Você está na página 1de 32

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO

Lamego

Trabalho realizado por:

Andreia Paiva, nº1771

Carlos Moura, nº 2121

GTCP
Índice

Introdução .................................................................................................... 3

Recursos Turísticos de Lamego ................................................................. 4

Ficha de Recursos Turísticos...................................................................... 8

Análise de Atividades anuais da Câmara Municipal de Lamego ......... 12

Viver Lamego............................................................................................. 16

Parcerias do Viver Lamego ...................................................................... 17

Projetos – intervenções do Viver Lamego............................................... 18

UOR B: Eixo Barroco1ªFase .................................................................... 23

Análise do Município ................................................................................ 25

Mostra da Cereja da Penajóia – 3ª Edição ............................................. 26

Pontos Forte e Pontos Fracos ................................................................... 27

Conclusão ................................................................................................... 29

Apêndice ..................................................................................................... 30

Bibliografia: ............................................................................................... 32

2
Introdução

Trabalho constituído por três fases, no âmbito da disciplina de Gestão Autárquica


dos Recursos Turístico-Patrimoniais.
Sendo este o primeiro relatório, o principal objetivo é analisar os recursos
primários existentes na cidade.
O local escolhido foi a cidade de Lamego, pelo seu vasto património cultural.
Foram postos em prática conhecimentos obtidos nesta e em outras disciplinas
lecionadas.
O trabalho é realizado em quatro momentos. O primeiro momento é baseado na
elaboração de um inventário dos recursos existentes na cidade de Lamego.
O segundo momento é a análise do Plano de Atividade do Município e do Plano
Plurianual de Investimentos. Estes dois planos permitem nos verificar qual a
importância do Turismo no Município.
O terceiro momento fundamenta-se na avaliação dos instrumentos de gestão, de
planeamento e de desenvolvimento turístico da autarquia.
No último e quarto momento, é referido os ponto forte e os pontos fracos do
Município de Lamego.

3
Recursos Turísticos de Lamego

Lamego. É a 2ª maior cidade do Distrito de


Viseu, situa-se na Região Norte, na margem sul do Rio
Douro.
Cidade com vasto património histórico e
monumental, contendo monumentos, casas brasonadas e
igrejas e capelas. É uma cidade cheia de história e
cultura. É diocese portuguesa.
A cidade é conhecida pela produção de vinhos e
vinhos espumantes e pela sua gastronomia.
De seguida estão referenciados todos os recursos Turísticos presentes na cidade
de Lamego.
Património Natural:

- Rios: Rio Varosa, Rio Cabril, Rio Balsemão e Rio Douro.

- Áreas de Proteção da Natureza: Parque Biológico Serra das Meadas

- Espaços Naturais de Recreio e Lazer: Jardim da República, Parque Isidoro Guedes,


Jardim da Avenida Visconde Guedes Teixeira.

- Miradouro: Miradouro do Alto da Senhora dos Remédios, Miradouro da Boa Vista

- Árvores Classificadas: Castanheiros (situados na Senhora dos Remédios).

Património Cultural:
-Monumental:

 Estações e Vestígios Arqueológicos: expostos no Museu de Lamego.

 Igrejas/Capelas/Ermidas: Igreja do Convento das Chagas, Igreja do Desterro,


Igreja Sª Maria Almacave, Igreja Sº Francisco, Sé Catedral de Lamego, Capela
Espírito Santo, Capela Nª Sª dos Meninos, Capela Sr. dos Passos, Capela Nª Sª da
Boa Esperança.

4
 Elementos Escultóricos: Bispo D. Miguel de Lamego, Busto de Fausto Guedes
Teixeira, Busto ao Dr. João de Almeida, Estátua ao Bombeiro Voluntário,
Estátuas das Quatro estações, Estátua ao Trabalhador Rural, Estátua do
‘Cochicho’, Estátua o ‘Lamego’, Estátua de Osório da Mota, Pátio dos Reis,
Soldado desconhecido.

