. Imagem que ilustra o módulo de ROI do Sisfogo.      14


Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/sisfogo/.   

Figura 4. Número de registros, por mês, em 2009.     15

Figura 5. Número de registros, por estado, em 2009.     17

Figura 6. Número de focos de calor nos estados, com brigadas,


registrado em 2009 pelo satélite NOAA-15 noite.
Fonte: http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas/.     17

Figura 7. Evolução da taxa do desmatamento de 1988 a 2009


na Amazônia Legal.
Fonte: Inpe, 2010, em http://www.inpe.br/noticias/arquivos/ 18
imagens/desmatamento prodes2_maior.jpg.   

7
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 8. Distribuição mensal das ocorrências de incêndio


florestal. Os estados em amarelo foram os que
registraram ocorrências de incêndio no Sisfogo,
comos respectivos gráficos de distribuição mensal,
em 2009.     19

Figura 9. Total de área, em hectares, queimada nos estados


que constam no banco de dados de ROIs
no Sisfogo, em 2009.     20

Figura 10. Registros em UCs federais, por estado, em 2009.


Cores diferentes indicam as diferentes regiões do
Brasil.       25

Figura 11. Registros em UCs federais, por tipo, em 2009.     26




8
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Lista de Tabelas

Tabela 1. Número de incêndios registrados, por agente


causal, em 2009.  21

Tabela 2. Número de incêndios registrados, por causa,


em 2009.  22

Tabela 3. Número de incêndios registrados, por método de


detecção, em 2009. 23

Tabela 4. Número de incêndios registrados, por forma de


combate,em 2009.   23

Tabela 5. Número de incêndios registrados, por vegetação,


em 2009.     24

Tabela 6. Número de incêndios registrados, por unidade de


conservação federal, em 2009.    26

9
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Introdução

O Prevfogo sendo que atualmente é regido pelo Decreto Fede-


ral no 6.099/2007, que trata da estrutura regimental
do Ibama (BRASIL, 2007). Entre as atividades des-
tinadas ao Prevfogo, está o treinamento e a capa-

citação de produtores rurais e de brigadistas, além
do combate aos incêndios florestais e o monitora-
Os incêndios florestais causam grandes mento de focos de calor por imagens de satélites.
prejuízos à biodiversidade, ao ciclo hidrológico e Desde 2001, o Prevfogo, como centro espe-
ao ciclo do carbono na atmosfera, o que acarre- cializado, estabelece o controle sobre incêndios flo-
ta perdas econômicas significativas, custos e ex- restais por meio da contratação de brigadas de pre-
ternalidades negativas para a sociedade. Nesse venção e de combate. No princípio, a contratação era
sentido, e com base em dados de focos de calor restrita às unidades de conservação federais, tendo
publicados pelo Instituto Nacional de Pesquisas em vista a dimensão do território brasileiro e a conse-
Espaciais – Inpe, no ano de 1988, foi criada a Co- quente impossibilidade de abrangê-lo por completo,
missão de Prevenção e Combate aos Incêndios priorizando, assim, áreas de conhecida importância
Florestais – Conacif, no antigo Instituto Brasileiro biológica. Nessas áreas, as brigadas tiveram objeti-
de Desenvolvimento Florestal – IBDF. Essa comis- vos importantes para a conservação da biodiversida-
são foi estabelecida como a primeira ação do Go- de local, ao instalar rotinas de prevenção, envolver a
verno Federal visando estabelecer critérios para o população do entorno das unidades de conservação
manejo do fogo, o controle das queimadas e a pre- – UCs, oferecer resposta às ocorrências frequen-
venção e o combate aos incêndios florestais, prin- tes e compor equipe de campo em combates
cipalmente nas unidades de conservação federais. de grande magnitude. O número de brigadas
Em 10 de abril de 1989, o Governo Fe- contratadas apresentou evolução constante,
deral sancionou o Decreto nº 97.635 criando, na até culminar, em 2008, em 82 UCs atendidas.
estrutura do Ibama, o Sistema Nacional de Pre- A Lei nº 11.516, de 28 de agosto de 2007,
venção e Combate aos Incêndios Florestais – Pre- criou o Instituto Chico Mendes de Conservação
vfogo (BRASIL, 1989). Esse instrumento foi revoga- da Biodiversidade – ICMBio, cujas atribuições es-
do pelo Decreto nº 2.661, de 8 de julho de 1998, tão relacionadas à proposição, implantação, ges-
que regulamenta o art. 27 do Código Florestal (Lei tão, proteção, fiscalização e monitoramento das
nº 4.771/65) e que atribui ao Prevfogo a finalida- UCs instituídas pela União. Por essa razão, a atu-
de, entre outras, de desenvolver programas para ação do Prevfogo nas UCs federais aconteceu
ordenar, monitorar, prevenir e combater incêndios até 2008, quando foram contratados brigadistas
florestais, desenvolver e difundir técnicas de ma- para as unidades selecionadas (IBAMA, 2009).
nejo controlado do fogo (BRASIL, 1998; 1965). A partir de janeiro de 2009, a contratação
O Prevfogo tem como missão “promo- de brigadas de UC passou a ser atribuição do ICM-
ver, apoiar, coordenar e executar atividades de Bio, sendo que, desde então, o Prevfogo atua nas
educação, pesquisa, monitoramento, controle de UCs exclusivamente em cooperação com a institui-
queimadas, prevenção e combate aos incêndios ção, apoiando as atividades de cursos de formação
florestais no Brasil, avaliando seus efeitos sobre de brigadistas e dando suporte a eventos de com-
os ecossistemas, a saúde pública e a atmosfera”, bate ampliado, quando solicitado (IBAMA, 2009).

