Você está na página 1de 7

1

Introdução à metodologia

Os textos produzidos em âmbito acadêmico-científico (universidades, faculdades,


congressos, eventos científicos, publicações provenientes desses contextos etc.)
assumem, como todos os textos, a forma e a função de um gênero textual específico
e, consequentemente, inserem-se e circulam em um dado domínio discursivo, nesse
caso o domínio discursivo acadêmico.

O reconhecimento desses gêneros e as práticas sociais mediadas por eles


constituem um evento de letramento. Assim, um indivíduo letrado com os gêneros do
domínio discursivo acadêmico transita com maior facilidade na prática social em
contextos universitários, produzindo conhecimento para si e para o outro. O
letramento acadêmico é, então, uma forma de ser e de estar na Universidade, a
maneira que o indivíduo produz e recebe textos. O letramento acadêmico tem ainda
direta relação com a autonomia do indivíduo para exercer seu livre projeto de
discurso nas esferas acadêmicas.

São exemplos de gêneros textuais do domínio discursivo acadêmico, na modalidade


escrita: resenha, artigo, resumo, memorial, ensaio, dissertação, tese, monografia,
pôster. Na modalidade oral, destaquemos seminário, mesa redonda, comunicação
de pesquisa, simpósio, colóquio etc. Esses textos, assim como qualquer texto de
determinado gênero, em modalidade oral ou escrita, estão sob coerções situacionais
e funcionais tanto em relação à forma, quanto em relação ao conteúdo. No caso dos
gêneros textuais acadêmicos, ganham destaque as normas da ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas).

Vale destacar que um gênero acadêmico, ao assimilar as coerções situacionais e


funcionais, se legitima como tal, ganha força persuasiva sobre "o que" diz a medida
em que se conforma com "o como" diz. Assim, um dos meios de um texto em
domínio discursivo acadêmico investir-se de autoridade e de legitimidade é o
atendimento às normas técnicas.

Outro aspecto importante são as razões de ser das normas técnicas. Dentre os
motivos da importância das normas, ressaltemos:

- a ética e o respeito à produção intelectual e à sua autoria;


2

- a possibilidade de, por meio das fontes citadas, percorrer os caminhos de pesquisa
realizados pelo autor do texto a que se tem acesso ou que se produz;

- clareza de ideias, assertividade e objetividade;

- a escolha do gênero apropriado ao projeto de discurso individual e a relativa


padronização de sua forma;

- a implementação de leitura e de produção dos gêneros desse domínio discursivo a


partir de atividades de letramento;

- o rigor científico da pesquisa e sua consequente validade e relevância no domínio


discursivo acadêmico;

Elencamos a seguir algumas características comuns a diversos gêneros textuais


acadêmicos. Quando estudamos um gênero temos que atentar para três fatores
"estilo, estrutura e conteúdo". Em relação ao estilo atentemos à linguagem e aos
recursos de linguagem utilizados (expressão - como se diz o que se diz) em
trabalhos científicos. Utilizam-se comumente: (quando o autor se propõe no texto
como sujeito) a 1ª pessoa do plural (Nós) ou a impessoalização; a norma padrão da
língua; clareza de ideias (o trabalho deve se explicar por si só em todas as partes).
Utilizam-se, preferencialmente, fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12,
espaço entre linhas 1,5; parágrafo Americano ou Europeu (nesse texto introdutório
optamos pelo parágrafo americano)1, margens superior e esquerda 3 cm e inferior e
direita 2 cm, margens justificada, utilização adequada das formas de citação e de
referenciação, conforme veremos a seguir.

Quanto ao conteúdo e à estrutura haverá maior variação de acordo com o gênero


específico escolhido.

Trabalhos acadêmicos - aspectos comuns

1
O parágrafo estilo europeu é aquele em que há um recuo da margem , mantendo o espaçamento
entre-linhas inalterado. No parágrafo americano, há um espaçamento duplo entre linhas, mantendo o
alinhamento à margem.
3

 Preliminares2

Capa: nome da universidade; título do trabalho; nome do aluno; local e ano.


