Você está na página 1de 98

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA

PODER JUDICIÁRIO
PROJUDI - Processo Judicial Digital
Baixado do PROJUDI em: 02/04/2018

Processo nº 0000399-75.2018.8.05.0004

Promovente(s): Nome CPF/CNPJ Identidade


MILA XAVIER DOS REIS 813.240.495-53 748590056 SSP/BA
Endereço Advogados
OAB 13370 N BA - JOSE MARCOS REIS DO
CARMO
Conjunto JARDIM DAS ACACIAS RUA B LOTE 20 CASA 202, 202, OAB 24643 N BA - ANA VERENA LOPES
ALAGOINHAS VELHA, ALAGOINHAS - BA, BRASIL, 48.000-030 NOGUEIRA
OAB 37987 A BA - ADRIANA VIANA DA
FONSECA
Promovido(s): Nome CPF/CNPJ Identidade
QUALICORP 02.541.982/0001-54
Endereço Advogados
Alameda XINGU, 512, Salas 1603 1703 1803 E 1903, Alphaville OAB 24308 N BA - RENATA SOUSA DE
Industrial, BARUERI - SP, BRASIL, 06.455-030 CASTRO VITA
Nome CPF/CNPJ Identidade
UNIMED 48.090.146/0006-06
Endereço Advogados
Rua SENADOR THEOTONIO VILELA, 190, ED EMPRESARIAL
CONVENTION CENTER SALAS 1 004 1 005, BROTAS, Nenhum advogado cadastrado
SALVADOR - BA, BRASIL, 40.275-430
Testemunha(s):
Terceiro(s):
Classe: Procedimento do Juizado Especial Cível
Assunto: Planos de Saúde
Prioridade: NORMAL
Segredo de Justiça: Não
Data da Distribuição: 16/02/2018
Valor da Causa: R$ 20.230,00

Índice de Documentos
Id Data Assinatura Documento Tipo
61317800 16/02/2018 10:57 PETIÿÿO INICIAL - UNIMED - MILA XAVIER DOS REIS.pdf Petição Inicial
61317806 16/02/2018 10:57 1 - Proc. Mila Xavier dos Reis.pdf Procuração
61317807 16/02/2018 10:57 2 - Doc. pessoais Mila Xavier dos Reis.pdf Outros
61317808 16/02/2018 10:57 3 - Comp. de res. Mila Xavier dos Reis.pdf Comprovante Residência
61317809 16/02/2018 10:57 4 - Cartão do plano Mila X. Reis.pdf Outros
61317810 16/02/2018 10:57 5 - Relatório de alta RN de Mila Xavier dos Reis.pdf Outros
61317811 16/02/2018 10:57 6 - Plano de Alta de Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317812 16/02/2018 10:57 7 - Folha de evolução RN Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317813 16/02/2018 10:57 8 - Certidão de nasc. Liz Xavier Conceição.pdf Outros
61317814 16/02/2018 10:57 9 - Recibo de pag. Mila X. Reis.3.pdf Outros
61317815 16/02/2018 10:57 10 - Recibo de pag. Mila X. Reis.2.pdf Outros
61317816 16/02/2018 10:57 11 - Recibo de pag. Mila X. Reis1.pdf Outros
61317817 16/02/2018 10:57 12 - Notas fiscais Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317818 16/02/2018 10:57 13 - Boleto da Qualicorp Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317819 16/02/2018 10:57 14 - Carta da Unimed a Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317820 16/02/2018 10:57 15 - Carta do plano Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317821 16/02/2018 10:57 16 - Contrato de Adesão Mila X. dos Reis part1.pdf Outros
61317822 16/02/2018 10:57 17 - Contrato de Adesão Mila X. dos Reis part2.pdf Outros
61317823 16/02/2018 10:57 20 - Contrato proposta part1.pdf Outros
61317824 16/02/2018 10:57 21 - Contrato proposta part2.pdf Outros
61317825 16/02/2018 10:57 22 - Contrato proposta part3.pdf Outros
61317826 16/02/2018 10:57 23 - Contrato proposta part4.pdf Outros
61317827 16/02/2018 10:57 24 - Receita médica Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317828 16/02/2018 10:57 25 - Relatório médico - HEMORRAGIA - Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317829 16/02/2018 10:57 26 - USG Transvaginal Mila Xavier dos Reis.pdf Outros
61317830 16/02/2018 10:57 27 - Teste do pezinho Liz Xavier dos Reis.pdf Outros
61317831 16/02/2018 10:57 28 - Solicitação de exame Mila X. dos Reis.pdf Outros
61317832 16/02/2018 10:57 29 - Relatório médico 02-FEVEREIRO.pdf Outros
61317833 16/02/2018 10:57 30 - Relatório médico 05 FEVEREIRO.pdf Outros
61318008 16/02/2018 10:59 online.html Citação
61318028 16/02/2018 10:59 online.html Citação
61890745 02/03/2018 00:42 806784801_182224_JJ798585348BR Citação
62067232 07/03/2018 00:04 806784801_182224_JJ798585325BR Citação
62580934 19/03/2018 11:54 QC Atos + Procuração.pdf Procuração
62580935 19/03/2018 11:54 CONTESTAÿÿO.pdf Petição
62616583 20/03/2018 08:11 CARTA DE PREPOSIÿÿO QUALICORP.pdf Outros
62616584 20/03/2018 08:11 SUBSTABELECIMENTO QC.pdf Substabelecimento
62620718 20/03/2018 09:05 Ata_Conciliacao_20-03-2018_399-75.2018.pdf Termo de Audiência
62620881 20/03/2018 09:08 Ata_Conciliacao_20-03-2018_399-75.2018_Assinada.pdf Termo de Audiência
62997188 28/03/2018 13:26 online.html Conclusão
63068186 02/04/2018 07:20 online.html Intimação
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO


JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE ALAGOINHAS/BA.

MILA XAVIER DOS REIS, brasileira, maior, capaz, solteira, enfermeira, inscrita no CPF
sob o nº 81324049553 e no RG nº 0748590056, SSP/BA, residente e domiciliada no
Conjunto Jardim das Acácias, Rua B, Lote 20, Casa 202, Alagoinhas Velha, CEP
48000030, Alagoinhas/BA, por seus advogados legalmente constituídos (doc. de
procuração anexo), vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor:

AÇÃO DE RESSARCIMENTO DE DESPESAS MÉDICAS, CUMULADA COM


INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

Contra UNIMED - CENTRAL NACIONAL UNIMED - COOPERATIVA CENTRAL


(operadora de plano de saúde), pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ
sob o nº 48.090.146/0006-06 com sede na Rua Senador Theotonio Vilela, 190 Sl 01

Convention Center Salvador - BA, CEP: 40279435 e QUALICORP ADM. E SERV. LTDA
(administradora) pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº
02.541.982/0001-54, com sede à Al Xingu, nº 512, salas 1603, 1703, 1803, E 1903,
Bairro/Distrito Alphaville Industrial, Barueri/SP, CEP. 06455030, endereço eletrônico
lhiramoto@qualicorp.com.br, telefone (11) 3191-4100, o que faz pelas razões fáticas e
jurídicas a seguir expostas:

1 - DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA

Inicialmente, necessário destacar que a autora declara não possuir condições


financeiras para arcar com as despesas processuais e os honorários advocatícios
pertinentes à presente ação, sem prejuízo do seu próprio sustento ou da sua família.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 1
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Informo que com a entrada do CPC/2015, não se faz mais necessária juntada de
declaração do estado de pobreza, bastando apenas que o advogado faça na primeira
manifestação da parte no processo ou em seu curso.

Portanto, o pedido feito pelo advogado na peça inicial, supre a ausência de declaração
da parte, sendo este responsável pela sua afirmação, bastando que conste no
instrumento de procuração os poderes específicos, conforme art. 105, NCPC.

Nesse sentido, cientifico que a Procuração anexada à exordial possui autorização


específica nesse sentido.

Ademais, o fato de a Autora estar representada por advogado, não exclui a sua
necessidade de pleitear seus direitos sob o amparo da gratuidade da justiça.

Nesse sentido é a jurisprudência:

ADVOGADO CONSTITUÍDO - ISENÇÃO DE CUSTAS -


POSSIBILIDADE DA MEDIDA - AGRAVO DE INSTRUMENTO -
RECURSO PROVIDO - AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO
ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO - Pedido de gratuidade de justiça.
Indeferimento, porque a parte se acha representada por advogado.
A defesa dos pobres em Juízo não constitui monopólio da Defensoria
Pública do Estado. Não se discutindo a miserabilidade do agravante,
a alegação de pobreza deve ser admitida como verdadeira, até prova
em contrário, através de impugnação, nos termos da Lei nº
1060/50. Provimento do recurso. Decisão unânime.(TJRJ - AI
6996/2000 - (21092000) - 15ª C.Cív. - Rel. Des. José Mota Filho - J.
16.08.2000)

ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA – CONCESSÃO DO BENEFÍCIO A


QUEM TEM ADVOGADO CONSTITUÍDO – POSSIBILIDADE –
RESTRIÇÃO QUE IMPORTARIA EM VIOLAÇÃO AO ART. 5º,
LXXIV, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL – AGRAVO PROVIDO. Para
a concessão dos benefícios da justiça gratuita basta que a parte
afirme não estar em condições de pagar as custas do processo e os
honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família, não

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 2
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

impedindo a outorga do favor legal o fato do interessado ter


advogado constituído, tudo sob pena de violação ao art. 5º, LXXIV,
da Constituição Federal e à Lei nº 1.060/50, que não contemplam tal
restrição.(2º TACiv-SP, AI 555.868-0/0, rel. Juiz Thales do Amaral).

Desta feita, requer os benefícios da Justiça Gratuita, nos termos do artigo 98 do


CPC/2015, garantindo-lhe, deste modo, o efetivo acesso à justiça.

2 - DOS FATOS

A Autora era usuária de um plano de saúde da operadora, primeira ré, administrado


pela segunda demandada, desde 20/04/2017, conforme se verifica no contrato de
adesão (proposta nº 10011149) e carteira do plano em anexo.

O plano contratado pela Autora era na modalidade “Nacional”, com cobertura


hospitalar/obstetrícia, pagando um valor mensal de R$389,95 (trezentos e oitenta
e nove reais e noventa e cinco centavos), conforme contrato de adesão e
comprovantes de pagamentos anexados.

Encontrando-se gestante, a Autora teve acompanhamento pré-natal coberto pelo plano


de saúde, com total cobertura das consultas e exames.

Sua gestação foi considerada de risco, complicada e no último trimestre a Autora


apresentou pressão alta, perda de proteína na urina, hipertensão, tendo seu parto
antecipado pela sua obstetra, que precisou fazer com urgência uma cesariana com 38
semanas, em 11 de novembro de 2017, sem nenhuma intercorrência.

O parto ocorreu no Hospital Santo Amaro em Salvador/BA e foi totalmente coberto pelo
plano de saúde da operadora Unimed Nacional (1ª demandada). A Autora teve alta
hospitalar em 13 de novembro de 2017, conforme Plano de Alta em anexo.

Sua filha, Liz Xavier Conceição, nascida em 11 de novembro de 2017 teria direito a total
cobertura do plano de saúde da Autora, durante 30 dias, conforme previsão legal.

Contudo, após a alta hospitalar e ainda se recuperando da cirurgia, em 16 de novembro


de 2017, a Autora recebeu uma mensagem de celular informando que seu plano de
saúde seria alterado para a modalidade “Norte-Nordeste”.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 3
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Ato contínuo recebeu em sua residência um boleto de pagamento no valor de


R$434,10 (quatrocentos e trinta e quatro reais e dez centavos) e uma nova
proposta (contrato de adesão - proposta nº 11196966) já com a mudança da
modalidade do plano de saúde, com início da vigência do benefício a partir de
15/11/2017.

Em busca de informações, a Autora ligou para a Central de Informações – Protocolo nº


115874500, quando foi cientificada que a mudança de modalidade do plano implicaria
em aumento do valor mensal. Em razão disso, solicitou um prazo para avaliar a
questão junto com sua família, haja vista que estava recuperando-se do parto e não
possuía condições de decidir naquele momento.

Aumentando ainda mais as dúvidas da Autora, esta recebeu uma carta da Unimed (1ª
Ré) informando que a proposta possui “abrangência exclusiva na Grande São
Paulo”. Portanto, em hipótese alguma a Autora aceitaria a proposta do plano de saúde
com abrangência “exclusiva” na grande São Paulo, visto que reside em
Alagoinhas/Bahia.

Após, no dia 19 de novembro de 2017, a autora apresentou no sangramento pós-


parto uma fortíssima hemorragia e crise hipertensiva. Às pressas, se dirigiu a
Clinica Quanta Saúde buscando atendimento da sua ginecologista/obstetra, momento
em que foi surpreendida pela informação de que seu plano de saúde estava
cancelado.

A médica (dra. Fabianne Campista), muita atenciosa e preocupada com o estado de


saúde da sua paciente e com a forte hemorragia que apresentava, atendeu a Autora por
CORTESIA nos dias: 20 de novembro de 2017 na Clinica Quanta Saúde, 21 de
novembro de 2017 no HCA e 22 de novembro de 2017 na Clínica Santa Maria,
consoante se observa no RELATÓRIO MÉDICO ora acostado.

Ademais, a médica solicitou um exame de ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL


que a Autora precisou fazer particular em razão da urgência e do cancelamento do
plano de saúde e que, conforme Nota Fiscal em anexo, custou à Demandante o valor de
R$130,00 (cento e trinta reais).

Igualmente em razão do cancelamento do plano e saúde, a filha da Autora não teve


assistência legal prevista na lei nº 9656/98, que garante cobertura integral ao

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 4
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

recém-nascido durante os 30 dias após o parto, direito esse que lhe foi negado
pelas demandadas.

Desse modo, a Autora precisou pagar particular a consulta com o pediatra no valor
de R$100,00 (cem reais) e fez o teste do pezinho na Rede Pública. Documentos
em anexo.

A autora informa ainda que está hipertensiva, com alguns problemas de saúde e que
necessita do plano para acompanhamento médico com cardiologista.

Dito isso, a Autora requer a continuidade do plano de saúde na condição


anteriormente contratada, além do ressarcimento das despesas que teve de arcar
com as consultas particulares, além de ter sentido forte abalo psicológico pelo
cancelamento inesperado do plano de saúde em um momento de urgência no pós-parto
e a não cobertura da sua filha recém-nascida.

Em razão de todos esses fatos a Autora decidiu buscar uma solução recorrendo à tutela
jurisdicional por meio da presente ação.

3 - DA APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Importante destacar o fato da presente demanda jurídica ser considerada uma relação
de consumo, devendo, portanto, ser apreciada sob a ótica da Lei 8078/90 (Código de
Defesa do Consumidor).

Destacado entendimento se coaduna com o posicionamento do SUPERIOR TRIBUNAL


DE JUSTIÇA (STJ), que aprovou a SÚMULA 469, com a seguinte redação: “Aplica-se
o Código de Defesa do Consumidor aos contratos de plano de saúde”.

A súmula consolida o entendimento, há tempos pacificiado no STJ, de que “a


operadora de serviços de assistência à saúde que presta serviços remunerados à
população tem sua atividade regida pelo Código de Defesa do Consumidor, pouco
importando o nome ou a natureza jurídica que adota”. (Resp 267.530/SP, Rel.
Ministro Ruy Rosado de Aguiar, DJe 12/3/2001).

Em razão da aplicação do CDC, a requerente deve ser beneficiada pela inversão do


ônus da prova, pelo que reza o inciso VIII do artigo 6º do Código de Defesa do

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 5
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Consumidor, tendo em vista que a narrativa dos fatos encontra respaldo nos
documentos anexos, que demonstram a verossimilhança do pedido, conforme
disposição legal:

"Art. 6º. São direitos básicos do consumidor:

VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da


prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a
alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de
experiências;"

Além disso, segundo o Princípio da Isonomia, todos devem ser tratados de forma igual
perante a lei, mas sempre na medida de sua desigualdade. Ou seja, no caso ora
debatido, a Autora realmente deve receber a supracitada inversão, visto que se
encontra em estado de hipossuficiência, uma vez que disputa a lide com uma empresa
de grande porte, com atuação em todo o território Nacional.

4 – DA RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DAS DEMANDADAS

Acerca da situação jurídica da segunda demandada, inicialmente cumpre informar o que


se segue:

A Segunda demandada – QUALICORP - é o que se denomina no mundo jurídico de


Administradora de Benefícios, que tem por característica negociar plano de saúde
coletivo por adesão, definidos pela RN nº 195, art. 9º, da ANS. Suas atividades são
fiscalizadas pela Agência Nacional de Saúde – ANS, que regula essa modalidade através
da Resolução Normativa 196, de 14 de julho de 2009.

A administradora de benefícios, portanto, participa e aufere economia mediante


comissão de percentual pago mensalmente, enquanto vigente o contrato. Certo que a
administradora assume o compromisso de enviar a cobrança aos usuários final, que é o
consumidor.

Desse modo, a responsabilidade jurídica entre a operadora de assistência à


saúde e a administradora de benefícios é solidária, consoante já corroborado
diversas vezes pelo Poder Judiciário.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 6
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

O Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC) imputa ao fornecedor de serviço,


independentemente da existência de culpa, a obrigação de reparar o dano causado, nos
termos do artigo 14, da lei consumerista.

Como são diversos participantes na relação contratual até a prestação de


serviço ao destinatário final, que é o consumidor (art. 2º, CDC), todos
respondem SOLIDARIAMENTE pelo dano causado (art. 7, §único e art. 25, §1º,
do CDC).

Seguindo esse entendimento, seguem alguns julgados:

Ementa: APELAÇÃO. OBRIGAÇÃO DE FAZER CUMULADA COM


DANO MORAL. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDÊNCIA.
INCONFORMISMO. Rescisão unilateral por suposto inadimplemento.
Contrato firmado entre a apelada e a UNIMED por intermédio da
QUALICORP. Aplicação do art. 18 do CDC. Responsabilidade
SOLIDÁRIA da cadeia de fornecedores pela falha na prestação
de serviços. Legitimidade passiva configurada. Recurso a que se
nega provimento. (TJ/SP – APL 10017654320158260008 SP 1001765-
43.2015.8.26.0008. Relator: José Rubens Queiroz Gomes Data de
julgamento: 30/09/2015. 7ª Câmara de Direito Privado. Publicação:
30/09/2015).

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO COMINATÓRIA.


DECISÃO QUE EXCLUIU A RÉ QUALICORP DO POLO PASSIVO
DA AÇÃO. INCONFORMISMO. CABIMENTO. Administradora de
plano de saúde e beneficiária das parcelas pagas é parte legítima
para figurar no polo passivo. Responsabilidade solidária das
empresas que participam da cadeia de negócios e dela obtém alguma
vantagem econômica. Legitimidade passiva reconhecida. Decisão
reformada. Recurso provido. (TJ/SP – AI: 20676129620158260000 SP
2067612 – 96.2015.8.26.0000, Relator: Pedro de Alcântara da Silva
Leme Filho, data de julgamento: 28/08/2015. 8ª Câmara de Direito
Privado. Publicação: 29/08/2015).

Ementa: OBRIGAÇÃO DE FAZER. INDENIZAÇÃO POR DANOS


MORAIS. PLANO DE SAÚDE. PORTABILIDADE. ISENÇÃO DE
CARÊNCIAS. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA. MANUTENÇÃO.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 7
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Legitimidade passiva da Ré Bradesco Saúde configurada. Atuação da


QUALICORP, ainda que seja, efetivamente de administração,
não retira a legitimidade passiva. Portabilidade, Requisitos
preenchidos. Abusividade no cumprimento de novos prazos de
carência. Conduta das rés que causaram prejuízo moral alegado na
inicial. Dano ‘in re ipsa’. Adequada a quantia fixada pelo juízo ‘a quo’
que atende aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.
Preliminar rejeitada e recurso não provido. (TJ/SP – APL
10210472220148260002 SP 1021047-22.2014.8.26.0002, Relator:
Edson Luiz de Queiroz. Data de julgamento: 15/10/2014. 5ª Câmara
de Direito Privada. Publicação: 17/10/2014).

Nesse diapasão, em consonância com as jurisprudências acima destacadas, evidencia-


se que a administradora de benefícios e a seguradora respondem SOLIDARIAMENTE
pelas eventuais falhas nos serviços prestados ao consumidor, razão por que quaisquer
delas podem ser acionadas, conjunta ou individualmente, em caso de falha na prestação
dos serviços.

Na hipótese da presente demanda, o próprio contrato esclarece se tratar de seguro


saúde oferecido pela administradora do contrato de adesão coletivo, em associação com
a operadora do plano de saúde.

Portanto, requer deste juízo que as Rés – UNIMED E QUALICORP – sejam


mantidas no polo passivo e condenadas SOLIDARIAMENTE pelos danos
causados à Autora em razão do cancelamento unilateral do plano de saúde.

5 – DO DESCUMPRIMENTO DA LEI FEDERAL Nº 9.656/98 – GARANTIA DE


COBERTURA DO RECÉM-NASCIDO DURANTE 30 DIAS APÓS O PARTO.

Segundo determina a Lei 9.656/98, todos os planos de saúde devem garantir


cobertura médica ao recém-nascido em seu primeiro mês de vida (30 dias após
o parto), mesmo que o contrato não disponha sobre o assunto.

Nesse sentido, assim dispõe o art. 12, III da lei 9.656/98:

(...)

III - quando incluir atendimento obstétrico:

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 8
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

a) Cobertura assistencial ao recém-nascido, filho natural ou adotivo do


consumidor, ou de seu dependente, durante os primeiros trinta dias após o
parto;

A jurisprudência também é uníssona nesse sentido:

Ementa: PLANO DE SAÚDE. NEGATIVA DE COBERTURA. DESPESAS


HOSPITALARES COM RECÉM-NASCIDO. COBERTURA ASSISTENCIAL
AO RECÉM-NASCIDO DURANTE OS PRIMEIROS TRINTA DIAS APÓS O
PARTO. INCIDÊNCIA DO ART. 8º , INCISO III , ALÍNEA A, DA LEI
9.656 /98. COBERTURA DEVIDA. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA
MANTIDA. 1. A negativa da ré para custear as despesas não é
legítima, uma vez que a parte autora postula tão somente as
despesas hospitalares do recém-nascido. Na realidade, o recém-
nascido após o parto necessitou de internação e cuidados especiais.
Não se trata, portanto, de cobertura de despesas do parto como
apontado pela ré, a qual encontraria óbice na cláusula 8º, II do
contrato (fl. 47v. - carência de 300 dias). 2. Preceitua o art. 12 ,
inciso III , alínea a da Lei nº 9.656 /98 que o plano de saúde
deve efetuar a cobertura assistencial do recém-nascido nos
primeiros trinta dias após o parto. Ademais, o próprio contrato
prevê a cobertura, nos exatos termos da cláusula 8ª, parágrafo 2º (fl.
47v.), de modo que o plano de saúde demandado é o responsável
pelo pagamento da duplicata de folha 04. 3. Logo, não se mostra
razoável o proceder da recorrente, que inclusive atenta contra o
princípio da boa-fé. SENTENÇA MANTIDA, PORÉM POR OUTRO
FUNDAMENTO. RECURSO IMPROVIDO. (TJ-RS - Recurso Cível
71004706354. Segunda Turma Recursal Cível, Turmas Recursais,
Relator: Vivian Cristina Angonese Spengler, Julgado em 30/04/2014).