 Edifícios c/ Valor Arquitetónico Relevante: Castelo (Torre, Muralha e


Cisterna), Casa das Brolhas, Casa dos Condes de Alpendurada, Casa de Santa
Cruz, Casa dos Pinheiros, Casa do Poço, Colégio Imaculada da Conceição,
Edifícios do Antigo Seminário, Museu de Lamego, Teatro Ribeiro Conceição,
Paço Episcopal, Palacete dos Pinheiros de Aragão.

 Aglomerados Urbanos com Valor Arquitetónico: Bairro do Castelo, Bairro da


Ponte, Rua da Olaria ou dos Sapateiros e Rua Seara.

- Etnográfico:

 Artesanato: cestaria, correaria, ferro forjado, funilaria, marcenaria, máscaras,


olaria, vestuário, tecelagem, talha dourada.

 Rancho Folclórico: Rancho Regional de Fafel (Laranja)

 Trajes: Tradicional Traje de Lamego

Imagem nº 1- Típicos trajes de Lamego

5
- Industrial:

 Moinhos: (fora de serviço) no Bairro da Ponte.

 Lagares de azeites: Alvéolos.

 Lagares de vinho: Adega Cooperativa de Lamego e Raposeira (produção de


espumantes).

 Outra Indústria: Biscoito da Teixeira (Ponte), Ferreiro (Ponte), Panificação


(Rina), Produção de fogo-de-artifício, Produção de fumeiros.

Equipamentos:

-Culturais:

 Biblioteca: Biblioteca Pública Municipal de Lamego

- Desportivos:

 Campos de Jogos: Cinco polidesportivos ao ar livre e Estádio Municipal


Senhora dos Remédios.

 Pavilhões Multidesportivos: Pavilhão Desportivo Álvaro Magalhães.

 Complexos Desportivos: Complexo Desportivo de Lamego.

 Piscinas: Piscinas Municipais Descobertas e Cobertas.

-Recreativos: Teatro Ribeiro Conceição.

-Lazer:

 Parques/Jardins: Alameda Isidoro Guedes, Jardim da República, Mata das


Brolhas, Mata Nª Senhora dos Remédios, Parque Biológico Serra das Meadas.

- Negócios: Pavilhão Multiusos e Centro de Estágios (Complexo desportivo de


Lamego).

6
Eventos:

-Religiosos:

 Celebrações e Festividades Religiosas: Nª Sª do Amparo de Alvéolos, Nª Sª


dos Aflitos, Nª Sª dos Meninos, Nª Sª dos Remédios, São João, feira de Santa
Cruz, São Lázaro, S. Pedro de Balsemão e S. Benedito, Semana Santa.

- Culturais e Recreativos:
 Festas e Romarias: Cerimónias da Semana Santa, Feira 3 de Maio / Santa Cruz,
Feira Franca, Feira de Santo Estêvão (26 de Dezembro), Festa de Nª Senhora
dos Meninos (18 a 20 de Setembro), Festas da Senhora dos Remédios, Festa de
São João (24 de Junho), Festa de Nª Senhora dos Aflitos (3.º domingo de Julho).

 Exposições: feira da Bola, feira da Gastronomia, feira Medieval (Bairro do


Castelo).

 Mostra de Artesanato: feira de Santo Estêvão, loja de artesanato.

 Gastronomia: biscoito da Teixeira, bolas de Lamego, bolo podre, enchidos,


espumante, doce-de-ovos, milhos com entrecosto, trutas de escabeche.

- Animação:

 Jogos Desportivos: Sporting Club de Lamego, Andebol Clube de Lamego,


Ténis Clube de Lamego, HCL - Hóquei Clube de Lamego, Liceu de Lamego-
Voleibol, AV Lamego Ténis-de-Mesa, Minigolfe Clube de Lamego.

 Programas e Iniciativas Turísticas: Plano Desenvolvimento Turístico do Vale


do Douro 2007-2013.

7
Ficha de Recursos Turísticos

Neste ponto do trabalho, apresentamos os Recursos Turísticos que selecionamos


com maior Importância na Cidade de Lamego.

Sé de Lamego

Imagem nº 2- Sé Catedral de Lamego

Situa-se na Avenida Visconde Guedes Teixeira – Lamego.


