Você está na página 1de 129

 

1. AS ESCALAS DE DESEMPENHO

O desempenho dos alunos no SARESP 2008 foi colocado nas mesmas escalas do SAEB. Uma
escala é uma maneira de medir resultados de forma ordenada onde são arbitradas a origem e a
unidade de medida. As escalas de proficiências do SAEB e adotadas na Prova Brasil 2005
ordenam os desempenhos dos alunos do menor para o maior em um continuum.
A explicação da origem da escala e dos intervalos é facilitada quando se utiliza uma analogia
entre a escala de proficiência do SAEB com outra escala conhecida, por exemplo, a escala
Celsius. Estabelecendo paralelos entre a escala de proficiência e a escala Celsius, os
pesquisadores da Fundação Cesgranrio (Fundação Cesgranrio, 2001), vêm apresentando a figura
de um termômetro utilizado para medir a temperatura corporal, por ser este um instrumento
conhecido em geral pela população.

Termômetro

Na escala Celsius, a origem é o ponto de fusão da água (0 graus) e o seu extremo 100 graus é o
ponto de ebulição. Esta escala é graduada em centígrados. O termômetro, utilizado para medir a
temperatura corporal de uma pessoa – cuja temperatura basal é aproximadamente de 36 graus,
costuma apresentar os valores que vão dos 35 graus aos 42 graus.
Assim, se em uma situação o termômetro acusar uma temperatura de 37 graus, interpreta-se que
a pessoa em questão está febril, mas se o resultado obtido for 40 graus, a interpretação seria
outra, indicando necessidade de medidas adequadas para a temperatura voltar aos níveis de
normalidade.
No SAEB, a origem e a unidade de medida da escala foi arbitrada como a média e o desvio
padrão da distribuição do desempenho dos alunos da 8ª série, no ano de 1997, ou seja, o valor de
250 para a média e o desvio-padrão de 50.
A exemplo do termômetro (na escala Celsius), cujos pontos marcados vão de 35 graus a 42
graus, a escala do SAEB vai de 0 a 500. Esses valores numéricos são arbitrados e poderiam ser
escolhidos outros. No SAEB, na primeira vez em 1995, que os resultados foram apresentados em
escalas, evitou-se utilizar escalas numéricas usualmente empregadas pelos professores como as
de 0 a 100 ou de 0 a 10, para marcar diferenças do seu significado.
A cumulatividade e o sentido da ordenação de escala de proficiência são conceitos que também
podem ser ilustrados com níveis de temperatura, pois se uma pessoa tem uma temperatura
corporal medida de 38 graus, significa que sua temperatura saiu dos níveis de aproximadamente
36.5 graus e chegou ao valor medido. A escala de proficiência do SAEB (ou de outras avaliações
de desempenho de alunos que utilizam a Teoria da Resposta ao Item - TRI) também apresenta
valores numéricos para ordenar o desempenho dos alunos. Quanto maior o ponto da escala,
melhor o desempenho.
Outra observação importante é que a escala do SARESP é comum às quatro séries avaliadas –
4ª, 6ª e 8ª do Ensino Fundamental e 3ª do Ensino Médio. Foi possível obter uma escala única
porque os alunos da 6ª série responderam a alguns itens apresentados nos cadernos de teste de
4ª série, os de 8ª série itens de 6ª série e os da 3ª série do EM responderam a alguns itens
apresentados nos cadernos de 8ª série.
Um exemplo da escala de desempenho em Língua Portuguesa com seus valores numéricos é
apresentado a seguir. Essa escala foi interpretada em 12 níveis e aqueles recomendados pelo
SARESP para as séries estão assinalados.

1
 

ESCALA DE DESEMPENHO: LÍNGUA PORTUGUESA – PROVA BRASIL/SAEB 2007

6ª série 3ª série EM
4ª série 8ª série

0 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 500

Nas escalas de proficiências, são escolhidos pontos para interpretar as habilidades que os alunos
demonstram possuir quando seus desempenhos estão situados ao redor daquele ponto ou nível.
Os pontos da escala do SAEB foram arbitrados para conter o ponto 250 e a distância entre si de
meio desvio padrão.
Como já foi dito anteriormente, os números 125, 150, 250 etc não tem qualquer significado da
mesma maneira que a nota 7 ou o conceito B só faz sentido para o professor que elaborou
questões, aplicou e corrigiu as provas: Entretanto, como o SARESP utilizou uma grande
quantidade de itens para avaliar o desempenho dos alunos em uma série, área curricular ou
disciplina - cerca de 104 - e seria inadequado apresentá-los um a um para explicar os resultados
obtidos, foi desenvolvida uma metodologia de interpretação dos níveis das escalas mediante a
descrição dos conteúdos e habilidades que os alunos demonstraram possuir, quando acertam
determinados itens aplicados.

2. OS RESULTADOS ESTATÍSTICOS DOS ITENS


Os itens aplicados no SARESP estão acompanhados dos seus resultados estatísticos.
Os resultados estatísticos obtidos pela Teoria Clássica dos Testes (TCT) têm a seguinte
interpretação:

DISCR: Índice de Discriminação


é a diferença entre os percentuais de acerto
dos 27% de alunos de melhor desempenho e
dos 27% de alunos de pior desempenho. Um índice de
discriminação muito baixo (menor que .25) significa
que o item não separou adequadamente os alunos de
melhor e pior desempenho. Um índice de Coeficientes Bisseriais:
discriminação negativo indica que os alunos de pior são os coeficientes de correlação
Ordem do desempenho tiveram um percentual bisserial por alternativa. Na
item no bloco. de acerto maior do que os de alternativa do gabarito ele deve ser
melhor desempenho. Proporções de Resposta: positivo e nas outras alternativas,
Resposta são os percentuais de negativo.
Número correta do escolha por opção de
do item na
item. resposta A, B, C e D.
prova.

ÍNDICES PROPORÇÕES DE RESPOSTA COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB
DIFI DISCR ABAI ACIM BISSE A B C D "" "." A B C D "" "."
10 1 10 D .36 .57 .12 .69 .61 .29 .12 .12 .36 .05 .05 -.14 -.20 -.23 .61 -.33 -.59

Bloco. BISE: É o coeficiente


DIFI: Índice de de correlação bisserial entre o
Dificuldade é o percentual acerto no item e o número de Proporção de
de acertos na questão. Itens com acertos na prova. Esse respostas em branco
índice de dificuldade acima de .65 coeficiente deve ser maior que neste item.
são considerados fáceis e os .30 para o item ser
abaixo de .30, difíceis. considerado bom.
ABAI-ACIM: Abaixo e
acima indicam, respectivamente,
os percentuais de acerto no grupo
de pior desempenho e no de
melhor desempenho.

2
 

Além das estatísticas clássicas


serão apresentadas também as
estatísticas obtidas pela Teoria da
Resposta ao Item (TRI). Esta teoria
modela a probabilidade de acerto em
função da proficiência (habilidade)
do aluno e das características do
item. Esta função deve ser
crescente, isto é, quanto maior a
proficiência, maior a probabilidade
de acerto do item. A modelagem
utilizada no SAEB para o item de
múltipla escolha é uma função
logística de três parâmetros
chamada de curva característica do
item, que pode ser vista no gráfico
ao lado.
Legenda: Por 4=Língua Portuguesa – 4ª Série; It 10=Item 10; Bl 1=Bloco 1;
Ob 10=Ordem 10 no bloco; Ibg 465=Número do item no Programa Bilog;
a, b e c=Parâmetros da função logística de 3 parâmetros

O eixo horizontal no gráfico é a proficiência e o eixo vertical é a probabilidade de acerto que varia de 0
a 1. Traçando-se uma linha vertical em uma proficiência, na intersecção desta linha com a curva
característica do item, obtém-se o valor da probabilidade de acerto no item para um aluno com aquela
proficiência. O percentil 10 da distribuição de proficiências é o ponto abaixo do qual estão 10% da
população de alunos e acima dele 90%. Por exemplo, entre o percentil 10 e o percentil 90 encontram-
se 80% dos alunos. É importante acrescentar que quanto mais para a direita está a curva
característica do item, mais difícil é o item.
O outro gráfico apresentado junto com os exemplos de itens mostra as curvas de proporção de
respostas por alternativa (A, B, C, D ou E).

3. OS ITENS APLICADOS NO SARESP 2008 COM SUAS CLASSIFICAÇÕES


NOS NÍVEIS NA ESCALA

3
LÍNGUA PORTUGUESA - 8ª Série EF

Nível 225
 
 
 
 
Leia o texto para responder à questão.

A Originalidade das Línguas Indígenas Brasileiras*

A lentidão com que se tem desenvolvido a pesquisa científica das línguas indígenas no Brasil
revela-se extremamente grave quando se verifica que essas línguas, desde o descobrimento do Brasil
pelos europeus, têm estado continuamente submetidas a um processo de extinção (ou mesmo de
exterminação) com conseqüências extremamente graves. Hoje há cerca de 180 línguas indígenas neste
país, mas estas são apenas 15% das mais de mil línguas que se calcula terem existido aqui em 1500.

Quase todas as línguas indígenas que se falavam nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil
desapareceram, assim como desapareceram quase todas as que se falavam na calha do rio Amazonas.
Essa enorme perda quantitativa implica, naturalmente, uma grande perda qualitativa. Línguas com
propriedades insuspeitadas desapareceram sem deixar vestígios, e provavelmente algumas famílias
lingüísticas inteiras deixaram de existir. As tarefas que têm hoje os lingüistas brasileiros de documentar,
analisar, comparar e tentar reconstruir a história filogenética das línguas sobreviventes é, portanto, uma
tarefa de caráter urgente urgentíssimo. Muito conhecimento sobre as línguas e sobre as implicações de
sua originalidade para o melhor entendimento da capacidade humana de produzir línguas e de comunicar-
se ficará perdido para sempre com cada língua indígena que deixa de ser falada.

*Conferência feita por Aryon D. Rodrigues, lingüista e professor da Universidade de Brasília (UnB), na inauguração do
Laboratório de Línguas Indígenas do Instituto de Letras da Universidade de Brasília, em 8 de julho de 1999.
Fonte: RODRIGUES, Anyon D. A originalidade das línguas indígenas brasileiras. [conferência realizada na inauguração
do Laboratório de Línguas Indígenas do Instituto de Letras da universidade de Brasília]. Brasília, DF, 1999. Disponível
em: <http://www.comciencia.br/reportagens/framereport.htm>. Acesso em: 4 ago. 2008.

O autor defende que o trabalho dos lingüistas sobre línguas indígenas brasileiras é urgente
urgentíssimo, apresentando o seguinte argumento:

A) a quantidade de línguas indígenas no Brasil diminuiu em 15% desde 1500.


B) as línguas indígenas do Brasil podem desaparecer antes de serem estudadas.
C) as línguas indígenas brasileiras desaparecem com muita rapidez.
D) os lingüistas nunca estudaram as línguas indígenas do Brasil.

4
H13 - Localizar um argumento utilizado pelo autor para defender sua tese, em um texto argumentativo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
2 1 2 B 0.33 0.36 0.17 0.52 0.41 0.36 0.33 0.25 0.06 0.01 0.00 -0.28 0.41 0.00 -0.31 -0.37 0.00

SP08 Por 8 It 2 Bl 1 Ob 2 Ibg 86 a= 0.031 b= 306.142 c= 0.208 SP08 Por 8 It 2 Bl 1 Ob 2 Ibg 86


curva de informacao com parametros originais a= 1.693 b= 1.019 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
B
probabilidade

0.5

0.5
A
A A B
0.4

0.4
A A
B
0.3

0.3
C C
B C
B C
A
C B
C B
C
0.2

0.2
C
D A
D
0.1

0.1
D C
A
D D A
D D D
0.0

0.0
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.29 0.25 0.22 0.22 0.25 0.32 0.44 0.6 0.75 0.87 1 0 0 0

5
Leia o texto para responder à questão.

Novo sistema permite que robô substitua pessoas em trabalhos de resgate


Projeto da empresa espanhola Robotnik foi apresentado no "Dia da Robótica" na Campus Party, em Valência
Da EFE - 02/08/2008, 12:38

Valência (Espanha), 2 ago (EFE). - O mais avançado sistema de "telepresença" permite ao novo
robô Rescuer imitar os movimentos exatos de um operador que o comanda e facilitar, assim, os trabalhos
de resgate, segurança e vigilância em situações perigosas, como vazamentos de gás e grandes
concentrações de fumaça. O robô Rescuer foi projetado para participar de resgates, já que é capaz de
entrar em lugares inacessíveis para as pessoas e realizar tarefas a distância. Seus destinatários "naturais"
são corpos de segurança como a Guarda Civil e Defesa Civil, mas seus criadores dizem que as
aplicações desse projeto são "ilimitadas". Composto por uma plataforma móvel, dois braços articulados
com mãos e uma cabeça com duas câmeras de vídeo, o Rescuer apresenta como novidade as técnicas
mais avançadas de teleoperação, graças a um dispositivo de captura de dados usado pelo operador e que
permite ao robô imitar com exatidão seus movimentos. Em comparação a outros produtos similares, o
Rescuer oferece uma arquitetura modular que, na prática, se traduz em grande versatilidade.
"O Rescuer é fornecido com o código aberto, ou seja, o usuário final tem acesso a todo o código, já
que seu software não é um sistema fechado e, por isso, pode acoplar novos dispositivos ou prescindir dos
que não forem úteis", explicou à Agência Efe o diretor-gerente da Robotnik, Roberto Guzmán.

Fonte: NOVO sistema permite que robô... Abril Notícias, São Paulo, 2 ago. 2008. Disponível em:
<http://www.abril.com.br/noticia/tecnologia/no_292815.shtml >. Acesso em: 20 ago. 2008.

Segundo o texto, quais são as funções do novo robô espanhol?

A) Resgatar bombeiros em situações perigosas.


B) Entrar em lugares inacessíveis para as pessoas e realizar tarefas a distância.
C) Criar códigos de acesso e técnicas de teleoperação.
D) Capturar dados do seu operador com versatilidade.

6
H5 - Localizar itens de informação explícita, relativos à descrição de características de determinado objeto,
fenômeno, cenário, época ou pessoa.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
21 3 5 B 0.63 0.60 0.31 0.91 0.59 0.17 0.63 0.11 0.08 0.01 0.00 -0.39 0.59 -0.37 -0.29 -0.36 -0.38

SP08 Por 8 It 21 Bl 3 Ob 5 Ibg 99 a= 0.03 b= 212.755 c= 0.15 SP08 Por 8 It 21 Bl 3 Ob 5 Ibg 99


curva de informacao com parametros originais a= 1.627 b= -0.676 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B B
0.9

0.9
B

B
0.8

0.8
0.7

0.7
B

proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
A
A
0.3

0.3
C
B A
C
0.2

0.2
D
D C A
D
0.1

0.1
B C
D A
C
D A
D
C D
A
C D
C
A
0.0

0.0
D
C
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.1 0.25 0.48 0.69 0.82 0.9 0.95 0.97 0.99 1 0 0 0

7
Leia o texto para responda à questão.

CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DA SAÚDE

Portaria MS nº 675, de 30 de março de 2006


Primeiro Princípio: Todo cidadão tem direito a ser atendido com ordem e organização.
Segundo Princípio: Todo cidadão tem direito a ter um atendimento com qualidade.
Terceiro Princípio: Todo cidadão tem direito a um tratamento humanizado e sem nenhuma
discriminação.
Quarto Princípio: Todo cidadão deve ter respeitados os seus direitos de paciente.
Quinto Princípio: Todo cidadão também tem deveres na hora de buscar atendimento de saúde.
Sexto Princípio: Todos devem cumprir o que diz a carta dos direitos dos usuários da saúde.
Fonte: BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS nº 675, de 30 de março de 2006. Carta dos direitos dos usuários da
saúde. Brasília, DF, 2006.

Uma pessoa que deixe de ser atendida em um hospital qualquer, porque está suja e mal vestida,
pode formular sua reclamação com base no seguinte princípio da Carta dos Direitos dos Usuários de
Saúde:
A) Primeiro Princípio.
B) Quinto Princípio.
C) Terceiro Princípio.
D) Segundo Princípio.
H7 - Localizar informações explícitas no texto, com o objetivo de solucionar um problema proposto.
ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS
ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
29 4 5 C 0.70 0.60 0.34 0.95 0.63 0.10 0.09 0.70 0.09 0.01 0.00 -0.46 -0.40 0.63 -0.37 -0.33 -0.28

SP08 Por 8 It 29 Bl 4 Ob 5 Ibg 105 a= 0.032 b= 197.656 c= 0.1 SP08 Por 8 It 29 Bl 4 Ob 5 Ibg 105
curva de informacao com parametros originais a= 1.788 b= -0.95 Gabarito: C
1.0

1.0

C C
C
C
0.9

0.9

C
0.8

0.8

C
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
0.4

0.4

A
0.3

0.3

B A
D C
B
D
0.2

0.2

A
D
B
0.1

0.1

D
B
A
C
D
B
A B
D
0.0

A B
A
D
0.0

B
A
D B
A
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.06 0.24 0.55 0.78 0.89 0.95 0.97 0.99 1 1 0 0 0

8
Leia a informação a seguir para responder à questão.

Regra
Usa-se Ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em -TO, -TOR e -TIVO.

Qual a alternativa apresenta um grupo de palavras que pode ilustrar essa regra?

A) Canto – canção; Infrator – infração; Relativo – relação.


B) Conter – contenção; Manter – manutenção; Reter – retenção.
C) Lance – lançar; Desenlace – desenlaçar; Abraço – abraçar.
D) Exportar – exportação; Abdicar – abdicação; Abreviar – abreviação.

H27 - Aplicar conhecimentos relativos a regularidades observadas em processos de derivação como


estratégia para solucionar problemas de ortografia, com base na correlação entre definição/exemplo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
58 8 2 A 0.69 0.46 0.45 0.91 0.54 0.69 0.12 0.10 0.08 0.01 0.00 0.54 -0.36 -0.39 -0.28 -0.33 0.00

SP08 Por 8 It 58 Bl 8 Ob 2 Ibg 128 a= 0.025 b= 202.047 c= 0.166 SP08 Por 8 It 58 Bl 8 Ob 2 Ibg 128
curva de informacao com parametros originais a= 1.356 b= -0.87 Gabarito: A
1.0

1.0

A
A
A
0.9

0.9

A
A
0.8

0.8

A
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
0.4

0.4

A
B
0.3

0.3

C
B
C
0.2

0.2

D B
A D C
D B
0.1

0.1

C
D B
D
C B
D
C B
D
C D
B
C B
0.0

0.0

D
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.15 0.36 0.57 0.72 0.82 0.89 0.94 0.97 0.99 1 0 0 0

9
MIGUILIM

De repente lá vinha um homem a cavalo. Eram dois. Um senhor de fora, o claro da roupa. Miguilim
saudou, pedindo a bênção. O homem trouxe o cavalo cá bem junto. Ele era de óculos, corado, alto, com
um chapéu diferente, mesmo.
– Deus te abençoe, pequeninho. Como é teu nome?
– Miguilim. Eu sou irmão de Dito.
– E seu irmão Dito é dono daqui?
– Não, meu senhor. O Ditinho está em glória.
O homem esbarrava o avanço do cavalo, que era zelado. Manteúdo, formoso como nenhum outro.
Redizia:
– Ah, não sabia, não. Deus o tenha em sua guarda... Mas, o que é que há, Miguilim?
Miguilim queria ver se o homem estava mesmo sorrindo para ele, por isso é que o encarava.
– Por que você aperta os olhos assim? Você não é limpo da vista? Vamos até lá. Quem é que está
em tua casa?
– É Mãe, e os meninos...
Estava Mãe, estava Tio Terêz, estavam todos. O senhor alto e claro se apeou. O outro, que vinha
com ele, era um camarada. O senhor perguntava à Mãe muitas coisas do Miguilim. Depois perguntava a
ele mesmo: – “Miguilim, espia daí: quantos dedos da minha mão você está enxergando? E agora?”
Miguilim espremia os olhos. Drelina e a Chica riam. Tomezinho tinha ido se esconder.
– Este nosso rapazinho tem a vista curta. Espera aí, Miguilim...
E o senhor tirava os óculos e punha-os em Miguilim, com todo o jeito.
– Olha, agora!
Miguilim olhou, nem não podia acreditar! Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as
coisas, as árvores, as caras das pessoas. Via os grãozinhos de areia, a pele da terra, as pedrinhas
menores, as formiguinhas passeando no chão, de uma distância. E tonteava.

Fonte: ROSA, João Guimarães. Miguilim. In:______. Manuelzão e Minguilim. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

O homem “de óculos, corado, alto, com um chapéu diferente, mesmo”, o doutor José Lourenço, tem
um papel muito importante na vida da personagem Miguilim, pois é ele quem

A) vende ao menino uns óculos que o levam a enxergar.


B) descobre que o menino tem problemas de visão.
C) ensina o menino a ler e a escrever com óculos.
D) fala com a mãe do menino que ele precisa fazer uma cirurgia.

10
H37 - Inferir o papel desempenhado pelas personagens em uma narrativa literária.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
63 8 7 B 0.69 0.51 0.42 0.93 0.59 0.13 0.69 0.10 0.07 0.01 0.00 -0.32 0.59 -0.43 -0.41 -0.33 -0.36

SP08 Por 8 It 63 Bl 8 Ob 7 Ibg 131 a= 0.03 b= 202.105 c= 0.119 SP08 Por 8 It 63 Bl 8 Ob 7 Ibg 131
curva de informacao com parametros originais a= 1.635 b= -0.869 Gabarito: B
1.0

1.0
B B
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4
C
A
0.3

0.3
B
A
D C
0.2

0.2
D A
C
D A
0.1

0.1
B C A
D C A
D D
C A
C A
0.0

0.0
D D
C D
C
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.08 0.27 0.52 0.74 0.86 0.93 0.96 0.98 0.99 1 0 0 0

11
Leia as instruções do percurso e responda à questão.

Rota a pé para Praça da Sé - São Paulo - SP


2,0 km – aprox. 25 minutos

Estação da Luz
Bom Retiro, São Paulo - SP

1. Siga na direção leste na R. Mauá em direção à Av. Cásper Líbero 0,1 km

2. Vire à direita na Av. Cásper Líbero 0,7 km

3. Vire à esquerda no Viaduto Santa Efigênia 0,3 km

4. Vire à direita no Largo São de Bento 51 m

5. Vire à esquerda para permanecer no Largo São de Bento 58 m

6. Continue na R. Boa Vista 0,3 km

7. Continue no Viaduto Boa Vista 0,1 km

8. Continue na Travessa Pátio do Colégio 0,1 km

9. Continue na R. Santa Teresa 83 m


Praça da Sé
Centro, São Paulo - SP

Fonte: MAPS. Google. Disponível em:


<http://maps.google.com.br/maps/mm?utm_campaign=pt_BR&utm_source=pt_BR-ha-latam-br-sk-
mm&utm_medium=ha&utm_term=mapa>. Acesso em: 31 jul. 2008.

O uso dos verbos na terceira pessoa do singular do modo imperativo afirmativo mostra a intenção de
instruir e influenciar a ação do leitor, mas também cria o efeito de

A) aconselhamento.
B) imobilidade.
C) afetividade.
D) integração.

12
H23 - Identificar o efeito de sentido produzido em um texto pelo uso de determinadas categorias gramaticais
(gênero, número, casos, aspecto, modo, voz etc.).

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
69 9 5 A 0.67 0.42 0.46 0.87 0.44 0.67 0.10 0.08 0.13 0.01 0.00 0.44 -0.30 -0.38 -0.18 -0.34 -0.38

SP08 Por 8 It 69 Bl 9 Ob 5 Ibg 135 a= 0.015 b= 181.64 c= 0.046 SP08 Por 8 It 69 Bl 9 Ob 5 Ibg 135
curva de informacao com parametros originais a= 0.846 b= -1.241 Gabarito: A
1.0

1.0
A
0.9

0.9
A
A
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
A

proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
A
0.4

0.4
0.3

0.3
C
B
D
0.2

0.2
A B
D
C
D
B
C D D
0.1

0.1
B D D
C B D
B D
C B B
C C C B
C
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.2 0.41 0.59 0.7 0.77 0.82 0.86 0.89 0.91 0.88 0 0 0

13
Leia o texto para responder à questão.

81% dos brasileiros apóiam lei contra fumo

Entre os fumantes, 64% defendem rigor contra cigarro, segundo pesquisa nacional Datafolha
realizada na última semana
Nível de aprovação ao projeto que veta cigarro em ambientes fechados em SP é parecido em
relação a sexo, idade, escolaridade e renda
Ricardo Westin
da Reportagem Local

Uma pesquisa nacional feita pelo Datafolha na semana passada mostra que 81% dos brasileiros
apóiam o projeto de lei que proíbe o fumo em todos os ambientes coletivos fechados do Estado de São
Paulo, incluindo os fumódromos.

O aumento do rigor contra o cigarro é defendido até mesmo pelas pessoas que afirmam "fumar
cigarros, mesmo que de vez em quando". Desse grupo, 64% se dizem favoráveis à proposta. Entre os
não-fumantes, 86% aprovam a idéia.

O projeto foi apresentado à Assembléia Legislativa no final do mês passado. Se for aprovado pelos
deputados estaduais, ficará proibido fumar em bares, boates, restaurantes, hotéis, áreas comuns de
condomínios, shoppings, hospitais e táxis, por exemplo.

Não serão permitidos, em São Paulo, nem mesmo os espaços separados que atualmente
restaurantes e bares reservam aos fumantes. Dessa forma, o cigarro só ficará liberado ao ar livre e dentro
de casa.

Segundo o Datafolha, o nível de aprovação ao projeto é parecido em ambos os sexos, em todas as


faixas etárias, em todos os graus de escolaridade e nas diferentes faixas de renda.

Fonte: WESTIN, Ricardo. 81% dos brasileiros apóiam lei contra fumo. Folha Online, São Paulo, 14 set. 2008. Disponível
em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1409200801.htm>. Acesso em: 30 ago. 2008.

De acordo com os dados apresentados, a opinião dos brasileiros sobre a aprovação da “lei contra o
fumo” é

A) favorável, principalmente entre aqueles que não fumam.


B) desfavorável, principalmente entre os não-fumantes.
C) desfavorável, principalmente entre os mais ricos.
D) favorável, principalmente entre os mais jovens.

14
H17 - Distinguir um fato da opinião pressuposta ou subentendida em relação a esse mesmo fato, em
segmentos descontínuos de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
81 11 1 A 0.69 0.53 0.41 0.94 0.63 0.69 0.13 0.04 0.13 0.01 0.00 0.63 -0.43 -0.42 -0.40 -0.37 0.00

SP08 Por 8 It 81 Bl 11 Ob 1 Ibg 145 a= 0.038 b= 212.065 c= 0.226 SP08 Por 8 It 81 Bl 11 Ob 1 Ibg 145
curva de informacao com parametros originais a= 2.101 b= -0.688 Gabarito: A
1.0

1.0
A A
A
A
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
A
0.4

0.4
B
0.3

0.3
D B
A
D
D
B
0.2

0.2
C
A
C D
B
0.1

0.1
C D
B
C C D
B D
B
0.0

0.0
C C D
C
B D
C
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 225

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.03 0.16 0.29 0.49 0.73 0.88 0.96 0.98 0.99 1 1 0 0 0

15
Nível 250
 

Leia com atenção o fragmento a seguir.

Introdução

O objetivo deste documento é efetuar um relato do treinamento de Power Point solicitado pela Agência
Centro.

O treinamento foi programado, conforme solicitação, para um público-alvo de 16 pessoas, nos dias 14 e
15 de setembro, em instalações da própria agência.

Desenvolvimento

No dia 14, primeiro dia do treinamento, constatou-se, logo ao chegar ao local, a pouca afluência dos
participantes. Dos 16 previstos, achavam-se no local somente 4 empregados.