Ementa: PLANO DE SAÚDE – RELAÇÃO DE CONSUMO – LEI


9656/98 – RECÉM-NASCIDO – COBERTURA ASSISTENCIAL –
ART. 12 DA LEI 9656/98 – PROCEDIMENTO MÉDICO –
URGÊNCIA /EMERGÊNCIA – NEGATIVA DE COBERTURA – CDC.
O art. 12 da Lei 9656/98, em seu inciso III, alínea a, assegura a
cobertura assistencial ao recém-nascido, filho natural ou adotivo do
consumidor, ou de seu dependente, durante os primeiros trinta
dias após o parto. Nos termos do art. 35-C da Lei 9656/98, é

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 9
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

obrigatória nos casos de urgência e emergência. (TJ – MG


100240740235570021 MG 1.0024.07.402355-7/002. Relator
Fernando Caldeira Brant. Publicado em 12/02/2010).

Conforme já relatado nos fatos acima, foi negado à filha da Autora recém-nascida o
direito a atendimento médico com cobertura do plano de saúde da sua genitora durante
os 30 (trinta) dias após seu nascimento, conforme previsão legal, em razão do
cancelamento arbitrário e unilateral do plano de saúde.

Destaca-se inclusive que a Autora teve total cobertura do plano de saúde no


seu parto e internamento pós-parto, tornando evidente o descumprimento da
lei federal que assegura cobertura absoluta do plano da mãe ao bebê durante
30 (trinta) dias após o parto.

Desse modo, resta evidente a reparação pelos danos morais e materiais


suportados pela Autora que, em um momento delicado de chegada do seu
bebê, foi surpreendida com o cancelamento inesperado, arbitrário e unilateral
do seu plano de saúde, tendo que arcar com consulta particular com o pediatra
e fez o teste do pezinho na rede pública.

6 – DO CANCELAMENTO UNILATERAL DO PLANO DE SAÚDE

A lei federal 9.656/98, que dispôs sobre os planos e seguros privados de assistência à
saúde, estabeleceu, no artigo 13, parágrafo único, inciso II, a vedação da suspensão ou
rescisão unilateral do contrato dos planos e seguros de saúde contratados
unilateralmente, salvo por não pagamento da mensalidade por período superior a
sessenta dias, estabelecendo, não obstante, no caput, a renovação automática de todos
os produtos de que trata a lei, contratados individualmente ou coletivamente.

A facilitar o entendimento, transcrevemos abaixo a supracitada norma:

“Art. 13. Os contratos de produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei
têm renovação automática a partir do vencimento do prazo inicial de vigência, não
cabendo a cobrança de taxas ou qualquer outro valor no ato da renovação.

Parágrafo único. Os produtos de que trata o caput, contratados individualmente, terão


vigência mínima de um ano, sendo vedadas:

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 10
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

(...)
II - A suspensão ou a rescisão unilateral do contrato, salvo por fraude ou não-
pagamento da mensalidade por período superior a sessenta dias, consecutivos ou não,
nos últimos doze meses de vigência do contrato, desde que o consumidor seja
comprovadamente notificado até o quinquagésimo dia de inadimplência”.

De igual modo, o artigo 51, “caput”, XI do Código de Defesa do Consumidor


estabelece que é nula de pleno direito, em razão de abusividade, a cláusula
contratual que “autorize o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente,
sem que igual direito seja conferido ao consumidor”.

Destacadas determinações legais visam garantir o direito dos consumidores à saúde,


impedindo que os contratos sejam rescindidos de forma unilateral, por força de
deliberação arbitrária da seguradora, sem a concordância do segurado. Ou seja, é
vedado o cancelamento do plano de saúde por decisão única e exclusiva da
operadora do plano de saúde.

Pois bem. Na situação descrita na presente ação as demandadas rescindiram o


contrato da Demandante unilateralmente, causando um transtorno inesperado
em um momento extremamente delicado da sua vida, apenas alguns dias após
seu parto, deixando desamparadas a autora e sua filha recém-nascida.

Vale ressaltar que NÃO HOUVE AVISO PRÉVIO ACERCA DO CANCELAMENTO,


recebendo a Autora tão somente uma imposição para mudança do plano de saúde para
modalidade “Norte-Nordeste”, sem que fosse concedido um prazo para análise da nova
proposta.

Sobre a vedação ao cancelamento unilateral do plano de saúde, a jurisprudência é


pacífica. Seguem alguns julgados:

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. OBRIGAÇÃO DE FAZER


CUMULADA COM INDENIZATÓRIA. CANCELAMENTO
UNILATERAL DE PLANO DE SAÚDE PELA RÉ. Decisão concessiva
da tutela antecipada determinando o restabelecimento do plano de
saúde, sob pena de multa. Consumidora idosa. Recurso da seguradora
que alega o inadimplemento da obrigação. Decisão agravada que faz
referência à comprovação de pagamento das mensalidades e de
parcelamento das que se encontravam em aberto. Direito fundamental

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 11
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

à vida e à saúde, garantido pela Constituição Federal. Presença dos


requisitos para concessão da tutela antecipada. Art. 273 do CPC.
Súmula 59. Precedentes desta Corte. Decisão mantida. Recurso que
se nega seguimento, na forma do artigo 557, caput do CPC. (TJ – RJ –
Agravo de Instrumento AI 00676590220158190000 RJ 0067659-
02.2015.8.19.0000, data de publicação: 11/12/2015).

O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA e o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL também


já julgaram a ABUSIVIDADE da rescisão unilateral dos contratos de plano de saúde,
decidindo, igualmente, pela reparação dos danos e manutenção das condenações
proferidas pelos juízos a quo.

Seguem julgados do STJ E STF, respectivamente:

Ementa: CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM


RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. CONTRATAÇÃO
COLETIVA. INCIDÊNCIA DO CDC. RESCISÃO UNILATERAL
DESMOTIVADA. CLÁUSULA ABUSIVA. SÚMULA Nº 83/STJ.
DECISÃO MANTIDA. 1. É firme nesta Corte superior o entendimento
quanto à aplicação do CDC nos contratos de planos de saúde (Súmula
769/STJ). 2. O Tribunal de origem, ao concluir pela nulidade de
cláusula contratual que permite a rescisão unilateral
desmotivada da avença em questão, está em consonância com
a orientação do STJ. Incidência da Súmula 83/STJ. 3. Agravo
Regimental a que se nega provimento. (STJ – AgRg no AREsp: 251317
RJ 2012/0231439-1 – Relator Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA.
Data de Julgamento: 13/08/2013., T4. QUARTA TURMA, Data de
Publicação: DJE 26/08/2013).

Ementa: AGRAVO REGIMENTAL COM RECURSO


EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO. PREQUESTIONAMENTO.
AUSÊNCIA. DIREITO CIVIL. CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE.
RESCISÃO UNILATERAL. CULPA. DEVER DE INDENIZAR.
PRESSUPOSTOS. DEMONSTRAÇÃO. LEGISLAÇÃO
INFRACONSTITUCIONAL. OFENSA REFLEXA. REEXAME DE
FATOS E PROVAS. IMPOSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. Os
dispositivos constitucionais tidos como violados não foram examinados
pelo Tribunal de Origem. Incidência das Súmulas 282 e 365 da Corte.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 12
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

2. A Corte de origem concluiu com base na legislação aplicável


e nos fatos e nas provas dos autos que restaram demonstrados
os pressupostos legais da responsabilidade civil e que a
agravante tinha o dever de indenizar a agravada pelos danos
por ela sofridos. 3. Inadmissível em Recurso Extraordinário a análise
da legislação infraconstitucional e o reexame dos fatos e das provas
dos autos. Incidência da Súmula 279/ STF. 4. Agravo Regimental não
provido. (STF: ARE: 684586 SP, Relator: Ministro DIAS TOFFOLI. Data
de Julgamento: 17/12/2013, PRIMEIRA TURMA, Data de Publicação:
Acórdão Eletrônico Dje 034 DIVULG 18/02/2014 PUBLIC 19/02/2014).

Assim, tendo em vista que as demandadas simplesmente cancelaram o plano


de saúde da Autora sem dar nenhum aviso prévio, tampouco concedendo prazo
para análise da proposta enviada, entende-se que essa conduta foi abusiva, ou
seja, ilegal, surpreendendo a Demandante em um momento de grande
necessidade, estando fragilizada física e emocionalmente.

07 - DO RESSARCIMENTO DAS DESPESAS MÉDICAS

Motivada pela conduta ilegal das Demandadas em cancelar unilateral e indevidamente o


plano de saúde da Requerente, esta teve que arcar com consultas médicas particulares,
que, conforme já exposto e demonstrado nos recibos em anexo, totalizam R$230,00
(duzentos e trinta reais).

Portanto, à luz do Código de Defesa do Consumidor e demais legislações em vigor,


desnecessárias maiores digressões sobre o tema, devendo ser as Requeridas,
solidariamente, condenadas ao ressarcimento total das despesas médicas
adimplidas pela Autora, no importe de R$230,00 (duzentos e trinta reais).

08 - DO DANO MORAL

Os danos morais suportados pela Requerente tornam-se evidentes diante dos fatos que
deram origem a presente ação e decorrem do cancelamento indevido, unilateral e
arbitrário do plano de saúde da Autora imediatamente após o parto, o que
impossibilitou a assistência médica da sua filha recém-nascida e consultas e exames da
puérpera.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 13
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Tal falha na prestação dos serviços é causa de danos morais porque abala diretamente
o estado psicológico causando grande aflição e angústia à Requerente.

Dessa forma, não resta menor dúvida que a requerente sofreu abalo psíquico em razão
de todo o ocorrido, já que seu estado de saúde no pós-parto era preocupante, exigindo
cuidados e atendimento médico emergencial, tendo sido negado ainda assistência à sua
filha recém-nascida, em flagrante desrespeito à legislação, consoante visto em tópico
anterior.

Acerca do tema, segue entendimento jurisprudencial:

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO DE INDENIZAÇÃO –


CANCELAMENTO UNILATERAL DO PLANO DE SAÚDE – DANOS
MORAIS – CONFIGURAÇÃO – HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS –
MAJORAÇÃO – IMPOSSIBILIDADE – Constatada a atitude ilícita
praticada pela requerida ao atender solicitação de cancelamento do
plano de saúde sem assinatura do beneficiário, resta
configurado o dever de indenizar. No tocante ao valor da
indenização, a despeito da dificuldade existente para sua
aferição, dada a subjetividade, deve-se levar em conta a
extensão do dano, o comportamento da vítima, o grau de
culpabilidade e condição econômica do ofensor, de modo a
imprimir-lhe o devido caráter pedagógico e compensatório, sem,
contudo, ultrapassar a medida desta compensação, sob pena de
provocar o enriquecimento sem causa. Os honorários advocatícios
sucumbenciais devem ser fixados em consonância com a
complexidade da causa, o zelo profissional, o tempo exigido e a
localidade de prestação dos serviços. (TJ – MG – Apelação Cível AC
10439130055676001 MG, relator: Juliana Campos Horta, Data de
Julgamento: 09/03/2016, Câmaras Cíveis/12ª, Data de Publicação:
14/03/2016).

Ementa: Apelação Cível. Ação indenizatória. Cancelamento


unilateral do plano de saúde. Dano moral. Manutenção do
quantum indenizatório arbitrado, tal como determina o Verbete n. 343
da Sumula desta Corte. 1. O caso em questão é de singela solução,
pois as razões recursais cingem-se apenas quanto ao valor fixado pelo

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 14
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

Juízo de primeiro grau a título de indenização por danos morais, bem


como a questão dos ônus da sucumbência. 2. A extinção indevida
do plano de saúde fez com que o segurado temesse por sua
saúde, fato que repercutiu intensamente em sua esfera
psicológica e lhe acarretou inegável dano moral indenizável. 3.
Mostra-se razoável e proporcional a verba indenizatória na quantia de
R$6.000,00 (seis mil reais), valor que atende à finalidade
compensatória (art. 944, caput, do Código Civil), bem como ao
componente punitivo-pedagógico que visa a impulsionar à sociedade
empresária a melhoria de seus serviços. Aplicação do Verbete 343, da
Súmula do TJRJ, segundo o qual a verba indenizatória do dano moral
somente será modificada se não atendidos pela sentença os princípios
da proporcionalidade e da razoabilidade na fixação do valor da
condenação. 4. Quanto aos honorários, estes foram fixados
observando-se o grau de zelo profissional, o lugar de prestação do
serviço e a natureza e importância da causa, o trabalho realizado pelo
advogado e o tempo exigido para o seu serviço, não merecendo
alteração. 5. Negativa de seguimento de recurso. (TJ – RJ –
APELAÇÂO APL 00691706620148190001 RJ 0069170-
66.2014.8.19.000. Relator: Des Marcos Alcino de Azevedo Torres,
data de julgamento: 30/11/2015. 27ª Câmara Cível de Direito do
Consumidor, data de publicação: 02/12/2015).

Desta forma, torna-se demasiadamente crível o sofrimento, a aflição, o desalento da


Requerente, que sempre pagou rigorosamente as mensalidades do plano de saúde, mas
ficou desamparada em um momento extremamente delicado.

Resta demonstrada, assim, a relação de causalidade entre a rescisão unilateral


do contrato por parte das acionadas e o sofrimento experimentado pela
requerente, de tal modo que as empresas têm o dever SOLIDÁRIO de indenizar
o dano moral provocado.

É notória ainda a responsabilidade objetiva das requeridas, a qual independe do seu


grau de culpabilidade, uma vez que incorre em lamentáveis falhas, gerando o dever de
indenizar, pois houve defeito relativo à prestação de serviços.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 15
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

O Código de Defesa do Consumidor consagra a matéria em seu artigo 14, dispondo que:
“O fornecedor de serviço responde, independentemente da existência de culpa,
pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação
dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição
e riscos"

Com relação ao dano moral puro, resta igualmente comprovado que as requeridas, com
sua conduta, violou diretamente direito da requerente, qual seja, de ter sua paz interior
e exterior inabalada por situações com ao qual não concorreu. Trata-se do direito da
inviolabilidade à intimidade e à vida privada.

A indenização dos danos puramente morais deve representar punição forte e efetiva,
bem como remédio para desestimular a prática de atos ilícitos, determinando, não só às
requeridas, mas também a outras empresas, a refletirem bem antes de causarem
prejuízo a outrem.

Imperativo, portanto, que a Requerente seja indenizada pelo abalo moral em


decorrência dos atos ilícitos, em razão de ter sido vítima de completa e total
falha e das demandadas.

A análise quando da fixação do quantum indenizatório deve observar ainda outros


parâmetros, destacando-se o poderio financeiro da parte culpada, com o objetivo de
desestimular a prática dos atos abusivos e ilegais. A vítima por sua vez, será ressarcida
de forma que amenize o prejuízo, considerando-se o seu padrão sócio-econômico.

Destarte, demonstrada a ilegalidade da conduta das Rés, evidencia-se o dever de


indenizar a Autora pelo dano moral sofrido, em quantia a ser arbitrada por este Juízo,
não inferior a R$20.000,00 (vinte mil reais), considerando a capacidade econômica
das demandadas e tendo em vista que esse valor se mostra justo e suficiente para
reparação do abalo psicológico sentido.

09 - DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requer:

1 - Conceder os benefícios da gratuidade judiciária com base no art. 98 do CPC, em


razão da Autora declarar-se hipossuficiente, não tendo meios de custear as despesas
processuais e de arcar com o preparo de eventual recurso sem prejuízo do sustento
próprio ou de sua família;

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 16
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

2 - Conceder, nos termos do art. 6º, inc. VIII do CDC, a inversão do ônus da prova em
favor da Demandante;

3 - A citação das Requeridas para comparecerem a audiência conciliatória a ser


designada e, querendo, oferecer sua defesa, sob pena de revelia e confissão ficta da
matéria de fato, com o consequente julgamento antecipado da lide;

4 – O RESTABELECIMENTO IMEDIATO DO PLANO DE SAÚDE, nos moldes


anteriormente contratado;

5 - A procedência dos pedidos, com a condenação solidária das requeridas ao


ressarcimento das DESPESAS MÉDICAS no valor de R$230,00 (duzentos e trinta
reais), acrescido de juros e correção monetária, atualizados até a data do efetivo
pagamento;

6 - A condenação solidária das requeridas a pagar à requerente um quantum a título


de DANOS MORAIS, em valor não inferior a R$20.000,00 (vinte mil reais), em
atenção às condições das partes, principalmente o potencial econômico-social dos
lesantes, a gravidade da lesão, sua repercussão e as circunstâncias fáticas;

7 - A condenação solidária das Requeridas em custas judiciais e honorários


sucumbenciais, no importe de 20%, caso haja recurso.

Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidas e cabíveis à
espécie, especialmente pelos documentos acostados.

Dá-se à presente o valor de R$20.230,00 (vinte mil duzentos e trinta reais).

Termos em que,

Pede deferimento.

Alagoinhas/BA, 05 de fevereiro de 2018.

JOSÉ MARCOS REIS DO CARMO ADRIANA VIANA FONSECA


OAB/BA nº 13.370 OAB/BA Nº 37.987

ANA VERENA LOPES NOGUEIRA

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 17
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
JOSÉ MARCOS REIS
Advogados Associados

OAB/BA 24.643

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317800 - Pág. 18
Código de validação do documento: 60272490 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
PROCURACÃO

OUTORGANTE: MILA XAVIER DOS REIS, brasileira, maior, capaz, solteira, enfermeira, inscrita
no CPF sob o n2 813.240.495-53 e no RG n2 0748590056, SSP/BA, residente e domiciliada no
Conjunto Jardim das Acácias, Rua B, Lote 20, Casa 202, Alagoinhas Velha, CEP 48.000-030,

Alagoinhas/BA.
OUTORGADOS: SOCIEDADE DE ADVOGADOS JOSÉ MARCOS REIS DO CARMO E ADRIANA
VIANA DA FONSECA, pessoa jurídica de direito privado, CNPJ nº 24.619.039/0001-50,
composta pelos advogados:JOSÉ MARCOS REIS DO CARMO, ADRIANA VIANA DA FONSECA,
e ANA VERENA LOPES NOGUEIRA, brasileiros, Advogados, inscritos na OAB, seccional Bahia,
sob o nº. 13.370, 37.987, 24.643; CPF: 338.073.615-53, 011.882.055-95 e 835.553.665-72,
endereço eletrônico advjosemarcosreis@gmail.com e endereço físico à Rua Conselheiro
Saraiva, nº 211, Térreo, Centro, Alagoinhas / Bahia, CEP:48.010-020.
PODERES:Os da cláusula ad judicia et, extra com representação para o foro em geral e, em
juízo ou fora dele, com poderes especiais e os complementos do 9 3º, do art. 70, da Lei
4.215/63 e art. 679 do c.c., como os respectivos Tribunais Superiores do Brasil seja qual for
sua natureza e onde se apresente esta procuração que, outorga poderes especiais para
ingressar com ação e atuar os outorgados em processos judicial e/ou administratívo, fazer
recursos de qualquer natureza, receber documentos e junta-los, produzir provas que lhe
foram entregues, antes e durante a instrução processual atuando como procurador e
Advogado, com poderes especiais para receber notificações e intimações, substituir o(a)
outorgante em qualquer ato ou procedimento administrativo, fazer acordos e/ou
composições amigáveis de ordem judiciais e extrajudiciais, manifestando-se contra quem de
direito, além de confessar, reconhecer a procedência do pedido, transigir, desistir, renunciar
ao direito sobre o qual se funda a ação, receber propostas de acordos e firmar
compromissos, como assina o outorgante no mesmo ato que constitui advogados e
procuradores e declara de sua hipossuficiência econômica em substituição a declaração de
pobreza, podendo requerer a gratuidade da justiça nas ações que promova, ainda os
outorgados procuradores e advogados com poderes para efetuar saques de valores
pecuniários decorrente da ação por via de Alvara Judicial, RPV, com poderes para dar
quitação, tendo ainda seus poderes estendidos a cláusula ad negotia receber créditos
pecuniários decorrente da ação e dar quitação, atuar em processos de precatórios oriundos
da ação que se funda o presente instrumento procuratório, renunciar valores pecuniários
para adequação da ação no Juizado Especial, querendo, como dar quitação em qualquer grau
ou instância. Declara ainda o outorgante que somente destituirá os poderes ora concedidos
por escrito e após efetuar todos os pagamentos decorrentes dos serviços prestados pelo
contratado e outorgado. Ademias declara que todos os documentos, gravações, fotografias e
manuscritos entregues ao outorgado são licitos, sem vícios, adquiridos de boa fé e de forma
legal, para tornar o conteúdo deste instrumento procuratório firme, valioso, sem reservas de
direitos e seus poderes reconhecidos a quem se apresente.

Alagoinhas, 05 de fevereiro de 2018.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317806 - Pág. 19
Código de validação do documento: 602724cc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317807 - Pág. 20
Código de validação do documento: 602724d6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
------------------------
ID 1'RES'
DESCRICAO VALOR
Tarifa de Agl.lCl 124,00
MULTA REF. SET/17- 0,'6
MORA REF. SET/17- 0,14

A:
t1IOOiI11:$Il.III1:e 6 100 ~
DESPERTA ALAGOINHASI O COMBATE AO TRA
I'!S COM DIIli I1!IIIABALHO INFANTIL AINDA NAO ACABOU. FACA
Out/2017 21 30 0,70 SUA PARTE, DENUNCIE. >>DISQUE 100«
Sot/2017 13 30 0,43
Agol2017 13 30 0,43
Ju1/2017 10 30 0,33 MESES EM DEBITO: OUT/17- CASO O DEBIT
Jun/2017 12 30 0,40 O TENHA SIDO QUITADO, DESCONSIDERE ES
Mal/2017 10 30 0,33 TE REAVISO.
/ERIOOO tA !l'W.1S£:
PI\PA'mO

CO~~i~ES

TUR~OE2
~:I~1~~0
0.
6.
0.
a .5
a .5
a S.00

/fSIAAII:
JD DAS ACACIAS Q.01 L.20 202 11I GUIA:
ALAGOINHAS VELHA 4a000030 ALAGOINHAS BA 171136640
ROTA: -21-13260

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317808 - Pág. 21
Código de validação do documento: 602724e0 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
0865000152419600 6
.•...----
Z7/02/1ll12

~'t.. ~ER
COLE11VA
~
DOS REIS
~-"...,.. ...•...
2010412017

~~
30/1112017

l!6l ~LUMENTADO ~W a!
l<IlJ HÁ OlWJCOlI'.AIRA( Df
~~T~ 5ãiiiiU.
AMIlJl.ATORlAL • HOSPITALAR
~~do""
COM OIIST!TRJCI.A
. •

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317809 - Pág. 22
Código de validação do documento: 602724ea a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
':'f,J!