Página de rosto: nome do aluno; título; texto informando a que se destina o
trabalho; nome do orientador (ou professor); local e ano.
*Página da aprovação: título; aluno; nomes dos integrantes da banca; cabeçalho
com dia, mês e ano. (para monografias, teses, dissertação ou trabalhos avaliados
em bancas).
*Dedicatória: pequeno texto que dedica o trabalho a alguém (opcional para
monografias, teses, dissertação).
*Agradecimentos: (para monografias, teses, dissertação)

Resumo: texto que ocupa no máximo uma página em que se utiliza palavras-chave
e se aborda pontos básicos do trabalho: o quê, quem, como, quando, onde, por que,
para que...
Abstract: resumo em inglês (só para dissertação e tese)
Sumário: relação de páginas e números das páginas do trabalho.

 Corpo do Trabalho (bastante relativo devido às variadas possibilidades de


projetos, aqui expusemos um padrão relativo de monografia, tese ou
dissertação)

Introdução: (conta-se o número de páginas a partir da página de rosto, porém só se


coloca a numeração a partir da introdução) – nessa parte do trabalho sugere-se que
se faça uma contextualização do tema pesquisado, relevância, apresenta-se o
objeto de pesquisa, motivações, metodologia (método) pode se, ainda, descrever as
partes integrantes do trabalho – capítulos (e o que foi realizado em cada um deles).

Capítulo I: a partir desse capítulo iniciamos o desenvolvimento do trabalho,


apresenta-se a fundamentação teórica e os principais argumentos que serão
utilizados na pesquisa (opiniões, citações, fatos, estatísticas).

2
Embora haja a contagem de páginas a partir da folha de rosto, a numeração deverá aparecer a
partir da página de Introdução (a parte preliminar não recebe a inscrição da numeração). A
numeração deve ser inserida na parte superior direita do trabalho.
4

Capítulo II: a partir desse capítulo iniciamos as exposições, argumentações, dados


e análises realizadas no trabalho. Nessa parte começa a aparecer o trabalho de
pesquisa direcionado ao objeto de pesquisa. A partir desse capítulo, podemos
utilizar quantos capítulos forem necessários para o desenvolvimento do trabalho.
Sugere-se que se divida o capítulo em títulos e subtítulos numerados.
Conclusão (ou Considerações Finais): é o ponto de chegada da pesquisa o que
foi apurado com dados, pesquisas e análises realizadas, juntamente com a
fundamentação teórica. A conclusão que se teve após a análise, se existe a
possibilidade de se propor soluções para os problemas abordados, recomendações,
sugestões, etc.

 Parte Referencial

Anexos: partes do trabalho que não puderam ficar no corpo do trabalho – figuras
muito grandes, gráficos, textos de entrevistas, mapas etc.

Referências: fontes de consulta livros, sites, revistas todas devem estar


relacionadas em ordem alfabética e de acordo com as normas da ABNT3.

Livros

SILVA, L. N. Líder sábio: novo perfil de liderança do terceiro milênio. Rio de Janeiro:
Record, 1998.

PENA, Luis Carlos Martins. Juiz de Paz da Roça. Fonte: Ministério da Cultura.
Disponível em <www.dominiopublico.gov.br> Acesso em: 21 out. 2008.

WAGNER III, J. A.; HOLLENBECK J. R. Comportamento organizacional:


Criando vantagem competitiva. São Paulo: Saraiva, 1999.

Webiografia

CENSURA MUSICAL. Disponível em <http//www.censuramusical.com.br>. Acesso


em 10.12.2012.

“JÔ ONZE E MEIA” (SBT), 1991. Disponível em:


<https://www.youtube.com/watch?v=iN6uYkXL8Ms>. Acesso em 24/10/2010.

