Você está na página 1de 5

A MUDANÇA NO DISCURSO DO EX-PRESIDENTE LULA: BREVE ANÁLISE

DE TEXTOS CHARGÍSTICOS
Fernando Soares Ferreira de Santana

Texto I Texto II

Este trabalho tem por finalidade analisar duas materialidades textuais, ambas no
gênero charge. Através da análise foi notável que ambos os textos possuem a mesma
matriz discursiva, fazendo presente neles o discurso político, que leva em consideração o
discurso contraditório do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva com
relação ao discurso da época em que ele era sindicalista.
A charge é um gênero famoso por carregar críticas que em sua maioria são
direcionadas a autoridade políticas. De forma a ironizar e metaforizar o assunto, a charge
satiriza grandes polêmicas nas quais essas autoridades se envolvem. Sendo assim, pelo
discurso contido nas charges, podemos saber a formação discursiva do autor que a
produziu.
A primeira charge é de autoria de Simon Taylor: ilustrador e designer gráfico, seus
desenhos possuem grande influência na cidade de Curitiba. Cícero Lopes, autor da
segunda charge, é um jornalista, ilustrador e designer gráfico. Através de suas criações,
vemos que ambos são contra o governo Lula pois através da charge podemos determinar,
pela crítica contida, a posição ideológica política do indivíduo.

No primeiro texto, observamos uma figura espelhada do ex-presidente Lula. De


um lado ele diz “CPI ou MORTE”, do outro “MORTE à CPI” (a sigla CPI refere-se à
Comissão Parlamentar de Inquérito). Vemos aí uma interdiscursividade da fala do
presidente com a fala de D. Pedro I, que às margens do Ipiranga deu o grito de
“Independência ou morte! ”. Observamos também o título da charge, que diz “Quem te
viu, quem te vê...”, que se trata de um ditado popular que significa que alguém mudou
muito ou completamente e, também, há uma intertextualidade com a música “Quem te
viu” da banda Ratos de Porão. A música faz uma crítica ao presidente Lula (inclusive
citando seu nome), sobre suas promessas e comparando a figura de oposição do Lula com
sua figura atual.
Para efeito de comparação, chamaremos a figura que representa o presidente de
“Lula presidente” e a figura que o representa mais jovem de “Lula sindicalista”, que são
as posições sociais que o ex-presidente ocupou e que são contrarias.
Ainda na primeira charge, apesar de estar discreto, nos chama atenção o fato de
um personagem, dentro do bolso do Lula presidente, que está representado o ex-
presidente e senador José Sarney. Ele se envolveu em várias polemicas ao longo de sua
vida política, dentre elas está a de seu Neto, João Fernando, de apenas 20 anos, que havia
sido colocado como secretário parlamentar de um senador e não comparecia no Senado
por quase 2 anos. Sarney tem um grande histórico de trazer parentes para o Senado, se
aproveitando de seu cargo para beneficiar familiares. Lula o ajudou, mantendo Sarney na
presidência do Senado apesar de tudo em que o ex-senador se envolveu, porém, Lula se
dizia adversário Político de Sarney em 1989, sendo contra suas atitudes políticas. O fato
de Sarney estar no bolso de lula, nos remete a expressão “colocar no bolso”, que significa
se sobressair em relação a outra pessoa.
No segundo texto, identificamos novamente uma comparação da imagem do Lula
sindicalista com o Lula presidente. Observemos que o personagem que representa o
sindicalista não acredita que aquele que está a sua frente trata-se dele mesmo. Enquanto
ele segura uma placa que mostra sua oposição à CPMF (Contribuição Provisória Sobre
Movimentação Financeira), o Lula presidente possui um broche com a respectiva sigla,
mostrando assim seu apoio ao imposto. A resposta do Lula presidente é “Metamorfose
política, meu caro ambulante”, fazendo uma referência à música “Metamorfose
ambulante” do cantor e compositor Raul Seixas. A música fala sobre mudança de opinião,
inclusive, em uma parte da letra, o cantor diz: “Eu quero dizer agora o oposto do que eu
disse antes”, apontando essa divergência existente no discurso.
O site Dicionário Online de Português (DICIO) traz a definição de Metamorfose
como sendo uma “Mudança ou alteração completa no aspecto, natureza ou estrutura de
alguém ou de alguma coisa; transformação. ” (2018). Em entrevista o próprio presidente
fez referência da sua mudança de opinião à música de Raul Seixas, dizendo: “Eu não
tenho vergonha e muito menos tenho razão para não dizer que eu mudo de posição e há
muito tempo eu digo que prefiro ser considerado uma metamorfose ambulante, ou seja,
mudando à medida que as coisas mudam” (SILVA apud PARIZ, 2007).
Na mesma entrevista ele declara que precisou “[...]chegar à presidência da
República para perceber que é mais fácil ser oposição do que governo[...]"(SILVA apud
PARIZ, 2007). Através desse enunciado também, inferimos que o presidente afirma que
a oposição não sabe o que é bom ou ruim para o país por não estar na posição de governo.
Para o leitor desvendar aquilo que está inserido debaixo das cobertas dos
enunciados, ele deve ter condições históricas, acompanhando as notícias e trajetória do
ex-presidente Lula, sindicalista e um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT),
o maior partido político esquerdista da América Latina. Antes de ser presidente do Brasil,
em sua juventude, Lula foi presidente do sindicato dos metalúrgicos em 1975 e, três anos
depois, liderou a primeira greve de operários do ABC paulista durante o regime militar.
Em 1986 foi eleito deputado federal, tendo o maior número de votações de todo o
país e ao atingir a presidência, em 2002, Lula bate mais uma vez recordes em votações,
mostrando assim que ele era um uma figura bem vista e que representava a vontade da
população. Lula foi reeleito em um segundo mandato e, apesar das polêmicas envolvendo
seu nome em escândalos de corrupção, pretende se reeleger a presidência do país em
2018.
O presidente já foi investido em algumas CPI, e é a favor da CPMF, que é um
imposto sobre transações financeiras que ajudaria a arrecadar dinheiro para a saúde, já
utilizado anteriormente. Na época em que era sindicalista, o próprio ex-presidente
confirma que era contra a CPMF, e inclusive convenceu o PT a votar contra ao imposto.
O governo, em 2008, pretendia retomar esse imposto com a nomenclatura de
Contribuição Social para a Saúde (CSS) mas a proposta não foi aprovada. Mais uma vez
insistiram na volta de um imposto que substituísse a CPMF no governo Dilma, o que não
aconteceu.
A mudança de posição rendeu ao ex-presidente muito poder, influência e
lucratividade:

“A despeito de ter elegido o discurso do nós contra eles, de alegar sofrer ódio
da elite por ser nordestino e pobre, Lula tornou-se um milionário com relativa
facilidade. Segundo a Receita Federal, seu instituto, criado para agenciar
palestras e outros eventos relacionados à sua figura, já movimentou R$ 52
milhões, tendo um faturamento alegado com as mesmas palestras, além de
doações de empresas, no valor de R$ 27 milhões. ” (HERMES, 2017).
Podemos inferir que o discurso do ex-presidente está sendo comparado com o
discurso que proferia antes de se tornar presidente, fazendo o texto uma relação com o
Lula sindicalista e o Lula presidente. A ideia desta visão espelhada na primeira charge
reforça a comparação do presidente com o sindicalista.

CONCLUSÃO

Observamos o quão impactante pode ser a mudança de deposição de um sujeito


na sociedade. Utilizando recursos variados de intertextualidade e interdiscursividade, os
autores das charges mostram essa mudança de forma caricata.
O lugar social que o indivíduo ocupa determina sua posição subjetiva. Os
enunciados vêm a partir de sua formação discursiva, que por sua vez está inserida em sua
ideologia. Vemos que, quando Lula muda de posição, muda também o seu discurso. Ele
agora não é mais um homem “do povão” pois ele mudou sua condição, ele não sente mais
na pele as injustiças que os brasileiros sofrem todos os dias, devido a seus privilégios e
podemos dizer que, portanto, deixou de ser aquele ativista que era no início, se
envolvendo agora em escândalos e denotando o papel corruptivo da política do país.

REFERÊNCIAS

CAVALLINI, Marta; LAPORTA, Taís. Entenda o que é a CPMF e como ela afeta
sua vida. Disponível em: <http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/09/entenda-o-
que-e-cpmf-e-como-ela-afeta-sua-vida.html>. Acesso em: 18 de jan. 2018.

DICIO. Metamorfose, 2018. Disponível em


<https://www.dicio.com.br/metamorfose/>. Acesso em: 18 de jan. 2018.

HERMES, Felippe. As 6 maiores contradições de Lula que nenhum petista gosta de


assumir, 2017. Disponível em: <https://spotniks.com/as-6-maiores-contradicoes-de-
lula-que-nenhum-petista-gosta-de-assumir/>. Acesso em: 18 de jan. 2018.

LETRAS DE MÚSICAS. Metamorfose Ambulante - Raul Seixas. Disponível em:


<https://www.letras.mus.br/raul-seixas/48317/>. Acesso em: 18 de jan. 2018.
LETRAS DE MÚSICAS. Quem Te Viu - Ratos de Porão. Disponível em:
<https://www.letras.mus.br/ratos-de-porao/755812/>. Acesso em: 19 de jan. 2018.

PARIZ, Tiago. Lula: 'Prefiro ser considerado uma metamorfose ambulante', 2007.
Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL205291-
9356,00.html>. Acesso em: 18 de jan. 2018.

UOL EDUCAÇÃO. Luiz Inácio Lula da Silva, 2018. Disponível em:


<https://educacao.uol.com.br/biografias/luiz-inacio-lula-da-silva.jhtm>. Acesso em: 18
de jan. 2018.