Você está na página 1de 28

2.

As Despesas Públicas

2.1 Enquadramento geral


2.1.1.Noção de despesas públicas
2.1.2. Classificação e tipologias de
despesas públicas
2.1.3.despesa pública
2.1.4. O crescimento da despesa pública

1
Bibliografia
Obrigatória:

Livro Finanças Públicas e Direito Financeiro vol1, Sousa


Franco, cap. VI- A – pontos 1 e 2;
Livro Economia e Finanças Públicas, Pereira et al, Parte
II – ponto 6/6.2.3

Legislação:
DL n.º 171/94, de 24 de Junho – Estrutura da
Classificação Funcional das Despesas Públicas;
DL n.º 26/2002, de 14 de Fevereiro – Classificador
Económico das Despesas;

2
Dimensão do Sector Público

Critérios técnicos de medição do SPA:

 Despesas públicas/PIB

 Receitas públicas/PIB

 Emprego Público/Emprego total

3
Teorias explicativas do aumento das
Despesas Públicas
• Lei do crescimento do Estado (Wagner)
• Tese do crescimento descontínuo das
despesas públicas (Peacock e Wiseman)
• Tese do burocrata maximizador do
orçamento (Niskanen)
• Tese da ilusão fiscal dos contribuintes
(Buchanan)
• Tese do ciclo político-económico (Downs)
4
Noção de DESPESA PÚBLICA

Gasto de dinheiro ou dispêndio de


bens por parte do entes público para
criarem ou adquirem bens ou
prestarem serviços susceptíveis de
satisfazer necessidades públicas.

5
Classificações orçamentais da
DESPESA PÚBLICA

Classificação económica:
• distingue despesas correntes (não alteram o
património duradouro do Estado) de despesas de
capital (alteram o património duradouro do
Estado);

Classificação funcional:
• distingue as despesas por funções (gerais de
soberania; sociais; económicas e outras) – Cf DL
n.º 171/94, de 24 de Junho;
6
Classificações orçamentais da
DESPESA PÚBLICA

Classificação orgânica:
• distingue despesas segundo a orgânica
governamental: Estado (Ministérios, Secretarias de
Estado, …) e SFA (Universidades, Politécnicos,
Hospitais…).

Apresentação por programas

7
Classificação Económica das
Despesas/Receitas Públicas

DL n.º 26/02, de 14 de Fevereiro


Aplicável à elaboração do orçamento para os anos 2003 e seguintes

8
A classificação económica das despesas
públicas
•Mantém a dicotomia entre despesas correntes e despesas
de capital;
•Integrado por três níveis de componentes: agrupamentos
económicos, subagrupamentos económicos e rubricas;
•Cada agrupamento divide-se em subagrupamentos e estes
em rubricas;
•São 11 os agrupamentos: 6 para as despesas correntes; 5
para as despesas de capital;
•São 38 subagrupamentos: 19 para despesas correntes; 19
para as despesas de capital ;
9
Classificação económica das despesas
públicas

•Havendo necessidade as rubricas desdobram-se em


alíneas que terão de ser sempre e só alfabéticas [a),
b)...], vedando-se o uso de alíneas numéricas
(condicionante informática);

•A afectação de dotações deverá fazer-se por rubrica


(salvo excepções raras).

10
Classificação económica das
despesas públicas

CORRENTES CAPITAL

AGRUPAMENTOS SUBAGRUPAMENTOS RUBRICAS

NÃO ALTERAM O PATRIMÓNIO ALTERAM O PATRIMÓNIO


DURADOURO DO ESTADO DURADOURO DO ESTADO
E.xos E.xos
•Vencimentos dos funcionários •Equipamentos
•Artigos de consumo •Estradas, Portos, Barragens, ...
•Aquisição de serviços
11
Classificação económica das
despesas públicas

CÓDIGOS AGRUPAMENTOS ECONÓMICOS

DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL

01 00 00 DESPESAS COM O PESSOAL 07 00 00 AQUISIÇÃO DE BENS DE CAPITAL


02 00 00 AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 08 00 00 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL
03 00 00 JUROS E OUTROS ENCARGOS 09 00 00 ACTIVOS FINANCEIROS
04 00 00 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 10 00 00 PASSIVOS FINANCEIROS
05 00 00 SUBSÍDIOS 11 00 00 OUTRAS DESPESAS DE CAPITAL
06 00 00 OUTRAS DESPESAS CORRENTES 12 00 00 OPERAÇÕES EXTRA ORÇAMENTAIS

DESPESAS EFECTIVAS – 01 a 08 e 11; DESPESAS NÃO


EFECTIVAS – 09 e 10
12
2. As Despesas Públicas

2.2. Despesas públicas e eficiência


2.2.1. Bens Públicos vs bens privados
2.2.2. Externalidades
2.2.3. Bens mistos
2.2.4 Outros fracassos de mercado

Bibliografia

Livro Economia e Finanças Públicas, Pereira et al, Parte II – ponto 3.2

13
Bens Públicos vs Bens Privados

• Bens Públicos são bens não rivais (não


emulativos);

• Bens Públicos satisfazem necessidades de


satisfação passiva;

• Bens públicos não gozam do princípio da


exclusão

Exemplo: Defesa Nacional


14
Fracassos do Mercado

• Concorrência imperfeita: caso do

monopólio;

• Externalidades;

• Informação assimétrica.