10
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Assim, o Prevfogo passou a atuar de forma secun- que seriam atendidos com brigadas de prevenção e
dária nas UCs federais, na questão dos incêndios combate aos incêndios florestais. Assim, foram sele-
florestais, quando já era latente a demanda por uma cionados 31 municípios localizados em cinco estados
atuação mais efetiva em diversos municípios críti- da Amazônia Legal. O projeto de brigadas municipais
cos atingidos, anualmente, por incêndios florestais. fechou 2008 com 894 brigadistas capacitados para
O ano de 2008 foi marcado pela extensão atuação em prevenção e combate a incêndios flores-
dessa linha de atuação em municípios notadamen- tais (IBAMA, 2009). Em 2009, houve ampliação do
te ameaçados por incêndios florestais. A motivação atendimento das brigadas, sendo contemplados 64
principal foi o fato de ter sido atribuído estado de municípios distribuídos em dez estados (IBAMA, 2009).
emergência ambiental a 14 unidades federativas, em A definição desses municípios foi para
função das condições climáticas favoráveis à ocorrên- dar continuidade ao programa de brigadas de
cia de incêndios florestais e queimadas, conforme a prevenção e de combate aos incêndios flores-
Portaria nº 163, de 20 de junho de 2008, do Ministério tais, bem como para delimitar o território de atua-
do Meio Ambiente (BRASIL, 2008). No mesmo ano, ção mais direta do Prevfogo, podendo também
a Portaria nº 155/08, do Ministério do Planejamento, conhecer o comportamento dos incêndios nes-
Orçamento e Gestão, autorizou o Ibama a contratar ses locais e melhorar a atuação da instituição.
brigadistas para atuar em emergências ambientais Em consonância com a evolução
(BRASIL, 2008). Amparada por esse instrumento, a da atuação do Prevfogo, foi desenvolvido
Portaria nº 23, de 1º de agosto de 2008, do Ibama, o Sistema Nacional de Informações sobre Fogo
autorizou a implementação de brigadas de preven- – Sisfogo, sistema que agrega informações so-
ção e combate com atuação nos municípios mais bre queimadas, especialmente as obtidas pe-
expostos a incêndios florestais, bem como determi- las brigadas que atuam nos municípios críticos.
nou sua estrutura de funcionamento (BRASIL, 2008). Pelo exposto, este documento pretende apre-
Com o novo direcionamento na atuação sentar a compilação dos dados inseridos no Sisfogo so-
do Prevfogo, foi necessário o estabelecimento de bre os incêndios acompanhados pelo Ibama em 2009.
critérios objetivos a fim de selecionar os municípios

11
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Material e métodos

Os dados utilizados neste estudo se re- para atender quais seriam os municípios contem-
ferem aos obtidos pelas brigadas de prevenção plados com as brigadas em 2009 (IBAMA, 2009).
e de combate aos incêndios florestais em 2009. O registro das ocorrências de incêndios flo-
Essas brigadas de prevenção e combate restais acompanhados pelas brigadas e a sua inser-
foram contratadas pelo Ibama com fundamento na ção no Sisfogo (Figura 2) permitem o gerenciamento
Portaria nº 23, de 1º de agosto de 2008 (BRASIL, dos dados referentes a esses eventos e serviram para
2008). As atividades das brigadas incluem, além gerar as estatísticas apresentadas neste trabalho.
do combate de incêndios em áreas de vegetação O Sisfogo é uma ferramenta com tecnolo-
nativa, a conscientização da população local sobre gia geoespacial que permite a inserção das informa-
as consequências dos problemas decorrentes de ções referentes aos incêndios e queimadas ocorri-
incêndios e queimadas na região, a difusão de in- dos em unidades de conservação e em municípios.
formações sobre alternativas ao uso do fogo, a re- Esse sistema é gerido pelo Prevfogo e está dispo-
cuperação de áreas degradadas, o suprimento do nível no seguinte endereço: http://siscom. ibama.
Sisfogo com os dados sobre ocorrências na área gov.br/sisfogo/. Além disso, os dados para consulta
de atuação do projeto, entre outras (IBAMA, 2009). pública inseridos no Sisfogo estão disponíveis no
A seleção dos municípios contemplados endereço http://siscom.ibama.gov.br/sisfogo/pu-
com brigadas se deu, sobretudo, com base em blico.php. O sistema permite cruzar informações e
critérios objetivos, principalmente a contagem e a gerar relatórios sobre os registros inseridos. O Sis-
espacialização de focos de calor detectados por fogo integra informações e permite aos usuários a
satélites em 2008, disponibilizados pelo Inpe em utilização dos dados com segurança e autonomia.
sua plataforma on-line (http://www.dpi.inpe.br/pro- O Sisfogo é dividido em subsistemas em que
arco/bdqueimadas). Também foi feita a adição de o usuário pode facilmente inserir novos campos de inte-
informações sobre as áreas protegidas, incluindo resse, além de fornecer e gerar informações compiladas
nas análises as terras indígenas e as unidades de em tabelas exportáveis, gráficos e mapas de localização.
conservação federais e estaduais, com o objetivo O Registro de Ocorrência de Incêndio
de apontar indiretamente a relevância ambiental (Figura 3) é o formulário integrante do Sisfogo que
dos ecossistemas do município (IBAMA, 2009). Para deve ser preenchido pelos chefes de brigadas para
essa contagem de focos, as feições antropizadas, qualquer incêndio que ocorra nos municípios ou em
tais como agricultura, pastagens e áreas urbaniza- áreas protegidas, seja em unidades de conservação
das, bem como os corpos d’água, foram excluídas. (interior e/ou entorno) ou em terras indígenas (in-
Vale ressaltar que para garantir a continuidade das terior e/ou entorno), independentemente de haver
ações iniciadas no projeto-piloto de 2008, a equipe ou não combate. Existe ainda a opção de escolher
do Prevfogo-sede e das coordenações estaduais outros locais de ocorrência, tais como assentamen-
fizeram acordo sobre a importância de manter o tos e comunidades de populações tradicionais.
trabalho nos municípios que tiveram apoio no ano Para este relatório, os dados obtidos no Sis-
anterior. Em 2009, foram selecionados 64 municípios fogo foram os referentes a 2009, inseridos e atualizados
distribuídos em dez estados: Amazonas, Amapá, até abril de 2010. Esses dados foram exportados para
Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, documentos Excel por meio de uma ferramenta disponí-
Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins (Figura 1). vel no Sisfogo e transformados em gráficos e planilhas.
Ao final dessa seleção, o resultado foi aprimorado