É um monumento Nacional, do Património Cultural Monumental.
O seu estado de conservação é nível 7.
Não existe acessibilidade para pessoas com deficiência visual nem auditiva.
É uma Catedral Gótica, construída em 1129. Ainda mantem a torre original. No séc.
XVII, a diocese de Lamego, mandou modificar o espaço, para obter um templo mais
amplo. Com o passar do tempo, a Sé passou a ter vários tipos de períodos históricos,
sendo o original o românico.
Castelo

Imagem nº 3- Castelo de Lamego

8
Situa-se no Bairro do Castelo, Lamego.
O seu estado de conservação é nível 6.
É um monumento Nacional, do Património Cultural Monumental. É um Edifício com
valor arquitetónico relevante.
Monumento do Séc. XII, ainda tem os muros defensores, carecendo apenas as ameias. A
torre de mensagem de forma quadrangular, é a única peça que sobra do antigo castelo.
Contém duas entradas, a porta do Sol voltada para Sul e a porta dos Figos voltada para
Norte.
A sua facilidade de acesso é boa para deficientes motores, mas não contém nada em
braile.
A torre do Castelo está em construção para Museu Militar.

Museu de Lamego

Imagem nº 4 –Museu de Lamego

Situa-se no Largo dos Camões, Lamego.


É monumento Nacional, património cultural monumental. É um edifício com valor
arquitetónico relevante.
O seu estado de conservação é nível 8.
A sua acessibilidade é muito boa. Existem meios de transporte que facilitam a chegada
ao seu destino. Os deficientes visuais terão mais problemas devido ao fato de não
poderem tocar nos objetos, assim como os deficientes auditivos que não têm nenhum
guia com formação específica em linguagem gestual.
Construído no séc. XVIII, o museu está inserido no antigo Paço Episcopal. Foi mando
construir pelo Bispo de Lamego, D. Manuel de Vasconcelos Pereira.

9
Este museu tem uma grande importância para as Artes e Património no panorama
regional, nacional e internacional. Contendo no seu interior as cinco tabuas de Grão
Vasco.

Teatro Ribeira Conceição

Imagem nº 5 – Teatro Ribeiro Conceição

Situa-se na Avenida Dr. Alfredo de Sousa ou Largo dos Camões, Lamego.


É Património cultural. O seu estado de conservação é nível 8.
Não contém entrada para deficientes motores, existindo também dificuldades para
deficientes visuais e auditivos.
Construído em 1721 para funcionar como hospital. Em 1886 foi quartel regimento da
cidade de Lamego.
Em 1924 foi vendido e presenteado com homenagem por parte da atriz Lucília Simões.
O teatro passou a acolher espetáculos de teatro, circo, cinema, dança, música e ópera.
A 1989, fechou as portas. E em 1993 a Câmara de Lamego, consegue a maior parte do
teatro e realiza obras de recuperação do edifício.
Em 2008, o Teatro é inaugurado com a presença do Presidente da República Doutor
Aníbal Cavaco Silva.

10
Santuário e Escadório da Nossa Senhora dos Remédios

Localizada no Parque dos Remédios, Lamego. É


património Cultural Monumental. O seu estado de
conservação é nível 9.
Tem boa acessibilidade para deficientes motores,
existindo dificuldades para deficientes auditivos.
Construído em 1761, este monumento é constituído por
686 degraus. Todos os patamares estão decorados com
fontes e painéis de azulejos, o primeiro é o patamar do
Pátio dos Reis.
A festa é realizada entre o final do mês de Agosto e o
início de Setembro.
Imagem nº 6 – Escadório e Santuário da Senhora dos Remédios

Parque Biológico da Serra das Meadas

Imagem nº 7 – Parque Biológico da Serra das meadas

É património Natural, e está situado na Avenida Padre Alfredo Pinto Teixeira, Lamego.
O seu estado de conservação é nível 4.
Tem boa acessibilidade para deficientes motores e para deficientes visuais que podem
entrar em contato com o meio ambiente. Mas os deficientes auditivos tem dificuldades.
Está a 75 km de Lamego, localizado na Serra das Meadas. O seu objetivo é a
preservação das espécies.