O trabalho transcorreu normalmente, com adaptações das dinâmicas programadas para atender à
realidade de uma quantidade menor de pessoas do que a prevista.

Conclusão

Podemos concluir que o treinamento realizado foi ao encontro das expectativas dos treinados [...]

Fonte: INTRODUÇÃO. In: GOLD, Miriam. Redação empresarial: escrevendo com sucesso na era da globalização. 3. ed.
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. p. 85. (com cortes)

Em relação ao trecho lido, é correto afirmar que o gênero e a finalidade do texto são
respectivamente:

A) ata; registrar os acontecimentos de uma reunião convocada pela Agência Centro.


B) relatório; narrar os fatos ocorridos em um treinamento de Power Point.
C) crônica; contar a história dos quatro funcionários que compareceram ao treinamento.
D) comunicado; convidar formalmente os funcionários a participar do treinamento.

16
H1 - Identificar a finalidade de um texto, seu gênero e assunto principal.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
1 1 1 B 0.59 0.44 0.37 0.81 0.43 0.17 0.59 0.11 0.12 0.01 0.00 -0.15 0.43 -0.38 -0.24 -0.39 0.00

SP08 Por 8 It 1 Bl 1 Ob 1 Ibg 85 a= 0.018 b= 244.185 c= 0.261 SP08 Por 8 It 1 Bl 1 Ob 1 Ibg 85


curva de informacao com parametros originais a= 1.003 b= -0.105 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
0.3

0.3
A
B
C A
C
0.2

0.2
D D A
C
D A A A
D D A
C
0.1

0.1
A
D A
C
C D
C D C
0.0

0.0
C D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.13 0.26 0.39 0.48 0.58 0.66 0.74 0.81 0.88 0.91 0.99 0 0 0

17
Leia o texto para responder à questão.

Troca de peças: como proceder

Quando um mecânico precisa trocar uma peça do seu carro, deve utilizar uma peça nova original,
ou uma peça que mantenha as especificações do fabricante. O seu mecânico pode usar peça
recondicionada ou usada no conserto do seu carro, mas desde que você o autorize. Desobedecendo a
essas regras, o mecânico, além de pagar os seus prejuízos, comete crime contra as relações de consumo,
cuja pena varia de três meses a um ano de prisão. Nesses casos, a reparação econômica cabe à oficina e
a pena pelo crime é aplicada ao dono ou gerente da oficina e ao mecânico que executou o serviço
sabendo da irregularidade. O que estamos afirmando sobre a troca da peça do seu carro vale para as
demais situações de troca ou utilização de peças nos consertos em geral.
Fonte: RIOS, Josué. Troca de peças: como proceder. In:______. Guia dos seus direitos. São Paulo: Globo, 1998.

O pronome você no texto indica o

A) mecânico de automóveis em questão, a quem o texto se destina.


B) proprietário da oficina de automóveis, principal interessado no assunto.
C) fabricante de peças automobilísticas, alvo de seguidas críticas dos consumidores.
D) proprietário de automóveis, a quem o autor do texto se dirige prioritariamente.

H3 - Identificar o público-alvo provável de um texto, considerando o uso de formas verbais flexionadas no


modo imperativo ou de determinado pronome de tratamento.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
5 1 5 D 0.52 0.62 0.22 0.83 0.69 0.19 0.15 0.13 0.52 0.01 0.00 -0.35 -0.36 -0.39 0.69 -0.36 -0.39

SP08 Por 8 It 5 Bl 1 Ob 5 Ibg 87 a= 0.044 b= 238.776 c= 0.145 SP08 Por 8 It 5 Bl 1 Ob 5 Ibg 87


curva de informacao com parametros originais a= 2.438 b= -0.203 Gabarito: D
1.0

1.0

D D
D
0.9

0.9

D
0.8

0.8

D
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

D
0.4

0.4

A A
0.3

0.3

A
C
B B A
C B
D
C
0.2

0.2

B
D C A
0.1

0.1

D B
C A
B
C A
B
0.0

0.0

C A
C
B A
C
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.08 0.1 0.15 0.23 0.42 0.71 0.9 0.97 0.99 1 1 0 0 0

18
O sufixo – IZAR é empregado para formar alguns verbos derivados de substantivos ou adjetivos. A
palavra que exemplifica essa definição é

A) beleza
B) natureza.
C) informatizado.
D) adesivo.
 
H27 - Aplicar conhecimentos relativos a regularidades observadas em processos de derivação como
estratégia para solucionar problemas de ortografia, com base na correlação entre definição/exemplo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
10 2 2 C 0.59 0.52 0.30 0.82 0.41 0.11 0.23 0.59 0.05 0.01 0.00 -0.16 -0.33 0.41 -0.19 -0.37 0.00

SP08 Por 8 It 10 Bl 2 Ob 2 Ibg 92 a= 0.014 b= 221.86 c= 0.139 SP08 Por 8 It 10 Bl 2 Ob 2 Ibg 92


curva de informacao com parametros originais a= 0.785 b= -0.51 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9

C
C
0.8

0.8

C
C
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6

C
probabilidade

0.5

0.5

C
B
0.4

0.4

C
B
B
0.3

0.3

B
A
0.2

0.2

B
C A
D A B
0.1

0.1

A A A B
A
D D
D B
A A
D D D D B
D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.17 0.37 0.5 0.6 0.67 0.72 0.78 0.85 0.89 0.97 0 0 0

19
 

Fonte: ETANOL, uma atitude inteligente. Veja, São Paulo, n. 2074, p.14-15, 20 ago. 2008.

A expressão “combustível verde” sugere que o etanol, por ser cultivável e renovável, responde bem
às preocupações ecológicas atuais. No texto, o fato de essa expressão vir acompanhada de outra,
entre parênteses, sugere ao leitor que o etanol
A) é um combustível genuinamente brasileiro.
B) apresenta uma cor verde-amarelada.
C) vem de uma planta que tem duas cores em suas folhas.
D) tem um aspecto amarelo esverdeado.

20
H6 - Localizar e relacionar itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
18 3 2 A 0.56 0.62 0.24 0.86 0.53 0.56 0.23 0.11 0.10 0.01 0.00 0.53 -0.30 -0.32 -0.29 -0.33 0.00

SP08 Por 8 It 18 Bl 3 Ob 2 Ibg 98 a= 0.03 b= 245.233 c= 0.27 SP08 Por 8 It 18 Bl 3 Ob 2 Ibg 98


curva de informacao com parametros originais a= 1.645 b= -0.086 Gabarito: A
1.0

1.0
A
A
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
A
0.4

0.4
B B
0.3

0.3
A B
B
C
A
0.2

0.2
C B
D D
C
D B
0.1

0.1
C
D
C
D B
C
D C
D B
C
D B
0.0

0.0
C
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.13 0.21 0.3 0.41 0.54 0.67 0.8 0.9 0.97 0.99 1 0 0 0

21
Leia o texto e responda à questão.

Cem anos de perdão


Clarice Lispector

Quem nunca roubou não vai me entender. E quem nunca roubou rosas, então é que jamais poderá
me entender. Eu, em pequena, roubava rosas.
Havia em Recife inúmeras ruas, as ruas dos ricos, ladeadas por palacetes que ficavam no centro
de grandes jardins. Eu e uma amiguinha brincávamos muito de decidir a quem pertenciam os palacetes.
"Aquele branco é meu." "Não, eu já disse que os brancos são meus." Parávamos às vezes longo tempo, a
cara imprensada nas grades, olhando.
Começou assim. Numa dessas brincadeiras de "essa casa é minha", paramos diante de uma que
parecia um pequeno castelo. No fundo via-se o imenso pomar. E, à frente, em canteiros bem ajardinados,
estavam plantadas as flores.
Bem, mas isolada no seu canteiro estava uma rosa apenas entreaberta cor-de-rosa-vivo. Fiquei
feito boba, olhando com admiração aquela rosa altaneira que nem mulher feita ainda não era. E então
aconteceu: do fundo de meu coração, eu queria aquela rosa para mim. Eu queria, ah como eu queria. E
não havia jeito de obtê-la. Se o jardineiro estivesse por ali, pediria a rosa, mesmo sabendo que ele nos
expulsaria como se expulsam moleques. Não havia jardineiro à vista, ninguém. E as janelas, por causa do
sol, estavam de venezianas fechadas.
Então não pude mais. O plano se formou em mim instantaneamente, cheio de paixão. Mas, como
boa realizadora que eu era, raciocinei friamente com minha amiguinha, explicando-lhe qual seria o seu
papel: vigiar as janelas da casa ou a aproximação ainda possível do jardineiro, vigiar os transeuntes raros
na rua. Enquanto isso, entreabri lentamente o portão de grades um pouco enferrujadas, contando já com o
leve rangido. Entreabri somente o bastante para que meu esguio corpo de menina pudesse passar. E, pé
ante pé, mas veloz, andava pelos pedregulhos que rodeavam os canteiros. Até chegar à rosa foi um
século de coração batendo.
Eis-me afinal diante dela. Paro um instante, perigosamente, porque de perto ela é ainda mais linda.
Finalmente começo a lhe quebrar o talo, arranhando-me com os espinhos, e chupando o sangue dos
dedos.
E, de repente - ei-la toda na minha mão. A corrida de volta ao portão tinha também de ser sem
barulho. Pelo portão que deixara entreaberto, passei segurando a rosa. E então nós duas pálidas, eu e a
rosa, corremos literalmente para longe da casa.
O que é que fazia eu com a rosa? Fazia isso: ela era minha.
Levei-a para casa, coloquei-a num copo d'água, onde ficou soberana, de pétalas grossas e
aveludadas, com vários entretons de rosa-chá. No centro dela a cor se concentrava mais e seu coração
quase parecia vermelho.
Foi tão bom.
Foi tão bom que simplesmente passei a roubar rosas. O processo era sempre o mesmo: a menina
vigiando, eu entrando, eu quebrando o talo e fugindo com a rosa na mão. Sempre com o coração batendo
e sempre com aquela glória que ninguém me tirava.

Fonte: LISPECTOR, Clarice. Cem anos de perdão. In:______. Felicidade Clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

22
Os episódios listados abaixo envolvem a narradora-personagem e estão fora de sua seqüência
lógica.

1 – leva a rosa para casa.


2 – avista uma rosa.
3 – cria um plano para roubar a rosa.
4 – entra no jardim.
5 – brinca com uma amiga nas ruas de Recife.
6 – adquire o costume de roubar rosas.
7 – encanta-se por uma rosa.
8 - rouba a rosa.
9 - dá instruções quanto ao papel da amiga.
10 - coloca a rosa num vaso com água.

A ordem correta em que esses fatos acontecem na narrativa é

A) 1, 2, 5, 4, 3, 6, 7, 9, 10, 8.
B) 5, 2, 7, 3, 8, 9, 1, 10, 4, 6.
C) 5, 2, 7, 3, 9, 4, 8, 1, 10, 6.
D) 2, 7, 3, 5, 8, 1, 10, 6, 9, 4.

H34 - Organizar os episódios principais de uma narrativa literária em seqüência lógica.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
41 6 1 C 0.62 0.57 0.33 0.90 0.66 0.13 0.16 0.62 0.08 0.01 0.00 -0.49 -0.39 0.66 -0.30 -0.37 0.00

SP08 Por 8 It 41 Bl 6 Ob 1 Ibg 115 a= 0.036 b= 214.498 c= 0.096 SP08 Por 8 It 41 Bl 6 Ob 1 Ibg 115
curva de informacao com parametros originais a= 1.96 b= -0.644 Gabarito: C
1.0

1.0

C
C C
C
0.9

0.9

C
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
0.4

0.4

A
B C
A
B
0.3

0.3

B
A
0.2

0.2

C B
D D D
0.1

0.1

D
A B
C
D
A B
D
A B
D B
0.0

0.0

A D
A D
B
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.06 0.18 0.38 0.65 0.84 0.93 0.97 0.98 1 1 0 0 0

23
Cem anos de perdão

Clarice Lispector

Quem nunca roubou não vai me entender. E quem nunca roubou rosas, então é que jamais poderá
me entender. Eu, em pequena, roubava rosas.
Havia em Recife inúmeras ruas, as ruas dos ricos, ladeadas por palacetes que ficavam no centro
de grandes jardins. Eu e uma amiguinha brincávamos muito de decidir a quem pertenciam os palacetes.
"Aquele branco é meu." "Não, eu já disse que os brancos são meus." Parávamos às vezes longo tempo, a
cara imprensada nas grades, olhando.
Começou assim. Numa dessas brincadeiras de "essa casa é minha", paramos diante de uma que
parecia um pequeno castelo. No fundo via-se o imenso pomar. E, à frente, em canteiros bem ajardinados,
estavam plantadas as flores.
Bem, mas isolada no seu canteiro estava uma rosa apenas entreaberta cor-de-rosa-vivo. Fiquei
feito boba, olhando com admiração aquela rosa altaneira que nem mulher feita ainda não era. E então
aconteceu: do fundo de meu coração, eu queria aquela rosa para mim. Eu queria, ah como eu queria. E
não havia jeito de obtê-la. Se o jardineiro estivesse por ali, pediria a rosa, mesmo sabendo que ele nos
expulsaria como se expulsam moleques. Não havia jardineiro à vista, ninguém. E as janelas, por causa do
sol, estavam de venezianas fechadas.
Então não pude mais. O plano se formou em mim instantaneamente, cheio de paixão. Mas, como
boa realizadora que eu era, raciocinei friamente com minha amiguinha, explicando-lhe qual seria o seu
papel: vigiar as janelas da casa ou a aproximação ainda possível do jardineiro, vigiar os transeuntes raros
na rua. Enquanto isso, entreabri lentamente o portão de grades um pouco enferrujadas, contando já com o
leve rangido. Entreabri somente o bastante para que meu esguio corpo de menina pudesse passar. E, pé
ante pé, mas veloz, andava pelos pedregulhos que rodeavam os canteiros. Até chegar à rosa foi um
século de coração batendo.
Eis-me afinal diante dela. Paro um instante, perigosamente, porque de perto ela é ainda mais linda.
Finalmente começo a lhe quebrar o talo, arranhando-me com os espinhos, e chupando o sangue dos
dedos.
E, de repente - ei-la toda na minha mão. A corrida de volta ao portão tinha também de ser sem
barulho. Pelo portão que deixara entreaberto, passei segurando a rosa. E então nós duas pálidas, eu e a
rosa, corremos literalmente para longe da casa.
O que é que fazia eu com a rosa? Fazia isso: ela era minha.
Levei-a para casa, coloquei-a num copo d'água, onde ficou soberana, de pétalas grossas e
aveludadas, com vários entretons de rosa-chá. No centro dela a cor se concentrava mais e seu coração
quase parecia vermelho.
Foi tão bom.
Foi tão bom que simplesmente passei a roubar rosas. O processo era sempre o mesmo: a menina
vigiando, eu entrando, eu quebrando o talo e fugindo com a rosa na mão. Sempre com o coração batendo
e sempre com aquela glória que ninguém me tirava.

Fonte: LISPECTOR, Clarice. Cem anos de perdão. In:______. Felicidade Clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

24
A narradora-personagem inicia a narrativa dizendo “Quem nunca roubou não vai me entender.” Essa
afirmação pode estar relacionada ao fato de

A) ela gostar de roubar rosas quando era criança.


B) ela descrever como irresistível o desejo que a levou a roubar uma rosa.
C) não haver ninguém por perto quando ela roubou a rosa.
D) ela precisar de uma amiga para vigiar enquanto roubava a rosa.

H37 - Inferir o papel desempenhado pelas personagens em uma narrativa literária.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
42 6 2 B 0.57 0.54 0.30 0.84 0.56 0.27 0.57 0.07 0.08 0.01 0.00 -0.25 0.56 -0.47 -0.44 -0.38 0.00

SP08 Por 8 It 42 Bl 6 Ob 2 Ibg 116 a= 0.022 b= 214.276 c= 0.019 SP08 Por 8 It 42 Bl 6 Ob 2 Ibg 116
curva de informacao com parametros originais a= 1.21 b= -0.648 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
B
B
0.8

0.8

B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4

A B
A A
0.3

0.3

C A
D B A
0.2

0.2

D
C A
D A
0.1

0.1

C A
B D A
C D
C D
C C
0.0

0.0

D
C D
C D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.06 0.22 0.4 0.58 0.74 0.82 0.86 0.9 0.92 1 0 0 0

25
Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil. Veja como reciclar
 

Andrea Vialli

Ainda sobre o tema lixo tecnológico: apenas 2% dos brasileiros destinam seus celulares usados
para a reciclagem, embora 74% acreditem que essa é uma atitude correta para o meio ambiente. O
número é baixo mas está em sintonia com a média mundial: apenas 3% dos celulares vendidos voltam à
linha de produção.
Os números fazem parte de um levantamento realizado pela fabricante de aparelhos Nokia, em
que foram consultadas 6,5 mil pessoas em 13 países, com o objetivo de traçar estratégias para incentivar
o recolhimento dos celulares e baterias que não são mais usados.
Boa parte dos entrevistados (44%) deixa os aparelhos guardados em casa, na gaveta. No Brasil,
esse número cai para 32%, enquanto 29% dos consumidores dão o celular para outra pessoa e 10%
jogam o aparelho antigo no lixo comum - contra 4% da média mundial.
Cerca de 80% dos componentes de um celular - plástico, circuitos eletrônicos e metais - podem ser
reciclados e voltar à indústria. Os visores, por exemplo, podem ser reaproveitados pelos fabricantes de
brinquedos, para fazer joguinhos eletrônicos. E as baterias mais antigas, fabricadas antes de 2000,
possuem metais pesados, como níquel e cádmio, em sua composição. Se jogadas no lixo comum, essas
substâncias podem contaminar o solo e a água.
Fonte: VIALLI, Andrea. Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil: veja como reciclar. O Estado de S. Paulo, São
Paulo, 9 jul. 2008. (com cortes). Disponível em:
<http://blog.estadao.com.br/blog/vialli/?title=so_2_dos_celulares_sao_reciclados_no_bra&more=1&c=1&tb=1&pb=1>
Acesso em: 3 ago. 2008.

Segundo a reportagem, os componentes de aparelhos celulares que podem ser reciclados são

A) baterias e visores.
B) plástico, circuitos eletrônicos e metais.
C) cabos, fios e baterias.
D) chips, circuitos eletrônicos e metais.

26
H5 - Localizar itens de informação explícita, relativos à descrição de características de determinado objeto,
fenômeno, cenário, época ou pessoa.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
47 6 7 B 0.56 0.51 0.31 0.82 0.51 0.25 0.56 0.08 0.09 0.01 0.00 -0.18 0.51 -0.42 -0.41 -0.30 -0.38

SP08 Por 8 It 47 Bl 6 Ob 7 Ibg 119 a= 0.025 b= 244.842 c= 0.247 SP08 Por 8 It 47 Bl 6 Ob 7 Ibg 119
curva de informacao com parametros originais a= 1.389 b= -0.093 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
0.3

0.3
A A
A A A
D
C
B
0.2

0.2
D
C A
C
D
A
0.1

0.1
D
C
D A
C D
C C
D A
0.0

0.0
C
D C
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.08 0.22 0.31 0.42 0.53 0.65 0.77 0.87 0.95 0.98 1 0 0 0

27
Leia o texto para responder à questão.
Além de prejudicar a fertilidade do solo, (segundo o Dr. Herbert Wilhelmy) as queimadas,
destruindo facilmente grandes áreas de vegetação natural, traziam outras desvantagens, como a de retirar
aos pássaros a possibilidade de construírem seus ninhos. “E o desaparecimento dos pássaros acarreta o
desaparecimento de um importante fator de extermínio de pragas de toda espécie. O fato é que nas
diversas regiões onde houve grande destruição de florestas, a broca invade as plantações de mate e
penetra até à medula nos troncos e galhos, condenando os arbustos à morte certa. As próprias lagartas
multiplicam-se consideravelmente com a diminuição das matas”.
Fonte: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Além de prejudicar a fertilidade do solo... In:______. Raízes do Brasil. 16. ed. Rio
de Janeiro: José Olympio, 1983.

O texto em destaque defende a tese de que as queimadas são prejudiciais. A única alternativa que
apresenta argumentos do texto em defesa dessa tese é

A) as pragas invadem as plantações de mate e tornam-se alimento abundante para os pássaros.


B) as queimadas são positivas, pois exterminam pragas de toda espécie, inclusive as brocas, e
afastam pássaros prejudiciais.
C) as queimadas reduzem a fertilidade do solo e impedem os pássaros de construírem ninhos.
D) a broca penetra nos troncos e galhos até a medula, sendo a queimada uma forma de controle
dessa praga.

H13 - Localizar um argumento utilizado pelo autor para defender sua tese, em um texto argumentativo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
71 9 7 C 0.56 0.54 0.29 0.83 0.52 0.13 0.15 0.56 0.14 0.01 0.00 -0.32 -0.36 0.52 -0.19 -0.32 -0.36

SP08 Por 8 It 71 Bl 9 Ob 7 Ibg 137 a= 0.02 b= 219.698 c= 0.041 SP08 Por 8 It 71 Bl 9 Ob 7 Ibg 137
curva de informacao com parametros originais a= 1.097 b= -0.55 Gabarito: C
1.0

1.0

C
0.9

0.9

C
C
0.8

0.8

C
0.7

0.7

C
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
0.4

0.4

C
B
A
0.3

0.3

B
A
C B
D
0.2

0.2

D A
D D
B
A D
0.1

0.1

C B D
A D
A
B D
A
B A D
B A
B
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.09 0.22 0.39 0.55 0.69 0.78 0.85 0.89 0.93 1 0 0 0

28
Leia o texto para responder à questão.

Jamais esquecerei o meu aflitivo e dramático contato com a eternidade.


Quando eu era muito pequena ainda não tinha provado chicles e mesmo em Recife falava-se
pouco deles. Eu nem sabia bem de que espécie de bala ou bombom se tratava. Mesmo o dinheiro
que eu tinha não dava para comprar: com o mesmo dinheiro eu lucraria não sei quantas balas.
Afinal minha irmã juntou dinheiro, comprou e ao sairmos de casa para a escola me explicou:

- Tome cuidado para não perder, porque esta bala nunca se acaba. Dura a vida inteira.
- Como não acaba? - Parei um instante na rua, perplexa.
- Não acaba nunca, e pronto.

Eu estava boba: parecia-me ter sido transportada para o reino de histórias de príncipes e
fadas. Peguei a pequena pastilha cor-de-rosa que representava o elixir do longo prazer. Examinei-a,
quase não podia acreditar no milagre. Eu que, como outras crianças, às vezes tirava da boca uma
bala ainda inteira, para chupar depois, só para fazê-la durar mais. E eis-me com aquela coisa cor-
de-rosa, de aparência tão inocente, tornando possível o mundo impossível do qual já começara a me
dar conta. (...)

Fonte: LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. In: ______. Aprendendo a viver..Rio de Janeiro: Rocco, 2004.
Podemos afirmar que a palavra elixir é empregada em sentido figurado na narrativa porque

A) pode ser ali entendida como um bálsamo capaz de causar conforto naquele que o consome.
B) simboliza, para a personagem, algo com efeito mágico ou maravilhoso.
C) o chicle que ela mastiga contém componentes farmacêuticos.
D) relaciona-se a substâncias rejuvenescedoras, que causam longevidade.

H38 - Justificar os efeitos de sentido produzidos em um texto literário pelo uso de palavras ou expressões de
sentido figurado.
ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS
ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
88 11 8 B 0.55 0.53 0.28 0.81 0.51 0.21 0.55 0.11 0.12 0.00 0.01 -0.24 0.51 -0.40 -0.23 -0.46 -0.31

SP08 Por 8 It 88 Bl 11 Ob 8 Ibg 150 a= 0.019 b= 221.568 c= 0.051 SP08 Por 8 It 88 Bl 11 Ob 8 Ibg 150
curva de informacao com parametros originais a= 1.043 b= -0.516 Gabarito: B
1.0

1.0

B
0.9

0.9

B
B
0.8

0.8

B
0.7

0.7

B
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4

B
A
0.3

0.3

A
C
B A
D C
A
0.2

0.2

D
C
D A
D A
B C A
0.1

0.1

D A
D D A
C D
C C D
0.0

0.0

C C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.11 0.26 0.41 0.54 0.69 0.77 0.82 0.86 0.91 1 0 0 0

29
Leia o fragmento abaixo.
Não deixe a vida te levar
 

Alguém pode nascer no Complexo do Alemão e escolher ser honesto. Pode nascer no bairro
carioca de classe média chamado Barra da Tijuca e escolher ser um espancador de mulheres. Uma
pessoa pode nascer e ser criada em condições adversas ao desenvolvimento do amor-próprio e da auto-
confiança e, ainda assim, encontrar recursos psicológicos suficientes para fazer escolhas que permitam
mudar sua vida para melhor.
Os tempos que correm são propícios à imputação de culpas coletivas, de crença em destinos
definidos por raça ou classe social. Essas grandiosas noções esquemáticas são imperfeitas porque
minimizam o poder de decisão individual das pessoas
Fonte: NÃO DEIXE a vida te levar. Veja, São Paulo, p. 9, 4 jul. 2007.

Com base na argumentação apresentada, pode-se afirmar que o enunciador do texto defende a tese
de que
A) os indivíduos que possuem melhores condições econômicas são geralmente honestos.
B) as escolhas individuais superam as pressões sociais.
C) os indivíduos que não provêm de uma família estruturada estão fadados ao fracasso.
D) a etnia é um fator intimamente ligado ao sucesso do indivíduo.

H18 - Inferir a tese de um texto argumentativo, com base na argumentação construída pelo autor.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
95 12 7 B 0.54 0.56 0.27 0.82 0.58 0.16 0.54 0.14 0.15 0.01 0.00 -0.41 0.58 -0.34 -0.19 -0.32 -0.33

SP08 Por 8 It 95 Bl 12 Ob 7 Ibg 155 a= 0.035 b= 245.152 c= 0.237 SP08 Por 8 It 95 Bl 12 Ob 7 Ibg 155
curva de informacao com parametros originais a= 1.943 b= -0.088 Gabarito: B
1.0

1.0

B
B
B
0.9

0.9

B
0.8

0.8
0.7

0.7

B
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

B
0.4

0.4

B
A
0.3

0.3

A
C C A
B C
0.2

0.2

D D D
B D
A
C D
0.1

0.1

C
A D
C D
A C
A D
C D
0.0

0.0

A C
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.18 0.23 0.34 0.49 0.68 0.83 0.92 0.97 0.99 1 0 0 0

30
Leia atentamente os dois fragmentos abaixo e responda à queestão.
TEXTO 1
Órgãos dos sentidos
O ouvido
 

O ouvido está presente em anfíbios adultos, répteis, aves e mamíferos. Ele é o órgão
responsável pela audição e pelo equilíbrio do corpo. Nos mamíferos, o ouvido possui três partes
bem distintas denominadas ouvido externo, médio e interno.
O ouvido externo é um canal que se abre ao meio exterior, estando separado do ouvido
médio por uma membrana circular, com cerca de 9 milímetros de diâmetro, o tímpano.
O ouvido médio é um canal estreito e cheio de ar, localizado dentro do osso temporal. No
interior do canal do ouvido médio existem três pequenos ossos, alinhados lado a lado, que
comunicam o tímpano com o ouvido interno. Esses ossinhos são denominados martelo, bigorna e
estribo.
O ouvido interno é um complicado sistema de tubos e cavidades preenchidos por um líquido.
Ele está localizado, juntamente com o ouvido médio, em uma cavidade do osso temporal,
denominada cápsula ótica (oto, ouvido).
Fonte: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Órgãos dos sentidos. In:______. Fundamentos da
Biologia Moderna. São Paulo: Moderna, 1990.