12
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 1. Localização das brigadas de


prevenção e de combate aos incêndios
florestais em 2009.

13
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 2. Página inicial do Sisfogo.


Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/
sisfogo/.

Figura 3. Imagem que ilustra o módulo de ROI do


Sisfogo.
Fonte: http://siscom.ibama.gov.br/sisfogo/.

Foram utilizados também dados de fo-


cos de calor do Inpe (acessíveis em http://www.dpi.
inpe.br/proarco/bdqueimadas/) e de desmatamen-
to (http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_
Noticia=2175) para subsidiar as discussões.

14
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Resultados e discussão

Análise dos registros de ladas nas UCs e, simultaneamente, começaram


a ser instaladas em municípios. Além disso, o Sis-
ocorrência de incêndio fogo ainda não estava plenamente implantado, o
que dificultou a inserção dos registros no sistema.
Em 2008, foram registrados apenas 24 Em 2009, com o Programa Brigadas do
ROIs em municípios (SISFOGO, 2009). Desses, 23 Prevfogo consolidado, mais municípios puderam ser
foram em Mato Grosso. Convém ressaltar que es- contemplados, totalizando 61 brigadas. Como resul-
tados como o Amapá e Roraima iniciaram sua tem- tado, foi observada a melhor execução dos traba-
porada em 2008 e terminaram no ano seguinte por lhos de prevenção e de combate aos incêndios, bem
causa das condições climáticas dominantes. Esse como o registro da atuação no Sisfogo. Foram regis-
pequeno número de registros no Sisfogo deve- tradas 698 ocorrências de incêndios florestais pelo
se também ao período de transição na gestão dos subsistema ROI-município. Essas ocorrências con-
incêndios em UC (foi o ano em que ocorreu o re- centraram-se principalmente nos 4 últimos meses
passe das atividades do Prevfogo para o ICMBio). do ano, sobretudo em novembro (Figura 4). Como
Nesse ano, as brigadas do Prevfogo foram insta- os incêndios são altamente relacionados a fatores

Figura 4. Número de registros, por


mês, em 2009.