3
Normatização na NBR 6023.
5

Documentários

Brasil, ontem, hoje, amanhã. direção: Olívio Tavares de Araújo. Produção: Agência
nacional. Rio de Janeiro, 1975. 50 min. Disponível em:
<http://www.videotecas.armazemmemoria.com.br>. Acesso em 20.03.2012.

Chico Buarque - Vai Passar. Direção: Roberto de Oliveira. Produção: EMIBR, São
Paulo – SP, 2005. 100 min. DVD

Dia que Durou 21 Anos, O. Direção: Camilo Tavares. Pequi filmes. São Paulo – SP,
2013. 77 min. DVD.

João Goulart: Jango. Direção: Maria Paula Araújo; Toninho Muricy; Sergyo Rocha.
Produção: Caliban Produções, Rio de Janeiro – RJ, 2000. 114 min. DVD.

Noite em 67, Uma. Direção: Renato Terra; Ricardo Calil. Produção: Video filmes
produções artísticas, Rio de Janeiro – RJ, 2010. 85 min. DVD.

Regime Militar no Brasil (1964: 40 anos depois), O. Direção: Cesar Mendes e


Chico Sant‟anna. TV Senado, Brasília – DF, 2004. 144 min. DVD.

Revistas

ROLLING STONE, São Paulo: Ed. Spring, n° 61, ano 5, out. 2011.

Citações

Modelo 1 - Citação direta de até 3 linhas

Para fazer citações literais podemos utilizar o mesmo parágrafo se a citação tiver até
3 linhas, utilizando aspas e sempre colocando a fonte:

Exemplo:

Tais especificidades nos permitem abordar algumas conceituações propostas por


Marcuschi (1999, p. 10) ao postular que: “Manter a coerência num texto linear tal
como o impresso é tarefa que fica a cargo primeiro do autor e, depois, do leitor. [...]".
Assim, em interações na internet, temos como papel fundamental, e ainda
intensificado, o papel do leitor como o elemento central de coerência em hipertextos.
6

Modelo 2 - Citação direta com mais de 3 linhas

Com citações de mais de 3 linhas utilizamos um parágrafo específico recuado à


direita 4 pontos, sem aspas, e com a fonte menor (em geral fonte 11), espaçamento
entre-linha de 1.0.

Exemplo:

O elemento inovador do hipertexto e que realmente o diferencia de um texto


impresso é a topografia e sua apresentação virtual. Sobre o hipertexto Marcuschi
afirma que:

Neste sentido, imagino que as teorias do texto, tal como as


conhecemos, auxiliam na compreensão do funcionamento do
hipertexto. A inovação trazida pelo hipertexto não está no uso
específico da língua enquanto atividade sócio-cognitiva, mas na sua
apresentação virtual. [...] (MARCUSCHI, 2000, p.17)

Modelo 3 - Citação indireta

Podemos também citar um autor com nossas palavras (parafraseando-o), utilizando


as ideias do autor, nesse caso, citamos a fonte da mesma forma, mas não usamos
nem aspas, nem recuo de margem.

Exemplo:

Podemos acrescentar ao que vimos expondo sobre a conversação o que aborda


Levinson (1983, p. 284) que trata a conversação como um gênero básico da
interação humana, uma vez que a linguagem é de natureza essencialmente
dialógica. Dessa forma, se levarmos em consideração a conversação na perspectiva
do ambiente virtual teremos uma transmutação dos elementos da conversação
tradicional para os ambientes virtuais de comunicação síncrona.

Dica4

4
Dica: nas páginas, durante o desenvolvimento do trabalho, para aumentar a clareza das ideias,
pode-se utilizar o recurso notas de rodapé. Utilize esse recurso sempre que precisar utilizar uma
expressão explicativa que não possa ficar diretamente no parágrafo que se está desenvolvendo. -
também com fonte menor (11)
7