"'",',', • r, -:l:l,,,.-: ••.•


~".....,,~-.I
~ Rp J(ft CIIp ~ue '(C!blWII~IB:I(IlqWlI~ opllPftllllllll~ll WIXI~ 'l~

~ I!P~ OQleqepd Oqrm.JOO~ oowvno'g~


,. . .
~~ClDCCIIUllCtIrE. H4lW~,'Sl~

~Clt~ eJI;o;qe:)
WOQ(.Bwp
ui ~ !etJOPOlN()JiijOi
IIJl.l1a/l8fll1lljCl~ we 0PIQ!ôlIP'o!lJllq
OUCMIllllJ:lIsod
'~ameI ~ I '~ net OJWP•••,••••'~ ~ ~,,~

. .' . .., ' .' . , ~nes


~ 8IU'ilI1lp epcp ~ Ilt\rt 'tqiq op etJI/Ilp cql~ ••••WI'IWlX)lJWIW 'I"W ~ .t~
••• .. . ._ :oqaqOJó~eEPUfoeu'''''lIXIGJdllloeu' '
ose:> ~ 0N)l1llp ~ JOd q:r;J.''lIC _ a9da 'Jm,Ull cued QJlIUIOOUClClIl'" tfl:l O lJCliuai ~.Z

. '. :-I!PIpJpedmIJeÚW!l~WRIII1i1'
qod 194 wed (opodaId) l!llacI 11JeXnd ~ It. ~ Eop Me:I.ON- ~ • Il!tmd ~ cp
llP CIIfkud se E:eSIOle cnuu O 't((q1UlG qfuo Co~ JRdwn'~~
..-, ..
~ amd l\Ul eJIlCIfIlIJIil4l!P ultues ~'VfId
~ ,. '.,", -,.,
~ oeenbfunwlxl"9QÓUlllf1tno~o\ '~ vp..... td eqoo.-d 0Em '
qlXl o q;e OI/IICQOP CIOd8P Ql ~ Gp e:xut eJIC) 11'lIoO.l.IIIOD:ll\l UIO::!lC:JIllqWn Oo\IlBln:l op WllQl"UUW 'O~

-.
, 'ep 'Opft' m\lQlllp 1ftlInll=:Il8Zll!lO
'Slll/UIIUllOEO~ .
SlIlQI~ o ep~ •• ld VP 'llP'IlOP&IvpllCI.-;I 0W>3-.;m:l atdwn ftllllImW II.~ J8I OV"".ep ~ r{l/•

. . '. .
." .• , i .- JO""ON?-.
o~ _ oeu.uedopePl''''~ '1lJPOIlIll enfio! WOQ
to l!pI!lItg ePl'Jllll'lwilmtl
WIXII:!fI6uD
o~
. ", I" .' ~,_"''-~ . ,._-',
••••
~1,.
••.
_
•. -.:.r.~ .•••.•' ....• "r.,' ''''1'
~mlPC14UIOfN"III~ OopiWeJd WOO.1Ctu-. "-IlMIp~EOP8Z8dwB Y'

"8Cl ~
vp~ -o\llQ
W8 eptQOl,-wI 0Ijj~
C•••• ~1JWlll JI!nl'!d JlllIA8 ~
\ ""","I IIp 0lIl0 I!pe=l VJ1lduelXl6l11 ep ~
op eIMJOClewn UJO:)O eoeJ I!P woOef.l!llP llll;Im l!l!DI-llMP
ewn 0\Al4L4i i
'iI
lCOllIOCOP1IUlIflIIl,l
"'" .
. P. ,.~,,,";.,.~:' ~"",' ,,,,-,,,,:,,~
~ ~n Owe EreJrJ g'QtEOP
llWlllWO 'llPI~ liftPWl!Ui!neI;! UJO:)
1UrqR1OC!"1A) ~ ~JUQ .

O1HnrNO;) 01HilA" 01Y 00 •••.


11V ao

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317810 - Pág. 23
Código de validação do documento: 602724f4 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
,~
•q~.~.
. ~ -qj";~~'
iANTOAMARO~ RElATóRIO DE AlTA DA ENFERMAGEM .-., ---I

i, Vc 11eubeyll F*II. (tesm


_ tanhplTl reaUrndodlllMte O Internamento:
• ,
O. Ei,begal OcarlIo de IdeilllllcaçOollSSlli8dopelP en1efme,gem OUpelo auxIiar ácIrnII,ir:bi!lM)dIl unldtida;
. :li .'
- ,. ~
•..
- _
:1. leiam lIOSSP5 Ollei 1•••_ 81.,.;,n 80 re:lUll'lQele t11lPdo RN li as CJrientlIçtles do M1r<bt&i1oda saOdII e•••••
Clilbadal
:tldemetadeSuOdedPCriIlnça; .-

2. Todobeb6deveRl"mtopeloeeu pedian2 ~np6s11


cllll::

:3. O ho$pItal santo Nnaro nIo dIspOe ele otondmento de .eloi.oo do ",edli~.,."ft•••• '.id.,C'. mesmo em c:eo de Uiytlde.
rue não!'en'lol!l serviço de e1IJelg6llCiapara esta es"e' Olide.
Noaos planto ••l:stas estllo dando ••••• 'têtlCla _ beI:les Internados em un li nllo podem Ilfm:lpr_ pera

" '~.' ...., .....••

"



•. " . _.. .. fr-J..'i= /:::<-CI- n ' .• , o lJe t. I .'-"'W, •
MARIA MANUElA HOGUSRA DOS SANTOS
COR~-""'38~
, . , . ~ ;.

. . " •
..


••
'.
Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317810 - Pág. 24
Código de validação do documento: 602724f4 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
.)/"\1'( I V f\lVlt\l\U,~ Ilo

p , do:Mll.AXAVlERDOSREIS •
AlliKlllld•••.(M;Z"4llll2 ~bO: OOIOll55ll
Coo,ItoIki: UNJWa) CENTRAL ('Ollll5Il1081)I ~ o.. da AdmlnIo: lM112011
D.uo de Iwa"ellD. 271lJ2110B2 Sem: FCU•• 1O
o.ta: 131'l11Zltl1llO:~ ~~_ • L.Ig:; •• Atfl),t,R POSTO I, CEHTRO DE

• • lHTERNAC.AQ..40ANDot.R 1, 410-1

PLANO DE ALTA MULTIOlSClPUNAR ENFERMAG



uktadot com _ mam ••
SIga as or'.tIllt8ç(lttsdaC8ItIlUIde amamenlaçllob, lEllJd&
no j'''', ••'',~ da al1mIsskl
l'k1'" com • fWIda•••••• t6i••
c.s6rlg,: • '.
Retire Oarrdvocollfohlle tll"'"",ií¥Io m6cfte=l;
P1OO1ldl1.III'lIg"'tldo Iocelcom égua, abfto e enxague .VJcOSliliWriillll!l
Alll!'o;
O\ielcruer~ da c>oLaçAo,ROeçêo, fntIto. ~ib" •••1rnedildIIrnent leU m6dix1:
NIo lIlilze lJIlIlIlumtlpo do aemII ~"com.o. se vooe lIw:rIendenda 11 """40
di! quel61doleU m6dk:o
lObre llllIllIlSQdd""'" lIdIcIonllls.

NotmaI (fj F""


• 4ir"Ia):. . .. . . ,
Corto •••• m;k)1lII~;enttalêcm" OCjeIl.odeempllDrll peSSlglllTlpam o beb!. ~ auturadolmedlDtamentl!lapOs
com ponm quo CDamead~"",* e deabiza", com 1 l!lemlIIlll;
0"'11 sa teab' UlTII!ItdgItDlegenltlll aJkladosll, lIN;nldocom égIIa 11abêo e enxuguandocom bestllrdll 6guo. 2 11
por ~ lendo lei,,,,,. o aJktado de reubr no I!lelltidode lrenlll panlll3s e _ com IJmllIe\oe pm '0

OlrollII~evllDresfoI90S fIsIc:03que ~ilel!!m Ó pe(,l;"" (por iilbmpo I!IvlIntarpesos) c;Ué ~ llIverll.


ponlDsou ""', •• ,agia. .
uJõ.' ."" ,~:'''''A",.t .•.•
~- .':., ,.~ •..•
~.~...,. ~:"1,"""'_

e li WllkllelOOva;InBIjAila:Jclocom. ~que
1'lcertIC&:I1aidoaoo~ b¥lisptltlll,lll.
000InI np6s o PltI'\D.Noe pb,ielI03 dIh li ,IIlI,ltllllOk,lIIl"",

se dentro dll30 dlas_ COIib.ii!n1onloclinWrM'oulIUIrlel'ItZJr,


tiver meu thelro, CCIâguIosou SlIClIllÇAo
purulanlll
.
, li melhor iIWlsaf
. a o .
n~ pob pode aer sinal elealguma ~,1'ec:çIu.

A.1T1Ulher
no pOSPII,ftOdfMIlomar bllnhos dllbtos li lr'tIe8r" abm.e1,lB toda 'n!2:que for n l : ! 'rIo_

••••••••
,DeYe«t' Ull3f.rolJpn 'ca,I'Oi'lti.e13e ~ lr.IOelo lUtlAodequaOo, PiopuicJo.llIndo maior ~
~ftlCkSez, -'6m de lmpIIdIrquoo "Ie/I!l enlpedJe-.lIllllm dnIas 00i1b lI•••,eculilllldaç:lomédlcll,

Someul& uliize rnedIcllmerm;" reoelbida. plIIo oh5tt!lI•. A IIl\Ilo""d õe. deWlllIll' UltlllmenttlPiolblcltl_ r-
ltMlf fi SI!:rIosrboos tttnto alllllide da moo quanUIpIiiI1I
o RN.
. "' . . . . .. -"'.~ -
~n.1cn: .
Com um mês voee j6 pode fazer ~ ma ~ entre 2 113 meses panI jlitdka G:ulic:k:b$tlbdomInaIs,
a perte elem6st:uIoque !oicorteda detloa iTIIrI:IlBmpoptrr8ci:::idllur;
seu ~ ln'I~,I'Oi'IUta,~ quanclovooê estBr.liçtlll !aler cadlIlI\lvId8cIc,c:ad:!I
rnuIher pode ter uma real
..}\\o'C(I£"

HJ[u.1 ~,,,... ". • __ ~


E/!I gcnII n mutMtres devem 8gU8ftIar et1lnl qumro e 8eIllI••••"ilhas para YOItarli se letacloillil IeXIWnlIlnltleom
l'l:lM'o.o per1utlo6 •.••••
"'SIlIfo plltBque o ótImI., rea/P8f8 da. -danos" tlU\'l1dol>
00 Iongu da ~ta0;:60e lamb6m
. 1tD,como hemott'IIgtas.dlllltaçàIe possfveb~. ~ .
• •
c:v"t1.,..,pthoa
Se RIo qulserfic:llJlIlá~ (!: e dlll que lBe 8lgum lIoêtudoOOiitr~pat1l ~ CtlrTefiboo. Pe1i tatIcr molho
,OJII_eom ICV mtdioo.

-
•,,
,


Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317811 - Pág. 25
Código de validação do documento: 602724fe a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
SANTOAMARO~
P..:leo.k>: MIlA XA.YIER DOS REIS
A!widi •• iIu. OQ4(t1Q2 ._--0: OOt\lQS5fl
'Coo••• ,lIo:: UN!MED CENTRAI. (l:l8MIl1057) I ENFER!rMRIA DItI clIIAdmIMIo: IOftl12011
00IlI0 clIIlb<tdl, •••• : 271l1Z11ae:l
o.ta: 131'l1/2011 00:3Z:3ll
se..: r." ••••
lellD:.' AHI»,R POSTO I, CENTROOE
IN1'ERNACAO-4"AHDot.R 1, 410-' . ,

BSERVAçOEs:

.' -""~'.-'-" ..

..

fe.l.'i
1-<&)-'" (..g., 1--'0 ~.......-..""'S I
MARIA MANUElA NOGUEIRA DOS SANTOS
COREN - 434385

._-~.
Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317811 - Pág. 26
Código de validação do documento: 602724fe a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
HOSPITAL ~
SANTO AMARO '00iili:::
_________ ~LlM

FOLHA DE EVOLUÇÃO MÉDICA

Paciente: RN DE MILA XAVIER DOS REIS


Registro: 00754107 Nascimento: 11/11/20170
Atendimento: 04245581 Leito: 410 AC 1
Convênio: UNIMED CENTRAL (0865/0067) Admissão: 11/11/2017
Médico Assistente: MARCIA DE AMORIM VIANA CRM: 9680

Data de Nascimento: 11/11/2017 Hora de Nascimento: 09:26 horas. Tipo Parto: cesárea . Apresentação: cefálica
RN com 48 horas de vida.

Dados Maternos:
Obstetra: Dra. Fabianne Cardoso
Secundigesta. Pré-natal: DHEG
Tipagem sangulnea: A (+) Idade gesta cio naI: 38 semanas.

Dados do RN: Nome: Liz Sexo: feminino


Tipagem sangulnea: vide laudo. Apgar: 1° minuto: 9.5° minuto: 10.
Peso de Nascimento: 2700 g; Estatura: 48cm; Perimetro cefálico: 34 cm; Perlmetro Torácico: 32 cm; Perlmetro
Abdominal: 28 cm.
TA=> MSD: 60x26-37mmHg. MIO: 62x28-39 mmHg
Dilúese: sim Mecõnio: sim

Diagnósticos: 1) RN a termo adequado para a idade gestacional


Evolução:Clinicamente bem.
Dieta: leite materno
Peso hoje: 2525g

o exame: Ativo, eupneico, corado, hidratado, anictérico. Face simétrica. Fontanela anterior normotensa e plana.
Cavidade oral sem aiterações. RETROGNATIA. Paviihão auricular sem alterações. Reflexo vermeiho (Teste do
olhinho): PRESENTE EM OLHO DIREITO. INCONCLUSIVO EM OLHO ESQUERDO.
Clavlculas sem crepitações. Glandulas mamárias pálpaveis e simétricas.
Aparelho cardiovascular: Bulhas ritmicas e normofonéticas em 2 tempos, sem sopros. pulsos femorais normais.
parelho respiratório: ausculta com murmurio vesicular limpo e simétrico.
Abdome globoso, flácido sem visceromegalias, ruído hidroaéreos presentes. Coto umbilical com aspecto normal.
Genitália: FEMININA, TlplCA
Quadris: Ortolani: NEGATIVO Barlow: NEGATIVO Pregas glúteas: SIMÉTRICAS
Sistema nervoso central: ativo, reativo. Reflexos adequados para idade gestacional, preensão palmar e plantar.

ALTA

Exames Realizados:
Emissões otoacusticas.
Tipagem sangulnea.

Orientação 'para casa:


Manter aleitamento materno livre demanda.
Consulta pediátrica 02 dias após a alta. Iniciar esquema de vacinação com BCG e Hepatite B.
Colher teste do pezinho entre o 4° e o 7° dia de vida. Consulta oftalmológica após a alta.
Demais orientações em material anexo.

ANTONIO LUCia PRISCO T


CRM (SA) -.2613
I I' l 'J

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317812 - Pág. 27
Código de validação do documento: 60272508 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
~t-:.~:j.,~~:
.~...
,~j't,-,:.~
..
-
c.:_.-;.,

'" "'j

\.

.•.. '.'
,.
,
i
..'~.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317813 - Pág. 28
Código de validação do documento: 60272512 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
Stmprr rio ~YlJladu

QUALlCORP ADM. E 5ERV. LTOA

CNPl03.609.855/0001-o2

RECIBO nli 1

Recebemos dota) 5r(a). MILA XAVIER DOS REIS a importância de R$ 389,95 (trezentos e oitenta e nove reais e noventa
e cinco centavos), referente à quitação dO(s) valor{es) mensal(is) dois) beneficiário(s) abaixo indicado{s):

Nome do Beneficiário Beneficio Com etência Valor


ILA XAVIER DOS REIS NU 4/2017 R$ 389,9

Multa R$O,O
Juros R$ 0,0
Valor Total R$ 389,9

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTEt:ste recibo não salda outro(s) débito(s} venci dois}. O pagamento efetuado através de cheque será
considerado quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação, total ou parcial, de qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático OO(s) respectivo(s} benefício(s), sem prejuizo da cobrança do(s)
valore(s) em aberto.

São Paulo, 19 de abril de 2017.

Rua Doutor PUnio Barreto, 365.

Bela Vista,

01313020 São Paulo SP.

Código de Controle: 79.W71.DWGP.J743.GJCF

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317814 - Pág. 29
Código de validação do documento: 6027251c a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
SmJprr da seu lado.

QUALlCORP ADM. E SERV.LTDA

CNPJ 03.609.855/0001-02

RECI80 n' 1

Recebemos dotal Sr1a). MILA XAVIER DOS RElS a importância de R$ 429,34 (quatrocentos e vinte e nove reais e trinta e
quatro centavos), referente à quitação doIs} valor(es) mensal(is) dois) beneficiârio(s) abaixo indicado(s):

Nome do Beneficiário Beneficio Com etência Valor


MllA XAVIER DOS REIS NU 8/2017 R$ 389,9

Multa R$ 39.0
Juros R$ 0,3
Valor Total R$ 429,3

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTE£ste recibo não salda outro(s) débito(s) vencido(s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação, total ou parcial, de qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático doIs) respectivo(s) beneffcio(s}, sem prejufzo da cobrança do(s)
valore(s) em aberto.

São Paulo, 18 de agosto de 2017,

Rua Doutor PUnia Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paulo SP.

Código de Controle: 2V.6831.Z2V2.STWF.3SCS

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317815 - Pág. 30
Código de validação do documento: 60272526 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
Sffllprr do St'U ladet.

QUALlCORP ADM. E SERVo LTDA

CNPJ 03.609.855/0ooHI2

RECIBO n. 1

Recebemos do{al Sr(a). MILA XAVIER DOS REIS a importância de R$ 429.86 (quatrocentos e vinte e nove reais e oitenta
e seis centavos), referente à quitação dois) vaJor{es) mensallis) dois) benefjciário(s} abaixo indicado{s):

Nome do Beneficiário Beneficio Com et~ncia Valor


MllA XAVIER DOS REIS NU /2017 R$ 389,9

Multa R$ 39,00
Juros R$O,9
Valor Total R$ 429,8f

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTE£ste recibo não salda outro(s) débito(s) vencido(s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado Quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação. total ou parcial, de qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático do(s) respectivo{sI benefício(s), sem prejufzo da cobrança do(s)
valore(s) em aberto.

São Paulo, 22 de setembro de 2017.

Rua Doutor Plfnio Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paulo SP.

Código de Controle: 8W.7C61.lR75.MX7H.UCWT

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317815 - Pág. 31
Código de validação do documento: 60272526 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Gl Qualicorp Sl'mp~ do ~;rulado.

QUAlICORP ADM. E SERVo LTOA

CNPJ 03.609.855/0001-02

RECIBO n' 1

Recebemos do(a} Sr(a). MILA XAVIER DOS RElS a importância de R$ 389.95 (trezentos e oitenta e nove reais e noventa
e cinco centavos). referente à quitação does) valor(es) mensal(is) does) beneficiârio(s) abaixo indicado(s):

Nome do Beneficiário Benefkio Valor


MILA XAVIER 005 REIS NU R$ 389,9

Multa R$ o,oe
Juros R$ O,Oe
Valor Total R$ 389,9

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTE£ste recibo não salda outro(s) débito(s) vencido{s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado Quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação. total ou parcial, de Qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático do(s) respectivo(sI beneficiaIs), sem prejuízo da cobrança do(s)
vaJore(s) em aberto.

São Paulo, 15 de maio de 2017.

Rua Doutor Plfnio Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paulo 5P.

Código de Controle: SD.FSQ1.3GMV.Q&J1.9ZBO

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317815 - Pág. 32
Código de validação do documento: 60272526 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
Sl.'mprr do St'U lado.

QUALlCORP AOM. E SERVo LTOA

CNP103.609.85S/0001-02

REOBO n~ 1

Recebemos. dela) 5r(a). MILA XAVIER DOS REIS a importância de R$ 398,01 (trezentos e noventa e oito reais e um
centavo), referente à quitação do(s) valor(es) mensal(is} do(s) beneficiáriols) abaixo indicado(s):

Nome do Beneficiário Beneflcio Com etência Valor


MILA XAVIER DOS REIS NU 10/2017 R$ 389,9

Multa RS 7,8
Juros R$ 0,2
Valor Total R$ 398,0

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTEfste recibo não salda o01r0(5) dêbito(s) vencido(s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação, total ou parcial, de Qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático do(s) respectivo(sl benefício(s), sem prejufzo da cobrança do(s)
valore(sl em aberto.

São Paulo. 17 de outubro de 2017.

Rua Doutor Plínio Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paula SP.

Código de Controle: 8R.MWBO.ICYT.EAQO.R9VA

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317816 - Pág. 33
Código de validação do documento: 60272530 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
Semprr da s('u lado.

QUALlCORP AOM. E 5ERV. LTOA

CNPJ 03.609.855/0001-02

RECIBO n' 1

Recebemos dotal Sr(a). MILA XAVIER DOS REIS a Importância de R$ 390,47 (trezentos e noventa reais e quarenta e sete
centavos), referente à quitação does) valor(es) mensal(is) does) beneficiario(s) abaixo indicado(s):

Nome do Beneficiário Beneficio Com etência Valor


MILA XAVIER DOS REIS NU 6/2017 R$ 389,9

Multa R$O,S
Juros R$ O,OC
Valor Total R$ 390,4

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTE£ste recibo não salda outro{s) débito{s) vencido(s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado Quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação, total ou parcial, de qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático da(s) respectivo(s) benefício(sl, sem prejufzo da cobrança do(s)
valore(s) em aberto.