15
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

climáticos (BATISTA, 2000), esse resultado pode ser cuária e de madeira, também com a abertura para
explicado pela escassez de chuvas do segundo se- monoplantios de grãos (CASTRO, 2005). Assim, as
mestre nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, bem atividades econômicas de produção agropecuária
como pelas temperaturas máximas, que excederam do Pará e dos outros estados da Amazônia têm re-
a média histórica nos setores central e norte do Bra- lação com o alto número de incêndios, o que pode
sil durante quase todo o ano de 2009 (INPE, 2009). ser confirmado pela grande quantidade de registros
Levando em consideração que a maior parte das bri- em que a atividade agropecuária figurou como a
gadas se concentra na Região Norte, os dados de principal provável causa das ocorrências de incên-
clima certamente explicam o maior número de ocor- dio nos estados estudados (254 ROIs) (Tabela 2).
rências de incêndios no segundo semestre estudado. Outro fator que pode estar contribuindo
Com relação aos estados analisados, o para o alto índice de registro de incêndios no Pará é
Pará foi o que apresentou maior número de ROIs (209), o desmatamento (Figura 7). O Pará respondeu por
seguido por Roraima (123) e Rondônia (120) (Figura 57% do desmatamento registrado entre 2008 e 2009,
5). O estado do Amapá apresentou menor quanti- índice maior do que os 43% registrados entre 2007 e
dade de incêndios registrados, com cinco no total. 2008 (INPE, 2010). O desmatamento, como etapa an-
O estado do Pará apresentou 16.030 focos terior à queima e ao plantio da cultura, pode ser con-
de calor (Figura 6) detectados pelo satélite NOAA- siderado fator importante nos incêndios verificados
15 noite, segundo dados extraídos do site de mo- no Pará (Tabela 2). Nepstad et al. (1999) afirmam que
nitoramento de focos de calor do Inpe (http://www. pesquisas apontam para o fato de que 16% da área
dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas/). Os focos de atingida pelo fogo na fronteira agrícola da Amazônia
calor podem ser definidos como pontos que re- é decorrente do fogo colocado intencionalmente em
presentam os pixels, com temperaturas de brilho derrubadas de floresta (áreas de desmatamento).
superiores ou iguais a 47 °C. Os valores de tempe- Roraima e Rondônia, apesar do baixo nú-
ratura são derivados dos dados das bandas do in- mero de focos de calor registrados pelo NOAA-15
fravermelho termal no sensor AVHRR dos satélites noite em 2009 – 373 e 1.285 focos, respectivamente
polares NOAA-15, 16, 17, 18, e 19, dos satélites po- – nesses estados, apresentaram grande volume de
lares Nasa, Terra e Aqua, e das imagens dos saté- registros (123 e 120). Isso pode significar que hou-
lites geoestacionários Goes-10, Goes-12 e MSG-2. ve atuação eficiente das brigadas desses estados,
O Pará foi o estado que apresento=u que atuaram em grande parte dos incêndios confir-
maior número de focos de calor, fato que vem ao mados. As taxas de desmatamento para essas re-
encontro da realidade enfrentada em campo pelas giões foram baixas, fato que diminui a importância
brigadas, com alto número de ocorrências de in- dessa variável na explicação da ocorrência dos in-
cêndios. Além disso, o estado possui 12 brigadas cêndios, até por que somente quatro dos 123 ROIs
distribuídas em municípios que cobrem extensa para Roraima e dois dos 120 ROIs para Rondônia
área (Figura 1), o que pode contribuir para maior têm como provável causa a atividade agropecuária.
capacidade de detecção de incêndio e de registro. O elevado número de focos de calor detec-
É sabido que a as queimadas estão am- tados pelo satélite no Maranhão (10.132 focos) não
plamente inseridas no processo produtivo da Ama- se refletiu no número de ROIs inseridos no Sisfogo,
zônia e é um dos elementos que impulsiona a ex- que foi pequeno (54). Da mesma forma, o estado de
pansão agrícola da região. Tudo isso teve início com Mato Grosso teve alto índice de detecção de focos
os programas de colonização dos anos de 1970 de calor (8.220), contudo, apenas 45 registros foram
e 1980 do século passado, sobretudo da peque- feitos. Além disso, ambos os estados tiveram pe-
na produção familiar, combinados com incentivos quena participação nos índices de desmatamento.
fiscais a médias e grandes empresas pecuárias e Os estados do Tocantins, Mato Grosso do
madeireiras, o que resultou no conhecido “arco do Sul e Bahia inseriram, respectivamente, 26, 22 e 21
desmatamento”, um conjunto de 174 municípios – registros de incêndio no sistema. Amazonas e Amapá
situados no Pará, Mato Grosso e Rondônia – que foram os estados que apresentaram a menor quanti-
somavam as maiores taxas de desmatamento. Hoje, dade de ROIs, na ordem, 13 e 5, ao mesmo tempo que
há o avanço de novas frentes nas atividades de pe- apresentaram reduzido número de focos detectados.

16
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 5. Número de registros, por


estado, em 2009.

Figura 6. Número de focos de calor nos estados, com brigadas, registrado


em 2009 pelo satélite NOAA-15 noite. Fonte: http://www.dpi.inpe.br/proarco/
bdqueimadas/.

17
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 7. Evolução da taxa do desmatamento de 1988 a 2009 na


Amazônia Legal. Fonte: Inpe, 2010, em http://www.inpe.br/noticias/
arquivos/imagens/desmatamento_prodes2_maior.jpg.

Análise da distribuição estado, que concentra o período de seca entre os


meses de dezembro e março (BARBOSA, 1997).
mensal de ROIs Nos estados do Amazonas, Rondônia e Mato
Grosso, os ROIs concentraram-se entre julho e novem-
Com relação à distribuição mensal de re- bro, com destaque para Mato Grosso, que apresentou re-
gistros de incêndio florestal, o estado de Roraima gistro em todos esses meses. Em Rondônia, houve des-
apresenta padrão de distribuição mais diferenciado, taque no mês de setembro, que apresentou 80 registros.
com período principal de registros entre os meses Nos demais estados, os ROIs foram
de dezembro e abril (Figura 8). Isso ocorre princi- distribuídos entre setembro e dezembro, acom-
palmente devido às características climáticas desse panhando o período seco daquelas regiões.