TEXTO 2
Aparelhos podem atingir volume tão alto quanto o de uma britadeira
O hábito cada vez mais comum, principalmente entre jovens, de ouvir música em tocadores de
MP3 e celulares com o uso de fones de ouvido por longos períodos e volume alto já causa reflexos em
consultórios e clínicas médicas: casos freqüentes de pacientes com problemas de audição. Apesar de
pequenos, alguns desses aparelhos são capazes de produzir um volume máximo equivalente ao de uma
britadeira, algo em torno de 120 decibéis (dB).
“No início do nosso trabalho nenhum jovem procurava o ambulatório”, afirma Tanit Sanchez, livre-
docente da USP e responsável pelo serviço. Atualmente, 311 pessoas estão cadastradas no ambulatório
com problemas causados por exposição a ruído. Dessas, 18 são adolescentes.
Iêda Russo, fonoaudióloga e professora da PUC-SP e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa
Casa de São Paulo, afirma que a exposição prolongada a um som com intensidade superior a 90 decibéis
pode prejudicar a audição. Trabalhando há 35 anos na área, ela diz que houve uma mudança significativa
na saúde auditiva dos jovens na última década.
Iêda deixa claro que não é contra a utilização desses aparelhos [MP3 e celulares], mas afirma que
é preciso ensinar os jovens a tomar cuidado.
Fonte: GONÇALVES, Alexandre. Tocadores de MP3 já são risco à audição. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. A24, 3
ago. 2008.

Os dois textos tratam de aspectos relativos à audição


A) de forma semelhante, pois o objetivo de ambos é descrever o aparelho auditivo.
B) de modo diferente, pois o objetivo do primeiro é descrever didaticamente o aparelho auditivo, e
o do segundo, alertar especialmente os jovens sobre os perigos da exposição prolongada a
sons em alto volume.
C) de maneira semelhante, pois ambos foram redigidos por fonoaudiólogos com o intuito de
informar o público sobre o funcionamento do aparelho auditivo.
D) de modo diverso, pois a função do primeiro é alertar sobre o mau funcionamento do aparelho
auditivo; já o segundo tem o objetivo de descrever com detalhes atitudes capazes de preservar
o aparelho auditivo.

31
H20 - Justificar, com base nas características dos gêneros, diferenças ou semelhanças no tratamento dado a
uma mesma informação veiculada em textos diferentes.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
102 13 6 B 0.60 0.52 0.35 0.87 0.58 0.13 0.60 0.15 0.10 0.01 0.00 -0.36 0.58 -0.35 -0.32 -0.33 -0.36

SP08 Por 8 It 102 Bl 13 Ob 6 Ibg 160 a= 0.038 b= 239.08 c= 0.294 SP08 Por 8 It 102 Bl 13 Ob 6 Ibg 160
curva de informacao com parametros originais a= 2.103 b= -0.198 Gabarito: B
1.0

1.0
B B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4
B
0.3

0.3
C
A B
C
A C
B
0.2

0.2
D D A
D C
A
D
0.1

0.1
C
A
D
C
A
D C
D
A
0.0

0.0
D
A
C D
A
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 250

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.21 0.29 0.4 0.56 0.74 0.88 0.96 0.99 1 1 0 0 0

32
Nível 275
 
 
 
 
Leia o poema e responda à questão.

A voz do canavial
A personificação é uma figura de pensamento
Voz sem saliva de cigarra, pela qual fazemos os seres inanimados ou
do papel seco que se amassa, irracionais agirem como pessoas. Percebe-se a
presença desse importante recurso de
de quando se dobra o jornal: expressão poética, que empresta vida e ação a
assim canta o canavial, seres inanimados, no verso

ao vento que por suas folhas, A) “de papel seco que se amassa:”.
de navalha a navalha, soa, B) “de quando se dobra o jornal:”.
vento que o dia e a noite toda C) “ao vento que por suas folhas,”.
o folheia, e nele se esfola. D) “assim canta o canavial,”.

Fonte: MELO NETO, João Cabral. A voz do Canavial. In:


______. Os melhores poemas. São Paulo: Global, 1985.

H31 - Identificar recursos semânticos expressivos (antítese / personificação / metáfora / metonímia) em


segmentos de um poema, a partir de uma dada definição.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
7 1 7 D 0.49 0.52 0.23 0.76 0.51 0.19 0.14 0.17 0.49 0.01 0.00 -0.25 -0.29 -0.25 0.51 -0.31 -0.37

SP08 Por 8 It 7 Bl 1 Ob 7 Ibg 89 a= 0.031 b= 265.652 c= 0.256 SP08 Por 8 It 7 Bl 1 Ob 7 Ibg 89


curva de informacao com parametros originais a= 1.684 b= 0.284 Gabarito: D
1.0

1.0

D
D
0.9

0.9

D
0.8

0.8
0.7

0.7

D
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5

D
0.4

0.4

D
0.3

0.3

A A
D
B
C C
B A
C A
0.2

0.2

D C A
B B C
B A
0.1

0.1

C
B A
C
B A
B
C A
C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.21 0.27 0.34 0.42 0.53 0.68 0.84 0.94 0.99 1 0 0 0

33
Leia o texto para responder à questão.

Eu me desasnei aos sete anos. Desasnar queria dizer alfabetizar-se: quem aprendesse a ler era
promovido de asno a ser pensante. Fui alfabetizado por dona Dalila, professora do primeiro ano do Grupo
Escolar de Taquaritinga. Um casarão que aos nossos olhos infantis parecia enorme, com suas salas de pé
direito muito alto, onde nos sentávamos em carteiras colocadas uma atrás da outra feito bancos de trem.
Delas ficávamos melancolicamente a espiar, pelas largas janelas, os pássaros voando e cantando livres lá
fora, enquanto nós, aves engaioladas, tínhamos de ficar ali dentro a grasnar "bê com á, bá", "bê com é,
bé", "bê com i, bi", e assim por diante, até o fim de um alfabeto que parecia não acabar nunca.
O sacrifício valeu a pena: no meio do ano eu já estava lendo. E no dia em que, sem ajuda de
ninguém, consegui decifrar letra por letra, palavra por palavra, uma notícia do jornal que meu avô lia
religiosamente todas as noites, fiquei deslumbrado. O mundo era meu agora! Na matinê de domingo,
contei a um conhecido de bem mais idade que doravante eu estava capacitado a ler qualquer coisa. Aí ele
me fez uma pergunta matreira: "Mesmo se for em francês? Ou em inglês?" Embatuquei: o mundo não era
mais meu. Havia, nele, muito mais coisas do que imaginava a minha vã suficiência de leitor principiante.
Para chegar a conhecer uma pequena parte delas, eu tinha ainda muito chão pela frente. A sabedoria
começa no reconhecimento da nossa própria ignorância. Ou, como dizia um filósofo cujo nome eu nunca
soube, "só sei que não sei".

Fonte: PAES, José Paulo. Eu me desasnei aos sete anos.... In:______.Quem, eu?: um poeta como outro qualquer. São
Paulo: Atual, 1996. 

O trecho grifado é o discurso direto proferido

A) pelo narrador.
B) pelo avô do narrador.
C) por um conhecido do narrador.
D) por um desconhecido.

34
H33 - Distinguir o discurso direto da personagem do discurso do narrador, em uma narrativa literária.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
14 2 6 C 0.44 0.62 0.14 0.76 0.57 0.26 0.18 0.44 0.11 0.01 0.00 -0.35 -0.23 0.57 -0.22 -0.34 -0.36

SP08 Por 8 It 14 Bl 2 Ob 6 Ibg 94 a= 0.03 b= 261.063 c= 0.153 SP08 Por 8 It 14 Bl 2 Ob 6 Ibg 94


curva de informacao com parametros originais a= 1.661 b= 0.201 Gabarito: C
1.0

1.0
C
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
0.7

0.7
C

proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
0.4

0.4
A A
A
C
A
0.3

0.3
B
B
C
B B A
0.2

0.2
D C
D B
D D A
B
0.1

0.1
C D
D B
A
D B
A
D A
B
0.0

0.0
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.03 0.1 0.18 0.24 0.34 0.52 0.69 0.83 0.91 0.97 1 0 0 0

35
Leia o poema para responder à questão.
Canção Amiga

Eu preparo uma canção


em que minha mãe se reconheça,
todas as mães se reconheçam,
e que fale como dois olhos.

ANDRADE, Carlos Drummond. Canção amiga. In:______. Reunião. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973. p.154.
(fragmento).

Personificação é uma forma de emprestar qualidades e características humanas a seres


inanimados. É possível identificar o uso desse recurso no verso
A) “Eu preparo uma canção.”
B) “Em que minha mãe se reconheça.”
C) “Todas as mães se reconheçam.”
D) “E que fale como dois olhos.”

H31 - Identificar recursos semânticos expressivos (antítese / personificação / metáfora / metonímia) em


segmentos de um poema, a partir de uma dada definição.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
22 3 6 D 0.40 0.65 0.11 0.76 0.63 0.18 0.15 0.25 0.40 0.01 0.00 -0.32 -0.32 -0.24 0.63 -0.31 -0.34

SP08 Por 8 It 22 Bl 3 Ob 6 Ibg 100 a= 0.039 b= 258.877 c= 0.137 SP08 Por 8 It 22 Bl 3 Ob 6 Ibg 100
curva de informacao com parametros originais a= 2.13 b= 0.161 Gabarito: D
1.0
1.0

D
D
0.9
0.9

D
0.8
0.8

D
0.7
0.7

proporcao de resposta

0.6
0.6
probabilidade

D
0.5
0.5

0.4
0.4

C C
C D
0.3
0.3

B
A A
C A C
B
0.2

B A
0.2

D
B
D A C
D
0.1

B
0.1

A
B C
A
B C
A
B
0.0

C
A
B
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.11 0.11 0.14 0.19 0.31 0.51 0.73 0.89 0.96 0.99 1 0 0 0

36
Leia o texto para responder à questão.
Apelo
Dalton Trevisan

Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa. Primeiros dias, para dizer a verdade, não
senti falta, bom chegar tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por uma semana: o
batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no espelho.
Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A notícia de sua perda veio aos poucos: a pilha
de jornais ali no chão, ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa era um corredor deserto, e
até o canário ficou mudo. Para não dar parte de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora
da noite eles se iam e eu ficava só, sem o perdão de sua presença a todas as aflições do dia, como a
última luz na varanda.
E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do tempero na salada – o meu jeito de
querer bem. Acaso é saudade, Senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas
murcham. Não tenho botão na camisa, calço a meia furada. Que fim levou o saca-rolhas? Nenhum de nós
sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora,
por favor.

Fonte: TREVISAN, Dalton. Apelo. In: BOSI, Alfredo (Org.). O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Cultrix, 1975.

Observando atentamente o modo de construção do enunciado, é possível pressupor que o conflito


da narrativa, da ótica do personagem, é motivado pelo fato de este

A) sentir-se incapaz para realizar as tarefas domésticas.


B) ter sido abandonado pela companheira.
C) entristecer-se pelo fato de seu canário ter ficado mudo.
D) ter perdido os amigos.

37
H35 - Inferir o conflito gerador de uma narrativa literária, analisando o enunciado na perspectiva do papel
assumido pelas personagens.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
23 3 7 B 0.54 0.56 0.25 0.81 0.48 0.23 0.54 0.11 0.11 0.01 0.00 -0.16 0.48 -0.34 -0.35 -0.33 -0.32

SP08 Por 8 It 23 Bl 3 Ob 7 Ibg 101 a= 0.021 b= 241.596 c= 0.187 SP08 Por 8 It 23 Bl 3 Ob 7 Ibg 101
curva de informacao com parametros originais a= 1.176 b= -0.152 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B
0.4

0.4
0.3

0.3
A B
A A
C
D A
C
D A
0.2

0.2
B C A
D A
C
0.1

0.1
D A
C
D A
C
D C
D D
C
0.0

0.0
C
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.01 0.17 0.29 0.41 0.54 0.65 0.75 0.83 0.89 0.93 1 0 0 0

38
Leia o texto para responda à questão.

Há alguns anos, sobrevoando São Paulo de avião, via-se a cidade desenhar no chão a imagem de
uma estrela que tivesse caído do céu, as casas se comprimindo nas arestas que irradiam do ‘triângulo’
central e deixando mais ou menos desertos os vales que separam os espigões. Hoje, os vales estão tão
povoados quanto as colinas; neles se localizam alguns bairros residenciais mais elegantes, como o
Pacaembu, que tem no centro o Estádio Municipal. A cidade tornou-se imensa aglomeração de prédios
ocupando todo o espaço disponível, alongando-se em bairros proletários, ganhando pouco a pouco os
povoados circundantes, emitindo tentáculos para digeri-los. Há sessenta anos caçavam-se onças ali onde
hoje há um entrelaçamento de ruas, e os estudantes da Faculdade de Direito faziam piqueniques,
pontuados de declamações de poemas, ali onde se erguem agora os imensos e compactos blocos de
habitações.
Fonte: BASTIDE, Roger. HÁ ALGUNS anos, sobrevoando São Paulo... In: CAMPOS, Cândido Malta; GAMA, Lúcia
Helena; SACCHETA, Vladimir (Org.). Metrópole em trânsito. São Paulo: SENAC, 2004.

Assinale a alternativa que melhor representa a organização do texto feita pelo autor.
A) As idéias de destaque no texto são a urbanização do bairro nobre do Pacaembu e a
localização da Faculdade de Direito. O progresso urbano de São Paulo serve como pano de
fundo para essa ênfase.
B) A importância da periferia é posta em destaque como idéia principal do texto. O autor cita o
rápido crescimento de São Paulo para enfatizar essa sua opção.
C) A idéia principal é o rápido crescimento da cidade de São Paulo; a verticalização das áreas
centrais, a ocupação urbana dos vales e a expansão para a periferia são elementos
secundários que contextualizam essa idéia principal.
D) O autor põe em destaque em seu texto o relevo de São Paulo, composto de colinas populosas,
vales, bairros chiques e periferias pobres, que se ofereceram como dificuldades para o rápido
crescimento da Cidade..
H8 - Diferenciar idéias centrais e secundárias; ou tópicos e subtópicos de um texto.
ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS
ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
26 4 2 C 0.45 0.57 0.16 0.74 0.53 0.21 0.14 0.45 0.19 0.01 0.00 -0.27 -0.35 0.53 -0.18 -0.33 0.00

SP08 Por 8 It 26 Bl 4 Ob 2 Ibg 104 a= 0.035 b= 268.634 c= 0.23 SP08 Por 8 It 26 Bl 4 Ob 2 Ibg 104
curva de informacao com parametros originais a= 1.912 b= 0.338 Gabarito: C
1.0

1.0

C
C
0.9

0.9

C
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

C
0.4

0.4

C
0.3

0.3

A A C
A
B A
C
B D D
C D
0.2

D
0.2

D B A
B D
A
0.1

0.1

B
B D
A
B A
D
0.0

B D
B
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.11 0.22 0.24 0.28 0.35 0.5 0.67 0.84 0.94 0.99 1 0 0 0

39
SANTINHO
Luís Fernando Veríssimo

Me lembro com clareza de todas as minhas professoras, mas me lembro de uma em


particular. Ela se chamava Dona Ilka. Curioso: por que escrevi “Dona Ilka” e não Ilka? Talvez por
medo de que ela se materializasse aqui ao meu lado e exigisse o “Dona”, onde já se viu tratar
professora pelo primeiro nome, menino? No meu tempo ainda não se usava o “tia”. Elas podiam ser
boas e até maternais, mas decididamente não eram nossas tias. A Dona Ilka não era maternal. Era
uma mulher pequena com um perfil de passarinho. Um pequeno passarinho loiro. E uma fera.
Eu era um aluno “bem-comportado”. Era um vagabundo, não aprendia nada, vivia distraído.
Mas comportamento, 10. Por isto até hoje faço verdadeiras faxinas na memória, procurando
embaixo de tudo e em todos os nichos a razão de ter sido, um dia, castigado pela Dona Ilka. Alguma
eu devo ter feito, mas não consigo lembrar o quê. O fato é que fui posto de castigo. Que consistia
em ficar de pé em um canto da sala de aula, com a cara virada para a parede. (Isto tudo, já dá para
ver, foi mais ou menos lá pela Idade Média.) Mas o que eu nunca esqueci foi a Dona Ilka ter me
chamado de “santinho do pau oco”.
Ser bem-comportado em sala de aula não era uma decisão minha nem era nada de que me
orgulhasse. Era só o meu temperamento. Mas a frase terrível de dona Ilka sugeria que a minha
conduta era uma simulação. Eu era um falso. Um santo falsificado! Depois disso, pelo resto da vida,
não foram poucas as vezes em que um passarinho imaginário com perfil de professora pousou no
meu ombro e me chamou de fingido. Os santinhos do pau oco passam a vida se questionando.
Já outra professora quase destruiu para sempre qualquer pretensão minha à originalidade
literária. Era para fazer uma redação em aula sobre a ociosidade, e eu não tinha a menor idéia do
que era ociosidade. Se a palavra fora mencionada em aula tinha certamente sido num dos meus
períodos de devaneio, em que o corpo ficava ali, mas a mente ia passear. E então, me achando
formidável, fiz uma redação inteira sobre um aluno que precisa fazer uma redação sobre a
ociosidade sem saber o que é isso, sua agonia e finalmente sua decisão de fazer uma redação
sobre um aluno que precisa fazer uma redação sobre a ociosidade, etc; A professora chamou a
atenção de toda a classe para a minha redação. Eu era um exemplo de quem acha que com
esperteza pode-se deixar de estudar e por isto estava ganhando um zero exemplar. Só faltou me
chamar de original do pau oco.
Enfim, sobrevivi. No ginásio, todos os professores eram homens, mas não lembro de
nenhuma marca que algum deles tenha deixado. As relações com nossas pseudomães, no primário,
eram muito mais profundas. As duas histórias que eu contei não têm a menor importância. Mas olha
as cicatrizes.
Fonte: VERISSIMO, Luís Fernando. Santinho. In:______. O nariz e outras crônicas. São Paulo: Ática, 1994.

O efeito de sentido gerado pela expressão popular “santo do pau oco”, citada na crônica de Luís
Fernando Veríssimo, tem correspondência com aquele gerado pelo provérbio:

A) Diga-me com quem andas que te direi quem és.


B) Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento.
C) É de pequenino que se torce o pepino.
D) Casa de ferreiro, espeto de pau.

40
H38 - Justificar os efeitos de sentido produzidos em um texto literário pelo uso de palavras ou expressões de
sentido figurado.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
31 4 7 B 0.51 0.69 0.15 0.84 0.63 0.22 0.51 0.11 0.14 0.01 0.00 -0.36 0.63 -0.35 -0.31 -0.28 -0.30

SP08 Por 8 It 31 Bl 4 Ob 7 Ibg 107 a= 0.04 b= 246.668 c= 0.192 SP08 Por 8 It 31 Bl 4 Ob 7 Ibg 107
curva de informacao com parametros originais a= 2.181 b= -0.06 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
A A
A
0.3

0.3
A
D B
C D
0.2

C D

0.2
B
C A
B D
C
0.1

0.1
D
C A
D
C D
A
0.0

C A
D

0.0
C A
C
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.08 0.16 0.2 0.26 0.42 0.65 0.84 0.93 0.98 1 1 0 0 0

41
Leia o texto e responda à questão.

A estranha passageira
Stanislaw Ponte Preta

– O senhor sabe? É a primeira vez que eu viajo de avião. Estou com zero hora de vôo – e riu
nervosinha, coitada.

Depois pediu que eu me sentasse ao seu lado, pois me achava muito calmo e isto iria fazer-lhe
bem [...]

Madama entrou no avião sobraçando um monte de embrulhos, que segurava desajeitadamente.


Gorda como era, custou a se encaixar na poltrona e arrumar todos aqueles pacotes. Depois não sabia
como amarrar o cinto e eu tive que realizar essa operação em sua farta cintura.

Afinal estava ali pronta para viajar. Os outros passageiros estavam já se divertindo às minhas
custas, a zombar do meu embaraço ante as perguntas que aquela senhora me fazia aos berros, como se
estivesse em sua casa, entre pessoas íntimas. A coisa foi ficando ridícula:

– Para que esse saquinho aí? – foi a pergunta que fez, num tom de voz que parecia que ela estava
no Rio e eu em São Paulo.

– É para a senhora usar em caso de necessidade – respondi baixinho.

Tenho certeza de que ninguém ouviu minha resposta, mas todos adivinharam qual foi, porque ela
arregalou os olhos e exclamou:

– Uai...as necessidades neste saquinho? No avião não tem banheiro?

Fonte: PONTE PRETA, Stanislaw. A estranha passageira. In: PARA gostar de ler. São Paulo: Ática, 1983. v. 8, p. 89.

Observe que toda a caracterização da passageira de primeira viagem produz um efeito humorístico.
Isso ocorre porque as expressões utilizadas para caracterizá-la, descrevem-na como

A) falante e mal-educada.
B) desajeitada e inconveniente.
C) nervosa e atrevida.
D) comunicativa e perspicaz.

42
H40 - Justificar o efeito de humor ou ironia produzido no texto literário pelo uso intencional de palavras ou
expressões.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
34 5 2 B 0.50 0.49 0.28 0.77 0.49 0.19 0.50 0.20 0.10 0.01 0.00 -0.26 0.49 -0.30 -0.18 -0.36 0.00

SP08 Por 8 It 34 Bl 5 Ob 2 Ibg 110 a= 0.023 b= 253.39 c= 0.197 SP08 Por 8 It 34 Bl 5 Ob 2 Ibg 110
curva de informacao com parametros originais a= 1.28 b= 0.062 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
B
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
C C
0.3

0.3
A A
B C
A
C
0.2

0.2
B A
D A
C
D D A
0.1

0.1
D D C
D C
A
D C
A
D
A
C
D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.09 0.2 0.26 0.35 0.47 0.6 0.72 0.81 0.88 0.96 1 0 0 0

43
Leia com atenção o texto e responda à questão.

O NADA É QUASE TUDO


Flávio Diegues
Especialistas de várias universidades americanas, com base em imagens da radiação de fundo do
Universo — o brilho que sobrou do Big Bang —, chegaram à conclusão de que, se você tirar tudo o que é
possível do cosmo, toda matéria, todos os micróbios, as rochas, animais, galáxias, átomos, luz, ele ainda
continua pesando três quartos do que pesava antes. Para ser preciso, restam 73% da massa original.

Nenhuma pessoa sensata aceitaria a sugestão de que essa é a massa do nada. Só que os físicos,
cosmologistas e astrônomos não são pagos para terem bom senso — sua obrigação é investigar o cosmo
com todo rigor e descobrir do que ele é realmente feito, por mais estranho que possa parecer. Eles estão,
há muito tempo, convencidos de que, mesmo num lugar vazio, existe alguma coisa. Mas nem essa gente
tão acostumada a surpresas esperava que essa alguma coisa fosse a maior coisa que existe, a ponto de
carregar, sozinha, três quartos da massa do Universo. O Universo é quase todo nada.

Fonte: DIEGUES, Flávio. O nada é quase tudo. Superinteressante, São Paulo, n. 196, p. 68-69, jan. 2004. Coleção em
CD-ROM.

Para o autor, os cientistas

A) devem manter-se presos às respostas aceitas pela maioria.


B) não são pagos para ficarem descobrindo coisas estranhas.
C) precisam estar abertos a encontrar respostas incomuns e pouco razoáveis.
D) devem ter bom senso sempre.

44
H12 - Inferir opiniões ou conceitos pressupostos ou subentendidos em um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
38 5 6 C 0.49 0.56 0.24 0.80 0.57 0.13 0.16 0.49 0.21 0.01 0.00 -0.29 -0.29 0.57 -0.28 -0.33 -0.36

SP08 Por 8 It 38 Bl 5 Ob 6 Ibg 112 a= 0.027 b= 245.153 c= 0.133 SP08 Por 8 It 38 Bl 5 Ob 6 Ibg 112
curva de informacao com parametros originais a= 1.494 b= -0.088 Gabarito: C
1.0

1.0
C
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
C
0.4

0.4
D
0.3

0.3
B
D D
C
A B D
A B
0.2

0.2
C A B D
A B
C D
0.1

0.1
A B
A D
B
A D
A
B
0.0

0.0
D
A
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.02 0.11 0.19 0.29 0.45 0.62 0.75 0.86 0.94 0.99 1 0 0 0

45
Leia com atenção o texto abaixo para responder à questão.
Câmara congelou votação de projeto contra nepotismo
 
Desde 1999, a Câmara adia a discussão sobre o fim do nepotismo. Projeto que impede a
contratação de parentes até terceiro grau em todos os Poderes chegou a ser aprovado no plenário do
Senado e analisado em duas comissões da Câmara, mas parou de tramitar. Para que o texto, de autoria
do ex-deputado Roberto Freire (PPS), seja analisado no plenário e a votação seja concluída em definitivo
falta apenas a votação de um recurso.
Apresentado em 1997 e votado no mesmo ano pelo Senado, o projeto seguiu para a Câmara e foi
aprovado na Comissão de Trabalho, mas na Comissão de Constituição e Justiça recebeu parecer de
inconstitucionalidade. O relator, o ex-deputado Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), hoje chefe da Casa Civil do
governo de São Paulo, considerou que o tema não poderia ser tratado em projeto de lei.
Dez deputados se manifestaram contra, mas não impediram que o texto fosse aprovado. Para não
ser arquivado, foi apresentado recurso para que houvesse votação.
Fonte: CÂMARA congelou votação... Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A6, 22 ago. 2008

É possível pressupor que a morosidade na votação de projeto contra o nepotismo seja conseqüência
do fato de
A) poucos políticos nomearem parentes para cargos de confiança.
B) a igualdade de direitos não estar assegurada pela Constituição Federal.
C) o autor do projeto não exercer mais o cargo de deputado.
D) muitos políticos empregarem parentes sem concurso, pagando a estes altos salários com o
dinheiro público.
H16 - Estabelecer relações de causa/conseqüência entre informações subentendidas ou pressupostas
distribuídas ao longo de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
39 5 7 D 0.43 0.55 0.19 0.74 0.57 0.17 0.23 0.16 0.43 0.01 0.00 -0.28 -0.23 -0.29 0.57 -0.25 -0.35

SP08 Por 8 It 39 Bl 5 Ob 7 Ibg 113 a= 0.031 b= 261.889 c= 0.164 SP08 Por 8 It 39 Bl 5 Ob 7 Ibg 113
curva de informacao com parametros originais a= 1.732 b= 0.216 Gabarito: D
1.0

1.0

D
D
0.9

0.9

D
0.8

0.8
0.7

0.7

D
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5
0.4

0.4

D
0.3

0.3

B B B
C C B
A A D
A
C B
0.2

0.2

A
D C
D A B
C
0.1

0.1

C
A B
C
A B
C
A B
A
C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275
8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.06 0.15 0.18 0.24 0.34 0.52 0.7 0.84 0.93 0.97 1 0 0 0

46
Leia o texto e responda à questão.

Tanques da Geórgia contra adolescentes da Ossétia: a história da resistência de Tskhinvali


Uwe Klussmann
Em Tskhinvali, Geórgia
Qualquer um que queira saber o valor da palavra do presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili,
basta olhar para a capital da Ossétia do Sul.

Saakashvilli estava na capital da Geórgia, Tbilisi, e disse que tinha "dado a ordem muito dolorosa
de não reagir com fogo" se os ossetianos do sul atirassem contra as forças de segurança da Geórgia. Ele
terminou seu discurso com um apelo: "Vamos deter a espiral de medo. Dar uma chance à paz e ao
diálogo". Poucas horas depois, Babeyev estava prestes a cozinhar seu jantar quando bombas começar a
cair em torno de seu prédio. Ele fugiu para o porão de um bloco ao lado com nove vizinhos. Foi uma noite
em branco, assustadora. Horas de bombardeio de artilharia reduziram os prédios a ruínas, destruíram
carros e transformaram os jardins em buracos.

