Você está na página 1de 3

Universidade Federal do Maranhão

Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas


Curso: Engenharia Química
Disciplina: Operações Unitárias III
Docente: Prof. Dr. Wendell Ferreira de la Salles
Discente: Rodrigo Pereira Vieira
Número de matrícula: 2014005307

Aula 03 – Respostas da Verificação de Conhecimento

1) Os pratos constituem os estágios reais de uma coluna de destilação e possuem


como principal função proporcionar contato estreito entre o gás e o líquido.

2) Essa substituição se deve ao menor custo e à maior simplicidade dos pratos


perfurados. A principal desvantagem desse tipo de prato, quando comparados aos
pratos com borbulhadores, consiste na ocorrência de vazamento do líquido através
das perfurações quando a velocidade do gás é baixa, o que pode prejudicar a
eficiência do estágio de forma muito significativa. As consequências dessa
limitação sempre devem ser avaliadas em projetos de equipamentos que utilizem
esse tipo de prato.

3) a) O gotejamento consiste na passagem do líquido através dos orifícios destinados


à passagem do gás, e ocorre quando a velocidade do vapor é muito baixa. Esse
fenômeno provoca uma redução significativa na eficiência do estágio, e pode ser
evitado por meio da seleção do diâmetro adequado para a coluna; afinal, para
determinada vazão de vapor, a velocidade da corrente depende da área transversal
da coluna e, consequentemente, do seu diâmetro.

b) O arrasto ocorre quando a corrente de vapor transporta consigo partículas de


líquido para andares superiores da coluna. Trata-se de um fenômeno associado a
altas vazões de vapor e baixas vazões de líquido. Assim como o gotejamento, o
arrasto reduz a eficiência do estágio e também pode ser controlado pela seleção
de uma coluna de diâmetro adequado, que permita que o vapor escoe a uma
velocidade que não seja elevada o suficiente para causar esse fenômeno.

c) Há dois tipos de inundação: a inundação tipo I ocorre quando a espuma instável


alcança o andar superior da coluna, fazendo com que os andares se confundam e
com que o nível de líquido nos condutos descendentes se eleve até que não haja
escoamento suficiente desse fluido; a inundação tipo II, por sua vez, ocorre
quando o nível de líquido nos condutos descendentes atinge o estágio superior.
Ambos os tipos de inundação reduzem a eficiência da coluna e estão associados a

1
vazões elevadas de líquido; a inundação tipo I está normalmente associada a
vazões relativamente mais elevadas de vapor. Esses fenômenos também podem
ser controlados por meio da seleção de uma coluna cujas dimensões permitam que
as velocidades de ambas as fases fluidas se encontrem no domínio satisfatório de
operação.

4) Os fenômenos de gotejamento e de arrasto levam o líquido de determinado andar


da coluna a estágios inferiores ou superiores, respectivamente, e,
consequentemente, altera a composição do líquido presente em cada estágio.
Dessa forma, o funcionamento do prato em que houve essa alteração se torna
diferente (e menos eficiente) daquele que ocorreria na ausência desses fenômenos.

5) As placas móveis (válvulas) dos pratos valvulados reduzem o vazamento do


líquido a baixas pressões; além disso, direcionam o fluxo de gás horizontalmente
no líquido, o que proporciona uma mistura mais completa se comparada à que
ocorre nos pratos perfurados simples, em que o gás flui pela camada líquida na
direção vertical.

6) Nessas condições, os borbulhadores previnem o gotejamento ou despejo do


líquido pelas passagens do gás, que provocaria uma redução significativa da
eficiência do estágio.

7) (V) Em um projeto de qualidade de uma coluna de pratos perfurados, o vapor


circulará apenas pelos orifícios ou regiões abertas dos pratos entre as duas
condutas descendentes e o líquido apenas pelos condutos descendentes.
(F) O escoamento indesejado de vapor pelos condutos descendentes aumentaria a
queda de pressão na fase vapor.
(F) As perfurações nas bandejas valvuladas são geralmente menores que nos
pratos perfurados simples.
(V) O risco de arrasto deve ser minimizado ajustando-se a velocidade de
escoamento do vapor, o que pode ser feito selecionando-se o diâmetro adequado
para a coluna.
(V) Se a vazão de vapor na coluna for muito elevada pode ser necessário o
emprego de um maior espaçamento entre os pratos para minimizar o arrasto e
aumentar a pressão hidrostática, o que favoreceria o escoamento da fase líquida.
(F) A formação de espuma no prato é um fator desfavorável para a operação da
coluna.

8) a) O arrastamento excessivo de gotículas, pois, nessa situação, a corrente de vapor


é capaz de arrastar consigo, para o andar superior, uma quantidade significativa
de gotículas de líquido.
b) O gotejamento, pois, nesse caso, a pressão da corrente de vapor não é suficiente
para impedir que o líquido goteje através dos orifícios dos pratos;
consequentemente, a eficiência do estágio se reduz significativamente.

2
9) a) O recheio deve apresentar elevada área superficial molhada específica, a fim de
proporcionar contato suficiente entre as duas fases fluidas.
b) O recheio deve apresentar grande volume de vazios, que permita que as fases
escoem sem que haja excessiva perda de pressão.
c) O recheio deve apresentar baixa massa específica, para que o seu peso não
ocasione problemas de sustentação.

10) a) Colunas de pratos são normalmente utilizadas quando são necessários grandes
diâmetros e/ou um grande número de estágios; portanto, podem operar com
maiores cargas de líquido sem que ocorra inundação, se comparadas às colunas de
recheio, que são normalmente utilizadas quando são necessárias colunas de
diâmetro pequeno (inferior a um metro).
b) Uma particularidade importante das colunas de recheio é a possibilidade de
formação de caminhos preferenciais, pois os fluidos tendem a se deslocar para as
proximidades das paredes, onde há maiores espaços vazios. A utilização de
colunas de diâmetros reduzidos colabora para a minimização desse problema.
c) A função primária dos pratos desse tipo de coluna é proporcionar contato
estreito entre o líquido e o vapor; a coluna se torna mais eficiente com o aumento
de seu diâmetro em decorrência do aumento da área disponível para que ocorra
esse contato.