18
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 8. Distribuição mensal das ocorrências de incêndio florestal. Os


estados em amarelo foram os que registraram ocorrências de incêndio no
Sisfogo, com os respectivos gráficos de distribuição mensal, em 2009.

19
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Análise da área atingida (GPS e imagens de satélites), a dificuldade de acerto


da estimativa visual da área queimada e o não preen-
pelos incêndios chimento desse campo nos ROIs – tudo isso resulta
em baixa representatividade da realidade de campo.
Os dados referentes à área queimada nos Dessa forma, o gráfico exposto tem, sobretudo, a fun-
incêndios não são representativos e vários fatores ção de informar que essa é uma das possíveis infor-
afetam para a obtenção desse dado, tais como a não mações a serem obtidas no Sisfogo e, se bem inse-
utilização de instrumentos e de técnicas adequadas rida, pode complementar sobremaneira as análises.

Figura 9. Total de área, em hectares, queimada nos


estados que constam no banco de dados de ROIs no
Sisfogo, em 2009.

20
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Outras características na Amazônia (NEPSTAD et al., 1999) e no Cerrado


(MEDEIROS, 2002; MEDEIROS e FIEDLER, 2004).
dos incêndios Outra principal causa dos incêndios foi o
vandalismo, que contribuiu com 139 do total das ocor-
De todos os incêndios registrados pelo Iba- rências. As causas desconhecidas representaram 75
ma em 2009, 149 não possuem agente causal deter- ocorrências. Isso pode ser consequência da preca-
minado (Tabela 1) ou não tiveram esse campo preen- riedade do sistema de detecção e de perícias, muitas
chido no Sisfogo. Dos demais, o “trabalhador rural” vezes não sendo possível determinar a causa desses
representou 119 ocorrências, seguida por “morador incêndios. Outras causas contribuíram com a ocor-
do entorno”, com 88, e “assentado” com 54. O resul- rência de incêndios e podem ser vistas na Tabela 2.
tado para “trabalhador rural” vai ao encontro do fato Os incêndios acidentais também repre-
de que a maioria dos incêndios florestais tem como sentaram um número significativo de ROIs, to-
causa a atividade agropecuária nas suas diversas talizando 87. Na Amazônia, onde se concentra a
vertentes – como pode ser visto na Tabela 2. Se soma- maior parte das brigadas, pesquisas apontam que
do o número de registros para “atividade agropecuá- 84% da área queimada têm o fogo intencional e
ria”, independentemente do motivo da atividade, to- acidental como causa principal que atinge pasta-
talizam 254 ocorrências. Esse tipo de causa tem sido gens e áreas agrícolas, e o fogo acidental que afe-
a mais importante em várias regiões do País, como ta as florestas da região (NEPSTAD et al., 1999).

Agente causal Quantidade de ROI


Indeterminado 149
Trabalhador rural 119
Morador do entorno 88
Assentado 54
Proprietário ou funcionário da fazenda 40
Incendiário/piromaníaco 37
Caçador 22
Posseiro 17
Morador do município 15
Pescador 14
Transeunte 10
Criança 8
Outros 8
Invasor 7
Descarga elétrica – rede de alta tensão 6
Madeireiro 5
Motorista/operador da máquina 4
Descarga elétrica – raio 3
Tabela 1.
Comunidade indígena 2 Número de
Garimpeiro 2 incêndios
registrados, por
Turista 2 agente causal,
Brigadista 1 em 2009.
Coletor de mel 1
Empresa florestal 1
Total 615

21
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Quantidade
Causa
de ROI
Outras causas – vandalismo 139
Atividade agropecuária – queima para limpeza da área 120
Atividade agropecuária – renovação de pastagem plantada 84
Desconhecida 75
Acidente – fagulha transportada pelo vento 50
Atividade agropecuária – renovação de pastagem natural 41
Outras causas – queima de lixo 35
Outras causas – outros 31
Acidente – confecção de aceiros 23
Extrativismo – caça 20
Atividade agropecuária – queima de resto de exploração 9
Acidente – cabo de alta tensão 5
Acidente – fagulha de máquina 5
Acidente – reignição 4
Outras causas – fogueira de acampamento 4
Extrativismo – extração de madeira 3
Natural – raio 3
Extrativismo – extração de espécie vegetal 2
Extrativismo – extração de mel 2
Atividade agropecuária – queima da cana-de-açúcar 1
Extrativismo – limpeza da área para mineração 1
Extrativismo – queima de serrapilheira 1
Outras causas – queda de balão 1
Total 659

Tabela 2. Número de incêndios


registrados, por causa, em 2009.