Na manhã seguinte, aviões de guerra da Geórgia lançaram bombas para terminar a destruição.
Então, os tanques chegaram para "restaurar a ordem constitucional", como disse Saakashvilli - uma ordem
que nunca existiu na Ossétia do Sul. Quando a URSS foi dissolvida, três Estados de fato emergiram no
território da antiga república soviética da Geórgia: Ossétia do Sul, Abkházia e a nova Geórgia, que
conseguiu entrar para a Organização das Nações Unidas com as fronteiras antigas traçadas por Stálin.

Fonte: KLUSSMANN, Uwe. Trad. Deborah Weinberg. Tanques da Georgia contra adolescentes… São Paulo, 2008 (com
cortes). Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/derspiegel/2008/08/27/ult2682u915.jhtm>. Acesso em: 27
ago. 2008.

No texto acima o autor emprega algumas vezes as aspas. Assinale a alternativa que explica o uso
desse recurso.

A) O autor do texto emprega as aspas para enfatizar suas próprias idéias e opiniões sobre o
assunto em destaque.
B) O autor emprega as aspas para reproduzir as falas e opiniões de pessoas diretamente
envolvidas no conflito.
C) O emprego das aspas serve para indicar ao leitor as idéias com as quais o autor concorda.
D) As aspas são usadas para enfatizar as idéias de que o autor discorda.

47
H21 - Justificar o uso de recurso a formas de apropriação textual como paráfrases, citações, discurso direto,
indireto ou indireto livre, em um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
49 7 1 B 0.54 0.47 0.32 0.79 0.45 0.27 0.54 0.11 0.07 0.01 0.00 -0.28 0.45 -0.27 -0.19 -0.39 0.00

SP08 Por 8 It 49 Bl 7 Ob 1 Ibg 121 a= 0.032 b= 271.681 c= 0.364 SP08 Por 8 It 49 Bl 7 Ob 1 Ibg 121
curva de informacao com parametros originais a= 1.78 b= 0.394 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B
B
0.4

0.4
B
B
A A A A
0.3

0.3
A
0.2

0.2
C C C A
C
D D
0.1

0.1
D C A
D D C
D D
C A
D A
C D
0.0

0.0
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.36 0.35 0.38 0.41 0.46 0.57 0.72 0.85 0.92 0.96 1 0 0 0

48
Observe no quadro a seguir 3 casos cujas relações entre as palavras indicam o modo correto de se
grafar o substantivo, e assinale a alternativa que indica a correta grafia das palavras.

  A) (1) Projetar-Projeção, Viajar-Viagem;


(2) Compreender-Compreensão,
Verbo Substantivo Comprometer-Compromisso;
Solucionar Solução (3) Punir-Punição, Evadir-Evasão.
(1)
Mirar Miragem
Ascender Ascensão B) (1) Projetar-Projeção, Viajar-Viajem;
(2) (2) Compreender-Compreensão,
Prometer Promessa
Comprometer-Compromiço;
Construir Construção (3) Punir-Punissão, Evadir-Evazão.
(3)
Iludir Ilusão
 
C) (1) Projetar-Projessão, Viajar-Viagem;
(2) Compreender-Compreenção,
Comprometer-Compromiso;
(3) Punir-Punição, Evadir-Evasão.

D) (1) Projetar-Projeção, Viajar-Viassão;


(2) Compreender-Compreensão,
Comprometer-Compromisso;
(3) Punir-Punição, Evadir-Evadição.
 
H27 - Aplicar conhecimentos relativos a regularidades observadas em processos de derivação como
estratégia para solucionar problemas de ortografia, com base na correlação entre definição/exemplo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
50 7 2 A 0.46 0.52 0.23 0.75 0.52 0.46 0.19 0.24 0.09 0.01 0.00 0.52 -0.30 -0.25 -0.23 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 50 Bl 7 Ob 2 Ibg 122 a= 0.025 b= 259.226 c= 0.173 SP08 Por 8 It 50 Bl 7 Ob 2 Ibg 122
curva de informacao com parametros originais a= 1.372 b= 0.168 Gabarito: A
1.0

1.0

A
0.9

0.9

A
0.8

0.8

A
0.7

0.7

A
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5

A
0.4

0.4

C
B C
C
A
0.3

0.3

B C
A B C
0.2

0.2

B
A B C
D D D D C
0.1

0.1

B
D
D B C
D B
D C
B
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.09 0.16 0.23 0.31 0.41 0.54 0.68 0.8 0.9 0.97 1 0 0 0

49
Leia os textos para responder à questão.

MIGUILIM

De repente lá vinha um homem a cavalo. Eram dois. Um senhor de fora, o claro da roupa. Miguilim
saudou, pedindo a bênção. O homem trouxe o cavalo cá bem junto. Ele era de óculos, corado, alto, com
um chapéu diferente, mesmo.
– Deus te abençoe, pequeninho. Como é teu nome?
– Miguilim. Eu sou irmão de Dito.
– E seu irmão Dito é dono daqui?
– Não, meu senhor. O Ditinho está em glória.
O homem esbarrava o avanço do cavalo, que era zelado. Manteúdo, formoso como nenhum outro.
Redizia:
– Ah, não sabia, não. Deus o tenha em sua guarda... Mas, o que é que há, Miguilim?
Miguilim queria ver se o homem estava mesmo sorrindo para ele, por isso é que o encarava.
– Por que você aperta os olhos assim? Você não é limpo da vista? Vamos até lá. Quem é que está
em tua casa?
– É Mãe, e os meninos...
Estava Mãe, estava Tio Terêz, estavam todos. O senhor alto e claro se apeou. O outro, que vinha
com ele, era um camarada. O senhor perguntava à Mãe muitas coisas do Miguilim. Depois perguntava a
ele mesmo: – “Miguilim, espia daí: quantos dedos da minha mão você está enxergando? E agora?”
Miguilim espremia os olhos. Drelina e a Chica riam. Tomezinho tinha ido se esconder.
– Este nosso rapazinho tem a vista curta. Espera aí, Miguilim...
E o senhor tirava os óculos e punha-os em Miguilim, com todo o jeito.
– Olha, agora!
Miguilim olhou, nem não podia acreditar! Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as
coisas, as árvores, as caras das pessoas. Via os grãozinhos de areia, a pele da terra, as pedrinhas
menores, as formiguinhas passeando no chão, de uma distância. E tonteava.

Fonte: ROSA, João Guimarães. Miguilim. In:______. Manuelzão e Minguilim. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

No início do trecho extraído da novela Manuelzão e Miguilim, de Guimarães Rosa, há um diálogo


entre o menino e o senhor que chega a cavalo. Nessa conversa, o leitor fica sabendo de algo que
aconteceu a Dito, o irmão de Miguilim. Sabendo que a expressão “estar em glória” refere-se à
representação do Céu, com a Santíssima Trindade, os anjos e os bem-aventurados, e considerando-
se a fala do senhor: “Deus o tenha em sua guarda...” infere-se que o irmão de Miguilim e o senhor,
respectivamente:

A) estava feliz; desejava que Deus protegesse Dito.


B) tinha ido a um lugar chamado Glória; desejava que Dito estivesse bem.
C) estava doente; queria que Deus guardasse Dito da morte.
D) tinha morrido; desejava que Dito estivesse com Deus, no Céu.

50
H37 - Inferir o papel desempenhado pelas personagens em uma narrativa literária.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
62 8 6 D 0.42 0.62 0.13 0.75 0.66 0.25 0.22 0.10 0.42 0.01 0.00 -0.28 -0.35 -0.33 0.66 -0.29 -0.34

SP08 Por 8 It 62 Bl 8 Ob 6 Ibg 130 a= 0.042 b= 256.121 c= 0.125 SP08 Por 8 It 62 Bl 8 Ob 6 Ibg 130
curva de informacao com parametros originais a= 2.298 b= 0.111 Gabarito: D
1.0

1.0
D
D
0.9

0.9
D
0.8

0.8
D
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5
0.4

0.4
A
B A
B B
A A
0.3

0.3
D
B
C A
0.2

0.2
C B
D
C
D A
D C
0.1

0.1
C B A
C B
C A
B
0.0

0.0
C A
C
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.07 0.11 0.12 0.16 0.29 0.52 0.77 0.9 0.97 0.99 1 0 0 0

51
Leia o texto para responder à questão.

VALE A PENA OLHAR DE PERTO

Para quem quer saber tudo sobre o mar, nada melhor do que conferir diretamente, ao vivo e em cores.
Você já pensou em mergulhar?

Você é um privilegiado. O litoral brasileiro é um dos mais belos e generosos do mundo. Seus 7.367
quilômetros de extensão apresentam uma variedade enorme de ecossistemas, com praias, dunas, ilhas,
mangues, lajes e recifes. Há muito que ver e preservar neste litoral que pode parecer inesgotável, mas
hoje sofre os estragos causados pela pesca predatória, pela poluição e até pelos turistas.

Se todo mundo tivesse a chance de conhecer de perto as maravilhas do mar, as ameaças que
pesam sobre ele talvez não tivessem atingido um ponto tão alarmante. O mergulho é a maneira perfeita de
saber mais sobre o oceano e seus habitantes.

Cada vez mais gente está fazendo isso. O número de praticantes desse esporte no Brasil já chega
a 60.000. Você já experimentou? Mas, cuidado: nunca mergulhe sozinho, em lugar desconhecido e,
principalmente, sem antes passar por um curso com um instrutor credenciado.

Fonte: VALE a pena olhar de perto. Superinteressante, São Paulo, v. 22, p. 10-11, jul. 1989. 1 CD-ROM.

De acordo com o texto, é fato que a pesca predatória e a poluição têm causado danos aos
ecossistemas do litoral brasileiro. Porém, de acordo com a opinião do autor, esses estragos
poderiam ser evitados se

A) o governo tomasse providências.


B) o mergulho fosse mais praticado.
C) fosse proibido o turismo no litoral brasileiro.
D) a pesca predatória fosse incentivada.

52
H17 - Distinguir um fato da opinião pressuposta ou subentendida em relação a esse mesmo fato, em
segmentos descontínuos de um texto. (

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
64 8 8 B 0.46 0.50 0.22 0.72 0.52 0.33 0.46 0.10 0.10 0.00 0.01 -0.23 0.52 -0.33 -0.31 -0.39 -0.31

SP08 Por 8 It 64 Bl 8 Ob 8 Ibg 132 a= 0.033 b= 269.096 c= 0.242 SP08 Por 8 It 64 Bl 8 Ob 8 Ibg 132
curva de informacao com parametros originais a= 1.845 b= 0.347 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
A A
A B
A A
0.3

0.3
B
B A
C
B
0.2

0.2
D C
D C
D A
C
D
0.1

0.1
D
C A
C
D
C
D C A
0.0

0.0
D D
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.13 0.22 0.24 0.29 0.37 0.51 0.67 0.82 0.93 0.98 1 0 0 0

53
Leia com atenção o fragmento abaixo.
O mapa do amor: tudo o que você queria saber sobre o amor e ninguém sabia responder
O relacionamento amoroso é uma das áreas mais importantes da nossa vida.
Existem estimativas de que cerca de 92% das pessoas do nosso planeta se casam pelo menos uma vez.
Muitas dessas pessoas se casam mais que uma vez. Mesmo aquelas que não se casam, os 8%
restantes, também são afetadas pelos assuntos amorosos (frustração por não se casar, pressões e
preconceitos contra os “solteirões” etc.).
É difícil exagerar a importância do relacionamento amoroso. A imensa quantidade de livros,
revistas, novelas, filmes, músicas etc. que tratam desse tema e a enorme quantidade de energia, tempo e
dinheiro que as pessoas gastam para se tornar mais atraentes aos olhos dos possíveis parceiros
amorosos atestam a importância dele para as nossas vidas.
Fonte: AMÉLIO, Ailton. O mapa do amor: tudo o que você queria saber sobre o amor e ninguém sabia responder. São
Paulo: Ática, 2001. p. 9.

Para defender a tese de que “o relacionamento amoroso é uma das áreas mais importantes da
nossa vida”, o autor utiliza como argumento
A) dados estatísticos que atestam que a maioria das pessoas se casa depois dos quarenta anos
de idade.
B) exemplos de pessoas que se casaram muito jovens.
C) citações de vários psicólogos e psiquiatras.
D) enumeração de diversos itens que mostram a importância do assunto.

H13 - Localizar um argumento utilizado pelo autor para defender sua tese, em um texto argumentativo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
79 10 7 D 0.50 0.58 0.22 0.81 0.59 0.14 0.23 0.11 0.50 0.01 0.00 -0.21 -0.40 -0.28 0.59 -0.30 -0.31

SP08 Por 8 It 79 Bl 10 Ob 7 Ibg 143 a= 0.029 b= 243.019 c= 0.131 SP08 Por 8 It 79 Bl 10 Ob 7 Ibg 143
curva de informacao com parametros originais a= 1.603 b= -0.126 Gabarito: D
1.0

1.0

D
D
0.9

0.9

D
0.8

0.8

D
0.7

0.7
proporcao de resposta

D
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

D
0.4

0.4

B B
B
0.3

0.3

D B
A
C A
0.2

0.2

C
D A
C B
A
C A
0.1

0.1

D C A
B A
C
C
B A
C A
C
0.0

0.0

B B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.08 0.16 0.28 0.45 0.63 0.79 0.88 0.95 0.98 1 0 0 0

54
Leia o texto para responder á questão.
Além de prejudicar a fertilidade do solo, (segundo o Dr. Herbert Wilhelmy) as queimadas,
destruindo facilmente grandes áreas de vegetação natural, traziam outras desvantagens, como a de retirar
aos pássaros a possibilidade de construírem seus ninhos. “E o desaparecimento dos pássaros acarreta o
desaparecimento de um importante fator de extermínio de pragas de toda espécie. O fato é que nas
diversas regiões onde houve grande destruição de florestas, a broca invade as plantações de mate e
penetra até à medula nos troncos e galhos, condenando os arbustos à morte certa. As próprias lagartas
multiplicam-se consideravelmente com a diminuição das matas”.

Fonte: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Além de prejudicar a fertilidade do solo... In:______. Raízes do Brasil. 16. ed. Rio
de Janeiro: José Olympio. 1983.

No trecho em destaque, Sérgio Buarque de Holanda cita entre aspas as palavras do Dr. Herbert
Wilhelmy. Assinale a alternativa que melhor explica o emprego dessa citação nesse trecho.

A) Sérgio Buarque de Holanda cita as palavras do Dr. Herbert Wilhelmy, um outro estudioso do
mesmo assunto, para sustentar sua própria argumentação, contrária às queimadas.
B) Por ser favorável às queimadas, Sérgio Buarque de Holanda cita o Dr. Herbert Wilhelmy,
estudioso contrário à sua opinião, como contra-argumento.
C) Sendo repetição do que o próprio autor já mencionou, a citação tem uma função, meramente
decorativa no texto.
D) Sérgio Buarque de Holanda, por não dominar o assunto, faz a citação para conferir maior
prestígio a seu próprio texto.

H21 - Justificar o uso de recurso a formas de apropriação textual como paráfrases, citações, discurso direto,
indireto ou indireto livre, em um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
93 12 5 A 0.50 0.48 0.26 0.74 0.48 0.50 0.19 0.16 0.14 0.01 0.00 0.48 -0.36 -0.23 -0.12 -0.33 -0.33

SP08 Por 8 It 93 Bl 12 Ob 5 Ibg 153 a= 0.022 b= 255.996 c= 0.19 SP08 Por 8 It 93 Bl 12 Ob 5 Ibg 153
curva de informacao com parametros originais a= 1.203 b= 0.109 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9

A
A
0.8

0.8

A
0.7

0.7

A
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5

A
0.4

0.4

A
B
B
0.3

0.3

A B
C
D C B
0.2

0.2

D C
D C
A D B
C
D D D D
0.1

0.1

C
B C D
B C
B C
B
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.15 0.26 0.36 0.46 0.59 0.7 0.79 0.84 0.9 1 0 0 0

55
Leia o texto para responder à questão.

Rio de Janeiro, 20 de novembro de 1904.

Meu caro Nabuco,

Tão longe, e em outro meio, chegou-lhe a notícia da minha grande desgraça, e você expressou a
sua simpatia por um telegrama.
Foi-se a melhor parte da minha vida e aqui estou só no mundo. Note que a solidão não me é
enfadonha, antes me é grata, porque é um modo de viver com ela, ouvi-la, assistir aos mil cuidados que
essa companheira de 35 anos de casados tinha comigo; Éramos velhos, e eu contava morrer antes dela,
o que seria um grande favor; primeiro, porque não acharia a ninguém que melhor me ajudasse a morrer;
segundo, porque ela deixa alguns parentes que a consolariam das saudades, e eu não tenho nenhum.
Os meus são os amigos, e verdadeiramente são os melhores; mas a vida os dispersa, no espaço,
nas preocupações do espírito e na própria carreira que a cada um cabe. Aqui me fico, por ora na mesma
casa, no mesmo aposento, com os mesmos adornos seus. Tudo me lembra minha meiga Carolina. Como
estou à beira do eterno aposento, não gastarei muito tempo em recordá-la. Irei vê-la, ela me esperará.
Não posso, caro amigo, responder agora à sua carta de 8 de outubro;
Até outra e breve. Aceite este abraço do triste amigo velho
Machado de Assis
Fonte: COELHO, Marchado. A solidão de Machado. Língua Portuguesa, São Paulo, n. 12, p. 34-35, 2006.

Na passagem “Como estou à beira do eterno aposento, não gastarei muito tempo em recordá-la. Irei
vê-la, ela me esperará.”, pode-se inferir que Machado de Assis

A) está em vias de se aposentar e pretende ter um encontro com a mulher, que o está esperando.
B) considera que vai morrer logo e anseia encontrar a mulher depois que isso acontecer.
C) está ao lado do quarto onde viveu com a mulher e espera encontrar ali o espírito de sua
amada.
D) julga que não vale a pena ficar lembrando o passado, pois tem um encontro marcado com a
mulher.

56
H38 - Justificar os efeitos de sentido produzidos em um texto literário pelo uso de palavras ou expressões de
sentido figurado.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
101 13 5 B 0.53 0.55 0.27 0.82 0.58 0.21 0.53 0.14 0.12 0.01 0.00 -0.34 0.58 -0.33 -0.26 -0.36 -0.37

SP08 Por 8 It 101 Bl 13 Ob 5 Ibg 159 a= 0.038 b= 250.686 c= 0.249 SP08 Por 8 It 101 Bl 13 Ob 5 Ibg 159
curva de informacao com parametros originais a= 2.096 b= 0.013 Gabarito: B
1.0

1.0
B
B
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
A A B
A
0.3

0.3
A
C B
C
D
0.2

0.2
B D C
D A
C
D
0.1

0.1
C
D
A
D
C
D
C
A D
C
0.0

0.0
A D
C
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 275

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.2 0.25 0.31 0.44 0.64 0.82 0.92 0.97 0.99 1 0 0 0

57
 

Nível 300
 
 
 
 
Leia o texto para responder à questão.

Como funciona a memória do computador

A memória RAM (Random Access Memory) é a forma mais conhecida de memória de computador.
A memória RAM é considerada de "acesso aleatório" porque é possível acessar diretamente qualquer
célula da memória se você conhece a linha e a coluna que cruzam essa célula.
O oposto da memória RAM é a memória de acesso serial (SAM). A memória SAM armazena
dados como uma série de células de memória que podem somente ser acessadas seqüencialmente
(como uma fita cassete). Se o dado não está na localização atual, cada célula da memória é verificada até
que os dados necessários sejam encontrados. A memória SAM funciona muito bem para buffers de
memória, onde os dados são normalmente armazenados na ordem em que serão usados.
Os dados RAM, por outro lado, podem ser acessados em qualquer ordem.

Fonte: TYSON, Jeff. Como funciona a memória do computador. Traduzido por Howstuff Works Brasil. São Paulo:
Howstuff Works Brasil, 2000. Disponível em: <http://informatica.hsw.uol.com.br/memoria-do-computador.htm>. Acesso
em: 01 ago. 2008.

A palavra dados, sublinhada no texto, é utilizada com o sentido de

A) memória disponível no computador.


B) local disponível para salvar arquivos.
C) informação capaz de ser processada por um computador.
D) acesso ao local do arquivo.

58
H4 - Identificar o sentido restrito a determinada área de conhecimento (técnica, tecnológica ou científica) de
vocábulo ou expressão utilizados em um segmento de texto, selecionando aquele que pode substituí-lo por
sinonímia no contexto em que se insere.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
13 2 5 C 0.32 0.49 0.09 0.58 0.51 0.20 0.23 0.32 0.24 0.01 0.00 -0.29 -0.21 0.51 -0.08 -0.32 -0.27

SP08 Por 8 It 13 Bl 2 Ob 5 Ibg 93 a= 0.035 b= 293.621 c= 0.166 SP08 Por 8 It 13 Bl 2 Ob 5 Ibg 93


curva de informacao com parametros originais a= 1.94 b= 0.792 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
C
0.4

0.4
A A C
0.3

0.3
B B A
B D
B D
D D
D C
A B
D
0.2

0.2
C C C A B D
A
0.1

0.1
B
A D
B
A
D
A
0.0

0.0 B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.13 0.16 0.17 0.18 0.22 0.31 0.46 0.66 0.85 0.97 1 0 0 0

59
Leia o poema abaixo para responder à questão
 
Moro na roça
Eu moro na roça, Iaiá
Eu nunca morei na cidade
Compro o jornal da manhã
É pra saber das novidade
Minha gente cheguei agora
Minha gente cheguei agora
Minha gente cheguei com Deus
E com Nossa Senhora
Xique-xique Macambira
Filho de mestre de Angola
Inda nem num sabe lê
Já qué sê mestre de escola
Era tu e era ela
Era ela, era tu e eu
Hoje nem tu, nem ela
Nem ela, nem tu, nem eu
Menino quem foi teu mestre
Meu mestre foi Ceará
Me ensinou a cantá samba
Não me ensinou a trabalhá
Todo dia passa lá em casa
É a minha comadre Letícia
Ela minha leva O Globo,
Última Hora, o dia e A Notícia.
Fonte: MANGUEIRA, Xangô da; ZA. Moro na roça. In: JESUS, Clementina de. Raízes do Samba. Manaus: EMI, 1999.
(adaptação de tema popular). 1 disco de vinil.

A transcrição, acima, da letra do samba cantado por Clementina de Jesus apresenta algumas
formas de registro que fogem ao que prescrevem os manuais de ensino de gramática e redação.
Isso se dá porque

A) a letra do samba em questão representa personagens populares, com seus assuntos, seu
modo de vida, sua forma de encarar o mundo e sua maneira particular de falar, e a transcrição
respeita esses aspectos.
B) na transcrição de letras de música devemos sempre respeitar a oralidade, o que nos obriga a
registrar as palavras tal como as ouvimos, não tal como elas devem ser escritas.
C) a transcrição faz uma concessão indevida aos erros de ortografia e sintaxe, o que desrespeita
as normas do português culto, que deveria ser observado inclusive na transcrição de letras de
música.
D) embora esteja errada, a transcrição do samba de Clementina de Jesus deve ser respeitada,
pois quem a escreveu não tem culpa de não ter tido acesso a uma boa educação.

60
H28 - Identificar o efeito de sentido produzido em um texto literário pela exploração de recursos ortográficos
ou morfossintáticos.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
15 2 7 A 0.46 0.54 0.18 0.72 0.45 0.46 0.22 0.16 0.16 0.01 0.00 0.45 -0.20 -0.23 -0.22 -0.31 -0.37

SP08 Por 8 It 15 Bl 2 Ob 7 Ibg 95 a= 0.023 b= 278.39 c= 0.236 SP08 Por 8 It 15 Bl 2 Ob 7 Ibg 95


curva de informacao com parametros originais a= 1.254 b= 0.516 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9
A
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
0.4

0.4
A
A
B
0.3

0.3
B
A B
C C B
D
0.2

0.2
A D D
C B
D
C B
D
C B
D
C
0.1

0.1
B
C
D B
C
D C
D
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.06 0.2 0.27 0.33 0.4 0.51 0.61 0.72 0.83 0.9 1 0 0 0

61
Observe a figura para responder à questão.

“Muitas espécies estão na lista de extinção, mas, se depender


da Petrobras a baleia franca não vai continuar nela”.

Fonte: PROTEJA a onça pintada. Propaganda. Disponível em:


<http://www2.petrobras.com.br/propaganda/pop/images/Biodiversidade_Baleia%20Franca_B.jpg>. Acesso em: 3 ago.
2008.

Quanto à finalidade, ao gênero e ao assunto, podemos afirmar que o texto é


A) uma reportagem, cujo assunto é a proteção de espécies animais em extinção e tem por
finalidade incentivar sua proteção.
B) uma notícia, cujo assunto é a proteção de espécies animais em extinção e tem por finalidade
informar que a empresa possui um programa voltado à proteção da baleia franca.
C) um cartaz, cujo assunto é a proteção de espécies animais em extinção e tem por finalidade
incentivar a proteção desses animais, exceto a baleia franca.
D) um anúncio publicitário, cujo assunto é a proteção de espécies animais em extinção e tem por
finalidade informar que a empresa possui um programa voltado à proteção da baleia franca. 

62
H1 - Identificar a finalidade de um texto, seu gênero e assunto principal.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
16 2 8 D 0.39 0.57 0.12 0.69 0.52 0.25 0.21 0.15 0.39 0.00 0.01 -0.24 -0.14 -0.31 0.52 -0.37 -0.31

SP08 Por 8 It 16 Bl 2 Ob 8 Ibg 96 a= 0.033 b= 279.456 c= 0.193 SP08 Por 8 It 16 Bl 2 Ob 8 Ibg 96


curva de informacao com parametros originais a= 1.795 b= 0.535 Gabarito: D
1.0

1.0
D
0.9

0.9
D
0.8

0.8
D
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5
D
0.4

0.4
A A A
0.3

0.3
A
D
B B
C B B A
C D
C B
0.2

0.2
D D C B
A
C B
0.1

0.1
A
C A
B
C C B
0.0

0.0
C
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.12 0.18 0.19 0.23 0.3 0.41 0.59 0.75 0.89 0.98 1 0 0 0

63
Leia o texto para responda à questão.
SANTINHO
Luís Fernando Veríssimo

Me lembro com clareza de todas as minhas professoras, mas me lembro de uma em


particular. Ela se chamava Dona Ilka. Curioso: por que escrevi “Dona Ilka” e não Ilka? Talvez por
medo de que ela se materializasse aqui ao meu lado e exigisse o “Dona”, onde já se viu tratar
professora pelo primeiro nome, menino? No meu tempo ainda não se usava o “tia”. Elas podiam ser
boas e até maternais, mas decididamente não eram nossas tias. A Dona Ilka não era maternal. Era
uma mulher pequena com um perfil de passarinho. Um pequeno passarinho loiro. E uma fera.
Eu era um aluno “bem-comportado”. Era um vagabundo, não aprendia nada, vivia distraído.
Mas comportamento, 10. Por isto até hoje faço verdadeiras faxinas na memória, procurando
embaixo de tudo e em todos os nichos a razão de ter sido, um dia, castigado pela Dona Ilka. Alguma
eu devo ter feito, mas não consigo lembrar o quê. O fato é que fui posto de castigo. Que consistia
em ficar de pé em um canto da sala de aula, com a cara virada para a parede. (Isto tudo, já dá para
ver, foi mais ou menos lá pela Idade Média.) Mas o que eu nunca esqueci foi a Dona Ilka ter me
chamado de “santinho do pau oco”.
Ser bem-comportado em sala de aula não era uma decisão minha nem era nada de que me
orgulhasse. Era só o meu temperamento. Mas a frase terrível de dona Ilka sugeria que a minha
conduta era uma simulação. Eu era um falso. Um santo falsificado! Depois disso, pelo resto da vida,
não foram poucas as vezes em que um passarinho imaginário com perfil de professora pousou no
meu ombro e me chamou de fingido. Os santinhos do pau oco passam a vida se questionando.
Já outra professora quase destruiu para sempre qualquer pretensão minha à originalidade
literária. Era para fazer uma redação em aula sobre a ociosidade, e eu não tinha a menor idéia do
que era ociosidade. Se a palavra fora mencionada em aula tinha certamente sido num dos meus
períodos de devaneio, em que o corpo ficava ali, mas a mente ia passear. E então, me achando
formidável, fiz uma redação inteira sobre um aluno que precisa fazer uma redação sobre a
ociosidade sem saber o que é isso, sua agonia e finalmente sua decisão de fazer uma redação
sobre um aluno que precisa fazer uma redação sobre a ociosidade, etc; A professora chamou a
atenção de toda a classe para a minha redação. Eu era um exemplo de quem acha que com
esperteza pode-se deixar de estudar e por isto estava ganhando um zero exemplar. Só faltou me
chamar de original do pau oco.
Enfim, sobrevivi. No ginásio, todos os professores eram homens, mas não lembro de
nenhuma marca que algum deles tenha deixado. As relações com nossas pseudomães, no primário,
eram muito mais profundas. As duas histórias que eu contei não têm a menor importância. Mas olha
as cicatrizes.
Fonte: VERISSIMO, Luís Fernando. Santinho. In:______. O nariz e outras crônicas. São Paulo: Ática, 1994.

