Você está na página 1de 4

ANDRAGOGIA E TEORIAS DE APRENDIZAGEM

Segundo Bellan (2005,p.20) “a andragogia é a ciência que estuda como os adultos aprendem”.
A autora relata que foi o educador alemão Alexander Kapp em 1833, quem primeiro usou esta
nomenclatura.

A Andragogia foi definida por Malcolm Knowles como a arte e ciência de ajudar o adulto a
aprender, em oposição à Pedagogia, que cuida do ensino de crianças. Os conceitos de Knowles
foram amplamente discutidos, prevalecendo, hoje, a posição de que os dois campos não são
mutuamente excludentes. Segundo eles, Knowles chegou a indicar que os dois conceitos
formariam um continuum, indo da educação centrada no professor à educação centrada no
aprendedor. (WALL e TELLES, 2004).

Andragogia (do grego: andros - adulto e gogos - educar) procura compreender o adulto. Os
adultos devido às experiências que passam durante a vida e o conhecimento que vem da
realidade, buscam desafios e soluções que façam diferença em suas vidas.Eles aprendem melhor
quando o assunto faz relação com sua vida diária. O aluno adulto, diferencia-se dos demais, na
consciência de que precisa do conhecimento, que este lhe faz falta.

De acordo com Gomes, Pezzi e Bárcia (2006), os princípios da Andragogia e as teorias que
sinalizam uma pedagogia voltada para o aluno, estão trazendo maiores contribuições no
trabalho com adultos.

Nesse sentido, Knowles (1977) citado Gomes, Pezzi e Bárcia (2006, p. 3) diz que "a teoria da
aprendizagem de adultos apresenta um desafio para os conceitos estáticos da inteligência, para
as limitações padronizadas da educação convencional...".

A andragogia sendo a questionadora do modelo educacional aplicado nos adultos procura


conhecer as particularidades da aprendizagem no adulto e adequar ou promover métodos
didáticos para serem usados especificamente nessa população.

O PAPEL DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NA PERSPECTIVA ANDRAGOGICA

Ao começar a vida universitária, os alunos esperam uma nova realidade educacional. Mas essa
realidade nem sempre acontece. Educandos que chegam à Universidade (...) se deparam com
o mero continuísmo da educação fundamental e média: programas pré-organizados em
períodos e disciplinas, conteúdos selecionados e estabelecidos unilateralmente pelos
professores ou pela instituição; são forçados a se ajustarem a essa estrutura rígida, a ocupar o
espaço de uma carteira que lhe é destinada como objetos da ação educacional da instituição.
Devem fazer silêncio, prestar atenção à “performance” dos professores e memorizar os
conteúdos com o objetivo de responder perguntas nos testes de avaliação. Se tiverem dúvidas
(e coragem), poderão dirigir perguntas ao alto do púlpito docente, é claro, com o máximo de
propriedade para não serem ridicularizados por professores ou colegas de classe.

(Cavalcanti, 2004/2005, p.48).


Conforme dito por Cavalcanti (1999), Kelvin Miller afirma que adultos conseguem guardar
apenas 10 % do que ouvem, no espaço de 72 horas. Entretanto são capazes de lembrar 85% do
que ouvem, vêm e fazem, após o mesmo prazo. Ele observou ainda que as informações mais
lembradas são aquelas recebidas nos primeiros 15 minutos de uma aula ou palestra. É por isso,
que os professores na andragogia tem que desempenhar um papel diferente do modelo
clássico

A partir do que se entende por ser adulto, Oliveira (1998) passa a refletir sobre as conjecturas
que devem direcionar a relação entre educador, escola, métodos didáticos e educando adulto,
elaborando 14 princípios que oferecem um referencial objetivo para um bom relacionamento
educacional, apresentados a seguir:

•Princípio 1 - O adulto é dotado de consciência crítica e consciência ingênua. Sua postura pró-
ativa ou reativa tem direta relação com seu tipo de consciência predominante.

•Princípio 2 - Compartilhar experiências é fundamental para o adulto, tanto para reforçar suas
crenças, como para influenciar as atitudes dos outros.

•Princípio 3 - A relação educacional de adulto é baseada na interação entre facilitador e


aprendiz, onde ambos aprendem entre si, num clima de liberdade e pró-ação.

•Princípio 4 - A negociação com o adulto sobre seu interesse em participar de uma atividade
de aprendizagem é chave para sua motivação.

•Princípio 5 - O centro das atividades educacionais de adulto é na aprendizagem e jamais no


ensino.

•Princípio 6 - O adulto é o agente de sua aprendizagem e, por isso, é ele quem deve decidir
sobre o que aprender.