22
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

O sistema de detecção deve ter como pa- de combate, para que sejam mais rápidas e efetivas.
drão características que incluam a rápida localização O êxito de um combate e a minimização dos danos
dos incêndios e a precisão dessa localização. Além causados por incêndios florestais estão diretamente
disso, o sistema de detecção deve abranger o perío- relacionados à rapidez com que são detectados. Mo-
do diurno e o noturno, e a localização dos focos, pre- radores dos municípios e assentados/proprietários
ferencialmente, deve ocorrer sobre quaisquer con- também foram importantes para a comunicação dos
dições de visibilidade (MEDEIROS; FIEDLER, 2003). incêndios, com 122 e 99 registros, respectivamente.
Com relação ao método de detecção, a A principal forma de combate dos incên-
ronda, que se caracteriza pela inspeção periódica de dios registrados pelas brigadas foi o combate direto,
áreas sujeitas a incêndios florestais, teve destaque quando a intensidade do fogo permite a aproximação
nas ocorrências registradas pelas brigadas, com 262 suficiente da brigada à linha de fogo, com 510 ocorrên-
ROIs (Tabela 3). Esse fato demonstra a importância cias, seguido do combate indireto, com 73 ocorrên-
das rondas na prevenção de incêndios e nas ações cias e, por fim, a extinção natural com 100 (Tabela 4).

Método de detecção Quantidade de ROI


Ronda 262
Morador do município 112
Assentado/proprietário 99
Ponto de observação 39
Durante o combate 29
Outros 24
Bombeiro/polícia 22
Funcionário público 20
Funcionário da prefeitura 13
Transeunte/visitante 12
Morador do entorno 9
Telefonema 7
Monitoramento por satélite 3
Funcionário da unidade 1
Total 652

Tabela 3. Número de incêndios


registrados, por método de detecção, em
2009.

Forma de combate Quantidade de ROI


Combate direto 510 Tabela 4. Número de incêndios
registrados, por forma de combate,
Combate indireto 73
em 2009.
Extinção natural 100
Total 683

23
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

A principal vegetação atingida com os a agricultura pode explicar a utilização intensa do


incêndios registrados pelas brigadas foi a pasta- fogo nas atividades agropecuárias (NEPSTAD et
gem cultivada, com 227 ROIs. Esse resultado al., 1999, 2001). Devido a todos esses fatores, o
pode indicar um alerta para o uso indiscriminado processo de derrubada e de queimada se tornou
do fogo na atividade agropecuária, tendo em vis- o instrumento predominante para o preparo do
ta que essa foi a principal causa dos incêndios. solo na Região Amazônica, sobretudo em peque-
Na Amazônia, área de principal localização nas e médias propriedades (HOMMA et al., 1993).
das brigadas, as queimadas estão amplamente in- As matas e as florestas representaram o
seridas no processo produtivo e é um dos elemen- segundo tipo de vegetação mais atingida pelos in-
tos que impulsiona a expansão agrícola na região, cêndios, com 190 registros, seguida por área em
já que se trata de um método barato para preparar regeneração, com 164 ROIs e por vegetação ar-
a terra para o plantio de culturas e para a limpeza bustiva com 137. Ao analisar a vegetação atingida,
de pastagens. O fogo é usado, também, para esti- observa-se que a maior parte dos registros ocorreu
mular o crescimento de gramíneas forrageiras de em área nativa quer seja floresta primária ou em re-
pastagens e matar as plantas invasoras lenhosas generação, quer seja em vegetação arbustiva, pas-
que invadem essas pastagens. Sem o fogo, certa- tagem nativa, campo limpo ou veredas. As conse-
mente, os proprietários rurais teriam que investir na quências dos incêndios florestais sobre a vegetação
compra de máquinas pesadas para remover as ár- nativa são inúmeras e, comumente, eliminam parte
vores caídas e despender tempo roçando com fa- dos indivíduos da comunidade (IVANAUSKAS et
cões as ervas daninhas que invadem as pastagens al., 2003). Além disso, apesar da importância que
(ALENCAR et al., 1997; NEPSTAD et al., 1999, 2001). o assunto requer, em nenhum ano foi elaborado
Nesse sentido, a racionalidade do pro- mapeamento com satélite da área de floresta em
dutor diante da restrição de recursos, tais como a pé afetada pelo fogo, haja vista a dificuldade de
baixa oferta de mão de obra, a baixa rentabilidade se mapear as “cicatrizes” de incêndios florestais,
agrícola, a inexistência de alternativas economi- diferentemente do mapeamento do desmatamen-
camente viáveis e a baixa qualidade do solo para to realizado pelo Inpe (VERA DIAZ et al., 2002).

Quantidade de
Vegetação atingida ROI
Pastagem cultivada 227
Mata ou floresta 190
Área em regeneração ou capoeira 164
Vegetação arbustiva 137
Pastagem nativa ou campo limpo 113
Outros 79
Brejo, várzea, vereda 66
Pinus ou eucalipto 8
Total 984

Tabela 5. Número de incêndios


registrados, por vegetação, em 2009.