Em “(Isto tudo, já dá para ver, foi mais ou menos lá pela Idade Média.)” o narrador usa os
parênteses para:

A) localizar o leitor quanto ao tempo em que ocorreu a história narrada.


B) abrir espaço para a linguagem coloquial, típica da crônica.
C) mostrar o quanto aquele castigo era antigo, ironizando a situação.
D) acrescentar uma idéia de que se lembrara depois de completar a frase anterior.

64
H29 - Identificar o efeito de sentido produzido, em um texto literário, pelo uso intencional de pontuação
expressiva (interrogação, exclamação, reticências, aspas etc.) .

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
30 4 6 C 0.39 0.50 0.14 0.65 0.47 0.27 0.19 0.39 0.14 0.01 0.00 -0.14 -0.33 0.47 -0.16 -0.31 -0.26

SP08 Por 8 It 30 Bl 4 Ob 6 Ibg 106 a= 0.031 b= 287.929 c= 0.225 SP08 Por 8 It 30 Bl 4 Ob 6 Ibg 106
curva de informacao com parametros originais a= 1.729 b= 0.689 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
0.4

0.4
A
0.3

0.3
B B A C
A A B
C C A
C B
0.2

0.2
D D D D B A
D
0.1

0.1
B D A
B D
B A
D
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.19 0.22 0.24 0.25 0.3 0.41 0.54 0.72 0.85 0.95 1 0 0 0

65
Leia o texto e responda à questão.

Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil. Veja como reciclar

Andrea Vialli

Ainda sobre o tema lixo tecnológico: apenas 2% dos brasileiros destinam seus celulares usados
para a reciclagem, embora 74% acreditem que essa é uma atitude correta para o meio ambiente. O
número é baixo mas está em sintonia com a média mundial: apenas 3% dos celulares vendidos voltam à
linha de produção.
Os números fazem parte de um levantamento realizado pela fabricante de aparelhos Nokia, em
que foram consultadas 6,5 mil pessoas em 13 países, com o objetivo de traçar estratégias para incentivar
o recolhimento dos celulares e baterias que não são mais usados.
Boa parte dos entrevistados (44%) deixa os aparelhos guardados em casa, na gaveta. No Brasil,
esse número cai para 32%, enquanto 29% dos consumidores dão o celular para outra pessoa e 10%
jogam o aparelho antigo no lixo comum - contra 4% da média mundial.
Cerca de 80% dos componentes de um celular - plástico, circuitos eletrônicos e metais - podem ser
reciclados e voltar à indústria. Os visores, por exemplo, podem ser reaproveitados pelos fabricantes de
brinquedos, para fazer joguinhos eletrônicos. E as baterias mais antigas, fabricadas antes de 2000,
possuem metais pesados, como níquel e cádmio, em sua composição. Se jogadas no lixo comum, essas
substâncias podem contaminar o solo e a água.

Fonte: VIALLI, Andrea. Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil: veja como reciclar. O Estado de S. Paulo, São
Paulo, 9 jul. 2008. (com cortes). Disponível em:
<http://blog.estadao.com.br/blog/vialli/?title=so_2_dos_celulares_sao_reciclados_no_bra&more=1&c=1&tb=1&pb=1>
Acesso em: 3 ago. 2008.

A leitura dos dados levantados pela jornalista na reportagem sobre a reciclagem de celulares no
país, permite-nos afirmar que

A) embora 74% dos brasileiros acreditem na importância da reciclagem dos aparelhos de celular
para a preservação do meio ambiente, uma vez que 80% de seus componentes podem ser
reaproveitados, essa ação ainda não faz parte de nossa cultura.
B) a maior parte dos aparelhos celulares usados em nosso país (cerca de 32%) fica guardada nas
gavetas, pois 74% da população não sabe dos benefícios da reciclagem para o meio ambiente.
C) o baixo índice de aparelhos celulares reciclados (2% dos aparelhos vendidos) decorre da
dificuldade de encontrar empresas que reaproveitem os metais pesados presentes na
composição das baterias fabricadas antes do ano 2000.
D) no Brasil e no mundo, apenas cerca de 3% dos aparelhos celulares não são reciclados, pois a
maior parte da população (74%) sabe dos prejuízos causados por esses objetos à natureza.

66
H7 - Localizar informações explícitas no texto, com o objetivo de solucionar um problema proposto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
45 6 5 A 0.42 0.51 0.18 0.69 0.51 0.42 0.26 0.16 0.15 0.01 0.00 0.51 -0.27 -0.24 -0.19 -0.34 -0.36

SP08 Por 8 It 45 Bl 6 Ob 5 Ibg 117 a= 0.037 b= 277.878 c= 0.249 SP08 Por 8 It 45 Bl 6 Ob 5 Ibg 117
curva de informacao com parametros originais a= 2.06 b= 0.506 Gabarito: A
1.0

1.0
A
A
0.9

0.9
A
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
A
0.4

0.4
B B B A
B
0.3

0.3
A B
A
C
A C C
0.2

0.2
D D D D
C D B
C
D
0.1

0.1
C
B
D
C
D
C
B C
0.0

0.0
D
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.2 0.22 0.25 0.27 0.33 0.43 0.62 0.82 0.93 0.99 1 0 0 0

67
Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil. Veja como reciclar

Andrea Vialli

Ainda sobre o tema lixo tecnológico: apenas 2% dos brasileiros destinam seus celulares usados
para a reciclagem, embora 74% acreditem que essa é uma atitude correta para o meio ambiente. O
número é baixo mas está em sintonia com a média mundial: apenas 3% dos celulares vendidos voltam à
linha de produção.
Os números fazem parte de um levantamento realizado pela fabricante de aparelhos Nokia, em
que foram consultadas 6,5 mil pessoas em 13 países, com o objetivo de traçar estratégias para incentivar
o recolhimento dos celulares e baterias que não são mais usados.
Boa parte dos entrevistados (44%) deixa os aparelhos guardados em casa, na gaveta. No Brasil,
esse número cai para 32%, enquanto 29% dos consumidores dão o celular para outra pessoa e 10%
jogam o aparelho antigo no lixo comum - contra 4% da média mundial.
Cerca de 80% dos componentes de um celular - plástico, circuitos eletrônicos e metais - podem ser
reciclados e voltar à indústria. Os visores, por exemplo, podem ser reaproveitados pelos fabricantes de
brinquedos, para fazer joguinhos eletrônicos. E as baterias mais antigas, fabricadas antes de 2000,
possuem metais pesados, como níquel e cádmio, em sua composição. Se jogadas no lixo comum, essas
substâncias podem contaminar o solo e a água.
Fonte: VIALLI, Andrea. Só 2% dos celulares são reciclados no Brasil: veja como reciclar. O Estado de S. Paulo, São
Paulo, 9 jul. 2008. (com cortes). Disponível em:
<http://blog.estadao.com.br/blog/vialli/?title=so_2_dos_celulares_sao_reciclados_no_bra&more=1&c=1&tb=1&pb=1>
Acesso em: 3 ago. 2008.

Segundo os dados apontados pela jornalista na reportagem, sobre a reciclagem de celulares no


país,

A) 2% da população reciclam seus celulares usados, enquanto 29% dos usuários de telefonia
móvel no país doam seus aparelhos para um conhecido e 4% dos brasileiros jogam seus
aparelhos velhos no lixo.
B) 80% das peças de um celular podem ser recicladas, mas 32% da população guardam seus
celulares antigos na gaveta, enquanto apenas 2% dos brasileiros reciclam seus aparelhos.
C) 80% dos aparelhos celulares vendidos no mundo são reciclados, mas apenas 3% desses
aparelhos são reaproveitados no Brasil e 32% dos brasileiros guardam seus aparelhos antigos
em casa.
D) 6,5 milhões de pessoas em 13 países utilizam celulares reciclados.

68
H6 - Localizar e relacionar itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
46 6 6 B 0.38 0.43 0.18 0.61 0.43 0.30 0.38 0.18 0.12 0.01 0.00 -0.12 0.43 -0.22 -0.26 -0.33 -0.39

SP08 Por 8 It 46 Bl 6 Ob 6 Ibg 118 a= 0.032 b= 296.83 c= 0.255 SP08 Por 8 It 46 Bl 6 Ob 6 Ibg 118
curva de informacao com parametros originais a= 1.784 b= 0.85 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
A A
A A B
0.3

0.3
A
A B
C B
C
B C C A
0.2

0.2
D D D C
D C
D A
0.1

0.1
C
D
D C A
D D
C
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.21 0.24 0.25 0.28 0.31 0.37 0.5 0.67 0.84 0.95 1 0 0 0

69
Leia o texto e responda à questão.

A INCAPACIDADE DE SER VERDADEIRO

Paulo tinha fama de mentiroso. Um dia chegou em casa dizendo que vira no campo dois dragões-da-
independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas.
A mãe botou-o de castigo, mas na semana seguinte ele veio contando que caíra no pátio da escola um
pedaço de lua, todo cheio de buraquinhos, feito queijo, e ele provou e tinha gosto de queijo. Desta vez
Paulo não só ficou sem sobremesa como foi proibido de jogar futebol durante quinze dias.
Quando o menino voltou falando que todas as borboletas da Terra passaram pela chácara de Siá Elpídia e
queriam formar um tapete voador para transportá-lo ao sétimo céu, a mãe decidiu levá-lo ao médico. Após
o exame, o Dr. Epaminondas abanou a cabeça:
⎯ Não há nada a fazer, Dona Coló. Este menino é mesmo um caso de poesia.

Fonte: ANDRADE, Carlos Drummond de. A incapacidade de ser verdadeiro. In:______. Histórias para o rei. Rio de
Janeiro: Record, 2002.

É possível afirmar que o conflito vivido por Dona Coló está relacionado ao fato de que

A) as mentiras de seu filho Paulo foram se tornando mais fantásticas com o passar do tempo.
B) embora seu filho Paulo tivesse fama de mentiroso, todos o achavam louco, inclusive ela.
C) a fama de mentiroso tornava Paulo mais mentiroso ainda, a ponto de enganar a mãe.
D) ela não sabia se Paulo era mentiroso mesmo ou estava sofrendo de alguma doença conhecida
pela medicina.
H35 - Inferir o conflito gerador de uma narrativa literária, analisando o enunciado na perspectiva do papel
assumido pelas personagens.
ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS
ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
54 7 6 D 0.41 0.47 0.19 0.66 0.46 0.30 0.15 0.13 0.41 0.01 0.00 -0.09 -0.26 -0.36 0.46 -0.35 -0.39

SP08 Por 8 It 54 Bl 7 Ob 6 Ibg 124 a= 0.016 b= 262.219 c= 0.041 SP08 Por 8 It 54 Bl 7 Ob 6 Ibg 124
curva de informacao com parametros originais a= 0.875 b= 0.222 Gabarito: D
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8

D
D
0.7

0.7
proporcao de resposta

D
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5

D
0.4

0.4

D
A A A A A
0.3

0.3

B D A
C B A
C A
0.2

0.2

D B
C
B A
C B
0.1

0.1

D B
C B
C B B
C C C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.09 0.19 0.28 0.39 0.5 0.58 0.66 0.73 0.78 0.91 0 0 0

70
Leia o texto para responder à questão.

Lua cheia

Boião de leite
que a Noite leva
com mãos de treva
pra não sei quem beber.
E que, embora levado
muito devagarinho,
vai derramando pingos brancos
pelo caminho.
 
Fonte: RICARDO, Cassiano. Lua cheia. In:______. Poesias completas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957. p.135.

Observe que as expressões “boião de leite” e “pingos brancos” têm sentido figurado; isso pode ser
verificado em razão de

A) indicarem ironia.
B) metaforizarem os termos lua e estrelas.
C) referirem a iluminação das ruas e das casas.
D) destacarem idéias antitéticas.

H38 - Identificar uma interpretação de fonte literária autorizada para um determinado texto literário.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
57 8 1 B 0.43 0.44 0.22 0.66 0.45 0.26 0.43 0.13 0.17 0.01 0.00 -0.24 0.45 -0.29 -0.12 -0.33 0.00

SP08 Por 8 It 57 Bl 8 Ob 1 Ibg 127 a= 0.031 b= 287.133 c= 0.271 SP08 Por 8 It 57 Bl 8 Ob 1 Ibg 127
curva de informacao com parametros originais a= 1.714 b= 0.674 Gabarito: B
1.0

1.0

B
0.9

0.9

B
0.8

0.8

B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5

B
0.4

0.4

A A B
A
0.3

0.3

B A
B
B A
C C D
0.2

0.2

D D A
D D C D
C A
0.1

0.1

C D
C A
C D
C D
C
A
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.19 0.26 0.28 0.3 0.35 0.44 0.58 0.72 0.86 0.96 1 0 0 0

71
Leia os textos para responder à questão.

Texto 1.
Estática dos fluídos

Uma característica fundamental de qualquer fluido em repouso é que a força exercida sobre
qualquer partícula do fluido é a mesma em todas as direções. Esse conceito é conhecido como lei de
Pascal. Quando a gravidade é a única força que atua sobre um líquido colocado num recipiente aberto, a
pressão em qualquer ponto do líquido é diretamente proporcional à profundidade do ponto, e é
independente do tamanho ou forma do recipiente.

O segundo princípio importante da estática dos fluidos foi descoberto por Arquimedes. O princípio
de Arquimedes afirma que todo corpo submerso num fluido experimenta uma força para cima igual ao
peso do fluido deslocado por aquele corpo. Isso explica como um navio pesado consegue flutuar.
Também permite determinar a densidade de um objeto cuja forma seja tão irregular que seu volume não
possa ser medido diretamente.

Fonte: ESTÁTICA dos fluidos. In: ENCICLOPÉDIA Encarta 2001 [s.l.]: Microsoft Corporation, 1993-2000. 1 CD-ROM.

Texto 2.
Por que o navio flutua?

Porque ele é mais leve, ou seja, menos denso que a água. A massa do navio está distribuída em
uma larga extensão, fazendo com que ele desloque uma grande quantidade de água ao ser lançado ao
mar. Assim, ele preenche um espaço antes ocupado pelo líquido. A água deslocada, que estava em
equilíbrio, tenderá a voltar ao seu lugar, exercendo assim uma pressão que atua sobre todo o casco,
principalmente em sua parte inferior. Essa pressão, chamada empuxo, impulsiona o navio para a
superfície e contrabalança seu peso, evitando que ele afunde. Na verdade, quando é lançado ao mar, o
navio afunda até a massa de água deslocada se tornar igual á dele.
Fonte: POR QUE o navio flutua? Superinteressante, São Paulo, v. 43, p. 20, 1991. 1 CD-ROM.

Os dois textos oferecem informações suficientes para que se possa compreender a razão de um
navio flutuar. O primeiro texto é um verbete enciclopédico enquanto o segundo é a resposta a uma
curiosidade de um leitor da revista. Assim, é possível considerar que

A) o primeiro texto explica o fenômeno físico, o segundo, dá detalhes do lançamento de um navio.


B) o segundo texto explica o fenômeno físico, o primeiro ensina o princípio de Arquimedes.
C) o primeiro texto focaliza o princípio da Física que explica o fenômeno e o segundo focaliza
mais o esclarecimento do fenômeno.
D) o segundo texto explica o fenômeno sem ocupar-se da pertinência do conceito científico
utilizado.

72
H20 - Justificar, com base nas características dos gêneros, diferenças ou semelhanças no tratamento dado a
uma mesma informação veiculada em textos diferentes.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
61 8 5 C 0.41 0.47 0.19 0.66 0.50 0.28 0.22 0.41 0.08 0.01 0.00 -0.25 -0.19 0.50 -0.28 -0.35 -0.32

SP08 Por 8 It 61 Bl 8 Ob 5 Ibg 129 a= 0.031 b= 279.627 c= 0.214 SP08 Por 8 It 61 Bl 8 Ob 5 Ibg 129
curva de informacao com parametros originais a= 1.718 b= 0.538 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
C
0.4

0.4
A A
A C
A
0.3

0.3
B B A
B
C B
C B
0.2

0.2
C A
D B
D
D A
0.1

0.1
B
D
D A
B
D D D A
D
B
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.1 0.2 0.23 0.26 0.32 0.44 0.59 0.75 0.87 0.95 1 0 0 0

73
Leia o texto para responder à questão.

A casca do mundo

A superfície da Terra é formada por placas semelhantes aos gomos de uma bola de futebol. São
imensos blocos de rocha sólida, com aproximadamente 100 quilômetros de espessura, que bóiam sobre
um oceano de magma - material viscoso e incandescente de que é formada a maior parte do planeta. As
placas tectônicas são quinze, entre as grandes e as pequenas, e estão em permanente movimento. A
palavra tectônica vem do grego e significa "em construção".
Os continentes estão sempre mudando de lugar, acompanhando as placas, mas sua velocidade é
lenta, de apenas 5 a 10 centímetros por ano. O Brasil e a África já dançaram de rosto colado, quando
formavam o mesmo continente. Note como o litoral do Nordeste se encaixa na grande curvatura do oeste
africano. A Índia nem sempre fez parte da Ásia. Ela era uma ilha e, ao se acoplar ao continente asiático, o
impacto fez as rochas se empilharem. Daí resultou o Himalaia.

Fonte: A CASCA do mundo. Superinteressante, São Paulo, v.21, p.10-11, 1998. 1 CD-ROM.

Justifica-se o uso da expressão placas tectônicas em razão de que


A) o autor quis esclarecer o nome científico do fenômeno geológico explicado no segmento
anterior.
B) o autor quis informar a origem grega do termo que ele usaria no segmento posterior.
C) o autor quis esclarecer que apenas na Grécia usa-se esse nome científico.
D) o autor quis diferenciar as placas tectônicas dos blocos de rocha sólida.

H24 - Justificar a presença, em um texto, de marcas de variação lingüística, no que diz respeito aos fatores
geográficos, históricos, sociológicos ou técnicos, do ponto de vista da fonética, do léxico, da morfologia ou da
sintaxe.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
65 9 1 A 0.41 0.47 0.20 0.67 0.45 0.41 0.19 0.08 0.30 0.01 0.00 0.45 -0.16 -0.36 -0.20 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 65 Bl 9 Ob 1 Ibg 133 a= 0.027 b= 286.049 c= 0.229 SP08 Por 8 It 65 Bl 9 Ob 1 Ibg 133
curva de informacao com parametros originais a= 1.468 b= 0.655 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9

A
0.8

0.8

A
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5

A
0.4

0.4

D D
A D
D
0.3

0.3

B
B
A A
D
A B D
0.2

0.2

C B
C B B
C D
B
B
0.1

0.1

C D
C D
C B
C C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300
8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.21 0.23 0.26 0.27 0.33 0.45 0.58 0.72 0.8 0.9 1 0 0 0

74
Rota a pé para Praça da Sé - São Paulo - SP
2,0 km – aprox. 25 minutos

Estação da Luz
Bom Retiro, São Paulo - SP

1. Siga na direção leste na R. Mauá em direção à Av. Cásper Líbero 0,1 km

2. Vire à direita na Av. Cásper Líbero 0,7 km

3. Vire à esquerda no Viaduto Santa Efigênia 0,3 km

4. Vire à direita no Largo São de Bento 51 m

5. Vire à esquerda para permanecer no Largo São de Bento 58 m

6. Continue na R. Boa Vista 0,3 km

7. Continue no Viaduto Boa Vista 0,1 km

8. Continue na Travessa Pátio do Colégio 0,1 km

9. Continue na R. Santa Teresa 83 m


Praça da Sé
Centro, São Paulo - SP

Fonte: MAPS. Google. Disponível em:


<http://maps.google.com.br/maps/mm?utm_campaign=pt_BR&utm_source=pt_BR-ha-latam-br-sk-
mm&utm_medium=ha&utm_term=mapa>. Acesso em: 31 jul. 2008.

Considerando a finalidade de guiar um percurso a pé entre dois pontos geográficos da cidade de


São Paulo, o autor criou um roteiro organizado por

A) um elemento gráfico contendo a letra A e termina com outro elemento gráfico trazendo a letra
B.
B) uma lista em ordem numérica que indica a seqüência de movimentos a serem realizados pelo
pedestre.
C) uma lista desordenada de quilometragens que indica o tempo de cada etapa do percurso.
D) uma lista de nomes de ruas e o tamanho de cada uma delas.

75
H2 - Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização interna dos gêneros escritos (não-
literários): propagandas institucionais, regulamentos, procedimentos, fichas pessoais, formulários, verbetes de
dicionário ou de enciclopédia, notícias, cartazes informativos, folhetos de informação, cartas resposta, artigos
de divulgação, artigos de opinião, relatórios, entrevistas, resenhas, resumos, circulares, atas, requerimentos,
documentos públicos, contratos públicos, diagramas, tabelas, legendas, mapas, estatutos, gráficos, definições
ou textos informativos de interesse curricular.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
70 9 6 B 0.39 0.43 0.19 0.62 0.40 0.14 0.39 0.16 0.30 0.01 0.00 -0.17 0.40 -0.28 -0.11 -0.35 -0.40

SP08 Por 8 It 70 Bl 9 Ob 6 Ibg 136 a= 0.033 b= 302.927 c= 0.28 SP08 Por 8 It 70 Bl 9 Ob 6 Ibg 136
curva de informacao com parametros originais a= 1.807 b= 0.961 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
D B
D
D B
0.3

0.3
B D
B
D
C
B C
D
A
0.2

0.2
C D
A C
A C
A A A
0.1

0.1

C A D
C A D
C A
C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.22 0.25 0.28 0.3 0.32 0.37 0.49 0.65 0.83 0.94 1 0 0 0

76
Leia com atenção a notícia abaixo.

EMOS NUMA FRIA NA RÚSSIA? TRISTE


 
Milhares de emos ficaram chateados na Rússia na última semana. Aparentemente, a máfia e
a corrupção não incomodam mais, então os legisladores de lá estudam proibir a música e o visual
emo e gótico, além de fiscalizar os sites do país que tratem do assunto. O argumento, de chorar, é
que a moda adolescente é perigosa, pois encoraja a depressão e suicídios. Na Sibéria, onde
algumas restrições começaram a aparecer, manifestantes foram às ruas com cartazes com frases
como “um estado totalitário encoraja a estupidez”. Não é difícil ver quem age de modo infantil nessa
história.
Fonte: EMOS numa fria na Rússia?.Diário de São Paulo, São Paulo, p. A2, 27 jul. 2008.

A afirmação do autor do texto, de que “não é difícil ver quem age de modo infantil nessa história”,
pressupõe sua opinião crítica em relação
A) às manifestações juvenis.
B) à música gótica.
C) à atitude dos legisladores russos.
D) aos sites sobre os emos.

H12 - Inferir opiniões ou conceitos pressupostos ou subentendidos em um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
72 9 8 C 0.42 0.45 0.21 0.66 0.43 0.34 0.12 0.42 0.11 0.00 0.01 0.00 -0.41 0.43 -0.39 -0.41 -0.31

SP08 Por 8 It 72 Bl 9 Ob 8 Ibg 138 a= 0.02 b= 284.177 c= 0.191 SP08 Por 8 It 72 Bl 9 Ob 8 Ibg 138
curva de informacao com parametros originais a= 1.097 b= 0.621 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9

C
0.8

0.8

C
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5

C
0.4

0.4

C A A
A
A A
0.3

0.3

B A C
A B
D C A
D
0.2

0.2

C D
B
B
D A
0.1

0.1

B
D
D
B D
B
0.0

0.0

D
B D
B

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.2 0.23 0.3 0.38 0.47 0.57 0.67 0.77 0.87 1 0 0 0

77
Leia o texto para responder à questão.
Plantão | Publicada em 13/08/2008 às 16h09m

Incêndio atinge prédio da Apple na Califórnia


RIO - Um incêndio atingiu um prédio da Apple em Cupertino, na Califórnia, na noite de terça-feira.
Mais de 60 bombeiros trabalharam para controlar o fogo em cerca de três horas, mas
permaneceram no local até a manhã de quarta. O incêndio não deixou nenhum ferido, mas ainda
não se sabe o prejuízo causado.
O fogo teria acontecido numa instalação de desenvolvimento e pesquisa que estaria em obras. O
chefe dos bombeiros de Santa Clara acredita que o incêndio tenha sido um acidente causado por
um problema elétrico ou escapamento de gás.
Fonte: INCÊNDIO atinge prédio da Apple na Califórnia. O Globo Online, Rio de Janeiro, 13 ago. 2008. Disponível em:
<http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2008/08/13/incendio_atinge_predio_da_apple_na_california-547727968.asp>
Acesso em: 15 ago. 2008.

O uso do verbo auxiliar ter no futuro do pretérito em “O fogo teria acontecido numa instalação de
desenvolvimento e pesquisa que estaria em obras”. produz na notícia um

A) efeito de certeza, veracidade.


B) sentido de adiamento, protelação.
C) efeito de hipótese, dúvida.
D) caráter cientificidade.

H23 - Identificar o efeito de sentido produzido em um texto pelo uso de determinadas categorias gramaticais
(gênero, número, casos, aspecto, modo, voz etc.).

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
78 10 6 C 0.46 0.48 0.24 0.72 0.45 0.27 0.16 0.46 0.10 0.01 0.00 -0.15 -0.26 0.45 -0.32 -0.34 -0.33

SP08 Por 8 It 78 Bl 10 Ob 6 Ibg 142 a= 0.019 b= 265.78 c= 0.173 SP08 Por 8 It 78 Bl 10 Ob 6 Ibg 142
curva de informacao com parametros originais a= 1.059 b= 0.287 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9

C
0.8

0.8

C
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5

C
0.4

0.4

C
A
0.3

0.3

A A A
B A
B
D C A
B
0.2

0.2

D B A
C D B A
0.1

0.1

D B
D B A
D B
D D B
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.14 0.24 0.34 0.44 0.53 0.63 0.73 0.82 0.9 1 0 0 0

78
Leia com atenção o texto abaixo.

Na alegria e na tristeza, nada como o chocolate

Temos muita sorte de pertencer ao momento da história em que os derivados do cacau estão
totalmente popularizados em todo o mundo. Quando chegou à Europa, no século XVI, vindo da
América pelas mãos do navegador Hernán Cortez, o cacau passou a ser uma exclusividade da corte
espanhola. A receita da bebida originária do povo asteca foi confiada unicamente aos monges da
época, permanecendo por quase um século na Espanha como um privilégio dos nobres. Mesmo
quando se disseminou pelos demais países europeus, e quando mais tarde passou a ser consumido
em barras, era um manjar de extremo luxo. Foi a partir do século XVIII, com a Revolução Industrial,
que o chocolate por fim se popularizou. Por tudo isso, é de se festejar o fácil acesso que temos hoje
à infinidade de derivações deste produto. Vamos comemorar preparando um estoque bem
diversificado, no qual não podem faltar as versões em pó (para o preparo de bebidas quentes e
geladas), em barra para derreter (usado no preparo de fondues, caldas e coberturas), em forma de
achocolatado, tabletes e bombons. Assim, a despensa estará abastecida para todas as receitas,
ocasiões, idades e estados de espírito.