•Princípio 7 - Aprender significa adquirir: conhecimento - habilidade - atitude (CHA). O


processo de aprendizagem implica na aquisição incondicional e total desses três elementos;

•Princípio 8 - O processo de aprendizagem do adulto se desenvolve na seguinte ordem:


sensibilização (motivação); pesquisa (estudo); discussão (esclarecimento); experimentação
(prática); conclusão (convergência) e compartilhamento (sedimentação).

•Princípio 9 - A experiência é o melhor elemento motivador do adulto, portanto, o ambiente


de aprendizagem com pessoas adultas precisa ser permeado de liberdade e incentivo para
cada indivíduo falar de sua história, ideias, opinião, compreensão e conclusões.

•Princípio 10 - O diálogo é a essência do relacionamento educacional entre adultos, por isso a


comunicação só se efetiva através dele.

•Princípio 11 - A práxis educacional do adulto precisa estar baseada na reflexão, na ação e,


consequentemente, os assuntos devem ser discutidos e vivenciados para que não se caia no
erro de se tornarem verbalistas, que induzem à reflexão, mas não são capazes de colocar em
prática; ou, por outro lado, ativistas, que se apressam a executar, sem antes refletir nos prós e
contras.

•Princípio 12 - Quem tem capacidade de ensinar o adulto é apenas Deus, que conhece o
íntimo da pessoa e suas reais necessidades. Portanto, se você não é Deus, não se atreva a
desempenhar esse papel!
•Princípio 13 - O professor tradicional prejudica o desenvolvimento do adulto, pois o coloca
num plano inferior de dependência, reforçando, com isso, seu indesejável comportamento
reativo próprio da fase infantil.

•Princípio 14 - O professor que exerce a "Educação Bancária" - depositador de conhecimentos


- cria a perniciosa relação de "Opressor & Oprimido", que pode influenciar, negativamente, o
modelo cognitivo do indivíduo, pela vida inteira, enfatizam algumas abordagens psicológicas
que têm sido base para a construção de um modelo de aprendizagem para adultos.

O Mapa Andragógico da Aprendizagem


Segundo Cavalcanti, a andragogia tem o aluno como processo de ensino- aprendizagem.

O processo de ensino-aprendizagem, do ponto de vista andragógico, procura tirar o máximo


proveito das características peculiares dos adultos (...).Os resultados de todo o processo são
potencializados, atingindo uma aprendizagem mais fácil, profunda, criativa.
(Cavalcanti,2004/2005, p 48.)

Toda experiência adquirida pelos adultos em sua vivencia lhes dá condições para que possa
tomar decisões.

Todo aprendizado na vida adulta é direcionada para seu interesse. O adulto decide o que quer
aprender. Ele tem necessidade de conhecimento, mas um conhecimento que seja pratico em
sua vida diária. Ficar em uma sala de aula, onde deve ficar horas estudando até alcançar um
objetivo não é interessante para o adulto.

Em “Pedagogia da Autonomia”, Paulo Freire afirma que “ensinar não é transferir


conhecimento, mas criar possibilidades para a sua produção ou a sua construção”. As matérias
devem ser selecionadas pelo professor de acordo com as necessidades de seus alunos,
contando com a ajuda dos mesmos no planejamento.

Existem conteúdos que devem ser estudados independentemente do parecer do aluno.


Matérias que são importantes e significativas. Cabe ao educador buscar recursos que não
deixem à aula maçante e que revele ao aluno a necessidade do conteúdo estudado.

De acordo com Waal e Telles (2004), os 5 princípios da Andragogia são:

Autonomia: o adulto sente-se capaz de tomar suas próprias decisões (auto-administrar-se) e


gosta de ser percebido e tratado como tal pelos outros.

Experiência: a experiência acumulada pelos adultos oferece uma excelente base para o
aprendizado de novos conceitos e novas habilidades.

Prontidão para a Aprendizagem: o adulto tem maior interesse em aprender aquilo que está
relacionado com situações reais de sua vida.

Aplicação da Aprendizagem: as visões de futuro e tempo do adulto levam-no a favorecer a


aprendizagem daquilo que possa ter aplicação imediata, o que tem como corolário uma
preferência pela aprendizagem centrada em problemas em detrimento de uma aprendizagem
centrada em áreas de conhecimento.

Motivação para Aprender: os adultos são mais afetados pelas motivações internas que pelas
motivações externas. Vale lembrar que as motivações externas estão ligadas seja ao desejo
seja de obter prêmios ou compensações seja ao desejo de evitar punições; motivações
internas estão ligadas aos valores e objetivos pessoais de cada um.

Fonte: A Andragogia (Knowles). Paula de Waal e Marcos Telles - Junho, 2004

Fonte : http://andragogiaonline.blogspot.com.br/