11
Análise de Atividades anuais da Câmara Municipal de Lamego

Nesta fase, analisamos o Plano de Atividades Municipal e o Plano Plurianual de


Investimentos, referentes ao ano de 2013.
Nos dois planos analisados, os sectores de maior relevância para este trabalho, são
três, o Turismo, a Cultura e o Recreio e Lazer.
De seguida apresentamos os gráficos e as respetivas tabelas realizadas pelo grupo.

Plano Plurianual de Atividades Ano em Curso Total

Cultura 434120,05

Aquisição e Recuperação de Edifícios para Centros de Artesanato, das Artes e Ofícios Tradicionais 56500

Serviços Culturais, Recreativos e Religiosos 1113772,55

Semana Santa 7520,5

Centro de Acolhimento de Artistas 75050

Total Cultura 1686963

Desporto Recreio e Lazer 679652,5

Animações Desportivas e Culturais 447600

Animações Desportivas e Culturais 132800

Total Desporto Recreio e Lazer 1260052,5

Turismo 546187,49

Douro Aliance 132500

Douro Emoções 20000

Douro Aliance 14035

Viver Lamego 48652,49

Viver Lamego - Agenda do Castelo 26126,91

Viver Lamego - Gestão e Animação do Programa de Ação 22525,58

Programa de Intervenção do Turismo - PIT 244250

Requalificação do Largo da Feira 65000

Festas da Cidade 321470,49

Festival da Bôla de Lamego - Douro de Emoções 239

Comércio e Turismo 556317,39

12
Festas da Cidade 314800

Mercados e Feiras 10129,9

Feira de Santa Cruz 10129,9

Total Turismo 2323247,2

Total 5204329,2

Outros Investimentos 14733988

Total Geral 19938317,94

Fonte: Elaboração Próprio

Plano de Atividades Municipal


2013
Cultura
8%
6%
Desporto Recreio e Lazer
12%
Turismo
74%
Outros Investimentos

Fonte: Elaboração Própria

Analisando o gráfico, verificamos que as atividades realizadas nos 3 sectores


selecionados, é relativamente baixo. Sendo o Turismo o que apresenta um valor mais
alto em relação ao outros dois.

13
Plano Plurianual de Investimentos 2013 Ano em Curso

Turismo

Douro Aliance 166 000,00

Comércio e Turismo 386 250,00

Mercados e Feiras 186 250,00

Turismo 200.000,00

Programa de Intervenção do Turismo - PIT 200.000,00

Total Turismo 1.138.500,00

Desporto, recreio e lazer

Desporto, recreio e lazer 1.421.500,00

Parques Infantis e Polidesportivos 42.500,00

Pavilhão Desportivo de Penude 1.029.000,00

Parque Biológico da Serra das Meadas 10.873,00

Parques e Jardins - Construções e Recuperações 4.320,00

Requalificação do Cais de Bagaúste e Adap. Para Desportos não Motorizados 305.000,00

Intervenções em Equipamentos Desportivos 45.000,00

Total Desporto Recreio e Lazer 2.858.193,00

Cultura

Viver Lamego - Centro Histórico - Zona do Castelo/Eixo Barroco 1.836.550,00

Viver Lamego - Adaptação e Recuperação da Cisterna a Espaço Público 211.750,00

Viver Lamego - Adaptação e Recuperação do Castelo de Lamego a Museu Militar 138.200,00

Viver Lamego - Adapt. E Recup. De 2 Edif. No Centro Hist. A Centro Desing/Museu Prata 453.000,00

Viver Lamego - Recup. E Requalificação do Bairro do Castelo (Espaço Público) 800.000,00

Viver Lamego - Recup. E Adapt. Do Edif.Denominado "Padaria do Cantinho" para Sede dos Escuteiros 233.600,00

Viver Lamego - Centro Histórico - Zona do Castelo/Eixo Barroco 5.104.179,70

Viver Lamego - Aquis. e Recup. de Edif. Para Centros de Artesa., das Artes e Ofí. Tradi. E de Acolhi/o de Artistas 826.000,00

Viver Lamego - Aquis. E Recup. de Edif. A Centro de Atividades Ocupacionais do Castelo 97.800,00

Viver Lamego/Gestão e Animação do Programa de Acção - Requalificação do Espaço Públ. Denomi. Eixo Barroco 3.082.212,70