Fonte: AMON, Ruza. Na alegria e na tristeza, nada como o chocolate. Záffari Hipermercado, São Paulo, ago. 2008.
Edição extra.

Assinale a alternativa em que a informação apresentada refere-se ao assunto principal do texto.

A) O consumo de cacau pela corte espanhola no século XVI.


B) A origem da receita da bebida preparada à base de cacau.
C) O privilégio de se viver numa época em que o cacau e seus derivados estão difundidos pelo
mundo.
D) Um respeitável estoque de derivados do cacau deve contar com a maior variedade possível de
produtos.

79
H11 - Inferir o tema ou o assunto principal, com base na localização de informações explícitas no texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
80 10 8 C 0.40 0.53 0.17 0.69 0.55 0.25 0.19 0.40 0.14 0.00 0.01 -0.32 -0.20 0.55 -0.21 -0.36 -0.27

SP08 Por 8 It 80 Bl 10 Ob 8 Ibg 144 a= 0.033 b= 271.98 c= 0.186 SP08 Por 8 It 80 Bl 10 Ob 8 Ibg 144
curva de informacao com parametros originais a= 1.838 b= 0.399 Gabarito: C
1.0

1.0
C
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
C
0.4

0.4
A A A
A
C
0.3

0.3
B B B
D C B A
0.2

0.2
D
C
D B
C D B
D A
0.1

0.1
D B
A
D B
A
D A
D
B
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.06 0.16 0.19 0.23 0.31 0.46 0.63 0.81 0.92 0.97 1 0 0 0

80
Leia o texto e responda à questão.

Às vezes, a esperança. O homem vai sobreviver e essa certeza me vem quando vejo o mar, um
mar que acabou talhando com tanta poluição, embora! mas resistindo. Contemplo as montanhas e fico
maravilhada porque elas ainda estão vivas. Sei que é preciso apostar e de aposta em aposta, cheguei a
esta Casa para a harmoniosa convivência com aqueles que apostam na palavra. Sei ainda que estou feliz
nesta noite: vejo minha família – meu filho Goffredo Telles Neto deve estar por aí, filmando, é cineasta. E
vejo os meus amigos. Esses amigos que me acompanham e iluminam.

Fonte: TELLES, Lygia Fagundes. Discurso de posse na Academia Brasileira de Letras. In:______. Durante aquele
estranho chá: perdidos e achados. Rio de Janeiro: Rocco, 2002, p. 141.

O trecho acima, retirado do discurso de posse da escritora Lygia Fagundes Telles na Academia
Brasileira de Letras, é narrado em

A) 1ª pessoa, pelo uso dos pronomes possessivos minha e meu em: vejo minha família – meu
filho Goffredo Telles Neto (...).
B) 1ª pessoa, pelo tom claramente poético dado a esse trecho do discurso, como vemos no
período: Contemplo as montanhas e fico maravilhada porque elas ainda estão vivas.
C) 3ª pessoa, como se pode comprovar pelo verbo acabar, no período: um mar que acabou
talhando com tanta poluição.
D) 3ª pessoa, por se tratar de um texto objetivo, destinado à sua cerimônia de posse na Academia
Brasileira de Letras, como se pode ver no trecho: O homem vai sobreviver e essa certeza me vem
quando vejo o mar (...).

H36 - Inferir a perspectiva do narrador em uma narrativa literária, justificando conceitualmente essa
perspectiva.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
86 11 6 A 0.46 0.47 0.24 0.70 0.42 0.46 0.24 0.12 0.17 0.01 0.00 0.42 -0.14 -0.35 -0.17 -0.33 -0.35

SP08 Por 8 It 86 Bl 11 Ob 6 Ibg 148 a= 0.019 b= 275.168 c= 0.204 SP08 Por 8 It 86 Bl 11 Ob 6 Ibg 148
curva de informacao com parametros originais a= 1.033 b= 0.457 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9

A
0.8

0.8

A
0.7

0.7

A
proporcao de resposta

A
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5

A
0.4

0.4

A
0.3

0.3

B A
B B
C B
C B
D
0.2

0.2

A D D D B
C D B B
C D B
0.1

0.1

D
C
D
C D
C C C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.08 0.2 0.29 0.34 0.42 0.52 0.62 0.71 0.76 0.82 1 0 0 0

81
Leia o texto para responder à questão.
Linguagem e identidade cultural
“O que eu faço no meu dia’dia é levantá cedo, tirá leite; levanto de madrugada (tem essa vantage!)
cedo nóis já sortô as vaca, né. E o serviço q’eu faço mais pesado é zelá do meu gado; eu num güento
mexê com enxada, num güento nem amolá uma foice, andá longe eu num güento; eu sofro da coluna, né.
Minha vida aqui na roça é essa”. (Francisco Gomes dos Santos, conhecido como Chiquim do Zé Pedro).

Fonte: LINHARES, Andrey Aparecido Caetano. Linguagem e identidade cultural. Revista da UFG, Goiânia, v. 7, n.1, jun.
2004. Disponível em<http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/agro/T34_linguagem.html>. Acesso em: 28 ago. 2008.

A transcrição da fala de Francisco Gomes dos Santos, acima, registra, na língua escrita,
particularidades da linguagem oral. O pesquisador fez isso para

A) preservar ao máximo as características do modo de falar de seu entrevistado.


B) evidenciar os erros de português mais comuns cometidos por parte da população que não teve
acesso à escola.
C) justificar as limitações de linguagem evidentes na fala do entrevistado.
D) alterar os padrões válidos de língua escrita, pois, atualmente, a escrita pode ser realizada
livremente.

H25 - Justificar a presença, em um texto, de marcas de variação lingüística que dizem respeito às diferenças
entre os padrões da linguagem oral e os da escrita, do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
87 11 7 A 0.33 0.42 0.14 0.56 0.47 0.33 0.43 0.14 0.09 0.01 0.00 0.47 -0.15 -0.25 -0.28 -0.31 -0.35

SP08 Por 8 It 87 Bl 11 Ob 7 Ibg 149 a= 0.036 b= 296.145 c= 0.205 SP08 Por 8 It 87 Bl 11 Ob 7 Ibg 149
curva de informacao com parametros originais a= 2.007 b= 0.838 Gabarito: A
1.0

1.0

A
0.9

0.9

A
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta

A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

B B
B A
B
0.4

0.4

B
B
A
0.3

0.3

A B
C
A C
A A
0.2

0.2

C
D D C
D C B
0.1

0.1

D
D C
C
D B
D C
D C
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.22 0.21 0.22 0.24 0.32 0.47 0.67 0.83 0.96 1 0 0 0

82
Leia o texto para responder à questão.
A moça tecelã

Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite. E logo
sentava-se ao tear.

Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor da luz, que ela ia passando entre os fios
estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte.

Depois lãs mais vivas, quentes lãs iam tecendo hora a hora, em longos tapetes que nunca
acabava.

Se era forte demais o sol, e no jardim pendiam as pétalas, a moça colocava na lançadeira grossos
fios cinzentos do algodão mais felpudo. Em breve, na penumbra trazida pelas nuvens, escolhia um fio de
prata, que em pontos longos rebordava sobre o tecido. Leve, a chuva vinha cumprimentá-la à janela.

Mas se durante muitos dias o vento e o frio brigavam com as folhas e espantavam os pássaros,
bastava a moça tecer com seus belos fios dourados, para que o sol voltasse a acalmar a natureza.

Assim, jogando a lançadeira de um lado para o outro e batendo os grandes pentes do tear para a
frente e para trás, a moça passava seus dias.

Nada lhe faltava. Na hora da fome tecia um lindo peixe, com cuidado de escamas. E eis que o
peixe estava na mesa, pronto para ser comido. Se sede vinha, suave era a lã cor de leite que entremeava
o tapete. E à noite, depois de lançar seu fio de escuridão, dormia tranqüila.

Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer.

Fonte: COLASANTI, Marina. A moça tecelã. In: PARA gostar de ler: histórias de amor. São Paulo: Ática, 1997. v. 22.

Sobre a narração dessa história é possível afirmar que

A) é realizada de um modo neutro por um narrador observador que conhece em detalhes os


movimentos e as intenções da protagonista.
B) é realizada de um modo neutro por um narrador participante que conhece em detalhes os
movimentos e as intenções da protagonista.
C) é realizada de um modo invasivo por um narrador que emite juízos e opiniões sobre os
movimentos e intenções da protagonista.
D) é realizada de um modo pessoal por um narrador participante que interpreta os movimentos e
intenções da protagonista.

83
H36 - Inferir a perspectiva do narrador em uma narrativa literária, justificando conceitualmente essa
perspectiva.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
89 12 1 A 0.43 0.50 0.19 0.68 0.49 0.43 0.22 0.12 0.22 0.01 0.00 0.49 -0.31 -0.29 -0.12 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 89 Bl 12 Ob 1 Ibg 151 a= 0.036 b= 280.989 c= 0.268 SP08 Por 8 It 89 Bl 12 Ob 1 Ibg 151
curva de informacao com parametros originais a= 1.968 b= 0.563 Gabarito: A
1.0

1.0
A
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
A
0.4

0.4
A
B B
0.3

0.3
A A
B
A D
B D
D
C D D
0.2

0.2
D C B
C
C B D
0.1

0.1
C
C B D
C B
C B
C
D
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.06 0.25 0.27 0.29 0.34 0.46 0.61 0.78 0.9 0.97 1 0 0 0

84
Leia o texto para responder à questão.

Leitores associam jornais a confiabilidade, diz pesquisa

Levantamento foi divulgado no término do congresso da Associação Nacional de Jornais


Estudo feito pelo instituto Ipsos-Marplan mostra que jornais são identificados com mais detalhamento e
abrangência de informações da REPORTAGEM LOCAL.

Pesquisa apresentada ontem no 7º Congresso Brasileiro de Jornais, promovido pela ANJ


(Associação Nacional de Jornais), mostrou que temas como "confiabilidade" e "profundidade" estão no
topo das qualidades identificadas pelos leitores de mídia impressa.

Segundo a pesquisa, quanto mais rico o leitor, mais ele consome jornais. O veículo é considerado
também como um importante instrumento para o aperfeiçoamento profissional e educacional.

A pesquisa envolveu oito diferentes grupos com jovens (de 18 a 24 anos) e adultos (de 25 a 50
anos), além de 13 entrevistas em profundidade com formadores de opinião (como historiadores e filósofos)
e executivos de primeiro escalão de empresas.

Um dos resultados mostra que 48% dos leitores de jornais também consultam a internet em busca
de informações. Entre os que se abastecem de notícias e informações principalmente pela internet,
apenas 5% costumam ler jornais (pelo menos duas vezes por semana). Já os formadores de opinião lêem
diariamente -na maioria dos casos, até três títulos diferentes.

Do ponto de vista qualitativo, os jornais são identificados com "profundidade", "confiabilidade" e


"detalhamento e abrangência de informações". Algo que, segundo a pesquisa, não é encontrado na
internet.

De acordo com estudos da Marplan/EGM, a penetração do jornal na classe A é de 78%; na B, de


65%; na C, de 46%; na classe D, de 28%; e na E, de 18%.

Fonte: LEITORES associam jornais a confiabilidade, diz pesquisa. Folha Online, São Paulo, 22 out. 2008. Disponível em:
<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2008200822.htm.>. Acesso em: 20 ago. 2008.

Podemos afirmar que as classes com menor poder aquisitivo lêem menos jornal. Essa afirmação
pode ser considerada verdadeira, de acordo com a notícia, porque

A) o jornal é considerado um instrumento muito importante para o aperfeiçoamento profissional e


educacional dos cidadãos.
B) um dos resultados mostra que 48% dos leitores de jornais também consultam a internet em
busca de informações.
C) apenas 5% dos entrevistados costumam ler jornais (pelo menos duas vezes por semana).
D) a penetração do jornal na classe A é de 78%; na B, de 65%; na C, de 46%; na classe D, de 28%; e
na E, de 18%.

85
H7 - Localizar informações explícitas no texto, com o objetivo de solucionar um problema proposto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
90 12 2 D 0.31 0.46 0.10 0.56 0.57 0.24 0.27 0.17 0.31 0.01 0.00 -0.22 -0.25 -0.18 0.57 -0.33 0.00

SP08 Por 8 It 90 Bl 12 Ob 2 Ibg 152 a= 0.039 b= 283.33 c= 0.136 SP08 Por 8 It 90 Bl 12 Ob 2 Ibg 152
curva de informacao com parametros originais a= 2.123 b= 0.605 Gabarito: D
1.0

1.0
D
0.9

0.9
D
0.8

0.8
D
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

D
0.5

0.5
0.4

0.4
B B B
A
B A D
0.3

0.3
A
A B
C D A
0.2

0.2
C C C
D C A
B
D C
D A
0.1

0.1
B
C A
C
B C
B
A
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.11 0.14 0.16 0.21 0.31 0.53 0.74 0.88 0.98 1 0 0 0

86
Leia o texto para responder à questão.

CHEGA DE BRONCA

De grande utilidade as dicas sobre os "novos" points da rua Augusta ("A rua da balada", ed. de 21/7).
Porém, um ponto que gostaria de comentar é este: pelas últimas cartas dos leitores, pude notar um nível
acentuado de "broncas/ reclamações". De fato, isso faz parte do direito à liberdade de expressão, contudo
é importante que os leitores do Folhateen estejam mais abertos, buscando compreender a pluralidade de
opiniões. Do contrário, este espaço será um eterno posto de reclamações, muitas vezes, desconexas.
Mas friso: manifestar um protesto, desde que de forma prudente, é extremamente salutar.

GUILHERME MISSALI, 19, São Paulo, SP

Fonte: MISSALI, Guilherme. Chega de Bronca. Folha Online, São Paulo, 28 jul. 2008. Folhateen. Disponível em:
<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/folhatee/fm2807200801.htm>. Acesso em: 3 ago. 2008.

A carta do leitor Guilherme Massali critica


A) a matéria “A rua da Balada” (publicada na ed. de 21/07 do Folhateen) sobre os novos points da
rua Augusta.
B) o índice elevado de reclamações observado na Folhateen, mas defende o direito de livre
expressão de seus leitores.
C) a pluralidade de opiniões dos leitores da Folhateen e o alto índice de reclamações publicadas.
D) a falta de opinião de outros leitores do Folhateen sobre a matéria “A rua da Balada”.

H11 - Inferir o tema ou o assunto principal, com base na localização de informações explícitas no texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
96 12 8 B 0.37 0.44 0.16 0.61 0.49 0.23 0.37 0.24 0.14 0.00 0.01 -0.30 0.49 -0.08 -0.28 -0.40 -0.29

SP08 Por 8 It 96 Bl 12 Ob 8 Ibg 156 a= 0.037 b= 287.158 c= 0.23 SP08 Por 8 It 96 Bl 12 Ob 8 Ibg 156
curva de informacao com parametros originais a= 2.048 b= 0.675 Gabarito: B
1.0

1.0

B
0.9

0.9

B
0.8

0.8

B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4

A A
0.3

0.3

A B
A C
C C C
D
C B
C B A
B D
0.2

0.2

D D C
D A
0.1

0.1

D C
A
D A
D C
0.0

0.0

D
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.22 0.23 0.24 0.29 0.39 0.54 0.72 0.89 0.98 1 0 0 0

87
Leia o texto para responder à questão.

Negrinha
Monteiro Lobato

Negrinha era uma pobre órfã de sete anos. Preta? Não; fusca, mulatinha escura, de cabelos ruços
e olhos assustados.
Nascera na senzala, de mãe escrava, e seus primeiros anos vivera-os pelos cantos escuros da
cozinha, sobre velha esteira e trapos imundos. Sempre escondida, que a patroa não gostava de crianças.
Excelente senhora, a patroa. Gorda, rica, dona do mundo, amimada dos padres, com lugar certo na
igreja e camarote de luxo reservado no céu. Entaladas as banhas no trono (uma cadeira de balanço na
sala de jantar), ali bordava, recebia as amigas e o vigário, dando audiências, discutindo o tempo. Uma
virtuosa senhora em suma — “dama de grandes virtudes apostólicas, esteio da religião e da moral”, dizia o
reverendo.
Ótima, a dona Inácia.
Mas não admitia choro de criança. Ai! Punha-lhe os nervos em carne viva. Viúva sem filhos, não a
calejara o choro da carne de sua carne, e por isso não suportava o choro da carne alheia. Assim, mal
vagia, longe, na cozinha, a triste criança, gritava logo nervosa:
— Quem é a peste que está chorando aí?
Quem havia de ser? A pia de lavar pratos? O pilão? O forno? A mãe da criminosa abafava a
boquinha da filha e afastava-se com ela para os fundos do quintal, torcendo-lhe em caminho beliscões de
desespero.
— Cale a boca, diabo!
No entanto, aquele choro nunca vinha sem razão. Fome quase sempre, ou frio, desses que
entanguem pés e mãos e fazem-nos doe... (...)
Fonte: LOBATO, Monteiro. Negrinha. São Paulo: Globo, 2008. Disponível em:
<http://www.releituras.com/mlobato_negrinha.asp>. Acesso em: 15 jan. 2008.

O uso da expressão “Entaladas as banhas no trono” pelo narrador provoca um efeito de ironia
porque

A) descreve um momento em que a personagem ficou entalada em sua cadeira de balanço.


B) enaltece o poder da personagem valorizando sua gordura e comparando-a a um membro da
realeza cujo trono é uma cadeira de balanço.
C) descreve uma personagem rica, mas que a gordura a tornava profundamente infeliz.
D) enaltece a personagem que possuía camarote de luxo no céu, mas sentava-se numa cadeira
de balanço.

88
H40 - Justificar o efeito de humor ou ironia produzido no texto literário pelo uso intencional de palavras ou
expressões.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
97 13 1 B 0.37 0.41 0.19 0.61 0.44 0.25 0.37 0.17 0.20 0.01 0.00 -0.16 0.44 -0.29 -0.14 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 97 Bl 13 Ob 1 Ibg 157 a= 0.031 b= 292.359 c= 0.226 SP08 Por 8 It 97 Bl 13 Ob 1 Ibg 157
curva de informacao com parametros originais a= 1.731 b= 0.769 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
B

proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4
B
0.3

0.3
A A A B
A
A
C
B C
B B
D
C D
D D A
0.2

0.2
D C
D
C A
D
0.1

0.1
C A
D
C
C D
A
0.0

0.0
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 300

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.13 0.24 0.24 0.24 0.29 0.38 0.53 0.69 0.81 0.94 1 0 0 0

89
Nível 325
 
 
 
Leia o texto para responder à questão.

Quando o Sr. Milton Campos foi governador de Minas, teve como secretário o Sr. Pedro Aleixo. Os
belo-horizontinos contam que, quando alguém ia pedir ao Dr. Milton qualquer coisa ou reclamar alguma
providência, S. Ex.a ficava muito sério, batia no ombro do postulante e dizia-lhe:
- Muito bem, mas preciso falar com o Pedro, primeiro.
Ou então:
- Não poderei atendê-lo sem falar com o Pedro, primeiro.
O Dr. Milton quase foi eleito vice-presidente da República. Tirou um honroso segundo lugar
(“placê”).
Se esse homem chegasse à presidência da República, estaríamos, no mínimo, com a monarquia
restaurada no Brasil, pois os brasileiros que pretendessem realizar qualquer empreendimento teriam de
falar, no duro, com Pedro, primeiro.

Fonte: TORELLI, Aparício (Barão de Itararé). Máximas e mínimas do Barão de Itararé. 2 ed. Rio de Janeiro: Record,
1986.

No texto do Barão de Itararé, acima transcrito, o autor explora o uso da pontuação para produzir um
determinado efeito. A leitura do texto permite afirmar que

A) na expressão “Pedro, primeiro”, o uso da vírgula permite ao autor confundir Pedro Aleixo com
D. Pedro I, residindo aí um efeito humorístico.
B) os parênteses e as aspas usadas na palavra “placê” não conferem ao texto qualquer sentido
irônico.
C) o efeito humorístico no texto é produzido pelo uso do travessão no diálogo entre Milton
Campos e “alguém”, não identificado no texto.
D) a pontuação não colabora em nada para que o texto tenha efeito cômico, devendo-se esse
efeito unicamente ao talento do Barão.

90
H29 - Identificar o efeito de sentido produzido, em um texto literário, pelo uso intencional de pontuação
expressiva (interrogação, exclamação, reticências, aspas etc.).

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
6 1 6 A 0.40 0.42 0.20 0.62 0.38 0.40 0.24 0.22 0.14 0.01 0.00 0.38 -0.20 -0.17 -0.11 -0.34 -0.38

SP08 Por 8 It 6 Bl 1 Ob 6 Ibg 88 a= 0.025 b= 307.854 c= 0.27 SP08 Por 8 It 6 Bl 1 Ob 6 Ibg 88


curva de informacao com parametros originais a= 1.353 b= 1.05 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
A
0.4

0.4
A
A
A
0.3

0.3
B B
A B
C C B
C
A C B
C
0.2

0.2
D B
D C
D D D C
D B
D
0.1

0.1
B
C
D
C
D
B
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.16 0.24 0.28 0.32 0.36 0.4 0.49 0.62 0.76 0.85 1 0 0 0

91
Leia o texto e responda á questão.

Fonte: ETANOL, uma atitude inteligente. Veja, São Paulo, n. 2074, p.14-15, 20 ago. 2008.

Na resposta à pergunta que abre a propaganda institucional optou-se por utilizar uma linguagem
mais informal (“Nada, porque a gente produz aqui.”) em vez de se empregar aquela mais próxima do
padrão culto da língua (Nada, porque nós o produzimos aqui.). A presença dessa linguagem mais
coloquial justifica-se porque

A) o público-alvo da revista em que foi publicada a propaganda é exclusivamente jovem e o texto


procurou se aproximar de sua linguagem.
B) a expressão “a gente” e a exclusão do complemento verbal são cada vez mais freqüentes na
linguagem publicitária.
C) desde o seu início a propaganda assume um tom de conversa com o leitor e a resposta
informal acompanha essa estratégia.
D) procurou-se evidenciar no diálogo a presença de opostos: uma pergunta mais formal e uma
resposta mais informal.

92
H25 - Justificar a presença, em um texto, de marcas de variação lingüística que dizem respeito às diferenças
entre os padrões da linguagem oral e os da escrita, do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
17 3 1 C 0.35 0.48 0.13 0.61 0.43 0.18 0.26 0.35 0.20 0.01 0.00 -0.29 -0.20 0.43 -0.03 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 17 Bl 3 Ob 1 Ibg 97 a= 0.027 b= 297.1 c= 0.209 SP08 Por 8 It 17 Bl 3 Ob 1 Ibg 97


curva de informacao com parametros originais a= 1.512 b= 0.855 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
C
0.4

0.4
C
B
A B C
0.3

0.3
B
A B
C
C A D B
D
0.2

0.2
D A D
B
C D D
D A B
0.1

0.1
A D
B
A
A B
D
0.0

0.0
A

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.17 0.22 0.26 0.31 0.37 0.5 0.64 0.78 0.92 1 0 0 0

93
Leia o texto para responder à questão.
Ética e cidadania
1 Pergunta. O que é ética?

Betinho. Ética é um conjunto de princípios e valores que guiam e orientam as relações humanas. Esses
princípios devem ter características universais, precisam ser válidos para todas as pessoas e para sempre.
Acho que essa é a definição mais simples: um conjunto de valores, de princípios universais, que regem as
relações das pessoas. O primeiro código de ética de que se tem notícia, principalmente para quem possui
formação católica, cristã, são os dez mandamentos. Regras como “não matarás”, “não desejarás a mulher
do próximo”, “não roubarás” são apresentadas como propostas fundadoras da civilização ocidental e
cristã.

2 P. O que legitima a ética?

B. A sua racionalidade. E, mais do que isso, a força e a transparência de determinados princípios que
parecem ser evidentes em si mesmos. Por exemplo, não matar. “Não matar” é um princípio que deve ser
universal, deve fazer parte do senso comum. Se fosse permitido matar, o canibalismo, a guerra, o
genocídio também estariam autorizados e o caos se estabeleceria. Então a sociedade ficaria inviável,
porque não há possibildade de convivência sem o respeito a certos princípios.

3 P. Existem sociedades que mantêm atitudes antiéticas?

B. Isso pode acontecer durante determinados períodos, mas tenho a impressão de que, historicamente,
logo essas sociedades entram em crises profundas e se desestruturam. A ética é uma espécie de cimento
na construção da sociedade: se existe um sentimento ético profundo, a sociedade se mantém bem
estruturada, organizada; e, quando esse sentimento ético se rompe, ela começa a entrar numa crise
autodestrutiva.

Fonte: SOUZA, Herbert; RODRIGUES, Carla. Ética e cidadania. São Paulo: Moderna, 1994. (com cortes).

Em sua primeira resposta, Betinho define ética (“Ética é um conjunto de princípios e valores que
guiam e orientam as relações humanas.”) e faz dessa definição a idéia central desse segmento do
texto. Entre as idéias a seguir, qual delas é secundária, embora complementar, a essa definição?

A) O primeiro código de ética de que se tem notícia no mundo ocidental são os dez
mandamentos.
B) Os princípios éticos devem ser universais, precisam ser válidos para todas as pessoas e em
todos os tempos.
C) Regras como “não matarás”, “não desejarás a mulher do próximo”, “não roubarás” fazem parte
dos dez mandamentos.
D) Regras traduzidas em mandamentos são apresentadas como propostas que fundam a
civilização ocidental e cristã.

94
H8 - Diferenciar idéias centrais e secundárias; ou tópicos e subtópicos de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
24 3 8 B 0.39 0.47 0.17 0.64 0.41 0.20 0.39 0.23 0.16 0.00 0.01 -0.14 0.41 -0.22 -0.17 -0.41 -0.27

SP08 Por 8 It 24 Bl 3 Ob 8 Ibg 102 a= 0.024 b= 295.678 c= 0.238 SP08 Por 8 It 24 Bl 3 Ob 8 Ibg 102
curva de informacao com parametros originais a= 1.312 b= 0.829 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
0.3

0.3
C B
C
A C
C B
A
B A A C
0.2

0.2
D D D D A
D A A
C A
D
0.1

0.1
C
D
D
C A
D
C
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.16 0.23 0.26 0.3 0.35 0.44 0.55 0.65 0.75 0.89 1 0 0 0

95
 
Leia o texto para responda à questão.