São Paulo. 19 de junho de 2017.

Rua Doutor PUnia Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paulo SP.

Código de Controle: 81.2GP3.NKBM.RMJZ.LOW4

WN'IN.qual icorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317816 - Pág. 34
Código de validação do documento: 60272530 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
QQualicorp
Snnprr rIa St"U lado.

QUALlCORP ADM. E 5ERV.lTOA

CNPI03.609.855/0001-o2

RECIBO oi! 1

Recebemos doCa) Sr(a). MILA XAVIER DOS RElS a importância de R$ 389,95 (trezentos e oitenta e nove reais e noventa
e cinco centavos), referente à quitação dois) valor{es) mensal(is) dois) beneficiaríols) abaixo indicado(s):

Nome do Beneficiário Beneficio Com etência Valor


MlLA XAVIER DOS REIS NU 7/2017 R$ 389,9

Multa R$ 0,0
Juros R$ 0,0
Valor Total R$ 389,9

Para maior clareza, firmamos o presente recibo.

IMPORTANTE£ste recibo não salda outro(s) débito(s) vencido(s). O pagamento efetuado através de cheque será
considerado quitado somente após a devida compensação bancária. A falta de liquidação, total ou parcial, de qualquer
valor mensal implicará o cancelamento automático do(s) respectivo(s) benefício(sl, sem preju(zo da cobrança does)
valore(s) em abelto.

São Paulo, 14 de julho de 2017.

Rua Doutor PUnia Barreto, 365.

Bela Vista.

01313020 São Paulo SP.

Código de Controle: 7X.TVC3.4YPV.RQG7.MFEI

www.qualicorp.com.br

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317816 - Pág. 35
Código de validação do documento: 60272530 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
,---------------------
__ ._------------------------------------------
Olretor1a de Ascalização - Praça GradUano de Freitas, S/n, Centro. CEP 48.005-135 - A1i!lQOlnhaslBA - Bnsil. Fones: {75}
75-3423-8363,3423-8359 e 3423-8332

. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e


fmiSsJO (Horano de Brasflla) Periodo de Competênda HW1idpiode p~ do ~ço

08/12/2017 16:30:16 12/2017 Alagolnhas - BA


Reg. Especial TIibutaÇJo E:dglbilióade 00 ISS

Nenhum Exigível em Alagoinhas

PRESTADOR DE SERViÇOS
Razio SOCial
CULA CUNICA EM ANAliSE DE LABORATDRlOS LTDA
Nome

CULA
Fantasia

CPf/OlPJ
14.522.593/0001-60
Ende.-eço
--
540045

Praça Rui Bat'bosa, JJO, CentTO. CEP: 48OJo-J3O - AJagoinhas

TOMADOR DE SERVIÇOS
- 8A
Sfmptes

Sim
NiKionaI
""""
servitecconbbiUdadeOhotmail.com
Incentivadof

Não
CultlQl Fooe/FlIll
(75) 3422-2305

NomclRlIlão Sodal
MILA XAVIER DOS REIS
Cpf/CNPJ Insa1ç!o Munfclpal Inscrição Estadual Fone/Fax E-mail

813.240.495-53 (75) 99995-1056


Endereço
Conjunto Alagoinhas IV, 202 QUADRA S, AJagoInhas Velha - CEP: 4B03O-OOO - AJllgoinhas - BA

SÊRvi(;O' PRESTADO
0402 _ Anáfi_ clinicas. piltoIogLil. eleb"! Inde m6da,. •.acUot•••••• qulmiotanlp~ u~fi •• ~n&nda ~ rad'ologNi, tomov~. CGn9êneres. CNAE:
8640202

-_._------------------------------------------------_
DESCRIÇÃO DOS SERViÇOS
---
.• .•.".

SERViÇOS PRESTADOS A { UZ XAVIER CONCElCAO }

RETENÇÕES

VALORES
" __ .-
FEDERAIS
PIS (RS)

.. .....••0,00
Valor dos $el'Viços (R$)
COFINS (RS)
0,00

Deduções (R$)
INSS CR$)

0,00

Desconto
IR (lU)

0,00

IJ\COfldlCionaclo (R$) Base de Cãlculo (R$)


Outr"as Ret~

AliQuota
CRS)

0,00

(%)

100,00 0,00 0,00 100,00 2,00


ISS CR$) ISS Retido CR$) Desconto Condldooado (RS) Valor Uquido CR$) Valor Total da Nota (R$)
2,00 0,00 100,00 100,~
----""-
OUTRAS INFORMAÇÕES
Contribuinte Ootante do Simples Nacional.

Ylsullllzado em: 08/12/2017 16:29:53


Palll validaçio desta NFSe acesse: ht'tp$:/lllli1l}olnnasba .•••.eblss.com.br/extemo/nfse;valJdllr
Esta NFS-e fol emltklll com respaldo no Dt!c~to nO <1.649 de 28 de junno de 2017.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317817 - Pág. 36
Código de validação do documento: 6027253a a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
OIr1!:tonade FlscaIiUção - Praça GnIcIUano de mltas, sln, Cer.tro - CEP 48.005-135 - AIaooinhasIBA _ BIasII • Fones: (75)
75-3423-8363,3423-8359 e 3423-8332

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e


EmI55Jo (Ho•.•\Oo de Bntsib) •••••••• de C<>mo<t<ndo
MtnIdplo de ~ do 5erv5ço
22/11/201713:40:35 11/2017
Reg. EsgedaITribu~
Alagolnhas - BA
blglbllidade do ISS
Nenhum
Exlglvef em Alagolnhas

PRESTADOR DE SERVIÇOS
lWJo Sodo'

O'IMAGEM DIAGNOSTICaS POR IMAGEM LTDA EPP


Nome Fantasia
O'IMAGEM •...•"
CPF/CNPJ dlmagemdlagnostlcos@gmall.com
Inscrição MunIdpaJ Insa1çIo EstaduaiI S1mpa Nadonal •••••••••••••• CUltunJ Fone/F •.••

...,.,.,.,
01.596.403/0001-<)8 540879 Não Nio (75) 3422-2463
RUIJ Conselheiro Couto,. 220, Centro - CEP: 48oo5-J3O - AJ~nINu _ aA

TOMADOR DE SERVIÇOS

-,
Nome/Razão Social
--- -- - ._.
--
E_
NUA XAVIER DOS REIS
CPFICNPJ
813.240.495-53
Insa1çSo "'Wlidpal
"""- •........ E-mail
(75) 99995-1056 educa..ssrna Ohotmail.com

Rua Nova AsMrecJda, 202 COIOUNfO JARDZH DAS AcAcrAS, QUADRA 8, ~ Vena. _ CEP: 4B030-270 _ AhlfloInhh _
BA
SERVIÇO. PRESTADO
0402 - An.\1~
8640207 díniu •• fYtoJogiA,. ektridd.d. ~ ~ qulmkJlen,pI-., ultra-sonogf1lfY, ~ncbi ~ .-.dioIog
la. tomog •.• n. • congênlUal. CNAE:

DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


USG TRANSVAGINAL

RETENÇÕES FEDERAIS
PIS (RS) COflNS (R$) INSS (R$) IR (R$) CSll(R$)
0,00 0,00 Outras Rete:nç6e$ (R$)
0,00 0,00 0,00
VALORES 0,00
Valor dos Servil;0$ (R$)
"""-,(R$) Desconto IncondidoPado (R$) o.se de Cãlculo (R$)
130,00 0,00 Alíquotoll (%)
0,00 130,00
lSS (R$) ISS R.etJdo CR$) 2,50
~~(R$) Ya6of"Uc:tuldo (R$)
3,25 v.~ Totallb Nota CR$)
0,00 130,00
OUTRAS INFORMAÇÕES 130,00

Vlsuallzitdo em: 08/12/2017 17:45:57


Para validação desta NFSe acesse: httPS:/Ialagolnhasbll.web/S5.com.br/l'JCternalnfse/VIIlldllf
Esta NFS-e ftli emitida com re$.lldo rlO Decreto rtO4.649 de 28 de junho de 2017.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317817 - Pág. 37
Código de validação do documento: 6027253a a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
o
A quitação do valor deste boleto até a data de vencimento caracteriza sua aceitação às condições do ~
novo contrato de adesão n Q 11196966 do plano de saúde Unimed Norte-Nordeste estipulado pela &
Qualicorp. Não se esqueça de assinar a sua proposta de adesão e nos enviar através da carta-resposta. I

Importante: caso você ja conte com a segurança do débito Atenção: pague este boleto nJ data informada.
automâtlCo, nque tranquilo. Somente esta mensalidade Você estará coberto pelo seu novo plano de saúde
sera via boleto bancario. As demais parcelas continuarão somente após o pagamento desta mensaliddde.
sendo debitadas automaticamente na sua conta cadastrada.
Se tiver dúvidas, ligue para a Qualicorp.

'-
MILA XAVIER DOS REIS
Nll~110 N.Jm8ro

019/00121767743-0
'ISO' 00 OocumuNtl
434,10
RECIBO DO PAGADOR
V,,"CO.--IO

Al/lf'C'd I s..r\e/i<;lé'lO

03130/00609846

Autflnlicayao MectlruCil

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Bradesco
23793.1301490012.17677343006.098404873440000043410
Loca! de Pagamento Vençim()nto
~ Pa ável referenclalmente na Rede Bradesco ou Bradesco Ex resso 15/11/17
~ Beneficiaria Agência I Código Beneficiéna
Q QUALlCORP ADM DE BENEFIcIOS SA 03130/00609846
o Data Documento Numero Documento EspéCIe Doe Aceito Data Processamento Nosso Numero
~ 19/10/17 0121767743 Outros N 19/10/17 019/00121767743-0
£ Uso Banco carteir Espécie Mma Quantidade Valor Varor do Documento
Ô19 434,10
~ rnstruçOes; (.) De$COOtos I AbahmenlOS

~ REFERE.SE AO CONTRATO DE ADESÃO N' 11196966


(.) Outras DeduçOes

,. Sr. Caixa não receber após vencimento. (+) Mora/Multa

I (+ ) Outros ACféscimos

l=l Valor Cobrado


~
! PagadorMILA XAVIER DOS REIS
2: CONJUNTO ALAGOINHAS IV ALAMEDA 14,57 • ALAGOINHAS V
:l'l 48030.QOO • ALAG01NHAS • BA
~ PagaOOfAvalista
Autenucaçaa Mecênica I FICHA DE COMPENSAÇÃO

~1I1~\l( UlII'lIlll 'li ~IUIIII \IIiIm 1I11~1I


~II~1\1

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317818 - Pág. 38
Código de validação do documento: 60272544 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
---.--
C('"t,~1N~C'O"~!;

Unimed:4\ -- ,

comRlacflo<b ••• Gfande SIo ••••••


•••bJ .«es:siIIo"'"*
Eneesdaied""",m .••••qutI~~dI! qui!.1dt,doohb~QU.t.I.JtORP.

sem ad""*"t"lU ou QlOltllbuJcSo lb CEHTRA1 NAÓONAI. UtnMED,dlw</WMl aos seus QlO,llat •• ,t€'l,
btno>fIcUrloo do o;ontnto lUO,"'centC! m 1.Sr/11/2017, ~ diftrI:I e equhooadI qumm. iIbollcl!.idIo
~ de nossos produtos ltuDntonte"" come, d4Iltao;lIu.

..
Pu ' ••••"te
E'dtlq:o: ~ ~ •••162S. I~ CEP01405-003,.liI1im1'IoI!IstI. s:Iohu'Io/ SP
H<rirlodtAtmdlmmto:~. R::<tI,
••••OS:oDn17m

._-

'-no! ""'_
...-, __
",*-. c,.;11> r_
••••••••
.e.,.-, ~ .CD' 01'1'_. tao~
-. -- t~n<._ ••._ ~_ ",SI; _•••••• -CD' 'lI-Ul OU. ~m.o
••••••_ ••[~''''''''''~.~n'S, ••••• 1u-' ••~.a"';)"'ll5(l._ ••. 1)r
_ Uol.Jo!o< •••••• _ ~ ._ u.-,"""",
O'••••• W ''i(l,'"1 JS' _

r;;;s:.
----, ~o3-3967-9

.'

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317819 - Pág. 39
Código de validação do documento: 6027254e a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
---_._----
~COiret05
RU1,80

Canu,,1~.o<:tCfl~
-"
Unimedl\
~-~
e....__
___
"' •••.
-
'W~_
SI'
T1ffll)__ 7l1IIIfaC"I---._
a'lllll-WII.

- .•..-- -""-
MIIA XAV1Y.RDOS R'F.lS
CJ CONJUNTO AlAGOINHAS IV AlAMEDA 14, 51-
A.nlwVe1ha
ALAGOlNHAS - DA
CEP: U030-000

"~---------=~~='.~
..-..-------'-----
..'"'"
-
_."'..:ld0l
n_ oewaii",
C':N
__
lm'I-.-.
~_.
-= (::J
(::J
.__._=.....=(::J(::J
uc_
OOI~'
,,*,,_
~.OIUal_

V
UOIloncoQ
~
;
••••••".
001211II_
••••• ,.
===
(::J

••••• lIf'aL' •••••••••• _11••.•••.•••••• .., OIa .••••••

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317819 - Pág. 40
Código de validação do documento: 6027254e a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Mas a Qua/icorp
já oferece um novo plano
com CARÊNCIA ZERO
para você continuar protegido.

- -
-'

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317820 - Pág. 41
Código de validação do documento: 60272558 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Admlnl~tr<ldor<l
Contrato de Adesão

I
de BenefiCIos

I Proposta nº 11196966
. Q Qualicorp Contrélto de plano de assistência
saude, coletivo por adesão
à

Esta Proposta foi preenchida com os dados do seu cadastro junto à Qualicorp. Caso seja necessária a alteração dos dados cadastrais, entre em contato
com a Qualicorp para atualização.
ASSINE ESTA PROPOSTA E DEVOLVA l(UMA) VIA À QUALlCORP, sendo certo que o pagamento do boleto de cobrança e a devoluçào desta Proposta
assinada representam a sua adesão ao benefício, bem como ciência e aceitação aos termos do Contrato de Adesão.

Início da vigência do benefício: Entidade:


15/11/2017 ABRACEM

PROPONENTE TITULAR
E-mail
_educarssma@hotmail.com
Telefone residencial Telefone celular ITelefone comercial
1 (75}99995.j056
Nome completo
.MILA XAVIER DO~REIS _
(conr,nuaçBO)

Nome da mãe completo


.MARIA JOAQUINA BRI\G •••.CONCEICAO
Data de nascimento Sexo Estado civil Nllturalidade (cidade, estado e país)
27102lJ982 __ ~.f __ Sollei!o__ . _
PIS/PASEP
RG Órgão e:qJedidor CPF
___________ 0748590056 813.240.495.53 _
Endereço para correspondência
CONJUN]:OALAGOINHAS IV ALAMEDA 14,51...::.A~GOINI:IAS VELH~
CEP Cidade
UF
48030.000. ALAGOiNHAS _____ . ~BA
N° do Cartão Nacional de Saúde N" da Declaração de NllSCido Vivo*

- .. =-
REPRESENTANTE LEGAL **
Nome completo

CPF RG Órgão expedidor D8ta de nascimento

Sexo Estado ciVil Grau de parentesco

DEPENDENTES
1 I Nome completo

Data de nascimento Sexo Estado civil Parentesco CPF

Nome da mãe completo

PIS/PASEP N" do Cartão Nacional de Saude N" da Declaração de Nascido Vivo*


L I
21 Nome completo

Data de nascimento Sexo Estado civil Parentesco CPF

Nome da mãe completo

PIS/PASEP N° do Cartão NiJciona! de Saúde N" da Declüraç{m ele Nascido Vivo*


---- -- -----------._--
3 I Nome completo

Data de nascimento i Sexo Estado civil Parentesco CPF

Nome da mãe completo

PIS/PASEP N" do Cama Nacional de Saude N° da Declaração de Nascido Vivo'"

'" Para nascidos a partir de 01/01/10.

** Em caso de menor ou incapaz.


Documento em duas vias de igual teor.
Pág.01/04

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317821 - Pág. 42
Código de validação do documento: 60272562 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Contrato de Adesão

I=.ft NorlIl ..N"fllllll<l


1 Proposta nQ
Contrato de plano de a~si50tência à
saude, coletivo por ades~o.
11196966

41 Nome completo

Data de nascimento se,o Estado civil Parentesco CPF

Nome da mãe completo

PIS/PASEP N" do Cartão NaCional de Saude N'-' da Declaração de Nascido VIVO"

51 Nome completo

--- --
Data de nascimento SCKO Estado cIvil Parentesco CPF

Nome da mãe completo

PIS/PASEP N" do Cartão NaCional de Saúde N'" da Declaraçào de NasciCo Vivo.

61 Nome completo

Data de nascimento Sexo EstCldo civil PiH(>lllesco CPF


.---
Nome da mãe completo

PIS/PASEP N" do Cartão NaCional de Saúde N" da Oedaraçáo de Nascido Vivo.

ATENÇÃO: Todos os dependentes serão cadastrados na mesma categona de plano do proponente titular.

COLETIVOPORADESÃO Ambulatorial + hospItalar com


ENFERMARIA 471415146 NACIONAL COLETIVO
obstetricla

VALOR POR PROPO:-lENTE


rdad", Valor em RS
Titular 35 434.10 Dependente 4
Dependente 1 Dependente 5
Dependente 2 Dependente 6
Dependente 3

ATENÇÃO: OSvalores indicados acima sofrerão alteração caso haja reajuste anual do contrato coletivo ou mudança de faixa etãria,
até o início de vigência do beneficio. O valor total deverá ser pago mensalmente.

Valor tolal em R$ 434,10

COBRANÇA
Boleto bancário
Vencimento todo dia ~ de cada mês, nos valores pactuados.

ATENÇÃO: O primeiro v.l!or mensal do oeneffCIO será emitico via boleto bancóno, somente pela Acmlnlstradora de Beneficios, para o Inicio ce vigéncl8 do beneficio Indicado na
pagina 1 desta Proposta.

A partir CIo segundo valor mensal do benet1cio. será mantida a forma de pa~~rneqto ldéulto ou bolelo) cadastrada anteriomlen!c na Administradora de Beneficios. Caso Queira
alterar a forma de pagamento, entre em contato com a QualiCOfD Administmdora de Benefícios.

Pág.02l04

2"' via

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317822 - Pág. 43
Código de validação do documento: 6027256c a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Entidade:
I I I I 1.1

Enrjpreço ootYlf'rclill colTlpl •.•to (erXl.,'rc:{O J.lHlil cohfilrlÇfl Dl


I I I , I I I I I •
CfP Coa"'" UF
I I I ! , l_'-L~--,---,---,-~_---..LLL_LL
Profi!'>stJ~rmf.lC;ao
~......l--t I ! I .L I ! L L..J........; .J.. ~l. __ .!...~ L.-~ 1 L---J
NU 00 re~strQ'mscri~80 na ant,dado I N" (i>. H~('.JI'It(Ü{'!n~rlç}\Ono con!.elho reg,on"l/fedm~1 (qlli'lndo1.lr1Icãvel\
I I : I I 'I I I I I _I I I 1I I ~ Ll.........- L....-.J.- _
NU ao eartao Ni;iClonal de saúde IN"' d:l DeclmaçHO d'õ"NascIdo VrllO*
! • I I I

REP!.ESENTAliTL LEGAL" . ) )

NOnifl c:om plpto

CPf
~
U- ~.~~~~~I.-L.....L.Lc-
,R"
.- Data nl'> nat,clni£>nto
-"--' , ....L
! ! ! I I I I ! !-lJ. , I I ! I , I ! I
Sem Estado CI'v11 Grau de pull:T:te5ÇO

'--' !
..... li"
,.
EMPRESA
Rat •.10 Soeml

I I I t I I I ! I I I ,
CNPJ

LLL.~I--,-'--'-~,-"_J--'-'- .1-.l------1 l j
SlIldlCl'Ito

t-.L. ~I
__ ~~,.
--l. _...L --, '--
'
DEPENDENTES
I I Nome compieto
...l_ 1. -------L.J,~-u L,l -l...-.l L _I L..Ll ..L..,. L' Ll
[);,t.3 dp r1,'1",c,mcnto lse~ol[stado ciVil . cpr
'-L ' I" I
Nome dd ma€' complr>to

L- I! !! i ! ! I ! I ! ---LL-->---:...J. L----l .L_-'-_'-'--'-l.-L~-L-'---'-_ ..U-...c..-


PIS/PASEP iN" do edIta0 NdCI0f181 dlo' Saúde N" da Decltlll:l~ao
de Nascido VIVO"
LLL.L.l ...~-'-'-'-J.-'-'-'--'- LL L
~.-Ll..L ... L..l " .:L-l J...,-, U.~...LU.L1'U J _._L.. ~_LJ
2 I Nume cornOletc
I I !! 1 I I ' I I ! I I t ! I ! ..L.. , I
Dl:lta nA na"oCimento ! se~o EStadia (;,..••
11 _ Parentesco
ICP'
) ~~ --t.J
Nome IH IllC'ltE"completo

! I I ! I'! I 1 I 1 I I I I I.l-
PIS/PASEP N" do Co'tao N"Clonal de $duele
I
""" da Dvclf1raqao de Nascido Vrvo"
! I ! ! 1 _
1 1 ! I ~_L-_ t ! 1 I r ,

I< P'dr'8 nascJdOs a partir d~.illjQ1J"l"O".-~'=-~-""''''''''''''''-'''~


'lf:

••• Em caso de menor ov IOCepaz,

ver!;éoJan/2016.00002
, ..
Documerrto ~m auet1oi_ de "'lI'Qt
Pá~. 01120

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317823 - Pág. 44
Código de validação do documento: 60272576 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
.~,. . -
.
"Administradora
de BeneficJos: --~
\

GlQualicorp

I ! I ! J ! 1 I I I ! I 1 ; I I J r I 1 I I t 11111111111111 I!!
N"
I do Csrtil<l NaCIOnal dl,l SaÚde I NU da Declaração dE.>Na~lcloVNO*
I I I I ! I t i i ! I I I I
I 1 ! I ,. I I I I ! i ! I t !l ! I I l-LU ! j' I I ! I 1! , , t I !

PL\IiO PRETENDIDO

Assinale abaixo, com um "X", o plano pretendido.