Viver Lamego - Requalificação do Largo da Feira 1.098.167,00

Serviços Culturais, Recreativos e Religiosos 1.421.500,00

Remodelação do Mercado Municipal de Lamego 186.250,00

Total Cultura 15.489.209,00

Total 19.485.902,00

Outros Investimentos 6.382.440,00

14
Total Geral 25.868.342,00

Fonte: Elaboração Própria

Plano Plurianual de Investimentos


2013

Cultura
25%
Turismo

Desporto Recreio e Lazer


11% 60%
Outros Investimentos

4%

Fonte: Elaboração Própria

Observando o gráfico do Plano Plurianual de Investimentos, verificamos que o


maior investimento foi feito a nível da Cultura. Sendo sector Turismo, o mais
importante, mas o que apresenta o valor mais baixo de investimentos.
Mas o nível da Cultura, está interligado com o de Turismo, os investimentos vão
contribuir para a melhoria da imagem da cidade, contribuindo para sua atratividade em
termo turísticos.

15
Viver Lamego

O Viver Lamego é um projeto que ainda está em curso na cidade. Fazemos a sua
referencia no trabalho pelo facto de ser um projeto muito importante, tanto ao nível da
estética, como das recuperações do Património existente na Cidade.
Este projeto é para valorização e integração urbana do Centro Histórico de
Lamego. Os principais pontos de intervenção são o Bairro do Castelo, o Eixo Barroco, o
Santuário e Mata dos Remédios e o Parque Urbano.
O centro histórico vai contribuir para uma melhor qualidade de vida para os
habitantes.
No local de intervenção nota-se um enorme valor a nível patrimonial e cultural, o
que vai reforçar a sua revitalização e reabilitação.
O objetivo deste projeto é englobar a área destinada, a espaços públicos,
realçando, assim a importância do meio ambiente no território.
Uma das vantagens deste projeto é o facto de promover e melhorar a oferta
turística que a cidade tem para oferecer.

16
Parcerias do Viver Lamego

• Santa Casa da Misericórdia de Lamego;


• LAMEGORENOVA - Construção e Gestão de Equipamentos, SA.,
• APITIL - Associação para a Infância e Terceira Idade de Lamego;
• Associação Beira-Douro;
• Associação Empresarial de Lamego;
• Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lamego;
• Associação Portas Para a Vida;
• Associação Portuguesa de Municípios com Centro Histórico;
• CRAT – Centro Regional de Artes Tradicionais;
• Direcção Regional de Cultura do Norte;
• EDP;
• Escola EB 2/3 de Lamego;
• Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Lamego;
• Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego;
• Escoteiros de Lamego;
• Escuteiros de Lamego;
• InovaLamego, Bienal da Prata SA;
• Irmandade Militar de Nossa Senhora da Conceição;
• Junta de Freguesia da Sé;
• Junta de Freguesia de Almacave;
• Lamego Convida, EM.

17
Projetos – intervenções do Viver Lamego

Imagem nº 8 – Mapa de Lamego.

UOR A: Bairro do Castelo – 1ªfase

A.1 Requalificação do Espaço Público do Bairro do Castelo - OP.423


Objetivos
• Requalificação do espaço público do Bairro do Castelo e das ruas adjacentes
designadamente Rua da Olaria, Rua da Cisterna, Rua do Castelo, Rua do Castelinho,
através da colocação de mobiliário urbano e remodelação das infra-estruturas e
pavimentos existentes;
• Melhoria da qualidade visual da paisagem urbana e valorização do conjunto
histórico, nomeadamente no que concerne aos arruamentos e aos espaços de estadia e de
lazer.

Imagens 9 e 10 -
Relativas ao Bairro do
Castelo

18
A.2 Centro de Design e Estudos da Prata - OP.450

Objetivos
• Reconstrução e requalificação de um edifício existente junto da Porta dos Figos
para a instalação de um Centro de Design e Estudos da Prata;
• Realização de concursos para o desenvolvimento de peças e obras de arte que
serão expostas durante a Bienal da Prata.

