Você está na página 1de 1

O Brasil democrático

Nos últimos anos, o Brasil tem vivido um período de grandes turbulências social,
econômica e política. Movimentos sociais têm crescido e cada vez mais tomando força.
Economia instabilizada, com índice de impostos elevadíssimos (chegando a ser um dos
maiores do mundo). E por fim, a política. Roubos, investigações, ‘descobertas’, e..., o
fim daquilo que demoramos séculos, desde a nossa descoberta, para adquirir.

A palavra “democracia” significa ‘uma forma de governo em que a soberania é


exercida pelo povo’. Após muitas lutas, por vários anos, em todo o país, para que
houvesse um momento em que o povo teria voz, o fim da ditadura militar no Brasil
proporcionou isso. O povo quem escolhe seus representantes, os quais devem governar
única e exclusivamente para o povo. Mas, e quando o povo elege seu representante
maior e, antes do final de seu mandato, outros representantes intervêm e acabam com
aquilo que o povo escolheu? Onde fica a democracia?

O maior veículo para propagar ideias, e também manipular as pessoas, é a mídia. E é


exatamente este o meio de comunicação que partidos e seus defensores usam para
disseminar seus interesses. Muitos utilizaram a frase: ‘Este movimento não é partidário,
mas contra a corrupção’, o que é difícil de acreditar quando vemos que apenas um
partido é julgado por tantos outros, estes que com certeza não estão em seus cargos
agindo como anjinhos, defensores da lei e trabalhando apenas para melhorar a vida
daqueles que os colocaram ali.

Após a saída de Dilma Rousseff da presidência, legislativos, deputados, entre tantos


outros ocupantes de cargos políticos “estão voltados a tentar melhorar o cenário
político, econômico e social do país”. Por que não estavam voltados para tais melhorias
antes? Uma só pessoa estava impedindo que o progresso do país acontecesse?

Em meio a tantas perguntas podemos chegar à conclusão de que o ocorrido no país não
teve como objetivo principal retirar aquele que denominam o ‘empecilho do
desenvolvimento’ do país. Fica clara a intenção dos partidos opositores, em que uns
querem a presidência, outros sonham em ser eleitos indiretamente, e por aí vai. Querem
o poder a qualquer custo, seja por meio de fome, desemprego, guerra civil... Interesses
pessoais sempre em primeiro lugar, enquanto que o bem-estar da população fica em 2º
plano.