ATENÇÃO: verifique a disponibilidade do plano de saúde pretendido conforme a entidade indicada na página 1. Todos os
dependentes serão cadastrados obrigatoriamente na mesma categoria de plano do proponente titula,

ADESÃO BÁSICO Ambulatorial +


f?-l NACIONAL
474.570/15-1 Nacional hospitalar com
obstetrícia
Coletiva

ADESÃO .Arnbulatorial +
Sem
~ ESPECIAL tl()~pitalar com Individual
CoparticiPaqão
NACIONAL obstetrfcla

ADESÃO MÁSTER Sem Ambulatorial +


O NACIONAL Coparticipaçáo
474.574/15-4 Nacional hospitalar com IndiViduai
obstetrícia

PáR.02/20

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317824 - Pág. 45
Código de validação do documento: 60272580 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinale abaixo, com um "X", o plano pretendido.

'~~A9! verifiqu ••••••di~pÔnibilida~ do plano déSaúdep(e}endido conforme a entidade indicada na página 1. Todos os
dependentes serão cadastrados obngatonamente na ~sma categqpa"de plano d01'f'Oponente titular.

-...
I
ADESÃO Ambulatorial +
o PARTICIPATIVO
NACIONAL BÁSICO
-ho'spitalar com
o~tricia
Coletiva
--
.' .....,.
l ;.. "., 0""
ADESÃO
PARTÍOIÍ'ATIVOj' Ambulatorial +
Nacional hospitalar com Individual
NACI()NAL ° , •

obstetrfcla
ESPE:CIAL
"Os Yij/ores rewrcntes B copartlcifXl(,,'{JO estao df:'scritos no itE'1ll 9 da págind 6.

VAtOR

Trtula,
POR PROPONENTE

35 1- 38Y'!35
Valor em Ns
ATENÇÃO: Os valores indicados ao lado sofrerão alteração caso haja
reajusta anual do contrato coletivo ou mudan"" de faixa etária entre
Dependente 1. • 'J,' , .. " \' 'J\}"'" ,- "./ . ,;.'
a data de assinatura desta Proposta a a data da sua 1" (primeira)
Dependente 2 coblllnça;observado o disposto no item 19 da página 8 desta
Dependente 3 Proposta, O valo, total abaixo devem ser pago mensalmente.

Dependente 4

Dependê"te 5

\'alo;lotal em'~

SEG~ PROTEÇAo FINANCEIRA PltEMIAOA

C SIM. desejO contratar o seguro Proteção Financeira Premiada. conforme Proposta d~ Adesão específica assinada 'por ~m nas pá~nas 19 e 20.
que contêm as condições contrBtUl!IS. e conforme as Cond.lçóes GerAIS dJsponiveis no sita W'NW.lUnche.eguros.com.br.
NÃO, não desejo contratAr o seguro Proteção Financeira Premiada.

Assin<tturadO proponentetitular ou de seu representantelegal (no casode menores.ou Incapazes).


passí-.eJde reconhecimentoem cartório

REEMBOLSO
Opção de ca1ta.corrente bancâriB do proponente titular ou de seu representante legal (no caso de manores ou Incapazes). p6ltl depOSito de reembolso
pela Operadora. exclusivamente nos casos previstos nas cCndJçOOscontratuais de cada plano:
Na do bllnco I Benco jNOda i!lgitnCll!!l .DV IN'"da co:'lta-corrente DV
LJ.l...L1.. I I , I! ! I , I , I ! 1I I I I II ! I U li,} I i I 1 [I 11 I j 1 I f li'! t I I I [ ,
• 1°

Pág.03120

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317825 - Pág. 46
Código de validação do documento: 6027258a a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
I~
...
.D~\l;to autom'ático em conta-corrente' ' "
[--.--l ao dé~ito au~omátíco ,mel)sal em minha ci?nta-CÕrTe~te .~ P;-'] :.'NÃO, não aUtorizo a Administradora de Beneficios a procader
-1SIM, autorizo a Administradora de Beneficios a proceder
----... aô débito áutomático mensal em minha conta-corrente bancária.
c;i .~cária jn~jcada abajx~. ",OS valores pactuados. Dessa forma, a cobrança será realizada através de boieto
bancário.
• I. .,••••
,... , • ~ •

r"i kéito'receber noe-meillndlcado-nesu'-Proposla o boleto


l._1 bancário de cobrança. no caso de pagamento através de
boleto bancário. - .•
Dados bancários par&<1ébito automático: ,
.". . '. , .' " ,r ~ .
N°do banoo-BanC)O N°da agência DV N°daconta.corrente DV

I 1I I 1 I I 1 : I 1 I li! 1 I 1 .LU-l. 1 I I I ,I 'I 1 I I 1 I I : 'í I I L I , I I I I.:J: I I I I _LL.L.Ll:u


,ATENçAO: a Administradora de 8eneffclos disponibili23 em seu sita (WWW.Q{l8IiCOfP.com.br) o bolfoto ban~áriOpara pagamento do"tt1!neffcio.
~ ••• ,- ..' '" : •• '; •••• , .j ,.' ,t .y. .,. '.. .. ."

"

AlfTORIZAÇAo PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES


I~J Desejo receber Informações sobre o benefícIo contratado, bem como mensagens com ofertas de nOYOlii selVlçoS e benefícios. dIsponibilizadas
através de e-maU e/oo SMS.
O Nio desejo reoebertal~

Declaro que as'infd


-- InforrNlÇÕl:lS 6 mensagens e. portanto, não autorizo o seu envIo, via e-maa e/ou

liçõeS lIquipr~
) ...•. /

?os documentos
SMS. .,

IIpresentados silo absolutamente verdadeiros e completos,


e me responsabilizo civil e criminalmente por eles.

Loca'. da'" ASSInatura do proponentetituJar ou de seu tepresentante legal (no caso de menores
ou Incapazes), passível de reconhecImento em cart6no

I
74LAQW~r-
ad5ji6lil I J4!LxouOn ~~
f_f_-'

I
i

/,..-

\
qD.

'.' .\',

Pág.04/20

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317826 - Pág. 47
Código de validação do documento: 60272594 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
\
~ilal das Clínicas de Alagoinhas Lida. \
CNPJ 13,518,634/0001-82
Ho'~~:'Clln;ca
d"... PRAÇA RUY BARBOSA, 31 - PABX: (0•• 75) 3423-9300
8 e AJagoJnhas

ALAGOINHAS o BAHIA

~rk ~~

1
p~ O,.ko

lJ~o, O~ ~l ~
'z;1
-~~z.~"
\~
\~~ '2.~Or~
L)~O', ?-S C~' Dvuf \.2) bB/08v-::=.
: '1''- . -~ \ ~i ..
,~(J""'> .'.
_ d-::,
i
.~ .~' _UI
,
'-.,..l"L""
-,J
I' E r'o
--"\1.r1
,,o.
9(,;'"".,
""" • ,•• ~"\ C"

'Z.~,1.!:.,l~'

~
~
!,.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317827 - Pág. 48
Código de validação do documento: 6027259e a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
S-=CLÍNICA
SANTA MARIA
ExceUncia em Saúde
RELATÓRIO.
Para
RI

PACIENTE SRA MILA XA VIER DOS REIS (G2PICIAI),


ACOMPANHADA DURANTE TODO PRÉ NATAL NESTA
UNIDADE .. REALIZOU PARTO CESAREA NO HOSPITAL
SANTO AMARO EM SALVADOR-BA. SEM
INTERCORRENCIAS CIRURGICAS .. EVOLUIU NO PÓS
PARTO COM SANGRAMENTO GENITAL E ELEVAÇÃO
DA PRESSÃO ARTERIAL, SENDO NECESSARIO
. REALIZAÇÃO DE CONSULTAS POR CORTESIA DEVIDO
AO CANCELAMENTO DO CONVENIO (DESCOBERTO
NO MOMENTO EM QUE DEU ENTRADA PARA
ATENDIMENTO DE URGENCIA).
ATENDIDA POR MIM:" DIA 20/11/17 NA CLINICA
QUANTA SA UDE / ALA GOINHAS -BA/// "
HCA( HOSPITAL DAS CLINICAS DE ALA GOINHAS)
21111//7//
" CLINICA SANTA MARIA / ALA GOINHAS -BA / DIA
22/11//7

CID= Z37

ALA GOINHAS , 22111/2017

ATENDIMENTO M~DICOGERAL E E5PEClAUZADO.


LABORATÓRIO DE ANÁUSES E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM
Rua Conselheiro Couto, 161 - Centro - CEP48005-130
, Tel.: (7Sr 3422-1590/3031-1033/99968-6075 e- Alagoinhas-Ba
CNPJ:01.310.159/0001-75 - Insc. Municipal: 540785

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317828 - Pág. 49
Código de validação do documento: 602725a8 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
r NOME: Mila Xavier dos Reis.

IDADE: 3S anos.

PROCEDÊNCIA: Dr.(a): Fabianne Lousie Cardoso Campista.

UI.TRASSONOGRAFIA TRANSYAGINAL

- Exame realizado em aparelho dinâmico com frequência de 6.5 MHz.

- Bexiga com pequena repleção.

- Útero em ligeira medioversão, de volume aumentado, cujos diâmetros são ( Long. x A-P x L-L ):
16.0 cm x 9.8 cm x I I.3 cm. (vol. = 940 cm' - VN/ paridade de 25 até 140 cm')

- Miométrio nomloespesso, com serosa linear e ecotextura sólida c homogênea. Cavidade endometrial com
espessura de 11.0 mm, contendo coleção heterogênea que extende-se até o canal cervical ( possivelmente
hemorrágica ).

- Ovários de padrão ecográfico anatômico, cujos parâmetros são:


Direito: 2.6 cm x 1.3 cm x 1.6 cm. ( vol. = 3.1 cm' )
Esquerdo: 2.9 cm x 1.2 cm x 1.6 cm. ( vol. = 3.0 cm' )

- Saco de Douglas livre.

Conclusão: - Útero de dimensões aumentadas. ( " Status" puerperal)


- Coleção na cavidade endometrial. /
/

Obs.: - Caso retorne, favor trazer este exame.

Alagoinhas,22 de novembro de 2017. D André Assis.


el. Cre eb - 12.814

~"""'''''_._.''.'''''''''''''' IT•• '1751"" .••••••••• ~

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317829 - Pág. 50
Código de validação do documento: 602725b2 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
" •

~~ORMAÇÁ(,Áos'~bIS'
I, ~ ~
O Teate do Pezinho é um exame que
pode detectar precocemente
algumas doenças que levam 8
I
tr

deficiência mental elou problemBs é


saúda da criança.
.
!I
i
A detecçlo 8 tratamento precoce
destas doenças podem evitar estes
problemas.

É mu~o Importante que alamllla


retome ao posto para bUlesr o
resultado da exame.

"
c
c.
!::b
Wc
0:-
-u
c",
."
cz
~'"
:;j'~
l1.W
O'"
cO
WC
•..
0
",'"
W
r

3"""1830 •
f
:.:,

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317830 - Pág. 51
Código de validação do documento: 602725bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
"',
. -,.::,:
~','
5" . '.,
..
~.'

U5G

~ Rua Heitor Fontoura, nO55 - Parque AJagoinhas.


, ,
• CEP: 48005-470. Alagoinhas - SAI Tel.: (75) 3031-3306

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317831 - Pág. 52
Código de validação do documento: 602725c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Ultra-sonografia Trans-vaginal e Trans..-etal
Ultra-.sonografia de Mamas e TIreoide
Ultra-5onografia Geral
Duplex Scan Vascular Colorido

-.

,
RELATORIO MEDICO

Paciente senhora MILA XAVIER DOS REIS,


comparece com quadro de dor intensa em membros
inferiores, DV C 2, com parestesia e edema.
Solicitamos duplex scan venoso de membros
inferiores para avaliação de perviedaCle excluir e
trombose venosa profunda.

cid - i82.9

ALAGDINHAS, 2 DE FEVEREIRO DE 2018

CLlNtCA V1DAATDI>WENTOS M£DK:OS LTDA ~ CNPJ: 16.131.732/0001-50

R. COIl5. SAJWVA, ~1 • CEHTRO - (1S) 31112.1000


AlACiOINHAS/BA - 04m10.020

Rua Cons. Saraiva, 51 • Centro - CEP 48.010-020. Tel: (75) 3182.1000 - E-mail:clinicavida.ba@terra.com.br-Alagoinhas _BA.

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317832 - Pág. 53
Código de validação do documento: 602725d0 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
CLíNICA VIDA Am~DIMENTOS MÉDICOS LTDA.

RELATÓRIO MÉDICO

A PACIENTE MILA XAVIER DOS REIS, 35 ANOS, SEXO


FEMININO, É ACOMPANHADA EM 'NOSSO SERViÇO DE
CARDIOLOGIA POR SER HIPERTENSA E TER APRESENTADO
DOENÇA HIPERTENSIVA, ESPECíFICA DA GESTAÇÃO. FAZ USO
REGULAR DE MEDICAÇÕES PRESCRITAS (METILDOPA E
POSTERIORMENTE APRESOLlNA).

CID: 110

05/0
\" ",l.$i~ ," -•.••.
,~\O!' ••••.•

• •

••

Rua ConseIhoIro Saraiva, 51 • centro. CfP 48.01(1.020. T.I.tax: (75) 3182.1000. E-maR:dinlcavida,ba@terra,com,br.Alagolnhas.BJ

Assinado eletronicamente por: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA Id. 61317833 - Pág. 54
Código de validação do documento: 602725da a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Vara do Sistema dos Juizados - ALAGOINHAS
RUA FILADELFO NEVES, S/N, FORUM EZEQUIEL PONDE
CENTRO
CEP: 48.000-000 / ALAGOINHAS - BA
EMAIL: alagoinhas-jec@tjba.jus.br

PROCESSO ELETRÔNICO: 0000399-75.2018.8.05.0004


PARTE(S) AUTORA(S): MILA XAVIER DOS REIS
PARTE(S) RÉ(S): QUALICORP
UNIMED

CITAÇÃO

Pela presente ordem, fica a parte RÉ acima nomeada CITADA e INTIMADA para todos os termos da ação judicial que contra ela foi proposta
pela(s) parte(s) AUTORA(S), também acima nomeada(s). A parte ré deve comparecer à AUDIÊNCIA JUDICIAL designada para o dia 20 de
Março de 2018, às 08:05h, neste Juizado, localizado no endereço acima indicado. Não havendo acordo, proceder-se-á imediatamente à
audiência de instrução e julgamento, desde que não resulte prejuízo para a defesa, NA QUAL a parte ré: a) deverá comparecer à audiência
e, se a causa for de valor superior a vinte salários mínimos, deverá comparecer à mesma assistida por advogado; b) apresentar toda a
defesa que tiver, por escrito ou verbalmente, na audiência designada, c) produzir toda prova que tiver na audiência designada.
ADVERTÊNCIA: A parte ré fica advertida de que DEVERÁ COMPARECER À AUDIÊNCIA, pois a sua ausência, por força da REVELIA,
importará em admitir verdadeiro(s) o(s) fato(s) alegado(s) na postulação (art.20 Lei federal N. 9099/95). Havendo documentos a serem
juntados no processo de que tenha interesse (petições, contestações, documentos probatórios, constitutivos, gravações de áudio e imagem
etc.), a parte ré poderá fazer a juntada no respectivo processo eletrônico, preferencialmente, em qualquer momento antes da audiência, a
partir da recepção deste Juizado. Caso verse a matéria em julgamento sobre relação de consumo, poderá ocorrer a inversão do ônus da
prova (art. 6º inc VIII Lei 8078/90).
Ressalte-se que o acesso à íntegra do presente processo faz-se através do endereço eletrônico https://projudi.tjba.jus.br, a qualquer
horário, mediante digitação do código individual de acesso 172c01d no campo "Teor do Processo".

ALAGOINHAS, 16 de Fevereiro de 2018.

Secretário(a)
Documento assinado eletronicamente

Assinado eletronicamente por: ANDRE RICARDO ALMEIDA RIBEIRO Id. 61318008 - Pág. 55
Código de validação do documento: 60272cb0 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Vara do Sistema dos Juizados - ALAGOINHAS
RUA FILADELFO NEVES, S/N, FORUM EZEQUIEL PONDE
CENTRO
CEP: 48.000-000 / ALAGOINHAS - BA
EMAIL: alagoinhas-jec@tjba.jus.br

PROCESSO ELETRÔNICO: 0000399-75.2018.8.05.0004


PARTE(S) AUTORA(S): MILA XAVIER DOS REIS
PARTE(S) RÉ(S): QUALICORP
UNIMED

CITAÇÃO

Pela presente ordem, fica a parte RÉ acima nomeada CITADA e INTIMADA para todos os termos da ação judicial que contra ela foi proposta
pela(s) parte(s) AUTORA(S), também acima nomeada(s). A parte ré deve comparecer à AUDIÊNCIA JUDICIAL designada para o dia 20 de
Março de 2018, às 08:05h, neste Juizado, localizado no endereço acima indicado. Não havendo acordo, proceder-se-á imediatamente à
audiência de instrução e julgamento, desde que não resulte prejuízo para a defesa, NA QUAL a parte ré: a) deverá comparecer à audiência
e, se a causa for de valor superior a vinte salários mínimos, deverá comparecer à mesma assistida por advogado; b) apresentar toda a
defesa que tiver, por escrito ou verbalmente, na audiência designada, c) produzir toda prova que tiver na audiência designada.
ADVERTÊNCIA: A parte ré fica advertida de que DEVERÁ COMPARECER À AUDIÊNCIA, pois a sua ausência, por força da REVELIA,
importará em admitir verdadeiro(s) o(s) fato(s) alegado(s) na postulação (art.20 Lei federal N. 9099/95). Havendo documentos a serem
juntados no processo de que tenha interesse (petições, contestações, documentos probatórios, constitutivos, gravações de áudio e imagem
etc.), a parte ré poderá fazer a juntada no respectivo processo eletrônico, preferencialmente, em qualquer momento antes da audiência, a
partir da recepção deste Juizado. Caso verse a matéria em julgamento sobre relação de consumo, poderá ocorrer a inversão do ônus da
prova (art. 6º inc VIII Lei 8078/90).
Ressalte-se que o acesso à íntegra do presente processo faz-se através do endereço eletrônico https://projudi.tjba.jus.br, a qualquer
horário, mediante digitação do código individual de acesso 172c027 no campo "Teor do Processo".

ALAGOINHAS, 16 de Fevereiro de 2018.

Secretário(a)
Documento assinado eletronicamente

Assinado eletronicamente por: ANDRE RICARDO ALMEIDA RIBEIRO Id. 61318028 - Pág. 56
Código de validação do documento: 60272d78 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinado eletronicamente por: ECT Id. 61890745 - Pág. 57
Código de validação do documento: 607e913a a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinado eletronicamente por: ECT Id. 62067232 - Pág. 58
Código de validação do documento: 60997f40 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
.... . . se. •e.. .e. es• JUCESP PROTOCOLO
•• e• • • e e •
• e • e •ee e
e. s es 0.908.864116-4
•. • e. e e e.. e
•es• ... 5 •
.
•••• ese.. •. e. •e es e
e.e
•..
•• .e. .e
e. e
e. •5 •5•e
te te
es.
.
5
•s.
e
ee..e e
se e
IIII IIHI IM IIi II III uM III II 111 II II
QUALICORP AC MINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A.

CNPJ/MF n° 07.658.09810001-18
NIRE 35.300.382.846

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA


REALIZADA EM 21 DE JULHO DE 2016

Data, Hora e Local: Aos 21 (vinte e um) dias do mês de julho de 2016, às 10:00 horas, na sede social da
Qualicorp Administradora de Benefícios S.A., localizada na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na
Alameda Xingu, 512, Sala 2002, Alphaville, Centro Industrial e Empresarial, CEP: 06.455-030 ("Companhia").

Presenças: Presença de acionistas representando a totalidade do capital social total da Companhia,


conforme assinaturas constantes do Livro de Registro de Presença de Acionistas.

Convocação: Dispensada, nos termos do artigo 124, §4° da Lei n° 6.404176.

Mesa: Presidente: Sr. Grace Cury de Almeida Gonçalves Tourinho; Secretária: Sra. Rosangela Martins
de Souza.

Ordem do Dia: Deliberar sobre: (i) a alteração do endereço da sede da Companhia; (ii) a alteração do Artigo
2°, parágrafo único, do Estatuto Social; (iii) a consolidação do Estatuto Social da Companhia; e (iv) a
autorização aos diretores da Companhia a praticarem todos os atos necessários à implementação e
formalização das deliberações objeto da presente Assembleia.

Deliberações: Após exame e discussão acerca dos itens constantes da ordem do dia, o acionista presente
deliberou, sem ressalvas:

(i) alterar o endereço da sede social da Companhia, a qual passará da Cidade de Barueri, Estado de São
Paulo, na Alameda Xingu, n.° 512, Sala 2002, Alphaville, Centro Industrial e Empresarial, CEP: 06.455-030,
para Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, CEP: 06.455-030, na Alameda Xingu, n.° 512, salas 1503,
1504, 1601 e 1804, Alphaville, Centro Industrial e Empresarial;

(ii) em virtude da alteração ora aprovada, alterar a redação do Artigo 2 0, do Estatuto Social, que passa a
vigorar com a seguinte redação:

"Artigo 20 A Sociedade possui sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Alameda Xingu,
n.° 512 salas 1503, 1504, 1601 e 1804, Alphaville, Centro Industrial e Empresarial, CEP: 06.455-030, e

u
Página 1 de 10

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 59
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
e...
• .
e e
. e
••• •e.e e.. e..
• • . 5
• . . e .ss e.•.s
• . . 5 1 • e •
.. 5• ••e e... ••. •

• .1.. •e e. • •e
.. . e .• • •. .
• SIe 5 .5 5 . S5S
5 5 . 5 e.. • . •
• 5 • • 5 5 e
e.. 5. .. 5. 5•S
S
55
5

poderá instalar, alterar e encerrar filiais, atribuindo-lhes capital próprio, estabelecimentos industriais e
comerciais, escritórios e depósitos em outras praças do País e do exterior, mediante deliberação da
Diretoria.'

(iii) consolidar o Estatuto Social da Companhia, conforme Anexo 1; e

(iv) autorizar os administradores da Companhia a praticarem todos os atos necessários à implementação e


formalização das deliberações ora tomadas.

Encerramento: Nada mais havendo a tratar, e como nenhum dos presentes quisesse fazer uso da palavra,
foram encerrados os trabalhos e suspensa a Assembleia, lavrando-se a presente ata, a qual foi lida, achada
conforme, aprovada e por todos os presentes assinada. Foi autorizada a lavratura da presente ata na forma
sumária, nos termos do artigo 130, § 1 1, da Lei n° 6.404/76.