Imagens 11, 12 e 13 – Relativas ao Centro de Design e Estudos da Prata

A.3 Remodelação da Cisterna - Centro de exposições – OP.469



Objetivos
• Remodelação da Cisterna visando a criação de um espaço de exposições
temporárias com diversos temas;
•Aproveitamento da posição geográfica da cisterna e da sua cobertura para
instalação de um equipamento dinamizador do Bairro do Castelo.

A.4 Remodelação da Torre do Castelo - Museu militar – OP.479


Objetivos
• Adaptação da Torre do Castelo e muralha primária para museu militar, incluindo
todos os trabalhos de recuperação estrutural e adaptação funcional do edifício existente.

Imagens 14 e 15 – Relativas
à Torre do Castelo

19
A.5 Remodelação da antiga Casa da Juventude - reformulado em sede de
candidatura em Junho de 2010

A.6 Remodelação da Padaria do Cantinho - OP.471



Objetivos
• Remodelação e adaptação da antiga Padaria do Cantinho para instalação dos
escoteiros, incluindo a criação de todas as áreas funcionais necessárias à realização das
actividades desenvolvidas e dos serviços prestados pelos escoteiros.

Imagens 16 e 17 – Relativas à Padaria do Cantinho

A.7 Remodelação do Solar da Rua da Olaria - Santa Casa da Misericórdia de


Lamego – OP.473

Objetivos
• Remodelação e adaptação do Solar da Rua da Olaria para a instalação de um
Centro de Apoio Social, incluindo a criação de espaços funcionais que permitam o
apoio social.

Imagens 18 e 19 – Relativas à Remodelação do Solar.

20
A.8 Centro de Artesanato das Artes e Ofícios Tradicionais - OP.478
Objetivos
• Recuperação e valorização do património arquitectónico, cultural e histórico do
Bairro do Castelo, através da recuperação dos edifícios envolventes à porta dos Figos.

Imagens 20 e 21 – Relativas ao Centro de Artesanato

A.9 Centro de Actividades Ocupacionais do Castelo - OP.481


Objetivos
•Promoção e incentivo da participação e inclusão social dos idosos, prevenindo o
isolamento e a solidão;
•Reforço da diversidade funcional da zona de intervenção.

Imagens 22 e 23 – Relativas ao Centro de Atividades Ocupacionais do Castelo

21
A.10 Agenda do Castelo – OP.425

Está relacionada com as Feiras Medievais realizadas no Castelo.

Imagens 24 e 25 – Relativas à Feira Medieval

A.11 Gestão e Animação do Programa de Acção – OP.460

22
UOR B: Eixo Barroco1ªFase

Imagem 26 – Relativa |à Planta da Requalificação do Espaço Público

B.1 Requalificação do Espaço Público do Eixo Barroco-OP.480



Objetivos
•Melhoria da integração, mobilidade e articulação urbana com a restante cidade;
•Implementação de um novo desenho urbano;
•Maior legibilidade, distinção de usos e eliminação de barreiras arquitectónicas e
visuais.

B.2 Remodelação do Posto de Turismo - reformulado em sede de candidatura em


Junho de 2010


B.3 Requalificação do Largo da Feira-OP.472


Objetivos
•Implementação de um novo desenho urbano;
•Maior legibilidade, distinção de usos e eliminação de barreiras arquitectónicas e
visuais.

23
UOR C: Santuário e Mata dos Remédios-2a Fase
C.1 Valorização e recuperação da Mata de Nossa Senhora dos Remédios
C.2 Construção de passagem inferior no Escadório dos Remédios

C.3 Remodelação de edifícios existentes na Mata dos Remédios


UOR D: Parque Urbano-2afase


D.1 Construção do Parque Urbano da Cidade de Lamego
D.2 Remodelação dos edifícios do Parque