12/09/2008 - 18h00
 
Minhocas podem ajudar a limpar solo contaminado
 

Cientistas descobriram como minhocas que consomem metal pesado acabam ajudando plantas a
limpar solo contaminado.
Pesquisadores da Universidade de Reading, na Inglaterra, encontraram mudanças sutis nas
propriedades de metais à medida que minhocas ingeriam e expeliam o solo onde esses metais se
encontravam.
Essas mudanças fizeram com que fosse mais fácil para as plantas absorver metais pesados -
altamente tóxicos e prejudiciais à saúde humana - da terra.
As plantas podem normalmente absorver metais pesados do solo e incorporá-los em seus tecidos,
mas esse é um processo que pode levar bastante tempo.
Por isso, se as minhocas podem fazer com que os metais se tornem mais fáceis de ser absorvidos
pelas plantas, elas se tornarão as "guerreiras ecológicas do século 21", disseram os cientistas no British
Association Science Festival, em Liverpool.
Segundo os pesquisadores, as minhocas são verdadeiros "detetives do solo": a presença delas
pode ser um indicativo sobre a saúde geral da terra.
Esse papel é possível porque as minhocas desenvolveram um mecanismo que permite que elas
sobrevivam em solo contaminado com metais tóxicos, incluindo arsênio, chumbo, cobre e zinco.
"As minhocas produzem um tipo de proteína que envolve determinados metais e as mantêm
seguras (de intoxicação)", explicou o pesquisador Mark Hodson.
A análise dos metais foi possível com o uso de um equipamento chamado Diamond Light Source,
que utiliza a tecnologia de raios-X para determinar a propriedade de partículas "mil vezes menores do que
um grão de sal".
Fonte: MINHOCAS podem ajudar... BBC Brasil, 12 set. 2008. Disponível em:
<http://bichos.uol.com.br/ultnot/bbc/ult4550u516.jhtm>. Acesso em: 30 out. 2008.

A notícia lida faz parte do jornalismo científico, especializado em apresentar fatos relativos à ciência,
que procura trazer reflexões e discussões atualizadas sobre ciência, tecnologia e sua relação com a
sociedade. Essa relação entre ciência, tecnologia e sociedade pode ser observada, explicitamente,
na seguinte passagem do texto:
A) Pesquisadores da Universidade de Reading, na Inglaterra, encontraram mudanças sutis nas
propriedades de metais à medida que minhocas ingeriam e expeliam o solo onde esses metais
se encontravam.
B) As plantas podem normalmente absorver metais pesados do solo e incorporá-los em seus
tecidos, mas esse é um processo que pode levar bastante tempo.
C) se as minhocas podem fazer com que os metais se tornem mais fáceis de ser absorvidos pelas
plantas, elas se tornarão as "guerreiras ecológicas do século 21", disseram os cientistas no
British Association Science Festival, em Liverpool.
D) "As minhocas produzem um tipo de proteína que envolve determinados metais e as mantêm
seguras (de intoxicação)", explicou o pesquisador Mark Hodson.

96
H19 - Justificar o efeito de sentido produzido, em um texto, pelo uso intencional de notações e nomenclaturas
específicas de determinada área de conhecimento científico.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
25 4 1 C 0.40 0.47 0.16 0.63 0.42 0.30 0.13 0.40 0.15 0.01 0.00 -0.08 -0.35 0.42 -0.21 -0.31 0.00

SP08 Por 8 It 25 Bl 4 Ob 1 Ibg 103 a= 0.02 b= 290.058 c= 0.19 SP08 Por 8 It 25 Bl 4 Ob 1 Ibg 103
curva de informacao com parametros originais a= 1.101 b= 0.727 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9
C
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
C
0.4

0.4
C
A A A
0.3

0.3
B C A A
A
B
C
0.2

0.2
C D B
D D
D
B D
A
0.1

0.1
B D
B D
B D
0.0

B B
D

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.04 0.19 0.23 0.29 0.37 0.44 0.55 0.65 0.74 0.86 1 0 0 0

97
Leia o poema para responder à questão.

AUTO-RETRATO FALADO

Venho de um Cuiabá garimpo e de ruelas entortadas.


Meu pai teve uma venda de bananas no Beco da
Marinha, onde nasci.
Me criei no Pantanal de Corumbá, entre bichos do
chão, pessoas humildes, aves, árvores e rios.
Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de
estar entre pedras e lagartos.
Fazer o desprezível ser prezado é coisa que me apraz.
Já publiquei 10 livros de poesia; ao publicá-los me
sinto como que desonrado e fujo para o
Pantanal onde sou abençoado a garças.
Me procurei a vida inteira e não me achei – pelo
que fui salvo.
Descobri que todos os caminhos levam à ignorância.
Não fui para a sarjeta porque herdei uma fazenda de
Gado. Os bois me recriam.
Agora eu sou tão ocaso!
Estou na categoria de sofrer do moral, porque só
faço coisas inúteis.
No meu morrer tem uma dor de árvore.

Fonte: BARROS, Manoel de. Auto-restrato falado. In:______. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Sabendo-se que a metonímia é uma figura que consiste em usar uma palavra em lugar de outra com
que tenha alguma ligação e que a personificação é a figura pela qual seres inanimados ou
irracionais agem como seres humanos, pode-se dizer que há, respectivamente, metonímia e
personificação nos versos

A) “Venho de um Cuiabá garimpo e de ruelas entortadas.”


B) “Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de/ estar entre pedras e lagartos.”
C) “Não fui para a sarjeta porque herdei uma fazenda de/ gado. Os bois me recriam.”
D) “Me procurei a vida inteira e não me achei – pelo/ que fui salvo.”

98
H31 - Identificar recursos semânticos expressivos (antítese / personificação / metáfora / metonímia) em
segmentos de um poema, a partir de uma dada definição.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
32 4 8 C 0.34 0.41 0.13 0.54 0.40 0.22 0.24 0.34 0.19 0.00 0.01 -0.17 -0.12 0.40 -0.18 -0.37 -0.24

SP08 Por 8 It 32 Bl 4 Ob 8 Ibg 108 a= 0.034 b= 308.564 c= 0.24 SP08 Por 8 It 32 Bl 4 Ob 8 Ibg 108
curva de informacao com parametros originais a= 1.853 b= 1.063 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
C
0.4

0.4
C
0.3

0.3
A A B
A C
B B
B B
C C
C D D D
A B
0.2

D D
A

0.2
A
B
D A
0.1

0.1
D B
D A
0.0

B
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500
proficiencia
proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.24 0.24 0.24 0.25 0.28 0.32 0.43 0.58 0.77 0.93 1 0 0 0

99
VELHA HISTÓRIA
Mário Quintana

Era uma vez um homem que estava pescando, Maria. Até que apanhou um peixinho! Mas o
peixinho era tão pequenininho e inocente, e tinha um azulado tão indescritível nas escamas, que o homem
ficou com pena. E retirou cuidadosamente o anzol e pincelou com iodo a garganta do coitadinho. Depois
guardou-o no bolso traseiro das calças, para que o animalzinho sarasse no quente.

E desde então ficaram inseparáveis. Aonde o homem ia, o peixinho o acompanhava, a trote, que
nem um cachorrinho. Pelas calçadas. Pelos elevadores. Pelos cafés. Como era tocante vê-Ios no “17”! – o
homem, grave, de preto, com uma das mãos segurando a xícara de fumegante café, com a outra lendo o
jornal, com a outra fumando, com a outra cuidando do peixinho, enquanto este, silencioso e levemente
melancólico, tomava laranjada por um canudinho especial.

Ora, um dia o homem e o peixinho passeavam na margem do rio onde o segundo dos dois fora
pescado. E eis que os olhos do primeiro se encheram de lágrimas. E disse o homem ao peixinho:

“Não, não me assiste o direito de te guardar comigo. Por que roubar-te por mais tempo ao carinho
do teu pai, da tua mãe, dos teus irmãozinhos, da tua tia solteira? Não, não e não! Volta para o seio da tua
família. E viva eu cá na terra sempre triste!...”

Dito isso, verteu copioso pranto e, desviando o rosto, atirou o peixinho n’água.

E a água fez um redemoinho, que foi depois serenando, serenando... até que o peixinho morreu
afogado...

Fonte: QUINTANA, Mário. Velha história. In: QUINTANA, Mário et al. Faz de conto. São Paulo: Global, 2006.

Entre os trechos a seguir, o único que se refere ao discurso do narrador, distinguindo-se do discurso
direto da personagem, é

A) “Volta para o seio da tua família.”


B) “E viva eu cá na terra sempre triste!...”
C) “Era uma vez um homem que estava pescando, Maria.”
D) “Não, não e não!”

100
H33 - Distinguir o discurso direto da personagem do discurso do narrador, em uma narrativa literária.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
33 5 1 C 0.45 0.40 0.27 0.67 0.34 0.26 0.20 0.45 0.08 0.01 0.00 -0.24 -0.11 0.34 -0.13 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 33 Bl 5 Ob 1 Ibg 109 a= 0.026 b= 310.197 c= 0.348 SP08 Por 8 It 33 Bl 5 Ob 1 Ibg 109
curva de informacao com parametros originais a= 1.43 b= 1.093 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
0.8

0.8
C
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5
C
C
0.4

0.4
C
C
A A A
0.3

0.3
C A
B A
B B
0.2

0.2
B B B
A
B
A
0.1

0.1
D D D D B
D D A
D D B
A
D
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.24 0.29 0.34 0.39 0.42 0.46 0.53 0.64 0.78 0.92 1 0 0 0

101
Leia o poema e responda à questão.

A ONDA Nesse poema, pressupõe-se que os recursos


gráficos, sonoros e rítmicos tenham sido
a onda anda
utilizados com a finalidade de
aonde anda
a onda? A) retratar a desorientação do eu poético de
a onda ainda forma irônica.
ainda onda B) recriar a imagem da movimentação
ainda anda incessante e descontínua do mar.
aonde? C) designar um profundo sofrimento do eu
aonde? poético.
a onda a onda D) questionar a preservação das praias
brasileiras.
Fonte: BANDEIRA, Manuel. A onda. In:______. Estrela
da vida inteira. 19. ed. Rio de Janeiro: José Olympio,
1991. p. 255.

H39 - Justificar o uso de determinados recursos gráficos, sonoros ou rítmicos em um poema.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
37 5 5 B 0.46 0.40 0.28 0.68 0.37 0.25 0.46 0.11 0.17 0.01 0.00 -0.01 0.37 -0.30 -0.31 -0.30 -0.33

SP08 Por 8 It 37 Bl 5 Ob 5 Ibg 111 a= 0.017 b= 294.354 c= 0.265 SP08 Por 8 It 37 Bl 5 Ob 5 Ibg 111
curva de informacao com parametros originais a= 0.946 b= 0.805 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9

B
0.8

0.8

B
0.7

0.7
proporcao de resposta

B
0.6

0.6
probabilidade

B
B
0.5

0.5

B
0.4

0.4

B
B
0.3

0.3

A A
D
B D A A
A A D
A
C A
0.2

0.2

C D
C
C D A
0.1

0.1

C D
C D
C D
C D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.18 0.26 0.32 0.38 0.45 0.51 0.57 0.65 0.73 0.84 0.99 0 0 0

102
Leia atentamente o que segue. As informações do texto não estão organizadas na seqüência
original.
Número de celular será definitivo
 
Troca de operadora vai custar menos que R$10. Mudança começa dia 29 de agosto no interior e
chega à capital em 2009.
 

I. Para fazer a mudança, bastará o usuário entrar em contato com a empresa para a qual quer se
transferir e pagar uma taxa abaixo de R$10.
II. A partir de 29 de agosto, começa a entrar em vigor no país a portabilidade numérica, ou seja, a
possibilidade de o brasileiro trocar de operadora, mantendo o mesmo número.
III. O setor de telefonia fixa, um dos mais reclamados nos órgãos de defesa do consumidor,
sofrerá uma reviravolta nos próximos meses.
Fonte: NÚMERO de celular será definitivo. Diário de São Paulo, São Paulo, 27 jul. 2008. Economia, p. B 3.

Atente para os fragmentos numerados, que fazem parte do mesmo parágrafo, porém, sofreram
alteração na ordem. Assinale a alternativa que apresenta a seqüência das informações do texto
original.
A) III, II, I.
B) I, III, II.
C) II, I, III.
D) III, I, II.

H9 - Organizar em seqüência lógica itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
40 5 8 A 0.34 0.39 0.18 0.56 0.38 0.34 0.19 0.35 0.11 0.00 0.01 0.38 -0.29 -0.03 -0.20 -0.40 -0.32

SP08 Por 8 It 40 Bl 5 Ob 8 Ibg 114 a= 0.028 b= 312.62 c= 0.237 SP08 Por 8 It 40 Bl 5 Ob 8 Ibg 114
curva de informacao com parametros originais a= 1.56 b= 1.137 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9

A
0.8

0.8
0.7

0.7

A
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5

A
0.4

0.4

C C
C
C A
C
0.3

0.3

C
B B A
C B
A
A A C
B
0.2

0.2

D
D B
D D C
0.1

0.1

D B
D B
D B
D B
D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.2 0.25 0.25 0.25 0.28 0.34 0.44 0.58 0.7 0.87 1 0 0 0

103
Leia o texto e responda à questão.

Trinta e dois anos em cada perna


Trinta e sete, trinta e oito, trinta e nove ou quarenta, nem ele mesmo sabia mais sua idade, mentiu
tanto, tantos e tantos anos fazendo trinta e dois anos, só trinta e dois, nunca mais de trinta e dois, e
mesmo com trinta e dois, com mil e um papéis provando os trinta e dois anos de idade, papéis falsificados,
mas que pareciam de verdade, e mesmo assim, mesmo com trinta e dois, foi cada vez mais difícil arrumar
um clube, assinar contrato, ganhar o salário miserável no ofício de jogar bola, a bola, a bola que rolou por
toda sua vida, e ele rolou atrás da bola, rolou pro alto, nos grandes clubes, depois rolou pra baixo, sempre
mais pra baixo, cada vez mais pra baixo, sempre com trinta e dois anos, sempre com a ilusão de voltar,
não pra seleção, não pras manchetes dos jornais, não pros braços das mulheres, não ser ídolo, mas
voltar, pra divisão especial, talvez pelo menos pra primeira divisão, nunca mais ficar na segunda divisão,
não na segunda divisão, no clube pobre, no clube miserável, que não treina, que não concentra, que não
come, que não paga, não no ócio, no ócio, na solidão de uma praça miserável, pobre, não nunca mais na
solidão, na pobreza, nunca mais na bola miúda, pequena, jogada por cabeças de bagre, sem passado,
sem presente, sem futuro, sem esperança, sem retrato no jornal, com emprego, emprego público, no
banco, na coletoria, e a bola pobre no domingo, miúda, miserável, uma bola que rola quadrada, quadrada,
rola quadrada, como se fosse a bola de um esporte, a bola de um esporte qualquer, não a bola da vida e
da morte, a bola que rola pra cima, pra baixo, a bola que dá e tira, a bola que leva o craque, a bola que
rola o craque, a bola que enrola o craque.
Fonte: MARCOS, Plínio. Trinta e dois anos em cada perna. Extra: realidade brasileira, São Paulo, n. 4, mar. 1977.

Os autores de histórias de ficção, ao escrevê-las, procuram organizar os discursos do narrador e das


personagens de forma a sensibilizar o leitor por meio da linguagem. Algumas convenções foram
criadas para que o leitor se oriente durante a leitura e para que desfrute melhor desses mundos
imaginários. Por exemplo: quando o autor representa a fala de personagens, costuma-se chamar
essa representação de “discurso direto”; já a representação da fala do narrador, que comunica ao
leitor o que ocorre na história, é chamada de “discurso indireto”. Há, ainda, o discurso indireto livre,
que é quando na representação da fala do narrador o seu próprio discurso e os sentimentos de
alguma personagem estão misturados. Sabendo disso, podemos dizer que no texto de Plínio
Marcos,

A) ocorre predominantemente o discurso direto, pois a personagem principal tem sua fala
representada o tempo todo.
B) o discurso direto e o indireto se articulam sucessivamente, pois um dá vez ao outro
alternadamente.
C) o discurso indireto livre tem total predominância, pois a representação da fala do narrador está
contaminada pelos sentimentos da personagem de que o texto trata.
D) o discurso indireto livre se articula alternadamente como o discurso direto e com o indireto,
havendo clara demarcação entre todos.

104
H30 - Identificar marcas do discurso indireto ou indireto livre no enunciado de um texto literário narrativo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
48 6 8 C 0.39 0.38 0.21 0.59 0.38 0.23 0.20 0.39 0.17 0.00 0.01 -0.15 -0.21 0.38 -0.13 -0.43 -0.29

SP08 Por 8 It 48 Bl 6 Ob 8 Ibg 120 a= 0.033 b= 305.149 c= 0.291 SP08 Por 8 It 48 Bl 6 Ob 8 Ibg 120
curva de informacao com parametros originais a= 1.803 b= 1.001 Gabarito: C
1.0

1.0
C
0.9

0.9
C
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
C
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
C
0.4

0.4
C
C
0.3

0.3
C C
C
A A
B B
A B A A
B A
0.2

0.2
D D D D B
D D
B A
D
0.1

0.1
B
A
D
B
D
B
A
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.24 0.28 0.29 0.31 0.33 0.39 0.48 0.64 0.81 0.94 1 0 0 0

105
Leia o texto para responder à questão.

INDICAÇÃO LIVRE
 
Método desenvolvido pelo Sesc propõe a combinação de exercícios físicos a fim de atender
às necessidades diárias de cada indivíduo

A ginástica multifuncional pode ser entendida como um programa de práticas corporais que
visa a melhorar a capacidade funcional dos indivíduos. “Quando falamos em capacidade funcional,
estamos falando qual é o grau de facilidade que uma pessoa tem para enfrentar as situações
cotidianas, para levar um dia sem maiores dificuldades”, afirma o técnico Mário Fernandes. O
conceito está diretamente ligado ao gasto de energia que cada um apresenta no dia-a-dia e se a
reserva dessa energia é suficiente ou deixa a desejar. A também chamada saúde funcional tem sido
associada à nossa qualidade de automanutenção e ao papel social de cada um – uma visão
holística, que inclui ainda a condição intelectual e o estado emocional.

Apesar de ter grande parte de seu DNA herdada de um conjunto de práticas usado por atletas
profissionais, a ginástica multifuncional foi criada para trazer benefícios a indivíduos de todas as
idades e com diferentes graus de condicionamento físico. Justamente porque um de seus objetivos é
tornar o praticante mais apto não para uma prova ou competição, mas para realizar suas tarefas
diárias. “O programa se adapta ao aluno e não o aluno ao programa”, ressalta o técnico. Por isso,
podemos falar em atender a todos os grupos. Para cada um de nós a capacidade funcional é
diferente. O idoso vai ter uma necessidade diferente da do jovem adulto. O homem tem uma
necessidade diferente da que a mulher tem.”

Fonte: INDICAÇÃO livre. Revista do SESCSP, São Paulo, p. 30-31, fev 2008. (com cortes).

Os fragmentos acima descrevem a modalidade denominada ginástica multifuncional. Por meio de


algumas informações presentes no texto, observa-se que, na opinião do técnico Mario Fernandes,

A) a ginástica multifuncional é mais eficaz que as outras porque considera o estado de cada
indivíduo em seus diversos aspectos.
B) os outros tipos de ginástica são tão benéficos quanto a ginástica funcional, pois têm o objetivo
de preparar os indivíduos para enfrentar o dia-a-dia.
C) a competitividade é um dos aspectos mais importantes para os esportistas, especialmente para
aqueles que praticam a ginástica multifuncional.
D) a ginástica multifuncional é melhor que outros tipos de exercício, pois constitui atividade restrita
a certos grupos.

106
H17 - Distinguir um fato da opinião pressuposta ou subentendida em relação a esse mesmo fato, em
segmentos descontínuos de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
74 10 2 A 0.36 0.43 0.17 0.59 0.43 0.36 0.39 0.13 0.11 0.01 0.00 0.43 -0.15 -0.34 -0.12 -0.32 0.00

SP08 Por 8 It 74 Bl 10 Ob 2 Ibg 140 a= 0.03 b= 301.167 c= 0.234 SP08 Por 8 It 74 Bl 10 Ob 2 Ibg 140
curva de informacao com parametros originais a= 1.649 b= 0.929 Gabarito: A
1.0

1.0
A
0.9

0.9
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
A
B B B
0.4

0.4
B B A B
0.3

0.3
A
B
C A A
A C
0.2

0.2
C
D D D C
D B
0.1

0.1
D
C D D
C D B
C C D
0.0

0.0
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.1 0.22 0.24 0.25 0.3 0.37 0.48 0.62 0.8 0.94 1 0 0 0

107
Leia com atenção o fragmento abaixo.

Aqui é bandido: Plínio Marcos. Atenção, malandrage! Eu num vô pedir nada, vô te dá um alô!
Te liga aí: Aids é uma praga que rói até os mais fortes, e rói devagarinho. Deixa o corpo sem defesa
contra a doença. Quem pega essa praga está ralado de verde e amarelo, de primeiro ao quinto, e
sem vaselina. Num tem dotô que dê jeito, nem reza brava, nem choro, nem vela, nem ai, Jesus.
Pegou Aids, foi pro brejo! Agora sente o aroma da perpétua: Aids pega pelo esperma e pelo sangue,
entendeu? Pelo esperma e pelo sangue! (pausa)
Eu num tô te dando esse alô pra te assombra, então se toca! Não é porque tu tá na tranca
que virou anjo. Muito pelo contrário, cana dura deixa o cara ruim! Mas é preciso que cada um se
cuide, ninguém pode valê pra ninguém nesse negócio de Aids. Então, já viu: transá, só de acordo
com o parceiro, e de camisinha! (pausa)
Agora, tu aí que é metido a esculachá os outros, metido a ganhá o companheiro na força
bruta, na congesta! Pára com isso, tu vai acabá empesteado! Aids num toma conhecimento de
macheza, pega pra cá, pega em home, pega em bicha, pega em mulhé, pega em roçadeira!

Fonte: AQUI é bandido... In: SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz. Manual do candidato: português. 2. Ed.
Brasília, DF: Fundação Alexandre Gusmão, 2001. p. 19 e 20. Vídeo exibido na Casa de Detenção de São Paulo.

Observe que o texto foi produzido intencionalmente numa variante lingüística não-culta. A escolha
por esse uso de linguagem ocorre porque o autor do texto

A) precisa exibir ao destinatário o domínio lingüístico de uma forma popular.


B) tem a intenção de que seu discurso seja convincente para o destinatário, usando a mesma
variante lingüística que este usa.
C) usa formas cultas de pronúncia e de concordância e não está preocupado com quem ouve.
D) dirige-se ao público masculino, que, para comprovar sua masculinidade, adota uma variante
lingüística não-culta.

108
H24 - Justificar a presença, em um texto, de marcas de variação lingüística, no que diz respeito aos fatores
geográficos, históricos, sociológicos ou técnicos, do ponto de vista da fonética, do léxico, da morfologia ou da
sintaxe.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
77 10 5 B 0.37 0.43 0.17 0.60 0.42 0.28 0.37 0.15 0.20 0.01 0.00 -0.09 0.42 -0.36 -0.13 -0.33 -0.32

SP08 Por 8 It 77 Bl 10 Ob 5 Ibg 141 a= 0.027 b= 302.501 c= 0.227 SP08 Por 8 It 77 Bl 10 Ob 5 Ibg 141
curva de informacao com parametros originais a= 1.466 b= 0.953 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
B
B A
0.3

0.3
A A
A A A
C C B
B
D C
D D A
D
B
0.2

0.2
D
C D
D A
0.1

0.1
C D
C A
C C D
0.0

0.0
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.1 0.21 0.24 0.26 0.31 0.38 0.49 0.62 0.76 0.9 1 0 0 0

109
Sábado, 05 de julho de 2008 | Concursos
Concurso Cultural Ilustrações

Ilustre um conto de Machado de Assis e tenha a chance


de assinar a imagem que acompanhará o conto da seção
"Ficção Inédita" de outubro.
A partir do conto "Um Homem Célebre" de Machado de
Assis, o candidato deverá fazer uma ilustração que
consiga transmitir a essência da obra.
A imagem deverá ser enviada para o endereço de e-mail
concultbravo@gmail.com, até o dia 8 de agosto.
O ganhador será contratado para ilustrar o conto da
seção "Ficção Inédita" de outubro.

Fonte: CONCURSO Cultural Ilustrações. Bravo, São Paulo, 5 jul. 2008. Disponível em:
http://bravonline.abril.com.br/concursos_ilustracao.shtml>. Acesso em: 14 ago. 2008.

Para participar do Concurso Cultural da Revista Bravo, o candidato deverá seguir a seguinte ordem
de ações:

A) fazer uma ilustração para o conto da seção "Ficção Inédita" de outubro, enviar um e-mail,
ilustrar a essência da obra “Um Homem Célebre”, de Machado de Assis.
B) ler o conto “Um Homem Célebre”, fazer uma ilustração para ele, enviar um e-mail para
concultbravo@gmail.com.
C) enviar um e-mail para concultbravo@gmail.com, fazer uma ilustração para o conto “Um
Homem Célebre”, ser contratado para ilustrar o conto da seção "Ficção Inédita" de outubro.
D) fazer uma ilustração para o conto “Um Homem Célebre”, ler a seção "Ficção Inédita" de
outubro e enviar um e-mail para concultbravo@gmail.com.

110
H9 - Organizar em seqüência lógica itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
82 11 2 B 0.34 0.35 0.18 0.53 0.39 0.28 0.34 0.21 0.17 0.01 0.00 -0.15 0.39 -0.18 -0.13 -0.37 0.00

SP08 Por 8 It 82 Bl 11 Ob 2 Ibg 146 a= 0.049 b= 304.426 c= 0.259 SP08 Por 8 It 82 Bl 11 Ob 2 Ibg 146
curva de informacao com parametros originais a= 2.707 b= 0.988 Gabarito: B
1.0

1.0
B
0.9

0.9
B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5
B
0.4

0.4
A
0.3

0.3
B
A A
B A A
B
B A
C C C B
C C
0.2

0.2
D D D
D C A
D D
C
0.1

0.1
D A
C
D A
0.0

0.0
C
D

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.25 0.29 0.28 0.26 0.24 0.28 0.41 0.63 0.86 0.98 1 0 0 0

111
Leia o fragmento seguinte com atenção.

São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros, que visem à melhoria de sua condição
social:
I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei
complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;
IV – salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais
básicas e às de sua família, com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene,
transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo
vedada sua vinculação para qualquer fim;

Fonte: BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro de
Documentação do Ministério das Relações Exteriores, 1988. art. 7º.

No texto, a maioria dos verbos está no presente do indicativo ou do subjuntivo. Essa escolha do
enunciador indica

A) a desinformação do leitor, pois a Constituição foi redigida em 1988.


B) a perenidade da lei, que, de fato, deve ser algo duradouro.
C) um sentimento de revolta, pois muitos brasileiros atualmente vêem seus direitos
desrespeitados.
D) o menosprezo pelos acontecimentos que se deram após 1988.
 

H23 - Identificar o efeito de sentido produzido em um texto pelo uso de determinadas categorias gramaticais
(gênero, número, casos, aspecto, modo, voz etc.).

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
85 11 5 B 0.33 0.35 0.17 0.52 0.38 0.12 0.33 0.46 0.08 0.01 0.00 -0.22 0.38 -0.11 -0.26 -0.36 -0.35

SP08 Por 8 It 85 Bl 11 Ob 5 Ibg 147 a= 0.048 b= 308.935 c= 0.256 SP08 Por 8 It 85 Bl 11 Ob 5 Ibg 147
curva de informacao com parametros originais a= 2.626 b= 1.07 Gabarito: B
1.0

1.0

B
0.9

0.9

B
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
C C
0.5

0.5

C C
0.4

0.4

C
B
C
C
0.3

0.3

B B
B B B
A
0.2

0.2

A
D A
D A C
0.1

0.1

D A A
D A
D
D D A
D C
A
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.2 0.25 0.26 0.27 0.25 0.28 0.37 0.59 0.84 0.98 1 0 0 0

112
Leia o poema para responder à questão.

Saudade dada
Fernando Pessoa

Em horas inda louras, lindas


Clorindas e Belindas, brandas,
Brincam no tempo das berlindas,
As vindas vendo das varandas,
De onde ouvem vir a rir as vindas
Fitam a fio as frias bandas.
Mas em torno à tarde se entorna
A atordoar o ar que arde
Que a eterna tarde já não torna!
E em tom de atoarda todo o alarde
Do adornado ardor transtorna
No ar de torpor da tarda tarde.
E há nevoentos desencantos
Dos encantos dos pensamentos
Nos santos lentos dos recantos
Dos bentos cantos dos conventos....
Prantos de intentos, lentos, tantos
Que encantam os atentos ventos.