Assinaturas: Mesa: Sra. Grace Cury de Almeida Gonçalves Tourinho (Presidente) e Rosangela Martins de
Souza (Secretária). Acionista Presente Qualicorp S.A., por José Seripieri Filho e Grace Cury de Almeida
Gonçalves.

A presente ata é cópia fiel da via lavrada em livro próprio.

São Paulo, 21 de julho de 2016.


Mesa:

Rosangela
Secretária

401.822/16_3

1 1 1 1 1 1 I J I I I I JIJ I li i1 1 1 1 1 1 1 1 li i 1 1
Página 2 de 10

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 60
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
.... • e •s• •... •.e •..
ee e e

•. ee.. e
• •

e • .
• e
e..
• • e
e. es e.. .e.e e.. e ••
es.. •. •. se
e.•• •ee• •
.. e .e•e •e..
••
e• •e••e

• e . . . e
• .
... e. e .
•. •. . . e
... e.

ANEXO 1 À ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA


REALIZADA EM 21 DE JULHO DE 2016

ESTATUTO SOCIAL DA
QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A.

CAPÍTULO 1
DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

Artigo 1 0 A QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. ("Companhia) é uma


sociedade anônima que se rege por este Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis.

Artigo 20 A Sociedade possui sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Alameda Xingu, n.° 512,
salas 1503, 1504, 1601 e 1804, Alphaville, Centro Industrial e Empresarial, CEP: 06.455-030, e poderá
instalar, alterar e encerrar filiais, atribuindo-lhes capital próprio, estabelecimentos industriais e comerciais,
escritórios e depósitos em outras praças do País e do exterior, mediante deliberação da Diretoria.

Artigo 30 A Sociedade tem por objeto propor a contratação de planos privados de assistência à saúde
coletivo na condição de estipulante e/ou prestação de serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos
privados de assistência à saúde coletivo, podendo desenvolver as seguintes atividades:

(i) promover a reunião de pessoas jurídicas legitimadas para contratar planos privados de
assistência à saúde coletivo;

(ii) contratar planos privados de assistência à saúde coletivo, na condição de estipulante, a ser
disponibilizado para as pessoas jurídicas legitimadas para contratar;

(iii) oferecimento de planos privados de assistência à saúde coletivo para a população


vinculada às pessoas jurídicas legitimada para contratar;

(iv) apoio técnico na discussão de aspectos operacionais dos planos privado de assistência à
saúde coletivo, tais como: (a) negociação de reajustes; (b) aplicação de mecanismos de regulação
pela operadora de plano de saúde; (c) alteração de rede assistencial;
(v) apoio às áreas de recursos humanos de pessoas jurídicas legitimadas para contratar planos
privados de assistência à saúde coletivo na gestão de benefícios do plano;

(vi) terceirização de serviços administrativos relativos aos planos privados de assistência à


saúde coletivo;

(vii) movimentação cadastral de beneficiários de planos privados de assistência à saúde


coletivo;

Página 3 de 10

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA


o Id. 62580934 - Pág. 61
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
.... . . ... •... se. e..
• . . . . . .

• 1
. •
• •
. e
•.• se ...
0
... •... ... e •
se .. e
•.•• .•... ee .. e. .. . •... •
..

•5S
. se .
. e •.s •..
• . . . 5 . •
... .. 5
.. .. . ...e e • •.

(viii) conferência de faturas dos planos privados de assistência à saúde coletivo;

(ix) cobrança ao beneficiário por delegação dos planos privados de assistência à saúde
coletivo;

(x) consultoria de mercado, sugestão de desenho de planos privados de assistência à saúde


coletivo e modelos de gestão.

Artigo 40 A Companhia tem prazo indeterminado de duração.

CAPÍTULO li
DO CAPITAL SOCIAL E DAS AÇÕES

Artigo 50 O capital social da Companhia, totalmente subscrito e integralizado, é de R$ 276.365.136,28


(duzentos e setenta e seis milhões, trezentos e sessenta e cinco mil, cento e trinta e seis reais e vinte e oito
centavos), representado por 496.715.989 ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal.

Parágrafo ÚnicoAs ações representativas do capital social são indivisíveis em relação à Companhia
e cada ação ordinária confere a seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais.

CAPITULO III
DA ASSEMBLEIA GERAL

Artigo 611 A Assembleia Geral reunir-se-á, ordinariamente, nos 04 (quatro) primeiros meses após o
encerramento do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem.

Parágrafo 1 0 A Assembleia Geral será convocada e instalada em observância às disposições legais


aplicáveis. A Assembleia Geral será presidida por qualquer acionista ou Diretor, conforme for
escolhido pela maioria dos acionistas presentes à Assembleia. O Presidente da Assembleia Geral
convidará, dentre os presentes, alguém para secretariá-lo.

Parágrafo 20 As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, serão


tomadas por acionistas representando a maioria do capital social votante da Companhia presentes à
Assembleia Geral.

Artigo 70 As seguintes matérias, sem prejuízo das atribuições previstas em Lei, deverão ser
aprovadas pela Assembleia Geral:

(i) diretrizes e políticas da Companhia e de suas subsidiárias;

(ii) aprovação anualmente as contas dos administradores e deliberação sobre as


demonstrações financeiras por eles apresentadas;

Página 4 de 10

ÇJ
Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 62
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
•ISS • • III 55*5 555 III
• . SI 5 • • 5
• 5 • . Is. IS 555
• 5 5 . . .
IS IS 555 •... •..
. 5
5

• 5 SSS 55 SI 5 55
SI 1 5 II 5 SI 1
• 555 . SI 1 • III
• 5
• 5 .
5 5 •SI
5
5 e
5
• 5 5 •
•s. 1• Is II III SI

(iii) orçamento operacional e/ou orçamento anual de capital para a Companhia e suas
subsidiárias;

(iv) indicação e destituição dos auditores independentes da Companhia;

(v) nomeação e destituição, a qualquer tempo, dos administradores (incluindo Diretores e


membros do Conselho Fiscal) da Companhia;

(vi) autorização aos administradores a declarar falência ou solicitar recuperação judicial ou


extrajudicial;

(vii) concessão a (a) qualquer atual ou ex empregado da Companhia ou de qualquer subsidiária


da Companhia com salário anual superior a R$ 100.000,00 (cem mil reais) ou (b) diretor ou
conselheiro da Companhia ou de qualquer subsidiária da Companhia, de aumento de salário ou de
bônus, indenização, participação nos lucros ou resultados, aposentadoria, remuneração futura,
seguro ou outra remuneração ou benefício (ou qualquer concessão ou acordo para concessão,
conforme o caso, fora do curso normal dos negócios) ou estabelecimento ou modificação de novo
plano de remuneração ou de benefícios para os empregados ou alteração de qualquer plano de
benefícios ou opção em vigor;

(viii) celebração, modificação de qualquer aspecto relevante, cancelamento ou resolução de


qualquer acordo, ou, ainda, permitir o vencimento antecipado ou a caducidade de qualquer contrato
relevante, fora do curso normal dos negócios da Companhia conforme as práticas passadas;

(ix) agir ou se omitir fora do curso normal dos negócios da Companhia consistentemente com
as práticas passadas;

(x) desenvolvimento de uma nova linha de negócios ou alteração de qualquer linha de


negócios existente;

(xi) aprovação de qualquer matéria fora do curso ordinário dos negócios;

(xii) emissão, assunção, contratação ou garantia de qualquer dívida pela Companhia e/ou
subsidiárias, incluindo a emissão de debêntures;

(xiii) venda, arrendamento ou alienação de ativos da Companhia e/ou subsidiárias, fora do curso
normal dos negócios;

(xiv) aquisição pela Companhia e/ou subsidiárias de negócio ou ativos de outra sociedade,
inclusive por meio da celebração de contrato de associação com outra sociedade, envolvendo
pagamento (inclusive em bens que não sejam moeda corrente) ou investimento acima de R$
5.000.000,00 (cinco milhões de reais), isoladamente, ou, em termos globais, quando acrescidos aos
pagamentos ou compromissos pagos ou contraídos no tocante a todas as demais aquisições
ocorridas nos 12 (doze) meses precedentes, ou fora do curso normal dos negócios;

(xv) qualquer operação (inclusive alocação de despesas) e/ou celebração de quaisquer


contratos entre a Companhia e qualquer diretor, conselheiro ou acionista da Companhia (ou pessoa

Página 5 de 10

4113 c,

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 63
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
IS.. • 1 III •Sfl 155 •II
• 1 SI 5 • 5
• 5 1 5 SI. II lis
• . 5 5 5 • • •
5. •. SI. 1155 III 5

• si..
5I 1
50
• .1
••
5
5 5I
55 5
• III 5 .5 .

5 5
5

5 5
5 1
...

5 555
•.
5 5 5
5S5 IS •S IS 555 IS

controladora, controlada ou sob controle comum com a Companhia, ou membro da família do diretor,
conselheiro ou acionista em questão);

(xvi) avaliação de bens com que os acionistas concorram para a formação do capital social;

(xvii) transformação, abertura de capital, fusão, incorporação, incorporação de ações ou cisão da


Companhia e/ou de suas subsidiárias, sua dissolução ou liquidação;

(xviii) aumento de capital e/ou emissão de ações pela Companhia;

(xix) qualquer alteração ou aditamento ao estatuto social, contrato social ou demais atos
constitutivos da Companhia;

(xx) qualquer obrigação da Companhia e/ou subsidiárias em valor superior ao do valor previsto
em seu orçamento operacional e/ou orçamento de capital anual; e

(xxi) o voto a ser proferido pela Companhia nas deliberações sociais de suas subsidiárias que
versem sobre as matérias acima.

CAPITULO IV
DA ADMINISTRAÇÃO

Seção 1— Da Diretoria
Artigo 8° A Companhia é administrada por uma Diretoria, composta por, no mínimo, 02 (dois) e, no
máximo, 05 (cinco) membros, com mandato de até 03 (três) anos, sendo permitida a reeleição, sendo,
necessariamente, 01 (um) Diretor Presidente, 01 (um) Diretor Financeiro e 03 (três) Diretores sem designação
específica.

Parágrafo 1 0 Os Diretores são investidos em seus cargos mediante assinatura do termo de posse no
livro correspondente e permanecem no exercício de suas funções até a eleição e posse de seus
substitutos.

Parágrafo 20 Na hipótese de impedimento, ausência, interdição ou falecimento de qualquer Diretor,


outro Diretor convocará a Assembleia Geral dos acionistas para eleger um novo membro para
ocupar o cargo vago.

Parágrafo 30 É expressamente vedado e será nulo de pleno direito o ato praticado por qualquer
Diretor, procurador ou empregado da Companhia que: (a) a envolva em obrigações relativas a
negócios e operações estranhos ao seu objeto social, ou (b) esteja em desacordo com as
disposições de acordo de acionistas do controlador da Companhia arquivado na sede social do
controlador da Companhia, sem prejuízo da responsabilidade civil ou criminal, se for o caso, a que
estará sujeito o infrator deste dispositivo.

Página 6delO

QZ
1)I

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 64
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
e.. . • e
• .
• a . . .•e •...
e
e se. ...
• •
ee ••• a.
• •s
•e se
e. ..e.. .es.
•.e •..o e

e.• e.... .e. e.


..eeee..
es

•e ... . •.•e
.
• e..e
e ee ee . • e.
e e
5h •e e. •e e.. •s e

Parágrafo 40 Os Diretores da Companhia deverão ser profissionais experientes, capacitados, com


reputação ilibada, que não exerçam cargos administrativos em empresas concorrentes da
Companhia e que atendam às qualificações necessárias aos cargos por eles ocupados.

Artigo 90 A Diretoria reunir-se-á sempre que os interesses sociais o exigirem, mediante convocação
de qualquer dos Diretores.

Parágrafo 1 0 As reuniões da Diretoria são instaladas com a presença de, pelo menos, a maioria de
seus membros, devendo ser escolhido pelos presentes um Secretário da reunião, não havendo
necessidade de que tal Secretário seja membro da Diretoria.

Parágrafo 20 Os membros da Diretoria que participarem das reuniões por meio de conferência
telefônica ou outro sistema de telecomunicação serão considerados presentes à reunião. Será ainda
considerada regular a reunião da qual todos os Diretores tenham participado por meio de conferência
telefônica ou outro sistema de comunicação, desde que as deliberações tomadas sejam objeto de
ata assinada por todos os presentes posteriormente, ou que o respectivo voto seja enviado à
sociedade na forma do parágrafo terceiro abaixo.

Parágrafo 30 Os membros da Diretoria poderão votar por e-mail, fax, carta ou telegrama enviados à
Companhia, e caberá, neste caso, ao Secretário da reunião lavrar a respectiva ata, à qual o voto
será anexado.

Parágrafo 40 Nas reuniões, a Diretoria delibera por maioria de votos, cabendo a cada Diretor um
voto.

Parágrafo 50 As atas das reuniões da Diretoria serão lavradas em livro próprio, permitida a utilização
de sistema mecanizado.

Artigo 100 A Diretoria é o órgão executivo e de representação da Companhia, cabendo-lhe assegurar o


funcionamento regular desta, tendo poderes para praticar todos e quaisquer atos relativos aos fins sociais,
exceto aqueles que por Lei ou pelo presente Estatuto Social dependam de prévia aprovação da Assembleia
Geral.

Parágrafo 1 11 A Companhia será representada através de 2 (dois) Diretores em conjunto ou por um


ou mais procuradores com poderes específicos, nos termos do Parágrafo 2 0 abaixo.

Parágrafo 2° As procurações em nome da Companhia serão outorgadas ou revogadas por


quaisquer 2 (dois) Diretores em conjunto, devendo o competente instrumento especificar os poderes
conferidos e, com exceção daquelas para fins judiciais, especificar um período de validade limitado
a, no máximo, 1 (um) ano.

Parágrafo 30 A representação da Companhia perante a Agência Nacional de Saúde Suplementar


(ANS), para quaisquer fins, será exercida alternativamente, pelo Responsável Técnico em Saúde ou
por um procurador nomeado por este. Ao Responsável Técnico também competirá a orientação geral
de assuntos médicos para a Sociedade, sendo, não obstante vedada a prática de qualquer ato que
não seja relacionado à administração técnica da Companhia.

Página 7 de 10

IDI
(-C? o
'e,)

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 65
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
...e • •
•e • . .., •••
a e
••sS .e.
e •
e . •e
se
e. is
• e 1••
• ••

...
.
.. ••I se.. es. e

e.eee... 5
• Is
e. • ..ee •e..
•e

• e... e • •• •
• • • es e e. •
.51 SI e. • ••
555 65

Parágrafo 40 Para efeito do disposto no Parágrafo Único do Artigo 40 da Resolução Normativa (RN)
n° 11, de 22 de julho de 2002, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), os Diretores e
Responsável Técnico declaram preencher todos os requisitos exigidos pela mencionada Resolução.

Artigo 11 0 A remuneração dos Diretores será determinada pela Assembleia Geral, que pode fixá-la
em montante anual ou mensal e global ou individual, obedecido o disposto no caput do Artigo 152 da Lei n°
6.404176, cabendo à Diretoria, em Reunião de Diretoria, promover a distribuição e individualização da
remuneração, se fixada em montante global.

Seção lI - Do Conselho Fiscal

Artigo 12° Se instalado, o Conselho Fiscal da Companhia, com as atribuições estabelecidas em Lei,
será composto por 3 (três) a 5 (cinco) membros e igual número de suplentes.

Parágrafo 1° O Conselho Fiscal não funcionará em caráter permanente e somente será instalado
mediante solicitação de acionistas, de acordo com as disposições legais.

Parágrafo 20 Os membros do Conselho Fiscal serão investidos em seus cargos mediante a


assinatura de termo de posse lavrado no livro de Atas e Pareceres do Conselho Fiscal, no prazo
máximo de 30 (trinta) dias contados da data da respectiva eleição.

Parágrafo 30 Em caso de vaga, renúncia, impedimento ou ausência injustificada a duas reuniões


consecutivas, será o membro do Conselho Fiscal substituído, até o término do mandato, pelo
respectivo suplente.

Parágrafo 40 Em caso de impedimento ou vacância permanente no cargo de um membro do


Conselho Fiscal, e sem que haja suplente a substitui-lo, caberá a qualquer membro do Conselho
Fiscal imediatamente convocar uma Assembleia Geral da Companhia para eleger um novo membro
efetivo do Conselho Fiscal e respectivo suplente, para preencher o cargo e completar o mandato do
membro impedido ou vacante.

CAPÍTULO V
DO EXERCÍCIO SOCIAL E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Artigo 130 O exercício social terá início em 1 1 de janeiro e término em 31 de dezembro de cada ano.
Ao término de cada exercício social serão elaboradas as demonstrações financeiras previstas em lei.

Artigo 140 A Companhia, por deliberação da Diretoria, poderá levantar balanços semestrais, trimestrais
ou mensais, bem como declarar dividendos à conta de lucros apurados nesses balanços. A Companhia, por
deliberação da Diretoria, poderá, ainda, declarar dividendos intermediários à conta de lucros acumulados ou
de reservas de lucros existentes no último balanço anual ou semestral.

Parágrafo 1 0 Os dividendos distribuídos nos termos deste Artigo 14 poderão ser imputados ao
dividendo obrigatório.

Página 8 de 10

1'( A0

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 66
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
IS., e • .• •.., SeS 5.5
• . e e • • e
•e • e e.. e. e..
• 5• 5
IS
•v e. ese e... e..

• e...
5. • ••
. e. •
es e e.
e se. e se
•. •
e • ia.
• 5 • . e.. e,
• e . e e e .
5
.. e. •• •. 5SS Si
e

Parágrafo 211 A Companhia poderá efetuar o pagamento de juros sobre o capital próprio, a crédito dos
dividendos anuais ou intermediários.
Artigo 150 Do resultado do exercício serão deduzidos, antes de qualquer participação, eventuais
prejuízos acumulados e a provisão para o imposto de renda.

Parágrafo 1 1 Sobre o valor apurado na forma do caput deste Artigo será calculada a participação
dos administradores da Companhia até o limite máximo legal, a ser distribuída de acordo com
parâmetros a serem estabelecidos pela Assembleia Geral.

Parágrafo 211 O dividendo mínimo obrigatório será de 1% (um por cento) do lucro líquido da
Companhia, determinado de acordo com os princípios contábeis aceitos no Brasil, e ajustado tal
dividendo, quando aplicável, após destinação de: (i) 5% (cinco por cento) do lucro líquido a ser
anualmente alocado para a reserva legal, até atingir 20% (vinte por cento) do capital social
integralizado (sendo certo que esta destinação não será obrigatória quando o saldo desta reserva,
acrescido de qualquer reserva de capital de que trata o Parágrafo 1 0 do Artigo 182 da Lei n°
6.404/76, exceder 30% (trinta por cento) do capital social); (ii) reserva de lucros a realizar; ou (iii)
reserva para contingência.

Parágrafo 30 A importância não superior a 99% (noventa e nove por cento) do lucro líquido será
destinada à constituição de Reserva de Investimentos, com a finalidade de financiar a expansão das
atividades da Companhia e de subsidiárias, inclusive através da subscrição de aumentos de capital
ou criação de novos projetos, participação em consórcios ou outras formas de associação para a
realização do objeto social.

Parágrafo 41 A reserva prevista no Parágrafo 3 0 acima não poderá ultrapassar 80% (oitenta por
cento) do capital social. Atingido esse limite, caberá à Assembleia Geral deliberar sobre a destinação
do saldo, procedendo à sua distribuição aos acionistas ou ao aumento do capital social.

Parágrafo 50 Atendida a distribuição prevista nos parágrafos anteriores, a Assembleia Geral deverá
determinar a destinação do saldo remanescente do lucro líquido do exercício social, respeitadas as
disposições legais aplicáveis.

CAPITULO VI
DA DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO

Artigo 160 A Companhia se dissolverá e entrará em liquidação nos casos previstos em lei, cabendo à
Assembleia Geral eleger o liquidante e os membros do Conselho Fiscal, que deverá funcionar no período da
liquidação, fixando-lhes a remuneração.

Página 9 de 10

Ç1 9
C&1

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 67
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
..r e • ISe. a.. •s•
"e

cc
• • a
1 e a
1
(' e •,. e. ese o
e
55 Se pa. •.s e.. •

• e-..
e.. •••
.,•e . ..
•• ele • 5 cc .
a e .5.
e se.
e. e
•eS •
e e
55 w5
e ••e
aes •e
5

CAPÍTULO VII
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Artigo 170 Os casos omissos ou duvidosos deste Estatuto Social serão resolvidos pela Assembleia
Geral, a eles aplicando-se as disposições legais vigentes.

Artigo 180 O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação pela Assembleia Geral.

Artigo 190 Para dirimir quaisquer conflitos e divergências oriundos deste Estatuto Social, fica eleito,
desde já, o Foro da sede da Companhia, sob expressa renúncia a qualquer outro, por mais privilegiado que
seja, correndo todas as despesas judiciais ou extrajudiciais, inclusive honorários advocaticios, por conta da
parte vencida.

*5**

Página 10 de 10

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 68
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 69
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580934 - Pág. 70
Código de validação do documento: 60e7e1bc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS -
ALAGOINHAS – ESTADO DA BAHIA

Autos nº 0000399-75.2018.8.05.0004

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S/A, pessoa jurídica de direito


privado devidamente inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.658.098/0001-18, com sede na Rua Dr. Plinio
Barreto, 365 (parte), Bela Vista, Capital do Estado de São Paulo, CEP 01.313-020, por sua advogada que
esta subscreve, nos autos da ação em epígrafe, movida por MILA XAVIER DOS REIS, vem, perante Vossa
Excelência, com fundamento no artigo 30 e seguintes, da Lei Federal n° 9.099/95, apresentar

CONTESTAÇÃO

Consubstanciada nas razões de fato e direito a seguir aduzidas.

DA RETIFICAÇÃO DO POLO PASSIVO

De início, cumpre destacar que o Nome e o CNPJ da Acionada, registrados no sistema


informatizado do Tribunal de Justiça, devem ser retificados, uma vez que a QUALICORP
ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S/A está inscrita no CNPJ nº 07.658.098/0001-18, conforme
documentos acostados.

I – SÍNTESE DA LIDE

Aduz a autora ser beneficiária de plano de saúde administrado por esta Ré.

Sustenta a autora que recebeu a informação de que seu plano seria alterado para
Unimed Norte Nordeste.

Aduz que ao tentar realizar atendimento médico, foi informada que o seu plano de
saúde estava cancelado.