24
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Unidades de Conservação de incêndio em UCs federais, sendo que o de-


talhamento pode ser visualizado na Figura 10.
As UCs concentradas na Região Nordeste
O apanhado de informações relativas às foram responsáveis pela maior parte dos registros,
ocorrências de incêndio em unidades de conser- com 103 ROIs. Em seguida, com 47 registros, as
vação, entre os anos de 1979 e 2008, está dispo- UCs localizadas na Região Centro-Oeste. A Região
nível em publicações do Ibama/Prevfogo, na pá- Sul foi responsável pelo menor número de registros.
gina do Prevfogo, em http://www.ibama.gov.br/ Com relação ao tipo de UC, os parques na-
prevfogo/documentos/ocorrencia-de-incendios/. cionais representaram 66% das ocorrências (Figura 11),
Em 2009, o Sisfogo passou a ser utili- as reservas biológicas 24% e as florestas nacionais com
zado pelo ICMBio para o registro de suas ocor- 8% dos registros. O Parque Nacional da Chapada dos
rências no formulário ROI-UC. Assim, em 2009 Guimarães, no Mato Grosso, apresentou o maior núme-
foram observados 190 registros de ocorrência ro de ROIs, com 36 registros de incêndios (Tabela 6).

Figura 10. Registros em UCs federais, por estado, em 2009.


Cores diferentes indicam as diferentes regiões do Brasil.

25
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Figura 11. Registros em UCs


federais, por tipo, em 2009.

Unidade de conservação Número de ROI


Parque Nacional da Chapada dos Guimarães – MT 36
Reserva Biológica de Guaribas – PB 32
Parque Nacional de Ubajara – CE 31
Parque Nacional das Sempre-Vivas – MG 13
Parque Nacional de Sete Cidades – PI 12
Floresta Nacional de Brasília – DF 11
Parque Nacional da Chapada Diamantina – BA 8
Parque Nacional de Grande Sertão Veredas – MG 7
Parque Nacional da Chapada das Mesas – MA 6
Reserva Biológica de Saltinho – PE 5
Estação Ecológica de Aiuaba – CE 3
Floresta Nacional do Araripe-Apodi – CE 3
Parque Nacional do Caparaó – MG 3
Reserva Biológica da Mata Escura – MG 3
Parque Nacional de Ilha Grande – PR 3
Reserva Biológica de Pedra Talhada – AL 2
Parque Nacional da Serra da Canastra – MG 2
Floresta Nacional do Tapajós – PA 2
Reserva Biológica União – RJ 2
Parque Nacional do Araguaia – TO 2
Parque Nacional da Tijuca – RJ 1
Reserva Biológica de Poço das Antas – RJ 1
Parque Nacional do Viruá – RR 1
Parque Nacional da Serra de Itabaiana – SE 1

Tabela 6. Número de incêndios registrados, por


unidade de conservação federal, em 2009.

26
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Considerações Finais

Os incêndios florestais registrados pelas Com relação ao combate, a principal


equipes do Prevfogo se concentraram no segundo forma foi o combate direto, haja vista as caracte-
semestre de 2009, evidenciando a inter-relação entre rísticas dos incêndios e dos recursos existentes.
os fatores climáticos e os incêndios, haja vista que a As áreas de vegetação nativa foram as
escassez de chuvas na região estudada, no segundo mais atingidas pelos incêndios, seguida das pas-
semestre, principalmente de setembro a dezembro. tagens cultivadas. Isso demonstra a importância
O estado do Pará foi o que apresentou do programa de brigadas do Prevfogo, pois tem
maior número de registros de incêndios florestais. O cumprido a função primordial, que é proteger os
uso do fogo na região e nos período estudados teve remanescentes de vegetação nativa. O alto número
correlação, principalmente, com as atividades agro- de registros de ocorrências de incêndios em ve-
pastoris. A atividade agropecuária se mostrou bas- getação nativa indica que as brigadas de preven-
tante relacionada com a ocorrência de incêndios flo- ção e de combate a incêndios florestais concen-
restais, o que indica a necessidade da ampliação das tram-se satisfatoriamente nas áreas prioritárias.
ações de fiscalização e de atividades de prevenção O Sisfogo, apesar de ser um sistema novo
que envolvam, principalmente, educação ambiental. e em processo de aperfeiçoamento, se mostrou
A ronda se mostrou um dos mais eficientes bastante adequado por reunir dados e produzir re-
métodos de detecção, tendo sido a principal forma latórios. Isso sugere que pode ser estendido para
de detecção apontada nos registros do Sisfogo, o o uso por demais instituições ligadas com o tema
que demonstra o comprometimento das briga- fogo – inclusive de outros países, por meio de acor-
das com os trabalhos de extinção e de prevenção. dos internacionais voltados ao manejo do fogo.

27
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Referências bibliográficas

ALENCAR, A., NEPSTAD, D., SILVA, E., BROWN, F., LEFEBVRE, P., MENDOSA, E., ALMEIDA, D. &
CARVALHO JR, O. Uso do Fogo na Amazônia: Estudos de Caso ao Longo do Arco de Desmatamento.
World Bank Report. Brasília, March, 1997.

BARBOSA, R. I. Distribuição das chuvas em Roraima. In: Barbosa, R. I.; Ferreira, E.; Castellón, E.
(Eds.). Homem, Ambiente e Ecologia em Roraima. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).
Manaus, Amazonas, p. 325-335. 1997.

BATISTA, A. C. Mapas de risco: uma alternativa para o planejamento de controle de incêndios


florestais. Curitiba: Floresta, v. 30, nº 1/2, p. 45-54, 2000.