15
Bens Privados c/ externalidade
positiva

• Capacidade de exclusão;

• Não rivalidade (parcial);

Exemplo: Ensino Superior

16
Tipologias de Intervenção pública
(Eficiência)
Tipos de Fracasso de Tipo de Intervenção Exemplos
Mercado Pública
Bens Públicos Despesa pública em Defesa Nacional
bens/serviços Iluminação pública
Externalidades Despesas com Subsídios a
positivas subsídios Associações
Interesse Público
Externalidades
negativas Impostos Imposto s/ Tabaco
Concorrência Regulação Instituto das
Imperfeita Comunicações de
Portugal
Informação Regulação Direcção Geral de
Assimétrica Defesa do
Consumidor
17
Formas de Produção e Provisão

Produção: Entidade responsável


pela produção/manutenção do bem.

Provisão: Forma de os cidadãos


terem acesso ao bem.

18
Formas de Produção e Provisão
Provisão pública
•Financiada pelo orçamento de uma entidade
pública (Estado ou autarquia local);
•Os utilizadores não pagam um preço pela sua
utilização (o financiamento é indirecto, através
dos impostos).
Provisão privada
•Financiada através de um preço ou tarifa, que
deverá ser semelhante ao custo marginal ou
médio de produção;
•É o utilizador o pagador do bem ou serviço.
19
Formas de Produção e Provisão

Produção pública
É aquela cujo processo produtivo ou a
manutenção é assegurada por uma
entidade pública.

Produção privada
É a que é assegurada por empresas
privadas.
20
Formas de Produção e Provisão

Existem 4 combinações possíveis:

Provisão

Privada Pública

Produção Privada 1 3

Pública 2 4

21
2. As Despesas Públicas

2.3. Despesas públicas e equidade


2.3.1. A redistribuição do rendimento óptima
2.3.2. Bens de mérito
2.3.3. Conflito equidade/eficiência

Bibliografia

Livro Economia e Finanças Públicas, Pereira et al, Parte II – ponto


3.3/4

22
Redistribuição do rendimento óptima
 O mercado leva a uma distribuição de
rendimentos e de bem-estar entre os
indivíduos, em muitos casos, não considerada
desejável do ponto de vista ético

 Da mesma forma que o sistema político


(governo) intervém no mercado para melhorar
a eficiência também pode actuar sobre a
distribuição que resulta do livre funcionamento
do mercado.
23
Redistribuição do rendimento óptima

Hipóteses simplificadoras:
1. Não há custos de distribuição de
rendimento;
2. O bem-estar só depende do rendimento;
3. A utilidade marginal do rendimento é
decrescente;
4. A capacidade dos indivíduos transformarem
rendimento em bem-estar é idêntica.
24
Redistribuição do rendimento óptima

• O óptimo social é o estado social que,


para além de ser eficiente , maximiza o
bem estar da sociedade .

• A sua selecção exige comparações


interpessoais de utilidade e juízos de valor
éticos sobre equidade ou justiça social.

25
Redistribuição do rendimento óptima
A distribuição de rendimento óptima:

Para os Utilitaristas – É a que maximiza o


bem estar global da sociedade: o que se
verifica quando as utilidades marginais do
rendimento são iguais

Para o Rawlsianismo – É a que maximiza o


bem estar dos que estão pior na sociedade:
o que se verifica quando as utilidades totais
de cada indivíduo são iguais.
26
Bens de Mérito

• Características técnicas dos bens privados;

• Considera-se aconselhável o seu consumo;

• A sua classificação depende de decisão


política;

• Conflito entre os critérios de equidade e


eficiência. (custos de distribuição, preço
aabixo do custo marginal)

Exemplo: Fornecimento gratuito de água a idosos,


estudantes e desempregados por um SMAS.
27
Tipologias de Intervenção Pública
(Equidade)
Tipo de Objectivo p/ Tipo de Intervenção Exemplos
promover Justiça Pública
Social
Promoção de Despesa pública em Provisão pública:
Igualdade de bens de mérito Escolaridade
Oportunidades básica
Cuidados de saúde
primários
Diminuição da Tributação e Despesa Tributação
Desigualdade na com Prestações progressiva s/ IRS
Repartição de Sociais
Rendimento Pensões SS
Diminuição do risco Despesa com Subsídios de
individual através da Prestações Sociais Desemprego,
partilha de risco doença, invalidez

28