A parte autora alega ainda que teve que realizar o pagamento de um exame, no valor
de R$130,00, e outro para sua filha no valor de R$ 100,00.

Pelo exposto, requer o restabelecimento do plano; a devolução do valor pagos pelos


exames; bem como indenização por danos morais.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 71
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Contudo, as pretensões da parte Autora não merecem prosperar, devendo ser julgada
improcedente a presente demanda, como se verá a seguir.

II – PRÉVIO ESCLARECIMENTO SOBRE A RELAÇÃO JURÍDICA EXISTENTE ENTRE AS PARTES

Necessário, desde já, esclarecer o vínculo jurídico existente entre as partes, a fim de
tornar possível a atribuição das responsabilidades de cada uma delas e, consequentemente, poder-se
decidir a causa de forma escorreita.

A Representante subscreveu proposta de adesão ao benefício da apólice de seguro-


saúde, coletiva por adesão, firmado pela Qualicorp Administradora de Benefícios S/A com a CNU
(Operadora de Saúde), destinado aos membros vinculados a Entidade de Classe. Referida avença está
amoldada à Resolução Normativa nº 195/2009, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Tais esclarecimentos são essenciais, já que a análise do presente caso deve ser feita
à luz das Resoluções Normativas - RN - 195 e 196 da Agência Nacional de Saúde Suplementar - a ANS,
as quais dispõem sobre a classificação dos planos e seguros saúde e sobre a Administradora de
Benefícios, respectivamente, e não pelas normas que, disciplinando contratos individuais, a Lei n°
9.656/98 estabelece.

Com efeito, as disposições atinentes aos contratos individuais da Lei 9.656/98 são
inaplicáveis ao caso concreto, conforme já assentou o Superior Tribunal de Justiça quando, ao tratar da
incidência aos contratos coletivos do direito à renovação prevista, no art. 13 daquele diploma, para os
contratos individuais, assim decidiu:

SEGURO COLETIVO DE SAÚDE. DENÚNCIA. O art. 13, parágrafo único, inciso II,
alínea “b”, da Lei nº 9.656, de 1998, constitui norma especial que, a contrario
sensu, autoriza a denúncia unilateral do seguro coletivo de saúde, não podendo
sobrepor-se a ela a norma genérica que protege o consumidor contra as
cláusulas abusivas (EDcl no REsp nº 602.397/RS, TERCEIRA TURMA, Rel. Min.
ARI PARGENDLER, DJ de 18/06/2007).

III – PRELIMINARMENTE

III.1 - DA ILEGITIMIDADE PASSIVA DA RECORRENTE – A ADMINISTRADORA NÃO É RESPONSÁVEL PELO


ENCERRAMENTO DA CARTEIRA.

Como se viu, a autora ingressou com a presente demanda em face das rés pleiteando
a sua manutenção no plano de saúde, em razão do seu cancelamento por rescisão contratual.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 72
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Inicialmente, cumpre trazer à baila que conforme carta de cancelamento, ora
juntado, a CNU notificou esta Acionada, informando que não possuía mais interesse na manutenção
do contrato de prestação de serviços médicos e que colocaria à disposição plano de saúde individual
ou familiar aos beneficiários que tiverem interesse.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 73
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Desse modo, todos os fatos narrados na inicial ocorreram entre a autora e CNU.

A CORRÉ CENTRAL UNIMED, é responsável pela adesão do beneficiários do plano de


saúde, pois de forma unilateral rescindiu o contrato com esta Acionada, encaminhando uma
notificação.

Não se permite à parte, na defesa de seu direito, modificar, ao seu talante, a versão
dos fatos, pois, assim agindo, estará com o propósito de conduzir o Judiciário a uma falsa percepção da
realidade. A parte pode, e deve, discutir os efeitos jurídicos dos fatos ocorridos; nunca, porém, distorcer
as verdades dos fatos.

No mais, cumpre esclarecer que as atribuições da CONTESTANTE cingem-se à


administração da apólice em questão, conforme relação jurídica acima explicitada, de sorte que a
determinação da sentença jamais poderá lhe afetar, pois que que não tem qualquer ingerência no
cancelamento ora em questão, que é tratado exclusivamente entre a Entidade e Operadora.

Com efeito, o artigo 2º da Resolução Normativa 196 da Agência Nacional de Saúde –


ANS estabelece que as atribuições da Administradora de Benefícios cingem-se a:

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 74
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Art. 2º Considera-se Administradora de Benefícios a pessoa jurídica que propõe
a contratação de plano coletivo na condição de estipulante ou que presta
serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos privados de assistência
à saúde coletivos, desenvolvendo ao menos uma das seguintes atividades:
I – promover a reunião de pessoas jurídicas contratantes na forma do artigo 23
da RN nº 195, de 14 de julho de 2009;
II – contratar plano privado de assistência à saúde coletivo, na condição de
estipulante, a ser disponibilizado para as pessoas jurídicas legitimadas para
contratar;
III – oferecimento de planos para associados das pessoas jurídicas contratantes;
IV – apoio técnico na discussão de aspectos operacionais, tais como:
a) negociação de reajuste;
b) aplicação de mecanismos de regulação pela operadora de plano de saúde; e
c) alteração de rede assistencial.
Parágrafo único. Além das atividades constantes do caput, a Administradora de
Benefícios poderá desenvolver outras atividades, tais como:
I - apoio à área de recursos humanos na gestão de benefícios do plano;
II - terceirização de serviços administrativos;
III - movimentação cadastral;
IV - conferência de faturas;
V - cobrança ao beneficiário por delegação; e
VI - consultoria para prospectar o mercado, sugerir desenho de plano, modelo
de gestão.
Ademais, a mesma Resolução, em seu artigo 3º, traz informação vital ao bom
entendimento das atribuições desta Ré, vejamos:

Art. 3º A Administradora de Benefícios não poderá atuar como representante,


mandatária ou prestadora de serviço da Operadora de Plano de Assistência à
Saúde nem executar quaisquer atividades típicas da operação de planos
privados de assistência à saúde.

Vê-se, portanto, que não é atribuição da Administradora de Benefícios deliberar


sobre questões relacionadas à autorização ou negativa de procedimentos, de sorte que, não tem
legitimidade para figurar no polo passivo desta ação pois, uma vez tendo sido requerido o
cancelamento do plano de saúde pela Operadora, esta peticionante não tem como oferecer a
prestação do serviço de saúde por expressa vedação legal.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 75
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
A ANS, em seu site, disponibiliza esclarecimentos acerca das atribuições de uma
Administradora de Benefícios - ora contestante, e da Operadora de Plano de Saúde, através de um
quadro1 elucidativo que se copia abaixo:

Fica evidente, portanto, que a contestante, na condição de estipulante de planos


privados de assistência à saúde, coletivo por adesão, tem atuação claramente delimitada pela ANS - que
inclusive exige o regular registro para autorizar o funcionamento das administradoras de benefícios –
não se confundindo em nenhum aspecto com a atuação das Operadoras/Seguradoras de saúde.

Neste sentido é o entendimento jurisprudencial:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. PLANO DE SAÚDE COLETIVO. Ilegitimidade da


estipulante do contrato de assistência à saúde. Inteligência do art. 801 do
Código Civil. Beneficiário que deve dirigir a pretensão diretamente contra a
operadora do plano de saúde, para a execução do contrato. RECURSO
PROVIDO, PARA RECONHECER A ILEGITIMIDADE PASSIVA DA AGRAVANTE E
EXTINGUIR O FEITO, COM FUNDAMENTO NO ART. 267, INCISO VI, DO CÓDIGO
DE PROCESSO CIVIL. (TJSP, Agravo de Instrumento 990100665375. Relator(a):
Paulo Alcides. Comarca: Limeira. Órgão julgador: 6ª Câmara de Direito Privado.
Data do julgamento: 01/07/2010)

Mister se faz transcrever a decisão do MM. Juízo da 2ª Vara do Juizado Especial Cível
da Capital – Vergueiro – São Paulo, nos autos do processo nº 0005973-05.2011.8.26.0016, publicada em
15/07/2011, in verbis:

1http://www.ans.gov.br/index.php/planos-de-saude-e-operadoras/contratacao-e-troca-de-plano/dicas-para-

escolher-um-plano-de-saude/planos-coletivos

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 76
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Acolho a preliminar de ilegitimidade passiva da ré ACCESS CLUBE DE
BENEFÍCIOS, atualmente denominada QUALICORP ADMINISTRADORA DE
BENEFÍCIOS S/A, haja vista que, na qualidade de administradora de benefícios
está proibida de executar quaisquer atividades típicas da operação de planos
privados de assistência à saúde, não lhe cabendo, portanto, responder
solidariamente pela obrigação discutida nestes autos, como pretende o autor.
Assim, julgo extinta a ação, sem resolução do mérito, em relação à referida
corré, nos termos do artigo 267, inciso VI, do Código de Processo Civil.

Da mesma forma, é o entendimento 2ª Câmara de Direito Privado, Tribunal de Justiça


do Estado de São Paulo, nos autos do Agravo de Instrumento de nº 2057752-71.2015.8.26.0000,
publicada em 17/07/2015, vejamos:

“Conforme já salientado por este relator na r. decisão de fls. 356/358,


não obstante as alegações tecidas pela seguradora, a presença da
empresa Qualicorp não é necessária, embora pudesse figurar no polo
passivo da lide. Afinal, ela é mera estipulante dos planos de saúde
oferecidos pela Golden Cross por opção desta, agindo como sua
mandatária na emissão de boletos e recebimento de pagamentos. Se
ao cabo da ação a sentença for procedente, a inclusão da agravada no
plano mantido pela recorrente não precisa passar, necessariamente, pelo
crivo da intermediadora, que age conforme determina a Golden Cross.

A exclusão da agravada se deu por liberalidade da seguradora, não


possuindo a agravante qualquer ingerência sobre esse tipo de decisão,
se limitando a proporcionar a necessária intermediação das partes
contratantes mediante o envio de boletos para pagamento das
mensalidades do plano de saúde contratado.

Consigno que a presente decisão não causará prejuízo à autora posto


que a determinação consubstanciada na r. decisão agravada foi
mantida com relação à seguradora, Julgadora da C. 2ª Câmara de
Direito Privado nos autos do Agravo de Instrumento nº 2043726-
68.2015.8.26.0000.

Diante do exposto, pelo meu voto, DOU PROVIMENTO ao recurso para


julgar extinto o processo sem resolução do mérito, com relação à
agravante, reconhecida sua ilegitimidade passiva ad causam, com
fundamento no art. 267, inciso VI do Código de Processo Civil, nos termos
da fundamentação supra.” (Grifamos)

Conclui-se, desta forma, que a Administradora de Benefícios não tem qualquer


ingerência no cancelamento realizado pela Operadora, bem como na autorização ou negativa de
procedimentos. Desse modo, é parte ilegítima para figurar no polo passivo da presente demanda.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 77
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Portanto, deve o presente feito ser julgado extinto sem resolução de mérito, nos
termos do art. 485, VI, do Código de Processo Civil.

IV – DA VERDADE DOS FATOS

Trata-se de encerramento da carteira solicitado pela operadora CENTRAL


NACIONAL UNIMED.

O cancelamento foi processado mediante comunicado prévio. Fora ofertado novo


plano, Unimed Norte Nordeste.

Inicialmente, cumpre esclarecer que o contrato em questão, trata-se de contrato


coletivo por adesão, podendo este ser rescindido de forma unilateral a qualquer tempo.

Convém esclarecer que a parte autora estava ciente de tal possibilidade, tendo em
vista que há previsão nesse sentido no CONTRATO, assinado pela mesma no momento da contratação.

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 78
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Dito isso, recepcionamos notificação da Operadora, cientificando-nos acerca da
rescisão do contrato firmado com a QUALICORP. A decisão da CNU está prevista no contrato e
obedece a regulamentação da ANS. Cancelamento este, frisa-se, realizado pela operadora, mediante
critérios próprios, atuando a contestante como mera intermediadora da relação entre a parte autora
e a operadora.

Nota-se que a contestante cumpriu com a cláusula acima demonstrada, tendo


em vista que o cancelamento foi noticiado à parte autora mediante envio de carta simples, conforme
abaixo:

Novamente, saliente-se que o fato de ser o contrato assinado pela parte Autora
de adesão, por si só, não retira também a sua validade, tampouco faz presumir abusividade em suas

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 79
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
cláusulas, porquanto foram redigidas de forma clara e destacada no contrato, não podendo,
portanto, ser alegada a sua ignorância ou ilicitude.

Aliás, entendimento firmado pelo Colendo STJ – Superior Tribunal de Justiça -, ao


decidir caso idêntico ao presente, comunga desse entendimento. Confira-se o seguinte aresto:

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PLANO DE SAÚDE.

LIMITAÇÃO DE DIREITOS. ADMISSIBILIDADE. Os contratos de adesão


são permitidos em lei. O Código de Defesa do Consumidor impõe,
tão- somente, que "as cláusulas que implicarem limitação de direito
do consumidor deverão ser redigidas com destaque, permitindo sua
imediata e fácil compreensão." Destarte, ainda que se deva, em
princípio, dar interpretação favorável ao adquirente de plano de
saúde, não há como impor-se responsabilidade por cobertura que,
por cláusula expressa e de fácil verificação, tenha sido excluída do
contrato. Recurso não conhecido, com ressalvas quanto à
terminologia. (REsp 319707/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, Rel.
p/ Acórdão Ministro CASTRO FILHO, TERCEIRA TURMA, julgado em
07/11/2002, DJ 28/04/2003 p. 198)

Verifica-se, portanto, que o contrato entabulado entre as partes foi redigido de


forma clara e a Administradora agiu em perfeita consonância com ele, sendo, pois, necessário que
a escorreita observância da força obrigatória do contrato (pacta sunt servanda), sob pena de
DESEQUILÍBRIO CONTRATUAL e INSEGURANÇA JURÍDICA.

Relevante dizer que os contratos existem para serem cumpridos. É o princípio da


força obrigatória, segundo o qual o contrato faz lei entre as partes.

De tudo quanto exposto não merece acolhida a pretensão da parte Autora, uma
vez que restou comprovada a absoluta legitimidade do cancelamento realizado.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 80
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
V- DO ENCERRAMENTO DA CARTEIRA

Inicialmente, cumpre esclarecer que o contrato estabelecido nos autos se trata


de contrato coletivo por adesão, o qual a parte autora tinha ciência desde o momento da
contratação, tanto é que o assinou dando anuência à seus termos.

Ademais, importa esclarecer que a parte Autora menciona que o cancelamento


do seu plano de saúde teria sido indevido, porém, diferentemente do que pretende fazer crer, nada
há de abusivo na conduta da Ré.

O Plano teve o seu cancelamento em virtude da rescisão contratual. Nesse


sentido, conforme visto, as partes firmaram contrato coletivo, onde a Acionada figura como
Administradora de Benefícios dos planos de saúde contratados junto a Operadora de Saúde.

Nota-se que a parte autora, busca auxílio do poder judiciário, inconformada com
o cancelamento do plano, indo contra a cláusula contratual em relação à rescisão de forma
unilateral, o que não merece prosperar, uma vez que, a parte autora já tinha conhecimento dessa
possibilidade e ainda assim, concordou com os termos contratuais.

A operadora corré, valendo-se exatamente da referida


disposição contratual, enviou notificação a esta Acionada informando a rescisão, nos termos do
referido contrato, esclarecendo que a efetivação da rescisão, EM RESPEITO A TODAS AS
DISPOSIÇÕES CONTRATUAIS.

Assim, esta contestante, como administradora da apólice coletiva em questão,


não apenas enviou comunicado à autora, bem como a todos os beneficiários, informando-os acerca
do cancelamento da apólice pela operadora.

Não há que se falar em cancelamento indevido, haja vista que, conforme


demonstrado, há previsão contratual em relação à rescisão unilateral e uma vez a parte autora
estando de acordo, o contrato passou a fazer lei entre as partes.

Nesse sentido, destaca-se o recente entendimento do Egrégio Tribunal do


Distrito Federal e Territórios, em relação à inaplicabilidade do referido artigo aos contratos coletivos
por adesão, senão vejamos:

APELAÇÃO. PLANO DE SAÚDE. COLETIVO. RESCISÃO. LEI Nº

9.656/98. CONTRATO. ÔNUS DA PROVA. A rescisão de planos de


saúde contratados coletivamente não se submete às exigências

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 81
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
do artigo 13, parágrafo único, da Lei nº 9.656/98. Tendo as partes
acordado a rescisão contratual após 30 dias de inadimplemento
do beneficiário, compete a este demonstrar que o desligamento
ocorreu em desconformidade com o previsto. A inversão do ônus
probatório depende da verossimilhança das alegações e da
hipossuficiência do consumidor.

(Acórdão n.870605, 20130310106773APC, Relator: ESDRAS NEVES,

Revisor: HECTOR VALVERDE SANTANNA, 6ª Turma Cível, Data de


Julgamento: 27/05/2015, Publicado no DJE: 02/06/2015. Pág.:
363)

Importante demonstrar que a parte autora move a presente ação de forma


infundada, entretanto, em que pese os esforços e a boa-fé da acionada no sentido de tentar
minimizar os prejuízos, oferecendo novas opções à parte autora, a mesma não merece ser
responsabilizada por eventuais danos, vez que, frisa-se, a rescisão da apólice coletiva se deu por
iniciativa da operadora de saúde.

No mais, a rescisão da apólice coletiva obedeceu ao que dispõe o artigo 17 da RN


195 da ANS, que prevê:

“Art. 17 As condições de rescisão do contrato ou de suspensão de


cobertura, nos planos privados de assistência à saúde coletivos
por adesão ou empresarial, devem também constar do contrato
celebrado entre as partes.

Parágrafo único. Os contratos de planos privados de assistência


à saúde coletivos por adesão ou empresarial somente poderão
ser rescindidos imotivadamente após a vigência do período de
doze meses e mediante prévia notificação da outra parte com
antecedência mínima de sessenta dias.”

Portanto, esta administradora foi comunicada da rescisão contratual dentro do


prazo estabelecido na referida resolução, como já comprovado.

Ademais, conforme comprovante anexo, esta ré enviou correspondência ao


endereço da parte autora, bem como para todos os beneficiários, cientificando-o da extinção da
apólice coletiva, em cumprimento à sua obrigação decorrente do dever de informar.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 82
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
V.1 - A NATUREZA DO PLANO EM DEBATE: O PLANO COLETIVO POR ADESÃO

Frisa-se que, a parte Autora é vinculada a entidade de classe, e foi beneficiária


de Apólice de Seguro Saúde Coletiva, estando, portanto, submetida às regras aplicadas à
coletividade vinculada à avença.

Importa, também, reiterar que a Resolução nº 195 da ANS, de 14 de julho de


2009, a qual, juntamente com a resolução nº 196, regula os contratos de planos e seguros-saúde
coletivos por adesão, distingue de forma clara as três modalidades de planos privados de assistência
à saúde, como já se registrou nesta defesa e como, de resto, a própria Lei n. 9.656/98 define, ao
dispor que o Plano Privado de Assistência à Saúde pode ser (a) individual ou familiar, (b) coletivo
empresarial, ou (c) coletivo por adesão (art. 16, VII).

As definições das três modalidades estão na Resolução nº 195, da ANS:

PLANO DEFINIÇÃO
Individual ou Familiar “é aquele que oferece cobertura da atenção prestada para a livre
adesão de beneficiários, pessoas naturais, com ou sem grupo
familiar” (art. 3º)
Coletivo Empresarial “é aquele que oferece cobertura da atenção prestada à
população delimitada e vinculada à pessoa jurídica por relação
empregatícia ou estatutária” (art. 5º)
Coletivo por Adesão “é aquele que oferece cobertura da atenção prestada à
população que mantenha vínculo com as seguintes pessoas
jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial” (art. 9º)

O sistema de assistência privada à saúde se desenvolve em torno dessas três


modalidades de contratos ou planos, estando certo que o primeiro é de livre adesão a qualquer
consumidor, o segundo se reserva reservado aos empregados, sócios ou administradores de
determinada pessoa jurídica, e os últimos – coletivos por adesão – ao grupo de associados de
cooperativas, entidades profissionais representativas de classe ou sindicatos.

Diferenciam-se em muitos pontos os planos individuais dos planos coletivos,


entre os quais figuram os coletivos por adesão. Confira-se:

PLANOS INDIVIDUAIS PLANOS COLETIVOS


(empresarial ou por adesão)

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 83
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
(4) - Reajuste anual pela variação de custos - Reajuste anual para reequilíbrio
médico-hospitalares (“vcmh”), em econômico-financeiro do contrato –
REAJUSTES percentual determinado pela ANS; e art. 19, § 1º, Res. 195; e faixa etária.
reajuste por mudança de faixa etária. Não se sujeitam a aprovação da ANS.
- mais caro para o consumidor em razão - mais barato para o beneficiário
das exigências legais de cobertura e do - reajuste periódico em razão da
CONCLUSÕES grupo segurado indeterminado e da sinistralidade específica garante
inexistência de um estipulante. equilíbrio do contrato.
- não tão vantajoso para o consumidor - relação entre Operadora-Estipulante
- possibilidade de resolução pela e Estipulante-Beneficiário.
operadora. - Aparece a figura do GESTOR, que
- propenso ao desequilíbrio, haja vista gere o contrato em favor do
que reajustes são limitados pela ANS, Estipulante, atuando como seu
invariavelmente. intermediário.
- relação direta entre Operadora-
consumidor.

Como antes mencionado, a parte Autora, vinculada à entidade de classe,


contratou plano e seguro-saúde coletivo por adesão, estando, portanto, submetida às regras
atinentes à espécie.

Em suma, com o cancelamento do vínculo da operadora com a entidade de


classe, não há como permanecer prestando os serviços ora pleiteado para um cliente individual, já
que tratava- se de plano de natureza coletiva. Ademais, a extinção do plano anteriormente
usufruído impede a pretensão da autora. Sendo que, a Qualicorp disponibiliza outras opções de
plano de saúde para contratação.

VI - DA IMPROCEDÊNCIA DA PRETENSÃO INDENIZATÓRIA – AUSÊNCIA DO DEVER DE INDENIZAR –


FALTA DO NEXO DE CAUSALIDADE ENTRE O DANO SUPOSTAMENTE SOFRIDO PELA AUTORA E A
CONDUTA PRATICADA PELA ACIONADA

Na remota hipótese de se entender que houve conduta ilegítima por parte da Ré, o
que se admite apenas pelo princípio da eventualidade, ainda assim não se poderá condenar esta a
pagar indenização por danos morais e/ou materiais à Autora.