D.3 Desenvolvimento de uma Agenda Verde
Fonte: Câmara Municipal de Lamego

24
Análise do Município

Para melhor analisarmos e entendermos os meios de promoção e marketing


realizados no Município, elaboramos um entrevista ao Presidente da Câmara Municipal
de Lamego, que se encontra no apêndice do trabalho.
O Turismo na cidade de Lamego é o sector fundamental para economia.
Proporciona a criação de hotéis e desenvolve os sectores de produção dos produtos
locais. Lamego tem a sorte de estar situado na Região do Douro Sul, pois o Douro está
qualificado como Património da Humanidade.
As atividades culturais realizadas na cidade, são organizadas pelo Teatro Ribeiro
Conceição, em que organiza e elabora o calendário de eventos. As atividades
organizadas são feitas através de parcerias com as entidades locais.
Ao nível da promoção turística, o Município tem como planos nacionais o
Turismo do Douro e o Turismo de Portugal. Os planos Beira Douro e Douro Aliance
são planos regionais que promovem e desenvolvem todas atividades da Cidade.
O programa Viver Lamego, é o que vai trazer benefícios à cidade, pois vai atrair
turistas para ver o que foi recuperado nos monumentos existentes. Poderá criar novos
circuitos de visita à cidade.

25
Mostra da Cereja da Penajóia – 3ª Edição

No trabalho mencionamos o evento da cereja como meio de promoção e


marketing da cidade.
Este evento tem como principal objetivo a divulgação da cereja. Pelo fato de ser
realizado em Lamego, faz com que potencialize a economia e o turismo da cidade.
A Escola de Hotelaria e Turismo do Douro irá realizar serviços em bares e cafés
da cidade, de forma a promover o fruto.

26
Pontos Forte e Pontos Fracos

Sinteticamente apresentamos os pontos fortes e pontos fracos, que o grupo


identificou no Município.

Pontos Fortes:
 Tem boas acessibilidades a nível geográfico;
 É uma cidade calma e segura;
 A população Lamecense é acolhedora;
 Apresenta um vasto património histórico e monumental;
 Os seus produtos locais são muito apreciados, os principais produtos são o vinho
e os enchidos;
 A Câmara Municipal contém um grande poder político local;
 O Município preocupa-se em restaurar, recuperar e adaptar todo o seu
património, de forma a preservar e valorizar a cidade.
 A cidade recebe diversos padrões de turistas.

Pontos Fracos:
 Tem uma população envelhecida;
 A oferta de emprego é fraca e a mão de obra é pouco qualificada;
 Os solos não são cultivados;
 Contém pouca sinalização turística;
 Em certos locais não contém as acessibilidades corretas para pessoas com
deficiência;
 Não contém animação turística, assim como promoção de eventos;
 A cidade não tem grande atratividade para grupos de jovens.

Observamos que a cidade está repleta de tradições, que estão interligadas com a
religião e a cultura.
Os monumentos religiosos da cidade, não são totalmente reaproveitados para o
benefício turístico da cidade, pois existem diversas igrejas e capelas com as portas
fechadas.

27
O facto de Lamego ter um vasto património vitivinícola, faz com que seja uma
mais-valia para a região onde se insere.
Existe uma grande procura dos produtos regionais, favorecendo à criação de
novos investimentos.
O que de facto mais deve preocupar o Município de Lamego é da população ser
envelhecida, pois cria mais dificuldades para o futuro.

28
Conclusão

Como pode observar,o conteúdo deste relatorio somente foi possível após um
exaustivo trabalho de pesquisa minuciosa que exigiu uma análise e uma reflexão
profunda sobre a matéria.
Reflexão essa que levou a que seja possível entender melhor os Recursos
Turísticos de Lamego que por vezes passam despercebidos na história desta cidade
deveras interessante.
Com o Relatório final, concluímos que Lamego é uma cidade muito rica em
património cultural, natural e monumental.
O Santuário da Nª Sª dos Remédios é o ex-libris da cidade. É o principal ponto
de atração turística.
O património monumental religioso é o elemento que mais atrai os turistas.
Por isso, é importante que exista um desenvolvimento de maneira a subsista
outro tipo de empreendedorismo na cidade.
A cidade tem uma riqueza enorme ao nível da arte, gastronomia e vinhos.
Na análise que fizemos ao Plano Plurianual de Investimentos, pelos elementos
de análise turismo, cultura e recreio e lazer, verificamos que a cidade tem feito grandes
apostas na requalificação do Espaço. Isto deve-se ao Projeto do Viver Lamego, em que
o seu objetivo é valorizar e integrar o Centro Histórico de Lamego.
Por fim, avaliamos os pontos fortes e os pontos fracos do Município.