BRASIL. Decreto n° 97.635, de 10 de abril de 1989. Regula o art. 27 do Código Florestal e dispõe
sobre a prevenção e o combate a incêndio florestal, e dá outras providências. Disponível em: http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D97635.htm. Acesso em 19 de maio de 2010.

BRASIL. Decreto n° 2.661, de 8 de julho de 1998. Regulamenta o parágrafo único do art. 27 da Lei nº
4.771, de 15 de setembro de 1965 (Código Florestal), mediante o estabelecimento de normas de precaução
relativas ao emprego do fogo em práticas agropastoris e florestais, e dá outras providências. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2661.htm. Acesso em 19 de maio de 2010.

BRASIL. Decreto n° 6.099, de 26 de abril de 2007. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro


Demonstrativo dos Cargos em Comissão do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
Renováveis – Ibama, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-
2010/2007/Decreto/D6099.htm. Acesso em 19 de maio de 2010.

BRASIL. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Novo Código Florestal. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4771.htm. Acesso em 25 de maio de 2010.

BRASIL. Portaria do Ministério do Meio Ambiente n° 163, de 20 de junho de 2008. Declara estado
de emergência ambiental nos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Rondônia, Amapá, Mato Grosso,
Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Distrito Federal. Disponível em:
http://ibama2.ibama.gov.br/cnia2/renima/cnia/lema/lema_texto/MMA/PT0163-200608.PDF. Acesso em 25 de
maio de 2010.

BRASIL. Portaria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão n° 155, de 16 de junho de


2008. Autoriza a realização de processo seletivo simplificado pelo Ministério das Cidades e a contratação de
brigadistas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis – Ibama. Disponível em:
http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=50&data=17/06/2008. Acesso em 19 de
maio de 2010.

28
Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

BRASIL. Portaria do Ibama nº 23, de 1º de agosto de 2008. Autorizou a implementação de brigadas


de prevenção e combate com atuação nos municípios mais expostos aos incêndios florestais.

CASTRO, E. Dinâmica socioeconômica e desmatamento na Amazônia. Novos Cadernos NAEA. v.


8, n. 2, p. 5-39, dez. 2005.

HOMMA, A.K. et al. A Dinâmica dos Desmatamentos e das Queimadas na Amazônia: Uma Análise
Microeconômica. Anais do XXXI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 1, p: 663-676, 1993.

IBAMA. Relatório de ocorrências de incêndios em Unidades de Conservação Federais, 2005


a 2008; Prevfogo – Brasília, 2009.

INPE. Condições climáticas observadas no Brasil em 2009. Centro de Previsão de Tempo e Estudos
Climáticos - CPTEC. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. 2009. Disponível em: http://clima1.
cptec.inpe.br/~rclima1/pdf/Sintese_ Climatica_2009.pdf

INPE. Notícia: Dados detalhados do Prodes/Inpe confirmam estimativa de desmatamento na Ama-


zônia. 29/04/2010. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe. 2009. Disponível em: http://www.inpe.br/
noticias/noticia.php?Cod_Noticia=2175

IVANAUSKAS, N. M.; MONTEIRO, R.; RODRIGUES, R. R. Alterations following a fire in a forest


community of Alto Rio Xingu. Forest Ecology and Management, v. 184, n. 1-3, p. 239-250, 2003.

MEDEIROS, M. B.; FIEDLER, N. C. Incêndios Florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra:


desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 157-168. 2003.

MEDEIROS, M. B. Manejo de fogo em unidades de conservação do Cerrado. Boletim do Herbário


Ezechias Paulo Heringer, Brasília, v. 10, n. 1, p. 76-89, 2002.

MEDEIROS, M. B.; FIEDLER, N. C. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra:


desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 157-168, 2004.

NEPSTAD, D.C.; MOREIRA, A.G.; ALENCAR, A. A. A floresta em chamas: origens, impactos e


prevenção de fogo na Amazônia. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Programa-Piloto para a Proteção
das Florestas Tropicais no Brasil, 1999. 172p. 

NEPSTAD, D. et al. Road Paving, Fire Regime Feedbacks, and the Future of Amazon Forests.
Forest Ecology & Mgt.,154, p: 395-407, 2001.

SILVA, J.C. Diagnóstico das áreas de maior incidência de incêndios florestais em Unidades de
Conservação Pertencentes à APA Gama - Cabeça de Veado. Brasília, Universidade de Brasília, Mestrado
em Ciências Florestais (Dissertação). 2001. 59p.

SISFOGO. Sistema Nacional de Informações sobre Fogo. Prevfogo/Ibama, Disponível em: http://
siscom.ibama.gov.br/SisFogo/. 2009.

VERA DIAZ, M. D. C.; NEPSTAD, D.; MENDONÇA, M. J. C.; MOTTA, R. S.; ALENCAR, A.; GOMES, J.
C.; ORTIZ, R. A. O Preço Oculto do Fogo na Amazônia: Os Custos Econômicos Associados às Queimadas
e Incêndios Florestais. Relatório do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) em colaboração
com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e o Centro de Pesquisa Woods Hole (WHRC).
2002. Disponível em: http://pirandira.cptec.inpe.br/queimadas/material3os/preco_fogo_diaznepstad.pdf

29