Há de ser observado que, para que haja a caracterização da ocorrência dos danos
morais e/ou materiais, deve ser provado o nexo de causalidade entre o fato gerador do dano e suas
consequências nocivas à moral e ao patrimônio do ofendido.

Para a comprovação do dano, impõe-se provar minuciosamente as condições nas quais


ocorreram às supostas ofensas à moral, boa-fé ou dignidade da vítima, a fim de que se verifiquem o
nexo causal existente entre a conduta e as consequências do fato para a vida da pessoa que o pleiteia.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 84
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Sobre o tema, é importante salientar que para que haja o dever de indenizar é mister
a existência do nexo causal:

“Para a responsabilidade civil não basta o dano, impõe-se a existência


de culpa, competindo a quem queira ser indenizado a prova da
configuração desse pressuposto, bem como do nexo de causa e efeito
entre o fato, e a lesão." (Ap cível n. 04.002116-0, de Laguna, Rel. Des.
Dionízio Jenczak, j. em 02.03.2004).

"Para caracterização da responsabilidade civil subjetiva devem


coexistir o ato ilícito, o dano, o nexo causal e a culpa. À míngua de
quaisquer dos requisitos legais, não medra a pretensão indenizatória"
(AC n.º 2002.012724-3, Des. Luiz Carlos Freyesleben).

"Não demonstrados pelo autor o dolo ou culpa, bem como o nexo de


causalidade entre o ato e o dano presumido, a pretensão indenizatória
não merece ser acolhida" (AC n.º 2003.014907-4, Des. Mazoni
Ferreira).

Portanto, necessário SERIA, para a condenação da Acionada, em danos morais e/ou


materiais, que existisse a demonstração, pela Autora, do nexo de causalidade entre o ato e o dano
presumido, o que, no caso em tela, não há como ser demonstrado, uma vez que não há, de fato,
conduta alguma por parte da Ré.

Com efeito, não existe indicação do comportamento da Ré que tivesse causado


prejuízos. E não poderia, haja vista a ausência de qualquer conduta da Ré que a tivesse prejudicado.

Nesse sentido, reitere-se que a Acionada, em momento algum praticou ato ou conduta
que ensejasse o dever de indenizar, uma vez o plano não fora implantado pelo não recebimento do
Contrato de Adesão.

Ora, no caso em comento, não se pode admitir que o dano moral tivesse emergido
do próprio fato (in re ipsa), eis que necessária comprovação de que houve um prejuízo. Mais que
isso, deve estar demonstrado que a conduta do agente deu causa a um dano.

Para que haja o dever de indenizar, necessária se faz a comprovação dos requisitos
que caracterizam a responsabilidade civil, quais sejam (i) ação ou omissão ilícita do agente; (ii) relação
de causalidade entre a ação e o dano provocado; (iii) o dano e, se subjetiva a responsabilidade, (iv) a
culpa.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 85
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Não é o que se verifica no presente caso, eis que a Autora fez uso de argumentação
aleatória e genérica no que tange à indicação de seus danos, os quais, a bem da verdade, não existem.

Com efeito, não existe indicação, comprovação e sequer alegação concreta quanto
aos danos morais supostamente experimentados pela Autora ou indicação do comportamento da Ré
que tivesse causado prejuízos. E não poderia existir, haja vista a ausência de qualquer conduta da Ré
que a tivesse prejudicada. Isto é, não há qualquer fato que autorize o pagamento de indenização por
danos morais, já que não se admite a responsabilização civil por prejuízo presumido.

Ademais, apenas os comportamentos que geram profundo abalo psíquico ao sujeito


são capazes de gerar a incidência da indenização por danos extrapatrimoniais, o que definitivamente
não é o caso dos autos.

Acaso este MM. Juízo venha a entender que de fato houve dano moral no caso
concreto, o que se admite apenas por uma eventualidade, o valor a ser arbitrado a esse título, como é
cediço, jamais poderá atingir elevada cifra, sob pena de enriquecimento sem causa e manifesta
desarrazoabilidade e desproporcionalidade entre o suposto dano e a reparação pretendida.

VII– DO QUANTUM INDENIZATÓRIO


Por fim, e na remota hipótese de ser a Ré condenada ao pagamento de indenização
a título de danos morais, o que se admite apenas por eventualidade, deverá possível condenação ser
arbitrada de acordo com os princípios norteadores da razoabilidade e proporcionalidade, evitando
assim eventual enriquecimento ilícito à outra parte.

Para tanto, se faz mister ressaltar que a quantificação do valor indenizatório deverá
levar em consideração a extensão da ofensa sofrida.

Sendo assim, caso V. Exª. entenda pela existência do alegado dano moral sofrido
pela parte autora e, ainda, pela responsabilização da Ré na reparação deste, deverá o quantum ser
arbitrado em montante razoável.

Destarte, isto porque no momento do arbitramento da indenização compensatória


deverá atuar como um verdadeiro avaliador, para sopesar com justiça as circunstâncias particulares
do caso apresentado, quais sejam, o dano causado à vítima, assim como a extensão de seu sofrimento.

Este é o entendimento que vem se consolidando em nossa doutrina e


jurisprudência, conforme se verifica abaixo, nas palavras do mestre Caio Mário da Silva Pereira, em
sua obra que trata do tema responsabilidade civil:

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 86
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
“A soma não deve ser tão grande que se converta em fonte de
enriquecimento, nem tão pequena que se torne inexpressiva. Os excessos só
levam à desmoralização do instituto.”
O princípio da razoabilidade aplica-se perfeitamente ao caso sob comento, tendo
sua conceituação, muito bem definida pelo mestre Luis Roberto Barroso, em sua obra “Temas de
Direito Constitucional”, conforme transcrição abaixo:

“Trata-se de um parâmetro de avaliação dos atos do Poder Público para aferir


se eles estão inconformados pelo valor superior inerente a todo
ordenamento jurídico: a justiça. É razoável o que não seja arbítrio ou
caprichoso, o que corresponda ao senso comum, aos valores vigentes em
dado momento ou lugar”.
Nesse passo, é o lapidar entendimento do Superior Tribunal de Justiça esposado no
julgamento de Recurso Especial de nº 283.319/RJ, tendo como Relator o Exmo Ministro Antônio de
Pádua Ribeiro, que obteve provimento, no sentido de reduzir o valor fixado a título de indenização
pelo dano moral.

“Decidir de acordo com critérios de razoabilidade significa atentar para as


peculiaridades do caso concreto e estabelece valores que possam significar
uma compensação à vítima – ainda que precária, pois dor não se contabiliza
– e ao mesmo tempo, um incentivo para que o ofensor não venha a incidir
novamente na conduta indesejada.”
Ora, a reparação do dano moral, do que acima se extrai, não pode ficar circunscrita
ao terreno do subjetivismo, gerando injustiças e excessos.

No entanto, como é sabido, não bastam meras alegações de dano de grande monta,
para que se configure o ilícito e o dever de indenizar.

Ao pleitear o recebimento de indenização por danos morais, deveria o requerente


ter demonstrado, efetivamente, a ocorrência e a dimensão do suposto dano, o que, no entanto, não
foi feito, impossibilitando, dessa forma, a condenação da empresa.

Sendo assim, o pedido autoral de indenização pelos supostos danos morais deve
ser julgado completamente improcedente.

Portanto, caso V. Exa. entenda que houve ato ilícito por parte da empresa Ré,
requer que sejam levados em consideração os arts. 186 e 927, caput e parágrafo único e ainda 944,
caput e parágrafo único, todos do Código Civil, já que fixando-se indenização a título de supostos
danos morais, esta não pode ser objeto de enriquecimento sem causa, conforme art. 884 do Código
Civil.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 87
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
VIII – DA INAPLICABILIDADE IN CASU DA INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA
Em face de princípio disposto na Lei de Ritos, artigo 373, inciso I, a prova
constitutiva do direito, incumbe a quem o alega, e a Acionante não logrou êxito em satisfazer esta
exigência.

Em que pese a legislação consumerista oferecer ao Magistrado, de modo geral, a


possibilidade da aplicação do instituto da inversão do ônus da prova, sob o fundamento de equilibrar
as relações advindas do consumo, tal aplicação não deve ser aplicada de forma absoluta.

Somente é autorizada a aplicação de tal instituto, se as alegações estiverem


precedidas de um lastro probatório mínimo, que contribuam para a formação de um juízo mínimo de
certeza do Magistrado, quanto a VEROSSIMILHANÇA dos fatos alegados pelo consumidor, bem como
quando restar, patente, a sua IMPOSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVAS.

No caso em tela, resta, mais uma vez, flagrante a ocorrência desta situação, haja
vista que a Autora não trouxe aos autos, qualquer elemento probatório que confirmasse ou mesmo
oferecesse indícios, de que os supostos fatos constitutivos de seu pretenso direito, tenham, sequer,
existido.

Muito pelo contrário, suas razões, basearam-se, apenas em suposições e alegações,


sem qualquer espeque fático, probatório e legal, devendo, portanto, seus pedidos, inclusos o da
inversão do ônus da prova, serem rechaçadas, in totum, por esse MM. Juízo.

IX – CONCLUSÕES E PEDIDOS

Por todo o exposto, requer seja a demanda julgada extinta sem resolução de
mérito, nos termos do artigo 485, VI, do Código de Processo Civil, pela ilegitimidade da Contestante.

Na hipótese de não entender desta forma este MM. Juízo, o que se admite apenas
pelo princípio da eventualidade, requer seja julgada improcedente a presente demanda, afastando-se
da contestante qualquer responsabilidade na lide, inclusive e especialmente quanto às condenações
postuladas.

Protesta pela produção de todas as provas admitidas em direito.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 88
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Requer, ademais, que as intimações sejam veiculadas em nome da advogada
RENATA SOUSA DE CASTRO VITA, inscrita na OAB/BA 24.308, com endereço profissional indicado na
procuração em anexo, sob pena de nulidade.

Nestes termos,
Pede deferimento.
Salvador, 19 de março de 2018.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 3023.5451 l TF 71 3012.0526 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: RENATA SOUSA DE CASTRO VITA Id. 62580935 - Pág. 89
Código de validação do documento: 60e7e1c6 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
CARTA DE PREPOSIÇÃO

Na forma dos poderes que me foram conferidos por QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS
S/A, pessoa jurídica de direito privado devidamente inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.658.098/0001-
18, com sede na Rua Dr. Plinio Barreto, 365 (parte), Bela Vista, Capital do Estado de São Paulo, CEP
01.313-020, neste ato representada por sua procuradora que esta subscreve RENATA SOUSA DE
CASTRO VITA, brasileira, advogada, inscrita na OAB/BA sob o nº 24.308 componente do escritório
ADVOCACIA CAIO DRUSO, com sede na Av. Tancredo Neves, n° 620, cj. 2305, Caminho das Árvores,
Salvador-BA, CEP 40820-020 nomeia e constitui como preposto(a) PATRÍCIA DA SILVA REIS, CPF:
038.206.395-35, RG: 12949543-34; VLADIMIR OLIANI DE MAGALHÃES JACOB, CPF: 015.056.795-24,
RG: 100159117-8 e HELDER MARQUES DE SOUZA, CPF: 031.039.705-79, RG: 11939988-16, a fim de
este(a) lhe represente perante a ação autuada sob nº 0000399-75.2018.8.05.0004, que lhe move MILA
XAVIER DOS REIS, em trâmite perante a 2ª Vara do Sistema dos Juizados – Alagoinhas podendo
transigir e prestar os esclarecimentos necessários

Salvador/BA, 19 de março de 2018.

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305 l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 4062.9377 l TF 71 4062.9387 l secretaria@caiodruso.adv.br
1

Assinado eletronicamente por: PAULA GORDILHO OTT Id. 62616583 - Pág. 90


Código de validação do documento: 60ed5246 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
SUBSTABELECIMENTO

Na forma dos poderes que me foram conferidos por QUALICORP ADMINISTRADORA DE


BENEFÍCIOS S/A, pessoa jurídica de direito privado devidamente inscrita no CNPJ/MF sob o nº
07.658.098/0001-18, com sede na rua Dr. Plínio Barreto, 365, Bela Vista, São Paulo/SP. CEP:
01.313-020, neste ato representada por sua procuradora que esta subscreve RENATA SOUSA DE
CASTRO VITA, brasileira, advogada, inscrita na OAB/BA sob o nº 24.308, componente do
escritório ADVOCACIA CAIO DRUSO, com sede na Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305, Caminho
das Árvores, Salvador-BA, CEP 40820 020 SUBSTABELEÇO, com reservas, ao advogado PAULA
GORDILHO OTT, inscrito na OAB/BA 23.394 e BRENDA DANDARA SOUSA GUIMARÃES, inscrito
na OAB/BA 54.599, a proceder as diligências necessárias nos autos do processo 0000399-
75.2018.8.05.0004, que lhe move MILA XAVIER DOS REIS, em trâmite perante a 2ª Vara do
Sistema dos Juizados – Alagoinhas, podendo transigir e prestar os esclarecimentos necessários.

Salvador, 19 de março de 2018

Av. Tancredo Neves, n. 620, cj. 2305 l Caminho das Árvores l Salvador-BA l CEP 40820 020
TF 71 4062.9377 l TF 71 4062.9387 l secretaria@caiodruso.adv.br

Assinado eletronicamente por: PAULA GORDILHO OTT Id. 62616584 - Pág. 91


Código de validação do documento: 60ed5250 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA COMARCA DE ALAGOINHAS
RUA CEL. FILADELFO NEVES, S/N. – FÓRUM EZEQUIEL PONDÉ – CENTRO
CEP:48.000-000 – ALAGOINHAS / BA
TELEFONE: (075) 3423-1018

AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO
PROCESSO NÚMERO: 0000399-75.2018.8.05.0004

REQUERENTE: MILA XAVIER DOS REIS


ADV.: ANA VERENA LOPES NOGUEIRA OAB/BA 24643

REQUERIDO(A): QUALICORP
ADV.: BRENDA DANDARA SOUSA GUIMARAES OAB/BA 54599
PREPOSTO: HELDER MARQUES DE SOUZA

UNIMED

Aos vinte dias de março de 2018, neste Juizado, às 08:34 horas, foi aberta a audiência dos autos em
epígrafe, estando presentes a parte autora e a 1ª parte acionada, acima qualificadas, acompanhadas de
seus respectivos advogados, bem como, na presença do Secretário desta unidade, Sr. ANDRÉ RICARDO
ALMEIDA RIBEIRO, diante da ausência do conciliador. Pelo Secretário, foi dito que: Compulsando os
autos, verifica-se que a UNIMED, apesar de devidamente citada para a presente audiência, não
compareceu nem justificou a ausência conforme informação do AR, nos eventos 9 e 10, recomendando-se
assim a revelia. Dada a palavra a advogada da 1ª acionada, a mesma disse que: Reitera os documentos
juntados nos eventos 13 e 15 do PROJUDI, ademais, requer que as publicações sejam feitas
exclusivamente em nome da Dr(a). Renata Sousa de Castro Vita, OAB/BA 24308, sob pena de nulidade.
Dada a palavra a advogada da parte autora para manifestar-se, a mesma disse que: Reitera os pedidos
elencados na inicial, especialmente o pedido de restabelecimento imediato do plano de saúde da autora.
Ademais, tendo em vista a ausência da ré UNIMED, que sequer apresentou defesa, requer, neste ato, que
seja decretada a sua revelia cominando-se com seus efeitos legais. Pede deferimento. De volta com a
palavra, pelo secretario foi dito que: Encaminhen-se os autos conclusos para SENTEÇA. Nada mais
havendo, foi determinado pelo secretário o encerramento do presente termo às 08:45 horas devidamente
assinado.

ANDRÉ RICARDO ALMEIDA RIBEIRO


SECRETÁRIO

REQUERENTE: ____________________________ ADV.: ____________________________

1º REQUERIDO(A): ____________________________ ADV.: ____________________________

Assinado eletronicamente por: ALEXSANDRO DOS SANTOS NEVES Id. 62620718 - Pág. 92
Código de validação do documento: 60edf3cc a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Assinado eletronicamente por: ALEXSANDRO DOS SANTOS NEVES Id. 62620881 - Pág. 93
Código de validação do documento: 60edfa2a a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Tribunal de Justiça do Estado da Bahia
PODER JUDICIÁRIO
ALAGOINHAS
VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - ALAGOINHAS - PROJUDI

FILADELFO NEVES, S/N, FORUM EZEQUIEL PONDE, CENTRO - ALAGOINHAS


alagoinhas-jec@tjba.jus.br - Tel.: 75 3422-1018
PROCESSO N.º: 0000399-75.2018.8.05.0004

AUTORES:
MILA XAVIER DOS REIS

RÉUS:
QUALICORP
UNIMED
SENTENÇA

Vistos etc.,

Dispensado o relatório com fulcro no art. 38 in fine da Lei n.º 9.099/95.

A hipótese dos autos versa sobre obrigação de fazer com pedido de indenização por dano moral.

DA REVELIA

Regularmente citada, a 1° Demandada não compareceu a audiência, razão pela qual decreto a revelia com seus
efeitos cabíveis.

Conforme disposto no art. 20 da Lei 9099/95, a revelia implica na presunção de veracidade do fato alegado pelo
autor, salvo se o contrário resultado da convicção do juiz.

Ressalte-se que embora aceitos os fatos como verídicos, cumpre ao julgador apreciar as consequências jurídicas a
serem extraídas, sendo necessária a análise das provas apresentadas pela Acionante.

Preliminar de Ilegitimidade Passiva

A preliminar arguída pela 2° Ré merece ser acolhida, tendo em vista que atua como administradora do plano de
Saúde e comprovou a rescisão contratual realizada unilateralmente pela 1° Acionada, não existindo, portanto, nexo
de causalidade entre os danos alegados pela Requerente e a sua atuação.

Do Mérito

Afirma a parte Autora que é beneficiária de plano de saúde Unimed, administrado pela Qualicorp. Sustenta que
recebeu a informação de que seu plano seria alterado para Unimed Norte/Nordeste, mas ao tentar realizar
atendimento médico, foi informada que o seu plano de saúde estava cancelado e, diante disso, teve que realizar o
pagamento de exame, no valor de R$130,00, e outro para sua filha recém-nascida no valor de R$ 100,00. Pelo
exposto, requer o restabelecimento do plano, a devolução do valor paga pelos exames, bem como indenização por
danos morais.

Primeiramente, cumpre observar que no caso sub judice estamos diante de uma típica relação de consumo, pois as
partes enquadram-se no conceito de consumidor e fornecedor nos termos dos artigos 2° e 3° da Lei 8.078/90.

Neste sentido, é assegurado ao consumidor a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do
ônus da prova, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as

Assinado eletronicamente por: JOAO BATISTA ALCANTARA FILHO Id. 62997188 - Pág. 94
Código de validação do documento: 612765a8 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
regras ordinárias de experiências (art.6, VIII, do CDC).

Da análise dos autos, verifica-se que a Autora logrou êxito em comprovar os fatos trazidos na exordial e somados a
isso, a 1° Requerida não apresentou qualquer prova capaz de desconstituí-los, não sendo possível eximir-se da
responsabilidade, sendo detectada a falha na prestação do serviço em razão suspensão dos serviços.

Cumpre esclarecer que a inversão estabelecida no §3° do art. 14 do CDC determina que a responsabilidade civil do
fornecedor, é ope legis, vale dizer, não está na esfera de discricionariedade do juiz. Assim, ocorrido o acidente de
consumo e havendo a chamada prova de primeira aparência, prova de verossimilhança decorrente das regras da
experiência comum, que permita um juízo de probabilidade, o CDC presume o defeito do serviço, só permitindo o
fornecedor afastar o seu dever de indenizar se provar que o defeito não existe.

No caso em apreço, a deficiente prestação dos serviços acabou por gerar dano moral à consumidora, relacionado
aos sérios percalços na busca de solução para o problema alusivo à impossibilidade de utilizar o plano de saúde nos
moldes contratados.

O pedido de dano material esta lastreado por provas documentais, desse modo, a restituição do valor pago pela
parte autora é medida que se impõe.

Posto isto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE a ação, nos termos do art. 487, inciso I, do Código de Processo
Civil vigente para condenar a parte Ré a:

a) restabelecer o serviço nos moldes contratados;

b) realizar o pagamento do valor de R$ 230,00 acrescidos de correção monetária e juros legais e

c) proceder ao pagamento de indenização por danos morais, levando-se em conta critérios de razoabilidade e
moderação, o valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), a ser devidamente acrescido de juros e correção monetária, a
partir deste preceito, em conformidade com a Súmula 362, do STJ.

Sem condenação ao pagamento de custas e honorários advocatícios, conforme regra ínsita no artigo 55 da lei
9.099/95

P.R.I.

Alagoinhas, 26 de março de 2018.

JOÃO BATISTA ALCÂNTARA FILHO


Juiz de Direito
Documento Assinado Eletronicamente

Assinado eletronicamente por: JOAO BATISTA ALCANTARA FILHO Id. 62997188 - Pág. 95
Código de validação do documento: 612765a8 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.
Vara do Sistema dos Juizados - ALAGOINHAS
RUA FILADELFO NEVES, S/N, FORUM EZEQUIEL PONDE
CENTRO
CEP: 48.000-000 / ALAGOINHAS - BA
EMAIL: alagoinhas-jec@tjba.jus.br

PROCESSO ELETRÔNICO: 0000399-75.2018.8.05.0004


PARTE(S) AUTORA(S): MILA XAVIER DOS REIS
PARTE(S) RÉ(S): QUALICORP
UNIMED

INTIMAÇÃO
Referente ao evento Julgada procedente em parte a ação(28/03/18)

Por ordem do(a) Excelentíssimo(a) Juiz(a) de Direito deste Juizado Especial, adverte-se a parte intimanda, acima
nomeada, da ocorrência de movimentação no processo eletrônico acima identificado e de que deve acessá-lo
para tomar ciência do estado em que ele se encontra e promover ato que lhe seja ali determinado ou
requerer o que for de direito, nos termos da lei, recaindo sobre si as consequências jurídicas que derivarem de
sua omissão.
Ressalte-se que o acesso à íntegra do presente processo faz-se através do endereço eletrônico
https://projudi.tjba.jus.br, a qualquer horário, mediante digitação do código individual de acesso ad4245e
no campo "Teor do Processo".

ALAGOINHAS, 2 de Abril de 2018.

Secretário(a)
Documento assinado eletronicamente

Assinado eletronicamente por: LUIZ EDUARDO CORREIA VILA NOVA JUNIOR Id. 63068186 - Pág. 96
Código de validação do documento: 61323b04 a ser validado no sítio do PROJUDI - TJBA.