Fonte: PESSOA, Fernando. Saudade dada. In:______. Obra poética. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003. p. 134.

Aliteração: É a repetição do fonema, vocálico ou consonântico, igual ou parecido, para descrever ou


sugerir acusticamente o que temos em mente e expressar, quer por meio de uma só palavra ou por
unidades mais extensas.
Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37ª edição. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006, p.73.

 
O uso da aliteração no poema de Fernando Pessoa tem o objetivo de

A) desvalorizar o conteúdo através da sonoridade.


B) criar um efeito de musicalidade que valoriza o conteúdo e a forma do poema.
C) comparar elementos distintos através de um recurso sonoro.
D) substituir elementos devido à semelhança existente entre seus sons.

113
H39 - Justificar o uso de determinados recursos gráficos, sonoros ou rítmicos em um poema.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
98 13 2 B 0.50 0.33 0.34 0.68 0.27 0.07 0.50 0.23 0.19 0.01 0.00 -0.38 0.27 -0.05 -0.12 -0.36 0.00

SP08 Por 8 It 98 Bl 13 Ob 2 Ibg 158 a= 0.026 b= 330.978 c= 0.441 SP08 Por 8 It 98 Bl 13 Ob 2 Ibg 158
curva de informacao com parametros originais a= 1.42 b= 1.47 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9
B
0.8

0.8
B
0.7

0.7
proporcao de resposta
B
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
B B
B
B
B
0.4

0.4
0.3

0.3
C C C
C C C C D
0.2

0.2
D D D C
A
D D
A
D C
A
0.1

0.1
A D
A A D
A A A
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.17 0.41 0.43 0.46 0.49 0.5 0.54 0.61 0.72 0.85 1 0 0 0

114
TEXTO 1
Órgãos dos sentidos
 
O ouvido
 
O ouvido está presente em anfíbios adultos, répteis, aves e mamíferos. Ele é o órgão
responsável pela audição e pelo equilíbrio do corpo. Nos mamíferos, o ouvido possui três partes
bem distintas denominadas ouvido externo, médio e interno.
O ouvido externo é um canal que se abre ao meio exterior, estando separado do ouvido
médio por uma membrana circular, com cerca de 9 milímetros de diâmetro, o tímpano.
O ouvido médio é um canal estreito e cheio de ar, localizado dentro do osso temporal. No
interior do canal do ouvido médio existem três pequenos ossos, alinhados lado a lado, que
comunicam o tímpano com o ouvido interno. Esses ossinhos são denominados martelo, bigorna e
estribo.
O ouvido interno é um complicado sistema de tubos e cavidades preenchidos por um líquido.
Ele está localizado, juntamente com o ouvido médio, em uma cavidade do osso temporal,
denominada cápsula ótica (oto, ouvido).
Fonte: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Órgãos dos sentidos. In:______. Fundamentos da
Biologia Moderna. São Paulo: Moderna, 1990.

TEXTO 2
Aparelhos podem atingir volume tão alto quanto o de uma britadeira
O hábito cada vez mais comum, principalmente entre jovens, de ouvir música em tocadores de
MP3 e celulares com o uso de fones de ouvido por longos períodos e volume alto já causa reflexos em
consultórios e clínicas médicas: casos freqüentes de pacientes com problemas de audição. Apesar de
pequenos, alguns desses aparelhos são capazes de produzir um volume máximo equivalente ao de uma
britadeira, algo em torno de 120 decibéis (dB).
“No início do nosso trabalho nenhum jovem procurava o ambulatório”, afirma Tanit Sanchez, livre-
docente da USP e responsável pelo serviço. Atualmente, 311 pessoas estão cadastradas no ambulatório
com problemas causados por exposição a ruído. Dessas, 18 são adolescentes.
Iêda Russo, fonoaudióloga e professora da PUC-SP e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa
Casa de São Paulo, afirma que a exposição prolongada a um som com intensidade superior a 90 decibéis
pode prejudicar a audição. Trabalhando há 35 anos na área, ela diz que houve uma mudança significativa
na saúde auditiva dos jovens na última década.
Iêda deixa claro que não é contra a utilização desses aparelhos [MP3 e celulares], mas afirma que
é preciso ensinar os jovens a tomar cuidado.
Fonte: GONÇALVES, Alexandre. Tocadores de MP3 já são risco à audição. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. A24, 3
ago. 2008.

O termo antecedente ao qual se refere o pronome relativo que na frase “Em diversas ocasiões
recentes, a Associação Médica Brasileira tem manifestado sua posição favorável à Lei no.
11.705/08, que visa a coibir a condução de veículos após a ingestão de bebidas alcoólicas.” É

A) Lei no. 11.705/08.


B) diversas ocasiões recentes.
C) posição favorável.
D) Associação Médica Brasileira.

115
H15 - Estabelecer relações entre segmentos de um texto, identificando o antecedente de um pronome relativo
ou o referente comum de uma cadeia de substituições lexicais.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
103 13 7 A 0.45 0.38 0.27 0.65 0.34 0.45 0.18 0.15 0.21 0.01 0.00 0.34 -0.19 -0.12 -0.17 -0.26 -0.34

SP08 Por 8 It 103 Bl 13 Ob 7 Ibg 161 a= 0.027 b= 312.194 c= 0.352 SP08 Por 8 It 103 Bl 13 Ob 7 Ibg 161
curva de informacao com parametros originais a= 1.472 b= 1.129 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
A
A
0.4

0.4
A
A
0.3

0.3
A
D
B D D D
B D
0.2

0.2
C C B B
C B D
C C C
B D
C
0.1

0.1
B D
C
B C
D
B
0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0.0 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.31 0.34 0.39 0.42 0.45 0.51 0.63 0.78 0.9 1 0 0 0

116
Leia a tabela para responder à questão.

PNAD* - 1999
Média de anos de estudo das pessoas de 10 anos ou mais de idade por sexo e cor
Média de anos de estudo
Brasil e Grandes Regiões
Total Homens Mulheres Brancos Preta e Parda
Brasil (1) 5,7 5,6 5,9 6,6 4,6
Norte (2) 5,7 5,5 5,9 6,7 5,4
Nordeste 4,3 4,0 4,7 5,3 3,9
Sudeste 6,5 6,4 6,5 7,1 5,2
Sul 6,2 6,2 6,3 6,5 4,7
Centro-Oeste 5,9 5,7 6,2 6,8 5,3
Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro, 2000. 1 CD-ROM.

(1) Inclusive a população rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá.
(2) Inclusive a população rural.

A análise da tabela revela que as pessoas dedicavam mais tempo de suas vidas ao estudo, em
todas as regiões do Brasil em 1999, eram brancas e do sexo feminino. Porém, pode-se afirmar que,
considerando-se a média de anos de estudo de homens e mulheres, na região Sudeste

A) homens e mulheres dedicam quase o mesmo tempo aos estudos.


B) homens dedicam mais tempo aos estudos.
C) mulheres dedicam mais tempo aos estudos.
D) homens e mulheres dedicam o mesmo tempo aos estudos.

117
H10 - Estabelecer relações entre imagens (fotos, ilustrações), gráficos, tabelas, infográficos e o corpo do
texto, comparando informações pressupostas ou subentendidas.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
104 13 8 A 0.39 0.39 0.21 0.60 0.39 0.39 0.07 0.43 0.10 0.00 0.01 0.39 -0.31 -0.09 -0.33 -0.40 -0.30

SP08 Por 8 It 104 Bl 13 Ob 8 Ibg 162 a= 0.019 b= 303.961 c= 0.208 SP08 Por 8 It 104 Bl 13 Ob 8 Ibg 162
curva de informacao com parametros originais a= 1.028 b= 0.98 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
A
0.6

0.6
A
probabilidade

A
0.5

0.5
C
C C
A
C C
0.4

0.4
C
A C
C
0.3

0.3
A
A C
D
0.2

0.2
A
B D
B D
0.1

0.1
B D
B D
B D
B D
B B
D D
B
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 325

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.2 0.25 0.3 0.35 0.43 0.52 0.6 0.67 0.77 0.97 0 0 0

118
Nível 350
 
 
 
Leia a definição e responda à questão.

Definição
[Orações subordinadas] adjetivas explicativas: aquelas que não restringem a extensão do nome a que se
referem, isto é, não particularizam um subconjunto dentro de um conjunto. Sua função é a de explicar, a
título de explicação ou ênfase, uma qualidade ou um modo de ser comum a todos os elementos de um
conjunto.
Ex: Os jogadores de basquete, que são amadores, não recebem salários.
A adjetiva explicativa vem sempre isolada entre vírgulas e é sempre marcada por pausa na fala.
Fonte: SAVIOLI, Francisco Platão. Definição. In:______. Gramática em 44 lições. 32. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 88.

As vírgulas isolam uma oração subordinada adjetiva explicativa em

A) Se um mísero fiapo de sua cabeleira cair nas mãos dos pesquisadores da Universidade de
Reading, no Reino Unido, seus segredos vão por água abaixo.
B) A técnica é medir nos fios a quantidade de cada isótopo, que são variações mais ou menos
pesadas de cada átomo, de oxigênio e hidrogênio.
C) A água de cada região tem uma concentração típica de cada isótopo e, quando a bebemos,
deixa uma espécie de assinatura nos tecidos do corpo humano.
D) O cabelo é bom porque cresce mais ou menos um centímetro por mês e, por isso, pode revelar
não só onde você esteve, como também o que andou bebendo e comendo.

H26 - Aplicar conhecimentos relativos a unidades lingüísticas (períodos, sentenças, sintagmas) como
estratégia de solução de problemas de pontuação, com base na correlação entre definição/exemplo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
8 1 8 B 0.33 0.28 0.20 0.48 0.22 0.24 0.33 0.24 0.18 0.00 0.01 0.01 0.22 -0.11 -0.15 -0.42 -0.30

SP08 Por 8 It 8 Bl 1 Ob 8 Ibg 90 a= 0.043 b= 350.718 c= 0.315 SP08 Por 8 It 8 Bl 1 Ob 8 Ibg 90


curva de informacao com parametros originais a= 2.395 b= 1.828 Gabarito: B
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8

B
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

B
0.5

0.5
0.4

0.4

B
B B B B
0.3

0.3

B A A
B C C
A C A
C A
C
D A A A C
0.2

0.2

D D C
D D D
D C A
0.1

0.1

D C
D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.27 0.28 0.31 0.33 0.32 0.32 0.32 0.37 0.55 0.78 1 0 0 0

119
Leia o texto para responder à questão.

Uso racional da água

Gastar mais de 120 litros de água por dia é jogar dinheiro fora e desperdiçar nossos recursos
naturais. Veja algumas dicas de como economizar água - e dinheiro - sem prejudicar a saúde e a limpeza
da casa e das pessoas.

► Na cozinha

Ao lavar a louça, primeiro limpe os restos de comida dos pratos e panelas com esponja e sabão e, só
aí, abra a torneira para molhá-los. Ensaboe tudo que tem que ser lavado e, então, abra a torneira
novamente para novo enxágüe. Só ligue a máquina de lavar louça quando ela estiver cheia.
Lavar louça num apartamento, com a torneira meio aberta em 15 minutos, são utilizados 243 litros de
água. Com economia, o consumo pode chegar a 20 litros. Uma lavadora de louças com capacidade para
44 utensílios e 40 talheres gasta 40 litros. O ideal é utilizá-la somente quando estiver cheia.
Na higienização de frutas e verduras utilize cloro ou água sanitária de uso geral (uma colher de sopa
para um litro de água, por 15 minutos). Depois, coloque duas colheres de sopa de vinagre em um litro de
água e deixe por mais 10 minutos, economizando o máximo de água possível.
Fonte: SABESP. Uso racional da água. Disponível em:
<http://www.sabesp.com.br/CalandraWeb/CalandraRedirect/?temp=2&temp2=3&proj=sabesp&pub=T&nome=Uso_Racio
nal_Agua_Generico&db=&docid=DAE20C6250A162698325711B00508A40>. Acesso em: 31 jul. 2008.

Considerando o uso do imperativo afirmativo dos verbos sublinhados, pode-se afirmar que o texto
estabelece uma comunicação

A) direta com o leitor, que pode ser identificado pelo pronome de tratamento senhores.
B) indireta com o leitor, que pode ser identificado por qualquer pronome de tratamento.
C) indireta com o leitor, que só pode ser identificado pelo pronome de tratamento ele.
D) direta com o leitor, que pode ser identificado pelo pronome de tratamento você.

120
H3 - Identificar o público-alvo provável de um texto, considerando o uso de formas verbais flexionadas no
modo imperativo ou de determinado pronome de tratamento.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
9 2 1 D 0.40 0.46 0.16 0.61 0.34 0.21 0.30 0.09 0.40 0.01 0.00 -0.23 -0.01 -0.35 0.34 -0.35 0.00

SP08 Por 8 It 9 Bl 2 Ob 1 Ibg 91 a= 0.012 b= 307.964 c= 0.143 SP08 Por 8 It 9 Bl 2 Ob 1 Ibg 91


curva de informacao com parametros originais a= 0.668 b= 1.052 Gabarito: D
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8
0.7

0.7
D

proporcao de resposta
0.6

0.6
D
probabilidade

D
0.5

0.5
D
D
0.4

0.4
D
B B
B D B
0.3

0.3
A B B
A B B
A B
D A
C
0.2

0.2
A
C A
D C A
0.1

0.1
C A
C A
C C C C
0.0

0.0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0 0.14 0.23 0.32 0.4 0.44 0.48 0.53 0.6 0.68 0.86 0 0 0

121
Leia o texto e responda à questão.

Bichos de espécies diferentes podem ter filhos?


Bruno Vieira Feijó
 
"Claro, né? A mula que eu tenho aqui no quintal tá de prova...", diria o leitor amante do híbrido de
égua com jumento. Mas não é só mula que sai desse tipo de affair. Um dos exemplos mais bacanas é o
liger, que detém o título de maior felino do mundo. Ele é filho de leão com tigresa (lion + tiger). A união
deixa os hormônios de crescimento do animal fora de controle, ele fica 30% maior que o pai e a mãe,
chegando a mastodônticos 3,5 metros de comprimento e meia tonelada de peso. Também existe o tigon
(filho de tigre com leoa), pouco menor que o primo. Todos os machos desses animais são estéreis. Já as
fêmeas não: parte delas pode, sim, ter filhos. Mas se elas podem, por que as mulas não? Está errado:
"Desde 1527, a literatura científica também descreve mais de 60 mulas que tiveram crias quando cruzadas
com cavalos ou jumentos", diz o biólogo Octavio Pavan, da Unicamp. Membros do genêro Canis
(cachorros, lobos, coiotes e chacais) também podem cruzar e ter filhotes férteis.

Fonte: FEIJÓ, Bruno Vieira. Bichos de espécies diferentes podem ter filhos?. Superinteressante, São Paulo, n. 224, mar.
2006. Disponível em: <http://super.abril.com.br/superarquivo/2006/conteudo_433081.shtml>. Acesso em: 10 ago. 2008.

De acordo com o autor, o uso da palavra mastodônticos fortalece a idéia de que o liger é o maior
felino do mundo porque

A) deriva de mastodonte, termo ligado à área de paleontologia que designa os gigantescos


elefantes pré-históricos.
B) está relacionado à Odontologia, e indica a existência de dentes molares mais desenvolvidos.
C) deriva de mastro, termo ligado à Construção Naval, que designa uma longa peça de madeira
erguida acima do convés.
D) relaciona esses animais a uma aberração, devido a seu tamanho ser até 30% maior do que os
leões e tigres comuns.

122
H19 - Justificar o efeito de sentido produzido, em um texto, pelo uso intencional de notações e nomenclaturas
específicas de determinada área de conhecimento científico.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
53 7 5 A 0.26 0.26 0.15 0.41 0.29 0.26 0.11 0.09 0.52 0.01 0.00 0.29 -0.40 -0.37 0.13 -0.35 -0.39

SP08 Por 8 It 53 Bl 7 Ob 5 Ibg 123 a= 0.032 b= 341.264 c= 0.214 SP08 Por 8 It 53 Bl 7 Ob 5 Ibg 123
curva de informacao com parametros originais a= 1.773 b= 1.657 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
D D
0.6

0.6
probabilidade

D D
A
0.5

0.5
D D
0.4

0.4
A
D
0.3

0.3
D A
B
A B
A A A D
A
0.2

0.2
C C B
C
B
0.1

0.1
C
B
C
B
C B
C B
C B
0.0

0.0
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.16 0.23 0.22 0.21 0.23 0.24 0.29 0.4 0.53 0.78 1 0 0 0

123
A INCAPACIDADE DE SER VERDADEIRO

Paulo tinha fama de mentiroso. Um dia chegou em casa dizendo que vira no campo dois dragões-
da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas.
A mãe botou-o de castigo, mas na semana seguinte ele veio contando que caíra no pátio da escola
um pedaço de lua, todo cheio de buraquinhos, feito queijo, e ele provou e tinha gosto de queijo. Desta vez
Paulo não só ficou sem sobremesa como foi proibido de jogar futebol durante quinze dias.
Quando o menino voltou falando que todas as borboletas da Terra passaram pela chácara de Siá
Elpídia e queriam formar um tapete voador para transportá-lo ao sétimo céu, a mãe decidiu levá-lo ao
médico. Após o exame, o Dr. Epaminondas abanou a cabeça:
⎯ Não há nada a fazer, Dona Coló. Este menino é mesmo um caso de poesia.

Fonte: ANDRADE, Carlos Drummond de. A incapacidade de ser verdadeiro. In:______. Histórias para o rei. Rio de
Janeiro: Record, 2002.

Os acontecimentos que culminam com a decisão de Dona Coló de levar o filho ao médico, podem
ser organizados na seguinte seqüencia:

A) Paulo afirma ter visto dragões-da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas, fica de
castigo, mas na semana seguinte conta nova experiência fantástica; fica de castigo por quinze
dias, mas torna a contar uma experiência fantástica sobre um tapete voador feito de
borboletas.
B) Paulo afirma ter visto dragões-da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas, não fica de
castigo, mas na semana seguinte conta nova experiência fantástica; fica de castigo por quinze
dias, mas torna a contar uma experiência fantástica sobre um pedaço de lua com gosto de
queijo.
C) Paulo afirma ter visto dragões-da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas, fica de
castigo, mas na semana seguinte conta uma experiência fantástica sobre um tapete voador
feito de borboletas; fica de castigo por quinze dias, mas torna a contar uma experiência
fantástica sobre um jogo de futebol e sobremesa.
D) Paulo afirma ter visto dragões-da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas, fica de
castigo e na semana seguinte não conta nova experiência fantástica; depois de quinze dias,
conta uma experiência fantástica sobre um tapete voador feito de borboletas.

124
H34 - Organizar os episódios principais de uma narrativa literária em seqüência lógica.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
55 7 7 A 0.57 0.60 0.28 0.88 0.65 0.57 0.17 0.14 0.12 0.01 0.00 0.65 -0.38 -0.43 -0.27 -0.32 -0.38

SP08 Por 8 It 55 Bl 7 Ob 7 Ibg 125 a= 0.038 b= 231.932 c= 0.177 SP08 Por 8 It 55 Bl 7 Ob 7 Ibg 125
curva de informacao com parametros originais a= 2.077 b= -0.328 Gabarito: A
1.0

1.0
A A
A
0.9

0.9
A
0.8

0.8
A
0.7

0.7
proporcao de resposta
0.6

0.6
probabilidade

A
0.5

0.5
0.4

0.4
B A
0.3

0.3
C
B C B
D A C
0.2

0.2
D D B
A C
D
0.1

0.1
B
D
C D
B
C D
B D
0.0

0.0
C B
C B
D
C

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.06 0.14 0.21 0.32 0.53 0.75 0.89 0.96 0.99 1 1 0 0 0

125
Leia o poema e responda à questão.

Das análises literárias transcritas nas


ESCAPULÁRIO alternativas sobre a obra Oswald de
Andrade, qual pode ser atribuída ao poema
No Pão de Açúcar Escapulário?
De Cada Dia A) Neste poema Oswald de Andrade
evidencia o tema de valorização da
Dai-nos Senhor
natureza, decorrente da sua
A Poesia preocupação ecológica e romântica.
De Cada Dia B) Neste poema Oswald de Andrade
narra, com ironia e humor, um
fragmento da vida de uma pessoa.
C) Neste poema Oswald de Andrade
Fonte: ANDRADE. Oswald de. Escapulário. In:______. apresenta com irreverência a paisagem
Cadernos de Poesia do Aluno Oswald: (poesias
brasileira associada a cenas do
reunidas). São Paulo: Círculo do Livro, 1981.p. 65.
cotidiano.
D) Neste poema Oswald de Andrade com
muita ironia e sarcasmo satiriza os
costumes do passado.

H32 - Identificar uma interpretação de fonte literária autorizada para um determinado texto literário.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
56 7 8 C 0.31 0.33 0.17 0.49 0.32 0.21 0.30 0.31 0.16 0.00 0.01 -0.13 -0.12 0.32 -0.09 -0.45 -0.31

SP08 Por 8 It 56 Bl 7 Ob 8 Ibg 126 a= 0.02 b= 341.623 c= 0.216 SP08 Por 8 It 56 Bl 7 Ob 8 Ibg 126
curva de informacao com parametros originais a= 1.111 b= 1.663 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta

C
0.6

0.6
probabilidade

C
0.5

0.5

C
0.4

0.4

C
B B B C
B B
0.3

0.3

C B
A A C
C A A B
0.2

0.2

C
D A A
D D D A B
D D
D A
D B
D
0.1

0.1

A
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.14 0.2 0.23 0.25 0.29 0.33 0.37 0.46 0.56 0.67 0.93 0 0 0

126
Além de prejudicar a fertilidade do solo, (segundo o Dr. Herbert Wilhelmy) as queimadas, destruindo
facilmente grandes áreas de vegetação natural, traziam outras desvantagens, como a de retirar aos
pássaros a possibilidade de construírem seus ninhos. “E o desaparecimento dos pássaros acarreta o
desaparecimento de um importante fator de extermínio de pragas de toda espécie. O fato é que nas
diversas regiões onde houve grande destruição de florestas, a broca invade as plantações de mate e
penetra até à medula nos troncos e galhos, condenando os arbustos à morte certa. As próprias
lagartas multiplicam-se consideravelmente com a diminuição das matas”.

Fonte: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Além de prejudicar a fertilidade do solo... In:______. Raízes do Brasil. 16. ed. Rio
de Janeiro: José Olympio. 1983.

Na frase “Meninas com anorexia têm uma grave distorção de sua auto-imagem, enxergando-se
sempre muito mais gordas do que são”, se trocássemos a palavra “meninas” pela expressão “a
menina” a frase dotada de uma adequada concordância verbal e nominal seria

A) A menina com anorexia tem uma grave distorção de sua auto-imagem, enxergando-se sempre
muito mais gorda do que é.
B) A menina com anorexia tem uma grave distorção de sua auto-imagem, enxergando-se sempre
muito mais gorda do que é.
C) A menina com anorexia tem uma grave distorção de sua auto-imagem, enxergando-se sempre
muito mais gordas do que é.
D) A menina com anorexia tem uma grave distorção de sua auto-imagem, enxergando-se sempre
muito mais gorda do que são.

H22 - Identificar o uso adequado da concordância nominal ou verbal, com base na correlação entre definição /
exemplo.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
94 12 6 A 0.29 0.30 0.15 0.45 0.32 0.29 0.37 0.14 0.19 0.01 0.00 0.32 0.09 -0.27 -0.27 -0.31 -0.34

SP08 Por 8 It 94 Bl 12 Ob 6 Ibg 154 a= 0.035 b= 328.225 c= 0.236 SP08 Por 8 It 94 Bl 12 Ob 6 Ibg 154
curva de informacao com parametros originais a= 1.935 b= 1.42 Gabarito: A
1.0

1.0
0.9

0.9

A
0.8

0.8
0.7

0.7
proporcao de resposta

A
0.6

0.6
probabilidade

0.5

0.5

B B
A
B
0.4

0.4

B
A
B B
0.3

0.3

B B A
A A D
A A
D
D D
C
0.2

0.2

C C D
C B
C D
0.1

0.1

C
D
C
C
D D
0.0

0.0

0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500

proficiencia proficiencia

Nível: 350

8ª Série EF Nível 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 425 450
Proporção de acerto 0 0.19 0.24 0.25 0.24 0.25 0.28 0.34 0.44 0.64 0.84 1 0 0 0

127
Nível 375
 
 
Leia com atenção o fragmento abaixo e em seguida observe o gráfico referente ao texto.
Desemprego avança para 8,1 em julho
Apesar da alta, foi o melhor resultado para
o mês desde 2002, diz o IBGE; resultado contraria
tendência dos últimos anos

A taxa de desemprego medida pelo IBGE


(Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)
subiu para 8,1% em julho. No mês anterior, o
indicador havia ficado em 7,8%. Apesar do
aumento da taxa, o instituto avalia que a variação
não é significativa estatisticamente.
O resultado foi o melhor para o mês de julho
desde 2002, início da série histórica.

Segundo o IBGE, o atual desempenho do


mercado de trabalho está contrariando o
comportamento verificado nos últimos anos,
quando a taxa subia no começo do ano e
começava a recuar no segundo semestre. Em
2008, o desemprego começou a cair ainda nos
primeiros meses.  
 
“ainda é cedo para saber se o resultado configura uma piora. É preciso esperar mais um ou dois
meses para verificar se o cenário de alta dos juros e da inflação está afetando o comportamento do
mercado de trabalho”, disse Cimar Azevedo Pereira, gerente da Pesquisa Mensal de Emprego.

Para Fábio Romão, da LCA Consultores, o resultado indica que o mercado deve continuar a
melhorar este semestre, mas em ritmo modesto. “Não significa deterioração, mas em julho o mercado
pode ter chegado perto do limite

Um sinal de alerta para os próximos meses foi o desempenho do comércio em São Paulo, com
queda de 4,1% e a redução de 73 mil vagas em julho. Segundo Lygia César, da MCM Consultores, a
redução de vagas está ligada à dispensa de trabalhadores de menor qualificação. “Custa menos para a
empresa demitir nesse caso”.
Fonte: LAGE, Janaina. Folha de S. Paulo. 22/ago/2008. p. B 3.

Comparando as informações do texto e do gráfico, é possível afirmar que ambos têm como
pressuposto
A) o pessimismo no que se refere ao mercado de trabalho nos próximos meses.
B) a desconfiança em relação ao trabalho dos consultores.
C) o desemprego como uma questão exclusivamente econômica.
D) a crença de que as demissões de trabalhadores foram desnecessárias.

128
H10 - Estabelecer relações entre imagens (fotos, ilustrações), gráficos, tabelas, infográficos e o corpo do
texto, comparando informações pressupostas ou subentendidas.

ÍNDICES PERCENTUAIS DE RESPOSTAS COEFICIENTES BISSERIAIS


ITEM BL OB GAB DIFI DISCR ABAI ACIM BISE A B C D "" "." A B C D "" "."
73 10 1 C 0.38 0.38 0.20 0.58 0.34 0.38 0.13 0.38 0.10 0.01 0.00 -0.08 -0.30 0.34 -0.15 -0.34 0.00

SP08 Por 8 It 73 Bl 10 Ob 1 Ibg 139 a= 0.013 b= 319.883 c= 0.18 SP08 Por 8 It 73 Bl 10 Ob 1 Ibg 139
curva de informacao com parametros originais a= 0.722 b= 1.269 Gabarito: C
1.0

1.0
0.9

0.9
0.8