29
Apêndice

ENTREVISTA REALIZADA AO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO

Para melhor compreender e analisar os objetivos ao nível do Turismo na Câmara


Municipal de Lamego, foi-nos proposto realizar uma entrevista ao Presidente, na qual se
segue em baixo.

1ª Questão: Qual a importância dada ao sector do Turismo na Autarquia e os


aspectos culturais?

Resposta: O sector do Turismo é fundamental para o município de Lamego. É uma


actividade económica emergente, que se está a afirmar com a criação de equipamentos
hoteleiros e projectos enoturisticos e de produção de produtos regionais,
complementares à actividade vitivinícola e à actividade agrícola em geral, que aproveita
as potencialidades paisagísticas do concelho (e do Douro em geral), a qualidade dos
produtos locais, as tradições culturais, festividades populares e religiosas e o valioso
património cultural do município. Lamego tem já a maior e mais qualificada oferta
hoteleira do Douro, actividades de animação, oferta cultural (TRC e festividades e
eventos diversos) e formação especifica para a área de turismo (ESTGL e EHTD).

2ª Questão: Pode falarnos das atividades culturais que considera mais relevante
entre aqueles que são levadas a cabo no município.

Resposta: Todas as actividades culturais são muito relevantes para o turismo, pois são
as actividades de programação cultural permanente, que é constituída pela programação
do TRC e pelo conjunto de eventos que ao longo do ano afirmam as tradições locais. A
existência de eventos ao longo de todo o ano (entrudo de Lazarim, semana Santa, 3 de
Maio, etc...), e que têm como objectivo marcar um calendário permanente de eventos

30
que ajude a minimizar a tradicional sazonalidade que afecta o turismo o Douro e que
necessita de motivos diferenciados de apelo à visita. Se atentar na programação de
actividades, todas as semanas há inúmeras actividades de interesse cultural, recreativo
ou turístico, para animação da cidade, que resultam da parceria entre o município e as
associações, clubes e colectividades do concelho, bem como empresas locais.


3ª Questão: No municipio existem planos de promoção e marketing no ambito do


turismo e cultura?

Resposta: Sim, o município tem um plano de promoção próprio, articulado com as


principais entidades de promoção turística regional e nacional (Turismo do Douro e
Turismo de Portugal) e com a as associações de desenvolvimento regional (beiraDouro
e Douro alliance) que incluem instrumentos de apoio técnico e financiamento das
acções a desenvolver.

4ª Questão: Que projectos preve para o futuro a nivel turistico – cultural?

Resposta: A próxima "frente" de actuação a nível turístico-cultural está relacionado


com a implementação do programa "Viver Lamego" que vai "lavar a cara" ao centro da
cidade e ao bairro do castelo e abrir ao publico um conjunto de equipamentos
desinteresse turístico, nomeadamente o Castelo e a Cisterna, bem como criar circuitos
de visita, espaços de apoio às actividades e ofícios tradicionais e permitir o
desenvolvimento e instalação de novas actividades com interesse e vocação turística,
quer no eixo barroco, como na rua da olaria e no bairro do castelo. Descobrir e Viver
Lamego, será o mote...

31
Bibliografia:

http://www.cm-lamego.pt/, consultado em 18 de abril de 2013.

http://www.igogo.pt/parques-e-jardins-lamego/, consultado a 18 de abril de 2013.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lamego#Desporto, consultado a 18 de abril de 2013.

http://www.flickr.com/photos/vitor107/sets/72057594053369396, Consultado a 19 de

abril de 2013.

http://index-dias-com-arvores.blogspot.pt/2004/09/rvores-classificadas.html,

Consultado a 19 de abril de 2013.

http://miradourosdurienses.blogspot.pt/, Consultado a 20 de abril de 2013.

http://www.ccr-norte.pt/fotos/editor2/imported/www.ccr-

norte.pt/regnorte/pdtvd_2007_2013.pdf, Consultado a 20 de abril de 2013.

http://www.viverlamego.com , Consultado a 24 de Maio de 2013.

32